SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Dadaísmo
O movimento dadaísta nasceu em Zurique – Suíça – em 1916, por um grupo de
jovens de várias nacionalidades que se refugiavam da guerra que já mostrava os
seus efeitos destrutivos, protegidos pela neutralidade suíça – O grupo Cabaret
Voltaire. O seu nome, geralmente abreviado para DADA, foi escolhido
aleatoriamente do dicionário Petit Larousse pelo poeta e ensaísta romeno
TristanTzara (1896-1963), um dos integrantes do grupo.

Este movimento artístico desenvolvia uma temática anti-artísta, ou seja, era a
negação radical das formas tradicionais e da produção da arte com efeito
académico e para comercialização. Deste modo, os dadaístas procuravam negar
que a arte fosse criada como “emprego” do qual um artista tirava partido (como se
a arte fosse usurpada se o seu fim fosse a quantia recebida na sua venda), ou
como uma construção que tivesse como fim uma nota académica. Estes ideais
radicais reflectiam a instabilidade social e cultural provocada pela grande guerra.

Os seus protagonistas foram Tzara, Hugo Ball, Richard Hulsenbeck e Hans Harp, os
fundadores do Cabaret Voltaire.O nome dado a este grupo remete para o próprio
local onde o dadaísmo surgiu: um bar com este mesmo nome. Criado a 5 de
Fevereiro de 1916, em Zurique, pelo filósofo, poeta e romancista Hugo Ball e pela
sua companheira, a cantora e poetisaEmmyHennigs. Aqui surge toda a “construção”
dos ideais do dadaísmo. Além disso, foi também neste local que foram expostas
obras de artistas como Picasso, Modiglini e Kandinsky, quando estes se refugiavam
do caos da guerra. Este foi também o nome da revista criada pelo grupo dadaísta
de Zurique, em Maio de 1916.

- TristanTzara- Nasceu em Moinesti, na Roménia, em 1896. O seu verdadeiro nome
é Sami Rosentock, no entanto, escolheu o seu nome artístico, TristanTzara, que
significa “triste no país” ou “triste terra”, no sentido de poder protestar o
tratamento dos Judeus no seu país sem ser capturado. Foi um poeta e ensaísta
francês e, claro, um dos percursores do Dadaísmo.

Algumas das suas obras: “Coração de Gás”, 1921, “A Anticabeça”, 1923, e “O
Homem Aproximativo”, 1931, que foram criadas após a partida de Hugo Ball de
Zurique e são uma reflexão da necessidade de abater os costumes da sociedade
actual, ou seja, uma interpretação total dos ideais do dadaísmo. Em 1924, dá a sua
contribuição para a criação do Manifesto Dadaísta.

Com o declínio do movimento dada, Tzara partiu para o surrealismo. Faleceu em
dezembro de 1963, em Paris.

- Hugo Ball nasceu em Pismasens, na Alemanha, a 22 de Fevereiro de 1886. Após o
começo da Pirmeira Guerra Mundial, ele e a sua mulher EmmyHennings, cantora e
poetisa, emigram para a Suíça, onde encontram trabalho como pianista e
declamadora de poesia, respetivamente, até que, em Fevereiro de 1916, fundam o
café e clube nocturno Cabaret Voltaire, onde foram criadas as bases do dadaísmo.
Uma marca indiscutível deste artista são os poemas sonoros (poemas sem palavras), tais como
"GadjiBeri Bimba" e "Karawane" (1917), poema em alemão com palavras sem sentido,
metáfora da insignificância do homem frente à barbárie. Sua poesia interagia com um novo
formato de teatro, a performance, da qual foi um precursor[2].
A sua obra é constituída, nomeadamente, por “Tenderenda, der Phantast” (romance não
publicado escrito no período dada”, “CristicismofGermanIntelligence”, 1919 (análise do estado
de espírito do povo alemão) e por “Fluchtaus der Zeit” (excertos do seu diário do período
dadaísta.
No dia 19 de Setembro de 1927, Hugo Ball faleceu em San Abbondio, Suiça.|

Por sua vez, em Nova Iorque fundou-se também um grupo de impulsionadores do
movimento Dada, o grupo Stieglitz, formado pelo fotógrafo Man Ray, pelo pintor
espanhol Francis Picabia, pelo francês Marcel Duchampe, claro, pelo próprio
AlfredStieglitz, um fotógrafo conhecido como o “maior responsável pela introdução
da arte moderna na América”. Apesar de não ter contribuído vivamente para o
dadaísmo, foi a sua exposição “291” que impulsionou o movimento nos Estados Unidos.

Duchamp foi talvez o expoente máximo do dadaísmo nos Estados Unidos, pois foi
percursor da vertente mais destrutiva e anti-artística desta corrente. Tornou-se
famoso pelos ready-made, que constituía no uso de objetos banais como arte;
estes eram retirados do seu contexto tradicional e expostos como arte, para quem
a soubesse apreciar, ou seja, para “ninguém”, como eles denominavam aos seus
críticos.

Este movimento teve uma grande expansão principalmente após a guerra na
Alemanha, que atravessava uma grave crise a todos os níveis. Em Berlim fundou-se
mais um grupo de jovens artistas, em 1917, por Hulsenbeck, e integrava o
caricaturista George Grosze o pintor e escritor Kurt Schwitters. Por sua vez, em
Colónia, outra localidade da Alemanha, Max Ernst e Hans Arp, ambos pintores,
assim como Franz Seiwert e OskarPanizzafundam o quarto grupo de ideais
dadaístas.

É também de salientar que o seu gosto pelo non sense e pelo irracional foram
essenciais como inspiração para o desenvolvimento do Surrealismo, na década de
20; para a Pop arte, a Arte Cinética e o Fluxus, já na segunda metade do século
XX.


Características principais do dadaísmo:

- Objetos comuns do quotidiano são apresentados de uma nova forma e dentro de
um contexto artístico;

- Combate às formas de arte institucionalizadas;

- Crítica ao capitalismo e ao consumismo;

- Ênfase no absurdo e nos temas e conteúdos sem lógica;

- Forte caráter pessimista e irónico


- Hans Arp Max Ernst George Grosz Marcel JancoSophie Täuber
Object to be destroyed, Man Ray.

Object to bedestroyed foi o seu primeiro nome, sendo mais tarde alteado. Nesta
peça podemos ver, em primeiro lugar, que foi utilizado um simples objeto e, com
ele, foi criado algo que, aparentemente, não tem conteúdo. Este objeto era muitas
vezes utilizado pelo próprio artista enquanto pintava e, como fazia o tic-tac do
relógio, Man Ray fazia as suas obras, principalmente pinturas, ao som do objecto.
No entanto, como Man Ray dizia, “todos os pintores precisam de uma plateia” e,
por isto, colocava um olho para se sentir observado enquanto criava. Além disso, se
notarmos bem, e note-se o seu título “objeto para ser destruído”, Man Ray
pretendeu criar um sentimento de fúria e irritação no observador, dado que este
ponteiro fica constantemente a andar e, ao colocarem um olho na ponta, quem o vê
sente-se constantemente observado, e torna-se alguém impotente porque não
existem palavras que possam parar um objecto de nos fixar, quase como se Man
Ray lhe quisesse dar uma vida própria. E por isto, em 1957, de acordo com a sua
autobiografia, esta peça foi alvo de imensa controvérsia por um grupo de jovens
até que um deles pegou nela e levou-a da galeria, outra história diz que um dos
jovens a partiu durante a exposição.

Machine Turn Quickly, Francis Picabia

The Gift, Man Ray

Esta peça é, antes de mais, a transformação de um objeto doméstico do dia-a-dia
em algo, estranho, sem lógica, e até sádico. ArturoSchwarz, amigo de Man Ray, disse
que esta obra é um exemplo perfeito do humor quase bipolar de Man Ray. É sádico e erótico,
nas palavras do próprio Man Ray: “É possível rasgarmos um vestido com ele”. Deste modo,
podemos notar que isto pode ser um reflexo da própria emancipação feminina da altura, pois
retira o papel doméstico de um objeto que seria exclusivamente utilizado pela mulher, e torna-
o num objeto quase fatal. Uma pequena curiosidade: no dia em que a obra foi colocada na
galeria foi também o dia em que foi roubada, durante a exposição.

Poison (film), Man Ray

Rayograph, Man Ray

Suicide, Man Ray

Juliet and the Non-Eucilidian Object, Man Ray

La Nuit en Espagnole, Francis Picabia

The Handsome Pork-Butcher, Francis Picabia

Fountain, Marcel Duchamp

Mona Lisa, Marcel Duchamp

The Massacre of Innocents, Max Ernst

Raoul Hausmann, The Art Critic

Raoul Hausmann, ABCD

Franz Seiwert, The Workmen
George Grosz, Homage to Oskar Panizza

Neste caso, convido-vos a notar principalmente nesta figura, um padre, que foge
do caos, que será um reflexo da instabilidade e da destruição da guerra. E, além
disso, estas figuras aqui, os prédios, que dão um traço mais pesado ao quadro,
como se a inovação dos prédios fosse mais um motivo de caos, mais uma peça de
destruição.

George Grosz, Suicide, 1916

Aqui podemos ver, em primeiro lugar, a sátira à promiscuidade da cidade de Berlim
durante a Grande Guerra. Vamos também os tons vermelho-sangue, que são
reflexo do caos e da morte. Além disso, o próprio título remete-nos não para a
destruição causada pela guerra, mas sim os efeitos que a mesma teve no foro
psicológico dos indivíduos – isto são suicídios, não mortes causadas pela guerra.
Os cães passam apenas pelos corpos mortos, como se de nada se tratasse e
reparem na igreja, ao fundo. Claro que é visível a sátira aqui colocada, a
impotência da igreja como “salvadora” e até o próprio pecado do suicídio. (já agora,
estas análises não são exclusivamente minhas, eu anoto uma ou outra opinião
pessoal, mas as palavras foram retiradas dos museus MOMA e TATE).

Dada MouvementPhotograph

1st Row: TristanTzara, CélineArnauld, Francis Picabia, André Breton; 2nd: Benjamin
Péret, Paul Dermée, Philippe Soupault, Georges Ribemont-Dessaignes; 3rd: Louis
Aragon, ThéodoreFraenkel, Paul Eluard, ClémentPansaers, Emmanuel Faÿ

At the Rendezvous of friends, Max Ernst

A Reunion of Friends. Front row from left to right: René Crevel, Max Ernst (sitting
on Dostoyevsky's knee), Theodor Fraenkel, Jean Paulhan, Benjamin Péret,
Johannes Th. Baargeld, Robert Desnos.
Back row: Philippe Soupault, Hans Arp, Max Morise, RaffaeleSanzio, Paul Eluard,
Louis Aragon (with Laurel wreath around his hips), André Breton, Giorgio de
Chirico, Gala Eluard

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dadaísmo e Surrealismo
Dadaísmo e Surrealismo Dadaísmo e Surrealismo
Dadaísmo e Surrealismo Gui Souza A
 
Trabalho dadaismo
Trabalho dadaismoTrabalho dadaismo
Trabalho dadaismoJoao Cunha
 
Movimento Dada
Movimento DadaMovimento Dada
Movimento Dadahcaslides
 
Tristan tzara
Tristan tzaraTristan tzara
Tristan tzaraluislad
 
Movimento dadaísta
Movimento dadaísta Movimento dadaísta
Movimento dadaísta Mônica Abreu
 
Dadaísmo pesquisa
Dadaísmo   pesquisaDadaísmo   pesquisa
Dadaísmo pesquisaJoao Rocha
 
Vanguardas Europeias: Dadaísmo
Vanguardas Europeias: DadaísmoVanguardas Europeias: Dadaísmo
Vanguardas Europeias: DadaísmoLuiz Felipe
 
História da Arte - Dadaísmo
História da Arte - DadaísmoHistória da Arte - Dadaísmo
História da Arte - DadaísmoDiego Stedile
 
Dadaísmo trabalho de literatura
Dadaísmo trabalho de literaturaDadaísmo trabalho de literatura
Dadaísmo trabalho de literaturaAlison Schons
 
Dadismo - Apresentação - Carlos Alves N58512 - CM UTAD
Dadismo - Apresentação - Carlos Alves N58512 - CM UTADDadismo - Apresentação - Carlos Alves N58512 - CM UTAD
Dadismo - Apresentação - Carlos Alves N58512 - CM UTADCarlos Alves
 
Aula 7 Dadaismo e Surrealismo
Aula 7   Dadaismo e SurrealismoAula 7   Dadaismo e Surrealismo
Aula 7 Dadaismo e SurrealismoAline Okumura
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - DADAÍSMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - DADAÍSMOSEMINÁRIO DE LITERATURA - DADAÍSMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - DADAÍSMOMarcelo Fernandes
 
Dadaísmo artes para apreciação
Dadaísmo artes para apreciação Dadaísmo artes para apreciação
Dadaísmo artes para apreciação Claudio Fernando
 

Mais procurados (20)

Dadaísmo e Surrealismo
Dadaísmo e Surrealismo Dadaísmo e Surrealismo
Dadaísmo e Surrealismo
 
Dadismo
DadismoDadismo
Dadismo
 
Trabalho dadaismo
Trabalho dadaismoTrabalho dadaismo
Trabalho dadaismo
 
dadaismo
dadaismodadaismo
dadaismo
 
Movimento Dada
Movimento DadaMovimento Dada
Movimento Dada
 
Tristan tzara
Tristan tzaraTristan tzara
Tristan tzara
 
Movimento dadaísta
Movimento dadaísta Movimento dadaísta
Movimento dadaísta
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Dadaismo
 
Dadaísmo pesquisa
Dadaísmo   pesquisaDadaísmo   pesquisa
Dadaísmo pesquisa
 
Dadaismo e duchamp
Dadaismo e duchampDadaismo e duchamp
Dadaismo e duchamp
 
Marcel duchamp dadaísmo
Marcel duchamp  dadaísmoMarcel duchamp  dadaísmo
Marcel duchamp dadaísmo
 
Vanguardas Europeias: Dadaísmo
Vanguardas Europeias: DadaísmoVanguardas Europeias: Dadaísmo
Vanguardas Europeias: Dadaísmo
 
História da Arte - Dadaísmo
História da Arte - DadaísmoHistória da Arte - Dadaísmo
História da Arte - Dadaísmo
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
 
Aula de Dadaísmo
Aula de DadaísmoAula de Dadaísmo
Aula de Dadaísmo
 
Dadaísmo trabalho de literatura
Dadaísmo trabalho de literaturaDadaísmo trabalho de literatura
Dadaísmo trabalho de literatura
 
Dadismo - Apresentação - Carlos Alves N58512 - CM UTAD
Dadismo - Apresentação - Carlos Alves N58512 - CM UTADDadismo - Apresentação - Carlos Alves N58512 - CM UTAD
Dadismo - Apresentação - Carlos Alves N58512 - CM UTAD
 
Aula 7 Dadaismo e Surrealismo
Aula 7   Dadaismo e SurrealismoAula 7   Dadaismo e Surrealismo
Aula 7 Dadaismo e Surrealismo
 
SEMINÁRIO DE LITERATURA - DADAÍSMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - DADAÍSMOSEMINÁRIO DE LITERATURA - DADAÍSMO
SEMINÁRIO DE LITERATURA - DADAÍSMO
 
Dadaísmo artes para apreciação
Dadaísmo artes para apreciação Dadaísmo artes para apreciação
Dadaísmo artes para apreciação
 

Destaque

Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroCurriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroMaria Rebelo
 
História 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosHistória 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosMaria Rebelo
 
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoTerceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoMaria Rebelo
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaMaria Rebelo
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoMaria Rebelo
 
Guia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaGuia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaMaria Rebelo
 
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoO Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoMaria Rebelo
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordMaria Rebelo
 
Resumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoResumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoMaria Rebelo
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitosMaria Rebelo
 
Marcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMarcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMaria Rebelo
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIMaria Rebelo
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaMaria Rebelo
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameMaria Rebelo
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoCapacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoMaria Rebelo
 

Destaque (17)

Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroCurriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
 
História 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosHistória 12ºano - Resumos
História 12ºano - Resumos
 
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoTerceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, Platão
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
 
Montesquieu
MontesquieuMontesquieu
Montesquieu
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
 
Guia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaGuia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de faria
 
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoO Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - Word
 
Resumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoResumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºano
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitos
 
Marcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMarcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de faria
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoCapacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
 

Semelhante a Dadaísmo

Semelhante a Dadaísmo (20)

Dadaísmo movimento artístico
Dadaísmo   movimento artísticoDadaísmo   movimento artístico
Dadaísmo movimento artístico
 
2C16_Dadaismo
2C16_Dadaismo2C16_Dadaismo
2C16_Dadaismo
 
Vanguardas Europeias - Dadaísmo
Vanguardas Europeias - Dadaísmo  Vanguardas Europeias - Dadaísmo
Vanguardas Europeias - Dadaísmo
 
Marcel Duchamp - Dadaismo
Marcel Duchamp - DadaismoMarcel Duchamp - Dadaismo
Marcel Duchamp - Dadaismo
 
43256_10070ef5e1af27b8f221ece1a52d81dc.pdf
43256_10070ef5e1af27b8f221ece1a52d81dc.pdf43256_10070ef5e1af27b8f221ece1a52d81dc.pdf
43256_10070ef5e1af27b8f221ece1a52d81dc.pdf
 
História da Arte: Dadaísmo 2
História da Arte: Dadaísmo 2História da Arte: Dadaísmo 2
História da Arte: Dadaísmo 2
 
História do Design - Mov.Vanguarda - Hd06
História do Design - Mov.Vanguarda - Hd06História do Design - Mov.Vanguarda - Hd06
História do Design - Mov.Vanguarda - Hd06
 
A vanguarda europeia
A vanguarda europeiaA vanguarda europeia
A vanguarda europeia
 
Vanguardas Européias
Vanguardas EuropéiasVanguardas Européias
Vanguardas Européias
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
 
Amanda job
Amanda jobAmanda job
Amanda job
 
[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp
[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp
[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp
 
Arte Degenerada
Arte DegeneradaArte Degenerada
Arte Degenerada
 
Vanguardas2019.
Vanguardas2019.Vanguardas2019.
Vanguardas2019.
 
G um
G umG um
G um
 
Dadaísmo e Surrealismo - 3ª A - 2011
Dadaísmo e Surrealismo - 3ª A - 2011Dadaísmo e Surrealismo - 3ª A - 2011
Dadaísmo e Surrealismo - 3ª A - 2011
 
Dadaísmo e Surrealismo
Dadaísmo e SurrealismoDadaísmo e Surrealismo
Dadaísmo e Surrealismo
 
Dadaísmo/artes/Dadaísmo/Dadaísmo/Dadaísgk
Dadaísmo/artes/Dadaísmo/Dadaísmo/DadaísgkDadaísmo/artes/Dadaísmo/Dadaísmo/Dadaísgk
Dadaísmo/artes/Dadaísmo/Dadaísmo/Dadaísgk
 
Movimento Surrealista - Prof. Altair Aguilar
Movimento Surrealista - Prof. Altair AguilarMovimento Surrealista - Prof. Altair Aguilar
Movimento Surrealista - Prof. Altair Aguilar
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 

Mais de Maria Rebelo

O Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaO Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaMaria Rebelo
 
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoResumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoMaria Rebelo
 
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOFundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOMaria Rebelo
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoViajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoMaria Rebelo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaMaria Rebelo
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Maria Rebelo
 
Apresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaApresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaMaria Rebelo
 
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaPoetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaMaria Rebelo
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalMaria Rebelo
 
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaCharles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaMaria Rebelo
 
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Maria Rebelo
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraMaria Rebelo
 

Mais de Maria Rebelo (13)

O Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaO Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização Histórica
 
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoResumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
 
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOFundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoViajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
 
Apresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaApresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel Torga
 
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaPoetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em Portugal
 
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaCharles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
 
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreira
 

Último

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 

Último (20)

Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 

Dadaísmo

  • 1. Dadaísmo O movimento dadaísta nasceu em Zurique – Suíça – em 1916, por um grupo de jovens de várias nacionalidades que se refugiavam da guerra que já mostrava os seus efeitos destrutivos, protegidos pela neutralidade suíça – O grupo Cabaret Voltaire. O seu nome, geralmente abreviado para DADA, foi escolhido aleatoriamente do dicionário Petit Larousse pelo poeta e ensaísta romeno TristanTzara (1896-1963), um dos integrantes do grupo. Este movimento artístico desenvolvia uma temática anti-artísta, ou seja, era a negação radical das formas tradicionais e da produção da arte com efeito académico e para comercialização. Deste modo, os dadaístas procuravam negar que a arte fosse criada como “emprego” do qual um artista tirava partido (como se a arte fosse usurpada se o seu fim fosse a quantia recebida na sua venda), ou como uma construção que tivesse como fim uma nota académica. Estes ideais radicais reflectiam a instabilidade social e cultural provocada pela grande guerra. Os seus protagonistas foram Tzara, Hugo Ball, Richard Hulsenbeck e Hans Harp, os fundadores do Cabaret Voltaire.O nome dado a este grupo remete para o próprio local onde o dadaísmo surgiu: um bar com este mesmo nome. Criado a 5 de Fevereiro de 1916, em Zurique, pelo filósofo, poeta e romancista Hugo Ball e pela sua companheira, a cantora e poetisaEmmyHennigs. Aqui surge toda a “construção” dos ideais do dadaísmo. Além disso, foi também neste local que foram expostas obras de artistas como Picasso, Modiglini e Kandinsky, quando estes se refugiavam do caos da guerra. Este foi também o nome da revista criada pelo grupo dadaísta de Zurique, em Maio de 1916. - TristanTzara- Nasceu em Moinesti, na Roménia, em 1896. O seu verdadeiro nome é Sami Rosentock, no entanto, escolheu o seu nome artístico, TristanTzara, que significa “triste no país” ou “triste terra”, no sentido de poder protestar o tratamento dos Judeus no seu país sem ser capturado. Foi um poeta e ensaísta francês e, claro, um dos percursores do Dadaísmo. Algumas das suas obras: “Coração de Gás”, 1921, “A Anticabeça”, 1923, e “O Homem Aproximativo”, 1931, que foram criadas após a partida de Hugo Ball de Zurique e são uma reflexão da necessidade de abater os costumes da sociedade actual, ou seja, uma interpretação total dos ideais do dadaísmo. Em 1924, dá a sua contribuição para a criação do Manifesto Dadaísta. Com o declínio do movimento dada, Tzara partiu para o surrealismo. Faleceu em dezembro de 1963, em Paris. - Hugo Ball nasceu em Pismasens, na Alemanha, a 22 de Fevereiro de 1886. Após o começo da Pirmeira Guerra Mundial, ele e a sua mulher EmmyHennings, cantora e poetisa, emigram para a Suíça, onde encontram trabalho como pianista e declamadora de poesia, respetivamente, até que, em Fevereiro de 1916, fundam o café e clube nocturno Cabaret Voltaire, onde foram criadas as bases do dadaísmo. Uma marca indiscutível deste artista são os poemas sonoros (poemas sem palavras), tais como "GadjiBeri Bimba" e "Karawane" (1917), poema em alemão com palavras sem sentido, metáfora da insignificância do homem frente à barbárie. Sua poesia interagia com um novo formato de teatro, a performance, da qual foi um precursor[2].
  • 2. A sua obra é constituída, nomeadamente, por “Tenderenda, der Phantast” (romance não publicado escrito no período dada”, “CristicismofGermanIntelligence”, 1919 (análise do estado de espírito do povo alemão) e por “Fluchtaus der Zeit” (excertos do seu diário do período dadaísta. No dia 19 de Setembro de 1927, Hugo Ball faleceu em San Abbondio, Suiça.| Por sua vez, em Nova Iorque fundou-se também um grupo de impulsionadores do movimento Dada, o grupo Stieglitz, formado pelo fotógrafo Man Ray, pelo pintor espanhol Francis Picabia, pelo francês Marcel Duchampe, claro, pelo próprio AlfredStieglitz, um fotógrafo conhecido como o “maior responsável pela introdução da arte moderna na América”. Apesar de não ter contribuído vivamente para o dadaísmo, foi a sua exposição “291” que impulsionou o movimento nos Estados Unidos. Duchamp foi talvez o expoente máximo do dadaísmo nos Estados Unidos, pois foi percursor da vertente mais destrutiva e anti-artística desta corrente. Tornou-se famoso pelos ready-made, que constituía no uso de objetos banais como arte; estes eram retirados do seu contexto tradicional e expostos como arte, para quem a soubesse apreciar, ou seja, para “ninguém”, como eles denominavam aos seus críticos. Este movimento teve uma grande expansão principalmente após a guerra na Alemanha, que atravessava uma grave crise a todos os níveis. Em Berlim fundou-se mais um grupo de jovens artistas, em 1917, por Hulsenbeck, e integrava o caricaturista George Grosze o pintor e escritor Kurt Schwitters. Por sua vez, em Colónia, outra localidade da Alemanha, Max Ernst e Hans Arp, ambos pintores, assim como Franz Seiwert e OskarPanizzafundam o quarto grupo de ideais dadaístas. É também de salientar que o seu gosto pelo non sense e pelo irracional foram essenciais como inspiração para o desenvolvimento do Surrealismo, na década de 20; para a Pop arte, a Arte Cinética e o Fluxus, já na segunda metade do século XX. Características principais do dadaísmo: - Objetos comuns do quotidiano são apresentados de uma nova forma e dentro de um contexto artístico; - Combate às formas de arte institucionalizadas; - Crítica ao capitalismo e ao consumismo; - Ênfase no absurdo e nos temas e conteúdos sem lógica; - Forte caráter pessimista e irónico - Hans Arp Max Ernst George Grosz Marcel JancoSophie Täuber
  • 3. Object to be destroyed, Man Ray. Object to bedestroyed foi o seu primeiro nome, sendo mais tarde alteado. Nesta peça podemos ver, em primeiro lugar, que foi utilizado um simples objeto e, com ele, foi criado algo que, aparentemente, não tem conteúdo. Este objeto era muitas vezes utilizado pelo próprio artista enquanto pintava e, como fazia o tic-tac do relógio, Man Ray fazia as suas obras, principalmente pinturas, ao som do objecto. No entanto, como Man Ray dizia, “todos os pintores precisam de uma plateia” e, por isto, colocava um olho para se sentir observado enquanto criava. Além disso, se notarmos bem, e note-se o seu título “objeto para ser destruído”, Man Ray pretendeu criar um sentimento de fúria e irritação no observador, dado que este ponteiro fica constantemente a andar e, ao colocarem um olho na ponta, quem o vê sente-se constantemente observado, e torna-se alguém impotente porque não existem palavras que possam parar um objecto de nos fixar, quase como se Man Ray lhe quisesse dar uma vida própria. E por isto, em 1957, de acordo com a sua autobiografia, esta peça foi alvo de imensa controvérsia por um grupo de jovens até que um deles pegou nela e levou-a da galeria, outra história diz que um dos jovens a partiu durante a exposição. Machine Turn Quickly, Francis Picabia The Gift, Man Ray Esta peça é, antes de mais, a transformação de um objeto doméstico do dia-a-dia em algo, estranho, sem lógica, e até sádico. ArturoSchwarz, amigo de Man Ray, disse que esta obra é um exemplo perfeito do humor quase bipolar de Man Ray. É sádico e erótico, nas palavras do próprio Man Ray: “É possível rasgarmos um vestido com ele”. Deste modo, podemos notar que isto pode ser um reflexo da própria emancipação feminina da altura, pois retira o papel doméstico de um objeto que seria exclusivamente utilizado pela mulher, e torna- o num objeto quase fatal. Uma pequena curiosidade: no dia em que a obra foi colocada na galeria foi também o dia em que foi roubada, durante a exposição. Poison (film), Man Ray Rayograph, Man Ray Suicide, Man Ray Juliet and the Non-Eucilidian Object, Man Ray La Nuit en Espagnole, Francis Picabia The Handsome Pork-Butcher, Francis Picabia Fountain, Marcel Duchamp Mona Lisa, Marcel Duchamp The Massacre of Innocents, Max Ernst Raoul Hausmann, The Art Critic Raoul Hausmann, ABCD Franz Seiwert, The Workmen
  • 4. George Grosz, Homage to Oskar Panizza Neste caso, convido-vos a notar principalmente nesta figura, um padre, que foge do caos, que será um reflexo da instabilidade e da destruição da guerra. E, além disso, estas figuras aqui, os prédios, que dão um traço mais pesado ao quadro, como se a inovação dos prédios fosse mais um motivo de caos, mais uma peça de destruição. George Grosz, Suicide, 1916 Aqui podemos ver, em primeiro lugar, a sátira à promiscuidade da cidade de Berlim durante a Grande Guerra. Vamos também os tons vermelho-sangue, que são reflexo do caos e da morte. Além disso, o próprio título remete-nos não para a destruição causada pela guerra, mas sim os efeitos que a mesma teve no foro psicológico dos indivíduos – isto são suicídios, não mortes causadas pela guerra. Os cães passam apenas pelos corpos mortos, como se de nada se tratasse e reparem na igreja, ao fundo. Claro que é visível a sátira aqui colocada, a impotência da igreja como “salvadora” e até o próprio pecado do suicídio. (já agora, estas análises não são exclusivamente minhas, eu anoto uma ou outra opinião pessoal, mas as palavras foram retiradas dos museus MOMA e TATE). Dada MouvementPhotograph 1st Row: TristanTzara, CélineArnauld, Francis Picabia, André Breton; 2nd: Benjamin Péret, Paul Dermée, Philippe Soupault, Georges Ribemont-Dessaignes; 3rd: Louis Aragon, ThéodoreFraenkel, Paul Eluard, ClémentPansaers, Emmanuel Faÿ At the Rendezvous of friends, Max Ernst A Reunion of Friends. Front row from left to right: René Crevel, Max Ernst (sitting on Dostoyevsky's knee), Theodor Fraenkel, Jean Paulhan, Benjamin Péret, Johannes Th. Baargeld, Robert Desnos. Back row: Philippe Soupault, Hans Arp, Max Morise, RaffaeleSanzio, Paul Eluard, Louis Aragon (with Laurel wreath around his hips), André Breton, Giorgio de Chirico, Gala Eluard