SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 5 - Força Colégio Estadual Dom Helder Câmara Física -  2º Ano – Prof.(a) Cristiane 2010
1. Introdução A Dinâmica é o ramo da Mecânica que estuda as  causas do movimento de um corpo. Estas causas estão relacionadas às forças que atuam sobre ele. Dessa maneira, o conceito de força é de fundamental importância no estudo da Dinâmica .
2. Conceito de Força Tomemos um corpo inicialmente em repouso.  Esse corpo jamais conseguirá sair do estado de repouso, a menos que receba a ação de uma força resultante não-nula.  Um corpo sozinho não exerce força sobre si mesmo. Logo: “ FORÇA É O FRUTO DA INTERAÇÃO ENTRE DOIS CORPOS”
2. Conceito de Força É importante lembrar que a grandeza física, força, é uma grandeza vetorial, isto é, para caracterizá-la precisamos definir sua  intensidade (módulo), sua direção de atuação e seu sentido.   Quando assinalamos uma força num corpo, usando um vetor (seta), queremos simbolizar a ação que ele está sofrendo de um outro corpo. Logo, o número de forças que um corpo recebe está associado ao número de interações das quais ele participa.
2. Conceito de Força É importante lembrar que a grandeza física, força, é uma grandeza vetorial, isto é, para caracterizá-la precisamos definir sua  intensidade (módulo), sua direção de atuação e seu sentido.   Quando assinalamos uma força num corpo, usando um vetor (seta), queremos simbolizar a ação que ele está sofrendo de um outro corpo. Logo, o número de forças que um corpo recebe está associado ao número de interações das quais ele participa.
3. Efeitos de Forças  Podemos reconhecer a existência de forças pelos efeitos que produzem quando aplicadas a um corpo.  A. Deformação   A deformação é um dos efeitos causados pela força. Por exemplo, quando você chuta uma bola, no ponto de contato entre o pé e a bola ocorre uma deformação.
3. Efeitos de Forças  I. TIPOS DE DEFORMAÇÕES:  Tração:  Compressão:
3. Efeitos de Forças  Torção:   Flexão
3. Efeitos de Forças  B. Alteração de Velocidade  Outro efeito que a força pode produzir no corpo é a alteração de sua velocidade, que consiste num aumento ou numa diminuição do módulo da velocidade, ou alteração da direção da velocidade. No exemplo acima, além do pé do jogador deformar a bola, simultaneamente seu chute altera a velocidade da bola.
3. Efeitos de Forças  C. Equilíbrio  O equilíbrio é outro efeito causado pela força. Por exemplo, você prende um corpo através de um fio num suporte. A força do fio no corpo produz um equilíbrio, evitando que ele caia pela ação da gravidade terrestre.
4. Medida de Forças A intensidade de uma força pode ser medida através de um aparelho denominado dinamômetro. O dinamômetro é um instrumento constituído de uma mola que se deforma quando recebe a ação de   uma força. Logo, para cada deformação produzida, temos o dispositivo indicando a intensidade da força aplicada. No SI, a unidade de medida de força é o Newton (N). Eventualmente pode-se  utilizar a unidade prática quilograma-força (kgf), sendo que 1 kgf = 9,8 N.
5. Tipo de Forças As forças trocadas entre os corpos podem ser de contato ou de campo (ação à distância). Destacamos, a seguir, as orientações (direção e sentido) de algumas dessas forças.  A. Força Peso  Denomina-se  força  peso  a força de campo gravitacional que a Terra exerce sobre qualquer objeto colocado próximo à sua superfície. Ela tem direção vertical e sentido para baixo.
5. Tipo de Forças B. Força de Tração   É a força de contato aplicada por um fio (ou eventualmente por uma barra) sobre um corpo. A força de tração  tem a direção do fio e sentido de puxar.
5. Tipo de Forças C. Força Normal  A força de reação normal de apoio, ou simplesmente força normal  , é a força de empurrão que uma superfície exerce sobre um corpo nela apoiado.  Quando um bloco (um livro, por exemplo) encontra-se em repouso sobre uma mesa, ele recebe da mesa uma força de compressão que impede a sua penetração sobre ela devido à ação da força peso.
5. Tipo de Forças D. Força de Atrito  Quando se lança um corpo sobre uma mesa comum horizontal, ele pára após percorrer uma certa distância. Isso significa que houve uma resistência ao seu movimento. Essa resistência altera a velocidade do corpo e é, portanto, medida por uma força. Essa força de contato motivada por asperezas superficiais recebe o nome de força de atrito. Tal força de atrito é paralela às superfícies de contato e se opõe ao deslizamento relativo ou à tendência de escorregamento .
6. Unidade de Força A unidade mais utilizada para se medir uma força é o Newton,  embora a dina (dyn) e o quilograma-força (kgf), sejam bastante utilizados em algumas áreas.  •  No S.I.  =>  N (Newton)  •  No C.G.S.  =>  dyn (dina)  •  Sistema Técnico  =>  Kgf (quilograma força)   Relação entre as unidades:   1 N = 10 5  dyn  1 Kgf = 9,8 N  OBS.:  Um Quilograma-força ( kgf ) é a intensidade da força peso de um corpo de 1 kg de massa, situado num local onde a aceleração gravitacional é normal ( g = 9,8 m/s 2  ).
7. Exercícios 01.  Identifique uma situação em que um corpo estará em equilíbrio.  a)  Um carro em movimento variado.  b)  Uma pedra caindo em um poço.  c)  O vento no mar.  d)  Uma fruta em uma árvore  e)  Um jogador chutando uma bola.  02.  Qual o tipo de deformação responsável para um  trator rebocar um caminhão?  a)  Tração  b)  Torção  c)  Flexão  d)  Compressão  e)  Colaboração
7. Exercícios 03. Qual o tipo de deformação responsável por espremer uma camisa molhada?  a)  Tração  b)  Torção  c)  Flexão  d)  Compressão  e)  Colaboração  04.  Qual o tipo de deformação responsável por uma  bomba encher o pneu de uma bicicleta?  a)  Tração  b)  Torção  c)  Flexão  Compressão  e)  Colaboração   05.  Qual o tipo de deformação responsável por quebrar  um pedaço de galho com as mãos?  a)  Tração  b)  Torção  c)  Flexão  d)  Compressão  e)  Colaboração

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
Daniela F Almenara
 
Trabalho e Energia
Trabalho e Energia Trabalho e Energia
Trabalho e Energia
fisicaatual
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
fisicaatual
 
Força de atrito
Força de atritoForça de atrito
Força de atrito
Marco Antonio Sanches
 
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Cinemática introdução
Cinemática introduçãoCinemática introdução
Cinemática introdução
O mundo da FÍSICA
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
Fábio Ribeiro
 
Impulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de MovimentoImpulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de Movimento
Marco Antonio Sanches
 
Gravidade power point
Gravidade power pointGravidade power point
Gravidade power point
Flávia Allves
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
Wellington Sampaio
 
Leis newton
Leis newtonLeis newton
Leis newton
Adrianne Mendonça
 
Aula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de NewtonAula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de Newton
Editora Moderna
 
Maquinas simples - Plano Alavancas
Maquinas simples - Plano AlavancasMaquinas simples - Plano Alavancas
Maquinas simples - Plano Alavancas
Priscilaqueirozmarchon
 
Forças
ForçasForças
Forças
jprometeus
 
1ª lei de newton
1ª lei de newton1ª lei de newton
1ª lei de newton
Isadora Girio
 
A energia e sua conservação
A energia e sua conservaçãoA energia e sua conservação
A energia e sua conservação
Arthur Borges
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
Pibid Física
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
Arthur Carlos de Oliveira
 
Capitulo 19 gravitação universal
Capitulo 19 gravitação universalCapitulo 19 gravitação universal
Capitulo 19 gravitação universal
Renan Silva
 
Teoria da relatividade
Teoria da relatividadeTeoria da relatividade
Teoria da relatividade
123djenani
 

Mais procurados (20)

Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
 
Trabalho e Energia
Trabalho e Energia Trabalho e Energia
Trabalho e Energia
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
Força de atrito
Força de atritoForça de atrito
Força de atrito
 
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
3.1 dinâmica forças peso,normal, tração, elástica e atrito
 
Cinemática introdução
Cinemática introduçãoCinemática introdução
Cinemática introdução
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Impulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de MovimentoImpulso e Quantidade de Movimento
Impulso e Quantidade de Movimento
 
Gravidade power point
Gravidade power pointGravidade power point
Gravidade power point
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Leis newton
Leis newtonLeis newton
Leis newton
 
Aula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de NewtonAula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de Newton
 
Maquinas simples - Plano Alavancas
Maquinas simples - Plano AlavancasMaquinas simples - Plano Alavancas
Maquinas simples - Plano Alavancas
 
Forças
ForçasForças
Forças
 
1ª lei de newton
1ª lei de newton1ª lei de newton
1ª lei de newton
 
A energia e sua conservação
A energia e sua conservaçãoA energia e sua conservação
A energia e sua conservação
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
 
Capitulo 19 gravitação universal
Capitulo 19 gravitação universalCapitulo 19 gravitação universal
Capitulo 19 gravitação universal
 
Teoria da relatividade
Teoria da relatividadeTeoria da relatividade
Teoria da relatividade
 

Destaque

13 forças da mecânica
13   forças da mecânica13   forças da mecânica
13 forças da mecânica
Bruno De Siqueira Costa
 
Tipos de força
Tipos de forçaTipos de força
Tipos de força
washington carlos vieira
 
Movimentos E ForçAs
Movimentos E ForçAsMovimentos E ForçAs
Movimentos E ForçAs
João França
 
Força e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacionalForça e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacional
Luise Moura
 
Aula1 introducao-ao-conceito-de-forca
Aula1 introducao-ao-conceito-de-forcaAula1 introducao-ao-conceito-de-forca
Aula1 introducao-ao-conceito-de-forca
ManuEmbu
 
Power point em trânsito - forças e seus efeitos
Power point   em trânsito - forças e seus efeitosPower point   em trânsito - forças e seus efeitos
Power point em trânsito - forças e seus efeitos
Paula Pinto
 
Pré-UFRGS Física
Pré-UFRGS FísicaPré-UFRGS Física
Pré-UFRGS Física
Felipe Menegotto
 
Comportamento das funções do 1° grau quando
Comportamento das funções do 1° grau quandoComportamento das funções do 1° grau quando
Comportamento das funções do 1° grau quando
colers
 
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercíciosLei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
Vinicius Tavares
 
1 Free GréCia E Roma
1   Free GréCia E Roma1   Free GréCia E Roma
1 Free GréCia E Roma
celsoidamiano
 
Apresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesApresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantes
Willian Mello
 
Grécia clássica e roma
Grécia clássica e romaGrécia clássica e roma
Grécia clássica e roma
Carlos Glufke
 
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto MaterialFísica - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Joana Figueredo
 
Evolução biológica das espécies
Evolução biológica das espéciesEvolução biológica das espécies
Evolução biológica das espécies
Carlos Alexandre Ribeiro Dorte
 
Movimentos e forças
Movimentos e forçasMovimentos e forças
Movimentos e forças
Marta-9C
 
Viveiro de mudas embrapa
Viveiro de mudas embrapaViveiro de mudas embrapa
Viveiro de mudas embrapa
ramyrobatista
 
Aula 1 - Biologia Celular
Aula 1 - Biologia CelularAula 1 - Biologia Celular
Aula 1 - Biologia Celular
Fernando Mori Miyazawa
 
Domínios Morfoclimáticos Brasileiro
Domínios Morfoclimáticos BrasileiroDomínios Morfoclimáticos Brasileiro
Domínios Morfoclimáticos Brasileiro
vitor moraes ribeiro
 
Apostila de lubrificantes e lubrificação
Apostila de lubrificantes e lubrificação Apostila de lubrificantes e lubrificação
Apostila de lubrificantes e lubrificação
Wagner Coelho Henriques
 
Mecânica Slides
Mecânica SlidesMecânica Slides
Mecânica Slides
Wellington Sampaio
 

Destaque (20)

13 forças da mecânica
13   forças da mecânica13   forças da mecânica
13 forças da mecânica
 
Tipos de força
Tipos de forçaTipos de força
Tipos de força
 
Movimentos E ForçAs
Movimentos E ForçAsMovimentos E ForçAs
Movimentos E ForçAs
 
Força e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacionalForça e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacional
 
Aula1 introducao-ao-conceito-de-forca
Aula1 introducao-ao-conceito-de-forcaAula1 introducao-ao-conceito-de-forca
Aula1 introducao-ao-conceito-de-forca
 
Power point em trânsito - forças e seus efeitos
Power point   em trânsito - forças e seus efeitosPower point   em trânsito - forças e seus efeitos
Power point em trânsito - forças e seus efeitos
 
Pré-UFRGS Física
Pré-UFRGS FísicaPré-UFRGS Física
Pré-UFRGS Física
 
Comportamento das funções do 1° grau quando
Comportamento das funções do 1° grau quandoComportamento das funções do 1° grau quando
Comportamento das funções do 1° grau quando
 
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercíciosLei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
Lei de coulomb força eletrica exemplo e exercícios
 
1 Free GréCia E Roma
1   Free GréCia E Roma1   Free GréCia E Roma
1 Free GréCia E Roma
 
Apresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesApresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantes
 
Grécia clássica e roma
Grécia clássica e romaGrécia clássica e roma
Grécia clássica e roma
 
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto MaterialFísica - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
Física - Exercícios Resolvidos de Equilíbrio de um Ponto Material
 
Evolução biológica das espécies
Evolução biológica das espéciesEvolução biológica das espécies
Evolução biológica das espécies
 
Movimentos e forças
Movimentos e forçasMovimentos e forças
Movimentos e forças
 
Viveiro de mudas embrapa
Viveiro de mudas embrapaViveiro de mudas embrapa
Viveiro de mudas embrapa
 
Aula 1 - Biologia Celular
Aula 1 - Biologia CelularAula 1 - Biologia Celular
Aula 1 - Biologia Celular
 
Domínios Morfoclimáticos Brasileiro
Domínios Morfoclimáticos BrasileiroDomínios Morfoclimáticos Brasileiro
Domínios Morfoclimáticos Brasileiro
 
Apostila de lubrificantes e lubrificação
Apostila de lubrificantes e lubrificação Apostila de lubrificantes e lubrificação
Apostila de lubrificantes e lubrificação
 
Mecânica Slides
Mecânica SlidesMecânica Slides
Mecânica Slides
 

Semelhante a Aula05 forças

Leis de newton 1 e 2
Leis de newton 1 e 2Leis de newton 1 e 2
Leis de newton 1 e 2
Fabiana Gonçalves
 
8a série as leis de newton
8a série   as leis de newton8a série   as leis de newton
8a série as leis de newton
SESI 422 - Americana
 
Inérciaforçadeatrito
InérciaforçadeatritoInérciaforçadeatrito
Inérciaforçadeatrito
Valmiro Menezes
 
FORCA DE ATRITO Fat...................pdf
FORCA DE ATRITO Fat...................pdfFORCA DE ATRITO Fat...................pdf
FORCA DE ATRITO Fat...................pdf
Luiz Paiva
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
Elisabete2014
 
AULAS 2° E Karine Felix.pptx
AULAS 2° E Karine Felix.pptxAULAS 2° E Karine Felix.pptx
AULAS 2° E Karine Felix.pptx
Karine Felix
 
AULAS 3° C Karine Felix.pptx
AULAS 3° C Karine Felix.pptxAULAS 3° C Karine Felix.pptx
AULAS 3° C Karine Felix.pptx
Karine Felix
 
AULAS 2° D Karine Felix.pptx
AULAS 2° D Karine Felix.pptxAULAS 2° D Karine Felix.pptx
AULAS 2° D Karine Felix.pptx
Karine Felix
 
AULAS 2° A Karine Felix.pptx
AULAS 2° A Karine Felix.pptxAULAS 2° A Karine Felix.pptx
AULAS 2° A Karine Felix.pptx
Karine Felix
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
rosilenedalmolin
 
Forca elástica e força de atrito
Forca elástica e força de atritoForca elástica e força de atrito
Forca elástica e força de atrito
Kayck L Brito
 
Força de atrito
Força de atritoForça de atrito
Força de atrito
Eldon Avelar
 
Exercícios dinâmica
Exercícios dinâmicaExercícios dinâmica
Exercícios dinâmica
Marcos Ribeiro
 
Forcas de-atrito
Forcas de-atritoForcas de-atrito
Forcas de-atrito
Adrianne Mendonça
 
Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)
Ana Beatriz Neiva
 
Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)
Ana Beatriz Neiva
 
Slideharedinamica
SlideharedinamicaSlideharedinamica
Slideharedinamica
Esperanca Michau
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Aula Experimental 2.docx
Aula Experimental 2.docxAula Experimental 2.docx
Aula Experimental 2.docx
DirceGrein
 
Força, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e EnergiaForça, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e Energia
Carla Regina
 

Semelhante a Aula05 forças (20)

Leis de newton 1 e 2
Leis de newton 1 e 2Leis de newton 1 e 2
Leis de newton 1 e 2
 
8a série as leis de newton
8a série   as leis de newton8a série   as leis de newton
8a série as leis de newton
 
Inérciaforçadeatrito
InérciaforçadeatritoInérciaforçadeatrito
Inérciaforçadeatrito
 
FORCA DE ATRITO Fat...................pdf
FORCA DE ATRITO Fat...................pdfFORCA DE ATRITO Fat...................pdf
FORCA DE ATRITO Fat...................pdf
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
AULAS 2° E Karine Felix.pptx
AULAS 2° E Karine Felix.pptxAULAS 2° E Karine Felix.pptx
AULAS 2° E Karine Felix.pptx
 
AULAS 3° C Karine Felix.pptx
AULAS 3° C Karine Felix.pptxAULAS 3° C Karine Felix.pptx
AULAS 3° C Karine Felix.pptx
 
AULAS 2° D Karine Felix.pptx
AULAS 2° D Karine Felix.pptxAULAS 2° D Karine Felix.pptx
AULAS 2° D Karine Felix.pptx
 
AULAS 2° A Karine Felix.pptx
AULAS 2° A Karine Felix.pptxAULAS 2° A Karine Felix.pptx
AULAS 2° A Karine Felix.pptx
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Forca elástica e força de atrito
Forca elástica e força de atritoForca elástica e força de atrito
Forca elástica e força de atrito
 
Força de atrito
Força de atritoForça de atrito
Força de atrito
 
Exercícios dinâmica
Exercícios dinâmicaExercícios dinâmica
Exercícios dinâmica
 
Forcas de-atrito
Forcas de-atritoForcas de-atrito
Forcas de-atrito
 
Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)
 
Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)Resumos físico química (3º teste)
Resumos físico química (3º teste)
 
Slideharedinamica
SlideharedinamicaSlideharedinamica
Slideharedinamica
 
As Leis de Newton
As Leis de NewtonAs Leis de Newton
As Leis de Newton
 
Aula Experimental 2.docx
Aula Experimental 2.docxAula Experimental 2.docx
Aula Experimental 2.docx
 
Força, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e EnergiaForça, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e Energia
 

Mais de cristbarb

Aula 01 - Física - Energia Energia Mecânica.pptx
Aula 01 - Física - Energia Energia Mecânica.pptxAula 01 - Física - Energia Energia Mecânica.pptx
Aula 01 - Física - Energia Energia Mecânica.pptx
cristbarb
 
Aula02 eletrostatica
Aula02 eletrostaticaAula02 eletrostatica
Aula02 eletrostatica
cristbarb
 
2001 g8 energia nuclear
2001 g8 energia nuclear2001 g8 energia nuclear
2001 g8 energia nuclear
cristbarb
 
2001 g7 biomassa 01
2001 g7 biomassa 012001 g7 biomassa 01
2001 g7 biomassa 01
cristbarb
 
Mares
MaresMares
Mares
cristbarb
 
Geotermica
GeotermicaGeotermica
Geotermica
cristbarb
 
Binder1
Binder1Binder1
Binder1
cristbarb
 
2002 g4
2002 g42002 g4
2002 g4
cristbarb
 
Binder1
Binder1Binder1
Binder1
cristbarb
 
2003 g8 nuclear
2003 g8 nuclear2003 g8 nuclear
2003 g8 nuclear
cristbarb
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
cristbarb
 
Binder1
Binder1Binder1
Binder1
cristbarb
 
Energia Geotérmica
Energia GeotérmicaEnergia Geotérmica
Energia Geotérmica
cristbarb
 
Binder1
Binder1Binder1
Binder1
cristbarb
 
2003 g3
2003 g32003 g3
2003 g3
cristbarb
 
Usinas Termoelétricas
Usinas TermoelétricasUsinas Termoelétricas
Usinas Termoelétricas
cristbarb
 
2003 g1
2003 g12003 g1
2003 g1
cristbarb
 
2002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-12002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-1
cristbarb
 
2002 g4
2002 g42002 g4
2002 g4
cristbarb
 
2001 g3
2001 g32001 g3
2001 g3
cristbarb
 

Mais de cristbarb (20)

Aula 01 - Física - Energia Energia Mecânica.pptx
Aula 01 - Física - Energia Energia Mecânica.pptxAula 01 - Física - Energia Energia Mecânica.pptx
Aula 01 - Física - Energia Energia Mecânica.pptx
 
Aula02 eletrostatica
Aula02 eletrostaticaAula02 eletrostatica
Aula02 eletrostatica
 
2001 g8 energia nuclear
2001 g8 energia nuclear2001 g8 energia nuclear
2001 g8 energia nuclear
 
2001 g7 biomassa 01
2001 g7 biomassa 012001 g7 biomassa 01
2001 g7 biomassa 01
 
Mares
MaresMares
Mares
 
Geotermica
GeotermicaGeotermica
Geotermica
 
Binder1
Binder1Binder1
Binder1
 
2002 g4
2002 g42002 g4
2002 g4
 
Binder1
Binder1Binder1
Binder1
 
2003 g8 nuclear
2003 g8 nuclear2003 g8 nuclear
2003 g8 nuclear
 
Biomassa
BiomassaBiomassa
Biomassa
 
Binder1
Binder1Binder1
Binder1
 
Energia Geotérmica
Energia GeotérmicaEnergia Geotérmica
Energia Geotérmica
 
Binder1
Binder1Binder1
Binder1
 
2003 g3
2003 g32003 g3
2003 g3
 
Usinas Termoelétricas
Usinas TermoelétricasUsinas Termoelétricas
Usinas Termoelétricas
 
2003 g1
2003 g12003 g1
2003 g1
 
2002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-12002 g6 energia maremotriz-1
2002 g6 energia maremotriz-1
 
2002 g4
2002 g42002 g4
2002 g4
 
2001 g3
2001 g32001 g3
2001 g3
 

Aula05 forças

  • 1. Aula 5 - Força Colégio Estadual Dom Helder Câmara Física - 2º Ano – Prof.(a) Cristiane 2010
  • 2. 1. Introdução A Dinâmica é o ramo da Mecânica que estuda as causas do movimento de um corpo. Estas causas estão relacionadas às forças que atuam sobre ele. Dessa maneira, o conceito de força é de fundamental importância no estudo da Dinâmica .
  • 3. 2. Conceito de Força Tomemos um corpo inicialmente em repouso. Esse corpo jamais conseguirá sair do estado de repouso, a menos que receba a ação de uma força resultante não-nula. Um corpo sozinho não exerce força sobre si mesmo. Logo: “ FORÇA É O FRUTO DA INTERAÇÃO ENTRE DOIS CORPOS”
  • 4. 2. Conceito de Força É importante lembrar que a grandeza física, força, é uma grandeza vetorial, isto é, para caracterizá-la precisamos definir sua intensidade (módulo), sua direção de atuação e seu sentido. Quando assinalamos uma força num corpo, usando um vetor (seta), queremos simbolizar a ação que ele está sofrendo de um outro corpo. Logo, o número de forças que um corpo recebe está associado ao número de interações das quais ele participa.
  • 5. 2. Conceito de Força É importante lembrar que a grandeza física, força, é uma grandeza vetorial, isto é, para caracterizá-la precisamos definir sua intensidade (módulo), sua direção de atuação e seu sentido. Quando assinalamos uma força num corpo, usando um vetor (seta), queremos simbolizar a ação que ele está sofrendo de um outro corpo. Logo, o número de forças que um corpo recebe está associado ao número de interações das quais ele participa.
  • 6. 3. Efeitos de Forças Podemos reconhecer a existência de forças pelos efeitos que produzem quando aplicadas a um corpo. A. Deformação A deformação é um dos efeitos causados pela força. Por exemplo, quando você chuta uma bola, no ponto de contato entre o pé e a bola ocorre uma deformação.
  • 7. 3. Efeitos de Forças I. TIPOS DE DEFORMAÇÕES: Tração: Compressão:
  • 8. 3. Efeitos de Forças Torção: Flexão
  • 9. 3. Efeitos de Forças B. Alteração de Velocidade Outro efeito que a força pode produzir no corpo é a alteração de sua velocidade, que consiste num aumento ou numa diminuição do módulo da velocidade, ou alteração da direção da velocidade. No exemplo acima, além do pé do jogador deformar a bola, simultaneamente seu chute altera a velocidade da bola.
  • 10. 3. Efeitos de Forças C. Equilíbrio O equilíbrio é outro efeito causado pela força. Por exemplo, você prende um corpo através de um fio num suporte. A força do fio no corpo produz um equilíbrio, evitando que ele caia pela ação da gravidade terrestre.
  • 11. 4. Medida de Forças A intensidade de uma força pode ser medida através de um aparelho denominado dinamômetro. O dinamômetro é um instrumento constituído de uma mola que se deforma quando recebe a ação de uma força. Logo, para cada deformação produzida, temos o dispositivo indicando a intensidade da força aplicada. No SI, a unidade de medida de força é o Newton (N). Eventualmente pode-se utilizar a unidade prática quilograma-força (kgf), sendo que 1 kgf = 9,8 N.
  • 12. 5. Tipo de Forças As forças trocadas entre os corpos podem ser de contato ou de campo (ação à distância). Destacamos, a seguir, as orientações (direção e sentido) de algumas dessas forças. A. Força Peso Denomina-se força peso a força de campo gravitacional que a Terra exerce sobre qualquer objeto colocado próximo à sua superfície. Ela tem direção vertical e sentido para baixo.
  • 13. 5. Tipo de Forças B. Força de Tração É a força de contato aplicada por um fio (ou eventualmente por uma barra) sobre um corpo. A força de tração tem a direção do fio e sentido de puxar.
  • 14. 5. Tipo de Forças C. Força Normal A força de reação normal de apoio, ou simplesmente força normal , é a força de empurrão que uma superfície exerce sobre um corpo nela apoiado. Quando um bloco (um livro, por exemplo) encontra-se em repouso sobre uma mesa, ele recebe da mesa uma força de compressão que impede a sua penetração sobre ela devido à ação da força peso.
  • 15. 5. Tipo de Forças D. Força de Atrito Quando se lança um corpo sobre uma mesa comum horizontal, ele pára após percorrer uma certa distância. Isso significa que houve uma resistência ao seu movimento. Essa resistência altera a velocidade do corpo e é, portanto, medida por uma força. Essa força de contato motivada por asperezas superficiais recebe o nome de força de atrito. Tal força de atrito é paralela às superfícies de contato e se opõe ao deslizamento relativo ou à tendência de escorregamento .
  • 16. 6. Unidade de Força A unidade mais utilizada para se medir uma força é o Newton, embora a dina (dyn) e o quilograma-força (kgf), sejam bastante utilizados em algumas áreas. • No S.I. => N (Newton) • No C.G.S. => dyn (dina) • Sistema Técnico => Kgf (quilograma força) Relação entre as unidades: 1 N = 10 5 dyn 1 Kgf = 9,8 N OBS.: Um Quilograma-força ( kgf ) é a intensidade da força peso de um corpo de 1 kg de massa, situado num local onde a aceleração gravitacional é normal ( g = 9,8 m/s 2 ).
  • 17. 7. Exercícios 01. Identifique uma situação em que um corpo estará em equilíbrio. a) Um carro em movimento variado. b) Uma pedra caindo em um poço. c) O vento no mar. d) Uma fruta em uma árvore e) Um jogador chutando uma bola. 02. Qual o tipo de deformação responsável para um trator rebocar um caminhão? a) Tração b) Torção c) Flexão d) Compressão e) Colaboração
  • 18. 7. Exercícios 03. Qual o tipo de deformação responsável por espremer uma camisa molhada? a) Tração b) Torção c) Flexão d) Compressão e) Colaboração 04. Qual o tipo de deformação responsável por uma bomba encher o pneu de uma bicicleta? a) Tração b) Torção c) Flexão Compressão e) Colaboração 05. Qual o tipo de deformação responsável por quebrar um pedaço de galho com as mãos? a) Tração b) Torção c) Flexão d) Compressão e) Colaboração