SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Caráter pendular da Literatura

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
RAZÃO

2/11/2013

EMOÇÃO

rafabebum.blogspot.com
Estes meus olhos nunca perderán,
senhor, gran coita, mentr'eu vivo for.
E direi-vos, fremosa mia senhor,
destes meus olhos a coita que han:
choran e cegan quand'alguén non veen,
e ora cegan per alguén que veen.

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Renascimento
(razão)
-equilíbrio
-cultura clássica
-universalismo

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 1
Transforma-se o amador na cousa amada,
Por virtude do muito imaginar;
Não tenho, logo, mais que desejar,
Pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
Que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si somente pode descansar,
Pois consigo tal alma está liada.
Mas esta linda e pura semideia,
Que, como o acidente em seu sujeito,
Assim com a alma minha se conforma,
Está no pensamento como ideia;
E o vivo e puro amor de que sou feito,
Como a matéria simples, busca a forma.
(CAMÕES)
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Barroco
(predomina a
emoção)
-Arte

do
conflito
- Época da
Inquisição
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 2
É a vaidade, Fábio, nesta vida,
Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada,
Airosa rompe, arrasta presumida.
É planta, que de abril favorecida,
Por mares de soberba desatada,
Florida galeota empavesada,
Sulca ufana, navega destemida.
É nau enfim, que em breve ligeireza,
Com presunção de Fênix generosa,
Galhardias apresta, alentos presa:

Mas ser planta, ser rosa, nau vistosa
De que importa, se aguarda sem defesa
Penha a nau, ferro a planta, tarde a rosa?
(Gregório de Matos)
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 3
Tanto de meu estado me acho incerto,
Que em vivo ardor tremendo estou de frio;
Sem causa, juntamente choro e rio,
O mundo todo abarco, e nada aperto.
É tudo quanto sinto um desconcerto:
Da alma um fogo me sai, da vista um rio;
Agora espero, agora desconfio;
Agora desvario, agora acerto.
Estando em terra, chego ao Céu voando;
Num'hora acho mil anos, e é de jeito
Que em mil anos não posso achar um'hora.

Se me pergunta alguém porque assi ando,
Respondo que não sei, porém suspeito
Que só porque vos vi, minha Senhora.
(CAMÕES)
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Arcadismo ou
Neoclassicismo
(razão)
-retomada

dos
princípios da
Antiguidade
clássica
- “carpe diem”
em contato com a
natureza
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 4

Ornemos nossas testas com as flores,
e façamos de feno um brando leito;
prendamo-nos, Marília, em laço estreito,
gozemos do prazer de sãos amores.
Sobre as nossas cabeças,
Sem que o possam deter, o tempo corre;
e para nós o tempo que se passa
também, Marília, morre.
(Tomás Antônio Gonzaga)
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Romantismo
(emoção)

evasão, escapismo
-valorização do
sonho, da fantasia
- retorno ao passado
- idealização da
mulher
-

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 5
Além, muito além daquela serra, que ainda
azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a
virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais
negros que a asa da graúna, e mais longos que seu
talhe de palmeira.
O favo da jati não era doce como seu sorriso;
nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito
perfumado.
(José de Alencar)

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Realismo /
Naturalismo /
Parnasianismo
(razão)
-observação

direta
-crítica social
Naturalismo: exagero
científico

Parnasianismo:
valorização extrema da
forma perfeita (“arte
pela arte”); retomada
dos princípios clássicos
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 6
Foi no domingo de Páscoa que se soube em
Leiria, que o pároco da Sé, José Miguéis, tinha morrido de
madrugada com uma apoplexia. O pároco era um homem
sanguíneo e nutrido, que passava entre o clero diocesano
pelo comilão dos comilões. Contavam-se histórias singulares
da sua voracidade. O Carlos da Botica - que o detestava costumava dizer, sempre que o via sair depois da sesta, com
a face afogueada de sangue, muito enfartado:
- Lá vai a jiboia esmoer. Um dia estoura!
Com efeito, estourou (...)
(Eça de Queirós)

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 7
Esta, de áureos relevos, trabalhada
De divas mãos, brilhante copa, um dia,
Já de aos deuses servir como cansada,
Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.

Era o poeta de Teos que a suspendia
Então e, ora repleta ora esvazada,
A taça amiga aos dedos seus tinia
Toda de roxas pétalas colmada.
Depois. Mas o lavor da taça admira,
Toca-a, e, do ouvido aproximando-a, às bordas
Finas hás de lhe ouvir, canora e doce,
Ignota voz, qual se da antiga lira
Fosse a encantada música das cordas,
Qual se essa a voz de Anacreonte fosse.
(Alberto de Oliveira)
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Simbolismo
(emoção)

-plenitude

da

emoção
-misticismo
-cor branca

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 8

Mãos de finada, aquelas mãos de neve,
De tons marfíneos, de ossatura rica,
Pairando no ar, num gesto brando e leve,
Que parece ordenar, mas que suplica.
Erguem-se ao longe como se as eleve
Alguém que antes os altares sacrifica;
Mãos que consagram, mãos que partem breve,
Mãos cuja sombra nos meus olhos fica ...
Sinto-as agora, ao luar, descendo juntas,
Grandes, magoadas, pálidas, tateantes,
Cerrando os olhos das visões defuntas...
Mãos de esperança para as almas loucas,
Brumosas mãos que vêm brancas, distantes,
Fechar ao mesmo tempo tantas bocas...
(Alphonsus de Guimaraens)
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
rafabebum.blogspot.com
2/11/2013
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Modernismo
(busca do
equilíbrio)

-várias
etapas, fases
ou gerações

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 9
Quando o português chegou
Debaixo de uma bruta chuva
Vestiu o índio
Que pena!
Fosse uma manhã de sol
O índio tinha despido
O português.
(Oswald de Andrade)
2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 10
Para que vieste
Na minha janela
Meter o nariz?
Se foi por um verso
Não sou mais poeta
Ando tão feliz!
Se é para uma prosa
Não sou Anchieta
Nem venho de Assis
Deixa-te de histórias
Some-te daqui.
(Vinícius de Morais)

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com
Texto 11
(...) Mas irou-se com a comparação, deu
marradas na parede. Era bruto, sim
senhor, nunca havia aprendido, não sabia
explicar-se. Estava preso por isso? Como era?
Então mete-se um homem na cadeia por que
ele não sabe falar direito?
(Graciliano Ramos)

2/11/2013

rafabebum.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
rafabebum
 
Oswald de andrade
Oswald de andradeOswald de andrade
Oswald de andrade
rafabebum
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
rafabebum
 
Assis, m tu, só tu, puro amor
Assis, m   tu, só tu, puro amorAssis, m   tu, só tu, puro amor
Assis, m tu, só tu, puro amor
Nicolas Pelicioni
 
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um FigurinoFrancisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
wilson-alencar
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
rita Silva
 
Parnasianismo 2014 power point atual
Parnasianismo 2014   power point atualParnasianismo 2014   power point atual
Parnasianismo 2014 power point atual
Gustavo Cuin
 

Mais procurados (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
António Nobre
António NobreAntónio Nobre
António Nobre
 
Naturalismo no brasil blog
Naturalismo no brasil blogNaturalismo no brasil blog
Naturalismo no brasil blog
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Oswald de andrade
Oswald de andradeOswald de andrade
Oswald de andrade
 
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
Romantismo - panorama mundial e Brasileiro
 
Poemas Malditos
Poemas MalditosPoemas Malditos
Poemas Malditos
 
Arcadismo no brasil - autores e obras
Arcadismo no brasil  - autores e obrasArcadismo no brasil  - autores e obras
Arcadismo no brasil - autores e obras
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
 
Machado de assis blog
Machado de assis blogMachado de assis blog
Machado de assis blog
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Assis, m tu, só tu, puro amor
Assis, m   tu, só tu, puro amorAssis, m   tu, só tu, puro amor
Assis, m tu, só tu, puro amor
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um FigurinoFrancisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
Francisco Gil Castelo Branco - Conto Romantico Um Figurino
 
Parque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasParque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, Oeiras
 
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃOSEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
SEMANA DE ARTE MODERNA - UMA VISÃO
 
Alma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partisteAlma minha gentil, que te partiste
Alma minha gentil, que te partiste
 
Parnasianismo 2014 power point atual
Parnasianismo 2014   power point atualParnasianismo 2014   power point atual
Parnasianismo 2014 power point atual
 

Semelhante a História das literaturas portuguesa e brasileira cáráter pendular (aula)

Ana Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pésAna Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pés
sullbreda
 
Calendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_roselyCalendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_rosely
Gisele Santos
 
olavo bilac - via láctea
 olavo bilac - via láctea olavo bilac - via láctea
olavo bilac - via láctea
José Ermida
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
Gisele Santos
 
Monsaraz Alentejo
Monsaraz AlentejoMonsaraz Alentejo
Monsaraz Alentejo
BiaEsteves
 
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivoCetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Vera Laporta
 
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Tania Montandon
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
Seduc/AM
 
Literatura Da 1ª Republica[1]
Literatura Da 1ª Republica[1]Literatura Da 1ª Republica[1]
Literatura Da 1ª Republica[1]
eb23cv
 
Literatura Da 1ª Republica[1]
Literatura Da 1ª Republica[1]Literatura Da 1ª Republica[1]
Literatura Da 1ª Republica[1]
eb23cv
 

Semelhante a História das literaturas portuguesa e brasileira cáráter pendular (aula) (20)

Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
 
Ana Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pésAna Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pés
 
Calendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_roselyCalendário julho 2010_rosely
Calendário julho 2010_rosely
 
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsfUnic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
 
Monsaraz
MonsarazMonsaraz
Monsaraz
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
 
olavo bilac - via láctea
 olavo bilac - via láctea olavo bilac - via láctea
olavo bilac - via láctea
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
 
Monsaraz Alentejo
Monsaraz AlentejoMonsaraz Alentejo
Monsaraz Alentejo
 
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivoCetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
Cetrans Primavera 2013 - Poema coletivo
 
Poetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistasPoetas parnasianos e simbolistas
Poetas parnasianos e simbolistas
 
José Saramago - Poesia
José Saramago - PoesiaJosé Saramago - Poesia
José Saramago - Poesia
 
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
Mestres Da Poesia Pps 2a EdiçãO(Fmm Prod)
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
 
Sonetos de camões
Sonetos de camões Sonetos de camões
Sonetos de camões
 
Literatura Da 1ª Republica[1]
Literatura Da 1ª Republica[1]Literatura Da 1ª Republica[1]
Literatura Da 1ª Republica[1]
 
Literatura Da 1ª Republica[1]
Literatura Da 1ª Republica[1]Literatura Da 1ª Republica[1]
Literatura Da 1ª Republica[1]
 
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
 

Mais de rafabebum

Mais de rafabebum (20)

LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 3.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 3.ppsxLITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 3.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 3.ppsx
 
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 2.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 2.ppsxLITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 2.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 2.ppsx
 
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 1.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 1.ppsxLITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 1.ppsx
LITERATURA, 3.º EM, apostila 1, frentes 2 e 3, módulo 1.ppsx
 
Dois Irmãos.ppsx
Dois Irmãos.ppsxDois Irmãos.ppsx
Dois Irmãos.ppsx
 
Nós Matamos o Cão Tinhoso.ppsx
Nós Matamos o Cão Tinhoso.ppsxNós Matamos o Cão Tinhoso.ppsx
Nós Matamos o Cão Tinhoso.ppsx
 
Machado de Assis blog.ppsx
Machado de Assis blog.ppsxMachado de Assis blog.ppsx
Machado de Assis blog.ppsx
 
Romanceiro da Inconfidência.ppsx
Romanceiro da Inconfidência.ppsxRomanceiro da Inconfidência.ppsx
Romanceiro da Inconfidência.ppsx
 
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdf
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdfRomanceiro da Inconfidência - análise.pdf
Romanceiro da Inconfidência - análise.pdf
 
Quincas Borba.ppsx
Quincas Borba.ppsxQuincas Borba.ppsx
Quincas Borba.ppsx
 
Quincas Borba - estudo.pdf
Quincas Borba - estudo.pdfQuincas Borba - estudo.pdf
Quincas Borba - estudo.pdf
 
Poemas Escolhidos - análise.pdf
Poemas Escolhidos - análise.pdfPoemas Escolhidos - análise.pdf
Poemas Escolhidos - análise.pdf
 
Nove Noites.ppsx
Nove Noites.ppsxNove Noites.ppsx
Nove Noites.ppsx
 
Angústia - material de aula.pdf
Angústia - material de aula.pdfAngústia - material de aula.pdf
Angústia - material de aula.pdf
 
Angústia.ppsx
Angústia.ppsxAngústia.ppsx
Angústia.ppsx
 
Vinicius de Moraes.pptx
Vinicius de Moraes.pptxVinicius de Moraes.pptx
Vinicius de Moraes.pptx
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
"Caminhos Cruzados", de Érico Veríssimo
 
"Minha Vida de Menina", de Helena Morley
"Minha Vida de Menina", de Helena Morley"Minha Vida de Menina", de Helena Morley
"Minha Vida de Menina", de Helena Morley
 
Minha vida de menina
Minha vida de meninaMinha vida de menina
Minha vida de menina
 
Terra sonâmbula
Terra sonâmbulaTerra sonâmbula
Terra sonâmbula
 

História das literaturas portuguesa e brasileira cáráter pendular (aula)

  • 1. Caráter pendular da Literatura 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 5. Estes meus olhos nunca perderán, senhor, gran coita, mentr'eu vivo for. E direi-vos, fremosa mia senhor, destes meus olhos a coita que han: choran e cegan quand'alguén non veen, e ora cegan per alguén que veen. 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 7. Texto 1 Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito imaginar; Não tenho, logo, mais que desejar, Pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, Que mais deseja o corpo de alcançar? Em si somente pode descansar, Pois consigo tal alma está liada. Mas esta linda e pura semideia, Que, como o acidente em seu sujeito, Assim com a alma minha se conforma, Está no pensamento como ideia; E o vivo e puro amor de que sou feito, Como a matéria simples, busca a forma. (CAMÕES) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 8. Barroco (predomina a emoção) -Arte do conflito - Época da Inquisição 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 9. Texto 2 É a vaidade, Fábio, nesta vida, Rosa, que da manhã lisonjeada, Púrpuras mil, com ambição dourada, Airosa rompe, arrasta presumida. É planta, que de abril favorecida, Por mares de soberba desatada, Florida galeota empavesada, Sulca ufana, navega destemida. É nau enfim, que em breve ligeireza, Com presunção de Fênix generosa, Galhardias apresta, alentos presa: Mas ser planta, ser rosa, nau vistosa De que importa, se aguarda sem defesa Penha a nau, ferro a planta, tarde a rosa? (Gregório de Matos) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 10. Texto 3 Tanto de meu estado me acho incerto, Que em vivo ardor tremendo estou de frio; Sem causa, juntamente choro e rio, O mundo todo abarco, e nada aperto. É tudo quanto sinto um desconcerto: Da alma um fogo me sai, da vista um rio; Agora espero, agora desconfio; Agora desvario, agora acerto. Estando em terra, chego ao Céu voando; Num'hora acho mil anos, e é de jeito Que em mil anos não posso achar um'hora. Se me pergunta alguém porque assi ando, Respondo que não sei, porém suspeito Que só porque vos vi, minha Senhora. (CAMÕES) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 11. Arcadismo ou Neoclassicismo (razão) -retomada dos princípios da Antiguidade clássica - “carpe diem” em contato com a natureza 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 12. Texto 4 Ornemos nossas testas com as flores, e façamos de feno um brando leito; prendamo-nos, Marília, em laço estreito, gozemos do prazer de sãos amores. Sobre as nossas cabeças, Sem que o possam deter, o tempo corre; e para nós o tempo que se passa também, Marília, morre. (Tomás Antônio Gonzaga) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 13. Romantismo (emoção) evasão, escapismo -valorização do sonho, da fantasia - retorno ao passado - idealização da mulher - 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 14. Texto 5 Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado. (José de Alencar) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 15. Realismo / Naturalismo / Parnasianismo (razão) -observação direta -crítica social Naturalismo: exagero científico Parnasianismo: valorização extrema da forma perfeita (“arte pela arte”); retomada dos princípios clássicos 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 16. Texto 6 Foi no domingo de Páscoa que se soube em Leiria, que o pároco da Sé, José Miguéis, tinha morrido de madrugada com uma apoplexia. O pároco era um homem sanguíneo e nutrido, que passava entre o clero diocesano pelo comilão dos comilões. Contavam-se histórias singulares da sua voracidade. O Carlos da Botica - que o detestava costumava dizer, sempre que o via sair depois da sesta, com a face afogueada de sangue, muito enfartado: - Lá vai a jiboia esmoer. Um dia estoura! Com efeito, estourou (...) (Eça de Queirós) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 17. Texto 7 Esta, de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia. Era o poeta de Teos que a suspendia Então e, ora repleta ora esvazada, A taça amiga aos dedos seus tinia Toda de roxas pétalas colmada. Depois. Mas o lavor da taça admira, Toca-a, e, do ouvido aproximando-a, às bordas Finas hás de lhe ouvir, canora e doce, Ignota voz, qual se da antiga lira Fosse a encantada música das cordas, Qual se essa a voz de Anacreonte fosse. (Alberto de Oliveira) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 19. Texto 8 Mãos de finada, aquelas mãos de neve, De tons marfíneos, de ossatura rica, Pairando no ar, num gesto brando e leve, Que parece ordenar, mas que suplica. Erguem-se ao longe como se as eleve Alguém que antes os altares sacrifica; Mãos que consagram, mãos que partem breve, Mãos cuja sombra nos meus olhos fica ... Sinto-as agora, ao luar, descendo juntas, Grandes, magoadas, pálidas, tateantes, Cerrando os olhos das visões defuntas... Mãos de esperança para as almas loucas, Brumosas mãos que vêm brancas, distantes, Fechar ao mesmo tempo tantas bocas... (Alphonsus de Guimaraens) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 22. Modernismo (busca do equilíbrio) -várias etapas, fases ou gerações 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 23. Texto 9 Quando o português chegou Debaixo de uma bruta chuva Vestiu o índio Que pena! Fosse uma manhã de sol O índio tinha despido O português. (Oswald de Andrade) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 24. Texto 10 Para que vieste Na minha janela Meter o nariz? Se foi por um verso Não sou mais poeta Ando tão feliz! Se é para uma prosa Não sou Anchieta Nem venho de Assis Deixa-te de histórias Some-te daqui. (Vinícius de Morais) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com
  • 25. Texto 11 (...) Mas irou-se com a comparação, deu marradas na parede. Era bruto, sim senhor, nunca havia aprendido, não sabia explicar-se. Estava preso por isso? Como era? Então mete-se um homem na cadeia por que ele não sabe falar direito? (Graciliano Ramos) 2/11/2013 rafabebum.blogspot.com