SlideShare uma empresa Scribd logo
Treinamento Intensivo - FGV
CC ; CME ; Imunização
@professorafernandabarboza
12. (FGV SEE-PE 2016) Sobre o processamento de artigos para a saúde, analise as
afirmativas a seguir.
I.Detergentes enzimáticos facilitam a ação mecânica, reduzindo potencialmente os riscos
ocupacionais, além de removerem a matéria orgânica e serem atóxicos e biodegradáveis.
II.O hipoclorito de sódio é um produto instável, termossensível, fotossensível e inativado
rapidamente em presença de matéria orgânica.
III. A desinfecção de nível intermediário destrói todas as bactérias vegetativas,
microbactérias, fungos, vírus e parte dos esporos.
Está correto o que se afirma em:
(A) I, apenas.
(B) II, apenas.
(C) III, apenas.
(D) I e II, apenas.
(E) I e III, apenas.
Letra D
• Não elimina um elevado número de esporos
• Elimina micobactérias
DESINFECÇÃO DE ALTO
NÍVEL
• Não elimina esporos
• Elimina microrganismos patogênicos na forma
vegetativa, micobactérias, a maioria dos vírus e
dos fungos
DESINFECÇÃO DE NÍVEL
INTERMEDIÁRIO
13. (FGV SEE-PE 2016) O método físico de esterilização que contém somente água no
estado gasoso, considerado a forma mais efetiva de vapor para esterilização, é
denominado
(A) vapor saturado úmido.
(B) calor seco.
(C) vapor saturado seco.
(D) radiação.
(E) vapor saturado superaquecido.
Letra C
https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/superficie.pdf
Tipos de vapor
Vapor saturado
É a camada mais próxima da superfície líquida, encontra-se no limiar do estado líquido e
gasoso, podendo apresentar-se seco ou úmido.
Vapor saturado seco
O vapor saturado seco é capaz de circular por convecção permitindo sua penetração em
materiais porosos.
Vapor úmido
É normalmente formado quando o vapor carrega a água que fica nas tubulações. Tem um
excesso de água que torna úmidos os materiais dentro da esterilizadora
Vapor super aquecido
Vapor saturado submetido à temperaturas mais elevadas. É deficiente de umidade necessária
para a esterilização.
Fonte: APECIH, 1998
14. (FGV SEE-PE 2016) A respeito do controle de qualidade e validação do processo de
esterilização, assinale a afirmativa correta.
(A) A temperatura mínima da autoclave deve ser de 110°C e a pressão mínima deve
ser de 28 libras de vapor.
(B)Os indicadores classe 2 demostram que o material passou pelo processo de
esterilização.
(C) Os indicadores classe 1 são projetados para testar a eficácia do sistema de vácuo
das autoclaves.
(D)Os indicadores simuladores são projetados para medir um dos parâmetros críticos
do processo de esterilização.
(E)Os indicadores multi-parâmetros são projetados para medir dois ou mais
parâmetros críticos.
Letra E
https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/autoclavacao_inativacao_microorganismos.pdf
CLASSE AVALIAÇÃO
Classe 1:
Indicadores de processo
• Demonstram que o material passou pelo processo de esterilização.
• Devem ser usados em todos os materiais a serem esterilizados.
• Para uso em materiais tipo pacotes ou caixas.
Fitas zebradas
Classe 2:
Indicadores para uso em
testes específicos
Projetados para testar a eficácia do sistema de vácuo nas autoclaves de pré-vácuo. Faz a detecção
de bolhas de ar e avalia a habilidade das autoclaves pré-vácuo em remover o ar quando o vapor é
admitido, formando o vácuo.
134 C – 3,5 minutos – máximo de 4 minutos, sem secagem
Ex. Bowie & Dick
Classe 3:
Indicadores de um
parâmetro
Projetados para medir um dos parâmetros críticos do processo de esterilização: vapor, tempo,
temperatura ou vapor saturado.
Classe 4:
Indicadores
multiparâmetros
Projetados para medir dois ou mais parâmetros críticos do processo de esterilização.
• indicam a exposição ao ciclo de esterilização.
Classe 5:
Indicadores integrados
• Projetados para reagir com todos os parâmetros críticos do processo de esterilização, dentro de
um intervalo específico de ciclos de esterilização.
Classe 6:
Simuladores ou
emuladores
• Projetados para reagir com todos os parâmetros críticos do processo de esterilização. A leitura do
indicador é capaz de apontar possíveis falhas em parâmetro específico.
15. (FGV TJBA 2015) Acerca das normas estabelecidas no processo de esterilização de
produtos para a saúde, é correto afirmar que:
a)em autoclaves assistidas por bomba de vácuo, não é obrigatória a realização do
teste de Bowie & Dick;
b) é proibido o uso de estufas para a esterilização de produtos para saúde;
c)o ciclo de esterilização a vapor para uso imediato pode ser realizado nos processos
rotineiros de esterilização;
d) é permitido o uso de autoclave gravitacional de capacidade superior a 100 litros;
e) os parâmetros estabelecidos na qualificação dos ciclos de esterilização podem ser
alterados conforme necessidade.
Letra B
Qualificação
QUALIFICAÇÃO DA INSTALAÇÃO: evidência documentada, fornecida pelo fabricante ou
distribuidor, de que o equipamento foi entregue e instalado de acordo com as suas
especificações;
QUALIFICAÇÃO DE OPERAÇÃO: evidência documentada, fornecida pelo fabricante ou
distribuidor, de que o equipamento, após a qualificação da instalação, opera dentro
dos parâmetros originais de fabricação;
QUALIFICAÇÃO DE DESEMPENHO: evidência documentada de que o equipamento,
após as qualificações de instalação e operação, apresenta desempenho consistente por
no mínimo 03 ciclos sucessivos do processo, com parâmetros idênticos, utilizando-se
pelo menos a carga de maior desafio, determinada pelo serviço de saúde;
Equipamentos
Art. 37 Deve ser realizada qualificação de instalação, qualificação de operação e
qualificação de desempenho, para os equipamentos utilizados na limpeza
automatizada e na esterilização de produtos para saúde, com periodicidade mínima
anual.
Parágrafo único. Sempre que a carga de esterilização apresentar desafios superiores
àquela utilizada na qualificação de desempenho, esta qualificação deve ser refeita.
Art. 38 As leitoras de indicadores biológicos e as seladoras térmicas devem ser
calibradas, no mínimo, anualmente.
Art. 39 A qualificação térmica e a calibração dos instrumentos de controle e medição
dos equipamentos de esterilização a vapor e termodesinfecção e as requalificações de
operação devem ser realizadas por laboratório capacitado, com periodicidade mínima
anual.
Equipamentos
Art. 41 Todos os equipamentos de limpeza automatizada e esterilização devem ter seu
processo requalificado após mudança de local de instalação, mau funcionamento,
reparos em partes do equipamento ou suspeita de falhas no processo de esterilização.
Parágrafo único. Na requalificação dos equipamentos de esterilização deve-se incluir o
uso de indicadores biológicos e químicos.
Art. 42 A área de monitoramento da esterilização de produtos para saúde deve dispor
de incubadoras de indicadores biológicos.
Ciclo de esterilização a vapor para uso imediato
Só pode ocorrer em
caso de urgência e
emergência.
Deve ser
documentado com
detalhes
Registro deve estar
disponível para a
Autoridade Sanitária.
Utilizados
imediatamente após
o processo de
esterilização
Deve ser monitorado
por integrador ou
emulador químico.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx

Aula6 esteriliza
Aula6 esterilizaAula6 esteriliza
Aula6 esteriliza
Thalita Chaim
 
Desafio da utilização do formaldeído no reuso de
Desafio da utilização do formaldeído no reuso deDesafio da utilização do formaldeído no reuso de
Desafio da utilização do formaldeído no reuso de
Fernando Bustamante
 
Boas%20 pr%e1ticas%20de%20fabrica%e7%e3o%20e%20valida%e7%e3o
Boas%20 pr%e1ticas%20de%20fabrica%e7%e3o%20e%20valida%e7%e3oBoas%20 pr%e1ticas%20de%20fabrica%e7%e3o%20e%20valida%e7%e3o
Boas%20 pr%e1ticas%20de%20fabrica%e7%e3o%20e%20valida%e7%e3o
Marcia Rebelo
 
Introduã§ã£o e conclusã£o
Introduã§ã£o e conclusã£oIntroduã§ã£o e conclusã£o
Introduã§ã£o e conclusã£o
Thassiane Oliveira
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Daniel Jovana Joaquim
 
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreiraCuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Karla Georgia
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Marlon Vaughan
 
CBE - Esterilização por Radiação Gama em Embalagens Farmacêuticas, Veterinári...
CBE - Esterilização por Radiação Gama em Embalagens Farmacêuticas, Veterinári...CBE - Esterilização por Radiação Gama em Embalagens Farmacêuticas, Veterinári...
CBE - Esterilização por Radiação Gama em Embalagens Farmacêuticas, Veterinári...
24x7 COMUNICAÇÃO
 
Programa de treinamento
Programa de treinamentoPrograma de treinamento
Programa de treinamento
A.W. Faber-Castell
 
Validacao esterilizadores
Validacao esterilizadoresValidacao esterilizadores
Validacao esterilizadores
Priscilla Draschi Rezende
 
Sistemas cip
Sistemas cipSistemas cip
Sistemas cip
confidencial
 
esterilização, desinfecção e limpeza.pdf
esterilização, desinfecção e limpeza.pdfesterilização, desinfecção e limpeza.pdf
esterilização, desinfecção e limpeza.pdf
ssuserce79331
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
GUILHERMEERNANDES1
 
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
CCIH - HSL
 
Boas práticas de fabricação
Boas práticas de fabricaçãoBoas práticas de fabricação
Boas práticas de fabricação
Thiago Sanson
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
SMS - Petrópolis
 
Apresentação Workshop Sharebiotech Ar Diagnostic
Apresentação Workshop Sharebiotech   Ar DiagnosticApresentação Workshop Sharebiotech   Ar Diagnostic
Apresentação Workshop Sharebiotech Ar Diagnostic
zarzaragoza
 
Ppt mod 6 uc4_proc_ind_imp_amb
Ppt  mod 6 uc4_proc_ind_imp_ambPpt  mod 6 uc4_proc_ind_imp_amb
Ppt mod 6 uc4_proc_ind_imp_amb
Francisco Neto
 
HACCP - Setembro 2014
HACCP -  Setembro 2014HACCP -  Setembro 2014
HACCP - Setembro 2014
IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 

Semelhante a Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx (20)

Aula6 esteriliza
Aula6 esterilizaAula6 esteriliza
Aula6 esteriliza
 
Desafio da utilização do formaldeído no reuso de
Desafio da utilização do formaldeído no reuso deDesafio da utilização do formaldeído no reuso de
Desafio da utilização do formaldeído no reuso de
 
Boas%20 pr%e1ticas%20de%20fabrica%e7%e3o%20e%20valida%e7%e3o
Boas%20 pr%e1ticas%20de%20fabrica%e7%e3o%20e%20valida%e7%e3oBoas%20 pr%e1ticas%20de%20fabrica%e7%e3o%20e%20valida%e7%e3o
Boas%20 pr%e1ticas%20de%20fabrica%e7%e3o%20e%20valida%e7%e3o
 
Introduã§ã£o e conclusã£o
Introduã§ã£o e conclusã£oIntroduã§ã£o e conclusã£o
Introduã§ã£o e conclusã£o
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
 
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreiraCuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
Cuidados nas etapas do processamentodos artigos em cme enfa nadja ferreira
 
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
Aula 1   esterilização preparatorio aprovaAula 1   esterilização preparatorio aprova
Aula 1 esterilização preparatorio aprova
 
CBE - Esterilização por Radiação Gama em Embalagens Farmacêuticas, Veterinári...
CBE - Esterilização por Radiação Gama em Embalagens Farmacêuticas, Veterinári...CBE - Esterilização por Radiação Gama em Embalagens Farmacêuticas, Veterinári...
CBE - Esterilização por Radiação Gama em Embalagens Farmacêuticas, Veterinári...
 
Programa de treinamento
Programa de treinamentoPrograma de treinamento
Programa de treinamento
 
Validacao esterilizadores
Validacao esterilizadoresValidacao esterilizadores
Validacao esterilizadores
 
Sistemas cip
Sistemas cipSistemas cip
Sistemas cip
 
esterilização, desinfecção e limpeza.pdf
esterilização, desinfecção e limpeza.pdfesterilização, desinfecção e limpeza.pdf
esterilização, desinfecção e limpeza.pdf
 
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização -  definições, fatores e etapas.pptIntrodução à higienização -  definições, fatores e etapas.ppt
Introdução à higienização - definições, fatores e etapas.ppt
 
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (2ª parte)
 
Boas práticas de fabricação
Boas práticas de fabricaçãoBoas práticas de fabricação
Boas práticas de fabricação
 
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticosAula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
Aula de Artigos críticos, semi críticos e não críticos
 
Apresentação Workshop Sharebiotech Ar Diagnostic
Apresentação Workshop Sharebiotech   Ar DiagnosticApresentação Workshop Sharebiotech   Ar Diagnostic
Apresentação Workshop Sharebiotech Ar Diagnostic
 
Ppt mod 6 uc4_proc_ind_imp_amb
Ppt  mod 6 uc4_proc_ind_imp_ambPpt  mod 6 uc4_proc_ind_imp_amb
Ppt mod 6 uc4_proc_ind_imp_amb
 
HACCP - Setembro 2014
HACCP -  Setembro 2014HACCP -  Setembro 2014
HACCP - Setembro 2014
 

Mais de Felipe Ribeiro

Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Felipe Ribeiro
 
Encurso IST
Encurso ISTEncurso IST
Encurso IST
Felipe Ribeiro
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
Felipe Ribeiro
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptxAula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptxAula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Fisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humanaFisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humana
Felipe Ribeiro
 

Mais de Felipe Ribeiro (7)

Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Encurso IST
Encurso ISTEncurso IST
Encurso IST
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
 
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptxAula 23 - CC e CME (Slide).pptx
Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx
 
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptxAula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
 
Fisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humanaFisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humana
 

Último

higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
ADRIANEGOMESDASILVA
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
jhordana1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
DavyllaVerasMenezes
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AntonioXavier35
 

Último (11)

higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdfaula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
aula 06 - Distúrbios Hemodinâmicos ( circulatórios).pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagemSaúde coletiva para técnicos em enfermagem
Saúde coletiva para técnicos em enfermagem
 
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdfMedicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
Medicamentos que atuam no Sistema Digestório.pdf
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagemsaúde coletiva para tecnico em enfermagem
saúde coletiva para tecnico em enfermagem
 
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  FaciaAULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao  Facia
AULA 04.06. BOTOX.pdfHarmonizaçao Facia
 

Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx

  • 1. Treinamento Intensivo - FGV CC ; CME ; Imunização @professorafernandabarboza
  • 2. 12. (FGV SEE-PE 2016) Sobre o processamento de artigos para a saúde, analise as afirmativas a seguir. I.Detergentes enzimáticos facilitam a ação mecânica, reduzindo potencialmente os riscos ocupacionais, além de removerem a matéria orgânica e serem atóxicos e biodegradáveis. II.O hipoclorito de sódio é um produto instável, termossensível, fotossensível e inativado rapidamente em presença de matéria orgânica. III. A desinfecção de nível intermediário destrói todas as bactérias vegetativas, microbactérias, fungos, vírus e parte dos esporos. Está correto o que se afirma em: (A) I, apenas. (B) II, apenas. (C) III, apenas. (D) I e II, apenas. (E) I e III, apenas. Letra D
  • 3. • Não elimina um elevado número de esporos • Elimina micobactérias DESINFECÇÃO DE ALTO NÍVEL • Não elimina esporos • Elimina microrganismos patogênicos na forma vegetativa, micobactérias, a maioria dos vírus e dos fungos DESINFECÇÃO DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO
  • 4.
  • 5. 13. (FGV SEE-PE 2016) O método físico de esterilização que contém somente água no estado gasoso, considerado a forma mais efetiva de vapor para esterilização, é denominado (A) vapor saturado úmido. (B) calor seco. (C) vapor saturado seco. (D) radiação. (E) vapor saturado superaquecido. Letra C
  • 7. Tipos de vapor Vapor saturado É a camada mais próxima da superfície líquida, encontra-se no limiar do estado líquido e gasoso, podendo apresentar-se seco ou úmido. Vapor saturado seco O vapor saturado seco é capaz de circular por convecção permitindo sua penetração em materiais porosos. Vapor úmido É normalmente formado quando o vapor carrega a água que fica nas tubulações. Tem um excesso de água que torna úmidos os materiais dentro da esterilizadora Vapor super aquecido Vapor saturado submetido à temperaturas mais elevadas. É deficiente de umidade necessária para a esterilização. Fonte: APECIH, 1998
  • 8. 14. (FGV SEE-PE 2016) A respeito do controle de qualidade e validação do processo de esterilização, assinale a afirmativa correta. (A) A temperatura mínima da autoclave deve ser de 110°C e a pressão mínima deve ser de 28 libras de vapor. (B)Os indicadores classe 2 demostram que o material passou pelo processo de esterilização. (C) Os indicadores classe 1 são projetados para testar a eficácia do sistema de vácuo das autoclaves. (D)Os indicadores simuladores são projetados para medir um dos parâmetros críticos do processo de esterilização. (E)Os indicadores multi-parâmetros são projetados para medir dois ou mais parâmetros críticos. Letra E
  • 10. CLASSE AVALIAÇÃO Classe 1: Indicadores de processo • Demonstram que o material passou pelo processo de esterilização. • Devem ser usados em todos os materiais a serem esterilizados. • Para uso em materiais tipo pacotes ou caixas. Fitas zebradas Classe 2: Indicadores para uso em testes específicos Projetados para testar a eficácia do sistema de vácuo nas autoclaves de pré-vácuo. Faz a detecção de bolhas de ar e avalia a habilidade das autoclaves pré-vácuo em remover o ar quando o vapor é admitido, formando o vácuo. 134 C – 3,5 minutos – máximo de 4 minutos, sem secagem Ex. Bowie & Dick Classe 3: Indicadores de um parâmetro Projetados para medir um dos parâmetros críticos do processo de esterilização: vapor, tempo, temperatura ou vapor saturado. Classe 4: Indicadores multiparâmetros Projetados para medir dois ou mais parâmetros críticos do processo de esterilização. • indicam a exposição ao ciclo de esterilização. Classe 5: Indicadores integrados • Projetados para reagir com todos os parâmetros críticos do processo de esterilização, dentro de um intervalo específico de ciclos de esterilização. Classe 6: Simuladores ou emuladores • Projetados para reagir com todos os parâmetros críticos do processo de esterilização. A leitura do indicador é capaz de apontar possíveis falhas em parâmetro específico.
  • 11. 15. (FGV TJBA 2015) Acerca das normas estabelecidas no processo de esterilização de produtos para a saúde, é correto afirmar que: a)em autoclaves assistidas por bomba de vácuo, não é obrigatória a realização do teste de Bowie & Dick; b) é proibido o uso de estufas para a esterilização de produtos para saúde; c)o ciclo de esterilização a vapor para uso imediato pode ser realizado nos processos rotineiros de esterilização; d) é permitido o uso de autoclave gravitacional de capacidade superior a 100 litros; e) os parâmetros estabelecidos na qualificação dos ciclos de esterilização podem ser alterados conforme necessidade. Letra B
  • 12. Qualificação QUALIFICAÇÃO DA INSTALAÇÃO: evidência documentada, fornecida pelo fabricante ou distribuidor, de que o equipamento foi entregue e instalado de acordo com as suas especificações; QUALIFICAÇÃO DE OPERAÇÃO: evidência documentada, fornecida pelo fabricante ou distribuidor, de que o equipamento, após a qualificação da instalação, opera dentro dos parâmetros originais de fabricação; QUALIFICAÇÃO DE DESEMPENHO: evidência documentada de que o equipamento, após as qualificações de instalação e operação, apresenta desempenho consistente por no mínimo 03 ciclos sucessivos do processo, com parâmetros idênticos, utilizando-se pelo menos a carga de maior desafio, determinada pelo serviço de saúde;
  • 13. Equipamentos Art. 37 Deve ser realizada qualificação de instalação, qualificação de operação e qualificação de desempenho, para os equipamentos utilizados na limpeza automatizada e na esterilização de produtos para saúde, com periodicidade mínima anual. Parágrafo único. Sempre que a carga de esterilização apresentar desafios superiores àquela utilizada na qualificação de desempenho, esta qualificação deve ser refeita. Art. 38 As leitoras de indicadores biológicos e as seladoras térmicas devem ser calibradas, no mínimo, anualmente. Art. 39 A qualificação térmica e a calibração dos instrumentos de controle e medição dos equipamentos de esterilização a vapor e termodesinfecção e as requalificações de operação devem ser realizadas por laboratório capacitado, com periodicidade mínima anual.
  • 14. Equipamentos Art. 41 Todos os equipamentos de limpeza automatizada e esterilização devem ter seu processo requalificado após mudança de local de instalação, mau funcionamento, reparos em partes do equipamento ou suspeita de falhas no processo de esterilização. Parágrafo único. Na requalificação dos equipamentos de esterilização deve-se incluir o uso de indicadores biológicos e químicos. Art. 42 A área de monitoramento da esterilização de produtos para saúde deve dispor de incubadoras de indicadores biológicos.
  • 15. Ciclo de esterilização a vapor para uso imediato Só pode ocorrer em caso de urgência e emergência. Deve ser documentado com detalhes Registro deve estar disponível para a Autoridade Sanitária. Utilizados imediatamente após o processo de esterilização Deve ser monitorado por integrador ou emulador químico.