SlideShare uma empresa Scribd logo
ISO 14001:2015
COMO TUDO NASCEU...
 Preocupações ambientais levaram a um crescente número de solicitações a institutos normativos para
a criação de um padrão para gerenciar os impactos ambientais de uma organização.
 O British Standards Institute (BSI), um respeitado instituto normativo, juntamente com outras partes
interessadas, desenvolveu a BS 7750:1992 (“Specfication for Environmental Management Systems”).
 Rio-92 foi proposta a criação de um grupo para estudar a elaboração de uma norma internacional de
gestão ambiental.
COMO TUDO COMEÇOU...
 A norma ISO 14001 foi desenvolvida com base na norma BS 7750 e publicada em setembro de 1996.
 A norma provê um modelo básico de estabelecimento de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA), um
conjunto de processos de gerenciamento que requer das empresas a identificação, a mensuração e o
controle de seus impactos ambientais (BANSAL; HUNTER, 2003) no meio ambiente em que operam,
incluindo aspectos relacionados a ar, água, solo, flora, fauna e
seres humanos.
COMO TUDO COMEÇOU...
 Em 1996, com o surgimento da ISO 14001, mais um aspecto entrou definitivamente para o rol de
preocupações das empresas, o ambiental.
 No final da década de 1990, o governo brasileiro passou a incentivar as certificações.
 Governos e as grandes empresas, passaram a exigir a certificação ISO 14001 de seus fornecedores, de
forma que possuir a certificação passou a ser estratégia de mercado
para muitas empresas.
O PROBLEMA
UM DOS PROBLEMAS
 70% de todo o lixo tóxico vem do lixo eletrônico, que cresce três vezes mais que o lixo comum.
 De acordo com estudo da Forrester Research, Brasil, Rússia, Índia e China terão mais de 775
milhões de novos computadores até 2015, com a China indo de 55
milhões em 2007 para 500 milhões em 2015 (CETESB, 2009).
 Um cidadão ocidental produz, em média, a cada ano, 500 quilos de lixo urbano. Um brasileiro é responsável
por 378 quilos anuais.
 Ver: http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e-solucoes-
lixoes-sao-um-dos-desafios-para-os-proximos-prefeitos/5433950/
OBJETIVO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL:
 Alcançar um equilíbrio entre o meio ambiente, a sociedade e a
economia é considerado fundamental para que seja possível satisfazer as
necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de
satisfazer as suas necessidades.
 As expectativas da sociedade em relação ao desenvolvimento sustentável, à
transparência e à responsabilização por prestar contas têm evoluído com a
 legislação cada vez mais rigorosa;
 crescentes pressões sobre o meio ambiente, decorrentes de poluição;
 uso ineficiente de recursos
 gerenciamento impróprio de rejeitos;
 mudança climática;
 degradação dos ecossistemas e perda de biodiversidade
EXPECTATIVAS DA SOCIEDADE EM RELAÇÃO AO
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
 Legislação cada vez mais rigorosa;
 Crescentes pressões sobre o meio ambiente, decorrentes de poluição;
 Uso ineficiente de recursos;
 Gerenciamento impróprio de rejeitos;
 Mudança climática;
 Degradação dos ecossistemas e perda de biodiversidade;
ISO: EU TE AMO!
ISO 14001: trata dos principais requisitos para as empresas identificarem, controlarem e monitorarem seus aspectos ambientais, através de um sistema de
gestão ambiental (MILAGRE, 2008);
ISO 14004: complementa a ISO 14001 provendo diretrizes adicionais para implantação de um sistema de gestão ambiental;
ISO 14031: guia para avaliação de desempenho ambiental;
ISO 14020: conjunto de normas que tratam de selos ambientais;
ISO 14040: conjunto de normas para conduzir análises de ciclo de vida de produtos e serviços;
ISO 14064: contabilização e verificação de emissões de gases de efeito estufa para suportar projetos de redução de emissões;
ISO 14065: complementa a ISO 14064 especificando os requisitos para certificar ou reconhecer instituições que farão validação ou verificação da norma
ISO 14064 ou outras especificações importantes;
ISO 14063: trata de comunicação ambiental por parte das empresas (ISO, s.d.).
Além destas, já existem outras normas em desenvolvimento:
ISO 14045: requisitos para análises de eco-eficiência;
ISO 14051: norma para MFCA – Material Flow Cost Accounting, ou em tradução literal, contabilidade de custos dos fluxos de materiais, uma ferramenta de
gerenciamento que busca maximizar a utilização de recursos, principalmente em manufatura e processos de distribuição;
ISO 14067: norma para pegada de carbono em produtos, tratando de requisitos para contabilização e comunicação de emissões de gases de efeito
estufa associados a produtos;
ISO 14069: guia para as empresas calcularem a pegada de carbono em seus produtos, serviços e cadeia de fornecimento;
ISO 14005: guia para a implementação em fases de um sistema de gestão ambiental para facilitar sua adoção por pequenas e médias empresas;
ISO 14006: norma para “ecodesign”;
ISO 14033: diretrizes e exemplos para compilar e comunicar informações ambientais quantitativas;
ISO 14066: requisitos para as empresas que farão a validação e a verificação de emissões de gases de efeito estufa.
PARA SABER...
 A ABNT NBR ISO 14001 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental (ABNT/CB-038), pela
Comissão de Estudo de Sistema de Gestão Ambiental (CE-038.001.001).
 Esta terceira edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 14001:2004), a qual foi tecnicamente
revisada.
 Todas as ferramentas são desenvolvidas de forma a permitir seu uso conjunto e têm
como benefícios:
 Adoção a redução do uso de matérias-primas e de energia;
 Processos mais eficientes;
 Redução de lixo e de custos de descarte e utilização de recursos renováveis.
Conceito do Tripple Bottom Line:
 ISO 26000, sobre responsabilidade social empresarial;
 ISO 50001, para gerenciamento de energia, entre outras;
O QUE É ISO 14000?
 ISO 14000 é constituído por uma série de normas que
determinam diretrizes para garantir que determinada
empresa (pública ou privada) pratique a gestão ambiental.
 Estas normas são conhecidas pelo Sistema de Gestão
Ambiental (SGA), que é definido pela ISO (International
Organization for Standardization).
OBJETIVO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL
Prover às organizações uma estrutura para a proteção do meio
ambiente e possibilitar uma resposta às mudanças das
condições ambientais em equilíbrio com as
necessidades socioeconômicas.
Esta Norma especifica os requisitos que permitem que uma organização alcance os resultados pretendidos
e definidos para seu sistema de gestão ambiental.
TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO
SISTEMA DE GESTÃO
 Conjunto de elementos inter-relacionados ou interativos de uma
organização (3.1.4), para estabelecer políticas, objetivos (3.2.5) e
processos (3.3.5) para alcançar esses objetivos;
 Os elementos do sistema incluem a estrutura da organização, papeis
e responsabilidades, planejamento e operação, avaliação de
desempenho e melhoria;
 O escopo de um sistema de gestão pode incluir a totalidade da
organização, funções específicas e identificadas da organização,
seções específicas e identificadas da organização, ou uma ou mais
funções dentro de um grupo de organizações.
TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO
SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL
 Parte do sistema de gestão usado para gerenciar aspectos ambientais, cumprir requisitos legais e outros requisitos, e
abordar riscos e oportunidades
 Ferramenta de gestão que possibilita a uma organização de qualquer dimensão ou tipo controlar o impacto das suas
atividades no ambiente.
 Um SGA possibilita uma abordagem estruturada para estabelecer objetivos, para os atingir e para demonstrar que foram
atingidos
POLÍTICA AMBIENTAL
 Intenções e direção de uma organização relacionadas ao seu desempenho ambiental, como formalmente expresso pela
sua Alta Direção
PARTE INTERESSADA
 Pessoa ou organização que pode afetar, ser afetada ou se perceber afetada por uma decisão ou atividade
 Clientes, comunidades, fornecedores, regulamentadores, organizações não governamentais, investidores e
funcionários.
POLÍTICA AMBIENTAL DA ITAUTEC
 “Cumprir a legislação ambiental aplicável, as normas regulamentares e os demais
requisitos subscritos pela Organização que se relacionem aos aspectos ambientais”;
 Prevenir a ocorrência de danos ambientais decorrentes de suas atividades buscando
a utilização de tecnologias ambientalmente adequadas no gerenciamento dos
processos e na concepção de novos produtos;
 Estabelecer canais permanentes de comunicação das questões do meio ambiente
com as partes interessadas;
 Criar normas e registrar as ações relativas à conservação do Meio Ambiente, de
forma auditável e transparente;
 Evitar o desperdício de água e energia;
 Promover o treinamento e conscientização de seus colaboradores internos e
externos para atuarem com responsabilidade na conservação do Meio Ambiente e
na busca de melhorias contínuas;
 Estabelecer, revisar e acompanhar, anualmente, os objetivos e metas ambientais
específicos de suas atividades. (ITAUTEC, 2010).
MEIO AMBIENTE
Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais,
fauna, seres humanos e suas inter-relações.
 Pode se estender de dentro de uma organização para os sistemas local, regional e global.
 Podem ser descritas em termos de biodiversidade, ecossistemas, clima ou outras características.
IMPACTO AMBIENTAL
Modificação no meio ambiente , tanto adversa como benéfica, total ou parcialmente resultante
dos aspectos ambientais de uma organização.
TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO
OBJETIVO AMBIENTAL
Objetivo definido pela organização , coerente com a sua política ambiental
 Pode ser estratégico, tático ou operacional.
 Se relacionar a diferentes disciplinas (como finanças, saúde e segurança, e metas ambientais)
 Pode ser expresso de outras formas, por exemplo, como um resultado pretendido, um propósito, um critério
operacional, como um objetivo ambiental, ou pelo uso de outras palavras com significado similar (por
finalidade, meta ou alvo).
TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO
Risco
Efeito da incerteza
 é um desvio do esperado — positivo ou negativo.
 Incerteza é o estado, ainda que parcial, de deficiência de informação, de compreensão ou de conhecimento
relacionado a um evento, sua consequência ou sua probabilidade.
Risco é frequentemente expresso em termos de uma combinação das consequências de um evento
(incluindo mudanças em circunstâncias) e a “probabilidade” associada de ocorrência.
TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO
TERMOS REFERENTES AO SUPORTE E À OPERAÇÃO
CICLO DE VIDA
Estágios consecutivos e encadeados de um sistema de produto (ou
serviço), desde a aquisição da matéria-prima ou de sua geração, a
partir de recursos naturais até a disposição final
Os estágios do ciclo de vida incluem a aquisição da matéria-prima, projeto, produção,
transporte/entrega, uso, tratamento pós-uso e disposição final. [ABNT NBR ISO
14044:2009, 3.1, modificado – As palavras “(ou serviço)” foram adicionadas à definição,
e a NOTA 1 foi adicionada.]
 http://embalagemsustentavel.com.br/2011/06/21/tetra-pak-e-o-pos-consumo/
TERMOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E
MELHORIA
AUDITORIA
Processo sistemático, independente e documentado, para obter evidência de auditoria e avaliá-la
objetivamente, para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são atendidos.
 Uma auditoria interna é conduzida pela própria organização, ou por uma parte externa em seu nome.
 Uma auditoria pode ser uma auditoria combinada (combinando duas ou mais disciplinas).
 A independência pode ser demonstrada pela liberdade de isenção de responsabilidades pela
atividade auditada, ou ausência de tendência e conflito de interesse.
 “Evidências de auditoria” consistem em registros, declarações de fato ou outra informação pertinentes
aos critérios de auditoria e verificáveis; e “critério de auditoria” são o conjunto de políticas,
procedimentos ou requisitos usados como uma referência na qual a evidência de auditoria é
comparada, como definido na ABNT NBR ISO 19011:2012, 3.3 e 3.2, respectivamente.
TERMOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E
MELHORIA
 Conformidade atendimento de um requisito
 Não conformidade não atendimento de um requisito
 Ação corretiva ação para eliminar a causa de uma não conformidade e para prevenir a recorrência
 Melhoria contínua atividade recorrente para aumentar o desempenho
 Eficácia extensão na qual as atividades planejadas são realizadas e os resultados planejados são
alcançados indicador representação mensurável da condição ou estado de operações, gestão ou
condicionantes
 Monitoramento determinação da situação de um sistema, um processo ou uma atividade
Existe indícios de uma boa relação entre
SGA e aumento de rentabilidade na
empresa?
 Melhorias a redução de desperdícios;
 Aproveitamento de materiais;
 Reciclagem e a redução no consumo de energia e água;
 Ganhos econômicos – reduzir o consumo de água e energia elétrica, por exemplo, reduz os custos;
 Vantagens competitivas – empresas fornecedoras podem ganhar concorrências pelo fato de serem
certificadas (em alguns casos, possuir a certificação é uma exigência) e possuir o certificado pode
auxiliar a empresa a ficar de acordo com as leis (POTOSKI; PRAKASH, 2005).
 Na Ambev a sustentabilidade corporativa é mensurada com indicadores
claros de ecoeficiência e de um forte conceito formado de “gente e
sonhos”.
 A redução no consumo da água, redução de efluentes e gestão de resíduos
são alguns dos exemplos dessa organização que tem na gestão
socioambiental e, no fortalecimento da relação com seus colaboradores, a
construção de uma trajetória sustentável.
 Entre 2002 e 2010, a Ambev reduziu em 27,2% o índice geral de utilização
de água para produção.
 O volume economizado seria suficiente para abastecer, por um mês, uma
cidade de 450 mil habitantes, como Uberlândia (MG).
 Esse conceito fica fortalecido na visão de negócio que é ser a melhor
empresa de bebidas do mundo em um mundo melhor.
PETROBRAS
 A empresa tem como diretriz de seu plano de negócios e parte de sua estratégia corporativa
“conhecer, prevenir e mitigar os impactos ambientais” de suas operações e produtos.
 A gestão ambiental é integrada à gestão dos aspectos de segurança, eficiência energética e saúde –
SMES (Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde).
 A empresa também exige a certificação de seus fornecedores e, inclusive, impede empresas que não
estiverem em conformidade de fornecerem seus produtos e serviços.
PETROBRAS – RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015
Fonte: http://www.petrobras.com.br/pt/sociedade-e-meio-ambiente/relatorio-de-
sustentabilidade/
VALE
 A Vale, empresa brasileira que atua em 38 países;
 Tem o desenvolvimento sustentável como parte de sua missão e possui a totalidade do minério de ferro
exportado saindo de minas certificadas com ISO 14001 (todas as minas de minério de ferro têm
certificação).
 Foi a primeira companhia de mineração do mundo a ter uma unidade certificada pela ISO 14001, adotando
desde 1994 o Sistema de Gestão da Qualidade Ambiental (SGQA) em suas unidades operacionais.
 Em 2010, a empresa desenvolveu um SGA para atender a empresa como um todo, dividido em quatro
estágios: básico, intermediário, avançado e excelência, para garantir o cumprimento da Política de
Desenvolvimento Sustentável e das Diretrizes Ambientais.
GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA Uma abordagem sistemática para a gestão ambiental pode prover a Alta Direção de uma empresa com as informações necessárias
para obter sucesso a longo prazo e para criar alternativas que contribuam para um desenvolvimento sustentável, por meio de:
— Proteção do meio ambiente pela prevenção ou mitigação dos impactos
ambientais adversos;
— Mitigação de potenciais efeitos adversos das condições ambientais na
organização;
— Auxílio à organização no atendimento aos requisitos legais e outros requisitos;
— Aumento do desempenho ambiental;
— Controle ou influência no modo em que os produtos e serviços da organização
são projetados, fabricados, distribuídos, consumidos e descartados, utilizando
uma perspectiva de ciclo de vida que possa prevenir o deslocamento involuntário
dos impactos ambientais dentro do ciclo de vida;
— Alcance dos benefícios financeiros e operacionais que podem resultar da
implementação de alternativas ambientais que reforçam a posição da organização
no mercado;
— Comunicação de informações ambientais para as partes interessadas
IMPORTANTE SABER...
 O sucesso de um SGA depende do comprometimento de todos os níveis e funções da organização,
começando pela Alta Direção.
 As organizações podem alavancar as oportunidades de prevenção ou mitigação dos impactos
ambientais adversos e intensificar os impactos ambientais benéficos, particularmente aqueles com
implicações estratégicas e competitivas.
A Alta Direção pode efetivamente abordar seus riscos e oportunidades, integrando a gestão
ambiental aos processos dos negócios da organização, o direcionamento estratégico e à tomada
de decisão, alinhando-os com outras prioridades de negócios e incorporando a governança
ambiental em seu sistema de gestão global.
IMPORTANTE SABER...
 A adoção desta Norma por si só não garante resultados ambientais ideais.
 A aplicação desta Norma pode diferir de uma organização para outra devido ao contexto da organização.
 O nível de detalhe e complexidade do SGA variará DE ACORDO COM:
 Dependendo do contexto da organização
 Do escopo do seu sistema de gestão ambiental
 De seus requisitos legais e
 Outros requisitos e da natureza de suas atividades, produtos e serviços, incluindo seus aspectos ambientais e impactos
ambientais associados.
CICLO PDCA
 A associação do método PDCA com a norma NBR ISO 14001,
segundo Matthews (2003), se dá a partir dos seguintes
processos/atividades:
 Planejar: definição da política ambiental, impactos ambientais e
metas ambientais;
 Executar: implementação do SGA e documentação, treinamento;
 Verificar: auditorias ambientais e avaliação de desempenho
ambiental e
 Agir: ações de melhoria contínua.
A norma ISO 14001 foi formulada de
forma alinhada à norma ISO 9001,
facilitando a integração entre o
sistema de gestão ambiental e o
sistema de gestão da qualidade
(CICCO, 2006).
LÁ VEM ELA....
A NORMA... 2004 E 2015, O QUE MUDOU?
 Requisitos da ISO para as normas de sistema de gestão;
 Estrutura de alto nível;
 Texto central idêntico;
 Termos e definições centrais comuns, com o objetivo de beneficiar os usuários que estiverem
implementando diversas normas de sistema de gestão da ISO;
 Não inclui requisitos específicos para outros sistemas de gestão, como aqueles para gestão da qualidade,
gestão da saúde e segurança ocupacional, gestão da energia ou gestão financeira;
 Permite que uma organização use uma abordagem comum e baseada na mentalidade de risco, para
integrar seu sistema de gestão ambiental com os requisitos de outros sistemas de gestão;
 Contém os requisitos usados para avaliar a conformidade.
A NORMA...
— Fazer uma autoavaliação e autodeclaração, ou
— Buscar uma confirmação de sua conformidade por partes que tenham um interesse na organização,
como clientes, ou
— Buscar uma confirmação de sua autodeclaração por uma parte externa à organização, ou
— Buscar uma certificação/registro do seu sistema de gestão ambiental por uma organização externa.
A NORMA...
 Especifica os requisitos para um SGA que uma organização pode usar para aumentar seu
desempenho ambiental.
 É destinada ao uso por uma organização que busca gerenciar suas responsabilidades
ambientais de uma forma sistemática, que contribua para o pilar ambiental da
sustentabilidade.
 Auxilia uma organização a alcançar os resultados pretendidos de seu SGA, os quais
agreguem valor para o meio ambiente, a organização em si e suas partes interessadas.
 Os resultados pretendidos de um SGA coerente com a política ambiental da organização
incluem:
— Aumento do desempenho ambiental;
— Atendimento dos requisitos legais e outros requisitos;
— Alcance dos objetivos ambientais.
A NORMA...
Aplicável a qualquer organização,
independentemente do seu tamanho, tipo e
natureza, e aplica-se aos aspectos ambientais das
suas atividades, produtos e serviços que a
organização determina poder controlar ou
influenciar, considerando uma perspectiva de ciclo
de vida.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO
 Entendendo a organização e seu contexto - A organização deve determinar questões externas e
internas que sejam pertinentes para o seu propósito e que afetem sua capacidade de alcançar os
resultados pretendidos do seu sistema de gestão ambiental. Essas questões devem incluir as condições
ambientais que afetam ou são capazes de afetar a organização.
 Entendendo as necessidades e expectativas de partes interessadas - A organização deve determinar:
a) as partes interessadas que sejam pertinentes para o sistema de gestão ambiental;
b) as necessidades e expectativas pertinentes (ou seja, requisitos) dessas partes interessadas;
c) quais dessas necessidades e expectativas se tornam seus requisitos legais e outros requisitos.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO
 Determinando o escopo do SGA- A organização deve determinar os limites e a aplicabilidade do sistema
de gestão ambiental para estabelecer o seu escopo.
 Considerando:
a) as questões externas e internas referidas;
b) os requisitos legais e outros requisitos;
c) suas unidades organizacionais, funções e limites físicos;
d) suas atividades, produtos e serviços;
e) sua autoridade e capacidade de exercer controle e influência.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO
 Sistema de gestão ambiental
 Para alcançar os resultados pretendidos, incluindo o aumento de seu desempenho ambiental, a
organização deve estabelecer, implementar, manter e melhorar continuamente um sistema de
gestão ambiental, incluindo os processos necessários e suas interações, de acordo com os requisitos
desta Norma.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - LIDERANÇA
 Liderança e comprometimento- A Alta Direção deve demonstrar liderança e comprometimento com relação ao SGA:
A) responsabilizando-se por prestar contas pela eficácia do sistema de gestão ambiental;
B) assegurando que a política ambiental e os objetivos ambientais sejam estabelecidos e compatíveis com o
direcionamento estratégico e o contexto da organização;
C) assegurando a integração dos requisitos do sistema de gestão ambiental nos processos
de negócios da organização;
D) assegurando que os recursos necessários para o sistema de gestão ambiental estejam disponíveis;
E) comunicando a importância de uma gestão ambiental eficaz e de estar conforme com os requisitos do
sistema de gestão ambiental;
F) assegurando que o sistema de gestão ambiental alcance seu(s) resultado(s) pretendido(s);
G) dirigindo e apoiando pessoas a contribuírem para a eficácia do sistema de gestão ambiental;
H) promovendo melhoria contínua;
I) apoiando outros papeis pertinentes da gestão a demonstrar como sua liderança se aplica
às áreas sob sua responsabilidade.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - POLÍTICA AMBIENTAL
 A Alta Direção deve estabelecer, implementar e manter uma política ambiental que, dentro do escopo
definido em seu sistema de gestão ambiental:
Seja apropriada ao propósito e ao contexto da organização, incluindo a natureza, escala
e impactos ambientais das suas atividades, produtos e serviços;
Inclua um comprometimento com a proteção do meio ambiente, incluindo a prevenção
da poluição e outro(s) compromisso(s) específico(s) pertinente(s) para o contexto da
organização;
Inclua um comprometimento em atender os seus requisitos legais e outros requisitos;
Inclua um comprometimento com a melhoria contínua do sistema de gestão ambiental
para aumentar o desempenho ambiental.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - POLÍTICA AMBIENTAL
 A política ambiental deve:
— ser mantida como informação documentada;
— ser comunicada na organização;
— estar disponível para as partes interessadas.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO
 AÇÕES PARA ABORDAR RISCOS E OPORTUNIDADES
 A organização deve estabelecer, implementar e manter o(s) processo(s) necessário(s) para atender aos
requisitos.
 Determinar os riscos e oportunidades relacionados aos seus aspectos ambientais, requisitos legais e outros
requisitos, outras questões e requisitos, identificados, que precisam ser abordados para:
— assegurar que o sistema de gestão ambiental possa alcançar seus resultados pretendidos;
— prevenir ou reduzir efeitos indesejáveis, incluindo o potencial para condições ambientais externas que afetem a
organização;
— alcançar a melhoria contínua.
Dentro do escopo do sistema de gestão ambiental, a organização deve determinar potenciais situações de
emergência, incluindo aquelas que podem ter um impacto ambiental.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO
 Aspectos ambientais
 A organização deve determinar os aspectos ambientais de suas atividades, produtos e serviços os
quais ela possa controlar e aqueles que ela possa influenciar, e seus impactos ambientais associados,
considerando uma perspectiva de ciclo de vida.
 Ao determinar os aspectos ambientais, a organização deve levar em consideração:
a) mudanças, incluindo desenvolvimentos planejados ou novos, e atividades, produtos e serviços novos ou
modificados;
b) condições anormais e situações de emergência razoavelmente previsíveis.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO
 Requisitos legais e outros requisitos
 A organização deve:
a) determinar e ter acesso aos requisitos legais e outros requisitos relacionados a seus aspectos ambientais;
b) determinar como estes requisitos legais e outros requisitos aplicam-se à organização;
c) levar requisitos legais e outros requisitos em consideração quando estabelecer, implementar, manter e melhorar
continuamente seu sistema de gestão ambiental.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO
 Planejamento de ações
 A organização deve planejar:
a) tomar ações para abordar seus:
1) aspectos ambientais significativos;
2) requisitos legais e outros requisitos;
3) riscos e oportunidades identificados;
b) como:
1) integrar e implementar as ações nos processos de seu sistema de gestão ambiental, ou outros processos de negócio;
2) avaliar a eficácia dessas ações.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO
 Os objetivos ambientais devem ser:
a) coerentes com a política ambiental;
b) mensuráveis (se viável);
c) monitorados;
d) comunicados;
e) atualizados, como apropriado.
 Planejamento de ações para alcançar os objetivos ambientais
 Ao planejar como alcançar seus objetivos ambientais, a organização deve determinar:
a) o que será feito;
b) que recursos serão requeridos;
c) quem será responsável;
d) quando isso será concluído;
e) como os resultados serão avaliados, incluindo indicadores para monitorar o progresso em direção ao alcance dos seus objetivos ambientais
mensuráveis.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO
 Apoio
 Recursos
 Competência
 Conscientização –
a) da política ambiental;
b) dos aspectos ambientais significativos e dos impactos ambientais reais ou potenciais associados com seu
trabalho;
c) da sua contribuição para a eficácia do sistema de gestão ambiental, incluindo os benefícios de desempenho
ambiental melhorado;
 Comunicação -
a) sobre o que comunicar;
b) quando comunicar;
c) com quem se comunicar;
d) como comunicar.
Comunicação interna
Comunicação externa
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO
 Informação documentada
a) informação documentada, requerida por esta Norma;
b) informação documentada, determinada pela organização como sendo necessária para a eficácia do sistema de
gestão ambiental.
 Criando e atualizando
a) identificação e descrição (por exemplo, um título, data, autor ou número de referência);
b) formato (por exemplo, linguagem, versão do software, gráficos) e meio (por exemplo, papel, eletrônico);
c) análise crítica e aprovação quanto à adequação e suficiência
 Controle de informação documentada
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - OPERAÇÃO
 Planejamento e controle operacionais
 Estabelecer critérios operacionais para o(s) processo(s);
 Implementar controle de processo(s), de acordo com os critérios operacionais.
 Preparação e resposta a emergências
 Preparar-se para responder pelo planejamento de ações para prevenir ou mitigar impactos ambientais adversos de
situações de emergências;
 Responder a situações de emergências reais;
 Tomar ações para prevenir ou mitigar as consequências decorrentes de situações de emergência, apropriadas à
magnitude da emergência e ao potencial impacto ambiental;
 Testar periodicamente as ações de resposta planejadas, onde viável;
 Periodicamente, analisar criticamente e revisar o(s) processo(s) e as ações de resposta planejadas, em particular, após a
ocorrência de situações de emergência ou testes;
 Prover informações pertinentes e treinamento relacionado à preparação e resposta a emergências, como apropriado,
para as partes interessadas pertinentes, incluindo pessoas que realizam trabalho sob o seu controle.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
 Monitoramento, medição, análise e avaliação
 O que precisa ser monitorado e medido;
 Os métodos de monitoramento, medição, análise e avaliação, como aplicável, para assegurar
resultados válidos;
 Os critérios pelos quais a organização irá avaliar seu desempenho ambiental e indicadores
apropriados;
 Quando o monitoramento e a medição devem ser realizados;
 Quando os resultados de monitoramento e medição devem ser analisados e avaliados.
 Avaliação do atendimento aos requisitos legais e outros requisitos
 Determinar a frequência com que o atendimento aos requisitos legais e outros requisitos será avaliado;
 Avaliar o atendimento aos requisitos legais e outros requisitos e tomar ações, se necessário;
 Manter o conhecimento e o entendimento da situação do atendimento aos seus requisitos legais e outros requisitos.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
 Auditoria interna
 Está conforme com:
1) os requisitos da própria organização para o seu sistema de gestão ambiental;
2) os requisitos desta norma;
 Está implementado e mantido eficazmente.
 Programa de auditoria interna
 Definir os critérios de auditoria e o escopo para cada auditoria;
 Selecionar auditores e conduzir auditorias para assegurar a objetividade e a imparcialidade do processo de
auditoria;
 Assegurar que os resultados das auditorias sejam relatados para a gerência pertinente.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
 Análise crítica pela direção
 a) a situação de ações provenientes de análises críticas anteriores pela direção;
 b) mudanças em:
1) questões internas e externas que sejam pertinentes para o sistema de gestão ambiental;
2) necessidades e expectativas das partes interessadas, incluindo os requisitos legais e outros requisitos;
3) seus aspectos ambientais significativos;
4) riscos e oportunidades;
 c) extensão na qual os objetivos ambientais foram alcançados;
 d) informações sobre o desempenho ambiental da organização, incluindo tendências relativas a:
1) não conformidades e ações corretivas;
2) resultados de monitoramento e medição;
3) atendimento aos seus requisitos legais e outros requisitos;
4) resultados de auditorias;
 e) a suficiência de recursos;
 f) comunicação(ões) pertinente(s) das partes interessadas, incluindo reclamações;
 g) oportunidades para melhoria contínua.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
 As saídas da análise crítica pela direção devem incluir:
— conclusões sobre a contínua adequação, suficiência e eficácia do sistema de gestão
ambiental;
— decisões relacionadas às oportunidades para melhoria contínua;
— decisões relacionadas a qualquer necessidade de mudanças no sistema de gestão
ambiental, incluindo recursos;
— ações, se necessárias, quando não forem alcançados os objetivos ambientais;
— oportunidades para melhorar a integração do sistema de gestão ambiental com
outros processos de negócios, se necessário;
— qualquer implicação para o direcionamento estratégico da organização.
 A organização deve reter informação documentada como evidência dos resultados das
análises críticas pela direção.
CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - MELHORIA
 Não conformidade e ação corretiva
 Ao ocorrer uma não conformidade, a organização deve:
 a) reagir à não conformidade e, como aplicável:
1) tomar ação para controlá-la e corrigi-la;
2) lidar com as consequências, incluindo mitigar impactos ambientais adversos;
 b) avaliar a necessidade de uma ação para eliminar as causas da não conformidade, a fim de
que ela não se repita ou ocorra em outro lugar:
1) analisando criticamente a não conformidade;
2) determinando as causas da não conformidade;
3) determinando se não conformidades similares existem ou se poderiam potencialmente ocorrer;
 c) implementar qualquer ação necessária;
 d) analisar criticamente a eficácia de qualquer ação corretiva tomada;
 e) realizar mudanças no sistema de gestão ambiental, se necessário.
É BOM SABER...
 Os requisitos desta Norma precisam ser vistos por uma perspectiva
sistemática ou holística;
 Há uma inter-relação entre os requisitos;
 A gestão de mudança é uma parte importante da manutenção do sistema de
gestão ambiental, que assegura que a organização pode alcançar os
resultados pretendidos de seu sistema de gestão ambiental continuamente.
É BOM SABER...
 Como parte da gestão de mudanças, convém que organização aborde mudanças
planejadas e não planejadas para assegurar que as consequências não intencionais
destas mudanças não tenham efeito negativo nos resultados pretendidos do sistema
de gestão ambiental.
 Exemplos de mudanças incluem:
— mudanças planejadas em produtos, processos, operações, equipamentos ou instalações;
— mudança de funcionários ou provedores externos, incluindo contratados;
— nova informação relacionada aos aspectos ambientais, impactos ambientais e tecnologias
relacionadas;
— mudanças em requisitos legais e outros requisitos.
Como a implementação da ISO
14001 auxilia no desenvolvimento
da empresa?
 Contabilidade ambiental: um estudo sobre sua aplicabilidade em empresas Brasileiras
 Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-70772001000300007
ROTULAGEM AMBIENTAL
INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA
INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA
ENERGIAS RENOVÁVEIS
PRODUÇÃO MAIS LIMPA
PRODUÇÃO MAIS LIMPA
PRODUTOS SUSTENTÁVEIS
PRODUTOS SUSTENTÁVEIS
PRODUTOS SUSTENTÁVEIS
 https://br.pinterest.com/davidtwojcik7/pulp-packaging/
 http://www.gbcbrasil.org.br/
 Tabela 1- Países com maior crescimento no
número de certificações ISO 14001 – 2010.
Fonte: ISO, 2010.
 http://www.dqs.com.br/certificacoes/
 http://www.bvtreinamento.com.br/
Qual o seu papel no mundo?
 O quê você pode criar para melhorar a vida das pessoas?
APRENDER MAIS...
 http://embalagemsustentavel.com.br/category/rs/
 http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e-
solucoes-documentarista-frances-revela-como-vivem-diferentes-culturas/5368122/
 http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e-
solucoes-economia-colaborativa-um-meio-de-conectar-as-pessoas/5401432/
 Panorama de aplicação da norma ISO 14001 no Brasil. Gest. Prod. vol.15 no.1 São Carlos Jan./Apr. 2008 Ver site:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2008000100002
 http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e-solucoes-confira-o-
programa-sobre-a-maquiagem-verde/4884544/
 http://g1.globo.com/globo-news/mundo-sa/videos/t/mundo-sa/v/mundo-sa-o-fim-do-dinheiro-carteira-dentro-de-
e-pulseira-que-faz-pagamentos/5384653/
 http://g1.globo.com/globo-news/mundo-sa/videos/t/mundo-sa/v/mundo-sa-empresas-focam-no-crescente-mercado-
vegano/5494697/
 http://g1.globo.com/globo-news/mundo-sa/videos/t/mundo-sa/v/mundo-sa-o-negocio-das-startups-no-brasil/4501627/
APRENDER MAIS...
CONTATO
 El arqueirozconsult@gmail.com
 WA 81 997779360
 L https://www.linkedin.com/in/andressaribeirodequeiroz/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula iso 14000
Aula  iso 14000Aula  iso 14000
Aula iso 14000
Elisane Almeida Pires
 
ISO 14000
ISO 14000 ISO 14000
ISO 14000
Jailson Silva
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Pricila Yessayan
 
Certificação ISO 14.001
Certificação ISO 14.001Certificação ISO 14.001
Certificação ISO 14.001
Master Ambiental
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
ELAINESILVEIRA
 
ISO 14001 Gestão Ambiental
ISO 14001 Gestão AmbientalISO 14001 Gestão Ambiental
ISO 14001 Gestão Ambiental
Robson Peixoto
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Programa 5 s apresentação
Programa 5 s apresentaçãoPrograma 5 s apresentação
Programa 5 s apresentação
Ricardo Vasconcelos
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
proftstsergioetm
 
PDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completoPDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completo
Vinícius Toledo França de Nader
 
Apresentação qualidade
Apresentação qualidadeApresentação qualidade
Apresentação qualidade
Guilmour Rossi
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
PLENO AMBIENTE - CONSULTORIA AMBIENTAL
PLENO AMBIENTE - CONSULTORIA AMBIENTALPLENO AMBIENTE - CONSULTORIA AMBIENTAL
PLENO AMBIENTE - CONSULTORIA AMBIENTAL
Samantha Campos
 
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Roberto Emery-Trindade
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
sionara14
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Alisson Sena, MBA
 
Cenário Empresarial
Cenário EmpresarialCenário Empresarial
Cenário Empresarial
Tiago Maboni Derlan
 
Curso Interpretação e Transição da Norma ISO 45001:2018 - Curso online
Curso Interpretação e Transição da Norma ISO 45001:2018 - Curso onlineCurso Interpretação e Transição da Norma ISO 45001:2018 - Curso online
Curso Interpretação e Transição da Norma ISO 45001:2018 - Curso online
GAC CURSOS ONLINE
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
Ingrid Iasmyn Amin
 
Check list para auditoria interna
Check list para auditoria internaCheck list para auditoria interna
Check list para auditoria interna
Miguel
 

Mais procurados (20)

Aula iso 14000
Aula  iso 14000Aula  iso 14000
Aula iso 14000
 
ISO 14000
ISO 14000 ISO 14000
ISO 14000
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Certificação ISO 14.001
Certificação ISO 14.001Certificação ISO 14.001
Certificação ISO 14.001
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
ISO 14001 Gestão Ambiental
ISO 14001 Gestão AmbientalISO 14001 Gestão Ambiental
ISO 14001 Gestão Ambiental
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de Resíduos
 
Programa 5 s apresentação
Programa 5 s apresentaçãoPrograma 5 s apresentação
Programa 5 s apresentação
 
Aula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMCAula de Gestão Ambiental - UMC
Aula de Gestão Ambiental - UMC
 
PDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completoPDCA - Treinamento completo
PDCA - Treinamento completo
 
Apresentação qualidade
Apresentação qualidadeApresentação qualidade
Apresentação qualidade
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
 
PLENO AMBIENTE - CONSULTORIA AMBIENTAL
PLENO AMBIENTE - CONSULTORIA AMBIENTALPLENO AMBIENTE - CONSULTORIA AMBIENTAL
PLENO AMBIENTE - CONSULTORIA AMBIENTAL
 
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
Introdução ao SGA (Sistema de Gestão Ambiental)
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
 
Cenário Empresarial
Cenário EmpresarialCenário Empresarial
Cenário Empresarial
 
Curso Interpretação e Transição da Norma ISO 45001:2018 - Curso online
Curso Interpretação e Transição da Norma ISO 45001:2018 - Curso onlineCurso Interpretação e Transição da Norma ISO 45001:2018 - Curso online
Curso Interpretação e Transição da Norma ISO 45001:2018 - Curso online
 
Slides controle de qualidade
Slides controle de qualidadeSlides controle de qualidade
Slides controle de qualidade
 
Check list para auditoria interna
Check list para auditoria internaCheck list para auditoria interna
Check list para auditoria interna
 

Semelhante a ISO 14001:2015

Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Daniel Americano
 
ISO 14000
ISO 14000ISO 14000
ISO 14000
Bruna Marandola
 
Manual de indicadores ambientais firjan
Manual de indicadores ambientais firjanManual de indicadores ambientais firjan
Manual de indicadores ambientais firjan
Biblioteca IFFluminense campus Macaé
 
Gestão ambiental apresentação
Gestão ambiental apresentaçãoGestão ambiental apresentação
Gestão ambiental apresentação
Igor Cosenza Dionisio
 
Principiosiso14001 140406100348-phpapp02
Principiosiso14001 140406100348-phpapp02Principiosiso14001 140406100348-phpapp02
Principiosiso14001 140406100348-phpapp02
SERGIO DE MELLO QUEIROZ
 
S gambiental
S gambientalS gambiental
S gambiental
Anne Bezerra
 
SGA 14001
SGA 14001SGA 14001
ISO 14001 2015.pptx
ISO 14001 2015.pptxISO 14001 2015.pptx
ISO 14001 2015.pptx
NatanaelFerreira29
 
Seminário-Importância-das-auditorias-ambientais-nas-organiações.pptx
Seminário-Importância-das-auditorias-ambientais-nas-organiações.pptxSeminário-Importância-das-auditorias-ambientais-nas-organiações.pptx
Seminário-Importância-das-auditorias-ambientais-nas-organiações.pptx
SidneySillas2
 
Artigo auditoria ambiental
Artigo auditoria ambientalArtigo auditoria ambiental
Artigo auditoria ambiental
Luis Aramayo
 
Prof. Pueblo Peçanha - Gestão ambiental slide 01
Prof. Pueblo Peçanha - Gestão ambiental slide 01Prof. Pueblo Peçanha - Gestão ambiental slide 01
Prof. Pueblo Peçanha - Gestão ambiental slide 01
Pueblo Peçanha
 
ISO 14.000
ISO 14.000ISO 14.000
ISO 14.000
Iago Caldas
 
Apresentao 120324224848-phpapp01
Apresentao 120324224848-phpapp01Apresentao 120324224848-phpapp01
Apresentao 120324224848-phpapp01
Daniel Americano
 
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptxGestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
JlioDobicz
 
Iso 14001
Iso 14001Iso 14001
Iso 14001
brunoheck
 
Iso 14001-2015 f iesp
Iso 14001-2015 f iespIso 14001-2015 f iesp
Iso 14001-2015 f iesp
Elmo Rodrigues
 
ISO 14001 2015.pptx
ISO 14001 2015.pptxISO 14001 2015.pptx
ISO 14001 2015.pptx
Natanael Ferreira
 
Curso sga-041
Curso sga-041Curso sga-041
Norma iso 14001
Norma iso 14001Norma iso 14001
Norma iso 14001
eduardo viana
 
Iso 14001
Iso 14001Iso 14001
Iso 14001
Denise Viana
 

Semelhante a ISO 14001:2015 (20)

Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
 
ISO 14000
ISO 14000ISO 14000
ISO 14000
 
Manual de indicadores ambientais firjan
Manual de indicadores ambientais firjanManual de indicadores ambientais firjan
Manual de indicadores ambientais firjan
 
Gestão ambiental apresentação
Gestão ambiental apresentaçãoGestão ambiental apresentação
Gestão ambiental apresentação
 
Principiosiso14001 140406100348-phpapp02
Principiosiso14001 140406100348-phpapp02Principiosiso14001 140406100348-phpapp02
Principiosiso14001 140406100348-phpapp02
 
S gambiental
S gambientalS gambiental
S gambiental
 
SGA 14001
SGA 14001SGA 14001
SGA 14001
 
ISO 14001 2015.pptx
ISO 14001 2015.pptxISO 14001 2015.pptx
ISO 14001 2015.pptx
 
Seminário-Importância-das-auditorias-ambientais-nas-organiações.pptx
Seminário-Importância-das-auditorias-ambientais-nas-organiações.pptxSeminário-Importância-das-auditorias-ambientais-nas-organiações.pptx
Seminário-Importância-das-auditorias-ambientais-nas-organiações.pptx
 
Artigo auditoria ambiental
Artigo auditoria ambientalArtigo auditoria ambiental
Artigo auditoria ambiental
 
Prof. Pueblo Peçanha - Gestão ambiental slide 01
Prof. Pueblo Peçanha - Gestão ambiental slide 01Prof. Pueblo Peçanha - Gestão ambiental slide 01
Prof. Pueblo Peçanha - Gestão ambiental slide 01
 
ISO 14.000
ISO 14.000ISO 14.000
ISO 14.000
 
Apresentao 120324224848-phpapp01
Apresentao 120324224848-phpapp01Apresentao 120324224848-phpapp01
Apresentao 120324224848-phpapp01
 
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptxGestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
Gestao-Ambiental-2014_Sistema-de-Gestao-Ambiental-SGA.pptx
 
Iso 14001
Iso 14001Iso 14001
Iso 14001
 
Iso 14001-2015 f iesp
Iso 14001-2015 f iespIso 14001-2015 f iesp
Iso 14001-2015 f iesp
 
ISO 14001 2015.pptx
ISO 14001 2015.pptxISO 14001 2015.pptx
ISO 14001 2015.pptx
 
Curso sga-041
Curso sga-041Curso sga-041
Curso sga-041
 
Norma iso 14001
Norma iso 14001Norma iso 14001
Norma iso 14001
 
Iso 14001
Iso 14001Iso 14001
Iso 14001
 

Mais de Andressa Ribeiro

Ruido do meio ambiente
Ruido do meio ambienteRuido do meio ambiente
Ruido do meio ambiente
Andressa Ribeiro
 
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidosPNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
Andressa Ribeiro
 
Phytoplankton
PhytoplanktonPhytoplankton
Phytoplankton
Andressa Ribeiro
 
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável
Objetivos do Desenvolvimento SustentávelObjetivos do Desenvolvimento Sustentável
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável
Andressa Ribeiro
 
Logística reversa de eletroeletrônicos
Logística reversa de eletroeletrônicosLogística reversa de eletroeletrônicos
Logística reversa de eletroeletrônicos
Andressa Ribeiro
 
Homem e o meio ambiente
Homem e o meio ambienteHomem e o meio ambiente
Homem e o meio ambiente
Andressa Ribeiro
 
Perspectiva e desafios de um consultor ambiental
Perspectiva e desafios de um consultor ambientalPerspectiva e desafios de um consultor ambiental
Perspectiva e desafios de um consultor ambiental
Andressa Ribeiro
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
Andressa Ribeiro
 
Auditoria da qualidade
Auditoria da qualidadeAuditoria da qualidade
Auditoria da qualidade
Andressa Ribeiro
 

Mais de Andressa Ribeiro (9)

Ruido do meio ambiente
Ruido do meio ambienteRuido do meio ambiente
Ruido do meio ambiente
 
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidosPNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
PNRS, PNRH, cianobactérias e resíduos sólidos
 
Phytoplankton
PhytoplanktonPhytoplankton
Phytoplankton
 
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável
Objetivos do Desenvolvimento SustentávelObjetivos do Desenvolvimento Sustentável
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável
 
Logística reversa de eletroeletrônicos
Logística reversa de eletroeletrônicosLogística reversa de eletroeletrônicos
Logística reversa de eletroeletrônicos
 
Homem e o meio ambiente
Homem e o meio ambienteHomem e o meio ambiente
Homem e o meio ambiente
 
Perspectiva e desafios de um consultor ambiental
Perspectiva e desafios de um consultor ambientalPerspectiva e desafios de um consultor ambiental
Perspectiva e desafios de um consultor ambiental
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Auditoria da qualidade
Auditoria da qualidadeAuditoria da qualidade
Auditoria da qualidade
 

Último

os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 

Último (20)

os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 

ISO 14001:2015

  • 2. COMO TUDO NASCEU...  Preocupações ambientais levaram a um crescente número de solicitações a institutos normativos para a criação de um padrão para gerenciar os impactos ambientais de uma organização.  O British Standards Institute (BSI), um respeitado instituto normativo, juntamente com outras partes interessadas, desenvolveu a BS 7750:1992 (“Specfication for Environmental Management Systems”).  Rio-92 foi proposta a criação de um grupo para estudar a elaboração de uma norma internacional de gestão ambiental.
  • 3. COMO TUDO COMEÇOU...  A norma ISO 14001 foi desenvolvida com base na norma BS 7750 e publicada em setembro de 1996.  A norma provê um modelo básico de estabelecimento de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA), um conjunto de processos de gerenciamento que requer das empresas a identificação, a mensuração e o controle de seus impactos ambientais (BANSAL; HUNTER, 2003) no meio ambiente em que operam, incluindo aspectos relacionados a ar, água, solo, flora, fauna e seres humanos.
  • 4. COMO TUDO COMEÇOU...  Em 1996, com o surgimento da ISO 14001, mais um aspecto entrou definitivamente para o rol de preocupações das empresas, o ambiental.  No final da década de 1990, o governo brasileiro passou a incentivar as certificações.  Governos e as grandes empresas, passaram a exigir a certificação ISO 14001 de seus fornecedores, de forma que possuir a certificação passou a ser estratégia de mercado para muitas empresas.
  • 6. UM DOS PROBLEMAS  70% de todo o lixo tóxico vem do lixo eletrônico, que cresce três vezes mais que o lixo comum.  De acordo com estudo da Forrester Research, Brasil, Rússia, Índia e China terão mais de 775 milhões de novos computadores até 2015, com a China indo de 55 milhões em 2007 para 500 milhões em 2015 (CETESB, 2009).  Um cidadão ocidental produz, em média, a cada ano, 500 quilos de lixo urbano. Um brasileiro é responsável por 378 quilos anuais.  Ver: http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e-solucoes- lixoes-sao-um-dos-desafios-para-os-proximos-prefeitos/5433950/
  • 7.
  • 8. OBJETIVO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL:  Alcançar um equilíbrio entre o meio ambiente, a sociedade e a economia é considerado fundamental para que seja possível satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer as suas necessidades.  As expectativas da sociedade em relação ao desenvolvimento sustentável, à transparência e à responsabilização por prestar contas têm evoluído com a  legislação cada vez mais rigorosa;  crescentes pressões sobre o meio ambiente, decorrentes de poluição;  uso ineficiente de recursos  gerenciamento impróprio de rejeitos;  mudança climática;  degradação dos ecossistemas e perda de biodiversidade
  • 9. EXPECTATIVAS DA SOCIEDADE EM RELAÇÃO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL  Legislação cada vez mais rigorosa;  Crescentes pressões sobre o meio ambiente, decorrentes de poluição;  Uso ineficiente de recursos;  Gerenciamento impróprio de rejeitos;  Mudança climática;  Degradação dos ecossistemas e perda de biodiversidade;
  • 10.
  • 11. ISO: EU TE AMO! ISO 14001: trata dos principais requisitos para as empresas identificarem, controlarem e monitorarem seus aspectos ambientais, através de um sistema de gestão ambiental (MILAGRE, 2008); ISO 14004: complementa a ISO 14001 provendo diretrizes adicionais para implantação de um sistema de gestão ambiental; ISO 14031: guia para avaliação de desempenho ambiental; ISO 14020: conjunto de normas que tratam de selos ambientais; ISO 14040: conjunto de normas para conduzir análises de ciclo de vida de produtos e serviços; ISO 14064: contabilização e verificação de emissões de gases de efeito estufa para suportar projetos de redução de emissões; ISO 14065: complementa a ISO 14064 especificando os requisitos para certificar ou reconhecer instituições que farão validação ou verificação da norma ISO 14064 ou outras especificações importantes; ISO 14063: trata de comunicação ambiental por parte das empresas (ISO, s.d.). Além destas, já existem outras normas em desenvolvimento: ISO 14045: requisitos para análises de eco-eficiência; ISO 14051: norma para MFCA – Material Flow Cost Accounting, ou em tradução literal, contabilidade de custos dos fluxos de materiais, uma ferramenta de gerenciamento que busca maximizar a utilização de recursos, principalmente em manufatura e processos de distribuição; ISO 14067: norma para pegada de carbono em produtos, tratando de requisitos para contabilização e comunicação de emissões de gases de efeito estufa associados a produtos; ISO 14069: guia para as empresas calcularem a pegada de carbono em seus produtos, serviços e cadeia de fornecimento; ISO 14005: guia para a implementação em fases de um sistema de gestão ambiental para facilitar sua adoção por pequenas e médias empresas; ISO 14006: norma para “ecodesign”; ISO 14033: diretrizes e exemplos para compilar e comunicar informações ambientais quantitativas; ISO 14066: requisitos para as empresas que farão a validação e a verificação de emissões de gases de efeito estufa.
  • 12. PARA SABER...  A ABNT NBR ISO 14001 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental (ABNT/CB-038), pela Comissão de Estudo de Sistema de Gestão Ambiental (CE-038.001.001).  Esta terceira edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 14001:2004), a qual foi tecnicamente revisada.  Todas as ferramentas são desenvolvidas de forma a permitir seu uso conjunto e têm como benefícios:  Adoção a redução do uso de matérias-primas e de energia;  Processos mais eficientes;  Redução de lixo e de custos de descarte e utilização de recursos renováveis. Conceito do Tripple Bottom Line:  ISO 26000, sobre responsabilidade social empresarial;  ISO 50001, para gerenciamento de energia, entre outras;
  • 13. O QUE É ISO 14000?  ISO 14000 é constituído por uma série de normas que determinam diretrizes para garantir que determinada empresa (pública ou privada) pratique a gestão ambiental.  Estas normas são conhecidas pelo Sistema de Gestão Ambiental (SGA), que é definido pela ISO (International Organization for Standardization).
  • 14. OBJETIVO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Prover às organizações uma estrutura para a proteção do meio ambiente e possibilitar uma resposta às mudanças das condições ambientais em equilíbrio com as necessidades socioeconômicas. Esta Norma especifica os requisitos que permitem que uma organização alcance os resultados pretendidos e definidos para seu sistema de gestão ambiental.
  • 15. TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO SISTEMA DE GESTÃO  Conjunto de elementos inter-relacionados ou interativos de uma organização (3.1.4), para estabelecer políticas, objetivos (3.2.5) e processos (3.3.5) para alcançar esses objetivos;  Os elementos do sistema incluem a estrutura da organização, papeis e responsabilidades, planejamento e operação, avaliação de desempenho e melhoria;  O escopo de um sistema de gestão pode incluir a totalidade da organização, funções específicas e identificadas da organização, seções específicas e identificadas da organização, ou uma ou mais funções dentro de um grupo de organizações.
  • 16. TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL  Parte do sistema de gestão usado para gerenciar aspectos ambientais, cumprir requisitos legais e outros requisitos, e abordar riscos e oportunidades  Ferramenta de gestão que possibilita a uma organização de qualquer dimensão ou tipo controlar o impacto das suas atividades no ambiente.  Um SGA possibilita uma abordagem estruturada para estabelecer objetivos, para os atingir e para demonstrar que foram atingidos POLÍTICA AMBIENTAL  Intenções e direção de uma organização relacionadas ao seu desempenho ambiental, como formalmente expresso pela sua Alta Direção PARTE INTERESSADA  Pessoa ou organização que pode afetar, ser afetada ou se perceber afetada por uma decisão ou atividade  Clientes, comunidades, fornecedores, regulamentadores, organizações não governamentais, investidores e funcionários.
  • 17.
  • 18. POLÍTICA AMBIENTAL DA ITAUTEC  “Cumprir a legislação ambiental aplicável, as normas regulamentares e os demais requisitos subscritos pela Organização que se relacionem aos aspectos ambientais”;  Prevenir a ocorrência de danos ambientais decorrentes de suas atividades buscando a utilização de tecnologias ambientalmente adequadas no gerenciamento dos processos e na concepção de novos produtos;  Estabelecer canais permanentes de comunicação das questões do meio ambiente com as partes interessadas;  Criar normas e registrar as ações relativas à conservação do Meio Ambiente, de forma auditável e transparente;  Evitar o desperdício de água e energia;  Promover o treinamento e conscientização de seus colaboradores internos e externos para atuarem com responsabilidade na conservação do Meio Ambiente e na busca de melhorias contínuas;  Estabelecer, revisar e acompanhar, anualmente, os objetivos e metas ambientais específicos de suas atividades. (ITAUTEC, 2010).
  • 19. MEIO AMBIENTE Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais, fauna, seres humanos e suas inter-relações.  Pode se estender de dentro de uma organização para os sistemas local, regional e global.  Podem ser descritas em termos de biodiversidade, ecossistemas, clima ou outras características. IMPACTO AMBIENTAL Modificação no meio ambiente , tanto adversa como benéfica, total ou parcialmente resultante dos aspectos ambientais de uma organização. TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO
  • 20. OBJETIVO AMBIENTAL Objetivo definido pela organização , coerente com a sua política ambiental  Pode ser estratégico, tático ou operacional.  Se relacionar a diferentes disciplinas (como finanças, saúde e segurança, e metas ambientais)  Pode ser expresso de outras formas, por exemplo, como um resultado pretendido, um propósito, um critério operacional, como um objetivo ambiental, ou pelo uso de outras palavras com significado similar (por finalidade, meta ou alvo). TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO
  • 21. Risco Efeito da incerteza  é um desvio do esperado — positivo ou negativo.  Incerteza é o estado, ainda que parcial, de deficiência de informação, de compreensão ou de conhecimento relacionado a um evento, sua consequência ou sua probabilidade. Risco é frequentemente expresso em termos de uma combinação das consequências de um evento (incluindo mudanças em circunstâncias) e a “probabilidade” associada de ocorrência. TERMOS REFERENTES AO PLANEJAMENTO
  • 22. TERMOS REFERENTES AO SUPORTE E À OPERAÇÃO CICLO DE VIDA Estágios consecutivos e encadeados de um sistema de produto (ou serviço), desde a aquisição da matéria-prima ou de sua geração, a partir de recursos naturais até a disposição final Os estágios do ciclo de vida incluem a aquisição da matéria-prima, projeto, produção, transporte/entrega, uso, tratamento pós-uso e disposição final. [ABNT NBR ISO 14044:2009, 3.1, modificado – As palavras “(ou serviço)” foram adicionadas à definição, e a NOTA 1 foi adicionada.]
  • 23.
  • 24.
  • 26. TERMOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MELHORIA AUDITORIA Processo sistemático, independente e documentado, para obter evidência de auditoria e avaliá-la objetivamente, para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria são atendidos.  Uma auditoria interna é conduzida pela própria organização, ou por uma parte externa em seu nome.  Uma auditoria pode ser uma auditoria combinada (combinando duas ou mais disciplinas).  A independência pode ser demonstrada pela liberdade de isenção de responsabilidades pela atividade auditada, ou ausência de tendência e conflito de interesse.  “Evidências de auditoria” consistem em registros, declarações de fato ou outra informação pertinentes aos critérios de auditoria e verificáveis; e “critério de auditoria” são o conjunto de políticas, procedimentos ou requisitos usados como uma referência na qual a evidência de auditoria é comparada, como definido na ABNT NBR ISO 19011:2012, 3.3 e 3.2, respectivamente.
  • 27. TERMOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MELHORIA  Conformidade atendimento de um requisito  Não conformidade não atendimento de um requisito  Ação corretiva ação para eliminar a causa de uma não conformidade e para prevenir a recorrência  Melhoria contínua atividade recorrente para aumentar o desempenho  Eficácia extensão na qual as atividades planejadas são realizadas e os resultados planejados são alcançados indicador representação mensurável da condição ou estado de operações, gestão ou condicionantes  Monitoramento determinação da situação de um sistema, um processo ou uma atividade
  • 28. Existe indícios de uma boa relação entre SGA e aumento de rentabilidade na empresa?
  • 29.  Melhorias a redução de desperdícios;  Aproveitamento de materiais;  Reciclagem e a redução no consumo de energia e água;  Ganhos econômicos – reduzir o consumo de água e energia elétrica, por exemplo, reduz os custos;  Vantagens competitivas – empresas fornecedoras podem ganhar concorrências pelo fato de serem certificadas (em alguns casos, possuir a certificação é uma exigência) e possuir o certificado pode auxiliar a empresa a ficar de acordo com as leis (POTOSKI; PRAKASH, 2005).
  • 30.  Na Ambev a sustentabilidade corporativa é mensurada com indicadores claros de ecoeficiência e de um forte conceito formado de “gente e sonhos”.  A redução no consumo da água, redução de efluentes e gestão de resíduos são alguns dos exemplos dessa organização que tem na gestão socioambiental e, no fortalecimento da relação com seus colaboradores, a construção de uma trajetória sustentável.  Entre 2002 e 2010, a Ambev reduziu em 27,2% o índice geral de utilização de água para produção.  O volume economizado seria suficiente para abastecer, por um mês, uma cidade de 450 mil habitantes, como Uberlândia (MG).  Esse conceito fica fortalecido na visão de negócio que é ser a melhor empresa de bebidas do mundo em um mundo melhor.
  • 31.
  • 32.
  • 33. PETROBRAS  A empresa tem como diretriz de seu plano de negócios e parte de sua estratégia corporativa “conhecer, prevenir e mitigar os impactos ambientais” de suas operações e produtos.  A gestão ambiental é integrada à gestão dos aspectos de segurança, eficiência energética e saúde – SMES (Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde).  A empresa também exige a certificação de seus fornecedores e, inclusive, impede empresas que não estiverem em conformidade de fornecerem seus produtos e serviços.
  • 34. PETROBRAS – RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 Fonte: http://www.petrobras.com.br/pt/sociedade-e-meio-ambiente/relatorio-de- sustentabilidade/
  • 35. VALE  A Vale, empresa brasileira que atua em 38 países;  Tem o desenvolvimento sustentável como parte de sua missão e possui a totalidade do minério de ferro exportado saindo de minas certificadas com ISO 14001 (todas as minas de minério de ferro têm certificação).  Foi a primeira companhia de mineração do mundo a ter uma unidade certificada pela ISO 14001, adotando desde 1994 o Sistema de Gestão da Qualidade Ambiental (SGQA) em suas unidades operacionais.  Em 2010, a empresa desenvolveu um SGA para atender a empresa como um todo, dividido em quatro estágios: básico, intermediário, avançado e excelência, para garantir o cumprimento da Política de Desenvolvimento Sustentável e das Diretrizes Ambientais.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. GESTÃO AMBIENTAL NA EMPRESA Uma abordagem sistemática para a gestão ambiental pode prover a Alta Direção de uma empresa com as informações necessárias para obter sucesso a longo prazo e para criar alternativas que contribuam para um desenvolvimento sustentável, por meio de: — Proteção do meio ambiente pela prevenção ou mitigação dos impactos ambientais adversos; — Mitigação de potenciais efeitos adversos das condições ambientais na organização; — Auxílio à organização no atendimento aos requisitos legais e outros requisitos; — Aumento do desempenho ambiental; — Controle ou influência no modo em que os produtos e serviços da organização são projetados, fabricados, distribuídos, consumidos e descartados, utilizando uma perspectiva de ciclo de vida que possa prevenir o deslocamento involuntário dos impactos ambientais dentro do ciclo de vida; — Alcance dos benefícios financeiros e operacionais que podem resultar da implementação de alternativas ambientais que reforçam a posição da organização no mercado; — Comunicação de informações ambientais para as partes interessadas
  • 41.
  • 42. IMPORTANTE SABER...  O sucesso de um SGA depende do comprometimento de todos os níveis e funções da organização, começando pela Alta Direção.  As organizações podem alavancar as oportunidades de prevenção ou mitigação dos impactos ambientais adversos e intensificar os impactos ambientais benéficos, particularmente aqueles com implicações estratégicas e competitivas. A Alta Direção pode efetivamente abordar seus riscos e oportunidades, integrando a gestão ambiental aos processos dos negócios da organização, o direcionamento estratégico e à tomada de decisão, alinhando-os com outras prioridades de negócios e incorporando a governança ambiental em seu sistema de gestão global.
  • 43. IMPORTANTE SABER...  A adoção desta Norma por si só não garante resultados ambientais ideais.  A aplicação desta Norma pode diferir de uma organização para outra devido ao contexto da organização.  O nível de detalhe e complexidade do SGA variará DE ACORDO COM:  Dependendo do contexto da organização  Do escopo do seu sistema de gestão ambiental  De seus requisitos legais e  Outros requisitos e da natureza de suas atividades, produtos e serviços, incluindo seus aspectos ambientais e impactos ambientais associados.
  • 44.
  • 45. CICLO PDCA  A associação do método PDCA com a norma NBR ISO 14001, segundo Matthews (2003), se dá a partir dos seguintes processos/atividades:  Planejar: definição da política ambiental, impactos ambientais e metas ambientais;  Executar: implementação do SGA e documentação, treinamento;  Verificar: auditorias ambientais e avaliação de desempenho ambiental e  Agir: ações de melhoria contínua.
  • 46. A norma ISO 14001 foi formulada de forma alinhada à norma ISO 9001, facilitando a integração entre o sistema de gestão ambiental e o sistema de gestão da qualidade (CICCO, 2006).
  • 48.
  • 49. A NORMA... 2004 E 2015, O QUE MUDOU?  Requisitos da ISO para as normas de sistema de gestão;  Estrutura de alto nível;  Texto central idêntico;  Termos e definições centrais comuns, com o objetivo de beneficiar os usuários que estiverem implementando diversas normas de sistema de gestão da ISO;  Não inclui requisitos específicos para outros sistemas de gestão, como aqueles para gestão da qualidade, gestão da saúde e segurança ocupacional, gestão da energia ou gestão financeira;  Permite que uma organização use uma abordagem comum e baseada na mentalidade de risco, para integrar seu sistema de gestão ambiental com os requisitos de outros sistemas de gestão;  Contém os requisitos usados para avaliar a conformidade.
  • 50. A NORMA... — Fazer uma autoavaliação e autodeclaração, ou — Buscar uma confirmação de sua conformidade por partes que tenham um interesse na organização, como clientes, ou — Buscar uma confirmação de sua autodeclaração por uma parte externa à organização, ou — Buscar uma certificação/registro do seu sistema de gestão ambiental por uma organização externa.
  • 51. A NORMA...  Especifica os requisitos para um SGA que uma organização pode usar para aumentar seu desempenho ambiental.  É destinada ao uso por uma organização que busca gerenciar suas responsabilidades ambientais de uma forma sistemática, que contribua para o pilar ambiental da sustentabilidade.  Auxilia uma organização a alcançar os resultados pretendidos de seu SGA, os quais agreguem valor para o meio ambiente, a organização em si e suas partes interessadas.  Os resultados pretendidos de um SGA coerente com a política ambiental da organização incluem: — Aumento do desempenho ambiental; — Atendimento dos requisitos legais e outros requisitos; — Alcance dos objetivos ambientais.
  • 52. A NORMA... Aplicável a qualquer organização, independentemente do seu tamanho, tipo e natureza, e aplica-se aos aspectos ambientais das suas atividades, produtos e serviços que a organização determina poder controlar ou influenciar, considerando uma perspectiva de ciclo de vida.
  • 53. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO  Entendendo a organização e seu contexto - A organização deve determinar questões externas e internas que sejam pertinentes para o seu propósito e que afetem sua capacidade de alcançar os resultados pretendidos do seu sistema de gestão ambiental. Essas questões devem incluir as condições ambientais que afetam ou são capazes de afetar a organização.  Entendendo as necessidades e expectativas de partes interessadas - A organização deve determinar: a) as partes interessadas que sejam pertinentes para o sistema de gestão ambiental; b) as necessidades e expectativas pertinentes (ou seja, requisitos) dessas partes interessadas; c) quais dessas necessidades e expectativas se tornam seus requisitos legais e outros requisitos.
  • 54. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO  Determinando o escopo do SGA- A organização deve determinar os limites e a aplicabilidade do sistema de gestão ambiental para estabelecer o seu escopo.  Considerando: a) as questões externas e internas referidas; b) os requisitos legais e outros requisitos; c) suas unidades organizacionais, funções e limites físicos; d) suas atividades, produtos e serviços; e) sua autoridade e capacidade de exercer controle e influência.
  • 55. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO  Sistema de gestão ambiental  Para alcançar os resultados pretendidos, incluindo o aumento de seu desempenho ambiental, a organização deve estabelecer, implementar, manter e melhorar continuamente um sistema de gestão ambiental, incluindo os processos necessários e suas interações, de acordo com os requisitos desta Norma.
  • 56. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - LIDERANÇA  Liderança e comprometimento- A Alta Direção deve demonstrar liderança e comprometimento com relação ao SGA: A) responsabilizando-se por prestar contas pela eficácia do sistema de gestão ambiental; B) assegurando que a política ambiental e os objetivos ambientais sejam estabelecidos e compatíveis com o direcionamento estratégico e o contexto da organização; C) assegurando a integração dos requisitos do sistema de gestão ambiental nos processos de negócios da organização; D) assegurando que os recursos necessários para o sistema de gestão ambiental estejam disponíveis; E) comunicando a importância de uma gestão ambiental eficaz e de estar conforme com os requisitos do sistema de gestão ambiental; F) assegurando que o sistema de gestão ambiental alcance seu(s) resultado(s) pretendido(s); G) dirigindo e apoiando pessoas a contribuírem para a eficácia do sistema de gestão ambiental; H) promovendo melhoria contínua; I) apoiando outros papeis pertinentes da gestão a demonstrar como sua liderança se aplica às áreas sob sua responsabilidade.
  • 57. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - POLÍTICA AMBIENTAL  A Alta Direção deve estabelecer, implementar e manter uma política ambiental que, dentro do escopo definido em seu sistema de gestão ambiental: Seja apropriada ao propósito e ao contexto da organização, incluindo a natureza, escala e impactos ambientais das suas atividades, produtos e serviços; Inclua um comprometimento com a proteção do meio ambiente, incluindo a prevenção da poluição e outro(s) compromisso(s) específico(s) pertinente(s) para o contexto da organização; Inclua um comprometimento em atender os seus requisitos legais e outros requisitos; Inclua um comprometimento com a melhoria contínua do sistema de gestão ambiental para aumentar o desempenho ambiental.
  • 58. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - POLÍTICA AMBIENTAL  A política ambiental deve: — ser mantida como informação documentada; — ser comunicada na organização; — estar disponível para as partes interessadas.
  • 59. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO  AÇÕES PARA ABORDAR RISCOS E OPORTUNIDADES  A organização deve estabelecer, implementar e manter o(s) processo(s) necessário(s) para atender aos requisitos.  Determinar os riscos e oportunidades relacionados aos seus aspectos ambientais, requisitos legais e outros requisitos, outras questões e requisitos, identificados, que precisam ser abordados para: — assegurar que o sistema de gestão ambiental possa alcançar seus resultados pretendidos; — prevenir ou reduzir efeitos indesejáveis, incluindo o potencial para condições ambientais externas que afetem a organização; — alcançar a melhoria contínua. Dentro do escopo do sistema de gestão ambiental, a organização deve determinar potenciais situações de emergência, incluindo aquelas que podem ter um impacto ambiental.
  • 60. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO  Aspectos ambientais  A organização deve determinar os aspectos ambientais de suas atividades, produtos e serviços os quais ela possa controlar e aqueles que ela possa influenciar, e seus impactos ambientais associados, considerando uma perspectiva de ciclo de vida.  Ao determinar os aspectos ambientais, a organização deve levar em consideração: a) mudanças, incluindo desenvolvimentos planejados ou novos, e atividades, produtos e serviços novos ou modificados; b) condições anormais e situações de emergência razoavelmente previsíveis.
  • 61. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO  Requisitos legais e outros requisitos  A organização deve: a) determinar e ter acesso aos requisitos legais e outros requisitos relacionados a seus aspectos ambientais; b) determinar como estes requisitos legais e outros requisitos aplicam-se à organização; c) levar requisitos legais e outros requisitos em consideração quando estabelecer, implementar, manter e melhorar continuamente seu sistema de gestão ambiental.
  • 62. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO  Planejamento de ações  A organização deve planejar: a) tomar ações para abordar seus: 1) aspectos ambientais significativos; 2) requisitos legais e outros requisitos; 3) riscos e oportunidades identificados; b) como: 1) integrar e implementar as ações nos processos de seu sistema de gestão ambiental, ou outros processos de negócio; 2) avaliar a eficácia dessas ações.
  • 63. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO  Os objetivos ambientais devem ser: a) coerentes com a política ambiental; b) mensuráveis (se viável); c) monitorados; d) comunicados; e) atualizados, como apropriado.  Planejamento de ações para alcançar os objetivos ambientais  Ao planejar como alcançar seus objetivos ambientais, a organização deve determinar: a) o que será feito; b) que recursos serão requeridos; c) quem será responsável; d) quando isso será concluído; e) como os resultados serão avaliados, incluindo indicadores para monitorar o progresso em direção ao alcance dos seus objetivos ambientais mensuráveis.
  • 64. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO  Apoio  Recursos  Competência  Conscientização – a) da política ambiental; b) dos aspectos ambientais significativos e dos impactos ambientais reais ou potenciais associados com seu trabalho; c) da sua contribuição para a eficácia do sistema de gestão ambiental, incluindo os benefícios de desempenho ambiental melhorado;  Comunicação - a) sobre o que comunicar; b) quando comunicar; c) com quem se comunicar; d) como comunicar. Comunicação interna Comunicação externa
  • 65. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - PLANEJAMENTO  Informação documentada a) informação documentada, requerida por esta Norma; b) informação documentada, determinada pela organização como sendo necessária para a eficácia do sistema de gestão ambiental.  Criando e atualizando a) identificação e descrição (por exemplo, um título, data, autor ou número de referência); b) formato (por exemplo, linguagem, versão do software, gráficos) e meio (por exemplo, papel, eletrônico); c) análise crítica e aprovação quanto à adequação e suficiência  Controle de informação documentada
  • 66. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - OPERAÇÃO  Planejamento e controle operacionais  Estabelecer critérios operacionais para o(s) processo(s);  Implementar controle de processo(s), de acordo com os critérios operacionais.  Preparação e resposta a emergências  Preparar-se para responder pelo planejamento de ações para prevenir ou mitigar impactos ambientais adversos de situações de emergências;  Responder a situações de emergências reais;  Tomar ações para prevenir ou mitigar as consequências decorrentes de situações de emergência, apropriadas à magnitude da emergência e ao potencial impacto ambiental;  Testar periodicamente as ações de resposta planejadas, onde viável;  Periodicamente, analisar criticamente e revisar o(s) processo(s) e as ações de resposta planejadas, em particular, após a ocorrência de situações de emergência ou testes;  Prover informações pertinentes e treinamento relacionado à preparação e resposta a emergências, como apropriado, para as partes interessadas pertinentes, incluindo pessoas que realizam trabalho sob o seu controle.
  • 67. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO  Monitoramento, medição, análise e avaliação  O que precisa ser monitorado e medido;  Os métodos de monitoramento, medição, análise e avaliação, como aplicável, para assegurar resultados válidos;  Os critérios pelos quais a organização irá avaliar seu desempenho ambiental e indicadores apropriados;  Quando o monitoramento e a medição devem ser realizados;  Quando os resultados de monitoramento e medição devem ser analisados e avaliados.  Avaliação do atendimento aos requisitos legais e outros requisitos  Determinar a frequência com que o atendimento aos requisitos legais e outros requisitos será avaliado;  Avaliar o atendimento aos requisitos legais e outros requisitos e tomar ações, se necessário;  Manter o conhecimento e o entendimento da situação do atendimento aos seus requisitos legais e outros requisitos.
  • 68. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO  Auditoria interna  Está conforme com: 1) os requisitos da própria organização para o seu sistema de gestão ambiental; 2) os requisitos desta norma;  Está implementado e mantido eficazmente.  Programa de auditoria interna  Definir os critérios de auditoria e o escopo para cada auditoria;  Selecionar auditores e conduzir auditorias para assegurar a objetividade e a imparcialidade do processo de auditoria;  Assegurar que os resultados das auditorias sejam relatados para a gerência pertinente.
  • 69. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO  Análise crítica pela direção  a) a situação de ações provenientes de análises críticas anteriores pela direção;  b) mudanças em: 1) questões internas e externas que sejam pertinentes para o sistema de gestão ambiental; 2) necessidades e expectativas das partes interessadas, incluindo os requisitos legais e outros requisitos; 3) seus aspectos ambientais significativos; 4) riscos e oportunidades;  c) extensão na qual os objetivos ambientais foram alcançados;  d) informações sobre o desempenho ambiental da organização, incluindo tendências relativas a: 1) não conformidades e ações corretivas; 2) resultados de monitoramento e medição; 3) atendimento aos seus requisitos legais e outros requisitos; 4) resultados de auditorias;  e) a suficiência de recursos;  f) comunicação(ões) pertinente(s) das partes interessadas, incluindo reclamações;  g) oportunidades para melhoria contínua.
  • 70. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO  As saídas da análise crítica pela direção devem incluir: — conclusões sobre a contínua adequação, suficiência e eficácia do sistema de gestão ambiental; — decisões relacionadas às oportunidades para melhoria contínua; — decisões relacionadas a qualquer necessidade de mudanças no sistema de gestão ambiental, incluindo recursos; — ações, se necessárias, quando não forem alcançados os objetivos ambientais; — oportunidades para melhorar a integração do sistema de gestão ambiental com outros processos de negócios, se necessário; — qualquer implicação para o direcionamento estratégico da organização.  A organização deve reter informação documentada como evidência dos resultados das análises críticas pela direção.
  • 71. CONTEXTO DA ORGANIZAÇÃO - MELHORIA  Não conformidade e ação corretiva  Ao ocorrer uma não conformidade, a organização deve:  a) reagir à não conformidade e, como aplicável: 1) tomar ação para controlá-la e corrigi-la; 2) lidar com as consequências, incluindo mitigar impactos ambientais adversos;  b) avaliar a necessidade de uma ação para eliminar as causas da não conformidade, a fim de que ela não se repita ou ocorra em outro lugar: 1) analisando criticamente a não conformidade; 2) determinando as causas da não conformidade; 3) determinando se não conformidades similares existem ou se poderiam potencialmente ocorrer;  c) implementar qualquer ação necessária;  d) analisar criticamente a eficácia de qualquer ação corretiva tomada;  e) realizar mudanças no sistema de gestão ambiental, se necessário.
  • 72. É BOM SABER...  Os requisitos desta Norma precisam ser vistos por uma perspectiva sistemática ou holística;  Há uma inter-relação entre os requisitos;  A gestão de mudança é uma parte importante da manutenção do sistema de gestão ambiental, que assegura que a organização pode alcançar os resultados pretendidos de seu sistema de gestão ambiental continuamente.
  • 73. É BOM SABER...  Como parte da gestão de mudanças, convém que organização aborde mudanças planejadas e não planejadas para assegurar que as consequências não intencionais destas mudanças não tenham efeito negativo nos resultados pretendidos do sistema de gestão ambiental.  Exemplos de mudanças incluem: — mudanças planejadas em produtos, processos, operações, equipamentos ou instalações; — mudança de funcionários ou provedores externos, incluindo contratados; — nova informação relacionada aos aspectos ambientais, impactos ambientais e tecnologias relacionadas; — mudanças em requisitos legais e outros requisitos.
  • 74. Como a implementação da ISO 14001 auxilia no desenvolvimento da empresa?
  • 75.  Contabilidade ambiental: um estudo sobre sua aplicabilidade em empresas Brasileiras  Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-70772001000300007
  • 77. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA
  • 78. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA
  • 82.
  • 86.
  • 88.
  • 89.
  • 90.  Tabela 1- Países com maior crescimento no número de certificações ISO 14001 – 2010. Fonte: ISO, 2010.
  • 91.
  • 94. Qual o seu papel no mundo?  O quê você pode criar para melhorar a vida das pessoas?
  • 95.
  • 96. APRENDER MAIS...  http://embalagemsustentavel.com.br/category/rs/  http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e- solucoes-documentarista-frances-revela-como-vivem-diferentes-culturas/5368122/  http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e- solucoes-economia-colaborativa-um-meio-de-conectar-as-pessoas/5401432/
  • 97.  Panorama de aplicação da norma ISO 14001 no Brasil. Gest. Prod. vol.15 no.1 São Carlos Jan./Apr. 2008 Ver site: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-530X2008000100002  http://g1.globo.com/globo-news/cidades-e-solucoes/videos/t/cidades-e-solucoes/v/cidades-e-solucoes-confira-o- programa-sobre-a-maquiagem-verde/4884544/  http://g1.globo.com/globo-news/mundo-sa/videos/t/mundo-sa/v/mundo-sa-o-fim-do-dinheiro-carteira-dentro-de- e-pulseira-que-faz-pagamentos/5384653/  http://g1.globo.com/globo-news/mundo-sa/videos/t/mundo-sa/v/mundo-sa-empresas-focam-no-crescente-mercado- vegano/5494697/  http://g1.globo.com/globo-news/mundo-sa/videos/t/mundo-sa/v/mundo-sa-o-negocio-das-startups-no-brasil/4501627/ APRENDER MAIS...
  • 98. CONTATO  El arqueirozconsult@gmail.com  WA 81 997779360  L https://www.linkedin.com/in/andressaribeirodequeiroz/