SlideShare uma empresa Scribd logo
Cadeira de HISTÓRIA DO PORTO 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Professor Doutor 
Artur Filipe dos Santos
Jardins e Praças do Porto JARDIM DE S. LÁZARO 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•O Jardim de São Lázaro é o mais antigo jardim municipal da cidade do Porto. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
História do Porto- O Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Inaugurado em 1834, o jardim, fresco e frondoso, é de concepção romântica, podendo destacar-se as imponentes tílias, o coreto e os grupos escultóricos a que não será alheia a proximidade da Escola Superior de Belas Artes do Porto. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Integrada no gradeamento que o delimita a norte, encontra-se uma fonte retirada do antigo convento de São Domingos. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•A nascente do jardim está a Biblioteca Pública Municipal do Porto e, a sul, a magnífica fachada barroca do antigo convento de São Lázaro, atribuído a Nicolau Nasoni. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Conhecido como Jardim de S. Lázaro, foi inaugurado em 1834, sendo o primeiro jardim público da cidade, o seu nome oficial é Jardim Marques de Oliveira. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Típico jardim romântico, cheio de fontes e estátuas, frondosas árvores e canteiros, além de um pequeno coreto. Apesar de bastante modificado desde a origem, é hoje o único jardim da cidade ainda envolvido por um gradeamento com quatro portões. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Está instalada neste jardim uma fonte de mármore oriunda da sacristia do extinto Convento de São Domingos. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Destaca-se o conjunto de 12 Magnolia grandiflora classificadas, em redor do lago, com grande valor ornamental. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Próximo da Biblioteca Municipal do Porto e da Faculdade de Belas Artes, o Jardim Marques de Oliveira é um dos jardins públicos mais frequentados da cidade. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•João Marques da Silva Oliveira (Porto, 23 de Agosto de 1853 — 9 de Outubro de 1927 (64 anos)) foi um pintor naturalista e professor português. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Quem foi Marques de Oliveira
•Em 1864 entrou para a Academia Portuense de Belas Artes, completando o curso de história da pintura em 1873. Viveu em França de 1873 a 1879, com o seu colega Silva Porto. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Os dois pintores são considerados os introdutores do naturalismo em Portugal. Em 1876 e 1877 viajou com Silva Porto pela Bélgica, Países Baixos, Inglaterra e Itália onde permaneceram mais demoradamente. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Participou nos Salons de Paris de 1876 e 1878. Em 1879, regressou ao Porto e, à semelhança de Silva Porto, introduziu a pintura de ar livre em Portugal. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•A partir de 1881, e até 1926, foi professor na Academia Portuense de Belas-Artes, onde ocupou o lugar de director. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Faleceu a 9 de outubro de 1927, tendo sido sepultado no Cemitério da Lapa, no Porto. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Auto-retrato, 1876 Museu Malhoa Caldas da Rainha 
•Filho Pródigo, 1877, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto 
•Céfalo e Prócris 1879, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Obras mais conhecidas
•Dafne e cloe, 1879, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto 
•Retrato de Teixeira Gomes (1881), Museu Soares dos Reis 
•À Espera dos Barcos 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•O Jardim de S. Lázaro, inaugurado em 1834, foi o primeiro jardim público da cidade. Desenhado após o cerco do Porto por João José Gomes, primeiro jardineiro municipal do Porto, é um típico jardim romântico. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•O nome de S. Lázaro dado a vários sítios (alguns entretanto desaparecidos) das imediações do actual jardim, que ainda ostenta essa designação teve origem na existência, por ali perto, de um hospital onde eram tratados os leprosos que tinham aquele santo como protector. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Origem do Topónimo
Origem do Topónimo 
•Há documentos do século XIV que falam de uma gafaria "além da Porta de Cima de Vila, não longe de Mijavelhas." Ao local onde existiu esse hospital deram o nome de S. Lázaro. Nos nossos dias o topónimo está apenas no jardim e no Passeio de S. Lázaro que liga a Avenida de Rodrigues de Freitas à Rua de D. João IV. Houve uma Rua de S. Lázaro que ia desde o jardim até à Rua de Entreparedes. Desapareceu há muito. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Os terrenos que desta rua se estendiam até à rua de Alexandre Herculano faziam parte, ainda no século XVII, de uma enorme propriedade a que se dera o nome de Quinta de S. Lázaro. Houve um tempo em que toda esta dilatada zona foi conhecida por o Arrabalde e o sítio exacto onde se construiu o Jardim de S. Lázaro era o lugar do Arrabalde onde predominavam os oleiros que faziam louça de barro para uso caseiro. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Origem do Topónimo 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Ainda hoje existe o Beco do Arrabalde. Mas o sitio era muito mais amplo e abrangia zonas que depois também tiveram curiosas e pitorescas denominações: Mijavelhas, já aqui citado, o actual Campo de 24 de Agosto; Malmerendas, a conhecida Rua do Dr. Alves da Veiga; 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Origem do Topónimo
Origem do Topónimo 
•Reimão, agora transformada na Avenida de Rodrigues de Freitas; Poço das Patas, topónimo ainda existente numa travessa das redondezas. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Em tempos antigos passou por estes sítios uma Via Sacra que tinha origem junto da desaparecida Capela da Batalha e terminava no sopé do antigo Monte de Godim, actual alto do Bonfim, onde se construiu a igreja paroquial. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•A decisão de criar este Jardim é contemporânea da constituição da Biblioteca Pública, situada mesmo ao lado. O Jardim foi concluído sete anos após a sua inauguração. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Ao longo dos anos foi sofrendo diversas intervenções: em 1869, intervenção paisagística pelo alemão Emílio David; 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•em 1908 foi derrubada alguma vegetação incluida em 1869; e em 1911 sofre nova modificação, acreditando-se que as magnólias hoje existentes no jardim tenham sido plantadas nesse ano. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Antes de ser jardim esta zona era já chamada de São Lázaro. Este topónimo – Lázaro – evoca a antiga gafaria (leprosaria) medieval aí instalada no princípio do século XVI, que veio a ser demolida no século XVIII. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•O local era periodicamente ocupado por uma feira, tal como sucedia à maioria dos espaços que no Porto foram ajardinados até à segunda década do século XX. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Era costume a feira transitar então para outro campo mais periférico da cidade. No caso de São Lázaro, o destino foi o actual Campo 24 de Agosto. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Camilo Castelo Branco, que viveu próximo desta zona recebeu neste jardim, das mãos de D. Pedro II do Brasil, a Comenda da Ordem da Rosa. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Após a inauguração dos jardins do Palácio de Cristal e da Cordoaria, o Jardim de S. Lázaro, antes lugar de eleição da sociedade portuense, entrou um pouco em decadência. Hoje é, no entanto, um dos jardins públicos mais frequentados da cidade. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•O Jardim de S. Lázaro é um típico jardim romântico, cheio de fontes e estátuas, frondosas árvores e canteiros, além de um pequeno coreto. Apesar de bastante modificado desde a origem, é hoje o único jardim da cidade ainda envolvido por um gradeamento com quatro portões. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Este jardim possui algumas das árvores mais antigas do Porto. Dominando o cenário, doze grandiosas magnólias rodeiam o pequeno lago central. Nos canteiros, a poente e a norte, encontram-se numerosas camélias, alguns cedros e uma palmeira. As alamedas periféricas do jardim são rematadas por tilias. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Está instalada neste jardim uma fonte de mármore oriunda da sacristia do extinto Convento de São Domingos. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Próximo da Biblioteca Municipal do Porto e da Faculdade de Belas Artes, o Jardim de S. Lázaro é muito frequentado por estudantes e reformados, sendo ainda hoje um dos mais frequentados jardins públicos da cidade. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Houve no Porto um jardim em que era "absolutamente proibido" que dentro dele entrassem"… mendigos d'ambos os sexos, homens com carretos às costas, crianças que não sejão acompanhadas, ou que representem ter menos de 10 anos de idade e, finalmente, toda a pessoa que por seu trajo menos decente possa pertencer às classes indicadas…" (mendigos, etc). 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•O jardim em causa era o de S. Lázaro. Como é geralmente sabido, este, ainda hoje belíssimo espaço, mau grado o desleixo a que tem sido votado nos últimos anos, foi criado por iniciativa de D. Pedro IV que, num gesto romântico, o dedicou às mulheres do Porto para que servisse de lenitivo às agruras e aos sacrifícios que elas tiveram que suportar durante o Cerco que opôs o Exército Liberal, comandado por aquele monarca, às tropas do regime absolutista de D. Miguel. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•O jardim a que, modernamente, se deu o nome do pintor Marques de Oliveira, começou a ser construído em Janeiro de 1833, com base num risco de João Baptista Ribeiro e, embora ainda não estivesse concluído, foi inaugurado, oficialmente, com imponentes festejos, no dia 4 de Abril de 1834 por ser o aniversário natalício da rainha D. Maria II (cognominada de A Educadoraou A Boa Mãe). 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Quatro anos depois (22 de Dezembro de 1838), a Câmara do Porto, a pretexto de que de que "achando-se definitivamente concluído o Jardim Publico de S. Lázaro", deliberou estabelecer um regulamento que visava, "não somente a boa conservação do jardim, conforme exige a comodidade pública" mas também a manutenção, dentro daquele espaço, de uma patrulha da Polícia (ou Guarda) Municipal para que, em colaboração com o jardineiro para ali destacado, garantissem "o escrupuloso cumprimento" das instruções que a seguir eram mencionadas. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro 
Planta de J. de Costa Lima; Jardim de S.Lázaro; 1839
•Pretendia-se, afinal, dar cumprimento aos desejos expressos por D. Pedro IV que queria ver aquele jardim, por si criado, transformado num espaço de recreio e de lazer que satisfizesse os objectivos que haviam presidido à sua criação: o de ser um local de pura recreação para as damas portuenses. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Com o regulamente municipal divulgado em 1838 pretendia-se, sobretudo, evitar a degradação do espaço e que os intentos do monarca fossem, desse modo, adulterados e o jardim se transformasse, a breve trecho, num simples descampado. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•O Jardim tinha as quatro entradas que ainda hoje possui mas o acesso ao seu interior estava condicionado pelos seguintes horários: no Verão as portas abriam ao nascer do sol e fechavam "três horas depois do toque das Ave Marias"; no Inverno abriam às 7 horas e "encerravam uma hora depois do toque das Ave Marias". 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•O período de Verão era contado desde o primeiro dia de Maio até ao último dia do mês de Setembro. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Havia uma sineta " junto da porta que fica em frente à Rua de 23 de Julho (actual Rua de Santo Ildefonso) que tocará exclusivamente para anunciar ao público a hora da saída…" Trata- se da entrada que fica perto da actual Praça dos Poveiros. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Eram três os toques da sineta com que se anunciava o fecho das portas. A primeira a fechar era a que atrás se mencionou. Depois encerrava a porta "que dava para a Rua de 29 de Setembro (actual Rua do Heroísmo) e logo a seguir a fechava a porta "em frente à Rua da Murta" (agora designada de Morgado de Mateus). 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Nesta última porta só se fechava metade dela ao último toque da sineta e não se encerrava definitivamente sem antes se verificar se ainda havia alguma pessoa dentro do jardim. O zelo era total. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•No capítulo das proibições, não era permitido tirar ramos de verdura, flores ou outros adornos, "nem mesmo ainda tocar-lhes com a mão ou bengala…" Era também proibido "que pessoas, de qualquer graduação ou classe que sejam, entrem a cavalo dentro do jardim…" Proibida estava também "a entrada de cães no jardim, nem mesmo acompanhando seus donos…" As pessoas que contrariassem esta disposição pagavam a multa de 2$400 reis. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Ao jardineiro de serviço no jardim, além das funções próprias do seu ofício que o obrigavam a zelar pelo asseio dos canteiros, "e o bom regulamento do repuxo" cabia-lhe ainda a ingrata mas civilizada missão de "advertir as pessoas que contraviessem (sic) no que estava determinado nos regulamentos , sempre com palavras decentes e civis e só em caso de desobediência requereria o auxilio da Guarda…". 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Existe ainda nos dias de hoje uma festa rija, tipicamente popular , nas imediações do Colégio da Nossa Senhora da Esperança, em S. Lázaro. Foi a romaria a este santo protetor contra a lepra – uma das poucas festas que ainda acontecem no interior do Porto. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Esta festa ocorre neste local porque foi por ali que funcionou uma das gafarias (hospital de leprosos), «da parte de fora do muro (muralha fernandina), além da porta de Cima de Vila, não longe de Mijavelhas…», ou seja, perto do Campo 24 de Agosto que em recuados tempos teve esta pitoresca designação. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•A notícia mais antiga que se conhece sobre a atividade de uma gafaria dá-a como tendo funcionado, já em 1247, na Ribeira onde hoje está a igreja de S. Nicolau. Só no século XIV se fez a transferência do hospital para a parte de fora das muralhas com a fundação de uma ermida e hospital que tomaram como padroeiro S. Lázaro. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Daí adveio o nome ao local que abrangia o atual jardim e artérias circundantes. Uma descrição desses sítios dos meados do século XIX diz-nos que «o campo ou terreiro de S. Lázaro, em frente da capela e da gafaria, se assemelhava a um vulgar largo de feira em terra provinciana…». 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Hoje, o topónimo de S. Lázaro, no Passeio de S. Lázaro que vai da Avenida de Rodrigues de Freitas à Rua D. João IV. Da capela e do hospital, nem vestígios. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Emblemático do sítio de S. Lázaro é este edifício onde atualmente está instalada a Biblioteca Pública Municipal. Começou por ser um pequeno hospício dos frades menores reformados da Ordem de S. Francisco da Província da Imaculada Conceição. Posteriormente foi transformado em convento da mesma ordem. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
•Durante as invasões francesas o convento serviu, simultaneamente, de depósito militar e de hospital. A gafaria de S. Lázaro beneficiou muito da rede de abastecimento de água criado pelos monges para seu serviço e da população. 
Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ 
Jardim de S. Lázaro 
Coleção de Manuais da Universidade 
Sénior Contemporânea
•Com a romântica intenção de atenuar as agruras por que as damas do Porto haviam passado, durante do Cerco, D. Pedro IV mandou fazer, para recreio delas, o Jardim de S. Lázaro. 
Artur Filipe dos Santos 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea 
Jardim de S. Lázaro
Jardim de S. Lázaro 
•Ainda hoje é um dos mais belos da cidade mau grado a degradação que denuncia. Durante as Festas em honra de S. Lázaro e quando no jardim se davam concertos musicais, o Recolhimento de Nossa Senhora da Esperança colocava cadeiras e bancos em torno do lago que alugava, revertendo o produto para ajudar à manutenção do recolhimento. 
Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 
Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
Bibliografia 
•http://pt.wikipedia.org/wiki/Jardim_de_S%C3%A3o_L%C3%A1zaro 
•http://www.lifecooler.com/artigo/fazer/jardim-de-sao- lazaro/306166/ 
•http://www.jn.pt/Domingo/Interior.aspx?content_id=1366778 
•http://www.jn.pt/Domingo/Interior.aspx?content_id=1366778 
•http://www.scmp.pt/PageGen.aspx?WMCM_PaginaId=24260&noticiaId=25093&pastaNoticiasReqId=24276 
•http://cct.portodigital.pt/gen.pl?sid=cct.sections/15151013&fokey= cct.jardins/311 
•http://www.visitporto.travel/Visitar/Paginas/Descobrir/detalhespoi. aspx?POI=720 
•http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_Nossa_Senhora_da_Esperan%C3%A7a_(Porto)
AUTOR 
Artur Filipe dos Santos 
artursantosdocente@gmail.com 
www.artursantos.no.sapo.pt 
www.politicsandflags.wordpress.com 
•Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. 
•Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal. 
63 
Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt
A Universidade Sénior Contemporânea 
Web: www.usc.no.sapo.pt 
Email: usc@sapo.pt 
Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com 
•A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. 
Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt 
64

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9  Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
nanasimao
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
Carla Freitas
 
A revolução repúblicana
A revolução repúblicanaA revolução repúblicana
A revolução repúblicana
eb23ja
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
Trabalho sobre Viseu
Trabalho sobre ViseuTrabalho sobre Viseu
Trabalho sobre Viseu
Ctsaraiva
 
Poema amigo
Poema amigoPoema amigo
Poema amigo
Josete Perdigao
 
Opção constitucional de 1976
Opção constitucional de 1976Opção constitucional de 1976
Opção constitucional de 1976
Joana Oliveira
 
Canto viii os lusidas
Canto viii os lusidasCanto viii os lusidas
Canto viii os lusidas
Rui Ferreira
 
Pedro e inês
Pedro e inêsPedro e inês
Pedro e inês
Antónia Mancha
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Teresa Maia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Vavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino VieiraVavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino Vieira
catiasgs
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
Ilda Bicacro
 
A Eslováquia
A Eslováquia A Eslováquia
A Eslováquia
Ariana Pires
 
ONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações UnidasONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações Unidas
Tiago Faisca
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
Carla Teixeira
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
Jorge Almeida
 
Zeca afonso
Zeca afonsoZeca afonso
Zeca afonso
Bruno Matos Tavares
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
Becre Celorico de Basto
 

Mais procurados (20)

Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9  Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
A revolução repúblicana
A revolução repúblicanaA revolução repúblicana
A revolução repúblicana
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Trabalho sobre Viseu
Trabalho sobre ViseuTrabalho sobre Viseu
Trabalho sobre Viseu
 
Poema amigo
Poema amigoPoema amigo
Poema amigo
 
Opção constitucional de 1976
Opção constitucional de 1976Opção constitucional de 1976
Opção constitucional de 1976
 
Canto viii os lusidas
Canto viii os lusidasCanto viii os lusidas
Canto viii os lusidas
 
Pedro e inês
Pedro e inêsPedro e inês
Pedro e inês
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Vavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino VieiraVavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino Vieira
 
12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização12º o reforço da globalização
12º o reforço da globalização
 
A Eslováquia
A Eslováquia A Eslováquia
A Eslováquia
 
ONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações UnidasONU - Organização das Nações Unidas
ONU - Organização das Nações Unidas
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
Zeca afonso
Zeca afonsoZeca afonso
Zeca afonso
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 

Semelhante a História do Porto- O Jardim de S. Lázaro

História do porto jardins do porto - jardim de s. lázaro
História do porto   jardins do porto - jardim de s. lázaroHistória do porto   jardins do porto - jardim de s. lázaro
História do porto jardins do porto - jardim de s. lázaro
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - jardim de s. lázaro
História do porto   jardins do porto - jardim de s. lázaroHistória do porto   jardins do porto - jardim de s. lázaro
História do porto jardins do porto - jardim de s. lázaro
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardim do passeio alegre - artur filipe dos santos - univ...
História do porto   jardim do passeio alegre - artur filipe dos santos - univ...História do porto   jardim do passeio alegre - artur filipe dos santos - univ...
História do porto jardim do passeio alegre - artur filipe dos santos - univ...
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - jardim do passeio alegre
História do porto   jardins do porto - jardim do passeio alegreHistória do porto   jardins do porto - jardim do passeio alegre
História do porto jardins do porto - jardim do passeio alegre
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto   jardins do porto - jardim de joão chagasHistória do porto   jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto   jardins do porto - jardim de joão chagasHistória do porto   jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
Artur Filipe dos Santos
 
Historia do porto rua de sá da bandeira - artur filipe dos santos
Historia do porto   rua de sá da bandeira - artur filipe dos santosHistoria do porto   rua de sá da bandeira - artur filipe dos santos
Historia do porto rua de sá da bandeira - artur filipe dos santos
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - parque de serralves - Artur Filipe dos...
História do porto   jardins do porto - parque de serralves - Artur Filipe dos...História do porto   jardins do porto - parque de serralves - Artur Filipe dos...
História do porto jardins do porto - parque de serralves - Artur Filipe dos...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do porto jardins do porto - parque de serralves - artur filipe dos...
História do porto   jardins do porto - parque de serralves - artur filipe dos...História do porto   jardins do porto - parque de serralves - artur filipe dos...
História do porto jardins do porto - parque de serralves - artur filipe dos...
Artur Filipe dos Santos
 
História do porto jardins do porto - parque de serralves
História do porto   jardins do porto - parque de serralvesHistória do porto   jardins do porto - parque de serralves
História do porto jardins do porto - parque de serralves
Artur Filipe dos Santos
 
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do PortoPraça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Artur Filipe dos Santos
 
Rua de Cedofeita, Igreja de Cedofeita e Colegiada de Cedofeita - Artur Filipe...
Rua de Cedofeita, Igreja de Cedofeita e Colegiada de Cedofeita - Artur Filipe...Rua de Cedofeita, Igreja de Cedofeita e Colegiada de Cedofeita - Artur Filipe...
Rua de Cedofeita, Igreja de Cedofeita e Colegiada de Cedofeita - Artur Filipe...
Artur Filipe dos Santos
 
História do Porto - Jardins e Praças do Porto : JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto: JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...História do Porto - Jardins e Praças do Porto: JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto : JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
Artur Filipe dos Santos
 
Património à volta da sé do porto - artur filipe dos santos - a capela das ...
Património à volta da sé do porto   - artur filipe dos santos - a capela das ...Património à volta da sé do porto   - artur filipe dos santos - a capela das ...
Património à volta da sé do porto - artur filipe dos santos - a capela das ...
Artur Filipe dos Santos
 
A Ribeira do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
A Ribeira do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do PortoA Ribeira do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
A Ribeira do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Artur Filipe dos Santos
 
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
Artur Filipe dos Santos
 

Semelhante a História do Porto- O Jardim de S. Lázaro (20)

História do porto jardins do porto - jardim de s. lázaro
História do porto   jardins do porto - jardim de s. lázaroHistória do porto   jardins do porto - jardim de s. lázaro
História do porto jardins do porto - jardim de s. lázaro
 
História do porto jardins do porto - jardim de s. lázaro
História do porto   jardins do porto - jardim de s. lázaroHistória do porto   jardins do porto - jardim de s. lázaro
História do porto jardins do porto - jardim de s. lázaro
 
História do porto jardim do passeio alegre - artur filipe dos santos - univ...
História do porto   jardim do passeio alegre - artur filipe dos santos - univ...História do porto   jardim do passeio alegre - artur filipe dos santos - univ...
História do porto jardim do passeio alegre - artur filipe dos santos - univ...
 
História do porto jardins do porto - jardim do passeio alegre
História do porto   jardins do porto - jardim do passeio alegreHistória do porto   jardins do porto - jardim do passeio alegre
História do porto jardins do porto - jardim do passeio alegre
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
 
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de águaHistória do porto   praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
História do porto praças e jardins - praça 9 de abril jardim de arca de água
 
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto   jardins do porto - jardim de joão chagasHistória do porto   jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
 
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto   jardins do porto - jardim de joão chagasHistória do porto   jardins do porto - jardim de joão chagas
História do porto jardins do porto - jardim de joão chagas
 
Historia do porto rua de sá da bandeira - artur filipe dos santos
Historia do porto   rua de sá da bandeira - artur filipe dos santosHistoria do porto   rua de sá da bandeira - artur filipe dos santos
Historia do porto rua de sá da bandeira - artur filipe dos santos
 
História do porto jardins do porto - parque de serralves - Artur Filipe dos...
História do porto   jardins do porto - parque de serralves - Artur Filipe dos...História do porto   jardins do porto - parque de serralves - Artur Filipe dos...
História do porto jardins do porto - parque de serralves - Artur Filipe dos...
 
História do porto jardins do porto - parque de serralves - artur filipe dos...
História do porto   jardins do porto - parque de serralves - artur filipe dos...História do porto   jardins do porto - parque de serralves - artur filipe dos...
História do porto jardins do porto - parque de serralves - artur filipe dos...
 
História do porto jardins do porto - parque de serralves
História do porto   jardins do porto - parque de serralvesHistória do porto   jardins do porto - parque de serralves
História do porto jardins do porto - parque de serralves
 
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do PortoPraça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
Praça da Batalha - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
 
Rua de Cedofeita, Igreja de Cedofeita e Colegiada de Cedofeita - Artur Filipe...
Rua de Cedofeita, Igreja de Cedofeita e Colegiada de Cedofeita - Artur Filipe...Rua de Cedofeita, Igreja de Cedofeita e Colegiada de Cedofeita - Artur Filipe...
Rua de Cedofeita, Igreja de Cedofeita e Colegiada de Cedofeita - Artur Filipe...
 
História do Porto - Jardins e Praças do Porto : JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto: JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...História do Porto - Jardins e Praças do Porto: JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
História do Porto - Jardins e Praças do Porto : JARDIM DE JOÃO CHAGAS - Artur...
 
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
História do Porto - Jardim João Chagas - Professor Doutor Artur Filipe dos Sa...
 
Património à volta da sé do porto - artur filipe dos santos - a capela das ...
Património à volta da sé do porto   - artur filipe dos santos - a capela das ...Património à volta da sé do porto   - artur filipe dos santos - a capela das ...
Património à volta da sé do porto - artur filipe dos santos - a capela das ...
 
A Ribeira do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
A Ribeira do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do PortoA Ribeira do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
A Ribeira do Porto - Artur Filipe dos Santos - História do Porto
 
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
HISTÓRIA DA CIDADE E DOS MONUMENTOS PORTUENSES - Rua de Costa Cabral - Artur ...
 

Mais de Artur Filipe dos Santos

Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetosCiências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Artur Filipe dos Santos
 
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Artur Filipe dos Santos
 
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
Artur Filipe dos Santos
 
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossaurosCiências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
Artur Filipe dos Santos
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
Artur Filipe dos Santos
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu... Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdfPatrimónio Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Artur Filipe dos Santos
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos
 

Mais de Artur Filipe dos Santos (20)

Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol  - Como funci...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 6 - Como funciona o Sol - Como funci...
 
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetosCiências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
Ciências da Natureza e do Homem - Como surgiram os insetos
 
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
Ciências da natureza e do Homem - os limites do Sistema Solar - Aula 5 - os ...
 
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
ciências da natureza e do homem - As placas Tectónicas, os vulcões e os terr...
 
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros -  o fim dos dinossa...
Ciências da Natureza e do Homem - o fim dos dinossauros - o fim dos dinossa...
 
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
Ciências da Natureza e do Homem- o mundo dos dinossauros - aula 2 -
 
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
Ciências da Natureza e do Homem - Aula 4 - O Sistema Solar - Artur Filipe do...
 
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra  - Fo...
ciências da natureza e do homem - Aula 6 - Formação do Planeta Terra - Fo...
 
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossaurosCiências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
Ciências da Natureza e do Homem - Os descendentes dos dinossauros
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
 
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdfArtur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
Artur Filipe dos Santos - história dos Transportes do Porto.pdf
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 2 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptxA Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
A Itália Romana e Pontifícia - Aual 1 - Artur Filipe dos Santos .pptx
 
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptxA Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
A Itália Romana e Pontifícia - aula 3 - Artur Filipe dos Santos.pptx
 
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1À descoberta do património dos Alpes Orientais1
À descoberta do património dos Alpes Orientais1
 
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu... Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
Património Cultural Português -O Património Cultural das Romarias Portugu...
 
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
Património Cultural Português -Origem das Festas de Santo António de Lisbo...
 
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdfPatrimónio Cultural Português -Festa das Cruzes-  Artur Filipe dos Santos.pdf
Património Cultural Português -Festa das Cruzes- Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdfOs mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
Os mais incriveis castelos do mundo-Artur Filipe dos Santos.pdf
 
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdfArtur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
Artur Filipe dos Santos - patrimonio cultural - Arte Chapeleira.pdf
 

Último

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

História do Porto- O Jardim de S. Lázaro

  • 1. Cadeira de HISTÓRIA DO PORTO Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Professor Doutor Artur Filipe dos Santos
  • 2. Jardins e Praças do Porto JARDIM DE S. LÁZARO Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 3. •O Jardim de São Lázaro é o mais antigo jardim municipal da cidade do Porto. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 5. Jardim de S. Lázaro •Inaugurado em 1834, o jardim, fresco e frondoso, é de concepção romântica, podendo destacar-se as imponentes tílias, o coreto e os grupos escultóricos a que não será alheia a proximidade da Escola Superior de Belas Artes do Porto. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 6. •Integrada no gradeamento que o delimita a norte, encontra-se uma fonte retirada do antigo convento de São Domingos. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 7. •A nascente do jardim está a Biblioteca Pública Municipal do Porto e, a sul, a magnífica fachada barroca do antigo convento de São Lázaro, atribuído a Nicolau Nasoni. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 8. Jardim de S. Lázaro •Conhecido como Jardim de S. Lázaro, foi inaugurado em 1834, sendo o primeiro jardim público da cidade, o seu nome oficial é Jardim Marques de Oliveira. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 9. •Típico jardim romântico, cheio de fontes e estátuas, frondosas árvores e canteiros, além de um pequeno coreto. Apesar de bastante modificado desde a origem, é hoje o único jardim da cidade ainda envolvido por um gradeamento com quatro portões. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 10. •Está instalada neste jardim uma fonte de mármore oriunda da sacristia do extinto Convento de São Domingos. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 11. Jardim de S. Lázaro •Destaca-se o conjunto de 12 Magnolia grandiflora classificadas, em redor do lago, com grande valor ornamental. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 12. •Próximo da Biblioteca Municipal do Porto e da Faculdade de Belas Artes, o Jardim Marques de Oliveira é um dos jardins públicos mais frequentados da cidade. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 13. •João Marques da Silva Oliveira (Porto, 23 de Agosto de 1853 — 9 de Outubro de 1927 (64 anos)) foi um pintor naturalista e professor português. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Quem foi Marques de Oliveira
  • 14. •Em 1864 entrou para a Academia Portuense de Belas Artes, completando o curso de história da pintura em 1873. Viveu em França de 1873 a 1879, com o seu colega Silva Porto. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 15. •Os dois pintores são considerados os introdutores do naturalismo em Portugal. Em 1876 e 1877 viajou com Silva Porto pela Bélgica, Países Baixos, Inglaterra e Itália onde permaneceram mais demoradamente. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 16. •Participou nos Salons de Paris de 1876 e 1878. Em 1879, regressou ao Porto e, à semelhança de Silva Porto, introduziu a pintura de ar livre em Portugal. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 17. •A partir de 1881, e até 1926, foi professor na Academia Portuense de Belas-Artes, onde ocupou o lugar de director. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 18. •Faleceu a 9 de outubro de 1927, tendo sido sepultado no Cemitério da Lapa, no Porto. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 19. •Auto-retrato, 1876 Museu Malhoa Caldas da Rainha •Filho Pródigo, 1877, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto •Céfalo e Prócris 1879, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Obras mais conhecidas
  • 20. •Dafne e cloe, 1879, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto •Retrato de Teixeira Gomes (1881), Museu Soares dos Reis •À Espera dos Barcos Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 21. •O Jardim de S. Lázaro, inaugurado em 1834, foi o primeiro jardim público da cidade. Desenhado após o cerco do Porto por João José Gomes, primeiro jardineiro municipal do Porto, é um típico jardim romântico. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 22. •O nome de S. Lázaro dado a vários sítios (alguns entretanto desaparecidos) das imediações do actual jardim, que ainda ostenta essa designação teve origem na existência, por ali perto, de um hospital onde eram tratados os leprosos que tinham aquele santo como protector. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Origem do Topónimo
  • 23. Origem do Topónimo •Há documentos do século XIV que falam de uma gafaria "além da Porta de Cima de Vila, não longe de Mijavelhas." Ao local onde existiu esse hospital deram o nome de S. Lázaro. Nos nossos dias o topónimo está apenas no jardim e no Passeio de S. Lázaro que liga a Avenida de Rodrigues de Freitas à Rua de D. João IV. Houve uma Rua de S. Lázaro que ia desde o jardim até à Rua de Entreparedes. Desapareceu há muito. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 24. •Os terrenos que desta rua se estendiam até à rua de Alexandre Herculano faziam parte, ainda no século XVII, de uma enorme propriedade a que se dera o nome de Quinta de S. Lázaro. Houve um tempo em que toda esta dilatada zona foi conhecida por o Arrabalde e o sítio exacto onde se construiu o Jardim de S. Lázaro era o lugar do Arrabalde onde predominavam os oleiros que faziam louça de barro para uso caseiro. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Origem do Topónimo Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 25. •Ainda hoje existe o Beco do Arrabalde. Mas o sitio era muito mais amplo e abrangia zonas que depois também tiveram curiosas e pitorescas denominações: Mijavelhas, já aqui citado, o actual Campo de 24 de Agosto; Malmerendas, a conhecida Rua do Dr. Alves da Veiga; Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Origem do Topónimo
  • 26. Origem do Topónimo •Reimão, agora transformada na Avenida de Rodrigues de Freitas; Poço das Patas, topónimo ainda existente numa travessa das redondezas. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 27. •Em tempos antigos passou por estes sítios uma Via Sacra que tinha origem junto da desaparecida Capela da Batalha e terminava no sopé do antigo Monte de Godim, actual alto do Bonfim, onde se construiu a igreja paroquial. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 28. •A decisão de criar este Jardim é contemporânea da constituição da Biblioteca Pública, situada mesmo ao lado. O Jardim foi concluído sete anos após a sua inauguração. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 29. Jardim de S. Lázaro •Ao longo dos anos foi sofrendo diversas intervenções: em 1869, intervenção paisagística pelo alemão Emílio David; Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 30. •em 1908 foi derrubada alguma vegetação incluida em 1869; e em 1911 sofre nova modificação, acreditando-se que as magnólias hoje existentes no jardim tenham sido plantadas nesse ano. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 31. •Antes de ser jardim esta zona era já chamada de São Lázaro. Este topónimo – Lázaro – evoca a antiga gafaria (leprosaria) medieval aí instalada no princípio do século XVI, que veio a ser demolida no século XVIII. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 32. Jardim de S. Lázaro •O local era periodicamente ocupado por uma feira, tal como sucedia à maioria dos espaços que no Porto foram ajardinados até à segunda década do século XX. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 33. •Era costume a feira transitar então para outro campo mais periférico da cidade. No caso de São Lázaro, o destino foi o actual Campo 24 de Agosto. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 34. •Camilo Castelo Branco, que viveu próximo desta zona recebeu neste jardim, das mãos de D. Pedro II do Brasil, a Comenda da Ordem da Rosa. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 35. Jardim de S. Lázaro •Após a inauguração dos jardins do Palácio de Cristal e da Cordoaria, o Jardim de S. Lázaro, antes lugar de eleição da sociedade portuense, entrou um pouco em decadência. Hoje é, no entanto, um dos jardins públicos mais frequentados da cidade. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 36. •O Jardim de S. Lázaro é um típico jardim romântico, cheio de fontes e estátuas, frondosas árvores e canteiros, além de um pequeno coreto. Apesar de bastante modificado desde a origem, é hoje o único jardim da cidade ainda envolvido por um gradeamento com quatro portões. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 37. •Este jardim possui algumas das árvores mais antigas do Porto. Dominando o cenário, doze grandiosas magnólias rodeiam o pequeno lago central. Nos canteiros, a poente e a norte, encontram-se numerosas camélias, alguns cedros e uma palmeira. As alamedas periféricas do jardim são rematadas por tilias. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 38. Jardim de S. Lázaro •Está instalada neste jardim uma fonte de mármore oriunda da sacristia do extinto Convento de São Domingos. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 39. •Próximo da Biblioteca Municipal do Porto e da Faculdade de Belas Artes, o Jardim de S. Lázaro é muito frequentado por estudantes e reformados, sendo ainda hoje um dos mais frequentados jardins públicos da cidade. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 40. •Houve no Porto um jardim em que era "absolutamente proibido" que dentro dele entrassem"… mendigos d'ambos os sexos, homens com carretos às costas, crianças que não sejão acompanhadas, ou que representem ter menos de 10 anos de idade e, finalmente, toda a pessoa que por seu trajo menos decente possa pertencer às classes indicadas…" (mendigos, etc). Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 41. Jardim de S. Lázaro •O jardim em causa era o de S. Lázaro. Como é geralmente sabido, este, ainda hoje belíssimo espaço, mau grado o desleixo a que tem sido votado nos últimos anos, foi criado por iniciativa de D. Pedro IV que, num gesto romântico, o dedicou às mulheres do Porto para que servisse de lenitivo às agruras e aos sacrifícios que elas tiveram que suportar durante o Cerco que opôs o Exército Liberal, comandado por aquele monarca, às tropas do regime absolutista de D. Miguel. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 42. •O jardim a que, modernamente, se deu o nome do pintor Marques de Oliveira, começou a ser construído em Janeiro de 1833, com base num risco de João Baptista Ribeiro e, embora ainda não estivesse concluído, foi inaugurado, oficialmente, com imponentes festejos, no dia 4 de Abril de 1834 por ser o aniversário natalício da rainha D. Maria II (cognominada de A Educadoraou A Boa Mãe). Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 43. •Quatro anos depois (22 de Dezembro de 1838), a Câmara do Porto, a pretexto de que de que "achando-se definitivamente concluído o Jardim Publico de S. Lázaro", deliberou estabelecer um regulamento que visava, "não somente a boa conservação do jardim, conforme exige a comodidade pública" mas também a manutenção, dentro daquele espaço, de uma patrulha da Polícia (ou Guarda) Municipal para que, em colaboração com o jardineiro para ali destacado, garantissem "o escrupuloso cumprimento" das instruções que a seguir eram mencionadas. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro Planta de J. de Costa Lima; Jardim de S.Lázaro; 1839
  • 44. •Pretendia-se, afinal, dar cumprimento aos desejos expressos por D. Pedro IV que queria ver aquele jardim, por si criado, transformado num espaço de recreio e de lazer que satisfizesse os objectivos que haviam presidido à sua criação: o de ser um local de pura recreação para as damas portuenses. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 45. •Com o regulamente municipal divulgado em 1838 pretendia-se, sobretudo, evitar a degradação do espaço e que os intentos do monarca fossem, desse modo, adulterados e o jardim se transformasse, a breve trecho, num simples descampado. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 46. Jardim de S. Lázaro •O Jardim tinha as quatro entradas que ainda hoje possui mas o acesso ao seu interior estava condicionado pelos seguintes horários: no Verão as portas abriam ao nascer do sol e fechavam "três horas depois do toque das Ave Marias"; no Inverno abriam às 7 horas e "encerravam uma hora depois do toque das Ave Marias". Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 47. •O período de Verão era contado desde o primeiro dia de Maio até ao último dia do mês de Setembro. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 48. •Havia uma sineta " junto da porta que fica em frente à Rua de 23 de Julho (actual Rua de Santo Ildefonso) que tocará exclusivamente para anunciar ao público a hora da saída…" Trata- se da entrada que fica perto da actual Praça dos Poveiros. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 49. Jardim de S. Lázaro •Eram três os toques da sineta com que se anunciava o fecho das portas. A primeira a fechar era a que atrás se mencionou. Depois encerrava a porta "que dava para a Rua de 29 de Setembro (actual Rua do Heroísmo) e logo a seguir a fechava a porta "em frente à Rua da Murta" (agora designada de Morgado de Mateus). Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 50. •Nesta última porta só se fechava metade dela ao último toque da sineta e não se encerrava definitivamente sem antes se verificar se ainda havia alguma pessoa dentro do jardim. O zelo era total. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 51. •No capítulo das proibições, não era permitido tirar ramos de verdura, flores ou outros adornos, "nem mesmo ainda tocar-lhes com a mão ou bengala…" Era também proibido "que pessoas, de qualquer graduação ou classe que sejam, entrem a cavalo dentro do jardim…" Proibida estava também "a entrada de cães no jardim, nem mesmo acompanhando seus donos…" As pessoas que contrariassem esta disposição pagavam a multa de 2$400 reis. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 52. Jardim de S. Lázaro •Ao jardineiro de serviço no jardim, além das funções próprias do seu ofício que o obrigavam a zelar pelo asseio dos canteiros, "e o bom regulamento do repuxo" cabia-lhe ainda a ingrata mas civilizada missão de "advertir as pessoas que contraviessem (sic) no que estava determinado nos regulamentos , sempre com palavras decentes e civis e só em caso de desobediência requereria o auxilio da Guarda…". Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 53. •Existe ainda nos dias de hoje uma festa rija, tipicamente popular , nas imediações do Colégio da Nossa Senhora da Esperança, em S. Lázaro. Foi a romaria a este santo protetor contra a lepra – uma das poucas festas que ainda acontecem no interior do Porto. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 54. •Esta festa ocorre neste local porque foi por ali que funcionou uma das gafarias (hospital de leprosos), «da parte de fora do muro (muralha fernandina), além da porta de Cima de Vila, não longe de Mijavelhas…», ou seja, perto do Campo 24 de Agosto que em recuados tempos teve esta pitoresca designação. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 55. Jardim de S. Lázaro •A notícia mais antiga que se conhece sobre a atividade de uma gafaria dá-a como tendo funcionado, já em 1247, na Ribeira onde hoje está a igreja de S. Nicolau. Só no século XIV se fez a transferência do hospital para a parte de fora das muralhas com a fundação de uma ermida e hospital que tomaram como padroeiro S. Lázaro. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 56. •Daí adveio o nome ao local que abrangia o atual jardim e artérias circundantes. Uma descrição desses sítios dos meados do século XIX diz-nos que «o campo ou terreiro de S. Lázaro, em frente da capela e da gafaria, se assemelhava a um vulgar largo de feira em terra provinciana…». Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 57. •Hoje, o topónimo de S. Lázaro, no Passeio de S. Lázaro que vai da Avenida de Rodrigues de Freitas à Rua D. João IV. Da capela e do hospital, nem vestígios. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 58. Jardim de S. Lázaro •Emblemático do sítio de S. Lázaro é este edifício onde atualmente está instalada a Biblioteca Pública Municipal. Começou por ser um pequeno hospício dos frades menores reformados da Ordem de S. Francisco da Província da Imaculada Conceição. Posteriormente foi transformado em convento da mesma ordem. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 59. •Durante as invasões francesas o convento serviu, simultaneamente, de depósito militar e de hospital. A gafaria de S. Lázaro beneficiou muito da rede de abastecimento de água criado pelos monges para seu serviço e da população. Edições Uscontemporanea - http://edicoes-uscontemporanea.webnode.pt/ Jardim de S. Lázaro Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 60. •Com a romântica intenção de atenuar as agruras por que as damas do Porto haviam passado, durante do Cerco, D. Pedro IV mandou fazer, para recreio delas, o Jardim de S. Lázaro. Artur Filipe dos Santos Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea Jardim de S. Lázaro
  • 61. Jardim de S. Lázaro •Ainda hoje é um dos mais belos da cidade mau grado a degradação que denuncia. Durante as Festas em honra de S. Lázaro e quando no jardim se davam concertos musicais, o Recolhimento de Nossa Senhora da Esperança colocava cadeiras e bancos em torno do lago que alugava, revertendo o produto para ajudar à manutenção do recolhimento. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt Coleção de Manuais da Universidade Sénior Contemporânea
  • 62. Bibliografia •http://pt.wikipedia.org/wiki/Jardim_de_S%C3%A3o_L%C3%A1zaro •http://www.lifecooler.com/artigo/fazer/jardim-de-sao- lazaro/306166/ •http://www.jn.pt/Domingo/Interior.aspx?content_id=1366778 •http://www.jn.pt/Domingo/Interior.aspx?content_id=1366778 •http://www.scmp.pt/PageGen.aspx?WMCM_PaginaId=24260&noticiaId=25093&pastaNoticiasReqId=24276 •http://cct.portodigital.pt/gen.pl?sid=cct.sections/15151013&fokey= cct.jardins/311 •http://www.visitporto.travel/Visitar/Paginas/Descobrir/detalhespoi. aspx?POI=720 •http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_de_Nossa_Senhora_da_Esperan%C3%A7a_(Porto)
  • 63. AUTOR Artur Filipe dos Santos artursantosdocente@gmail.com www.artursantos.no.sapo.pt www.politicsandflags.wordpress.com •Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. •Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal. 63 Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt
  • 64. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.no.sapo.pt Email: usc@sapo.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com •A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. Artur Filipe dos Santos - artursantos.no.sapo.pt 64