SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Técnicas para a Reeducação
Alimentar em Adultos e Crianças

       Nutr. Priscila Moreira
Objetivos
•   Obesidade: Crianças → Adultos
•   Educação Nutricional
•   Técnicas de Abordagem
•   A atuação do Nutricionista
Definição
A obesidade é caracterizada pelo acumulo excessivo de
    gordura corporal com potencial prejuízo à saúde,
             decorrente de vários fatores:

                Complexa e multifatorial




                                     (OMS, 1997; Nature 2000;404(1):635-643)
Prevalência da Obesidade em 2025




                    Fonte: IOTF (International Obesity Taskforce), 2002
Crianças Obesas – Adultos Obesos

                           (Mantovani , R.M.et. al, 2008)
Orientar os pais sobre a alimentação
Incentivar o consumo de alimentos saudáveis



    Educação Nutricional desde a
             Pré-Escola
• Alunos de escolas Públicas e Privadas – Florianópolis (SC)
    • 3ª e 4ª séries




GABRIEL, CG; SANTOS, MV; VASCONCELOS, FAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de
Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 8, n. 3, Sept. 2008 .
Intervenção Escolar Nutricional




GABRIEL, CG; SANTOS, MV; VASCONCELOS, FAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de
Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 8, n. 3, Sept. 2008 .
“O que deve ser vendido na cantina?”
      • Alimentos mais citados antes da intervenção:
      Refrigerantes, sorvete/picolé, salgados fritos,
      salgadinhos tipo chips, doces/balas.
      • Alimentos mais citados após a intervenção:
      Suco de fruta natural, lanches, frutas.

        Alunos de escola pública demonstraram menor
            interesse em mudar hábitos alimentares.
GABRIEL, CG; SANTOS, MV; VASCONCELOS, FAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de
Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 8, n. 3, Sept. 2008 .
Resultado:

                                        freqüência de algumas
                                          atitudes e práticas
                                           alimentares mais
                                               saudáveis



       Essa experiência pode ser aplicada em outras instituições e, para
          sua maior efetividade, deve contar com a participação da
           comunidade escolar (especialmente pais e professores).


GABRIEL, CG; SANTOS, MV; VASCONCELOS, FAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de
Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 8, n. 3, Sept. 2008 .
PRÁTICAS ALIMENTARES DE PRÉ-ESCOLARES E
   O CONHECIMENTO DE SEUS PAIS SOBRE
                NUTRIÇÃO
• Crianças em idade pré-escolar (entre 2 a 6
  anos), Ambos os sexos → Antropometria
  (OMS, 2007) – IMC/Idade, Análise qualitativa
  da lancheira.
• Seus respectivos pais → Questionário
• Relacionar o conhecimento dos pais sobre
  nutrição e os alimentos oferecidos por eles à
  seus filhos para serem consumidos na escola.
                                        Moreira, P. 2010.
O consumo na escola
Foram considerados inadequados os alimentos de
baixo valor nutritivo, como salgadinhos e
refrigerantes, e alimentos com alto teor de açúcares
e gorduras como bolos e biscoitos recheados,
embutidos, frituras e doces.




                                           Moreira, P. 2010.
Moreira, P. 2010.
Moreira, P. 2010.
Moreira, P. 2010.
Relação entre o estado nutricional das crianças e a escala de
conhecimento nutricional de seus pais.


 Diagnóstico         Baixo       Moderado          Alto               Total
  Nutricional    N           %   N     %      N            %      N       %
  Baixo peso     0       0,0     1     1,2    1           3,4     2       1,7
      Eutrofia   5       83,3    31   37,3    13          44,8   49      41,5

   Sobrepeso     0       0,0     27   32,5    6           20,7   33      28,0

   Obesidade     1       16,7    24   28,9    9           31,0   34      28,8

         Total   6       100     83   100     29          100    118      100



                                                                 Moreira, P. 2010.
Relação entre o estado nutricional e a adequação das lancheiras.


  Diagnóstico       Inadequada         Adequada              Total

   Nutricional      N        %         N        %       N            %

     Baixo peso     2        2,3       0       0,1       2         1,7

        Eutrofia    35      41,2      14      42,4      49        41,5

     Sobrepeso      25      29,4       8      24,2      33           28

     Obesidade      23      27,1      11      33,3      34        28,8

           Total    85      100       33       100     118         100




                                                             Moreira, P. 2010.
•Grande Influência da
Mídia

•Recusa alimentar

•Conhecimento = falta de
estímulo à mudança.




                           Moreira, P. 2010.
•Conclusão:
  •Os pais conhecem nutrição, mas
  não aplicam      bons hábitos
  alimentares com seus filhos!!!

  • Idade Pré-escolar
  • Conscientização dos pais
  • Formação        de      hábitos
  alimentares




Moreira, P. 2010.
Atuação do Nutricionista
                             • Aula de Culinária
                               – Oficinas práticas
                                 desde a fase pré-
                                 escolar



- Incentivo a manipulação,
preparo e consumo de
alimentos mais naturais e
saudáveis
• Teatro de Fantoches
  – Incentiva a adesão de hábitos alimentares mais
    saudáveis
• Horticultura
  – Contato com vegetais:
    incentiva o consumo




                            - Instiga curiosidade
                            por novos sabores
E no Atendimento Ambulatorial?
•   Anamnese detalhada
•   Orientação direcionada a faixa etária
•   Tratamento contínuo
•   Motivação
Amostras de alimentos saudáveis
Abordagem do Adulto, muda?
• Entendimento facilitado pela
  leitura
• Anamnese
  – Atendimento individualizado
  – Prescrição de Dieta Específica
  – Mesmo material de Apoio
Continuidade no tratamento

– Atendimento quinzenal / mensal / etc
   Resultados
   Adesão - Recordatório
– Atendimento em grupos específicos
   Resultado = adesão
   Maior participação e envolvimento com o tratamento
Atividade                                         Descrição

                                          Dinâmica utilizando a Pirâmide dos Alimentos. Serão apresentados
               Aferição do Peso e         os grupos alimentares seguindo as recomendações propostas por
1º Retorno
                      Aula 1.          Philippi et al (1999), explicando também como identificar as porções de
                                                                     cada grupo.

                                          Leitura e Iterpretação de Rótulos: A aula aborda a leitura correta do
               Aferição do Peso e
2º Retorno                              rótulo dos alimentos e identificação dos nutrientes nos ingredientes e
                      Aula 2.
                                                                 tabela nutricional .
               Aferição do Peso e         Definições como Alimentos Diet e Light e Aula Prática de Leitura de
3º Retorno
                      Aula 3.                                          Rótulos

                                            Técnica Dietética - Cozinhando com sabor e saúde: Dicas para o
               Aferição do Peso e
4º Retorno                             cozimento saudável dos alimentos, uso das ervas naturais e entrega de
                      Aula 4.
                                         um livro com receitas diet e light, baixo coleterol e rica em fibras.


               Aferição do Peso e              Trocas Inteligentes na Alimentação: Dicas da substituição
5º Retorno
                      Aula 5.             saudávelna alimentação e mitos e verdades sobre os alimentos.

                                           10 Passos Para Uma Alimentação Saudável. Desmismistificando a
             Aferição do Peso e C.A.
6º Retorno                             Nutrição: Como manter uma alimentação saudável com o término do
                      Aula 6.
                                                                     tratamento.
Educação Nutricional
                           em Grupo:
                      Orientação Contínua




Aulas Expositivas:
       MEV
Leitura de Rótulos
Técnicas Dietéticas
Trocas Inteligentes
• Jogos
• Dinâmicas de
  grupo
• Receitas saudáveis
• Consumo
  consciente!!!
Qualidade x Quantidade
Considerações Finais
O desenvolvimento de hábitos de vida saudáveis na infância
pode ser o caminho para o controle de doenças, pois, hábitos
 inadequados adquiridos ao longo da vida, são muito mais
        difíceis de serem controlados na fase adulta.


A escolha da ferramenta que será utilizada no
acompanhamento depende do seu público, do
 local e da sua proposta. E principalmente, do
   grau de conhecimento e entendimento do
                   paciente.
Ferramentas de educação nutricional para adultos e crianças

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência  Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência
Rita Galrito
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Alvaro Galdos
 
Relatório alimentação escolar
Relatório alimentação escolarRelatório alimentação escolar
Relatório alimentação escolar
Leticia Lopes
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Marcelo Silva
 
Aula pesos e medidas
Aula pesos e medidasAula pesos e medidas
Aula pesos e medidas
katsan
 
410682896-Aula-1-INTRODUCAO-A-BIOQUIMICA-DOS-ALIMENTOS-pdf.pdf
410682896-Aula-1-INTRODUCAO-A-BIOQUIMICA-DOS-ALIMENTOS-pdf.pdf410682896-Aula-1-INTRODUCAO-A-BIOQUIMICA-DOS-ALIMENTOS-pdf.pdf
410682896-Aula-1-INTRODUCAO-A-BIOQUIMICA-DOS-ALIMENTOS-pdf.pdf
AlaneRibeiro4
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
raquelpiress
 

Mais procurados (20)

Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência  Alimentação Saudável na Adolescência
Alimentação Saudável na Adolescência
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
 
Sobrepeso e Obesidade
Sobrepeso e ObesidadeSobrepeso e Obesidade
Sobrepeso e Obesidade
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Aula alimentos funcionais
Aula   alimentos funcionaisAula   alimentos funcionais
Aula alimentos funcionais
 
Consumo de alimentos industrializados
Consumo de alimentos industrializadosConsumo de alimentos industrializados
Consumo de alimentos industrializados
 
Relatório alimentação escolar
Relatório alimentação escolarRelatório alimentação escolar
Relatório alimentação escolar
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
 
Alimentação balanceada para crianças de 0 a5 anos
Alimentação balanceada para crianças de 0 a5 anosAlimentação balanceada para crianças de 0 a5 anos
Alimentação balanceada para crianças de 0 a5 anos
 
Dietética e confecção de alimentos
Dietética e confecção de alimentosDietética e confecção de alimentos
Dietética e confecção de alimentos
 
Aula pesos e medidas
Aula pesos e medidasAula pesos e medidas
Aula pesos e medidas
 
Alimentação na gestação
Alimentação na gestaçãoAlimentação na gestação
Alimentação na gestação
 
Estágio em Nutrição e Saúde Coletiva.pdf
Estágio em Nutrição e Saúde Coletiva.pdfEstágio em Nutrição e Saúde Coletiva.pdf
Estágio em Nutrição e Saúde Coletiva.pdf
 
410682896-Aula-1-INTRODUCAO-A-BIOQUIMICA-DOS-ALIMENTOS-pdf.pdf
410682896-Aula-1-INTRODUCAO-A-BIOQUIMICA-DOS-ALIMENTOS-pdf.pdf410682896-Aula-1-INTRODUCAO-A-BIOQUIMICA-DOS-ALIMENTOS-pdf.pdf
410682896-Aula-1-INTRODUCAO-A-BIOQUIMICA-DOS-ALIMENTOS-pdf.pdf
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
 
Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a Nutrição
 
Jogo da alimentação saudável
Jogo da alimentação saudávelJogo da alimentação saudável
Jogo da alimentação saudável
 
Alimentação saudável slides
Alimentação saudável slidesAlimentação saudável slides
Alimentação saudável slides
 
Desperdício de Alimentos
Desperdício de AlimentosDesperdício de Alimentos
Desperdício de Alimentos
 
Planejamento de cardapios parte 2
Planejamento de cardapios   parte 2Planejamento de cardapios   parte 2
Planejamento de cardapios parte 2
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 

Último (6)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

Ferramentas de educação nutricional para adultos e crianças

  • 1. Técnicas para a Reeducação Alimentar em Adultos e Crianças Nutr. Priscila Moreira
  • 2. Objetivos • Obesidade: Crianças → Adultos • Educação Nutricional • Técnicas de Abordagem • A atuação do Nutricionista
  • 3. Definição A obesidade é caracterizada pelo acumulo excessivo de gordura corporal com potencial prejuízo à saúde, decorrente de vários fatores: Complexa e multifatorial (OMS, 1997; Nature 2000;404(1):635-643)
  • 4. Prevalência da Obesidade em 2025 Fonte: IOTF (International Obesity Taskforce), 2002
  • 5. Crianças Obesas – Adultos Obesos (Mantovani , R.M.et. al, 2008)
  • 6.
  • 7. Orientar os pais sobre a alimentação Incentivar o consumo de alimentos saudáveis Educação Nutricional desde a Pré-Escola
  • 8. • Alunos de escolas Públicas e Privadas – Florianópolis (SC) • 3ª e 4ª séries GABRIEL, CG; SANTOS, MV; VASCONCELOS, FAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 8, n. 3, Sept. 2008 .
  • 9. Intervenção Escolar Nutricional GABRIEL, CG; SANTOS, MV; VASCONCELOS, FAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 8, n. 3, Sept. 2008 .
  • 10. “O que deve ser vendido na cantina?” • Alimentos mais citados antes da intervenção: Refrigerantes, sorvete/picolé, salgados fritos, salgadinhos tipo chips, doces/balas. • Alimentos mais citados após a intervenção: Suco de fruta natural, lanches, frutas. Alunos de escola pública demonstraram menor interesse em mudar hábitos alimentares. GABRIEL, CG; SANTOS, MV; VASCONCELOS, FAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 8, n. 3, Sept. 2008 .
  • 11. Resultado: freqüência de algumas atitudes e práticas alimentares mais saudáveis Essa experiência pode ser aplicada em outras instituições e, para sua maior efetividade, deve contar com a participação da comunidade escolar (especialmente pais e professores). GABRIEL, CG; SANTOS, MV; VASCONCELOS, FAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant., Recife, v. 8, n. 3, Sept. 2008 .
  • 12. PRÁTICAS ALIMENTARES DE PRÉ-ESCOLARES E O CONHECIMENTO DE SEUS PAIS SOBRE NUTRIÇÃO • Crianças em idade pré-escolar (entre 2 a 6 anos), Ambos os sexos → Antropometria (OMS, 2007) – IMC/Idade, Análise qualitativa da lancheira. • Seus respectivos pais → Questionário • Relacionar o conhecimento dos pais sobre nutrição e os alimentos oferecidos por eles à seus filhos para serem consumidos na escola. Moreira, P. 2010.
  • 13. O consumo na escola Foram considerados inadequados os alimentos de baixo valor nutritivo, como salgadinhos e refrigerantes, e alimentos com alto teor de açúcares e gorduras como bolos e biscoitos recheados, embutidos, frituras e doces. Moreira, P. 2010.
  • 17. Relação entre o estado nutricional das crianças e a escala de conhecimento nutricional de seus pais. Diagnóstico Baixo Moderado Alto Total Nutricional N % N % N % N % Baixo peso 0 0,0 1 1,2 1 3,4 2 1,7 Eutrofia 5 83,3 31 37,3 13 44,8 49 41,5 Sobrepeso 0 0,0 27 32,5 6 20,7 33 28,0 Obesidade 1 16,7 24 28,9 9 31,0 34 28,8 Total 6 100 83 100 29 100 118 100 Moreira, P. 2010.
  • 18. Relação entre o estado nutricional e a adequação das lancheiras. Diagnóstico Inadequada Adequada Total Nutricional N % N % N % Baixo peso 2 2,3 0 0,1 2 1,7 Eutrofia 35 41,2 14 42,4 49 41,5 Sobrepeso 25 29,4 8 24,2 33 28 Obesidade 23 27,1 11 33,3 34 28,8 Total 85 100 33 100 118 100 Moreira, P. 2010.
  • 19. •Grande Influência da Mídia •Recusa alimentar •Conhecimento = falta de estímulo à mudança. Moreira, P. 2010.
  • 20. •Conclusão: •Os pais conhecem nutrição, mas não aplicam bons hábitos alimentares com seus filhos!!! • Idade Pré-escolar • Conscientização dos pais • Formação de hábitos alimentares Moreira, P. 2010.
  • 21.
  • 22. Atuação do Nutricionista • Aula de Culinária – Oficinas práticas desde a fase pré- escolar - Incentivo a manipulação, preparo e consumo de alimentos mais naturais e saudáveis
  • 23. • Teatro de Fantoches – Incentiva a adesão de hábitos alimentares mais saudáveis
  • 24. • Horticultura – Contato com vegetais: incentiva o consumo - Instiga curiosidade por novos sabores
  • 25. E no Atendimento Ambulatorial? • Anamnese detalhada • Orientação direcionada a faixa etária • Tratamento contínuo • Motivação
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36. Amostras de alimentos saudáveis
  • 37. Abordagem do Adulto, muda? • Entendimento facilitado pela leitura • Anamnese – Atendimento individualizado – Prescrição de Dieta Específica – Mesmo material de Apoio
  • 38.
  • 39.
  • 40. Continuidade no tratamento – Atendimento quinzenal / mensal / etc Resultados Adesão - Recordatório – Atendimento em grupos específicos Resultado = adesão Maior participação e envolvimento com o tratamento
  • 41. Atividade Descrição Dinâmica utilizando a Pirâmide dos Alimentos. Serão apresentados Aferição do Peso e os grupos alimentares seguindo as recomendações propostas por 1º Retorno Aula 1. Philippi et al (1999), explicando também como identificar as porções de cada grupo. Leitura e Iterpretação de Rótulos: A aula aborda a leitura correta do Aferição do Peso e 2º Retorno rótulo dos alimentos e identificação dos nutrientes nos ingredientes e Aula 2. tabela nutricional . Aferição do Peso e Definições como Alimentos Diet e Light e Aula Prática de Leitura de 3º Retorno Aula 3. Rótulos Técnica Dietética - Cozinhando com sabor e saúde: Dicas para o Aferição do Peso e 4º Retorno cozimento saudável dos alimentos, uso das ervas naturais e entrega de Aula 4. um livro com receitas diet e light, baixo coleterol e rica em fibras. Aferição do Peso e Trocas Inteligentes na Alimentação: Dicas da substituição 5º Retorno Aula 5. saudávelna alimentação e mitos e verdades sobre os alimentos. 10 Passos Para Uma Alimentação Saudável. Desmismistificando a Aferição do Peso e C.A. 6º Retorno Nutrição: Como manter uma alimentação saudável com o término do Aula 6. tratamento.
  • 42. Educação Nutricional em Grupo: Orientação Contínua Aulas Expositivas: MEV Leitura de Rótulos Técnicas Dietéticas Trocas Inteligentes
  • 43. • Jogos • Dinâmicas de grupo • Receitas saudáveis • Consumo consciente!!!
  • 45. Considerações Finais O desenvolvimento de hábitos de vida saudáveis na infância pode ser o caminho para o controle de doenças, pois, hábitos inadequados adquiridos ao longo da vida, são muito mais difíceis de serem controlados na fase adulta. A escolha da ferramenta que será utilizada no acompanhamento depende do seu público, do local e da sua proposta. E principalmente, do grau de conhecimento e entendimento do paciente.