Introdução
Neste trabalho aprenderemos mais sobre: o conceito, classificação ,
propriedades dos plásticos, exemplos com ap...
Um Pouco Mais Sobre O Plastico
Só no século 20 as pesquisas pioneiras iniciadas no século anterior passaram
a suprir a ind...
Uma das principais e mais importantes características dos polímeros são as
mecânicas. Segundo ela os polímeros podem ser d...
PEAD
 incolor e opaco
 alta rigidez e resistência
 tampas, vasilhames e frascos em geral
PEBD
 incolor, translúcido ou...
PU
 Flexibilidade, leveza,
 resistência à abrasão, possibilidade de design diferenciado.
 Espumas macias para colchões ...
Os sacos de plástico não são formas de transporte inócuas para o
ambiente por dois motivos essenciais: o elevado número de...
Do total de plásticos produzidos no Brasil, só reciclamos 15%. Um dos
empecilhos é a grande variedade de tipos de plástico...
 baldes, cabides, pentes e outros artefatos produzidos pelo processo de
injeção;
 "madeira - plástica";
 cerdas, vassou...
Conclusão
Há pouco mais de 60 anos, as seringas eram de vidro, os potes de
porcelana e os para-choques de ferro. A descobe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Plasticos

608 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
608
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plasticos

  1. 1. Introdução Neste trabalho aprenderemos mais sobre: o conceito, classificação , propriedades dos plásticos, exemplos com aplicações no cotidiano, problemas ambientais ocasionados pelos plásticos e sobre a reciclagem de cada tipo de plástico . Quando lemos ou ouvimos a palavra embalagem, umas das primeiras imagens que vem à nossa mente é o plástico. A influência do plástico é tão grande em nossas vidas, que às vezes acaba passando despercebido. Além de ser transparente, prático e leve, ele está presente em quase todos os setores da economia. Vale ressaltar que ele não representa somente as sacolas plásticas, mas também as embalagens dos alimentos, a garrafa do refrigerante, o pote do sorvete, os óculos, os computadores, os automóveis, a calculadora, dentre outros inúmeros produtos. Quando conhecemos sua importância, vemos o quanto este material é importante para nossa sobrevivência. Quando você conhece a importância de algo, você dá valor a isto. E quando você dá valor, você preserva. Preservar é ter a consciência de: o que você tem ou adquiriu pode em algum momento salvar a humanidade.
  2. 2. Um Pouco Mais Sobre O Plastico Só no século 20 as pesquisas pioneiras iniciadas no século anterior passaram a suprir a indústria com uma variedade de materiais sintéticos que receberam o nome de polímeros e ficaram universalmente conhecidos como plásticos. O nome polímero vem do grego, poli = muitas, mero = partes. Polímero, portanto, é a união de muitas partes. A parte fundamental constitutiva de um polímero é chamada de monômero, também do grego, mono = um. Um grande marco na história da indústria de plásticos foi a descoberta do processo de vulcanização da borracha em 1839 (a partir do látex, um polímero natural, que já era largamente empregado) pela Goodyear. O próximo grande passo foi a nitração da celulose, resultando na nitrocelulose, produto comercializado primeiramente por Hyatt, em 1870. De seu produto foi obtido o celulóide, alavancando a indústria cinematográfica. Em 1865 foi descoberto o processo de acetilação da celulose, resultando em produtos comerciais de grande uso no início deste século, como fibras de rayon, celofane, entre outros. Entretanto, o primeiro polímero puramente sintético somente surgiu em 1907; resinas de fenol-formaldeído foram produzidas por Baekeland – entre elas, o primeiro polímero sintético de uso comercial: o “Bakelite”. Desde então, a indústria e o uso de polímeros não para de crescer. Hoje, mesmo roupas e demais vestimentas são feitas com fibras poliméricas sintéticas. Roupas especiais, como o uniforme de astronautas, vestes dos corredores de fórmula 1, e roupas de mergulho submarino também são produzidas com polímeros especiais, que possuem as propriedades desejadas, em cada caso. Os polímeros são compostos químicos de elevada massa molecular, resultantes de reações químicas de polimerização. Tratam-se de macromoléculas formadas a partir de unidades estruturais menores (os monómeros). O número de unidades estruturais repetidas numa macromolécula é chamado grau de polimerização. Em geral, os polímeros contêm os mesmos elementos nas mesmas proporções relativas que seus monômeros, mas em maior quantidade absoluta.
  3. 3. Uma das principais e mais importantes características dos polímeros são as mecânicas. Segundo ela os polímeros podem ser divididos em termoplásticos, termoendurecíveis (termofixos) e elastômeros (borrachas). Termoplásticos Termoplástico é um dos tipos de plásticos mais encontrados no mercado. Pode ser fundido diversas vezes, alguns podem até dissolver-se em vários solventes. Logo, sua reciclagem é possível, característica bastante desejável atualmente. Termorrígidos (Termofixos) São rígidos e frágeis, sendo muito estáveis a variações de temperatura. Uma vez prontos, não mais se fundem. O aquecimento do polímero acabado promove decomposição do material antes de sua fusão, tornando sua reciclagem complicada. Elastômeros (Borrachas) Classe intermediária entre os termoplásticos e os termorrígidos: não são fusíveis, mas apresentam alta elasticidade, não sendo rígidos como os termofixos. Reciclagem complicada pela incapacidade de fusão. Diferentes Tipos de Plásticos PEAD - Polietileno de Alta Densidade, PEBD - Polietileno de Baixa Densidade, PU – Poliuretano, PVC – Policloreto de vinila ou cloreto de polivinila, PS – Poliestireno, PP – Polipropileno, Polietileno Tereftalato (PET),
  4. 4. PEAD  incolor e opaco  alta rigidez e resistência  tampas, vasilhames e frascos em geral PEBD  incolor, translúcido ou opaco  alta flexibilidade e boa resistência mecânica  utensílios domésticos, sacos e frascos flexíveis PP  incolor e opaco  boa resistência a choques e alta resistência química  para-choques de carros, garrafas e pacotes PS  incolor e transparente.  grande rigidez, baixa resistência a choques e riscos, transparência.  utensílios domésticos rígidos, brinquedos, indústria e electrónica. PVC  incolor e transparente  flexibilidade com adição de modificadores e alta resistência à chama  tubos rígidos água/esgotos, tubos flexíveis e cortinas PET  incolor, transparente ou opaco  alta resistência mecânica e química, transparência  Fibras têxteis, frascos de refrigerante e mantas de impermeabilização
  5. 5. PU  Flexibilidade, leveza,  resistência à abrasão, possibilidade de design diferenciado.  Espumas macias para colchões e estofados, espumas rígidas, solados de calçados, interruptores, pratos, travessas, cinzeiros, telefones, Problemas ambientais Os problemas ambientais causados pelo plástico têm sido fortemente debatidos por especialistas e consumidores em todo o mundo. Mas uma vertente desse problema não recebe a atenção devida: os danos sociais causados pelo material, especialmente aos mais pobres. As consequências negativas do plástico se fazem presentes em todas as etapas - desde a produção até o descarte final. Ao final do ciclo de vida, até mesmo o produto plástico que vai para a reciclagem prejudica as camadas sociais mais baixas ao ser enviado para países em desenvolvimento e incinerado, liberando substâncias tóxicas altamente nocivas à saúde humana. Não temos recursos descartáveis. Não temos espécies descartáveis. Não temos pessoas descartáveis. Não temos um planeta descartável, tudo é precioso.
  6. 6. Os sacos de plástico não são formas de transporte inócuas para o ambiente por dois motivos essenciais: o elevado número de sacos produzidos por ano (cerca de 150 por pessoa por ano) e a natureza não biodegradável do plástico com que são produzidos. Além disso, a manufatura do polietileno faz- se a partir de combustíveis fósseis e acarreta a emissão de gases poluentes. Calcula-se que cerca de 90% dos sacos de plástico acabam a sua vida em lixeiras, ou como resíduos ou como contentores de desperdícios. Este número pode parecer assustador mas na verdade estes objetos ocupam apenas cerca de 0,3% do volume acumulado nas lixeiras. Mesmo assim, dada a sua extrema leveza, se não forem bem acondicionados os sacos de plástico têm a tendência de voar e espalhar-se pelo meio ambiente. Esta situação pode provocar outros tipos de poluição, que por exemplo na China ganhou o nome de poluição branca. Nos países menos desenvolvidos, onde não existem métodos eficazes de recolha e acondicionamento de resíduos, os sacos de plástico são quase totalmente abandonados depois do uso e acabam invariavelmente nos cursos de água. Quase todos os sacos de plástico não acondicionados em lixeiras acabam, mais cedo ou mais tarde, por chegar aos rios e aos oceanos. Os ambientalistas chamam a atenção há vários anos para este problema e citam o fato de milhares de baleias, golfinhos, tartarugas-marinhas e aves marinhas morrerem anualmente asfixiadas por sacos de plástico. O caso mais dramático ocorreu em 2002, quando uma baleia anã deu à costa da Normandia com cerca de 800 kg de sacos de plástico encravados no estômago. Reciclagem O lixo brasileiro contém de 5 a 10% de plásticos, conforme o local. São materiais que, como o vidro, ocupam um considerável espaço no meio ambiente. O ideal: serem recuperados e reciclados. Plásticos são derivados do petróleo, produto importado (60% do total no Brasil). A reciclagem do plástico exige cerca de 10% da energia utilizada no processo primário.
  7. 7. Do total de plásticos produzidos no Brasil, só reciclamos 15%. Um dos empecilhos é a grande variedade de tipos de plásticos. Uma das alternativas seria definir um tipo específico de plástico para ser coletado. Os plásticos recicláveis são: potes de todos os tipos, sacos de supermercados, embalagens para alimentos, vasilhas, recipientes e artigos domésticos, tubulações e garrafas de PET, que convertida em grânulos é usada para a fabricação de cordas, fios de costura, cerdas de vasouras e escovas. Os não recicláveis são: cabos de panela, botões de rádio, pratos, canetas, bijuterias, espuma, embalagens a vácuo, fraldas descartáveis. A fabricação de plástico reciclado economiza 70% de energia, considerando todo o processo desde a exploração da matéria-prima primária até a formação do produto final. Além disso, se o produto descartado permanecesse no meio ambiente, poderia estar causando maior poluição. Isso pode ser entendido como uma alternativa para as oscilações do mercado abastecedor e também como preservação dos recursos naturais, o que podendo reduzir, inclusive, os custos das matérias primas. O plástico reciclado tem infinitas aplicações, tanto nos mercados tradicionais das resinas virgens, quanto em novos mercados. O plástico reciclado pode ser utilizado para fabricação de:  garrafas e frascos, exceto para contato direto com alimentos e fármacos;
  8. 8.  baldes, cabides, pentes e outros artefatos produzidos pelo processo de injeção;  "madeira - plástica";  cerdas, vassouras, escovas e outros produtos que sejam produzidos com fibras;  sacolas e outros tipos de filmes;  painéis para a construção civil. Reciclagem Química A reciclagem química re-processa plásticos, transformando-os em petroquímicos básicos que servem como matéria-prima em refinarias ou centrais petroquímicas. Seu objetivo é a recuperação dos componentes químicos individuais para reutilizá-los como produtos químicos ou para a produção de novos plásticos. Os novos processos desenvolvidos de reciclagem química permitem a reciclagem de misturas de plásticos diferentes, com aceitação de determinado grau de contaminantes como, por exemplo, tintas, papéis, entre outros materiais. RECICLAGEM ENERGÉTICA Ele é queimado liberando um calor muito forte (superior ao do carvão e próximo ao produzido pelo óleo combustível) que é aproveitado na forma de energia. RECICLAGEM MECÂNICA No Brasil, é a mais utilizada; é mais barata e mantém uma boa qualidade do produto: Para facilitar a separação dos materiais plásticos para a reciclagem, foram estabelecidos códigos para diferenciar cada tipo.
  9. 9. Conclusão Há pouco mais de 60 anos, as seringas eram de vidro, os potes de porcelana e os para-choques de ferro. A descoberta de um material inerte, resistente e barato transformou o mundo rapidamente. O Plástico Deu Forma a eletrônicos, embalagens e objetos de todo tipo. Só no ano passado, 5 milhões de toneladas de plástico foram produzidos no país. Boa parte dura poucos segundos em nossas mãos – e de lá vai para a lixeira. É por isso (e também por durar até 400 anos na natureza) que o plástico passou a vilão ecológico. É dele a culpa pelos bueiros entupidos, pela morte de animais selvagens e pelo acúmulo de resíduos sólidos em lixões. Mas sem exagero – e com boa dose de reciclagem – dá para conviver com ele sem prejudicar a natureza. Não há como viver sem plástico mais se formos diminuindo gradativamente, e reciclar os polímeros já presentes no mundo, seremos capazes de um dia chegarmos perto de retirar isso que tanto nus ajuda individualmente e nus prejudica tanto a nível biológico.

×