SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Fecundação e
Desenvolvimento embrionário
§ Durante uma relação sexual,
milhões de espermatozóides (350 a
400 milhões) são depositados na
vagina, movimentando-se
ativamente e procurando atingir o
útero.
§ Apenas cerca de 1% dos
espermatozóides conseguem
chegar ao útero.
§ Os espermatozóides deslocam-se
depois para as trompas de Falópio.
§ Se existir um ovócito nas trompas,
será rodeado por centenas de
espermatozóides.
Ovócito
As duas células fundem-se
originando uma célula com
dois núcleos – óvulo.
Quando os núcleos se
fundem forma-se o ovo.
ANEXOS EMBRIONÁRIOS
• Vesícula vitelina (saco vitelínico)
• Âmnio (ou bolsa amniótica)
• Córion
• Alantóide
• Placenta
• Vesícula vitelina
A sua principal função é armazenar reservas nutritivas durante o
desenvolvimento do embrião. Nos mamíferos esse anexo é
reduzido, pois a placenta assume a função de nutrição do
embrião.
À medida que o embrião se desenvolve o saco vitelínico vai-se
reduzindo até desaparecer.
• Âmnio
O âmnio é uma membrana que envolve completamente o embrião,
delimitando uma cavidade denominada cavidade amniótica. Essa
cavidade contém o líquido amniótico, cujas funções são proteger
o embrião contra choques mecânicos , desidratação e variações
térmicas.
•Córion
É uma membrana que envolve o embrião e todos os
demais anexos embrionários. É o anexo embrionário mais
externo ao corpo do embrião.
Responsável pela proteção térmica, proteção contra a
entrada de microrganismos patogénicos.
•Alantóide
É uma estrutura em forma de saco ou vesícula, ligada a
parte posterior do intestino do embrião.
Sua principal função é remover e excretar substâncias
produzidas pelo metabolismo do embrião.
•Placenta
É formada pela união do córion e alantóide do embrião,
mais o endométrio materno. A placenta permite a fixação
do embrião na parede do útero, realiza trocas gasosas
entre o feto e o sangue materno, permite a passagem de
nutrientes e oxigénio para o embrião e promove a retirada
de excreções e dióxido de carbono.
•
Cordão umbilical
Estrutura de intercâmbio entre o organismo da mãe e o
novo ser. Possui uma veia que transporta sangue arterial
para o novo ser e duas artérias que transportam sangue
venoso para a mãe.
Consiste em
transferir, para a
cavidade uterina, os
espermatozoides
previamente
recolhidos e
processados com a
seleção dos
espermatozoides
morfologicamente
mais normais e
móveis.
A inseminação intra-uterina ou inseminação artificial,
utiliza-se em casos em que os espermatozóides não conseguem
atingir as trompas.
FECUNDAÇÃO IN VITRO
A fertilização in vitro (FIV) é uma técnica de reprodução
medicamente assistida que consiste na colocação, em
ambiente laboratorial, (in vitro), de um número
significativo de espermatozóides, 50 a 100 mil, ao redor
de cada ovócito, procurando obter pré-embriões de boa
qualidade que serão transferidos, posteriormente, para
a cavidade uterina.
Fecundação in vitro
1 2 3 4 5 6
Durante Quando os
algumas folículos estão
semanas, são maduros, os
injetadas na ovócitos são
mulher aspirados
hormonas que através de uma
estimulam a longa agulha
ovulação e o que é
amadurecimento introduzida na
de vários parede
folículos ao abdominal.
mesmo tempo.
Os ovócitos são Ao fim de Dois dias
mergulhados Do esperma algumas horas, depois os
num líquido recolhido do alguns ovócitos embriões (2 a 3)
nutritivo e homem são estarão são
colocados a 37ºC selecionados fecundados e introduzidos no
na obscuridade. os começam a útero, através
espermatozóides desenvolver da vagina, com
mais embriões. o auxílio de um
vigorosos (cerca tubo fino de
de 20 000), que se plástico.
juntam aos
ovócitos da
mulher.
• http://www.youtube.com/watch?v=z1wbtnwp
sCk
Fecundação in vitro
• http://www.youtube.com/watch?v=2ZIuoBs5-
V4
• http://www.youtube.com/watch?v=cDb_HN5G
J-M
Inseminação artificial
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ovogênese
OvogêneseOvogênese
Ovogênesepaulober
 
Fecundação
FecundaçãoFecundação
Fecundaçãorosapolly
 
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoFecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoCatir
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficialDaiane Costa
 
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionáriosAula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionáriosMARCIAMP
 
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologiaAula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologiaFelipe Beijamini
 
Embriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semanaEmbriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semanaMaíra Escobar
 

Mais procurados (20)

Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Ovogênese
OvogêneseOvogênese
Ovogênese
 
Fecundação
FecundaçãoFecundação
Fecundação
 
Placenta
PlacentaPlacenta
Placenta
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
 
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoFecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
 
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
 
Embriologia ppt
Embriologia pptEmbriologia ppt
Embriologia ppt
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficial
 
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionáriosAula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
 
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologiaAula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Gravidez e parto
Gravidez e partoGravidez e parto
Gravidez e parto
 
Embriologia básica
Embriologia básicaEmbriologia básica
Embriologia básica
 
FecundaçãO
FecundaçãOFecundaçãO
FecundaçãO
 
Embriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semanaEmbriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semana
 

Destaque

Gilbert, Biologia do desenvolvimento, 5ed
Gilbert, Biologia do desenvolvimento, 5edGilbert, Biologia do desenvolvimento, 5ed
Gilbert, Biologia do desenvolvimento, 5edcferre06
 
Desenvolvimento embrionário aula 07 de luzia milena
Desenvolvimento embrionário aula 07 de luzia milenaDesenvolvimento embrionário aula 07 de luzia milena
Desenvolvimento embrionário aula 07 de luzia milenaluziabiologa2010
 
Quadrocontracept1 110223100214-phpapp02
Quadrocontracept1 110223100214-phpapp02Quadrocontracept1 110223100214-phpapp02
Quadrocontracept1 110223100214-phpapp02Pelo Siro
 
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.Martha Gislayne
 
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOSCN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOSLuís Ferreira
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZALuís Ferreira
 
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBROHIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBROLuís Ferreira
 
HIS - O TRABALHO INFANTIL
HIS - O TRABALHO INFANTILHIS - O TRABALHO INFANTIL
HIS - O TRABALHO INFANTILLuís Ferreira
 
PORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETAPORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETALuís Ferreira
 
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOSCN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOSLuís Ferreira
 
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESEHIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESELuís Ferreira
 
Fecundação e segmentação 2012.1
Fecundação e segmentação 2012.1Fecundação e segmentação 2012.1
Fecundação e segmentação 2012.1Márcio Edvaldo
 
HIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANOHIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANOLuís Ferreira
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDELuís Ferreira
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXLuís Ferreira
 
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionárioFernanda Andrade
 

Destaque (20)

Gilbert, Biologia do desenvolvimento, 5ed
Gilbert, Biologia do desenvolvimento, 5edGilbert, Biologia do desenvolvimento, 5ed
Gilbert, Biologia do desenvolvimento, 5ed
 
Desenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionarioDesenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionario
 
Desenvolvimento embrionário aula 07 de luzia milena
Desenvolvimento embrionário aula 07 de luzia milenaDesenvolvimento embrionário aula 07 de luzia milena
Desenvolvimento embrionário aula 07 de luzia milena
 
Fecundacao
FecundacaoFecundacao
Fecundacao
 
Quadrocontracept1 110223100214-phpapp02
Quadrocontracept1 110223100214-phpapp02Quadrocontracept1 110223100214-phpapp02
Quadrocontracept1 110223100214-phpapp02
 
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
 
Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOSCN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
 
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBROHIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
HIS - O GOLPE MILITAR DE 4 DE OUTUBRO
 
HIS - O TRABALHO INFANTIL
HIS - O TRABALHO INFANTILHIS - O TRABALHO INFANTIL
HIS - O TRABALHO INFANTIL
 
PORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETAPORT - MISSÃO ROSSETA
PORT - MISSÃO ROSSETA
 
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOSCN - RECURSOS ENERGÉTICOS
CN - RECURSOS ENERGÉTICOS
 
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESEHIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
HIS - 1ª GRANDE GUERRA - SINTESE
 
Fecundação e segmentação 2012.1
Fecundação e segmentação 2012.1Fecundação e segmentação 2012.1
Fecundação e segmentação 2012.1
 
ING - ENGLISH TEST
ING - ENGLISH TESTING - ENGLISH TEST
ING - ENGLISH TEST
 
HIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANOHIS - O ESPAÇO URBANO
HIS - O ESPAÇO URBANO
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
 
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
 

Semelhante a CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO

Semelhante a CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO (20)

Embriologia (2)
Embriologia (2)Embriologia (2)
Embriologia (2)
 
Reprodução humana neuza grupo 3
Reprodução humana  neuza  grupo 3Reprodução humana  neuza  grupo 3
Reprodução humana neuza grupo 3
 
76
7676
76
 
O sistema reprodutor
O sistema reprodutorO sistema reprodutor
O sistema reprodutor
 
Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08
 
Seminário embriologia
Seminário embriologiaSeminário embriologia
Seminário embriologia
 
3 placenta
3 placenta3 placenta
3 placenta
 
Obstetricia
ObstetriciaObstetricia
Obstetricia
 
Embriologia valendo
Embriologia valendoEmbriologia valendo
Embriologia valendo
 
sistema reprodutor
sistema reprodutorsistema reprodutor
sistema reprodutor
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
Helmintoses
HelmintosesHelmintoses
Helmintoses
 
Orgão reprodutor feminino
Orgão reprodutor femininoOrgão reprodutor feminino
Orgão reprodutor feminino
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptxAula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
 
Gametogênese e Embriologia
Gametogênese e EmbriologiaGametogênese e Embriologia
Gametogênese e Embriologia
 
Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
A sexualidade humana
A sexualidade humanaA sexualidade humana
A sexualidade humana
 
Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]
 

Mais de Luís Ferreira

CN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAISCN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAISLuís Ferreira
 
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSCN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSLuís Ferreira
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANALuís Ferreira
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANALuís Ferreira
 
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANOÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANOLuís Ferreira
 
A DIVERSIDADE CULTURAL - GEOGRAFIA 8º ANO
A DIVERSIDADE CULTURAL - GEOGRAFIA 8º ANOA DIVERSIDADE CULTURAL - GEOGRAFIA 8º ANO
A DIVERSIDADE CULTURAL - GEOGRAFIA 8º ANOLuís Ferreira
 
A MOBILIDADE - GEOGRAFIA 8º ANO
A MOBILIDADE - GEOGRAFIA 8º ANOA MOBILIDADE - GEOGRAFIA 8º ANO
A MOBILIDADE - GEOGRAFIA 8º ANOLuís Ferreira
 

Mais de Luís Ferreira (14)

CN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAISCN - RECURSOS NATURAIS
CN - RECURSOS NATURAIS
 
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSCN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
 
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANACN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
CN - BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO HUMANA
 
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANAHIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
HIS - REVOLUÇÃO REPUBLICANA
 
EMRC - CA SOLUÇÕES
EMRC - CA SOLUÇÕESEMRC - CA SOLUÇÕES
EMRC - CA SOLUÇÕES
 
EV - TRABALHO
EV - TRABALHOEV - TRABALHO
EV - TRABALHO
 
FQ - FORÇA DE ATRITO
FQ - FORÇA DE ATRITOFQ - FORÇA DE ATRITO
FQ - FORÇA DE ATRITO
 
HIS - 1 GRANDE GUERRA
HIS - 1 GRANDE GUERRAHIS - 1 GRANDE GUERRA
HIS - 1 GRANDE GUERRA
 
GEO - TEMA D
GEO - TEMA DGEO - TEMA D
GEO - TEMA D
 
GEO - AGRICULTURA
GEO - AGRICULTURAGEO - AGRICULTURA
GEO - AGRICULTURA
 
CN - O TABAGISMO
CN - O TABAGISMOCN - O TABAGISMO
CN - O TABAGISMO
 
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANOÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA - GEOGRAFIA 8º ANO
 
A DIVERSIDADE CULTURAL - GEOGRAFIA 8º ANO
A DIVERSIDADE CULTURAL - GEOGRAFIA 8º ANOA DIVERSIDADE CULTURAL - GEOGRAFIA 8º ANO
A DIVERSIDADE CULTURAL - GEOGRAFIA 8º ANO
 
A MOBILIDADE - GEOGRAFIA 8º ANO
A MOBILIDADE - GEOGRAFIA 8º ANOA MOBILIDADE - GEOGRAFIA 8º ANO
A MOBILIDADE - GEOGRAFIA 8º ANO
 

Último

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 

Último (20)

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

CN - FECUNDAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO

  • 2. § Durante uma relação sexual, milhões de espermatozóides (350 a 400 milhões) são depositados na vagina, movimentando-se ativamente e procurando atingir o útero. § Apenas cerca de 1% dos espermatozóides conseguem chegar ao útero. § Os espermatozóides deslocam-se depois para as trompas de Falópio. § Se existir um ovócito nas trompas, será rodeado por centenas de espermatozóides.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 7. As duas células fundem-se originando uma célula com dois núcleos – óvulo. Quando os núcleos se fundem forma-se o ovo.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. ANEXOS EMBRIONÁRIOS • Vesícula vitelina (saco vitelínico) • Âmnio (ou bolsa amniótica) • Córion • Alantóide • Placenta
  • 21. • Vesícula vitelina A sua principal função é armazenar reservas nutritivas durante o desenvolvimento do embrião. Nos mamíferos esse anexo é reduzido, pois a placenta assume a função de nutrição do embrião. À medida que o embrião se desenvolve o saco vitelínico vai-se reduzindo até desaparecer. • Âmnio O âmnio é uma membrana que envolve completamente o embrião, delimitando uma cavidade denominada cavidade amniótica. Essa cavidade contém o líquido amniótico, cujas funções são proteger o embrião contra choques mecânicos , desidratação e variações térmicas.
  • 22. •Córion É uma membrana que envolve o embrião e todos os demais anexos embrionários. É o anexo embrionário mais externo ao corpo do embrião. Responsável pela proteção térmica, proteção contra a entrada de microrganismos patogénicos. •Alantóide É uma estrutura em forma de saco ou vesícula, ligada a parte posterior do intestino do embrião. Sua principal função é remover e excretar substâncias produzidas pelo metabolismo do embrião.
  • 23. •Placenta É formada pela união do córion e alantóide do embrião, mais o endométrio materno. A placenta permite a fixação do embrião na parede do útero, realiza trocas gasosas entre o feto e o sangue materno, permite a passagem de nutrientes e oxigénio para o embrião e promove a retirada de excreções e dióxido de carbono. • Cordão umbilical Estrutura de intercâmbio entre o organismo da mãe e o novo ser. Possui uma veia que transporta sangue arterial para o novo ser e duas artérias que transportam sangue venoso para a mãe.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Consiste em transferir, para a cavidade uterina, os espermatozoides previamente recolhidos e processados com a seleção dos espermatozoides morfologicamente mais normais e móveis. A inseminação intra-uterina ou inseminação artificial, utiliza-se em casos em que os espermatozóides não conseguem atingir as trompas.
  • 28. FECUNDAÇÃO IN VITRO A fertilização in vitro (FIV) é uma técnica de reprodução medicamente assistida que consiste na colocação, em ambiente laboratorial, (in vitro), de um número significativo de espermatozóides, 50 a 100 mil, ao redor de cada ovócito, procurando obter pré-embriões de boa qualidade que serão transferidos, posteriormente, para a cavidade uterina.
  • 29. Fecundação in vitro 1 2 3 4 5 6 Durante Quando os algumas folículos estão semanas, são maduros, os injetadas na ovócitos são mulher aspirados hormonas que através de uma estimulam a longa agulha ovulação e o que é amadurecimento introduzida na de vários parede folículos ao abdominal. mesmo tempo. Os ovócitos são Ao fim de Dois dias mergulhados Do esperma algumas horas, depois os num líquido recolhido do alguns ovócitos embriões (2 a 3) nutritivo e homem são estarão são colocados a 37ºC selecionados fecundados e introduzidos no na obscuridade. os começam a útero, através espermatozóides desenvolver da vagina, com mais embriões. o auxílio de um vigorosos (cerca tubo fino de de 20 000), que se plástico. juntam aos ovócitos da mulher.
  • 30.
  • 31. • http://www.youtube.com/watch?v=z1wbtnwp sCk Fecundação in vitro • http://www.youtube.com/watch?v=2ZIuoBs5- V4 • http://www.youtube.com/watch?v=cDb_HN5G J-M Inseminação artificial