SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 52
Baixar para ler offline
QUÍMICA GERAL
Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica
Universidade Federal Fluminense
Volta Redonda - RJ
Prof. Dr. Ednilsom Orestes
25/04/2016 – 06/08/2016 AULA 11
ESTRUTURA DOS LíQUIDOS
UNIDAS POR FORÇAS INTERMOLECULARES MAS
EM MOVIMENTO.
TROCA CONSTANTE DE LUGAR – MULTIDÃO.
ORDEM DE CURTO ALCANCE.
CAMADAS DE SOLVATAÇÃO (HIDRATAÇÃO).
FUSÃO H2O – 10% LIGAÇÕES DE HIDROGÊNIO SÃO
DESFEITAS.
RESISTÊNCIA AO ESCOAMENTO - INDICA INTENSIDADE DAS FORÇAS
INTERMOLECULARES.
VISCOSIDADE ÁGUA > BENZENO (LIG. DE HIDROGÊNIO) e VISCOSIDADE
GLICEROL >> ÁGUA (LIG. DE HIDROGÊNIO & MOBILIDADE – ENOVELAMENTO).
DIMINUI COM AUMENTO DA TEMPERATURA, VISCOSIDADE ÁGUA (100°C) =
VISCOSIDADE ÁGUA (0°C) / 6.
ENTRELAÇAMENTO DE CADEIAS LONGAS e APOLARES DE HIDROCARBONETOS
(LONDON).
GASOLINA
ÓLEO
GASOLINA
ÓLEO
MEDIDA DAS FORÇAS INTERMOLECULARES – ALTERAM EMPUXO.
Tensão H2O ~ 3x demais líquidos (ligações de hidrogênio).
Tensão Hg ~ 6x demais líquidos (ligações c/ caráter covalente).
FORMA DA GOTA – TENSÃO INDUZ COMPACTAÇÃO MÁXIMA.
DIMINUI C/ AUMENTO TEMPERATURA (INTERAÇÃO vs MOVIMENTAÇÃO).
INTERAÇÃO H2O COM OUTROS MATERIAIS DIZ SE A ÁGUA “MOLHA”.
INTERAÇÃO H2O COM CERA É BAIXA. INTERAÇÃO H2O COM MADEIRA É ALTA.
AÇÃO CAPILAR – MENISCO
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
ESTRUTURA DOS SÓLIDOS
TEMPERATURA BAIXA IMOBILIZA OS
ÁTOMOS, ÍONS OU MOLÉCULAS.
TIPO DE INTERAÇÃO DETERMINA
NATUREZA DO SÓLIDO.
RELAÇÃO ENTRE ESTRUTURA E
PROPRIEDADES.
AMORFO: ARRANJO
DESORDENADO (MANTEIGA,
BORRACHA E VIDRO – LÍQUIDO
CONGELADO REPENTINAMENTE).
CRISTALINO: ORDEM DE LONGO
ALCANCE, ÂNGULOS E FACES.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
CLASSIFICAÇÃO:
SÓLIDOS MOLECULARES: CONJUNTOS DE MOLÉCULAS
DISCRETAS MANTIDAS EM SUAS POSIÇÕES POR FORÇAS
INTERMOLECULARES.
SÓLIDOS RETICULARES: CONJUNTO DE ÁTOMOS
COVALENTEMENTE LIGADOS AO LONGO DE TODO O
SÓLIDO.
SÓLIDOS METÁLICOS (METAIS): CONJUNTO DE CÁTIONS
UNIDOS POR UM “MAR” DE ELÉTRONS.
SÓLIDOS IÔNICOS: CONJUNTO DE CÁTIONS E ÂNIONS
UNIDOS PELA ATRAÇÃO ENTRE ELES.
SÓLIDOS MOLECULARES
PROPRIEDADES DEPENDEM DAS FORÇAS
INTERMOLECULARES.
PONTO DE FUSÃO RELATIVAMENTE BAIXO.
AMORFOS: HIDROCARBONETOS DE CADEIA
LONGA – MACIOS (MANTEIGA, PARAFINA,
GRAXA).
CRISTALINOS: RÍGIDOS E QUEBRADIÇOS DEVIDO AS
FORÇAS INTERMOLECULARES MAIS FORTES
(SACAROSE; −𝐎𝐇, PF=184°C)
SÓLIDOS MOLECULARES
GELO: Cada Oxigênio está ligado 4 Hidrogênios.
(2 ligações σ e 2 ligação hidrogênio)
H2O(l) = 1,00 g.cm-3 e H2O(s) = 0,92 g.cm-3
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
FORMAS VARIADAS INDUZEM
EMPACOTAMENTO VARIADO
ÁGUA vs BENZENO E CO2.
(London)
SÓLIDOS RETICULARES
LIGAÇÕES COVALENTES ENTRE ÁTOMOS.
MATERIAIS RÍGIDOS COM PONTO DE FUSÃO MUITO ALTO.
DIAMANTE (C sp3) E GRAFITE (LÂMINAS C sp2): ALÓTROPOS.
MATERIAIS CERÂMICOS – ÓXIDOS, SILÍCIO E QUARTZO.
RESISTENTES, ESTÁVEIS E QUEBRADIÇOS.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W.
Atkins and L. L. Jones
CÁTIONS LIGADOS POR “MAR” DE
ELÉTRONS, SÓDIO METÁLICO.
ESTRUTURA DE EMPACOTAMENTO
COMPACTO.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
SÓLIDOS METÁLICOS
ESTRUTURA HEXAGONAL DE EMPACOTAMENTO:
ABABAB... (hcp), Mg e Zn. Número coordenação = 12.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
ESTRUTURA CÚBICA DE EMPACOTAMENTO:
ABCABC... (ccp), Al, Cu, Ag e Au. No. coordenação = 12.
ESTRUTURA DE MENOR ENERGIA É PREFERIDA
(ESTRUTURA ELETRÔNICA).
OBS: EM QUALQUER CASO, APENAS FRAÇÃO DO
CUBO É PREENCHIDA. Qual?
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
Por que alguns metais preferem empacotamento
hexagonal e outros cúbico se o no. de coordenação é
o mesmo?
ESTRUTURA DE MENOR ENERGIA É PREFERIDA
(ESTRUTURA ELETRÔNICA).
OBS: EM QUALQUER CASO, APENAS FRAÇÃO DO
CUBO É PREENCHIDA. Qual?
ccp:
(8 vértices x 1/8 de esfera) + (6
faces x 1/2 de esfera).
Se a medida de cada vértice =
a, então a2 + a2 = 2a2 = (4r)2.
Portanto, 𝒂 = 𝟖 𝟏/𝟐 𝒓 e o volume
do cubo 𝒂 𝟑
= 𝟖 𝟑/𝟐
𝒓.
Como o volume de cada átomo
é
𝟒
𝟑
𝝅𝒓 𝟑, a fração do volume do
cubo ocupado por átomos é:
𝟏𝟔
𝟑
𝝅𝒓 𝟑
𝟖 𝟑/𝟐 𝒓 𝟑
= 𝟎, 𝟕𝟒
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones NÃO CAI NA PROVA
SE DEPRESSÃO ENTRE TRÊS ÁTOMOS FOR COBERTA:
BURACO TETRAÉDRICO.
4 átomos nos vértices de um tetraedro regular.
2 buracos tetraédricos por átomo em um retículo.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
SE DEPRESSÕES COINCIDEM:
BURACO OCTAÉDRICO.
6 átomos nos vértices de um
octaedro regular.
1 buraco octaédrico para
cada átomo em um retículo.
CÉLULAS UNITÁRIAS
MENOR UNIDADE DE REPETIÇÃO EM UM CRISTAL.
ESTRUTURA CÚBICA DE FACE CENTRADA (fcc).
Um átomo no centro de cada face do cubo.
ESTRUTURA CÚBICA DE CORPO CENTRADO (bcc), Fe, Na e K.
Um átomo isolado no centro do cubo.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
ESTRUTURA CÚBICA PRIMITIVA, Po.
Forças covalentes superam empacotamento.
Um átomo em cada vértice. Não é compacto.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
RETÍCULOS DE
BRAVAIS
(14 padrões básicos)
CADA CÉLULA UNITÁRIA
ACOMODA UMA
QUANTIDADE DIFERENTES
DE ÁTOMOS.
DEDUÇÃO ESTRUTURA
ATRAVÉS DA DENSIDADE.
Empacotamento
hexagonal e cúbico são
indistinguíveis (NC = 12)
𝑎2 + 𝑓2 = 𝑏2 = 4𝑟 2 e 𝑓2 = 2𝑎2 (Pitágoras) - 𝑎 =
4𝑟
31/2
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
A densidade do Cu é 8,93 g/cm3 e o seu raio atômico é 128 pm. É mais
provável que o metal seja (a) cúbico de empacotamento compacto (ccp
ou fcp) ou (b) cúbico de corpo centrado (bcc)?
Calcular densidade do Cu em ccp e
bcc pela relação entre raio e aresta!
4 átomos na célula ccp , então
massa = 4 x massa do átomo (M/NA).
A densidade, d, é, portanto,
𝒅 =
𝒎
𝒂 𝟑
=
𝟒
𝑴
𝑵 𝑨
𝟖 𝟏/𝟐 𝒓 𝟑
=
𝟒𝑴
𝟖 𝟑/𝟐 𝑵 𝑨 𝒓 𝟑
𝒅 =
𝟒 × 𝟔𝟑, 𝟓𝟓 𝐠 ∙ 𝐦𝐨𝐥−𝟏
𝟖 𝟑/𝟐 × 𝟔, 𝟎𝟐 × 𝟏𝟎 𝟐𝟑 𝐦𝐨𝐥−𝟏 × 𝟏, 𝟐𝟖 × 𝟏𝟎−𝟖 𝐜𝐦 𝟑
= 𝟖, 𝟗𝟎 𝐠/𝐜𝐦 𝟑
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
Temos 2 átomos na célula bcc , então massa = 2 x massa do átomo
(M/NA). A densidade, d, é, portanto,
𝒅 =
𝒎
𝒂 𝟑
=
𝟐
𝑴
𝑵 𝑨
𝟒𝒓
𝟑 𝟏/𝟐
𝟑
=
𝟑 𝟑/𝟐 𝑴
𝟑𝟐𝑵 𝑨 𝒓 𝟑
𝒅 =
𝟑 𝟑/𝟐
× 𝟔𝟑, 𝟓𝟓 𝐠 ∙ 𝐦𝐨𝐥−𝟏
𝟑𝟐 × 𝟔, 𝟎𝟐 × 𝟏𝟎 𝟐𝟑 𝐦𝐨𝐥−𝟏 × 𝟏, 𝟐𝟖 × 𝟏𝟎−𝟖 𝐜𝐦 𝟑
= 𝟖, 𝟏𝟕 𝐠/𝐜𝐦 𝟑
Fazer para a Ag (144 pm e 10,5 g/cm3). [Resposta: ccp].
Fazer para o Fe (124 pm e 7,87 g/cm3).
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
ESTRUTURAS IÔNICAS
EMPACOTAMENTO ÍONS (CARGA E RAIO
DIFERENTES).
ÂNIONS FORMAM BURACOS OCUPADOS PELOS
CÁTIONS.
ESTRUTURA DE SAL-GEMA. Coordenação –(6,6).
NaCl, KBr, RbI, CaO, AgCl e etc.
ÂNIONS E CÁTIONS COM RAIOS MUITO
DIFERENTES.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
𝝆 =
𝐫𝐚𝐢𝐨 𝐝𝐨 𝐦𝐞𝐧𝐨𝐫 í𝐨𝐧
𝐫𝐚𝐢𝐨 𝐝𝐨 𝐦𝐚𝐢𝐨𝐫 í𝐨𝐧
=
𝐫 𝐦𝐞𝐧𝐨𝐫
𝐫 𝐦𝐚𝐢𝐨𝐫
• SE 𝟎, 𝟒 ≲ 𝝆 ≲ 𝟎, 𝟕  SAL-GEMA.
MgO (Mg = 72 pm e O = 140 pm).
• SE 𝒓 𝐦𝐞𝐧𝐨𝐫 ∼ 𝐫 𝐦𝐚𝐢𝐨𝐫 𝐞𝐧𝐭ã𝐨 𝝆 > 𝟎, 𝟕; Coordenação – (8,8).
CsCl (Cs = 167 pm e Cl = 181 pm) – CsBr, CsI, TlCl, TlBr e etc.
• SE 𝝆 < 𝟎, 𝟒; Coordenação – (4,4).
ZnS.
• HÁ EXCEÇÕES!
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
CRISTAIS LÍQUIDOS
MESOFASE: VISCOSO E MODERADAMENTE
ORDENADO.
FORMA DAS MOLÉCULAS INDUZ AO
EMPACOTAMENTO.
PROPRIEDADES ANISOTRÓPICAS.
FASE NEMÁTICA: ATRASO.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
CRISTAIS LÍQUIDOS
MESOFASE: VISCOSO E MODERADAMENTE
ORDENADO.
FORMA DAS MOLÉCULAS INDUZ AO
EMPACOTAMENTO.
PROPRIEDADES ANISOTRÓPICAS.
FASE NEMÁTICA: ATRASO.
FASE ESMÉTICA: ALINHAMENTO.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
CRISTAIS LÍQUIDOS
MESOFASE: VISCOSO E MODERADAMENTE
ORDENADO.
FORMA DAS MOLÉCULAS INDUZ AO
EMPACOTAMENTO.
PROPRIEDADES ANISOTRÓPICAS.
FASE NEMÁTICA: ATRASO.
FASE ESMÉTICA: ALINHAMENTO.
FASE COLESTÉRICA: CAMADAS DIFERENTES
DIREÇÕES.
©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins
and L. L. Jones
CRISTAIS LÍQUIDOS
TERMOTRÓPICOS: FASE ENTRE SÓLIDO E LÍQUIDO.
LIOTRÓPICOS: MICELAS E PAREDES LIPÍDICAS.
LÍQUIDOS IÔNICOS
ÂNION INORG. PEQUENO + CÁTION ORGÂNICO GRANDE.
CÁTION: ASSIMÉTRICO C/ REGIÃO APOLAR.
Dificulta cristalização.
VANTAGENS:
BAIXA PRESSÃO VAPOR.
BAIXA INFRAMABILIDADE.
BAIXA TOXICIDADE.
DISSOLVE ORGÂNICOS
E INORGÂNICOS.
RECICLÁVEL.
DESIGN FLEXÍVEL.
BF4
−

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisica exercicios resolvidos 014
Fisica exercicios resolvidos  014Fisica exercicios resolvidos  014
Fisica exercicios resolvidos 014
comentada
 
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 3 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 3   Q. Geral  Eng. Pet.  2007Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 3   Q. Geral  Eng. Pet.  2007
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 3 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Profª Cristiana Passinato
 
Sandrogreco Lista De ExercíCios 3 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Sandrogreco Lista De ExercíCios 3   Q. Geral  Eng. Pet.  2007Sandrogreco Lista De ExercíCios 3   Q. Geral  Eng. Pet.  2007
Sandrogreco Lista De ExercíCios 3 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Profª Cristiana Passinato
 
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 4 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 4   Q. Geral  Eng. Pet.  2007Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 4   Q. Geral  Eng. Pet.  2007
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 4 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Profª Cristiana Passinato
 
Ita2012 4dia
Ita2012 4diaIta2012 4dia
Ita2012 4dia
cavip
 
Termodinamica transformacoes3
Termodinamica transformacoes3Termodinamica transformacoes3
Termodinamica transformacoes3
bonesea
 

Mais procurados (20)

Química Geral 2016/1 Aula 18
Química Geral 2016/1 Aula 18Química Geral 2016/1 Aula 18
Química Geral 2016/1 Aula 18
 
Química Geral 2016/1 Aula 16
Química Geral 2016/1 Aula 16Química Geral 2016/1 Aula 16
Química Geral 2016/1 Aula 16
 
Química Geral 2016/1 Aula 03
Química Geral 2016/1 Aula 03Química Geral 2016/1 Aula 03
Química Geral 2016/1 Aula 03
 
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reação
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reaçãoTermoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reação
Termoquímica: calorimetria e entalpia padrão de reação
 
Termodinâmica primeira lei
Termodinâmica   primeira leiTermodinâmica   primeira lei
Termodinâmica primeira lei
 
Química Geral Aula 10
Química Geral Aula 10Química Geral Aula 10
Química Geral Aula 10
 
Fisica exercicios resolvidos 014
Fisica exercicios resolvidos  014Fisica exercicios resolvidos  014
Fisica exercicios resolvidos 014
 
Química Geral 2016/1 Aula 06
Química Geral 2016/1 Aula 06Química Geral 2016/1 Aula 06
Química Geral 2016/1 Aula 06
 
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 3 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 3   Q. Geral  Eng. Pet.  2007Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 3   Q. Geral  Eng. Pet.  2007
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 3 Q. Geral Eng. Pet. 2007
 
Sandrogreco Lista De ExercíCios 3 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Sandrogreco Lista De ExercíCios 3   Q. Geral  Eng. Pet.  2007Sandrogreco Lista De ExercíCios 3   Q. Geral  Eng. Pet.  2007
Sandrogreco Lista De ExercíCios 3 Q. Geral Eng. Pet. 2007
 
Química Geral Aula 07
Química Geral Aula 07Química Geral Aula 07
Química Geral Aula 07
 
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 4 Q. Geral Eng. Pet. 2007
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 4   Q. Geral  Eng. Pet.  2007Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 4   Q. Geral  Eng. Pet.  2007
Sandrogreco Gabarito Da Lista De ExercíCios 4 Q. Geral Eng. Pet. 2007
 
Química Geral Aula 00
Química Geral Aula 00Química Geral Aula 00
Química Geral Aula 00
 
Química Geral Aula 08
Química Geral Aula 08Química Geral Aula 08
Química Geral Aula 08
 
Primeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da TermodinâmicaPrimeira Lei da Termodinâmica
Primeira Lei da Termodinâmica
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Ita2012 4dia
Ita2012 4diaIta2012 4dia
Ita2012 4dia
 
Química Geral Lista_04
Química Geral Lista_04Química Geral Lista_04
Química Geral Lista_04
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Termodinamica transformacoes3
Termodinamica transformacoes3Termodinamica transformacoes3
Termodinamica transformacoes3
 

Semelhante a Química Geral Aula 11

QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVASQUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
Portal NE10
 
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v22019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
rasuanfe
 
Aula sobre tcc estágio a docência mestrado
Aula sobre tcc estágio a docência mestradoAula sobre tcc estágio a docência mestrado
Aula sobre tcc estágio a docência mestrado
Juno Dio
 
Revisão Química - Enem 2011
Revisão Química - Enem 2011Revisão Química - Enem 2011
Revisão Química - Enem 2011
psfescola
 

Semelhante a Química Geral Aula 11 (20)

2º ano prova integrada iv
2º ano   prova integrada iv2º ano   prova integrada iv
2º ano prova integrada iv
 
3ºano 3ºbimestre física - andredanijo
3ºano   3ºbimestre   física  - andredanijo3ºano   3ºbimestre   física  - andredanijo
3ºano 3ºbimestre física - andredanijo
 
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVASQUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
QUÍMICA - CADERNO DE PROVAS
 
Quimica ufpe 2013
Quimica ufpe 2013Quimica ufpe 2013
Quimica ufpe 2013
 
Geometria de complexos
Geometria de complexosGeometria de complexos
Geometria de complexos
 
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v22019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
2019 2020 eq10_02_teste_propriedades_transf_materia_v2
 
geometria e isomeria.pdf
geometria e isomeria.pdfgeometria e isomeria.pdf
geometria e isomeria.pdf
 
Exerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligaçõesExerc concursos-ligações
Exerc concursos-ligações
 
Aula sobre tcc estágio a docência mestrado
Aula sobre tcc estágio a docência mestradoAula sobre tcc estágio a docência mestrado
Aula sobre tcc estágio a docência mestrado
 
Revisão Química - Enem 2011
Revisão Química - Enem 2011Revisão Química - Enem 2011
Revisão Química - Enem 2011
 
Estrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metaisEstrutura cristalina dos metais
Estrutura cristalina dos metais
 
Experimento 2 química prática
Experimento 2   química práticaExperimento 2   química prática
Experimento 2 química prática
 
Matrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdfMatrizes Aquosas2017.pdf
Matrizes Aquosas2017.pdf
 
Fisica das radiações: Estrutura Atòmica.
Fisica das radiações: Estrutura Atòmica.Fisica das radiações: Estrutura Atòmica.
Fisica das radiações: Estrutura Atòmica.
 
Ligacao quimica
Ligacao quimicaLigacao quimica
Ligacao quimica
 
Me02 si
Me02 siMe02 si
Me02 si
 
estrutura cristalina
estrutura cristalina   estrutura cristalina
estrutura cristalina
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
 
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
 

Mais de Ednilsom Orestes (13)

Química Geral: Apêndice 2A & 2B
Química Geral: Apêndice 2A & 2BQuímica Geral: Apêndice 2A & 2B
Química Geral: Apêndice 2A & 2B
 
Química Geral Aula 01
Química Geral Aula 01Química Geral Aula 01
Química Geral Aula 01
 
Lista de Exercícios 00
Lista de Exercícios 00Lista de Exercícios 00
Lista de Exercícios 00
 
Química Geral 2016/1 Aula 05
Química Geral 2016/1 Aula 05Química Geral 2016/1 Aula 05
Química Geral 2016/1 Aula 05
 
Química Geral 2016/1 Aula 04
Química Geral 2016/1 Aula 04Química Geral 2016/1 Aula 04
Química Geral 2016/1 Aula 04
 
Química Geral 2016/1 Aula 02
Química Geral 2016/1 Aula 02Química Geral 2016/1 Aula 02
Química Geral 2016/1 Aula 02
 
Lista de Exercícios 06
Lista de Exercícios 06Lista de Exercícios 06
Lista de Exercícios 06
 
Química Geral Lista 05
Química Geral Lista 05Química Geral Lista 05
Química Geral Lista 05
 
Química Geral Lista 03
Química Geral Lista 03Química Geral Lista 03
Química Geral Lista 03
 
Quimica Geral Lista 02
Quimica Geral Lista 02Quimica Geral Lista 02
Quimica Geral Lista 02
 
Química Geral Lista 01
Química Geral Lista 01Química Geral Lista 01
Química Geral Lista 01
 
Quimica Geral Lista 07
Quimica Geral Lista 07Quimica Geral Lista 07
Quimica Geral Lista 07
 
Quimica Geral Lista 08
Quimica Geral Lista 08Quimica Geral Lista 08
Quimica Geral Lista 08
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 

Química Geral Aula 11

  • 1. QUÍMICA GERAL Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica Universidade Federal Fluminense Volta Redonda - RJ Prof. Dr. Ednilsom Orestes 25/04/2016 – 06/08/2016 AULA 11
  • 3. UNIDAS POR FORÇAS INTERMOLECULARES MAS EM MOVIMENTO. TROCA CONSTANTE DE LUGAR – MULTIDÃO. ORDEM DE CURTO ALCANCE. CAMADAS DE SOLVATAÇÃO (HIDRATAÇÃO). FUSÃO H2O – 10% LIGAÇÕES DE HIDROGÊNIO SÃO DESFEITAS.
  • 4.
  • 5. RESISTÊNCIA AO ESCOAMENTO - INDICA INTENSIDADE DAS FORÇAS INTERMOLECULARES. VISCOSIDADE ÁGUA > BENZENO (LIG. DE HIDROGÊNIO) e VISCOSIDADE GLICEROL >> ÁGUA (LIG. DE HIDROGÊNIO & MOBILIDADE – ENOVELAMENTO). DIMINUI COM AUMENTO DA TEMPERATURA, VISCOSIDADE ÁGUA (100°C) = VISCOSIDADE ÁGUA (0°C) / 6. ENTRELAÇAMENTO DE CADEIAS LONGAS e APOLARES DE HIDROCARBONETOS (LONDON).
  • 6.
  • 9. MEDIDA DAS FORÇAS INTERMOLECULARES – ALTERAM EMPUXO. Tensão H2O ~ 3x demais líquidos (ligações de hidrogênio). Tensão Hg ~ 6x demais líquidos (ligações c/ caráter covalente). FORMA DA GOTA – TENSÃO INDUZ COMPACTAÇÃO MÁXIMA. DIMINUI C/ AUMENTO TEMPERATURA (INTERAÇÃO vs MOVIMENTAÇÃO). INTERAÇÃO H2O COM OUTROS MATERIAIS DIZ SE A ÁGUA “MOLHA”. INTERAÇÃO H2O COM CERA É BAIXA. INTERAÇÃO H2O COM MADEIRA É ALTA. AÇÃO CAPILAR – MENISCO
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 14.
  • 15. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 16.
  • 18. TEMPERATURA BAIXA IMOBILIZA OS ÁTOMOS, ÍONS OU MOLÉCULAS. TIPO DE INTERAÇÃO DETERMINA NATUREZA DO SÓLIDO. RELAÇÃO ENTRE ESTRUTURA E PROPRIEDADES. AMORFO: ARRANJO DESORDENADO (MANTEIGA, BORRACHA E VIDRO – LÍQUIDO CONGELADO REPENTINAMENTE). CRISTALINO: ORDEM DE LONGO ALCANCE, ÂNGULOS E FACES.
  • 19.
  • 20.
  • 21. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 22. CLASSIFICAÇÃO: SÓLIDOS MOLECULARES: CONJUNTOS DE MOLÉCULAS DISCRETAS MANTIDAS EM SUAS POSIÇÕES POR FORÇAS INTERMOLECULARES. SÓLIDOS RETICULARES: CONJUNTO DE ÁTOMOS COVALENTEMENTE LIGADOS AO LONGO DE TODO O SÓLIDO. SÓLIDOS METÁLICOS (METAIS): CONJUNTO DE CÁTIONS UNIDOS POR UM “MAR” DE ELÉTRONS. SÓLIDOS IÔNICOS: CONJUNTO DE CÁTIONS E ÂNIONS UNIDOS PELA ATRAÇÃO ENTRE ELES.
  • 23.
  • 24. SÓLIDOS MOLECULARES PROPRIEDADES DEPENDEM DAS FORÇAS INTERMOLECULARES. PONTO DE FUSÃO RELATIVAMENTE BAIXO. AMORFOS: HIDROCARBONETOS DE CADEIA LONGA – MACIOS (MANTEIGA, PARAFINA, GRAXA). CRISTALINOS: RÍGIDOS E QUEBRADIÇOS DEVIDO AS FORÇAS INTERMOLECULARES MAIS FORTES (SACAROSE; −𝐎𝐇, PF=184°C)
  • 25. SÓLIDOS MOLECULARES GELO: Cada Oxigênio está ligado 4 Hidrogênios. (2 ligações σ e 2 ligação hidrogênio) H2O(l) = 1,00 g.cm-3 e H2O(s) = 0,92 g.cm-3
  • 26. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones FORMAS VARIADAS INDUZEM EMPACOTAMENTO VARIADO ÁGUA vs BENZENO E CO2. (London)
  • 27. SÓLIDOS RETICULARES LIGAÇÕES COVALENTES ENTRE ÁTOMOS. MATERIAIS RÍGIDOS COM PONTO DE FUSÃO MUITO ALTO. DIAMANTE (C sp3) E GRAFITE (LÂMINAS C sp2): ALÓTROPOS. MATERIAIS CERÂMICOS – ÓXIDOS, SILÍCIO E QUARTZO. RESISTENTES, ESTÁVEIS E QUEBRADIÇOS. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 28.
  • 29. CÁTIONS LIGADOS POR “MAR” DE ELÉTRONS, SÓDIO METÁLICO. ESTRUTURA DE EMPACOTAMENTO COMPACTO. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones SÓLIDOS METÁLICOS
  • 30. ESTRUTURA HEXAGONAL DE EMPACOTAMENTO: ABABAB... (hcp), Mg e Zn. Número coordenação = 12. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 31. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 32. ESTRUTURA CÚBICA DE EMPACOTAMENTO: ABCABC... (ccp), Al, Cu, Ag e Au. No. coordenação = 12. ESTRUTURA DE MENOR ENERGIA É PREFERIDA (ESTRUTURA ELETRÔNICA). OBS: EM QUALQUER CASO, APENAS FRAÇÃO DO CUBO É PREENCHIDA. Qual?
  • 33. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 34. Por que alguns metais preferem empacotamento hexagonal e outros cúbico se o no. de coordenação é o mesmo? ESTRUTURA DE MENOR ENERGIA É PREFERIDA (ESTRUTURA ELETRÔNICA). OBS: EM QUALQUER CASO, APENAS FRAÇÃO DO CUBO É PREENCHIDA. Qual?
  • 35. ccp: (8 vértices x 1/8 de esfera) + (6 faces x 1/2 de esfera). Se a medida de cada vértice = a, então a2 + a2 = 2a2 = (4r)2. Portanto, 𝒂 = 𝟖 𝟏/𝟐 𝒓 e o volume do cubo 𝒂 𝟑 = 𝟖 𝟑/𝟐 𝒓. Como o volume de cada átomo é 𝟒 𝟑 𝝅𝒓 𝟑, a fração do volume do cubo ocupado por átomos é: 𝟏𝟔 𝟑 𝝅𝒓 𝟑 𝟖 𝟑/𝟐 𝒓 𝟑 = 𝟎, 𝟕𝟒 ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones NÃO CAI NA PROVA
  • 36. SE DEPRESSÃO ENTRE TRÊS ÁTOMOS FOR COBERTA: BURACO TETRAÉDRICO. 4 átomos nos vértices de um tetraedro regular. 2 buracos tetraédricos por átomo em um retículo. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones SE DEPRESSÕES COINCIDEM: BURACO OCTAÉDRICO. 6 átomos nos vértices de um octaedro regular. 1 buraco octaédrico para cada átomo em um retículo.
  • 37. CÉLULAS UNITÁRIAS MENOR UNIDADE DE REPETIÇÃO EM UM CRISTAL. ESTRUTURA CÚBICA DE FACE CENTRADA (fcc). Um átomo no centro de cada face do cubo. ESTRUTURA CÚBICA DE CORPO CENTRADO (bcc), Fe, Na e K. Um átomo isolado no centro do cubo. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 38. ESTRUTURA CÚBICA PRIMITIVA, Po. Forças covalentes superam empacotamento. Um átomo em cada vértice. Não é compacto. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 39. RETÍCULOS DE BRAVAIS (14 padrões básicos) CADA CÉLULA UNITÁRIA ACOMODA UMA QUANTIDADE DIFERENTES DE ÁTOMOS. DEDUÇÃO ESTRUTURA ATRAVÉS DA DENSIDADE. Empacotamento hexagonal e cúbico são indistinguíveis (NC = 12)
  • 40. 𝑎2 + 𝑓2 = 𝑏2 = 4𝑟 2 e 𝑓2 = 2𝑎2 (Pitágoras) - 𝑎 = 4𝑟 31/2 ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 41. A densidade do Cu é 8,93 g/cm3 e o seu raio atômico é 128 pm. É mais provável que o metal seja (a) cúbico de empacotamento compacto (ccp ou fcp) ou (b) cúbico de corpo centrado (bcc)? Calcular densidade do Cu em ccp e bcc pela relação entre raio e aresta! 4 átomos na célula ccp , então massa = 4 x massa do átomo (M/NA). A densidade, d, é, portanto, 𝒅 = 𝒎 𝒂 𝟑 = 𝟒 𝑴 𝑵 𝑨 𝟖 𝟏/𝟐 𝒓 𝟑 = 𝟒𝑴 𝟖 𝟑/𝟐 𝑵 𝑨 𝒓 𝟑 𝒅 = 𝟒 × 𝟔𝟑, 𝟓𝟓 𝐠 ∙ 𝐦𝐨𝐥−𝟏 𝟖 𝟑/𝟐 × 𝟔, 𝟎𝟐 × 𝟏𝟎 𝟐𝟑 𝐦𝐨𝐥−𝟏 × 𝟏, 𝟐𝟖 × 𝟏𝟎−𝟖 𝐜𝐦 𝟑 = 𝟖, 𝟗𝟎 𝐠/𝐜𝐦 𝟑 ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 42. Temos 2 átomos na célula bcc , então massa = 2 x massa do átomo (M/NA). A densidade, d, é, portanto, 𝒅 = 𝒎 𝒂 𝟑 = 𝟐 𝑴 𝑵 𝑨 𝟒𝒓 𝟑 𝟏/𝟐 𝟑 = 𝟑 𝟑/𝟐 𝑴 𝟑𝟐𝑵 𝑨 𝒓 𝟑 𝒅 = 𝟑 𝟑/𝟐 × 𝟔𝟑, 𝟓𝟓 𝐠 ∙ 𝐦𝐨𝐥−𝟏 𝟑𝟐 × 𝟔, 𝟎𝟐 × 𝟏𝟎 𝟐𝟑 𝐦𝐨𝐥−𝟏 × 𝟏, 𝟐𝟖 × 𝟏𝟎−𝟖 𝐜𝐦 𝟑 = 𝟖, 𝟏𝟕 𝐠/𝐜𝐦 𝟑 Fazer para a Ag (144 pm e 10,5 g/cm3). [Resposta: ccp]. Fazer para o Fe (124 pm e 7,87 g/cm3). ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 43. ESTRUTURAS IÔNICAS EMPACOTAMENTO ÍONS (CARGA E RAIO DIFERENTES). ÂNIONS FORMAM BURACOS OCUPADOS PELOS CÁTIONS. ESTRUTURA DE SAL-GEMA. Coordenação –(6,6). NaCl, KBr, RbI, CaO, AgCl e etc. ÂNIONS E CÁTIONS COM RAIOS MUITO DIFERENTES. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 44. 𝝆 = 𝐫𝐚𝐢𝐨 𝐝𝐨 𝐦𝐞𝐧𝐨𝐫 í𝐨𝐧 𝐫𝐚𝐢𝐨 𝐝𝐨 𝐦𝐚𝐢𝐨𝐫 í𝐨𝐧 = 𝐫 𝐦𝐞𝐧𝐨𝐫 𝐫 𝐦𝐚𝐢𝐨𝐫 • SE 𝟎, 𝟒 ≲ 𝝆 ≲ 𝟎, 𝟕  SAL-GEMA. MgO (Mg = 72 pm e O = 140 pm). • SE 𝒓 𝐦𝐞𝐧𝐨𝐫 ∼ 𝐫 𝐦𝐚𝐢𝐨𝐫 𝐞𝐧𝐭ã𝐨 𝝆 > 𝟎, 𝟕; Coordenação – (8,8). CsCl (Cs = 167 pm e Cl = 181 pm) – CsBr, CsI, TlCl, TlBr e etc. • SE 𝝆 < 𝟎, 𝟒; Coordenação – (4,4). ZnS. • HÁ EXCEÇÕES! ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 45. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 46.
  • 47.
  • 48. CRISTAIS LÍQUIDOS MESOFASE: VISCOSO E MODERADAMENTE ORDENADO. FORMA DAS MOLÉCULAS INDUZ AO EMPACOTAMENTO. PROPRIEDADES ANISOTRÓPICAS. FASE NEMÁTICA: ATRASO. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 49. CRISTAIS LÍQUIDOS MESOFASE: VISCOSO E MODERADAMENTE ORDENADO. FORMA DAS MOLÉCULAS INDUZ AO EMPACOTAMENTO. PROPRIEDADES ANISOTRÓPICAS. FASE NEMÁTICA: ATRASO. FASE ESMÉTICA: ALINHAMENTO. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 50. CRISTAIS LÍQUIDOS MESOFASE: VISCOSO E MODERADAMENTE ORDENADO. FORMA DAS MOLÉCULAS INDUZ AO EMPACOTAMENTO. PROPRIEDADES ANISOTRÓPICAS. FASE NEMÁTICA: ATRASO. FASE ESMÉTICA: ALINHAMENTO. FASE COLESTÉRICA: CAMADAS DIFERENTES DIREÇÕES. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  • 51. CRISTAIS LÍQUIDOS TERMOTRÓPICOS: FASE ENTRE SÓLIDO E LÍQUIDO. LIOTRÓPICOS: MICELAS E PAREDES LIPÍDICAS.
  • 52. LÍQUIDOS IÔNICOS ÂNION INORG. PEQUENO + CÁTION ORGÂNICO GRANDE. CÁTION: ASSIMÉTRICO C/ REGIÃO APOLAR. Dificulta cristalização. VANTAGENS: BAIXA PRESSÃO VAPOR. BAIXA INFRAMABILIDADE. BAIXA TOXICIDADE. DISSOLVE ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. RECICLÁVEL. DESIGN FLEXÍVEL. BF4 −