SlideShare uma empresa Scribd logo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Portal 	A Wikipédia possui o:Portal de Filosofia[editar] [editar]O bulbo olfativo envia sinais eléticos ao cérebro que reconhece o cheiro e nesse momento temos uma sensação olfativa.[editar] Sensações gustativasPelo gosto, é possível saber se aprecia um determinado tipo de alimento ou não.Os recepteores do paladar detectam químicos dos alimento dissolvidos na saliva.Quando o químico do alimento é detectado pelos receptores este envia sinais ao cérebro que reconhece o paladar do alimento. Aí temos uma sensação gustativa.[editar] Sensações TactivasO sentido tacto está em toda a pele.Temos milhares de nervos na pele que, conforme a pressão que recai sobre ele, envia sinais ao cérebro e aí temos uma sensação tactiva.[editar] Sensações EspaciaisO sentido do equilíbrio tem a ver com a sensação de lateralidade, de em cima, em baixo. É responsável pela sensação de elevação, de queda. Um dos seus desvios é a tontura. Funciona a partir de um intrincado sistema de órgãos minúsculos existente no ouvido interno.SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOEMPIRISMOA sensação e a percepção são causadas por estímulos externos que agem sobre o nosso  sistema nervoso e que recebe uma resposta do nosso cérebro, voltando a percorrer o sistema nervoso até chegar aos nossos sentidos na forma de uma  sensação (cor, sabor,odoretc)
SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOEm epistemologia, a sensação é o impacto de um corpo exterior ao corpo de um animal no corpo do animal. Sensação é reação física do corpo ao mundo físico, sendo regida pelas leis da física, química, biologia, etc. que resulta na ativação das áreas primárias do córtex cerebral.Vivência simples, produzida pela ação de um estímulo (externo ou interno: luz, som, calor, etc.) sobre um órgão sensorial, transmitida ao cérebro através do sistema nervoso.Nosso organismo recebe constantemente um número infinito de estímulos (sensações), sendo que interpretamos somente os necessários. Os estímulos (sensações) recebidos serão iguais para todos, o que muda é a percepção.
A sensação é o que nos dá as qualidades exteriores e interiores, isto é, as qualidades dos objetos e os efeitos internos dessas qualidades sobre nós. Na sensação vemos, tocamos, sentimos ouvimos qualidades puras e diretas das coisas: cores, odores, sabores, texturas, sons, temperatura.Sentimos o quente e o frio, o doce e o amargo, o liso e o rugoso, o vermelho e o verde, etc. Sentimos também as qualidades internas, que se passam em nosso corpo ou em nossa mente pelo nosso contato com as coisas sensíveis: prazer, desprazer, dor, agrado, desagrado.
SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOEmbora por vezes se considere a sensação como o ponto de partida para a construção da experiência e do saber, ela não é, no entanto, um dado imediato da consciência: a sensação só se apresenta ao nosso espírito sob uma forma mais complexa, a forma de percepção. Apenas podemos falar de sensações nas percepções se as considerarmos em si mesmas, sem considerar o que significam.As sensações principais do nosso corpo são: visuais, auditivas, tactivas, gustativas e olfativas.
SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOSensações VisuaisO órgão sensorial que controla as nossas sensações visuais é o olho.Quando os nossos olhos captam raios de luz a imagem que está no nosso horizonte (digamos assim) é nítida na retina, de seguida a lente (cristalino) está logo atrás da pupila , dobra e foca a imagem que é depois enviada para a parte de trás do olho! A parte de trás do olho está formada por milhares de células. Esse forro chama-se retina, que registra a imagem e envia sinais ao cérebro via nervo óptico. Na retina há duas espécies de células sensíveis à luz, estas são os bastonetes e os cones. Alguns cones são sensíveis á luz vermelha, outros á verde e outros á cor azul. Depois de enviada a imagem ao cérebro , este a põe na posição correta e identifica o que estamos a ver. Aí temos uma sensação visual.
SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOSensações auditivasO nosso órgão sensorial que predomina nele as sensações auditivas é o ouvido.As vibrações ao qual chamamos de som, entra no nosso ouvido e faz o nosso tímpano vibrar. Este ao abanar faz vibrar três osso chamados ossículos (martelo, bigorna, estribo) que enviam as vibrações para a cóclea.A cóclea é um órgão cheio de água que detecta a frequência do som e envia-a ao cérebro.A parte do córtex cerebral responsável por a audição reconhece o som e aí temos uma sensação auditiva.Sensações olfativas
SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOSensações olfativasO órgão responsável pelo olfato e também uma parte do sistema respiratório é o nariz.As moléculas aromáticas (cheiros) são inaladas (misturadas no ar) pelo nariz, onde, um conjunto de várias células chamado de epitélio olfativo. Há prolongamentos das células receptoras que vão através da base do crânio para o bulbo olfativo.
SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOSensações TativasO sentido tacto está em toda a pele.Temos milhares de nervos na pele que, conforme a pressão que recai sobre ele, envia sinais ao cérebro e aí temos uma sensação tativaSensações gustativasPelo gosto, é possível saber se aprecia um determinado tipo de alimento ou não.Os receptores do paladar detectam químicos dos alimento dissolvidos na saliva.Quando o químico do alimento é detectado pelos receptores este envia sinais ao cérebro que reconhece o paladar do alimento. Aí temos uma sensação gustativa.
SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOPercepçãoPara um empirista, a sensação é pontual: um ponto  do objeto externo toca  um dos meus órgãos dos sentidos e faz um percurso no interior do meu corpo, indo ao cérebro e voltando às extremidades sensoriais. Cada sensação é independente das outras, cabendo à percepção unificá-las e organizá-las numa síntese.  A causa do conhecimento sensível é a coisa externa, de modo que a sensação e a percepção são efeitos passivos de uma atividade dos corpos exteriores sobre o nosso corpo Sensação
SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOINTELECTUALISTASPercepçãoEmpiristas e intelectualistas, apesar das diferenças concordavam num aspecto: julgavam que a sensação era uma relação de causa e efeito entre pontos das coisas e pontos de nosso corpo. As coisas seriam como mosaicos de qualidades isoladas justapostas e nosso aparelho sensorial também seria um mosaico de receptores isolados e justapostos. Por isso a percepção era considerada a atividade que somava ou juntava as partes numa síntese que seria o objeto percebido Para os intectualistas a sensação e a percepção  dependem do sujeito do conhecimento, e a coisa externa é apenas a ocasião para eu tenhamos  a sensação ou a percepção. Nesse caso, o sujeito é ativo e a coisa externa é passiva, ou seja, sentir e perceber são fenômenos que dependem da capacidade do sujeito para decompor um objeto em suas qualidades simples(a sensação) e recompô-los como um todo, dando-lhe organização e significação (a percepção) Sensação
apresentaÇÃO produzido por scribabrAcesse scriba http://escriabbr.blogspot.comMSN: scribabr@hotmail.comFontes Textos: wikipédia.orgIniciação a Filosofia, CHAUI, Marilena, Ensino médio, volume único. Imagens: Google imagem  PROFESSOR: ISAIAS ALMEIDAAgradeço desde já pelos comentáriosSe você é um aluno deixe seu comentário ou dúvidaSe você é um colega professor vamos compartilhar experiências e informações

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
Bruno Carrasco
 
Slide fenomenologia
Slide fenomenologiaSlide fenomenologia
Slide fenomenologia
Jorge Dutra
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
Adriane Fernandes
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
rodrigomagarinus
 
Saude Mental e Espiritualidade
Saude Mental e EspiritualidadeSaude Mental e Espiritualidade
Saude Mental e Espiritualidade
FABRICIO HENRIQUE ALVES DE OLIVEIRA E OLIVEIRA
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Caio Maximino
 
A evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológicaA evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológica
GLEYDSON ROCHA
 
Percepção - Psicologia
Percepção - PsicologiaPercepção - Psicologia
Percepção - Psicologia
Saul Marques da Silva
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Id.Ego.Super
Id.Ego.SuperId.Ego.Super
Id.Ego.Super
Camila Munari
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
norberto faria
 
fenomenologia husserl
fenomenologia husserlfenomenologia husserl
fenomenologia husserl
Maria Luiza Trindade
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
psicologiaazambuja
 
Freud
FreudFreud
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
Italo Colares
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
psicologiaisecensa
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Ludmila Moura
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Roney Gusmão
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
09108303
 

Mais procurados (20)

Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Slide fenomenologia
Slide fenomenologiaSlide fenomenologia
Slide fenomenologia
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
 
Saude Mental e Espiritualidade
Saude Mental e EspiritualidadeSaude Mental e Espiritualidade
Saude Mental e Espiritualidade
 
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicosIntrodução ao estudo dos processos psicológicos básicos
Introdução ao estudo dos processos psicológicos básicos
 
A evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológicaA evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológica
 
Percepção - Psicologia
Percepção - PsicologiaPercepção - Psicologia
Percepção - Psicologia
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Id.Ego.Super
Id.Ego.SuperId.Ego.Super
Id.Ego.Super
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
fenomenologia husserl
fenomenologia husserlfenomenologia husserl
fenomenologia husserl
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Freud
FreudFreud
Freud
 
Conhecimento científico
Conhecimento científicoConhecimento científico
Conhecimento científico
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 

Destaque

Sensação, percepção e razão
Sensação, percepção e razãoSensação, percepção e razão
Sensação, percepção e razão
Alexandre Misturini
 
Psicopatia E Mídia
Psicopatia E  MídiaPsicopatia E  Mídia
Psicopatia E Mídia
Renato Moura
 
Processos superiores de organização perceptual
Processos superiores de organização perceptualProcessos superiores de organização perceptual
Processos superiores de organização perceptual
vaccilla
 
Técnicas de investigação da personalidade tip
Técnicas de investigação da personalidade tipTécnicas de investigação da personalidade tip
Técnicas de investigação da personalidade tip
Patricia Ruiz
 
Percepção e pensamento
Percepção e pensamentoPercepção e pensamento
Percepção e pensamento
Robson Santos
 
Aula10 editoracao eletronica
Aula10 editoracao eletronicaAula10 editoracao eletronica
Aula10 editoracao eletronica
IBMR Laureate International Universities
 
Teoria da forma
Teoria da formaTeoria da forma
Teoria da forma
lucianosilva00
 
Técnicas de investigação de personalidade Rorschach
Técnicas de investigação de personalidade RorschachTécnicas de investigação de personalidade Rorschach
Técnicas de investigação de personalidade Rorschach
Patricia Ruiz
 
1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
brelua
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Silvio Custódio Souza Júnior
 
1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo
mari2010
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
guest277152fb
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
Claudio Toldo
 
Barreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoBarreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicação
Leonor Alves
 
Barreiras a comunicação
Barreiras a comunicaçãoBarreiras a comunicação
Barreiras a comunicação
Martinha Vilaça
 
Slides comunicação
Slides comunicaçãoSlides comunicação
Slides comunicação
ciro79
 
Comunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De ComunicaçãoComunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De Comunicação
Adm Pub
 
Comunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoComunicação apresentação
Comunicação apresentação
Cassia Dias
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
Elizabeth Vicente da Silva
 
Processos de comunicação
Processos de comunicaçãoProcessos de comunicação
Processos de comunicação
Carina Duarte
 

Destaque (20)

Sensação, percepção e razão
Sensação, percepção e razãoSensação, percepção e razão
Sensação, percepção e razão
 
Psicopatia E Mídia
Psicopatia E  MídiaPsicopatia E  Mídia
Psicopatia E Mídia
 
Processos superiores de organização perceptual
Processos superiores de organização perceptualProcessos superiores de organização perceptual
Processos superiores de organização perceptual
 
Técnicas de investigação da personalidade tip
Técnicas de investigação da personalidade tipTécnicas de investigação da personalidade tip
Técnicas de investigação da personalidade tip
 
Percepção e pensamento
Percepção e pensamentoPercepção e pensamento
Percepção e pensamento
 
Aula10 editoracao eletronica
Aula10 editoracao eletronicaAula10 editoracao eletronica
Aula10 editoracao eletronica
 
Teoria da forma
Teoria da formaTeoria da forma
Teoria da forma
 
Técnicas de investigação de personalidade Rorschach
Técnicas de investigação de personalidade RorschachTécnicas de investigação de personalidade Rorschach
Técnicas de investigação de personalidade Rorschach
 
1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
 
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupoTeoria e técnica de dinâmica de grupo
Teoria e técnica de dinâmica de grupo
 
1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo1. DinâMica De Grupo
1. DinâMica De Grupo
 
Teorias da psicologia
Teorias da  psicologiaTeorias da  psicologia
Teorias da psicologia
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Barreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicaçãoBarreiras ao processo de comunicação
Barreiras ao processo de comunicação
 
Barreiras a comunicação
Barreiras a comunicaçãoBarreiras a comunicação
Barreiras a comunicação
 
Slides comunicação
Slides comunicaçãoSlides comunicação
Slides comunicação
 
Comunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De ComunicaçãoComunicação: O Processo De Comunicação
Comunicação: O Processo De Comunicação
 
Comunicação apresentação
Comunicação apresentaçãoComunicação apresentação
Comunicação apresentação
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Processos de comunicação
Processos de comunicaçãoProcessos de comunicação
Processos de comunicação
 

Semelhante a Sensação.percep

Aulasenacbh
AulasenacbhAulasenacbh
Aulasenacbh
Anderson Silva
 
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxSEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
XaynulMazive
 
Sistemasensorial 130627135240-phpapp01
Sistemasensorial 130627135240-phpapp01Sistemasensorial 130627135240-phpapp01
Sistemasensorial 130627135240-phpapp01
Gabriel Dias
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
Fernando Graeff
 
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdfRADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
Raissaalves67
 
sistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdfsistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdf
ThulioEwerton1
 
Caracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicosCaracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicos
Learn English
 
Trabalho de fisiologia
Trabalho de  fisiologiaTrabalho de  fisiologia
Trabalho de fisiologia
Walquiria Silva
 
Sentidos
SentidosSentidos
ProcessosPsicBasicos.ppt
ProcessosPsicBasicos.pptProcessosPsicBasicos.ppt
ProcessosPsicBasicos.ppt
Paulo Pedro P. R. Costa
 
Sentidos
SentidosSentidos
Apresentação de ciências
Apresentação de ciênciasApresentação de ciências
Apresentação de ciências
Reinaldo Baptista De Oliveira
 
Sentidos paladar
Sentidos paladarSentidos paladar
Sentidos paladar
Profissão Professor
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
ClaudiaFael1
 
percepçao estudos da percepçao e sensaçao
percepçao estudos da percepçao e sensaçaopercepçao estudos da percepçao e sensaçao
percepçao estudos da percepçao e sensaçao
kadrikasecomerce
 
O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007
Rolando Almeida
 
SLIDE OS SENTIDOS.pdf
SLIDE OS SENTIDOS.pdfSLIDE OS SENTIDOS.pdf
SLIDE OS SENTIDOS.pdf
JoyceSouza875857
 
sodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptxsodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptx
AdrianaMeiado2
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
phillipemaues
 
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriaisSentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
julianaalkamin2
 

Semelhante a Sensação.percep (20)

Aulasenacbh
AulasenacbhAulasenacbh
Aulasenacbh
 
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxSEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
 
Sistemasensorial 130627135240-phpapp01
Sistemasensorial 130627135240-phpapp01Sistemasensorial 130627135240-phpapp01
Sistemasensorial 130627135240-phpapp01
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdfRADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
 
sistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdfsistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdf
 
Caracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicosCaracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicos
 
Trabalho de fisiologia
Trabalho de  fisiologiaTrabalho de  fisiologia
Trabalho de fisiologia
 
Sentidos
SentidosSentidos
Sentidos
 
ProcessosPsicBasicos.ppt
ProcessosPsicBasicos.pptProcessosPsicBasicos.ppt
ProcessosPsicBasicos.ppt
 
Sentidos
SentidosSentidos
Sentidos
 
Apresentação de ciências
Apresentação de ciênciasApresentação de ciências
Apresentação de ciências
 
Sentidos paladar
Sentidos paladarSentidos paladar
Sentidos paladar
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
 
percepçao estudos da percepçao e sensaçao
percepçao estudos da percepçao e sensaçaopercepçao estudos da percepçao e sensaçao
percepçao estudos da percepçao e sensaçao
 
O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007O Processo Perceptivo 93 2007
O Processo Perceptivo 93 2007
 
SLIDE OS SENTIDOS.pdf
SLIDE OS SENTIDOS.pdfSLIDE OS SENTIDOS.pdf
SLIDE OS SENTIDOS.pdf
 
sodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptxsodapdf-converted.pptx
sodapdf-converted.pptx
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriaisSentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
 

Mais de Scriba Digital

Astecas
AstecasAstecas
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
Scriba Digital
 
CENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
CENEBVC - A Violênica na Sociedade ContemporâneaCENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
CENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
Scriba Digital
 
Cruzadas.final
Cruzadas.finalCruzadas.final
Cruzadas.final
Scriba Digital
 
Ceneb.tal
Ceneb.talCeneb.tal
Ceneb.tal
Scriba Digital
 
Evolucao.humana
Evolucao.humanaEvolucao.humana
Evolucao.humana
Scriba Digital
 
Evolucao.humana
Evolucao.humanaEvolucao.humana
Evolucao.humana
Scriba Digital
 
Art pop
Art popArt pop
Gotico
GoticoGotico
Guerradostronos
GuerradostronosGuerradostronos
Guerradostronos
Scriba Digital
 
O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
Scriba Digital
 
Gestalt
GestaltGestalt
Resnascimento
ResnascimentoResnascimento
Resnascimento
Scriba Digital
 
Pinturamedieval
PinturamedievalPinturamedieval
Pinturamedieval
Scriba Digital
 
Pinturamedieval
PinturamedievalPinturamedieval
Pinturamedieval
Scriba Digital
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
Scriba Digital
 
As alianças pt2
As alianças pt2As alianças pt2
As alianças pt2
Scriba Digital
 
As alianças na primeira guerra mundial
As alianças na primeira guerra mundialAs alianças na primeira guerra mundial
As alianças na primeira guerra mundial
Scriba Digital
 
1guera
1guera1guera
China
ChinaChina

Mais de Scriba Digital (20)

Astecas
AstecasAstecas
Astecas
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
CENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
CENEBVC - A Violênica na Sociedade ContemporâneaCENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
CENEBVC - A Violênica na Sociedade Contemporânea
 
Cruzadas.final
Cruzadas.finalCruzadas.final
Cruzadas.final
 
Ceneb.tal
Ceneb.talCeneb.tal
Ceneb.tal
 
Evolucao.humana
Evolucao.humanaEvolucao.humana
Evolucao.humana
 
Evolucao.humana
Evolucao.humanaEvolucao.humana
Evolucao.humana
 
Art pop
Art popArt pop
Art pop
 
Gotico
GoticoGotico
Gotico
 
Guerradostronos
GuerradostronosGuerradostronos
Guerradostronos
 
O movimento operário
O movimento operárioO movimento operário
O movimento operário
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Resnascimento
ResnascimentoResnascimento
Resnascimento
 
Pinturamedieval
PinturamedievalPinturamedieval
Pinturamedieval
 
Pinturamedieval
PinturamedievalPinturamedieval
Pinturamedieval
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
As alianças pt2
As alianças pt2As alianças pt2
As alianças pt2
 
As alianças na primeira guerra mundial
As alianças na primeira guerra mundialAs alianças na primeira guerra mundial
As alianças na primeira guerra mundial
 
1guera
1guera1guera
1guera
 
China
ChinaChina
China
 

Sensação.percep

  • 1. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Portal A Wikipédia possui o:Portal de Filosofia[editar] [editar]O bulbo olfativo envia sinais eléticos ao cérebro que reconhece o cheiro e nesse momento temos uma sensação olfativa.[editar] Sensações gustativasPelo gosto, é possível saber se aprecia um determinado tipo de alimento ou não.Os recepteores do paladar detectam químicos dos alimento dissolvidos na saliva.Quando o químico do alimento é detectado pelos receptores este envia sinais ao cérebro que reconhece o paladar do alimento. Aí temos uma sensação gustativa.[editar] Sensações TactivasO sentido tacto está em toda a pele.Temos milhares de nervos na pele que, conforme a pressão que recai sobre ele, envia sinais ao cérebro e aí temos uma sensação tactiva.[editar] Sensações EspaciaisO sentido do equilíbrio tem a ver com a sensação de lateralidade, de em cima, em baixo. É responsável pela sensação de elevação, de queda. Um dos seus desvios é a tontura. Funciona a partir de um intrincado sistema de órgãos minúsculos existente no ouvido interno.SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOEMPIRISMOA sensação e a percepção são causadas por estímulos externos que agem sobre o nosso sistema nervoso e que recebe uma resposta do nosso cérebro, voltando a percorrer o sistema nervoso até chegar aos nossos sentidos na forma de uma sensação (cor, sabor,odoretc)
  • 2. SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOEm epistemologia, a sensação é o impacto de um corpo exterior ao corpo de um animal no corpo do animal. Sensação é reação física do corpo ao mundo físico, sendo regida pelas leis da física, química, biologia, etc. que resulta na ativação das áreas primárias do córtex cerebral.Vivência simples, produzida pela ação de um estímulo (externo ou interno: luz, som, calor, etc.) sobre um órgão sensorial, transmitida ao cérebro através do sistema nervoso.Nosso organismo recebe constantemente um número infinito de estímulos (sensações), sendo que interpretamos somente os necessários. Os estímulos (sensações) recebidos serão iguais para todos, o que muda é a percepção.
  • 3. A sensação é o que nos dá as qualidades exteriores e interiores, isto é, as qualidades dos objetos e os efeitos internos dessas qualidades sobre nós. Na sensação vemos, tocamos, sentimos ouvimos qualidades puras e diretas das coisas: cores, odores, sabores, texturas, sons, temperatura.Sentimos o quente e o frio, o doce e o amargo, o liso e o rugoso, o vermelho e o verde, etc. Sentimos também as qualidades internas, que se passam em nosso corpo ou em nossa mente pelo nosso contato com as coisas sensíveis: prazer, desprazer, dor, agrado, desagrado.
  • 4. SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOEmbora por vezes se considere a sensação como o ponto de partida para a construção da experiência e do saber, ela não é, no entanto, um dado imediato da consciência: a sensação só se apresenta ao nosso espírito sob uma forma mais complexa, a forma de percepção. Apenas podemos falar de sensações nas percepções se as considerarmos em si mesmas, sem considerar o que significam.As sensações principais do nosso corpo são: visuais, auditivas, tactivas, gustativas e olfativas.
  • 5. SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOSensações VisuaisO órgão sensorial que controla as nossas sensações visuais é o olho.Quando os nossos olhos captam raios de luz a imagem que está no nosso horizonte (digamos assim) é nítida na retina, de seguida a lente (cristalino) está logo atrás da pupila , dobra e foca a imagem que é depois enviada para a parte de trás do olho! A parte de trás do olho está formada por milhares de células. Esse forro chama-se retina, que registra a imagem e envia sinais ao cérebro via nervo óptico. Na retina há duas espécies de células sensíveis à luz, estas são os bastonetes e os cones. Alguns cones são sensíveis á luz vermelha, outros á verde e outros á cor azul. Depois de enviada a imagem ao cérebro , este a põe na posição correta e identifica o que estamos a ver. Aí temos uma sensação visual.
  • 6. SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOSensações auditivasO nosso órgão sensorial que predomina nele as sensações auditivas é o ouvido.As vibrações ao qual chamamos de som, entra no nosso ouvido e faz o nosso tímpano vibrar. Este ao abanar faz vibrar três osso chamados ossículos (martelo, bigorna, estribo) que enviam as vibrações para a cóclea.A cóclea é um órgão cheio de água que detecta a frequência do som e envia-a ao cérebro.A parte do córtex cerebral responsável por a audição reconhece o som e aí temos uma sensação auditiva.Sensações olfativas
  • 7. SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOSensações olfativasO órgão responsável pelo olfato e também uma parte do sistema respiratório é o nariz.As moléculas aromáticas (cheiros) são inaladas (misturadas no ar) pelo nariz, onde, um conjunto de várias células chamado de epitélio olfativo. Há prolongamentos das células receptoras que vão através da base do crânio para o bulbo olfativo.
  • 8. SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOSensações TativasO sentido tacto está em toda a pele.Temos milhares de nervos na pele que, conforme a pressão que recai sobre ele, envia sinais ao cérebro e aí temos uma sensação tativaSensações gustativasPelo gosto, é possível saber se aprecia um determinado tipo de alimento ou não.Os receptores do paladar detectam químicos dos alimento dissolvidos na saliva.Quando o químico do alimento é detectado pelos receptores este envia sinais ao cérebro que reconhece o paladar do alimento. Aí temos uma sensação gustativa.
  • 9. SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOPercepçãoPara um empirista, a sensação é pontual: um ponto do objeto externo toca um dos meus órgãos dos sentidos e faz um percurso no interior do meu corpo, indo ao cérebro e voltando às extremidades sensoriais. Cada sensação é independente das outras, cabendo à percepção unificá-las e organizá-las numa síntese. A causa do conhecimento sensível é a coisa externa, de modo que a sensação e a percepção são efeitos passivos de uma atividade dos corpos exteriores sobre o nosso corpo Sensação
  • 10. SENSAÇÃO, PERCEPÇÃOINTELECTUALISTASPercepçãoEmpiristas e intelectualistas, apesar das diferenças concordavam num aspecto: julgavam que a sensação era uma relação de causa e efeito entre pontos das coisas e pontos de nosso corpo. As coisas seriam como mosaicos de qualidades isoladas justapostas e nosso aparelho sensorial também seria um mosaico de receptores isolados e justapostos. Por isso a percepção era considerada a atividade que somava ou juntava as partes numa síntese que seria o objeto percebido Para os intectualistas a sensação e a percepção dependem do sujeito do conhecimento, e a coisa externa é apenas a ocasião para eu tenhamos a sensação ou a percepção. Nesse caso, o sujeito é ativo e a coisa externa é passiva, ou seja, sentir e perceber são fenômenos que dependem da capacidade do sujeito para decompor um objeto em suas qualidades simples(a sensação) e recompô-los como um todo, dando-lhe organização e significação (a percepção) Sensação
  • 11. apresentaÇÃO produzido por scribabrAcesse scriba http://escriabbr.blogspot.comMSN: scribabr@hotmail.comFontes Textos: wikipédia.orgIniciação a Filosofia, CHAUI, Marilena, Ensino médio, volume único. Imagens: Google imagem PROFESSOR: ISAIAS ALMEIDAAgradeço desde já pelos comentáriosSe você é um aluno deixe seu comentário ou dúvidaSe você é um colega professor vamos compartilhar experiências e informações