SlideShare uma empresa Scribd logo
As transformações das primeiras décadas do Seculo XX
As primeiras décadas do século XX foram alvo de inúmeras mudanças quer a nível cultural e
social, quer a nível político e económico. O mundo estava em constante mutação e tudo se
desenvolvia a uma velocidade inimaginável - telefones, rádios e televisões começaram a
aparecer em todas os estabelecimentos e casas e, em poucas décadas, estas tecnologias já se
encontravam totalmente globalizadas.

A nível político e económico as mudanças foram catastróficas quando, a 28 de
Junho de 1914, o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro ao trono Austro-
húngaro, e a sua esposa Sofia de Hohenberg, foram assassinados por um membro
de um grupo nacionalista-terrorista de nome Mão Negra. Este facto desencadeou
um dos maiores conflitos conhecidos na História, a Primeira Guerra Mundial.

Na altura a Inglaterra e a Alemanha encontravam-se num auge de poder. Possuíam prósperas
colónias, rotas comerciais abundantes, riquezas e as suas capitais eram grandes centros culturais
que atraíam pessoas de todas as partes do mundo. Contudo, após o incidente Austro-Húngaro a
Alemanha aliou-se e rompeu num caos e guerra do qual resultou a destruição de vários
territórios franceses e na tentativa de conquista de colónias que pertenciam aos Ingleses e
Franceses. Esta guerra durou quatro anos e terminou, finalmente, a 11 de Novembro de 1918.

Deste modo, medidas tiveram que ser tomadas e após o conflito as nações vencedoras reuniram-
se em Paris, no início de janeiro de 1919, para a Conferência de Paz. Neste encontro foram
ditadas as condições dos países vencidos, com foco principal na Alemanha, na tentativa de
impedir definitivamente que outra guerra se estabelecesse.

Os resultados reflectiram-se na criação de vários tratados, nomeadamente o Tratado de
Versalhes, cuja assinatura decorreu a 28 de Junho de 1919, onde é estruturado o “castigo” das
nações vencidas.Deste tratado entra em vigor uma nova geografia política e uma nova ordem
internacional. Na Europa, a Áustria torna-se um estado independente, surgem a Polónia, a
Checoslováquia, a Jugoslávia e a Hungria que se separam da Áustria. A França recupera a
Alsácia-Lorena, que havia perdido nos finais do século XIX para a Alemanha. Na Ásia, a
Arábia torna-se independente.

Outras modificações são visíveis e destas a principal perdedora é a Alemanha – considerada
como responsável pela guerra. Humilhada, a nação é obrigada a ceder à França territórios e
minas para substituir aqueles que destruiu; a reconhecer a independência e aceitar as novas
fronteiras ditadas; a renunciar todos os seus direitos sob as colónias; à pose de um exército
exclusivo que não tenha capacidade de implementar outra guerra; à proibição do fabrico e
importação de engenhos militares; à proibição do fabrico de armas que não tenham sido
aprovadas pelas principais potências (EUA, Inglaterra, França e Itália); e ao reconhecimento da
sua responsabilidade e danos causados na guerra. Além disso, este país sofrerá de um juro
excêntrico que terá que pagar aos países que sofreram danos e perdas com a guerra,
nomeadamente a França.

O tratado previa também a criação da Sociedade das Nações. Este projecto, proposto pelo
presidente Wilson, tinha como objetivo a promoção da paz e a solução para os danos do pós-
guerra. Apesar de não ter vingado e se ter dissolvido poucos anos depois da sua criação, esta
sociedade foi, mais tarde, uma inspiração para a criação da ONU.
O fracasso da SDN sucedeu-se com o abandono dos EUA, que não concordavam com algumas
ideias impostas no Tratado de Versalhes, tais como os prejuízos e humilhações dos países
vencidos – que ia contra os ideais de igualdade defendidos pelo presidente Wilson. Assim, a
SDN, na qual já não participavam os países vencidos, perdeu uma das suas principais nações e,
com o tempo, foi perdendo também os países que eram considerados como “minorias”, tais
como Portugal, e que se sentiam revoltados por não terem qualquer mérito nem serem
favorecidos.

A Europa era, no pós-guerra, ainda um palco de guerra. Os países encontravam-se
enfraquecidos com o caos e destruição causados pela guerra e entram numa crise económica,
social e cultural, na tentativa de concertarem os danos. Logicamente, isto reflecte-se num
enclausuramento dos países e gera uma enorme competição entre eles. A batalha contra a crise e
o ambiente de guerra ainda se encontrava nas relações entre as nações.

A Primeira Grande Guerra deixou a Europa arruinada. A crise que se abateu sobre todos era
complexa e várias medidas tiveram que ser impostas para tentar equilibrar a balança económica,
social e comercial. A desvalorizaçãoda moeda de modo a estimular o comércio foi a principal
medida; os produtos ficam mais baratos o que aumenta a exportação para outras partes do
mundo, que preferem os seus preços – o que contribui para o aumento da competitividade entre
nações).

Por outro lado, a guerra deixa também marcas que não têm retorno, tais como a desorganização
do comércio e a perda dos mercados para as grandes potências fora da europa, os EUA e o
Japão. Nisto dá-se a ascensão dos Estados Unidos que, intactos da guerra, tornam-se os credores
de uma Europa que procura no exterior um suporte para o seu mercado e economia.

Esta nação sofre, em 1920, uma pequena mas violenta crise da qual resulta o aumento do
desemprego e diminuição dos salários. Neste sentido, como acontece ao longo da história, a
conjuntura económica e social com que os Estados Unidos se deparam reflecte-se na formação
de um novo modelo económico, baseado nos ideais preconizados por Adam Smith, que assenta
na iniciativa privada e na correcção de possíveis falhas no mercado, assim como uma aplicação
de métodos de racionalização do trabalho, que tinha como objetivo diminuir os custos de
produção e permitir o aumento dos salários.

Neste sentido, nascem dois conceitos mediáticos na história, o Taylorismo e o Fordismo. O
primeiro, criado por Frederick Taylor (1856-1915), preconiza a divisão do trabalho nas
indústrias, baseado na divisão das tarefas e no planeamento prévio do tempo de produção, que é
obtido através da cronometragem. Deste modo, compete aos trabalhadores uma dada tarefa e um
tempo certo para a realizar, gerando, assim, uma maior competição entre as indústrias, que
competem pelo alcance de tempos mais reduzidos de produção. O segundo, criado por Henri
Ford, dono da indústria de automóveis Ford, assentava numa política de salários mais altos e
num aumento (baseado nas teorias de Taylor) da velocidade de realização de tarefas, que estava
altamente dependente das máquinas, sendo que o trabalhador teria que alcançar uma eficiência
de trabalho semelhante àquela que as máquinas já alcançavam. Estes ideais podem parecer
negativos pois o trabalhador é visto como um mero “objeto”, no entanto, com o aumento dos
salários aumenta também o incentivo e um maior poder de compra na classe operária, o que a
satisfaz e cria a ideia que até o mais pobre pode subir na vida com o esforço, gerando, deste
modo, contentamento e aumento da produção e da qualidade.
A Implantação do modelo Marxista-Leninista na Rússia
                                                                              - O modelo Soviético
A Rússia em finais do século XIX encontrava-se ainda muito atrasada em relação às outras
nações. O seu controlo estava sob o poder do Czar, que se assemelhava ao Antigo Regime da
Europa, já posto de parte muitos anos antes. A revolução que terminou a monarquia absoluta em
todos os cantos do continente ainda não tinha marcas visíveis na Rússia, no entanto, os
camponeses, que constituíam quase 90% da população, começavam a inteirar-se do seu poder e
a contrariar o modo de vida em que eram obrigados a viver, com baixos salários e horas de
trabalho extraordinárias – a classe baixa era abusada.

No seio deste reino de terror encontrava-se Nicolau II, que apesar da tensão política e social que
se levantava, resistia a abdicar do poder que lhe tinha sido concedido pela hierarquia. Todas as
classes se debatiam com o desejo de mudança, os camponeses queriam poder sobre as terras
(que estavam, na altura, sob o poder da burguesia e nobreza), o proletariado exigia um aumento
dos salários e melhores condições de vida e a burguesia, juntamente com a nobreza mais liberal,
ansiavam pela modernização do país e a sua abertura política, como era visível em toda a
Europa.

Em 1905 dá-se a primeira Revolução do proletariado que, apesar dos esforços, fracassa. No
entanto, consegue demonstrar a necessidade de mudança e até gerar medo do poder desta classe
social, dado que, em 9 de janeiro desse ano, o denominado Domingo Sangrento, o povo sai à rua
para entregar uma petição no palácio de inverno, quando é parada pelas tropas czarinas, que
disparam sem piedade deixando no chão mais de 200 mortos, incluindo mulheres e crianças.
Assim, o Czar convoca a Duma (que se assemelha à corte) na tentativa de evitar uma guerra
civil.

Neste conselho são abolidos alguns privilégios dos mais ricos e diminuem-se os impostos dos
camponeses. Além disso, dá-se a criação de três partidos que concorrem ao parlamento: o
Partido Constitucional Democrático, um grupo de liberais com ideais burgueses; o Partido dos
Socialistas Revolucionários, que defendem a colectivização do trabalho; e os Socialistas
Democratas, os mais radicais. Estes últimos dividem-se em dois ramos: os mencheviques, a
minoria e os bolcheviques, a maioria, que é liderada por Lenine.

Os bolcheviques trarão enormes mudanças nas primeiras décadas do século XX, tento efeitos
radicais na Rússia e alterando o curso de quase todas as nações europeias, que neles encontram
o medo. Os seus ideais provêm de Karl Marx e Engels e caracterizam-se pela necessidade de dar
mais poder ao proletariado, pela criação de um Estado liderado pelo partido Comunista, tudo
assente pela via da Revolução como único meio de alcançar estas ideias.

Em 1917 a Rússia encontrava-se no limiar do colapso. A tensão começava a albergar-se em
todas as classes e a necessidade de mudança era clara. Todos os partidos que tinham sido
criados com a Duma encontravam-se revoltados com a incompetência do Czar e com a sua
decisão de participar na Primeira Guerra Mundial, que trouxera o caos e destruição.

Deste modo, entre 22 e 28 de fevereiro a população, principalmente as classes baixas, saem às
ruas para manifestarem o seu descontentamento. Iniciam-se as greves do proletariado e criam-se
as Sovietes – assembleias lideradas por trabalhadores, desde camponeses a soldados e
marinheiros. Além disso, Lenine, líder dos bolcheviques, regressa do exílio e retoma os seus
planos na Rússia, tendo como objetivo primordial derrubar a monarquia.

Em março dá-se uma manifestação em Petrograd para festejar o Dia Internacional da Mulher,
que rapidamente se sucumbe numa Revolução. A este motim aderiram as forças populares e dos
soldados que faziam parte do Soviete. Isto resultou no assalto ao Palácio de Inverno onde,
desprovido de apoios, Nicolau II vê-se forçado a abdicar do seu poder, que é colocado nas mãos
de um Governo Provisório dirigido por Lvov e, mais tarde, por Kerensky, que possuía ideais
burgueses e tinha como objetivo a instauração da Democracia e a continuação da guerra com a
Alemanha. No entanto, rapidamente se reconhece que o novo governo não pode proliferar e com
a retoma do poder bolchevique de Lenine iniciam-se os planos que o irão derrubar.

Deste modo, o líder bolchevique publica as famosas “teses de abril”, onde preconiza os ideais
da revolução, clarificando que o seu objetivo é dar o poder ao proletariado e aos camponeses,
dissolver o Governo Provisório, nacionalizar todas as terras, retirando-as do poder da nobreza e
da burguesia e coloca-las à disposição dos sovietes (principalmente dos camponeses),
“introduzir” o socialismo às massas e fazer reconhecer que o futuro está nas mãos do
Comunismo.

Em 24 e 25 de Outubro a Rússia deparou-se com outra Revolução. Os militares bolcheviques,
conhecidos como Guardas Vermelhos, saíram à rua e assaltaram o Palácio de Inverno,
derrubando o Governo Provisório. Este acto, que aconteceu da noite para o dia, conduziu os
bolcheviques ao poder da Rússia, liderados por Lenine, que ocupou a presidência, juntamente
com Trotsky, a quem coube liderar a Pasta de Guerra, e Estaline, com a Pasta das
Nacionalidades.

Assim, após a Revolução mediática, a história conheceu a primeira nação liderada pelo
proletariado – o comunismo triunfara. No entanto, Lenine irá encontrar alguma oposição regente
nas forças czarinas, nos mencheviques e alguns nacionalistas que se opõem aos ideais
comunistas, o que gerará alguma instabilidade política e social.

O novo governo inicia as suas funções com a criação e publicação dos Decretos
Revolucionários. Estes decretos serviram como base ao regimento da nova nação russa. Em
primeiro lugar, o Decreto sobre a Paz tende a pôr fim à sua participação na guerra. O Decreto
Sobre a Terra preconiza a pose de todas as terras pertencentes à burguesia, que passam para a
mão dos sovietes, abolindo, deste modo, a propriedade à terra desta classe. O Decreto sobre o
Controlo Operário atribuía aos operários a possibilidade de gerir a respectiva produção.
Finalmente, o Decreto sobre as Nacionalidades visava a igualdade e soberania dos povos da
Rússia, a abolição dos privilégios religiosos e de classes e a abolição da ideia de sociedade de
classes, como estava regente até então.

Deste modo, Lenine retira a Rússia da guerra com a assinatura do Tratado de Brest-Litovsk, a 3
de março de 1918, onde fica acordada a cedência de um vasto conjunto de territórios, tais como
a Finlândia, a Polónia, a Estónia e a Ucrânia. Esta perda de territórios não é propriamente
positiva, principalmente quando parte das terras cultiváveis e minas ali se encontravam, no
entanto, é necessária para a paz procurada.

Lenine promulga a primeira constituição em Julho de 1918. Além disso, vai também organizar
os sovietes em dois organismos: a Assembleia do congresso e o Comité dos Comissários (no
qual fazem parte Lenine, Trotsky e Estaline). Finalmente, são creditados os ideais radicais do
comunismo, ou seja, é criado o Partido Único, que impede a criação e importância de qualquer
outro partido; todos os documentos passam a ser alvo de censura; passa a existir uma polícia
única soviete; e dá-se a nacionalização de todos os produtos e industrias russas.

No entanto, os bolcheviques não foram bem recebidos pelas massas, que continuavam
revoltadas com a ruína económica e com as condições deploráveis em que viviam. Assim, na
resistência ao bolchevismo, na qual reagem os Brancos – nome dado à guarda que se opõe ao
bolchevismo - resulta uma guerra civil que dura desde março de 1918 até 1920 e põe termo à
vida de inúmeros indivíduos.

Apesar das tentativas do exército Branco os Vermelhos, liderados por Trotsky, saem vencedores
e inicia-se uma nova política económica e social que se prolongará até 1927.
Neste novo modelo, inicia-se o processo de Ditadura do Proletariado, mais uma ideia
preconizada por Karl Marx, que é descrita como essencial à edificação do comunismo e implica
a tomada ao poder do Estado por parte do proletariado, que depressa abolirá todos os privilégios
das restantes classes socias, terminando, assim, com as desigualdades sociais.

A resistência do proletariado ao regime bolchevique era imensa e isto gerou alguma dificuldade
na Ditadura do Proletariado, dado que este mostrou resistência aos Decretos Revolucionários.
Além disso, vivia-se ainda um clima de guerra civil pesado e destrutivo. Deste modo, Lenine
toma medidas radicais que ficam conhecidas como Comunismo de Guerra.

Estas medidas preconizavam a censura da imprensa, a nacionalização de todos os bancos,
fábricas e terra, o decreto do trabalho como uma obrigação a todos os povos, a requisição do
aumento da produção agrícola, a reforma agrária, a abolição da propriedade privada, o
congelamento dos salários e o centralismo democrático.

Toda a economia foi nacionalizada e passou a competir ao Estado o racionamento e a
distribuição dos bens de acordo com os ideais comunistas.

A partir de 1922, a Rússia converteu-se na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).
No entanto, os Sovietes, anteriormente conhecidos como aliados dos bolcheviques, eram agora
membros do proletariado que não viam no bolchevismo os resultados que esperavam. Lenine
queria, no entanto, que o Estado Soviético tivesse poder, fosse forte e disciplinado. Assim,
formula-se o centralismo democrático, cujas ideias se baseiam que todo o poder emana da base,
ou seja, pelos sovietes, escolhidos por sufrágio universal.

Finalmente, Lenine vê-se obrigado a ceder perante a ruína económica e social em que a nação se
encontrava. Assim, o comunismo cede lugar à Nova Política Económica (NEP), que recorre ao
capitalismo, com a interrupção da colectivização agrária, com a liberdade de comércio interno,
com a privatização de empresas e industrias e com a abertura ao investimento estrangeiro.

                                  A Regressão do Demoliberalismo
A revolução e implantação do comunismo na Rússia tiveram repercussões nos vários cantos da
Europa liberal, onde a classe do proletariado se via aflita com a crise económica que os países
atravessavam, expondo a sua revolta através de greves e manifestações. Além disso, a Rússia
fazia-se notar como uma luz para os trabalhadores, que viam esperança no comunismo de
libertação e abolição das classes sociais.

 A nação russa via nesses movimentos força para continuar com os seus ideais Marxistas-
Leninistas. Deste modo, deu-se a fundação, em Moscovo, em março de 1919, da III
Internacional, também conhecida como Komintern.

O Komintern propunha coordenar e até incentivar a luta da classe trabalhadora a nível mundial,
com o fim de ver triunfar o marxismo-leninismo, tendo que ser chefiada unicamente por
partidos comunistas que fossem fieis aos ideais russos. Além disso, se o objetivo primordial da
III Internacional fosse completo os bolcheviques teriam finalmente a sua vitória, pois passariam
a ser aceites por todo o proletariado (em vês de apenas o mais radicais) e todas as classes que se
opunham aos seus ideais seriam sacudidas ao seu poder.

Esta Internacional Operária realizou dois congressos, sendo que o 2º teve uma enorme
importância na vida social e política das nações. Neste congresso, realizado em julho de 1920,
os partidos socialistas e sociais-democratas são obrigados a abandonar os seus ideais e a
defenderem o bolchevismo e o centralismo democrático. Deste modo, convertem-se estes
partidos em comunistas.

Consequência do declínio económico, político, social e cultural do pós-guerra e dos ideais
socialistas e revolucionários que se faziam notar, a Europa assiste a uma radicalização social e
política, minada de greves e manifestações. Países como a Alemanha, a Hungria e a Itália
viram-se em dificuldades de organizar as multidões enraivecidas e as tentativas de uma
revolução bolchevista, resultando na execução dos líderes destes partidos e na resistência das
classes mais elevadas.

O medo da consagração da revolução bolchevique em alguma nação aumentou e proliferou pela
Europa, que se via escassa em meios para continuar a resistir. Até a burguesia e as classes
médias sucumbiram ao medo de perderem os seus privilégios e poses, o que se revelou num
aumento de adeptos de um governo forte, que garantisse a paz social, a riqueza e o conforto
destas classes.

Deste modo, as soluções apresentadas eram autoritárias e de direita. Partidos conservadores e
nacionalistas começaram a ganhar um enorme número de votos no início dos anos 20. Isto
sucedeu-se particularmente nos países onde as dificuldades e a destruição foram maiores.

Em 1919, é fundado em Itália o partido FasciItalianidiCombattimento, de onde mais tarde
derivará a expressão Fascismo, por um ex-socialista italiano de nome Benito Mussolini. Este
partido defendia a democracia e o socialismo, no entanto, a sua simpatia com os burgueses e
industriais de direita torna-o mais aderente aos ideais conservadores e totalitaristas. Deste
modo, os fascistas sobem ao poder e tomam posse do Estado italiano, quando em 27 e 30 de
Outubro organizam uma greve geral e dá-se a “Marcha Sobre Roma”, na qual participam cerca
de 30 000 fascistas, liderados por Mussolini, juntamente com a sua força militar, os “Camisas
Negras”.

O rei, perante a situação, convida Mussolini a formar um governo. No entanto, o desejo deste
partido não é a parceria com o rei e com o seu governo, mas sim a tomada do poder absoluto.
Conseguem, deste modo, alterar as eleições de 1924, vencendo por maioria. Além disso,
continuam os seus atos de “poder” e assassinam o líder do partido socialista, Giacomo
Matteoti.

Por sua vez, em Espanha é adoptada entre 1947 e 1975, uma ditadura militar, liderada pelo
general Miguel Primo de Rivera.

Além disso, também a Hungria, a Bulgária, a Lituânia, a Turquia, a Grécia, Portugal e outros
países conheceram o poder dos regimes autoritários.

A Europa liberal cai no abismo a partir dos anos 20 e passa a reconhecer em grande parte das
suas nações o caráter nacionalista e extremista dos seus líderes, o que, mais tarde,
desencadeará na Segunda Guerra Mundial. Esta necessidade da adesão ao autoritarismo
reflete a regressão do Demoliberalismo.

                             Mutações nos Comportamentos e na Cultura
O século XX foi alvo de enormes mudanças a todos os níveis, principalmente na Europa e nos
Estados Unidos, onde a industrialização provou a sua capacidade acelerada de evolução e
povoou as cidades com as suas novidades, tais como o carro e o comboio, que alteraram o modo
de mobilidade das populações.

O constante crescimento fez-se notar principalmente no meio urbano, onde a população se
engloba e cresce. Deste modo, é possível verificar-se uma massificação dos indivíduos, que
passam a frequentar os mesmos transportes, os meus locais de lazer, as mesmas atividades de
ócio e horários de trabalho. Pode-se concluir que se torna visível a despersonalização dos povos,
passando estes a ser nada mais que meros números.
A convivência entre os sexos torna-se mais livre e ousada, sobretudo após a Primeira Grande
Guerra, da qual a mulher sai triunfante e adquire mais visibilidade, passando a possuir alguns
direitos que eram, até então, exclusivos ao sexo masculino.

A entrada no século XX trás a notícia de mudança, sob a qual se previam alterações nos valores
da sociedade burguesa. No entanto, esta classe opta por desprezar as previsões e viver no novo
mundo com otimismo e superioridade.

Porém, após a Primeira Guerra Mundial as esperanças desmoronam-se e levanta-se o
pessimismo e o caos. O choque da guerra abale a sociedade e gera contestações, que mais tarde
se fariam sentir em revoltas. Instala-se, deste modo, um clima de anomia, ou seja, de ausência
de normas morais e sociais.

Esta falta de valores acelera as mudanças que se encontravam em curso. Dá-se, então, uma
mudança de paradigma, causada pelos destroços da guerra, que abrem as portas à possibilidade
de um novo recomeço, de um crescimento da cultura e do comércio. Daqui nasce a classe
média, que integra a pequena e média burguesia.

No sentido destas alterações a emancipação feminina é das que mais se faz sentir, com a
mudança radical da ideologia da mulher como dona de casa. Esta deixa de possuir dependência
total do homem e reivindica os seus direitos. O movimento feminista, que procura a igualdade
jurídica, social, económica , intelectual e política dos sexos, faz-se sentir com a criação das
associações das sufragistas, que tinham como primeiro objetivo o direito ao voto.

Na Europa, destacaram-se as sufragistas britânicas. Indignadas com a oposição e resistência face
aos seus desejos, estes grupos procuraram atrair a atenção recorrendo a meios extremos e
violentos, com manifestações, greves e apedrejamentos.

Os seus meios não conheceram a cedência do governo. No entanto, com a participação na
guerra, as mulheres tiveram que assumir o papel do homem no sustento da família, revelando-se
capazes de substituir o sexo oposto em quase todas as tarefas.

Finalmente, o esforço foi compensado, dado que, após o conflito que provocara tanto caos e
destruição, as mulheres adquirem o direito de intervenção política e abrem-se carreiras
profissionais prestigiadas, tomando a mulher uma nova posição na história.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9  Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
nanasimao
 
M8 teste 3 ... correção
M8   teste 3 ... correçãoM8   teste 3 ... correção
M8 teste 3 ... correção
Mónica Esteves
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
Jorge Almeida
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
CludiaBelluschiCosta
 
A reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraA reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerra
Patrícia Alves
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
home
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
Carlos Vieira
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
Carlos Vieira
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
Vítor Santos
 
Regresso ao Demoliberalismo
Regresso ao DemoliberalismoRegresso ao Demoliberalismo
Regresso ao Demoliberalismo
Rui Nobre
 
Frentes populares
Frentes popularesFrentes populares
Frentes populares
Mariana Marques
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
Vítor Santos
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
gofontoura
 
Milagre japones
Milagre japonesMilagre japones
Milagre japones
Carlos Vieira
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
BarbaraSilveira9
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9  Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
Os polos de desenvolvimento económico- Módulo 9
 
M8 teste 3 ... correção
M8   teste 3 ... correçãoM8   teste 3 ... correção
M8 teste 3 ... correção
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
 
A reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraA reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerra
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
 
Regresso ao Demoliberalismo
Regresso ao DemoliberalismoRegresso ao Demoliberalismo
Regresso ao Demoliberalismo
 
Frentes populares
Frentes popularesFrentes populares
Frentes populares
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
Milagre japones
Milagre japonesMilagre japones
Milagre japones
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 

Destaque

Resumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoResumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºano
Maria Rebelo
 
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoTerceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Maria Rebelo
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Maria Rebelo
 
Montesquieu
MontesquieuMontesquieu
Montesquieu
Maria Rebelo
 
Guia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaGuia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de faria
Maria Rebelo
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Maria Rebelo
 
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroCurriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Maria Rebelo
 
Dadaísmo
 Dadaísmo Dadaísmo
Dadaísmo
Maria Rebelo
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - Word
Maria Rebelo
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitos
Maria Rebelo
 
Marcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMarcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de faria
Maria Rebelo
 
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoO Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
Maria Rebelo
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Maria Rebelo
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Maria Rebelo
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Maria Rebelo
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoCapacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Maria Rebelo
 

Destaque (17)

Resumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoResumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºano
 
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoTerceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, Platão
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
 
Montesquieu
MontesquieuMontesquieu
Montesquieu
 
Guia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaGuia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de faria
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
 
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroCurriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
 
Dadaísmo
 Dadaísmo Dadaísmo
Dadaísmo
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - Word
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitos
 
Marcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMarcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de faria
 
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoO Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoCapacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
 

Semelhante a História 12ºano - Resumos

Resumo de História B
Resumo de História BResumo de História B
Resumo de História B
André Torres
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
Ana Vilardouro
 
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoRevisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
eunamahcado
 
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIAAS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
DANUBIA ZANOTELLI
 
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptxA Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
rwnatafreire
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
ProfMario De Mori
 
Blog 9 primeira guerra
Blog 9 primeira guerraBlog 9 primeira guerra
Blog 9 primeira guerra
DiedNuenf
 
82093 solucoes fichas_estudo
82093 solucoes fichas_estudo82093 solucoes fichas_estudo
82093 solucoes fichas_estudo
BrunoGandra3
 
Europa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra FriaEuropa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra Fria
ProfessoresColeguium
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mb
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MbO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Mb
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mb
ProfMario De Mori
 
Período entre guerras
Período entre guerrasPeríodo entre guerras
Período entre guerras
Luciano Emanuel Silva
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Md
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MdO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Md
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Md
ProfMario De Mori
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Va
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º VaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Va
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Va
ProfMario De Mori
 
Nicolas c. 9ºb
Nicolas c. 9ºbNicolas c. 9ºb
Nicolas c. 9ºb
Debora Deorio
 
A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1
papathy
 
Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)
SARA MARTINS
 
Resumoexamehistoriaa
ResumoexamehistoriaaResumoexamehistoriaa
Resumoexamehistoriaa
SARA MARTINS
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
RafaelBLW
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
echechurry
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
echechurry
 

Semelhante a História 12ºano - Resumos (20)

Resumo de História B
Resumo de História BResumo de História B
Resumo de História B
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
 
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoRevisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
 
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIAAS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
 
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptxA Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
A Grande Guerra - O fim da Primeira Guerra Mundial e o Tratado de Versalhes.pptx
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
 
Blog 9 primeira guerra
Blog 9 primeira guerraBlog 9 primeira guerra
Blog 9 primeira guerra
 
82093 solucoes fichas_estudo
82093 solucoes fichas_estudo82093 solucoes fichas_estudo
82093 solucoes fichas_estudo
 
Europa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra FriaEuropa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra Fria
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mb
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MbO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Mb
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mb
 
Período entre guerras
Período entre guerrasPeríodo entre guerras
Período entre guerras
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Md
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MdO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Md
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Md
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Va
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º VaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Va
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Va
 
Nicolas c. 9ºb
Nicolas c. 9ºbNicolas c. 9ºb
Nicolas c. 9ºb
 
A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1
 
Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)
 
Resumoexamehistoriaa
ResumoexamehistoriaaResumoexamehistoriaa
Resumoexamehistoriaa
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 

Mais de Maria Rebelo

O Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaO Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização Histórica
Maria Rebelo
 
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoResumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Maria Rebelo
 
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOFundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Maria Rebelo
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoViajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Maria Rebelo
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
Maria Rebelo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
Maria Rebelo
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Maria Rebelo
 
Apresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaApresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel Torga
Maria Rebelo
 
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaPoetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
Maria Rebelo
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em Portugal
Maria Rebelo
 
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaCharles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Maria Rebelo
 
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Maria Rebelo
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreira
Maria Rebelo
 

Mais de Maria Rebelo (13)

O Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaO Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização Histórica
 
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoResumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
 
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOFundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoViajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
 
Apresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaApresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel Torga
 
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaPoetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em Portugal
 
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaCharles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
 
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreira
 

História 12ºano - Resumos

  • 1. As transformações das primeiras décadas do Seculo XX As primeiras décadas do século XX foram alvo de inúmeras mudanças quer a nível cultural e social, quer a nível político e económico. O mundo estava em constante mutação e tudo se desenvolvia a uma velocidade inimaginável - telefones, rádios e televisões começaram a aparecer em todas os estabelecimentos e casas e, em poucas décadas, estas tecnologias já se encontravam totalmente globalizadas. A nível político e económico as mudanças foram catastróficas quando, a 28 de Junho de 1914, o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro ao trono Austro- húngaro, e a sua esposa Sofia de Hohenberg, foram assassinados por um membro de um grupo nacionalista-terrorista de nome Mão Negra. Este facto desencadeou um dos maiores conflitos conhecidos na História, a Primeira Guerra Mundial. Na altura a Inglaterra e a Alemanha encontravam-se num auge de poder. Possuíam prósperas colónias, rotas comerciais abundantes, riquezas e as suas capitais eram grandes centros culturais que atraíam pessoas de todas as partes do mundo. Contudo, após o incidente Austro-Húngaro a Alemanha aliou-se e rompeu num caos e guerra do qual resultou a destruição de vários territórios franceses e na tentativa de conquista de colónias que pertenciam aos Ingleses e Franceses. Esta guerra durou quatro anos e terminou, finalmente, a 11 de Novembro de 1918. Deste modo, medidas tiveram que ser tomadas e após o conflito as nações vencedoras reuniram- se em Paris, no início de janeiro de 1919, para a Conferência de Paz. Neste encontro foram ditadas as condições dos países vencidos, com foco principal na Alemanha, na tentativa de impedir definitivamente que outra guerra se estabelecesse. Os resultados reflectiram-se na criação de vários tratados, nomeadamente o Tratado de Versalhes, cuja assinatura decorreu a 28 de Junho de 1919, onde é estruturado o “castigo” das nações vencidas.Deste tratado entra em vigor uma nova geografia política e uma nova ordem internacional. Na Europa, a Áustria torna-se um estado independente, surgem a Polónia, a Checoslováquia, a Jugoslávia e a Hungria que se separam da Áustria. A França recupera a Alsácia-Lorena, que havia perdido nos finais do século XIX para a Alemanha. Na Ásia, a Arábia torna-se independente. Outras modificações são visíveis e destas a principal perdedora é a Alemanha – considerada como responsável pela guerra. Humilhada, a nação é obrigada a ceder à França territórios e minas para substituir aqueles que destruiu; a reconhecer a independência e aceitar as novas fronteiras ditadas; a renunciar todos os seus direitos sob as colónias; à pose de um exército exclusivo que não tenha capacidade de implementar outra guerra; à proibição do fabrico e importação de engenhos militares; à proibição do fabrico de armas que não tenham sido aprovadas pelas principais potências (EUA, Inglaterra, França e Itália); e ao reconhecimento da sua responsabilidade e danos causados na guerra. Além disso, este país sofrerá de um juro excêntrico que terá que pagar aos países que sofreram danos e perdas com a guerra, nomeadamente a França. O tratado previa também a criação da Sociedade das Nações. Este projecto, proposto pelo presidente Wilson, tinha como objetivo a promoção da paz e a solução para os danos do pós- guerra. Apesar de não ter vingado e se ter dissolvido poucos anos depois da sua criação, esta sociedade foi, mais tarde, uma inspiração para a criação da ONU.
  • 2. O fracasso da SDN sucedeu-se com o abandono dos EUA, que não concordavam com algumas ideias impostas no Tratado de Versalhes, tais como os prejuízos e humilhações dos países vencidos – que ia contra os ideais de igualdade defendidos pelo presidente Wilson. Assim, a SDN, na qual já não participavam os países vencidos, perdeu uma das suas principais nações e, com o tempo, foi perdendo também os países que eram considerados como “minorias”, tais como Portugal, e que se sentiam revoltados por não terem qualquer mérito nem serem favorecidos. A Europa era, no pós-guerra, ainda um palco de guerra. Os países encontravam-se enfraquecidos com o caos e destruição causados pela guerra e entram numa crise económica, social e cultural, na tentativa de concertarem os danos. Logicamente, isto reflecte-se num enclausuramento dos países e gera uma enorme competição entre eles. A batalha contra a crise e o ambiente de guerra ainda se encontrava nas relações entre as nações. A Primeira Grande Guerra deixou a Europa arruinada. A crise que se abateu sobre todos era complexa e várias medidas tiveram que ser impostas para tentar equilibrar a balança económica, social e comercial. A desvalorizaçãoda moeda de modo a estimular o comércio foi a principal medida; os produtos ficam mais baratos o que aumenta a exportação para outras partes do mundo, que preferem os seus preços – o que contribui para o aumento da competitividade entre nações). Por outro lado, a guerra deixa também marcas que não têm retorno, tais como a desorganização do comércio e a perda dos mercados para as grandes potências fora da europa, os EUA e o Japão. Nisto dá-se a ascensão dos Estados Unidos que, intactos da guerra, tornam-se os credores de uma Europa que procura no exterior um suporte para o seu mercado e economia. Esta nação sofre, em 1920, uma pequena mas violenta crise da qual resulta o aumento do desemprego e diminuição dos salários. Neste sentido, como acontece ao longo da história, a conjuntura económica e social com que os Estados Unidos se deparam reflecte-se na formação de um novo modelo económico, baseado nos ideais preconizados por Adam Smith, que assenta na iniciativa privada e na correcção de possíveis falhas no mercado, assim como uma aplicação de métodos de racionalização do trabalho, que tinha como objetivo diminuir os custos de produção e permitir o aumento dos salários. Neste sentido, nascem dois conceitos mediáticos na história, o Taylorismo e o Fordismo. O primeiro, criado por Frederick Taylor (1856-1915), preconiza a divisão do trabalho nas indústrias, baseado na divisão das tarefas e no planeamento prévio do tempo de produção, que é obtido através da cronometragem. Deste modo, compete aos trabalhadores uma dada tarefa e um tempo certo para a realizar, gerando, assim, uma maior competição entre as indústrias, que competem pelo alcance de tempos mais reduzidos de produção. O segundo, criado por Henri Ford, dono da indústria de automóveis Ford, assentava numa política de salários mais altos e num aumento (baseado nas teorias de Taylor) da velocidade de realização de tarefas, que estava altamente dependente das máquinas, sendo que o trabalhador teria que alcançar uma eficiência de trabalho semelhante àquela que as máquinas já alcançavam. Estes ideais podem parecer negativos pois o trabalhador é visto como um mero “objeto”, no entanto, com o aumento dos salários aumenta também o incentivo e um maior poder de compra na classe operária, o que a satisfaz e cria a ideia que até o mais pobre pode subir na vida com o esforço, gerando, deste modo, contentamento e aumento da produção e da qualidade.
  • 3. A Implantação do modelo Marxista-Leninista na Rússia - O modelo Soviético A Rússia em finais do século XIX encontrava-se ainda muito atrasada em relação às outras nações. O seu controlo estava sob o poder do Czar, que se assemelhava ao Antigo Regime da Europa, já posto de parte muitos anos antes. A revolução que terminou a monarquia absoluta em todos os cantos do continente ainda não tinha marcas visíveis na Rússia, no entanto, os camponeses, que constituíam quase 90% da população, começavam a inteirar-se do seu poder e a contrariar o modo de vida em que eram obrigados a viver, com baixos salários e horas de trabalho extraordinárias – a classe baixa era abusada. No seio deste reino de terror encontrava-se Nicolau II, que apesar da tensão política e social que se levantava, resistia a abdicar do poder que lhe tinha sido concedido pela hierarquia. Todas as classes se debatiam com o desejo de mudança, os camponeses queriam poder sobre as terras (que estavam, na altura, sob o poder da burguesia e nobreza), o proletariado exigia um aumento dos salários e melhores condições de vida e a burguesia, juntamente com a nobreza mais liberal, ansiavam pela modernização do país e a sua abertura política, como era visível em toda a Europa. Em 1905 dá-se a primeira Revolução do proletariado que, apesar dos esforços, fracassa. No entanto, consegue demonstrar a necessidade de mudança e até gerar medo do poder desta classe social, dado que, em 9 de janeiro desse ano, o denominado Domingo Sangrento, o povo sai à rua para entregar uma petição no palácio de inverno, quando é parada pelas tropas czarinas, que disparam sem piedade deixando no chão mais de 200 mortos, incluindo mulheres e crianças. Assim, o Czar convoca a Duma (que se assemelha à corte) na tentativa de evitar uma guerra civil. Neste conselho são abolidos alguns privilégios dos mais ricos e diminuem-se os impostos dos camponeses. Além disso, dá-se a criação de três partidos que concorrem ao parlamento: o Partido Constitucional Democrático, um grupo de liberais com ideais burgueses; o Partido dos Socialistas Revolucionários, que defendem a colectivização do trabalho; e os Socialistas Democratas, os mais radicais. Estes últimos dividem-se em dois ramos: os mencheviques, a minoria e os bolcheviques, a maioria, que é liderada por Lenine. Os bolcheviques trarão enormes mudanças nas primeiras décadas do século XX, tento efeitos radicais na Rússia e alterando o curso de quase todas as nações europeias, que neles encontram o medo. Os seus ideais provêm de Karl Marx e Engels e caracterizam-se pela necessidade de dar mais poder ao proletariado, pela criação de um Estado liderado pelo partido Comunista, tudo assente pela via da Revolução como único meio de alcançar estas ideias. Em 1917 a Rússia encontrava-se no limiar do colapso. A tensão começava a albergar-se em todas as classes e a necessidade de mudança era clara. Todos os partidos que tinham sido criados com a Duma encontravam-se revoltados com a incompetência do Czar e com a sua decisão de participar na Primeira Guerra Mundial, que trouxera o caos e destruição. Deste modo, entre 22 e 28 de fevereiro a população, principalmente as classes baixas, saem às ruas para manifestarem o seu descontentamento. Iniciam-se as greves do proletariado e criam-se as Sovietes – assembleias lideradas por trabalhadores, desde camponeses a soldados e marinheiros. Além disso, Lenine, líder dos bolcheviques, regressa do exílio e retoma os seus planos na Rússia, tendo como objetivo primordial derrubar a monarquia. Em março dá-se uma manifestação em Petrograd para festejar o Dia Internacional da Mulher, que rapidamente se sucumbe numa Revolução. A este motim aderiram as forças populares e dos soldados que faziam parte do Soviete. Isto resultou no assalto ao Palácio de Inverno onde, desprovido de apoios, Nicolau II vê-se forçado a abdicar do seu poder, que é colocado nas mãos
  • 4. de um Governo Provisório dirigido por Lvov e, mais tarde, por Kerensky, que possuía ideais burgueses e tinha como objetivo a instauração da Democracia e a continuação da guerra com a Alemanha. No entanto, rapidamente se reconhece que o novo governo não pode proliferar e com a retoma do poder bolchevique de Lenine iniciam-se os planos que o irão derrubar. Deste modo, o líder bolchevique publica as famosas “teses de abril”, onde preconiza os ideais da revolução, clarificando que o seu objetivo é dar o poder ao proletariado e aos camponeses, dissolver o Governo Provisório, nacionalizar todas as terras, retirando-as do poder da nobreza e da burguesia e coloca-las à disposição dos sovietes (principalmente dos camponeses), “introduzir” o socialismo às massas e fazer reconhecer que o futuro está nas mãos do Comunismo. Em 24 e 25 de Outubro a Rússia deparou-se com outra Revolução. Os militares bolcheviques, conhecidos como Guardas Vermelhos, saíram à rua e assaltaram o Palácio de Inverno, derrubando o Governo Provisório. Este acto, que aconteceu da noite para o dia, conduziu os bolcheviques ao poder da Rússia, liderados por Lenine, que ocupou a presidência, juntamente com Trotsky, a quem coube liderar a Pasta de Guerra, e Estaline, com a Pasta das Nacionalidades. Assim, após a Revolução mediática, a história conheceu a primeira nação liderada pelo proletariado – o comunismo triunfara. No entanto, Lenine irá encontrar alguma oposição regente nas forças czarinas, nos mencheviques e alguns nacionalistas que se opõem aos ideais comunistas, o que gerará alguma instabilidade política e social. O novo governo inicia as suas funções com a criação e publicação dos Decretos Revolucionários. Estes decretos serviram como base ao regimento da nova nação russa. Em primeiro lugar, o Decreto sobre a Paz tende a pôr fim à sua participação na guerra. O Decreto Sobre a Terra preconiza a pose de todas as terras pertencentes à burguesia, que passam para a mão dos sovietes, abolindo, deste modo, a propriedade à terra desta classe. O Decreto sobre o Controlo Operário atribuía aos operários a possibilidade de gerir a respectiva produção. Finalmente, o Decreto sobre as Nacionalidades visava a igualdade e soberania dos povos da Rússia, a abolição dos privilégios religiosos e de classes e a abolição da ideia de sociedade de classes, como estava regente até então. Deste modo, Lenine retira a Rússia da guerra com a assinatura do Tratado de Brest-Litovsk, a 3 de março de 1918, onde fica acordada a cedência de um vasto conjunto de territórios, tais como a Finlândia, a Polónia, a Estónia e a Ucrânia. Esta perda de territórios não é propriamente positiva, principalmente quando parte das terras cultiváveis e minas ali se encontravam, no entanto, é necessária para a paz procurada. Lenine promulga a primeira constituição em Julho de 1918. Além disso, vai também organizar os sovietes em dois organismos: a Assembleia do congresso e o Comité dos Comissários (no qual fazem parte Lenine, Trotsky e Estaline). Finalmente, são creditados os ideais radicais do comunismo, ou seja, é criado o Partido Único, que impede a criação e importância de qualquer outro partido; todos os documentos passam a ser alvo de censura; passa a existir uma polícia única soviete; e dá-se a nacionalização de todos os produtos e industrias russas. No entanto, os bolcheviques não foram bem recebidos pelas massas, que continuavam revoltadas com a ruína económica e com as condições deploráveis em que viviam. Assim, na resistência ao bolchevismo, na qual reagem os Brancos – nome dado à guarda que se opõe ao bolchevismo - resulta uma guerra civil que dura desde março de 1918 até 1920 e põe termo à vida de inúmeros indivíduos. Apesar das tentativas do exército Branco os Vermelhos, liderados por Trotsky, saem vencedores e inicia-se uma nova política económica e social que se prolongará até 1927.
  • 5. Neste novo modelo, inicia-se o processo de Ditadura do Proletariado, mais uma ideia preconizada por Karl Marx, que é descrita como essencial à edificação do comunismo e implica a tomada ao poder do Estado por parte do proletariado, que depressa abolirá todos os privilégios das restantes classes socias, terminando, assim, com as desigualdades sociais. A resistência do proletariado ao regime bolchevique era imensa e isto gerou alguma dificuldade na Ditadura do Proletariado, dado que este mostrou resistência aos Decretos Revolucionários. Além disso, vivia-se ainda um clima de guerra civil pesado e destrutivo. Deste modo, Lenine toma medidas radicais que ficam conhecidas como Comunismo de Guerra. Estas medidas preconizavam a censura da imprensa, a nacionalização de todos os bancos, fábricas e terra, o decreto do trabalho como uma obrigação a todos os povos, a requisição do aumento da produção agrícola, a reforma agrária, a abolição da propriedade privada, o congelamento dos salários e o centralismo democrático. Toda a economia foi nacionalizada e passou a competir ao Estado o racionamento e a distribuição dos bens de acordo com os ideais comunistas. A partir de 1922, a Rússia converteu-se na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). No entanto, os Sovietes, anteriormente conhecidos como aliados dos bolcheviques, eram agora membros do proletariado que não viam no bolchevismo os resultados que esperavam. Lenine queria, no entanto, que o Estado Soviético tivesse poder, fosse forte e disciplinado. Assim, formula-se o centralismo democrático, cujas ideias se baseiam que todo o poder emana da base, ou seja, pelos sovietes, escolhidos por sufrágio universal. Finalmente, Lenine vê-se obrigado a ceder perante a ruína económica e social em que a nação se encontrava. Assim, o comunismo cede lugar à Nova Política Económica (NEP), que recorre ao capitalismo, com a interrupção da colectivização agrária, com a liberdade de comércio interno, com a privatização de empresas e industrias e com a abertura ao investimento estrangeiro. A Regressão do Demoliberalismo A revolução e implantação do comunismo na Rússia tiveram repercussões nos vários cantos da Europa liberal, onde a classe do proletariado se via aflita com a crise económica que os países atravessavam, expondo a sua revolta através de greves e manifestações. Além disso, a Rússia fazia-se notar como uma luz para os trabalhadores, que viam esperança no comunismo de libertação e abolição das classes sociais. A nação russa via nesses movimentos força para continuar com os seus ideais Marxistas- Leninistas. Deste modo, deu-se a fundação, em Moscovo, em março de 1919, da III Internacional, também conhecida como Komintern. O Komintern propunha coordenar e até incentivar a luta da classe trabalhadora a nível mundial, com o fim de ver triunfar o marxismo-leninismo, tendo que ser chefiada unicamente por partidos comunistas que fossem fieis aos ideais russos. Além disso, se o objetivo primordial da III Internacional fosse completo os bolcheviques teriam finalmente a sua vitória, pois passariam a ser aceites por todo o proletariado (em vês de apenas o mais radicais) e todas as classes que se opunham aos seus ideais seriam sacudidas ao seu poder. Esta Internacional Operária realizou dois congressos, sendo que o 2º teve uma enorme importância na vida social e política das nações. Neste congresso, realizado em julho de 1920, os partidos socialistas e sociais-democratas são obrigados a abandonar os seus ideais e a defenderem o bolchevismo e o centralismo democrático. Deste modo, convertem-se estes partidos em comunistas. Consequência do declínio económico, político, social e cultural do pós-guerra e dos ideais socialistas e revolucionários que se faziam notar, a Europa assiste a uma radicalização social e
  • 6. política, minada de greves e manifestações. Países como a Alemanha, a Hungria e a Itália viram-se em dificuldades de organizar as multidões enraivecidas e as tentativas de uma revolução bolchevista, resultando na execução dos líderes destes partidos e na resistência das classes mais elevadas. O medo da consagração da revolução bolchevique em alguma nação aumentou e proliferou pela Europa, que se via escassa em meios para continuar a resistir. Até a burguesia e as classes médias sucumbiram ao medo de perderem os seus privilégios e poses, o que se revelou num aumento de adeptos de um governo forte, que garantisse a paz social, a riqueza e o conforto destas classes. Deste modo, as soluções apresentadas eram autoritárias e de direita. Partidos conservadores e nacionalistas começaram a ganhar um enorme número de votos no início dos anos 20. Isto sucedeu-se particularmente nos países onde as dificuldades e a destruição foram maiores. Em 1919, é fundado em Itália o partido FasciItalianidiCombattimento, de onde mais tarde derivará a expressão Fascismo, por um ex-socialista italiano de nome Benito Mussolini. Este partido defendia a democracia e o socialismo, no entanto, a sua simpatia com os burgueses e industriais de direita torna-o mais aderente aos ideais conservadores e totalitaristas. Deste modo, os fascistas sobem ao poder e tomam posse do Estado italiano, quando em 27 e 30 de Outubro organizam uma greve geral e dá-se a “Marcha Sobre Roma”, na qual participam cerca de 30 000 fascistas, liderados por Mussolini, juntamente com a sua força militar, os “Camisas Negras”. O rei, perante a situação, convida Mussolini a formar um governo. No entanto, o desejo deste partido não é a parceria com o rei e com o seu governo, mas sim a tomada do poder absoluto. Conseguem, deste modo, alterar as eleições de 1924, vencendo por maioria. Além disso, continuam os seus atos de “poder” e assassinam o líder do partido socialista, Giacomo Matteoti. Por sua vez, em Espanha é adoptada entre 1947 e 1975, uma ditadura militar, liderada pelo general Miguel Primo de Rivera. Além disso, também a Hungria, a Bulgária, a Lituânia, a Turquia, a Grécia, Portugal e outros países conheceram o poder dos regimes autoritários. A Europa liberal cai no abismo a partir dos anos 20 e passa a reconhecer em grande parte das suas nações o caráter nacionalista e extremista dos seus líderes, o que, mais tarde, desencadeará na Segunda Guerra Mundial. Esta necessidade da adesão ao autoritarismo reflete a regressão do Demoliberalismo. Mutações nos Comportamentos e na Cultura O século XX foi alvo de enormes mudanças a todos os níveis, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, onde a industrialização provou a sua capacidade acelerada de evolução e povoou as cidades com as suas novidades, tais como o carro e o comboio, que alteraram o modo de mobilidade das populações. O constante crescimento fez-se notar principalmente no meio urbano, onde a população se engloba e cresce. Deste modo, é possível verificar-se uma massificação dos indivíduos, que passam a frequentar os mesmos transportes, os meus locais de lazer, as mesmas atividades de ócio e horários de trabalho. Pode-se concluir que se torna visível a despersonalização dos povos, passando estes a ser nada mais que meros números.
  • 7. A convivência entre os sexos torna-se mais livre e ousada, sobretudo após a Primeira Grande Guerra, da qual a mulher sai triunfante e adquire mais visibilidade, passando a possuir alguns direitos que eram, até então, exclusivos ao sexo masculino. A entrada no século XX trás a notícia de mudança, sob a qual se previam alterações nos valores da sociedade burguesa. No entanto, esta classe opta por desprezar as previsões e viver no novo mundo com otimismo e superioridade. Porém, após a Primeira Guerra Mundial as esperanças desmoronam-se e levanta-se o pessimismo e o caos. O choque da guerra abale a sociedade e gera contestações, que mais tarde se fariam sentir em revoltas. Instala-se, deste modo, um clima de anomia, ou seja, de ausência de normas morais e sociais. Esta falta de valores acelera as mudanças que se encontravam em curso. Dá-se, então, uma mudança de paradigma, causada pelos destroços da guerra, que abrem as portas à possibilidade de um novo recomeço, de um crescimento da cultura e do comércio. Daqui nasce a classe média, que integra a pequena e média burguesia. No sentido destas alterações a emancipação feminina é das que mais se faz sentir, com a mudança radical da ideologia da mulher como dona de casa. Esta deixa de possuir dependência total do homem e reivindica os seus direitos. O movimento feminista, que procura a igualdade jurídica, social, económica , intelectual e política dos sexos, faz-se sentir com a criação das associações das sufragistas, que tinham como primeiro objetivo o direito ao voto. Na Europa, destacaram-se as sufragistas britânicas. Indignadas com a oposição e resistência face aos seus desejos, estes grupos procuraram atrair a atenção recorrendo a meios extremos e violentos, com manifestações, greves e apedrejamentos. Os seus meios não conheceram a cedência do governo. No entanto, com a participação na guerra, as mulheres tiveram que assumir o papel do homem no sustento da família, revelando-se capazes de substituir o sexo oposto em quase todas as tarefas. Finalmente, o esforço foi compensado, dado que, após o conflito que provocara tanto caos e destruição, as mulheres adquirem o direito de intervenção política e abrem-se carreiras profissionais prestigiadas, tomando a mulher uma nova posição na história.