SlideShare uma empresa Scribd logo
VACINAS
I Treinamento para os ACS’s

Enfª Júlia Moreira
PSF Cacaueiro – Icatu MA - 2014
O que é ?



A vacinação é uma das medidas mais importantes de
prevenção contra doenças. A vacina é uma pequena dose
de micróbios enfraquecidos, injetados nos organismo,
esses micróbio estimulam o corpo a se defender contra os
organismos (vírus e bactérias) que provocam as doenças.
Como conservar ?


A temperatura ideal está entre 2º a 8ºC.



As vacinas inativadas (vírus morto) são mais sensíveis a baixas
temperaturas, se congeladas perdem sua eficácia e causam nódulos e
dor no local da aplicação.



As vacinas atenuadas (vírus vivo) são mais sensíveis a temperaturas
elevadas, pois mata os vírus.



Toda caixa térmica ou refrigerador que armazene vacinas devem ter o
termômetro que informa a temperatura máxima e mínima.
BCG


Protege contra a Tuberculose;



Dose única, 0,1ml ID no músculo deltoide;



Deve ser administrada nas primeiras 12 hs após o nascimento;

Quem deve tomar?


Crianças ao nascer, pessoas com HIV e contatos de pessoa com
Hanseníase.



Crianças que receberam a vacina há seis meses ou mais, nas quais
está ausente a cicatriz vacinal.

Contra-indicação:


Criança com peso inferior a 2.000g;



Infecções dermatológicas extensas.
Hepatite B


Na criança deve ser administrada nas primeiras 24hs após o
nascimento;



Se após 30 dias do nascimento a criança não tomar a vacina, a mesma
tomará a penta.



Gestantes e adultos também tomam a vacina.

Administração:


Via IM, no vasto lateral da coxa em crianças e no músculo deltoide em
adultos, 0,5 ml até os 19 anos e 1 ml após 19 anos.

Nota: pode ser aplicada simultaneamente com outras vacinas .
Pentavalente


Protege contra hepatite B, difteria, tétano, coqueluche, meningite.



Crianças a partir de 02 meses de idade devem tomar a vacina, que é
dividida em 03 doses, aos 02, 04 e 06 meses.



Esta vacina é contraindicada para crianças a partir de 07 anos de
idade, por não ser adequada para a faixa etária.

Administração:


Via IM, 0,5ml no vasto lateral da coxa.

Nota: Considerar o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses apenas
para crianças acima de 06 meses de idade.
VIP


Protege contra a Paralisia Infantil;



Administrada em 02 doses, aos 02 e aos 04 meses de idade;



A terceira dose deve ser administrada a VOP

Administração:


Via IM, 0,5ml no vasto lateral da coxa.

Nota: O intervalo mínimo entre as doses pode ser de 30 dias, em
situação de risco. O esquema deve ser completo aos 06 meses de
idade.
Nos casos em que houver interrupção da vacinação, esta prosseguirá com
a dose que o individuo iria receber quando se deu a descontinuação .
VOP


Protege contra a Paralisia Infantil;



Administrada 01 dose aos 06 meses de idade, com reforço aos 15 meses e aos
04 anos de idade.

Administração:


Via Oral, 02 gotas.



Repetir a dose se a criança vomitar, cuspir ou regurgitar.

Contra indicação:


Pessoas que tenham histórico de paralisia flácida associada a dose anterior;



Crianças imunodeprimidas, contato de pessoa com HIV.
Rotavírus Humano


Protege contra diarreias graves;



É administrada via oral, em 02 doses, aos 02 e 04 meses de idade;



Deve manter intervalo mínimo de 30 dias entre as doses;



Nota: Se a criança cuspir, vomitar ou regurgitar após a vacinação, não
repetir a dose.



Pode ser administrada simultaneamente com a vacina VOP, ou com
pelo menos 1 dias de intervalo.

Contra indicação:


Crianças com imunodepressão severa ou com malformação congênita
do trato gastrointestinal.
Rotavírus Humano
INDICAÇÃO

1ª DOSE

2ª DOSE

IDADE IDEAL

AOS 02 MESES

AOS 04 MESES

IDADE ACEITAVEL

1 MÊS E 15 DIAS A 03
MESES E 15 DIAS

03 MESES E 15 DIAS A 07
MESES E 29 DIAS

NUNCA VACINAR

MENOR DE 01 MÊS E 15
DIAS E MAIOR DE 03
MESES E 15 DIAS

MENOR DE 03MESES E 07
DIAS E MAIOR DE 07
MESES E 29 DIAS.
Pneumocócica 10-valente


Protege contra pneumonia, otite, meningite e outras doenças
causadas pela bactéria pneumococo.



É administrada em 03 doses, aos 02, 04 e 06 meses de idade, e
reforço entre 12 e 15 meses de idade, considerando o intervalo
mínimo de 06 meses após o esquema básico.



Via IM, 0,5ml no vasto lateral da coxa.

Nota:


Crianças entre 12 e 23 meses de idade que não tenham tomado a
vacina, administrar dose única.



Pode ser administrada simultaneamente, ou com qualquer intervalo,
com outras vacinas do calendário, porém em locais diferentes.
Meningocócica C


Protege contra meningite, pneumonia, artrite, uretrite, e outras
doenças causadas pela bactéria Neisseria Meningitidis.



É administrada em 02 doses, aos 03 e 05 meses de idade e reforço
entre 12 e 15 meses .



Via IM, 0,5ml no vasto lateral da coxa.

Nota:


Crianças que iniciam o esquema vacinal após 05 meses de idade,
considerar o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses, e administrar
o reforço com intervalo de 60 dias após a última dose;



Crianças entre 12 e 23 meses de idade sem ter tomado a vacina
antes, administrar dose única;



Pode ser administrada simultaneamente com outras vacinas do
calendário, porém em locais diferentes.
Febre Amarela


Protege contra a Febre amarela;



A primeira dose é administrada aos 09 meses de idade, e o reforço a
cada 10 anos;



Via Subcutânea, 0,5ml;

Contra indicações:


Gestantes e mulheres que estejam amamentando e pessoas com mais
de 60 anos de idade que nunca receberam a vacina;



Crianças menores de 06 meses (exceto em situação de surto da
doença);



Não administrar simultaneamente com a vacina tríplice viral e/ou
Tetra viral, estabelecer intervalo de 30 dias.
Tríplice Viral


Protege contra sarampo, caxumba e rubéola;



Administrar 1ª dose aos 12 meses de idade , com a tríplice viral e a 2ª
dose aos 15 meses, com a vacina tetra viral;



Via, subcutânea, 05ml.

Contra Indicações:


Gestantes;



Mulheres em idade fértil devem evitar gravidez até 01 mês após a
vacinação;



Não administrar simultaneamente com a vacina febre amarela;

Nota: Após diluição, tem duração de 08 hs.
Tetra Viral


Protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela



É administrado 01 dose aos 15 meses de idade, em crianças que já
tenham recebido a 1ª dose da vacina tríplice viral aos 12 meses.



Via subcutânea, 0,5ml

Contra indicações: mesmas da tríplice viral
Nota:


O PNI não disponibiliza a vacina para as crianças que não receberam a
primeira dose de tríplice viral entre 12 e 14 meses de idade e aquelas
acima de 15 meses de idade.
DTP


Protege contra difiteria e tétano;



É administrado 02 reforços, o primeiro com 15 meses de idade e o
segundo com 04 anos de idade;



Crianças entre 04 a 06 anos, 11 meses e 29 dias sem nenhum reforço,
administrar apenas 01 reforço;



Crianças entre 05 até 06 anos, 11 meses e 29 dias, sem histórico de
vacinação devem receber 03 doses com intervalos de 60 dias entre as
doses e mínimo de 30 dias;



Via IM, 0,5 ml;

Nota: Adultos e gestantes também tomam a vacina DT Adulto
Influenza - gripe


Protege contra a gripe;



Esta vacina é disponibilizada anualmente para crianças de 06 meses a
menores de 02 anos de idade, gestantes, puérperas, pessoas com 60
anos ou mais, trabalhadores da saúde, população privada de
liberdade, indivíduos com comorbidades e povos indígenas;



Via IM, 0,25ml até 02nos de idade, 0,5ml acima de 02 anos de idade;

Nota:


Crianças entre 06 meses e 08 anos 11meses e 29 dias, que tomarão
vacina pela primeira vez, administrar 02 doses, com intervalo de 30
dias;



Para indivíduos a partir de 09 anos, administrar dose única.
Pneumocócica 23 - valente


Protege contra pneumonia;



È administrada 01 dose durante a campanha nacional da Influenza,
em indivíduos de 60 anos e pessoas acamadas não vacinadas que
vivem em instituições como asilo, hospital, casa de repouso e etc.



Administrar reforço após 05 anos;



È contraindicada para crianças menores de 02 anos de idade.
Efeitos Adversos
BCG:
Úlceras

com diâmetro maior que 01cm

HEPATITE B:
Dor,

endurecimento e rubor no local;

Febre,

fadiga, irritabilidade, tontura, cefaleia.

PENTAVALENTE:
Dor,

endurecimento e rubor no local;

Febre,

às vezes acima de 39ºC, sonolência, choro persistente,
irritabilidade, vômito, convulsão.
Nota: Caso a criança convulsione, levar imediatamente ao hospital e
notificar.
Efeitos Adversos
VIP – VOP:
Febre,

irritabilidade, choro persistente, poliomielite associada à

vacina.
Nota: Caso a mãe note um déficit motor na criança após a vacinação,
deverá levar a criança imediatamente ao hospital.
MENINGOCÓCICA:
Leves

e poucos frequentes, mas podem ocorrer manifestações locais
por dois ou mais dias e febre baixa.
Efeitos Adversos
PNEUMOCÓCICA:
Rubor,

irritabilidade, sonolência, febre, convulsão, diarreia, vômito,
reações alérgicas, choro persistente.
Nota: Em caso de convulsão, a criança deve ser levada ao hospital.
FEBRE AMARELA:
Dor

e abcesso no local, febre, mialgia, cefaleia e raramente reação
alérgica.
Nota: Em caso de reação alérgica, levar a criança ao hospital.
INFLUENZA:
Dor

e endurecimento no local, febre, mal-estar, mialgia e raramente
reação alérgica.
Efeitos Adversos
TRIPLICE VIRAL E DTP:
Dor

e edema no local, febre, cefaléia, irritabilidade, vômito,
sonolência, perda de apetite, raramente pode acontecer enxatema,
reação alérgica e convulsão.
Nota: Notificar caso aconteça reações mais graves.
Dúvidas Frequentes:
A primeira dose é mais importante do que as posteriores?
Não. Todas as doses são importantes para que a vacina resulte no efeito
esperado. 
Uma pessoa pode tomar várias vacinas no mesmo dia?
Sim, desde que as vacinas sejam aplicadas em lugares do corpo
diferentes. 
Qual é o melhor horário para se tomar vacina?
Não existe um horário específico do dia para ser vacinado. 
Quanto mais fortes as reações, mais protegida a criança está?
A eficácia não está relacionada à intensidade de sinais como febre,
inchaço e dor no local da aplicação.
Existe algum grupo de pessoas que não pode tomar a vacina contra a
nova gripe (H1N1)? Por exemplo, alérgicos a ovos? 
Sim. Pessoas com alergia a proteína do ovo e componentes da vacina. 
Dúvidas Frequentes
Crianças com resfriado ou diarréia podem ser vacinadas?
Em geral, não existem muitas restrições às vacinas. Se a criança estiver
resfriada, mas sem febre, pode ser vacinada. Se estiver com uma
diarréia leve, não há objeção à vacinação. Mas, se estiver com febre
alta, com alguma doença ou tomando remédio que altere a imunidade,
não pode ser vacinada. Se ainda assim, a vacina for aplicada, pode
causar o efeito contrário ao desejado: ao invés de evitar, a criança
adquire a doença.
Referências:


http://www.tudosobrevacinas.com.br/institucional/duvidas_frequentes.html



http://portalweb04.saude.gov.br/sispacto/Caderno.pdf



http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menin
o.pdf



http://www.medicina.ufmg.br/observaped/index.php/novo-calendariovacinal-do-programa-nacional-de-imunizacao.html
Obrigado!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História das Vacinas
História das VacinasHistória das Vacinas
História das Vacinas
Gabriela Bruno
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Nadja Salgueiro
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
Eduardo Gomes da Silva
 
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxCalendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
Jéssica Angelo
 
Sp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupeSp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupe
Ismael Costa
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
Rúben Freitas
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo Estado
Ismael Costa
 
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Carina Araki de Freitas
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Kelly Praxedes
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
Larissa Paulo
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
Centro Universitário Ages
 
Trabalho vacinas-2
Trabalho vacinas-2Trabalho vacinas-2
Trabalho vacinas-2
Vânia Batista
 
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017
Mgfamiliar Net
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
nuiashrl
 
Hepatite
HepatiteHepatite

Mais procurados (20)

História das Vacinas
História das VacinasHistória das Vacinas
História das Vacinas
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
 
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptxCalendário de vacinas. apresentaçãopptx
Calendário de vacinas. apresentaçãopptx
 
Sp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupeSp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupe
 
Doenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infânciaDoenças mais comuns na infância
Doenças mais comuns na infância
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo Estado
 
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
Aula rede de-frio atualizacao-em-imunizacao. (1)
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01
 
8 infecção hospitalar e ccih
8   infecção hospitalar e ccih8   infecção hospitalar e ccih
8 infecção hospitalar e ccih
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
 
Trabalho vacinas-2
Trabalho vacinas-2Trabalho vacinas-2
Trabalho vacinas-2
 
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
 
Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017Programa Nacional de Vacinação 2017
Programa Nacional de Vacinação 2017
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdades
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 

Destaque

Trabalho vacinas
Trabalho vacinas Trabalho vacinas
Trabalho vacinas
Vânia Batista
 
Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016
imunizacao
 
Apresentação Calendário Vacinal 2016
Apresentação Calendário Vacinal 2016Apresentação Calendário Vacinal 2016
Apresentação Calendário Vacinal 2016
imunizacao
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
Amduarte
 
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasConservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Maria Aparecida Bonfim
 
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de VacinasICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
Ricardo Portela
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
rwportela
 
Vacina manual de reação adversa
Vacina manual de reação adversaVacina manual de reação adversa
Vacina manual de reação adversa
philhote
 
Bcg ago 08
Bcg ago 08Bcg ago 08
Bcg ago 08
estudantee
 
Livro manual de imunizações - hospital albert einstein
Livro   manual de imunizações - hospital albert einsteinLivro   manual de imunizações - hospital albert einstein
Livro manual de imunizações - hospital albert einstein
karol_ribeiro
 
Vacinas
VacinasVacinas
Agente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúdeAgente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúde
Sheilla Sandes
 
Trabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite BTrabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite B
Daniela José Arozi
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
LABIMUNO UFBA
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Instituto Consciência GO
 
Vacinas
VacinasVacinas
Curso de vacinas
Curso de vacinasCurso de vacinas
Curso de vacinas
Michelle Machado
 
Campanha contra a Gripe 2016
Campanha contra a Gripe 2016Campanha contra a Gripe 2016
Campanha contra a Gripe 2016
Governo de Santa Catarina
 
Ficha d acs
Ficha d acsFicha d acs
Ficha d acs
rosa07
 

Destaque (20)

Trabalho vacinas
Trabalho vacinas Trabalho vacinas
Trabalho vacinas
 
Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016
 
Apresentação Calendário Vacinal 2016
Apresentação Calendário Vacinal 2016Apresentação Calendário Vacinal 2016
Apresentação Calendário Vacinal 2016
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinasConservação e técnicas de aplicação de vacinas
Conservação e técnicas de aplicação de vacinas
 
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de VacinasICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
ICSA32 - Vias de Administração de Vacinas
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Vacina manual de reação adversa
Vacina manual de reação adversaVacina manual de reação adversa
Vacina manual de reação adversa
 
Bcg ago 08
Bcg ago 08Bcg ago 08
Bcg ago 08
 
Livro manual de imunizações - hospital albert einstein
Livro   manual de imunizações - hospital albert einsteinLivro   manual de imunizações - hospital albert einstein
Livro manual de imunizações - hospital albert einstein
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Agente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúdeAgente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúde
 
Trabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite BTrabalho De Hepatite B
Trabalho De Hepatite B
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
Aula Programa Nacional Imunização - Concurso Ipasgo - parte 03 de 03
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Curso de vacinas
Curso de vacinasCurso de vacinas
Curso de vacinas
 
Campanha contra a Gripe 2016
Campanha contra a Gripe 2016Campanha contra a Gripe 2016
Campanha contra a Gripe 2016
 
Ficha d acs
Ficha d acsFicha d acs
Ficha d acs
 

Semelhante a Vacinas

Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
Gustavo Henrique
 
Calendário SBIM
Calendário SBIMCalendário SBIM
Calendário SBIM
Fabricio Batistoni
 
Vacinacao 2013
Vacinacao 2013Vacinacao 2013
Vacinacao 2013
Juninho Spina
 
Calendário vacinal 2013 - SBP
Calendário vacinal 2013 - SBPCalendário vacinal 2013 - SBP
Calendário vacinal 2013 - SBP
blogped1
 
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEPCalendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
WALFRIDO Farias Gomes
 
Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013
Ismael Costa
 
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
WagnerSantos729263
 
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de PediatriaVACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
blogped1
 
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
MODELO DE BULA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA Insert yf port
MODELO DE BULA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA  Insert yf portMODELO DE BULA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA  Insert yf port
MODELO DE BULA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA Insert yf port
ELIAS OMEGA
 
Crianca - 0 ate 10 anos
Crianca - 0 ate 10 anosCrianca - 0 ate 10 anos
Crianca - 0 ate 10 anos
Otavio Soria
 
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosCalendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Farmacêutico Digital
 
Mulher - 20 a 59 anos
Mulher - 20 a 59 anosMulher - 20 a 59 anos
Mulher - 20 a 59 anos
Otavio Soria
 
Calendário básico de vacinação da criança
Calendário básico de vacinação da criançaCalendário básico de vacinação da criança
Calendário básico de vacinação da criança
Tati Garros
 
Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV
Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNVFolheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV
Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV
Francisco Vilaça Lopes
 
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
JssicaBizinoto
 
Polio inativada
Polio inativadaPolio inativada
Polio inativada
Liene Campos
 
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a Vacinas (20)

Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
 
Calendário SBIM
Calendário SBIMCalendário SBIM
Calendário SBIM
 
Vacinacao 2013
Vacinacao 2013Vacinacao 2013
Vacinacao 2013
 
Calendário vacinal 2013 - SBP
Calendário vacinal 2013 - SBPCalendário vacinal 2013 - SBP
Calendário vacinal 2013 - SBP
 
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEPCalendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
Calendário 2016 Vacinação Infantil EEEP
 
Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013Novo calendário da vacinação 2013
Novo calendário da vacinação 2013
 
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
5° PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO.pptx
 
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de PediatriaVACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
VACINAS: novo calendário 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria
 
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
Calendário Vacinal - 2015 - Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)
 
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
VACINAS: calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria - 2016
 
MODELO DE BULA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA Insert yf port
MODELO DE BULA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA  Insert yf portMODELO DE BULA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA  Insert yf port
MODELO DE BULA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA Insert yf port
 
Crianca - 0 ate 10 anos
Crianca - 0 ate 10 anosCrianca - 0 ate 10 anos
Crianca - 0 ate 10 anos
 
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 AnosCalendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
Calendário de Vacinação SBIM 0-10 Anos
 
Mulher - 20 a 59 anos
Mulher - 20 a 59 anosMulher - 20 a 59 anos
Mulher - 20 a 59 anos
 
Calendário básico de vacinação da criança
Calendário básico de vacinação da criançaCalendário básico de vacinação da criança
Calendário básico de vacinação da criança
 
Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV
Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNVFolheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV
Folheto USF Descobrimentos sobre Vacinas Extra-PNV
 
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
Vacinação - calendário atualizado 2021 proposto pela SBP
 
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptxSlide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
Slide Aula Imunização - Dr Claudio.pptx
 
Polio inativada
Polio inativadaPolio inativada
Polio inativada
 
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
SBP: Calendário vacinação atualizado - 2019
 

Vacinas

  • 1. VACINAS I Treinamento para os ACS’s Enfª Júlia Moreira PSF Cacaueiro – Icatu MA - 2014
  • 2. O que é ?  A vacinação é uma das medidas mais importantes de prevenção contra doenças. A vacina é uma pequena dose de micróbios enfraquecidos, injetados nos organismo, esses micróbio estimulam o corpo a se defender contra os organismos (vírus e bactérias) que provocam as doenças.
  • 3. Como conservar ?  A temperatura ideal está entre 2º a 8ºC.  As vacinas inativadas (vírus morto) são mais sensíveis a baixas temperaturas, se congeladas perdem sua eficácia e causam nódulos e dor no local da aplicação.  As vacinas atenuadas (vírus vivo) são mais sensíveis a temperaturas elevadas, pois mata os vírus.  Toda caixa térmica ou refrigerador que armazene vacinas devem ter o termômetro que informa a temperatura máxima e mínima.
  • 4. BCG  Protege contra a Tuberculose;  Dose única, 0,1ml ID no músculo deltoide;  Deve ser administrada nas primeiras 12 hs após o nascimento; Quem deve tomar?  Crianças ao nascer, pessoas com HIV e contatos de pessoa com Hanseníase.  Crianças que receberam a vacina há seis meses ou mais, nas quais está ausente a cicatriz vacinal. Contra-indicação:  Criança com peso inferior a 2.000g;  Infecções dermatológicas extensas.
  • 5. Hepatite B  Na criança deve ser administrada nas primeiras 24hs após o nascimento;  Se após 30 dias do nascimento a criança não tomar a vacina, a mesma tomará a penta.  Gestantes e adultos também tomam a vacina. Administração:  Via IM, no vasto lateral da coxa em crianças e no músculo deltoide em adultos, 0,5 ml até os 19 anos e 1 ml após 19 anos. Nota: pode ser aplicada simultaneamente com outras vacinas .
  • 6. Pentavalente  Protege contra hepatite B, difteria, tétano, coqueluche, meningite.  Crianças a partir de 02 meses de idade devem tomar a vacina, que é dividida em 03 doses, aos 02, 04 e 06 meses.  Esta vacina é contraindicada para crianças a partir de 07 anos de idade, por não ser adequada para a faixa etária. Administração:  Via IM, 0,5ml no vasto lateral da coxa. Nota: Considerar o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses apenas para crianças acima de 06 meses de idade.
  • 7. VIP  Protege contra a Paralisia Infantil;  Administrada em 02 doses, aos 02 e aos 04 meses de idade;  A terceira dose deve ser administrada a VOP Administração:  Via IM, 0,5ml no vasto lateral da coxa. Nota: O intervalo mínimo entre as doses pode ser de 30 dias, em situação de risco. O esquema deve ser completo aos 06 meses de idade. Nos casos em que houver interrupção da vacinação, esta prosseguirá com a dose que o individuo iria receber quando se deu a descontinuação .
  • 8. VOP  Protege contra a Paralisia Infantil;  Administrada 01 dose aos 06 meses de idade, com reforço aos 15 meses e aos 04 anos de idade. Administração:  Via Oral, 02 gotas.  Repetir a dose se a criança vomitar, cuspir ou regurgitar. Contra indicação:  Pessoas que tenham histórico de paralisia flácida associada a dose anterior;  Crianças imunodeprimidas, contato de pessoa com HIV.
  • 9. Rotavírus Humano  Protege contra diarreias graves;  É administrada via oral, em 02 doses, aos 02 e 04 meses de idade;  Deve manter intervalo mínimo de 30 dias entre as doses;  Nota: Se a criança cuspir, vomitar ou regurgitar após a vacinação, não repetir a dose.  Pode ser administrada simultaneamente com a vacina VOP, ou com pelo menos 1 dias de intervalo. Contra indicação:  Crianças com imunodepressão severa ou com malformação congênita do trato gastrointestinal.
  • 10. Rotavírus Humano INDICAÇÃO 1ª DOSE 2ª DOSE IDADE IDEAL AOS 02 MESES AOS 04 MESES IDADE ACEITAVEL 1 MÊS E 15 DIAS A 03 MESES E 15 DIAS 03 MESES E 15 DIAS A 07 MESES E 29 DIAS NUNCA VACINAR MENOR DE 01 MÊS E 15 DIAS E MAIOR DE 03 MESES E 15 DIAS MENOR DE 03MESES E 07 DIAS E MAIOR DE 07 MESES E 29 DIAS.
  • 11. Pneumocócica 10-valente  Protege contra pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pela bactéria pneumococo.  É administrada em 03 doses, aos 02, 04 e 06 meses de idade, e reforço entre 12 e 15 meses de idade, considerando o intervalo mínimo de 06 meses após o esquema básico.  Via IM, 0,5ml no vasto lateral da coxa. Nota:  Crianças entre 12 e 23 meses de idade que não tenham tomado a vacina, administrar dose única.  Pode ser administrada simultaneamente, ou com qualquer intervalo, com outras vacinas do calendário, porém em locais diferentes.
  • 12. Meningocócica C  Protege contra meningite, pneumonia, artrite, uretrite, e outras doenças causadas pela bactéria Neisseria Meningitidis.  É administrada em 02 doses, aos 03 e 05 meses de idade e reforço entre 12 e 15 meses .  Via IM, 0,5ml no vasto lateral da coxa. Nota:  Crianças que iniciam o esquema vacinal após 05 meses de idade, considerar o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses, e administrar o reforço com intervalo de 60 dias após a última dose;  Crianças entre 12 e 23 meses de idade sem ter tomado a vacina antes, administrar dose única;  Pode ser administrada simultaneamente com outras vacinas do calendário, porém em locais diferentes.
  • 13. Febre Amarela  Protege contra a Febre amarela;  A primeira dose é administrada aos 09 meses de idade, e o reforço a cada 10 anos;  Via Subcutânea, 0,5ml; Contra indicações:  Gestantes e mulheres que estejam amamentando e pessoas com mais de 60 anos de idade que nunca receberam a vacina;  Crianças menores de 06 meses (exceto em situação de surto da doença);  Não administrar simultaneamente com a vacina tríplice viral e/ou Tetra viral, estabelecer intervalo de 30 dias.
  • 14. Tríplice Viral  Protege contra sarampo, caxumba e rubéola;  Administrar 1ª dose aos 12 meses de idade , com a tríplice viral e a 2ª dose aos 15 meses, com a vacina tetra viral;  Via, subcutânea, 05ml. Contra Indicações:  Gestantes;  Mulheres em idade fértil devem evitar gravidez até 01 mês após a vacinação;  Não administrar simultaneamente com a vacina febre amarela; Nota: Após diluição, tem duração de 08 hs.
  • 15. Tetra Viral  Protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela  É administrado 01 dose aos 15 meses de idade, em crianças que já tenham recebido a 1ª dose da vacina tríplice viral aos 12 meses.  Via subcutânea, 0,5ml Contra indicações: mesmas da tríplice viral Nota:  O PNI não disponibiliza a vacina para as crianças que não receberam a primeira dose de tríplice viral entre 12 e 14 meses de idade e aquelas acima de 15 meses de idade.
  • 16. DTP  Protege contra difiteria e tétano;  É administrado 02 reforços, o primeiro com 15 meses de idade e o segundo com 04 anos de idade;  Crianças entre 04 a 06 anos, 11 meses e 29 dias sem nenhum reforço, administrar apenas 01 reforço;  Crianças entre 05 até 06 anos, 11 meses e 29 dias, sem histórico de vacinação devem receber 03 doses com intervalos de 60 dias entre as doses e mínimo de 30 dias;  Via IM, 0,5 ml; Nota: Adultos e gestantes também tomam a vacina DT Adulto
  • 17. Influenza - gripe  Protege contra a gripe;  Esta vacina é disponibilizada anualmente para crianças de 06 meses a menores de 02 anos de idade, gestantes, puérperas, pessoas com 60 anos ou mais, trabalhadores da saúde, população privada de liberdade, indivíduos com comorbidades e povos indígenas;  Via IM, 0,25ml até 02nos de idade, 0,5ml acima de 02 anos de idade; Nota:  Crianças entre 06 meses e 08 anos 11meses e 29 dias, que tomarão vacina pela primeira vez, administrar 02 doses, com intervalo de 30 dias;  Para indivíduos a partir de 09 anos, administrar dose única.
  • 18. Pneumocócica 23 - valente  Protege contra pneumonia;  È administrada 01 dose durante a campanha nacional da Influenza, em indivíduos de 60 anos e pessoas acamadas não vacinadas que vivem em instituições como asilo, hospital, casa de repouso e etc.  Administrar reforço após 05 anos;  È contraindicada para crianças menores de 02 anos de idade.
  • 19. Efeitos Adversos BCG: Úlceras com diâmetro maior que 01cm HEPATITE B: Dor, endurecimento e rubor no local; Febre, fadiga, irritabilidade, tontura, cefaleia. PENTAVALENTE: Dor, endurecimento e rubor no local; Febre, às vezes acima de 39ºC, sonolência, choro persistente, irritabilidade, vômito, convulsão. Nota: Caso a criança convulsione, levar imediatamente ao hospital e notificar.
  • 20. Efeitos Adversos VIP – VOP: Febre, irritabilidade, choro persistente, poliomielite associada à vacina. Nota: Caso a mãe note um déficit motor na criança após a vacinação, deverá levar a criança imediatamente ao hospital. MENINGOCÓCICA: Leves e poucos frequentes, mas podem ocorrer manifestações locais por dois ou mais dias e febre baixa.
  • 21. Efeitos Adversos PNEUMOCÓCICA: Rubor, irritabilidade, sonolência, febre, convulsão, diarreia, vômito, reações alérgicas, choro persistente. Nota: Em caso de convulsão, a criança deve ser levada ao hospital. FEBRE AMARELA: Dor e abcesso no local, febre, mialgia, cefaleia e raramente reação alérgica. Nota: Em caso de reação alérgica, levar a criança ao hospital. INFLUENZA: Dor e endurecimento no local, febre, mal-estar, mialgia e raramente reação alérgica.
  • 22. Efeitos Adversos TRIPLICE VIRAL E DTP: Dor e edema no local, febre, cefaléia, irritabilidade, vômito, sonolência, perda de apetite, raramente pode acontecer enxatema, reação alérgica e convulsão. Nota: Notificar caso aconteça reações mais graves.
  • 23. Dúvidas Frequentes: A primeira dose é mais importante do que as posteriores? Não. Todas as doses são importantes para que a vacina resulte no efeito esperado.  Uma pessoa pode tomar várias vacinas no mesmo dia? Sim, desde que as vacinas sejam aplicadas em lugares do corpo diferentes.  Qual é o melhor horário para se tomar vacina? Não existe um horário específico do dia para ser vacinado.  Quanto mais fortes as reações, mais protegida a criança está? A eficácia não está relacionada à intensidade de sinais como febre, inchaço e dor no local da aplicação. Existe algum grupo de pessoas que não pode tomar a vacina contra a nova gripe (H1N1)? Por exemplo, alérgicos a ovos?  Sim. Pessoas com alergia a proteína do ovo e componentes da vacina. 
  • 24. Dúvidas Frequentes Crianças com resfriado ou diarréia podem ser vacinadas? Em geral, não existem muitas restrições às vacinas. Se a criança estiver resfriada, mas sem febre, pode ser vacinada. Se estiver com uma diarréia leve, não há objeção à vacinação. Mas, se estiver com febre alta, com alguma doença ou tomando remédio que altere a imunidade, não pode ser vacinada. Se ainda assim, a vacina for aplicada, pode causar o efeito contrário ao desejado: ao invés de evitar, a criança adquire a doença.