SlideShare uma empresa Scribd logo
AS FORÇAS ARMADAS TÊM O DEVER SAGRADO DE IMPEDIR,
A QUALQUER CUSTO, A IMPLANTAÇÃO DO COMUNISMO NO BRASIL.
BELO HORIZONTE, 27 DE JUNHO DE 2019 - ANO XXV - Nº 265
Site: www.jornalinconfidencia.com.br
E-mail: jornal@jornalinconfidencia.com.br
“A clonagem do telefone do ministro Sérgio Moro é apenas um
episódio a mais na única disputa de verdade que existe hoje no
Brasil: a guerra para derrubar Moro, liquidar a Lava Jato, soltar
Lula, sabotar o governo e devolver o país aos ladrões - centrão,
PT, empreiteiras. Só isso.”
INTERVENÇÃO MILITAR, JÁ!
A solução para salvar o Brasil está aqui!
PÁGINAS 14/15
PÁGINA 4
PÁGINA 5 PÁGINA 9
PÁGINA 4
CINQUENTA E UM ANOS!
E A FERA FORA DA JAULA!
OS FINS JUSTIFICAM
OS MEIOS
FORO DE
SÃO PAULO
VISITA DO GRUPO /JORNAL INCONFIDÊNCIA
AO GENERAL COMANDANTE DA
4ª REGIÃO MILITAR
O Comandante da 4ª Região Militar,
“Região das Minas do Ouro”, General de Divisão
Altair José Polsin, convida para a solenidade
em comemoração ao aniversário de
128 anos de criação da 4ª Região Militar.
Data: 5 de julho às 10h
Local: Comando da 4ª Região Militar
(Av. Raja Gabaglia, 450 - Gutierrez)
Uniforme: 9ºB2 ou correspondente (Militares)
Esporte Fino (Civil)
REPÚBLICA DOS
VELHACOS
Na tarde de 14 de junho, 6ª feira, o presidente do Grupo Inconfidência,
cel Reynaldo De Biasi Silva Rocha e o Editor deste jornal, cel Carlos
Claudio Miguez, fizeram uma visita de cortesia ao novo Comandante da
4ª Região Militar, general de Divisão Altair José Polsin. Além de desejar
boas vindas e um feliz Comando, o presentearam com os livros “Médici
– a Verdadeira História” e “O 4º Grupo de Artilharia 75 a Cavalo”
(foto acima), como também com as revistas Históricas “O Cruzeiro” e
“Manchete” de 31 de março de 1964 e as 3 últimas edições históricas
do Inconfidência, relativas a 31 de março de 1964, Duque de Caxias e
Intentona Comunista de 1935. O general Polsin agradeceu a atenção,
seguindo-se uma conversa sobre os recentes acontecimentos, com a
presença do Chefe da 5ª Seção, major Aristóteles Prestes dos Santos Junior.
FENART - FESTA NACIONAL
DA ARTILHARIA/2019Foto: Itamar Aguiar/Palácio Piratini
IX ENCONTRO DO
JORNAL INCONFIDÊNCIA
Será realizado a 08 de julho, 2ª feira, às 14:30 horas, no
Salão Cristal do Clube Militar/Sede Lagoa, o IX Encontro
dos articulistas e colaboradores do Jornal Inconfidência.
PÁGINA 23
PÁGINA 26
Com a presença do presidente Bolsonaro, acompanhado do vice-presidente general
Mourão e do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, foi festejado no
Regimento Mallet, em Santa Maria/RS, o Dia da Artilharia
8Nº 265 - Junho/2019 22
MARCO ANTÔNIO FELÍCIO
General de Brigada - PhD em Ciência Política e Estratégia
marco.felicio@yahoo.com
OTempo23/06
Aida do Ministro Moro ao Senado
e suas firmes respostas às indaga-
ções quanto às suas decisões na Lava
Jato, supostamente, caracterizadas co-
mo parciais por meio de documentos,
criminosamente vazados, contendo con-
versas entre Ele e o Procurador Deltan
Dallagnol, o tornaram mais forte diante
da orquestração pela oposição, coman-
dada pelo PT, no sentido de desmoralizá-
lo bem como a Lava Jato e o governo
Bolsonaro.
Entretanto, quem saiu desmorali-
zada foi a oposição.
Mostrou-se, Moro, inocente de
qualquer acusação. Enfatizou o crimi-
noso vazamento e, também, a necessi-
dade de se provar a autenticidade dos
documentos publicados e a ausência,
nesses, de alterações do conteúdo. Afir-
mou que os vazamentos já conhecidos,
embora fora de um contexto maior, bus-
cando sensacionalismo, não apontam
qualquer irregularidade de sua parte e
do Procurador Deltan Dallagnol ou de
outros.
Com pá de cal, enterrou a acusa-
ção de ter sido Juiz parcial, ao mostrar,
com números efetivos, o resultado do
seu trabalho à frente da Lava Jato: Das
90 denúncias apresentadas pelo Minis-
tério Público Federal (MPF), no decor-
rer da operação Lava Jato, 45 delas fo-
ram sentenciadas. O MPF recorreu em
44. “Falou-se muito em conluio, mas
aqui há indicativo de que este não ocor-
reu de fato". Expôs, também, estatísti-
cas das prisões cautelares. Foram 298
QUANTO PIOR, MELHOR.
QUE SE DANE A NAÇÃO!
“Contribuir para a defesa da Democracia e da liberdade, traduzindo um País com projeção de poder e soberano, deve ser o nosso NORTE!
requerimentos, seja para prisão preven-
tiva ou temporária, com 207 deferimen-
tos e 91 indeferimentos, o que demons-
tra que não existiu qualquer conlúio
entre MPF e juízo necessariamente."
Dos 40 senadores presentes, ob-
teve o apoio de 28 deles. Os demais, do
PT e oposição, sem argumentação plau-
sível, agressivos e sem ética,
sem sucesso. Alguns foram
repelidos pela pessoa do Mi-
nistro. Visavam, a todo cus-
to, cegos da realidade, diante
de milhões de brasileiros, a
condenação de Moro e a li-
bertação do bandido Lula.
Um deles, a própria ig-
norância em pessoa, afirmou que a Lava
Jato destruiu o Estado Social que Lula
e o PT criaram, levando o País à falên-
cia. Outro, idiotizado, tentou acusar a
Sra. Moro de participação em escritório
de advocacia para vantagens pessoais,
algo jamais existente. Um terceiro pro-
pugnou pela condenação de Moro, li-
bertação de Lula e anulação de proces-
sos. Somente faltou defender a devolu-
ção do dinheiro roubado e indenização
para o tempo de prisão dos corruptos.
Tendo em vista o acima, surge uma
série de indícios conexos, entre eles a
participação direta, no ocorido em tela,
de envolvidos, internacionalmente, em
hackeamentos e vazamentos de docu-
mentos confidenciais do governo esta-
duniense USA), como o jornalista e mi-
litante Glen Greenwald, criador do site
Intercept Brazil, que vem publicando
os documentos ilegais.
É casado com o militante LGBT
David Miranda, este já tendo sido pre-
so na Inglaterra conduzindo milhares
de documentos hackeados e vazados
do governo USA, deputado federal em
vaga, supostamente comprada, de Jean
Wyllys, ex deputado pelo PSOL-RJ e,
agora, vivendo na Ingla-
terra. Todos com larga con-
vivência com os líderes do
PT e favoráveis à liberta-
ção de Lula.
Há que acrescer que
o PT tem larga experiência
na manipulação ilegal dos
meios virtuais, sob diver-
sas formas, desde 2008, tendo criado
organização para tal desiderato a partir
de 2011.
Inacreditavelmente, a cada dia, o
MAV conversa com a população, reali-
zando lavagem cerebral e impregnando
psicologicamente centenas de mentes.
Utiliza-se de grande número de hackers
e de fanáticos ideologiza-
dos, pagos ou não. Os coor-
denadores/MAV exigem que
os militantes tenham perfis,
em diversos locais, de acor-
do com o perfil e discurso
do alvo representado.
Diversas ações, inclu-
so hackeamento, são reali-
zadas pelos militantes vir-
tuais no twitter, facebook,
Orkut, emails, instagran, si-
tes e blogs.
O objetivo é manter ampla gama
de perfis que apoiem um ator, ou vários
outros, em diferentes comunidades tor-
nando-os atraentes à população.
Desde que chegou ao poder, o PT
tentou censurar, para melhor controlar,
a Imprensa, facilitando a ação do MAV.
Propôs a criação do Conselho Federal
de Jornalismo e a de mecanismos de
restrição à liberdade de pensamento no
III Plano Nacional de Direitos Huma-
nos.
Na Internet, no jornalismo impres-
so e também na TV e rádio, o PT cooptou
ex-jornalistas, pagos regiamente para
agredir a oposição e a própria Imprensa
contrária. Tentam desacreditá-la para
dar, então, relevo às “verdades” do par-
tido.
Será que o ataque a Moro, à Jus-
tiça e ao governo como um todo não
terá a participação do MAV ? Até quan-
do sujeitaremos a Nação a tal oposição
imoral do “Quanto pior melhor. Que se
dane a Nação!”
Até quando
sujeitaremos
a Nação
Brasileira a
tal oposição
imoral?
A FARSA DO ESCÂNDALO
Afarsa do "escândalo" causado pelo
vazamento das conversas entre o
então juiz Sérgio Moro e o procurador
da República Deltan Dallagnol nos traz
algumas lições importantes.
A primeira é que ainda há, efetiva-
mente, um Brasil do atraso, atuan-
do como um bandido velho e de-
crépito, que reage desesperada-
mente com todas as suas energias,
contra as forças das mudanças,
tão desejadas pela imensa maioria
da nossa população.
A segunda é que já decorri-
dos cinco anos da primeira fase da
Operação Lava Jato, e depois de
duas eleições para o Congresso
Nacional, o nosso Parlamento apa-
rentemente não passou pela reno-
vação política que a sociedade bra-
sileira tanto almejava e necessita-
va.
A terceira é que o jogo jogado pe-
las velhas oligarquias – e os partidos
políticos que as sustentam – não têm
limites éticos nem freios para o enfren-
tamento da (talvez) última batalha con-
tra a onda de moralidade que vem var-
rendo suas bases. Os atores dessa de-
linquência institucionalizada são capa-
zes de se associarem ao underground
da espionagem internacional, de bus-
carem apoio em potências estrangeiras,
e em toda sorte de gangsterismo e mer-
*Jorge Pontes
cenarismo periféricos.
Não há fundo nesse poço chama-
do velha política brasileira.
A quarta, e mais triste de todas, é
que alguns ministros do Supremo Tri-
bunal Federal parecem estar dispostos
a concorrer para que essas forças do
atraso prevaleçam. Aparentemente não
conseguem se livrar da influência da-
quelas lideranças políticas que os indi-
caram para as suas respectivas cadei-
ras. Parecem não se importarem em fun-
cionar como guardiões do retrocesso.
A verdade é que nunca estivemos
tão perto de começar um processo efi-
caz para a desconstrução do edifício do
crime institucionalizado, que é capita-
neado por grande parte dessa elite po-
lítica anacrônica. E é sabido que a pre-
sença de Sérgio Moro no Ministério da
Justiça e Segurança Pública será ins-
trumental para que tal processo avan-
ce.
Tudo o que se deseja com a ce-
leuma causada pelo vazamento crimi-
noso desses diálogos
(absolutamente corri-
queiros e que não en-
cerram nenhuma irre-
gularidade) é travar o
avanço da onda trazida
pela operação de Curi-
tiba.
Os objetivos são
claros: retirar o minis-
tro Moro de sua cadei-
ra, enterrar o seu paco-
te anticrime, torpedear
sua indicação para o
STF e, dessa forma, fa-
zer a roubalheira voltar ao estágio pré-
Lava Jato, obviamente com a absolvi-
ção e soltura de todos os políticos in-
criminados nos processos criminais jul-
gados por Sérgio Moro.
Com tudo isso, percebemos que a
reforma a ser operada com o pacote an-
ticrime é ainda mais relevante do que a
reforma da previdência, pois a primeira
viabilizaria o início de um processo que
nos levaria, mais adiante, a um ambiente
político e de negócios livre da corrupção
desenfreada das últimas duas décadas.
A reforma proposta pelo pacote
anticrime do ministro Sergio Moro deve
preceder ou, no mínimo, ser operada em
concomitância com a reforma proposta
pelo ministro Paulo Guedes. São dois
pilares necessários para o Brasil seguir
em frente e se desenvolver. Não pode-
mos imaginar a economia do país sa-
neada, gerando enormes superávits,
com centenas de bilhões de Reais inje-
tados em investimentos de infraestru-
tura, e a velha política pilotando os mes-
mos esquemas da delinquência insti-
tucionalizada que nos levaram a crise
atual. Estaríamos assim promovendo
uma reforma para enriquecer ainda mais
essa mesma elite política criminosa que
nos sequestrou.
As conquistas da Lava Jato nun-
ca correram um risco tão grande. Essa
talvez seja a última das reações dos
operadores do crime institucionalizado
contra os desejos da sociedade, mas
talvez seja a mais forte de todas, pois
dela advirá um verdadeiro concerto de
contra medidas e ataques. Vão aprovei-
tar para rever a prisão após sentença de
segunda instância e para travar o paco-
te anticrime, entre outros expedientes
escusos. A hora é da sociedade estar
mais atenta do que nunca.
*Delegado de Polícia Federal
e foi Diretor da Interpol.
Nº 265 - Junho/2019 33
JORNAL INCONFIDÊNCIA
Ao longo de 264 edições mensais (25 anos), o Jornal Inconfidência foi sempre
um baluarte da democracia, fazendo frente à filosofia do "politicamente
correto" que, a pouco e pouco, minava os mais caros valores da sociedade brasileira.
Hoje, quando a internet traz informações de todo o mundo num piscar de
olhos, quando os jornais da chamada grande imprensa lutam pela sobrevivência,
quando boa parte das notícias de hoje são logo substituídas pelas que serão
manchetes amanhã, uma publicação como o Inconfidência, que busca transmitir
ideias, ideais e valores, está perdendo espaços duramente conquistados.
Cabe, a cada um de nós, evitar que tal venha a acontecer. Se você acredita
que não podemos ceder terreno às forças da dissolução moral do País, faça uma
assinatura do Jornal Inconfidência.
Este o apelo que faço. Obrigado por ajudar a manutenção de posições tão
duramente conquistadas. (11/06)
CARTA AO PRESIDENTE
JAIR BOLSONARO
CEL OSMAR JOSÉ DE BARROS RIBEIRO
Maringá/PR
Por que a autoridade policial limita-
se a assistir a prática do crime, quan-
do deveria intervir para impedir a con-
tinuação e teria a obrigação de prender
em flagrante todos os partícipes e man-
dantes?
Refiro-me as manifestações que
estão impedindo, hoje, 14/06/2019, o fun-
cionamento do transporte público.
Não estou inventando a regra.
Está no Código Penal em vigor:
“Atentado contra a segurança
de outro meio de transporte”.
Art. 262 - Expor a perigo outro
meio de transporte público, impedir-lhe
ou dificultar-lhe o funcionamento:
Pena - detenção, de um a dois anos.
§ 1º - Se do fato resulta desastre, a
pena é de reclusão, de dois a cinco anos.
§ 2º - No caso de culpa, se ocorre
desastre:
Pena - detenção, de três meses a um
ano.
Forma qualificada
Art. 263 - Se de qualquer dos cri-
mes previstos nos arts. 260 a 262, no
caso de desastre ou sinistro, resulta le-
são corporal ou morte, aplica-se o dis-
posto no art. 258."
NINGUÉM INTERFERE NO CRIME
A POLÍCIA NÃO PRENDE* Lúcio Wandeck
Etemmais:
Prevaricação
Art. 319 - Retardar ou deixar de
praticar, indevidamente, ato de ofício,
ou praticá-lo contra disposição expres-
sa de lei, para satisfazer interesse ou
sentimento pessoal:
Pena - detenção, de três meses a
um ano, e multa.
Art. 319-A. Deixar o Diretor de
Penitenciária e/ou agente público, de
cumprir seu dever de vedar ao preso o
acesso a aparelho telefônico, de rádio
ou similar, que permita a comunicação
com outros presos ou com o ambiente
externo: (Incluído pela Lei nº 11.466, de
2007).
Pena: detenção, de 3 (três) meses a
1 (um) ano.
Condescendência
criminosa
Art. 320 - Deixar o funcionário,
por indulgência, de responsabilizar su-
bordinado que cometeu infração no
exercício do cargo ou, quando lhe falte
competência, não levar o fato ao conhe-
cimento da autoridade competente:
Pena - detenção, de quinze dias a
um mês, ou multa.
PAÍS DA IMPUNIDADE
O BRASIL É O PAÍS DA IMPUNIDADE TELEVISIONADA, AO VIVO E EM CORES,
PARA TODO O MUNDO. QUE VERGONHA!
* Cel Aeronáutica e Advogado
Excelentíssimo Senhor
JAIR MESSIAS BOLSONARO
Presidente da República Federativa do Brasil
SUGESTÃO DE REFORMA DO CONGRESSO NACIONAL
Com o devido respeito que nutro por Vossa Excelência e amparado na ex-
pectativa do sucesso de seu governo, apresento-lhe, para exame e conside-
rações, diretrizes que podem nortear sua luta no combate ao desperdício de re-
cursos de nosso erário, tão aviltado nos últimos tempos.
Entendemos a sua preocupação e a da equipe econômica de seu governo.
Sabemos das dificuldades que deve enfrentar em sua batalha, mas Vossa
Excelência fique certo, até mesmo se não puder contar com o apoio de todo
o Legislativo, que terá o respaldo do povo que o elegeu para iniciar as reformas.
A enorme máquina política que se abriga nos bastidores do Congresso
e o colossal volume de recursos consumidos a cada dia são fatores que san-
gram a nossa economia, que vê reduzida a possibilidade da nação progredir;
e o que é pior: os congressistas não se sentem responsáveis diretos pelos gas-
tos consumidos na manutenção da máquina pública.
Assim, renovando a intenção de colaborar com suas práticas democrá-
ticas, tomamos a liberdade de formular a presente proposta, na certeza de que,
se adotada, tais cortes gerariam enorme diminuição nos gastos do Tesouro.
Não entendemos como necessária, tamanha quantidade de representan-
tes, que, em sua maioria, se elegem apenas com objetivos escusos visando
as regalias que o poder lhes concede; muitas vezes, ao longo do mandato,
passam sem qualquer atividade política.
Assim, estamos sugerindo o exame da composição das duas casas do Con-
gresso, em função do NÚMERO DE ELEITORES DE CADA UNIDADE FE-
DERATIVA, e não de acordo com a sua população.
Sugerimos a redução do número de Senadores de 3 (três) para 2 (dois) em
cada unidade; poder-se-ia, inclusive, eliminar a figura do suplente, ficando o se-
gundo colocado nas eleições nessa posição.
No caso da Câmara de Deputados, cada Unidade da Federação teria um
número fixo de eleitos, que sugerimos como 3 (três) e a proporção de 1 repre-
sentante para cada 500.000 (quinhentos mil) ELEITORES.
Sugerimos, igualmente, limitar em R$ 100.000,00 (cem mil reais), o
quantum a ser gasto por cada representante público; este valor abrangeria TODO
O SEU GABINETE, incluindo os seus subsídios.
É uma forma de nossos congressistas se adequarem às nossas atuais ne-
cessidades, assim contribuindo para o resgate de nossas combalidas finanças.
É o que apresentamos a exame de Vossa Excelência, como modesta con-
tribuição de quem trabalhou voluntariamente para a sua eleição e acredita na sua
competência, boa vontade e desejo de bem servir a Pátria, em cargo para o qual
foi eleito com expressiva parcela de nossos eleitores.
Renovando nossos protestos de elevada estima e consideração, apresenta-
mos-lhe votos de constantes êxitos.
Historiador José Francisco de Paula Sobrinho
Belo Horizonte (MG) 15 de abril de 2019
8Nº 265 - Junho/2019 4
* Maria Lucia
Victor Barbosa
*Professora, escritora, socióloga, autora entre outros livros de "O Voto da Pobreza e a Pobreza do
Voto – a Ética da Malandragem", Editora Zahar e "América Latina – Em busca do Paraíso Perdido",
Editora Saraiva. - mlucia@sercomtel.com.br - www.maluvibar.blogspot.com.br
4
* Rodolpho
Heggendorn
Donner
* Coronel - Psicólogo
Outra coisa que ressalta é
a pressa com que querem
condenar e pedir a saída
do Ministro Moro, sem
conhecimento do teor da
matéria que é fragmentada
e obtida criminosamente.
E se alguém da República
dos Velhacos também
estiver em envolvido na
escuta de um hacker, como
é que fica? Normal?
Em um país como o
nosso onde o cri-
me compensa larga-
mente era de se espe-
rar que recrudescesse o embate entre a
República dos Velhacos, que tenta voltar
ao poder e almeja soltar o velhaco mor, e a
República de Curitiba composta pelo en-
tão juiz e hoje ministro Sérgio Moro, pelos
procuradores da força-tarefa da Lava jato
e pela Polícia Federal.
Quando o juiz competente, íntegro,
de moral ilibada deixou sua brilhante car-
reira para se tornar ministro, certamen-
te não buscou poder pessoal, mas so-
nhou que o cargo lhe daria mais possibi-
lidade de continuar sua incansável luta
contra a corrupção.
Como ministro Moro apresentou um
projeto anticrime que está parado no Con-
gresso e que dificilmente será aprovado
por certos parlamentares envolvidos na
Lava Jato. O projeto também foi bombar-
deado pela OAB, por grupos de advoga-
dos, de juízes, de juristas e criticado no
STF. Além disso ele perdeu a COAF, órgão
através do qual poderia outrossim com-
bater o crime organizado.
Aliás, estamos vivendo numa es-
pécie de parlamentarismo na medida em
que o Legislativo esvaziou o poder do Exe-
cutivo engessando projetos e atos presi-
denciais. A última prova disso foi o texto
da reforma da Previdência apresentada pe-
lo relator Samuel Moreira, que atendeu de
tal forma o lobby dos servidores e a oposi-
REPÚBLICA DOS VELHACOS
Como sempre resta a esperança, acreditemos que vencerá não a República dos velhacos,
mas, sim, a República de Curitiba. In Moro we trust.
ção tangida pelo PT que a recente greve
geral, além de ter sido mais uma vez um
fracasso retumbante perdeu inteiramen-
te o foco. Afinal, a reforma da Previdência
está do jeito que eles querem.
No momento é evidente a costu-
meira politização do Direito, o que fica
claro na maneira de tra-
tar a trama sórdida que
surgiu no afã de liber-
tar o hóspede de hon-
ra da Polícia Federal em
Curitiba, destruir o mi-
nistro Moro e acabar com
o Lava Jato. Trata-se da
ação do site The Inter-
cePT Brasil, dirigido
pelo americano Glenn
Greeewald, que hackeou
ou mandou hackear con-
versas informais entre
o então juiz Moro e o
procurador e coorde-
nador da lava jato, Dal-
tan Dallagnol, supos-
tamente feitas entre 2015 e 2017.
Foram pinçados criminosamente
trechos de supostas falas de um contex-
to que não se conhece na íntegra, po-
rém isso bastou para que a República
dos Velhacos, adeptos do crime e da im-
punidade acendessem a fogueira da
Inquisição para queimar a reputação do
ministro e incinerar a Lava Jato.
Curiosamente, a divulgação dos áu-
dios adulterados surgiu dia 9. Dia 10 o mi-
nistro Gilmar Mendes do STF liberou
para dia 25 o milionésimo pedido de li-
berdade para o hóspede de honra da co-
bertura da Polícia Federal em Curitiba.
Dia 14, no gabinete do ministro Edson
Fachin, relator da Lava Jato no Supre-
mo, materializou-se o advogado do pre-
sidiário da cober-
tura da PF de onde
o condenado dá en-
trevistas e recebe
quem quer. Cristia-
no Zanin certamen-
te não foi tomar chá
com Fachin. Aí po-
de?
Recordemos
apenas dois fatos en-
tre muitos para não
alongar demais o
artigo, que aconte-
ceram sem nenhuma
aparição de hackers
ou gritaria do judi-
ciário que se diz ri-
gorosamente imparcial:
1º) O desfecho do impeachment
de Dilma Rousseff, quando o então pre-
sidente do Supremo Ricardo Lewandows-
ki, juntamente com o ex-presidente do
Senado, portanto do Congresso, Renan
Calheiros, rasgou a Constituição ao man-
ter os direitos políticos da destituída
senhora. Ninguém reclamou.
2º) A presença do ministro Toffoli
no julgamento do mensalão apesar de
ter trabalhado como advogado para ou-
tro indigitado: José Dirceu. Em momen-
to nenhum o ministro se considerou
impedido ou pessoas o julgaram par-
cial.
Outra coisa que ressalta é a pres-
sa com que querem condenar e pedir a
saída do Ministro Moro, sem conheci-
mento do teor da matéria que é fragmen-
tada e obtida criminosamente. E se al-
guém da República dos Velhacos tam-
bém estiver em envolvido na escuta de
um hacker, como é que fica? Normal?
Essa pressa em pedir a cabeça do
ministro contrasta enormemente com o
julgamento do velhaco mor, que se ar-
rastou por longo tempo com o objetivo
de obter provas irrefutáveis de crimes
depois confirmadas por outros tribu-
nais superiores ao da Primeira Instân-
cia. Ao final ainda tivemos o espetácu-
lo da prisão no Sindicato de São
Bernardo, uma ópera bufa onde não
faltou até uma "missa negra".
Como sempre resta a esperança,
acreditemos que vencerá não a Repú-
blica dos velhacos, mas, sim, a Repúbli-
ca de Curitiba.
In Moro we trust!
OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS
VALE MATAR, ROUBAR, MENTIR, LEVANTAR FALSOS TESTEMUNHOS E MUITO MAIS
Não sei qual o pior, se a declaração de Lula duvidando que Bolsonaro tenha de fato recebido uma facada, ou a possível invasão do
celular de Moro. Buscam desmerecer a Operação Lava-Jato, obviamente visando a liberdade de Lula.
Mal conheço os mo-
tes usados pelos
nazistas para perse-
guir os judeus no século passado. Mas
bem conheço um que até os dias de hoje
vem motivando crimes tão cruéis quan-
to os sofridos pelo povo judeu: Os Fins
Justificam os Meios. Ou seja, para con-
quista de domínio comunista, tanto aqui
quanto em qualquer outro país, tudo
vale. Matar, roubar, levantar falsos tes-
temunhos, além de várias outras formas
de ignorar as leis, menosprezar e elimi-
nar adversários políticos.
Os governos de esquerda de Lula e
Dilma, eles próprios, Zé Dirceu, Palocci e
seus prepostos aí estão como exemplos
flagrantes da mais nojenta prática crimi-
nosa para fins políticos e próprios bene-
fícios. Dois fatos recentes retratam per-
feitamente o uso desse mote que tudo
permite. Não sei qual o pior, se a declara-
ção de Lula duvidando que Bolsonaro
tenha de fato recebido uma facada, ou a
possível invasão do celular de Moro. Ob-
jetivo óbvio, desmerecer a Operação
Lava-Jato, visando a liberdade de Lula.
Ou outros interesses paralelos, sabe-se lá
existirem e que só o tempo revelará.
Em declarações gravadas, o presi-
diário duvidou que, de fato, Bolsonaro
tivesse recebido uma facada. Prova fla-
grante de estupidez diante de fatos publi-
camente testemunhados e comprovados.
Ao mentir descaradamente, usa na prá-
tica o tradicional mote comunista. Quem
não viu o vídeo merece ver. Deve ver,
aliás. Se não pelos fatos, pela torpe
capacidade de representar ridículos pa-
péis sofridos e sober-
bos. Mesmo para os que
já conhecem tais farsas,
revolta a capacidade de
se apresentar como in-
superável sapiente em
gestos e falsos sorrisos
debochados. Trata fa-
tos indiscutivelmente
testemunhados negan-
do-os com falsas pos-
turas contrárias.
A declaração de
Lula conseguiu fazer o
general Heleno, chefe do
Gabinete Institucional,
sempre sereno, educado
e racional, perder a cal-
ma. Manifestou emocio-
nalmente opinião sobre a
declaração de Lula: “...
presidente desonesto
deveria tomar prisão
perpétua. Canalhice
própria desse sujei-
to...”. Nenhuma novida-
de, esse sempre foi o tom
dos comícios de Lula.
Simples instrumentação da filosofia “pro-
gressista” de base, fiel aos teóricos do PT
e seus “puxadinhos” PSOL, PSB e PC do
B. Sabe se movimentar ansiosamente nos
palcos, possui fingidas expressões cor-
porais, chora e ri melhor do que os melho-
res atores de novela. Sempre teve extrema
capacidade de mentir com a mais lavada
cara-de-pau. Pobre Lula de triste fim.
O Brasil tem mais é que agradecer
aos autores do ataque de hacker ao celu-
lar de Moro no aplicativo Telegram, di-
vulgado pelo site The Intercept, exibindo
conversas entre ele e Dallagnol. Curiosa-
mente, será graças a tal crime e suas arma-
ções que se poderá saber de verdade - e
isto é o mais importante - quem é quem
nessa batalha contra a corrupção e crimes
políticos que vêm infestando a vida naci-
onal. Quem precisa estar do lado crimino-
so, culpando e desejando o pior para o
juiz e o procurador, e quem apoia a Lava-
Jato, principalmente no irrestrito com-
bate a crimes infames que, não é de hoje,
vêm destruindo a moral nacional. Nesse
absolutamente necessário quem é quem,
precisará também ficar bem esclarecido o
relacionamento político-jornalístico da
abdicação do deputado Jean Willys em
favor do atual deputado Davi Miranda.
Também o relacionamento sabidamente
afetivo de Davi com Glen Greenwald, edi-
tor do site The Intercept, dando margem
a opiniões de envolvimento.
Vê-se claramente que a liberdade
de Lula a ser conseguida - ou não - por
ataques a Moro, Dllagnol e à Lava-Jato
não dependerá apenas de partido ativo e
de justiça honesta. Dependerá também
das claques atuantes em mídias, sindica-
tos,supremaciasjurídicasedemaismilíci-
as ocultas de apoio. Militantes sempre
dispostos a usar o secular mote do co-
munismo original. Nada difícil dentre
muitas outras práticas. Basta trocar in-
terpretações em simples adjetivos, focar
o secundário em detrimento do princi-
pal ou empregar sofismas e preciosis-
mos gramaticais em crônicas jornalísti-
cas e quilométricos e nebulosos pare-
ceres e votos jurídicos. Mestres co-
mentaristas do Globo e advogados de
defesa que também o digam, além dos
novatos autores das longas reporta-
gens em Época e Carta Capital. Nada
contra, felizmente vivemos sob liberdade
de expressão. No entanto, algumas des-
sas intervenções remetem-me ao passa-
do em lembrança do que naquela época
era conhecido como imprensa marrom.
Nº 265 - Junho/2019 5
*Aileda
de Mattos Oliveira
*Professora Universitária, ESG/2010, Doutora em Língua Portuguesa, ADESG 2008,
Acadêmica Fundadora da Academia Brasiliera de Defesa e Membro do CEBRES e
Acadêmica AHIMTB - ailedamo@gmail.com
*Aristóteles
Drummond
* Jornalista - Vice- Presidente da ACM/RJ
aristotelesdrummond@mls.com.br
www.aristotelesdrummond.com.br
5
Todos os brasileiros, da parte sã da
Nação, são, de natural, efetivos
membros de uma instituição de exis-
tência imaterial, mas de fundo moral e
cívico e cujo regulamento está inteiro
na consciência desses cidadãos, que
põem em prática o que reza os seus ar-
tigos, no seu viver diário. Essa institui-
ção chamada “COMISSÃO DA VER-
DADE SOBRE CRIMES CONTRA A
NAÇÃO” não está vinculada a partido
nem usa vocabulário padrão de alguma
ideologia de cabresto. Sua autonomia
permanecerá, enquanto existirem pes-
soas de valor a forjarem o arcabouço
social e mantiverem a preocupação de
zelar pela tranquilidade do Estado. Pa-
ra isso, é imprescindível que traga, a
público, nomes e ações de criaturas,
formadas e conduzidas por agentes es-
tranhos à nossa formação cultural, for-
nidas nos ideais de dominação, e que
viviam nos guetos, onde arquitetavam
o roubo a bancos; onde a morte sumá-
ria dos que lhes eram adversos, estava
registrada em calendário; onde a trai-
ção à terra ultrajada era louvada a cada
passo; e onde se escondiam. como lar-
vas em úlceras laceradas.
Os integrantes dessa instituição
têm o direito de saber, sem pleonasmos,
sem eufemismos, sem escamoteações de
quaisquer naturezas, por que razão a
guerrilheira e assaltante de bancos, à
mão armada, criminosa que pertenceu
à facção de inimigos da Pátria, a VPR –
VanguardaPopularRevolucionária,ain-
da goza de liberdade, usando dos be-
nefícios que Lewandowski lhe conce-
deu, ao rasgar a Constituição em pleno
Congresso Nacional, favorecendo-a
CINQUENTA E UM ANOS!
E A FERA FORA DA JAULA!
com um impeachment pela metade?
Dilma Vana Rousseff tem nas cos-
tas mais uma acusação, a de assassina-
to do soldado Mário Kozel Filho, em 26
de junho de 1968, portanto, há cinquen-
ta e um anos, num ato hediondo, idea-
lizado, articulado e executado pelo gru-
po de homicidas da qual fazia parte
atuante.
O desengonçado dos seus gestos,
a falta de aprumo, resultantes de suas
características psicológicas de indiví-
duo sem remorsos, sem consciência,
conduzida pela ideia fixa de demolição
do País, dão mostras do desequilíbrio
que domina essa abominável criatura.
(A foto, uma ilusão de ótica (que pena!),
dá forma às palavras.)
Com o cinismo próprio dos se-
guidores da seita “Destruição é o nosso
lema”, já confessou seus crimes con-
tra o País, inteiramente à vontade, em
entrevista, protegida pelo escudo da
impunidade, muralha dos delinquentes
políticos, abrigados no regaço dos to-
gados. Nesse grau primitivo de evolu-
ção, mereceria uma jaula; travestida de
mulher, deveria estar numa cela, para
que, num pequeno quadrilátero, pas-
sasse a viver a sua miserável vida de dí-
vidas com as leis, com a Nação.
Mário Kozel Filho ainda era mui-
to ingênuo. Não tinha idade para sa-
ber que nem todos os que nascem no
Brasil são brasileiros. Não tinha ex-
periência de vida para perceber que a
traição é o pior crime que existe, por
ser executado sempre pelas costas,
sem conceder à vítima da vez, possibi-
lidade de defesa. Era muito jovem para
desconfiar que os miseráveis que dei-
xaram a bomba numa caminhoneta ti-
nham a alma turva, e não viveu para sa-
ber que aquela, que tanta náusea nos
causa, ainda permanece a tecer a teia
venenosa para laçar e infectar novos
incautos.
O soldado-mártir foi promovi-
do a Sargento, post mortem, pelo Exér-
cito, dando nome à Avenida que pas-
sa em frente ao quartel, assim como
ao pátio de formatura, onde deixou de
desfilar por causa de celerados, inve-
josos, apátridas, que deram vazão ao
ódio enraizado em suas entranhas e,
infelizmente, ainda, aí estão, babando
de despeito pela força moral daqueles
que não se deixam conduzir aos cur-
rais ideológicos.
Essa criminosa tinha, tem e terá
que ser condenada. Que a mancha na
História do Brasil pela sua presença si-
nistra à frente do Executivo do País e,
como tal, o paradoxal vexame de tê-la
Comandante em Chefe das Forças Ar-
madas, seja vista como o grau de deca-
dência de um povo que, em determina-
do momento, atou, ao seu próprio pes-
coço, a coleira de submissão às “mara-
vilhas” de um regime vermelho. Parte
dele acordou a tempo.
Só a Justiça continua entorpe-
cida, seguindo o modelo de seu pró-
prio símbolo: com a venda nos olhos,
dorme a sono solto.
Dilma Vana Rousseff tem nas costas mais uma acusação, a de assassinato do soldado Mário Kozel Filho,
em 26 de junho de 1968, portanto, há cinquenta e um anos, num ato hediondo, idealizado, articulado
e executado pelo grupo de homicidas da qual fazia parte atuante.
Essa criminosa
tinha, tem e terá
que ser condenada.
Ilusão de ótica
Que pena!
AMAR O BRASIL
Aideia de resta-
belecer nas es-
colas, em todos os ní-
veis, o hino nacional e o da bandeira
brasileira, como marca do início do
dia, vem bem a calhar. Há, sem dú-
vida, a necessidade de restaurarmos
o amor aos valores da pátria, de sua
história e de sua importância na vi-
da de cada um de nós. É bom recor-
dar que, em uma das últimas copas,
a televisão mostrou que a maioria dos
jogadores não cantava o Hino Na-
cional.
Deve também ser ensinado e can-
tado hinos de caráter cívico, como os
da República, da Bandeira, da Aboli-
ção e da Independência, que muita
gente, hoje, nem sabe que existem. E,
como no passado, nas aulas de Histó-
ria do Brasil, se exaltar os grandes bra-
sileiros,exemplosdeausteridade,com-
petência e serviços relevantes pres-
tados na construção da nação brasi-
leira.
Nomes não faltam, mas, na lista,
não podem estar ausentes os nossos
Imperadores, especi-
almente D. João VI,
que foi nosso Rei e
praticamente conso-
lidou o Brasil como
país ao ser elevado a
Reino-Unido. Ainda no Império, ti-
vemos a Princesa Isabel e os milita-
res estadistas Duque de Caxias, o
Marquês de Tamandaré, o Marquês
do Herval (General Osório) e o Ba-
rão de Mauá. Já na República, Oswal-
do Cruz, o sanitarista maior, Ma-
chado de Assis, o patrono de nossa
cultura. Todos estadistas que não che-
garam à Presidência, mas muito fi-
zeram, assim como Rui Barbosa, An-
tônio Carlos Ribeiro de Andrada e
Francisco Campos. Outros destaques
foram os presidentes Getulio Vargas,
Juscelino Kubitschek, Castello Bran-
co, Costa e Silva, Médici e Figueiredo.
Pela vontade po-
pular, o Brasil mostra
querer vencer obs-
táculos a seu cresci-
mento econômico, cul-
tural, social e políti-
co, superando as dificuldades cria-
das por maus brasileiros, homens cor-
rompidos pelo poder, cabeças equi-
vocadas – ainda que bem-intencio-
nadas. Mas, ao mesmo tempo, resis-
te a política menor, a deslealdade, a
fraude e a sabotagem ao bem comum
por uma ideologia do ódio, da farsa e
do ressentimento. A defesa da impu-
nidade revolta e enoja!
A reação dos brasileiros de bem
tem sido positiva, mas não suficien-
te para afastar do debate tantas ques-
tões mesquinhas, menores, diante da
magnitude de problemas que fazem
tantos sofrerem com o desemprego,
com a ausência de bons serviços de
saúde, política educacional, comba-
te à violência e reconstrução de uma
infraestrutura sucateada. Não são
coisas a serem resolvidas da noite pa-
ra o dia, mas muito deve e pode ser
feito. Depois, devem ter continui-
dade, com base numa exigência po-
pular.
Também é preciso uma consci-
ência de que democracia tem limites,
como na educação de filhos, no uso da
liberdade. Esta não pode ser defendi-
da como bem acima da moral e da lei.
Há, sem dúvida, a necessidade de restaurarmos o amor aos valores da pátria,
de sua história e de sua importância na vida de cada um de nós.
A defesa da
impunidade
revolta e enoja!
8Nº 265 - Junho/2019 66
Visite o Museu da FEB
Aberto ao público de 2ª a 6ª feira de 09:30 às 16:30 h.
Sábado / Domingo de 09:30 às 13:00 h.
Belo Horizonte - Rua Tupis, 723 - Centro
Agendamos visitas e palestras somente no Museu. Tel. (31) 3224-9891
Juiz de Fora - Rua Howian, 40 - Centro
São João Del Rei - Área do Círculo Militar - Centro
PRESTIGIE NOSSOS VETERANOS COM A SUA VISITA
www.anvfeb.com.br
* Presidente da Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira –
Regional BH - Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil - Sócio Correspondente
do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil - Pesquisador Associado ao CEPHiMEx
“Conspira contra sua própria grandeza, o povo que não cultiva seus feitos heróicos”
FEB - FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA
*Marcos Moretzsohn
Renault Coelho
HOMENAGEM AO PILOTO ANGLO-BRASILEIRO COSME LOCKWOOD GOMM
No último dia 8 de junho um grupo de brasileiros se reuniu na pequena cidade
francesa de Lisieux, Departamento de Calvados, na Normandia, para home-
nagear o piloto anglo-brasileiro COSME LOCKWOOD GOMM, morto em ação nos
céus da França quando retornava de uma missão de bombardeamento à cidade
italiana de Milão, em agosto de 1943.
A pequena, mas muito emocionante homenagem, aconteceu junto ao túmulo
do herói, no St. Desir War Cemetery – Liseux, França. Dela participaram: Cel. Ro-
berto Fernandes, Adido de Defesa do Brasil na França, Bélgica e Luxemburgo e
sua respectiva família, Sr. Pierre Blin, Prefeito Adjunto de St. Desir (França), Mar-
cos Moretzsohn Renault Coelho, Augusto Maranhão, José Mateus Teixeira Ri-
beiro, Marco Cesar Spinosa, Carlos Magno Alvarez Martinez, Rodolfo Lourenço,
João Barone, Paulo Ewerard, Gustavo Buffé, Sefferson Steindorf, Vitor Santos e
Ana Lúcia Nogueira Mestre.
BREVE HISTÓRICO DO HERÓI ANGLO BRASILEIRO:
Nascido na cidade de Curitiba, PR, em 15/11/1913, Cosme Lockwood Gomm era
filho de Harry Herbert Gomm e Isabel Whiters Gomm.
No ano de 1932 mudou-se para a Inglaterra para alistamento na Royal Air Force.
Em 1933 foi comissionado como Oficial Aviador, recebendo a matrícula militar RAF
34123.
Já em 1934 foi designado para integrar o 45º Esquadrão de Bombardeiros ba-
seado no Oriente Médio. Foi promovido ao posto de Flying Officer em 7/8/36, e em
março de 1937, Gomm foi transferido para o 14º Esquadrão de Bombardeiros voando
nos céus de Amã e da Jordânia. No mês de agosto do mesmo ano, foi comissionado
Flying Lieutenant. A nova promoção foi efetivada em 7/8/38.
De volta à Inglaterra em fevereiro de 1939, Gomm serviu como instrutor na
10ª Escola de Treinamento Aéreo até que em janeiro de 1940, foi enviado para o
Canadá como instrutor da 1ª Escola de Treinamento Aéreo daquele país. Retornou
para a Inglaterra em julho de 1940 e passou a integrar o 77º Esquadrão (subordi-
nado ao 4º Grupo de Comando de Bombardeiros).
Em outubro do mesmo ano, foi transferido para a 54ª Unidade de Treinamento
Operacional (54 OTU).
Em março de 1941, foi novamente transferido, desta vez para o 604º Esqua-
drão que era comandado pelo famoso Wing Commander John “Cat Eyes” Cunningham
e era baseado em Middle Wallop. Foi nesse Esquadrão que Cosme Gomm com-
pletou o seu primeiro turno de missões iniciado no 77º Esquadrão, abatendo 3 Hein-
kels HE 11 em missões noturnas.
Pela sua destacada atuação, em 18/04/41, foi agraciado com a Distinguished
Flying Cross.
Dois meses depois, foi promovido (provisoriamente) ao posto de Squadron
Leader (equivalente à Major), sendo transferido para o Quartel General do 10º
Grupo de Caças. Em 28 de junho foi nomeado Comandante da Base Aérea de Co-
lerne, permanecendo ali até que em 17 de setembro, foi escolhido para um curso
de qualificação em quadrimotores na 51º Unidade de Treinamento Operacional (51
OTU).
Pelo seu desempenho, em 17 de novembro do mesmo ano, foi comissionado
piloto de provas de quadrimotores, ligado ao QG da RAF.
Foi temporariamente nomeado Wing Commander (posto equivalente a Te-
nente Coronel) em 01.06.42 e em 1º de setembro teve efetivada sua promoção a
Squadron Leader.
Em 7/11/1942 apresentou-se como voluntário para um segundo turno de ações.
Logo foi aceito e nomeado Comandante do Esquadrão 467º (australiano), equipado
com bombardeiros quadrimotores Avro Lancasters B.I e B.III.
Em 11/6/43 foi condecorado com a Distinguished Service Order – DSO.
Na noite de 15 para 16.08.43, o 467º fez parte de um raid de 199 quadrimotores
dos 1º, 5º e 8º Grupos que atacaram Milão e Turim a partir de suas bases na Inglaterra.
Foi a 24ª missão do segundo turno de operações do Wing Commander Gomm. Sete
bombardeiros foram perdidos nesse raid, a maioria na viagem de retorno, sobre a
França. O Lancaster B.III ED998, código PO-Y do Wing Commander decolou de
Bottesford às 20:34 horas e foi um dos abatidos. Caiu perto da cidade de Chartres às
23:30 horas. Dos 7 tripulantes, salvou-se apenas o Sargento J. R. Lee que foi feito
prisioneiro pelos alemães e levado para o campo de prisioneiros da Luftwaffe em Sa-
gan. Os mortos foram sepultados no cemitério da cidade de Chartres. Seus despojos
foram transferidos depois da guerra para o Cemitério Militar de Saint Desir nos Cal-
vados, França. Foi a última missão do herói anglo-brasileiro Cosme Lockwood Gomm
que aos 29 anos de idade deu a sua vida pela paz e a liberdade do mundo contempo-
râneo em que vivemos.
Seus restos mor-
tais descansam na se-
pultura 7-G-C-6.
Honra e glória eter-
na ao herói anglo-brasi-
leiro que saiu de Curiti-
ba, PR, para lutar contra
o nazismo!
Seu sacrifício ja-
mais será esquecido!
Além do Wing
CommanderGomm,mui-
tos outros brasileiros se alistaram na RAF para lutar contra as forças nazi-fascitas du-
rante a Segunda Guerra Mundial:
Pierre Clostermann, Oscar Delgado O'Neill, Frederick C. Tate, John Raymond
Aldridge, Douglas Anderson, Stanley Harry Barnard (nascido em Recife, morto
em ação sobre Lion-Sur-Mer, na França, em 6/6/44. Seu corpo nunca foi encon-
trado), William Borthwick, Cecil James Bowles, Arthur Singleton Boyes, George
Robert Dawson, Sidney Albert Holland, Philip Norman Howard (Nascido em São
Paulo, seu avião foi abatido sobre a cidade de Baak, na Holanda. Faleceu no hos-
pital de Gronau, em 01/10/44), Bryan Donald Hughes, John Langley Kerr, Reginald
Arthur Montague Lemmon (nascido em Nova Lima, MG. Morto em ação em 23/
04/44), Cameron Macintyre, Ian Robert Mackintosh, Robert Blair Macwilliam (Nas-
cido em São Paulo. Morto em ação sobre a Alemanha, em 23/11/43), Eric Joseph
Monk (Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre a cidade de Antuérpia, na
Bélgica, em 17/06/43), Robert Mcleod More, John David Mccracken, Keith Ho-
ward Naughton Rumbo, James Donald Rushworth (Nascido em São Paulo. Morto
em ação sobre a Holanda, em 16/11/44), John Charles Semple, Bernard George Har-
ry Smith (Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre o Mar do Norte, em 10/09/
42), Harold Scott Spain (Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre Zörnigall,
na Alemanha, em 18/11/43), Derek Arthur Leslie Thomas, James Maclean Wilson
(Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre a cidade de Wanne-Eickel, na Ale-
manha, em 09/11/44), Jerome Gordon Wood e muitos outros nomes que jamais
poderão ser esquecidos.
Nº 265 - Junho/2019 7
P T N U N C A M A I SP T N U N C A M A I SP T N U N C A M A I SP T N U N C A M A I SP T N U N C A M A I S
QUE PARTIDO É ESSE?
PT - O PARTIDO MAIS CORRUPTO E MENTIROSO DA HISTÓRIA UNIVERSAL
7
Desses três mega-cor-
ruptos, ratazanas do
erário público, ainda falta
um para ser colocado "atrás
das grades". Trata-se da mu-
lher "sapiens", PHD em bes-
teiras, que continua percor-
rendo o mundo, utilizando-
se do dinheiro proveniente
dos nossos suados impos-
tos. Como sempre mentiu
durante a vida , alega que foi
vítima de um golpe. Desviar dinheiro agora não é mais crime? Que se rasguem então
a Constituição Federal e o Código Penal Brasileiro! Aliás perguntar não ofende
ninguém: para que serve o Supremo Tribunal Federal?
DILMA E GLEISI FIZERAM VIAGEM SECRETA
À RÚSSIA ANTES DE ATAQUE HACKER
As duas não contavam com a indiscrição do PC russo,
que revelou a visita
Procuradas dias atrás, a ex-presidente
Dilma e Gleisi Hoffmann, presiden-
te do PT, não deram sinal de vida. É que
estavam bem longe, em Moscou, en-
quanto circulavam informações não
confirmadas de suposto conluio petista
com os russos para roubar as mensa-
gens do ex-juiz Sérgio Moro no Tele-
gram. Não contavam com a indiscrição
do Partido Comunista russo, que divul-
gou foto de reunião com as duas. A
informação é da Coluna Cláudio Hum-
berto, do Diário do Poder.
Na foto do PC russo, Dilma e Gleisi
As duas não divulgaram a viagem a Moscou, tampouco o PT a admitiu,
mas a visita acabou divulgada, incluindo fotos, pelo partido comunista russo
exibem as melhores expressões de cren-
tes comunistas dos anos 1960 em busca
de “socorro socialista”.
Indagada, a assessoria do PT não
explica quais os motivos da viagem de
Gleisi e Dilma e nem mesmo compartilha
a agenda da dupla.
Com a arrogância de sempre, a de-
putada Gleisi, ré na Lava Jato por cor-
rupção, também não explicou sua via-
gem com Dilma a Moscou.
AlémdeGleisieDilma,oPTtambém
enviou o secretário-geral do partido e sua
“secretária de relações exteriores”.
OS TRÊS GRANDES CORRUPTOS
Advogado Alcyone Samico
Agora não temos mais pressa em aprovar a Reforma da
Previdência. Primeiro vamos esperar esta turma morrer de
fome. Fala sério, vai rolar um pão com mortadela escondido
de vez em quanto, né?
Edilene Guimarães
8Nº 265 - Junho/2019 88
* Ipojuca
Pontes
* Ex-secretário nacional da Cultura, é cineasta, destacado documentarista
do cinema nacional, jornalista, escritor, cronista e um dos grandes pensadores
brasileiros de todos os tempos.
O ANTIPAPA BERGOGLIO
“From Rome”, publicação teológica de prestígio internacional: “Bergoglio é um usurpador do escritório papal
e deve ser punido de acordo com o Canon 1381 por esse crime”,
De início, visto pelos fiéis
conscientes como um típico
militante da esquerda festiva,
Bergoglio, embora negue, segue,
ipsis literis, a cartilha da
Teologia da Libertação,
apostasia cultuada no Brasil
pelas figuras de Leonardo Boff e
de Frei Beto (vai com um “t”,
só...), este, aliado de Fidel
Castro e de sua ditadura
sanguinária, mais viva do que
nunca na Ilha (faminta)
dominada pelo comunismo ateu.
Depois de posar ao lado do beiçudo
Raoni – cacique “globe-trotter”,
pau de cabeleira do roqueiro Sting em
saltitantes viagens internacionais -, o
Papa Bergoglio anuncia para outubro
próximo uma “Assembleia Especial do
Sínodo dos Bispos para a Região Amazô-
nica”. Boa coisa não vai sair desse con-
vescote no que se refere à integridade
da nação brasileira.
Antes de enfocar o tal Encontro,
convém mencionar recente estudo divul-
gado pela “From Rome”, publicação teo-
lógica de prestígio internacional, sobre o
argentino Jorge Mario Bergoglio. Segun-
do FR, a leitura precisa do Código do Di-
reito Canônico leva à conclusão inelutá-
vel de que Bergoglio é, em todos os sen-
tidos da palavra, um “antipapa”.
Assinala a publicação: “A renúncia
do Papa Bento XVI é inválida. Não há
outra leitura autêntica do Canon 332 além
do fato de que a renúncia ao munus é a
condição sine qua non necessária para
uma renúncia papal”.
A abdicação de Bento deve ser
questionada porque a renúncia ao mi-
nisterium, na forma das declarações
papais de 11 de fevereiro de 2013, ava-
liada por especialistas em Direito Ca-
nônico, não pode significar uma renún-
cia do munus a partir do Canon 332, 188
etc. Portanto, acentua FR: “O Papa Bento
XVI continua sendo o único e verdadeiro
Papa da Igreja Católica com todos os po-
deres e prerrogativas desse cargo”. Se-
gue daí que o Colégio de Cardeais não
tem autoridade para se reunir e reeleger
um Papa quando houve uma renúncia
inválida. “Bergoglio é um usurpador do
escritório papal e deve ser punido de
acordo com o Canon 1381 por esse cri-
me”.Nestesentido,40bisposdoVaticano,
onde a resistência às heresias do argen-
tino crescem dia a dia, assinaram docu-
mento pedindo sua renúncia imediata.
Conclui a publicação católica:
“Como Bergoglio nunca teve qual-
quer autoridade canônica como Papa,
todas as suas indicações para a Cúria Ro-
mana são nulas e sem efeito”. Portanto,
todas as ações tomadas pela Congrega-
ção de Religiosos, ou pela Congrega-
ção da Doutrina da Fé contra qualquer
um, ou as do secretário de Estado em
relação a nações como a China, incluin-
do nomeações de bispos, etc - são to-
das nulas e vazias.
- Assim, os católicos podem e de
fato são obrigados por Divina Fé a insistir
para que ele seja expulso do Vaticano
como um usurpador
– acrescenta a pu-
blicação.
Comefeito,sig-
nificativa parte dos
católicos já associa o
argentino Bergoglio
àfiguradoDemo.Seu
objetivo claro é mi-
nar a Igreja por den-
tro. Distorcendo a
verdade religiosa, o
argentino verbera
que Cristo não é só
espírito,mas,sim,um
homem como tantos
outros. (No raso, tal como os mulçu-
manos, Bergoglio parece desacreditar
da Santíssima Trindade).
No mesmo diapasão, julga que a
crucificação de Cristo, ato da redenção
humana, “foi um fracasso”. Ademais, cor-
tejando a teoria evolucionista de Darwin,
já de há muito desmoralizada no campo
científico, avalia Bergoglio que o verda-
deiro Deus não tinha poder para criar a
terra em seis dias, conforme consagrado
no Gênesis.
Por sua vez, em conclave aberto no
Vaticano sobre o ateísmo (organizado por
um grupo de acadêmicos do Reino Unido)
chegou à conclusão, herético, que não
será preciso ter crença alguma para ser
“moralmente superior”: O pecador não
precisa acreditar em Deus para ir para o
Céu, “desde que faça o certo a partir dos
seus próprios olhos”. Vale concluir: Che
Guevara ou Átila, o Flagelo de Deus, que
acreditavam fazer o certo a partir dos
próprios conceitos, estariam agora nas
hostes celestiais, entre liras e lírios.
(Seguramente, por isso, em visita ao
Marrocos, ano passado, Bergoglio consi-
derou os muçulmanos como “nossos ir-
mãos” – exatamente no Marrocos, onde
foram eliminados, na Batalha de Alcácer-
Quibir, em 1578, cerca de 50 mil cristãos,
dando início a massacres ininterruptos
que, de lá pra cá, ex-
terminaram milhões
de católicos.
De início, vis-
to pelos fiéis cons-
cientes como um tí-
pico militante da es-
querda festiva, Ber-
goglio, embora ne-
gue, segue, ipsis li-
teris, a cartilha da
Teologia da Liberta-
ção, apostasia cul-
tuada no Brasil pe-
las figuras de Leo-
nardo Boff e de Frei
Beto (vai com um “t”, só...), este, aliado de
Fidel Castro e de sua ditadura sanguiná-
ria, mais viva do que nunca na Ilha (famin-
ta) dominada pelo comunismo ateu.
Mas o antipapa tem suas apela-
ções. Ao pressentir que milhões de cató-
licos tradicionais estão fugindo da teolo-
gia perfilada pelo Vaticano, Bergoglio,
agraciado com o emblemático brasão da
foice e do martelo explo-
rado à exaustão na URSS
de Stalin, advertiu aos evadidos que “ter
relação pessoal com Cristo fora da Igreja
é uma tentação danosa e perigosa”.
Voltando às estripulias de Bergo-
glio com o “globe-trotter” Raoni, é certo
que o tal “Sínodo do Vaticano”, a ocorrer
em outubro, terá por objetivo criar uma
“força-tarefa” internacional (quem sabe,
comandada pelo próprio argentino) para
retirar a soberania brasileira da nossa
Amazônia – ameaçada, segundo o insa-
ciável establisment europeu, pelo mi-
tológico “efeito estufa”.
Diga-se que o antipapa recebeu o
cacique na condição de “adepto do “ani-
mismo” – credo segundo o qual as pe-
dras, as árvores e os objetos inanimados
têm alma. No frigir dos ovos, um aparato
conceitual que une o movimento indi-
genista ao ambientalismo internacional
para promover, a peso de ouro, com suas
200 mil ONGs bem abastecidas, “uma
guerra civil de baixa intensidade” e se
apossar - pela ocupação - das imensas
riquezas da região.
Para completar a obra do politi-
queiro (esquerdista) ora hospedado no
Vaticano, temos sua carta-resposta aos
garranchos enviados por Lula, o prisi-
oneiro mais corrupto do mundo ociden-
tal. Nela, divisamos o spectrum do im-
postor que só olha o céu para ver se vai
chover, pedindo que o Chacal do ABC
“não desanime e continue acreditando
em Deus”.
Uma burla dessas só no Inferno!
P S – Matteo Salvini, primeiro-ministro italiano que vive sendo sacaneado
por Bergoglio porque reza de terço na mão, aconselhou ao antipapa abrir as
portas do rico Estado do Vaticano, com centenas de imóveis desocupados, para
acolher os contingentes de imigrantes estrangeiros visto que a Itália, em crise,
já esgotou sua cota.
Bergoglio, mendaz, deu o calado por resposta.
Até.
UM GENERAL PARA SER LEMBRADO
E UMA GUERRA PARA NÃO SER ESQUECIDA
Carlos Alberto dos Santos Cruz é um militar brasileiro. E um cidadão que o resto do
mundo conhece (e reconhece) melhor que o seu próprio país.
No comando da missão de paz na República Democrática do Congo (MONUSCO)
em 2013, estiveram sob sua coordenação cerca de 23,7 mil militares de 20 países. Pela
primeira vez desde a Guerra da Coréia (1950-53), a ONU (Organização das Nações Uni-
das) autorizou o uso de força militar para fazer cumprir suas resoluções.
Sob Cruz, deu-se o fim do confronto com o Movimento 23 de Março (M23), o maior
grupo guerrilheiro do país africano, que acabou por encerrar a luta armada nos fins de 2013.
Pouco conhecido no Brasil fora dos meios militares, a missão bem sucedida de
Santos Cruz foi descoberta pela rede de televisão árabe Al Jazeera e revelada ao resto
do mundo em documentário de 25 minutos.
Profundamente humanitário em sua visão de mundo , é dele uma das frases que talvez
mais defina a natureza do trabalho conduzido por civis e militares a serviço da ONU:
“A GENTE NUNCA SE ACOSTUMA COM O SOFRIMENTO HUMANO”
(Fontes: Portal G1, Revista Istoé e Rede Al Jazeera), via www.robinsonfarinazzo.com.br
“Eu procuro fazer as coisas de forma simples, focar no que precisa ser feito. Se começar a focar
na dificuldade, ficar raciocinando na complexidade do problema, acaba perdendo tempo…
Há um planejamento, e temos que colocar em prática. eu dou o ritmo, de forma mais rápida,
ou menos. mas temos que andar pra frente, a coisa tem que ter dinamismo”.
General de Divisão Santos Cruz
MORO PRECISARÁ DE BONS ARGUMENTOS
Sérgio Moro faz pouco caso, "nada
demais". Janaína Paschoal desdenha, "só
espuma". O governo blinda Moro com a
camisa do flamengo. Não é nada, não é
nada, não é nada mesmo. Aliados de Bol-
sonaro fazem juras de amor à lava jato.
Moro terá que mostrar fortes argumen-
tos e ter couro duro, nas explicações aos
senadores. Caso repita o samba da nota
só, "nada demais" sentirá na pele o que
é adversário com sangue nos olhos. Ne-
nhum cartão vermelho impedirá o clima
tenso. Fechará o tempo. De todo jeito a
memorável e eficiente lava jato chamus-
cou-se. E a "espuma" exaltada pela falante
Janaína, poderá virá lama. (13/06)
• • •
GREVE COM BADERNA PREJUDICA A POPULAÇÃO
Tem o repúdio da maioria esmagadora da população, greves e movimentos de protesto que
destroem patrimônio público, incendeiam carros e ônibus e queimam pneus nas rodoviais,
atravancando o trânsito e prejudicando trabalhadores de chegar ao emprego. (14/06)
• • •
INACREDITÁVEIS SANDICES DE LULA
Oportuno e firme o repúdio do ministro Augusto Heleno diante das torpes, infelizes e
patéticas declarações do presidiário Lula, duvidando da veracidade do atentado sofrido pelo
então candidato Bolsonaro. Só mesmo as doces leis brasileiras permitem que um condenado
e preso apenado há 12 anos de reclusão, fale sandices pelos cotovelos e dê entrevistas a hora
que bem entende a jornalistas nacionais e estrangeiros. As inacreditáveis acusações de Lula
insultam não apenas Bolsonaro, vítima da facada, mas, também, os médicos e os milhões de
brasileiros que votaram nele. (15/06)
○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○
Publicado no Inconfidência nº 226 de 30/04/2016
JORN. VICENTE LIMONGI NETTO
Brasilía/DF
Companhia.Companhia.Companhia.Companhia.Companhia. Em demonstração de apoio,
Bolsonaro e Moro assistiram juntos ao jogo
entre Flamengo e CSA no Mané Garrincha, em
Brasília quando foram espontânea e
entusiasmadamente aplaudidos
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 12.06.2019
Nº 265 - Junho/2019 99
* Luís Mauro
Ferreira Gomes
O autor é Coronel-Aviador, Presidente da Academia Brasileira de Defesa,
Vice-Presidente do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos e Membro Efetivo do
Instituto de Geografia e História Militar do Brasil.
* Luiz Felipe
Schittini
* TEN CEL PMERJ
Instrutor de Deontologia, Chefia Militar, Gestão do EM e Trabalho de Comando das Academia de Polícia
Militar D.João VI e Escola Superior da PMERJ no período de 2000 à 2012. E-mail: fschittini@gmail.com
OPresidente Bolsonaro herdou um país “quebrado economica-
mente”, com uma crise ética, social e moral jamais vistas, uma
divisão criada por políticos irresponsáveis (“nós e eles”..., “eu
odeio a classe média”), a maior corrupção desde a proclamação da República,
dentre outras mazelas, sem falar no desemprego que atinge mais de treze milhões
de brasileiros. Esses primeiros seis meses foram truncados, com
ajustes entre os novos integrantes do Governo, além de uma
mega chantagem por parte dos perdedores das eleições de
outubro de 2018. Na democracia há alternância de poder, marca-
da por vitórias e derrotas, mas estes não aceitam as regras do
jogo, pois na realidade são admiradores e fanáticos pelas dita-
duras cubana e venezuelana principalmente.
Observo os adversários do atual governo agrupados da
seguinte maneira:
1- Os “pseudo socialistas” na realidade comunistas e
admiradores de ditadores que se perpetuam há anos.
2 - Socialistas, em menor número, que almejam uma forte
intervenção estatal na economia. Não podemos olvidar que é um
dos caminhos para se alcançar o comunismo.
3 - Os anarquistas que buscam o fim do Estado e da sua autoridade.
4 - Os “inocentes úteis” que jogam pedras sem saber o por quê! São jovens
ainda em formação de caráter é facilmente manipulados por professores adeptos
da filosofia gramcista (todo poder será tomado não mais por armas, mas por
mudanças na mentalidade, através de alterações na história, costumes, tradições
e moral de um povo) em salas de aulas.
A oposição tenta de todas as maneiras desestabilizar o Governo com
mentiras deslavadas dentre elas:
1 - Lula põe em dúvida o atentado à faca sofrido em setembro de 2018 por
O DESESPERO DA ESQUERDA
Bolsonaro. Em recente entrevista afirmou: “Aquela facada tem alguma coisa
muito estranha, uma facada que não aparece sangue, que o cara é protegido por
seus seguranças”. O Gen. Heleno prontamente saiu em defesa do Bolsonaro com
os seguintes dizeres: “Será que o câncer dele foi mentira? É o da dona Dilma,
também o foi? Isso é uma canalhice típica de Lula”!
2 - A ex-presidente Dilma percorre o mundo afora dizendo
ser vítima de um golpe. Não adianta argumentar com essa
senhora que sempre viveu mentindo durante a sua vida.
3 - Tentativas de minimizar e até terminar com a Operação
Lava Jato, desmerecendo, denegrindo e desqualificando os
dois grandes Dom Quixotes dela: o Juiz Sérgio Moro e o Pro-
curador do Ministério Público Federal Delton Dallagnol.
4 - Segundo a transloucada Gleisi Hoffman, senadora e
presidente do PT, a reforma da Previdência só trará malefícios
para os trabalhadores brasileiros. E teve a petulância de marcar
uma greve geral para o dia 14 de junho, que foi um tremendo
fiasco. Além disso lidera a campanha Lula Livre, pois só assim
o país retornará à Democracia. Ela afirma também que a Ve-
nezuela é um exemplo desse regime de governo.
Presidente Jair Bolsonaro creio que esse segundo semestre será bem
diferente, pois a verdade prevalecerá e o Brasil será uma grande potência eco-
nômica, como foi o legado deixado pelos presidentes durante o regime militar.
Finalizando deixo uma mensagem para reflexão: “Olhe para os mais
necessitados e sofridos, pois dessa maneira não deixará espaços para que surjam
novos “pseudo salvadores da Pátria”, na realidade comunistas, corruptos e
populistas”!
ÚLTIMO ENSEJO
Com a eleição de Bolsonaro, surgiu uma última esperança de solução institucional. Não podemos desperdiçá-la.
Os grandes jornais e
noticiários de televisão,
somente divulgam os
ruins, por mais
relevantes de sejam os
bons. E, se nada
encontrarem que
contraindique uma
determinada ação,
imediatamente,
inventam algo para
desmerecê-la,
geralmente, mentindo
ou distorcendo os fatos.
Muitos congressistas, preocupados
com a própria reeleição, se opõem
aos projetos do Governo, sob a alega-
ção de que o Presidente, como, também,
os Governadores, não se está empenhan-
do suficientemente, e, por isso, não que-
rem assumir, sozinhos, o ônus de apro-
var medidas impopulares.
Se estiverem sendo sinceros, te-
mos pena deles, porque, ainda que al-
guns sejam velhas raposas, ainda não
foram capazes de entender a conjuntu-
ra política brasileira.
Ao contrário do que pensam, as
pautas do governo não são impopula-
res, mas representam o que a maioria
dos eleitores deseja.
Com exceção dos parlamentares
dos partidos da oposição de esquerda,
que já têm seus votos cativos, os de-
mais, entre eles os do Centrão, lidera-
dos pelo capcioso Presidente da Câma-
ra dos Deputados, Rodrigo Maia, que
votarem contra, como diz a sabedoria
popular, estarão dando um tiro no pé,
ou melhor, na cabeça, porque, prova-
velmente, não conseguirão eleger-se.
Se o Presidente mantiver o apoio
popular que tem, mais cedo ou mais
tarde, esses parlamentares perceberão
que somente têm a perder ao se coloca-
rem contra a vontade majoritária dos
eleitores, o que levará ao aumento do
apoio do governo no Congresso.
Assim, por enquanto, não nos pre-
ocupa muito essas dificuldades, artifi-
cialmente geradas por congressistas que
votam com a oposição, não por razões
ideológicas, mas por uma tentativa frus-
trada de pressionar o Governo, para con-
seguir vantagens indevidas ou para pre-
servar privilégios de categorias profis-
sionais que lhes são caras, ou mesmo,
simplesmente, para tentar agradar os
eleitores de esquerda.
Por outro lado, o Presidente Bol-
sonaro e seu governo vêm sofrendo
violentos e contínuos, inescrupulosos
e desonestos ataques dos meios de co-
munição, por motivação nem um pouco
nobre, que não é nosso objetivo abor-
dar agora.
Todos os observadores, mesmo
os mais desatentos, perceberão, que,
embora, quase sempre, as ações gover-
namentais tenham aspectos positivos e
negativos, os grandes
jornaisenoticiáriosde
televisão, somente di-
vulgam os ruins, por
mais relevantes de
sejam os bons. E, se
nada encontrarem que
contraindique uma
determinada ação,
imediatamente,inven-
tam algo para desme-
recê-la, geralmente,
mentindo ou distor-
cendo os fatos.
Tampouco isso
nos preocupa muito,
pois já o vêm pratican-
do desde muito antes
da campanha eleitoral, servindo-se até
de fraude nas pesquisas, sem nenhum
sucesso, haja vista a expressiva votação
obtida por Bolsonaro nos dois turnos
das eleições de 2018.
O que verdadeiramente nos inqui-
eta é ver alguns apoiadores habituais
demonstrarem certo desencanto com a
atuação do Presidente, materializado
por frases como as que se seguem: “o
Bolsonaro, até agora, não fez nada, não
disse a que veio”; “o Bolsonaro se perde
com bobagens e esquece o que é impor-
tante”; “o Bolsonaro deveria fazer isso,
ou não deveria ter feito aquilo”.
Aos poucos, entre os nossos cor-
respondentes que assim pensam, toma-
mos a liberdade de lhes dizer que :
• Essas “bobagens” são promes-
sas feitas durante a campanha para aten-
der aos anseios dos eleitores e foi, para
isso, que ele foi eleito;
• O Presidente está tentando realizar
tudo o que prometeu e, ao contrário do
que pensam alguns, ele já fez muito. O que
é “importante” ele também está tentando
fazer e, se mais não fez é porque vem
sendo sabotado por po-
líticos, cujas propostas
foram derrotadas pelos
eleitores e que fracas-
saram na tentativa de
forçar o Presidente a
aceitar a velha política
do toma lá, dá cá;
• Não é razoável
esperar-se que um pre-
sidente, qualquer que
seja ele, faça tudo o que
dele esperamos. Pes-
soalmente, concorda-
mos com quase todas
as medidas adotadas e
não haveria de ser por
uma ou outra da qual
discordemos, que lhe deveríamos tirar
o apoio. Em verdade, nem sequer temos
a certeza de que, se, por absurdo, viés-
semos a ser o Presidente, conseguiría-
mos fazer tudo que, hoje, imaginamos
que faríamos. O Presidente é o Bolso-
naro, deixemos que ele governe em paz!
Não obstante, se nada disso bas-
tar, reproduziremos, a seguir, trecho de
artigo que escrevemos, muito antes de
ser lançada a candidatura do Bolsonaro:
Não vemos mais solução institu-
cional para a crise política brasileira.
Caminhamos, inexora-
velmente, para uma di-
tadura de esquerda, se
nada for feito, ou para
um regime autoritário em oposição a
ela, se a sociedade, mais uma vez, rea-
gir e o impedir. Dissemos ditadura de
esquerda, porque, sem recursos para
comprar o apoio político, só lhes res-
taria obter uma autorização para go-
vernar por decreto durante certo tem-
po, para se perpetuarem, ditatorial-
mente, no poder, como o fizeram na
Venezuela, e referimo-nos a regime au-
toritário, porquanto qualquer gover-
no, fruto de reação, que se instalasse,
teria de munir-se de poderes extraor-
dinários, para sobreviver às investidas
das forças de esquerda.
Com a eleição de Bolsonaro, sur-
giu uma última esperança de solução
institucional. Não podemos desperdiçá-
la.
Se ele fracassar, a única possibili-
dade plausível, é a volta do PT ou de al-
guma de suas legendas cúmplices.
Que ninguém se iluda! Embora
consideremos remotíssima a possibili-
dade de um político como Alckmin, Ciro
Gomes, Rodrigo Maia, e outros seme-
lhantes, vir a eleger-se, uma eventual
administração de qualquer deles seria
desastrosa e somente serviria, para abrir
caminho para a volta da esquerda ao
poder e da corrupção como instrumen-
to político.
Apoiemos, portanto, o Governo de
Bolsonaro.
Quem cometer a insensatez de
jogar contra ele favorecerá o inimigo e
jamais será perdoado, nem por nós, nem
pelas gerações futuras.
Presidente Jair Bolsonaro, creio que esse segundo semestre será bem diferente, pois a verdade prevalecerá e o Brasil
será uma grande potência econômica, como foi o legado deixado pelos presidentes durante o regime militar.
“Olhe para os mais
necessitados e
sofridos, pois dessa
maneira não deixará
espaços para que
surjam novos “pseudo
salvadores da Pátria”,
na realidade
comunistas, corruptos
e populistas”!
8Nº 265 - Junho/2019 10
Cel Osmar José
de Barros Ribeiro
* Coronel, Historiador Militar e Advogado msorianoneto@hotmail.com
(continua)
* Manoel Soriano Neto
“Árdua é a missão de desenvolver e defender a
Amazônia. Muito mais difícil, porém, foi a de nossos
antepassados em conquistá-la e mantê-la.”
General Rodrigo Octávio / 1º Comandante Militar da Amazônia (1968/1970)
AMAZÔNIA – O GRANDE DESAFIO(XXI)
No artigo anterior, comentamos, su-
cintamente, o que será o Sínodo
Pan-Amazônico a ser realizado no Va-
ticano, em outubro próximo. Também
abordamos, pela rama, a participação
da Igreja Católica, por meio de sua cor-
rente, dita ‘progressista’ (alguns falam
em “Igreja Nova”), na preparação do
dito Sínodo, eis que são assuntos co-
nexoseumbilicalmenteimbricados. Mui-
to vem se escrevendo a respeito deste
Encontro, mas nunca é demais acres-
cermos algumas considerações, mesmo
que repetitivas: afinal, “a repe-
tição é a base do aprendizado”.
Destarte, prosseguiremos na aná-
lise do tema, com um pouco mais
de profundidade, frisando que o
Sínodo será “um encontro global
de bispos no Vaticano para discu-
tir a realidade de índios, ribeiri-
nhos, e demais povos da Amazô-
nia, políticas de desenvolvimen-
to dos governos da região, mu-
danças climáticas e conflitos de
terra”. E mais, - dê-se ênfase! –
“discutir-se a evangelização dos
povos amazônicos”, vale dizer,
com quase certeza, a implantação
de uma “nova catequese”, bem ao
gosto da ‘esquerda clerical’ (anti-
ga expressão, hoje fora de moda)...
Nos dias atuais, em nosso
País, existe uma clara dicotomia na Igre-
ja Católica, tornada evidente na recente
eleição da CNBB, como assinalamos em
nossa última matéria. Os ditos ‘progres-
sistas’ defendem teses brandidas pelas
esquerdas, em consonância, alegam, com
diretrizes do Papa Francisco, “Pontífi-
ce que deseja o clero bem mais próximo
dos pobres e de seus problemas”. Os
‘conservadores’, mais ligados ao sau-
doso Papa João Paulo II e a Bento XVI,
priorizam o resgate dos tradicionais va-
lores cristãos e são francamente con-
trários à ‘Teologia da Libertação’. Esta
Teologia (desde as Conferências do Epis-
copado da América Latina, de Medellin,
em 1968, na Colômbia; e de Puebla, no
México, em 1979) surgiu no seio da Igre-
ja, apesar de sua condenação, após
Puebla, pelo citado Papa João Paulo II,
e que tem por lema, ‘a opção preferen-
cial pelos pobres’...
Tal é a importância para o Va-
ticano, do Sínodo em comento, que foi
enviado para um encontro preliminar - o
‘Sínodo da Amazônia’ -, ocorrido em
março passado, em Manaus, o famoso
monsenhor Marcelo Sanchez Sorondo,
denodado defensor das causas ambien-
talistas, chanceler e presidente da Pon-
tifícia Academia de Ciências (PAC) e da
Academia de Ciências Sociais (PACS) -
importantes órgãos doutrinários da
Santa Sé. Pode-se inferir, pois, que o
Vaticano alinha-se com setores da Igre-
ja, de matiz esquerdista, e com nações
hegemônicas que almejam a interna-
cionalização da Amazônia, o que pode-
rá redundar em um desnecessário con-
flito do Brasil – uma das maiores nações
católicas do mundo – com o Estado do
Vaticano. A quem isso interessa? Im-
pende ainda destacar, que uma das en-
tidades organizadoras do Sínodo Pan-
Amazônico é a Fundação Amazonas
Sustentável (FAS), uma ONG ambien-
talista, com sede em Manaus, presidida
pelo engenheiro florestal Virgílio Viana,
financiada por empresas privadas, como
a Samsung e a Coca Cola, e pelo ‘Fundo
Amazônia’, cujo maior doador - ‘me-
cenas’ - é o governo norueguês. Além
do monsenhor Sorondo e de Viana, es-
tão bastante envolvidos com a realiza-
ção do Sínodo, Dom Cláudio Hummes,
presidente da Comissão Episcopal para
a Amazônia, da CNBB, e Martin Von
Hildebrand, colombiano/estaduniden-
se, presidente da Fundação Gaia Ama-
zônia e idealizador do já amplamente
comentado ‘Corredor Triplo A’.
Em recente entrevista a ‘O Estado
de São Paulo’, o ministro general Heleno
declarou que “a questão vai ser objeto
de estudo cuidadoso pelo GSI”.
FIZEMOS
ONTEM!
FAREMOS
SEMPRE!
Nada melhor para definir a situação
política atual, que a frase do jorna-
lista e professor J. R. Guzzo: a clonagem
do telefone do ministro Sérgio Moro é
apenas um episódio a mais na única
disputa de verdade que existe hoje no
Brasil: a guerra para derrubar Moro,
liquidar a Lava Jato, soltar Lula, sa-
botar o governo e devolver o país aos
ladrões – Centrão, PT, empreiteiras.
Só isso.
Desde o julgamento e condena-
ção do ex-presidente Luiz Inácio Lula
da Silva, o Partido dos Trabalhadores
(PT) buscou em to-
das as oportunidades,
no Brasil e no exterior,
declarar a sua inocên-
cia. Uma fortuna vem
sendo gasta, não se
sabe vinda de onde
ou de quem, para ten-
tar mostrar que Lula
foi submetido a um
processo político.
Para os fiéis seguido-
res, a sua condena-
ção em três instânci-
as judiciais e os processos aos quais
ainda deverá responder, nada repre-
senta.
Sérgio Moro e os Procuradores
empenhados na Operação Lava Jato vem
sofrendo ataques de hackers que vio-
lam o sigilo das suas comunicações, não
sendo de descartar o envolvimento de
profissionais de inteligência estrangei-
ros na ação. Os ataques buscam anular
a condenação de Lula. Trata-se de uma
total inversão de valores: como aceitar
que os empenhados em fazer com que
os criminosos paguem por seus crimes
sejam ameaçados de punição, enquan-
to os meliantes defendem que o sigilo
valha para proteger a identidade de seus
parceiros?
O êxito de tal pretensão resulta-
ria, em última análise, na derrocada da
Operação Lava Jato, na libertação dos
políticos e empresários envolvidos em
crimes que quase levaram à bancarrota
a própria Petrobras, os Fundos de Pen-
são dos funcionários de diferentes es-
tatais e o próprio Estado Brasileiro, bem
como a devolução das importâncias
cobradas aos réus como ressarcimento
dos danos causados ao Brasil e aos bra-
sileiros. Um desastre, tanto moral quan-
CLONAGEM DE TELEFONES.
APENAS SUSPEITAS?
to econômico!
Comparecendo voluntariamente
ao Senado Moro respondeu a todas as
indagações que, durante quase nove
horas, lhe foram feitas pelos parlamen-
tares, muitos deles envolvidos em pro-
cessos que dormitam no STF, tendo
ficado meridianamente claro que, entre
a organização criminosa e a lei, no dizer
do insuspeito Fernando Gabeira, o mi-
nistro escolheu a lei.
O sítio O Antagonista, em 17 de
junho do corrente ano, revela que Mat-
thew Stephenson, professor de direito
em Harvard e autoridade
na pesquisa sobre cor-
rupção e política, publi-
cou em seu blog Global
Anticorruption um lon-
go texto... sob o título
“O Incrível Escândalo
que Encolheu? Novas
Reflexões sobre o Vaza-
mento da Lava Jato. Al-
gumas conclusões extra-
ídas do mesmo:
- os diálogos vaza-
dos não tornam sem fun-
damento a condenação de Lula;
- nenhuma mensagem prova que a
hostilidade a Lula e ao PT já existisse
quando a investigação e o julgamento
do petista começaram e tenha influen-
ciado qualquer decisão do Ministério
Público ou sido baseada em motiva-
ções ideológicas de direita;
- as mensagens vazadas e data-
das de setembro de 2018, não dão credi-
bilidade óbvia (como diz The Intercept)
às acusações de que os procuradores
da Lava Jato são ideólogos de direita
cuja missão primordial era destruir o PT
e impedir o retorno de Lula ao poder.
- a maioria das mensagens estava
no contexto da fase de investigação –
quando o procurador deve requerer
mandados, intimar testemunhas, etc.,
medidas que o juiz tem de aprovar.
As organizações responsáveis
pela segurança do Estado devem, obvi-
amente, estar atentas ao problema e,
mais do que isso, aos inúmeros indícios
de que se tentou e se tenta, inclusive
com apoio externo, liquidar a Lava Ja-
to, soltar Lula, sabotar o governo e
devolver o país aos ladrões – Centrão,
PT, empreiteiras. Só isso. (21/06)
ojbarrosr@gmail.com
Cel José Batista
Pinheiro
(Rio de Janeiro, 13.06.2019)
Aseca no Nordeste é uma calamidade
da natureza que machuca e maltrata
as populações radicadas na área, princi-
palmente no Ceará. Desde o tempo do
Império, quando D. Pedro II, visitando a
área, prometeu vender as joias de sua co-
roa para minorar ou resolver tão grave
infortúnio, que os governos federal e es-
tadual tentam dissipar essa tragédia. So-
mente, a partir de 2013, começou a soprar
o vento da solução definitiva de erra-
dicação da seca no Nordeste brasileiro.
Surge a engenharia do Exército, Através
O EXÉRCITO E A SECA NO NORDESTEdo 1º Grupamento de Engenharia, se-
diado em João Pessoa-PB, criou-se um
projeto de baixo custo, onde um poço
artesiano foi cavado em pleno sertão
árido, São João do Sabugi RN, e está ofe-
recendo água permanente de boa qua-
lidade retirada do subsolo daquela es-
téril região. Os engenheiros do Exército
desenvolveram uma tecnologia moder-
na e prática, aplicando os meios locais.
O poço experimental tem apenas
60m de profundidade, utiliza energia
solar, através de um reduzido painel
para puxar a água através de bombas
elétricas. A água é armazenada numa
caixa d’água plástica, à disposição de
35 famílias. Para a agricultura e animais
bastam ampliar os recursos para au-
mentar a capacidade de retirar e armaze-
nar o precioso líquido. O custo total do
projeto foi de R$ 6.900 (seis mil e no-
vecentos reais) por unidade instalada.
Desde o Império, gastaram-se bilhões
de reais na construção de açudes, ver-
dadeiros piscinões que evaporam e
secam pela contingência do calor pro-
vocado pelo prolon-
gamento da estiagem.
Notícia auspicio-
sa, mas que toda a im-
prensa do Brasil e as
autoridades insistem
em ignorar. Parece que até o governo do
Estado do Ceará só pensa na onerosa
transposição do rio São Francisco que é
uma solução parcial e efêmera. O Exército
lançou as sementes da solução definitiva,
agora é só plantar e colher.
A clonagem do telefone do ministro Sérgio Moro é
apenas um episódio a mais na única disputa de
verdade que existe hoje no Brasil: a guerra para
derrubar Moro, liquidar a Lava Jato, soltar Lula,
sabotar o governo e devolver o país aos ladrões
Para os fiéis
seguidores, a
condenação de Lula
em três instâncias
judiciais e os
processos aos quais
ainda deverá
responder, nada
representam
Nº 265 - Junho/2019 11
*Rayanne Gabrielle
da Silva
* Especialista em História Militar, licenciada
em História, graduanda em Administração e
professora da rede estadual de ensino do
Rio Grande do Norte.
A FARSA DA UNIVERSIDADE PÚBLICA NO BRASIL – PARTEII
Dando continuidade ao artigo ante-
rior, começarei pelo comportamento
dos nobres professores universitários.
Uma parte gostava da “erva”. Um deles,
inclusive, chegou a dar aula completa-
mente drogado, os olhos injetados, fa-
lando coisa com coisa e rindo feito um
doido. Fora o cheiro repugnante. Nos
intervalos, alguns professores senta-
vam-se entre os alunos e fumavam ci-
garro de maconha como se o ambiente
fosse propício para isso. A venda de dro-
gas também era constante. Em 2016, no
ano em que saí da universidade, um co-
lega me confidenciou que um grupo es-
tava vendendo cocaína às vistas de to-
dos. É fácil entender por que protestam
tanto contra a colocação de policiais
militares dentro das universidades.
Ainda sobre os professores, mui-
tos são filiados ou simpatizantes a parti-
dos políticos. Nada contra. O problema é
a interferência nos assuntos estudantis e
a mistura entre as duas coisas. Havia um
professor que fazia questão de afirmar ter
doado uma quantia importante para o
comitê de um partido de esquerda. Até
aí, tudo bem, mas quando o mesmo ar-
rasta todo o comitê para dentro da uni-
versidade para dar “palestras” e incitar
alunos a se filiarem e participarem de
protestos contra o governo, você des-
confia de suas reais in-
tenções.
Um outro colega,
durante as eleições de
2014, recebeu uma caro-
na de um casal de profes-
sores.Nocarro,várias cai-
xas com adesivos e bot-
tons a favor de um parti-
do de esquerda. O colega
afirmou que, durante todo
o caminho, o casal insistia
para que ele usasse um
adesivo no peito, numa
tentativa de recrutá-lo
para a causa. Ele recusou,
porém nunca mais aceitou
carona deles. Na sala de
uma das professoras, encontrei caixas
cheias de material de campanha a serem
distribuídas na universidade. A partir daí,
deixei de entrar na sala, embora fosse meu
direito por ser bolsista de um projeto.
Dentro e fora das salas, a perse-
guição ideológica e as ameaças eram tre-
mendas. Um colega afirmava para todo
mundo que quisesse ouvir que um ami-
go pessoal dele havia sido espancado
na universidade porque falara mal de
um partido político. Por se filha de mi-
litar, fui discriminada, censurada e até
mesmo ameaçada. Outros colegas mili-
tares passaram
pelo mesmo pro-
blema, alguns até
desistiram de con-
tinuar o curso por
causa da discrimi-
nação. Lembran-
do: isso não ocor-
re em toda a uni-
versidade, mas em
cursos fortemente
politizados.
Já tive nota
diminuída por causa da mi-
nha ligação com os mili-
tares e por discordar das
ideias de esquerda. Tive-
ram colegas, policiais mi-
litares, que chegaram ao
ponto de intimidar profes-
sores em aula ao mostrarem
estar portando suas armas
de fogo porque não aguen-
taram as humilhações. Co-
legas simpatizantes à mo-
narquiabrasileiraeramxin-
gados por professores, os
quais incitavam outros alu-
nosafazeremomesmo.Re-
cusei a láurea do curso por
todos estes motivos.
Desperdício há muito: de papel,
água, luz, telefone, tinta de impressora,
material, de maneira geral, intelecto. Pou-
co se aproveita, muita se destrói, a não ser
que o seu departamento tenha um viés
sustentável. Quem critica o contingencia-
mento de hoje esquece que, há cerca de
três, quatro anos atrás, mal havia um ro-
linho de papel higiênico no banheiro de-
vido a cortes – e não contingenciamento
– de verbas.
O desperdício de intelecto está no
investimento precário em pesquisas da
área de pós-graduação. Pesquisas rela-
cionadas à homossexualidade, a uma
cidade sem graça no interior ou sobre a
obra de um pesquisador de quem nin-
guém nunca ouviu falar – e nem ouvirá, a
depender da sociedade lá fora – são in-
centivadas pelos professores, os quais
afirmam, nos bastidores, serem pesqui-
sas fracas e de pouca relevância. Porém,
não importa: o que se quer é formar mes-
tres e doutores prontos para dar continui-
dade ao trabalho de lavagem cerebral
deles. Recebi duas propostas de mes-
tra-do. Recusei as duas porque, com cer-
teza, eles me reprovari-
am ao falar sobre minha
área de especialização, pois eles já sabiam
que eu não era fácil de manipular.
Portanto, o que há de errado nas
ações do atual governo com relação a
determinados contingenciamentos em
setores que, de fato, há muito tempo só
fazem barulho e pouco trabalho no Brasil?
Em caso de dúvidas, observem as figuras,
entre professores e alunos, que estão in-
do protestar, toda semana, contra as me-
didas do ministro. São os que reprovam
para viver de bolsa, são os que ensinam
praticando perseguição ideológica e la-
vagem cerebral, são os que pouco produ-
zem cientificamente. Até agora, não vi
nenhum grande mestre, doutor, especia-
lista ou aluno sério e comprometido com
o seu trabalho indo às ruas protestar,
gritar e xingar o governo. Pelo contrá-
rio. Estes se encontram enfurnados em
seus laboratórios, com a cara nos livros
e produzindo cientificamente, afinal,
com pouco pode-se fazer muito. Disso,
eles não abrirão mão.
A realidade descrita acima é uma
das várias que ocorrem dentro de univer-
sidades públicas e institutos federais por
todo o país. Que o relato não sirva de de-
sestímulo para os futuros ingressantes,
pelo contrário: combatam isso como eu
e vários outros combateram e ainda com-
batem, prontos para transformar a uni-
versidade pública brasileira naquilo que
ela realmente é, uma fonte de conheci-
mento, diversidade e integração, afinal,
a universidade é de todos e para todos.
Só assim o Brasil conseguirá se alçar
aos objetivos almejados no campo da
educação, ciência e tecnologia.
Mais um pequeno relato do que vivenciei durante cerca de 5,5 anos dentro
de uma universidade federal aqui no Estado do Rio Grande do Norte.
Ocupação de um dos
banheiros da universidade
Pichações nas paredes da faculdade
GLTB
Aviso importante a todos que defendem a vida e a família:
OProjeto de Lei que pune com prisão qual-
quer oposição às teorias de gênero está de
volta à pauta da Comissão de Constitucionalidade
do Senado Federal.
O Projeto de Lei 672/2019, de autoria do Se-
nador Weverton Rocha, do PDT do Maranhão, su-
postamente, segundo o relator Senador Alessandro
Vieira, deveria proteger os homossexuais e mem-
bros da comunidade LGBT contra a violência.
Na verdade, porém, conforme pode ser lido
no próprio texto do projeto, a iniciativa, promove-
rá a criminalização de todos aqueles que se ex-
pressarem contra a ideologia de gênero, inclusive
pais de alunos e professores.
É o que afirma o PL 672/2019 quando:
(...) inclui na referida legislação os crimes
de discriminação ou preconceito de orientação
sexual e/ou identidade de gênero.
E estabelece punição para as práticas deste
crime:
Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os
crimes resultantes de preconceito em razão da
identidade de gênero e/ou orientação sexual.
Constitui crime:
Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a dis-
criminação ou preconceito de raça, cor, etnia, reli-
gião, procedëncia nacional, identidade de gênero
e/ou orientação sexual.
Pena: reclusão de um a três anos e multa.
Devido à forma equivocada como foi apre-
sentado, o projeto foi aprovado em primeira vota-
ção por 18 votos a favor e um único contra na quarta-
feira, 22 de maio. A lista dos votantes pode ser con-
sultada aqui.
Mas depois de, literalmente, milha-
res de pessoas terem enviando mensa-
gens e telefonado aos gabinetes dos se-
nadores, e outros muitos terem se diri-
gido ao Senado para explicarem pesso-
almente aos parlamentares o verdadeiro
significado do projeto, o Projeto não con-
seguiu mais entrar em pauta para a vo-
tação suplementar nas duas semanas se-
guintes.
No entanto, o PL 672/2019 está novamente
agendado para entrar na pauta da CCJ na manhã da
próxima quarta-feira, 12 de junho de 2019.
Conforme pode ser verificado na ficha de tra-
mitação neste link, o PL está agendado para o quin-
to lugar da pauta.
Necessitamos da ajuda de todos
para impedir a aprovação deste
nefasto projeto.
Telefone e envie emails aos parlamentares
membros da Comissão de Constituição, Cidadania
e Justiça do Senado Federal, explicando-lhes que
foram enganados.
Não se limite a protestar.
Explique aos senadores e seus assessores
sobre a malícia do projeto, como os eleitores es-
tão a par dos acontecimentos
e a preocupação dos pais sobre
os efeitos que o projeto aprova-
do terá sobre a educação de seus
filhos.
Mostrem como a verdadei-
ra finalidade do PL 672/2019
não é proteger da perseguição
os homossexuais, mas perse-
guir os pais de família que, no
exercício constitucional do di-
reito de educar seus filhos, manifestarem oposição à
ideologia de gênero.
Peçam a todos que votem contrariamente
ao Projeto de Lei nesta quarta-feira, dia 12 de ju-
nho de 2019, na Comissão de Constituição, Justi-
ça e Cidadania.
Usem em todo momento de polidez e educa-
ção, mas sem deixar de ser muito claros em suas
palavras, em nenhum momento utilizando expres-
sões ofensivas ou indecorosas.
Divulgue esta mensagem a todos os seus conta-
tos e peçam que eles façam o mesmo.
Padre Paulo Ricardo
8Nº 265 - Junho/2019 12
*Coronel, Administrador, Membro da AHMTB
* Ernesto Caruso
AOrdem dos Advogados do Brasil, com todo o manto que a reveste, não deixa
de ser um conselho de classe tendo, dentre outras competências, a de ins-
taurar e instruir processos disciplinares para julgamento pelo Tribunal de Ética
e Disciplina, por desvio de conduta dos seus integrantes.
O citado órgão foi criado pelo Decreto nº 19.408/1930, que “Reorganiza a
Corte de Apelação”, assinado por Getúlio Vargas.
Inserido nesse contexto, consta no Art. 17: Fica criada a Ordem dos
Advogados Brasileiros, órgão de disciplina e seleção da classe dos advo-
gados, que se regerá pelos estatutos que forem votados pelo Instituto da Ordem
dos Advogados Brasileiros, com a colaboração dos Institutos dos Estados,
e aprovados pelo Governo.
A Lei nº 4.215/1963, que dispõe sobre o Estatuto da OAB, no Art. 1º reza:
A Ordem dos Advogados do Brasil, criada pelo Art. 17... é o órgão de seleção
disciplinar e defesa da classe dos advogados em toda a República.
Por fim, a Lei nº 8.906/1994 deu à Ordem a amplitude explícita no Art.
44 com mais esta finalidade: I - defender a Constituição, a ordem jurídica do
Estado democrático de direito, os direitos humanos, a justiça social, e pug-
nar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da justiça e pelo aper-
feiçoamento da cultura e das instituições jurídica...
Mais adiante o Art. 44, II assinala que tem por finalidade, “promover,
com exclusividade, a representação,
a defesa, a seleção e a disciplina dos
advogados”, competindo, pelo Art.
54, II, ao Conselho Federal, “repre-
sentar, em juízo ou fora dele, os in-
teresses coletivos ou individuais
dos advogados;”.
O tratamento singular que re-
cebe expõe nitidamente a qualifica-
ção de ente superior em relação às ou-
tras categorias que desempenham se-
melhante papel de fiscalizar as pro-
fissões regulamentadas.
A destacar de início, diferen-
te de outras categorias de trabalha-
dores, como a dos médicos cuja ati-
vidade gira em torno da vida ou mor-
te dos seus pacientes, submete o for-
mado em Direito a exame prévio pa-
ra ingresso na Ordem.
Os constituintes de 1988 atri-
buíram maior importância à OAB do
que prevaleceu nas Constituições an-
teriores.
Recém terminado o regime militar, o esquerdismo estava em alta e os di-
reitos humanos/direitos dos manos em favor dos terroristas marxistas que
mataram e mutilaram inocentes com bombas e suas balas perdidas, eram o
foco, engavetando as atrocidades.
Vide o caso de Orlando Lovecchio, jovem que sonhava ser piloto de aviação
e foi vítima de uma bomba/terrorista http://www.museuvitimasdoscomunistas.
com.br/saloes/ver/vitima-orlando-lovecchio
Ainda, criaram meios de se premiarem com milionárias indenizações.
Eis que a OAB ponteia na Constituição 88.
O Art. 93, I, ao disciplinar o ingresso na carreira da Magistratura no cargo
inicial de juiz substituto, mediante concurso público, determina “com a par-
ticipação da Ordem dos Advogados em todas as fases”.
Já o Art. 103 ao abordar a proposição de ação direta de inconstitucio-
nalidade e a ação declaratória de constitucionalidade esclarece que, entre
outros entes, pode propor, no inciso VII, particularmente, “o Conselho Fe-
deral da Ordem dos Advogados do Brasil” e genericamente, no inciso IX, “con-
federação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional”.
Na composição do Conselho Nacional de Justiça, dos 15 membros, dois
advogados são indicados pelo Conselho Federal da OAB (Art.103-B, XII) e, de
acordo com o § 6º desse artigo, junto ao Conselho oficiarão o Procurador-Geral
da República e o Presidente do Conselho Federal da OAB.
Por semelhança com a Magistratura, o ingresso na carreira do Ministé-
rio Público, far-se-á por concurso público, também assegurada a participa-
ção da OAB em sua realização (Art. 129, § 3º).
No Conselho Nacional do Ministério Público, dos 14 membros, dois
advogados são indicados pelo Conselho Federal da OAB (Art. 130-A) e, pelo
§ 4º, o Presidente do Conselho da OAB oficiará junto ao Conselho.
Ainda participa em todas as fases do concurso público para ingresso na
carreira dos Procuradores dos Estados e do Distrito Federal (Art. 132). Como
as demais, de suma importância, pois que tais servidores exercerão a represen-
tação judicial e a consultoria jurídica das unidades administrativas.
Pelo Art. 94, um quinto dos lugares dos Tribunais Regionais Federais, dos
A OAB NA CONSTITUIÇÃO DE 1988
Tribunais dos Estados e do Distrito Federal será composto de
membros do Ministério Público... e de advogados... indicados
pelos órgãos das respectivas classes.
Enquanto, os do MP ingressaram como servidores por concurso públi-
co, os advogados por notório saber jurídico.
O Superior Tribunal de Justiça compõe-se de 33 ministros (Art. 104),
sendo... II – um terço, em partes iguais, dentre advogados e membros do Mi-
nistério Público Federal, Estadual, do Distrito Federal e Territórios... indi-
cados na forma do Art. 94, ... advogados indicados pela OAB.
O Tribunal Superior do Trabalho compor-se-á de 27 Ministros, sendo
um quinto dentre advogados e membros do Ministério Público do Trabalho,
indicados pelos órgãos de classe (Art. 111-A, I CF).
Observa-se como a OAB participa da seleção de pessoal praticamente pa-
ra todos os níveis da estrutura destinada à administração da justiça no país.
Ora, qual a atividade precípua dos advogados? “No processo judicial,
o advogado contribui, na postulação de decisão favorável ao seu constituinte
e ao convencimento do julgador,...” (§ 2º, Art. 2º L8906).
Ou seja, o “seu” advogado de ontem ou, do seu partido, pode ser o juiz
que vai julgar o “seu” processo amanhã. Prenhe de ideologia, gratidão ou ci-
frão, vale tudo, até notório saber e conduta ilibada.
Como soe acontecer, de um
modo geral os órgãos de classe
dos trabalhadores, bem como dos
estudantes, a esquerda em mi-
noria, mas muito atuante, dou-
trinada e motivada, ocupa espa-
ço preponderante (desde sem-
pre), face ao que pudesse repre-
sentar a sociedade nitidamente
avessa ao marxismo.
A OAB também está conti-
da no mesmo contexto.
O mais recente desgaste
refere-se à posição do Conselho
Federal da Ordem dos Advoga-
dos do Brasil ao recomendar o
afastamento do ministro Sérgio
Moro e dos procuradores da La-
va Jato, após a divulgação da tro-
ca de mensagens por reportagem
do The Intercept.
Da internet colhe-se a rea-
ção do ex-presidente da OAB-
SC Amauri Ferreira: "Com or-
gulho, fui presidente da OAB-SC e hoje tenho vergonha de ver a nossa OAB
mancomunada com um presidente da OAB nacional comunista e PT. Santa
Catarina sempre foi progressista e nunca se envolveu em política partidá-
ria, especialmente com partidos de esquerda, que protegem ordinários e
corruptos. Eu não me sinto representado pela OAB-SC e pela OAB nacional.
É uma vergonha...".
Fica a pergunta. Por que um órgão de classe tem todo esse poder em
relação aos demais?
Órgão, este, cuja atividade dos seus membros é defender qualquer acusa-
do e fazer justiça, sob contrapartida remuneratória a que faz jus, mas não pode
pairar dúvidas sobre a lisura da condenação ou absolvição do seu constituinte.
A promiscuidade gera-
da, por certo minoria, mas
vultosa a depender das ques-
tões envolvidas, precisa ser
estancada. O concurso pú-
blico ainda é o caminho. Me-
lhor do que o jargão, “Quem
Indica” a dever favores.
Como lição, lembrar do
diálogo difamatório entre
ministros da alta corte: “vos-
sa excelência é uma deson-
ra para o tribunal”, ao que
o outro responde, “vossa Ex-
celência precisa fechar o seu
escritório de advocacia”. Cai
o pano rapidamente. Ainda
ficam de fora os casos das
esposas e seus escritórios afi-
nados com a governança cor-
rupta.
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265
Inconfidência nº 265

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Professor Belinaso
 
Inconfidêcia nº 231‏
Inconfidêcia nº 231‏Inconfidêcia nº 231‏
Inconfidêcia nº 231‏
Lucio Borges
 
Miniguia explicativo da vitória de Trump: a reta final das eleições norte-ame...
Miniguia explicativo da vitória de Trump: a reta final das eleições norte-ame...Miniguia explicativo da vitória de Trump: a reta final das eleições norte-ame...
Miniguia explicativo da vitória de Trump: a reta final das eleições norte-ame...
Professor Belinaso
 
Grupo aprendizes da arte real
Grupo aprendizes da arte realGrupo aprendizes da arte real
Grupo aprendizes da arte real
Guy Valerio Barros dos Santos
 
Aula de Sociologia no Ensino Médio: protestos, crises e preocupações nos prim...
Aula de Sociologia no Ensino Médio: protestos, crises e preocupações nos prim...Aula de Sociologia no Ensino Médio: protestos, crises e preocupações nos prim...
Aula de Sociologia no Ensino Médio: protestos, crises e preocupações nos prim...
Professor Belinaso
 
Jornal Inconfidência edição nº 222
Jornal Inconfidência edição nº 222Jornal Inconfidência edição nº 222
Jornal Inconfidência edição nº 222
Lucio Borges
 
Aula de Sociologia no Ensino Médio: os primeiros dias do governo Temer
Aula de Sociologia no Ensino Médio: os primeiros dias do governo TemerAula de Sociologia no Ensino Médio: os primeiros dias do governo Temer
Aula de Sociologia no Ensino Médio: os primeiros dias do governo Temer
Professor Belinaso
 
Inconfidência 227‏
Inconfidência 227‏Inconfidência 227‏
Inconfidência 227‏
Lucio Borges
 
Por Davis Sena Filho
Por Davis Sena FilhoPor Davis Sena Filho
Por Davis Sena Filho
Guy Valerio Barros dos Santos
 
A década perdida
A década perdidaA década perdida
A década perdida
Beba Gatosa
 
O CONTROVERSO E FORJADO MEMORANDO DA CIA - artigo do historiador coronel Cláu...
O CONTROVERSO E FORJADO MEMORANDO DA CIA - artigo do historiador coronel Cláu...O CONTROVERSO E FORJADO MEMORANDO DA CIA - artigo do historiador coronel Cláu...
O CONTROVERSO E FORJADO MEMORANDO DA CIA - artigo do historiador coronel Cláu...
Lucio Borges
 
A derrota política do lulo petismo fsp-05out10
A derrota política do lulo petismo fsp-05out10A derrota política do lulo petismo fsp-05out10
A derrota política do lulo petismo fsp-05out10
Dagobah
 
Carta pessoal de Martha de Freitas Azevedo Pannunzio, criticando a vida polít...
Carta pessoal de Martha de Freitas Azevedo Pannunzio, criticando a vida polít...Carta pessoal de Martha de Freitas Azevedo Pannunzio, criticando a vida polít...
Carta pessoal de Martha de Freitas Azevedo Pannunzio, criticando a vida polít...
Caetano
 
As mentiras de estado parte ii
As mentiras de estado  parte iiAs mentiras de estado  parte ii
As mentiras de estado parte ii
BORGES- Borges
 
INCONFIDÊNCIA Nº 234 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016
INCONFIDÊNCIA Nº 234 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016INCONFIDÊNCIA Nº 234 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016
INCONFIDÊNCIA Nº 234 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016
Lucio Borges
 
Relato rio brasil
Relato rio brasilRelato rio brasil
Relato rio brasil
Eliege Fante
 
Habeas lula 2017
Habeas lula 2017Habeas lula 2017
Habeas lula 2017
Mauricio Thomaz
 
O povo cego e as farsas do poder 3ed
O povo cego e as farsas do poder 3edO povo cego e as farsas do poder 3ed
O povo cego e as farsas do poder 3ed
Eric Guedes
 

Mais procurados (18)

Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
Aula de Sociologia - Narrativas Norte-Americanas sobre o Impeachment de Dilma...
 
Inconfidêcia nº 231‏
Inconfidêcia nº 231‏Inconfidêcia nº 231‏
Inconfidêcia nº 231‏
 
Miniguia explicativo da vitória de Trump: a reta final das eleições norte-ame...
Miniguia explicativo da vitória de Trump: a reta final das eleições norte-ame...Miniguia explicativo da vitória de Trump: a reta final das eleições norte-ame...
Miniguia explicativo da vitória de Trump: a reta final das eleições norte-ame...
 
Grupo aprendizes da arte real
Grupo aprendizes da arte realGrupo aprendizes da arte real
Grupo aprendizes da arte real
 
Aula de Sociologia no Ensino Médio: protestos, crises e preocupações nos prim...
Aula de Sociologia no Ensino Médio: protestos, crises e preocupações nos prim...Aula de Sociologia no Ensino Médio: protestos, crises e preocupações nos prim...
Aula de Sociologia no Ensino Médio: protestos, crises e preocupações nos prim...
 
Jornal Inconfidência edição nº 222
Jornal Inconfidência edição nº 222Jornal Inconfidência edição nº 222
Jornal Inconfidência edição nº 222
 
Aula de Sociologia no Ensino Médio: os primeiros dias do governo Temer
Aula de Sociologia no Ensino Médio: os primeiros dias do governo TemerAula de Sociologia no Ensino Médio: os primeiros dias do governo Temer
Aula de Sociologia no Ensino Médio: os primeiros dias do governo Temer
 
Inconfidência 227‏
Inconfidência 227‏Inconfidência 227‏
Inconfidência 227‏
 
Por Davis Sena Filho
Por Davis Sena FilhoPor Davis Sena Filho
Por Davis Sena Filho
 
A década perdida
A década perdidaA década perdida
A década perdida
 
O CONTROVERSO E FORJADO MEMORANDO DA CIA - artigo do historiador coronel Cláu...
O CONTROVERSO E FORJADO MEMORANDO DA CIA - artigo do historiador coronel Cláu...O CONTROVERSO E FORJADO MEMORANDO DA CIA - artigo do historiador coronel Cláu...
O CONTROVERSO E FORJADO MEMORANDO DA CIA - artigo do historiador coronel Cláu...
 
A derrota política do lulo petismo fsp-05out10
A derrota política do lulo petismo fsp-05out10A derrota política do lulo petismo fsp-05out10
A derrota política do lulo petismo fsp-05out10
 
Carta pessoal de Martha de Freitas Azevedo Pannunzio, criticando a vida polít...
Carta pessoal de Martha de Freitas Azevedo Pannunzio, criticando a vida polít...Carta pessoal de Martha de Freitas Azevedo Pannunzio, criticando a vida polít...
Carta pessoal de Martha de Freitas Azevedo Pannunzio, criticando a vida polít...
 
As mentiras de estado parte ii
As mentiras de estado  parte iiAs mentiras de estado  parte ii
As mentiras de estado parte ii
 
INCONFIDÊNCIA Nº 234 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016
INCONFIDÊNCIA Nº 234 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016INCONFIDÊNCIA Nº 234 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016
INCONFIDÊNCIA Nº 234 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2016
 
Relato rio brasil
Relato rio brasilRelato rio brasil
Relato rio brasil
 
Habeas lula 2017
Habeas lula 2017Habeas lula 2017
Habeas lula 2017
 
O povo cego e as farsas do poder 3ed
O povo cego e as farsas do poder 3edO povo cego e as farsas do poder 3ed
O povo cego e as farsas do poder 3ed
 

Semelhante a Inconfidência nº 265

CHEFE.pdf
CHEFE.pdfCHEFE.pdf
CHEFE.pdf
ELIAS OMEGA
 
O chefe lula
O chefe lula O chefe lula
O chefe lula
Emerson Silva
 
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o GolpeMaterial de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Miguel Rosario
 
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Lucio Borges
 
Inconfidencia 236 cor
Inconfidencia 236 corInconfidencia 236 cor
Inconfidencia 236 cor
Lucio Borges
 
Verdade seja dita
Verdade seja ditaVerdade seja dita
Verdade seja dita
Zarabatana no PT
 
Boaventura brasil democracia a beira do caos 20 março2016
Boaventura brasil democracia a beira do caos 20 março2016Boaventura brasil democracia a beira do caos 20 março2016
Boaventura brasil democracia a beira do caos 20 março2016
Carla VP
 
Inconfidência n 259
Inconfidência n 259 Inconfidência n 259
Inconfidência n 259
Lucio Borges
 
Jornal CTB 2016 01-20-n6-ano9
Jornal CTB 2016 01-20-n6-ano9Jornal CTB 2016 01-20-n6-ano9
Jornal CTB 2016 01-20-n6-ano9
Carlos Eduardo
 
Boaventura de sousa santos - Brasil: a democracia à beira do caos e os perigo...
Boaventura de sousa santos - Brasil: a democracia à beira do caos e os perigo...Boaventura de sousa santos - Brasil: a democracia à beira do caos e os perigo...
Boaventura de sousa santos - Brasil: a democracia à beira do caos e os perigo...
Palácio do Planalto
 
PIG - Os 30 Berlusconis
PIG - Os 30 Berlusconis PIG - Os 30 Berlusconis
PIG - Os 30 Berlusconis
Paulo Franco
 
Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263
dizjornal jornal
 
Desarmamento
DesarmamentoDesarmamento
Desarmamento
Nádia Souza
 
434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok
Roberto Rabat Chame
 
Revista Em defesa do PT
Revista Em defesa do PTRevista Em defesa do PT
Revista Em defesa do PT
Giovanni Sandes
 
Cartilha PT
Cartilha PTCartilha PT
Cartilha PT
Anna Tiago
 
Em Defesa do PT
Em Defesa do PTEm Defesa do PT
Em Defesa do PT
auldf13
 
O lodo
O lodo O lodo
O lodo
reflecaoacao
 
Inconfidência nº 251
Inconfidência nº 251Inconfidência nº 251
Inconfidência nº 251
Lucio Borges
 
O chefe1 lula
O chefe1 lulaO chefe1 lula
O chefe1 lula
Luiz Fernando da Silva
 

Semelhante a Inconfidência nº 265 (20)

CHEFE.pdf
CHEFE.pdfCHEFE.pdf
CHEFE.pdf
 
O chefe lula
O chefe lula O chefe lula
O chefe lula
 
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o GolpeMaterial de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
Material de divulgação do volume 2 da Enciclopédia do Golpe: A Mídia e o Golpe
 
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
 
Inconfidencia 236 cor
Inconfidencia 236 corInconfidencia 236 cor
Inconfidencia 236 cor
 
Verdade seja dita
Verdade seja ditaVerdade seja dita
Verdade seja dita
 
Boaventura brasil democracia a beira do caos 20 março2016
Boaventura brasil democracia a beira do caos 20 março2016Boaventura brasil democracia a beira do caos 20 março2016
Boaventura brasil democracia a beira do caos 20 março2016
 
Inconfidência n 259
Inconfidência n 259 Inconfidência n 259
Inconfidência n 259
 
Jornal CTB 2016 01-20-n6-ano9
Jornal CTB 2016 01-20-n6-ano9Jornal CTB 2016 01-20-n6-ano9
Jornal CTB 2016 01-20-n6-ano9
 
Boaventura de sousa santos - Brasil: a democracia à beira do caos e os perigo...
Boaventura de sousa santos - Brasil: a democracia à beira do caos e os perigo...Boaventura de sousa santos - Brasil: a democracia à beira do caos e os perigo...
Boaventura de sousa santos - Brasil: a democracia à beira do caos e os perigo...
 
PIG - Os 30 Berlusconis
PIG - Os 30 Berlusconis PIG - Os 30 Berlusconis
PIG - Os 30 Berlusconis
 
Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263
 
Desarmamento
DesarmamentoDesarmamento
Desarmamento
 
434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok
 
Revista Em defesa do PT
Revista Em defesa do PTRevista Em defesa do PT
Revista Em defesa do PT
 
Cartilha PT
Cartilha PTCartilha PT
Cartilha PT
 
Em Defesa do PT
Em Defesa do PTEm Defesa do PT
Em Defesa do PT
 
O lodo
O lodo O lodo
O lodo
 
Inconfidência nº 251
Inconfidência nº 251Inconfidência nº 251
Inconfidência nº 251
 
O chefe1 lula
O chefe1 lulaO chefe1 lula
O chefe1 lula
 

Mais de Lucio Borges

INCOMPREENSÍVEL OMISSÃO - 60 anos. É IMPORTANTE QUE RETRANSMITAM!!
INCOMPREENSÍVEL OMISSÃO - 60 anos.  É IMPORTANTE QUE RETRANSMITAM!!INCOMPREENSÍVEL OMISSÃO - 60 anos.  É IMPORTANTE QUE RETRANSMITAM!!
INCOMPREENSÍVEL OMISSÃO - 60 anos. É IMPORTANTE QUE RETRANSMITAM!!
Lucio Borges
 
Importante documento histórico que também explica vários motivos da deflagra...
Importante documento histórico que também explica  vários motivos da deflagra...Importante documento histórico que também explica  vários motivos da deflagra...
Importante documento histórico que também explica vários motivos da deflagra...
Lucio Borges
 
Manifesto dos Almirantes-1964. Os 60 anos da Contrarrevolução de 1964. DIVULG...
Manifesto dos Almirantes-1964. Os 60 anos da Contrarrevolução de 1964. DIVULG...Manifesto dos Almirantes-1964. Os 60 anos da Contrarrevolução de 1964. DIVULG...
Manifesto dos Almirantes-1964. Os 60 anos da Contrarrevolução de 1964. DIVULG...
Lucio Borges
 
O 31 de março de 1964 - 60 anos sobre a História do Brasil
O 31 de março de 1964 - 60 anos sobre a História do BrasilO 31 de março de 1964 - 60 anos sobre a História do Brasil
O 31 de março de 1964 - 60 anos sobre a História do Brasil
Lucio Borges
 
O TUIUTI - EDIÇÃO Nº 446 DE O TUIUTI - 09.02.2024
O TUIUTI - EDIÇÃO Nº 446 DE O TUIUTI - 09.02.2024O TUIUTI - EDIÇÃO Nº 446 DE O TUIUTI - 09.02.2024
O TUIUTI - EDIÇÃO Nº 446 DE O TUIUTI - 09.02.2024
Lucio Borges
 
As Batalhas dos Guararapes 3a Edição 2018
As Batalhas dos Guararapes 3a Edição 2018As Batalhas dos Guararapes 3a Edição 2018
As Batalhas dos Guararapes 3a Edição 2018
Lucio Borges
 
Mensagem da LDN semana da Pátria Bicentenário da Independência
Mensagem da LDN semana da Pátria Bicentenário da IndependênciaMensagem da LDN semana da Pátria Bicentenário da Independência
Mensagem da LDN semana da Pátria Bicentenário da Independência
Lucio Borges
 
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2021 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2021 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONALABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2021 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2021 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
Lucio Borges
 
Moda gaúcha se reinventa no ambiente digital
Moda gaúcha se reinventa no ambiente digitalModa gaúcha se reinventa no ambiente digital
Moda gaúcha se reinventa no ambiente digital
Lucio Borges
 
Inconfidência 284 / Intentona Comunista
Inconfidência 284 / Intentona ComunistaInconfidência 284 / Intentona Comunista
Inconfidência 284 / Intentona Comunista
Lucio Borges
 
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2020 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2020 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONALABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2020 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2020 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
Lucio Borges
 
Mensagem ao ministro Celso de Mello 13-06-2020
Mensagem ao ministro Celso de Mello   13-06-2020Mensagem ao ministro Celso de Mello   13-06-2020
Mensagem ao ministro Celso de Mello 13-06-2020
Lucio Borges
 
Edição Extra / Inconfidência nº 275 de 25/03/2020
Edição Extra / Inconfidência nº 275 de 25/03/2020Edição Extra / Inconfidência nº 275 de 25/03/2020
Edição Extra / Inconfidência nº 275 de 25/03/2020
Lucio Borges
 
Jornal Inconfidência n°276
Jornal Inconfidência n°276Jornal Inconfidência n°276
Jornal Inconfidência n°276
Lucio Borges
 
Inconfidência nº 274
Inconfidência nº 274Inconfidência nº 274
Inconfidência nº 274
Lucio Borges
 
Inconfidência nº 273
Inconfidência nº 273Inconfidência nº 273
Inconfidência nº 273
Lucio Borges
 
Jornal Inconfidência nº 272
Jornal Inconfidência nº 272Jornal Inconfidência nº 272
Jornal Inconfidência nº 272
Lucio Borges
 
Jornal Inconfidência 270
Jornal Inconfidência 270Jornal Inconfidência 270
Jornal Inconfidência 270
Lucio Borges
 
Jornal Inconfidência nº 269
Jornal Inconfidência nº 269Jornal Inconfidência nº 269
Jornal Inconfidência nº 269
Lucio Borges
 
Inconfidência nº 266
Inconfidência nº 266Inconfidência nº 266
Inconfidência nº 266
Lucio Borges
 

Mais de Lucio Borges (20)

INCOMPREENSÍVEL OMISSÃO - 60 anos. É IMPORTANTE QUE RETRANSMITAM!!
INCOMPREENSÍVEL OMISSÃO - 60 anos.  É IMPORTANTE QUE RETRANSMITAM!!INCOMPREENSÍVEL OMISSÃO - 60 anos.  É IMPORTANTE QUE RETRANSMITAM!!
INCOMPREENSÍVEL OMISSÃO - 60 anos. É IMPORTANTE QUE RETRANSMITAM!!
 
Importante documento histórico que também explica vários motivos da deflagra...
Importante documento histórico que também explica  vários motivos da deflagra...Importante documento histórico que também explica  vários motivos da deflagra...
Importante documento histórico que também explica vários motivos da deflagra...
 
Manifesto dos Almirantes-1964. Os 60 anos da Contrarrevolução de 1964. DIVULG...
Manifesto dos Almirantes-1964. Os 60 anos da Contrarrevolução de 1964. DIVULG...Manifesto dos Almirantes-1964. Os 60 anos da Contrarrevolução de 1964. DIVULG...
Manifesto dos Almirantes-1964. Os 60 anos da Contrarrevolução de 1964. DIVULG...
 
O 31 de março de 1964 - 60 anos sobre a História do Brasil
O 31 de março de 1964 - 60 anos sobre a História do BrasilO 31 de março de 1964 - 60 anos sobre a História do Brasil
O 31 de março de 1964 - 60 anos sobre a História do Brasil
 
O TUIUTI - EDIÇÃO Nº 446 DE O TUIUTI - 09.02.2024
O TUIUTI - EDIÇÃO Nº 446 DE O TUIUTI - 09.02.2024O TUIUTI - EDIÇÃO Nº 446 DE O TUIUTI - 09.02.2024
O TUIUTI - EDIÇÃO Nº 446 DE O TUIUTI - 09.02.2024
 
As Batalhas dos Guararapes 3a Edição 2018
As Batalhas dos Guararapes 3a Edição 2018As Batalhas dos Guararapes 3a Edição 2018
As Batalhas dos Guararapes 3a Edição 2018
 
Mensagem da LDN semana da Pátria Bicentenário da Independência
Mensagem da LDN semana da Pátria Bicentenário da IndependênciaMensagem da LDN semana da Pátria Bicentenário da Independência
Mensagem da LDN semana da Pátria Bicentenário da Independência
 
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2021 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2021 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONALABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2021 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2021 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
 
Moda gaúcha se reinventa no ambiente digital
Moda gaúcha se reinventa no ambiente digitalModa gaúcha se reinventa no ambiente digital
Moda gaúcha se reinventa no ambiente digital
 
Inconfidência 284 / Intentona Comunista
Inconfidência 284 / Intentona ComunistaInconfidência 284 / Intentona Comunista
Inconfidência 284 / Intentona Comunista
 
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2020 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2020 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONALABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2020 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
ABERTURA DA SEMANA DA PÁTRIA 2020 - MENSAGEM DA LIGA DA DEFESA NACIONAL
 
Mensagem ao ministro Celso de Mello 13-06-2020
Mensagem ao ministro Celso de Mello   13-06-2020Mensagem ao ministro Celso de Mello   13-06-2020
Mensagem ao ministro Celso de Mello 13-06-2020
 
Edição Extra / Inconfidência nº 275 de 25/03/2020
Edição Extra / Inconfidência nº 275 de 25/03/2020Edição Extra / Inconfidência nº 275 de 25/03/2020
Edição Extra / Inconfidência nº 275 de 25/03/2020
 
Jornal Inconfidência n°276
Jornal Inconfidência n°276Jornal Inconfidência n°276
Jornal Inconfidência n°276
 
Inconfidência nº 274
Inconfidência nº 274Inconfidência nº 274
Inconfidência nº 274
 
Inconfidência nº 273
Inconfidência nº 273Inconfidência nº 273
Inconfidência nº 273
 
Jornal Inconfidência nº 272
Jornal Inconfidência nº 272Jornal Inconfidência nº 272
Jornal Inconfidência nº 272
 
Jornal Inconfidência 270
Jornal Inconfidência 270Jornal Inconfidência 270
Jornal Inconfidência 270
 
Jornal Inconfidência nº 269
Jornal Inconfidência nº 269Jornal Inconfidência nº 269
Jornal Inconfidência nº 269
 
Inconfidência nº 266
Inconfidência nº 266Inconfidência nº 266
Inconfidência nº 266
 

Inconfidência nº 265

  • 1. AS FORÇAS ARMADAS TÊM O DEVER SAGRADO DE IMPEDIR, A QUALQUER CUSTO, A IMPLANTAÇÃO DO COMUNISMO NO BRASIL. BELO HORIZONTE, 27 DE JUNHO DE 2019 - ANO XXV - Nº 265 Site: www.jornalinconfidencia.com.br E-mail: jornal@jornalinconfidencia.com.br “A clonagem do telefone do ministro Sérgio Moro é apenas um episódio a mais na única disputa de verdade que existe hoje no Brasil: a guerra para derrubar Moro, liquidar a Lava Jato, soltar Lula, sabotar o governo e devolver o país aos ladrões - centrão, PT, empreiteiras. Só isso.” INTERVENÇÃO MILITAR, JÁ! A solução para salvar o Brasil está aqui! PÁGINAS 14/15 PÁGINA 4 PÁGINA 5 PÁGINA 9 PÁGINA 4 CINQUENTA E UM ANOS! E A FERA FORA DA JAULA! OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS FORO DE SÃO PAULO VISITA DO GRUPO /JORNAL INCONFIDÊNCIA AO GENERAL COMANDANTE DA 4ª REGIÃO MILITAR O Comandante da 4ª Região Militar, “Região das Minas do Ouro”, General de Divisão Altair José Polsin, convida para a solenidade em comemoração ao aniversário de 128 anos de criação da 4ª Região Militar. Data: 5 de julho às 10h Local: Comando da 4ª Região Militar (Av. Raja Gabaglia, 450 - Gutierrez) Uniforme: 9ºB2 ou correspondente (Militares) Esporte Fino (Civil) REPÚBLICA DOS VELHACOS Na tarde de 14 de junho, 6ª feira, o presidente do Grupo Inconfidência, cel Reynaldo De Biasi Silva Rocha e o Editor deste jornal, cel Carlos Claudio Miguez, fizeram uma visita de cortesia ao novo Comandante da 4ª Região Militar, general de Divisão Altair José Polsin. Além de desejar boas vindas e um feliz Comando, o presentearam com os livros “Médici – a Verdadeira História” e “O 4º Grupo de Artilharia 75 a Cavalo” (foto acima), como também com as revistas Históricas “O Cruzeiro” e “Manchete” de 31 de março de 1964 e as 3 últimas edições históricas do Inconfidência, relativas a 31 de março de 1964, Duque de Caxias e Intentona Comunista de 1935. O general Polsin agradeceu a atenção, seguindo-se uma conversa sobre os recentes acontecimentos, com a presença do Chefe da 5ª Seção, major Aristóteles Prestes dos Santos Junior. FENART - FESTA NACIONAL DA ARTILHARIA/2019Foto: Itamar Aguiar/Palácio Piratini IX ENCONTRO DO JORNAL INCONFIDÊNCIA Será realizado a 08 de julho, 2ª feira, às 14:30 horas, no Salão Cristal do Clube Militar/Sede Lagoa, o IX Encontro dos articulistas e colaboradores do Jornal Inconfidência. PÁGINA 23 PÁGINA 26 Com a presença do presidente Bolsonaro, acompanhado do vice-presidente general Mourão e do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, foi festejado no Regimento Mallet, em Santa Maria/RS, o Dia da Artilharia
  • 2. 8Nº 265 - Junho/2019 22 MARCO ANTÔNIO FELÍCIO General de Brigada - PhD em Ciência Política e Estratégia marco.felicio@yahoo.com OTempo23/06 Aida do Ministro Moro ao Senado e suas firmes respostas às indaga- ções quanto às suas decisões na Lava Jato, supostamente, caracterizadas co- mo parciais por meio de documentos, criminosamente vazados, contendo con- versas entre Ele e o Procurador Deltan Dallagnol, o tornaram mais forte diante da orquestração pela oposição, coman- dada pelo PT, no sentido de desmoralizá- lo bem como a Lava Jato e o governo Bolsonaro. Entretanto, quem saiu desmorali- zada foi a oposição. Mostrou-se, Moro, inocente de qualquer acusação. Enfatizou o crimi- noso vazamento e, também, a necessi- dade de se provar a autenticidade dos documentos publicados e a ausência, nesses, de alterações do conteúdo. Afir- mou que os vazamentos já conhecidos, embora fora de um contexto maior, bus- cando sensacionalismo, não apontam qualquer irregularidade de sua parte e do Procurador Deltan Dallagnol ou de outros. Com pá de cal, enterrou a acusa- ção de ter sido Juiz parcial, ao mostrar, com números efetivos, o resultado do seu trabalho à frente da Lava Jato: Das 90 denúncias apresentadas pelo Minis- tério Público Federal (MPF), no decor- rer da operação Lava Jato, 45 delas fo- ram sentenciadas. O MPF recorreu em 44. “Falou-se muito em conluio, mas aqui há indicativo de que este não ocor- reu de fato". Expôs, também, estatísti- cas das prisões cautelares. Foram 298 QUANTO PIOR, MELHOR. QUE SE DANE A NAÇÃO! “Contribuir para a defesa da Democracia e da liberdade, traduzindo um País com projeção de poder e soberano, deve ser o nosso NORTE! requerimentos, seja para prisão preven- tiva ou temporária, com 207 deferimen- tos e 91 indeferimentos, o que demons- tra que não existiu qualquer conlúio entre MPF e juízo necessariamente." Dos 40 senadores presentes, ob- teve o apoio de 28 deles. Os demais, do PT e oposição, sem argumentação plau- sível, agressivos e sem ética, sem sucesso. Alguns foram repelidos pela pessoa do Mi- nistro. Visavam, a todo cus- to, cegos da realidade, diante de milhões de brasileiros, a condenação de Moro e a li- bertação do bandido Lula. Um deles, a própria ig- norância em pessoa, afirmou que a Lava Jato destruiu o Estado Social que Lula e o PT criaram, levando o País à falên- cia. Outro, idiotizado, tentou acusar a Sra. Moro de participação em escritório de advocacia para vantagens pessoais, algo jamais existente. Um terceiro pro- pugnou pela condenação de Moro, li- bertação de Lula e anulação de proces- sos. Somente faltou defender a devolu- ção do dinheiro roubado e indenização para o tempo de prisão dos corruptos. Tendo em vista o acima, surge uma série de indícios conexos, entre eles a participação direta, no ocorido em tela, de envolvidos, internacionalmente, em hackeamentos e vazamentos de docu- mentos confidenciais do governo esta- duniense USA), como o jornalista e mi- litante Glen Greenwald, criador do site Intercept Brazil, que vem publicando os documentos ilegais. É casado com o militante LGBT David Miranda, este já tendo sido pre- so na Inglaterra conduzindo milhares de documentos hackeados e vazados do governo USA, deputado federal em vaga, supostamente comprada, de Jean Wyllys, ex deputado pelo PSOL-RJ e, agora, vivendo na Ingla- terra. Todos com larga con- vivência com os líderes do PT e favoráveis à liberta- ção de Lula. Há que acrescer que o PT tem larga experiência na manipulação ilegal dos meios virtuais, sob diver- sas formas, desde 2008, tendo criado organização para tal desiderato a partir de 2011. Inacreditavelmente, a cada dia, o MAV conversa com a população, reali- zando lavagem cerebral e impregnando psicologicamente centenas de mentes. Utiliza-se de grande número de hackers e de fanáticos ideologiza- dos, pagos ou não. Os coor- denadores/MAV exigem que os militantes tenham perfis, em diversos locais, de acor- do com o perfil e discurso do alvo representado. Diversas ações, inclu- so hackeamento, são reali- zadas pelos militantes vir- tuais no twitter, facebook, Orkut, emails, instagran, si- tes e blogs. O objetivo é manter ampla gama de perfis que apoiem um ator, ou vários outros, em diferentes comunidades tor- nando-os atraentes à população. Desde que chegou ao poder, o PT tentou censurar, para melhor controlar, a Imprensa, facilitando a ação do MAV. Propôs a criação do Conselho Federal de Jornalismo e a de mecanismos de restrição à liberdade de pensamento no III Plano Nacional de Direitos Huma- nos. Na Internet, no jornalismo impres- so e também na TV e rádio, o PT cooptou ex-jornalistas, pagos regiamente para agredir a oposição e a própria Imprensa contrária. Tentam desacreditá-la para dar, então, relevo às “verdades” do par- tido. Será que o ataque a Moro, à Jus- tiça e ao governo como um todo não terá a participação do MAV ? Até quan- do sujeitaremos a Nação a tal oposição imoral do “Quanto pior melhor. Que se dane a Nação!” Até quando sujeitaremos a Nação Brasileira a tal oposição imoral? A FARSA DO ESCÂNDALO Afarsa do "escândalo" causado pelo vazamento das conversas entre o então juiz Sérgio Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol nos traz algumas lições importantes. A primeira é que ainda há, efetiva- mente, um Brasil do atraso, atuan- do como um bandido velho e de- crépito, que reage desesperada- mente com todas as suas energias, contra as forças das mudanças, tão desejadas pela imensa maioria da nossa população. A segunda é que já decorri- dos cinco anos da primeira fase da Operação Lava Jato, e depois de duas eleições para o Congresso Nacional, o nosso Parlamento apa- rentemente não passou pela reno- vação política que a sociedade bra- sileira tanto almejava e necessita- va. A terceira é que o jogo jogado pe- las velhas oligarquias – e os partidos políticos que as sustentam – não têm limites éticos nem freios para o enfren- tamento da (talvez) última batalha con- tra a onda de moralidade que vem var- rendo suas bases. Os atores dessa de- linquência institucionalizada são capa- zes de se associarem ao underground da espionagem internacional, de bus- carem apoio em potências estrangeiras, e em toda sorte de gangsterismo e mer- *Jorge Pontes cenarismo periféricos. Não há fundo nesse poço chama- do velha política brasileira. A quarta, e mais triste de todas, é que alguns ministros do Supremo Tri- bunal Federal parecem estar dispostos a concorrer para que essas forças do atraso prevaleçam. Aparentemente não conseguem se livrar da influência da- quelas lideranças políticas que os indi- caram para as suas respectivas cadei- ras. Parecem não se importarem em fun- cionar como guardiões do retrocesso. A verdade é que nunca estivemos tão perto de começar um processo efi- caz para a desconstrução do edifício do crime institucionalizado, que é capita- neado por grande parte dessa elite po- lítica anacrônica. E é sabido que a pre- sença de Sérgio Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública será ins- trumental para que tal processo avan- ce. Tudo o que se deseja com a ce- leuma causada pelo vazamento crimi- noso desses diálogos (absolutamente corri- queiros e que não en- cerram nenhuma irre- gularidade) é travar o avanço da onda trazida pela operação de Curi- tiba. Os objetivos são claros: retirar o minis- tro Moro de sua cadei- ra, enterrar o seu paco- te anticrime, torpedear sua indicação para o STF e, dessa forma, fa- zer a roubalheira voltar ao estágio pré- Lava Jato, obviamente com a absolvi- ção e soltura de todos os políticos in- criminados nos processos criminais jul- gados por Sérgio Moro. Com tudo isso, percebemos que a reforma a ser operada com o pacote an- ticrime é ainda mais relevante do que a reforma da previdência, pois a primeira viabilizaria o início de um processo que nos levaria, mais adiante, a um ambiente político e de negócios livre da corrupção desenfreada das últimas duas décadas. A reforma proposta pelo pacote anticrime do ministro Sergio Moro deve preceder ou, no mínimo, ser operada em concomitância com a reforma proposta pelo ministro Paulo Guedes. São dois pilares necessários para o Brasil seguir em frente e se desenvolver. Não pode- mos imaginar a economia do país sa- neada, gerando enormes superávits, com centenas de bilhões de Reais inje- tados em investimentos de infraestru- tura, e a velha política pilotando os mes- mos esquemas da delinquência insti- tucionalizada que nos levaram a crise atual. Estaríamos assim promovendo uma reforma para enriquecer ainda mais essa mesma elite política criminosa que nos sequestrou. As conquistas da Lava Jato nun- ca correram um risco tão grande. Essa talvez seja a última das reações dos operadores do crime institucionalizado contra os desejos da sociedade, mas talvez seja a mais forte de todas, pois dela advirá um verdadeiro concerto de contra medidas e ataques. Vão aprovei- tar para rever a prisão após sentença de segunda instância e para travar o paco- te anticrime, entre outros expedientes escusos. A hora é da sociedade estar mais atenta do que nunca. *Delegado de Polícia Federal e foi Diretor da Interpol.
  • 3. Nº 265 - Junho/2019 33 JORNAL INCONFIDÊNCIA Ao longo de 264 edições mensais (25 anos), o Jornal Inconfidência foi sempre um baluarte da democracia, fazendo frente à filosofia do "politicamente correto" que, a pouco e pouco, minava os mais caros valores da sociedade brasileira. Hoje, quando a internet traz informações de todo o mundo num piscar de olhos, quando os jornais da chamada grande imprensa lutam pela sobrevivência, quando boa parte das notícias de hoje são logo substituídas pelas que serão manchetes amanhã, uma publicação como o Inconfidência, que busca transmitir ideias, ideais e valores, está perdendo espaços duramente conquistados. Cabe, a cada um de nós, evitar que tal venha a acontecer. Se você acredita que não podemos ceder terreno às forças da dissolução moral do País, faça uma assinatura do Jornal Inconfidência. Este o apelo que faço. Obrigado por ajudar a manutenção de posições tão duramente conquistadas. (11/06) CARTA AO PRESIDENTE JAIR BOLSONARO CEL OSMAR JOSÉ DE BARROS RIBEIRO Maringá/PR Por que a autoridade policial limita- se a assistir a prática do crime, quan- do deveria intervir para impedir a con- tinuação e teria a obrigação de prender em flagrante todos os partícipes e man- dantes? Refiro-me as manifestações que estão impedindo, hoje, 14/06/2019, o fun- cionamento do transporte público. Não estou inventando a regra. Está no Código Penal em vigor: “Atentado contra a segurança de outro meio de transporte”. Art. 262 - Expor a perigo outro meio de transporte público, impedir-lhe ou dificultar-lhe o funcionamento: Pena - detenção, de um a dois anos. § 1º - Se do fato resulta desastre, a pena é de reclusão, de dois a cinco anos. § 2º - No caso de culpa, se ocorre desastre: Pena - detenção, de três meses a um ano. Forma qualificada Art. 263 - Se de qualquer dos cri- mes previstos nos arts. 260 a 262, no caso de desastre ou sinistro, resulta le- são corporal ou morte, aplica-se o dis- posto no art. 258." NINGUÉM INTERFERE NO CRIME A POLÍCIA NÃO PRENDE* Lúcio Wandeck Etemmais: Prevaricação Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expres- sa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. Art. 319-A. Deixar o Diretor de Penitenciária e/ou agente público, de cumprir seu dever de vedar ao preso o acesso a aparelho telefônico, de rádio ou similar, que permita a comunicação com outros presos ou com o ambiente externo: (Incluído pela Lei nº 11.466, de 2007). Pena: detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano. Condescendência criminosa Art. 320 - Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar su- bordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhe- cimento da autoridade competente: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa. PAÍS DA IMPUNIDADE O BRASIL É O PAÍS DA IMPUNIDADE TELEVISIONADA, AO VIVO E EM CORES, PARA TODO O MUNDO. QUE VERGONHA! * Cel Aeronáutica e Advogado Excelentíssimo Senhor JAIR MESSIAS BOLSONARO Presidente da República Federativa do Brasil SUGESTÃO DE REFORMA DO CONGRESSO NACIONAL Com o devido respeito que nutro por Vossa Excelência e amparado na ex- pectativa do sucesso de seu governo, apresento-lhe, para exame e conside- rações, diretrizes que podem nortear sua luta no combate ao desperdício de re- cursos de nosso erário, tão aviltado nos últimos tempos. Entendemos a sua preocupação e a da equipe econômica de seu governo. Sabemos das dificuldades que deve enfrentar em sua batalha, mas Vossa Excelência fique certo, até mesmo se não puder contar com o apoio de todo o Legislativo, que terá o respaldo do povo que o elegeu para iniciar as reformas. A enorme máquina política que se abriga nos bastidores do Congresso e o colossal volume de recursos consumidos a cada dia são fatores que san- gram a nossa economia, que vê reduzida a possibilidade da nação progredir; e o que é pior: os congressistas não se sentem responsáveis diretos pelos gas- tos consumidos na manutenção da máquina pública. Assim, renovando a intenção de colaborar com suas práticas democrá- ticas, tomamos a liberdade de formular a presente proposta, na certeza de que, se adotada, tais cortes gerariam enorme diminuição nos gastos do Tesouro. Não entendemos como necessária, tamanha quantidade de representan- tes, que, em sua maioria, se elegem apenas com objetivos escusos visando as regalias que o poder lhes concede; muitas vezes, ao longo do mandato, passam sem qualquer atividade política. Assim, estamos sugerindo o exame da composição das duas casas do Con- gresso, em função do NÚMERO DE ELEITORES DE CADA UNIDADE FE- DERATIVA, e não de acordo com a sua população. Sugerimos a redução do número de Senadores de 3 (três) para 2 (dois) em cada unidade; poder-se-ia, inclusive, eliminar a figura do suplente, ficando o se- gundo colocado nas eleições nessa posição. No caso da Câmara de Deputados, cada Unidade da Federação teria um número fixo de eleitos, que sugerimos como 3 (três) e a proporção de 1 repre- sentante para cada 500.000 (quinhentos mil) ELEITORES. Sugerimos, igualmente, limitar em R$ 100.000,00 (cem mil reais), o quantum a ser gasto por cada representante público; este valor abrangeria TODO O SEU GABINETE, incluindo os seus subsídios. É uma forma de nossos congressistas se adequarem às nossas atuais ne- cessidades, assim contribuindo para o resgate de nossas combalidas finanças. É o que apresentamos a exame de Vossa Excelência, como modesta con- tribuição de quem trabalhou voluntariamente para a sua eleição e acredita na sua competência, boa vontade e desejo de bem servir a Pátria, em cargo para o qual foi eleito com expressiva parcela de nossos eleitores. Renovando nossos protestos de elevada estima e consideração, apresenta- mos-lhe votos de constantes êxitos. Historiador José Francisco de Paula Sobrinho Belo Horizonte (MG) 15 de abril de 2019
  • 4. 8Nº 265 - Junho/2019 4 * Maria Lucia Victor Barbosa *Professora, escritora, socióloga, autora entre outros livros de "O Voto da Pobreza e a Pobreza do Voto – a Ética da Malandragem", Editora Zahar e "América Latina – Em busca do Paraíso Perdido", Editora Saraiva. - mlucia@sercomtel.com.br - www.maluvibar.blogspot.com.br 4 * Rodolpho Heggendorn Donner * Coronel - Psicólogo Outra coisa que ressalta é a pressa com que querem condenar e pedir a saída do Ministro Moro, sem conhecimento do teor da matéria que é fragmentada e obtida criminosamente. E se alguém da República dos Velhacos também estiver em envolvido na escuta de um hacker, como é que fica? Normal? Em um país como o nosso onde o cri- me compensa larga- mente era de se espe- rar que recrudescesse o embate entre a República dos Velhacos, que tenta voltar ao poder e almeja soltar o velhaco mor, e a República de Curitiba composta pelo en- tão juiz e hoje ministro Sérgio Moro, pelos procuradores da força-tarefa da Lava jato e pela Polícia Federal. Quando o juiz competente, íntegro, de moral ilibada deixou sua brilhante car- reira para se tornar ministro, certamen- te não buscou poder pessoal, mas so- nhou que o cargo lhe daria mais possibi- lidade de continuar sua incansável luta contra a corrupção. Como ministro Moro apresentou um projeto anticrime que está parado no Con- gresso e que dificilmente será aprovado por certos parlamentares envolvidos na Lava Jato. O projeto também foi bombar- deado pela OAB, por grupos de advoga- dos, de juízes, de juristas e criticado no STF. Além disso ele perdeu a COAF, órgão através do qual poderia outrossim com- bater o crime organizado. Aliás, estamos vivendo numa es- pécie de parlamentarismo na medida em que o Legislativo esvaziou o poder do Exe- cutivo engessando projetos e atos presi- denciais. A última prova disso foi o texto da reforma da Previdência apresentada pe- lo relator Samuel Moreira, que atendeu de tal forma o lobby dos servidores e a oposi- REPÚBLICA DOS VELHACOS Como sempre resta a esperança, acreditemos que vencerá não a República dos velhacos, mas, sim, a República de Curitiba. In Moro we trust. ção tangida pelo PT que a recente greve geral, além de ter sido mais uma vez um fracasso retumbante perdeu inteiramen- te o foco. Afinal, a reforma da Previdência está do jeito que eles querem. No momento é evidente a costu- meira politização do Direito, o que fica claro na maneira de tra- tar a trama sórdida que surgiu no afã de liber- tar o hóspede de hon- ra da Polícia Federal em Curitiba, destruir o mi- nistro Moro e acabar com o Lava Jato. Trata-se da ação do site The Inter- cePT Brasil, dirigido pelo americano Glenn Greeewald, que hackeou ou mandou hackear con- versas informais entre o então juiz Moro e o procurador e coorde- nador da lava jato, Dal- tan Dallagnol, supos- tamente feitas entre 2015 e 2017. Foram pinçados criminosamente trechos de supostas falas de um contex- to que não se conhece na íntegra, po- rém isso bastou para que a República dos Velhacos, adeptos do crime e da im- punidade acendessem a fogueira da Inquisição para queimar a reputação do ministro e incinerar a Lava Jato. Curiosamente, a divulgação dos áu- dios adulterados surgiu dia 9. Dia 10 o mi- nistro Gilmar Mendes do STF liberou para dia 25 o milionésimo pedido de li- berdade para o hóspede de honra da co- bertura da Polícia Federal em Curitiba. Dia 14, no gabinete do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supre- mo, materializou-se o advogado do pre- sidiário da cober- tura da PF de onde o condenado dá en- trevistas e recebe quem quer. Cristia- no Zanin certamen- te não foi tomar chá com Fachin. Aí po- de? Recordemos apenas dois fatos en- tre muitos para não alongar demais o artigo, que aconte- ceram sem nenhuma aparição de hackers ou gritaria do judi- ciário que se diz ri- gorosamente imparcial: 1º) O desfecho do impeachment de Dilma Rousseff, quando o então pre- sidente do Supremo Ricardo Lewandows- ki, juntamente com o ex-presidente do Senado, portanto do Congresso, Renan Calheiros, rasgou a Constituição ao man- ter os direitos políticos da destituída senhora. Ninguém reclamou. 2º) A presença do ministro Toffoli no julgamento do mensalão apesar de ter trabalhado como advogado para ou- tro indigitado: José Dirceu. Em momen- to nenhum o ministro se considerou impedido ou pessoas o julgaram par- cial. Outra coisa que ressalta é a pres- sa com que querem condenar e pedir a saída do Ministro Moro, sem conheci- mento do teor da matéria que é fragmen- tada e obtida criminosamente. E se al- guém da República dos Velhacos tam- bém estiver em envolvido na escuta de um hacker, como é que fica? Normal? Essa pressa em pedir a cabeça do ministro contrasta enormemente com o julgamento do velhaco mor, que se ar- rastou por longo tempo com o objetivo de obter provas irrefutáveis de crimes depois confirmadas por outros tribu- nais superiores ao da Primeira Instân- cia. Ao final ainda tivemos o espetácu- lo da prisão no Sindicato de São Bernardo, uma ópera bufa onde não faltou até uma "missa negra". Como sempre resta a esperança, acreditemos que vencerá não a Repú- blica dos velhacos, mas, sim, a Repúbli- ca de Curitiba. In Moro we trust! OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS VALE MATAR, ROUBAR, MENTIR, LEVANTAR FALSOS TESTEMUNHOS E MUITO MAIS Não sei qual o pior, se a declaração de Lula duvidando que Bolsonaro tenha de fato recebido uma facada, ou a possível invasão do celular de Moro. Buscam desmerecer a Operação Lava-Jato, obviamente visando a liberdade de Lula. Mal conheço os mo- tes usados pelos nazistas para perse- guir os judeus no século passado. Mas bem conheço um que até os dias de hoje vem motivando crimes tão cruéis quan- to os sofridos pelo povo judeu: Os Fins Justificam os Meios. Ou seja, para con- quista de domínio comunista, tanto aqui quanto em qualquer outro país, tudo vale. Matar, roubar, levantar falsos tes- temunhos, além de várias outras formas de ignorar as leis, menosprezar e elimi- nar adversários políticos. Os governos de esquerda de Lula e Dilma, eles próprios, Zé Dirceu, Palocci e seus prepostos aí estão como exemplos flagrantes da mais nojenta prática crimi- nosa para fins políticos e próprios bene- fícios. Dois fatos recentes retratam per- feitamente o uso desse mote que tudo permite. Não sei qual o pior, se a declara- ção de Lula duvidando que Bolsonaro tenha de fato recebido uma facada, ou a possível invasão do celular de Moro. Ob- jetivo óbvio, desmerecer a Operação Lava-Jato, visando a liberdade de Lula. Ou outros interesses paralelos, sabe-se lá existirem e que só o tempo revelará. Em declarações gravadas, o presi- diário duvidou que, de fato, Bolsonaro tivesse recebido uma facada. Prova fla- grante de estupidez diante de fatos publi- camente testemunhados e comprovados. Ao mentir descaradamente, usa na prá- tica o tradicional mote comunista. Quem não viu o vídeo merece ver. Deve ver, aliás. Se não pelos fatos, pela torpe capacidade de representar ridículos pa- péis sofridos e sober- bos. Mesmo para os que já conhecem tais farsas, revolta a capacidade de se apresentar como in- superável sapiente em gestos e falsos sorrisos debochados. Trata fa- tos indiscutivelmente testemunhados negan- do-os com falsas pos- turas contrárias. A declaração de Lula conseguiu fazer o general Heleno, chefe do Gabinete Institucional, sempre sereno, educado e racional, perder a cal- ma. Manifestou emocio- nalmente opinião sobre a declaração de Lula: “... presidente desonesto deveria tomar prisão perpétua. Canalhice própria desse sujei- to...”. Nenhuma novida- de, esse sempre foi o tom dos comícios de Lula. Simples instrumentação da filosofia “pro- gressista” de base, fiel aos teóricos do PT e seus “puxadinhos” PSOL, PSB e PC do B. Sabe se movimentar ansiosamente nos palcos, possui fingidas expressões cor- porais, chora e ri melhor do que os melho- res atores de novela. Sempre teve extrema capacidade de mentir com a mais lavada cara-de-pau. Pobre Lula de triste fim. O Brasil tem mais é que agradecer aos autores do ataque de hacker ao celu- lar de Moro no aplicativo Telegram, di- vulgado pelo site The Intercept, exibindo conversas entre ele e Dallagnol. Curiosa- mente, será graças a tal crime e suas arma- ções que se poderá saber de verdade - e isto é o mais importante - quem é quem nessa batalha contra a corrupção e crimes políticos que vêm infestando a vida naci- onal. Quem precisa estar do lado crimino- so, culpando e desejando o pior para o juiz e o procurador, e quem apoia a Lava- Jato, principalmente no irrestrito com- bate a crimes infames que, não é de hoje, vêm destruindo a moral nacional. Nesse absolutamente necessário quem é quem, precisará também ficar bem esclarecido o relacionamento político-jornalístico da abdicação do deputado Jean Willys em favor do atual deputado Davi Miranda. Também o relacionamento sabidamente afetivo de Davi com Glen Greenwald, edi- tor do site The Intercept, dando margem a opiniões de envolvimento. Vê-se claramente que a liberdade de Lula a ser conseguida - ou não - por ataques a Moro, Dllagnol e à Lava-Jato não dependerá apenas de partido ativo e de justiça honesta. Dependerá também das claques atuantes em mídias, sindica- tos,supremaciasjurídicasedemaismilíci- as ocultas de apoio. Militantes sempre dispostos a usar o secular mote do co- munismo original. Nada difícil dentre muitas outras práticas. Basta trocar in- terpretações em simples adjetivos, focar o secundário em detrimento do princi- pal ou empregar sofismas e preciosis- mos gramaticais em crônicas jornalísti- cas e quilométricos e nebulosos pare- ceres e votos jurídicos. Mestres co- mentaristas do Globo e advogados de defesa que também o digam, além dos novatos autores das longas reporta- gens em Época e Carta Capital. Nada contra, felizmente vivemos sob liberdade de expressão. No entanto, algumas des- sas intervenções remetem-me ao passa- do em lembrança do que naquela época era conhecido como imprensa marrom.
  • 5. Nº 265 - Junho/2019 5 *Aileda de Mattos Oliveira *Professora Universitária, ESG/2010, Doutora em Língua Portuguesa, ADESG 2008, Acadêmica Fundadora da Academia Brasiliera de Defesa e Membro do CEBRES e Acadêmica AHIMTB - ailedamo@gmail.com *Aristóteles Drummond * Jornalista - Vice- Presidente da ACM/RJ aristotelesdrummond@mls.com.br www.aristotelesdrummond.com.br 5 Todos os brasileiros, da parte sã da Nação, são, de natural, efetivos membros de uma instituição de exis- tência imaterial, mas de fundo moral e cívico e cujo regulamento está inteiro na consciência desses cidadãos, que põem em prática o que reza os seus ar- tigos, no seu viver diário. Essa institui- ção chamada “COMISSÃO DA VER- DADE SOBRE CRIMES CONTRA A NAÇÃO” não está vinculada a partido nem usa vocabulário padrão de alguma ideologia de cabresto. Sua autonomia permanecerá, enquanto existirem pes- soas de valor a forjarem o arcabouço social e mantiverem a preocupação de zelar pela tranquilidade do Estado. Pa- ra isso, é imprescindível que traga, a público, nomes e ações de criaturas, formadas e conduzidas por agentes es- tranhos à nossa formação cultural, for- nidas nos ideais de dominação, e que viviam nos guetos, onde arquitetavam o roubo a bancos; onde a morte sumá- ria dos que lhes eram adversos, estava registrada em calendário; onde a trai- ção à terra ultrajada era louvada a cada passo; e onde se escondiam. como lar- vas em úlceras laceradas. Os integrantes dessa instituição têm o direito de saber, sem pleonasmos, sem eufemismos, sem escamoteações de quaisquer naturezas, por que razão a guerrilheira e assaltante de bancos, à mão armada, criminosa que pertenceu à facção de inimigos da Pátria, a VPR – VanguardaPopularRevolucionária,ain- da goza de liberdade, usando dos be- nefícios que Lewandowski lhe conce- deu, ao rasgar a Constituição em pleno Congresso Nacional, favorecendo-a CINQUENTA E UM ANOS! E A FERA FORA DA JAULA! com um impeachment pela metade? Dilma Vana Rousseff tem nas cos- tas mais uma acusação, a de assassina- to do soldado Mário Kozel Filho, em 26 de junho de 1968, portanto, há cinquen- ta e um anos, num ato hediondo, idea- lizado, articulado e executado pelo gru- po de homicidas da qual fazia parte atuante. O desengonçado dos seus gestos, a falta de aprumo, resultantes de suas características psicológicas de indiví- duo sem remorsos, sem consciência, conduzida pela ideia fixa de demolição do País, dão mostras do desequilíbrio que domina essa abominável criatura. (A foto, uma ilusão de ótica (que pena!), dá forma às palavras.) Com o cinismo próprio dos se- guidores da seita “Destruição é o nosso lema”, já confessou seus crimes con- tra o País, inteiramente à vontade, em entrevista, protegida pelo escudo da impunidade, muralha dos delinquentes políticos, abrigados no regaço dos to- gados. Nesse grau primitivo de evolu- ção, mereceria uma jaula; travestida de mulher, deveria estar numa cela, para que, num pequeno quadrilátero, pas- sasse a viver a sua miserável vida de dí- vidas com as leis, com a Nação. Mário Kozel Filho ainda era mui- to ingênuo. Não tinha idade para sa- ber que nem todos os que nascem no Brasil são brasileiros. Não tinha ex- periência de vida para perceber que a traição é o pior crime que existe, por ser executado sempre pelas costas, sem conceder à vítima da vez, possibi- lidade de defesa. Era muito jovem para desconfiar que os miseráveis que dei- xaram a bomba numa caminhoneta ti- nham a alma turva, e não viveu para sa- ber que aquela, que tanta náusea nos causa, ainda permanece a tecer a teia venenosa para laçar e infectar novos incautos. O soldado-mártir foi promovi- do a Sargento, post mortem, pelo Exér- cito, dando nome à Avenida que pas- sa em frente ao quartel, assim como ao pátio de formatura, onde deixou de desfilar por causa de celerados, inve- josos, apátridas, que deram vazão ao ódio enraizado em suas entranhas e, infelizmente, ainda, aí estão, babando de despeito pela força moral daqueles que não se deixam conduzir aos cur- rais ideológicos. Essa criminosa tinha, tem e terá que ser condenada. Que a mancha na História do Brasil pela sua presença si- nistra à frente do Executivo do País e, como tal, o paradoxal vexame de tê-la Comandante em Chefe das Forças Ar- madas, seja vista como o grau de deca- dência de um povo que, em determina- do momento, atou, ao seu próprio pes- coço, a coleira de submissão às “mara- vilhas” de um regime vermelho. Parte dele acordou a tempo. Só a Justiça continua entorpe- cida, seguindo o modelo de seu pró- prio símbolo: com a venda nos olhos, dorme a sono solto. Dilma Vana Rousseff tem nas costas mais uma acusação, a de assassinato do soldado Mário Kozel Filho, em 26 de junho de 1968, portanto, há cinquenta e um anos, num ato hediondo, idealizado, articulado e executado pelo grupo de homicidas da qual fazia parte atuante. Essa criminosa tinha, tem e terá que ser condenada. Ilusão de ótica Que pena! AMAR O BRASIL Aideia de resta- belecer nas es- colas, em todos os ní- veis, o hino nacional e o da bandeira brasileira, como marca do início do dia, vem bem a calhar. Há, sem dú- vida, a necessidade de restaurarmos o amor aos valores da pátria, de sua história e de sua importância na vi- da de cada um de nós. É bom recor- dar que, em uma das últimas copas, a televisão mostrou que a maioria dos jogadores não cantava o Hino Na- cional. Deve também ser ensinado e can- tado hinos de caráter cívico, como os da República, da Bandeira, da Aboli- ção e da Independência, que muita gente, hoje, nem sabe que existem. E, como no passado, nas aulas de Histó- ria do Brasil, se exaltar os grandes bra- sileiros,exemplosdeausteridade,com- petência e serviços relevantes pres- tados na construção da nação brasi- leira. Nomes não faltam, mas, na lista, não podem estar ausentes os nossos Imperadores, especi- almente D. João VI, que foi nosso Rei e praticamente conso- lidou o Brasil como país ao ser elevado a Reino-Unido. Ainda no Império, ti- vemos a Princesa Isabel e os milita- res estadistas Duque de Caxias, o Marquês de Tamandaré, o Marquês do Herval (General Osório) e o Ba- rão de Mauá. Já na República, Oswal- do Cruz, o sanitarista maior, Ma- chado de Assis, o patrono de nossa cultura. Todos estadistas que não che- garam à Presidência, mas muito fi- zeram, assim como Rui Barbosa, An- tônio Carlos Ribeiro de Andrada e Francisco Campos. Outros destaques foram os presidentes Getulio Vargas, Juscelino Kubitschek, Castello Bran- co, Costa e Silva, Médici e Figueiredo. Pela vontade po- pular, o Brasil mostra querer vencer obs- táculos a seu cresci- mento econômico, cul- tural, social e políti- co, superando as dificuldades cria- das por maus brasileiros, homens cor- rompidos pelo poder, cabeças equi- vocadas – ainda que bem-intencio- nadas. Mas, ao mesmo tempo, resis- te a política menor, a deslealdade, a fraude e a sabotagem ao bem comum por uma ideologia do ódio, da farsa e do ressentimento. A defesa da impu- nidade revolta e enoja! A reação dos brasileiros de bem tem sido positiva, mas não suficien- te para afastar do debate tantas ques- tões mesquinhas, menores, diante da magnitude de problemas que fazem tantos sofrerem com o desemprego, com a ausência de bons serviços de saúde, política educacional, comba- te à violência e reconstrução de uma infraestrutura sucateada. Não são coisas a serem resolvidas da noite pa- ra o dia, mas muito deve e pode ser feito. Depois, devem ter continui- dade, com base numa exigência po- pular. Também é preciso uma consci- ência de que democracia tem limites, como na educação de filhos, no uso da liberdade. Esta não pode ser defendi- da como bem acima da moral e da lei. Há, sem dúvida, a necessidade de restaurarmos o amor aos valores da pátria, de sua história e de sua importância na vida de cada um de nós. A defesa da impunidade revolta e enoja!
  • 6. 8Nº 265 - Junho/2019 66 Visite o Museu da FEB Aberto ao público de 2ª a 6ª feira de 09:30 às 16:30 h. Sábado / Domingo de 09:30 às 13:00 h. Belo Horizonte - Rua Tupis, 723 - Centro Agendamos visitas e palestras somente no Museu. Tel. (31) 3224-9891 Juiz de Fora - Rua Howian, 40 - Centro São João Del Rei - Área do Círculo Militar - Centro PRESTIGIE NOSSOS VETERANOS COM A SUA VISITA www.anvfeb.com.br * Presidente da Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira – Regional BH - Membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil - Sócio Correspondente do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil - Pesquisador Associado ao CEPHiMEx “Conspira contra sua própria grandeza, o povo que não cultiva seus feitos heróicos” FEB - FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA *Marcos Moretzsohn Renault Coelho HOMENAGEM AO PILOTO ANGLO-BRASILEIRO COSME LOCKWOOD GOMM No último dia 8 de junho um grupo de brasileiros se reuniu na pequena cidade francesa de Lisieux, Departamento de Calvados, na Normandia, para home- nagear o piloto anglo-brasileiro COSME LOCKWOOD GOMM, morto em ação nos céus da França quando retornava de uma missão de bombardeamento à cidade italiana de Milão, em agosto de 1943. A pequena, mas muito emocionante homenagem, aconteceu junto ao túmulo do herói, no St. Desir War Cemetery – Liseux, França. Dela participaram: Cel. Ro- berto Fernandes, Adido de Defesa do Brasil na França, Bélgica e Luxemburgo e sua respectiva família, Sr. Pierre Blin, Prefeito Adjunto de St. Desir (França), Mar- cos Moretzsohn Renault Coelho, Augusto Maranhão, José Mateus Teixeira Ri- beiro, Marco Cesar Spinosa, Carlos Magno Alvarez Martinez, Rodolfo Lourenço, João Barone, Paulo Ewerard, Gustavo Buffé, Sefferson Steindorf, Vitor Santos e Ana Lúcia Nogueira Mestre. BREVE HISTÓRICO DO HERÓI ANGLO BRASILEIRO: Nascido na cidade de Curitiba, PR, em 15/11/1913, Cosme Lockwood Gomm era filho de Harry Herbert Gomm e Isabel Whiters Gomm. No ano de 1932 mudou-se para a Inglaterra para alistamento na Royal Air Force. Em 1933 foi comissionado como Oficial Aviador, recebendo a matrícula militar RAF 34123. Já em 1934 foi designado para integrar o 45º Esquadrão de Bombardeiros ba- seado no Oriente Médio. Foi promovido ao posto de Flying Officer em 7/8/36, e em março de 1937, Gomm foi transferido para o 14º Esquadrão de Bombardeiros voando nos céus de Amã e da Jordânia. No mês de agosto do mesmo ano, foi comissionado Flying Lieutenant. A nova promoção foi efetivada em 7/8/38. De volta à Inglaterra em fevereiro de 1939, Gomm serviu como instrutor na 10ª Escola de Treinamento Aéreo até que em janeiro de 1940, foi enviado para o Canadá como instrutor da 1ª Escola de Treinamento Aéreo daquele país. Retornou para a Inglaterra em julho de 1940 e passou a integrar o 77º Esquadrão (subordi- nado ao 4º Grupo de Comando de Bombardeiros). Em outubro do mesmo ano, foi transferido para a 54ª Unidade de Treinamento Operacional (54 OTU). Em março de 1941, foi novamente transferido, desta vez para o 604º Esqua- drão que era comandado pelo famoso Wing Commander John “Cat Eyes” Cunningham e era baseado em Middle Wallop. Foi nesse Esquadrão que Cosme Gomm com- pletou o seu primeiro turno de missões iniciado no 77º Esquadrão, abatendo 3 Hein- kels HE 11 em missões noturnas. Pela sua destacada atuação, em 18/04/41, foi agraciado com a Distinguished Flying Cross. Dois meses depois, foi promovido (provisoriamente) ao posto de Squadron Leader (equivalente à Major), sendo transferido para o Quartel General do 10º Grupo de Caças. Em 28 de junho foi nomeado Comandante da Base Aérea de Co- lerne, permanecendo ali até que em 17 de setembro, foi escolhido para um curso de qualificação em quadrimotores na 51º Unidade de Treinamento Operacional (51 OTU). Pelo seu desempenho, em 17 de novembro do mesmo ano, foi comissionado piloto de provas de quadrimotores, ligado ao QG da RAF. Foi temporariamente nomeado Wing Commander (posto equivalente a Te- nente Coronel) em 01.06.42 e em 1º de setembro teve efetivada sua promoção a Squadron Leader. Em 7/11/1942 apresentou-se como voluntário para um segundo turno de ações. Logo foi aceito e nomeado Comandante do Esquadrão 467º (australiano), equipado com bombardeiros quadrimotores Avro Lancasters B.I e B.III. Em 11/6/43 foi condecorado com a Distinguished Service Order – DSO. Na noite de 15 para 16.08.43, o 467º fez parte de um raid de 199 quadrimotores dos 1º, 5º e 8º Grupos que atacaram Milão e Turim a partir de suas bases na Inglaterra. Foi a 24ª missão do segundo turno de operações do Wing Commander Gomm. Sete bombardeiros foram perdidos nesse raid, a maioria na viagem de retorno, sobre a França. O Lancaster B.III ED998, código PO-Y do Wing Commander decolou de Bottesford às 20:34 horas e foi um dos abatidos. Caiu perto da cidade de Chartres às 23:30 horas. Dos 7 tripulantes, salvou-se apenas o Sargento J. R. Lee que foi feito prisioneiro pelos alemães e levado para o campo de prisioneiros da Luftwaffe em Sa- gan. Os mortos foram sepultados no cemitério da cidade de Chartres. Seus despojos foram transferidos depois da guerra para o Cemitério Militar de Saint Desir nos Cal- vados, França. Foi a última missão do herói anglo-brasileiro Cosme Lockwood Gomm que aos 29 anos de idade deu a sua vida pela paz e a liberdade do mundo contempo- râneo em que vivemos. Seus restos mor- tais descansam na se- pultura 7-G-C-6. Honra e glória eter- na ao herói anglo-brasi- leiro que saiu de Curiti- ba, PR, para lutar contra o nazismo! Seu sacrifício ja- mais será esquecido! Além do Wing CommanderGomm,mui- tos outros brasileiros se alistaram na RAF para lutar contra as forças nazi-fascitas du- rante a Segunda Guerra Mundial: Pierre Clostermann, Oscar Delgado O'Neill, Frederick C. Tate, John Raymond Aldridge, Douglas Anderson, Stanley Harry Barnard (nascido em Recife, morto em ação sobre Lion-Sur-Mer, na França, em 6/6/44. Seu corpo nunca foi encon- trado), William Borthwick, Cecil James Bowles, Arthur Singleton Boyes, George Robert Dawson, Sidney Albert Holland, Philip Norman Howard (Nascido em São Paulo, seu avião foi abatido sobre a cidade de Baak, na Holanda. Faleceu no hos- pital de Gronau, em 01/10/44), Bryan Donald Hughes, John Langley Kerr, Reginald Arthur Montague Lemmon (nascido em Nova Lima, MG. Morto em ação em 23/ 04/44), Cameron Macintyre, Ian Robert Mackintosh, Robert Blair Macwilliam (Nas- cido em São Paulo. Morto em ação sobre a Alemanha, em 23/11/43), Eric Joseph Monk (Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre a cidade de Antuérpia, na Bélgica, em 17/06/43), Robert Mcleod More, John David Mccracken, Keith Ho- ward Naughton Rumbo, James Donald Rushworth (Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre a Holanda, em 16/11/44), John Charles Semple, Bernard George Har- ry Smith (Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre o Mar do Norte, em 10/09/ 42), Harold Scott Spain (Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre Zörnigall, na Alemanha, em 18/11/43), Derek Arthur Leslie Thomas, James Maclean Wilson (Nascido em São Paulo. Morto em ação sobre a cidade de Wanne-Eickel, na Ale- manha, em 09/11/44), Jerome Gordon Wood e muitos outros nomes que jamais poderão ser esquecidos.
  • 7. Nº 265 - Junho/2019 7 P T N U N C A M A I SP T N U N C A M A I SP T N U N C A M A I SP T N U N C A M A I SP T N U N C A M A I S QUE PARTIDO É ESSE? PT - O PARTIDO MAIS CORRUPTO E MENTIROSO DA HISTÓRIA UNIVERSAL 7 Desses três mega-cor- ruptos, ratazanas do erário público, ainda falta um para ser colocado "atrás das grades". Trata-se da mu- lher "sapiens", PHD em bes- teiras, que continua percor- rendo o mundo, utilizando- se do dinheiro proveniente dos nossos suados impos- tos. Como sempre mentiu durante a vida , alega que foi vítima de um golpe. Desviar dinheiro agora não é mais crime? Que se rasguem então a Constituição Federal e o Código Penal Brasileiro! Aliás perguntar não ofende ninguém: para que serve o Supremo Tribunal Federal? DILMA E GLEISI FIZERAM VIAGEM SECRETA À RÚSSIA ANTES DE ATAQUE HACKER As duas não contavam com a indiscrição do PC russo, que revelou a visita Procuradas dias atrás, a ex-presidente Dilma e Gleisi Hoffmann, presiden- te do PT, não deram sinal de vida. É que estavam bem longe, em Moscou, en- quanto circulavam informações não confirmadas de suposto conluio petista com os russos para roubar as mensa- gens do ex-juiz Sérgio Moro no Tele- gram. Não contavam com a indiscrição do Partido Comunista russo, que divul- gou foto de reunião com as duas. A informação é da Coluna Cláudio Hum- berto, do Diário do Poder. Na foto do PC russo, Dilma e Gleisi As duas não divulgaram a viagem a Moscou, tampouco o PT a admitiu, mas a visita acabou divulgada, incluindo fotos, pelo partido comunista russo exibem as melhores expressões de cren- tes comunistas dos anos 1960 em busca de “socorro socialista”. Indagada, a assessoria do PT não explica quais os motivos da viagem de Gleisi e Dilma e nem mesmo compartilha a agenda da dupla. Com a arrogância de sempre, a de- putada Gleisi, ré na Lava Jato por cor- rupção, também não explicou sua via- gem com Dilma a Moscou. AlémdeGleisieDilma,oPTtambém enviou o secretário-geral do partido e sua “secretária de relações exteriores”. OS TRÊS GRANDES CORRUPTOS Advogado Alcyone Samico Agora não temos mais pressa em aprovar a Reforma da Previdência. Primeiro vamos esperar esta turma morrer de fome. Fala sério, vai rolar um pão com mortadela escondido de vez em quanto, né? Edilene Guimarães
  • 8. 8Nº 265 - Junho/2019 88 * Ipojuca Pontes * Ex-secretário nacional da Cultura, é cineasta, destacado documentarista do cinema nacional, jornalista, escritor, cronista e um dos grandes pensadores brasileiros de todos os tempos. O ANTIPAPA BERGOGLIO “From Rome”, publicação teológica de prestígio internacional: “Bergoglio é um usurpador do escritório papal e deve ser punido de acordo com o Canon 1381 por esse crime”, De início, visto pelos fiéis conscientes como um típico militante da esquerda festiva, Bergoglio, embora negue, segue, ipsis literis, a cartilha da Teologia da Libertação, apostasia cultuada no Brasil pelas figuras de Leonardo Boff e de Frei Beto (vai com um “t”, só...), este, aliado de Fidel Castro e de sua ditadura sanguinária, mais viva do que nunca na Ilha (faminta) dominada pelo comunismo ateu. Depois de posar ao lado do beiçudo Raoni – cacique “globe-trotter”, pau de cabeleira do roqueiro Sting em saltitantes viagens internacionais -, o Papa Bergoglio anuncia para outubro próximo uma “Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Amazô- nica”. Boa coisa não vai sair desse con- vescote no que se refere à integridade da nação brasileira. Antes de enfocar o tal Encontro, convém mencionar recente estudo divul- gado pela “From Rome”, publicação teo- lógica de prestígio internacional, sobre o argentino Jorge Mario Bergoglio. Segun- do FR, a leitura precisa do Código do Di- reito Canônico leva à conclusão inelutá- vel de que Bergoglio é, em todos os sen- tidos da palavra, um “antipapa”. Assinala a publicação: “A renúncia do Papa Bento XVI é inválida. Não há outra leitura autêntica do Canon 332 além do fato de que a renúncia ao munus é a condição sine qua non necessária para uma renúncia papal”. A abdicação de Bento deve ser questionada porque a renúncia ao mi- nisterium, na forma das declarações papais de 11 de fevereiro de 2013, ava- liada por especialistas em Direito Ca- nônico, não pode significar uma renún- cia do munus a partir do Canon 332, 188 etc. Portanto, acentua FR: “O Papa Bento XVI continua sendo o único e verdadeiro Papa da Igreja Católica com todos os po- deres e prerrogativas desse cargo”. Se- gue daí que o Colégio de Cardeais não tem autoridade para se reunir e reeleger um Papa quando houve uma renúncia inválida. “Bergoglio é um usurpador do escritório papal e deve ser punido de acordo com o Canon 1381 por esse cri- me”.Nestesentido,40bisposdoVaticano, onde a resistência às heresias do argen- tino crescem dia a dia, assinaram docu- mento pedindo sua renúncia imediata. Conclui a publicação católica: “Como Bergoglio nunca teve qual- quer autoridade canônica como Papa, todas as suas indicações para a Cúria Ro- mana são nulas e sem efeito”. Portanto, todas as ações tomadas pela Congrega- ção de Religiosos, ou pela Congrega- ção da Doutrina da Fé contra qualquer um, ou as do secretário de Estado em relação a nações como a China, incluin- do nomeações de bispos, etc - são to- das nulas e vazias. - Assim, os católicos podem e de fato são obrigados por Divina Fé a insistir para que ele seja expulso do Vaticano como um usurpador – acrescenta a pu- blicação. Comefeito,sig- nificativa parte dos católicos já associa o argentino Bergoglio àfiguradoDemo.Seu objetivo claro é mi- nar a Igreja por den- tro. Distorcendo a verdade religiosa, o argentino verbera que Cristo não é só espírito,mas,sim,um homem como tantos outros. (No raso, tal como os mulçu- manos, Bergoglio parece desacreditar da Santíssima Trindade). No mesmo diapasão, julga que a crucificação de Cristo, ato da redenção humana, “foi um fracasso”. Ademais, cor- tejando a teoria evolucionista de Darwin, já de há muito desmoralizada no campo científico, avalia Bergoglio que o verda- deiro Deus não tinha poder para criar a terra em seis dias, conforme consagrado no Gênesis. Por sua vez, em conclave aberto no Vaticano sobre o ateísmo (organizado por um grupo de acadêmicos do Reino Unido) chegou à conclusão, herético, que não será preciso ter crença alguma para ser “moralmente superior”: O pecador não precisa acreditar em Deus para ir para o Céu, “desde que faça o certo a partir dos seus próprios olhos”. Vale concluir: Che Guevara ou Átila, o Flagelo de Deus, que acreditavam fazer o certo a partir dos próprios conceitos, estariam agora nas hostes celestiais, entre liras e lírios. (Seguramente, por isso, em visita ao Marrocos, ano passado, Bergoglio consi- derou os muçulmanos como “nossos ir- mãos” – exatamente no Marrocos, onde foram eliminados, na Batalha de Alcácer- Quibir, em 1578, cerca de 50 mil cristãos, dando início a massacres ininterruptos que, de lá pra cá, ex- terminaram milhões de católicos. De início, vis- to pelos fiéis cons- cientes como um tí- pico militante da es- querda festiva, Ber- goglio, embora ne- gue, segue, ipsis li- teris, a cartilha da Teologia da Liberta- ção, apostasia cul- tuada no Brasil pe- las figuras de Leo- nardo Boff e de Frei Beto (vai com um “t”, só...), este, aliado de Fidel Castro e de sua ditadura sanguiná- ria, mais viva do que nunca na Ilha (famin- ta) dominada pelo comunismo ateu. Mas o antipapa tem suas apela- ções. Ao pressentir que milhões de cató- licos tradicionais estão fugindo da teolo- gia perfilada pelo Vaticano, Bergoglio, agraciado com o emblemático brasão da foice e do martelo explo- rado à exaustão na URSS de Stalin, advertiu aos evadidos que “ter relação pessoal com Cristo fora da Igreja é uma tentação danosa e perigosa”. Voltando às estripulias de Bergo- glio com o “globe-trotter” Raoni, é certo que o tal “Sínodo do Vaticano”, a ocorrer em outubro, terá por objetivo criar uma “força-tarefa” internacional (quem sabe, comandada pelo próprio argentino) para retirar a soberania brasileira da nossa Amazônia – ameaçada, segundo o insa- ciável establisment europeu, pelo mi- tológico “efeito estufa”. Diga-se que o antipapa recebeu o cacique na condição de “adepto do “ani- mismo” – credo segundo o qual as pe- dras, as árvores e os objetos inanimados têm alma. No frigir dos ovos, um aparato conceitual que une o movimento indi- genista ao ambientalismo internacional para promover, a peso de ouro, com suas 200 mil ONGs bem abastecidas, “uma guerra civil de baixa intensidade” e se apossar - pela ocupação - das imensas riquezas da região. Para completar a obra do politi- queiro (esquerdista) ora hospedado no Vaticano, temos sua carta-resposta aos garranchos enviados por Lula, o prisi- oneiro mais corrupto do mundo ociden- tal. Nela, divisamos o spectrum do im- postor que só olha o céu para ver se vai chover, pedindo que o Chacal do ABC “não desanime e continue acreditando em Deus”. Uma burla dessas só no Inferno! P S – Matteo Salvini, primeiro-ministro italiano que vive sendo sacaneado por Bergoglio porque reza de terço na mão, aconselhou ao antipapa abrir as portas do rico Estado do Vaticano, com centenas de imóveis desocupados, para acolher os contingentes de imigrantes estrangeiros visto que a Itália, em crise, já esgotou sua cota. Bergoglio, mendaz, deu o calado por resposta. Até. UM GENERAL PARA SER LEMBRADO E UMA GUERRA PARA NÃO SER ESQUECIDA Carlos Alberto dos Santos Cruz é um militar brasileiro. E um cidadão que o resto do mundo conhece (e reconhece) melhor que o seu próprio país. No comando da missão de paz na República Democrática do Congo (MONUSCO) em 2013, estiveram sob sua coordenação cerca de 23,7 mil militares de 20 países. Pela primeira vez desde a Guerra da Coréia (1950-53), a ONU (Organização das Nações Uni- das) autorizou o uso de força militar para fazer cumprir suas resoluções. Sob Cruz, deu-se o fim do confronto com o Movimento 23 de Março (M23), o maior grupo guerrilheiro do país africano, que acabou por encerrar a luta armada nos fins de 2013. Pouco conhecido no Brasil fora dos meios militares, a missão bem sucedida de Santos Cruz foi descoberta pela rede de televisão árabe Al Jazeera e revelada ao resto do mundo em documentário de 25 minutos. Profundamente humanitário em sua visão de mundo , é dele uma das frases que talvez mais defina a natureza do trabalho conduzido por civis e militares a serviço da ONU: “A GENTE NUNCA SE ACOSTUMA COM O SOFRIMENTO HUMANO” (Fontes: Portal G1, Revista Istoé e Rede Al Jazeera), via www.robinsonfarinazzo.com.br “Eu procuro fazer as coisas de forma simples, focar no que precisa ser feito. Se começar a focar na dificuldade, ficar raciocinando na complexidade do problema, acaba perdendo tempo… Há um planejamento, e temos que colocar em prática. eu dou o ritmo, de forma mais rápida, ou menos. mas temos que andar pra frente, a coisa tem que ter dinamismo”. General de Divisão Santos Cruz MORO PRECISARÁ DE BONS ARGUMENTOS Sérgio Moro faz pouco caso, "nada demais". Janaína Paschoal desdenha, "só espuma". O governo blinda Moro com a camisa do flamengo. Não é nada, não é nada, não é nada mesmo. Aliados de Bol- sonaro fazem juras de amor à lava jato. Moro terá que mostrar fortes argumen- tos e ter couro duro, nas explicações aos senadores. Caso repita o samba da nota só, "nada demais" sentirá na pele o que é adversário com sangue nos olhos. Ne- nhum cartão vermelho impedirá o clima tenso. Fechará o tempo. De todo jeito a memorável e eficiente lava jato chamus- cou-se. E a "espuma" exaltada pela falante Janaína, poderá virá lama. (13/06) • • • GREVE COM BADERNA PREJUDICA A POPULAÇÃO Tem o repúdio da maioria esmagadora da população, greves e movimentos de protesto que destroem patrimônio público, incendeiam carros e ônibus e queimam pneus nas rodoviais, atravancando o trânsito e prejudicando trabalhadores de chegar ao emprego. (14/06) • • • INACREDITÁVEIS SANDICES DE LULA Oportuno e firme o repúdio do ministro Augusto Heleno diante das torpes, infelizes e patéticas declarações do presidiário Lula, duvidando da veracidade do atentado sofrido pelo então candidato Bolsonaro. Só mesmo as doces leis brasileiras permitem que um condenado e preso apenado há 12 anos de reclusão, fale sandices pelos cotovelos e dê entrevistas a hora que bem entende a jornalistas nacionais e estrangeiros. As inacreditáveis acusações de Lula insultam não apenas Bolsonaro, vítima da facada, mas, também, os médicos e os milhões de brasileiros que votaram nele. (15/06) ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ Publicado no Inconfidência nº 226 de 30/04/2016 JORN. VICENTE LIMONGI NETTO Brasilía/DF Companhia.Companhia.Companhia.Companhia.Companhia. Em demonstração de apoio, Bolsonaro e Moro assistiram juntos ao jogo entre Flamengo e CSA no Mané Garrincha, em Brasília quando foram espontânea e entusiasmadamente aplaudidos Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 12.06.2019
  • 9. Nº 265 - Junho/2019 99 * Luís Mauro Ferreira Gomes O autor é Coronel-Aviador, Presidente da Academia Brasileira de Defesa, Vice-Presidente do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos e Membro Efetivo do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil. * Luiz Felipe Schittini * TEN CEL PMERJ Instrutor de Deontologia, Chefia Militar, Gestão do EM e Trabalho de Comando das Academia de Polícia Militar D.João VI e Escola Superior da PMERJ no período de 2000 à 2012. E-mail: fschittini@gmail.com OPresidente Bolsonaro herdou um país “quebrado economica- mente”, com uma crise ética, social e moral jamais vistas, uma divisão criada por políticos irresponsáveis (“nós e eles”..., “eu odeio a classe média”), a maior corrupção desde a proclamação da República, dentre outras mazelas, sem falar no desemprego que atinge mais de treze milhões de brasileiros. Esses primeiros seis meses foram truncados, com ajustes entre os novos integrantes do Governo, além de uma mega chantagem por parte dos perdedores das eleições de outubro de 2018. Na democracia há alternância de poder, marca- da por vitórias e derrotas, mas estes não aceitam as regras do jogo, pois na realidade são admiradores e fanáticos pelas dita- duras cubana e venezuelana principalmente. Observo os adversários do atual governo agrupados da seguinte maneira: 1- Os “pseudo socialistas” na realidade comunistas e admiradores de ditadores que se perpetuam há anos. 2 - Socialistas, em menor número, que almejam uma forte intervenção estatal na economia. Não podemos olvidar que é um dos caminhos para se alcançar o comunismo. 3 - Os anarquistas que buscam o fim do Estado e da sua autoridade. 4 - Os “inocentes úteis” que jogam pedras sem saber o por quê! São jovens ainda em formação de caráter é facilmente manipulados por professores adeptos da filosofia gramcista (todo poder será tomado não mais por armas, mas por mudanças na mentalidade, através de alterações na história, costumes, tradições e moral de um povo) em salas de aulas. A oposição tenta de todas as maneiras desestabilizar o Governo com mentiras deslavadas dentre elas: 1 - Lula põe em dúvida o atentado à faca sofrido em setembro de 2018 por O DESESPERO DA ESQUERDA Bolsonaro. Em recente entrevista afirmou: “Aquela facada tem alguma coisa muito estranha, uma facada que não aparece sangue, que o cara é protegido por seus seguranças”. O Gen. Heleno prontamente saiu em defesa do Bolsonaro com os seguintes dizeres: “Será que o câncer dele foi mentira? É o da dona Dilma, também o foi? Isso é uma canalhice típica de Lula”! 2 - A ex-presidente Dilma percorre o mundo afora dizendo ser vítima de um golpe. Não adianta argumentar com essa senhora que sempre viveu mentindo durante a sua vida. 3 - Tentativas de minimizar e até terminar com a Operação Lava Jato, desmerecendo, denegrindo e desqualificando os dois grandes Dom Quixotes dela: o Juiz Sérgio Moro e o Pro- curador do Ministério Público Federal Delton Dallagnol. 4 - Segundo a transloucada Gleisi Hoffman, senadora e presidente do PT, a reforma da Previdência só trará malefícios para os trabalhadores brasileiros. E teve a petulância de marcar uma greve geral para o dia 14 de junho, que foi um tremendo fiasco. Além disso lidera a campanha Lula Livre, pois só assim o país retornará à Democracia. Ela afirma também que a Ve- nezuela é um exemplo desse regime de governo. Presidente Jair Bolsonaro creio que esse segundo semestre será bem diferente, pois a verdade prevalecerá e o Brasil será uma grande potência eco- nômica, como foi o legado deixado pelos presidentes durante o regime militar. Finalizando deixo uma mensagem para reflexão: “Olhe para os mais necessitados e sofridos, pois dessa maneira não deixará espaços para que surjam novos “pseudo salvadores da Pátria”, na realidade comunistas, corruptos e populistas”! ÚLTIMO ENSEJO Com a eleição de Bolsonaro, surgiu uma última esperança de solução institucional. Não podemos desperdiçá-la. Os grandes jornais e noticiários de televisão, somente divulgam os ruins, por mais relevantes de sejam os bons. E, se nada encontrarem que contraindique uma determinada ação, imediatamente, inventam algo para desmerecê-la, geralmente, mentindo ou distorcendo os fatos. Muitos congressistas, preocupados com a própria reeleição, se opõem aos projetos do Governo, sob a alega- ção de que o Presidente, como, também, os Governadores, não se está empenhan- do suficientemente, e, por isso, não que- rem assumir, sozinhos, o ônus de apro- var medidas impopulares. Se estiverem sendo sinceros, te- mos pena deles, porque, ainda que al- guns sejam velhas raposas, ainda não foram capazes de entender a conjuntu- ra política brasileira. Ao contrário do que pensam, as pautas do governo não são impopula- res, mas representam o que a maioria dos eleitores deseja. Com exceção dos parlamentares dos partidos da oposição de esquerda, que já têm seus votos cativos, os de- mais, entre eles os do Centrão, lidera- dos pelo capcioso Presidente da Câma- ra dos Deputados, Rodrigo Maia, que votarem contra, como diz a sabedoria popular, estarão dando um tiro no pé, ou melhor, na cabeça, porque, prova- velmente, não conseguirão eleger-se. Se o Presidente mantiver o apoio popular que tem, mais cedo ou mais tarde, esses parlamentares perceberão que somente têm a perder ao se coloca- rem contra a vontade majoritária dos eleitores, o que levará ao aumento do apoio do governo no Congresso. Assim, por enquanto, não nos pre- ocupa muito essas dificuldades, artifi- cialmente geradas por congressistas que votam com a oposição, não por razões ideológicas, mas por uma tentativa frus- trada de pressionar o Governo, para con- seguir vantagens indevidas ou para pre- servar privilégios de categorias profis- sionais que lhes são caras, ou mesmo, simplesmente, para tentar agradar os eleitores de esquerda. Por outro lado, o Presidente Bol- sonaro e seu governo vêm sofrendo violentos e contínuos, inescrupulosos e desonestos ataques dos meios de co- munição, por motivação nem um pouco nobre, que não é nosso objetivo abor- dar agora. Todos os observadores, mesmo os mais desatentos, perceberão, que, embora, quase sempre, as ações gover- namentais tenham aspectos positivos e negativos, os grandes jornaisenoticiáriosde televisão, somente di- vulgam os ruins, por mais relevantes de sejam os bons. E, se nada encontrarem que contraindique uma determinada ação, imediatamente,inven- tam algo para desme- recê-la, geralmente, mentindo ou distor- cendo os fatos. Tampouco isso nos preocupa muito, pois já o vêm pratican- do desde muito antes da campanha eleitoral, servindo-se até de fraude nas pesquisas, sem nenhum sucesso, haja vista a expressiva votação obtida por Bolsonaro nos dois turnos das eleições de 2018. O que verdadeiramente nos inqui- eta é ver alguns apoiadores habituais demonstrarem certo desencanto com a atuação do Presidente, materializado por frases como as que se seguem: “o Bolsonaro, até agora, não fez nada, não disse a que veio”; “o Bolsonaro se perde com bobagens e esquece o que é impor- tante”; “o Bolsonaro deveria fazer isso, ou não deveria ter feito aquilo”. Aos poucos, entre os nossos cor- respondentes que assim pensam, toma- mos a liberdade de lhes dizer que : • Essas “bobagens” são promes- sas feitas durante a campanha para aten- der aos anseios dos eleitores e foi, para isso, que ele foi eleito; • O Presidente está tentando realizar tudo o que prometeu e, ao contrário do que pensam alguns, ele já fez muito. O que é “importante” ele também está tentando fazer e, se mais não fez é porque vem sendo sabotado por po- líticos, cujas propostas foram derrotadas pelos eleitores e que fracas- saram na tentativa de forçar o Presidente a aceitar a velha política do toma lá, dá cá; • Não é razoável esperar-se que um pre- sidente, qualquer que seja ele, faça tudo o que dele esperamos. Pes- soalmente, concorda- mos com quase todas as medidas adotadas e não haveria de ser por uma ou outra da qual discordemos, que lhe deveríamos tirar o apoio. Em verdade, nem sequer temos a certeza de que, se, por absurdo, viés- semos a ser o Presidente, conseguiría- mos fazer tudo que, hoje, imaginamos que faríamos. O Presidente é o Bolso- naro, deixemos que ele governe em paz! Não obstante, se nada disso bas- tar, reproduziremos, a seguir, trecho de artigo que escrevemos, muito antes de ser lançada a candidatura do Bolsonaro: Não vemos mais solução institu- cional para a crise política brasileira. Caminhamos, inexora- velmente, para uma di- tadura de esquerda, se nada for feito, ou para um regime autoritário em oposição a ela, se a sociedade, mais uma vez, rea- gir e o impedir. Dissemos ditadura de esquerda, porque, sem recursos para comprar o apoio político, só lhes res- taria obter uma autorização para go- vernar por decreto durante certo tem- po, para se perpetuarem, ditatorial- mente, no poder, como o fizeram na Venezuela, e referimo-nos a regime au- toritário, porquanto qualquer gover- no, fruto de reação, que se instalasse, teria de munir-se de poderes extraor- dinários, para sobreviver às investidas das forças de esquerda. Com a eleição de Bolsonaro, sur- giu uma última esperança de solução institucional. Não podemos desperdiçá- la. Se ele fracassar, a única possibili- dade plausível, é a volta do PT ou de al- guma de suas legendas cúmplices. Que ninguém se iluda! Embora consideremos remotíssima a possibili- dade de um político como Alckmin, Ciro Gomes, Rodrigo Maia, e outros seme- lhantes, vir a eleger-se, uma eventual administração de qualquer deles seria desastrosa e somente serviria, para abrir caminho para a volta da esquerda ao poder e da corrupção como instrumen- to político. Apoiemos, portanto, o Governo de Bolsonaro. Quem cometer a insensatez de jogar contra ele favorecerá o inimigo e jamais será perdoado, nem por nós, nem pelas gerações futuras. Presidente Jair Bolsonaro, creio que esse segundo semestre será bem diferente, pois a verdade prevalecerá e o Brasil será uma grande potência econômica, como foi o legado deixado pelos presidentes durante o regime militar. “Olhe para os mais necessitados e sofridos, pois dessa maneira não deixará espaços para que surjam novos “pseudo salvadores da Pátria”, na realidade comunistas, corruptos e populistas”!
  • 10. 8Nº 265 - Junho/2019 10 Cel Osmar José de Barros Ribeiro * Coronel, Historiador Militar e Advogado msorianoneto@hotmail.com (continua) * Manoel Soriano Neto “Árdua é a missão de desenvolver e defender a Amazônia. Muito mais difícil, porém, foi a de nossos antepassados em conquistá-la e mantê-la.” General Rodrigo Octávio / 1º Comandante Militar da Amazônia (1968/1970) AMAZÔNIA – O GRANDE DESAFIO(XXI) No artigo anterior, comentamos, su- cintamente, o que será o Sínodo Pan-Amazônico a ser realizado no Va- ticano, em outubro próximo. Também abordamos, pela rama, a participação da Igreja Católica, por meio de sua cor- rente, dita ‘progressista’ (alguns falam em “Igreja Nova”), na preparação do dito Sínodo, eis que são assuntos co- nexoseumbilicalmenteimbricados. Mui- to vem se escrevendo a respeito deste Encontro, mas nunca é demais acres- cermos algumas considerações, mesmo que repetitivas: afinal, “a repe- tição é a base do aprendizado”. Destarte, prosseguiremos na aná- lise do tema, com um pouco mais de profundidade, frisando que o Sínodo será “um encontro global de bispos no Vaticano para discu- tir a realidade de índios, ribeiri- nhos, e demais povos da Amazô- nia, políticas de desenvolvimen- to dos governos da região, mu- danças climáticas e conflitos de terra”. E mais, - dê-se ênfase! – “discutir-se a evangelização dos povos amazônicos”, vale dizer, com quase certeza, a implantação de uma “nova catequese”, bem ao gosto da ‘esquerda clerical’ (anti- ga expressão, hoje fora de moda)... Nos dias atuais, em nosso País, existe uma clara dicotomia na Igre- ja Católica, tornada evidente na recente eleição da CNBB, como assinalamos em nossa última matéria. Os ditos ‘progres- sistas’ defendem teses brandidas pelas esquerdas, em consonância, alegam, com diretrizes do Papa Francisco, “Pontífi- ce que deseja o clero bem mais próximo dos pobres e de seus problemas”. Os ‘conservadores’, mais ligados ao sau- doso Papa João Paulo II e a Bento XVI, priorizam o resgate dos tradicionais va- lores cristãos e são francamente con- trários à ‘Teologia da Libertação’. Esta Teologia (desde as Conferências do Epis- copado da América Latina, de Medellin, em 1968, na Colômbia; e de Puebla, no México, em 1979) surgiu no seio da Igre- ja, apesar de sua condenação, após Puebla, pelo citado Papa João Paulo II, e que tem por lema, ‘a opção preferen- cial pelos pobres’... Tal é a importância para o Va- ticano, do Sínodo em comento, que foi enviado para um encontro preliminar - o ‘Sínodo da Amazônia’ -, ocorrido em março passado, em Manaus, o famoso monsenhor Marcelo Sanchez Sorondo, denodado defensor das causas ambien- talistas, chanceler e presidente da Pon- tifícia Academia de Ciências (PAC) e da Academia de Ciências Sociais (PACS) - importantes órgãos doutrinários da Santa Sé. Pode-se inferir, pois, que o Vaticano alinha-se com setores da Igre- ja, de matiz esquerdista, e com nações hegemônicas que almejam a interna- cionalização da Amazônia, o que pode- rá redundar em um desnecessário con- flito do Brasil – uma das maiores nações católicas do mundo – com o Estado do Vaticano. A quem isso interessa? Im- pende ainda destacar, que uma das en- tidades organizadoras do Sínodo Pan- Amazônico é a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), uma ONG ambien- talista, com sede em Manaus, presidida pelo engenheiro florestal Virgílio Viana, financiada por empresas privadas, como a Samsung e a Coca Cola, e pelo ‘Fundo Amazônia’, cujo maior doador - ‘me- cenas’ - é o governo norueguês. Além do monsenhor Sorondo e de Viana, es- tão bastante envolvidos com a realiza- ção do Sínodo, Dom Cláudio Hummes, presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, da CNBB, e Martin Von Hildebrand, colombiano/estaduniden- se, presidente da Fundação Gaia Ama- zônia e idealizador do já amplamente comentado ‘Corredor Triplo A’. Em recente entrevista a ‘O Estado de São Paulo’, o ministro general Heleno declarou que “a questão vai ser objeto de estudo cuidadoso pelo GSI”. FIZEMOS ONTEM! FAREMOS SEMPRE! Nada melhor para definir a situação política atual, que a frase do jorna- lista e professor J. R. Guzzo: a clonagem do telefone do ministro Sérgio Moro é apenas um episódio a mais na única disputa de verdade que existe hoje no Brasil: a guerra para derrubar Moro, liquidar a Lava Jato, soltar Lula, sa- botar o governo e devolver o país aos ladrões – Centrão, PT, empreiteiras. Só isso. Desde o julgamento e condena- ção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Partido dos Trabalhadores (PT) buscou em to- das as oportunidades, no Brasil e no exterior, declarar a sua inocên- cia. Uma fortuna vem sendo gasta, não se sabe vinda de onde ou de quem, para ten- tar mostrar que Lula foi submetido a um processo político. Para os fiéis seguido- res, a sua condena- ção em três instânci- as judiciais e os processos aos quais ainda deverá responder, nada repre- senta. Sérgio Moro e os Procuradores empenhados na Operação Lava Jato vem sofrendo ataques de hackers que vio- lam o sigilo das suas comunicações, não sendo de descartar o envolvimento de profissionais de inteligência estrangei- ros na ação. Os ataques buscam anular a condenação de Lula. Trata-se de uma total inversão de valores: como aceitar que os empenhados em fazer com que os criminosos paguem por seus crimes sejam ameaçados de punição, enquan- to os meliantes defendem que o sigilo valha para proteger a identidade de seus parceiros? O êxito de tal pretensão resulta- ria, em última análise, na derrocada da Operação Lava Jato, na libertação dos políticos e empresários envolvidos em crimes que quase levaram à bancarrota a própria Petrobras, os Fundos de Pen- são dos funcionários de diferentes es- tatais e o próprio Estado Brasileiro, bem como a devolução das importâncias cobradas aos réus como ressarcimento dos danos causados ao Brasil e aos bra- sileiros. Um desastre, tanto moral quan- CLONAGEM DE TELEFONES. APENAS SUSPEITAS? to econômico! Comparecendo voluntariamente ao Senado Moro respondeu a todas as indagações que, durante quase nove horas, lhe foram feitas pelos parlamen- tares, muitos deles envolvidos em pro- cessos que dormitam no STF, tendo ficado meridianamente claro que, entre a organização criminosa e a lei, no dizer do insuspeito Fernando Gabeira, o mi- nistro escolheu a lei. O sítio O Antagonista, em 17 de junho do corrente ano, revela que Mat- thew Stephenson, professor de direito em Harvard e autoridade na pesquisa sobre cor- rupção e política, publi- cou em seu blog Global Anticorruption um lon- go texto... sob o título “O Incrível Escândalo que Encolheu? Novas Reflexões sobre o Vaza- mento da Lava Jato. Al- gumas conclusões extra- ídas do mesmo: - os diálogos vaza- dos não tornam sem fun- damento a condenação de Lula; - nenhuma mensagem prova que a hostilidade a Lula e ao PT já existisse quando a investigação e o julgamento do petista começaram e tenha influen- ciado qualquer decisão do Ministério Público ou sido baseada em motiva- ções ideológicas de direita; - as mensagens vazadas e data- das de setembro de 2018, não dão credi- bilidade óbvia (como diz The Intercept) às acusações de que os procuradores da Lava Jato são ideólogos de direita cuja missão primordial era destruir o PT e impedir o retorno de Lula ao poder. - a maioria das mensagens estava no contexto da fase de investigação – quando o procurador deve requerer mandados, intimar testemunhas, etc., medidas que o juiz tem de aprovar. As organizações responsáveis pela segurança do Estado devem, obvi- amente, estar atentas ao problema e, mais do que isso, aos inúmeros indícios de que se tentou e se tenta, inclusive com apoio externo, liquidar a Lava Ja- to, soltar Lula, sabotar o governo e devolver o país aos ladrões – Centrão, PT, empreiteiras. Só isso. (21/06) ojbarrosr@gmail.com Cel José Batista Pinheiro (Rio de Janeiro, 13.06.2019) Aseca no Nordeste é uma calamidade da natureza que machuca e maltrata as populações radicadas na área, princi- palmente no Ceará. Desde o tempo do Império, quando D. Pedro II, visitando a área, prometeu vender as joias de sua co- roa para minorar ou resolver tão grave infortúnio, que os governos federal e es- tadual tentam dissipar essa tragédia. So- mente, a partir de 2013, começou a soprar o vento da solução definitiva de erra- dicação da seca no Nordeste brasileiro. Surge a engenharia do Exército, Através O EXÉRCITO E A SECA NO NORDESTEdo 1º Grupamento de Engenharia, se- diado em João Pessoa-PB, criou-se um projeto de baixo custo, onde um poço artesiano foi cavado em pleno sertão árido, São João do Sabugi RN, e está ofe- recendo água permanente de boa qua- lidade retirada do subsolo daquela es- téril região. Os engenheiros do Exército desenvolveram uma tecnologia moder- na e prática, aplicando os meios locais. O poço experimental tem apenas 60m de profundidade, utiliza energia solar, através de um reduzido painel para puxar a água através de bombas elétricas. A água é armazenada numa caixa d’água plástica, à disposição de 35 famílias. Para a agricultura e animais bastam ampliar os recursos para au- mentar a capacidade de retirar e armaze- nar o precioso líquido. O custo total do projeto foi de R$ 6.900 (seis mil e no- vecentos reais) por unidade instalada. Desde o Império, gastaram-se bilhões de reais na construção de açudes, ver- dadeiros piscinões que evaporam e secam pela contingência do calor pro- vocado pelo prolon- gamento da estiagem. Notícia auspicio- sa, mas que toda a im- prensa do Brasil e as autoridades insistem em ignorar. Parece que até o governo do Estado do Ceará só pensa na onerosa transposição do rio São Francisco que é uma solução parcial e efêmera. O Exército lançou as sementes da solução definitiva, agora é só plantar e colher. A clonagem do telefone do ministro Sérgio Moro é apenas um episódio a mais na única disputa de verdade que existe hoje no Brasil: a guerra para derrubar Moro, liquidar a Lava Jato, soltar Lula, sabotar o governo e devolver o país aos ladrões Para os fiéis seguidores, a condenação de Lula em três instâncias judiciais e os processos aos quais ainda deverá responder, nada representam
  • 11. Nº 265 - Junho/2019 11 *Rayanne Gabrielle da Silva * Especialista em História Militar, licenciada em História, graduanda em Administração e professora da rede estadual de ensino do Rio Grande do Norte. A FARSA DA UNIVERSIDADE PÚBLICA NO BRASIL – PARTEII Dando continuidade ao artigo ante- rior, começarei pelo comportamento dos nobres professores universitários. Uma parte gostava da “erva”. Um deles, inclusive, chegou a dar aula completa- mente drogado, os olhos injetados, fa- lando coisa com coisa e rindo feito um doido. Fora o cheiro repugnante. Nos intervalos, alguns professores senta- vam-se entre os alunos e fumavam ci- garro de maconha como se o ambiente fosse propício para isso. A venda de dro- gas também era constante. Em 2016, no ano em que saí da universidade, um co- lega me confidenciou que um grupo es- tava vendendo cocaína às vistas de to- dos. É fácil entender por que protestam tanto contra a colocação de policiais militares dentro das universidades. Ainda sobre os professores, mui- tos são filiados ou simpatizantes a parti- dos políticos. Nada contra. O problema é a interferência nos assuntos estudantis e a mistura entre as duas coisas. Havia um professor que fazia questão de afirmar ter doado uma quantia importante para o comitê de um partido de esquerda. Até aí, tudo bem, mas quando o mesmo ar- rasta todo o comitê para dentro da uni- versidade para dar “palestras” e incitar alunos a se filiarem e participarem de protestos contra o governo, você des- confia de suas reais in- tenções. Um outro colega, durante as eleições de 2014, recebeu uma caro- na de um casal de profes- sores.Nocarro,várias cai- xas com adesivos e bot- tons a favor de um parti- do de esquerda. O colega afirmou que, durante todo o caminho, o casal insistia para que ele usasse um adesivo no peito, numa tentativa de recrutá-lo para a causa. Ele recusou, porém nunca mais aceitou carona deles. Na sala de uma das professoras, encontrei caixas cheias de material de campanha a serem distribuídas na universidade. A partir daí, deixei de entrar na sala, embora fosse meu direito por ser bolsista de um projeto. Dentro e fora das salas, a perse- guição ideológica e as ameaças eram tre- mendas. Um colega afirmava para todo mundo que quisesse ouvir que um ami- go pessoal dele havia sido espancado na universidade porque falara mal de um partido político. Por se filha de mi- litar, fui discriminada, censurada e até mesmo ameaçada. Outros colegas mili- tares passaram pelo mesmo pro- blema, alguns até desistiram de con- tinuar o curso por causa da discrimi- nação. Lembran- do: isso não ocor- re em toda a uni- versidade, mas em cursos fortemente politizados. Já tive nota diminuída por causa da mi- nha ligação com os mili- tares e por discordar das ideias de esquerda. Tive- ram colegas, policiais mi- litares, que chegaram ao ponto de intimidar profes- sores em aula ao mostrarem estar portando suas armas de fogo porque não aguen- taram as humilhações. Co- legas simpatizantes à mo- narquiabrasileiraeramxin- gados por professores, os quais incitavam outros alu- nosafazeremomesmo.Re- cusei a láurea do curso por todos estes motivos. Desperdício há muito: de papel, água, luz, telefone, tinta de impressora, material, de maneira geral, intelecto. Pou- co se aproveita, muita se destrói, a não ser que o seu departamento tenha um viés sustentável. Quem critica o contingencia- mento de hoje esquece que, há cerca de três, quatro anos atrás, mal havia um ro- linho de papel higiênico no banheiro de- vido a cortes – e não contingenciamento – de verbas. O desperdício de intelecto está no investimento precário em pesquisas da área de pós-graduação. Pesquisas rela- cionadas à homossexualidade, a uma cidade sem graça no interior ou sobre a obra de um pesquisador de quem nin- guém nunca ouviu falar – e nem ouvirá, a depender da sociedade lá fora – são in- centivadas pelos professores, os quais afirmam, nos bastidores, serem pesqui- sas fracas e de pouca relevância. Porém, não importa: o que se quer é formar mes- tres e doutores prontos para dar continui- dade ao trabalho de lavagem cerebral deles. Recebi duas propostas de mes- tra-do. Recusei as duas porque, com cer- teza, eles me reprovari- am ao falar sobre minha área de especialização, pois eles já sabiam que eu não era fácil de manipular. Portanto, o que há de errado nas ações do atual governo com relação a determinados contingenciamentos em setores que, de fato, há muito tempo só fazem barulho e pouco trabalho no Brasil? Em caso de dúvidas, observem as figuras, entre professores e alunos, que estão in- do protestar, toda semana, contra as me- didas do ministro. São os que reprovam para viver de bolsa, são os que ensinam praticando perseguição ideológica e la- vagem cerebral, são os que pouco produ- zem cientificamente. Até agora, não vi nenhum grande mestre, doutor, especia- lista ou aluno sério e comprometido com o seu trabalho indo às ruas protestar, gritar e xingar o governo. Pelo contrá- rio. Estes se encontram enfurnados em seus laboratórios, com a cara nos livros e produzindo cientificamente, afinal, com pouco pode-se fazer muito. Disso, eles não abrirão mão. A realidade descrita acima é uma das várias que ocorrem dentro de univer- sidades públicas e institutos federais por todo o país. Que o relato não sirva de de- sestímulo para os futuros ingressantes, pelo contrário: combatam isso como eu e vários outros combateram e ainda com- batem, prontos para transformar a uni- versidade pública brasileira naquilo que ela realmente é, uma fonte de conheci- mento, diversidade e integração, afinal, a universidade é de todos e para todos. Só assim o Brasil conseguirá se alçar aos objetivos almejados no campo da educação, ciência e tecnologia. Mais um pequeno relato do que vivenciei durante cerca de 5,5 anos dentro de uma universidade federal aqui no Estado do Rio Grande do Norte. Ocupação de um dos banheiros da universidade Pichações nas paredes da faculdade GLTB Aviso importante a todos que defendem a vida e a família: OProjeto de Lei que pune com prisão qual- quer oposição às teorias de gênero está de volta à pauta da Comissão de Constitucionalidade do Senado Federal. O Projeto de Lei 672/2019, de autoria do Se- nador Weverton Rocha, do PDT do Maranhão, su- postamente, segundo o relator Senador Alessandro Vieira, deveria proteger os homossexuais e mem- bros da comunidade LGBT contra a violência. Na verdade, porém, conforme pode ser lido no próprio texto do projeto, a iniciativa, promove- rá a criminalização de todos aqueles que se ex- pressarem contra a ideologia de gênero, inclusive pais de alunos e professores. É o que afirma o PL 672/2019 quando: (...) inclui na referida legislação os crimes de discriminação ou preconceito de orientação sexual e/ou identidade de gênero. E estabelece punição para as práticas deste crime: Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de preconceito em razão da identidade de gênero e/ou orientação sexual. Constitui crime: Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a dis- criminação ou preconceito de raça, cor, etnia, reli- gião, procedëncia nacional, identidade de gênero e/ou orientação sexual. Pena: reclusão de um a três anos e multa. Devido à forma equivocada como foi apre- sentado, o projeto foi aprovado em primeira vota- ção por 18 votos a favor e um único contra na quarta- feira, 22 de maio. A lista dos votantes pode ser con- sultada aqui. Mas depois de, literalmente, milha- res de pessoas terem enviando mensa- gens e telefonado aos gabinetes dos se- nadores, e outros muitos terem se diri- gido ao Senado para explicarem pesso- almente aos parlamentares o verdadeiro significado do projeto, o Projeto não con- seguiu mais entrar em pauta para a vo- tação suplementar nas duas semanas se- guintes. No entanto, o PL 672/2019 está novamente agendado para entrar na pauta da CCJ na manhã da próxima quarta-feira, 12 de junho de 2019. Conforme pode ser verificado na ficha de tra- mitação neste link, o PL está agendado para o quin- to lugar da pauta. Necessitamos da ajuda de todos para impedir a aprovação deste nefasto projeto. Telefone e envie emails aos parlamentares membros da Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça do Senado Federal, explicando-lhes que foram enganados. Não se limite a protestar. Explique aos senadores e seus assessores sobre a malícia do projeto, como os eleitores es- tão a par dos acontecimentos e a preocupação dos pais sobre os efeitos que o projeto aprova- do terá sobre a educação de seus filhos. Mostrem como a verdadei- ra finalidade do PL 672/2019 não é proteger da perseguição os homossexuais, mas perse- guir os pais de família que, no exercício constitucional do di- reito de educar seus filhos, manifestarem oposição à ideologia de gênero. Peçam a todos que votem contrariamente ao Projeto de Lei nesta quarta-feira, dia 12 de ju- nho de 2019, na Comissão de Constituição, Justi- ça e Cidadania. Usem em todo momento de polidez e educa- ção, mas sem deixar de ser muito claros em suas palavras, em nenhum momento utilizando expres- sões ofensivas ou indecorosas. Divulgue esta mensagem a todos os seus conta- tos e peçam que eles façam o mesmo. Padre Paulo Ricardo
  • 12. 8Nº 265 - Junho/2019 12 *Coronel, Administrador, Membro da AHMTB * Ernesto Caruso AOrdem dos Advogados do Brasil, com todo o manto que a reveste, não deixa de ser um conselho de classe tendo, dentre outras competências, a de ins- taurar e instruir processos disciplinares para julgamento pelo Tribunal de Ética e Disciplina, por desvio de conduta dos seus integrantes. O citado órgão foi criado pelo Decreto nº 19.408/1930, que “Reorganiza a Corte de Apelação”, assinado por Getúlio Vargas. Inserido nesse contexto, consta no Art. 17: Fica criada a Ordem dos Advogados Brasileiros, órgão de disciplina e seleção da classe dos advo- gados, que se regerá pelos estatutos que forem votados pelo Instituto da Ordem dos Advogados Brasileiros, com a colaboração dos Institutos dos Estados, e aprovados pelo Governo. A Lei nº 4.215/1963, que dispõe sobre o Estatuto da OAB, no Art. 1º reza: A Ordem dos Advogados do Brasil, criada pelo Art. 17... é o órgão de seleção disciplinar e defesa da classe dos advogados em toda a República. Por fim, a Lei nº 8.906/1994 deu à Ordem a amplitude explícita no Art. 44 com mais esta finalidade: I - defender a Constituição, a ordem jurídica do Estado democrático de direito, os direitos humanos, a justiça social, e pug- nar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da justiça e pelo aper- feiçoamento da cultura e das instituições jurídica... Mais adiante o Art. 44, II assinala que tem por finalidade, “promover, com exclusividade, a representação, a defesa, a seleção e a disciplina dos advogados”, competindo, pelo Art. 54, II, ao Conselho Federal, “repre- sentar, em juízo ou fora dele, os in- teresses coletivos ou individuais dos advogados;”. O tratamento singular que re- cebe expõe nitidamente a qualifica- ção de ente superior em relação às ou- tras categorias que desempenham se- melhante papel de fiscalizar as pro- fissões regulamentadas. A destacar de início, diferen- te de outras categorias de trabalha- dores, como a dos médicos cuja ati- vidade gira em torno da vida ou mor- te dos seus pacientes, submete o for- mado em Direito a exame prévio pa- ra ingresso na Ordem. Os constituintes de 1988 atri- buíram maior importância à OAB do que prevaleceu nas Constituições an- teriores. Recém terminado o regime militar, o esquerdismo estava em alta e os di- reitos humanos/direitos dos manos em favor dos terroristas marxistas que mataram e mutilaram inocentes com bombas e suas balas perdidas, eram o foco, engavetando as atrocidades. Vide o caso de Orlando Lovecchio, jovem que sonhava ser piloto de aviação e foi vítima de uma bomba/terrorista http://www.museuvitimasdoscomunistas. com.br/saloes/ver/vitima-orlando-lovecchio Ainda, criaram meios de se premiarem com milionárias indenizações. Eis que a OAB ponteia na Constituição 88. O Art. 93, I, ao disciplinar o ingresso na carreira da Magistratura no cargo inicial de juiz substituto, mediante concurso público, determina “com a par- ticipação da Ordem dos Advogados em todas as fases”. Já o Art. 103 ao abordar a proposição de ação direta de inconstitucio- nalidade e a ação declaratória de constitucionalidade esclarece que, entre outros entes, pode propor, no inciso VII, particularmente, “o Conselho Fe- deral da Ordem dos Advogados do Brasil” e genericamente, no inciso IX, “con- federação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional”. Na composição do Conselho Nacional de Justiça, dos 15 membros, dois advogados são indicados pelo Conselho Federal da OAB (Art.103-B, XII) e, de acordo com o § 6º desse artigo, junto ao Conselho oficiarão o Procurador-Geral da República e o Presidente do Conselho Federal da OAB. Por semelhança com a Magistratura, o ingresso na carreira do Ministé- rio Público, far-se-á por concurso público, também assegurada a participa- ção da OAB em sua realização (Art. 129, § 3º). No Conselho Nacional do Ministério Público, dos 14 membros, dois advogados são indicados pelo Conselho Federal da OAB (Art. 130-A) e, pelo § 4º, o Presidente do Conselho da OAB oficiará junto ao Conselho. Ainda participa em todas as fases do concurso público para ingresso na carreira dos Procuradores dos Estados e do Distrito Federal (Art. 132). Como as demais, de suma importância, pois que tais servidores exercerão a represen- tação judicial e a consultoria jurídica das unidades administrativas. Pelo Art. 94, um quinto dos lugares dos Tribunais Regionais Federais, dos A OAB NA CONSTITUIÇÃO DE 1988 Tribunais dos Estados e do Distrito Federal será composto de membros do Ministério Público... e de advogados... indicados pelos órgãos das respectivas classes. Enquanto, os do MP ingressaram como servidores por concurso públi- co, os advogados por notório saber jurídico. O Superior Tribunal de Justiça compõe-se de 33 ministros (Art. 104), sendo... II – um terço, em partes iguais, dentre advogados e membros do Mi- nistério Público Federal, Estadual, do Distrito Federal e Territórios... indi- cados na forma do Art. 94, ... advogados indicados pela OAB. O Tribunal Superior do Trabalho compor-se-á de 27 Ministros, sendo um quinto dentre advogados e membros do Ministério Público do Trabalho, indicados pelos órgãos de classe (Art. 111-A, I CF). Observa-se como a OAB participa da seleção de pessoal praticamente pa- ra todos os níveis da estrutura destinada à administração da justiça no país. Ora, qual a atividade precípua dos advogados? “No processo judicial, o advogado contribui, na postulação de decisão favorável ao seu constituinte e ao convencimento do julgador,...” (§ 2º, Art. 2º L8906). Ou seja, o “seu” advogado de ontem ou, do seu partido, pode ser o juiz que vai julgar o “seu” processo amanhã. Prenhe de ideologia, gratidão ou ci- frão, vale tudo, até notório saber e conduta ilibada. Como soe acontecer, de um modo geral os órgãos de classe dos trabalhadores, bem como dos estudantes, a esquerda em mi- noria, mas muito atuante, dou- trinada e motivada, ocupa espa- ço preponderante (desde sem- pre), face ao que pudesse repre- sentar a sociedade nitidamente avessa ao marxismo. A OAB também está conti- da no mesmo contexto. O mais recente desgaste refere-se à posição do Conselho Federal da Ordem dos Advoga- dos do Brasil ao recomendar o afastamento do ministro Sérgio Moro e dos procuradores da La- va Jato, após a divulgação da tro- ca de mensagens por reportagem do The Intercept. Da internet colhe-se a rea- ção do ex-presidente da OAB- SC Amauri Ferreira: "Com or- gulho, fui presidente da OAB-SC e hoje tenho vergonha de ver a nossa OAB mancomunada com um presidente da OAB nacional comunista e PT. Santa Catarina sempre foi progressista e nunca se envolveu em política partidá- ria, especialmente com partidos de esquerda, que protegem ordinários e corruptos. Eu não me sinto representado pela OAB-SC e pela OAB nacional. É uma vergonha...". Fica a pergunta. Por que um órgão de classe tem todo esse poder em relação aos demais? Órgão, este, cuja atividade dos seus membros é defender qualquer acusa- do e fazer justiça, sob contrapartida remuneratória a que faz jus, mas não pode pairar dúvidas sobre a lisura da condenação ou absolvição do seu constituinte. A promiscuidade gera- da, por certo minoria, mas vultosa a depender das ques- tões envolvidas, precisa ser estancada. O concurso pú- blico ainda é o caminho. Me- lhor do que o jargão, “Quem Indica” a dever favores. Como lição, lembrar do diálogo difamatório entre ministros da alta corte: “vos- sa excelência é uma deson- ra para o tribunal”, ao que o outro responde, “vossa Ex- celência precisa fechar o seu escritório de advocacia”. Cai o pano rapidamente. Ainda ficam de fora os casos das esposas e seus escritórios afi- nados com a governança cor- rupta.