Urinalise - 2010

54.546 visualizações

Publicada em

Aula Pratica Laboratorial
Profa Dra Vera Lúcia Ângelo Andrade

Publicada em: Educação
3 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
54.546
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12.631
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.174
Comentários
3
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Urinalise - 2010

  1. 1. Urinálise UNIFENAS Profa.Vera Ângelo 2010
  2. 2. Hunayn ibn Ishaq al-'Ibadi (809?-873) (conhecido como Joannitius ). Isagoge Johannitii in Tegni Galeni . Oxford, século XIII (DeRicci NLM [78]).
  3. 3. Indicações : Exame de urina rotina -Diagnóstico de doenças do trato urinário (alto ou baixo) ou sistêmicas. -“Screening” de doenças congênitas, hereditárias ou assintomáticas -Avaliação da evolução de doenças. -Avaliação da terapêutica (efetividade ou complicações)
  4. 5. <ul><li>COLETA </li></ul><ul><li>Assepsia Adequada (situações especiais: menstruação) </li></ul><ul><li>orientar o paciente </li></ul><ul><li>primeira micção (ou 4h sem urinar) </li></ul><ul><li>jato médio </li></ul><ul><li>recipiente adequado e identificado </li></ul><ul><li>volume mínimo de 12 ml </li></ul><ul><li>sem adição de nenhum conservante </li></ul><ul><li>a amostra deve ser mantida à temperatura ambiente até 3h. Se necessário deve ser refrigerada. Não congelar. </li></ul><ul><li>. </li></ul>
  5. 7. Alterações observadas em amostras de urina mantidas a temperatura ambiente pH aumento degradação da uréia Células diminuição lise Cilindros desaparecimento dissolução Glicose diminuição degradação Corpos cetônicos diminuição evaporação Bilirrubina diminuição oxidação para biliverdina Urobilinogênico diminuição oxidação para urobilina Refrigeração Bactérias diminuição inibe o crescimento Cristais precipitação
  6. 8.  Exame de urina rotina <ul><li>Protocolo para realização do exame: </li></ul><ul><li>Propriedades físicas: </li></ul><ul><li>aspecto, cor, odor, densidade </li></ul><ul><li>2. Pesquisa de elementos anormais: </li></ul><ul><li>pH, proteína, hemoglobina, nitrito, leucócito-esterase, glicose, corpos cetônicos, bilirrubina, urobilinogênio </li></ul><ul><li>3. Exame microscópico (sedimentoscopia) </li></ul><ul><li>hemácias, leucócitos, células epiteliais, cilindros, cristais, microrganismos e outros elementos. </li></ul>
  7. 9. <ul><li>I- Propriedades físicas: </li></ul><ul><li>Aspecto: </li></ul><ul><li>A urina normal possui um aspecto claro, transparente. </li></ul><ul><li>Turvações podem aparecer quando ocorrerem formações de uratos amorfos em urinas ácidas ou fosfatos amorfos em urinas alcalinas (temperatura ambiente baixa). </li></ul>
  8. 11. I- Propriedades físicas: Transparência Clara , logo após a eliminação da urina Turvação - hemácias leucócitos cilindros gordura células epiteliais microrganismos precipitação de cristais muco
  9. 12. I- Propriedades físicas: b) Cor: alterada por doenças, medicamentos, corantes, alimentos Amarelo claro – urina diluída/volume aumentado, diabetes mellitus , insipidus Amarelo escuro – urina concentrada/volume diminuído, febre, desidratação “ Cor de coca cola” - Marrom escura – presença de bilirrubina, icterícia (bilirrubina, urobilinogênio) Rosa/ vermelho – Hemoglobina, mioglobina ou hemácias. Corantes e medicamentos (ex.: metildopa) Preto – presença de melanina Verde ou azul – presença de corantes ou medicamentos
  10. 14. I- Propriedades físicas: c) Densidade- soluto X solvente Ingestão hídrica X perdas
  11. 16. I- Propriedades físicas: d) Odor: “ sui generis” Característico, devido à presença de ácidos voláteis. Alterado: Amonical – degradação da uréia (bactérias) Pútrido – infecção urinária Adocicado – presença de corpos cetônicos
  12. 17. 2. Pesquisa de elementos anormais: (exame químico) pH urinário Princípio – fitas com corantes indicadores de pH pH normalmente é ácido pH alcalino constante – infecção urinária? pH ácido (acidose) – jejum, doenças respiratórias, diabetes pH alcalino (alcalose) – vômitos, hiperventilação
  13. 18. 2. Pesquisa de elementos anormais: (exame químico) Proteína <ul><li>Normalmente não é eliminada em quantidades detectáveis. Membrana glomerular permite a passagem de moléculas com PM < 60.000 da </li></ul><ul><li>Dois mecanismos da proteinúria: </li></ul><ul><li>- aumento da permeabilidade </li></ul><ul><li>- diminuição da reabsorção </li></ul>
  14. 19. 2. Pesquisa de elementos anormais: <ul><li>Pode ser observada: glomerulonefrite aguda e crônica, doença policística renal. </li></ul><ul><li>Proteinúria-Postural- ocorre apenas quando o indivíduo permanece em posição ereta. A excreção diária pode atingir até 1g. </li></ul><ul><li> Proteinúria funcional- Excreção de proteínas associada a estados febris, exposição ao calor ou ao frio intensos, exercícios físicos intensos. </li></ul>
  15. 21. 2. Pesquisa de elementos anormais: Hemoglobina <ul><li>Fita reagente detecta hemoglobina e mioglobina. </li></ul><ul><li>Indica sangramento em qualquer ponto do trato urinário. </li></ul><ul><li>Mecanismos da hematúria: </li></ul><ul><li>extra renal: distúrbios da coagulação/uso de anticoagulantes, </li></ul><ul><li>hemólise intravascular ou rabdomiólise </li></ul><ul><li>renal: nefropatias, traumatismos renais, pielonefrites, neo </li></ul><ul><li>pós-renal: uretrite, cistite, litíase, neoplasia </li></ul>
  16. 23. 2. Pesquisa de elementos anormais: Bilirrubina <ul><li>Fita reagente detecta produto da degradação do heme. </li></ul><ul><li>Apenas a forma conjugada é solúvel em água e eliminada pelas vias biliares. </li></ul><ul><li>Presença na urina: icterícia (hepática ou obstrutiva). </li></ul><ul><li>Falso positivo: Medicamentos ( Alteração da cor da urina) </li></ul><ul><li>Falso Negativo: Exposição a luz </li></ul><ul><li> Nitrito </li></ul><ul><li> Ácido ascórbico </li></ul>
  17. 24. 2. Pesquisa de elementos anormais: Glicosúria <ul><li>Presença na urina é anormal: </li></ul><ul><li>a glicose filtrada é reabsorvida </li></ul><ul><li>glicemia  180 mg/ dl – excesso não é reabsorvido. </li></ul><ul><li>Aumento da excreção urinária associado a diabetes, gravidez, hipertireoidismo, climatério etc.. </li></ul><ul><li>Falso positivo: Agentes oxidantes potentes - cloro </li></ul><ul><li>Falso Negativo: Inibição da glicose-oxidase (fluoretos) </li></ul><ul><li> Ácido ascórbico </li></ul>
  18. 26. 2. Pesquisa de elementos anormais: Corpos Cetônicos <ul><li>Ácidos aceto-acético, ß-hidróxido butírico e acetona </li></ul><ul><li>Produtos do metabolismo lipídico </li></ul><ul><li>Produção associada com diabetes mellitus e desnutrição </li></ul><ul><li>Outras condições: desidratação, febre, diarréia. </li></ul><ul><li>Falso positivo: Levodopa </li></ul><ul><li> Acetilcisteína </li></ul><ul><li>Falso Negativo: conservação inadequada </li></ul>
  19. 27. 2. Pesquisa de elementos anormais: Nitrito Princípio – conversão de nitrato a nitrito por bactérias Gram negativas. <ul><li>Condições : </li></ul><ul><li>Presença de Nitrato (dieta) </li></ul><ul><li>Permanência da urina na bexiga por aproximadamente 4 h. </li></ul><ul><li>Falso positivo: Contamin ção – colheita inadequada </li></ul><ul><li>Corantes e fenazopiridina </li></ul><ul><li>Falso Negativo: Ácido ascórbico </li></ul><ul><li> Degradação de nitrito </li></ul>Infec ç ão Urin á ria
  20. 28. <ul><li>3. Exame microscópico (sedimentoscopia) </li></ul><ul><li>Células epiteliais </li></ul><ul><li>Hemácias </li></ul><ul><li>Leucócitos </li></ul><ul><li>Cilindros </li></ul><ul><li>Cristais </li></ul><ul><li>Microrganismos </li></ul><ul><li>Outros elementos. </li></ul>
  21. 29. Sedimentoscopia <ul><li>Para proceder ao estudo do sedimento urinário, centrifugamos 10 ml de urina por 5 minutos a 2.500 rpm. </li></ul>
  22. 30. <ul><li>Após a centrifugação, desprezar 9,5 ml do sobrenadante e, ressuspender o sedimento nos 0,5 ml de urina restante. </li></ul><ul><li>Com o auxílio de uma pipeta, transferir uma pequena amostra da urina para lamina. </li></ul>
  23. 31. <ul><li>Levar a lâmina para o microscópio para ser analisado o sedimento urinário. </li></ul>
  24. 33. 3 - Sedimentoscopia Células epiteliais <ul><li>Epitélio escamoso reveste a uretra e o trígono da bexiga em mulheres, a uretra distal em homens e vagina. </li></ul>Presença de grande número destas células indica contaminação na colheita <ul><li>Epitélio transicional reveste o trato urinário da pelve renal até o trígono da bexiga nas mulheres e até a uretra proximal em homens </li></ul>Presença de número aumentado indica infecção do trato urinário
  25. 34. 3- Sedimentoscopia <ul><li>Células epiteliais renais (ou tubulares) revestem o néfron, do túbulo proximal até o coletor </li></ul>Presença de número aumentado indica lesão tubular ou doença renal em atividade. Ex: necrose tubular aguda, infecções viróticas, rejeição de transplante renal. <ul><li>aumento nas infecções, febre, inflamações, neoplasias. </li></ul>
  26. 35. 3- Sedimentoscopia Corpos graxos ovalados <ul><li>São células tubulares renais contendo gotículas de gordura. Lipidúria é um importante indicador de disfunção renal grave . </li></ul>Frequentemente observados na síndrome nefrótica presentes no lupus e diabetes mellitus avançado, envenenamento por mercúrio.
  27. 36. 3- Sedimentoscopia Hemácias <ul><li>Sangramento em qualquer ponto do trato urinário, coagulopatia ou uso de anticoagulantes. </li></ul><ul><li>Presença de hematúria sem proteinúria ou cilindrúria indica origem no trato urinário. </li></ul><ul><li>Presença de dismorfismo indica origem renal especialmente se acompanhada de proteinúria e cilindrúria. </li></ul>
  28. 38. Morfologia Eritrocitária Isomorfismo Dismorfismo
  29. 39. <ul><li>Isomorfismo eritrocitário está relacionado com causas Pós-glomerulares de hematúria . </li></ul>
  30. 40. 3- Sedimentoscopia Leucócitos <ul><li>Podem penetrar na urina a partir de qualquer ponto do trato urinário ou de secreções do trato genital. </li></ul><ul><li>Em geral são a neutrófilos. </li></ul><ul><li>Indicam: inflamação em qualquer ponto do trato urinário: </li></ul><ul><li>Infecção = microrganismos + leucócitos </li></ul><ul><li>Outras doenças renais ou do trato urinário baixo. </li></ul><ul><li>Presença de grumos indica infecção aguda. </li></ul><ul><li>Presença de cilindros leucocitários indica pielonefrite. </li></ul>
  31. 42. 3- Sedimentoscopia Cilindros <ul><li>Formação: “solidificação” da proteína ( Tamm-Horsfall ) no interior dos túbulos. </li></ul><ul><li>Pode incluir qualquer material ou estrutura presente no interior do túbulo. </li></ul><ul><li>Formação facilitada pela presença de proteínas plasmáticas, pH ácido e concentração elevada de solutos. </li></ul>
  32. 43. 3- Sedimentoscopia Cilindros <ul><li>Hialino </li></ul><ul><li>Leucocitário </li></ul><ul><li>Hemáticos </li></ul><ul><li>Epitelial </li></ul><ul><li>Granuloso </li></ul><ul><li>Céreo </li></ul><ul><li>Largo </li></ul>
  33. 47. 3- Sedimentoscopia Cristais Cristais Normais: ácido úrico fosfato Urato Carbonato Oxalato Biurato Importância Clínica Limitada Cristais Anormais: Metabolismo: Cistina, tirosina, leucina, colesterol, bilirrubina. Iatrogenia: Sulfonamidas, ampicilina, acyclovir, contraste radiográfico
  34. 49. Oxalato de cálcio Ácido úrico Fosfato amorfo
  35. 50. 3 - Sedimentoscopia Microorganismos e outros <ul><li>Bactérias. </li></ul><ul><li>Protoplastos (ação de antimicrobianos). </li></ul><ul><li>Leveduras. </li></ul>Detritos fecais Fibras Talco
  36. 53. Exame Microscópico (Sedimentoscopia) Sedimento Normal (citologia ) Hemácias 0 – 2 campo Leucócitos 0 – 5 campo Cilindros hialinos 0 – 2 campo Células epiteliais renais (tubulares) raras Células epiteliais de transição raras Células epiteliais pavimentosas raras
  37. 54. Características gerais: cor: amarela aspecto: límpido depósito: ausente densidade: 1,018 0.003 Reação pH: 6.0 0.5 Exame Químico: proteínas: < 100mg/1 subst. redutoras: ausentes cetonas: ausentes bilirrubinas: ausentes sangue: ausente urobilinogênio: até 1/20 Sedimento: leucócitos: até 10.000/ml hemácias: até 10.000/ml cel. epiteliais: raras cilindro ausentes Exame de Urina
  38. 55. Sinopse diagnóstica esquemática <ul><li>Nefrite aguda: hematúria franca. Cilindros hialinos, granulosos e hemáticos. Alguns leuucócitos. Células epiteliais renais </li></ul><ul><li>Síndrome nefrótica: cilindros hialinos, granulosos e epiteliais. Corpos graxos ovalados </li></ul><ul><li>Pielite: piúria. Células epiteliais de vias urinárias. Bactérias </li></ul><ul><li>Pielonefrite: piúria em graus variáveis. Hematúria. Bactérias e cilindros leucocitários. </li></ul><ul><li>Cistite: leucocitúria e piúria. Células epiteliais de descamação As vezes hemácias. Bactérias </li></ul><ul><li>Uretrite: Leucocitúria e piúria. Bactérias. </li></ul>

×