SlideShare uma empresa Scribd logo
JUVENTUDES
                       - O QUE É JUVENTUDE?
                  - O QUE SIGNIFICA SER JOVEM?
 - QUE ASPECTOS HISTÓRICOS ESTÃO LIGADOS AO UNIVERSO JUVENIL?
      - QUAIS SÃO AS DEFINIÇÕES CONCEITUAIS DE JUVENTUDE?
    - - EXISTEM POLITICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA JUVENTUDE?
-IGREJA E JUVENTUDES: O QUE PENSA O MAGISTÉRIO SOBRE OS JOVENS?
                   - E O QUE PENSAM OS JOVENS?
“Longe se vai, sonhando demais
Mas onde se chega assim?
Vou descobrir o que me faz sentir
Eu, caçador de mim...”
Conceitos de Juventude


“Nossos      adolescentes    atuais   “Não vejo a esperança para o futuro
parecem amar o luxo. Têm maus         do nosso povo se ele depender da
modos e desprezam a autoridade.       frívola mocidade de hoje, pois todos
São desrespeitosos com os adultos     os jovens são, por certo,
e passam o tempo vagando pelas        indizivelmente frívolos... Quando eu
praças... São propensos a ofender     era menino, ensinavam-nos a ser
seus pais, monopolizam a conversa     discretos e respeitar os mais velhos,
quando estão na companhia de          mas os moços de hoje são
outras pessoas mais velhas; comem     excessivamente sabidos e não
com voracidade e tiranizam seus       toleram restrições”.
mestres”.                             Hesíodo, séc VII a.C
Sócrates, séc IV a.C
Momento de uma “Polissemia” Conceitual



 Nessa tarefa, algumas dificuldades devem ser levadas
em conta: O conceito de juventude varia conforme o
interesse específico de quem o maneja. São distintas, por
exemplo, as motivações de um cientista político, de um
educador, de um médico e de um publicitário.
Juventude: Objeto de Análise de
  distintas ciências.


A demografia preocupada em desvelar seu peso no conjunto da
população; a medicina interessada nos aspectos relacionados à
sexualidade e à reprodução; a psicologia, dedicada a
compreender os comportamentos de transição entre a infância e
a idade adulta; a sociologia, voltada para o entendimento da
atuação dos jovens nas dinâmicas que se dão em diversas esferas
do cotidiano social.
Juventude entendida como período
          preparatório:




                                                            Idade
 Infância
                                                            Adulta




 Políticas: centradas na preparação do jovem para que ele “vire” adulto.
- Concepção biocronológica ou etária


                         Vê a juventude em sua
                         dimensão
                         evolutiva, de
                         crescimento
                         (biológico, psicológico
                         , sociológico).
                         Critério utilizado pela
                         ONU: data a juventude
                         de 14 aos 25 anos.
-Concepção psicológica (identidade)


Ressalta a dimensão da construção da identidade.
Partindo de suas experiências na infância, constrói
novas maneiras de se relacionar consigo
mesmos, com o mundo, com o transcendente.
Adolescência, transição marcada pela
angustia, confusão, alterações psíquicas
“Quem é que tá dentro de mim
que eu não conheço?
Quem é aquele que estou vendo
no espelho e acho que não
pareço?
Será que tudo que acontece
comigo eu realmente mereço?
Ou então pode ser que minha
alma tenha errado de endereço”.
                         Me deixe sozinho
- Concepção
 simbólica-cultural
Juventude: fase de
experimentação e
formação de valores
(aprendizagem e
contestação dos
mesmos)
Marcada por vários
grupos e subgrupos,
que demarcam e
territorializam seus
espaços no contexto
urbano.
Quais são os marcos
culturais hoje?
Evolução formal do entendimento
            dos jovens

Código de Menores: Lei federal 6.697 de 1979
considerava o adolescente pobre e/ou abandonado
um potencial criminoso, sujeitando-o a medidas de
privação de liberdade como método preventivo.
Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal nº.
8069 de 1990, considera a criança e o adolescente
sujeitos de direitos, a quem deve ser destinada
prioridade absoluta, traz uma série de aspectos que
pretendem ser pedagógicos e não punitivos

 O entendimento sobre juventude ainda não se codificou por inteiro, nem nos
   procedimentos Jurídicos, nem no entendimento geral social de infância e
                                Juventude.
Definição:

“O Estatuto da Juventude é uma declaração de direitos e
deveres dos jovens, acrescida de uma estrutura jurídica mínima
que permita aos jovens discutir, formular, executar e avaliar as
políticas públicas de juventude. Em outras palavras, é um
instrumento jurídico-político para promover os direitos da
juventude, reconhecendo que os jovens são atores sociais
estratégicos para a transformação e melhoria do Brasil.”
E o que a sociedade espera do
           jovem??
E o jovem pobre?

Por vezes é encarado como um
potencial criminoso, incapaz de
corresponder             com           a
sociabilidade/integração       desejada
pela sociedade (traduzida em tornar-
se mão-de-obra e consumir).
Para tal, não existe rigidez com a faixa
etária...
Esfera privada:


“Jovem como referência, sinônimo de beleza e sucesso.
   Juventude desejada por todos; imagem do jovem
 explorada pela mídia. TODOS QUEREM SER JOVENS”.


                               Subjetivamente: as diferentes
                                       vivências de emoções
                               influenciará na construção da
                                                  identidade.
Esfera pública:


 Visão idealista de jovens e
                                     Jovem como incapaz de
 que delega e deposita nos
                                  ocupar os espaços de poder;
jovens responsabilidades de
                                   difunde-se a ideia do jovem
 mudança dos problemas e
                                       como irresponsável,
que a juventude é portadora
                                        imaturo, rebelde...
         do futuro
Esfera                        Esfera
                                                                    3 Mitos
        Pública                       Privada



1° Mito da Juventude Dourada: “Ser jovem” é ter tempo livre para lazer, gozar o ócio,
cultivar o corpo, ser beneficiário de um período de “moratória social” sem angústia ou
responsabilidades.

2° Mito da Juventude Cinza: Deste ponto de vista, os jovens de hoje são desocupados,
delinquentes, apáticos. Seriam depositários de todos os males da sociedade. Seriam a
mais perfeita expressão das leis da competitividade, da lógica do lucro, do cinismo da
sociedade do espetáculo. Deste prisma seriam “a desgraça e a ressaca da sociedade”.


3º Mito: Mito da Juventude Branca: Neste mito só os jovens aparecem como
personagens maravilhosos e puros que podem salvar a humanidade. Olhados deste
prisma, os jovens fariam o que seus pais não quiseram ou não puderam fazer.
Pronunciamentos do Magistério da
Igreja sobre juventudes:
• João Paulo II: “A igreja olha para vós com confiança e amor [...]Ela é a verdadeira
  juventude do mundo [...] Olhai para ela e nela reconheceis o rosto de Cristo
  (Cristifideles Laici, 18)

• Bento XVI:
“Sem o rosto jovem, a Igreja se apresenta desfigurada (São Paulo, 2007).

• Medellín (1968): “A juventude é “uma grande força nova de pressão” e um novo
  organismo social com valores próprios”.

• Puebla (1979): “Opção preferencial pelos pobres e pelos jovens”.

• Santo Domingo (1992): “Opção afetiva e efetiva pelos jovens e por uma pastoral
  da juventude orgânica, com acompanhamento, com o apoio real, com o
  diálogo, com os maiores recursos pessoais e materiais e com dimensão vocacional.

• CNBB (2003): “Cuidado particular merecem os jovens, considerando-se a situação
  que encontram na sociedade hoje” (Doc 71, 198).
Documento 85 da CNBB:
Frente aos jovens, a Igreja deseja:
  Reconhecê-los como sujeitos e
  protagonistas na evangelização
  de outros jovens.
                                      Estrutura do documento:
  Favorecer o seu desenvolvimento     I. Elementos para o conhecimento da
  através da formação integral.            realidade dos jovens.
  Ser sinal e portadora do amor de    II. Um olhar de fé a partir da Palavra de
                                           Deus e do Magistério.
  Deus a Eles.
                                      III. Linhas de Ação.
  Apresentar-lhes a pessoa e o        ANEXOS.
  projeto de Jesus Cristo.
“Cada geração tem suas luzes e sombras [...]
Devemos evitar uma supervalorização da juventude
                 de outras épocas [...]
    A juventude de hoje é tão idealista e generosa
  quanto a anterior. Basta saber trabalhar com ela.
A questão é a metodologia de trabalho e a paciência
 para acompanhar os processos de educação na fé.
        O processo hoje leva tempo e exige um
  investimento maior para penetrar as barreiras do
        individualismo e da indiferença”. (252)
Dom Bosco...

“Prometi a Deus que até meu último alento seria para meus
pobres jovens”.
Constituições Salesiana Art. 26 – “O senhor indicou a Dom Bosco,
especialmente os mais pobres, como primeiros e principais
destinatários de nossa missão.
Chamados a mesma missão, tomamos consciência de sua extrema
importância: os jovens vivem uma idade em que fazem opções
fundamentais de vida que preparam o futuro da sociedade e da
Igreja.
Com Dom Bosco reafirmamos nossa preferência pela “juventude
pobre, abandonada, em perigo”, que tem maior necessidade de
ser amada e evangelizada, e trabalhos especialmente nos lugares
de mais grave pobreza.
Pormenorizando...

Nenhuma instituição social possui um discurso neutro
sobre juventude. Há sempre elementos valorativos sobre
essa população.
São diferentes as visões, mas se relacionam,
frequentemente são contraditórios entre si.
As contradições também estão presentes no modo de vida
de cada jovem.
Há o fator de verem a juventude como vítimas do próprio
sistema, com valores e situações próprias.
Intolerância e incompreensão produzida pelas instituições
diante das diferentes expressões juvenis
Juventudes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
Marcos Alencar
 
Diversidade Sexual Gênero e Homofobia
Diversidade Sexual Gênero e HomofobiaDiversidade Sexual Gênero e Homofobia
Diversidade Sexual Gênero e Homofobia
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Saulo Lucena
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
Juventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxiJuventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxi
Jonas Araújo
 
Cultura de Paz
Cultura de PazCultura de Paz
Cultura de Paz
Guaraciara Lopes
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
Jeane Santos
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Luciano Pessanha
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
Douglas Gregorio
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Apresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquidaApresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquida
Rosaalicianc
 
Valores
ValoresValores
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
Culturas jovens
Culturas jovensCulturas jovens
Culturas jovens
Edenilson Morais
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
Cristina Gouveia
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
Andreza Oliveira
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 

Mais procurados (20)

Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Diversidade Sexual Gênero e Homofobia
Diversidade Sexual Gênero e HomofobiaDiversidade Sexual Gênero e Homofobia
Diversidade Sexual Gênero e Homofobia
 
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de SociologiaGenero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
Genero e sexualidade - Aula Completa de Sociologia
 
A IDENTIDADE
A IDENTIDADEA IDENTIDADE
A IDENTIDADE
 
Juventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxiJuventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxi
 
Cultura de Paz
Cultura de PazCultura de Paz
Cultura de Paz
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Apresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquidaApresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquida
 
Valores
ValoresValores
Valores
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Culturas jovens
Culturas jovensCulturas jovens
Culturas jovens
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 

Destaque

Juventude
JuventudeJuventude
Juventude
Henrique Dias
 
O perfil do jovem de hoje slides
O perfil do jovem de hoje    slidesO perfil do jovem de hoje    slides
O perfil do jovem de hoje slides
Marcia Barreto
 
Juventude contemporânea (2)
Juventude contemporânea (2)Juventude contemporânea (2)
Juventude contemporânea (2)
Helena Quarti
 
A juventude do século XXI
A juventude do século XXIA juventude do século XXI
A juventude do século XXI
Jonathan Reis
 
O Jovem e a Sociedade
O Jovem e a SociedadeO Jovem e a Sociedade
O Jovem e a Sociedade
Aniervson Santos
 
Papel do jovem na sociedade.
Papel do jovem na sociedade.Papel do jovem na sociedade.
Papel do jovem na sociedade.
Yago Nogueira
 
Sistema de status e papeis sociais
Sistema de status e papeis sociaisSistema de status e papeis sociais
Sistema de status e papeis sociais
Rick Harley Mesquita
 
Sociologia da juventude
Sociologia da juventudeSociologia da juventude
Sociologia da juventude
Lorredana Pereira
 
Palestra para a Juventude
Palestra para a JuventudePalestra para a Juventude
Palestra para a Juventude
ManuelDantas1976
 
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalhoPapéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Cristiano Bodart
 
Campanha Contra o Extermínio da Juventude
Campanha Contra o Extermínio da JuventudeCampanha Contra o Extermínio da Juventude
Campanha Contra o Extermínio da Juventude
Marciel de Oliveira Rocha
 
A Juventude Quer Viver
A Juventude Quer ViverA Juventude Quer Viver
A Juventude Quer Viver
Marciel de Oliveira Rocha
 
Temas da Formação
Temas da FormaçãoTemas da Formação
Temas da Formação
JMVSobreiro
 
Sistema de informação para a comunicação da Pastoral da Juventude
Sistema de informação para a comunicação da Pastoral da JuventudeSistema de informação para a comunicação da Pastoral da Juventude
Sistema de informação para a comunicação da Pastoral da Juventude
Jean José
 
Estudos da CNBB 103 Pastoral Juvenil no Brasil
Estudos da CNBB 103 Pastoral Juvenil no BrasilEstudos da CNBB 103 Pastoral Juvenil no Brasil
Estudos da CNBB 103 Pastoral Juvenil no Brasil
Sebastian Gomes Silva
 
3ª gincana pj_sao_mateus
3ª gincana pj_sao_mateus3ª gincana pj_sao_mateus
3ª gincana pj_sao_mateus
Uliane Ribeiro
 
Civilização do amor tarefa e esperança
Civilização do amor tarefa e esperançaCivilização do amor tarefa e esperança
Civilização do amor tarefa e esperança
Pejota2015
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Pastoral da Juventude
 
Subsídio Uruguaiana
Subsídio UruguaianaSubsídio Uruguaiana
Subsídio Uruguaiana
Rafael Barros
 
Evangelizacao Da Juventude
Evangelizacao Da JuventudeEvangelizacao Da Juventude
Evangelizacao Da Juventude
Marciel de Oliveira Rocha
 

Destaque (20)

Juventude
JuventudeJuventude
Juventude
 
O perfil do jovem de hoje slides
O perfil do jovem de hoje    slidesO perfil do jovem de hoje    slides
O perfil do jovem de hoje slides
 
Juventude contemporânea (2)
Juventude contemporânea (2)Juventude contemporânea (2)
Juventude contemporânea (2)
 
A juventude do século XXI
A juventude do século XXIA juventude do século XXI
A juventude do século XXI
 
O Jovem e a Sociedade
O Jovem e a SociedadeO Jovem e a Sociedade
O Jovem e a Sociedade
 
Papel do jovem na sociedade.
Papel do jovem na sociedade.Papel do jovem na sociedade.
Papel do jovem na sociedade.
 
Sistema de status e papeis sociais
Sistema de status e papeis sociaisSistema de status e papeis sociais
Sistema de status e papeis sociais
 
Sociologia da juventude
Sociologia da juventudeSociologia da juventude
Sociologia da juventude
 
Palestra para a Juventude
Palestra para a JuventudePalestra para a Juventude
Palestra para a Juventude
 
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalhoPapéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
 
Campanha Contra o Extermínio da Juventude
Campanha Contra o Extermínio da JuventudeCampanha Contra o Extermínio da Juventude
Campanha Contra o Extermínio da Juventude
 
A Juventude Quer Viver
A Juventude Quer ViverA Juventude Quer Viver
A Juventude Quer Viver
 
Temas da Formação
Temas da FormaçãoTemas da Formação
Temas da Formação
 
Sistema de informação para a comunicação da Pastoral da Juventude
Sistema de informação para a comunicação da Pastoral da JuventudeSistema de informação para a comunicação da Pastoral da Juventude
Sistema de informação para a comunicação da Pastoral da Juventude
 
Estudos da CNBB 103 Pastoral Juvenil no Brasil
Estudos da CNBB 103 Pastoral Juvenil no BrasilEstudos da CNBB 103 Pastoral Juvenil no Brasil
Estudos da CNBB 103 Pastoral Juvenil no Brasil
 
3ª gincana pj_sao_mateus
3ª gincana pj_sao_mateus3ª gincana pj_sao_mateus
3ª gincana pj_sao_mateus
 
Civilização do amor tarefa e esperança
Civilização do amor tarefa e esperançaCivilização do amor tarefa e esperança
Civilização do amor tarefa e esperança
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Subsídio Uruguaiana
Subsídio UruguaianaSubsídio Uruguaiana
Subsídio Uruguaiana
 
Evangelizacao Da Juventude
Evangelizacao Da JuventudeEvangelizacao Da Juventude
Evangelizacao Da Juventude
 

Semelhante a Juventudes

juventudespjs-120925195048-phpapp02.pdf
juventudespjs-120925195048-phpapp02.pdfjuventudespjs-120925195048-phpapp02.pdf
juventudespjs-120925195048-phpapp02.pdf
DarleneMoraes1
 
Documento 85 - Sintese 1
Documento 85 - Sintese 1Documento 85 - Sintese 1
Documento 85 - Sintese 1
LEANDRO DE SOUZA RAMOS
 
Protagonismo
ProtagonismoProtagonismo
Protagonismo
Colégio Parthenon
 
Slideaula gleiva
Slideaula gleivaSlideaula gleiva
Slideaula gleiva
Gleiva Giuvannucci
 
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdfAula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
jonathanmartins084
 
Evangelização da Juventude
Evangelização da JuventudeEvangelização da Juventude
Evangelização da Juventude
pjest
 
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Aula 2. fundamentos da teologia apostolica.
Aula 2. fundamentos da teologia apostolica.Aula 2. fundamentos da teologia apostolica.
Aula 2. fundamentos da teologia apostolica.
Gerente
 
Sidéia conceitos juventudes
Sidéia  conceitos juventudesSidéia  conceitos juventudes
Sidéia conceitos juventudes
pactoensinomedioufu
 
Exercícios juv
Exercícios juvExercícios juv
Exercícios juv
roberto mosca junior
 
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventudeNegações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Catia Andressa
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Modulo1 unid 2 web
Modulo1 unid 2 webModulo1 unid 2 web
Modulo1 unid 2 web
Jamille Araújo
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
Elisandra Manfroi
 
4º encontro pnaic vânia 2015
4º encontro pnaic  vânia 20154º encontro pnaic  vânia 2015
4º encontro pnaic vânia 2015
Wanya Castro
 
Aula-1-problemas-e-dificuldades.pptx
Aula-1-problemas-e-dificuldades.pptxAula-1-problemas-e-dificuldades.pptx
Aula-1-problemas-e-dificuldades.pptx
MarcoNogueira25
 

Semelhante a Juventudes (20)

juventudespjs-120925195048-phpapp02.pdf
juventudespjs-120925195048-phpapp02.pdfjuventudespjs-120925195048-phpapp02.pdf
juventudespjs-120925195048-phpapp02.pdf
 
Documento 85 - Sintese 1
Documento 85 - Sintese 1Documento 85 - Sintese 1
Documento 85 - Sintese 1
 
Protagonismo
ProtagonismoProtagonismo
Protagonismo
 
Slideaula gleiva
Slideaula gleivaSlideaula gleiva
Slideaula gleiva
 
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdfAula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
Aula 3 3a EDF0289 FEUSP Educação e Juventudes.pdf
 
Evangelização da Juventude
Evangelização da JuventudeEvangelização da Juventude
Evangelização da Juventude
 
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
 
Aula 2. fundamentos da teologia apostolica.
Aula 2. fundamentos da teologia apostolica.Aula 2. fundamentos da teologia apostolica.
Aula 2. fundamentos da teologia apostolica.
 
Sidéia conceitos juventudes
Sidéia  conceitos juventudesSidéia  conceitos juventudes
Sidéia conceitos juventudes
 
Exercícios juv
Exercícios juvExercícios juv
Exercícios juv
 
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventudeNegações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
Negações e silenciamentos no discurso acerca da juventude
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Modulo1 unid 2 web
Modulo1 unid 2 webModulo1 unid 2 web
Modulo1 unid 2 web
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
Cidade Educadora
Cidade EducadoraCidade Educadora
Cidade Educadora
 
4º encontro pnaic vânia 2015
4º encontro pnaic  vânia 20154º encontro pnaic  vânia 2015
4º encontro pnaic vânia 2015
 
Aula-1-problemas-e-dificuldades.pptx
Aula-1-problemas-e-dificuldades.pptxAula-1-problemas-e-dificuldades.pptx
Aula-1-problemas-e-dificuldades.pptx
 

Último

Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 

Juventudes

  • 1. JUVENTUDES - O QUE É JUVENTUDE? - O QUE SIGNIFICA SER JOVEM? - QUE ASPECTOS HISTÓRICOS ESTÃO LIGADOS AO UNIVERSO JUVENIL? - QUAIS SÃO AS DEFINIÇÕES CONCEITUAIS DE JUVENTUDE? - - EXISTEM POLITICAS PÚBLICAS VOLTADAS PARA JUVENTUDE? -IGREJA E JUVENTUDES: O QUE PENSA O MAGISTÉRIO SOBRE OS JOVENS? - E O QUE PENSAM OS JOVENS?
  • 2. “Longe se vai, sonhando demais Mas onde se chega assim? Vou descobrir o que me faz sentir Eu, caçador de mim...”
  • 3. Conceitos de Juventude “Nossos adolescentes atuais “Não vejo a esperança para o futuro parecem amar o luxo. Têm maus do nosso povo se ele depender da modos e desprezam a autoridade. frívola mocidade de hoje, pois todos São desrespeitosos com os adultos os jovens são, por certo, e passam o tempo vagando pelas indizivelmente frívolos... Quando eu praças... São propensos a ofender era menino, ensinavam-nos a ser seus pais, monopolizam a conversa discretos e respeitar os mais velhos, quando estão na companhia de mas os moços de hoje são outras pessoas mais velhas; comem excessivamente sabidos e não com voracidade e tiranizam seus toleram restrições”. mestres”. Hesíodo, séc VII a.C Sócrates, séc IV a.C
  • 4. Momento de uma “Polissemia” Conceitual Nessa tarefa, algumas dificuldades devem ser levadas em conta: O conceito de juventude varia conforme o interesse específico de quem o maneja. São distintas, por exemplo, as motivações de um cientista político, de um educador, de um médico e de um publicitário.
  • 5. Juventude: Objeto de Análise de distintas ciências. A demografia preocupada em desvelar seu peso no conjunto da população; a medicina interessada nos aspectos relacionados à sexualidade e à reprodução; a psicologia, dedicada a compreender os comportamentos de transição entre a infância e a idade adulta; a sociologia, voltada para o entendimento da atuação dos jovens nas dinâmicas que se dão em diversas esferas do cotidiano social.
  • 6. Juventude entendida como período preparatório: Idade Infância Adulta Políticas: centradas na preparação do jovem para que ele “vire” adulto.
  • 7. - Concepção biocronológica ou etária Vê a juventude em sua dimensão evolutiva, de crescimento (biológico, psicológico , sociológico). Critério utilizado pela ONU: data a juventude de 14 aos 25 anos.
  • 8. -Concepção psicológica (identidade) Ressalta a dimensão da construção da identidade. Partindo de suas experiências na infância, constrói novas maneiras de se relacionar consigo mesmos, com o mundo, com o transcendente. Adolescência, transição marcada pela angustia, confusão, alterações psíquicas
  • 9. “Quem é que tá dentro de mim que eu não conheço? Quem é aquele que estou vendo no espelho e acho que não pareço? Será que tudo que acontece comigo eu realmente mereço? Ou então pode ser que minha alma tenha errado de endereço”. Me deixe sozinho
  • 10. - Concepção simbólica-cultural Juventude: fase de experimentação e formação de valores (aprendizagem e contestação dos mesmos) Marcada por vários grupos e subgrupos, que demarcam e territorializam seus espaços no contexto urbano. Quais são os marcos culturais hoje?
  • 11. Evolução formal do entendimento dos jovens Código de Menores: Lei federal 6.697 de 1979 considerava o adolescente pobre e/ou abandonado um potencial criminoso, sujeitando-o a medidas de privação de liberdade como método preventivo. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal nº. 8069 de 1990, considera a criança e o adolescente sujeitos de direitos, a quem deve ser destinada prioridade absoluta, traz uma série de aspectos que pretendem ser pedagógicos e não punitivos O entendimento sobre juventude ainda não se codificou por inteiro, nem nos procedimentos Jurídicos, nem no entendimento geral social de infância e Juventude.
  • 12. Definição: “O Estatuto da Juventude é uma declaração de direitos e deveres dos jovens, acrescida de uma estrutura jurídica mínima que permita aos jovens discutir, formular, executar e avaliar as políticas públicas de juventude. Em outras palavras, é um instrumento jurídico-político para promover os direitos da juventude, reconhecendo que os jovens são atores sociais estratégicos para a transformação e melhoria do Brasil.”
  • 13. E o que a sociedade espera do jovem??
  • 14. E o jovem pobre? Por vezes é encarado como um potencial criminoso, incapaz de corresponder com a sociabilidade/integração desejada pela sociedade (traduzida em tornar- se mão-de-obra e consumir). Para tal, não existe rigidez com a faixa etária...
  • 15. Esfera privada: “Jovem como referência, sinônimo de beleza e sucesso. Juventude desejada por todos; imagem do jovem explorada pela mídia. TODOS QUEREM SER JOVENS”. Subjetivamente: as diferentes vivências de emoções influenciará na construção da identidade.
  • 16. Esfera pública: Visão idealista de jovens e Jovem como incapaz de que delega e deposita nos ocupar os espaços de poder; jovens responsabilidades de difunde-se a ideia do jovem mudança dos problemas e como irresponsável, que a juventude é portadora imaturo, rebelde... do futuro
  • 17.
  • 18. Esfera Esfera 3 Mitos Pública Privada 1° Mito da Juventude Dourada: “Ser jovem” é ter tempo livre para lazer, gozar o ócio, cultivar o corpo, ser beneficiário de um período de “moratória social” sem angústia ou responsabilidades. 2° Mito da Juventude Cinza: Deste ponto de vista, os jovens de hoje são desocupados, delinquentes, apáticos. Seriam depositários de todos os males da sociedade. Seriam a mais perfeita expressão das leis da competitividade, da lógica do lucro, do cinismo da sociedade do espetáculo. Deste prisma seriam “a desgraça e a ressaca da sociedade”. 3º Mito: Mito da Juventude Branca: Neste mito só os jovens aparecem como personagens maravilhosos e puros que podem salvar a humanidade. Olhados deste prisma, os jovens fariam o que seus pais não quiseram ou não puderam fazer.
  • 19. Pronunciamentos do Magistério da Igreja sobre juventudes: • João Paulo II: “A igreja olha para vós com confiança e amor [...]Ela é a verdadeira juventude do mundo [...] Olhai para ela e nela reconheceis o rosto de Cristo (Cristifideles Laici, 18) • Bento XVI: “Sem o rosto jovem, a Igreja se apresenta desfigurada (São Paulo, 2007). • Medellín (1968): “A juventude é “uma grande força nova de pressão” e um novo organismo social com valores próprios”. • Puebla (1979): “Opção preferencial pelos pobres e pelos jovens”. • Santo Domingo (1992): “Opção afetiva e efetiva pelos jovens e por uma pastoral da juventude orgânica, com acompanhamento, com o apoio real, com o diálogo, com os maiores recursos pessoais e materiais e com dimensão vocacional. • CNBB (2003): “Cuidado particular merecem os jovens, considerando-se a situação que encontram na sociedade hoje” (Doc 71, 198).
  • 20. Documento 85 da CNBB: Frente aos jovens, a Igreja deseja: Reconhecê-los como sujeitos e protagonistas na evangelização de outros jovens. Estrutura do documento: Favorecer o seu desenvolvimento I. Elementos para o conhecimento da através da formação integral. realidade dos jovens. Ser sinal e portadora do amor de II. Um olhar de fé a partir da Palavra de Deus e do Magistério. Deus a Eles. III. Linhas de Ação. Apresentar-lhes a pessoa e o ANEXOS. projeto de Jesus Cristo.
  • 21. “Cada geração tem suas luzes e sombras [...] Devemos evitar uma supervalorização da juventude de outras épocas [...] A juventude de hoje é tão idealista e generosa quanto a anterior. Basta saber trabalhar com ela. A questão é a metodologia de trabalho e a paciência para acompanhar os processos de educação na fé. O processo hoje leva tempo e exige um investimento maior para penetrar as barreiras do individualismo e da indiferença”. (252)
  • 22. Dom Bosco... “Prometi a Deus que até meu último alento seria para meus pobres jovens”. Constituições Salesiana Art. 26 – “O senhor indicou a Dom Bosco, especialmente os mais pobres, como primeiros e principais destinatários de nossa missão. Chamados a mesma missão, tomamos consciência de sua extrema importância: os jovens vivem uma idade em que fazem opções fundamentais de vida que preparam o futuro da sociedade e da Igreja. Com Dom Bosco reafirmamos nossa preferência pela “juventude pobre, abandonada, em perigo”, que tem maior necessidade de ser amada e evangelizada, e trabalhos especialmente nos lugares de mais grave pobreza.
  • 23. Pormenorizando... Nenhuma instituição social possui um discurso neutro sobre juventude. Há sempre elementos valorativos sobre essa população. São diferentes as visões, mas se relacionam, frequentemente são contraditórios entre si. As contradições também estão presentes no modo de vida de cada jovem. Há o fator de verem a juventude como vítimas do próprio sistema, com valores e situações próprias. Intolerância e incompreensão produzida pelas instituições diante das diferentes expressões juvenis