SlideShare uma empresa Scribd logo
1
José Sergio Gabrielli Azevedo
Presidente
São Paulo, 8.11.2010
5º FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG
Indústria Nacional: o Pré-Sal como
propulsor da indústria brasileira
2
MARCO REGULATÓRIO : CONVIVER COM TRÊS REGIMES
• Concessão: áreas fora do Pré-Sal (áreas estratégicas) e as áreas do
Pré-Sal que já foram concedidas.
• Cessão Onerosa: Franco, Florim, entorno de Tupi, Tupi-NE, Peroba,
entorno Iara e de Júpiter, Pau-Brasil e Guará-Sul.
• Partilha: áreas do Pré-Sal que não foram concedidas.
3
Não haverá mudança para as Áreas já concedidas, inclusive no Pré-Sal
Petrobras 100%
Petrobras
Operadora
Terceiros por
Licitatório
Cessão Onerosa
Partilha
de produção
Pré-sal
e
Áreas Estratégicas
NOVO MARCO REGULATÓRIO
Outras Áreas Mantido Atual
Modelo de
Concessão
Petrobras
Até 5 Bi BOE
4
FUNDO SOCIAL - FS
• Constituir-se-á em
poupança pública de
longo prazo
• É transgeracional
• Constituir-se-á em
poupança pública de
longo prazo
• É transgeracional
• Permitirá
investimentos que
garantirão
implementação de
política industrial
• Prevenção contra
doenças como a
Holandesa
• Permitirá
investimentos que
garantirão
implementação de
política industrial
• Prevenção contra
doenças como a
Holandesa
• Complementa o Novo
Modelo de E&P para
as áreas do Pré-Sal e
estratégicas
• Complementa o Novo
Modelo de E&P para
as áreas do Pré-Sal e
estratégicas
CaracterísticasCaracterísticas
5
10.100
Reservas Provadas 2002
11.500
Revervas Provadas 2006
14.169
Reservas Provadas 2009
5.000
Cessão Onerosa
30.000-35.000
Reservas Provadas + Pré-Sal +
Cessão Onerosa
Bacias do Pré-Sal de Campos
e Santos²
Cenário
Otimista
+5.400
Cenário Base
+10.600
Volumes
Recuperáveis
Anunciados
POTENCIAL DE HIDROCARBONETOS NO BRASIL AINDA
EM DESCOBRIMENTO
Nosso Desafio
Para alcançar as metas de
produção de 2020 a um
índice de R/P de 15 anos, a
Petrobras deve provar
reservas de aprox. 25
bilhões de barris nos
próximos 10 anos
Nossas Capacidades
• Sólido histórico de reposição de reservas – reservas em crescimento nos últimos 17 anos
• Até 21 bilhões de barris somente das descobertas anunciadas do pré-sal e da Cessão
Onerosa
• Ampla base de recursos contingentes no pós-sal, com várias descobertas concretas
anunciadas – 35 planos de avaliação
• 265 blocos exploratórios, cobrindo 155 mil km2
• Gastos com exploração >US$ 4 bilhões por ano
14,169
Notas:
1. Critério do SPE
2. Estimativas de Reservas não Provadas: Tupi, Iara, Guará e Parques das Baleias, incluindo Petrobras e Parceiros
mm boe
6
1.500
2.000
2.500
3.000
3.500
4.000
4.500
5.000
5.500
6.000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019
2020
Produção Total da Petrobras (Mil boe/d)
Fonte: PFC Energy e Company’s reports
Meta de Produção de Óleo e Gás (Mil boe/d)
+33%
+57
%
1.809 2.037 2.020 2.217 2.298 2.301 2.400 2.525 2.723
3.907
5.382
4,9% a.a.
7,1% a.a.
9,4% a.a.
1.500 1.540 1.493 1.684 1.778 1.792 1.855 1.971 2.100
252 251 265
274 277 273 321 316 384
623
1.109
176
203
2.980
3.950
35 161 168
163 142 126 124 141
146
22 85 94
96 101 110 100 97
93
128
120
2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 ... 2014 ... 2020
Produção de Petróleo no Brasil Produção de Gás no Brasil Produção de Petróleo Internacional Produção de Gás Internacional
1,078Pré-Sal
241
CRESCENDO A UMA TAXA SUPERIOR AOS COMPARÁVEIS
7
AUMENTO DA DEMANDA DOMÉSTICA E PRODUÇÃO
CRESCENTE EXIGEM INVESTIMENTOS EM REFINO
mil bpd)
13%13% 110%110% 132%132% 124%124%
Produção como
% do Refino
● Produção de petróleo e a demanda do mercado brasileiro já excedem a capacidade de refino
● Exportação de petróleo bruto deve chegar a 1 milhão bpd em 2014, mesmo com a expansão da capacidade de
refino no país
181
1.971
2.980
3.950
1.393
1.791
2.260
3.196
1.036
1.933
2.356
2.794
1980 2009 2014E 2020E
Produção Carga Fresca Processada Demanda de Derivados
8
E&P
RTC
G&E
Petroquímica
DESENVOLVIMENTO DE OPORTUNIDADES ÚNICAS
REQUER INVESTIMENTO SUBSTANCIAL
53%
33%
2%1%2%
8%
1%
Fluxo de Caixa Operacional Projetado
2010-2014
80
Plano de Negócios 2010-2014
US$ 224,1 bilhões
163
Preço Médio de Venda
(R$/barril)
Brent Médio (US$/bbl)
Taxa de Câmbio (R$/US$) 1,78
Principais Premissas
Fluxo de Caixa
Operacional
(após dividendos)
US$ 155 bilhões
Investimentos
US$ 224 bilhões
Caixa
US$ 11 bilhões
Fonte Uso
Amortização de
Dívida
US$ 38 bilhões
Captações
(Dívida + Equity)
US$ 96 bilhões
• Retorno de 14% nos projetos do Plano de
Investimentos
Distribuição
Biocombustível
Corporativo
Brasil
95%
Internacional
5%
9
Gasoduto GN
Fertilizantes
Termoelétricas
Terminais de GNL
Investimentos Totais em Gás e
Energia: US$ 17,8 bilhões
• Infra-estrutura completa de transporte e
processamento de gás natural
• Consolidação de Investimentos em geração de
energia
• Investimentos na cadeia de GNL para escoamento do
gás do Pré-Sal
• Aumento da flexibilidade com a conversão de gás
natural em fertilizantes
INSTALAÇÃO DE INFRAESTRUTURA PARA TRANSPORTE E
PROCESSAMENTO DE GÁS NATURAL NO BRASIL
• 5º maior país do mundo em área total (8,5 MM km²)
• Mais de 9.000 km de costa
15%
23%
32%
30%GNL
Energia Elétrica
Plantas de Gás
Gasodutos
10
CRESCIMENTO DO NÍVEL DE INVESTIMENTOS DA PETROBRAS
11
- Espera-se um nível de contratação anual no País de cerca de
US$ 28,4 bilhões (no plano anterior este valor era cerca de
US$ 20 bilhões)
- Espera-se que cerca de 70% dos investimentos sejam
colocados junto a fornecedores brasileiros
- Considerando os investimentos com parceiros, a
contratação anual no País atinge cerca de US$ 32,8 bilhões
Investimentos Petrobras no Brasil (US$
bilhões)
Conteúdo Nacional
0 %
40 %
60 %
80 %
100 %
20 %
E&P
(53%)
Gás & Energia
(82%)
Distribuição e
PBio (100%)
Abastecimento e
Corporativo (80%)
Área de Negócio
Investimentos
no Brasil
Colocação
no
Mercado
Nacional
Conteúdo
Nacional
(%)
E&P 108,2 57,8 53%
Abastecimento 78,6 62,8 80%
Gás & Energia 17,6 14,4 82%
Distribuição 2,3 2,3 100%
PBio 2,3 2,3 100%
Corporativo 3,3 2,6 80%
Total 212,3 142,2 67%
CONTEÚDO NACIONAL 2010-2014
12
O PROGRAMA DE INVESTIMENTOS DA PETROBRAS
• O Plano de Investimentos da Petrobras (US$ 224 bilhões até 2014) exigirá cada vez
maior participação do mercado nacional;
• A implantação segura, rentável e dentro dos cronogramas de todos os seus
projetos precisa garantir a sustentabilidade e expansão da
cadeia de suprimento da Petrobras;
• Medidas preventivas estão sendo adotadas para mitigação de riscos
relacionados aos custos de suas aquisições e ao atendimento do
cronograma de seus projetos;
• Principais entraves à expansão sustentável da cadeia de suprimento:
– Acesso a Tecnologia
– Qualificação de mão de obra
– Acesso a fontes de crédito
– Investimentos
– Capital de Giro
– Qualidade da Gestão
2010
2011
2012
2013
2014
13 13
POLÍTICAS DE FOMENTO DE CONTEÚDO LOCAL
Política de Suprimento: Maximizar o Conteúdo Local,
em bases competitivas e sustentáveis
Petrobras
(demandante
de bens e
serviços)
Conteúdo Local –
requerido também
nos contratos de
bens e serviços de
demais áreas
BNDES
Requisitos de
Financiamento
ANP
Requisitos
Regulatórios
Petrobras
Política Interna
Requisitos de Conteúdo
Local Mínimo exigido
nos Contratos de
Concessão de E&P
14
E&P
INDICADOR DE CONTEÚDO LOCAL – 2º TRIMESTRE 2010
(US$bi)
2,98
3,38
5,32
6,13
10,95
10,21
8,99
8,44
8,73
5,20
5,66
8,42
10,23
17,20
16,28
14,12
13,50
13,92
3,54
4,61
6,74
9,19
6,20
7,40
9,64
12,41
75,38%
74,04%
57,03%
62,24%
69,98%
63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62,70%
57,33%
59,74%
0,00
10,00
20,00
30,00
40,00
50,00
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
0%
20%
40%
60%
80%
100%
$ Previsto Nacional $ Previsto Total $ Realizado Nacional
$ Realizado Total ICL Realizado Meta ICL
2,98
3,38
5,32
6,13
10,95
10,21
8,99
8,44
8,73
5,20
5,66
8,42
10,23
17,20
16,28
14,12
13,50
13,92
3,54
4,61
6,74
9,19
6,20
7,40
9,64
12,41
75,38%
74,04%
57,03%
62,24%
69,98%
63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62,70%
57,33%
59,74%
0,00
10,00
20,00
30,00
40,00
50,00
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
0%
20%
40%
60%
80%
100%
$ Previsto Nacional $ Previsto Total $ Realizado Nacional
$ Realizado Total ICL Realizado Meta ICLInvestimento Previsto Nacional Investimento Previsto Total Meta ICL
5,32
6,13
10,95
10,21
8,99
8,44
8,73
8,42
10,23
17,20
16,28
14,12
13,50
13,92
6,74
9,19
7,40
9,64
12,41
75,38%
74,04%
69,98%
63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62,70%4%
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
0%
20%
40%
60%
80%
100%
acional $ Previsto Total $ Realizado Nacional
Total ICL Realizado Meta ICL
2,98
3,38
5,32
6,13
10,95
10,21
8,99
8,44
8,73
5,20
5,66
8,42
10,23
17,20
16,28
14,12
13,50
13,92
3,54
4,61
6,74
9,19
6,20
7,40
9,64
12,41
75,38%
74,04%
57,03%
62,24%
69,98%
63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62,70%
57,33%
59,74%
0,00
10,00
20,00
30,00
40,00
50,00
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
0%
20%
40%
60%
80%
100%
$ Previsto Nacional $ Previsto Total $ Realizado Nacional
$ Realizado Total ICL Realizado Meta ICL
2,98
3,38
5,32
6,13
10,95
10,21
8,99
8,44
8,73
5,20
5,66
8,42
10,23
17,20
16,28
14,12
13,50
3,54
4,61
6,74
9,19
6,20
7,40
9,64
12,41
75,38%
74,04%
57,03%
62,24%
69,98%
63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62
57,33%
59,74%
0,00
10,00
20,00
30,00
40,00
50,00
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010
$ Previsto Nacional $ Previsto Total $ Realizado Naci
$ Realizado Total ICL Realizado Meta ICLInvestimento Realizado Total Investimento Realizado Nacional ICL Realizado
1,8
2,3
3,3
3,7
5,3
7,1
7,6
12,5
14,7
15,1
13,5
3,7
4,4
5,9
7,1
9,5
12,3
13,0
19,6
22,8
22,9
20,3
66,8%
48,1%
53,4%
57,0%
51,7%
55,5%
58,0%
58,1%
63,8% 64,3%
65,9%
0,00
10,00
20,00
30,00
40,00
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
0%
20%
40%
60%
80%
1,8
2,3
3,3
3,7
5,3
7,1
7,6
12,5
14,7
15,1
13,5
3,7
4,4
5,9
7,1
9,5
12,3
13,0
19,6
22,8
22,9
20,3
2,0
2,0
4,2
5,3
7,2
9,5
9,8
5,5
4,1
3,6
6,5
8,0
10,5
14,2
15,8
8,9
61,4%
66,8%
48,5%
55,4%
63,9%
65,9%
68,7%
67,0%
62,1%
48,1%
53,4%
57,0%
51,7%
55,5%
58,0%
58,1%
63,8% 64,3%
65,9%
0,00
10,00
20,00
30,00
40,00
2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
0%
20%
40%
60%
80%
15
2007 2008 2009 2010
ANÁLISE DO CONTEÚDO LOCAL – E&P
67,0% 62,1% 61,4%
0,7%
Perfuração e
Completação
Exploração Outros
2,6%
1,4% 0,9%
4,9%
0,7%
Perfuração e
Completação
68,7%
1,7%
Exploração
1,0%
Outros
0,7%
1o
. semestre 2010
O conteúdo local das atividades que envolvem sondas devem
permanecer em patamares modestos até a entrada em operação das
28 sondas que serão construídas no Brasil, pela relevância do custo
destas unidades no custo total destas operações.
16 16
Barcos de apoio
 146 embarcações contratadas ou programadas, 13 a serem entregues a partir de
2011
 Conteúdo local exigido de 80% para itens que possam ser fabricados no Brasil
Sondas de perfuração com grau de nacionalização
 Previsão de operação: 2015 (2), 2016 (2), 2017 (1) e 2018 (2)
PLANEJAMENTO DE MAXIMIZAÇÃO DE CONTEÚDO LOCAL
1a e 2a
unidades
3a e 4a
unidades
5a e 7a
unidades
Perfuração 20 % 30 % 50 %
Geração, Propulsão e DP 40 % 50 % 60 %
Global 55 % 60 % 65 %
1a e 2a
unidades
3a e 4a
unidades
5a e 7a
unidades
Perfuração 20 % 30 % 50 %
Geração, Propulsão e DP 40 % 50 % 60 %
Global 55 % 60 % 65 %
Processamento Sísmico
 As primeiras certificações obtidas para processamento sísmico indicam
possibilidade de conteúdo local certificado de 80% neste item
17 17
POLÍTICA INDUSTRIAL DIRIGIDA POR DEMANDA – PIDD-P&G
Uso do Poder de Compra pela Petrobras
Exigência de conteúdo local em
contratos
Exigência de conteúdo local em
contratos
Termos de Cooperação para
desenvolvimento de novos
produtos / tecnologia
Termos de Cooperação para
desenvolvimento de novos
produtos / tecnologia
Contratos de longo prazoContratos de longo prazo
Termo de Cooperação para
substituição de importações
Termo de Cooperação para
substituição de importações
Rotas
Exemplos
 Plataformas
 Refinarias
 Navios
Novas Fábricas no
Brasil
 Novos Estaleiros
 Guindastes Offshore
 Unidades de Bombeio
 Bombas e Válvulas
Hastes de bombeio polidas
Sistema submarino de separação água-óleo
Umbilicais, árvores de natal
Baleeiras
Turbina a vapor API-611
Atuadores elétricos para válvulas
Dutos Flexíveis
Ampliação Capacidade
Linhas Flexíveis
Árvore de Natal Molhada
Vasos de Pressão,
Permutadores e Reforma do BOP
Carrier (Nuclep)
18 18
DECOMPOSIÇÃO DA DEMANDA E CADEIA DE SUPRIMENTO
Demandas de B&S
(Escala)
Operadoras
de P&GSub-componentes/
Serviços Auxiliares
Implantação /
C&M
Sub-fornecedoresSub-fornecedores
FornecedoresFornecedores
MGE EPCEPC
IntegradorIntegrador
EstaleiroEstaleiro
Bens & Serviços
Cadeia de Suprimento de B&S
PME
Planta /
Unidade
Equipamentos
/Materiais
Sub-componentes
Cadeia
de Valor
DemandaDemanda Demanda
1919
OBJETIVOS
PROMINP - FOMENTO A NOVOS FORNECEDORES
ROTAS RESULTADOS
Organização da Demanda
Substituição Competitiva
de Importação
Tecnologi
a
Inserção de Micro e
Pequenas Empresas
Convênio
Petrobras x Sebrae
Dar visibilidade da demanda da Petrobras
para M&E e componentes até 2013
Aumentar a visibilidade entre os elos da
cadeia de P&G
Desenvolver fornecedores nacionais de
equipamentos e materiais que não são
atendidos pelo mercado nacional.
Promover desenvolvimento tecnológico
de fornecedores em Processos, Produto e
Gestão
Promover a inserção de micro e pequenas
empresas na cadeia de P&G:
- Qualificação em gestão e SMS
- Auxílio no Cadastramento da Petrobras
- Rodadas de Negócio entre grandes
compradores e fornecedores
 Lançamento do Portal de Oportunidades
do Setor de P&G do Prominp
 Cerca de 3.500 empresas já cadastradas
 Demanda mapeada para mais de 1.300
diferentes M&E e Componentes
 R$ 46 milhões
 24 projetos
 Parceria com MCT/FINEP e BNDES
 Investimentos de mais de R$ 130
Milhões
 Participação de mais de 2.500 micro e
pequenas empresas
 51 rodadas de negócio que geraram
cerca de R$ 2 Bilhões em negócios
2020
PORTAL DE OPORTUNIDADES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
DO SETOR DE PETRÓLEO DE GÁS NATURAL
1) Decomposição da Demanda
Demanda de mais de 1.300 itens de
Materiais, Equipamentos e Componentes com
projeção até 2014
2) Visibilidade da Cadeia
Possibilidade da Empresa localizar potenciais
Clientes e Fornecedores
3) Integração com o Portal de Qualificação
Possibilidade da Empresa consultar Banco de
Currículos de profissionais qualificados
PRINCIPAIS BENEFÍCIOS
21 21
4.8224.822
5.3675.367
NacionalNacional EstrangeiroEstrangeiro
4.231 591
NacionalNacional EstrangeiroEstrangeiro
4.772
+ 541
595
+4
ESFORÇO PARA AUMENTAR A INSERÇÃO DE FORNECEDORES
NACIONAIS NO CADASTRO DA PETROBRAS
2222
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016
PROMINP - QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
Afretamento 19 Navios
Refinaria Premium I
28 Sondas
146 Barcos de Apoio
Novas Plataformas de Produção
Promef II
Refinaria Premium II
Plano de Negócios 2008 – 2012
78.402
Profissionais
Qualificados
207.643
Lacunas de Recursos
Humanos
23
Expandindo a capacidade tecnológica do Brasil
4 vezes a área
original do CENPES
Parceria com instituições
de ensino e pesquisa
Parceria com instituições
de ensino e pesquisa
38 Redes Temáticas
2006 2009
Contratados R$ 1,7 bilhões (Infraestrutura e P&D)
50 Redes Temáticas
853 Instrumentos Contratuais assinados com 83
instituições de ensino e pesquisa em 19 estados
24
INSTRUMENTOS
ESTRUTURAS DE FINACIAMENTOS
ROTAS RESULTADOS
Financiamento de
Capital de Giro
Capitalização de
Fornecedores
Financiamento de Infra-
estrutura
(Investimento Fabril)
Prominp Recebíveis
(Fornecedores com contrato
direto com a Petrobras)
Linhas de Financiamento do BNDES
3 Fundos
R$ 1,9 Bilhões
Programa Progredir
(Extensão para toda a cadeia)
FIP
(Fundos de Investimento em Participações)
6 Fundos
R$ 950 Milhões
Lançamento na Rio Oil&Gas 2010
25
BANCOS
COMPRADORES / CADEIA DE FORNECEDORES
Petrobras
Fornecedor
(F1)
Fornecedor
(F2)
Fornecedor
(F3)
Fornecedor
(F4)
Petrobras
Bancos
Prominp
Comitê
de Gestão
FUCNIONALIDADES DO PORTAL DE FINANCIAMENTO
Gerenciamento
de Usuários
Cadastro de
Fornecedores
Contratos de
Fornecimento
Avaliações de
Performance
Operações de
Financiamento
Notificações
de Default
Gestão de
Pendências e
Relatórios
VISÃO GERAL DO PROGRAMA PROGREDIR
Canal de relacionamento entre bancos e fornecedores, com a troca segura de
informações, cria a oportunidade para a melhoria das atuais condições de crédito
26
GOVERNANÇA DA REDE DE MELHORIA DA GESTÃO
•ABCE ABDI ABDIB ABEAM ABEMI ABENDI ABIMAQ ABINEE ABITAM ABM ABNT/CB-25 ANDIFES ANE ANP ANPROTEC
BNDES CDES CEBDS CE-EPC CGEE CGTB CNI CONFEA CONSEPLAN CUT CTB DIEESE FENAINFO FINEP FNQ GesPública IEL
INMETRO INPI IOS MBC MD MDIC MMA MME MP MT PETROBRAS PROMINP Rede Brasil + SAE SBGC SEBRAE SINAVAL
SYNDARMA
27
José Sergio Gabrielli Azevedo
Presidente
São Paulo, 8.11.2010
5º FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG
Indústria Nacional: o pré-sal como
propulsor da indústria brasileira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os desafios do Brasil na próxima década
Os desafios do Brasil na próxima década Os desafios do Brasil na próxima década
A Indústria do Petróleo
A Indústria do PetróleoA Indústria do Petróleo
Desafios regulatórios e legais
Desafios regulatórios e legaisDesafios regulatórios e legais
Óleo e Gás
Óleo e GásÓleo e Gás
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-salO Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré salApresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
FatoseDados
 
Excedentes da Cessão Onerosa
 Excedentes da Cessão Onerosa Excedentes da Cessão Onerosa
Excedentes da Cessão Onerosa
Petrobras
 
022365000101011 (3)
022365000101011 (3)022365000101011 (3)
022365000101011 (3)
RenanDantasdosSantos
 
Webcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizadaWebcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizada
Petrobras
 
Fatos Relevantes - Semana 39
Fatos Relevantes - Semana 39Fatos Relevantes - Semana 39
Fatos Relevantes - Semana 39
Sala de Ações - UFPB
 
Planejamento Estratégico - Petrobras
Planejamento Estratégico - PetrobrasPlanejamento Estratégico - Petrobras
Planejamento Estratégico - Petrobras
ProjetoBr
 
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - AtivaEstrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Ativa Corretora
 
Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
 Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014 Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
Petrobras
 
apresentacao_0f9VRb1AkL
apresentacao_0f9VRb1AkLapresentacao_0f9VRb1AkL
apresentacao_0f9VRb1AkL
FatoseDados
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
Petrobras
 
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
slides-mci
 
Fatos Relevantes - Semana 33
Fatos Relevantes - Semana 33Fatos Relevantes - Semana 33
Fatos Relevantes - Semana 33
Sala de Ações - UFPB
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
slides-mci
 
Programa de Investimento em Energia Elétrica
Programa de Investimento em Energia ElétricaPrograma de Investimento em Energia Elétrica
Programa de Investimento em Energia Elétrica
Palácio do Planalto
 

Mais procurados (20)

Os desafios do Brasil na próxima década
Os desafios do Brasil na próxima década Os desafios do Brasil na próxima década
Os desafios do Brasil na próxima década
 
A Indústria do Petróleo
A Indústria do PetróleoA Indústria do Petróleo
A Indústria do Petróleo
 
Desafios regulatórios e legais
Desafios regulatórios e legaisDesafios regulatórios e legais
Desafios regulatórios e legais
 
Óleo e Gás
Óleo e GásÓleo e Gás
Óleo e Gás
 
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-salO Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
O Regime de Partilha de Produção de Petróleo do Pré-sal
 
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré salApresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
 
Excedentes da Cessão Onerosa
 Excedentes da Cessão Onerosa Excedentes da Cessão Onerosa
Excedentes da Cessão Onerosa
 
022365000101011 (3)
022365000101011 (3)022365000101011 (3)
022365000101011 (3)
 
Webcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizadaWebcast portugues final_atualizada
Webcast portugues final_atualizada
 
Fatos Relevantes - Semana 39
Fatos Relevantes - Semana 39Fatos Relevantes - Semana 39
Fatos Relevantes - Semana 39
 
Planejamento Estratégico - Petrobras
Planejamento Estratégico - PetrobrasPlanejamento Estratégico - Petrobras
Planejamento Estratégico - Petrobras
 
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
Perspectivas e Oportunidades de Investimentos no Brasil
 
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - AtivaEstrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
Estrategia, Crescimento e Resultados - Petrobras - Ativa
 
Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
 Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014 Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
 
apresentacao_0f9VRb1AkL
apresentacao_0f9VRb1AkLapresentacao_0f9VRb1AkL
apresentacao_0f9VRb1AkL
 
Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14Webcast sobre Resultados do 1T14
Webcast sobre Resultados do 1T14
 
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
09h10 marcelo simas 23 09 pedra da gavea
 
Fatos Relevantes - Semana 33
Fatos Relevantes - Semana 33Fatos Relevantes - Semana 33
Fatos Relevantes - Semana 33
 
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea 09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
09h10 1 fernanda delgado 23 08 pedra da gavea
 
Programa de Investimento em Energia Elétrica
Programa de Investimento em Energia ElétricaPrograma de Investimento em Energia Elétrica
Programa de Investimento em Energia Elétrica
 

Destaque

2248 maennerkinder
2248 maennerkinder2248 maennerkinder
2248 maennerkinder
Von Büren Yves
 
Nota TéCnica Ultima VersãO
Nota TéCnica Ultima VersãONota TéCnica Ultima VersãO
Nota TéCnica Ultima VersãO
Luis Nassif
 
Marcas Más Populares México Enero 2012, Socialmetrix
Marcas Más Populares México   Enero 2012, SocialmetrixMarcas Más Populares México   Enero 2012, Socialmetrix
Marcas Más Populares México Enero 2012, Socialmetrix
IAB México
 
Nota de aula geografia 6ºano cap 1 a geografia
Nota de aula geografia 6ºano cap 1  a  geografiaNota de aula geografia 6ºano cap 1  a  geografia
Nota de aula geografia 6ºano cap 1 a geografia
Tatiane Martins
 
Firmenpräsentation infosystems
Firmenpräsentation infosystemsFirmenpräsentation infosystems
Firmenpräsentation infosystems
localglobal21
 
DivisãO
DivisãODivisãO
DivisãO
andreabelchol
 
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professoresAs mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
Tatiane Martins
 
05 vater cib 2013 präsentation richtlinie wcm
05 vater cib 2013 präsentation richtlinie wcm05 vater cib 2013 präsentation richtlinie wcm
05 vater cib 2013 präsentation richtlinie wcm
ICV_eV
 
Certificate - Ankit Kumar Anshu
Certificate - Ankit Kumar AnshuCertificate - Ankit Kumar Anshu
Certificate - Ankit Kumar Anshu
Ankit jha
 
Banana
BananaBanana
Banana
98uiul7i67
 
2025 – schöne neue Welt? Szenarien für die Buchbranche der Zukunft! 55 Thesen
2025 – schöne neue Welt? Szenarien für die Buchbranche der Zukunft! 55 Thesen2025 – schöne neue Welt? Szenarien für die Buchbranche der Zukunft! 55 Thesen
2025 – schöne neue Welt? Szenarien für die Buchbranche der Zukunft! 55 Thesen
Börsenverein des Deutschen Buchhandels
 
InformaçõEs UtilizaçAo ServiçOs Xls
InformaçõEs UtilizaçAo ServiçOs   XlsInformaçõEs UtilizaçAo ServiçOs   Xls
InformaçõEs UtilizaçAo ServiçOs Xls
Luis Nassif
 
Merzbach: Das Schulbuchgeschäft lohnt sich!
Merzbach: Das Schulbuchgeschäft lohnt sich!Merzbach: Das Schulbuchgeschäft lohnt sich!
Merzbach: Das Schulbuchgeschäft lohnt sich!
Börsenverein des Deutschen Buchhandels
 
Büssipaillasse
BüssipaillasseBüssipaillasse
Büssipaillasse
Von Büren Yves
 
BT-REF
BT-REFBT-REF
GPS-Kameras und Photo-Asset-Management – Anwendungsbeispele aus der Wasserwir...
GPS-Kameras und Photo-Asset-Management – Anwendungsbeispele aus der Wasserwir...GPS-Kameras und Photo-Asset-Management – Anwendungsbeispele aus der Wasserwir...
GPS-Kameras und Photo-Asset-Management – Anwendungsbeispele aus der Wasserwir...
alta4 Geoinformatik AG
 

Destaque (20)

2248 maennerkinder
2248 maennerkinder2248 maennerkinder
2248 maennerkinder
 
Nota TéCnica Ultima VersãO
Nota TéCnica Ultima VersãONota TéCnica Ultima VersãO
Nota TéCnica Ultima VersãO
 
Marcas Más Populares México Enero 2012, Socialmetrix
Marcas Más Populares México   Enero 2012, SocialmetrixMarcas Más Populares México   Enero 2012, Socialmetrix
Marcas Más Populares México Enero 2012, Socialmetrix
 
Nota de aula geografia 6ºano cap 1 a geografia
Nota de aula geografia 6ºano cap 1  a  geografiaNota de aula geografia 6ºano cap 1  a  geografia
Nota de aula geografia 6ºano cap 1 a geografia
 
Firmenpräsentation infosystems
Firmenpräsentation infosystemsFirmenpräsentation infosystems
Firmenpräsentation infosystems
 
Sdo6
Sdo6Sdo6
Sdo6
 
Agenturmanagement
AgenturmanagementAgenturmanagement
Agenturmanagement
 
DivisãO
DivisãODivisãO
DivisãO
 
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professoresAs mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
As mídias digitais na e além da sala de aula: alunos e professores
 
05 vater cib 2013 präsentation richtlinie wcm
05 vater cib 2013 präsentation richtlinie wcm05 vater cib 2013 präsentation richtlinie wcm
05 vater cib 2013 präsentation richtlinie wcm
 
Certificate - Ankit Kumar Anshu
Certificate - Ankit Kumar AnshuCertificate - Ankit Kumar Anshu
Certificate - Ankit Kumar Anshu
 
Banana
BananaBanana
Banana
 
2025 – schöne neue Welt? Szenarien für die Buchbranche der Zukunft! 55 Thesen
2025 – schöne neue Welt? Szenarien für die Buchbranche der Zukunft! 55 Thesen2025 – schöne neue Welt? Szenarien für die Buchbranche der Zukunft! 55 Thesen
2025 – schöne neue Welt? Szenarien für die Buchbranche der Zukunft! 55 Thesen
 
InformaçõEs UtilizaçAo ServiçOs Xls
InformaçõEs UtilizaçAo ServiçOs   XlsInformaçõEs UtilizaçAo ServiçOs   Xls
InformaçõEs UtilizaçAo ServiçOs Xls
 
Merzbach: Das Schulbuchgeschäft lohnt sich!
Merzbach: Das Schulbuchgeschäft lohnt sich!Merzbach: Das Schulbuchgeschäft lohnt sich!
Merzbach: Das Schulbuchgeschäft lohnt sich!
 
Büssipaillasse
BüssipaillasseBüssipaillasse
Büssipaillasse
 
Im sommer
Im sommerIm sommer
Im sommer
 
BT-REF
BT-REFBT-REF
BT-REF
 
2110 pferdewetten
2110 pferdewetten2110 pferdewetten
2110 pferdewetten
 
GPS-Kameras und Photo-Asset-Management – Anwendungsbeispele aus der Wasserwir...
GPS-Kameras und Photo-Asset-Management – Anwendungsbeispele aus der Wasserwir...GPS-Kameras und Photo-Asset-Management – Anwendungsbeispele aus der Wasserwir...
GPS-Kameras und Photo-Asset-Management – Anwendungsbeispele aus der Wasserwir...
 

Semelhante a J.gabrieli

Clube Militar Marco Regulatório V
Clube  Militar    Marco  Regulatório    VClube  Militar    Marco  Regulatório    V
Clube Militar Marco Regulatório V
FatoseDados
 
Apresentação Gabrielli Assembléia Legislativa Ceará
Apresentação Gabrielli Assembléia Legislativa CearáApresentação Gabrielli Assembléia Legislativa Ceará
Apresentação Gabrielli Assembléia Legislativa Ceará
FatoseDados
 
Apresentação dos resultados do 3 t10
Apresentação dos resultados do 3 t10Apresentação dos resultados do 3 t10
Apresentação dos resultados do 3 t10
EucatexRI
 
Apresentação institucional 1_t11_port_final
Apresentação institucional 1_t11_port_finalApresentação institucional 1_t11_port_final
Apresentação institucional 1_t11_port_final
AES Eletropaulo
 
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da EconomiaO BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
IBEF-ES
 
Estratégia de Negócio - Petrobras
Estratégia de Negócio - PetrobrasEstratégia de Negócio - Petrobras
Estratégia de Negócio - Petrobras
diogom1603
 
Duratex - Resultados do 3º Trimestre de 2008
Duratex - Resultados do 3º Trimestre de 2008Duratex - Resultados do 3º Trimestre de 2008
Duratex - Resultados do 3º Trimestre de 2008
Duratex
 
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Palácio do Planalto
 
Apresentação SPEtro 17-10-2017
Apresentação SPEtro 17-10-2017Apresentação SPEtro 17-10-2017
Apresentação SPEtro 17-10-2017
Gabriel Costa
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Petrobras
 
Fact Sheet 2014
Fact Sheet 2014Fact Sheet 2014
Fact Sheet 2014
Petrobras
 
Minuta do contrato de concessão a ser utilizado nas futuras Rodadas de Licita...
Minuta do contrato de concessão a ser utilizado nas futuras Rodadas de Licita...Minuta do contrato de concessão a ser utilizado nas futuras Rodadas de Licita...
Minuta do contrato de concessão a ser utilizado nas futuras Rodadas de Licita...
ANP - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
CPFL RI
 
Apres Camara270509
Apres Camara270509Apres Camara270509
Apres Camara270509
Joaquim Leao
 
Lima gilane del pernambuco
Lima gilane del pernambucoLima gilane del pernambuco
Lima gilane del pernambuco
FOMINDEL
 
Lima Gilane Projeto CNI Desenvolvimiento Territorial Panorama Pernambuco
Lima Gilane Projeto CNI Desenvolvimiento Territorial Panorama PernambucoLima Gilane Projeto CNI Desenvolvimiento Territorial Panorama Pernambuco
Lima Gilane Projeto CNI Desenvolvimiento Territorial Panorama Pernambuco
FOMINDEL
 
Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggreg...
Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggreg...Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggreg...
Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggreg...
Esther Petrilli-Massey
 
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto RodriguesPalestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
24x7 COMUNICAÇÃO
 
1. petrobras joao henrique rittershaussen
1. petrobras   joao henrique rittershaussen1. petrobras   joao henrique rittershaussen
1. petrobras joao henrique rittershaussen
Jair Ferreira Firmo
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
CPFL RI
 

Semelhante a J.gabrieli (20)

Clube Militar Marco Regulatório V
Clube  Militar    Marco  Regulatório    VClube  Militar    Marco  Regulatório    V
Clube Militar Marco Regulatório V
 
Apresentação Gabrielli Assembléia Legislativa Ceará
Apresentação Gabrielli Assembléia Legislativa CearáApresentação Gabrielli Assembléia Legislativa Ceará
Apresentação Gabrielli Assembléia Legislativa Ceará
 
Apresentação dos resultados do 3 t10
Apresentação dos resultados do 3 t10Apresentação dos resultados do 3 t10
Apresentação dos resultados do 3 t10
 
Apresentação institucional 1_t11_port_final
Apresentação institucional 1_t11_port_finalApresentação institucional 1_t11_port_final
Apresentação institucional 1_t11_port_final
 
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da EconomiaO BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
O BNDES como Instrumento de Desenvolvimento Sustentável da Economia
 
Estratégia de Negócio - Petrobras
Estratégia de Negócio - PetrobrasEstratégia de Negócio - Petrobras
Estratégia de Negócio - Petrobras
 
Duratex - Resultados do 3º Trimestre de 2008
Duratex - Resultados do 3º Trimestre de 2008Duratex - Resultados do 3º Trimestre de 2008
Duratex - Resultados do 3º Trimestre de 2008
 
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
Ministério do Planejamento - Apresentação da 2ª etapa do Programa de Investim...
 
Apresentação SPEtro 17-10-2017
Apresentação SPEtro 17-10-2017Apresentação SPEtro 17-10-2017
Apresentação SPEtro 17-10-2017
 
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
Webcast: Resultados do 2º trimestre de 2008
 
Fact Sheet 2014
Fact Sheet 2014Fact Sheet 2014
Fact Sheet 2014
 
Minuta do contrato de concessão a ser utilizado nas futuras Rodadas de Licita...
Minuta do contrato de concessão a ser utilizado nas futuras Rodadas de Licita...Minuta do contrato de concessão a ser utilizado nas futuras Rodadas de Licita...
Minuta do contrato de concessão a ser utilizado nas futuras Rodadas de Licita...
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Agosto 2017
 
Apres Camara270509
Apres Camara270509Apres Camara270509
Apres Camara270509
 
Lima gilane del pernambuco
Lima gilane del pernambucoLima gilane del pernambuco
Lima gilane del pernambuco
 
Lima Gilane Projeto CNI Desenvolvimiento Territorial Panorama Pernambuco
Lima Gilane Projeto CNI Desenvolvimiento Territorial Panorama PernambucoLima Gilane Projeto CNI Desenvolvimiento Territorial Panorama Pernambuco
Lima Gilane Projeto CNI Desenvolvimiento Territorial Panorama Pernambuco
 
Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggreg...
Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggreg...Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggreg...
Fernando M. Valverde, Osvaldo Yutaka Tsuchiya, National Association of Aggreg...
 
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto RodriguesPalestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
 
1. petrobras joao henrique rittershaussen
1. petrobras   joao henrique rittershaussen1. petrobras   joao henrique rittershaussen
1. petrobras joao henrique rittershaussen
 
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
Corporate Presentation CPFL Energia - Maio 2017
 

Mais de Luis Nassif

Ações da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Ações da APAE Paraná defendias por Marlus ArnsAções da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Ações da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Luis Nassif
 
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR	 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
Luis Nassif
 
AI-5
AI-5AI-5
Mandado de citação via postal eduardo c. cunha
Mandado de citação via postal eduardo c. cunhaMandado de citação via postal eduardo c. cunha
Mandado de citação via postal eduardo c. cunha
Luis Nassif
 
Parecer pgr adpf anistia
Parecer pgr adpf anistiaParecer pgr adpf anistia
Parecer pgr adpf anistia
Luis Nassif
 
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionaisEducação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Luis Nassif
 
A copa e a midia
A copa e a midiaA copa e a midia
A copa e a midia
Luis Nassif
 
91 302-1-pb
91 302-1-pb91 302-1-pb
91 302-1-pb
Luis Nassif
 
Denúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Denúncia de suspeitos da morte de BernardoDenúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Denúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Luis Nassif
 
Laudo Médico de Genoino
Laudo Médico de GenoinoLaudo Médico de Genoino
Laudo Médico de Genoino
Luis Nassif
 
O choro em Belo Horizonte
O choro em Belo HorizonteO choro em Belo Horizonte
O choro em Belo Horizonte
Luis Nassif
 
20140211 mprfullreport
20140211 mprfullreport20140211 mprfullreport
20140211 mprfullreport
Luis Nassif
 
Ap 536, o mensalão mineiro
Ap 536, o mensalão mineiroAp 536, o mensalão mineiro
Ap 536, o mensalão mineiro
Luis Nassif
 
Escritos não criativos sobre economia criativa: por um novo olhar da relação...
Escritos não criativos sobre economia criativa:  por um novo olhar da relação...Escritos não criativos sobre economia criativa:  por um novo olhar da relação...
Escritos não criativos sobre economia criativa: por um novo olhar da relação...
Luis Nassif
 
Inquérito 2474
Inquérito 2474Inquérito 2474
Inquérito 2474
Luis Nassif
 
Boletim necon 2013_1
Boletim necon 2013_1Boletim necon 2013_1
Boletim necon 2013_1
Luis Nassif
 
RDC, a Experiência Federal
RDC, a Experiência FederalRDC, a Experiência Federal
RDC, a Experiência Federal
Luis Nassif
 
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
Luis Nassif
 
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiroPl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Luis Nassif
 
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNOEFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
Luis Nassif
 

Mais de Luis Nassif (20)

Ações da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Ações da APAE Paraná defendias por Marlus ArnsAções da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
Ações da APAE Paraná defendias por Marlus Arns
 
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR	 Brasil  século XX  aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
Brasil século XX aO PÉ DA LETRA DA CANÇÃO POPULAR
 
AI-5
AI-5AI-5
AI-5
 
Mandado de citação via postal eduardo c. cunha
Mandado de citação via postal eduardo c. cunhaMandado de citação via postal eduardo c. cunha
Mandado de citação via postal eduardo c. cunha
 
Parecer pgr adpf anistia
Parecer pgr adpf anistiaParecer pgr adpf anistia
Parecer pgr adpf anistia
 
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionaisEducação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
Educação e desenvolvimento, estudo do CGEE sobre modelos educacionais
 
A copa e a midia
A copa e a midiaA copa e a midia
A copa e a midia
 
91 302-1-pb
91 302-1-pb91 302-1-pb
91 302-1-pb
 
Denúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Denúncia de suspeitos da morte de BernardoDenúncia de suspeitos da morte de Bernardo
Denúncia de suspeitos da morte de Bernardo
 
Laudo Médico de Genoino
Laudo Médico de GenoinoLaudo Médico de Genoino
Laudo Médico de Genoino
 
O choro em Belo Horizonte
O choro em Belo HorizonteO choro em Belo Horizonte
O choro em Belo Horizonte
 
20140211 mprfullreport
20140211 mprfullreport20140211 mprfullreport
20140211 mprfullreport
 
Ap 536, o mensalão mineiro
Ap 536, o mensalão mineiroAp 536, o mensalão mineiro
Ap 536, o mensalão mineiro
 
Escritos não criativos sobre economia criativa: por um novo olhar da relação...
Escritos não criativos sobre economia criativa:  por um novo olhar da relação...Escritos não criativos sobre economia criativa:  por um novo olhar da relação...
Escritos não criativos sobre economia criativa: por um novo olhar da relação...
 
Inquérito 2474
Inquérito 2474Inquérito 2474
Inquérito 2474
 
Boletim necon 2013_1
Boletim necon 2013_1Boletim necon 2013_1
Boletim necon 2013_1
 
RDC, a Experiência Federal
RDC, a Experiência FederalRDC, a Experiência Federal
RDC, a Experiência Federal
 
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
13 1184 reforma_política_cati - apresentação dos resultados - divulgação
 
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiroPl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
Pl de autoria_do_deputado_ibsen_pinheiro
 
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNOEFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
EFEITOS DOS CUSTOS TRANSACIONAIS NA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GOVERNO
 

J.gabrieli

  • 1. 1 José Sergio Gabrielli Azevedo Presidente São Paulo, 8.11.2010 5º FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG Indústria Nacional: o Pré-Sal como propulsor da indústria brasileira
  • 2. 2 MARCO REGULATÓRIO : CONVIVER COM TRÊS REGIMES • Concessão: áreas fora do Pré-Sal (áreas estratégicas) e as áreas do Pré-Sal que já foram concedidas. • Cessão Onerosa: Franco, Florim, entorno de Tupi, Tupi-NE, Peroba, entorno Iara e de Júpiter, Pau-Brasil e Guará-Sul. • Partilha: áreas do Pré-Sal que não foram concedidas.
  • 3. 3 Não haverá mudança para as Áreas já concedidas, inclusive no Pré-Sal Petrobras 100% Petrobras Operadora Terceiros por Licitatório Cessão Onerosa Partilha de produção Pré-sal e Áreas Estratégicas NOVO MARCO REGULATÓRIO Outras Áreas Mantido Atual Modelo de Concessão Petrobras Até 5 Bi BOE
  • 4. 4 FUNDO SOCIAL - FS • Constituir-se-á em poupança pública de longo prazo • É transgeracional • Constituir-se-á em poupança pública de longo prazo • É transgeracional • Permitirá investimentos que garantirão implementação de política industrial • Prevenção contra doenças como a Holandesa • Permitirá investimentos que garantirão implementação de política industrial • Prevenção contra doenças como a Holandesa • Complementa o Novo Modelo de E&P para as áreas do Pré-Sal e estratégicas • Complementa o Novo Modelo de E&P para as áreas do Pré-Sal e estratégicas CaracterísticasCaracterísticas
  • 5. 5 10.100 Reservas Provadas 2002 11.500 Revervas Provadas 2006 14.169 Reservas Provadas 2009 5.000 Cessão Onerosa 30.000-35.000 Reservas Provadas + Pré-Sal + Cessão Onerosa Bacias do Pré-Sal de Campos e Santos² Cenário Otimista +5.400 Cenário Base +10.600 Volumes Recuperáveis Anunciados POTENCIAL DE HIDROCARBONETOS NO BRASIL AINDA EM DESCOBRIMENTO Nosso Desafio Para alcançar as metas de produção de 2020 a um índice de R/P de 15 anos, a Petrobras deve provar reservas de aprox. 25 bilhões de barris nos próximos 10 anos Nossas Capacidades • Sólido histórico de reposição de reservas – reservas em crescimento nos últimos 17 anos • Até 21 bilhões de barris somente das descobertas anunciadas do pré-sal e da Cessão Onerosa • Ampla base de recursos contingentes no pós-sal, com várias descobertas concretas anunciadas – 35 planos de avaliação • 265 blocos exploratórios, cobrindo 155 mil km2 • Gastos com exploração >US$ 4 bilhões por ano 14,169 Notas: 1. Critério do SPE 2. Estimativas de Reservas não Provadas: Tupi, Iara, Guará e Parques das Baleias, incluindo Petrobras e Parceiros mm boe
  • 6. 6 1.500 2.000 2.500 3.000 3.500 4.000 4.500 5.000 5.500 6.000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 Produção Total da Petrobras (Mil boe/d) Fonte: PFC Energy e Company’s reports Meta de Produção de Óleo e Gás (Mil boe/d) +33% +57 % 1.809 2.037 2.020 2.217 2.298 2.301 2.400 2.525 2.723 3.907 5.382 4,9% a.a. 7,1% a.a. 9,4% a.a. 1.500 1.540 1.493 1.684 1.778 1.792 1.855 1.971 2.100 252 251 265 274 277 273 321 316 384 623 1.109 176 203 2.980 3.950 35 161 168 163 142 126 124 141 146 22 85 94 96 101 110 100 97 93 128 120 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 ... 2014 ... 2020 Produção de Petróleo no Brasil Produção de Gás no Brasil Produção de Petróleo Internacional Produção de Gás Internacional 1,078Pré-Sal 241 CRESCENDO A UMA TAXA SUPERIOR AOS COMPARÁVEIS
  • 7. 7 AUMENTO DA DEMANDA DOMÉSTICA E PRODUÇÃO CRESCENTE EXIGEM INVESTIMENTOS EM REFINO mil bpd) 13%13% 110%110% 132%132% 124%124% Produção como % do Refino ● Produção de petróleo e a demanda do mercado brasileiro já excedem a capacidade de refino ● Exportação de petróleo bruto deve chegar a 1 milhão bpd em 2014, mesmo com a expansão da capacidade de refino no país 181 1.971 2.980 3.950 1.393 1.791 2.260 3.196 1.036 1.933 2.356 2.794 1980 2009 2014E 2020E Produção Carga Fresca Processada Demanda de Derivados
  • 8. 8 E&P RTC G&E Petroquímica DESENVOLVIMENTO DE OPORTUNIDADES ÚNICAS REQUER INVESTIMENTO SUBSTANCIAL 53% 33% 2%1%2% 8% 1% Fluxo de Caixa Operacional Projetado 2010-2014 80 Plano de Negócios 2010-2014 US$ 224,1 bilhões 163 Preço Médio de Venda (R$/barril) Brent Médio (US$/bbl) Taxa de Câmbio (R$/US$) 1,78 Principais Premissas Fluxo de Caixa Operacional (após dividendos) US$ 155 bilhões Investimentos US$ 224 bilhões Caixa US$ 11 bilhões Fonte Uso Amortização de Dívida US$ 38 bilhões Captações (Dívida + Equity) US$ 96 bilhões • Retorno de 14% nos projetos do Plano de Investimentos Distribuição Biocombustível Corporativo Brasil 95% Internacional 5%
  • 9. 9 Gasoduto GN Fertilizantes Termoelétricas Terminais de GNL Investimentos Totais em Gás e Energia: US$ 17,8 bilhões • Infra-estrutura completa de transporte e processamento de gás natural • Consolidação de Investimentos em geração de energia • Investimentos na cadeia de GNL para escoamento do gás do Pré-Sal • Aumento da flexibilidade com a conversão de gás natural em fertilizantes INSTALAÇÃO DE INFRAESTRUTURA PARA TRANSPORTE E PROCESSAMENTO DE GÁS NATURAL NO BRASIL • 5º maior país do mundo em área total (8,5 MM km²) • Mais de 9.000 km de costa 15% 23% 32% 30%GNL Energia Elétrica Plantas de Gás Gasodutos
  • 10. 10 CRESCIMENTO DO NÍVEL DE INVESTIMENTOS DA PETROBRAS
  • 11. 11 - Espera-se um nível de contratação anual no País de cerca de US$ 28,4 bilhões (no plano anterior este valor era cerca de US$ 20 bilhões) - Espera-se que cerca de 70% dos investimentos sejam colocados junto a fornecedores brasileiros - Considerando os investimentos com parceiros, a contratação anual no País atinge cerca de US$ 32,8 bilhões Investimentos Petrobras no Brasil (US$ bilhões) Conteúdo Nacional 0 % 40 % 60 % 80 % 100 % 20 % E&P (53%) Gás & Energia (82%) Distribuição e PBio (100%) Abastecimento e Corporativo (80%) Área de Negócio Investimentos no Brasil Colocação no Mercado Nacional Conteúdo Nacional (%) E&P 108,2 57,8 53% Abastecimento 78,6 62,8 80% Gás & Energia 17,6 14,4 82% Distribuição 2,3 2,3 100% PBio 2,3 2,3 100% Corporativo 3,3 2,6 80% Total 212,3 142,2 67% CONTEÚDO NACIONAL 2010-2014
  • 12. 12 O PROGRAMA DE INVESTIMENTOS DA PETROBRAS • O Plano de Investimentos da Petrobras (US$ 224 bilhões até 2014) exigirá cada vez maior participação do mercado nacional; • A implantação segura, rentável e dentro dos cronogramas de todos os seus projetos precisa garantir a sustentabilidade e expansão da cadeia de suprimento da Petrobras; • Medidas preventivas estão sendo adotadas para mitigação de riscos relacionados aos custos de suas aquisições e ao atendimento do cronograma de seus projetos; • Principais entraves à expansão sustentável da cadeia de suprimento: – Acesso a Tecnologia – Qualificação de mão de obra – Acesso a fontes de crédito – Investimentos – Capital de Giro – Qualidade da Gestão 2010 2011 2012 2013 2014
  • 13. 13 13 POLÍTICAS DE FOMENTO DE CONTEÚDO LOCAL Política de Suprimento: Maximizar o Conteúdo Local, em bases competitivas e sustentáveis Petrobras (demandante de bens e serviços) Conteúdo Local – requerido também nos contratos de bens e serviços de demais áreas BNDES Requisitos de Financiamento ANP Requisitos Regulatórios Petrobras Política Interna Requisitos de Conteúdo Local Mínimo exigido nos Contratos de Concessão de E&P
  • 14. 14 E&P INDICADOR DE CONTEÚDO LOCAL – 2º TRIMESTRE 2010 (US$bi) 2,98 3,38 5,32 6,13 10,95 10,21 8,99 8,44 8,73 5,20 5,66 8,42 10,23 17,20 16,28 14,12 13,50 13,92 3,54 4,61 6,74 9,19 6,20 7,40 9,64 12,41 75,38% 74,04% 57,03% 62,24% 69,98% 63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62,70% 57,33% 59,74% 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 0% 20% 40% 60% 80% 100% $ Previsto Nacional $ Previsto Total $ Realizado Nacional $ Realizado Total ICL Realizado Meta ICL 2,98 3,38 5,32 6,13 10,95 10,21 8,99 8,44 8,73 5,20 5,66 8,42 10,23 17,20 16,28 14,12 13,50 13,92 3,54 4,61 6,74 9,19 6,20 7,40 9,64 12,41 75,38% 74,04% 57,03% 62,24% 69,98% 63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62,70% 57,33% 59,74% 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 0% 20% 40% 60% 80% 100% $ Previsto Nacional $ Previsto Total $ Realizado Nacional $ Realizado Total ICL Realizado Meta ICLInvestimento Previsto Nacional Investimento Previsto Total Meta ICL 5,32 6,13 10,95 10,21 8,99 8,44 8,73 8,42 10,23 17,20 16,28 14,12 13,50 13,92 6,74 9,19 7,40 9,64 12,41 75,38% 74,04% 69,98% 63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62,70%4% 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 0% 20% 40% 60% 80% 100% acional $ Previsto Total $ Realizado Nacional Total ICL Realizado Meta ICL 2,98 3,38 5,32 6,13 10,95 10,21 8,99 8,44 8,73 5,20 5,66 8,42 10,23 17,20 16,28 14,12 13,50 13,92 3,54 4,61 6,74 9,19 6,20 7,40 9,64 12,41 75,38% 74,04% 57,03% 62,24% 69,98% 63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62,70% 57,33% 59,74% 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 0% 20% 40% 60% 80% 100% $ Previsto Nacional $ Previsto Total $ Realizado Nacional $ Realizado Total ICL Realizado Meta ICL 2,98 3,38 5,32 6,13 10,95 10,21 8,99 8,44 8,73 5,20 5,66 8,42 10,23 17,20 16,28 14,12 13,50 3,54 4,61 6,74 9,19 6,20 7,40 9,64 12,41 75,38% 74,04% 57,03% 62,24% 69,98% 63,14% 59,92% 63,65% 62,70% 63,66% 62,51% 62 57,33% 59,74% 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 $ Previsto Nacional $ Previsto Total $ Realizado Naci $ Realizado Total ICL Realizado Meta ICLInvestimento Realizado Total Investimento Realizado Nacional ICL Realizado 1,8 2,3 3,3 3,7 5,3 7,1 7,6 12,5 14,7 15,1 13,5 3,7 4,4 5,9 7,1 9,5 12,3 13,0 19,6 22,8 22,9 20,3 66,8% 48,1% 53,4% 57,0% 51,7% 55,5% 58,0% 58,1% 63,8% 64,3% 65,9% 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 0% 20% 40% 60% 80% 1,8 2,3 3,3 3,7 5,3 7,1 7,6 12,5 14,7 15,1 13,5 3,7 4,4 5,9 7,1 9,5 12,3 13,0 19,6 22,8 22,9 20,3 2,0 2,0 4,2 5,3 7,2 9,5 9,8 5,5 4,1 3,6 6,5 8,0 10,5 14,2 15,8 8,9 61,4% 66,8% 48,5% 55,4% 63,9% 65,9% 68,7% 67,0% 62,1% 48,1% 53,4% 57,0% 51,7% 55,5% 58,0% 58,1% 63,8% 64,3% 65,9% 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 0% 20% 40% 60% 80%
  • 15. 15 2007 2008 2009 2010 ANÁLISE DO CONTEÚDO LOCAL – E&P 67,0% 62,1% 61,4% 0,7% Perfuração e Completação Exploração Outros 2,6% 1,4% 0,9% 4,9% 0,7% Perfuração e Completação 68,7% 1,7% Exploração 1,0% Outros 0,7% 1o . semestre 2010 O conteúdo local das atividades que envolvem sondas devem permanecer em patamares modestos até a entrada em operação das 28 sondas que serão construídas no Brasil, pela relevância do custo destas unidades no custo total destas operações.
  • 16. 16 16 Barcos de apoio  146 embarcações contratadas ou programadas, 13 a serem entregues a partir de 2011  Conteúdo local exigido de 80% para itens que possam ser fabricados no Brasil Sondas de perfuração com grau de nacionalização  Previsão de operação: 2015 (2), 2016 (2), 2017 (1) e 2018 (2) PLANEJAMENTO DE MAXIMIZAÇÃO DE CONTEÚDO LOCAL 1a e 2a unidades 3a e 4a unidades 5a e 7a unidades Perfuração 20 % 30 % 50 % Geração, Propulsão e DP 40 % 50 % 60 % Global 55 % 60 % 65 % 1a e 2a unidades 3a e 4a unidades 5a e 7a unidades Perfuração 20 % 30 % 50 % Geração, Propulsão e DP 40 % 50 % 60 % Global 55 % 60 % 65 % Processamento Sísmico  As primeiras certificações obtidas para processamento sísmico indicam possibilidade de conteúdo local certificado de 80% neste item
  • 17. 17 17 POLÍTICA INDUSTRIAL DIRIGIDA POR DEMANDA – PIDD-P&G Uso do Poder de Compra pela Petrobras Exigência de conteúdo local em contratos Exigência de conteúdo local em contratos Termos de Cooperação para desenvolvimento de novos produtos / tecnologia Termos de Cooperação para desenvolvimento de novos produtos / tecnologia Contratos de longo prazoContratos de longo prazo Termo de Cooperação para substituição de importações Termo de Cooperação para substituição de importações Rotas Exemplos  Plataformas  Refinarias  Navios Novas Fábricas no Brasil  Novos Estaleiros  Guindastes Offshore  Unidades de Bombeio  Bombas e Válvulas Hastes de bombeio polidas Sistema submarino de separação água-óleo Umbilicais, árvores de natal Baleeiras Turbina a vapor API-611 Atuadores elétricos para válvulas Dutos Flexíveis Ampliação Capacidade Linhas Flexíveis Árvore de Natal Molhada Vasos de Pressão, Permutadores e Reforma do BOP Carrier (Nuclep)
  • 18. 18 18 DECOMPOSIÇÃO DA DEMANDA E CADEIA DE SUPRIMENTO Demandas de B&S (Escala) Operadoras de P&GSub-componentes/ Serviços Auxiliares Implantação / C&M Sub-fornecedoresSub-fornecedores FornecedoresFornecedores MGE EPCEPC IntegradorIntegrador EstaleiroEstaleiro Bens & Serviços Cadeia de Suprimento de B&S PME Planta / Unidade Equipamentos /Materiais Sub-componentes Cadeia de Valor DemandaDemanda Demanda
  • 19. 1919 OBJETIVOS PROMINP - FOMENTO A NOVOS FORNECEDORES ROTAS RESULTADOS Organização da Demanda Substituição Competitiva de Importação Tecnologi a Inserção de Micro e Pequenas Empresas Convênio Petrobras x Sebrae Dar visibilidade da demanda da Petrobras para M&E e componentes até 2013 Aumentar a visibilidade entre os elos da cadeia de P&G Desenvolver fornecedores nacionais de equipamentos e materiais que não são atendidos pelo mercado nacional. Promover desenvolvimento tecnológico de fornecedores em Processos, Produto e Gestão Promover a inserção de micro e pequenas empresas na cadeia de P&G: - Qualificação em gestão e SMS - Auxílio no Cadastramento da Petrobras - Rodadas de Negócio entre grandes compradores e fornecedores  Lançamento do Portal de Oportunidades do Setor de P&G do Prominp  Cerca de 3.500 empresas já cadastradas  Demanda mapeada para mais de 1.300 diferentes M&E e Componentes  R$ 46 milhões  24 projetos  Parceria com MCT/FINEP e BNDES  Investimentos de mais de R$ 130 Milhões  Participação de mais de 2.500 micro e pequenas empresas  51 rodadas de negócio que geraram cerca de R$ 2 Bilhões em negócios
  • 20. 2020 PORTAL DE OPORTUNIDADES DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DO SETOR DE PETRÓLEO DE GÁS NATURAL 1) Decomposição da Demanda Demanda de mais de 1.300 itens de Materiais, Equipamentos e Componentes com projeção até 2014 2) Visibilidade da Cadeia Possibilidade da Empresa localizar potenciais Clientes e Fornecedores 3) Integração com o Portal de Qualificação Possibilidade da Empresa consultar Banco de Currículos de profissionais qualificados PRINCIPAIS BENEFÍCIOS
  • 21. 21 21 4.8224.822 5.3675.367 NacionalNacional EstrangeiroEstrangeiro 4.231 591 NacionalNacional EstrangeiroEstrangeiro 4.772 + 541 595 +4 ESFORÇO PARA AUMENTAR A INSERÇÃO DE FORNECEDORES NACIONAIS NO CADASTRO DA PETROBRAS
  • 22. 2222 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 PROMINP - QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Afretamento 19 Navios Refinaria Premium I 28 Sondas 146 Barcos de Apoio Novas Plataformas de Produção Promef II Refinaria Premium II Plano de Negócios 2008 – 2012 78.402 Profissionais Qualificados 207.643 Lacunas de Recursos Humanos
  • 23. 23 Expandindo a capacidade tecnológica do Brasil 4 vezes a área original do CENPES Parceria com instituições de ensino e pesquisa Parceria com instituições de ensino e pesquisa 38 Redes Temáticas 2006 2009 Contratados R$ 1,7 bilhões (Infraestrutura e P&D) 50 Redes Temáticas 853 Instrumentos Contratuais assinados com 83 instituições de ensino e pesquisa em 19 estados
  • 24. 24 INSTRUMENTOS ESTRUTURAS DE FINACIAMENTOS ROTAS RESULTADOS Financiamento de Capital de Giro Capitalização de Fornecedores Financiamento de Infra- estrutura (Investimento Fabril) Prominp Recebíveis (Fornecedores com contrato direto com a Petrobras) Linhas de Financiamento do BNDES 3 Fundos R$ 1,9 Bilhões Programa Progredir (Extensão para toda a cadeia) FIP (Fundos de Investimento em Participações) 6 Fundos R$ 950 Milhões Lançamento na Rio Oil&Gas 2010
  • 25. 25 BANCOS COMPRADORES / CADEIA DE FORNECEDORES Petrobras Fornecedor (F1) Fornecedor (F2) Fornecedor (F3) Fornecedor (F4) Petrobras Bancos Prominp Comitê de Gestão FUCNIONALIDADES DO PORTAL DE FINANCIAMENTO Gerenciamento de Usuários Cadastro de Fornecedores Contratos de Fornecimento Avaliações de Performance Operações de Financiamento Notificações de Default Gestão de Pendências e Relatórios VISÃO GERAL DO PROGRAMA PROGREDIR Canal de relacionamento entre bancos e fornecedores, com a troca segura de informações, cria a oportunidade para a melhoria das atuais condições de crédito
  • 26. 26 GOVERNANÇA DA REDE DE MELHORIA DA GESTÃO •ABCE ABDI ABDIB ABEAM ABEMI ABENDI ABIMAQ ABINEE ABITAM ABM ABNT/CB-25 ANDIFES ANE ANP ANPROTEC BNDES CDES CEBDS CE-EPC CGEE CGTB CNI CONFEA CONSEPLAN CUT CTB DIEESE FENAINFO FINEP FNQ GesPública IEL INMETRO INPI IOS MBC MD MDIC MMA MME MP MT PETROBRAS PROMINP Rede Brasil + SAE SBGC SEBRAE SINAVAL SYNDARMA
  • 27. 27 José Sergio Gabrielli Azevedo Presidente São Paulo, 8.11.2010 5º FÓRUM DE DEBATES BRASILIANAS.ORG Indústria Nacional: o pré-sal como propulsor da indústria brasileira

Notas do Editor

  1. Criar um mosaico com as imagens anteriores