SlideShare uma empresa Scribd logo
Identificação dos Plásticos
História dos plásticos
Tudo começou quando …
Em 1839 se deu o desenvolvimentodo sistema de vulcanização, por Charles Goodyear, adicionando-se enxofre à borracha bruta, foi o primeiro  grande passo para a descoberta dos plásticos. Oldest Soccer ball
Em seguida  deu-se a criação da nitrocelulóide, em 1846, por Charles Schonbein, descobriu acidentalmente outro polímero ao derramar uma mistura de ácido sulfúrico nítrico num pedaço de algodão. + + E puff… Fez-se o polímero (:
Mas como a nitrocelulóide era altamente explosivo, passou então a ser utilizado como alternativa à pólvora. Posteriormente, foi desenvolvido a celulóide com a adição da cânfora. Esse novo produto tornou-se uma matéria-prima na fabricação de filmes fotográficos, bolas de bilhar, placas dentárias e bolas de ténis de mesa.
Em 1909, Leo Baekeland criou a baquelite, primeiro polímero realmente sintético, podendo ser considerado, portanto, o primeiro plástico. Era resultado da reacção entre fenol e formaldeído. Tornou-se útil pela sua dureza, resistência ao calor e à electricidade.
Na década de 30 foi criado um novo tipo de plástico: o nylon, um material que habitualmente conhecemos da composição de muitas peças de roupa. Após a Segunda Guerra Mundial foram criados outros, como é o exemplo do dácron, a esferovite, o poliestireno, o polietileno e o vinil. Nesse período, os plásticos difundiram-se imenso no quotidiano das pessoas. Nylon       Vinil Esferovite Polietileno
Polímeros  São compostos químicos de elevada massa molecular, resultantes de reacções químicas de polimerização. Os polímeros são macromoléculas formadas a partir de unidades estruturais menores (os monómeros). O número de unidades estruturais repetidas numa macromolécula é chamado grau de polimerização Uma das principais e mais importantes características dos polímeros são as mecânicas. Segundo ela os polímeros podem ser divididos em termoplásticos (recicláveis), termoendurecíveis (termofixos) e elastômeros (borrachas).
Mas afinal o que é o plástico? Osplásticos são materiais orgânicos poliméricos sintéticos de constituição macrocelular , ou seja, formam-se através de reacções de polimerização que não ocorrem na natureza. Estes são dotados de grande maleabilidade, isto porque são facilmente transformáveis mediante o aumento da temperatura e da pressão. Amatéria-prima dos plásticos geralmente é o petróleo.
Este século foi assim chamado devido à enorme e rápida expansão do plástico na indústria. Muitos dos objectos que nos rodeiam hoje são feitos de matérias plásticas. O plástico está de tal maneira presente no nosso dia-a-dia que já não imaginamos o mundo sem ele. Século XXA era do plástico
	Antes desta “revolução” estes objectos eram fabricados a partir de matérias-primas utilizadas pelo homem desde  há muitos anos, como vidro, a madeira, a argila e os metais.
Mas o plástico revelou-se um material cheio de vantagens. . .
Higiene Durabilidade
Versatilidade Design
Leveza Baixo custo
Bom isolante térmico e eléctrico
Facilmente coloráveis e moldáveis Resistentes e seguros
Na sua maioria são facilmente recicláveis Mas o que acontece aos plásticos que não são recicláveis? Ou aqueles que deitamos ao lixo ou que simplesmente atiramos para o chão? Nem tudo é uma mar de rosas infelizmente. O uso do plástico também tem as suas desvantagens…
Por vezes a sua reciclagem não é rentável ou não é possível; Difíceis de reparar; Dizem-se biodegradáveis mas demoram imenso tempo a degradar-se na natureza; Têm fraca resistência mecânica e ao calor Sofrem alterações com o calor e luz; São combustíveis;
Objectivos desta actividade: ,[object Object]
Reconhecer as aplicações dos diversos tipos de polímeros depois de testados e devidamente classificados;
Observar as várias propriedades características (cor, brilho, maleabilidade, opacidade, densidade, etc.) de cada uma das diferentes amostras;
Manusear o material do laboratório com a devida segurança.,[object Object]
Durante esta actividade submetemos os diferentes tipos de plásticos a uma sucessão de testes. Estes testes permitiram confirmar ou não experimentalmente se a atribuição dos códigos de reciclagem pela fábrica era correcta, assim como analisar de perto as características adoptadas por cada um nas diferentes situações.
Em seguida apresentaremos a tabela dos resultados que obtivemos no estudo das amostras dos materiais.
No fim faz o download do nosso questionário interactivo e tenta tu fazer a experiência!!,[object Object]
Trabalhando….
Amostras de cada plástico
Soluções
Teste da densidade em álcool isopropílico
Teste da densidade em óleo de milho
Teste de aquecimento
Teste da chama

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Material auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiMaterial auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico ii
profNICODEMOS
 
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveisProcesso de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Emanoel S. Carvalho
 
Processo de Conformação Para o Plástico
Processo de Conformação Para o PlásticoProcesso de Conformação Para o Plástico
Processo de Conformação Para o Plástico
Jorge Martins
 
Plástico
PlásticoPlástico
Termoplásticos
TermoplásticosTermoplásticos
Termoplásticos
Hertz Oliveira
 
Polímeros 3a3
Polímeros 3a3Polímeros 3a3
Polímeros 3a3
EEB Francisco Mazzola
 
Historia Dos Polimeros Rui Nº8 Antonio Nº1 Joarge Nº3
Historia Dos Polimeros Rui Nº8 Antonio Nº1 Joarge Nº3Historia Dos Polimeros Rui Nº8 Antonio Nº1 Joarge Nº3
Historia Dos Polimeros Rui Nº8 Antonio Nº1 Joarge Nº3
guest01f23e0
 
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
João Pereira
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
Carlos Henrique
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Ricardo Feltre
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Paulo Filho
 
Quimica polimeros
Quimica polimerosQuimica polimeros
Quimica polimeros
alexcueio
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
pmcabrita
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
Carlos Eduardo Polatschek Kopperschmidt
 
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_pauloPolímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
PauloMaiaCampos
 
Injeção
InjeçãoInjeção
Injeção
Marcelo Menezes
 
Química dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - EzequielQuímica dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - Ezequiel
Ezequiel G
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Jadgy Back
 
Plastico (2)
Plastico (2)Plastico (2)
Plastico (2)
ggmota93
 

Mais procurados (20)

Material auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico iiMaterial auxiliar plástico ii
Material auxiliar plástico ii
 
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveisProcesso de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
Processo de fabricação de embalagens plásticas flexíveis
 
Processo de Conformação Para o Plástico
Processo de Conformação Para o PlásticoProcesso de Conformação Para o Plástico
Processo de Conformação Para o Plástico
 
Plástico
PlásticoPlástico
Plástico
 
Termoplásticos
TermoplásticosTermoplásticos
Termoplásticos
 
Polímeros 3a3
Polímeros 3a3Polímeros 3a3
Polímeros 3a3
 
Historia Dos Polimeros Rui Nº8 Antonio Nº1 Joarge Nº3
Historia Dos Polimeros Rui Nº8 Antonio Nº1 Joarge Nº3Historia Dos Polimeros Rui Nº8 Antonio Nº1 Joarge Nº3
Historia Dos Polimeros Rui Nº8 Antonio Nº1 Joarge Nº3
 
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
Química 12º - "Polimeros e reciclagem dos plásticos"
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Quimica polimeros
Quimica polimerosQuimica polimeros
Quimica polimeros
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Polimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais PropriedadesPolimeros Principais Propriedades
Polimeros Principais Propriedades
 
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_pauloPolímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
Polímeros naturaisartificiaissintéticos mara_e_paulo
 
Injeção
InjeçãoInjeção
Injeção
 
Química dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - EzequielQuímica dos polímeros - Ezequiel
Química dos polímeros - Ezequiel
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Plastico (2)
Plastico (2)Plastico (2)
Plastico (2)
 

Semelhante a Identificação de plásticos grupo 5 12 CT2 ESFH

Transformação do plastico
Transformação do plasticoTransformação do plastico
Transformação do plastico
Cristyan Ribeiro
 
Ova polimeros
Ova  polimerosOva  polimeros
Ova polimeros
Jaqueline Lopes
 
Ova polimeros
Ova  polimerosOva  polimeros
Ova polimeros
Jaqueline Lopes
 
Polimeros i introdução
Polimeros i introduçãoPolimeros i introdução
Polimeros i introdução
marcelohvsilva
 
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosPolímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Bruno Pinto
 
INTRODUÇÃO AOS MATERIAIS POLIMÉRICOS.pdf
INTRODUÇÃO AOS MATERIAIS POLIMÉRICOS.pdfINTRODUÇÃO AOS MATERIAIS POLIMÉRICOS.pdf
INTRODUÇÃO AOS MATERIAIS POLIMÉRICOS.pdf
TulyhanderNascimento
 
A pedra
A pedra A pedra
A pedra
Estudante
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Marco Tulio
 
RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
Suelly De Sousa
 
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambienteMateriais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Hellen Santos
 
Polímeros.his
Polímeros.hisPolímeros.his
Polímeros.his
marcelazmarques
 
Isaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoIsaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G Norturno
Newton Isaac
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
ggmota93
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Mari Rodrigues
 
Aula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptxAula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptx
Miguel Jose
 
Os plasticos
Os plasticosOs plasticos
Os plasticos
Ana Paula Silva
 
Apresentação 3a1
Apresentação 3a1Apresentação 3a1
Apresentação 3a1
EEB Francisco Mazzola
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
JurandirMarkante
 
Manoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silvaManoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silva
Marttha Reys
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
areadeprojectospg
 

Semelhante a Identificação de plásticos grupo 5 12 CT2 ESFH (20)

Transformação do plastico
Transformação do plasticoTransformação do plastico
Transformação do plastico
 
Ova polimeros
Ova  polimerosOva  polimeros
Ova polimeros
 
Ova polimeros
Ova  polimerosOva  polimeros
Ova polimeros
 
Polimeros i introdução
Polimeros i introduçãoPolimeros i introdução
Polimeros i introdução
 
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosPolímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos Orgânicos
 
INTRODUÇÃO AOS MATERIAIS POLIMÉRICOS.pdf
INTRODUÇÃO AOS MATERIAIS POLIMÉRICOS.pdfINTRODUÇÃO AOS MATERIAIS POLIMÉRICOS.pdf
INTRODUÇÃO AOS MATERIAIS POLIMÉRICOS.pdf
 
A pedra
A pedra A pedra
A pedra
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
RECICLAGEM
RECICLAGEMRECICLAGEM
RECICLAGEM
 
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambienteMateriais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
Materiais Poliméricos e a sua relação com o ambiente
 
Polímeros.his
Polímeros.hisPolímeros.his
Polímeros.his
 
Isaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G NorturnoIsaac Newton 3° G Norturno
Isaac Newton 3° G Norturno
 
Plasticos
PlasticosPlasticos
Plasticos
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
 
Aula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptxAula Materiais não Metálicos.pptx
Aula Materiais não Metálicos.pptx
 
Os plasticos
Os plasticosOs plasticos
Os plasticos
 
Apresentação 3a1
Apresentação 3a1Apresentação 3a1
Apresentação 3a1
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
 
Manoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silvaManoel lúcio da silva
Manoel lúcio da silva
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Identificação de plásticos grupo 5 12 CT2 ESFH

  • 4. Em 1839 se deu o desenvolvimentodo sistema de vulcanização, por Charles Goodyear, adicionando-se enxofre à borracha bruta, foi o primeiro grande passo para a descoberta dos plásticos. Oldest Soccer ball
  • 5. Em seguida deu-se a criação da nitrocelulóide, em 1846, por Charles Schonbein, descobriu acidentalmente outro polímero ao derramar uma mistura de ácido sulfúrico nítrico num pedaço de algodão. + + E puff… Fez-se o polímero (:
  • 6. Mas como a nitrocelulóide era altamente explosivo, passou então a ser utilizado como alternativa à pólvora. Posteriormente, foi desenvolvido a celulóide com a adição da cânfora. Esse novo produto tornou-se uma matéria-prima na fabricação de filmes fotográficos, bolas de bilhar, placas dentárias e bolas de ténis de mesa.
  • 7. Em 1909, Leo Baekeland criou a baquelite, primeiro polímero realmente sintético, podendo ser considerado, portanto, o primeiro plástico. Era resultado da reacção entre fenol e formaldeído. Tornou-se útil pela sua dureza, resistência ao calor e à electricidade.
  • 8. Na década de 30 foi criado um novo tipo de plástico: o nylon, um material que habitualmente conhecemos da composição de muitas peças de roupa. Após a Segunda Guerra Mundial foram criados outros, como é o exemplo do dácron, a esferovite, o poliestireno, o polietileno e o vinil. Nesse período, os plásticos difundiram-se imenso no quotidiano das pessoas. Nylon Vinil Esferovite Polietileno
  • 9. Polímeros São compostos químicos de elevada massa molecular, resultantes de reacções químicas de polimerização. Os polímeros são macromoléculas formadas a partir de unidades estruturais menores (os monómeros). O número de unidades estruturais repetidas numa macromolécula é chamado grau de polimerização Uma das principais e mais importantes características dos polímeros são as mecânicas. Segundo ela os polímeros podem ser divididos em termoplásticos (recicláveis), termoendurecíveis (termofixos) e elastômeros (borrachas).
  • 10. Mas afinal o que é o plástico? Osplásticos são materiais orgânicos poliméricos sintéticos de constituição macrocelular , ou seja, formam-se através de reacções de polimerização que não ocorrem na natureza. Estes são dotados de grande maleabilidade, isto porque são facilmente transformáveis mediante o aumento da temperatura e da pressão. Amatéria-prima dos plásticos geralmente é o petróleo.
  • 11. Este século foi assim chamado devido à enorme e rápida expansão do plástico na indústria. Muitos dos objectos que nos rodeiam hoje são feitos de matérias plásticas. O plástico está de tal maneira presente no nosso dia-a-dia que já não imaginamos o mundo sem ele. Século XXA era do plástico
  • 12. Antes desta “revolução” estes objectos eram fabricados a partir de matérias-primas utilizadas pelo homem desde há muitos anos, como vidro, a madeira, a argila e os metais.
  • 13. Mas o plástico revelou-se um material cheio de vantagens. . .
  • 17. Bom isolante térmico e eléctrico
  • 18. Facilmente coloráveis e moldáveis Resistentes e seguros
  • 19. Na sua maioria são facilmente recicláveis Mas o que acontece aos plásticos que não são recicláveis? Ou aqueles que deitamos ao lixo ou que simplesmente atiramos para o chão? Nem tudo é uma mar de rosas infelizmente. O uso do plástico também tem as suas desvantagens…
  • 20. Por vezes a sua reciclagem não é rentável ou não é possível; Difíceis de reparar; Dizem-se biodegradáveis mas demoram imenso tempo a degradar-se na natureza; Têm fraca resistência mecânica e ao calor Sofrem alterações com o calor e luz; São combustíveis;
  • 21.
  • 22. Reconhecer as aplicações dos diversos tipos de polímeros depois de testados e devidamente classificados;
  • 23. Observar as várias propriedades características (cor, brilho, maleabilidade, opacidade, densidade, etc.) de cada uma das diferentes amostras;
  • 24.
  • 25. Durante esta actividade submetemos os diferentes tipos de plásticos a uma sucessão de testes. Estes testes permitiram confirmar ou não experimentalmente se a atribuição dos códigos de reciclagem pela fábrica era correcta, assim como analisar de perto as características adoptadas por cada um nas diferentes situações.
  • 26. Em seguida apresentaremos a tabela dos resultados que obtivemos no estudo das amostras dos materiais.
  • 27.
  • 29. Amostras de cada plástico
  • 31. Teste da densidade em álcool isopropílico
  • 32. Teste da densidade em óleo de milho
  • 36. Mediante a recorrência a estes testes foi-nos, de facto, possível confirmar que as nossas amostras estavam classificadas correctamente, embora às vezes tenha sido difícil analisar os resultados obtidos. Isto pode ter acontecido devido à forma e tamanho das amostras utilizadas. A única amostra que não podémos efectivamente classificar mesmo correctamente foi a amostra do PVC, dado que não foi possível observar nenhuma chama verde, no teste da chama, como seria de esperar devido a ter cloro na sua constituição.
  • 37. Com tudo isto podemos ainda concluir que, mediante as características diversas existentes entre os vários tipos de plásticos que testámos, a variedade da aplicação de cada um dos tipos de plástico será também imensa. De acordo com o efeito desejado, poder-se-á escolher o plástico mais adequado para a situação, conferindo vantagens adicionais. E assim é: o plástico tem enormes vantagens. As desvantagens, essas, poderão ser colmatadas por uma atitude ambiental e um consumo consciente a nível global, bem como pelos constantes avanços tecnológicos e poder elucidativo da Ciência. O saldo final – um grande contributo para o bem-estar social, com um consumo que não comprometa o ambiente.
  • 38. Grupo 5 12 CT2 Ana Sofia Bruno João David Lúcia Marina Professor Rui Vítor