SlideShare uma empresa Scribd logo
Treinamento Intensivo - FGV
CC e CME
@professorafernandabarboza
Temas edital FGV
• Assistência de enfermagem perioperatória.
• Central de material e esterilização;
• Processamento de produtos para saúde;
• Processos de esterilização de produtos para saúde;
• Controle de qualidade e validação dos processos de esterilização de produtos
para saúde.
Assistência de enfermagem
Perioperatória
Visão Geral
Parte 01
• Conceitos
• Terminologias
• Estrutura física
• Limpeza do
centro cirúrgico
• Equipamentos
• SAEP
Parte 02
• Pré-operatório
• Visita pré-op
• Cuidados pré-op
Parte 03
• Transoperatório
• Cirurgia segura
• Posicionamento
cirúrgico
• Tipos de
Anestesias
Parte 04
• Pós-operatório
• Analgesia e
controle de
complicações
• Curativo e
prevenção de ISC
• Cuidados com
drenos e sondas.
Perioperatório
Pré-operatório:
Mediato - indicação até 24h
antes da cirurgia
Imediato 24 horas antes da
cirurgia até a chegada no CC
Transoperatório - chegada
no CC até a ida para SRPA
Intraoperatório - início ao
final da anestesia
Pós-operatório - imediato (SRPA +
24h após a cirurgia) e mediato
depois das 24 h da cirurgia até a
alta.
Tardio – recuperação do corpo ou
após 7 dias depois da alta
Dorsal ou recubente
Fowler -
deitado e
cabeceira
elevada
SIMs - decúbito
lateral D ou E com
pernas fletidas
Genu -Peitoral-
joelhos apoiados e
peitos apoiados de
dorsal
Litotomia =
ginecológica
Trendelemburg -
dorsal com membros
inferiores elevados
Trendelemburg
reversa ou proclive -
dorsal com a cabeça
mais elevada que o
MI
Posição de Jakkniff -
dorsal com mesa
específica para
cirurgia = canivete
Tempos cirúrgicos
Diérese
Incisão
Hemostasia
Controle do
sangramento
Exérese
cirurgia
propriamente
dita
síntese
sutura
Sobecc 2017
Escala de
Aldrete e
Kroulik
Alta >= 8
Atividade Capaz de mover 4 membros voluntariamente ou sob comando 2
Capaz de mover 2 membros voluntariamente ou sob comando 1
Incapaz de mover os membros voluntariamente ou sob comando 0
Respiração Capaz de respirar profundamente ou tossir livremente 2
Dispneia ou limitação da respiração 1
Apneia 0
Circulação PA 20% do nível pré-anestésico 2
PA 20-49% do nível pré-anestésico 1
PA 50% do nível pré-anestésico 0
Consciência Lúcido, orientado no tempo e espaço 2
Desperta, se solicitado 1
Não responde 0
Saturação Capaz de manter sat de O² maior que 92% respirando em ar ambiente 2
Necessita de O² para manter sat de O² maior que 90% 1
Saturação de O² menor que 90% com O² suplementar 0
https://sobecc.emnuvens.com.br/sobecc/article/download/104/pdf
1. (FGV - 2014 - Prefeitura de Cuiabá – MT) Associe o tipo de curativo à indicação
correspondente:
1. Papaína
2. Hidrocoloide
3. Hidrogel
4. Alginato de cálcio
Assinale a opção que indica a relação correta, de cima para baixo.
;
(A) 3 – 2 – 1 – 4
(B) 4 – 3 – 2 – 1
(C) 1 – 2 – 3 – 4
(D) 3 – 4 – 1 – 2
(E) 2 – 1 – 4 – 3
Letra D
( ) Úlcera venosa com drenagem
( ) Lesões cavitárias
( ) Debridamento de tecidos desvitalizados
( ) Tratamento de úlcera de pressão não infectada
COBERTURA AÇÃO
Papaína e
Colagenase 2% - em granulação Acima de 2% - desbridamento enzimático
AGE - Ácidos Graxos
Essenciais granulação – mantém a umidade
Alginato de cálcio exsudação abundante com ou sem infecção, feridas cavitárias sanguinolentas
Alginato com prata bactericida e apresenta alta capacidade de absorção, hemostático.
Carvão ativado e
prata Feridas infectadas, fétidas e altamente exsudativas. Não utilizar em áreas de exposição óssea.
Hidrocoloide Não utilizar como curativo secundário. Prevenção de lesão por pressão. Debridamento
autolítico.
Hidrogel Debridamento autolítico.
Filme transparente Cobertura de cateter. Prevenção de lesão por pressão. Feridas secas.
Sulfadiazina de
prata a 1%
Queimadura
2. (FGV - 2014 - Prefeitura de Osasco – SP) Em relação aos procedimentos de
enfermagem relacionados à realização de curativos, assinale V para a afirmativa
verdadeira e F para a falsa.
( ) A limpeza da ferida cirúrgica deve ser realizada de fora para dentro para evitar
infecção.
( ) O Hidrogel pode ser utilizado em queimaduras e feridas limpas com pequenas
quantidade de exsudato.
( ) O selo d’água, durante o curativo de um dreno torácico, deve ser mantido no
mesmo nível do tórax.
As afirmativas são, respectivamente,
A) F
, V e F.
B) V, F e V.
C) F
, F e V
.
D) V, V e F.
E) F, V e V.
Letra A
3. (FGV Senado 2012) No pós-operatório imediato de uma cirurgia ortopédica, o
paciente apresentou retenção urinária transitória. Nesse caso, a principal
intervenção de enfermagem deve ser
a) a administração de diuréticos.
b) o cateterismo vesical de alívio.
c) o registro do balanço hídrico.
d) a realização de exercícios pélvicos.
e) o incentivo à ingestão de líquidos. Letra B
4. (FGV TCE SE 2015) Uma paciente de 35 anos, no pós-operatório imediato de câncer
de mama, mantém uma saturação de oxigênio (SpO2) de 97% e pressão parcial de
oxigênio arterial (PaO2) de 90 mmHg.
Com base nos valores de referência para esses parâmetros, a paciente apresenta:
a) SpO2 diminuída e PaO2 elevada;
b) SpO2 normal e PaO2 diminuída;
c) SpO2 elevada e PaO2 normal;
d) SpO2 e PaO2 acima dos valores normais;
e) SpO2 e PaO2 dentro da normalidade.
Letra E
5. (FGV Senado 2012) A cicatrização da ferida cirúrgica pode ocorrer por diferentes
mecanismos, dependendo da sua condição. Esses mecanismos compreendem a
cicatrização por primeira, segunda e terceira intenções.
Considerando cada uma destas fases, analise as afirmativas a seguir.
por primeira intenção ocorre
fechadas e cicatrizam-se com
em feridas assépticas que são
pouca reação tissular, por união
I. A cicatrização
adequadamente
primária.
II.A cicatrização por segunda intenção ou sutura secundária é usada para feridas
profundas que não foram suturadas anteriormente ou naquelas em que as bordas se
romperam e não foram ressuturadas.
III.A cicatrização por terceira intenção, também chamada de granulação, ocorre em
feridas infectadas ou nas feridas em que as bordas não foram aproximadas.
a) se somente a afirmativa I estiver correta.
b) se somente a afirmativa II estiver correta.
c) se somente a afirmativa III estiver correta.
d) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
e) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
Letra A

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx

Introdução de enfermagem
Introdução de enfermagemIntrodução de enfermagem
Introdução de enfermagem
Wagner Lima Teixeira
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Prova Bimestral 2 paciente critico sanleny (1).pdf
Prova Bimestral 2 paciente critico sanleny (1).pdfProva Bimestral 2 paciente critico sanleny (1).pdf
Prova Bimestral 2 paciente critico sanleny (1).pdf
jessica276304
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
Eliane Pereira
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Raniery Penha
 
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
José Alexandre Pires de Almeida
 
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Kayo Alves Figueiredo
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
voceduardomscsousa
 
simulado-de-enfermagem-cirurgica.pdf
simulado-de-enfermagem-cirurgica.pdfsimulado-de-enfermagem-cirurgica.pdf
simulado-de-enfermagem-cirurgica.pdf
RmuloGomesCandeia
 
Infecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio CirurgicoInfecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio Cirurgico
João Paulo França
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
doriene
 
Manual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compactoManual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compacto
DanieladaGraadeOlive
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
RodolfoFreitas21
 
ITO 23 - Módulo 200 sbv
ITO 23 - Módulo 200   sbvITO 23 - Módulo 200   sbv
ITO 23 - Módulo 200 sbv
Comandantelima
 
22 biossegurança - medidas pós exposição
22   biossegurança - medidas pós exposição22   biossegurança - medidas pós exposição
22 biossegurança - medidas pós exposição
lukeni2015
 
Atividade profissional ii estudo dirigido
Atividade profissional ii   estudo dirigidoAtividade profissional ii   estudo dirigido
Atividade profissional ii estudo dirigido
Vanessa Marques
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdfAula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
RaquelOlimpio1
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Reg59a por planos brancos samu nrbc delpech
Reg59a por planos brancos samu nrbc  delpechReg59a por planos brancos samu nrbc  delpech
Reg59a por planos brancos samu nrbc delpech
Miguel Martinez Almoyna
 

Semelhante a Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx (20)

Introdução de enfermagem
Introdução de enfermagemIntrodução de enfermagem
Introdução de enfermagem
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Prova Bimestral 2 paciente critico sanleny (1).pdf
Prova Bimestral 2 paciente critico sanleny (1).pdfProva Bimestral 2 paciente critico sanleny (1).pdf
Prova Bimestral 2 paciente critico sanleny (1).pdf
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
 
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
Terapia antineoplasica graziela_0110(2)
 
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
Enfermagem em UTI saude enfermagem112341
 
simulado-de-enfermagem-cirurgica.pdf
simulado-de-enfermagem-cirurgica.pdfsimulado-de-enfermagem-cirurgica.pdf
simulado-de-enfermagem-cirurgica.pdf
 
Infecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio CirurgicoInfecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio Cirurgico
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
 
Manual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compactoManual infeccao zero_compacto
Manual infeccao zero_compacto
 
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
ITO 23 - Módulo 200 sbv
ITO 23 - Módulo 200   sbvITO 23 - Módulo 200   sbv
ITO 23 - Módulo 200 sbv
 
22 biossegurança - medidas pós exposição
22   biossegurança - medidas pós exposição22   biossegurança - medidas pós exposição
22 biossegurança - medidas pós exposição
 
Atividade profissional ii estudo dirigido
Atividade profissional ii   estudo dirigidoAtividade profissional ii   estudo dirigido
Atividade profissional ii estudo dirigido
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdfAula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
Aula Unidade 3 - Cirurgias Seguras Serv de Saúde.pdf
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Reg59a por planos brancos samu nrbc delpech
Reg59a por planos brancos samu nrbc  delpechReg59a por planos brancos samu nrbc  delpech
Reg59a por planos brancos samu nrbc delpech
 

Mais de Felipe Ribeiro

Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
Felipe Ribeiro
 
Encurso IST
Encurso ISTEncurso IST
Encurso IST
Felipe Ribeiro
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
Felipe Ribeiro
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptxAula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptxAula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptxAula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Felipe Ribeiro
 
Fisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humanaFisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humana
Felipe Ribeiro
 

Mais de Felipe Ribeiro (9)

Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
Encurso IST
Encurso ISTEncurso IST
Encurso IST
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
 
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptxIST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
IST-HIV e HPV Estratégia (1).pptx
 
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptxAula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
Aula 25 - CC e CME III (Slide).pptx
 
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptxAula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
Aula 24 - CC e CME II (Slide).pptx
 
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptxAula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
Aula 26 - CC e CME IV (Slide).pptx
 
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptxAula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
Aula 27 - CC e CME V (Slide).pptx
 
Fisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humanaFisiologia reprodutora humana
Fisiologia reprodutora humana
 

Aula 23 - CC e CME (Slide).pptx

  • 1. Treinamento Intensivo - FGV CC e CME @professorafernandabarboza
  • 2. Temas edital FGV • Assistência de enfermagem perioperatória. • Central de material e esterilização; • Processamento de produtos para saúde; • Processos de esterilização de produtos para saúde; • Controle de qualidade e validação dos processos de esterilização de produtos para saúde.
  • 4. Visão Geral Parte 01 • Conceitos • Terminologias • Estrutura física • Limpeza do centro cirúrgico • Equipamentos • SAEP Parte 02 • Pré-operatório • Visita pré-op • Cuidados pré-op Parte 03 • Transoperatório • Cirurgia segura • Posicionamento cirúrgico • Tipos de Anestesias Parte 04 • Pós-operatório • Analgesia e controle de complicações • Curativo e prevenção de ISC • Cuidados com drenos e sondas.
  • 5. Perioperatório Pré-operatório: Mediato - indicação até 24h antes da cirurgia Imediato 24 horas antes da cirurgia até a chegada no CC Transoperatório - chegada no CC até a ida para SRPA Intraoperatório - início ao final da anestesia Pós-operatório - imediato (SRPA + 24h após a cirurgia) e mediato depois das 24 h da cirurgia até a alta. Tardio – recuperação do corpo ou após 7 dias depois da alta
  • 6. Dorsal ou recubente Fowler - deitado e cabeceira elevada SIMs - decúbito lateral D ou E com pernas fletidas Genu -Peitoral- joelhos apoiados e peitos apoiados de dorsal Litotomia = ginecológica Trendelemburg - dorsal com membros inferiores elevados Trendelemburg reversa ou proclive - dorsal com a cabeça mais elevada que o MI Posição de Jakkniff - dorsal com mesa específica para cirurgia = canivete
  • 7.
  • 9.
  • 11. Escala de Aldrete e Kroulik Alta >= 8 Atividade Capaz de mover 4 membros voluntariamente ou sob comando 2 Capaz de mover 2 membros voluntariamente ou sob comando 1 Incapaz de mover os membros voluntariamente ou sob comando 0 Respiração Capaz de respirar profundamente ou tossir livremente 2 Dispneia ou limitação da respiração 1 Apneia 0 Circulação PA 20% do nível pré-anestésico 2 PA 20-49% do nível pré-anestésico 1 PA 50% do nível pré-anestésico 0 Consciência Lúcido, orientado no tempo e espaço 2 Desperta, se solicitado 1 Não responde 0 Saturação Capaz de manter sat de O² maior que 92% respirando em ar ambiente 2 Necessita de O² para manter sat de O² maior que 90% 1 Saturação de O² menor que 90% com O² suplementar 0
  • 13. 1. (FGV - 2014 - Prefeitura de Cuiabá – MT) Associe o tipo de curativo à indicação correspondente: 1. Papaína 2. Hidrocoloide 3. Hidrogel 4. Alginato de cálcio Assinale a opção que indica a relação correta, de cima para baixo. ; (A) 3 – 2 – 1 – 4 (B) 4 – 3 – 2 – 1 (C) 1 – 2 – 3 – 4 (D) 3 – 4 – 1 – 2 (E) 2 – 1 – 4 – 3 Letra D ( ) Úlcera venosa com drenagem ( ) Lesões cavitárias ( ) Debridamento de tecidos desvitalizados ( ) Tratamento de úlcera de pressão não infectada
  • 14. COBERTURA AÇÃO Papaína e Colagenase 2% - em granulação Acima de 2% - desbridamento enzimático AGE - Ácidos Graxos Essenciais granulação – mantém a umidade Alginato de cálcio exsudação abundante com ou sem infecção, feridas cavitárias sanguinolentas Alginato com prata bactericida e apresenta alta capacidade de absorção, hemostático. Carvão ativado e prata Feridas infectadas, fétidas e altamente exsudativas. Não utilizar em áreas de exposição óssea. Hidrocoloide Não utilizar como curativo secundário. Prevenção de lesão por pressão. Debridamento autolítico. Hidrogel Debridamento autolítico. Filme transparente Cobertura de cateter. Prevenção de lesão por pressão. Feridas secas. Sulfadiazina de prata a 1% Queimadura
  • 15. 2. (FGV - 2014 - Prefeitura de Osasco – SP) Em relação aos procedimentos de enfermagem relacionados à realização de curativos, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa. ( ) A limpeza da ferida cirúrgica deve ser realizada de fora para dentro para evitar infecção. ( ) O Hidrogel pode ser utilizado em queimaduras e feridas limpas com pequenas quantidade de exsudato. ( ) O selo d’água, durante o curativo de um dreno torácico, deve ser mantido no mesmo nível do tórax.
  • 16. As afirmativas são, respectivamente, A) F , V e F. B) V, F e V. C) F , F e V . D) V, V e F. E) F, V e V. Letra A
  • 17. 3. (FGV Senado 2012) No pós-operatório imediato de uma cirurgia ortopédica, o paciente apresentou retenção urinária transitória. Nesse caso, a principal intervenção de enfermagem deve ser a) a administração de diuréticos. b) o cateterismo vesical de alívio. c) o registro do balanço hídrico. d) a realização de exercícios pélvicos. e) o incentivo à ingestão de líquidos. Letra B
  • 18. 4. (FGV TCE SE 2015) Uma paciente de 35 anos, no pós-operatório imediato de câncer de mama, mantém uma saturação de oxigênio (SpO2) de 97% e pressão parcial de oxigênio arterial (PaO2) de 90 mmHg. Com base nos valores de referência para esses parâmetros, a paciente apresenta: a) SpO2 diminuída e PaO2 elevada; b) SpO2 normal e PaO2 diminuída; c) SpO2 elevada e PaO2 normal; d) SpO2 e PaO2 acima dos valores normais; e) SpO2 e PaO2 dentro da normalidade. Letra E
  • 19. 5. (FGV Senado 2012) A cicatrização da ferida cirúrgica pode ocorrer por diferentes mecanismos, dependendo da sua condição. Esses mecanismos compreendem a cicatrização por primeira, segunda e terceira intenções. Considerando cada uma destas fases, analise as afirmativas a seguir. por primeira intenção ocorre fechadas e cicatrizam-se com em feridas assépticas que são pouca reação tissular, por união I. A cicatrização adequadamente primária. II.A cicatrização por segunda intenção ou sutura secundária é usada para feridas profundas que não foram suturadas anteriormente ou naquelas em que as bordas se romperam e não foram ressuturadas. III.A cicatrização por terceira intenção, também chamada de granulação, ocorre em feridas infectadas ou nas feridas em que as bordas não foram aproximadas.
  • 20. a) se somente a afirmativa I estiver correta. b) se somente a afirmativa II estiver correta. c) se somente a afirmativa III estiver correta. d) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. e) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas. Letra A