SlideShare uma empresa Scribd logo
História e Evolução da Moeda




               Actividades Económicas
•A moeda é a unidade representativa de valor, aceita como
instrumento de troca. É hoje parte integrante da sociedade,
controla, interage e participa dela, independentemente da
cultura. O desenvolvimento e a ampliação das bases
comerciais fizeram do dinheiro uma necessidade. Sejam quais
forem os meios de troca, sempre se tenta basear em um valor
qualquer para avaliar outro.
•Em épocas de escassez de meio circulante, a sociedade

procura formas de contornar o problema (dinheiro de
emergência), o importante é não perder o poder de troca e
compra. Podem substituir o dinheiro governamental: cupons,
passes, recibos, cheques, vales, notas comerciais entre outros.
• O sedentarismo veio possibilitar a melhoria dos
instrumentos de trabalho e o aumento da produtividade;
•O aumento da produtividade originou o aparecimento de
excedente económico (diferença entre o que se produz e o
que se consome);
•O aparecimento do excedente económico provocou e
dinamizou o sistema de trocas. No início as trocas eram
directas, isto é, trocavam-se produtos por produtos.
•Dificuldade que cada pessoa sentia em encontrar outra
interessada na troca de determinados produtos;
•O facto das pessoas atribuírem valores diferentes aos produtos,
por vezes não fraccionáveis, não permitia o acordo quanto à
transacção a efectuar;
•Peso dos produtos a transportar por vezes era difícil;
•Também , a sua validade, tinha-se de trocar quando se tinha em
excesso e do tempo dos produtos da sua época;
•Chama-se troca indirecta quando se      •Chama-se Troca directa quando, se
troca , por exemplo , uma boa            troca-se, por exemplo 1Kg de
alimentação por dinheiro e visse         cenouras por um 1Kg de Maças e
versa . Esta troca é a mais usada hoje   visse versa.
em dia.
•Os obstáculos que se coloram à troca directa acabaram por
ser ultrapassados quando a moeda passou na ser utilizada
como intermediária nas trocas.


•As trocas passaram então, a ser feitas em duas fases: numa
primeira fase, o produtor troca o resultado da sua actividade
por moeda e, numa segunda fase, troca a moeda pelo
produto que pretende adquirir – é a chamada troca indirecta.
•A introdução da moeda no acto da troca veio
permitir o incremento da actividade comercial e da
actividade produtiva, bem como do consumo.
•A moeda pode ser definida como um bem de
aceitação generalizada que se utiliza como
intermediário nas trocas.
A moeda ao longo da História evoluiu
 aparecendo sob diferentes formas:
       •Moeda - mercadoria
         •Moeda metálica
          •Moeda - papel
         •Moeda escritural
•Nas sociedades primitivas muitos foram os bens utilizados como moeda:
gado; cereais; sal , conchas; búzios; peixes, etc.
•Cada sociedade adoptava como moeda os bens relacionados com a sua
actividade principal.
•Assim, os pescadores utilizavam, como moeda, conchas, peixes ou sal; os
pastores, o gado; os agricultores os cereais, etc. era a moeda - mercadoria.
•Como a moeda mercadoria apresentava várias
desvantagens visto que: o gado não era divisível, tal
facto dificultava as trocas de menor valor, o peixe
estragava-se e o sal não era duradouro porque
sofria com a humidade.
•Para superar estes inconvenientes foi-se
generalizando , a utilização de metais como moeda.
Facilidade de transporte;

Durabilidade;

Divisibilidade;

 Maior aceitação.
•Com os Descobrimentos houve um
grande incremento da actividade
comercial, o que originou o transporte
de grandes quantidades de moeda,
tarefa difícil e perigosa. Para resolver
este problema os cambistas e os ourives
ao receberem as moedas guardavam-nas
e emitiam os respectivos certificados de
depósito ou letras de câmbio, de fácil
transporte, originando o aparecimento
do papel-moeda.
•A moeda - papel, constituída por notas de banco, foi assumindo
diferentes espécies em função em função do grau de vinculação à
moeda metálica.
•A moeda - papel, constituída por notas de banco, começou por ser
moeda representativa, pois à quantidade de notas em circulação
equivalia igual valor de ouro ou prata retido nos cofres dos bancos.
•No final do séc. XVII, esta nova forma de moeda já se tinha
generalizado em toda a Europa
•No séc. XVIII o Banco de Estocolmo emitiu pela primeira vez notas de
banco cujo valor era superior à quantidade de ouro retida nos seus
cofres. Surgiram assim, as primeiras emissões de moeda de papel a
descoberto, ou seja, sem igual contrapartida de ouro retido nos cofres
do banco. O valor do ouro depositado correspondia apenas a uma
parte do valor das notas emitidas. Este tipo de moeda é designado por
moeda fiduciária por se basear na confiança que os clientes
depositam nos bancos.
•Esta situação tornava-se arriscada para os depositantes,
na medida em que os bancos encontravam-se
incapacitados de reembolsar em ouro, em simultâneo,
todos os seus clientes.
•- No sentido de ultrapassar o problema, e já no século
XIX, os governos vão intervir no mecanismo de emissão
de moeda, confiando esta função apenas aos bancos
emissores por si controlados.
•Esta medida é acompanhada pela decisão de inconvertibilidade das
notas de banco em ouro, cabendo aos governos estabelecer o
valor da moeda-papel emitida, podendo este valor coincidir ou não
como valor do ouro depositado no banco emissor.
•O Estado impôs o curso forçado às notas, dispensando o banco da sua
conversão. É o aparecimento do papel-moeda, que é actualmente o
tipo de moeda de papel em circulação.
Moeda representativa;

Moeda fiduciária;

Papel-moeda.
•Esta moeda resulta dos depósitos feitos pelos
particulares e pelas empresas nos bancos e traduz-
se nas movimentações de valores monetários feitas
pelos bancos por simples jogos de escrita nas
contas dos seus clientes. A moeda - escritural
resulta, assim, da circulação dos depósitos à
ordem.
•Actualmente, a circulação das quantias
depositadas nas contas à ordem dos clientes dos
bancos é processada por computador e
movimentam-se através dos seguintes
instrumentos: cheques, transferências bancárias,
cartões de débito, cartões de crédito, etc.
•A moeda-escritural tem-se
desenvolvido em todo o
mundo, intervindo na maior
parte dos pagamentos
efectuados, dadas as suas
enormes vantagens ao nível
da divisibilidade,
conservação e transporte.
•Resulta da utilização de cartões
informatizados em máquinas postas
pelos bancos á disposição dos seus
clientes em vários locais, dentro e
fora das suas instalações, como seja
na rua, nos centros comerciais, etc.
Deste modo, o possuidor de um
desses cartões, Cartão Multibanco,
poderá em qualquer dia e hora ter

acesso á sua conta bancária.
•Resulta de ordens dadas por computador
entre agentes económicos.
•De facto , muitas empresas dão ordens de
pagamento aos sues bancos por via
informática, já que dispõem, nas suas
instalações, um terminal num computador
que as liga directamente á sua entidade
bancária.
•Assim, através de instruções
informatizadas, os negócios efectuam-se de
forma rápida e eficaz .
A moeda desempenha em simultâneo várias

                funções:

         1. Meio de pagamento;

 2. Unidade de conta ou medida de valor;

          3. Reserva de valor.
•A função central do dinheiro é a de servir como
meio de troca. Sem dinheiro estaríamos
constantemente a procura de alguém para uma
troca directa. A moeda e então um meio de
pagamento, pois sendo aceite por todos, é
utilizada na aquisição de todos os bens.
•O dinheiro também é usado como unidade de
conta, a unidade com que medimos o valor das
coisas. Tal como medimos o peso em
quilogramas, medimos o valor em dinheiro, o
seu preço. O uso de uma unidade de conta
comum simplifica imenso a vida económica.
•O dinheiro é por vezes usado como reserva de valor. Em
comparação com activos com risco, como acções, imóveis ou
ouro, o dinheiro é relativamente seguro. Antigamente, as
pessoas possuíam numerário como uma forma segura de
riqueza. Actualmente, quando as pessoas procuram um lugar
seguro para a sua riqueza, esta é detida predominantemente
na forma de activos não monetárias, como depósitos de
poupança, acções, obrigações e imóveis.
•A moeda não é o único activo a desempenhar esta função;
•O ouro, as acções, as obras de arte e mesmo os imóveis
também são reservas de valor. A grande diferença entre a moeda
e as outras reservas de valor está na sua mobilização imediata do
poder de compra (maior liquidez), enquanto os outros activos
têm de ser transformados em moeda antes de serem trocados
por outro bem.
•Da moeda mercadoria até aos nossos dias desenvolveu-se
um longo processo de desmaterialização da moeda. Isto é, a
moeda foi perdendo o seu conteúdo material, pois passou a
ser formada por pedaços de papel impressos, legalizados pelo
Banco Central (papel-moeda) e, mais recentemente, por
meros registos contabilísticos, efectuados pelos bancos, da
circulação dos depósitos (moeda escritural), não tendo a
moeda já nenhuma realidade material.
•O incremento das trocas e o desenvolvimento da
actividade económica são responsáveis pelo
progressivo recurso à moeda escritural, que torna o
processo de transacção fácil e mais rápido.
•Actualmente, enormes quantias circulam entre
contas bancárias no mesmo país, ou entre países,
através de meios electrónicos, o que constitui mais
um passo no processo de desmaterialização da
moeda – grande parte das transacções actuais são
efectuadas através da movimentação contabilística
dos depósitos por via informática.
Historia e evolução da moeda

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Economia A 10º Distribuição e Moeda
Economia A 10º Distribuição e MoedaEconomia A 10º Distribuição e Moeda
Economia A 10º Distribuição e Moeda
Eduardo Costa
 
A evolução da moeda
A evolução da moedaA evolução da moeda
A evolução da moeda
Ines Soares
 
A moeda em portugal ao longo da história
A moeda em portugal ao longo da históriaA moeda em portugal ao longo da história
A moeda em portugal ao longo da história
turmainformaticadegestao
 
O que é a moeda
O que é a moedaO que é a moeda
O que é a moeda
turmainformaticadegestao
 
Comércio internacional
Comércio internacionalComércio internacional
Comércio internacional
Rosária Zamith
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
Gonçalo Paiva
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
O papel das organizações internacionais
O papel das organizações internacionaisO papel das organizações internacionais
O papel das organizações internacionais
Bruno Rafael Tavares Sousa
 
Tipos de Comércio
Tipos de ComércioTipos de Comércio
Relatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porcoRelatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porco
Maria Freitas
 
Geo desenvolvimento sustentável
Geo desenvolvimento sustentávelGeo desenvolvimento sustentável
Geo desenvolvimento sustentável
PedroFrancisco84
 
Economia11ano (1)
Economia11ano (1)Economia11ano (1)
Economia11ano (1)
SILVESTRE098
 
Padrões de consumo
Padrões de consumoPadrões de consumo
Padrões de consumo
EconomicSintese
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Cultura
CulturaCultura
Violência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito DesportivoViolência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito Desportivo
713773
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
Maria Gomes
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
Carla Freitas
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
Gijasilvelitz 2
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
Rosária Zamith
 

Mais procurados (20)

Economia A 10º Distribuição e Moeda
Economia A 10º Distribuição e MoedaEconomia A 10º Distribuição e Moeda
Economia A 10º Distribuição e Moeda
 
A evolução da moeda
A evolução da moedaA evolução da moeda
A evolução da moeda
 
A moeda em portugal ao longo da história
A moeda em portugal ao longo da históriaA moeda em portugal ao longo da história
A moeda em portugal ao longo da história
 
O que é a moeda
O que é a moedaO que é a moeda
O que é a moeda
 
Comércio internacional
Comércio internacionalComércio internacional
Comércio internacional
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
O papel das organizações internacionais
O papel das organizações internacionaisO papel das organizações internacionais
O papel das organizações internacionais
 
Tipos de Comércio
Tipos de ComércioTipos de Comércio
Tipos de Comércio
 
Relatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porcoRelatório dissecação do coração de porco
Relatório dissecação do coração de porco
 
Geo desenvolvimento sustentável
Geo desenvolvimento sustentávelGeo desenvolvimento sustentável
Geo desenvolvimento sustentável
 
Economia11ano (1)
Economia11ano (1)Economia11ano (1)
Economia11ano (1)
 
Padrões de consumo
Padrões de consumoPadrões de consumo
Padrões de consumo
 
Escravatura
EscravaturaEscravatura
Escravatura
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Violência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito DesportivoViolência VS. Espírito Desportivo
Violência VS. Espírito Desportivo
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)Contrastes de desenvolvimento (...)
Contrastes de desenvolvimento (...)
 

Semelhante a Historia e evolução da moeda

Moeda e inflação
Moeda e inflaçãoMoeda e inflação
Moeda e inflação
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Cap 10 11_vasconcelos_resumo
Cap 10 11_vasconcelos_resumoCap 10 11_vasconcelos_resumo
Cap 10 11_vasconcelos_resumo
Luiz Fernando Santos
 
Economia aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Economia   aula 6 - a moeda e o sistema bancárioEconomia   aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Economia aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Felipe Leo
 
Tema 5 Apresentação - Inflação e indice IHPC
Tema 5 Apresentação - Inflação e indice IHPCTema 5 Apresentação - Inflação e indice IHPC
Tema 5 Apresentação - Inflação e indice IHPC
ssuser7bf558
 
Eco8
Eco8Eco8
Moeda inesoares
Moeda   inesoaresMoeda   inesoares
Moeda inesoares
Ines Soares
 
A história da moeda
A história da moedaA história da moeda
A história da moeda
turmainformaticadegestao
 
Moeda e preço.pptx
Moeda e preço.pptxMoeda e preço.pptx
Moeda e preço.pptx
DanielQuintas4
 
A história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soaresA história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soares
turmaec11a
 
A história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soaresA história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soares
turmaec11a
 
Ec 25.05 feito
Ec 25.05 feitoEc 25.05 feito
Ec 25.05 feito
marinamolopes
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
Wandick Rocha de Aquino
 
Economia monetária como um instrumento específico para análise de fontes de i...
Economia monetária como um instrumento específico para análise de fontes de i...Economia monetária como um instrumento específico para análise de fontes de i...
Economia monetária como um instrumento específico para análise de fontes de i...
Universidade Pedagogica
 
História da moeda
História da moedaHistória da moeda
História da moeda
turmainformaticadegestao
 
Economia
EconomiaEconomia
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
darcy arruda
 
Aula v moeda
Aula v moedaAula v moeda
Aula v moeda
Agassis Rodrigues
 
Voc 3 a bruna
Voc 3 a brunaVoc 3 a bruna
Voc 3 a bruna
turmavocacional
 
Aula12 macro economia monetária
Aula12   macro economia monetáriaAula12   macro economia monetária
Aula12 macro economia monetária
Vanessa Alves
 
Modern Money Mechanics - Traduzido Português
Modern Money Mechanics - Traduzido PortuguêsModern Money Mechanics - Traduzido Português
Modern Money Mechanics - Traduzido Português
Equipe MMM Brasil
 

Semelhante a Historia e evolução da moeda (20)

Moeda e inflação
Moeda e inflaçãoMoeda e inflação
Moeda e inflação
 
Cap 10 11_vasconcelos_resumo
Cap 10 11_vasconcelos_resumoCap 10 11_vasconcelos_resumo
Cap 10 11_vasconcelos_resumo
 
Economia aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Economia   aula 6 - a moeda e o sistema bancárioEconomia   aula 6 - a moeda e o sistema bancário
Economia aula 6 - a moeda e o sistema bancário
 
Tema 5 Apresentação - Inflação e indice IHPC
Tema 5 Apresentação - Inflação e indice IHPCTema 5 Apresentação - Inflação e indice IHPC
Tema 5 Apresentação - Inflação e indice IHPC
 
Eco8
Eco8Eco8
Eco8
 
Moeda inesoares
Moeda   inesoaresMoeda   inesoares
Moeda inesoares
 
A história da moeda
A história da moedaA história da moeda
A história da moeda
 
Moeda e preço.pptx
Moeda e preço.pptxMoeda e preço.pptx
Moeda e preço.pptx
 
A história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soaresA história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soares
 
A história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soaresA história da moeda paulo soares
A história da moeda paulo soares
 
Ec 25.05 feito
Ec 25.05 feitoEc 25.05 feito
Ec 25.05 feito
 
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 1 e 2
 
Economia monetária como um instrumento específico para análise de fontes de i...
Economia monetária como um instrumento específico para análise de fontes de i...Economia monetária como um instrumento específico para análise de fontes de i...
Economia monetária como um instrumento específico para análise de fontes de i...
 
História da moeda
História da moedaHistória da moeda
História da moeda
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula v moeda
Aula v moedaAula v moeda
Aula v moeda
 
Voc 3 a bruna
Voc 3 a brunaVoc 3 a bruna
Voc 3 a bruna
 
Aula12 macro economia monetária
Aula12   macro economia monetáriaAula12   macro economia monetária
Aula12 macro economia monetária
 
Modern Money Mechanics - Traduzido Português
Modern Money Mechanics - Traduzido PortuguêsModern Money Mechanics - Traduzido Português
Modern Money Mechanics - Traduzido Português
 

Mais de Sara Gonçalves

Violência
ViolênciaViolência
Violência
Sara Gonçalves
 
áCidos e bases
áCidos e basesáCidos e bases
áCidos e bases
Sara Gonçalves
 
Pontos de interesse viseu antigo
Pontos de interesse viseu antigoPontos de interesse viseu antigo
Pontos de interesse viseu antigo
Sara Gonçalves
 
Leis de murphy
Leis de murphyLeis de murphy
Leis de murphy
Sara Gonçalves
 
Diferenças entre português de portugal
Diferenças entre português de portugalDiferenças entre português de portugal
Diferenças entre português de portugal
Sara Gonçalves
 
Go!animate
Go!animateGo!animate
Go!animate
Sara Gonçalves
 
Conto a Saga 2
Conto a Saga 2Conto a Saga 2
Conto a Saga 2
Sara Gonçalves
 
London Bridge
London BridgeLondon Bridge
London Bridge
Sara Gonçalves
 
Paises da Uniao Europeia
Paises da Uniao EuropeiaPaises da Uniao Europeia
Paises da Uniao Europeia
Sara Gonçalves
 
Reducao de custos e motivacao dos colaboradores
Reducao de custos e motivacao dos colaboradoresReducao de custos e motivacao dos colaboradores
Reducao de custos e motivacao dos colaboradores
Sara Gonçalves
 
A Importante funcao de uma secretaria
A Importante funcao de uma secretaria A Importante funcao de uma secretaria
A Importante funcao de uma secretaria
Sara Gonçalves
 
Reciclagem de Computadores
Reciclagem de ComputadoresReciclagem de Computadores
Reciclagem de Computadores
Sara Gonçalves
 
Biografia sophia melo breyner andresen
Biografia sophia melo breyner andresenBiografia sophia melo breyner andresen
Biografia sophia melo breyner andresen
Sara Gonçalves
 
Varios tipos de clientes
Varios tipos de clientesVarios tipos de clientes
Varios tipos de clientes
Sara Gonçalves
 
Servico Pós Venda
Servico Pós VendaServico Pós Venda
Servico Pós Venda
Sara Gonçalves
 
Gays Lesbicas e afins
Gays Lesbicas e afinsGays Lesbicas e afins
Gays Lesbicas e afins
Sara Gonçalves
 
Lince Iberico
Lince IbericoLince Iberico
Lince Iberico
Sara Gonçalves
 
Cegonha preta
Cegonha pretaCegonha preta
Cegonha preta
Sara Gonçalves
 
Redes sociais atividades economicas
Redes sociais   atividades economicasRedes sociais   atividades economicas
Redes sociais atividades economicas
Sara Gonçalves
 
Setores de Atividade
Setores de AtividadeSetores de Atividade
Setores de Atividade
Sara Gonçalves
 

Mais de Sara Gonçalves (20)

Violência
ViolênciaViolência
Violência
 
áCidos e bases
áCidos e basesáCidos e bases
áCidos e bases
 
Pontos de interesse viseu antigo
Pontos de interesse viseu antigoPontos de interesse viseu antigo
Pontos de interesse viseu antigo
 
Leis de murphy
Leis de murphyLeis de murphy
Leis de murphy
 
Diferenças entre português de portugal
Diferenças entre português de portugalDiferenças entre português de portugal
Diferenças entre português de portugal
 
Go!animate
Go!animateGo!animate
Go!animate
 
Conto a Saga 2
Conto a Saga 2Conto a Saga 2
Conto a Saga 2
 
London Bridge
London BridgeLondon Bridge
London Bridge
 
Paises da Uniao Europeia
Paises da Uniao EuropeiaPaises da Uniao Europeia
Paises da Uniao Europeia
 
Reducao de custos e motivacao dos colaboradores
Reducao de custos e motivacao dos colaboradoresReducao de custos e motivacao dos colaboradores
Reducao de custos e motivacao dos colaboradores
 
A Importante funcao de uma secretaria
A Importante funcao de uma secretaria A Importante funcao de uma secretaria
A Importante funcao de uma secretaria
 
Reciclagem de Computadores
Reciclagem de ComputadoresReciclagem de Computadores
Reciclagem de Computadores
 
Biografia sophia melo breyner andresen
Biografia sophia melo breyner andresenBiografia sophia melo breyner andresen
Biografia sophia melo breyner andresen
 
Varios tipos de clientes
Varios tipos de clientesVarios tipos de clientes
Varios tipos de clientes
 
Servico Pós Venda
Servico Pós VendaServico Pós Venda
Servico Pós Venda
 
Gays Lesbicas e afins
Gays Lesbicas e afinsGays Lesbicas e afins
Gays Lesbicas e afins
 
Lince Iberico
Lince IbericoLince Iberico
Lince Iberico
 
Cegonha preta
Cegonha pretaCegonha preta
Cegonha preta
 
Redes sociais atividades economicas
Redes sociais   atividades economicasRedes sociais   atividades economicas
Redes sociais atividades economicas
 
Setores de Atividade
Setores de AtividadeSetores de Atividade
Setores de Atividade
 

Historia e evolução da moeda

  • 1. História e Evolução da Moeda Actividades Económicas
  • 2. •A moeda é a unidade representativa de valor, aceita como instrumento de troca. É hoje parte integrante da sociedade, controla, interage e participa dela, independentemente da cultura. O desenvolvimento e a ampliação das bases comerciais fizeram do dinheiro uma necessidade. Sejam quais forem os meios de troca, sempre se tenta basear em um valor qualquer para avaliar outro.
  • 3. •Em épocas de escassez de meio circulante, a sociedade procura formas de contornar o problema (dinheiro de emergência), o importante é não perder o poder de troca e compra. Podem substituir o dinheiro governamental: cupons, passes, recibos, cheques, vales, notas comerciais entre outros.
  • 4. • O sedentarismo veio possibilitar a melhoria dos instrumentos de trabalho e o aumento da produtividade; •O aumento da produtividade originou o aparecimento de excedente económico (diferença entre o que se produz e o que se consome); •O aparecimento do excedente económico provocou e dinamizou o sistema de trocas. No início as trocas eram directas, isto é, trocavam-se produtos por produtos.
  • 5. •Dificuldade que cada pessoa sentia em encontrar outra interessada na troca de determinados produtos; •O facto das pessoas atribuírem valores diferentes aos produtos, por vezes não fraccionáveis, não permitia o acordo quanto à transacção a efectuar; •Peso dos produtos a transportar por vezes era difícil; •Também , a sua validade, tinha-se de trocar quando se tinha em excesso e do tempo dos produtos da sua época;
  • 6. •Chama-se troca indirecta quando se •Chama-se Troca directa quando, se troca , por exemplo , uma boa troca-se, por exemplo 1Kg de alimentação por dinheiro e visse cenouras por um 1Kg de Maças e versa . Esta troca é a mais usada hoje visse versa. em dia.
  • 7. •Os obstáculos que se coloram à troca directa acabaram por ser ultrapassados quando a moeda passou na ser utilizada como intermediária nas trocas. •As trocas passaram então, a ser feitas em duas fases: numa primeira fase, o produtor troca o resultado da sua actividade por moeda e, numa segunda fase, troca a moeda pelo produto que pretende adquirir – é a chamada troca indirecta.
  • 8. •A introdução da moeda no acto da troca veio permitir o incremento da actividade comercial e da actividade produtiva, bem como do consumo. •A moeda pode ser definida como um bem de aceitação generalizada que se utiliza como intermediário nas trocas.
  • 9. A moeda ao longo da História evoluiu aparecendo sob diferentes formas: •Moeda - mercadoria •Moeda metálica •Moeda - papel •Moeda escritural
  • 10. •Nas sociedades primitivas muitos foram os bens utilizados como moeda: gado; cereais; sal , conchas; búzios; peixes, etc. •Cada sociedade adoptava como moeda os bens relacionados com a sua actividade principal. •Assim, os pescadores utilizavam, como moeda, conchas, peixes ou sal; os pastores, o gado; os agricultores os cereais, etc. era a moeda - mercadoria.
  • 11. •Como a moeda mercadoria apresentava várias desvantagens visto que: o gado não era divisível, tal facto dificultava as trocas de menor valor, o peixe estragava-se e o sal não era duradouro porque sofria com a humidade. •Para superar estes inconvenientes foi-se generalizando , a utilização de metais como moeda.
  • 13. •Com os Descobrimentos houve um grande incremento da actividade comercial, o que originou o transporte de grandes quantidades de moeda, tarefa difícil e perigosa. Para resolver este problema os cambistas e os ourives ao receberem as moedas guardavam-nas e emitiam os respectivos certificados de depósito ou letras de câmbio, de fácil transporte, originando o aparecimento do papel-moeda.
  • 14. •A moeda - papel, constituída por notas de banco, foi assumindo diferentes espécies em função em função do grau de vinculação à moeda metálica. •A moeda - papel, constituída por notas de banco, começou por ser moeda representativa, pois à quantidade de notas em circulação equivalia igual valor de ouro ou prata retido nos cofres dos bancos. •No final do séc. XVII, esta nova forma de moeda já se tinha generalizado em toda a Europa
  • 15. •No séc. XVIII o Banco de Estocolmo emitiu pela primeira vez notas de banco cujo valor era superior à quantidade de ouro retida nos seus cofres. Surgiram assim, as primeiras emissões de moeda de papel a descoberto, ou seja, sem igual contrapartida de ouro retido nos cofres do banco. O valor do ouro depositado correspondia apenas a uma parte do valor das notas emitidas. Este tipo de moeda é designado por moeda fiduciária por se basear na confiança que os clientes depositam nos bancos.
  • 16. •Esta situação tornava-se arriscada para os depositantes, na medida em que os bancos encontravam-se incapacitados de reembolsar em ouro, em simultâneo, todos os seus clientes. •- No sentido de ultrapassar o problema, e já no século XIX, os governos vão intervir no mecanismo de emissão de moeda, confiando esta função apenas aos bancos emissores por si controlados.
  • 17. •Esta medida é acompanhada pela decisão de inconvertibilidade das notas de banco em ouro, cabendo aos governos estabelecer o valor da moeda-papel emitida, podendo este valor coincidir ou não como valor do ouro depositado no banco emissor. •O Estado impôs o curso forçado às notas, dispensando o banco da sua conversão. É o aparecimento do papel-moeda, que é actualmente o tipo de moeda de papel em circulação.
  • 19. •Esta moeda resulta dos depósitos feitos pelos particulares e pelas empresas nos bancos e traduz- se nas movimentações de valores monetários feitas pelos bancos por simples jogos de escrita nas contas dos seus clientes. A moeda - escritural resulta, assim, da circulação dos depósitos à ordem.
  • 20. •Actualmente, a circulação das quantias depositadas nas contas à ordem dos clientes dos bancos é processada por computador e movimentam-se através dos seguintes instrumentos: cheques, transferências bancárias, cartões de débito, cartões de crédito, etc.
  • 21. •A moeda-escritural tem-se desenvolvido em todo o mundo, intervindo na maior parte dos pagamentos efectuados, dadas as suas enormes vantagens ao nível da divisibilidade, conservação e transporte.
  • 22. •Resulta da utilização de cartões informatizados em máquinas postas pelos bancos á disposição dos seus clientes em vários locais, dentro e fora das suas instalações, como seja na rua, nos centros comerciais, etc. Deste modo, o possuidor de um desses cartões, Cartão Multibanco, poderá em qualquer dia e hora ter acesso á sua conta bancária.
  • 23. •Resulta de ordens dadas por computador entre agentes económicos. •De facto , muitas empresas dão ordens de pagamento aos sues bancos por via informática, já que dispõem, nas suas instalações, um terminal num computador que as liga directamente á sua entidade bancária. •Assim, através de instruções informatizadas, os negócios efectuam-se de forma rápida e eficaz .
  • 24. A moeda desempenha em simultâneo várias funções: 1. Meio de pagamento; 2. Unidade de conta ou medida de valor; 3. Reserva de valor.
  • 25. •A função central do dinheiro é a de servir como meio de troca. Sem dinheiro estaríamos constantemente a procura de alguém para uma troca directa. A moeda e então um meio de pagamento, pois sendo aceite por todos, é utilizada na aquisição de todos os bens.
  • 26. •O dinheiro também é usado como unidade de conta, a unidade com que medimos o valor das coisas. Tal como medimos o peso em quilogramas, medimos o valor em dinheiro, o seu preço. O uso de uma unidade de conta comum simplifica imenso a vida económica.
  • 27. •O dinheiro é por vezes usado como reserva de valor. Em comparação com activos com risco, como acções, imóveis ou ouro, o dinheiro é relativamente seguro. Antigamente, as pessoas possuíam numerário como uma forma segura de riqueza. Actualmente, quando as pessoas procuram um lugar seguro para a sua riqueza, esta é detida predominantemente na forma de activos não monetárias, como depósitos de poupança, acções, obrigações e imóveis.
  • 28. •A moeda não é o único activo a desempenhar esta função; •O ouro, as acções, as obras de arte e mesmo os imóveis também são reservas de valor. A grande diferença entre a moeda e as outras reservas de valor está na sua mobilização imediata do poder de compra (maior liquidez), enquanto os outros activos têm de ser transformados em moeda antes de serem trocados por outro bem.
  • 29. •Da moeda mercadoria até aos nossos dias desenvolveu-se um longo processo de desmaterialização da moeda. Isto é, a moeda foi perdendo o seu conteúdo material, pois passou a ser formada por pedaços de papel impressos, legalizados pelo Banco Central (papel-moeda) e, mais recentemente, por meros registos contabilísticos, efectuados pelos bancos, da circulação dos depósitos (moeda escritural), não tendo a moeda já nenhuma realidade material.
  • 30. •O incremento das trocas e o desenvolvimento da actividade económica são responsáveis pelo progressivo recurso à moeda escritural, que torna o processo de transacção fácil e mais rápido.
  • 31. •Actualmente, enormes quantias circulam entre contas bancárias no mesmo país, ou entre países, através de meios electrónicos, o que constitui mais um passo no processo de desmaterialização da moeda – grande parte das transacções actuais são efectuadas através da movimentação contabilística dos depósitos por via informática.