SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA 2015
FILOSOFIA
ALUNO:_______________________________
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 1
INDICE
OBJETIVOS PEDAGÓGICOS ....................................................................................................................................... 2
ENSAIO INTRODUTÓRIO: JUÍZOS INTUITIVOS ......................................................................................................... 3
1. FILOSOFIA? - A FILOSOFIA NA ESCOLA, NA VIDA, NO MUNDO...........................................................................4
2. ATITUDES FILOSÓFICAS E CONHECIMENTO FILOSÓFICO ................................................................................ 7
3. VISÃO PANORÂMICA DO INÍCIO DA FILOSOFIA: DE TALES A ARISTÓTELES ................................................. 11
4. O SER HUMANO E SER LIVRE .............................................................................................................................. 20
5. A IMPORTÂNCIA DA LIBERDADE ......................................................................................................................... 21
6. FILOSOFIAS HELENÍSTICAS .................................................................................................................................. 33
7. DUVIDAR: O PENSAMENTO EM BUSCA DE NOVOS HORIZONTES .................................................................. 39
8. DÚVIDA METÓDICA: O EXERCÍCIO DA DÚVIDA POR DESCARTES .................................................................. 44
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................................................................................. 52
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 2
OBJETIVOS PEDAGÓGICOS
Esta Apostila apresenta a filosofia como um conhecimento que possibilita o desenvolvimento de um estilo
próprio de pensamento. A filosofia pode ser considerada como conteúdo produzido pelos filósofos ao longo do tempo,
mas também como o exercício do pensamento que busca o entendimento das coisas, das pessoas e do meio em que
vivem. Portanto, um pensar histórico, crítico e criativo, é aquele que discute os problemas da vida à luz da História da
Filosofia.
No interior desta Apostila são desenvolvidas relações interdisciplinares. É a filosofia buscando na ciência,
na história, na arte e na literatura, entre tantas outras possibilidades, apoio para analisar o problema estudado,
entendendo-o na complexidade da sociedade contemporânea.
Se propõe o estudo da filosofia por meio da leitura dos textos; de atividades investigativas; de pesquisas e
debates, que orientam e organizam o estudo da filosofia.
As atividades tem por objetivo a leitura dos textos, a assimilação e entendimento dos conceitos da tradição
filosófica. As pesquisas são importantes porque acrescentam informações, fixam e aprofundam o conteúdo estudado.
Sempre é proposto um ponto de partida, podendo surgir novos problemas e novas questões a serem pesquisadas.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 3
ENSAIO INTRODUTÓRIO: JUÍZOS INTUITIVOS
1. Explique com suas palavras o que é filosofia.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
2. Quem pode ser um filósofo?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
3. Sócrates, um dos mais importantes filósofos gregos, acreditava que o reconhecimento da própria ignorância como
ponto de partida é parte da abertura para o ato de conhecer. A partir dessa afirmativa reflita sobre a famosa frase de
Sócrates apresentada abaixo:
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
_____________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
Só sei
que nada
sei.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 4
1. FILOSOFIA? - A FILOSOFIA NA ESCOLA, NA VIDA, NO MUNDO...
Conceitos e pré-conceitos acerca da filosofia
O estudo da filosofia envolve muitos conceitos. Conceitos que são ideias desenvolvidas ou elaboradas a
respeito de um assunto. Exigem de nós análise, reflexão e síntese. Antes de chegar ao conceito de alguma coisa,
porém, são formados sobre ela um pré-conceito.
O pré-conceito é uma ideia ainda não elaborada, um pouco vaga, por assim dizer, “de ouvir falar”. É uma
primeira noção de algo. É por isso que muitos pré-conceitos tem sentido negativo: são parciais, incompletos, tomam
a parte pelo todo. É o caso dos preconceitos (ou pré-conceitos) raciais, sexuais, religiosos e políticos. O pré-conceito
não é ainda um conhecimento definitivo, mas é um ponto de partida e, se bem desenvolvido, pode tornar-se um
conceito, ou seja, um conhecimento mais amplo e completo.
Os juízos intuitivos são pré-conceitos nesse sentido. São pontos de partida que ajudam a desenvolver um
conceito mais elaborado. O preconceito só se torna algo negativo quando nos restringimos a ele, sem desenvolvê-lo.
Aí ele nos limita, ou seja, nos impede de ver as coisas de outra maneira.
Para chegar a um conceito em filosofia, portanto, precisamos começar com os pré-conceitos e desenvolvê-
los. Essa é uma das tarefas da filosofia. Uma boa maneira de identificar esses pré-conceitos é perguntar: por que
tenho de estudar essa matéria? O que se pretende com isso? Que utilidade ela vai ter na minha vida? A existência da
filosofia faz alguma diferença no mundo?
É bem verdade que você pode fazer essas perguntas com relação a qualquer outra disciplina, mas é a
filosofia que propõe esse tipo de questionamento. E é junto com você que ela pretende investigar a resposta. É o que
faremos nas próximas atividades.
ATIVIDADES
1. Você considera a escola parte da sua vida? Em caso positivo, é uma parte agradável ou desagradável? Por quê?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
2. Existem coisas importantes que você deveria ter aprendido na escola, mas até agora não aprendeu? Dê
exemplos?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 5
3. Existem coisas que não são aprendidas na escola? Quais?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
4. Na escola, você aprende mais a fazer perguntas ou a respondê-las?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
5. A escola ensina você a pensar melhor? Como?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
6. Que tipo de coisa você imagina aprender nas aulas de filosofia?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
7. Por que você acha que existe a disciplina filosofia na sua escola?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 6
Etimologia da palavra filosofia e o início do filosofar
As palavras tem história, e a história está cercada de significados. Quando exploramos o significado das
palavras, encontramos diversos sentidos que já foram utilizados pelas pessoas através dos tempos.
Isso acontece porque a linguagem é uma espécie de herança que recebemos das gerações passadas. Por
meio dela podemos entender melhor o mundo, construir novos significados e até mesmo criar novas palavras,
enriquecendo nossa vida e o patrimônio que iremos transmitir às próximas gerações. Assim, um pouquinho de nós
fica para os outros.
A filosofia é uma linguagem de amor à sabedoria. Nasceu do amor que busca compreender o mundo, os
outros e a si mesmo. O amor cria laços, vincula, se expressa e se comunica. Foi o desejo de compreender a
realidade que gerou a filosofia.
Do mesmo modo que você tem um nome, e seu nome tem uma história, querendo mostrar um significado
pessoal e social, também o nome filosofia tem uma história e um significado próprios, que vamos agora explorar e
conhecer.
A palavra filosofia é de origem grega. O filósofo Platão, citando outro filósofo, Pitágoras, registra em seus
Diálogos, escritos no século V a.C., a ideia de que somente o ser humano é capaz de filosofar, ou seja, de buscar a
sabedoria. Os seres humanos não são como os outros animais, que apenas seguem seus instintos e não tem
necessidade de saber; tampouco são deuses, que também não tem necessidade de saber, pois já conhecem tudo.
Somente os seres humanos, que estão a meio caminho entre os animais e os deuses, percebem que ignoram as
coisas e sentem necessidade de conhecê-las. Essa consciência da própria ignorância e a busca da verdade, nos
tornam filósofos. É isso que nos faz humanos. É por isso que nos movemos em diversas direções, construindo
diferentes tipos de saber.
Veja a seguir a composição da palavra filosofia. (Observação: o ph tem som de f; antigamente se escrevia
pharmárcia, Philipe).
1. Conceitos e pré-conceitos acerca da filosofia
ATIVIDADES
1. Qual é o seu nome? Por que você tem esse nome? Você sabe quem o escolheu e por quê?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
Filosofia = philos + sophia (philos = amizade, amor fraterno; sophia = sabedoria; sophós = sábio)
Filosofia = amor fraterno pelo saber, amizade pela sabedoria.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 7
2. ATITUDES FILOSÓFICAS E CONHECIMENTO FILOSÓFICO
Filosofia X filosofar
Vimos que a palavra filosofia significa amor fraterno pelo saber ou amizade pela sabedoria. Isso
significa, portanto, que o que define o filósofo, como você talvez já tenha notado pelos textos apresentados, é certa
atitude em relação ao conhecimento.
O filósofo não pretende ser o sábio nem possuir a verdade. Se assim fosse, ele deixaria de ser filósofo, ou
então se tornaria arrogante ou dogmático, ou seja, um indivíduo apegado às próprias convicções. Como Platão já
havia percebido e registrado, o saber definitivo pertence aos deuses. Mas, se reconhecermos que estamos a meio
caminho, ou prestes a caminhar, poderemos conseguir muita coisa.
Atitudes filosóficas
Apresentamos, a seguir, um resumo das atitudes filosóficas básicas. Tenha em mente aquilo que você e
seus colegas já elaboraram anteriormente sobre a filosofia e o filosofar. Note que cada uma das atitudes envolve um
conjunto de habilidades que podem ser exercitadas na sua reflexão pessoal e na reflexão coletiva, em sala de aula e
em outros espaços do pensar.
Questionar: Significa ser curioso, perguntar a si mesmo e aos outros sobre tudo o que existe, colocar em questão as
afirmações feitas sobre a realidade, interessar-se pelas coisas e pensar sobre elas, suspeitar do que é dito
habitualmente, desconfiar das convenções estabelecidas. Algumas perguntas podem ajudá-lo no ato de questionar:
. O que é? O que são as coisas que estão à nossa volta? Como se definem, o que significam (os costumes, as
crenças, a natureza)? Quem somos? O que significam nossa experiência, nossas ideias, sensações, emoções?
Exemplos: o que é a vida? Quem sou eu?
. Como acontece? Como funcionam as coisas naturais e humanas, que relações elas mantêm entre si? Exemplos:
como surgiu a vida? Como determinar o que é vivo ou não? Como sou? Como me tornei o que sou?
. Por quê? Para quê? Qual o sentido, a razão, a justificativa, a finalidade, o objetivo das coisas ou dos fenômenos
naturais e humanos? Por que elas são o que são e por que acontecem dessa maneira? Exemplos: para que existe a
vida? Por que eu existo?
Investigar: Quer dizer procurar respostas para os problemas, examinar e comparar essas respostas, buscar as
conclusões mais satisfatórias (nem sempre definitivas), questionar as próprias perguntas para avaliar se são
satisfatórias e se vale a pena investigá-las. Fazem parte do investigar:
. Formular hipóteses, analisar e classificar diferentes tipos de respostas abrindo um amplo leque de alternativas.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 8
. Comparar e examinar alternativas, distinguindo opções válidas, consistentes, interessantes, significativas.
. Estabelecer critérios para julgar e classificar as opções. Escolhê-las, defini-las.
. Formular e desenvolver conceitos que explicam o quê, o como e o porquê de algo.
. Analisar as bases a partir das quais construímos nossos conceitos e verificar se são seguras, claras, razoáveis.
. Buscar os princípios a partir dos quais possamos explicar as coisas.
. Examinar as razões e os argumentos apresentados que justificam as ideias, assim como formular e desenvolver
suas próprias razões e argumentos para defender ou criticar ideias próprias e alheias.
Ampliar os horizontes: Significa ter sempre a mais ampla visão possível do assunto, considerando seus vários
aspectos. Essa atitude filosófica envolve:
. Considerar maneiras alternativas de enxergar a realidade e manter-se aberto a novas visões de mundo,
cultivando o gosto pela diversidade.
. Pesquisar o que já é conhecido, levando em conta como e o porquê daquele conhecimento ter sido elaborado e
se ainda pode nos ser útil.
. Imaginar novas possibilidades, desenvolver ideais, confrontá-los com a realidade e perguntar-se de que modo
podem se tornar reais.
. Elaborar sínteses que englobem o que foi analisado, desenvolvendo imagens ou visões do todo.
. Levar em conta quem está falando algo, assim como o que está sendo dito e como a pessoa se expressa.
O cartum a seguir faz referência ao filósofo grego Sócrates, que viveu no século V a.C., em Atenas.
Sócrates dedicou a vida a praticar a filosofia com aqueles que estivessem dispostos a investigar suas próprias ideias,
buscando compreender o próprio pensamento, seus pressupostos e as consequências daí advindas.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 9
Os companheiros de diálogo de Sócrates eram principalmente os jovens atenienses. Entre eles, havia um
discípulo que mais tarde se tornaria um filósofo famoso: Platão. Foi Platão quem escreveu os Diálogos, nos quais
Sócrates aparece como personagem e interlocutor de conversas filosóficas sobre os mais variados temas: o amor, o
conhecimento, a coragem, a morte, a verdade, a aprendizagem...
Lendo os Diálogos, percebemos que o método de investigação que Sócrates utilizava para filosofar
caracterizava-se por:
. reconhecer a própria ignorância como ponto de partida e abertura para o ato de conhecer;
. fazer perguntas que levassem o interlocutor a examinar cuidadosamente as ideias que ele e os outros
apresentavam sobre o tema em discussão.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 10
Como filósofo, Sócrates examinava com rigor as ideias de qualquer um que se dispusesse a discutir com
ele, e isso costumava encantar os jovens. Infelizmente, também despertou a desconfiança de alguns cidadãos
atenienses. Foram eles que levaram Sócrates ao tribunal, quando este tinha cerca de 70 anos e era acusado de
ateísmo e corrupção da juventude. Julgado e condenado, foi obrigado a beber cicuta, um veneno. Seus amigos o
incentivaram a fugir, mas Sócrates preferiu cumprir as leis da cidade que amava e pela qual tantas vezes lutara em
guerras, defendendo a democracia e a liberdade.
Para Sócrates não fazia sentido vivem sem filosofar, ou seja, sem poder investigar, examinar a si mesmo,
aos outros e ao mundo. E isso se reflete claramente em sua máxima: “Uma vida sem reflexão não vale a pena ser
vivida”.
O conhecimento filosófico
Se o filósofo é aquele que busca a verdade, sem a possuir, se é aquele que interroga sobre todas as
coisas, o que será, então, o conhecimento filosófico? Se você está se perguntando isso, estamos no caminho certo.
Uma resposta óbvia é que o conhecimento filosófico é o resultado da atitude filosófica. Isso significa que o
exercício e o processo de filosofar produzem conhecimento filosófico. Mas isso ainda é pouco. Alguém poderia
perguntar: “Mas então qual é a diferença entre o conhecimento filosófico e os outros tipos de conhecimento, como a
matemática, a biologia, a arte, a religião, a sabedoria popular, ou qualquer ideia que nos ocorra?”
Para responder a essa pergunta, é preciso examinar as semelhanças e as diferenças que existem entre a
filosofia e outras formas de conhecimento.
(...) todo aquele que pretenda tornar-se de fato um filósofo, deverá “uma vez na vida”, voltar-se para si mesmo, e
tentar destruir, em seu íntimo, todas as ciências admitidas até então a fim de reconstruí-las. A filosofia – o amor
pela sabedoria – é uma tarefa inteiramente pessoal do sujeito filosofante: deve forjar-se como sua sabedoria, como
aquele saber, que tende a universalizar-se, que ele adquire por si próprio, e do qual pode tornar-se responsável
desde o início, a cada passo (...) [Edmund Husserl. Meditaciones Cartesianas. p. 38]
Escher (1898-1972) era extremamente meticuloso e organizado com o seu trabalho, em todos os seus aspectos.
Sabia sempre exatamente o que fazia e por que o fazia. As suas “ilusões de uma ilusão”, como ele uma vez
descreveu algumas gravuras que um amigo lhe tinha acabado de comprar, tem um caráter de fascínio permanente.
Não são exatamente aquilo que parecem a um primeiro ou segundo olhar, mas sim verdadeiras abordagens do
infinito. [Caderno de obras de Escher – Exposição no Brasil. Brasília, ABIGRAF, 1993]
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 11
3. VISÃO PANORÂMICA DO INÍCIO DA FILOSOFIA: DE TALES A ARISTÓTELES
Os pré-socráticos
A partir do século VI a.C., surgem as primeiras escolas filosóficas nos principais centros da civilização
helênica – Grécia e colônias gregas das ilhas do Mar Egeu, da Ásia Menor, da Sicília e Itália Meridional. Essas
escolas são denominadas “pré-socráticas” por precederem Sócrates, filósofo que abre uma nova era da filosofia.
Dessas escolas, as mais importantes são:
. Escola jônica: recebe esse nome por causa da Jônia, colônia grega da costa ocidental da Ásia Menor. Seus
representantes mais ilustres são: Tales de Mileto (624-546 a.C.), Anaximandro (611-546 a.C.), Anaxímenes (586-525
a.C.) e Heráclito (535-470 a.C.). Esses quatro pensadores são os fundadores da filosofia no sentido específico, pois
lançaram as bases dos problemas filosóficos discutidos até hoje no Ocidente: a verdade, a totalidade, a ética e a
política.
. Escola pitagórica: deve o nome a seu fundador, Pitágoras (580-500 a.C.). Outros pensadores importantes dessa
escola: Filolau (século V a.C.), Arquitas (século IV a.C.) e Alcmeón (século VI a.C.). Esses pensadores manifestam
ao mesmo tempo tendências místico-religiosas e tendências científico-racionais. A influência dessa escola estende-
se até os nossos dias.
. Escola eleática: recebe esse nome de Eléia, cidade situada no sul da Itália e local de seu florescimento. Nessa
escola encontramos os grandes nomes de Xenófanes (570-480 a.C.), Zenão (510 -? a.C.) e Melisso (490 - ? a.C.).
Nesse grupo famoso de pensadores, as questões filosóficas concentram-se na comparação entre o valor do
conhecimento sensível e o valor do conhecimento racional. De suas reflexões resulta que o único conhecimento
válido é aquele fornecido pela razão.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 12
. Escola pluralista: é composta por Anaxágoras (499-428 a.C.), Empédocles (492-432 a.C.) e Demócrito (460-370
a.C.). O denominador comum nas posturas filosóficas desses pensadores consiste em admitir que não há um
princípio único que explique o universo. Existem vários princípios que, misturando-se, formam a multiplicidade das
coisas existentes – daí a denominação “pluralista”.
Os sofistas
Os sofistas eram professores ambulantes, sem cidade fixa, pagos pelos próprios alunos. Atuaram em
meados do século V a.C. Os mais importantes foram Protágoras (490-410 a.C.), Górgias (485-380 a.C.) e Pródicos
(460 - ? a.C.). Sofista significa mestre de sabedoria.
Os sofistas captaram as mudanças causadas pelo exercício da democracia e passaram a preparar os
líderes políticos para os novos tempos. Era preciso aprender a dialogar com os cidadãos, de cujos votos dependia a
organização da sociedade.
O que diziam os sofistas? Diziam que os ensinamentos dos filósofos cosmologistas estavam repletos de
erros e contradições e que não tinham utilidade para a vida da pólis. Apresentavam-se como mestres da oratória ou
retórica (arte de falar em público), afirmando ser possível ensinar os jovens tal arte para que fossem bons cidadãos.
Que arte era essa? A arte da persuasão. Os sofistas ensinavam técnicas de persuasão aos jovens, que
aprendiam a defender determinada posição ou opinião, depois a posição ou opinião contrária, de modo que, numa
assembleia, soubessem ter fortes argumentos a favor ou contra uma opinião e ganhassem a discussão.
Historicamente, há dificuldades para conhecer o pensamento dos grandes sofistas porque não possuímos
seus textos; restaram apenas fragmentos. Por isso nós os conhecemos pelo que deles disseram os seus adversários
– Platão, Xenofonte, Aristóteles – e não temos como saber se estes disseram a verdade sobre os sofistas. Os
historiadores mais recentes consideram os sofistas verdadeiros representantes do espírito democrático, isto é, da
pluralidade conflituosa de opiniões e interesses, enquanto seus adversários seriam partidários de uma política
aristocrática, na qual somente algumas opiniões e interesses teriam o direito de fato perante a sociedade.
Sócrates (470 -399 a.C.)
Sócrates, considerado o “patrono da filosofia”, a dividiu em antes e depois dele: os filósofos anteriores são
chamados de pré-socráticos; os posteriores, pós-socráticos.
As divergências inerentes à democracia demandavam um novo enfoque filosófico. Sócrates buscou-o em
seu interior. Refletindo sobre si mesmo, descobriu que, apesar da variedade das coisas, somos capazes de formar
conceitos universais. Por exemplo: apesar de existirem muitas árvores diferentes, temos um conceito de árvore que
se aplica a todas elas.
Ora, pensou Sócrates, também podemos encontrar um conceito universal de justiça que, pode ser igual
para todos, será capaz de resolver as divergências e discórdias na assembleia dos cidadãos. Compete aos filósofos
convencer os cidadãos a procurar dentro de si as soluções, como disciplina e austeridade.
As praças públicas eram sua sala de aula. Sua metodologia baseava-se no conhecimento próprio.
Tomando como lema o “conhece-te a ti mesmo” (inscrito no templo de Apolo), ajudava os interlocutores a encontrar a
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 13
verdade das coisas e conceitos. Por meio do diálogo de sucessivas perguntas e respostas, o “aluno” acabava
reconhecendo que seu conceito de justiça, por exemplo, não estava correto. Essa primeira parte do processo é
chamada de ironia (“interrogação”, em grego).
A partir daí, Sócrates começava a segunda parte do processo, que consistia em estimular o interlocutor a
procurar em seu interior os conceitos verdadeiros. É o que denominou maiêutica (a arte de dar à luz), em
homenagem à mãe, que era parteira. Ela intermediava o nascimento de um novo ser; ele o nascimento da verdade.
Esse extraordinário sábio, porém, contrariou interesses dos poderosos, que o condenaram a beber um
veneno chamado cicuta; há mais de dois mil anos já se matava quem tinha coragem de denunciar o erro e a
corrupção.
Platão (427 - 347 a.C.)
Platão foi um dos maiores pensadores da história da filosofia. Suas obras, que nos chegaram completas, ao
contrário das obras de outros filósofos da época, atravessaram os séculos e continuam a ser estudadas e a
influenciar o pensamento ocidental. Suas contribuições foram originais e vastas.
Discípulo e amigo de Sócrates, retomou os conceitos e valores universais do mestre, introduzindo uma
modificação: eles são apenas representações de outro mundo, ao qual denominou mundo das ideias. Esse mundo
constitui a verdadeira realidade, só alcançável pelos filósofos, amigos da sabedoria, por meio do intelecto.
Segundo Platão, o mundo em que vivemos é apenas uma sombra do mundo das ideias. Ele explica isso por
meio da alegoria do mito da caverna. Numa caverna, homens amarrados diante de uma tela só conseguem ver a
sobra das coisas e pessoas que são projetadas pela luminosidade de uma fogueira posta atrás deles, como uma
sessão de cinema.
Na alegoria platônica, a caverna sombria é o nosso mundo cotidiano percebido pelos sentidos. O sol é a luz
da verdade a iluminar essências eternas (as ideias) das quais apenas percebemos sombras móveis. Libertar-nos das
impressões sensoriais, para vermos as coisas como realmente são, é tarefa do filósofo.
Vejamos agora a versão da Alegoria da Caverna elaborada por Maurício de Sousa. “Alegoria da Caverna”,
um pequeno texto que aparece no Livro VII de A República, uma obra clássica de Platão, escrita no século IV a.C.
Alegoria é a representação de ideias abstratas por meio de imagens; no caso, realidade, verdade e ilusão.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 14
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 15
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 16
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 17
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 18
Aristóteles (384 - 322 a.C.)
Aristóteles foi aluno de Platão, que por sua vez foi discípulo de Sócrates. Deles herdamos, em grande
parte, o modo de pensar, agir, organizar os conhecimentos e a compreensão da realidade.
Dos três, Aristóteles foi o que exerceu maior influência. Ele liderou a história da filosofia até o século XVIII,
e ainda hoje suas obras servem de base para os novos desdobramentos do saber. Os estudos de Aristóteles
abrangem os mais variados campos: teoria do conhecimento, ética, política, biologia, cosmologia e outros.
Aristóteles discordou de seu mestre Platão em relação à teoria do conhecimento. Para ele, as ideias, ou
seja, os conceitos não são eternos nem habitam um mundo à parte. O conceito universal é formado a partir dos
conhecimentos dos sentidos. Por um processo de abstração, o intelecto elimina os aspectos particulares dos seres e
fica apenas com a essência. Por exemplo, a ideia que temos de cavalo, não tem cor, raça ou tamanho.
O conhecimento é adquirido por dois processos: a dedução e a indução, ambos essenciais para a formação
das ciências. A dedução parte do geral para o particular. Por exemplo: todos os homens são mortais. Ora, Paulo é
homem. Logo, Paulo é mortal. A indução, ao contrário, parte do particular para o geral: o ferro, o alumínio e o cobre
transmitem eletricidade. Logo, todos os metais transmitem eletricidade. É pela indução que os cientistas testam os
medicamentos. Funcionando em um número razoável de pessoas, é estendido para todos. Como se sabe, a eficácia
da indução não é 100% garantida. Poderá, por exemplo, haver um metal que não transmita a eletricidade ou um
medicamento que não produza a eficácia esperada.
A Lógica foi outra grande contribuição de Aristóteles. É ela desenvolve as regras do bom uso do raciocínio.
ATIVIDADES
1. Sintetize a noção de filosofia que você adquiriu pela leitura deste capítulo.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
2. Consulte um dicionário de sua preferência e verifique o significado da palavra mito. Depois os compare com o que
você estudou neste capítulo.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 19
3. Como os filósofos gregos filosofariam em nossa época?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
4. Se você fosse professor, usaria pensamentos dos filósofos gregos para tornar seus alunos mais críticos?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
Para refletir
As narrativas gregas, apesar de fantasiosas, são impregnadas de sabedoria e conhecimento das paixões
humanas, dos problemas existenciais e da necessidade de leis que possibilitem a vida em comum.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 20
4. O SER HUMANO E O SER LIVRE
O tema que investigaremos neste capítulo será a Liberdade. A relação do tema proposto com a liberdade
nos ajudará a descobrir novos aspectos e ampliar ainda mais nossa compreensão. Neste caso, ainda estamos na
questão central: quem é o ser humano? Vejamos então como a reflexão sobre a liberdade pode nos ajudar a
compreender melhor quem somos e a própria filosofia.
Filosofar é preciso, vier é (im)preciso
Quando cruzavam os mares, os antigos navegadores portugueses costumavam cantar: “Navegar é preciso/
viver não é preciso”. No título deste texto, fizemos um trocadilho com as palavras preciso e impreciso.
Para tratar do tema da liberdade na nossa existência, é interessante fazer esse contraponto. Embora seja
apenas uma introdução ao tema, ou seja, a “ponta do fio”, já podemos vislumbrar os horizontes da questão. Afinal,
quando nos perguntamos para que ou por que existimos, estamos levantando também outro problema: o que
devemos ou podemos fazer de nossas vidas?
Será que somos livres para decidir o que seremos da vida? Ou já estará decidido, em algum lugar (nos
genes, nos planos divinos...), quem somos e o que vai acontecer na nossa vida? Seremos apenas atores,
representando papéis escritos por algum autor desconhecido e misterioso, ou autores de nossa própria existência?
Observe que concepções de liberdade diferentes estão envolvidas nas diversas definições de ser humano e
do sentido de nossa existência. Que crenças estarão por detrás da expressão tão comum: “Foi o destino que quis!”
Que destino é esse? Trata-se de um destino criado para o ser humano ou pelo ser humano?
Leia a seguir a reflexão do filósofo Karl Jaspers sobre a liberdade, a humanidade e a filosofia.
]
Na reflexão acima, Karl Jaspers nos traz algumas pistas para montarmos nossa própria teia e
compreendermos a proposta: qual a relação entre o filosofar e a investigação do ser humano? Por que essa
investigação envolve uma reflexão sobre você mesmo? E por que algumas dimensões da experiência de ser gente –
como o pensar, o sentir, o comunicar, o agir, o fazer e o próprio filosofar – merecem destaque especial? Qual o
sentido dos fios condutores da teia: conhecimento, amor e liberdade?
Se essas perguntas lhe ocorreram, estamos caminhando bem nesta introdução ao filosofar. Não se
preocupe em dar respostas definitivas e completas. Estamos apenas começando. Como uma música que chama
nossa atenção, a filosofia revela aos poucos, suas nuances, à medida que a ouvimos de novo, refletindo sobre aquilo
que tínhamos pensado antes.
Quem se dedica à filosofia põe-se à procura do homem, escuta o que ele diz, observa o que ele faz e se
interessa por sua palavra e ação, desejoso de partilhar, como seus concidadãos, do destino comum da
humanidade.
Karl Jaspers
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 21
5. A IMPORTÂNCIA DA LIBERDADE
“O homem nasce livre e, por toda parte, é posto a ferros.”
Jean Jacques Rousseau
Mal entendida, negada, almejada, sobretudo usurpada, a liberdade sempre foi uma questão fundamental na
história da filosofia e da humanidade. Ela é a base da Ética.
Na história das nações, está registrado quanto sangue foi derramado para conquistar ou reconquistar a
liberdade. No Brasil, esquartejaram Tiradentes para intimidar os seguidores do lema da Conjuração Mineira: Libertas
quae sera tamen (“Liberdade ainda que tardia”).
Na Antiguidade, o preço da derrota de um povo em guerra com outro era a morte ou a escravidão.
Na Idade Moderna, tivemos a escravidão dos africanos, que no Brasil durou mais de três séculos. Os
sofrimentos pelos quais passavam eram tão atrozes que muitos se suicidaram; outros fugiram para o interior do
território, onde formaram povoações.
No Brasil, a liberdade ainda não raiou para grande parte da população. O analfabetismo, o desemprego, a
fome, as doenças – provenientes do descaso do governo na educação e na justiça em favor da sociedade –
impedem que a liberdade surja no horizonte, como diz o Hino da Independência. Entre nós, a liberdade ainda é uma
aspiração, uma esperança, que já custou a cabeça de Zumbi (chefe dos Palmares), de Tiradentes e de tantos outros
que morreram lutando contra os grilhões da escravidão.
Enfim, a liberdade tem sido motivo de trágicas e heróicas batalhas.
O QUE É LIBERDADE
“Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta,
que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda”.
Cecília Meireles
Na epígrafe acima, Cecília Meireles expressa um paradoxo: a liberdade não é explicável, mas é entendível.
De fato, há mais de dois milênios os filósofos vêm refletindo sobre o conceito de liberdade e ainda não chegaram a
uma definição unânime.
O conceito da liberdade é complexo. Vamos começar fazendo-lhe uma pergunta à queima roupa: como
você definiria liberdade? Se pensou autodeterminação, em alternativas de escolhas, em decisão, em fazer ou não
fazer algo sem ser obrigado a isso, você está no caminho certo.
Mas logo terá de enfrentar outros desafios: Como somos livres, se não podemos fazer tudo o que
queremos? Os fatos que mudam os rumos de nossas vidas, de nosso país, podem ser previstos e evitados? É
possível construir uma nova sociedade, mais justa e fraterna? E o temido destino? A nossa sorte está mesmo escrita
nas estrelas?
Os itens seguintes o ajudarão a procurar respostas a essas e outras questões.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 22
As várias formas de liberdade
A liberdade é qualificada de acordo com o objeto a que se refere. Por exemplo, a liberdade física é a que
nos confere o direito de locomoção, de ir e vir. Quando somos privados desse direito por ilegalidade ou abuso de
poder, a Constituição nos garante o recurso jurídico do habeas corpus (em latim, “que tenhas o [teu] corpo”), por
meio do qual se pode revogar uma prisão considerada injusta. Mas, em nossa sociedade perigosa e violenta, a
liberdade de locomoção é cada vez mais restrita.
A liberdade política nos concede o poder de atuar nos rumos da organização da sociedade. Também esse
aspecto da liberdade é dificultado por forças interessadas em manter privilégios.
A liberdade jurídica nos torna iguais em direitos e deveres perante a Lei, o que entre nós ainda é uma
utopia.
A liberdade religiosa nos permite seguir o credo de nossa preferência ou de não seguir nenhum credo.
A liberdade profissional nos dá a possibilidade de seguir a profissão que vá ao encontro de nossos
interesses e tendências. Mas entre esses direitos e a realidade do trabalho no Brasil existe uma grande distância.
Os limites da liberdade
“Nossa liberdade é uma liberdade condicionada, uma liberdade em condição
humana, nossa vida se desenvolve entre os limites acessíveis de uma liberdade
zero e de uma liberdade infinita.”
Georges Gusdorf
Não existe liberdade zero. Por mais escravizada que se encontre uma pessoa, sempre lhe sobra algum
poder de escolha. Em qualquer situação, nunca faltará a possibilidade de dizer sim ou não, de se mostrar contrário
ou favorável a algo, de na ausência de outros meios revelar aprovação apenas pela expressão do rosto. Até pelo
pensamento é possível exercer a liberdade.
Do mesmo modo que não existe liberdade zero, também não há liberdade infinita ou absoluta. Ninguém
pode escolher tudo. Ninguém, por exemplo, escolhe entre nascer e não nascer, nem escolhe seus pais, nem o País,
nem a época em que vive.
Somos, pois, limitados, condicionados, determinados por uma série de fatores que não dependem da nossa
vontade. Em filosofia, a palavra necessidade sintetiza todos os obstáculos que agem sobre nós e nos impedem de
ser, fazer e conseguir o que gostaríamos.
“Poderia se dizer que livre, livre mesmo, é quem decide de uma hora para outra que
naquela noite quer jantar em Paris e pega um avião. Mas mesmo este depende de estar
com o passaporte em dia e encontrar lugar na primeira classe. E nunca escapará da dura
realidade de que só chegará em Paris para o almoço do dia seguinte. O planeta tem seus
protocolos.” [VERISSIMO, Luis Fernando. Veja, São Paulo, (26): 27, 29 jun. 1988]
Além desses condicionamentos ou determinismos inevitáveis, existem outros, evitáveis, criados pelo próprio
homem. O ladrão, por exemplo, corre o risco de perder a liberdade de locomoção, e os que se drogam se arriscam a
ficarem viciados, escravizando-se às drogas. A liberdade, como a saúde, requer cultivo e vigilância.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 23
Mas as restrições à liberdade não são criadas apenas pelos indivíduos, isoladamente. É na organização
social e política que se constrói a maioria dos entraves à liberdade. Um povo composto por analfabetos, doentes e
famintos tem uma liberdade restrita às suas condições subumanas. O que podemos fazer, então?
A liberdade como conquista
“A liberdade é algo que se tem e não se tem, que se quer e se conquista.”
Friedrich Nietzsche
A conquista moral depende da consciência psicológica, ou seja, antes de podermos julgar sobre o bem e o
mal, sobre o certo e o errado, temos consciência de nossos atos, sentimo-nos autores de nossas ações.
A questão da liberdade requer um exame sobre nossa situação pessoal e social. Vejamos, por exemplo, o
caso de um estudante que mora na periferia de uma metrópole. Ele gostaria de cursar medicina, mas não pode,
porque trabalha durante o dia e não existe faculdade de medicina à noite. Que opções lhe restam? O que ele deve
fazer para se realizar?
Milhões de jovens estão na mesma situação desse estudante, e aqueles que não se deixam abater pelos
condicionamentos adversos atingem ao menos parte de seus objetivos. Mesmo pessoas com sérias limitações
físicas, como era o caso do conhecido sociólogo Betinho, conseguem superar os obstáculos e se tornam modelos de
cidadania e agentes de mudança social. Por isso, não se deve desistir da luta. O que aí está pode mudar, sim.
A liberdade não é uma dádiva, algo que recebemos sem esforço. Ao contrário, ela é uma conquista que
pode conduzir a outras conquistas, um caminho que pode levar a outros caminhos, com novos obstáculos e
horizontes. O uso da liberdade faz a história do indivíduo e da sociedade. Segundo Sartre, não importa o que fizeram
de nós, não importam as condições adversas em que nos encontramos: importante é o que podemos fazer com o
que fizeram de nós.
Livres com os outros
“Temos aprendido a voar como as aves, a nadar como os peixes,
mas ainda não aprendemos a sensível arte de viver como irmãos.”
Martin Luther King
Costuma-se dizer: “Minha liberdade termina onde começa a liberdade do outro”. Isso só faz sentido em
algumas situações, como no condomínio de um edifício. Tenho liberdade para ouvir a música que quiser. O volume,
porém, não deverá incomodar o vizinho.
Mas o exercício da liberdade se realiza com o outro, na interação social, na verdadeira política, na luta pela
justiça, pela igualdade dos direitos essenciais pela solidariedade. O individualismo, o “cada um por si”, enfraquece
nosso poder de ação.
É conhecida a velha história do pai que, à beira da morte, chamou os filhos e deu um feixe de varas para
que cada um tentasse quebrá-lo. Ninguém conseguiu. Então, ele desamarrou o feixe e foi quebrando vara por vara.
Com isso, o sábio pai quis demonstrar o poder da união e a fragilidade do individualismo.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 24
Liberdade e responsabilidade
“Liberdade significa responsabilidade. É por isso que tanta gente tem medo dela.
Georges Bernard Shaw
O termo responsabilidade pode ser sinônimo de “cumprimento de dever”. Assim, é responsável quem
cumpre seus deveres. Em filosofia, responsabilidade constitui a consequência necessária – o corolário – da
liberdade. O ato livre é necessariamente um ato pelo qual se deve responder. Porque sou livre, tenho de assumir as
consequências de minhas ações e omissões. Já os animais irracionais, por não serem livres, não são responsáveis
pelo que fazem ou deixam de fazer. Ninguém pode condenar um cavalo que lhe deu um coice. Só o ser humano
comete crime e só ele pode ser julgado.
Racional e livre, ele tanto constrói como destrói; tanto ergue escolas e hospitais como inventa bombas
capazes de destruir o planeta; tanto ama como odeia; tanto salva como mata. Às vezes, o mesmo homem salva com
uma das mãos e mata com a outra.
Não há como se espantar diante do incrível poder que a liberdade confere ao homem: para o bem e para o
mal. Mas basta observar nossas cidades, com seus miseráveis, com seus mutilados e mortos no trânsito, com seus
desempregados, com seus menores abandonados e prostituídos, para concluir que temos usado muito mal a
liberdade.
Diante de tantos horrores, somos tentados a indagar: vale a pena ser livre? A pergunta filosófica. Cada um
terá razões favoráveis ou contrárias à liberdade. Dos ditadores e autoritários já conhecemos a resposta.
De acordo com Sartre, não há como escolher: o homem é condenado a ser livre. Já para Rousseau,
“abdicar da liberdade é destruir a própria natureza humana”.
A responsabilidade moral
O homem não é responsável por todos os atos que pratica. Só o é em duas condições fundamentais; fora
delas não há mérito nem demérito nas ações humanas:
a. O ato deve ser consciente. O ato moral e responsável supõe que o agente o tenha praticado com um mínimo de
consciência e lucidez; requer o conhecimento das consequências decorrentes do ato. Muitos criminosos são
absolvidos por falta de provas de que agiram conscientemente.
b. O ato deve ser livre. Além de consciente, o ato moral terá de ser livre. Coações internas, como distúrbios psíquicos
incontroláveis, podem atenuar ou anular a responsabilidade moral de um ato. Coações externas, como o uso da força
e da ameaça de morte, também isentam o agente moral da responsabilidade do ato.
É a própria liberdade que nos oferece a possibilidade de corrigir o mau uso que se faz dela. Não resolve
ficar lamentando a má sorte da vida ou o que os outros fizeram de nós e do mundo; importa, antes, reagir com as
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 25
forças e as armas que nos sobram. Se não reagirmos, ninguém o fará por nós. “O futuro do homem é o próprio
homem”, diz Ponge; “o futuro do mundo está em nossas próprias mãos”, diz Sartre.
A negação da liberdade
“(...) nada jamais foi tão insuportável para um homem e uma sociedade humana do que a liberdade”.
Fiodor Dostoiévski (Os irmãos Karamazov)
O conceito de liberdade não faz parte daquelas certezas apodíticas, como “dois mais dois são quatro”.
Diverge-se quanto a sua concepção e muitos até mesmo negam que ela exista. A seguir, veremos como a liberdade
é anulada pelo determinismo absoluto e pelo fatalismo.
O DETERMINISMO ABSOLUTO
O cientista geralmente parte do pressuposto de que todo fenômeno tem uma causa. É o que se denomina
princípio da causalidade. Uma doença, por exemplo, é efeito ou sintoma de uma causa. Compete ao cientista
descobrir a causa e extingui-la.
O princípio da causalidade supõe ainda uma correspondência necessária entre causa e efeito. Ou seja,
uma determinada causa produz sempre determinado efeito. Por exemplo, sob determinadas condições, o calor (a
causa) fará necessariamente a água ferver (o efeito). Se a mesma causa, sob condições idênticas, produzisse
efeitos diferentes, seria impossível fazer ciência. Essa correspondência necessária entre causa e efeito chama-se
determinismo científico, que é aplicado a vários ramos da ciência, como a física, a química e a biologia. O
determinismo científico favoreceu o desenvolvimento da ciência nos últimos três séculos.
A partir da teoria da relatividade de Albert Einstein e das descobertas da física quântica, os cientistas
passaram a trabalhar, em alguns campos de pesquisa, com uma certeza restrita, não absoluta, ou seja, com
previsões prováveis.
Mas não estaríamos comentando aqui o determinismo científico se ele não tivesse dado origem, no século
XIX, ao determinismo absoluto, com graves consequências para as ciências humanas em geral e para a filosofia em
particular.
O determinismo absoluto ou universal estende às ciências humanas o mesmo princípio aplicado às ciências
naturais. Assim, os fatos de nossa vida e da história, por exemplo, passam a ser decorrentes de um complexo
Apodítico: diz-se de uma verdade ou argumento evidentes por si, não necessitando de provas para serem
compreendidos e aceitos.
Determinismo absoluto: aplicação do princípio da causalidade das ciências naturais às ciências humanas.
Assim, os fatos de nossa vida e da história passam a ser decorrentes de um complexo sistema de causas e
efeitos inevitáveis e independentes de nossa vontade.
Determinismo científico: teoria de que todo fenômeno tem uma causa (princípio da causalidade). O princípio
da causalidade supõe uma correspondência necessária entre causa e efeito.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 26
sistema de causas e efeitos inevitáveis e independentes de nossa vontade. O determinismo absoluto leva o
mecanicismo, segundo o qual o homem é previsível e controlável como uma máquina e, portanto, sem
autodeterminação, sem liberdade. Atualmente, o determinismo absoluto já não tem o prestígio de que desfrutava no
século XIX, embora persistam suas marcas e influências na civilização ocidental.
O FATALISMO
Se a liberdade nem sempre é compreendida por cientistas e filósofos, imaginemos pelas pessoas comuns,
que tem muito mais dificuldades em interpretar os complexos fenômenos da realidade. É mais fácil atribuí-los
simplesmente a entidades transcendentes.
Denomina-se fatalismo ou destino a crença de que os fatos de nossa vida dependem não do exercício de
nossa liberdade, mas da vontade de forças superiores, como Deus ou deuses.
É comum encontrarmos pessoas fatalistas. Após tragédias como enchentes e mortes no trânsito, há
sempre alguém para justificar: “Tinha de acontecer, era o destino, estava escrito...”
Às vezes, a intervenção das forças transcendentes ocorre em forma de milagre. Num desastre, por
exemplo, morrem todos os passageiros, exceto uma criança. Então, sempre aparece alguém para atribuir a Deus a
bondade de ter salvado a criança, o que põe Deus em péssima situação: se salvou a criança, por que deixou morrer
seus pais e os outros passageiros?
No caso seguinte chega a ser hilário. O rabino Nilton Bonder conta que num enterro em dia chuvoso, a
viúva ao ser cumprimentada por ele, disse: “Rabino, até Deus está chorando”. Alguém ao lado sussurrou: “Quer dizer
que quando alguém morre num dia ensolarado, Deus está sorrindo?”.
O fatalismo é muito mais antigo que o determinismo absoluto. Ele advém certamente da Pré-História.
Chegou até nós na forma de narrativas míticas, como a das Moiras gregas. São três irmãs fiandeiras que decidem o
destino humano. Cloto faz o fio da vida de cada um; Láquesis determina o comprimento do fio, ou seja, a duração da
vida; e Ántropos corta o fio quando chega a hora da morte.
Portanto, o nascimento, as condições de vida e a morte dependeriam apenas das temíveis Moiras, palavra
que em grego significa destino. Os romanos chamavam as Moiras de Parcas.
A crença no destino nega radicalmente a liberdade humana e é maléfica para a sociedade: se o nosso
destino já está predeterminado, para que educar os motoristas? Para que lutar por justiça? Para que reivindicar o fim
das opressões?
Se não existe liberdade, também não existe responsabilidade. Se somos determinados pelo destino, não há
como responsabilizar os desonestos, os exploradores, os ladrões e os assassinos, pois estariam destinados a
cometer crimes, sendo, portanto, vítimas, mais que culpados.
Os adeptos do fatalismo ignoram que os homens é que constroem e destroem cidades, criam culturas,
erguem civilizações, arquitetam guerras e promovem a paz. Apesar dos condicionamentos, o homem se define pela
liberdade e pela responsabilidade.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 27
Édipo, vítima do destino
Segundo a mitologia grega, Édipo nasceu com o destino de assassinar o pai e casar-se com a mãe.
Sabedores disso, os pais mandaram matá-lo. O encarregado da execução, porém, apiedou-se da criança
e deixou-a pendurada pelos pés numa árvore. Um pastor recolheu-a e levou-a para o seu senhor, que não
tinha filhos. Assim, Édipo cresceu longe da cidade de seus verdadeiros pais.
Já moço, dirigiu-se a Tebas, cidade onde nascera. No caminho, discutindo com um homem, o matou, sem
saber que era o rei de Tebas, seu verdadeiro pai.
À porta da cidade, teve de responder ao enigma de uma esfinge. Se errasse a resposta, seria morto,
como muitos já o tinham sido. O enigma era: “Qual é o ser que de manhã tem quatro pés, ao meio-dia,
dois, e ao entardecer, três?” Édipo acertou ao responder que era o homem, o qual de manhã (na infância)
engatinha, ao meio-dia (durante quase toda a vida) anda sobre dois pés e ao entardecer (na velhice) anda
sobre os dois pés e apoiando em uma bengala.
Com isso, Édipo entrou como herói em Tebas e, mais tarde, casou-se com a rainha, que era a sua própria
mãe. Cumpriu-se, assim, o destino.
Em Santa Catarina, entre os descendentes dos açorianos, existe uma lenda semelhante. Um menino,
segundo a predição de uma cigana, nasceu com o destino de morrer vitimado pelos chifres de um touro.
Então, os pais nunca o deixaram sair sozinho, Mas, um dia, ao visitar um parente, o menino subiu num
caixote para arrancar um berrante de parede e caiu em cima da ponta do chifre. Morreu. Mais uma vez, os
esforços humanos foram impotentes contra o destino.
As duas lendas, separadas por mais de vinte séculos, encarnam e procuram justificar a mentalidade
fatalista.
Édipo responde ao enigma da esfinge.
Pintura em vaso grego do século V a.C.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 28
Acepções da liberdade
“É o que posso expressar dizendo que o homem está condenado a ser livre. Condenado porque não se criou a si
mesmo, e como, no entanto, é livre, uma vez que foi lançado no mundo, é responsável por tudo o que faz”.
Jean-Paul Sartre
É de Aristóteles a primeira reflexão sistemática sobre a liberdade. Observe, no texto a seguir, que ela é,
essencialmente, a que estamos desenvolvendo neste capítulo.
“[...] Mas é evidente que o homem é a origem de suas próprias ações e se não somos
capazes de relacionar nossa conduta a quaisquer outras origens que não sejam as que
estão dentro de nós mesmos, então as ações cujas origens estão em nós devem também
depender de nós e ser voluntárias”. [ARISTÓTELES. Ética a Nicômancos. Tradução do
grego de Mário da Grama Kury. Brasíli: Ed. Universidade de Brasília, 1985. p. 57, 1113 b]
Esse texto de Aristóteles demonstra que nossos atos livres tem origem em nós mesmos; são causados por
nós. Os atos livres implicam na decisão soberana da inteligência e da vontade. Por isso, temos de responder por
eles. Essa acepção aristotélica de liberdade predomina até hoje na história da filosofia.
Sartre levou o conceito de Aristóteles. Para ele, a liberdade é, antes de tudo, o que qualifica o homem, a
sua humanidade. Não é possível não ser livre. Embora não tenha criado a si mesmo, é responsável por tudo o que
faz. Não há como renunciar a liberdade. O homem é condenado à liberdade e isso é motivo de angústia.
Mas o homem não age sempre de acordo com a responsabilidade que decorre de sua condição livre. Pode
usar de má-fé, degrada-se, mente para si mesmo.
Para Kant, assim como para Cecília Meireles, a liberdade é algo que qualquer pessoa entende, mas
ninguém sabe explicar. Segundo Kant, consiste em seguir racionalmente as regras criadas pelo próprio indivíduo.
Kant pronuncia a época em que o homem deve emancipar-se de todas as tutelas para tornar-se legislador de si.
Como ser racional autônomo, não deve obedecer, a não ser às leis que lhes são determinadas pela sua consciência
moral. A razão é legisladora universal, ou seja, é o homem que cria e reconhece as leis e só assim se submete a ela.
Outros filósofos como Espinosa e Hegel, divergem de Aristóteles quanto à origem do ato livre. Para eles
não é o indivíduo a causa de liberdade, e sim o todo, que pode ser a Natureza (para os antigos estóicos), a
Substância (segundo Espinosa) ou o Espírito como história (no caso de Hegel). Nessa acepção, agir livremente é
agir de acordo com as regras e as leis do todo. A totalidade é que é soberana e livre. Os homens, partes da
totalidade, devem agir de acordo com ela. O indivíduo não escolhe isoladamente, cabe-lhe apenas agir
conscientemente, de acordo com as determinações da totalidade.
De acordo com os estóicos, o homem livre segue a sabedoria da racionalidade da natureza e de sua
própria razão, que lhe garantem o domínio sobre a irracionalidade das paixões.
Para Espinosa e Hegel, a liberdade depende igualmente do conhecimento da necessidade, ou seja, das
determinações do todo. A escravidão corresponde à falta de consciência da necessidade.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 29
Marx e Engels concordam com esses dois filósofos quanto à consciência da necessidade, mas para eles
não basta ter conhecimento dos entraves naturais e sociais da liberdade. É preciso agir e modificar a realidade em
prol da maior autonomia do homem diante dos obstáculos que o impedem de se realizar.
A boa e a má escolha
“Há ocasiões em que utilizamos um bem como se fosse um mal e,
ao contrário, um mal como se fosse um bem.”
Epicuro
Fazemos escolhas desde o amanhecer até a noite. Escolhemos frutas, roupas, amigos, amores, filmes,
músicas, colégios, pessoas, profissões, políticos...
Mas as escolhas nem sempre são fáceis e simples como optar entre ir ao cinema e ir ao teatro. Não
escolhemos uma profissão com a mesma tranquilidade com que compramos um par de tênis. Há uma diferença
considerável entre escolher um filme para ver e um candidato em quem votar. As escolhas variam da aquisição de
um alfinete à declaração de guerra a outro país.
Em relação à escolha, há que se notar outra característica humana: dentre as alternativas, optamos pela
que consideramos melhor para nós, ou pela menos ruim, conforme o ditado: “Dos males, o menor”. Ao fazer
compras, queremos sempre o melhor e o mais barato. Na escolha da profissão, optamos, se possível, pela que
oferece maior realização pessoal e financeira. Para amigos, escolhemos aqueles que nos dão maior satisfação.
Enfim, escolher o melhor é tão cotidiano e universal quanto comer e beber.
Mas eis o problema: nem sempre o subjetivamente melhor é objetivamente o melhor. Às vezes, ignoramos
o que seja realmente um bem para nós. A escolha depende do conhecimento. Só escolhe bem quem conhece todos
os aspectos e implicações de cada alternativa. Ora, ainda é muito grande nossa ignorância sobre a realidade
humana. O que (ou mesmo quem) nos faz mais felizes, mais realizados? Muitos desconhecem até os alimentos que
deveriam ingerir para gozar de boa saúde. Maior ainda é o desconhecimento em relação aos prazeres. A busca da
satisfação imediata pode custar sérios males ao futuro.
Às vezes, erramos também nas transações comerciais. É por isso que os antigos nos aconselham a não
decidir nada de importante sem pensar muito e tentar conhecer todos os aspectos da questão. Algumas pessoas só
decidem no dia seguinte, pois acreditam que, durante o sono, o inconsciente seleciona a melhor opção. Daí o ditado:
“O travesseiro é o melhor conselheiro”.
Na política, é comum a eleição de candidatos que nunca seriam escolhidos se os eleitores estivessem mais
bem informados. A ignorância é adubo para demagogos e corruptos.
Tudo isso, porém, não significa que os males do mundo são frutos apenas da ignorância, como pensava
Sócrates. Para esse filósofo, o homem só pratica o mal quando ignora o bem.
Na verdade, às vezes cometemos deliberadamente o mal para satisfazer um prazer passageiro ou para
conseguir algo que não obteríamos por meios lícitos. Nem sempre a razão comanda nossas ações. Agimos também
conduzidos por paixão, por impulsos inconscientes. É por isso que o filósofo cristão Paulo de Tarso afirmou: “Não
faço o bem que quero, mas faço o mal que não quero” (Romanos 7: 19).
Também não devemos nos esquecer das determinações emotivas, do coração, que, segundo Pascal, tem
razões que a própria razão desconhece.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 30
Aristóteles dizia que o conhecimento é o que existe de mais fácil e de mais difícil: fácil,
porque todos tem sempre algum conhecimento das coisas num certo grau; difícil, porque o
conhecimento adequado de alguma coisa impõe muitas exigências. Nem sempre o que
aparece como um bem é bem. Nem sempre o que agrada imediatamente se identifica com
o bem. Depois, é necessário considerar o bem em diversas dimensões: é o bem do
momento? é o bem estável? é o bem que tranquiliza? é o bem que constrói?
O problema seria simples, se consistisse numa distinção teórica entre bem e mal. Ele se
torna complexo quando descobrimos que toda a dificuldade está em distinguir entre o bem
e o bem, em hierarquizar os bens, em separar o bem de superfície e o bem profundo, entre
o bem acidental e o bem substancial, entre o bem aparente e o bem essencial.
[MENDONÇA, Eduardo P. de. A construção da liberdade. São Paulo: Convívio, 1977. p.97]
Hoje, a escolha do bem, do melhor, qualquer escolha, é seriamente prejudicada pelo excesso de
informações. Somos bombardeados pelo rádio, televisão, cinema, livros, jornais, revistas, outdoors e internet. Muitas
dessas informações tem objetivos mercadológicos. Alojam-se em nosso inconsciente, fazendo-nos desejar coisas de
que não precisamos, que nem sempre serão boas para nós, mas que o mercado deseja vender. Com isso, nossos
desejos correm o risco de ser os desejos alheios. E a escolha pelo melhor pode virar opção pelo pior.
ATIVIDADES
1. Crie ou encontre no texto uma frase que expresse bem a importância da Liberdade.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
2. Comprove com argumentos a complexidade do conceito de Liberdade.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________
3. Faça um comentário sobre a Liberdade como conquista. Cite exemplos de pessoas, inclusive você.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 31
4. Que relação existe entre individualismo e Liberdade?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
5. Você concorda que a humanidade tem usado muito mal a Liberdade? Por quê?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
6. Que relação existe entre o determinismo científico e o determinismo absoluto?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
7. Qual a diferença entre determinismo absoluto e fatalismo?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
8. Qual é a principal diferença entre a concepção de liberdade de Aristóteles e a dos estóicos?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 32
9. Qual é a principal diferença entre a concepção de liberdade de Espinosa e a de Kant?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
10. Por que, segundo Sartre, o homem é condenado à liberdade?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
11. O que Marx e Engels introduziram na concepção de liberdade de Espinosa e Hegel?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 33
6. FILOSOFIAS HELENÍSTICAS
A busca da felicidade interior
Com a conquista da Grécia pelos macedônicos (322 a.C.), teve início o chamado período helenístico.
Devido à expansão militar do império macedônico, efetuada por Alexandre Magno, o período helenístico caracterizou-
se por um processo de interação entre a cultura grega clássica e a cultura dos povos orientais conquistados.
O mesmo processo se deu no campo filosófico. As escolas de Platão (Academia) e de Aristóteles (Liceu) –
dirigidas, respectivamente, pelos seus discípulos – continuaram abertas e em plena atividade, mas os valores gregos
começaram a mesclar-se com as mais diversas tradições culturais.
Do público ao privado
No plano político, a antiga liberdade do cidadão grego, exercida no contexto de autonomia de suas cidades,
foi desfigurada pelo domínio macedônico da participação do cidadão nos destinos da polis. Com isso, a reflexão
política também se enfraqueceu.
Substituiu-se, assim, a vida pública pela vida privada como centro das reflexões filosóficas. Em outras
palavras, as preocupações coletivas cedem lugar às preocupações pessoais.
As principais correntes filosóficas desse período vão tratar da intimidade, da vida interior do ser humano.
Formulam-se, então, diversos modelos de conduta, “artes de viver”, “filosofias de vida”.
Parece que a principal preocupação dos filósofos era proporcionar às pessoas desorientadas e inseguras
com a vida social alguma forma de paz de espírito, de felicidade interior em meio às atribuições da época. Um dos
principais filósofos desse período, Epicuro, aconselhava que as pessoas se afastassem dos perigos e intranquilidade
da vida política e buscassem a felicidade em sua vida privada.
Entre as novas tendências desse período, destacaremos o epicurismo, o estoicismo, o pirronismo o
cinismo.
Epicurismo: o prazer (satisfação pessoal)
O epicurismo é uma corrente filosófica fundada por Epicuro (341-271 a.C.), que defendia que o prazer é o
princípio e o fim de uma vida feliz.
No entanto, Epicuro distinguia dois grandes grupos de prazeres. O primeiro reúne os prazeres mais
duradouros, que encantam o espírito, como a boa conversação, a contemplação das artes, a audição da música etc.
O segundo inclui os prazeres mais imediatos, muitos dos quais são movidos pela explosão das paixões e que, ao
final, podem resultar em dor e sofrimento.
De acordo com o filósofo, para que possamos desfrutar os grandes prazeres do intelecto, precisamos
aprender a dominar os prazeres exagerados da paixão, como os medos, os apegos, a cobiça e a inveja. Por isso, os
epicuristas buscavam a ataraxia, isto é, o estado de ausência da dor, quietude, serenidade e imperturbabilidade da
alma.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 34
Estoicismo: o dever (responsabilidade)
O estoicismo, fundado a partir das ideias de Zenão de Cício (336-263 a.C.), foi a corrente filosófica de
maior influência no período helenístico. Os representantes dessa escola, conhecidos como estoicos, defendiam a
noção de que toda a realidade existente é uma realidade racional, o que quer dizer que todos os seres, os
indivíduos e a natureza fazem parte dessa realidade racional.
O que chamamos de Deus, segundo esses pensadores, nada mais é do que a fonte dos princípios
racionais que regem a realidade. Integrado à natureza, não existe para o ser humano nenhum outro lugar para ir ou
fugir, além do próprio mundo em que vivemos. Somos deste mundo e, ao morrer, nos dissolvemos neste mundo.
Não dispomos, portanto, de poderes para alterar substancialmente, a ordem universal do mundo, mas pela
filosofia, podemos compreendê-la e viver segundo ela. Assim, em vez do prazer dos epicuristas, Zenão propõe o
dever, vinculado à compreensão da ordem cósmica, como o melhor caminho para a felicidade. É feliz aquele que
vive segundo sua própria natureza, a qual, por sua vez, integra a natureza do universo.
Os estóicos também defendiam uma atitude de austeridade física e moral, baseada em virtudes como a
resistência ante o sofrimento, a coragem ante o perigo, a indiferença ante as riquezas materiais. O ideal perseguido
era um estado de plena serenidade (ataraxia) para lidar com os sobressaltos da existência, fundado na aceitação e
compreensão dos “princípios universais” que regem toda a vida.
Pirronismo: a suspensão do juízo (não existe apenas uma verdade)
O pirronismo, fundado a partir das ideias de Pirro de Élida (365-275 a.C.), foi uma corrente filosófica que
defendia a ideia de que tudo é incerto, nenhum conhecimento é seguro, qualquer argumento pode ser contestado.
Por isso, seus seguidores propunham que as pessoas adotassem a suspensão do juízo (epokhé, em
grego), isto é, a abstenção de fazer qualquer julgamento, já que a busca de uma verdade plena é inútil. Desse modo,
aceitando que das coisas se podem conhecer apenas aparências e desfrutando o imediato captado pelos sentidos,
as pessoas viveriam felizes e em paz.
O pirronismo constituiu, portanto, uma forma de ceticismo, pois professa a impossibilidade do
conhecimento, da obtenção da verdade absoluta.
Cinismo (negação dos bens materiais como forma de Liberdade)
A palavra cinismo vem do grego kynicos, significa “como um cão”. O termo cinismo designa, assim, a
corrente dos filósofos que se propuseram viver como os cães da cidade, sem qualquer propriedade ou conforto.
Levavam ao extremo a tese socrática de que o ser humano deve procurar conhecer a si mesmo e
desprezar todos os bens materiais. Por isso, Diógenes de Sínope (c. 413-327) – o pensador mais destacado
Observação: o epicurismo muitas vezes é confundido com um tipo de hedonismo marcado pela
procura desenfreada dos prazeres mundanos. No entanto, o que Epicuro defendia era uma
administração racional e equilibrada do prazer, evitando ceder aos desejos insaciáveis que,
inevitavelmente, terminam em sofrimento.
Hedonismo: doutrina centrada na ideia de prazer (existem diversas doutrinas hedonistas).
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 35
dessa escola – é conhecido como o “Sócrates demente”, ou o “Sócrates louco”, pois questionava os valores e as
convenções sociais e procurava viver estritamente conforme os princípios que considerava moralmente corretos.
Vivendo em uma época em que as conquistas de Alexandre promoveram o helenismo, mesclando culturas
e populações, Diógenes também não tinha apreço pela diferença entre grego e estrangeiro. Conta-se que, quando
lhe perguntaram qual era sua cidadania, teria respondido: “Sou cosmopolita” (palavra de origem grega que significa
“cidadão do mundo”).
Há muitas histórias de sabedoria e humor sobre Diógenes. Uma delas conta que ele morava em um barril e
que, certa vez, Alexandre Magno foi visitá-lo. De pé, em frente à “casa”, Alexandre perguntou-lhe se havia algo que
ele, como imperador, poderia fazer em seu benefício, ao que Diógenes respondeu prontamente: “Sim, poder sair da
frente do meu sol”. Diz a lenda que Alexandre, impressionado com o desprezo do filósofo pelos bens materiais, teria
comentado: “Se eu não fosse Alexandre, queria ser Diógenes”. O artigo do quadro que segue desenvolve reflexões
atuais a partir de outra história de Diógenes.
O barril e a esmola
“Zombavam de Diógenes. Além de morar num barril, volta e meia era visto pedindo
esmolas às estátuas. Cegas por serem estátuas, eram duplamente cegas porque não tinham olhos
– uma das características da estatuária grega. [...]
Perguntaram a Diógenes por que pedia esmola às estátuas inanimadas, de olhos vazios.
Ele respondia que estava se habituando à recusa. Pedindo a quem não o via nem o sentia, ele
nem ficava aborrecido pelo fato de não ser atendido.
É mais ou menos uma imagem que pode ser usada para definir as relações entre a
sociedade e o poder. Tal como as estátuas gregas, o poder tem os olhos vazados, só olha para
dentro de si mesmo, de seus interesses de continuidade e de mais poder.
A sociedade, em linhas gerais, não chega a morar num barril. Uma pequena minoria mora
em coisa mais substancial. A maioria mora em espaços um pouco maiores do que um barril. E há
gente que nem consegue um barril para morar, fica mesmo embaixo da ponte ou por cima das
calçadas.
Morando em coisa melhor, igual ou pior do que um barril, a sociedade tem necessidade de
pedir não exatamente esmolas ao poder, mas medidas de segurança, emprego, saúde e
educação. Dispõe de vários canais para isso, mas, na etapa final, todos se resumem numa estátua
fria, de olhos que nem estão fechados: estão vazios. [...]” [Carlos Heitor Cony, Folha de S. Paulo, 5 de
janeiro de 200]
Detalhe de Diógenes e Alexandre Magno.
Desprezando as convenções e hierarquias
da sociedade, o filósofo Diógenes
enalteceu o que para ele era o maior de
todos os prazeres: a liberdade.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 36
ATIVIDADES
1. Caracterize, em termos gerais, a filosofia desenvolvida depois do período clássico.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
2. Confronte o epicurismo com o estoicismo, destacando as semelhanças e as diferenças.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
3. Por que o pirronismo é considerado uma forma de ceticismo? De que maneira seu ceticismo definia o modo de
vida que propunha?
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
Período greco-romano
O último período da filosofia antiga, conhecido como greco-romano, corresponde, em termos
históricos, à fase de expansão militar de Roma (desde as Guerras Púnicas, iniciadas em 264 a.C., até a
decadência do Império Romano, em fins do século V da era cristã). Trata-se de um período longo em anos,
mas pouco notável no que diz respeito à originalidade das ideias filosóficas.
Os principais pensadores desse período, como Sêneca, Cícero, Plotino e Plutarco, dedicaram-se
muito mais à tarefa de assimilar e desenvolver as contribuições culturais herdadas principalmente da
Grécia clássica do que de criar novos caminhos para a filosofia.
A progressiva penetração do cristianismo no decante Império Romano é uma das características
fundamentais desse período. A difusão e a consolidação do cristianismo, pela Igreja Católica, atuaram na
dissolução da força da filosofia grega clássica que passou a ser qualificada como pagã (própria dos povos
não cristãos).
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 37
4. Explique a origem da palavra cinismo, destacando sua relação com a corrente filosófica que a denomina.
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________
As ideias e a realidade histórica
As quatro causas
A teoria aristotélica das quatro causas, tal como foi recolhida e conservada pelos pensadores medievais, é
uma das explicações encontradas pelo filósofo para dar conta do problema do movimento. [...] Haveria, então, uma
causa material (a matéria de que um corpo é constituído, como, por exemplo, a madeira, que seria a causa material
da mesa), a causa formal (a forma que a matéria possui para constituir um corpo determinado, como, por exemplo, a
forma da mesa, que seria a causa formal que a madeira passou a ter), a causa eficiente (a ação ou operação que faz
com que uma matéria passe a ter uma determinada forma, como por exemplo, quando o marceneiro fabrica a mesa)
e, por último, a causa final (o motivo ou a razão pela qual uma determinada matéria passou a ter uma determinada
forma, como, por exemplo, a mesa feita para servir como altar em um templo). Assim, as diferentes relações entre as
quatro causas explicam tudo que existe, o modo como existe e se altera e o fim ou motivo para o qual existe.
Hierarquias das causas
Um aspecto fundamental dessa teoria da causalidade consiste no fato de que as quatro causas não
possuem o mesmo valor, isto é, são concebidas como hierarquizadas, indo da causa mais inferior à causa superior.
Nessa hierarquia, a causa menos valiosa ou menos importante é a causa eficiente (a operação de fazer a causa
material receber a causa formal, ou seja, o fabricar natural ou humano) e a causa mais valiosa ou mais importante é
a causa final (o motivo ou finalidade da existência de alguma coisa).
À primeira vista, essa teoria é uma pura concepção metafísica que serve para explicar de modo coerente e
objetivo os fenômenos naturais (física) e os fenômenos humanos (ética, política e técnica). Nada parece indicar a
menor relação entre a explicação causal do universo e a realidade social grega. Sabemos, porém, que a sociedade
grega é escravagista e que a sociedade medieval se baseia na servidão, isto é, são sociedades que distinguem
radicalmente os homens em superiores – os homens livres, que são cidadãos, na Grécia, e senhores feudais, na
Europa medieval – e inferiores – os escravos, na Grécia, e os servos da gleba, na Idade Média.
Relação das causas com a divisão social
Mas, o que teria a concepção da causalidade a ver com tal divisão social? Muita coisa. Se tomarmos o
cidadão e o senhor e indagarmos a qual das causas a ele corresponde, veremos que corresponde à causa final, isto
é, o fim ou motivo pelo qual alguma coisa existe é o usuário dessa coisa, aquele que ordenou sua fabricação (por
isso, na teologia cristã, Deus é considerado a causa final do universo, que existe “para Sua maior glória e honra”. Em
outras palavras, a causa final está vinculada à ideia de uso, o que depende da vontade de quem ordena a produção
de alguma coisa. Se, por outro lado, indagarmos a que causa corresponde o escravo ou o servo, vamos ver que
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 38
corresponde à causa eficiente, isto é, ao trabalho graças ao qual certa matéria receberá certa forma para servir ao
uso ou ao desejo do senhor.
Compreende-se, então, por que a metafísica das quatro causas considera a causa final superior à eficiente,
que se encontra inteiramente subordinada à primeira. Não só no plano da Natureza e do sobrenatural, mas também
no plano humano ou social o trabalho aparece como elemento secundário ou inferior, a fabricação sendo menos
importante do que seu fim. A causa eficiente é um simples meio ou instrumento.
O inimigo da democracia foi Platão, o maior dos discípulos de Sócrates. Em A República, apresenta-nos um
Estado Ideal desenvolvido a partir da construção militarista de Esparta. O Estado se divide basicamente em três
classes: os governantes, o exército e o povo. Platão localiza três seções correspondentes à divisão do Estado: a
razão, a vontade e as paixões. Cabe à razão descobrir as leis que regem o homem, a tarefa da vontade é executá-
las, espera-se que as paixões as cumpram. A vontade regida pelas paixões leva a desmandos semelhantes aos que
ocorrem no Estado governado pelo povo.
A política foi outro campo de investigação de Platão. Decepcionado com a política vigente, não aceitou a
democracia. Em seu famoso livro A República, descreve o Estado ideal, governado por reis-filósofos, os únicos
capacitados a realizar a verdadeira política.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 39
7. DUVIDAR: O PENSAMENTO EM BUSCA DE NOVOS HORIZONTES
Importância de perguntar
Nossa análise nos deu uma pequena ideia de que ter dúvidas, mesmo que provisoriamente, é algo
desejável para alcançar um conhecimento maior: Por que será, então, que as pessoas tendem a expressar poucas
dúvidas, a fazer tão poucas perguntas umas às outras em seu dia a dia?
Isso pode ser observado, por exemplo, na sala de aula. Quando um professor pergunta à classe se alguém
tem alguma dúvida sobre o que acabou de expor, qual é a reação mais comum? Silêncio ou algumas perguntas
tímidas. A maioria tem alguma dúvida – ou muita dúvida –, mas não ousa expressá-la. Essa postura ocorre também
nas universidades, nas empresas, em encontros culturais, nos almoços e jantares, nas mesas de bar etc. Por que
isso é tão frequente?
Uma explicação pode estar na dificuldade de expressão, isto é, na dificuldade de encontrar as palavras
certas para expressar a dúvida que se tem, o que é muito comum. Outra explicação seria que grande parte das
pessoas não ousa expressar sua dúvida por medo de falar em público. Esse temor também é bastante comum. O
desenvolvimento de maiores habilidades de expressão linguística e de comunicação oral poderia mudar bastante
esse cenário.
Há, porém, uma explicação que nos parece mais fundamental: muita gente acredita, mesmo sem estar
consciente disso, que ter dúvidas e perguntar é expor uma debilidade, um sinal de dificuldade intelectual ou falta de
“conhecimentos”. Como nossa cultura valoriza muito a inteligência e a informação (ou, pelo menos, o parecer
inteligente e bem informado sobre tudo), poucos se arriscam a ser interpretados como tolos, ignorantes ou confusos
ao fazer uma simples pergunta.
Assim, a conversação entre as pessoas costuma ser, com frequência, uma sucessão de monólogos ou de
enfrentamentos, onde cada um dos interlocutores está mais preocupado em dar o contra ou exibir seus
“conhecimentos”, suas certezas, do que entender o outro ou aprender com ele – ou junto com ele. Em resumo, o
que está em jogo é mais o amor-próprio, a vaidade pessoal do que a aprendizagem. E, quando não entram nessa
disputa, as pessoas “optam” pelo silêncio.
Isso tudo nos parece um grande equívoco. Perguntas são, no mínimo, a expressão do desejo de conhecer
mais sobre algo ou alguém, do interesse pelo que o outro é, pensa ou sente. Portanto, as perguntas se
complementam com a atitude de saber escutar, de dar a adequada atenção ao que o outro questiona ou propõe, de
tal maneira que possa haver uma verdadeira troca de percepções e reflexões. Muitas vezes descobrimos nesse
processo, nesse diálogo respeitoso, que a outra pessoa – que observa o mundo a partir de uma perspectiva diferente
da nossa – percebeu coisas que não tínhamos percebido ainda, notou problemas nos quais não havíamos pensado
até então. Isso ampliará nossa maneira de ver as coisas e a nós mesmos, ampliando nossos horizontes e
possibilidades de escolha para construção de uma vida mais justa, sábia, generosa e feliz.
Atitude filosófica
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 40
A filosofia busca tudo isso que acabamos de mencionar. Portanto, para aprender a filosofar, é fundamental
adotar uma atitude indagadora. Como afirmou o pensador alemão Karl Jaspers (1883-1969), “as perguntas em
filosofia são mais essenciais que as respostas, e as respostas transformam-se em novas perguntas” [Introdução ao
pensamento filosófico, p. 140]
Isso ocorre justamente porque a filosofia busca essa ampliação da paisagem e seus horizontes: cada
resposta (cada paisagem e horizonte conquistados) gera um novo terreno para dúvidas e perguntas (uma nova
paisagem, com mais um horizonte a ser explorado).
Assim, mesmo que você não tenha nenhuma intenção de se tornar um filósofo ou uma filósofa, desenvolver
uma atitude indagadora e “escutadora”, isto é, filosófica, pode ser de grande utilidade em muitos momentos de sua
vida.
Na infância, principalmente nos primeiros anos, essa atitude é bastante comum ou natural. A maioria das
crianças vive mergulhada no encantamento da surpresa, da novidade, da descoberta, que se desdobra em
interrogações intermináveis: “o que é isso?”, “o que é aquilo?”, “por que é assim?”, “como você sabe?” e assim por
diante. Desse modo, junto com outras experiências, elas vão formando imagens, ideias, conceitos dos diversos
elementos que formam a realidade. Por exemplo:
- Mãe, o que é tulipa?
- É uma flor, filha.
- Uma flor como?
- Uma flor muito delicada e bonita, com a forma de um sino, só que invertido, com a boca para cima.
- Que cor tem?
- Tem tulipa de tudo quanto é cor: vermelha, amarela, branca, lilás.
- E por que a gente não tem tulipa no nosso jardim?
- Porque é preciso saber cultivar essa planta, ela vem de regiões de clima frio, como a Holanda...
- Holanda? Onde fica a Holanda?
E assim por diante. Às vezes, as crianças dão uma reviravolta nas questões que abordam, fazendo
perguntas insistentes e até geniais, verdadeiras torturas para os adultos, que se veem obrigados a parar e pensar
sobre as coisas. Com o passar dos anos, porém, a vida vai deixando de ser novidade: mergulham no cotidiano das
respostas prontas e “acabadas” e, de modo geral, esquecendo aquelas questões para as quais nunca conseguimos
explicação.
A atitude filosófica constitui, portanto, uma espécie de retorno a essa primeira infância, a essa maneira de
ver, escutar e sentir as coisas. É um certo começar de novo na compreensão do mundo por meio da dúvida e de
sucessivas indagações.
É claro que esse “começar de novo” não é possível no sentido literal da expressão, porque você já
conhece, sente e imagina muitas coisas a respeito do mundo, das pessoas e de si mesmo, e não é possível apagar
toda essa vivência. Você já tem um “cardápio” de conceitos, imagens e sentimentos, sobretudo, o que foi
fundamental para sua existência até este instante, mesmo sem ter consciência disso. O natural é que você mova pela
vida orientado por esse mapa, sem precisar fazer tantas perguntas quanto uma criança que ainda não montou seu
próprio “cardápio”.
FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 41
Mas há momentos em que o “cardápio” que uma pessoa tem não serve para enfrentar determinada
situação: não é completamente satisfatório, “nutritivo” e “saudável”. É aí então que surge a quebra, o estranhamento
(que mencionamos anteriormente) em relação ao fluxo normal do cotidiano. Trata-se de uma oportunidade para
começar a pensar na vida de uma maneira filosófica, isto é, para começar a indagar e duvidar.
Dúvida filosófica
É nesses momentos críticos de quebra e estranhamento que costumam surgir dúvidas sobre temas
fundamentais e permanentes da existência humana, dos quais trata a filosofia.
Isso significa que nem todo tipo de dúvida é filosófica. Por exemplo: “Quem será o campeão brasileiro de
futebol deste ano?” não é uma dúvida filosófica, e sim uma simples especulação sobre algo que está para acontecer,
por mais angustiado que se sinta o torcedor com essa questão. Pode ser um bom exercício teórico discutir com
colegas ou especialistas as possibilidades de seu time do coração em comparação com as de outros, para saber
suas opiniões. Mas a resposta a esse tipo de dúvida virá da própria sucessão dos acontecimentos (ou jogos) ao
longo do tempo (ou do campeonato), tornando-se um fato inquestionável.
A dúvida filosófica propriamente dita surge de uma necessidade inquietante de explicação racional para
algo da existência humana que se tornou incompreensível ou cuja compreensão existente não satisfaz. Geralmente
são temas para os quais não há resposta única ou para os quais a mente humana sempre retorna. Por exemplo,
quem já não se fez, mesmo que intimamente, a pergunta “Por que tanta maldade?” ao saber de mais uma das
atrocidades, aparentemente inexplicáveis, de que alguns seres humanos (ou desumanos) são capazes? Tal questão
conduz a outras, mais básicas e fundamentais, como “O que é o mal?”, “O que é o ser humano?”, “É da essência do
ser humano ser mal?”, “É da essência do ser humano ser bom?” etc.
A dúvida verdadeiramente filosófica é aquela que favorece, portanto, o exercício fecundo da inteligência, do
espírito, da razão sobre questões teóricas importantes para todos nós (e que costumam ter uma incidência prática
enorme em nossas vidas, sem que nos demos conta disso, conforme veremos ao longo do livro).
Por que a dúvida filosófica propicia um exercício fecundo da razão? Porque nela se adota – para início de
conversa – a suspensão do juízo. Assim se denomina a interrupção temporária do fluxo normal de ideias prontas
Abrir-se ao mundo como uma criança
Para abordar a filosofia, para entrar no território da filosofia, é absolutamente indispensável uma primeira
disposição de ânimo. É absolutamente indispensável que o aspirante a filosófo sinta a necessidade de levar a seu
estudo uma disposição infantil.
Em que sentido faço esta paradoxal afirmação de que convém que o filósofo se puerilize? Faço-a no
sentido de que a disposição de ânimo para filosofar deve consistir essencialmente em perceber e sentir por toda
a parte [...] problemas, mistérios: admirar-se de tudo, sentir profundamente o arcano* e misterioso de tudo isso;
colocar-se ante o universo e o próprio ser humano, com um sentimento de admiração, de curiosidade infantil
como a criança que não entende nada e para quem tudo é problema.
Aquele para quem tudo resulta muito natural, para quem tudo resulta muito fácil de entender, para quem
tudo resulta muito óbvio, nunca poderá ser filósofo.
GARCIA MORENTE, Fundamentos de filosofia, p. 33-34.
*Arcano: muito difícil de compreender, enigmático.
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano
Filosofia  8 ano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
Mary Alvarenga
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
Matheus Simoes Masuoka
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
tacianarangel
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfAulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
DirceGrein
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades filosofia mito
Atividades filosofia mitoAtividades filosofia mito
Atividades filosofia mito
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação de filosofia 1º ano
Avaliação de filosofia   1º anoAvaliação de filosofia   1º ano
Avaliação de filosofia 1º ano
Dayana Marques Carvalho
 
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Ensino religioso ética
Ensino religioso  éticaEnsino religioso  ética
Ensino religioso ética
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe AssunçãoAtividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
Prof. Noe Assunção
 
Apostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_ejaApostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_eja
Claudio Santos
 
Atividades interpretação interdisciplina sociedade sociologia, filosofia, h...
Atividades interpretação interdisciplina sociedade   sociologia, filosofia, h...Atividades interpretação interdisciplina sociedade   sociologia, filosofia, h...
Atividades interpretação interdisciplina sociedade sociologia, filosofia, h...
Atividades Diversas Cláudia
 
Dinâmica para aula de sociologia e filosofia
Dinâmica para aula de sociologia e filosofiaDinâmica para aula de sociologia e filosofia
Dinâmica para aula de sociologia e filosofia
Severina Maria Vieira
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Prof. Noe Assunção
 
As três peneiras de Sócrates
As três peneiras  de SócratesAs três peneiras  de Sócrates
As três peneiras de Sócrates
Mary Alvarenga
 
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Atividades Diversas Cláudia
 

Mais procurados (20)

Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
 
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a felicidade é coletiva - texto e atividade - Prof. Noe Assunção
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
 
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdfAulas Projeto de Vida  6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
Aulas Projeto de Vida 6º ao 9º ano EF 1º bimestre.pdf
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
 
Atividades filosofia mito
Atividades filosofia mitoAtividades filosofia mito
Atividades filosofia mito
 
Avaliação de filosofia 1º ano
Avaliação de filosofia   1º anoAvaliação de filosofia   1º ano
Avaliação de filosofia 1º ano
 
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAula 1   Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Aula 1 Participação política e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Ensino religioso ética
Ensino religioso  éticaEnsino religioso  ética
Ensino religioso ética
 
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe AssunçãoAtividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CIDADANIA- DEMOCRACIA- PARTICIPAÇÃO CIDADÃ - Prof. ...
 
Apostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_ejaApostila de filosofia_1ºano_eja
Apostila de filosofia_1ºano_eja
 
Atividades interpretação interdisciplina sociedade sociologia, filosofia, h...
Atividades interpretação interdisciplina sociedade   sociologia, filosofia, h...Atividades interpretação interdisciplina sociedade   sociologia, filosofia, h...
Atividades interpretação interdisciplina sociedade sociologia, filosofia, h...
 
Dinâmica para aula de sociologia e filosofia
Dinâmica para aula de sociologia e filosofiaDinâmica para aula de sociologia e filosofia
Dinâmica para aula de sociologia e filosofia
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
 
As três peneiras de Sócrates
As três peneiras  de SócratesAs três peneiras  de Sócrates
As três peneiras de Sócrates
 
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
 

Semelhante a Filosofia 8 ano

GERIATRICA. idoso pdf
GERIATRICA. idoso                    pdfGERIATRICA. idoso                    pdf
GERIATRICA. idoso pdf
VivianaVasconcelos3
 
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Cássimo Saide
 
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
MarryCruz1
 
Pesquisa científica
Pesquisa científica Pesquisa científica
Pesquisa científica
Lilian Ismenia
 
Ober - Obra do Bem-Estar Rural de Baião
Ober - Obra do Bem-Estar Rural de BaiãoOber - Obra do Bem-Estar Rural de Baião
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinicaLivro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Andre Silva
 
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinicaLivro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Andre Silva
 
29186193 proinfantil
29186193 proinfantil29186193 proinfantil
29186193 proinfantil
Luciana Silva
 
OLHARES HOLÍSTICOS NA AÇÃO DO SUPERVISOR ESCOLAR
OLHARES HOLÍSTICOS NA AÇÃO DO SUPERVISOR ESCOLAROLHARES HOLÍSTICOS NA AÇÃO DO SUPERVISOR ESCOLAR
OLHARES HOLÍSTICOS NA AÇÃO DO SUPERVISOR ESCOLAR
Luz Mary Dias
 
Planejamento anual sociologia completo
Planejamento anual sociologia completoPlanejamento anual sociologia completo
Planejamento anual sociologia completo
Rafael Vigentin
 
Relatório danilo okkk
Relatório danilo okkkRelatório danilo okkk
Relatório danilo okkk
Marcelo Silva Santos
 
BOOK_Mod0_Metodologia_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod0_Metodologia_revisao_final_4.pdfBOOK_Mod0_Metodologia_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod0_Metodologia_revisao_final_4.pdf
Daniela Chucre
 
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
PROIDDBahiana
 
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
PROIDDBahiana
 
Programa de psic a
Programa de psic aPrograma de psic a
Programa de psic a
Maria Delgadinho
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
Antonio Carlos SSouza
 
Modulo 06 - Elementos do processo de pesquisa em esporte escolar - monografia
Modulo 06 - Elementos do processo de pesquisa em esporte escolar - monografiaModulo 06 - Elementos do processo de pesquisa em esporte escolar - monografia
Modulo 06 - Elementos do processo de pesquisa em esporte escolar - monografia
marcelosilveirazero1
 
Me pedagogia (in) (rf)
Me pedagogia (in) (rf)Me pedagogia (in) (rf)
Me pedagogia (in) (rf)
Juliana Fae
 
Caderno de estudo edineide vitor-1
Caderno de estudo   edineide vitor-1Caderno de estudo   edineide vitor-1
Caderno de estudo edineide vitor-1
Deyse Elly
 
Ppp reformulado-blog
Ppp reformulado-blogPpp reformulado-blog
Ppp reformulado-blog
Bia Bernardino
 

Semelhante a Filosofia 8 ano (20)

GERIATRICA. idoso pdf
GERIATRICA. idoso                    pdfGERIATRICA. idoso                    pdf
GERIATRICA. idoso pdf
 
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
Mod estrategias de_intervencao_psicopedagogica_v1
 
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
LIVRO UNICO psicologia bons estudos livro único...
 
Pesquisa científica
Pesquisa científica Pesquisa científica
Pesquisa científica
 
Ober - Obra do Bem-Estar Rural de Baião
Ober - Obra do Bem-Estar Rural de BaiãoOber - Obra do Bem-Estar Rural de Baião
Ober - Obra do Bem-Estar Rural de Baião
 
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinicaLivro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
 
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinicaLivro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
 
29186193 proinfantil
29186193 proinfantil29186193 proinfantil
29186193 proinfantil
 
OLHARES HOLÍSTICOS NA AÇÃO DO SUPERVISOR ESCOLAR
OLHARES HOLÍSTICOS NA AÇÃO DO SUPERVISOR ESCOLAROLHARES HOLÍSTICOS NA AÇÃO DO SUPERVISOR ESCOLAR
OLHARES HOLÍSTICOS NA AÇÃO DO SUPERVISOR ESCOLAR
 
Planejamento anual sociologia completo
Planejamento anual sociologia completoPlanejamento anual sociologia completo
Planejamento anual sociologia completo
 
Relatório danilo okkk
Relatório danilo okkkRelatório danilo okkk
Relatório danilo okkk
 
BOOK_Mod0_Metodologia_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod0_Metodologia_revisao_final_4.pdfBOOK_Mod0_Metodologia_revisao_final_4.pdf
BOOK_Mod0_Metodologia_revisao_final_4.pdf
 
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
 
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
Reflexoes sobre-o-processo-tutorial-na-aprendizagem-baseada-em-problemas-tsuj...
 
Programa de psic a
Programa de psic aPrograma de psic a
Programa de psic a
 
Interdisciplinaridade
InterdisciplinaridadeInterdisciplinaridade
Interdisciplinaridade
 
Modulo 06 - Elementos do processo de pesquisa em esporte escolar - monografia
Modulo 06 - Elementos do processo de pesquisa em esporte escolar - monografiaModulo 06 - Elementos do processo de pesquisa em esporte escolar - monografia
Modulo 06 - Elementos do processo de pesquisa em esporte escolar - monografia
 
Me pedagogia (in) (rf)
Me pedagogia (in) (rf)Me pedagogia (in) (rf)
Me pedagogia (in) (rf)
 
Caderno de estudo edineide vitor-1
Caderno de estudo   edineide vitor-1Caderno de estudo   edineide vitor-1
Caderno de estudo edineide vitor-1
 
Ppp reformulado-blog
Ppp reformulado-blogPpp reformulado-blog
Ppp reformulado-blog
 

Mais de Cecília Tura

Arte moderna-a-contemporanea-729850 (1)
Arte moderna-a-contemporanea-729850 (1)Arte moderna-a-contemporanea-729850 (1)
Arte moderna-a-contemporanea-729850 (1)
Cecília Tura
 
Escola reflexiva e nova racionalidade
Escola reflexiva e nova racionalidadeEscola reflexiva e nova racionalidade
Escola reflexiva e nova racionalidade
Cecília Tura
 
Historia historia da_arte_dificil
Historia historia da_arte_dificilHistoria historia da_arte_dificil
Historia historia da_arte_dificil
Cecília Tura
 
Resumo 03295414807 ptg
Resumo 03295414807 ptgResumo 03295414807 ptg
Resumo 03295414807 ptg
Cecília Tura
 
Introducao+a+projetos
Introducao+a+projetosIntroducao+a+projetos
Introducao+a+projetos
Cecília Tura
 
As formas da vida grega que preparam o nascimento da filosofia
As formas da vida grega que preparam o nascimento da filosofiaAs formas da vida grega que preparam o nascimento da filosofia
As formas da vida grega que preparam o nascimento da filosofia
Cecília Tura
 
El origen del_conocimiento
El origen del_conocimientoEl origen del_conocimiento
El origen del_conocimiento
Cecília Tura
 
2o ano em biologia - simone - aula de anatomia - sistema esqueletico
2o ano em   biologia - simone - aula de anatomia - sistema esqueletico2o ano em   biologia - simone - aula de anatomia - sistema esqueletico
2o ano em biologia - simone - aula de anatomia - sistema esqueletico
Cecília Tura
 
1 avaliacao calculo_iii
1 avaliacao calculo_iii1 avaliacao calculo_iii
1 avaliacao calculo_iii
Cecília Tura
 
Arte e comunicacao
Arte e comunicacaoArte e comunicacao
Arte e comunicacao
Cecília Tura
 
Arte e comunicacao (1)
Arte e comunicacao (1)Arte e comunicacao (1)
Arte e comunicacao (1)
Cecília Tura
 
A didatica do_ensino_da_arte
A didatica do_ensino_da_arteA didatica do_ensino_da_arte
A didatica do_ensino_da_arte
Cecília Tura
 

Mais de Cecília Tura (12)

Arte moderna-a-contemporanea-729850 (1)
Arte moderna-a-contemporanea-729850 (1)Arte moderna-a-contemporanea-729850 (1)
Arte moderna-a-contemporanea-729850 (1)
 
Escola reflexiva e nova racionalidade
Escola reflexiva e nova racionalidadeEscola reflexiva e nova racionalidade
Escola reflexiva e nova racionalidade
 
Historia historia da_arte_dificil
Historia historia da_arte_dificilHistoria historia da_arte_dificil
Historia historia da_arte_dificil
 
Resumo 03295414807 ptg
Resumo 03295414807 ptgResumo 03295414807 ptg
Resumo 03295414807 ptg
 
Introducao+a+projetos
Introducao+a+projetosIntroducao+a+projetos
Introducao+a+projetos
 
As formas da vida grega que preparam o nascimento da filosofia
As formas da vida grega que preparam o nascimento da filosofiaAs formas da vida grega que preparam o nascimento da filosofia
As formas da vida grega que preparam o nascimento da filosofia
 
El origen del_conocimiento
El origen del_conocimientoEl origen del_conocimiento
El origen del_conocimiento
 
2o ano em biologia - simone - aula de anatomia - sistema esqueletico
2o ano em   biologia - simone - aula de anatomia - sistema esqueletico2o ano em   biologia - simone - aula de anatomia - sistema esqueletico
2o ano em biologia - simone - aula de anatomia - sistema esqueletico
 
1 avaliacao calculo_iii
1 avaliacao calculo_iii1 avaliacao calculo_iii
1 avaliacao calculo_iii
 
Arte e comunicacao
Arte e comunicacaoArte e comunicacao
Arte e comunicacao
 
Arte e comunicacao (1)
Arte e comunicacao (1)Arte e comunicacao (1)
Arte e comunicacao (1)
 
A didatica do_ensino_da_arte
A didatica do_ensino_da_arteA didatica do_ensino_da_arte
A didatica do_ensino_da_arte
 

Último

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 

Filosofia 8 ano

  • 2. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 1 INDICE OBJETIVOS PEDAGÓGICOS ....................................................................................................................................... 2 ENSAIO INTRODUTÓRIO: JUÍZOS INTUITIVOS ......................................................................................................... 3 1. FILOSOFIA? - A FILOSOFIA NA ESCOLA, NA VIDA, NO MUNDO...........................................................................4 2. ATITUDES FILOSÓFICAS E CONHECIMENTO FILOSÓFICO ................................................................................ 7 3. VISÃO PANORÂMICA DO INÍCIO DA FILOSOFIA: DE TALES A ARISTÓTELES ................................................. 11 4. O SER HUMANO E SER LIVRE .............................................................................................................................. 20 5. A IMPORTÂNCIA DA LIBERDADE ......................................................................................................................... 21 6. FILOSOFIAS HELENÍSTICAS .................................................................................................................................. 33 7. DUVIDAR: O PENSAMENTO EM BUSCA DE NOVOS HORIZONTES .................................................................. 39 8. DÚVIDA METÓDICA: O EXERCÍCIO DA DÚVIDA POR DESCARTES .................................................................. 44 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................................................................................. 52
  • 3. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 2 OBJETIVOS PEDAGÓGICOS Esta Apostila apresenta a filosofia como um conhecimento que possibilita o desenvolvimento de um estilo próprio de pensamento. A filosofia pode ser considerada como conteúdo produzido pelos filósofos ao longo do tempo, mas também como o exercício do pensamento que busca o entendimento das coisas, das pessoas e do meio em que vivem. Portanto, um pensar histórico, crítico e criativo, é aquele que discute os problemas da vida à luz da História da Filosofia. No interior desta Apostila são desenvolvidas relações interdisciplinares. É a filosofia buscando na ciência, na história, na arte e na literatura, entre tantas outras possibilidades, apoio para analisar o problema estudado, entendendo-o na complexidade da sociedade contemporânea. Se propõe o estudo da filosofia por meio da leitura dos textos; de atividades investigativas; de pesquisas e debates, que orientam e organizam o estudo da filosofia. As atividades tem por objetivo a leitura dos textos, a assimilação e entendimento dos conceitos da tradição filosófica. As pesquisas são importantes porque acrescentam informações, fixam e aprofundam o conteúdo estudado. Sempre é proposto um ponto de partida, podendo surgir novos problemas e novas questões a serem pesquisadas.
  • 4. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 3 ENSAIO INTRODUTÓRIO: JUÍZOS INTUITIVOS 1. Explique com suas palavras o que é filosofia. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ 2. Quem pode ser um filósofo? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ 3. Sócrates, um dos mais importantes filósofos gregos, acreditava que o reconhecimento da própria ignorância como ponto de partida é parte da abertura para o ato de conhecer. A partir dessa afirmativa reflita sobre a famosa frase de Sócrates apresentada abaixo: _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ _____________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ Só sei que nada sei.
  • 5. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 4 1. FILOSOFIA? - A FILOSOFIA NA ESCOLA, NA VIDA, NO MUNDO... Conceitos e pré-conceitos acerca da filosofia O estudo da filosofia envolve muitos conceitos. Conceitos que são ideias desenvolvidas ou elaboradas a respeito de um assunto. Exigem de nós análise, reflexão e síntese. Antes de chegar ao conceito de alguma coisa, porém, são formados sobre ela um pré-conceito. O pré-conceito é uma ideia ainda não elaborada, um pouco vaga, por assim dizer, “de ouvir falar”. É uma primeira noção de algo. É por isso que muitos pré-conceitos tem sentido negativo: são parciais, incompletos, tomam a parte pelo todo. É o caso dos preconceitos (ou pré-conceitos) raciais, sexuais, religiosos e políticos. O pré-conceito não é ainda um conhecimento definitivo, mas é um ponto de partida e, se bem desenvolvido, pode tornar-se um conceito, ou seja, um conhecimento mais amplo e completo. Os juízos intuitivos são pré-conceitos nesse sentido. São pontos de partida que ajudam a desenvolver um conceito mais elaborado. O preconceito só se torna algo negativo quando nos restringimos a ele, sem desenvolvê-lo. Aí ele nos limita, ou seja, nos impede de ver as coisas de outra maneira. Para chegar a um conceito em filosofia, portanto, precisamos começar com os pré-conceitos e desenvolvê- los. Essa é uma das tarefas da filosofia. Uma boa maneira de identificar esses pré-conceitos é perguntar: por que tenho de estudar essa matéria? O que se pretende com isso? Que utilidade ela vai ter na minha vida? A existência da filosofia faz alguma diferença no mundo? É bem verdade que você pode fazer essas perguntas com relação a qualquer outra disciplina, mas é a filosofia que propõe esse tipo de questionamento. E é junto com você que ela pretende investigar a resposta. É o que faremos nas próximas atividades. ATIVIDADES 1. Você considera a escola parte da sua vida? Em caso positivo, é uma parte agradável ou desagradável? Por quê? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ 2. Existem coisas importantes que você deveria ter aprendido na escola, mas até agora não aprendeu? Dê exemplos? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________
  • 6. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 5 3. Existem coisas que não são aprendidas na escola? Quais? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ 4. Na escola, você aprende mais a fazer perguntas ou a respondê-las? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ 5. A escola ensina você a pensar melhor? Como? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ 6. Que tipo de coisa você imagina aprender nas aulas de filosofia? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ 7. Por que você acha que existe a disciplina filosofia na sua escola? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________
  • 7. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 6 Etimologia da palavra filosofia e o início do filosofar As palavras tem história, e a história está cercada de significados. Quando exploramos o significado das palavras, encontramos diversos sentidos que já foram utilizados pelas pessoas através dos tempos. Isso acontece porque a linguagem é uma espécie de herança que recebemos das gerações passadas. Por meio dela podemos entender melhor o mundo, construir novos significados e até mesmo criar novas palavras, enriquecendo nossa vida e o patrimônio que iremos transmitir às próximas gerações. Assim, um pouquinho de nós fica para os outros. A filosofia é uma linguagem de amor à sabedoria. Nasceu do amor que busca compreender o mundo, os outros e a si mesmo. O amor cria laços, vincula, se expressa e se comunica. Foi o desejo de compreender a realidade que gerou a filosofia. Do mesmo modo que você tem um nome, e seu nome tem uma história, querendo mostrar um significado pessoal e social, também o nome filosofia tem uma história e um significado próprios, que vamos agora explorar e conhecer. A palavra filosofia é de origem grega. O filósofo Platão, citando outro filósofo, Pitágoras, registra em seus Diálogos, escritos no século V a.C., a ideia de que somente o ser humano é capaz de filosofar, ou seja, de buscar a sabedoria. Os seres humanos não são como os outros animais, que apenas seguem seus instintos e não tem necessidade de saber; tampouco são deuses, que também não tem necessidade de saber, pois já conhecem tudo. Somente os seres humanos, que estão a meio caminho entre os animais e os deuses, percebem que ignoram as coisas e sentem necessidade de conhecê-las. Essa consciência da própria ignorância e a busca da verdade, nos tornam filósofos. É isso que nos faz humanos. É por isso que nos movemos em diversas direções, construindo diferentes tipos de saber. Veja a seguir a composição da palavra filosofia. (Observação: o ph tem som de f; antigamente se escrevia pharmárcia, Philipe). 1. Conceitos e pré-conceitos acerca da filosofia ATIVIDADES 1. Qual é o seu nome? Por que você tem esse nome? Você sabe quem o escolheu e por quê? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ Filosofia = philos + sophia (philos = amizade, amor fraterno; sophia = sabedoria; sophós = sábio) Filosofia = amor fraterno pelo saber, amizade pela sabedoria.
  • 8. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 7 2. ATITUDES FILOSÓFICAS E CONHECIMENTO FILOSÓFICO Filosofia X filosofar Vimos que a palavra filosofia significa amor fraterno pelo saber ou amizade pela sabedoria. Isso significa, portanto, que o que define o filósofo, como você talvez já tenha notado pelos textos apresentados, é certa atitude em relação ao conhecimento. O filósofo não pretende ser o sábio nem possuir a verdade. Se assim fosse, ele deixaria de ser filósofo, ou então se tornaria arrogante ou dogmático, ou seja, um indivíduo apegado às próprias convicções. Como Platão já havia percebido e registrado, o saber definitivo pertence aos deuses. Mas, se reconhecermos que estamos a meio caminho, ou prestes a caminhar, poderemos conseguir muita coisa. Atitudes filosóficas Apresentamos, a seguir, um resumo das atitudes filosóficas básicas. Tenha em mente aquilo que você e seus colegas já elaboraram anteriormente sobre a filosofia e o filosofar. Note que cada uma das atitudes envolve um conjunto de habilidades que podem ser exercitadas na sua reflexão pessoal e na reflexão coletiva, em sala de aula e em outros espaços do pensar. Questionar: Significa ser curioso, perguntar a si mesmo e aos outros sobre tudo o que existe, colocar em questão as afirmações feitas sobre a realidade, interessar-se pelas coisas e pensar sobre elas, suspeitar do que é dito habitualmente, desconfiar das convenções estabelecidas. Algumas perguntas podem ajudá-lo no ato de questionar: . O que é? O que são as coisas que estão à nossa volta? Como se definem, o que significam (os costumes, as crenças, a natureza)? Quem somos? O que significam nossa experiência, nossas ideias, sensações, emoções? Exemplos: o que é a vida? Quem sou eu? . Como acontece? Como funcionam as coisas naturais e humanas, que relações elas mantêm entre si? Exemplos: como surgiu a vida? Como determinar o que é vivo ou não? Como sou? Como me tornei o que sou? . Por quê? Para quê? Qual o sentido, a razão, a justificativa, a finalidade, o objetivo das coisas ou dos fenômenos naturais e humanos? Por que elas são o que são e por que acontecem dessa maneira? Exemplos: para que existe a vida? Por que eu existo? Investigar: Quer dizer procurar respostas para os problemas, examinar e comparar essas respostas, buscar as conclusões mais satisfatórias (nem sempre definitivas), questionar as próprias perguntas para avaliar se são satisfatórias e se vale a pena investigá-las. Fazem parte do investigar: . Formular hipóteses, analisar e classificar diferentes tipos de respostas abrindo um amplo leque de alternativas.
  • 9. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 8 . Comparar e examinar alternativas, distinguindo opções válidas, consistentes, interessantes, significativas. . Estabelecer critérios para julgar e classificar as opções. Escolhê-las, defini-las. . Formular e desenvolver conceitos que explicam o quê, o como e o porquê de algo. . Analisar as bases a partir das quais construímos nossos conceitos e verificar se são seguras, claras, razoáveis. . Buscar os princípios a partir dos quais possamos explicar as coisas. . Examinar as razões e os argumentos apresentados que justificam as ideias, assim como formular e desenvolver suas próprias razões e argumentos para defender ou criticar ideias próprias e alheias. Ampliar os horizontes: Significa ter sempre a mais ampla visão possível do assunto, considerando seus vários aspectos. Essa atitude filosófica envolve: . Considerar maneiras alternativas de enxergar a realidade e manter-se aberto a novas visões de mundo, cultivando o gosto pela diversidade. . Pesquisar o que já é conhecido, levando em conta como e o porquê daquele conhecimento ter sido elaborado e se ainda pode nos ser útil. . Imaginar novas possibilidades, desenvolver ideais, confrontá-los com a realidade e perguntar-se de que modo podem se tornar reais. . Elaborar sínteses que englobem o que foi analisado, desenvolvendo imagens ou visões do todo. . Levar em conta quem está falando algo, assim como o que está sendo dito e como a pessoa se expressa. O cartum a seguir faz referência ao filósofo grego Sócrates, que viveu no século V a.C., em Atenas. Sócrates dedicou a vida a praticar a filosofia com aqueles que estivessem dispostos a investigar suas próprias ideias, buscando compreender o próprio pensamento, seus pressupostos e as consequências daí advindas.
  • 10. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 9 Os companheiros de diálogo de Sócrates eram principalmente os jovens atenienses. Entre eles, havia um discípulo que mais tarde se tornaria um filósofo famoso: Platão. Foi Platão quem escreveu os Diálogos, nos quais Sócrates aparece como personagem e interlocutor de conversas filosóficas sobre os mais variados temas: o amor, o conhecimento, a coragem, a morte, a verdade, a aprendizagem... Lendo os Diálogos, percebemos que o método de investigação que Sócrates utilizava para filosofar caracterizava-se por: . reconhecer a própria ignorância como ponto de partida e abertura para o ato de conhecer; . fazer perguntas que levassem o interlocutor a examinar cuidadosamente as ideias que ele e os outros apresentavam sobre o tema em discussão.
  • 11. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 10 Como filósofo, Sócrates examinava com rigor as ideias de qualquer um que se dispusesse a discutir com ele, e isso costumava encantar os jovens. Infelizmente, também despertou a desconfiança de alguns cidadãos atenienses. Foram eles que levaram Sócrates ao tribunal, quando este tinha cerca de 70 anos e era acusado de ateísmo e corrupção da juventude. Julgado e condenado, foi obrigado a beber cicuta, um veneno. Seus amigos o incentivaram a fugir, mas Sócrates preferiu cumprir as leis da cidade que amava e pela qual tantas vezes lutara em guerras, defendendo a democracia e a liberdade. Para Sócrates não fazia sentido vivem sem filosofar, ou seja, sem poder investigar, examinar a si mesmo, aos outros e ao mundo. E isso se reflete claramente em sua máxima: “Uma vida sem reflexão não vale a pena ser vivida”. O conhecimento filosófico Se o filósofo é aquele que busca a verdade, sem a possuir, se é aquele que interroga sobre todas as coisas, o que será, então, o conhecimento filosófico? Se você está se perguntando isso, estamos no caminho certo. Uma resposta óbvia é que o conhecimento filosófico é o resultado da atitude filosófica. Isso significa que o exercício e o processo de filosofar produzem conhecimento filosófico. Mas isso ainda é pouco. Alguém poderia perguntar: “Mas então qual é a diferença entre o conhecimento filosófico e os outros tipos de conhecimento, como a matemática, a biologia, a arte, a religião, a sabedoria popular, ou qualquer ideia que nos ocorra?” Para responder a essa pergunta, é preciso examinar as semelhanças e as diferenças que existem entre a filosofia e outras formas de conhecimento. (...) todo aquele que pretenda tornar-se de fato um filósofo, deverá “uma vez na vida”, voltar-se para si mesmo, e tentar destruir, em seu íntimo, todas as ciências admitidas até então a fim de reconstruí-las. A filosofia – o amor pela sabedoria – é uma tarefa inteiramente pessoal do sujeito filosofante: deve forjar-se como sua sabedoria, como aquele saber, que tende a universalizar-se, que ele adquire por si próprio, e do qual pode tornar-se responsável desde o início, a cada passo (...) [Edmund Husserl. Meditaciones Cartesianas. p. 38] Escher (1898-1972) era extremamente meticuloso e organizado com o seu trabalho, em todos os seus aspectos. Sabia sempre exatamente o que fazia e por que o fazia. As suas “ilusões de uma ilusão”, como ele uma vez descreveu algumas gravuras que um amigo lhe tinha acabado de comprar, tem um caráter de fascínio permanente. Não são exatamente aquilo que parecem a um primeiro ou segundo olhar, mas sim verdadeiras abordagens do infinito. [Caderno de obras de Escher – Exposição no Brasil. Brasília, ABIGRAF, 1993]
  • 12. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 11 3. VISÃO PANORÂMICA DO INÍCIO DA FILOSOFIA: DE TALES A ARISTÓTELES Os pré-socráticos A partir do século VI a.C., surgem as primeiras escolas filosóficas nos principais centros da civilização helênica – Grécia e colônias gregas das ilhas do Mar Egeu, da Ásia Menor, da Sicília e Itália Meridional. Essas escolas são denominadas “pré-socráticas” por precederem Sócrates, filósofo que abre uma nova era da filosofia. Dessas escolas, as mais importantes são: . Escola jônica: recebe esse nome por causa da Jônia, colônia grega da costa ocidental da Ásia Menor. Seus representantes mais ilustres são: Tales de Mileto (624-546 a.C.), Anaximandro (611-546 a.C.), Anaxímenes (586-525 a.C.) e Heráclito (535-470 a.C.). Esses quatro pensadores são os fundadores da filosofia no sentido específico, pois lançaram as bases dos problemas filosóficos discutidos até hoje no Ocidente: a verdade, a totalidade, a ética e a política. . Escola pitagórica: deve o nome a seu fundador, Pitágoras (580-500 a.C.). Outros pensadores importantes dessa escola: Filolau (século V a.C.), Arquitas (século IV a.C.) e Alcmeón (século VI a.C.). Esses pensadores manifestam ao mesmo tempo tendências místico-religiosas e tendências científico-racionais. A influência dessa escola estende- se até os nossos dias. . Escola eleática: recebe esse nome de Eléia, cidade situada no sul da Itália e local de seu florescimento. Nessa escola encontramos os grandes nomes de Xenófanes (570-480 a.C.), Zenão (510 -? a.C.) e Melisso (490 - ? a.C.). Nesse grupo famoso de pensadores, as questões filosóficas concentram-se na comparação entre o valor do conhecimento sensível e o valor do conhecimento racional. De suas reflexões resulta que o único conhecimento válido é aquele fornecido pela razão.
  • 13. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 12 . Escola pluralista: é composta por Anaxágoras (499-428 a.C.), Empédocles (492-432 a.C.) e Demócrito (460-370 a.C.). O denominador comum nas posturas filosóficas desses pensadores consiste em admitir que não há um princípio único que explique o universo. Existem vários princípios que, misturando-se, formam a multiplicidade das coisas existentes – daí a denominação “pluralista”. Os sofistas Os sofistas eram professores ambulantes, sem cidade fixa, pagos pelos próprios alunos. Atuaram em meados do século V a.C. Os mais importantes foram Protágoras (490-410 a.C.), Górgias (485-380 a.C.) e Pródicos (460 - ? a.C.). Sofista significa mestre de sabedoria. Os sofistas captaram as mudanças causadas pelo exercício da democracia e passaram a preparar os líderes políticos para os novos tempos. Era preciso aprender a dialogar com os cidadãos, de cujos votos dependia a organização da sociedade. O que diziam os sofistas? Diziam que os ensinamentos dos filósofos cosmologistas estavam repletos de erros e contradições e que não tinham utilidade para a vida da pólis. Apresentavam-se como mestres da oratória ou retórica (arte de falar em público), afirmando ser possível ensinar os jovens tal arte para que fossem bons cidadãos. Que arte era essa? A arte da persuasão. Os sofistas ensinavam técnicas de persuasão aos jovens, que aprendiam a defender determinada posição ou opinião, depois a posição ou opinião contrária, de modo que, numa assembleia, soubessem ter fortes argumentos a favor ou contra uma opinião e ganhassem a discussão. Historicamente, há dificuldades para conhecer o pensamento dos grandes sofistas porque não possuímos seus textos; restaram apenas fragmentos. Por isso nós os conhecemos pelo que deles disseram os seus adversários – Platão, Xenofonte, Aristóteles – e não temos como saber se estes disseram a verdade sobre os sofistas. Os historiadores mais recentes consideram os sofistas verdadeiros representantes do espírito democrático, isto é, da pluralidade conflituosa de opiniões e interesses, enquanto seus adversários seriam partidários de uma política aristocrática, na qual somente algumas opiniões e interesses teriam o direito de fato perante a sociedade. Sócrates (470 -399 a.C.) Sócrates, considerado o “patrono da filosofia”, a dividiu em antes e depois dele: os filósofos anteriores são chamados de pré-socráticos; os posteriores, pós-socráticos. As divergências inerentes à democracia demandavam um novo enfoque filosófico. Sócrates buscou-o em seu interior. Refletindo sobre si mesmo, descobriu que, apesar da variedade das coisas, somos capazes de formar conceitos universais. Por exemplo: apesar de existirem muitas árvores diferentes, temos um conceito de árvore que se aplica a todas elas. Ora, pensou Sócrates, também podemos encontrar um conceito universal de justiça que, pode ser igual para todos, será capaz de resolver as divergências e discórdias na assembleia dos cidadãos. Compete aos filósofos convencer os cidadãos a procurar dentro de si as soluções, como disciplina e austeridade. As praças públicas eram sua sala de aula. Sua metodologia baseava-se no conhecimento próprio. Tomando como lema o “conhece-te a ti mesmo” (inscrito no templo de Apolo), ajudava os interlocutores a encontrar a
  • 14. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 13 verdade das coisas e conceitos. Por meio do diálogo de sucessivas perguntas e respostas, o “aluno” acabava reconhecendo que seu conceito de justiça, por exemplo, não estava correto. Essa primeira parte do processo é chamada de ironia (“interrogação”, em grego). A partir daí, Sócrates começava a segunda parte do processo, que consistia em estimular o interlocutor a procurar em seu interior os conceitos verdadeiros. É o que denominou maiêutica (a arte de dar à luz), em homenagem à mãe, que era parteira. Ela intermediava o nascimento de um novo ser; ele o nascimento da verdade. Esse extraordinário sábio, porém, contrariou interesses dos poderosos, que o condenaram a beber um veneno chamado cicuta; há mais de dois mil anos já se matava quem tinha coragem de denunciar o erro e a corrupção. Platão (427 - 347 a.C.) Platão foi um dos maiores pensadores da história da filosofia. Suas obras, que nos chegaram completas, ao contrário das obras de outros filósofos da época, atravessaram os séculos e continuam a ser estudadas e a influenciar o pensamento ocidental. Suas contribuições foram originais e vastas. Discípulo e amigo de Sócrates, retomou os conceitos e valores universais do mestre, introduzindo uma modificação: eles são apenas representações de outro mundo, ao qual denominou mundo das ideias. Esse mundo constitui a verdadeira realidade, só alcançável pelos filósofos, amigos da sabedoria, por meio do intelecto. Segundo Platão, o mundo em que vivemos é apenas uma sombra do mundo das ideias. Ele explica isso por meio da alegoria do mito da caverna. Numa caverna, homens amarrados diante de uma tela só conseguem ver a sobra das coisas e pessoas que são projetadas pela luminosidade de uma fogueira posta atrás deles, como uma sessão de cinema. Na alegoria platônica, a caverna sombria é o nosso mundo cotidiano percebido pelos sentidos. O sol é a luz da verdade a iluminar essências eternas (as ideias) das quais apenas percebemos sombras móveis. Libertar-nos das impressões sensoriais, para vermos as coisas como realmente são, é tarefa do filósofo. Vejamos agora a versão da Alegoria da Caverna elaborada por Maurício de Sousa. “Alegoria da Caverna”, um pequeno texto que aparece no Livro VII de A República, uma obra clássica de Platão, escrita no século IV a.C. Alegoria é a representação de ideias abstratas por meio de imagens; no caso, realidade, verdade e ilusão.
  • 15. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 14
  • 16. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 15
  • 17. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 16
  • 18. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 17
  • 19. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 18 Aristóteles (384 - 322 a.C.) Aristóteles foi aluno de Platão, que por sua vez foi discípulo de Sócrates. Deles herdamos, em grande parte, o modo de pensar, agir, organizar os conhecimentos e a compreensão da realidade. Dos três, Aristóteles foi o que exerceu maior influência. Ele liderou a história da filosofia até o século XVIII, e ainda hoje suas obras servem de base para os novos desdobramentos do saber. Os estudos de Aristóteles abrangem os mais variados campos: teoria do conhecimento, ética, política, biologia, cosmologia e outros. Aristóteles discordou de seu mestre Platão em relação à teoria do conhecimento. Para ele, as ideias, ou seja, os conceitos não são eternos nem habitam um mundo à parte. O conceito universal é formado a partir dos conhecimentos dos sentidos. Por um processo de abstração, o intelecto elimina os aspectos particulares dos seres e fica apenas com a essência. Por exemplo, a ideia que temos de cavalo, não tem cor, raça ou tamanho. O conhecimento é adquirido por dois processos: a dedução e a indução, ambos essenciais para a formação das ciências. A dedução parte do geral para o particular. Por exemplo: todos os homens são mortais. Ora, Paulo é homem. Logo, Paulo é mortal. A indução, ao contrário, parte do particular para o geral: o ferro, o alumínio e o cobre transmitem eletricidade. Logo, todos os metais transmitem eletricidade. É pela indução que os cientistas testam os medicamentos. Funcionando em um número razoável de pessoas, é estendido para todos. Como se sabe, a eficácia da indução não é 100% garantida. Poderá, por exemplo, haver um metal que não transmita a eletricidade ou um medicamento que não produza a eficácia esperada. A Lógica foi outra grande contribuição de Aristóteles. É ela desenvolve as regras do bom uso do raciocínio. ATIVIDADES 1. Sintetize a noção de filosofia que você adquiriu pela leitura deste capítulo. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ 2. Consulte um dicionário de sua preferência e verifique o significado da palavra mito. Depois os compare com o que você estudou neste capítulo. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________
  • 20. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 19 3. Como os filósofos gregos filosofariam em nossa época? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 4. Se você fosse professor, usaria pensamentos dos filósofos gregos para tornar seus alunos mais críticos? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Para refletir As narrativas gregas, apesar de fantasiosas, são impregnadas de sabedoria e conhecimento das paixões humanas, dos problemas existenciais e da necessidade de leis que possibilitem a vida em comum.
  • 21. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 20 4. O SER HUMANO E O SER LIVRE O tema que investigaremos neste capítulo será a Liberdade. A relação do tema proposto com a liberdade nos ajudará a descobrir novos aspectos e ampliar ainda mais nossa compreensão. Neste caso, ainda estamos na questão central: quem é o ser humano? Vejamos então como a reflexão sobre a liberdade pode nos ajudar a compreender melhor quem somos e a própria filosofia. Filosofar é preciso, vier é (im)preciso Quando cruzavam os mares, os antigos navegadores portugueses costumavam cantar: “Navegar é preciso/ viver não é preciso”. No título deste texto, fizemos um trocadilho com as palavras preciso e impreciso. Para tratar do tema da liberdade na nossa existência, é interessante fazer esse contraponto. Embora seja apenas uma introdução ao tema, ou seja, a “ponta do fio”, já podemos vislumbrar os horizontes da questão. Afinal, quando nos perguntamos para que ou por que existimos, estamos levantando também outro problema: o que devemos ou podemos fazer de nossas vidas? Será que somos livres para decidir o que seremos da vida? Ou já estará decidido, em algum lugar (nos genes, nos planos divinos...), quem somos e o que vai acontecer na nossa vida? Seremos apenas atores, representando papéis escritos por algum autor desconhecido e misterioso, ou autores de nossa própria existência? Observe que concepções de liberdade diferentes estão envolvidas nas diversas definições de ser humano e do sentido de nossa existência. Que crenças estarão por detrás da expressão tão comum: “Foi o destino que quis!” Que destino é esse? Trata-se de um destino criado para o ser humano ou pelo ser humano? Leia a seguir a reflexão do filósofo Karl Jaspers sobre a liberdade, a humanidade e a filosofia. ] Na reflexão acima, Karl Jaspers nos traz algumas pistas para montarmos nossa própria teia e compreendermos a proposta: qual a relação entre o filosofar e a investigação do ser humano? Por que essa investigação envolve uma reflexão sobre você mesmo? E por que algumas dimensões da experiência de ser gente – como o pensar, o sentir, o comunicar, o agir, o fazer e o próprio filosofar – merecem destaque especial? Qual o sentido dos fios condutores da teia: conhecimento, amor e liberdade? Se essas perguntas lhe ocorreram, estamos caminhando bem nesta introdução ao filosofar. Não se preocupe em dar respostas definitivas e completas. Estamos apenas começando. Como uma música que chama nossa atenção, a filosofia revela aos poucos, suas nuances, à medida que a ouvimos de novo, refletindo sobre aquilo que tínhamos pensado antes. Quem se dedica à filosofia põe-se à procura do homem, escuta o que ele diz, observa o que ele faz e se interessa por sua palavra e ação, desejoso de partilhar, como seus concidadãos, do destino comum da humanidade. Karl Jaspers
  • 22. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 21 5. A IMPORTÂNCIA DA LIBERDADE “O homem nasce livre e, por toda parte, é posto a ferros.” Jean Jacques Rousseau Mal entendida, negada, almejada, sobretudo usurpada, a liberdade sempre foi uma questão fundamental na história da filosofia e da humanidade. Ela é a base da Ética. Na história das nações, está registrado quanto sangue foi derramado para conquistar ou reconquistar a liberdade. No Brasil, esquartejaram Tiradentes para intimidar os seguidores do lema da Conjuração Mineira: Libertas quae sera tamen (“Liberdade ainda que tardia”). Na Antiguidade, o preço da derrota de um povo em guerra com outro era a morte ou a escravidão. Na Idade Moderna, tivemos a escravidão dos africanos, que no Brasil durou mais de três séculos. Os sofrimentos pelos quais passavam eram tão atrozes que muitos se suicidaram; outros fugiram para o interior do território, onde formaram povoações. No Brasil, a liberdade ainda não raiou para grande parte da população. O analfabetismo, o desemprego, a fome, as doenças – provenientes do descaso do governo na educação e na justiça em favor da sociedade – impedem que a liberdade surja no horizonte, como diz o Hino da Independência. Entre nós, a liberdade ainda é uma aspiração, uma esperança, que já custou a cabeça de Zumbi (chefe dos Palmares), de Tiradentes e de tantos outros que morreram lutando contra os grilhões da escravidão. Enfim, a liberdade tem sido motivo de trágicas e heróicas batalhas. O QUE É LIBERDADE “Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda”. Cecília Meireles Na epígrafe acima, Cecília Meireles expressa um paradoxo: a liberdade não é explicável, mas é entendível. De fato, há mais de dois milênios os filósofos vêm refletindo sobre o conceito de liberdade e ainda não chegaram a uma definição unânime. O conceito da liberdade é complexo. Vamos começar fazendo-lhe uma pergunta à queima roupa: como você definiria liberdade? Se pensou autodeterminação, em alternativas de escolhas, em decisão, em fazer ou não fazer algo sem ser obrigado a isso, você está no caminho certo. Mas logo terá de enfrentar outros desafios: Como somos livres, se não podemos fazer tudo o que queremos? Os fatos que mudam os rumos de nossas vidas, de nosso país, podem ser previstos e evitados? É possível construir uma nova sociedade, mais justa e fraterna? E o temido destino? A nossa sorte está mesmo escrita nas estrelas? Os itens seguintes o ajudarão a procurar respostas a essas e outras questões.
  • 23. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 22 As várias formas de liberdade A liberdade é qualificada de acordo com o objeto a que se refere. Por exemplo, a liberdade física é a que nos confere o direito de locomoção, de ir e vir. Quando somos privados desse direito por ilegalidade ou abuso de poder, a Constituição nos garante o recurso jurídico do habeas corpus (em latim, “que tenhas o [teu] corpo”), por meio do qual se pode revogar uma prisão considerada injusta. Mas, em nossa sociedade perigosa e violenta, a liberdade de locomoção é cada vez mais restrita. A liberdade política nos concede o poder de atuar nos rumos da organização da sociedade. Também esse aspecto da liberdade é dificultado por forças interessadas em manter privilégios. A liberdade jurídica nos torna iguais em direitos e deveres perante a Lei, o que entre nós ainda é uma utopia. A liberdade religiosa nos permite seguir o credo de nossa preferência ou de não seguir nenhum credo. A liberdade profissional nos dá a possibilidade de seguir a profissão que vá ao encontro de nossos interesses e tendências. Mas entre esses direitos e a realidade do trabalho no Brasil existe uma grande distância. Os limites da liberdade “Nossa liberdade é uma liberdade condicionada, uma liberdade em condição humana, nossa vida se desenvolve entre os limites acessíveis de uma liberdade zero e de uma liberdade infinita.” Georges Gusdorf Não existe liberdade zero. Por mais escravizada que se encontre uma pessoa, sempre lhe sobra algum poder de escolha. Em qualquer situação, nunca faltará a possibilidade de dizer sim ou não, de se mostrar contrário ou favorável a algo, de na ausência de outros meios revelar aprovação apenas pela expressão do rosto. Até pelo pensamento é possível exercer a liberdade. Do mesmo modo que não existe liberdade zero, também não há liberdade infinita ou absoluta. Ninguém pode escolher tudo. Ninguém, por exemplo, escolhe entre nascer e não nascer, nem escolhe seus pais, nem o País, nem a época em que vive. Somos, pois, limitados, condicionados, determinados por uma série de fatores que não dependem da nossa vontade. Em filosofia, a palavra necessidade sintetiza todos os obstáculos que agem sobre nós e nos impedem de ser, fazer e conseguir o que gostaríamos. “Poderia se dizer que livre, livre mesmo, é quem decide de uma hora para outra que naquela noite quer jantar em Paris e pega um avião. Mas mesmo este depende de estar com o passaporte em dia e encontrar lugar na primeira classe. E nunca escapará da dura realidade de que só chegará em Paris para o almoço do dia seguinte. O planeta tem seus protocolos.” [VERISSIMO, Luis Fernando. Veja, São Paulo, (26): 27, 29 jun. 1988] Além desses condicionamentos ou determinismos inevitáveis, existem outros, evitáveis, criados pelo próprio homem. O ladrão, por exemplo, corre o risco de perder a liberdade de locomoção, e os que se drogam se arriscam a ficarem viciados, escravizando-se às drogas. A liberdade, como a saúde, requer cultivo e vigilância.
  • 24. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 23 Mas as restrições à liberdade não são criadas apenas pelos indivíduos, isoladamente. É na organização social e política que se constrói a maioria dos entraves à liberdade. Um povo composto por analfabetos, doentes e famintos tem uma liberdade restrita às suas condições subumanas. O que podemos fazer, então? A liberdade como conquista “A liberdade é algo que se tem e não se tem, que se quer e se conquista.” Friedrich Nietzsche A conquista moral depende da consciência psicológica, ou seja, antes de podermos julgar sobre o bem e o mal, sobre o certo e o errado, temos consciência de nossos atos, sentimo-nos autores de nossas ações. A questão da liberdade requer um exame sobre nossa situação pessoal e social. Vejamos, por exemplo, o caso de um estudante que mora na periferia de uma metrópole. Ele gostaria de cursar medicina, mas não pode, porque trabalha durante o dia e não existe faculdade de medicina à noite. Que opções lhe restam? O que ele deve fazer para se realizar? Milhões de jovens estão na mesma situação desse estudante, e aqueles que não se deixam abater pelos condicionamentos adversos atingem ao menos parte de seus objetivos. Mesmo pessoas com sérias limitações físicas, como era o caso do conhecido sociólogo Betinho, conseguem superar os obstáculos e se tornam modelos de cidadania e agentes de mudança social. Por isso, não se deve desistir da luta. O que aí está pode mudar, sim. A liberdade não é uma dádiva, algo que recebemos sem esforço. Ao contrário, ela é uma conquista que pode conduzir a outras conquistas, um caminho que pode levar a outros caminhos, com novos obstáculos e horizontes. O uso da liberdade faz a história do indivíduo e da sociedade. Segundo Sartre, não importa o que fizeram de nós, não importam as condições adversas em que nos encontramos: importante é o que podemos fazer com o que fizeram de nós. Livres com os outros “Temos aprendido a voar como as aves, a nadar como os peixes, mas ainda não aprendemos a sensível arte de viver como irmãos.” Martin Luther King Costuma-se dizer: “Minha liberdade termina onde começa a liberdade do outro”. Isso só faz sentido em algumas situações, como no condomínio de um edifício. Tenho liberdade para ouvir a música que quiser. O volume, porém, não deverá incomodar o vizinho. Mas o exercício da liberdade se realiza com o outro, na interação social, na verdadeira política, na luta pela justiça, pela igualdade dos direitos essenciais pela solidariedade. O individualismo, o “cada um por si”, enfraquece nosso poder de ação. É conhecida a velha história do pai que, à beira da morte, chamou os filhos e deu um feixe de varas para que cada um tentasse quebrá-lo. Ninguém conseguiu. Então, ele desamarrou o feixe e foi quebrando vara por vara. Com isso, o sábio pai quis demonstrar o poder da união e a fragilidade do individualismo.
  • 25. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 24 Liberdade e responsabilidade “Liberdade significa responsabilidade. É por isso que tanta gente tem medo dela. Georges Bernard Shaw O termo responsabilidade pode ser sinônimo de “cumprimento de dever”. Assim, é responsável quem cumpre seus deveres. Em filosofia, responsabilidade constitui a consequência necessária – o corolário – da liberdade. O ato livre é necessariamente um ato pelo qual se deve responder. Porque sou livre, tenho de assumir as consequências de minhas ações e omissões. Já os animais irracionais, por não serem livres, não são responsáveis pelo que fazem ou deixam de fazer. Ninguém pode condenar um cavalo que lhe deu um coice. Só o ser humano comete crime e só ele pode ser julgado. Racional e livre, ele tanto constrói como destrói; tanto ergue escolas e hospitais como inventa bombas capazes de destruir o planeta; tanto ama como odeia; tanto salva como mata. Às vezes, o mesmo homem salva com uma das mãos e mata com a outra. Não há como se espantar diante do incrível poder que a liberdade confere ao homem: para o bem e para o mal. Mas basta observar nossas cidades, com seus miseráveis, com seus mutilados e mortos no trânsito, com seus desempregados, com seus menores abandonados e prostituídos, para concluir que temos usado muito mal a liberdade. Diante de tantos horrores, somos tentados a indagar: vale a pena ser livre? A pergunta filosófica. Cada um terá razões favoráveis ou contrárias à liberdade. Dos ditadores e autoritários já conhecemos a resposta. De acordo com Sartre, não há como escolher: o homem é condenado a ser livre. Já para Rousseau, “abdicar da liberdade é destruir a própria natureza humana”. A responsabilidade moral O homem não é responsável por todos os atos que pratica. Só o é em duas condições fundamentais; fora delas não há mérito nem demérito nas ações humanas: a. O ato deve ser consciente. O ato moral e responsável supõe que o agente o tenha praticado com um mínimo de consciência e lucidez; requer o conhecimento das consequências decorrentes do ato. Muitos criminosos são absolvidos por falta de provas de que agiram conscientemente. b. O ato deve ser livre. Além de consciente, o ato moral terá de ser livre. Coações internas, como distúrbios psíquicos incontroláveis, podem atenuar ou anular a responsabilidade moral de um ato. Coações externas, como o uso da força e da ameaça de morte, também isentam o agente moral da responsabilidade do ato. É a própria liberdade que nos oferece a possibilidade de corrigir o mau uso que se faz dela. Não resolve ficar lamentando a má sorte da vida ou o que os outros fizeram de nós e do mundo; importa, antes, reagir com as
  • 26. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 25 forças e as armas que nos sobram. Se não reagirmos, ninguém o fará por nós. “O futuro do homem é o próprio homem”, diz Ponge; “o futuro do mundo está em nossas próprias mãos”, diz Sartre. A negação da liberdade “(...) nada jamais foi tão insuportável para um homem e uma sociedade humana do que a liberdade”. Fiodor Dostoiévski (Os irmãos Karamazov) O conceito de liberdade não faz parte daquelas certezas apodíticas, como “dois mais dois são quatro”. Diverge-se quanto a sua concepção e muitos até mesmo negam que ela exista. A seguir, veremos como a liberdade é anulada pelo determinismo absoluto e pelo fatalismo. O DETERMINISMO ABSOLUTO O cientista geralmente parte do pressuposto de que todo fenômeno tem uma causa. É o que se denomina princípio da causalidade. Uma doença, por exemplo, é efeito ou sintoma de uma causa. Compete ao cientista descobrir a causa e extingui-la. O princípio da causalidade supõe ainda uma correspondência necessária entre causa e efeito. Ou seja, uma determinada causa produz sempre determinado efeito. Por exemplo, sob determinadas condições, o calor (a causa) fará necessariamente a água ferver (o efeito). Se a mesma causa, sob condições idênticas, produzisse efeitos diferentes, seria impossível fazer ciência. Essa correspondência necessária entre causa e efeito chama-se determinismo científico, que é aplicado a vários ramos da ciência, como a física, a química e a biologia. O determinismo científico favoreceu o desenvolvimento da ciência nos últimos três séculos. A partir da teoria da relatividade de Albert Einstein e das descobertas da física quântica, os cientistas passaram a trabalhar, em alguns campos de pesquisa, com uma certeza restrita, não absoluta, ou seja, com previsões prováveis. Mas não estaríamos comentando aqui o determinismo científico se ele não tivesse dado origem, no século XIX, ao determinismo absoluto, com graves consequências para as ciências humanas em geral e para a filosofia em particular. O determinismo absoluto ou universal estende às ciências humanas o mesmo princípio aplicado às ciências naturais. Assim, os fatos de nossa vida e da história, por exemplo, passam a ser decorrentes de um complexo Apodítico: diz-se de uma verdade ou argumento evidentes por si, não necessitando de provas para serem compreendidos e aceitos. Determinismo absoluto: aplicação do princípio da causalidade das ciências naturais às ciências humanas. Assim, os fatos de nossa vida e da história passam a ser decorrentes de um complexo sistema de causas e efeitos inevitáveis e independentes de nossa vontade. Determinismo científico: teoria de que todo fenômeno tem uma causa (princípio da causalidade). O princípio da causalidade supõe uma correspondência necessária entre causa e efeito.
  • 27. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 26 sistema de causas e efeitos inevitáveis e independentes de nossa vontade. O determinismo absoluto leva o mecanicismo, segundo o qual o homem é previsível e controlável como uma máquina e, portanto, sem autodeterminação, sem liberdade. Atualmente, o determinismo absoluto já não tem o prestígio de que desfrutava no século XIX, embora persistam suas marcas e influências na civilização ocidental. O FATALISMO Se a liberdade nem sempre é compreendida por cientistas e filósofos, imaginemos pelas pessoas comuns, que tem muito mais dificuldades em interpretar os complexos fenômenos da realidade. É mais fácil atribuí-los simplesmente a entidades transcendentes. Denomina-se fatalismo ou destino a crença de que os fatos de nossa vida dependem não do exercício de nossa liberdade, mas da vontade de forças superiores, como Deus ou deuses. É comum encontrarmos pessoas fatalistas. Após tragédias como enchentes e mortes no trânsito, há sempre alguém para justificar: “Tinha de acontecer, era o destino, estava escrito...” Às vezes, a intervenção das forças transcendentes ocorre em forma de milagre. Num desastre, por exemplo, morrem todos os passageiros, exceto uma criança. Então, sempre aparece alguém para atribuir a Deus a bondade de ter salvado a criança, o que põe Deus em péssima situação: se salvou a criança, por que deixou morrer seus pais e os outros passageiros? No caso seguinte chega a ser hilário. O rabino Nilton Bonder conta que num enterro em dia chuvoso, a viúva ao ser cumprimentada por ele, disse: “Rabino, até Deus está chorando”. Alguém ao lado sussurrou: “Quer dizer que quando alguém morre num dia ensolarado, Deus está sorrindo?”. O fatalismo é muito mais antigo que o determinismo absoluto. Ele advém certamente da Pré-História. Chegou até nós na forma de narrativas míticas, como a das Moiras gregas. São três irmãs fiandeiras que decidem o destino humano. Cloto faz o fio da vida de cada um; Láquesis determina o comprimento do fio, ou seja, a duração da vida; e Ántropos corta o fio quando chega a hora da morte. Portanto, o nascimento, as condições de vida e a morte dependeriam apenas das temíveis Moiras, palavra que em grego significa destino. Os romanos chamavam as Moiras de Parcas. A crença no destino nega radicalmente a liberdade humana e é maléfica para a sociedade: se o nosso destino já está predeterminado, para que educar os motoristas? Para que lutar por justiça? Para que reivindicar o fim das opressões? Se não existe liberdade, também não existe responsabilidade. Se somos determinados pelo destino, não há como responsabilizar os desonestos, os exploradores, os ladrões e os assassinos, pois estariam destinados a cometer crimes, sendo, portanto, vítimas, mais que culpados. Os adeptos do fatalismo ignoram que os homens é que constroem e destroem cidades, criam culturas, erguem civilizações, arquitetam guerras e promovem a paz. Apesar dos condicionamentos, o homem se define pela liberdade e pela responsabilidade.
  • 28. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 27 Édipo, vítima do destino Segundo a mitologia grega, Édipo nasceu com o destino de assassinar o pai e casar-se com a mãe. Sabedores disso, os pais mandaram matá-lo. O encarregado da execução, porém, apiedou-se da criança e deixou-a pendurada pelos pés numa árvore. Um pastor recolheu-a e levou-a para o seu senhor, que não tinha filhos. Assim, Édipo cresceu longe da cidade de seus verdadeiros pais. Já moço, dirigiu-se a Tebas, cidade onde nascera. No caminho, discutindo com um homem, o matou, sem saber que era o rei de Tebas, seu verdadeiro pai. À porta da cidade, teve de responder ao enigma de uma esfinge. Se errasse a resposta, seria morto, como muitos já o tinham sido. O enigma era: “Qual é o ser que de manhã tem quatro pés, ao meio-dia, dois, e ao entardecer, três?” Édipo acertou ao responder que era o homem, o qual de manhã (na infância) engatinha, ao meio-dia (durante quase toda a vida) anda sobre dois pés e ao entardecer (na velhice) anda sobre os dois pés e apoiando em uma bengala. Com isso, Édipo entrou como herói em Tebas e, mais tarde, casou-se com a rainha, que era a sua própria mãe. Cumpriu-se, assim, o destino. Em Santa Catarina, entre os descendentes dos açorianos, existe uma lenda semelhante. Um menino, segundo a predição de uma cigana, nasceu com o destino de morrer vitimado pelos chifres de um touro. Então, os pais nunca o deixaram sair sozinho, Mas, um dia, ao visitar um parente, o menino subiu num caixote para arrancar um berrante de parede e caiu em cima da ponta do chifre. Morreu. Mais uma vez, os esforços humanos foram impotentes contra o destino. As duas lendas, separadas por mais de vinte séculos, encarnam e procuram justificar a mentalidade fatalista. Édipo responde ao enigma da esfinge. Pintura em vaso grego do século V a.C.
  • 29. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 28 Acepções da liberdade “É o que posso expressar dizendo que o homem está condenado a ser livre. Condenado porque não se criou a si mesmo, e como, no entanto, é livre, uma vez que foi lançado no mundo, é responsável por tudo o que faz”. Jean-Paul Sartre É de Aristóteles a primeira reflexão sistemática sobre a liberdade. Observe, no texto a seguir, que ela é, essencialmente, a que estamos desenvolvendo neste capítulo. “[...] Mas é evidente que o homem é a origem de suas próprias ações e se não somos capazes de relacionar nossa conduta a quaisquer outras origens que não sejam as que estão dentro de nós mesmos, então as ações cujas origens estão em nós devem também depender de nós e ser voluntárias”. [ARISTÓTELES. Ética a Nicômancos. Tradução do grego de Mário da Grama Kury. Brasíli: Ed. Universidade de Brasília, 1985. p. 57, 1113 b] Esse texto de Aristóteles demonstra que nossos atos livres tem origem em nós mesmos; são causados por nós. Os atos livres implicam na decisão soberana da inteligência e da vontade. Por isso, temos de responder por eles. Essa acepção aristotélica de liberdade predomina até hoje na história da filosofia. Sartre levou o conceito de Aristóteles. Para ele, a liberdade é, antes de tudo, o que qualifica o homem, a sua humanidade. Não é possível não ser livre. Embora não tenha criado a si mesmo, é responsável por tudo o que faz. Não há como renunciar a liberdade. O homem é condenado à liberdade e isso é motivo de angústia. Mas o homem não age sempre de acordo com a responsabilidade que decorre de sua condição livre. Pode usar de má-fé, degrada-se, mente para si mesmo. Para Kant, assim como para Cecília Meireles, a liberdade é algo que qualquer pessoa entende, mas ninguém sabe explicar. Segundo Kant, consiste em seguir racionalmente as regras criadas pelo próprio indivíduo. Kant pronuncia a época em que o homem deve emancipar-se de todas as tutelas para tornar-se legislador de si. Como ser racional autônomo, não deve obedecer, a não ser às leis que lhes são determinadas pela sua consciência moral. A razão é legisladora universal, ou seja, é o homem que cria e reconhece as leis e só assim se submete a ela. Outros filósofos como Espinosa e Hegel, divergem de Aristóteles quanto à origem do ato livre. Para eles não é o indivíduo a causa de liberdade, e sim o todo, que pode ser a Natureza (para os antigos estóicos), a Substância (segundo Espinosa) ou o Espírito como história (no caso de Hegel). Nessa acepção, agir livremente é agir de acordo com as regras e as leis do todo. A totalidade é que é soberana e livre. Os homens, partes da totalidade, devem agir de acordo com ela. O indivíduo não escolhe isoladamente, cabe-lhe apenas agir conscientemente, de acordo com as determinações da totalidade. De acordo com os estóicos, o homem livre segue a sabedoria da racionalidade da natureza e de sua própria razão, que lhe garantem o domínio sobre a irracionalidade das paixões. Para Espinosa e Hegel, a liberdade depende igualmente do conhecimento da necessidade, ou seja, das determinações do todo. A escravidão corresponde à falta de consciência da necessidade.
  • 30. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 29 Marx e Engels concordam com esses dois filósofos quanto à consciência da necessidade, mas para eles não basta ter conhecimento dos entraves naturais e sociais da liberdade. É preciso agir e modificar a realidade em prol da maior autonomia do homem diante dos obstáculos que o impedem de se realizar. A boa e a má escolha “Há ocasiões em que utilizamos um bem como se fosse um mal e, ao contrário, um mal como se fosse um bem.” Epicuro Fazemos escolhas desde o amanhecer até a noite. Escolhemos frutas, roupas, amigos, amores, filmes, músicas, colégios, pessoas, profissões, políticos... Mas as escolhas nem sempre são fáceis e simples como optar entre ir ao cinema e ir ao teatro. Não escolhemos uma profissão com a mesma tranquilidade com que compramos um par de tênis. Há uma diferença considerável entre escolher um filme para ver e um candidato em quem votar. As escolhas variam da aquisição de um alfinete à declaração de guerra a outro país. Em relação à escolha, há que se notar outra característica humana: dentre as alternativas, optamos pela que consideramos melhor para nós, ou pela menos ruim, conforme o ditado: “Dos males, o menor”. Ao fazer compras, queremos sempre o melhor e o mais barato. Na escolha da profissão, optamos, se possível, pela que oferece maior realização pessoal e financeira. Para amigos, escolhemos aqueles que nos dão maior satisfação. Enfim, escolher o melhor é tão cotidiano e universal quanto comer e beber. Mas eis o problema: nem sempre o subjetivamente melhor é objetivamente o melhor. Às vezes, ignoramos o que seja realmente um bem para nós. A escolha depende do conhecimento. Só escolhe bem quem conhece todos os aspectos e implicações de cada alternativa. Ora, ainda é muito grande nossa ignorância sobre a realidade humana. O que (ou mesmo quem) nos faz mais felizes, mais realizados? Muitos desconhecem até os alimentos que deveriam ingerir para gozar de boa saúde. Maior ainda é o desconhecimento em relação aos prazeres. A busca da satisfação imediata pode custar sérios males ao futuro. Às vezes, erramos também nas transações comerciais. É por isso que os antigos nos aconselham a não decidir nada de importante sem pensar muito e tentar conhecer todos os aspectos da questão. Algumas pessoas só decidem no dia seguinte, pois acreditam que, durante o sono, o inconsciente seleciona a melhor opção. Daí o ditado: “O travesseiro é o melhor conselheiro”. Na política, é comum a eleição de candidatos que nunca seriam escolhidos se os eleitores estivessem mais bem informados. A ignorância é adubo para demagogos e corruptos. Tudo isso, porém, não significa que os males do mundo são frutos apenas da ignorância, como pensava Sócrates. Para esse filósofo, o homem só pratica o mal quando ignora o bem. Na verdade, às vezes cometemos deliberadamente o mal para satisfazer um prazer passageiro ou para conseguir algo que não obteríamos por meios lícitos. Nem sempre a razão comanda nossas ações. Agimos também conduzidos por paixão, por impulsos inconscientes. É por isso que o filósofo cristão Paulo de Tarso afirmou: “Não faço o bem que quero, mas faço o mal que não quero” (Romanos 7: 19). Também não devemos nos esquecer das determinações emotivas, do coração, que, segundo Pascal, tem razões que a própria razão desconhece.
  • 31. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 30 Aristóteles dizia que o conhecimento é o que existe de mais fácil e de mais difícil: fácil, porque todos tem sempre algum conhecimento das coisas num certo grau; difícil, porque o conhecimento adequado de alguma coisa impõe muitas exigências. Nem sempre o que aparece como um bem é bem. Nem sempre o que agrada imediatamente se identifica com o bem. Depois, é necessário considerar o bem em diversas dimensões: é o bem do momento? é o bem estável? é o bem que tranquiliza? é o bem que constrói? O problema seria simples, se consistisse numa distinção teórica entre bem e mal. Ele se torna complexo quando descobrimos que toda a dificuldade está em distinguir entre o bem e o bem, em hierarquizar os bens, em separar o bem de superfície e o bem profundo, entre o bem acidental e o bem substancial, entre o bem aparente e o bem essencial. [MENDONÇA, Eduardo P. de. A construção da liberdade. São Paulo: Convívio, 1977. p.97] Hoje, a escolha do bem, do melhor, qualquer escolha, é seriamente prejudicada pelo excesso de informações. Somos bombardeados pelo rádio, televisão, cinema, livros, jornais, revistas, outdoors e internet. Muitas dessas informações tem objetivos mercadológicos. Alojam-se em nosso inconsciente, fazendo-nos desejar coisas de que não precisamos, que nem sempre serão boas para nós, mas que o mercado deseja vender. Com isso, nossos desejos correm o risco de ser os desejos alheios. E a escolha pelo melhor pode virar opção pelo pior. ATIVIDADES 1. Crie ou encontre no texto uma frase que expresse bem a importância da Liberdade. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 2. Comprove com argumentos a complexidade do conceito de Liberdade. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 3. Faça um comentário sobre a Liberdade como conquista. Cite exemplos de pessoas, inclusive você. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________
  • 32. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 31 4. Que relação existe entre individualismo e Liberdade? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 5. Você concorda que a humanidade tem usado muito mal a Liberdade? Por quê? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 6. Que relação existe entre o determinismo científico e o determinismo absoluto? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 7. Qual a diferença entre determinismo absoluto e fatalismo? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 8. Qual é a principal diferença entre a concepção de liberdade de Aristóteles e a dos estóicos? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________
  • 33. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 32 9. Qual é a principal diferença entre a concepção de liberdade de Espinosa e a de Kant? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 10. Por que, segundo Sartre, o homem é condenado à liberdade? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 11. O que Marx e Engels introduziram na concepção de liberdade de Espinosa e Hegel? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________
  • 34. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 33 6. FILOSOFIAS HELENÍSTICAS A busca da felicidade interior Com a conquista da Grécia pelos macedônicos (322 a.C.), teve início o chamado período helenístico. Devido à expansão militar do império macedônico, efetuada por Alexandre Magno, o período helenístico caracterizou- se por um processo de interação entre a cultura grega clássica e a cultura dos povos orientais conquistados. O mesmo processo se deu no campo filosófico. As escolas de Platão (Academia) e de Aristóteles (Liceu) – dirigidas, respectivamente, pelos seus discípulos – continuaram abertas e em plena atividade, mas os valores gregos começaram a mesclar-se com as mais diversas tradições culturais. Do público ao privado No plano político, a antiga liberdade do cidadão grego, exercida no contexto de autonomia de suas cidades, foi desfigurada pelo domínio macedônico da participação do cidadão nos destinos da polis. Com isso, a reflexão política também se enfraqueceu. Substituiu-se, assim, a vida pública pela vida privada como centro das reflexões filosóficas. Em outras palavras, as preocupações coletivas cedem lugar às preocupações pessoais. As principais correntes filosóficas desse período vão tratar da intimidade, da vida interior do ser humano. Formulam-se, então, diversos modelos de conduta, “artes de viver”, “filosofias de vida”. Parece que a principal preocupação dos filósofos era proporcionar às pessoas desorientadas e inseguras com a vida social alguma forma de paz de espírito, de felicidade interior em meio às atribuições da época. Um dos principais filósofos desse período, Epicuro, aconselhava que as pessoas se afastassem dos perigos e intranquilidade da vida política e buscassem a felicidade em sua vida privada. Entre as novas tendências desse período, destacaremos o epicurismo, o estoicismo, o pirronismo o cinismo. Epicurismo: o prazer (satisfação pessoal) O epicurismo é uma corrente filosófica fundada por Epicuro (341-271 a.C.), que defendia que o prazer é o princípio e o fim de uma vida feliz. No entanto, Epicuro distinguia dois grandes grupos de prazeres. O primeiro reúne os prazeres mais duradouros, que encantam o espírito, como a boa conversação, a contemplação das artes, a audição da música etc. O segundo inclui os prazeres mais imediatos, muitos dos quais são movidos pela explosão das paixões e que, ao final, podem resultar em dor e sofrimento. De acordo com o filósofo, para que possamos desfrutar os grandes prazeres do intelecto, precisamos aprender a dominar os prazeres exagerados da paixão, como os medos, os apegos, a cobiça e a inveja. Por isso, os epicuristas buscavam a ataraxia, isto é, o estado de ausência da dor, quietude, serenidade e imperturbabilidade da alma.
  • 35. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 34 Estoicismo: o dever (responsabilidade) O estoicismo, fundado a partir das ideias de Zenão de Cício (336-263 a.C.), foi a corrente filosófica de maior influência no período helenístico. Os representantes dessa escola, conhecidos como estoicos, defendiam a noção de que toda a realidade existente é uma realidade racional, o que quer dizer que todos os seres, os indivíduos e a natureza fazem parte dessa realidade racional. O que chamamos de Deus, segundo esses pensadores, nada mais é do que a fonte dos princípios racionais que regem a realidade. Integrado à natureza, não existe para o ser humano nenhum outro lugar para ir ou fugir, além do próprio mundo em que vivemos. Somos deste mundo e, ao morrer, nos dissolvemos neste mundo. Não dispomos, portanto, de poderes para alterar substancialmente, a ordem universal do mundo, mas pela filosofia, podemos compreendê-la e viver segundo ela. Assim, em vez do prazer dos epicuristas, Zenão propõe o dever, vinculado à compreensão da ordem cósmica, como o melhor caminho para a felicidade. É feliz aquele que vive segundo sua própria natureza, a qual, por sua vez, integra a natureza do universo. Os estóicos também defendiam uma atitude de austeridade física e moral, baseada em virtudes como a resistência ante o sofrimento, a coragem ante o perigo, a indiferença ante as riquezas materiais. O ideal perseguido era um estado de plena serenidade (ataraxia) para lidar com os sobressaltos da existência, fundado na aceitação e compreensão dos “princípios universais” que regem toda a vida. Pirronismo: a suspensão do juízo (não existe apenas uma verdade) O pirronismo, fundado a partir das ideias de Pirro de Élida (365-275 a.C.), foi uma corrente filosófica que defendia a ideia de que tudo é incerto, nenhum conhecimento é seguro, qualquer argumento pode ser contestado. Por isso, seus seguidores propunham que as pessoas adotassem a suspensão do juízo (epokhé, em grego), isto é, a abstenção de fazer qualquer julgamento, já que a busca de uma verdade plena é inútil. Desse modo, aceitando que das coisas se podem conhecer apenas aparências e desfrutando o imediato captado pelos sentidos, as pessoas viveriam felizes e em paz. O pirronismo constituiu, portanto, uma forma de ceticismo, pois professa a impossibilidade do conhecimento, da obtenção da verdade absoluta. Cinismo (negação dos bens materiais como forma de Liberdade) A palavra cinismo vem do grego kynicos, significa “como um cão”. O termo cinismo designa, assim, a corrente dos filósofos que se propuseram viver como os cães da cidade, sem qualquer propriedade ou conforto. Levavam ao extremo a tese socrática de que o ser humano deve procurar conhecer a si mesmo e desprezar todos os bens materiais. Por isso, Diógenes de Sínope (c. 413-327) – o pensador mais destacado Observação: o epicurismo muitas vezes é confundido com um tipo de hedonismo marcado pela procura desenfreada dos prazeres mundanos. No entanto, o que Epicuro defendia era uma administração racional e equilibrada do prazer, evitando ceder aos desejos insaciáveis que, inevitavelmente, terminam em sofrimento. Hedonismo: doutrina centrada na ideia de prazer (existem diversas doutrinas hedonistas).
  • 36. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 35 dessa escola – é conhecido como o “Sócrates demente”, ou o “Sócrates louco”, pois questionava os valores e as convenções sociais e procurava viver estritamente conforme os princípios que considerava moralmente corretos. Vivendo em uma época em que as conquistas de Alexandre promoveram o helenismo, mesclando culturas e populações, Diógenes também não tinha apreço pela diferença entre grego e estrangeiro. Conta-se que, quando lhe perguntaram qual era sua cidadania, teria respondido: “Sou cosmopolita” (palavra de origem grega que significa “cidadão do mundo”). Há muitas histórias de sabedoria e humor sobre Diógenes. Uma delas conta que ele morava em um barril e que, certa vez, Alexandre Magno foi visitá-lo. De pé, em frente à “casa”, Alexandre perguntou-lhe se havia algo que ele, como imperador, poderia fazer em seu benefício, ao que Diógenes respondeu prontamente: “Sim, poder sair da frente do meu sol”. Diz a lenda que Alexandre, impressionado com o desprezo do filósofo pelos bens materiais, teria comentado: “Se eu não fosse Alexandre, queria ser Diógenes”. O artigo do quadro que segue desenvolve reflexões atuais a partir de outra história de Diógenes. O barril e a esmola “Zombavam de Diógenes. Além de morar num barril, volta e meia era visto pedindo esmolas às estátuas. Cegas por serem estátuas, eram duplamente cegas porque não tinham olhos – uma das características da estatuária grega. [...] Perguntaram a Diógenes por que pedia esmola às estátuas inanimadas, de olhos vazios. Ele respondia que estava se habituando à recusa. Pedindo a quem não o via nem o sentia, ele nem ficava aborrecido pelo fato de não ser atendido. É mais ou menos uma imagem que pode ser usada para definir as relações entre a sociedade e o poder. Tal como as estátuas gregas, o poder tem os olhos vazados, só olha para dentro de si mesmo, de seus interesses de continuidade e de mais poder. A sociedade, em linhas gerais, não chega a morar num barril. Uma pequena minoria mora em coisa mais substancial. A maioria mora em espaços um pouco maiores do que um barril. E há gente que nem consegue um barril para morar, fica mesmo embaixo da ponte ou por cima das calçadas. Morando em coisa melhor, igual ou pior do que um barril, a sociedade tem necessidade de pedir não exatamente esmolas ao poder, mas medidas de segurança, emprego, saúde e educação. Dispõe de vários canais para isso, mas, na etapa final, todos se resumem numa estátua fria, de olhos que nem estão fechados: estão vazios. [...]” [Carlos Heitor Cony, Folha de S. Paulo, 5 de janeiro de 200] Detalhe de Diógenes e Alexandre Magno. Desprezando as convenções e hierarquias da sociedade, o filósofo Diógenes enalteceu o que para ele era o maior de todos os prazeres: a liberdade.
  • 37. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 36 ATIVIDADES 1. Caracterize, em termos gerais, a filosofia desenvolvida depois do período clássico. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 2. Confronte o epicurismo com o estoicismo, destacando as semelhanças e as diferenças. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ 3. Por que o pirronismo é considerado uma forma de ceticismo? De que maneira seu ceticismo definia o modo de vida que propunha? ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ Período greco-romano O último período da filosofia antiga, conhecido como greco-romano, corresponde, em termos históricos, à fase de expansão militar de Roma (desde as Guerras Púnicas, iniciadas em 264 a.C., até a decadência do Império Romano, em fins do século V da era cristã). Trata-se de um período longo em anos, mas pouco notável no que diz respeito à originalidade das ideias filosóficas. Os principais pensadores desse período, como Sêneca, Cícero, Plotino e Plutarco, dedicaram-se muito mais à tarefa de assimilar e desenvolver as contribuições culturais herdadas principalmente da Grécia clássica do que de criar novos caminhos para a filosofia. A progressiva penetração do cristianismo no decante Império Romano é uma das características fundamentais desse período. A difusão e a consolidação do cristianismo, pela Igreja Católica, atuaram na dissolução da força da filosofia grega clássica que passou a ser qualificada como pagã (própria dos povos não cristãos).
  • 38. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 37 4. Explique a origem da palavra cinismo, destacando sua relação com a corrente filosófica que a denomina. ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ As ideias e a realidade histórica As quatro causas A teoria aristotélica das quatro causas, tal como foi recolhida e conservada pelos pensadores medievais, é uma das explicações encontradas pelo filósofo para dar conta do problema do movimento. [...] Haveria, então, uma causa material (a matéria de que um corpo é constituído, como, por exemplo, a madeira, que seria a causa material da mesa), a causa formal (a forma que a matéria possui para constituir um corpo determinado, como, por exemplo, a forma da mesa, que seria a causa formal que a madeira passou a ter), a causa eficiente (a ação ou operação que faz com que uma matéria passe a ter uma determinada forma, como por exemplo, quando o marceneiro fabrica a mesa) e, por último, a causa final (o motivo ou a razão pela qual uma determinada matéria passou a ter uma determinada forma, como, por exemplo, a mesa feita para servir como altar em um templo). Assim, as diferentes relações entre as quatro causas explicam tudo que existe, o modo como existe e se altera e o fim ou motivo para o qual existe. Hierarquias das causas Um aspecto fundamental dessa teoria da causalidade consiste no fato de que as quatro causas não possuem o mesmo valor, isto é, são concebidas como hierarquizadas, indo da causa mais inferior à causa superior. Nessa hierarquia, a causa menos valiosa ou menos importante é a causa eficiente (a operação de fazer a causa material receber a causa formal, ou seja, o fabricar natural ou humano) e a causa mais valiosa ou mais importante é a causa final (o motivo ou finalidade da existência de alguma coisa). À primeira vista, essa teoria é uma pura concepção metafísica que serve para explicar de modo coerente e objetivo os fenômenos naturais (física) e os fenômenos humanos (ética, política e técnica). Nada parece indicar a menor relação entre a explicação causal do universo e a realidade social grega. Sabemos, porém, que a sociedade grega é escravagista e que a sociedade medieval se baseia na servidão, isto é, são sociedades que distinguem radicalmente os homens em superiores – os homens livres, que são cidadãos, na Grécia, e senhores feudais, na Europa medieval – e inferiores – os escravos, na Grécia, e os servos da gleba, na Idade Média. Relação das causas com a divisão social Mas, o que teria a concepção da causalidade a ver com tal divisão social? Muita coisa. Se tomarmos o cidadão e o senhor e indagarmos a qual das causas a ele corresponde, veremos que corresponde à causa final, isto é, o fim ou motivo pelo qual alguma coisa existe é o usuário dessa coisa, aquele que ordenou sua fabricação (por isso, na teologia cristã, Deus é considerado a causa final do universo, que existe “para Sua maior glória e honra”. Em outras palavras, a causa final está vinculada à ideia de uso, o que depende da vontade de quem ordena a produção de alguma coisa. Se, por outro lado, indagarmos a que causa corresponde o escravo ou o servo, vamos ver que
  • 39. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 38 corresponde à causa eficiente, isto é, ao trabalho graças ao qual certa matéria receberá certa forma para servir ao uso ou ao desejo do senhor. Compreende-se, então, por que a metafísica das quatro causas considera a causa final superior à eficiente, que se encontra inteiramente subordinada à primeira. Não só no plano da Natureza e do sobrenatural, mas também no plano humano ou social o trabalho aparece como elemento secundário ou inferior, a fabricação sendo menos importante do que seu fim. A causa eficiente é um simples meio ou instrumento. O inimigo da democracia foi Platão, o maior dos discípulos de Sócrates. Em A República, apresenta-nos um Estado Ideal desenvolvido a partir da construção militarista de Esparta. O Estado se divide basicamente em três classes: os governantes, o exército e o povo. Platão localiza três seções correspondentes à divisão do Estado: a razão, a vontade e as paixões. Cabe à razão descobrir as leis que regem o homem, a tarefa da vontade é executá- las, espera-se que as paixões as cumpram. A vontade regida pelas paixões leva a desmandos semelhantes aos que ocorrem no Estado governado pelo povo. A política foi outro campo de investigação de Platão. Decepcionado com a política vigente, não aceitou a democracia. Em seu famoso livro A República, descreve o Estado ideal, governado por reis-filósofos, os únicos capacitados a realizar a verdadeira política.
  • 40. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 39 7. DUVIDAR: O PENSAMENTO EM BUSCA DE NOVOS HORIZONTES Importância de perguntar Nossa análise nos deu uma pequena ideia de que ter dúvidas, mesmo que provisoriamente, é algo desejável para alcançar um conhecimento maior: Por que será, então, que as pessoas tendem a expressar poucas dúvidas, a fazer tão poucas perguntas umas às outras em seu dia a dia? Isso pode ser observado, por exemplo, na sala de aula. Quando um professor pergunta à classe se alguém tem alguma dúvida sobre o que acabou de expor, qual é a reação mais comum? Silêncio ou algumas perguntas tímidas. A maioria tem alguma dúvida – ou muita dúvida –, mas não ousa expressá-la. Essa postura ocorre também nas universidades, nas empresas, em encontros culturais, nos almoços e jantares, nas mesas de bar etc. Por que isso é tão frequente? Uma explicação pode estar na dificuldade de expressão, isto é, na dificuldade de encontrar as palavras certas para expressar a dúvida que se tem, o que é muito comum. Outra explicação seria que grande parte das pessoas não ousa expressar sua dúvida por medo de falar em público. Esse temor também é bastante comum. O desenvolvimento de maiores habilidades de expressão linguística e de comunicação oral poderia mudar bastante esse cenário. Há, porém, uma explicação que nos parece mais fundamental: muita gente acredita, mesmo sem estar consciente disso, que ter dúvidas e perguntar é expor uma debilidade, um sinal de dificuldade intelectual ou falta de “conhecimentos”. Como nossa cultura valoriza muito a inteligência e a informação (ou, pelo menos, o parecer inteligente e bem informado sobre tudo), poucos se arriscam a ser interpretados como tolos, ignorantes ou confusos ao fazer uma simples pergunta. Assim, a conversação entre as pessoas costuma ser, com frequência, uma sucessão de monólogos ou de enfrentamentos, onde cada um dos interlocutores está mais preocupado em dar o contra ou exibir seus “conhecimentos”, suas certezas, do que entender o outro ou aprender com ele – ou junto com ele. Em resumo, o que está em jogo é mais o amor-próprio, a vaidade pessoal do que a aprendizagem. E, quando não entram nessa disputa, as pessoas “optam” pelo silêncio. Isso tudo nos parece um grande equívoco. Perguntas são, no mínimo, a expressão do desejo de conhecer mais sobre algo ou alguém, do interesse pelo que o outro é, pensa ou sente. Portanto, as perguntas se complementam com a atitude de saber escutar, de dar a adequada atenção ao que o outro questiona ou propõe, de tal maneira que possa haver uma verdadeira troca de percepções e reflexões. Muitas vezes descobrimos nesse processo, nesse diálogo respeitoso, que a outra pessoa – que observa o mundo a partir de uma perspectiva diferente da nossa – percebeu coisas que não tínhamos percebido ainda, notou problemas nos quais não havíamos pensado até então. Isso ampliará nossa maneira de ver as coisas e a nós mesmos, ampliando nossos horizontes e possibilidades de escolha para construção de uma vida mais justa, sábia, generosa e feliz. Atitude filosófica
  • 41. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 40 A filosofia busca tudo isso que acabamos de mencionar. Portanto, para aprender a filosofar, é fundamental adotar uma atitude indagadora. Como afirmou o pensador alemão Karl Jaspers (1883-1969), “as perguntas em filosofia são mais essenciais que as respostas, e as respostas transformam-se em novas perguntas” [Introdução ao pensamento filosófico, p. 140] Isso ocorre justamente porque a filosofia busca essa ampliação da paisagem e seus horizontes: cada resposta (cada paisagem e horizonte conquistados) gera um novo terreno para dúvidas e perguntas (uma nova paisagem, com mais um horizonte a ser explorado). Assim, mesmo que você não tenha nenhuma intenção de se tornar um filósofo ou uma filósofa, desenvolver uma atitude indagadora e “escutadora”, isto é, filosófica, pode ser de grande utilidade em muitos momentos de sua vida. Na infância, principalmente nos primeiros anos, essa atitude é bastante comum ou natural. A maioria das crianças vive mergulhada no encantamento da surpresa, da novidade, da descoberta, que se desdobra em interrogações intermináveis: “o que é isso?”, “o que é aquilo?”, “por que é assim?”, “como você sabe?” e assim por diante. Desse modo, junto com outras experiências, elas vão formando imagens, ideias, conceitos dos diversos elementos que formam a realidade. Por exemplo: - Mãe, o que é tulipa? - É uma flor, filha. - Uma flor como? - Uma flor muito delicada e bonita, com a forma de um sino, só que invertido, com a boca para cima. - Que cor tem? - Tem tulipa de tudo quanto é cor: vermelha, amarela, branca, lilás. - E por que a gente não tem tulipa no nosso jardim? - Porque é preciso saber cultivar essa planta, ela vem de regiões de clima frio, como a Holanda... - Holanda? Onde fica a Holanda? E assim por diante. Às vezes, as crianças dão uma reviravolta nas questões que abordam, fazendo perguntas insistentes e até geniais, verdadeiras torturas para os adultos, que se veem obrigados a parar e pensar sobre as coisas. Com o passar dos anos, porém, a vida vai deixando de ser novidade: mergulham no cotidiano das respostas prontas e “acabadas” e, de modo geral, esquecendo aquelas questões para as quais nunca conseguimos explicação. A atitude filosófica constitui, portanto, uma espécie de retorno a essa primeira infância, a essa maneira de ver, escutar e sentir as coisas. É um certo começar de novo na compreensão do mundo por meio da dúvida e de sucessivas indagações. É claro que esse “começar de novo” não é possível no sentido literal da expressão, porque você já conhece, sente e imagina muitas coisas a respeito do mundo, das pessoas e de si mesmo, e não é possível apagar toda essa vivência. Você já tem um “cardápio” de conceitos, imagens e sentimentos, sobretudo, o que foi fundamental para sua existência até este instante, mesmo sem ter consciência disso. O natural é que você mova pela vida orientado por esse mapa, sem precisar fazer tantas perguntas quanto uma criança que ainda não montou seu próprio “cardápio”.
  • 42. FILOSOFIA / ENSINO FUNDAMENTAL / 8º ANO - 2015 41 Mas há momentos em que o “cardápio” que uma pessoa tem não serve para enfrentar determinada situação: não é completamente satisfatório, “nutritivo” e “saudável”. É aí então que surge a quebra, o estranhamento (que mencionamos anteriormente) em relação ao fluxo normal do cotidiano. Trata-se de uma oportunidade para começar a pensar na vida de uma maneira filosófica, isto é, para começar a indagar e duvidar. Dúvida filosófica É nesses momentos críticos de quebra e estranhamento que costumam surgir dúvidas sobre temas fundamentais e permanentes da existência humana, dos quais trata a filosofia. Isso significa que nem todo tipo de dúvida é filosófica. Por exemplo: “Quem será o campeão brasileiro de futebol deste ano?” não é uma dúvida filosófica, e sim uma simples especulação sobre algo que está para acontecer, por mais angustiado que se sinta o torcedor com essa questão. Pode ser um bom exercício teórico discutir com colegas ou especialistas as possibilidades de seu time do coração em comparação com as de outros, para saber suas opiniões. Mas a resposta a esse tipo de dúvida virá da própria sucessão dos acontecimentos (ou jogos) ao longo do tempo (ou do campeonato), tornando-se um fato inquestionável. A dúvida filosófica propriamente dita surge de uma necessidade inquietante de explicação racional para algo da existência humana que se tornou incompreensível ou cuja compreensão existente não satisfaz. Geralmente são temas para os quais não há resposta única ou para os quais a mente humana sempre retorna. Por exemplo, quem já não se fez, mesmo que intimamente, a pergunta “Por que tanta maldade?” ao saber de mais uma das atrocidades, aparentemente inexplicáveis, de que alguns seres humanos (ou desumanos) são capazes? Tal questão conduz a outras, mais básicas e fundamentais, como “O que é o mal?”, “O que é o ser humano?”, “É da essência do ser humano ser mal?”, “É da essência do ser humano ser bom?” etc. A dúvida verdadeiramente filosófica é aquela que favorece, portanto, o exercício fecundo da inteligência, do espírito, da razão sobre questões teóricas importantes para todos nós (e que costumam ter uma incidência prática enorme em nossas vidas, sem que nos demos conta disso, conforme veremos ao longo do livro). Por que a dúvida filosófica propicia um exercício fecundo da razão? Porque nela se adota – para início de conversa – a suspensão do juízo. Assim se denomina a interrupção temporária do fluxo normal de ideias prontas Abrir-se ao mundo como uma criança Para abordar a filosofia, para entrar no território da filosofia, é absolutamente indispensável uma primeira disposição de ânimo. É absolutamente indispensável que o aspirante a filosófo sinta a necessidade de levar a seu estudo uma disposição infantil. Em que sentido faço esta paradoxal afirmação de que convém que o filósofo se puerilize? Faço-a no sentido de que a disposição de ânimo para filosofar deve consistir essencialmente em perceber e sentir por toda a parte [...] problemas, mistérios: admirar-se de tudo, sentir profundamente o arcano* e misterioso de tudo isso; colocar-se ante o universo e o próprio ser humano, com um sentimento de admiração, de curiosidade infantil como a criança que não entende nada e para quem tudo é problema. Aquele para quem tudo resulta muito natural, para quem tudo resulta muito fácil de entender, para quem tudo resulta muito óbvio, nunca poderá ser filósofo. GARCIA MORENTE, Fundamentos de filosofia, p. 33-34. *Arcano: muito difícil de compreender, enigmático.