SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
Adquira o livro de apoio para subsidiar seus estudos, no
site da CPAD (www.cpad.com.br) ou nas melhores
livrarias.
TEXTO DO DIA
“Eis que a virgem conceberá e dará à luz
um filho, e ele será chamado pelo nome
de EMANUEL. (EMANUEL traduzido é:
Deus conosco)”. (Mt 1.23).
SÍNTESE
A concepção de Jesus se deu por uma
ação divina. Foi resultado da ação
direta do Espírito Santo sobre Maria, a
serva do Senhor.
LEITURA BÍBLICA
Mt 1.18-25
18 Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe,
desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do
Espírito Santo.
19 Então, José, seu marido, como era justo e a não queria infamar,
intentou deixá-la secretamente.
20 E, projetando ele isso, eis que, em sonho, lhe apareceu um anjo do
Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua
mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo.
21 E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de JESUS, porque ele
salvará o seu povo dos seus pecados.
22 Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do
Senhor pelo profeta, que diz:
23 Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado
pelo nome de EMANUEL. (EMANUEL traduzido é: Deus conosco).
24 E José, despertando do sonho, fez como o anjo do Senhor lhe
ordenara, e recebeu a sua mulher,
25 e não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe
o nome de JESUS.
• O Evangelho de Mateus se constitui uma tentativa
de diálogo entre judeu-cristãos e cristãos gentios.
• Os judeus tinham dificuldades sérias de aceitar
Jesus como o messias prometido.
• Mateus demonstra a relação entre Jesus e a
figura messiânica que implantaria o Reino dos
céus.
• Por isso, a organização que se inicia com a
genealogia de Jesus e a narrativa de seu
nascimento de origem sobrenatural.
INTRODUÇÃO
I. MARIA, A MULHER DA QUAL
NASCEU JESUS (MT 1.18)
• Desde o início da vida humana de Jesus a obra
de Deus foi se manifestando.
• Na descrição genealógica de Jesus o termo
usado para demonstrar a descendência é
utilizado o verbo gerar. Fulano gerou beltrano.
• No entanto, quando chega em José o padrão
muda. A ele não é atribuído essa ação de gerar,
mas sim é citada a relação dele com Maria
(marido).
• Jesus não foi gerado por ação humana, mas
divina.
Introdução ao tópico
• Jesus nasce em um momento turbulento para
o povo judeu (sob o domínio do Império
Romano).
• Desde a destruição do templo, da cidade e dos
muros de Jerusalém em 587 a.C. o povo judeu
aguardava por uma libertação sobrenatural.
• A cultura judaica da época do nascimento de
Jesus era profundamente influenciada pela
expectativa messiânica.
a) Uma mulher daria a luz ao messias prometido
• As mulheres judaicas, dentro dessa cultura,
almejavam ser a escolhida para tamanha honra
de ser mãe da figura mais esperada de seu
povo.
• Maria seria a realização de uma das mais
profundas promessas de Deus.
• Os textos messiânicos mais expressivos para
demonstrar essa realidade é Is 7.10-17 e 9.1-6.
• Os textos tem um significado histórico que não
pode ser ignorado ao se comentar sobre eles.
a) Uma mulher daria a luz ao messias prometido
• O sinal era o fato de uma moça bem jovem que
engravidaria e teria um filho, fruto do
relacionamento sexual como todo ser humano
(Acaz e sua esposa).
• Esse filho prometido seria Ezequias,
considerado pelos judeus como um rei justo e
bom.
• Um rei justo e bom que tratasse o povoado com
justiça era sinal da presença de Deus junto ao
seu povo.
• Cumprimento original da promessa:
nascimento do rei Ezequias (figura do messias).
a) Uma mulher daria a luz ao messias prometido
• Na época de Acaz uma jovem moça teve o
privilégio de dar à luz ao rei Ezequias, figura de
liderança justa e boa que trouxe esperança em
um momento difícil da história de Israel.
• No entanto, Maria teve ainda um privilégio
maior, pois deu a luz ao menino Jesus, o
verdadeiro messias que Israel esperava.
a) Uma mulher daria a luz ao messias prometido
• A igreja católica usa o termo imaculada
conceição de Nossa Senhora, quando se refere
à sua própria concepção.
• Portanto, não se tem a intenção de afirmar que
a sua concepção foi virginal como a de Jesus.
• Seu nascimento é considerado normal, fruto da
relação conjugal de um casal conhecido pelos
católicos como “São Joaquim” e “Santa Ana”.
b) Uma mulher escolhida para ser agraciada
• Segundo a crença católica, ela foi liberada da
mancha do pecado desde a sua concepção.
• “Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim
segundo a tua palavra” (Lc 1.38).
• Os católicos entendem que esta entrega
incondicional de Maria à vontade de Deus não
seria possível sem a ação sobrenatural de
Deus em sua concepção.
b) Uma mulher escolhida para ser agraciada
• Maria realmente foi agraciada em ser escolhida
para ser a mãe de Jesus Cristo.
• Todavia, ela estava na mesma condição de
qualquer outro pecador (inimizade e separada
de Deus), sendo totalmente dependente do ato
salvífico de Cristo na Cruz (Rm 3-5).
• Portanto, Maria teve um nascimento como
qualquer outro ser humano, era pecadora e
carente da misericórdia de Deus e dependente
da intervenção da obra de Cristo para sua
justificação.
b) Uma mulher escolhida para ser agraciada
PENSE
José e Maria tinham uma disciplina
exemplar para manter o segredo de Deus
e andar na vontade de Deus.
Jovem, você tem essa disciplina?
PONTO IMPORTANTE
Maria foi agraciada e escolhida para ser
a mãe de Jesus Cristo. No entanto, não
recebeu nenhuma autoridade de
mediadora entre o ser humano e Deus.
II. JOSÉ, ESPOSO DA MULHER DA
QUAL NASCEU JESUS (MT 1.19-25)
• Para o cumprimento da promessa de Deus não
bastava um mulher agraciada, era preciso um
casal com características específicas.
• Maria era uma jovem virgem e obediente à
vontade de Deus, enquanto José era um homem
honrado, de bom caráter e que temia a Deus.
• Ele passa a ser conhecido como o “esposo da
mulher da qual nasceu Jesus”.
Introdução ao tópico
• Maria também foi agraciada com um esposo
honrado e de bom caráter.
• Nos dia de José, na cultura local, era comum
casamentos arranjados.
• Homens mais velhos combinavam casamentos,
por meio de pagamento, com meninas com
idades até inferior à 10 anos (proteção dos
direitos de propriedade).
• Tratava-se de um contrato de casamento judeu
que difere muito do noivado moderno.
a) José um homem honrado e de bom caráter
• O marido tinha o direito de anular o casamento
e receber o dinheiro de volta, caso fosse
comprovado que a jovem moça não fosse mais
virgem.
• O fato de Maria ter engravidado antes de o
casamento ter sido consumado, José seria
obrigado a tornar público o assunto e Maria
seria envergonhada e punida.
• Para proteger Maria, José teve a intenção de
deixá-la secretamente, mas mesmo assim, ela
ficaria desprotegida.
a) José um homem honrado e de bom caráter
• Ele vai além, aceita a vontade divina e assume
a paternidade do filho que Maria esperava.
• José toma Maria como esposa. Levando-a para
sua casa, no entanto sem ter relações sexuais
com ela até que o filho nascesse.
• Essa atitude demonstra a honradez de José,
principalmente na cultura de sua época.
a) José um homem honrado e de bom caráter
• José também recebe um papel próprio e
importante no plano divino de salvação.
• Da mesma forma que Maria, ele é privilegiado de
cuidar e conduzir o Filho de Deus em sua
missão única e salvadora.
• No entanto, isso não o torna Santo e com
autoridade de intermediar diante de Deus em
benefício dos seres humanos.
• É por meio da paternidade de José que Jesus
será conectado à tradição messiânica
davídica”.
b) José liga Jesus à tradição messiânica davídica
• Na crucificação, essa relação de Jesus com a
descendência real é lembrada, porém na forma
de acusação.
• O reinado/império de Jesus não visava a glória
humana semelhante ao reino de Davi, mas sim
o reino de justiça e bondade.
b) José liga Jesus à tradição messiânica davídica
• Os impérios que se levantaram ao longo da
história de Israel eram autoritários,
dominadores e opressores.
• Jesus propõe um governo com estruturas mais
igualitárias.
• Um reino com governo comunitário com base
na vontade de Deus (Mt 1.21; 11.25-27; 12.46-
50).
c) O filho de José é um rei de justiça e bondade
• Jesus faz advertências rígidas contra o abuso de
poder, a luxúria, o adultério, o poder masculino no
divórcio que era prática comum na época, a
avareza e exploração dos pobres (Mt 5.27-32;
19.3-12, 16-30; 6.19-34).
• Jesus se coloca no lugar dos oprimidos e pessoas
que não tinham quem intercedesse por eles.
• Ele questiona a falsa religiosidade e as práticas
religiosas opressoras.
c) O filho de José é um rei de justiça e bondade
• Nos ensinos de Jesus, principalmente nas
parábolas, os heróis e heroínas são os
excluídos da sociedade (samaritanos,
prostitutas e pecadores).
• Assim, a ascendência de Jesus por meio de
José, seu pai terreno, era real, mas seu reino era
diferente, um rei que deu sua vida em prol da
justiça e para a justificação de toda
humanidade.
c) O filho de José é um rei de justiça e bondade
PENSE
José ao receber Maria grávida, ele a
honrou e teve relações sexuais com ela
somente após o nascimento de Jesus.
Jovem, você teria essa disciplina?
PONTO IMPORTANTE
As atitudes de José demonstravam que
ele era um homem honrado e, junto com
a jovem Maria, recebeu a honra e
responsabilidade de criar o Filho de Deus.
III. O NASCIMENTO VIRGINAL
DE JESUS CRISTO (MT 1.18-23)
• O nascimento virginal de Jesus tem sido
contestado ao longo de séculos, mas o
cristianismo continua firme na defesa desta
doutrina.
• Ela é fundamental para demonstrar a divindade
de Jesus e o propósito de sua missão: doação
do Deus encarnado para a redenção da
humanidade.
Introdução ao tópico
• Em 2007 foi disponibilizado no site
http://www.zeitgeistmovie.com um vídeo com mais
de 2 horas de duração com o título “ZEITGEIST -
THE MOVIE” para contestar a divindade de
Jesus, comparando com mitos gregos, persas,
indus e outros, que surgiram pelo menos um
século antes de Jesus.
• Dentre as contestações está a doutrina cristã e
a crença no nascimento virginal e na
ressurreição de Jesus.
• seis meses depois já tinha quase 10 milhões de
acessos.
a) Um nascimento diferente dos relatos míticos
• Quando se fala do nascimento virginal,
tecnicamente, o que está em questão é a
preservação da virgindade no processo da
concepção.
• Relatos míticos – “nascimento virginal” oriundos
de do relacionamento de deuses mitológicos
(Zeus e Perséfone) e uma mulher mortal.
• Para comprovar o plano divino do nascimento
virginal, Mateus não recorre à mitologia e sim ao
profeta Isaias (Is 7.14).
a) Um nascimento diferente dos relatos míticos
• Maria estava comprometida com José e
aguardava a data da formalização do casamento.
• O evangelista afirma que ela simplesmente
achou-se grávida pelo Espírito Santo (Mateus
1:18).
• Como isso é possível?
b) O nascimento virginal segundo Mateus
• Mateus evidencia a origem divina de Jesus,
dentre outras evidências, por meio da narrativa do
nascimento virginal.
• Uma concepção sem ação humana e unicamente
pela ação divina, independente do casal judaico
escolhido para a missão de criar e educar o
messias prometido.
b) O nascimento virginal segundo Mateus
PENSE
Jovem, você já parou para pensar na
humildade de Jesus, como Deus Criador,
ao se submeter ser gerado na barriga de
uma de suas criaturas?
PONTO IMPORTANTE
A rede social têm sido um meio eficaz
utilizado por pessoas incrédulas, para
contestar as doutrinas cristãs. Todavia,
também pode ser usada para evangelizar,
se usada com sabedoria.
Nesta lição aprendemos que:
1. Maria e José eram justos e foram agraciados por
Deus para serem os pais terrenos de Jesus;
2. No entanto, eram pessoas comuns, pecadoras e
desprovidas de poder para intermediação diante
de Deus;
3. A concepção de Jesus não está baseada em
mitos, mas foi uma ação divina.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
LIÇÕES BÍBLICAS DE JOVENS. Seu Reino não Terá Fim: vida e obra
de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. 1 TRI 2018. Rio de
Janeiro: CPAD, 2017.
NEVES, Natalino das. Seu Reino não terá Fim: vida e obra de Jesus,
segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.
REFERÊNCIAS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Facebook: www.facebook.com/natalino.neves
Contatos:
natalino6612@gmail.com
(41) 98409 8094 (TIM)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoEmanuel Costa
 
As Parábolas de Jesus parte 1/2
As Parábolas de Jesus parte 1/2As Parábolas de Jesus parte 1/2
As Parábolas de Jesus parte 1/2Ney Bellas
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaMoisés Sampaio
 
Lição 4 - Isaque, um Caráter Pacífico
Lição 4 - Isaque, um Caráter PacíficoLição 4 - Isaque, um Caráter Pacífico
Lição 4 - Isaque, um Caráter PacíficoÉder Tomé
 
Mulheres A Serviço do Senhor
Mulheres A Serviço do SenhorMulheres A Serviço do Senhor
Mulheres A Serviço do SenhorElciene Oliveira
 
A Família e a Igreja
A Família e a IgrejaA Família e a Igreja
A Família e a IgrejaLuan Almeida
 
Ensino bíblico sobre o jejum
Ensino bíblico sobre o jejumEnsino bíblico sobre o jejum
Ensino bíblico sobre o jejumADPC109
 
Pecado segundo a Bíblia
Pecado segundo a BíbliaPecado segundo a Bíblia
Pecado segundo a BíbliaAriana Garrett
 
Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.João Campos
 
Aula 1 - Gênesis
Aula 1 - GênesisAula 1 - Gênesis
Aula 1 - Gênesisibrdoamor
 
Estudo sobre a FÉ - Parte 01
Estudo sobre a FÉ - Parte 01Estudo sobre a FÉ - Parte 01
Estudo sobre a FÉ - Parte 01Anderson Favaro
 
A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhosA familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhosSebastião Luiz Chagas
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)Natalino das Neves Neves
 
Fechamento da porta da graça iasd iguatemi
Fechamento da porta da graça iasd iguatemiFechamento da porta da graça iasd iguatemi
Fechamento da porta da graça iasd iguatemiEzequiel Gomes
 

Mais procurados (20)

A missão de jesus cristo
A missão de jesus cristoA missão de jesus cristo
A missão de jesus cristo
 
O valor do perdão
O valor do perdãoO valor do perdão
O valor do perdão
 
As Parábolas de Jesus parte 1/2
As Parábolas de Jesus parte 1/2As Parábolas de Jesus parte 1/2
As Parábolas de Jesus parte 1/2
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
 
Lição 4 - Isaque, um Caráter Pacífico
Lição 4 - Isaque, um Caráter PacíficoLição 4 - Isaque, um Caráter Pacífico
Lição 4 - Isaque, um Caráter Pacífico
 
Mulheres A Serviço do Senhor
Mulheres A Serviço do SenhorMulheres A Serviço do Senhor
Mulheres A Serviço do Senhor
 
A Família e a Igreja
A Família e a IgrejaA Família e a Igreja
A Família e a Igreja
 
Ensino bíblico sobre o jejum
Ensino bíblico sobre o jejumEnsino bíblico sobre o jejum
Ensino bíblico sobre o jejum
 
Pecado segundo a Bíblia
Pecado segundo a BíbliaPecado segundo a Bíblia
Pecado segundo a Bíblia
 
Cristologia aula04
Cristologia aula04Cristologia aula04
Cristologia aula04
 
Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.
 
A Pedagogia De Jesus
A Pedagogia De JesusA Pedagogia De Jesus
A Pedagogia De Jesus
 
Aula 1 - Gênesis
Aula 1 - GênesisAula 1 - Gênesis
Aula 1 - Gênesis
 
Estudo sobre a FÉ - Parte 01
Estudo sobre a FÉ - Parte 01Estudo sobre a FÉ - Parte 01
Estudo sobre a FÉ - Parte 01
 
A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhosA familia cristã e os desafios na criação dos filhos
A familia cristã e os desafios na criação dos filhos
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
As dez virgens
As dez virgensAs dez virgens
As dez virgens
 
O PÃO DA VIDA
O PÃO DA VIDAO PÃO DA VIDA
O PÃO DA VIDA
 
Fechamento da porta da graça iasd iguatemi
Fechamento da porta da graça iasd iguatemiFechamento da porta da graça iasd iguatemi
Fechamento da porta da graça iasd iguatemi
 
A TRINDADE (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 A TRINDADE (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP) A TRINDADE (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
A TRINDADE (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 

Semelhante a A concepção divina de Jesus segundo Mateus

Lição 2 - O Nascimento de Jesus segundo o Evangelho de Mateus - Classe De Jo...
Lição 2  - O Nascimento de Jesus segundo o Evangelho de Mateus - Classe De Jo...Lição 2  - O Nascimento de Jesus segundo o Evangelho de Mateus - Classe De Jo...
Lição 2 - O Nascimento de Jesus segundo o Evangelho de Mateus - Classe De Jo...Thauan Soares
 
LIÇÃO 12 - José, o pai terreno de Jesus - um homem de caráter
LIÇÃO 12 - José, o pai terreno de Jesus - um homem de caráterLIÇÃO 12 - José, o pai terreno de Jesus - um homem de caráter
LIÇÃO 12 - José, o pai terreno de Jesus - um homem de caráterNatalino das Neves Neves
 
Lição 12 - José, o pai terreno de Jesus — Um homem de caráter
Lição 12 - José, o pai terreno de Jesus — Um homem de caráterLição 12 - José, o pai terreno de Jesus — Um homem de caráter
Lição 12 - José, o pai terreno de Jesus — Um homem de caráterI.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Lição 12 José, o pai terreno de jesus - um homem de caráter
Lição 12   José, o pai terreno de jesus - um homem de caráterLição 12   José, o pai terreno de jesus - um homem de caráter
Lição 12 José, o pai terreno de jesus - um homem de caráterDaniel Felipe Kroth
 
Lição 12 - José o pai terreno de jesus — um homem de caráter
Lição 12 - José o pai terreno de jesus — um homem de caráterLição 12 - José o pai terreno de jesus — um homem de caráter
Lição 12 - José o pai terreno de jesus — um homem de caráterErberson Pinheiro
 
José, o Pai Terreno de Jesus – Um Homem de Caráter
José, o Pai Terreno de Jesus – Um Homem de CaráterJosé, o Pai Terreno de Jesus – Um Homem de Caráter
José, o Pai Terreno de Jesus – Um Homem de CaráterMárcio Martins
 
Lição 12 - Jose, o pai terreno de Jesus - um homem de carater
Lição 12 - Jose, o pai terreno de Jesus - um homem de caraterLição 12 - Jose, o pai terreno de Jesus - um homem de carater
Lição 12 - Jose, o pai terreno de Jesus - um homem de caraterÉder Tomé
 
LIÇÃO 12 - JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS - UM HOMEM DE CARÁTER
  LIÇÃO 12 - JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS - UM HOMEM DE CARÁTER  LIÇÃO 12 - JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS - UM HOMEM DE CARÁTER
LIÇÃO 12 - JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS - UM HOMEM DE CARÁTERAndré Ferreira
 
Curso de josefologia - Quem é são josé?
Curso de josefologia - Quem é são josé?Curso de josefologia - Quem é são josé?
Curso de josefologia - Quem é são josé?Paulo Silva
 
Emrc 5º aula 15
Emrc 5º aula 15Emrc 5º aula 15
Emrc 5º aula 15jv26
 
TABOR - A Dinastia de Jesus
TABOR - A Dinastia de JesusTABOR - A Dinastia de Jesus
TABOR - A Dinastia de JesusCarlos Burke
 
Lição 12 os antepassados de jesus cristo
Lição 12   os antepassados de jesus cristoLição 12   os antepassados de jesus cristo
Lição 12 os antepassados de jesus cristoÉder Tomé
 
Mulheres que ajudaram Jesus - Lição 06 - 2ºTri/2015
Mulheres que ajudaram Jesus - Lição 06 - 2ºTri/2015Mulheres que ajudaram Jesus - Lição 06 - 2ºTri/2015
Mulheres que ajudaram Jesus - Lição 06 - 2ºTri/2015Pr. Andre Luiz
 
Lição 11 maria mãe de jesus - uma serva humilde
Lição 11  maria mãe de jesus - uma serva humildeLição 11  maria mãe de jesus - uma serva humilde
Lição 11 maria mãe de jesus - uma serva humildePr. Andre Luiz
 

Semelhante a A concepção divina de Jesus segundo Mateus (20)

Lição 2 - O Nascimento de Jesus segundo o Evangelho de Mateus - Classe De Jo...
Lição 2  - O Nascimento de Jesus segundo o Evangelho de Mateus - Classe De Jo...Lição 2  - O Nascimento de Jesus segundo o Evangelho de Mateus - Classe De Jo...
Lição 2 - O Nascimento de Jesus segundo o Evangelho de Mateus - Classe De Jo...
 
LIÇÃO 12 - José, o pai terreno de Jesus - um homem de caráter
LIÇÃO 12 - José, o pai terreno de Jesus - um homem de caráterLIÇÃO 12 - José, o pai terreno de Jesus - um homem de caráter
LIÇÃO 12 - José, o pai terreno de Jesus - um homem de caráter
 
Lição 12 - José, o pai terreno de Jesus — Um homem de caráter
Lição 12 - José, o pai terreno de Jesus — Um homem de caráterLição 12 - José, o pai terreno de Jesus — Um homem de caráter
Lição 12 - José, o pai terreno de Jesus — Um homem de caráter
 
Lição 12 José, o pai terreno de jesus - um homem de caráter
Lição 12   José, o pai terreno de jesus - um homem de caráterLição 12   José, o pai terreno de jesus - um homem de caráter
Lição 12 José, o pai terreno de jesus - um homem de caráter
 
Lição 12 - José o pai terreno de jesus — um homem de caráter
Lição 12 - José o pai terreno de jesus — um homem de caráterLição 12 - José o pai terreno de jesus — um homem de caráter
Lição 12 - José o pai terreno de jesus — um homem de caráter
 
José, o Pai Terreno de Jesus – Um Homem de Caráter
José, o Pai Terreno de Jesus – Um Homem de CaráterJosé, o Pai Terreno de Jesus – Um Homem de Caráter
José, o Pai Terreno de Jesus – Um Homem de Caráter
 
Lição 12 - Jose, o pai terreno de Jesus - um homem de carater
Lição 12 - Jose, o pai terreno de Jesus - um homem de caraterLição 12 - Jose, o pai terreno de Jesus - um homem de carater
Lição 12 - Jose, o pai terreno de Jesus - um homem de carater
 
LIÇÃO 12 - JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS - UM HOMEM DE CARÁTER
  LIÇÃO 12 - JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS - UM HOMEM DE CARÁTER  LIÇÃO 12 - JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS - UM HOMEM DE CARÁTER
LIÇÃO 12 - JOSÉ, O PAI TERRENO DE JESUS - UM HOMEM DE CARÁTER
 
Curso de josefologia - Quem é são josé?
Curso de josefologia - Quem é são josé?Curso de josefologia - Quem é são josé?
Curso de josefologia - Quem é são josé?
 
Emrc 5º aula 15
Emrc 5º aula 15Emrc 5º aula 15
Emrc 5º aula 15
 
TABOR - A Dinastia de Jesus
TABOR - A Dinastia de JesusTABOR - A Dinastia de Jesus
TABOR - A Dinastia de Jesus
 
Lição 12 os antepassados de jesus cristo
Lição 12   os antepassados de jesus cristoLição 12   os antepassados de jesus cristo
Lição 12 os antepassados de jesus cristo
 
Mulheres que ajudaram Jesus - Lição 06 - 2ºTri/2015
Mulheres que ajudaram Jesus - Lição 06 - 2ºTri/2015Mulheres que ajudaram Jesus - Lição 06 - 2ºTri/2015
Mulheres que ajudaram Jesus - Lição 06 - 2ºTri/2015
 
1 genealogia
1 genealogia1 genealogia
1 genealogia
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
Evangelho de Lucas liçao 1
Evangelho de Lucas liçao 1Evangelho de Lucas liçao 1
Evangelho de Lucas liçao 1
 
10 encontro maria-2015
10 encontro   maria-201510 encontro   maria-2015
10 encontro maria-2015
 
História de São José
História de São JoséHistória de São José
História de São José
 
Monografia Ciência da Religião
Monografia Ciência da ReligiãoMonografia Ciência da Religião
Monografia Ciência da Religião
 
Lição 11 maria mãe de jesus - uma serva humilde
Lição 11  maria mãe de jesus - uma serva humildeLição 11  maria mãe de jesus - uma serva humilde
Lição 11 maria mãe de jesus - uma serva humilde
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTONatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_projecao
 

Último

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 

Último (20)

Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 

A concepção divina de Jesus segundo Mateus

  • 1.
  • 2.
  • 3. Adquira o livro de apoio para subsidiar seus estudos, no site da CPAD (www.cpad.com.br) ou nas melhores livrarias.
  • 4. TEXTO DO DIA “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de EMANUEL. (EMANUEL traduzido é: Deus conosco)”. (Mt 1.23).
  • 5. SÍNTESE A concepção de Jesus se deu por uma ação divina. Foi resultado da ação direta do Espírito Santo sobre Maria, a serva do Senhor.
  • 7. 18 Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo. 19 Então, José, seu marido, como era justo e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente. 20 E, projetando ele isso, eis que, em sonho, lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo. 21 E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de JESUS, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. 22 Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: 23 Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de EMANUEL. (EMANUEL traduzido é: Deus conosco). 24 E José, despertando do sonho, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher, 25 e não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe o nome de JESUS.
  • 8. • O Evangelho de Mateus se constitui uma tentativa de diálogo entre judeu-cristãos e cristãos gentios. • Os judeus tinham dificuldades sérias de aceitar Jesus como o messias prometido. • Mateus demonstra a relação entre Jesus e a figura messiânica que implantaria o Reino dos céus. • Por isso, a organização que se inicia com a genealogia de Jesus e a narrativa de seu nascimento de origem sobrenatural. INTRODUÇÃO
  • 9. I. MARIA, A MULHER DA QUAL NASCEU JESUS (MT 1.18)
  • 10. • Desde o início da vida humana de Jesus a obra de Deus foi se manifestando. • Na descrição genealógica de Jesus o termo usado para demonstrar a descendência é utilizado o verbo gerar. Fulano gerou beltrano. • No entanto, quando chega em José o padrão muda. A ele não é atribuído essa ação de gerar, mas sim é citada a relação dele com Maria (marido). • Jesus não foi gerado por ação humana, mas divina. Introdução ao tópico
  • 11. • Jesus nasce em um momento turbulento para o povo judeu (sob o domínio do Império Romano). • Desde a destruição do templo, da cidade e dos muros de Jerusalém em 587 a.C. o povo judeu aguardava por uma libertação sobrenatural. • A cultura judaica da época do nascimento de Jesus era profundamente influenciada pela expectativa messiânica. a) Uma mulher daria a luz ao messias prometido
  • 12. • As mulheres judaicas, dentro dessa cultura, almejavam ser a escolhida para tamanha honra de ser mãe da figura mais esperada de seu povo. • Maria seria a realização de uma das mais profundas promessas de Deus. • Os textos messiânicos mais expressivos para demonstrar essa realidade é Is 7.10-17 e 9.1-6. • Os textos tem um significado histórico que não pode ser ignorado ao se comentar sobre eles. a) Uma mulher daria a luz ao messias prometido
  • 13. • O sinal era o fato de uma moça bem jovem que engravidaria e teria um filho, fruto do relacionamento sexual como todo ser humano (Acaz e sua esposa). • Esse filho prometido seria Ezequias, considerado pelos judeus como um rei justo e bom. • Um rei justo e bom que tratasse o povoado com justiça era sinal da presença de Deus junto ao seu povo. • Cumprimento original da promessa: nascimento do rei Ezequias (figura do messias). a) Uma mulher daria a luz ao messias prometido
  • 14. • Na época de Acaz uma jovem moça teve o privilégio de dar à luz ao rei Ezequias, figura de liderança justa e boa que trouxe esperança em um momento difícil da história de Israel. • No entanto, Maria teve ainda um privilégio maior, pois deu a luz ao menino Jesus, o verdadeiro messias que Israel esperava. a) Uma mulher daria a luz ao messias prometido
  • 15. • A igreja católica usa o termo imaculada conceição de Nossa Senhora, quando se refere à sua própria concepção. • Portanto, não se tem a intenção de afirmar que a sua concepção foi virginal como a de Jesus. • Seu nascimento é considerado normal, fruto da relação conjugal de um casal conhecido pelos católicos como “São Joaquim” e “Santa Ana”. b) Uma mulher escolhida para ser agraciada
  • 16. • Segundo a crença católica, ela foi liberada da mancha do pecado desde a sua concepção. • “Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1.38). • Os católicos entendem que esta entrega incondicional de Maria à vontade de Deus não seria possível sem a ação sobrenatural de Deus em sua concepção. b) Uma mulher escolhida para ser agraciada
  • 17. • Maria realmente foi agraciada em ser escolhida para ser a mãe de Jesus Cristo. • Todavia, ela estava na mesma condição de qualquer outro pecador (inimizade e separada de Deus), sendo totalmente dependente do ato salvífico de Cristo na Cruz (Rm 3-5). • Portanto, Maria teve um nascimento como qualquer outro ser humano, era pecadora e carente da misericórdia de Deus e dependente da intervenção da obra de Cristo para sua justificação. b) Uma mulher escolhida para ser agraciada
  • 18. PENSE José e Maria tinham uma disciplina exemplar para manter o segredo de Deus e andar na vontade de Deus. Jovem, você tem essa disciplina?
  • 19. PONTO IMPORTANTE Maria foi agraciada e escolhida para ser a mãe de Jesus Cristo. No entanto, não recebeu nenhuma autoridade de mediadora entre o ser humano e Deus.
  • 20. II. JOSÉ, ESPOSO DA MULHER DA QUAL NASCEU JESUS (MT 1.19-25)
  • 21. • Para o cumprimento da promessa de Deus não bastava um mulher agraciada, era preciso um casal com características específicas. • Maria era uma jovem virgem e obediente à vontade de Deus, enquanto José era um homem honrado, de bom caráter e que temia a Deus. • Ele passa a ser conhecido como o “esposo da mulher da qual nasceu Jesus”. Introdução ao tópico
  • 22. • Maria também foi agraciada com um esposo honrado e de bom caráter. • Nos dia de José, na cultura local, era comum casamentos arranjados. • Homens mais velhos combinavam casamentos, por meio de pagamento, com meninas com idades até inferior à 10 anos (proteção dos direitos de propriedade). • Tratava-se de um contrato de casamento judeu que difere muito do noivado moderno. a) José um homem honrado e de bom caráter
  • 23. • O marido tinha o direito de anular o casamento e receber o dinheiro de volta, caso fosse comprovado que a jovem moça não fosse mais virgem. • O fato de Maria ter engravidado antes de o casamento ter sido consumado, José seria obrigado a tornar público o assunto e Maria seria envergonhada e punida. • Para proteger Maria, José teve a intenção de deixá-la secretamente, mas mesmo assim, ela ficaria desprotegida. a) José um homem honrado e de bom caráter
  • 24. • Ele vai além, aceita a vontade divina e assume a paternidade do filho que Maria esperava. • José toma Maria como esposa. Levando-a para sua casa, no entanto sem ter relações sexuais com ela até que o filho nascesse. • Essa atitude demonstra a honradez de José, principalmente na cultura de sua época. a) José um homem honrado e de bom caráter
  • 25. • José também recebe um papel próprio e importante no plano divino de salvação. • Da mesma forma que Maria, ele é privilegiado de cuidar e conduzir o Filho de Deus em sua missão única e salvadora. • No entanto, isso não o torna Santo e com autoridade de intermediar diante de Deus em benefício dos seres humanos. • É por meio da paternidade de José que Jesus será conectado à tradição messiânica davídica”. b) José liga Jesus à tradição messiânica davídica
  • 26. • Na crucificação, essa relação de Jesus com a descendência real é lembrada, porém na forma de acusação. • O reinado/império de Jesus não visava a glória humana semelhante ao reino de Davi, mas sim o reino de justiça e bondade. b) José liga Jesus à tradição messiânica davídica
  • 27. • Os impérios que se levantaram ao longo da história de Israel eram autoritários, dominadores e opressores. • Jesus propõe um governo com estruturas mais igualitárias. • Um reino com governo comunitário com base na vontade de Deus (Mt 1.21; 11.25-27; 12.46- 50). c) O filho de José é um rei de justiça e bondade
  • 28. • Jesus faz advertências rígidas contra o abuso de poder, a luxúria, o adultério, o poder masculino no divórcio que era prática comum na época, a avareza e exploração dos pobres (Mt 5.27-32; 19.3-12, 16-30; 6.19-34). • Jesus se coloca no lugar dos oprimidos e pessoas que não tinham quem intercedesse por eles. • Ele questiona a falsa religiosidade e as práticas religiosas opressoras. c) O filho de José é um rei de justiça e bondade
  • 29. • Nos ensinos de Jesus, principalmente nas parábolas, os heróis e heroínas são os excluídos da sociedade (samaritanos, prostitutas e pecadores). • Assim, a ascendência de Jesus por meio de José, seu pai terreno, era real, mas seu reino era diferente, um rei que deu sua vida em prol da justiça e para a justificação de toda humanidade. c) O filho de José é um rei de justiça e bondade
  • 30. PENSE José ao receber Maria grávida, ele a honrou e teve relações sexuais com ela somente após o nascimento de Jesus. Jovem, você teria essa disciplina?
  • 31. PONTO IMPORTANTE As atitudes de José demonstravam que ele era um homem honrado e, junto com a jovem Maria, recebeu a honra e responsabilidade de criar o Filho de Deus.
  • 32. III. O NASCIMENTO VIRGINAL DE JESUS CRISTO (MT 1.18-23)
  • 33. • O nascimento virginal de Jesus tem sido contestado ao longo de séculos, mas o cristianismo continua firme na defesa desta doutrina. • Ela é fundamental para demonstrar a divindade de Jesus e o propósito de sua missão: doação do Deus encarnado para a redenção da humanidade. Introdução ao tópico
  • 34. • Em 2007 foi disponibilizado no site http://www.zeitgeistmovie.com um vídeo com mais de 2 horas de duração com o título “ZEITGEIST - THE MOVIE” para contestar a divindade de Jesus, comparando com mitos gregos, persas, indus e outros, que surgiram pelo menos um século antes de Jesus. • Dentre as contestações está a doutrina cristã e a crença no nascimento virginal e na ressurreição de Jesus. • seis meses depois já tinha quase 10 milhões de acessos. a) Um nascimento diferente dos relatos míticos
  • 35. • Quando se fala do nascimento virginal, tecnicamente, o que está em questão é a preservação da virgindade no processo da concepção. • Relatos míticos – “nascimento virginal” oriundos de do relacionamento de deuses mitológicos (Zeus e Perséfone) e uma mulher mortal. • Para comprovar o plano divino do nascimento virginal, Mateus não recorre à mitologia e sim ao profeta Isaias (Is 7.14). a) Um nascimento diferente dos relatos míticos
  • 36. • Maria estava comprometida com José e aguardava a data da formalização do casamento. • O evangelista afirma que ela simplesmente achou-se grávida pelo Espírito Santo (Mateus 1:18). • Como isso é possível? b) O nascimento virginal segundo Mateus
  • 37. • Mateus evidencia a origem divina de Jesus, dentre outras evidências, por meio da narrativa do nascimento virginal. • Uma concepção sem ação humana e unicamente pela ação divina, independente do casal judaico escolhido para a missão de criar e educar o messias prometido. b) O nascimento virginal segundo Mateus
  • 38. PENSE Jovem, você já parou para pensar na humildade de Jesus, como Deus Criador, ao se submeter ser gerado na barriga de uma de suas criaturas?
  • 39. PONTO IMPORTANTE A rede social têm sido um meio eficaz utilizado por pessoas incrédulas, para contestar as doutrinas cristãs. Todavia, também pode ser usada para evangelizar, se usada com sabedoria.
  • 40. Nesta lição aprendemos que: 1. Maria e José eram justos e foram agraciados por Deus para serem os pais terrenos de Jesus; 2. No entanto, eram pessoas comuns, pecadoras e desprovidas de poder para intermediação diante de Deus; 3. A concepção de Jesus não está baseada em mitos, mas foi uma ação divina. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 41. LIÇÕES BÍBLICAS DE JOVENS. Seu Reino não Terá Fim: vida e obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. 1 TRI 2018. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. NEVES, Natalino das. Seu Reino não terá Fim: vida e obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. REFERÊNCIAS
  • 42. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 98409 8094 (TIM)