SlideShare uma empresa Scribd logo
SARAMPO O PAPEL DO PEDIATRA NO CONTROLE DE SURTOS DOENÇAS EXANTEMÁTICAS CONSUELO OLIVEIRA IEC / SVS / MS
SARAMPO SARAMPO
Sarampo - Histórico 1968  –   Implantação da Vacina contra o Sarampo em SP e RJ  ( caráter   experimental ) ; 1974 –  Implantação da Vacina contra o Sarampo 8 m     ( SP  /  RJ) 1976 –  7 meses a 3 anos( Portaria nº 452); 1982 –  9 m (idade mínima)  Vacina contra o Sarampo 1982 –  Início da notificação universal;
1987 –  Introdução da 2ª dose  a  partir de 18 m ; 1992  -  Pr imeira Campanha Nacional de      Vacinação   contra o   Sarampo; 1995 –  Primeira Campanha de Seguimento; 1996 –  Tríplice Viral  -  1 ano; 2003 –  O MS suprimiu a dose  aos  9 m  Vacina Tríplice Viral  aos  12 meses; 2004  –   Campanha Nacional de Seguimento. Sarampo - Histórico
Sarampo: Estratégias de controle e incidência anual - Brasil, 1967 – 2004* *Dados preliminares Fonte: COVER/CGVEP/CENEPI Introdução da Vacina Notificação Compulsória Programa Nacional de Imunização Intensificação nas Grandes Cidades Campanhas Estaduais Plano de Eliminação do Sarampo 1ª Campanha Nacional  1ª Campanha de Seguimento 2ª Campanha de Seguimento 1986 3ª Campanha de Seguimento
 
Incidência de Sarampo e  Cobertura Vacinal, Brasil,1980 - 2004* Fonte: Secretaria de Vigilância em Saúde/MS/Brasil * Dados preliminares *1980 - 2001 <1ano 2002 -  TV  1 ano
INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA     CASO SUSPEITO SARAMPO   ( febre, exantema  acompanhadode tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independente da idade ou estado vacinal)      Notificar - Sec Municipal Saúde            Investigar 48h   Coletar sangue  Vacinação bloqueio
INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA     CASO SUSPEITO RUBÉOLA   ( febre, exantema maculo papular  acompanhado de  linfadenopatia retroauricular,occipital, cervical, independente da idade ou estado vacinal)      Notificar - Sec Municipal Saúde            Investigar 48h   Coletar sangue  Vacinação bloqueio
INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA     CASO CONFIRMADO RUBÉOLA CRITÉRIO LABORATORIAL  CRITÉRIO EPIDEMIOLÓGICO    CRITÉRIO CLÍNICO
INVESTIGAÇÃO E CONTROLE DE    SURTO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
SARAMPO RUBÉOLA
Histórico - Rubéola ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
Casos Confirmados de Rubéola,  Brasil, 1993 - 2004* Fonte: Secretaria de Vigilância em Saúde/MS/ Brasil *Dados preliminares
Casos Confirmados de Rubéola por semana epidemiológica, Brasil, 2000 - 2004* Fonte: COVERCGDT/DEVEP/SVS/MS *Dados preliminares 2000 2001 2002 2003 2004
Incidência de Rubéola por Faixa Etária  Brasil, 1999-2004* Fonte: Secretaria de Vigilância em Saúde/MS/ Brasil *Dados Preliminares
[object Object],[object Object],Erradicação do Sarampo, Controle do Rubéola e Eliminação da Síndrome da Rubéola Congênita (SRC)  no Brasil Estratégias de vacinação:  Vacinação de rotina Campanhas de seguimento Bloqueio vacinal Fortalecimento da vigilância das Doenças Exantemáticas: Notificação Imediata pelo Pediatra Investigação imediata pela vigilância  Epidemiológica Local Coleta de sangue
SARAMPO PARVOVIROSES
PARVOVIROSES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PARVOVIROSES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PARVOVIROSES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PARVOVIROSES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PARVOVIROSES
Funcionamento Unidade de Saúde (pediatra) Outras Fontes privadas (pediatras) Hospitais (pediatras) Secretaria de Estado de Saúde Município Regional de Saúde Secretaria Municipal de Saúde Estado SVS Nacional NOTIFICA
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças exantematicas na infancia
Doenças exantematicas na infanciaDoenças exantematicas na infancia
Doenças exantematicas na infancia
Leonardo Savassi
 
1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas
Luciano Rodrigues
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
fergwen
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãofergwen
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Escarlatina aula
Escarlatina aulaEscarlatina aula
Escarlatina aula
José Victor Rabelo
 
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatriaDoenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Gabriel Jefferson Oliveira
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
Karine Soares
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
Renan Matos
 
Coqueluxe remergência
Coqueluxe remergênciaCoqueluxe remergência
Coqueluxe remergência
Sidnei Rodrigues de Faria
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
Marcos Moraes
 
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do SarampoEpidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Débora Belniak
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
salgadokk
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
blogped1
 
O Sarampo
O SarampoO Sarampo
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
IVORASSWEILER
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
Rúben Freitas
 

Mais procurados (19)

Doenças exantematicas na infancia
Doenças exantematicas na infanciaDoenças exantematicas na infancia
Doenças exantematicas na infancia
 
1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas1º curso de doenças exantemáticas
1º curso de doenças exantemáticas
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Doenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentaçãoDoenças contagiosas na infância apresentação
Doenças contagiosas na infância apresentação
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Escarlatina aula
Escarlatina aulaEscarlatina aula
Escarlatina aula
 
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatriaDoenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatria
 
Cachumba
CachumbaCachumba
Cachumba
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Coqueluxe remergência
Coqueluxe remergênciaCoqueluxe remergência
Coqueluxe remergência
 
Rubéola
RubéolaRubéola
Rubéola
 
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do SarampoEpidemiologia da Rubéola e do Sarampo
Epidemiologia da Rubéola e do Sarampo
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
 
O Sarampo
O SarampoO Sarampo
O Sarampo
 
Caxumba
CaxumbaCaxumba
Caxumba
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 

Destaque

Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Professor Robson
 
Doenças exantemáticas e dermatites na escola
Doenças exantemáticas e dermatites na escolaDoenças exantemáticas e dermatites na escola
Doenças exantemáticas e dermatites na escola
Thiago Augusto Maciel
 
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
I.Braz Slideshares
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
Cândida Mirna
 
AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR E DA TRABALHAD...
AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA  EM SAÚDE    DO TRABALHADOR E DA TRABALHAD...AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA  EM SAÚDE    DO TRABALHADOR E DA TRABALHAD...
AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR E DA TRABALHAD...
Raimunda Ray Almeida
 
Manual do Sinan
Manual do SinanManual do Sinan
Manual do Sinan
Tâmara Lessa
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
Auggoustt Eddson Jose
 
Epistaxe
Epistaxe Epistaxe
Epistaxe
Diego Carvalho
 
Sarampo.
Sarampo.Sarampo.
Sarampo.
David Samerson
 
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
jaddy xavier
 
PROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
PROGRAMA: SAÚDE INFANTILPROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
PROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
sandranascimento
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Willianab12
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
Gabriela Bruno
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
Rodrigo Abreu
 
Fraturas de 13 médio da face
Fraturas de 13 médio da faceFraturas de 13 médio da face
Fraturas de 13 médio da face
Claudio Fleig
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
Centro Universitário Ages
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Silmara da Rocha Moura
 
10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
danilo oliveira
 
Sarampo
SarampoSarampo
Epistaxis
EpistaxisEpistaxis

Destaque (20)

Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. RobsonFluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
Fluxograma para diagnóstico das doenças exantemáticas na infância - Prof. Robson
 
Doenças exantemáticas e dermatites na escola
Doenças exantemáticas e dermatites na escolaDoenças exantemáticas e dermatites na escola
Doenças exantemáticas e dermatites na escola
 
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil -  Sintomas de Doença
U. 21 - Cuidados na Saúde Infantil - Sintomas de Doença
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
 
AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR E DA TRABALHAD...
AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA  EM SAÚDE    DO TRABALHADOR E DA TRABALHAD...AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA  EM SAÚDE    DO TRABALHADOR E DA TRABALHAD...
AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR E DA TRABALHAD...
 
Manual do Sinan
Manual do SinanManual do Sinan
Manual do Sinan
 
Sarampo parasitologia
Sarampo parasitologiaSarampo parasitologia
Sarampo parasitologia
 
Epistaxe
Epistaxe Epistaxe
Epistaxe
 
Sarampo.
Sarampo.Sarampo.
Sarampo.
 
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
Otorrinolaringologia ( perfuração de ouvido , corpo estranho e epistaxe)
 
PROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
PROGRAMA: SAÚDE INFANTILPROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
PROGRAMA: SAÚDE INFANTIL
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Sarampo
Sarampo Sarampo
Sarampo
 
Doenças prevalentes
Doenças prevalentesDoenças prevalentes
Doenças prevalentes
 
Fraturas de 13 médio da face
Fraturas de 13 médio da faceFraturas de 13 médio da face
Fraturas de 13 médio da face
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Epistaxis
EpistaxisEpistaxis
Epistaxis
 

Semelhante a Doenças exantemáticas

Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pptx
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pptxWebpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pptx
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pptx
ShesterDamaceno1
 
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pdf
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pdfWebpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pdf
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pdf
adauto18
 
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
Centro Universitário Ages
 
Boletim sobre a microcefalia
Boletim sobre a microcefaliaBoletim sobre a microcefalia
Boletim sobre a microcefalia
André Luis Bento
 
Apresentacaomicrocefaliafinal24 151126134729-lva1-app6891
Apresentacaomicrocefaliafinal24 151126134729-lva1-app6891Apresentacaomicrocefaliafinal24 151126134729-lva1-app6891
Apresentacaomicrocefaliafinal24 151126134729-lva1-app6891
Rene Diana
 
Pediatria SARAMPO
Pediatria SARAMPOPediatria SARAMPO
Pediatria SARAMPO
CarolinaMarchettiMor
 
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.pptFEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
AtualizeSade
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
JssicaBizinoto
 
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PECT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Aula 03 dr. eduardo jorge- imunização na mulher
Aula 03   dr. eduardo jorge- imunização na mulherAula 03   dr. eduardo jorge- imunização na mulher
Aula 03 dr. eduardo jorge- imunização na mulher
itgfiles
 
Imunização infantil
Imunização infantil Imunização infantil
Imunização infantil
Dandara Baptista
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
medtubebrasil
 
Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017
Mgfamiliar Net
 
Programa vacinação SNS
Programa vacinação SNSPrograma vacinação SNS
Programa vacinação SNS
Licínia Simões
 
Vacinas COVID-19 em Gestantes, Puérperas e Lactantes
Vacinas COVID-19 em Gestantes, Puérperas e LactantesVacinas COVID-19 em Gestantes, Puérperas e Lactantes
vacinacao-pdf.pdf
vacinacao-pdf.pdfvacinacao-pdf.pdf
vacinacao-pdf.pdf
AnieliBia1
 
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação
 
Eventos de massa | Peste
Eventos de massa | PesteEventos de massa | Peste
Emergência do Zika vírus no Brasil
Emergência do Zika vírus no BrasilEmergência do Zika vírus no Brasil
Emergência do Zika vírus no Brasil
Portal da Inovação em Saúde
 
Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?
Luiz Jorge Mendonça
 

Semelhante a Doenças exantemáticas (20)

Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pptx
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pptxWebpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pptx
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pptx
 
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pdf
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pdfWebpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pdf
Webpalestra_VacinaçãoAtençãoPrimária.pdf
 
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA E ASSISTÊNCIA DE CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE ...
 
Boletim sobre a microcefalia
Boletim sobre a microcefaliaBoletim sobre a microcefalia
Boletim sobre a microcefalia
 
Apresentacaomicrocefaliafinal24 151126134729-lva1-app6891
Apresentacaomicrocefaliafinal24 151126134729-lva1-app6891Apresentacaomicrocefaliafinal24 151126134729-lva1-app6891
Apresentacaomicrocefaliafinal24 151126134729-lva1-app6891
 
Pediatria SARAMPO
Pediatria SARAMPOPediatria SARAMPO
Pediatria SARAMPO
 
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.pptFEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
 
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PECT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
CT Epidemiologia - 21.03.16 - MICROCEFALIAS: SES/PE
 
Aula 03 dr. eduardo jorge- imunização na mulher
Aula 03   dr. eduardo jorge- imunização na mulherAula 03   dr. eduardo jorge- imunização na mulher
Aula 03 dr. eduardo jorge- imunização na mulher
 
Imunização infantil
Imunização infantil Imunização infantil
Imunização infantil
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017
 
Programa vacinação SNS
Programa vacinação SNSPrograma vacinação SNS
Programa vacinação SNS
 
Vacinas COVID-19 em Gestantes, Puérperas e Lactantes
Vacinas COVID-19 em Gestantes, Puérperas e LactantesVacinas COVID-19 em Gestantes, Puérperas e Lactantes
Vacinas COVID-19 em Gestantes, Puérperas e Lactantes
 
vacinacao-pdf.pdf
vacinacao-pdf.pdfvacinacao-pdf.pdf
vacinacao-pdf.pdf
 
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
Atualizações no Ciclo Gravídico Puerperal e Aleitamento - COVID - 19
 
Eventos de massa | Peste
Eventos de massa | PesteEventos de massa | Peste
Eventos de massa | Peste
 
Emergência do Zika vírus no Brasil
Emergência do Zika vírus no BrasilEmergência do Zika vírus no Brasil
Emergência do Zika vírus no Brasil
 
Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?
 

Doenças exantemáticas

  • 1. SARAMPO O PAPEL DO PEDIATRA NO CONTROLE DE SURTOS DOENÇAS EXANTEMÁTICAS CONSUELO OLIVEIRA IEC / SVS / MS
  • 3. Sarampo - Histórico 1968 – Implantação da Vacina contra o Sarampo em SP e RJ ( caráter experimental ) ; 1974 – Implantação da Vacina contra o Sarampo 8 m ( SP / RJ) 1976 – 7 meses a 3 anos( Portaria nº 452); 1982 – 9 m (idade mínima) Vacina contra o Sarampo 1982 – Início da notificação universal;
  • 4. 1987 – Introdução da 2ª dose a partir de 18 m ; 1992 - Pr imeira Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo; 1995 – Primeira Campanha de Seguimento; 1996 – Tríplice Viral - 1 ano; 2003 – O MS suprimiu a dose aos 9 m Vacina Tríplice Viral aos 12 meses; 2004 – Campanha Nacional de Seguimento. Sarampo - Histórico
  • 5. Sarampo: Estratégias de controle e incidência anual - Brasil, 1967 – 2004* *Dados preliminares Fonte: COVER/CGVEP/CENEPI Introdução da Vacina Notificação Compulsória Programa Nacional de Imunização Intensificação nas Grandes Cidades Campanhas Estaduais Plano de Eliminação do Sarampo 1ª Campanha Nacional 1ª Campanha de Seguimento 2ª Campanha de Seguimento 1986 3ª Campanha de Seguimento
  • 6.  
  • 7. Incidência de Sarampo e Cobertura Vacinal, Brasil,1980 - 2004* Fonte: Secretaria de Vigilância em Saúde/MS/Brasil * Dados preliminares *1980 - 2001 <1ano 2002 - TV 1 ano
  • 8. INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA CASO SUSPEITO SARAMPO ( febre, exantema acompanhadode tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independente da idade ou estado vacinal)  Notificar - Sec Municipal Saúde    Investigar 48h Coletar sangue Vacinação bloqueio
  • 9. INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA CASO SUSPEITO RUBÉOLA ( febre, exantema maculo papular acompanhado de linfadenopatia retroauricular,occipital, cervical, independente da idade ou estado vacinal)  Notificar - Sec Municipal Saúde    Investigar 48h Coletar sangue Vacinação bloqueio
  • 10. INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA CASO CONFIRMADO RUBÉOLA CRITÉRIO LABORATORIAL CRITÉRIO EPIDEMIOLÓGICO CRITÉRIO CLÍNICO
  • 11.
  • 13.
  • 14.  
  • 15. Casos Confirmados de Rubéola, Brasil, 1993 - 2004* Fonte: Secretaria de Vigilância em Saúde/MS/ Brasil *Dados preliminares
  • 16. Casos Confirmados de Rubéola por semana epidemiológica, Brasil, 2000 - 2004* Fonte: COVERCGDT/DEVEP/SVS/MS *Dados preliminares 2000 2001 2002 2003 2004
  • 17. Incidência de Rubéola por Faixa Etária Brasil, 1999-2004* Fonte: Secretaria de Vigilância em Saúde/MS/ Brasil *Dados Preliminares
  • 18.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 25. Funcionamento Unidade de Saúde (pediatra) Outras Fontes privadas (pediatras) Hospitais (pediatras) Secretaria de Estado de Saúde Município Regional de Saúde Secretaria Municipal de Saúde Estado SVS Nacional NOTIFICA
  • 26.  

Notas do Editor

  1. Para SRC a definição de caso suspeito é: todo recém-nascido cuja mãe foi caso confirmado de rubéola na gestação ou toda criança até 12 meses de idade que apresente malformações compatíveis com SRC A definição de caso confirmado de SRC é: caso suspeito que apresente malformações congênitas e sorologia positiva para IgM ou elevação persistente de IgG (critério laboratorial) ou caso suspeito com malformações congênitas sem sorologia (confirmação clínica), o que representa falha do sistema de vigilância.