SlideShare uma empresa Scribd logo
CORPO
CAUSAL
CORPO
ASTRAL
CORPO
VITAL
AS SENSAÇOES E AS EMOÇÕES
BÁSICAS SÃO INATAS MAS OS
SENTIMENTOS SÃO CONSTRUIDOS A
CADA MOMENTO PELA MENTE.
SENSAÇÕES E EMOÇÕES REFLETEM NO CORPO .
MENTE SÃ, CORPO SÃO.
MENTE DOENTE, CORPO DOENTE
A PARTIR DAS SENSAÇÕES E EMOÇÕES E
SENTIMENTOS, O CÉREBRO CONSTRUI SUA
INTERPRETAÇÃO.
OU SEJA, PROPÕE, CONSTROI, PRESSUPÕE...
DA MESMA FORMA QUE A MENTE DÁ SIGNIFICADO AO QUE
OS OLHOS ENXERGAM, ELA DÁ SIGNIFICADO ÀS SENSAÇÕES E
EMOÇÕES E SENTIMENTOS, CONTRUINDO ASSIM A SUA
REALIDADE, BASEADA EM EXPERIÊNCIAS E SIGNIFICADOS
PRÉVIOS.
IGUALMENTE, AQUILO QUE ACHAMOS QUE OS OUTROS ESTÃO
TENDO, EM DETERMINADA SITUAÇÃO SÃO ... SUPOSIÇÕES,
PREDIÇÕES, CONSTRUÇÕES DE NOSSA MENTE BASEADO EM
EXPERIENCIAS PRÉVIAS.
OU SEJA, PARCIAMENTE ESTÃO DENTRO DE NOSSA PRÓPRIA
MENTE.
QUAIS SÃO AS EMOÇÕES E SENTIMENTOS QUE
MAIS FREQUENTEMENTE VIVENCIAMOS?
46%
43%
34%
32%
29%
22%
15%
15%
FREQUENCIA DE EMOÇÕES E SENTIMENTOS NEGATIVOS
NO DECORRER DO DIA
PREOCUPAÇÃO 46%
ABORRECIMENTO 43%
RAIVA34%
MEDO 31%
DESANIMO 29%
VERGONHA 22%
CIUME 15%
INVEJA 15%
QUE EMOÇÕES DURAM MAIS E PORQUE:
O PAPEL DA IMPORTANCIA DO EVENTO E RUMINAÇÃO.
Philippe Verduy, Saskia Lavrijsen Belgica.
O NOSSO PENSAMENTO É QUE ATRIBUI O SENTIDO
ÀS NOSSAS SENSAÇÕES, ÀS NOSSAS EMOÇÕES E
AOS NOSSOS SENTIMENTOS.
ISTO SIGNIFICA QUE TEMOS MAIS CONTROLE SOBRE
NOSSAS EMOÇÕES E SENTIMENTOS DO QUE SUPOMOS,
UMA VEZ QUE É NOSSA MENTE QUE DÁ O SIGNIFICADO A
ELES.
OU SEJA, SE MUDARMOS A SIGNIFICAÇÃO,A COGNIÇÃO, SE
MUDARMOS A FORMA QUE PENSAMOS E COMO PENSAMOS,
MUDAREMOS OS NOSSOS SENTIMENTOS E NOSSAS EMOÇÕES...
POR OUTRO LADO,SE FICARMOS REMOENDO, REVIVENDO,
RELEMBRANDO E RUMINANDO SITUAÇÕES, EMOÇÕES E SENTIMENTOS,
PASSAREMOS A MAIOR PARTE DE NOSSA VIDA, PRESO A UM CICLO
VICIOSO DE NEGATIVISMO.
RESSIGNIFICAR AS EMOÇÕES É DESENVOLVER A
INTELIGENCIA EMOCIONAL, OU SEJA, QUANDO
RESSIGNIFICAMOS NOSSAS SENSAÇÕES ,EMOÇÕES E
SENTIMENTOS PODEMOS OBTER O DOMINIO DELAS, DE UMA
FORMA COGNITIVA, INTELECTIVA...
SE NÃO ESTAMOS OBRIGATORIAMENTE SUBJUGADOS POR
EMOÇÕES E SENTIMENTOS AUTOMATICOS, SE SOMOS NÓS
QUE DAMOS SIGNIFICADOS ÀS NOSSAS EXPERIENCIAS E
VIVENCIAS, ENTÃO QUEM É O RESPONSÁVEL QUANDO
AGIMOS E SENTIMOS, NEGATIVAMENTE?
SENDO ASSIM, SE ESTIVERMOS INSATISFEITOS E ABORRECIDOS
COM O CONTEÚDO DE NOSSOS SENTIMENTOS, PENSAMENTOS
E COM O NOSSO COMPORTAMENTO,
SÓ ALGUÉM PODE MUDAR ISTO: NÓS MESMOS...
PENSAMENTOS E SENTIMENTOS
AUTO-CONSCIÊNCIA
AUTO-RESPONSABILIZAÇÃO
AMOR
ÀS
COISAS
DEDEUS
AMORAO
PRÓXIMO
RESSIGNIFICAÇÃO
AUTO-CONDICIONAMENTO
APRENDIZADO
AUTO-TRANSFORMAÇÃO
AMOR
A SI MESMO
“Comparemos a mente humana a um grande escritório,
subdividido em diversas secções de serviço.
Aí possuímos o departamento do Desejo, em que operam os
propósitos e as aspirações, acalentando o estímulo do trabalho;
o departamento da Inteligência, dilatando os patrimônios da
evolução e da cultura; o departamento da imaginação,
amealhando as riquezas do ideal e da sensibilidade;
o departamento da Memória, arquivando as súmulas da
experiência e outros, ainda, que definem os investimentos da
alma.
Acima de todos eles, porém, surge o gabinete da Vontade.
A vontade é a gerência esclarecida e vigilante, governando
todos os setores da ação mental”
Livro Pensamento e Vida,Emannuel/F.C.X
PODERIA SEMPRE O HOMEN, PELOS SEUS ESFORÇOS, VENCER AS SUAS
MÁS INCLINAÇÕES? Q.909 L.E
’SIM,E, FREQUENTEMENTE FAZENDO ESFORÇOS MUITO
INSIGNIFICANTES.
O QUE LHES FALTA É A VONTADE.
AH! QUÃOS POUCOS DENTRO VÓS FAZEM ESFORÇOS!”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
Jorge Luiz dos Santos
 
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismoTranstornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo
Marlon Reikdal
 
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDESPALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
Mauro Santos
 
O Poder do Pensamento
O Poder do PensamentoO Poder do Pensamento
O Poder do Pensamento
Ricardo Azevedo
 
Doenças da alma
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
Victor Passos
 
Mundos regeneradores
Mundos regeneradoresMundos regeneradores
Mundos regeneradores
Andreia Quesada
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Cuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do EspíritoCuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do Espírito
CEENA_SS
 
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuaisMediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologiasCorpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Fernando Vieira Filho
 
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
Jorge Luiz dos Santos
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
meebpeixotinho
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
igmateus
 
Ideoplastia
IdeoplastiaIdeoplastia
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Antonino Silva
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
Leonardo Pereira
 
Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel
Ceile Bernardo
 
A CASA MENTAL
A CASA MENTALA CASA MENTAL
A CASA MENTAL
Carlos Steigleder
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
jcevadro
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Denise Aguiar
 

Mais procurados (20)

O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismoTranstornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo
 
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDESPALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
PALESTRA - RENOVANDO ATITUDES
 
O Poder do Pensamento
O Poder do PensamentoO Poder do Pensamento
O Poder do Pensamento
 
Doenças da alma
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
 
Mundos regeneradores
Mundos regeneradoresMundos regeneradores
Mundos regeneradores
 
Desencarne na visão espírita
Desencarne na visão espíritaDesencarne na visão espírita
Desencarne na visão espírita
 
Cuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do EspíritoCuidar do Corpo e do Espírito
Cuidar do Corpo e do Espírito
 
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuaisMediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
 
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologiasCorpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
Corpos ovóides na obsessão e nas psicopatologias
 
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
Ideoplastia
IdeoplastiaIdeoplastia
Ideoplastia
 
Evangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animaisEvangeliza - Mediunidade nos animais
Evangeliza - Mediunidade nos animais
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
 
Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel
 
A CASA MENTAL
A CASA MENTALA CASA MENTAL
A CASA MENTAL
 
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade  - SintoniaMecanismo das comunicações - Afinidade  - Sintonia
Mecanismo das comunicações - Afinidade - Sintonia
 
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
Ensaio teórico das sensações e percepções dos Espíritos.
 

Semelhante a Instintos, sensações, emoções, sentimentos

Alma,mente, emoções, corpo
Alma,mente, emoções, corpoAlma,mente, emoções, corpo
Alma,mente, emoções, corpo
Dr. Walter Cury
 
Porque sofremos
Porque sofremosPorque sofremos
Porque sofremos
Dr. Walter Cury
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
Ceile Bernardo
 
24 fluidos-percepção e análise
24 fluidos-percepção e análise24 fluidos-percepção e análise
24 fluidos-percepção e análise
Antonio SSantos
 
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.pptesde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
RobsonTeles6
 
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DORAUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Saude integral aula 2
Saude integral aula 2Saude integral aula 2
Saude integral aula 2
Andre Luiz Campos
 
Equilíbrio físico e equilíbrio mental
Equilíbrio físico e equilíbrio mentalEquilíbrio físico e equilíbrio mental
Equilíbrio físico e equilíbrio mental
Helio Cruz
 
A ponte para deus. pps
A ponte para deus. ppsA ponte para deus. pps
A ponte para deus. pps
jmeirelles
 
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICASDOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Transformações de Impressões!
Transformações de Impressões!Transformações de Impressões!
Transformações de Impressões!
Antonieta Perpetua
 
Alma, corpo físico e espiritual e as doenças
Alma, corpo físico e espiritual  e  as doençasAlma, corpo físico e espiritual  e  as doenças
Alma, corpo físico e espiritual e as doenças
Dr. Walter Cury
 
COMO FAZER A REFORMA ÍNTIMA
COMO FAZER A REFORMA ÍNTIMACOMO FAZER A REFORMA ÍNTIMA
COMO FAZER A REFORMA ÍNTIMA
Dr. Walter Cury
 
Sensação.percep
Sensação.percepSensação.percep
Sensação.percep
Scriba Digital
 
Código escrito o segredo do mundo espiritual
Código escrito  o segredo do mundo espiritualCódigo escrito  o segredo do mundo espiritual
Código escrito o segredo do mundo espiritual
cdoecrt
 
Psicossomática - Por Rosemeire Zago
Psicossomática - Por Rosemeire ZagoPsicossomática - Por Rosemeire Zago
Psicossomática - Por Rosemeire Zago
Espalhe o Amor
 
Equilíbrio físico e equilíbrio mental
Equilíbrio físico e equilíbrio mentalEquilíbrio físico e equilíbrio mental
Equilíbrio físico e equilíbrio mental
Helio Cruz
 
Cm 8 - sensibilidade mediúnica
Cm   8 - sensibilidade mediúnicaCm   8 - sensibilidade mediúnica
Cm 8 - sensibilidade mediúnica
Norberto Scavone Augusto
 
Carta 6
Carta 6Carta 6
Carta 6
Carta 6Carta 6

Semelhante a Instintos, sensações, emoções, sentimentos (20)

Alma,mente, emoções, corpo
Alma,mente, emoções, corpoAlma,mente, emoções, corpo
Alma,mente, emoções, corpo
 
Porque sofremos
Porque sofremosPorque sofremos
Porque sofremos
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
24 fluidos-percepção e análise
24 fluidos-percepção e análise24 fluidos-percepção e análise
24 fluidos-percepção e análise
 
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.pptesde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
esde-tomo-c3banico-ensaio-tec3b3rico-das-sensac3a7c3b5es.ppt
 
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DORAUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR
 
Saude integral aula 2
Saude integral aula 2Saude integral aula 2
Saude integral aula 2
 
Equilíbrio físico e equilíbrio mental
Equilíbrio físico e equilíbrio mentalEquilíbrio físico e equilíbrio mental
Equilíbrio físico e equilíbrio mental
 
A ponte para deus. pps
A ponte para deus. ppsA ponte para deus. pps
A ponte para deus. pps
 
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICASDOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
 
Transformações de Impressões!
Transformações de Impressões!Transformações de Impressões!
Transformações de Impressões!
 
Alma, corpo físico e espiritual e as doenças
Alma, corpo físico e espiritual  e  as doençasAlma, corpo físico e espiritual  e  as doenças
Alma, corpo físico e espiritual e as doenças
 
COMO FAZER A REFORMA ÍNTIMA
COMO FAZER A REFORMA ÍNTIMACOMO FAZER A REFORMA ÍNTIMA
COMO FAZER A REFORMA ÍNTIMA
 
Sensação.percep
Sensação.percepSensação.percep
Sensação.percep
 
Código escrito o segredo do mundo espiritual
Código escrito  o segredo do mundo espiritualCódigo escrito  o segredo do mundo espiritual
Código escrito o segredo do mundo espiritual
 
Psicossomática - Por Rosemeire Zago
Psicossomática - Por Rosemeire ZagoPsicossomática - Por Rosemeire Zago
Psicossomática - Por Rosemeire Zago
 
Equilíbrio físico e equilíbrio mental
Equilíbrio físico e equilíbrio mentalEquilíbrio físico e equilíbrio mental
Equilíbrio físico e equilíbrio mental
 
Cm 8 - sensibilidade mediúnica
Cm   8 - sensibilidade mediúnicaCm   8 - sensibilidade mediúnica
Cm 8 - sensibilidade mediúnica
 
Carta 6
Carta 6Carta 6
Carta 6
 
Carta 6
Carta 6Carta 6
Carta 6
 

Mais de Dr. Walter Cury

Transtornos da mente e da alma
Transtornos da mente e da almaTranstornos da mente e da alma
Transtornos da mente e da alma
Dr. Walter Cury
 
Plantio e colheita
Plantio e colheitaPlantio e colheita
Plantio e colheita
Dr. Walter Cury
 
Pacificador
PacificadorPacificador
Pacificador
Dr. Walter Cury
 
Espelhos da mente
Espelhos da menteEspelhos da mente
Espelhos da mente
Dr. Walter Cury
 
Angustia
AngustiaAngustia
Angustia
Dr. Walter Cury
 
Marchemos
MarchemosMarchemos
Marchemos
Dr. Walter Cury
 
Eu, pacificador de minha vida
Eu, pacificador de minha vidaEu, pacificador de minha vida
Eu, pacificador de minha vida
Dr. Walter Cury
 
O TRATAMENTO HOLÍSTICO DAS DOENÇAS FÍSICAS E MENTAIS
O TRATAMENTO HOLÍSTICO DAS DOENÇAS FÍSICAS E MENTAISO TRATAMENTO HOLÍSTICO DAS DOENÇAS FÍSICAS E MENTAIS
O TRATAMENTO HOLÍSTICO DAS DOENÇAS FÍSICAS E MENTAIS
Dr. Walter Cury
 
Atribulações
AtribulaçõesAtribulações
Atribulações
Dr. Walter Cury
 
Suicidio
SuicidioSuicidio
Suicidio
Dr. Walter Cury
 
Força de vontade
Força de vontadeForça de vontade
Força de vontade
Dr. Walter Cury
 
Corpos e saúde
Corpos e saúdeCorpos e saúde
Corpos e saúde
Dr. Walter Cury
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentais
Dr. Walter Cury
 
Como superar a dor e o sofrimento
Como superar a dor e o sofrimentoComo superar a dor e o sofrimento
Como superar a dor e o sofrimento
Dr. Walter Cury
 
Se não quiseres saúde
Se não quiseres saúdeSe não quiseres saúde
Se não quiseres saúde
Dr. Walter Cury
 
Curando se pela reforma intima
Curando se  pela reforma intimaCurando se  pela reforma intima
Curando se pela reforma intima
Dr. Walter Cury
 
O eu , a mente e emocões
O eu , a mente e  emocõesO eu , a mente e  emocões
O eu , a mente e emocões
Dr. Walter Cury
 
Rotina,ansiedade , medo, vazio
Rotina,ansiedade , medo, vazioRotina,ansiedade , medo, vazio
Rotina,ansiedade , medo, vazio
Dr. Walter Cury
 
20 exercídios para a reforma íntima
20 exercídios para a reforma íntima20 exercídios para a reforma íntima
20 exercídios para a reforma íntima
Dr. Walter Cury
 
Sete ensinamentos
Sete ensinamentosSete ensinamentos
Sete ensinamentos
Dr. Walter Cury
 

Mais de Dr. Walter Cury (20)

Transtornos da mente e da alma
Transtornos da mente e da almaTranstornos da mente e da alma
Transtornos da mente e da alma
 
Plantio e colheita
Plantio e colheitaPlantio e colheita
Plantio e colheita
 
Pacificador
PacificadorPacificador
Pacificador
 
Espelhos da mente
Espelhos da menteEspelhos da mente
Espelhos da mente
 
Angustia
AngustiaAngustia
Angustia
 
Marchemos
MarchemosMarchemos
Marchemos
 
Eu, pacificador de minha vida
Eu, pacificador de minha vidaEu, pacificador de minha vida
Eu, pacificador de minha vida
 
O TRATAMENTO HOLÍSTICO DAS DOENÇAS FÍSICAS E MENTAIS
O TRATAMENTO HOLÍSTICO DAS DOENÇAS FÍSICAS E MENTAISO TRATAMENTO HOLÍSTICO DAS DOENÇAS FÍSICAS E MENTAIS
O TRATAMENTO HOLÍSTICO DAS DOENÇAS FÍSICAS E MENTAIS
 
Atribulações
AtribulaçõesAtribulações
Atribulações
 
Suicidio
SuicidioSuicidio
Suicidio
 
Força de vontade
Força de vontadeForça de vontade
Força de vontade
 
Corpos e saúde
Corpos e saúdeCorpos e saúde
Corpos e saúde
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentais
 
Como superar a dor e o sofrimento
Como superar a dor e o sofrimentoComo superar a dor e o sofrimento
Como superar a dor e o sofrimento
 
Se não quiseres saúde
Se não quiseres saúdeSe não quiseres saúde
Se não quiseres saúde
 
Curando se pela reforma intima
Curando se  pela reforma intimaCurando se  pela reforma intima
Curando se pela reforma intima
 
O eu , a mente e emocões
O eu , a mente e  emocõesO eu , a mente e  emocões
O eu , a mente e emocões
 
Rotina,ansiedade , medo, vazio
Rotina,ansiedade , medo, vazioRotina,ansiedade , medo, vazio
Rotina,ansiedade , medo, vazio
 
20 exercídios para a reforma íntima
20 exercídios para a reforma íntima20 exercídios para a reforma íntima
20 exercídios para a reforma íntima
 
Sete ensinamentos
Sete ensinamentosSete ensinamentos
Sete ensinamentos
 

Último

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 

Último (10)

Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 

Instintos, sensações, emoções, sentimentos

  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. AS SENSAÇOES E AS EMOÇÕES BÁSICAS SÃO INATAS MAS OS SENTIMENTOS SÃO CONSTRUIDOS A CADA MOMENTO PELA MENTE.
  • 6. SENSAÇÕES E EMOÇÕES REFLETEM NO CORPO . MENTE SÃ, CORPO SÃO. MENTE DOENTE, CORPO DOENTE
  • 7.
  • 8. A PARTIR DAS SENSAÇÕES E EMOÇÕES E SENTIMENTOS, O CÉREBRO CONSTRUI SUA INTERPRETAÇÃO. OU SEJA, PROPÕE, CONSTROI, PRESSUPÕE...
  • 9. DA MESMA FORMA QUE A MENTE DÁ SIGNIFICADO AO QUE OS OLHOS ENXERGAM, ELA DÁ SIGNIFICADO ÀS SENSAÇÕES E EMOÇÕES E SENTIMENTOS, CONTRUINDO ASSIM A SUA REALIDADE, BASEADA EM EXPERIÊNCIAS E SIGNIFICADOS PRÉVIOS.
  • 10. IGUALMENTE, AQUILO QUE ACHAMOS QUE OS OUTROS ESTÃO TENDO, EM DETERMINADA SITUAÇÃO SÃO ... SUPOSIÇÕES, PREDIÇÕES, CONSTRUÇÕES DE NOSSA MENTE BASEADO EM EXPERIENCIAS PRÉVIAS. OU SEJA, PARCIAMENTE ESTÃO DENTRO DE NOSSA PRÓPRIA MENTE.
  • 11. QUAIS SÃO AS EMOÇÕES E SENTIMENTOS QUE MAIS FREQUENTEMENTE VIVENCIAMOS?
  • 12. 46% 43% 34% 32% 29% 22% 15% 15% FREQUENCIA DE EMOÇÕES E SENTIMENTOS NEGATIVOS NO DECORRER DO DIA PREOCUPAÇÃO 46% ABORRECIMENTO 43% RAIVA34% MEDO 31% DESANIMO 29% VERGONHA 22% CIUME 15% INVEJA 15%
  • 13. QUE EMOÇÕES DURAM MAIS E PORQUE: O PAPEL DA IMPORTANCIA DO EVENTO E RUMINAÇÃO. Philippe Verduy, Saskia Lavrijsen Belgica.
  • 14. O NOSSO PENSAMENTO É QUE ATRIBUI O SENTIDO ÀS NOSSAS SENSAÇÕES, ÀS NOSSAS EMOÇÕES E AOS NOSSOS SENTIMENTOS.
  • 15. ISTO SIGNIFICA QUE TEMOS MAIS CONTROLE SOBRE NOSSAS EMOÇÕES E SENTIMENTOS DO QUE SUPOMOS, UMA VEZ QUE É NOSSA MENTE QUE DÁ O SIGNIFICADO A ELES.
  • 16. OU SEJA, SE MUDARMOS A SIGNIFICAÇÃO,A COGNIÇÃO, SE MUDARMOS A FORMA QUE PENSAMOS E COMO PENSAMOS, MUDAREMOS OS NOSSOS SENTIMENTOS E NOSSAS EMOÇÕES... POR OUTRO LADO,SE FICARMOS REMOENDO, REVIVENDO, RELEMBRANDO E RUMINANDO SITUAÇÕES, EMOÇÕES E SENTIMENTOS, PASSAREMOS A MAIOR PARTE DE NOSSA VIDA, PRESO A UM CICLO VICIOSO DE NEGATIVISMO.
  • 17. RESSIGNIFICAR AS EMOÇÕES É DESENVOLVER A INTELIGENCIA EMOCIONAL, OU SEJA, QUANDO RESSIGNIFICAMOS NOSSAS SENSAÇÕES ,EMOÇÕES E SENTIMENTOS PODEMOS OBTER O DOMINIO DELAS, DE UMA FORMA COGNITIVA, INTELECTIVA...
  • 18. SE NÃO ESTAMOS OBRIGATORIAMENTE SUBJUGADOS POR EMOÇÕES E SENTIMENTOS AUTOMATICOS, SE SOMOS NÓS QUE DAMOS SIGNIFICADOS ÀS NOSSAS EXPERIENCIAS E VIVENCIAS, ENTÃO QUEM É O RESPONSÁVEL QUANDO AGIMOS E SENTIMOS, NEGATIVAMENTE?
  • 19. SENDO ASSIM, SE ESTIVERMOS INSATISFEITOS E ABORRECIDOS COM O CONTEÚDO DE NOSSOS SENTIMENTOS, PENSAMENTOS E COM O NOSSO COMPORTAMENTO, SÓ ALGUÉM PODE MUDAR ISTO: NÓS MESMOS...
  • 21.
  • 22. “Comparemos a mente humana a um grande escritório, subdividido em diversas secções de serviço. Aí possuímos o departamento do Desejo, em que operam os propósitos e as aspirações, acalentando o estímulo do trabalho; o departamento da Inteligência, dilatando os patrimônios da evolução e da cultura; o departamento da imaginação, amealhando as riquezas do ideal e da sensibilidade; o departamento da Memória, arquivando as súmulas da experiência e outros, ainda, que definem os investimentos da alma. Acima de todos eles, porém, surge o gabinete da Vontade. A vontade é a gerência esclarecida e vigilante, governando todos os setores da ação mental” Livro Pensamento e Vida,Emannuel/F.C.X
  • 23. PODERIA SEMPRE O HOMEN, PELOS SEUS ESFORÇOS, VENCER AS SUAS MÁS INCLINAÇÕES? Q.909 L.E ’SIM,E, FREQUENTEMENTE FAZENDO ESFORÇOS MUITO INSIGNIFICANTES. O QUE LHES FALTA É A VONTADE. AH! QUÃOS POUCOS DENTRO VÓS FAZEM ESFORÇOS!”

Notas do Editor

  1. Sensações podem ser definidas como a impressão causada em um órgão receptor através de um estímulo (interno ou externo). Portanto, a sensação é um fenômeno puramente perceptual, basicamente uma atividade dos sentidos . Emoções são expressões de afeto acompanhadas de reações intensas e breves do organismo em resposta a um acontecimento inesperado ou, às vezes, muito aguardado, fantasiado. Nas emoções é possível observar a relação entre os afetos e a expressão corporal. As reações orgânicas presentes na emoção fogem ao controle do indivíduo. Os autores citam que “podemos ‘segurar o choro’, mas não conseguimos deixar de ‘chorar por dentro’, sentindo aquele nó na garganta. Às vezes até tentamos, mas não conseguimos segurar duas ou três lágrimas que escorrem, traindo-nos e demonstrando nossa emoção” (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2008, p. 167). Eles ainda expõem que todas as reações orgânicas relativas à emoção são importantes descargas de tensão. Portanto, de acordo com esses autores, a emoção é um momento de tensão em um organismo, e as reações orgânicas são descargas emocionais Sentimento ocorrer é necessário a existência de três componentes processuais eliciados pela emoção: a representação do estímulo emocional, a recuperação de significados associados a esse estímulo e a percepção consciente de estados do corpo. Para o autor, sentimentos são emoções conscientes. A conscientização da emoção é, portanto, a condição que distingue o sentimento. EXEMPLOS SENSAÇÕES: PERENTE A UM ESTIMULO REAL (EXTERNO) OU IMAGINÁRIO (INTERNO), OCORREM ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS COMO TREMOR NAS MÃOS, SUDORESE, PARESTESIAS, FRIO CORPORAL, DOR NO ESTOMAGO, TONTEIRA. O ORGASMO É UM EXEMPLO DE SENSAÇÃO EMOÇÕES: ASSOCIADO AO ORGASMO, VEM A EMOÇÃO DA PAIXÃO. SENTIMENTO: A SENSAÇÃO DO ORGASMO, VINDO COM UMA EMOÇÃO DE PAIXÃO , E AMOR ÀQUELA PESSOA.
  2. Sensações podem ser definidas como a impressão causada em um órgão receptor através de um estímulo (interno ou externo). Portanto, a sensação é um fenômeno puramente perceptual, basicamente uma atividade dos sentidos . Emoções são expressões de afeto acompanhadas de reações intensas e breves do organismo em resposta a um acontecimento inesperado ou, às vezes, muito aguardado, fantasiado. Nas emoções é possível observar a relação entre os afetos e a expressão corporal. As reações orgânicas presentes na emoção fogem ao controle do indivíduo. Os autores citam que “podemos ‘segurar o choro’, mas não conseguimos deixar de ‘chorar por dentro’, sentindo aquele nó na garganta. Às vezes até tentamos, mas não conseguimos segurar duas ou três lágrimas que escorrem, traindo-nos e demonstrando nossa emoção” (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 2008, p. 167). Eles ainda expõem que todas as reações orgânicas relativas à emoção são importantes descargas de tensão. Portanto, de acordo com esses autores, a emoção é um momento de tensão em um organismo, e as reações orgânicas são descargas emocionais Sentimento ocorrer é necessário a existência de três componentes processuais eliciados pela emoção: a representação do estímulo emocional, a recuperação de significados associados a esse estímulo e a percepção consciente de estados do corpo. Para o autor, sentimentos são emoções conscientes. A conscientização da emoção é, portanto, a condição que distingue o sentimento. EXEMPLOS SENSAÇÕES: PERENTE A UM ESTIMULO REAL (EXTERNO) OU IMAGINÁRIO (INTERNO), OCORREM ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS COMO TREMOR NAS MÃOS, SUDORESE, PARESTESIAS, FRIO CORPORAL, DOR NO ESTOMAGO, TONTEIRA. O ORGASMO É UM EXEMPLO DE SENSAÇÃO EMOÇÕES: ASSOCIADO AO ORGASMO, VEM A EMOÇÃO DA PAIXÃO. SENTIMENTO: A SENSAÇÃO DO ORGASMO, VINDO COM UMA EMOÇÃO DE PAIXÃO , E AMOR ÀQUELA PESSOA.
  3. Qual a função do sintoma ou da dor? O sofrimento mental fica lá bem guardadinho, fazendo com que você pense que já o esqueceu, no entanto, ele está lá agindo silenciosamente e se você não der uma atenção para o seu emocional, ele encontrará uma maneira de se manifestar, fazendo com que o corpo adoeça. A função do sintoma é alertar de que alguma coisa não está indo bem, portanto, não o desconsidere. Tem uma função parecida com a do sintoma, ou seja, chamar sua atenção para mostrar que algo não está bem em você. Este é o momento de parar e ver o que está errado na sua vida pessoal, profissional, afetiva, financeira, acadêmica. Trate o que precisa ser tratado, ou seja, o emocional, porque o corpo está sinalizando que o psicológico não esta bem.
  4. %
  5. Uma pesquisa da Universidade da Leuven, na Bélgica analisou a duração das emoções em 233 pessoas e concluiu que em média a tristeza é sentida – pasmem – por um tempo até 240 vezes maior do que sentimos outras emoções!!! Embora a amostra de pessoas não tenha sido grande, é surpreendente o fato da duração da alegria ser tão inferior ao da tristeza. Se a alegria nos faz tão bem por que ela se vai em cerca de 1 dia e meio enquanto a tristeza perdura por 5 dias? Segundo os pesquisadores, eventos de menor importância tendem (mas não sempre) a gerar emoções e sentimentos que passam rapidamente, enquanto fatos de maior importância geram emoções e sentimentos mais duradouros. No entanto, eles ressaltam que o fator determinante para explicar porque algumas emoções duram mais que outras é – pasmem novamente – a ruminação. Ou seja, todo aquele pensamento circular e repetitivo que produzimos quando algo de ruim acontece faz com que a tristeza fique mais tempo por perto. Assim fica claro perceber que o hábito de remoer o que já aconteceu, tentando descobrir o que deu errado ou como o resultado poderia ter sido diferente, é capaz de nos deixar para baixo por mais tempo. Então, que tal pensar por mais tempo sobre os acontecimentos positivos? Se a ruminação é a resposta para a duração das emoções, pensar, valorizar e comentar sobre o que os deixa felizes deve ter o poder de deixar a alegria mais tempo por perto. Só assim é possível inverter a afirmação da musica de Tom Jobim: “tristeza não tem fim, felicidade sim”; fazendo com que a felicidade não tenha fim e a tristeza sim. Vamos tentar? Para ler o extrato da pesquisa, clique aqui: http://link.springer.c Que emoções duram mais e por que: O papel da importância do evento e ruminação Philippe Verduy Saskia Lavrijsen Abstrato Algumas emoções duram mais do que outras.  No entanto, as diferenças de duração só foram exploradas para um pequeno número de emoções e as diferenças observadas não foram explicadas.  O objetivo do presente estudo é fornecer uma imagem detalhada da variabilidade na duração entre as emoções e explicar esta variabilidade.  Os participantes foram convidados a se lembrar de episódios emocionais recentes, relatar sua duração e responder a perguntas sobre avaliações e estratégias de regulação.  De 27 emoções, a tristeza durou o mais longo, enquanto a vergonha, a surpresa, o medo, o desgosto, o tédio, a sensação, a irritação e o alívio foram as emoções mais curtas.  Uma dimensão de avaliação e uma estratégia de regulação representaram quase metade da variabilidade de duração entre as emoções.  Em particular, em comparação com as emoções curtas, as emoções persistentes geralmente são provocadas por eventos de grande importância e estão associadas a níveis elevados de ruminações.  Esta conclusão mantém as definições de duração da emoção e permanece válida quando se considera a emoção e a intensidade da emoção. Palavras-chave Dinâmica da emoção Duração da emoção Avaliações Valorização emocional Ruminação  A pesquisa que conduziu aos resultados relatados neste documento foi apoiada em parte pelo Fundo de Pesquisa de KU Leuven (GOA / 15/003), pelo programa Interuniversity Attraction Poles financiado pelo governo belga (IAP / P7 / 06) e por uma bolsa de pesquisa pós-doutorado para o primeiro autor do Fundo de Pesquisa Científica-Flandres (FWO). Referências Beedie, CJ, Terry, PC e Lane, AM (2005). Distinções entre emoção e humor. Cognição e Emoção, 19 , 847-878.CrossRef Google Scholar Brans, K., & Verduyn, P. (2014). Comparing determinants of emotion intensity and duration: Appraisals and regulation strategies. PLoS ONE, 9(e92410), 1–13.Google Scholar Brosschot, J. F., Gerin, W., & Thayer, J. F. (2006). The perseverative cognition hypothesis: A review of worry, prolonged stress-related physiological activation, and health. Journal of Psychosomatic Research, 60, 113–124.PubMedCrossRefGoogle Scholar Davidson, R. J. (1998). Affective style and affective disorders: Perspectives from affective neuroscience. Cognition and Emotion, 12, 307–330.CrossRefGoogle Scholar Frijda, N. H. (2007). The laws of emotion. Mahwah, NJ: Erlbaum.Google Scholar Frijda, N. H., Mesquita, B., Sonnemans, J., & Van Goozen, S. (1991). The duration of affective phenomena or emotions, sentiments and passions. In K. T. Strongman (Ed.), International review of studies on emotion (pp. 187–225). Chichester: Wiley.Google Scholar Gallagher, S. (2012). Time, emotion, and depression. Emotion Review, 4, 1–6.Google Scholar Gross, J. J., & Thompson, R. A. (2007). Emotion regulation: Conceptual foundations. In J. J. Gross (Ed.), Handbook of emotion regulation (pp. 3–24). New York, NY: Guilford Press.Google Scholar Lindquist, K. A., Wager, T. D., Kober, H., Bliss-Moreau, E., & Barrett, L. F. (2012). The brain basis of emotion: A meta-analytic review. Behavioral and Brain Sciences, 35, 121–143.PubMedCrossRefGoogle Scholar Nolen-Hoeksema, S. (1991). Responses to depression and their effects on the duration of depressive episodes. Journal of Abnormal Psychology, 100, 569–582.PubMedCrossRefGoogle Scholar Nolen-Hoeksema, S., & Morrow, J. (1993). Effects of rumination and distraction on naturally occurring depressed mood. Cognition and Emotion, 7, 561–570.CrossRefGoogle Scholar Öhman, A. (2008). Fear and anxiety: Overlaps and dissociations. In M. Lewis & J. M. Haviland-Jones (Eds.), Handbook of emotions (3rd ed., pp. 709–729). New York: Guilford.Google Scholar Sbarra, D. A. (2006). Predicting the onset of emotional recovery following nonmarital relationship dissolution: Survival analyses of sadness and anger. Personality and Social Psychology Bulletin, 32, 298–312.PubMedCrossRefGoogle Scholar Scherer, K. R. (2001). Appraisal considered as a process of multi-level sequential checking. In K. R. Scherer, A. Schorr, & T. Johnstone (Eds.), Appraisal processes in emotion: Theory, methods, research (pp. 92–120). New York and Oxford: Oxford University Press.Google Scholar Scherer, K. R. (2005). What are emotions? And how can they be measured? Social Science Information Sur Les Sciences Sociales, 44, 695–729.CrossRefGoogle Scholar Scherer, K. R., & Wallbott, H. G. (1994). Evidence for universality and cultural variation of differential emotion response patterning. Journal of Personality and Social Psychology,66, 310–328.PubMedCrossRefGoogle Scholar Scherer, K. R., Wranik, T., Sangsue, J., Tran, V., & Scherer, U. (2004). Emotions in everyday life: Probability of occurrence, risk factors, appraisal and reaction pattern. Social Science Information, 43, 499–570.CrossRefGoogle Scholar Schimmack, U., Oishi, S., Diener, E., & Suh, E. (2000). Facets of affective experiences: A framework for investigations of trait affect. Personality and Social Psychology Bulletin,26, 655–668.CrossRefGoogle Scholar Schön, U. (2010). Recovery from severe mental illness, a gender perspective. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 24, 557–564.PubMedCrossRefGoogle Scholar Siegle, G. J., Steinhauer, S. R., Thase, M. E., Stenger, V. A., & Carter, C. S. (2002). Can’t shake that feeling: Event-related fMRI assessment of sustained amygdala activity in response to emotional information in depressed individuals. Biological Psychiatry, 51, 693–707.PubMedCrossRefGoogle Scholar Sonnemans, J., & Frijda, N. (1995). The determinants of subjective emotional intensity. Cognition and Emotion, 9, 483–506.CrossRefGoogle Scholar Tangney, J. P., & Dearing, R. L. (2002). Shame and guilt. New York: Guilford.Google Scholar Van Mechelen, I., Verduyn, P., & Brans, K. (2013). The duration of emotional episodes. In D. Hermans, B. Rimé, & B. Mesquita (Eds.), Changing emotions (pp. 174–180). London: Psychology Press.Google Scholar Verduyn, P., & Brans, K. (2012). The relationship between extraversion, neuroticism and aspects of trait affect. Personality and Individual Differences, 52, 664–669.CrossRefGoogle Scholar Verduyn, P., Delaveau, P., Rotgé, J. Y., Fossati, P., & Van Mechelen, I. (in press). Determinants of emotion duration and underlying psychological and neural mechanisms. Emotion Review.Google Scholar Verduyn, P., Delvaux, E., Van Coillie, H., Tuerlinckx, F., & Van Mechelen, I. (2009a). Predicting the duration of emotional experience: Two experience sampling studies. Emotion, 9, 83–91.PubMedCrossRefGoogle Scholar Verduyn, P., Van Mechelen, I., & Tuerlinckx, F. (2011). The relation between event processing and the duration of emotional experience. Emotion, 11, 20–28.PubMedCrossRefGoogle Scholar Verduyn, P., Van Mechelen, I., Tuerlinckx, F., Meers, K., & Van Coillie, H. (2009b). Intensity profiles of emotional experience over time. Cognition and Emotion, 23, 1427–1443.CrossRefGoogle Scholar Verduyn, P., Van Mechelen, I., Tuerlinckx, F., & Scherer, K. (2013). The relation between appraised mismatch and the duration of negative emotions: Evidence for universality. European Journal of Personality, 27, 481–494.Google Scholar Vytal, K., & Hamann, S. (2010). Neuroimaging support for discrete neural correlates of basic emotions: A voxel-based meta-analysis. Journal of Cognitive Neuroscience, 22, 2864–2885.PubMedCrossRefGoogle Scholar Copyright information © Springer Science+Business Media New York 2014 About this article CrossMark Cite this article as:Verduyn, P. & Lavrijsen, S. Motiv Emot (2015) 39: 119. https://doi.org/10.1007/s11031-014-9445-yDOIhttps://doi.org/10.1007/s11031-014-9445-y  Nome do editorSpringer US  Imprimir ISSN0146-7239 Online ISSN1573-6644
  6. SE ESTAMOS ABORRECIDOS PELO CONTEÚDO INTERNO NOSSO E POR NOSSAS AÇÕES, NOSSAS EXPERIENCIAS QUE FAZEMOS NO DIA A DIA, A RESPONSABILIDADE É SÓ NOSSA, NÃO PORQUE SOMOS CULPADOS, ERRADOS, MAS SIM PORQUE AS NOSSAS PREDIÇOES MENTAIS DO DIA A DIA, DEPENDE DO NOSSOS HÁBITOS DE PENSAMENTOS E SIGNIFICAÇÃO EMOCIONAL. E OS ÚNICOS QUE PODEM MUDAR ISTO? NÓS MESMOS
  7. O SER CONSCIENTE, É QUE NÃO SE CULPA, NÃO SE JUSTIFICA MAS APENAS SE TRANSFORMA. NA CENA DA MULHER ADULTERA JESUS PERGUNTA: MULHER, ONDE ESTÃO OS SEUS ACUSADORES? EU TAMBÉM NÃO TE ACUSO. VÁ E NÃO PEQUES MAIS... NEM CULPA, NEM JUSTIFICA, MAS TRANSFORMAÇÃO.
  8. Não alimente sentimentos como: mágoas, tristezas, raivas, rancores, ódios, etc. Troque-os pelo bom humor, pelo sorriso, pela serenidade, pois isso ajuda a renovar a energia. Pratique atividade física e faça exercício respiratório, se possível, diariamente. Não fique se queixando da vida ou criando dificuldades que não existem. Não se prenda ao ontem e nem queira viver o amanhã, antes de ele chegar. Não sofra por antecipação. EVITE SENTIMENTOS NEGATIVOS CULTIVE SENTIMENTOS POSITIVOS SAIA DA INÉRCIA PENSE POSITIVO VIVA O PRESENTE