SlideShare uma empresa Scribd logo
Elaborado pelo Dr. Francisco Vilaça Lopes e pela Dra. Maria Inês Ruela
USF Descobrimentos – Lagos
Dezembro 2016
INFORMAÇÃO SOBRE AS VACINAS CONTRA O ROTAVÍRUS
QUE DOENÇA CAUSA ESTE VÍRUS?
O Rotavírus transmite-se pela via fecal-oral, isto é, através do contacto com fezes e vómitos, fraldas sujas, etc.
Causa uma gastroenterite aguda, habitualmente com febre baixa, falta de apetite, diarreia (sem sangue), vómitos
e dores de barriga. Se os vómitos e a diarreia forem muito intensos e não houver ingestão de líquidos para
compensar as perdas, poderá causar desidratação; nos casos mais graves poderá necessitar de tratamento
hospitalar.
O Rotavírus não é o único agente infeccioso que pode causar estes sintomas, mas é dos mais frequentes,
causando no nosso País cerca de um quarto de todas as gastroenterites nas crianças até aos 5 anos de idade e
um terço dos internamentos hospitalares por gastroenterite no mesmo grupo etário.
QUE VACINAS EXISTEM? QUAIS OS BENEFÍCIOS? COMO SE TOMAM?
Em Portugal existem 2 vacinas à venda, a RotaTeq® e a Rotarix®, ambas de toma oral. A vacinação contra o
Rotavírus previne muitos episódios de gastroenterite aguda causada por estes vírus, nomeadamente os casos
mais graves com necessidade de internamento hospitalar.
A RotaTeq® toma-se em 3 doses. Cada dose custa cerca de 51€. A 1ª dose toma-se a partir das 6 semanas de
idade e nunca depois das 12 semanas de idade. As doses devem ser administradas com um intervalo mínimo de 4
semanas. O esquema de vacinação de 3 doses deverá estar concluído preferencialmente às 20-22 semanas de
idade. Se necessário, a 3ª (última) dose pode ser administrada até às 32 semanas de idade.
A Rotarix® toma-se em 2 doses. Cada dose custa cerca de 57€. A 1ª dose pode ser administrada a partir das 6
semanas de idade. As doses devem ser tomadas com um intervalo mínimo de 4 semanas. O esquema de
vacinação deve preferencialmente ser administrado antes das 16 semanas de idade, mas deve estar completo
pelas 24 semanas de idade.
HÁ CONTRAINDICAÇÕES?
Sim: crianças alérgicas a doses anteriores da vacina ou a algum dos seus componentes; com menos de 6 ou mais
de 24 semanas de idade; grandes prematuros; portadores de malformações congénitas do tubo digestivo com
antecedentes ou propensão para invaginação intestinal; imunodeficiência confirmada ou suspeita; doença febril
grave.
HÁ EFEITOS ADVERSOS?
10% das crianças vacinadas: febre baixa, diarreia e vómitos.
Raramente (menos de 0,01%, isto menos de 1 em cada 10.000): intussuscepção intestinal (uma patologia rara e
grave habitualmente com necessidade de tratamento cirúrgico).
TRATANDO-SE DE VACINAS NÃO ABRANGIDAS PELO PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO ACTUALMENTE EM VIGOR, A DECISÃO DE VACINAR CABE AOS
PAIS OU OUTROS RESPONSÁVEIS PELA CRIANÇA, MEDIANTE PRESCRIÇÃO MÉDICA (RECEITA). PARA MAIS INFORMAÇÕES, CONSULTE O SEU MÉDICO DE
FAMÍLIA.
Elaborado pelo Dr. Francisco Vilaça Lopes e pela Dra. Maria Inês Ruela
USF Descobrimentos – Lagos
Dezembro 2016
INFORMAÇÃO SOBRE A VACINA BEXSERO®
DE QUE DOENÇA PROTEGE ESTA VACINA?
A Meningite é uma infecção grave causada por uma bactéria chamada Neisseria meningitidis. Ocorre no mundo
inteiro e constitui um problema de saúde pública devido à sua elevada incidência, gravidade e sequelas,
principalmente em crianças menores de dois anos de idade.
Esta bactéria, também chamada de meningococo, tem vários serogrupos, ou seja, vários tipos. Em Portugal, os
serogrupos mais frequentes são o B e o C. O Plano Nacional de Vacinação inclui, desde 2006, a vacina contra o
serogrupo C, na altura o mais frequente no nosso país.
Esta nova vacina é específica para o serogrupo B e sabe-se que não é 100% eficaz.
QUAIS OS BENEFÍCIOS?
Mesmo desconhecendo-se com precisão qual será a percentagem das estirpes circulantes em Portugal cobertas
pela vacina, ela é, actualmente, a única forma de protecção contra a Meningite do tipo B.
COMO SE TOMA?
Actualmente existe apenas uma vacina disponível, a Bexsero®, com um valor de cerca de 95€ por cada dose.
Trata-se de uma injecção administrada na coxa em lactentes ou no braço em indivíduos mais velhos. O número de
doses e intervalos da sua administração dependem da idade de início da vacinação, como se pode consultar no
quadro.
Início da vacinação
Imunização
primária
Intervalos entre
as doses
Dose de reforço
2 a 5 meses 3 doses Mínimo 1 mês 1 dose entre os 12 e os 23 meses
6 a 11 meses 2 doses Mínimo 2 meses
1 dose entre os 12 e os 23 meses, no
mínimo 2 meses após a última
12 a 23 meses 2 doses Mínimo 2 meses
1 dose 12 a 23 meses após a
primovacinação
2 a 10 anos 2 doses Mínimo 2 meses Não estabelecida
Adolescentes e adultos
até aos 50 anos
2 doses Mínimo 1 mês Não estabelecida
Para reduzir o número de inoculações e efeitos secundários numa mesma visita, poderá ser considerado o
esquema 3, 5 e 7 meses para a imunização primária.
HÁ CONTRAINDICAÇÕES?
Sim: crianças alérgicas a doses anteriores da vacina ou a algum dos seus componentes; lactentes com menos de 2
meses de idade; imunodeficiência confirmada ou suspeita; doença febril grave.
HÁ EFEITOS ADVERSOS?
A vacina Bexsero® é imunogénica e segura em lactentes, crianças e adolescentes. Os efeitos secundários
esperados como febre (10 a 15%) e reacções locais têm uma incidência semelhante às vacinas do Plano Nacional
de Vacinação e são facilmente controláveis com paracetamol (Ben-u-ron®).
Written by Dr. Francisco Vilaça Lopes and Dr. Maria Inês Ruela
USF Descobrimentos – Lagos
December 2016
INFORMATION ABOUT VACCINATION AGAINST ROTAVIRUS
WHAT ILLNESS IS CAUSED BY THIS VIRUS?
Rotavirus is transmitted via direct contact with feces, vomits, diapers, etc. from infected individuals. It causes
acute gastroenteritis, usually with low-grade fever, lack of appetite, diarrhea without blood, vomits, and
stomach ache. If the vomiting and diarrhea are very intense and no fluid loss is compensated, dehydration may
occur, with the severe cases needing endovenous treatment at the hospital.
Rotavirus is not the only infectious agent to cause these symptoms, although one of the most frequent, and in
Portugal it causes about one fourth of all gastroenteritis in children up to 5 years-old, as well as about one
third of all hospital admissions in that age group due to acute gastroenteritis.
WHAT VACCINES DO WE HAVE? WHAT ARE THE BENEFITS?
In Portugal, there are 2 vaccines against Rotavirus, both taken orally: RotaTeq® and Rotarix®. Vaccination
prevents lots of gastroenteritis events, specially the most severe cases.
RotaTeq® requires 3 doses. Each dose costs about 51€. The 1st dose is given from 6 weeks old, and never after
12 weeks. The doses must be given spaced by a minimum of 4 weeks each. The complete scheme should
ideally be completed by 20-22 weeks, and never after 32 weeks.
Rotarix® requires 2 doses. Each dose costs about 57€. The 1st dose is given after 6 weeks old. The doses must
be given spaced by a minimum of 4 weeks each. The complete scheme should ideally be completed by 16
weeks old, and never after 24 weeks old.
ARE THERE ANY COUNTER-INDICATIONS?
Yes: children allergic to previous dosages of the vaccine or any of its components; less than 6 or more than 24
weeks-old; great prematurity; bearers of congenital digestive malformations; confirmed or suspected
immunodeficiency; severe fever.
ARE THERE ANY ADVERSE EFFECTS?
10% of vaccinated children develop: low-grade fever, diarrhea and vomits.
Rarely (less than 1 in 10.000): intestinal intussusception (rare and severe illness that usually requires surgical
treatment).
THESE ARE VACCINES NOT COVERED BY THE PORTUGUESE NATIONAL VACCINATION PROGRAM; THEREFORE THE DECISION TO VACCINATE IS UP TO THE
PARENTS AND OTHER CAREGIVERS, AND REQUIRES MEDICAL PRESCRIPTION. FOR FURTHER INFORMATION, TALK TO YOUR FAMILY DOCTOR.
Written by Dr. Francisco Vilaça Lopes and Dr. Maria Inês Ruela
USF Descobrimentos – Lagos
December 2016
INFORMATION ABOUT BEXSERO®
VACCINE
WHAT ILLNESS DOES THIS VACCINE PROTECT FROM?
Meningitis is a severe infection caused by a bacteria called Neisseria meningitidis. It occurs worldwide and it
represents a public health problem due to its high incidence, severity and sequels, mainly in children under
two years of age.
This bacteria, also called meningococo, has many serogroups, in other words, many types. In Portugal, the
more frequent serogroups are B and C. The Portuguese National Vaccination Program includes, since 2006, the
vaccine against serogroup C, at the time the most frequent in our country.
This new vaccine is serogroup B specific and it is known that is not 100% effective.
WHAT ARE THE BENEFITS?
Even though it is not precisely known the percentage of meningococo’s strains present in Portugal, this vaccine
is, currently, the only way of protecting against type B meningitis.
HOW DO WE TAKE IT?
At the present time, there is only one available vaccine, Bexsero®, and it costs about 95€ for each dose. This is
an injection administered in the thigh in infants or in the arm in older individuals. The number of doses and the
administration intervals depend on the vaccination starting age, as you can consult in the table below.
Vaccination starting age
Primary
immunizatio
n
Intervals between
doses
Additional vaccination
2 to 5 months 3 doses Minimum 1 month 1 dose between 12 and 23 months
6 to 11 months 2 doses Minimum 2 months
1 dose between 12 and 23 months, at
least 2 months after the last
12 to 23 months 2 doses Minimum 2 months
1 dose 12 to 23 months after primary
course of vaccination
2 to 10 years 2 doses Minimum 2 months Not established
Adolescents and adults
until 50 years
2 doses Minimum 1 month Not established
To reduce the number of inoculations and side effects in a same visit, it can be considered an alternative
scheme at 3, 5 and 7 months for primary course of vaccination.
ARE THERE ANY COUNTER-INDICATIONS?
Yes: children allergic to previous vaccine doses or any of its components; under 2 months old infants; confirmed
or suspected immunodeficiency; severe fever.
ARE THERE ANY ADVERSE EFFECTS?
Bexsero® vaccine is imunogenic and safe in infants, children and adolescentes. The expectable adverse effects
such as fever (10 a 15%) and local reactions have a similar incidence to the Portuguese National Vaccination
Program vaccines and they are easily manageable with paracetamol (Ben-u-ron®).

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Instruções ECG USF Descobrimentos
Instruções ECG USF DescobrimentosInstruções ECG USF Descobrimentos
Instruções ECG USF Descobrimentos
Francisco Vilaça Lopes
 
Curvas de Percentis [gráficos de apoio à consulta]
Curvas de Percentis [gráficos de apoio à consulta]Curvas de Percentis [gráficos de apoio à consulta]
Curvas de Percentis [gráficos de apoio à consulta]
Francisco Vilaça Lopes
 
Método dos 2 Dias [palestra]
Método dos 2 Dias [palestra]Método dos 2 Dias [palestra]
Método dos 2 Dias [palestra]
Francisco Vilaça Lopes
 
Aplicação SiiMA para RCCU - Uma abordagem práctica
Aplicação SiiMA para RCCU - Uma abordagem prácticaAplicação SiiMA para RCCU - Uma abordagem práctica
Aplicação SiiMA para RCCU - Uma abordagem práctica
Francisco Vilaça Lopes
 
Plano nacional de vacinação
Plano nacional de vacinaçãoPlano nacional de vacinação
Plano nacional de vacinação
anabelldiogomariana
 
Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017
Mgfamiliar Net
 
Trabalho vacinas
Trabalho vacinas Trabalho vacinas
Trabalho vacinas
Vânia Batista
 
Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016
imunizacao
 

Destaque (8)

Instruções ECG USF Descobrimentos
Instruções ECG USF DescobrimentosInstruções ECG USF Descobrimentos
Instruções ECG USF Descobrimentos
 
Curvas de Percentis [gráficos de apoio à consulta]
Curvas de Percentis [gráficos de apoio à consulta]Curvas de Percentis [gráficos de apoio à consulta]
Curvas de Percentis [gráficos de apoio à consulta]
 
Método dos 2 Dias [palestra]
Método dos 2 Dias [palestra]Método dos 2 Dias [palestra]
Método dos 2 Dias [palestra]
 
Aplicação SiiMA para RCCU - Uma abordagem práctica
Aplicação SiiMA para RCCU - Uma abordagem prácticaAplicação SiiMA para RCCU - Uma abordagem práctica
Aplicação SiiMA para RCCU - Uma abordagem práctica
 
Plano nacional de vacinação
Plano nacional de vacinaçãoPlano nacional de vacinação
Plano nacional de vacinação
 
Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017
 
Trabalho vacinas
Trabalho vacinas Trabalho vacinas
Trabalho vacinas
 
Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016
 

Semelhante a Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV

SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
Eduardo Gomes da Silva
 
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
WagnerSantos729263
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
JssicaBizinoto
 
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Instituto Consciência GO
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
arymurilo123
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
arymurilo123
 
Vacinas
Vacinas Vacinas
Vacinas
Júlia Moreira
 
vacinacao-pdf.pdf
vacinacao-pdf.pdfvacinacao-pdf.pdf
vacinacao-pdf.pdf
AnieliBia1
 
Trabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite BTrabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite B
Daniela José Arozi
 
PAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptxPAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptx
Estevao Ualane/ Assuntos Medicos
 
Cólera&coqueluche
Cólera&coquelucheCólera&coqueluche
Cólera&coqueluche
brunna queiroz
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
Isadora Ribeiro
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
Patricia Nunes
 
DIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdfDIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdf
JuniorNunes28
 
DIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdfDIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdf
GlaudiovaneJnior
 
Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013
Ismael Costa
 
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
Ismael Costa
 
Guia de vacinas 2013
Guia de vacinas 2013Guia de vacinas 2013
Guia de vacinas 2013
Letícia Spina Tapia
 
O que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viralO que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viral
antonio ferreira
 

Semelhante a Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV (20)

SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
 
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
 
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (3).pdf
 
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdfAB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
AB 2018 IMUNIZAÇÃO dias 15,16 e 21 08 (2).pdf
 
Vacinas
Vacinas Vacinas
Vacinas
 
vacinacao-pdf.pdf
vacinacao-pdf.pdfvacinacao-pdf.pdf
vacinacao-pdf.pdf
 
Trabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite BTrabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite B
 
PAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptxPAV-Actualizado.pptx
PAV-Actualizado.pptx
 
Cólera&coqueluche
Cólera&coquelucheCólera&coqueluche
Cólera&coqueluche
 
Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
 
Hiv na infância
Hiv na infânciaHiv na infância
Hiv na infância
 
DIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdfDIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdf
 
DIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdfDIARREIA AGUDA.pdf
DIARREIA AGUDA.pdf
 
Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013
 
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
 
Imunização
Imunização Imunização
Imunização
 
Guia de vacinas 2013
Guia de vacinas 2013Guia de vacinas 2013
Guia de vacinas 2013
 
O que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viralO que é gastroenterite viral
O que é gastroenterite viral
 

Mais de Francisco Vilaça Lopes

[Enchiridium Missarum Sollemnium etc., João Dias, Coimbra, século XVII]
[Enchiridium Missarum Sollemnium etc., João Dias, Coimbra, século XVII][Enchiridium Missarum Sollemnium etc., João Dias, Coimbra, século XVII]
[Enchiridium Missarum Sollemnium etc., João Dias, Coimbra, século XVII]
Francisco Vilaça Lopes
 
Método dos Dias Fixos [apresentação]
Método dos Dias Fixos [apresentação]Método dos Dias Fixos [apresentação]
Método dos Dias Fixos [apresentação]
Francisco Vilaça Lopes
 
Cessação de Benzodiazepinas
Cessação de BenzodiazepinasCessação de Benzodiazepinas
Cessação de Benzodiazepinas
Francisco Vilaça Lopes
 
Prescrição e determinação da hemoglobina glicada A1c
Prescrição e determinação da hemoglobina glicada A1cPrescrição e determinação da hemoglobina glicada A1c
Prescrição e determinação da hemoglobina glicada A1c
Francisco Vilaça Lopes
 
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilisDiagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
Francisco Vilaça Lopes
 
Telerastreio Dermatológico: A experiência do Algarve
Telerastreio Dermatológico: A experiência do AlgarveTelerastreio Dermatológico: A experiência do Algarve
Telerastreio Dermatológico: A experiência do Algarve
Francisco Vilaça Lopes
 
Métodos Naturais de Planeamento Familiar
Métodos Naturais de Planeamento FamiliarMétodos Naturais de Planeamento Familiar
Métodos Naturais de Planeamento Familiar
Francisco Vilaça Lopes
 
Custos do Pé Diabético no Serviço de Cirurgia Geral do Hospital do Barlavento...
Custos do Pé Diabético no Serviço de Cirurgia Geral do Hospital do Barlavento...Custos do Pé Diabético no Serviço de Cirurgia Geral do Hospital do Barlavento...
Custos do Pé Diabético no Serviço de Cirurgia Geral do Hospital do Barlavento...
Francisco Vilaça Lopes
 
Como manter-se actualizado em MGF?
Como manter-se actualizado em MGF?Como manter-se actualizado em MGF?
Como manter-se actualizado em MGF?
Francisco Vilaça Lopes
 
Método dos dias fixos
Método dos dias fixosMétodo dos dias fixos
Método dos dias fixos
Francisco Vilaça Lopes
 
Famílias anónimas
Famílias anónimasFamílias anónimas
Famílias anónimas
Francisco Vilaça Lopes
 
Analgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Analgésicos e Antibióticos em Patologia DentáriaAnalgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Analgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Francisco Vilaça Lopes
 
Profilaxia das Cólicas Infantis com Suplementação Probiótica
Profilaxia das Cólicas Infantis com Suplementação ProbióticaProfilaxia das Cólicas Infantis com Suplementação Probiótica
Profilaxia das Cólicas Infantis com Suplementação Probiótica
Francisco Vilaça Lopes
 
Folha resumo MCDs na Gravidez de Baixo Risco
Folha resumo MCDs na Gravidez de Baixo RiscoFolha resumo MCDs na Gravidez de Baixo Risco
Folha resumo MCDs na Gravidez de Baixo Risco
Francisco Vilaça Lopes
 
Como produzir material informativo em MGF?
Como produzir material informativo em MGF?Como produzir material informativo em MGF?
Como produzir material informativo em MGF?
Francisco Vilaça Lopes
 
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo RiscoMeios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Francisco Vilaça Lopes
 
Fisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na GonartroseFisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na Gonartrose
Francisco Vilaça Lopes
 
Bases de Referenciação de MGF para ORL
Bases de Referenciação de MGF para ORLBases de Referenciação de MGF para ORL
Bases de Referenciação de MGF para ORL
Francisco Vilaça Lopes
 

Mais de Francisco Vilaça Lopes (18)

[Enchiridium Missarum Sollemnium etc., João Dias, Coimbra, século XVII]
[Enchiridium Missarum Sollemnium etc., João Dias, Coimbra, século XVII][Enchiridium Missarum Sollemnium etc., João Dias, Coimbra, século XVII]
[Enchiridium Missarum Sollemnium etc., João Dias, Coimbra, século XVII]
 
Método dos Dias Fixos [apresentação]
Método dos Dias Fixos [apresentação]Método dos Dias Fixos [apresentação]
Método dos Dias Fixos [apresentação]
 
Cessação de Benzodiazepinas
Cessação de BenzodiazepinasCessação de Benzodiazepinas
Cessação de Benzodiazepinas
 
Prescrição e determinação da hemoglobina glicada A1c
Prescrição e determinação da hemoglobina glicada A1cPrescrição e determinação da hemoglobina glicada A1c
Prescrição e determinação da hemoglobina glicada A1c
 
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilisDiagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
 
Telerastreio Dermatológico: A experiência do Algarve
Telerastreio Dermatológico: A experiência do AlgarveTelerastreio Dermatológico: A experiência do Algarve
Telerastreio Dermatológico: A experiência do Algarve
 
Métodos Naturais de Planeamento Familiar
Métodos Naturais de Planeamento FamiliarMétodos Naturais de Planeamento Familiar
Métodos Naturais de Planeamento Familiar
 
Custos do Pé Diabético no Serviço de Cirurgia Geral do Hospital do Barlavento...
Custos do Pé Diabético no Serviço de Cirurgia Geral do Hospital do Barlavento...Custos do Pé Diabético no Serviço de Cirurgia Geral do Hospital do Barlavento...
Custos do Pé Diabético no Serviço de Cirurgia Geral do Hospital do Barlavento...
 
Como manter-se actualizado em MGF?
Como manter-se actualizado em MGF?Como manter-se actualizado em MGF?
Como manter-se actualizado em MGF?
 
Método dos dias fixos
Método dos dias fixosMétodo dos dias fixos
Método dos dias fixos
 
Famílias anónimas
Famílias anónimasFamílias anónimas
Famílias anónimas
 
Analgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Analgésicos e Antibióticos em Patologia DentáriaAnalgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Analgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
 
Profilaxia das Cólicas Infantis com Suplementação Probiótica
Profilaxia das Cólicas Infantis com Suplementação ProbióticaProfilaxia das Cólicas Infantis com Suplementação Probiótica
Profilaxia das Cólicas Infantis com Suplementação Probiótica
 
Folha resumo MCDs na Gravidez de Baixo Risco
Folha resumo MCDs na Gravidez de Baixo RiscoFolha resumo MCDs na Gravidez de Baixo Risco
Folha resumo MCDs na Gravidez de Baixo Risco
 
Como produzir material informativo em MGF?
Como produzir material informativo em MGF?Como produzir material informativo em MGF?
Como produzir material informativo em MGF?
 
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo RiscoMeios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
Meios Complementares de Diagnóstico na Gravidez de Baixo Risco
 
Fisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na GonartroseFisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na Gonartrose
 
Bases de Referenciação de MGF para ORL
Bases de Referenciação de MGF para ORLBases de Referenciação de MGF para ORL
Bases de Referenciação de MGF para ORL
 

Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV

  • 1. Elaborado pelo Dr. Francisco Vilaça Lopes e pela Dra. Maria Inês Ruela USF Descobrimentos – Lagos Dezembro 2016 INFORMAÇÃO SOBRE AS VACINAS CONTRA O ROTAVÍRUS QUE DOENÇA CAUSA ESTE VÍRUS? O Rotavírus transmite-se pela via fecal-oral, isto é, através do contacto com fezes e vómitos, fraldas sujas, etc. Causa uma gastroenterite aguda, habitualmente com febre baixa, falta de apetite, diarreia (sem sangue), vómitos e dores de barriga. Se os vómitos e a diarreia forem muito intensos e não houver ingestão de líquidos para compensar as perdas, poderá causar desidratação; nos casos mais graves poderá necessitar de tratamento hospitalar. O Rotavírus não é o único agente infeccioso que pode causar estes sintomas, mas é dos mais frequentes, causando no nosso País cerca de um quarto de todas as gastroenterites nas crianças até aos 5 anos de idade e um terço dos internamentos hospitalares por gastroenterite no mesmo grupo etário. QUE VACINAS EXISTEM? QUAIS OS BENEFÍCIOS? COMO SE TOMAM? Em Portugal existem 2 vacinas à venda, a RotaTeq® e a Rotarix®, ambas de toma oral. A vacinação contra o Rotavírus previne muitos episódios de gastroenterite aguda causada por estes vírus, nomeadamente os casos mais graves com necessidade de internamento hospitalar. A RotaTeq® toma-se em 3 doses. Cada dose custa cerca de 51€. A 1ª dose toma-se a partir das 6 semanas de idade e nunca depois das 12 semanas de idade. As doses devem ser administradas com um intervalo mínimo de 4 semanas. O esquema de vacinação de 3 doses deverá estar concluído preferencialmente às 20-22 semanas de idade. Se necessário, a 3ª (última) dose pode ser administrada até às 32 semanas de idade. A Rotarix® toma-se em 2 doses. Cada dose custa cerca de 57€. A 1ª dose pode ser administrada a partir das 6 semanas de idade. As doses devem ser tomadas com um intervalo mínimo de 4 semanas. O esquema de vacinação deve preferencialmente ser administrado antes das 16 semanas de idade, mas deve estar completo pelas 24 semanas de idade. HÁ CONTRAINDICAÇÕES? Sim: crianças alérgicas a doses anteriores da vacina ou a algum dos seus componentes; com menos de 6 ou mais de 24 semanas de idade; grandes prematuros; portadores de malformações congénitas do tubo digestivo com antecedentes ou propensão para invaginação intestinal; imunodeficiência confirmada ou suspeita; doença febril grave. HÁ EFEITOS ADVERSOS? 10% das crianças vacinadas: febre baixa, diarreia e vómitos. Raramente (menos de 0,01%, isto menos de 1 em cada 10.000): intussuscepção intestinal (uma patologia rara e grave habitualmente com necessidade de tratamento cirúrgico). TRATANDO-SE DE VACINAS NÃO ABRANGIDAS PELO PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO ACTUALMENTE EM VIGOR, A DECISÃO DE VACINAR CABE AOS PAIS OU OUTROS RESPONSÁVEIS PELA CRIANÇA, MEDIANTE PRESCRIÇÃO MÉDICA (RECEITA). PARA MAIS INFORMAÇÕES, CONSULTE O SEU MÉDICO DE FAMÍLIA.
  • 2. Elaborado pelo Dr. Francisco Vilaça Lopes e pela Dra. Maria Inês Ruela USF Descobrimentos – Lagos Dezembro 2016 INFORMAÇÃO SOBRE A VACINA BEXSERO® DE QUE DOENÇA PROTEGE ESTA VACINA? A Meningite é uma infecção grave causada por uma bactéria chamada Neisseria meningitidis. Ocorre no mundo inteiro e constitui um problema de saúde pública devido à sua elevada incidência, gravidade e sequelas, principalmente em crianças menores de dois anos de idade. Esta bactéria, também chamada de meningococo, tem vários serogrupos, ou seja, vários tipos. Em Portugal, os serogrupos mais frequentes são o B e o C. O Plano Nacional de Vacinação inclui, desde 2006, a vacina contra o serogrupo C, na altura o mais frequente no nosso país. Esta nova vacina é específica para o serogrupo B e sabe-se que não é 100% eficaz. QUAIS OS BENEFÍCIOS? Mesmo desconhecendo-se com precisão qual será a percentagem das estirpes circulantes em Portugal cobertas pela vacina, ela é, actualmente, a única forma de protecção contra a Meningite do tipo B. COMO SE TOMA? Actualmente existe apenas uma vacina disponível, a Bexsero®, com um valor de cerca de 95€ por cada dose. Trata-se de uma injecção administrada na coxa em lactentes ou no braço em indivíduos mais velhos. O número de doses e intervalos da sua administração dependem da idade de início da vacinação, como se pode consultar no quadro. Início da vacinação Imunização primária Intervalos entre as doses Dose de reforço 2 a 5 meses 3 doses Mínimo 1 mês 1 dose entre os 12 e os 23 meses 6 a 11 meses 2 doses Mínimo 2 meses 1 dose entre os 12 e os 23 meses, no mínimo 2 meses após a última 12 a 23 meses 2 doses Mínimo 2 meses 1 dose 12 a 23 meses após a primovacinação 2 a 10 anos 2 doses Mínimo 2 meses Não estabelecida Adolescentes e adultos até aos 50 anos 2 doses Mínimo 1 mês Não estabelecida Para reduzir o número de inoculações e efeitos secundários numa mesma visita, poderá ser considerado o esquema 3, 5 e 7 meses para a imunização primária. HÁ CONTRAINDICAÇÕES? Sim: crianças alérgicas a doses anteriores da vacina ou a algum dos seus componentes; lactentes com menos de 2 meses de idade; imunodeficiência confirmada ou suspeita; doença febril grave. HÁ EFEITOS ADVERSOS? A vacina Bexsero® é imunogénica e segura em lactentes, crianças e adolescentes. Os efeitos secundários esperados como febre (10 a 15%) e reacções locais têm uma incidência semelhante às vacinas do Plano Nacional de Vacinação e são facilmente controláveis com paracetamol (Ben-u-ron®).
  • 3. Written by Dr. Francisco Vilaça Lopes and Dr. Maria Inês Ruela USF Descobrimentos – Lagos December 2016 INFORMATION ABOUT VACCINATION AGAINST ROTAVIRUS WHAT ILLNESS IS CAUSED BY THIS VIRUS? Rotavirus is transmitted via direct contact with feces, vomits, diapers, etc. from infected individuals. It causes acute gastroenteritis, usually with low-grade fever, lack of appetite, diarrhea without blood, vomits, and stomach ache. If the vomiting and diarrhea are very intense and no fluid loss is compensated, dehydration may occur, with the severe cases needing endovenous treatment at the hospital. Rotavirus is not the only infectious agent to cause these symptoms, although one of the most frequent, and in Portugal it causes about one fourth of all gastroenteritis in children up to 5 years-old, as well as about one third of all hospital admissions in that age group due to acute gastroenteritis. WHAT VACCINES DO WE HAVE? WHAT ARE THE BENEFITS? In Portugal, there are 2 vaccines against Rotavirus, both taken orally: RotaTeq® and Rotarix®. Vaccination prevents lots of gastroenteritis events, specially the most severe cases. RotaTeq® requires 3 doses. Each dose costs about 51€. The 1st dose is given from 6 weeks old, and never after 12 weeks. The doses must be given spaced by a minimum of 4 weeks each. The complete scheme should ideally be completed by 20-22 weeks, and never after 32 weeks. Rotarix® requires 2 doses. Each dose costs about 57€. The 1st dose is given after 6 weeks old. The doses must be given spaced by a minimum of 4 weeks each. The complete scheme should ideally be completed by 16 weeks old, and never after 24 weeks old. ARE THERE ANY COUNTER-INDICATIONS? Yes: children allergic to previous dosages of the vaccine or any of its components; less than 6 or more than 24 weeks-old; great prematurity; bearers of congenital digestive malformations; confirmed or suspected immunodeficiency; severe fever. ARE THERE ANY ADVERSE EFFECTS? 10% of vaccinated children develop: low-grade fever, diarrhea and vomits. Rarely (less than 1 in 10.000): intestinal intussusception (rare and severe illness that usually requires surgical treatment). THESE ARE VACCINES NOT COVERED BY THE PORTUGUESE NATIONAL VACCINATION PROGRAM; THEREFORE THE DECISION TO VACCINATE IS UP TO THE PARENTS AND OTHER CAREGIVERS, AND REQUIRES MEDICAL PRESCRIPTION. FOR FURTHER INFORMATION, TALK TO YOUR FAMILY DOCTOR.
  • 4. Written by Dr. Francisco Vilaça Lopes and Dr. Maria Inês Ruela USF Descobrimentos – Lagos December 2016 INFORMATION ABOUT BEXSERO® VACCINE WHAT ILLNESS DOES THIS VACCINE PROTECT FROM? Meningitis is a severe infection caused by a bacteria called Neisseria meningitidis. It occurs worldwide and it represents a public health problem due to its high incidence, severity and sequels, mainly in children under two years of age. This bacteria, also called meningococo, has many serogroups, in other words, many types. In Portugal, the more frequent serogroups are B and C. The Portuguese National Vaccination Program includes, since 2006, the vaccine against serogroup C, at the time the most frequent in our country. This new vaccine is serogroup B specific and it is known that is not 100% effective. WHAT ARE THE BENEFITS? Even though it is not precisely known the percentage of meningococo’s strains present in Portugal, this vaccine is, currently, the only way of protecting against type B meningitis. HOW DO WE TAKE IT? At the present time, there is only one available vaccine, Bexsero®, and it costs about 95€ for each dose. This is an injection administered in the thigh in infants or in the arm in older individuals. The number of doses and the administration intervals depend on the vaccination starting age, as you can consult in the table below. Vaccination starting age Primary immunizatio n Intervals between doses Additional vaccination 2 to 5 months 3 doses Minimum 1 month 1 dose between 12 and 23 months 6 to 11 months 2 doses Minimum 2 months 1 dose between 12 and 23 months, at least 2 months after the last 12 to 23 months 2 doses Minimum 2 months 1 dose 12 to 23 months after primary course of vaccination 2 to 10 years 2 doses Minimum 2 months Not established Adolescents and adults until 50 years 2 doses Minimum 1 month Not established To reduce the number of inoculations and side effects in a same visit, it can be considered an alternative scheme at 3, 5 and 7 months for primary course of vaccination. ARE THERE ANY COUNTER-INDICATIONS? Yes: children allergic to previous vaccine doses or any of its components; under 2 months old infants; confirmed or suspected immunodeficiency; severe fever. ARE THERE ANY ADVERSE EFFECTS? Bexsero® vaccine is imunogenic and safe in infants, children and adolescentes. The expectable adverse effects such as fever (10 a 15%) and local reactions have a similar incidence to the Portuguese National Vaccination Program vaccines and they are easily manageable with paracetamol (Ben-u-ron®).