SlideShare uma empresa Scribd logo
VII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS


                      EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS:
                               UMA VISÃO CRÍTICO-DIALÉTICA


                                            Rafael Cava Mori
    Doutorando em Química – Instituto de Química de São Carlos/Universidade de São Paulo


Resumo:
Este trabalho apresenta uma visão crítico-dialética da experimentação, enquanto estratégia
para o ensino de ciências. Primeiro, são expostos os fundamentos de uma teoria marxista do
conhecimento. A seguir, articulo elementos da Pedagogia Histórico-Crítica para caracterizar a
especificidade didática das atividades experimentais. Por fim, extraio alguns elementos da
Psicologia Histórico-Cultural para desenvolver alguns novos entendimentos sobre a atividade
experimental para o ensino de ciências.
Palavras-chaves: experimentação no ensino de ciências. Pedagogia-Histórico-Crítica.
Psicologia Histórico-Cultural.

1 INTRODUÇÃO


        A experimentação, como estratégia para o ensino dos conteúdos de ciências, já serviu
a diversos interesses pedagógicos, na história da educação científica e tecnológica1.
        Até a renovação do ensino de ciências, a partir da década de 1950, pode-se afirmar que
os experimentos eram recursos de caráter retórico, sendo sua função sustentar o discurso dos
mestres. A verdade das afirmações teóricas era confirmada com demonstrações
experimentais. Não era necessário que os estudantes realizassem eles mesmos os
experimentos; quando isto acontecia, era numa perspectiva verificacionista, ou seja, seguidas
instruções precisas, um resultado esperado, que confirmaria a teoria, seria obtido ao final.
        Com esta renovação da educação científica e tecnológica, liderada pelos Estados
Unidos e pela Inglaterra, os currículos sofreram grandes alterações, assim como as estratégias
de ensino. A necessidade de formar quadros para o exercício das profissões científicas e
tecnológicas, palavra de ordem para estas nações em disputa científico-tecnológica contra os
soviéticos (refiro-me à Guerra Fria), ganhou terreno nas salas de aula, com o incentivo à
opção por estas carreiras já desde a tenra idade dos educandos. Apareceram então as
atividades experimentais de redescoberta, em que a coleta de dados em sala de aula levaria,
1
 Para tratar rapidamente desta história, apoio-me principalmente no livro O professor e o currículo de ciências,
da Prof. Myriam Krasilchik (1987), e na tese de doutorado de Pinho Alves (2000).
por indução, a que os estudantes, eles mesmos, alcançassem as generalizações da ciência.
Então o laboratório escolar estruturava-se como espaço central do ensino e celeiro de novos
talentos para o mundo da pesquisa e da tecnologia.
       Com a aproximação dos anos de 1970, crises econômicas e ambientais forçaram a uma
revisão deste ideário. Até então, o desenvolvimento científico do século XX permitia se
atribuir à ciência a capacidade de lidar com todas as consequências do desenvolvimento
humano. Mas agora ela será cada vez mais analisada e/ou criticada em seus fundamentos
filosóficos, e este movimento repercutirá na própria educação científica. Formar cientistas já
não será prioridade, e as perspectivas mais empiristas da aprendizagem escolar (muito
inspiradas no comportamentalismo) darão lugar às aplicações da psicologia cognitivista, em
que se destacará o nome de Jean Piaget.
       Estamos nos anos de 1980, firmando-se o “paradigma” construtivista na educação. O
ensino de ciências, nesta perspectiva, procura rejeitar as visões positivistas do processo de
ensino e aprendizagem e da história e natureza da ciência. O laboratório de ciências perde sua
centralidade, visto que a experimentação passa a conviver com outras estratégias de ensino,
como jogos e simulações.
       A partir daí, o laboratório didático será encarado pelos educadores conforme posições
nem sempre bem definidas, num discurso ambíguo, misto de entusiasmo e ceticismo.
Entusiasmo, pois a pressão do construtivismo em direção a um ensino que relegue maior
autonomia aos estudantes irá ao encontro da concepção de um laboratório aberto, pouco
estruturado, sem o uso de roteiros fixos e experimentos do tipo “receita”. Ceticismo, por outro
lado, pela preocupação de que a experimentação apenas reforce visões positivistas –
empiristas, indutivistas – da natureza da ciência, pelos estudantes.
       Neste texto, tentarei mostrar que nenhuma destas visões é essencialmente correta, e
que estas preocupações dos profissionais da educação não têm motivos para se somar aos
problemas que estes trabalhadores já enfrentam. Para isso, recorrerei à Pedagogia Histórico-
Crítica e chamarei alguns autores da Psicologia Histórico-Cultural, partindo dos fundamentos
marxistas destas teorias.


2 A CONCEPÇÃO MARXISTA DO CONHECIMENTO


       A teoria do conhecimento inspirada no marxismo deve necessariamente partir de
pressupostos materialistas. Transcrevo uma conceituação de Lênin sobre esta filosofia:
O materialismo admite de uma maneira geral que o ser real objectivo (a matéria) é
                         independente da consciência, das sensações, da experiência humana. O materialismo
                         histórico admite que a existência social é independente da consciência social da
                         humanidade. A consciência é só, aqui e ali, o reflexo do ser, no melhor dos casos um
                         reflexo aproximadamente exacto (adequado, de uma precisão ideal). Não se pode
                         suprimir nenhum princípio fundamental, nenhuma parte essencial desta filosofia do
                         marxismo fundida num só bloco de aço, sem se afastar da verdade objectiva, sem
                         cair na mentira burguesa reacionária (LÉNINE, 1975, p. 294).


       Lênin, em outros momentos desta obra, chega a se referir a esta concepção como uma
ingenuidade, uma espécie de senso comum. Não obstante, é justamente esta concepção
ingênua, espontânea, que deve constituir a base das ciências naturais, que não poderão se
desenvolver completamente se condicionadas a uma filosofia idealista, que tome o ser como
decorrente da consciência. Do contrário, há o perigo de se cair na “absolutização de aspectos
isolados do mundo objetivo” (KOPNIN, 1978, p. 56), ou no agnosticismo, a impossibilidade
ontológica do conhecimento.
       Mesmo assim, é preciso dar consistência teórica, elaborar em termos precisos e tornar
frutífera esta concepção ingênua, o que levará à elaboração de uma teoria do conhecimento
coincidente com a lógica e a dialética. Kopnin, na obra citada, recorre novamente a Lênin
para caracterizar esta teoria:


                         Lênin formulou da seguinte maneira as exigências básicas da lógica dialética: “Para
                         conhecer realmente o objeto, é preciso abrangê-lo, estudar todos os seus aspectos,
                         todas as relações e ‘mediações’. Nunca conseguiremos isto plenamente, mas a
                         exigência de multilateralidade nos prevenirá contra erros e necrose. Isto em primeiro
                         lugar. Em segundo, a lógica dialética exige que se tome o objeto em seu
                         desenvolvimento, ‘automovimento’ (como Hegel às vezes dizia), em mudança... Em
                         terceiro lugar, toda a prática humana deve incorporar-se à plena ‘definição’ do
                         objeto quer como critério da verdade, quer como determinante prático da relação
                         entre o objeto e aquilo de que o homem necessita. Em quarto lugar, a lógica dialética
                         ensina que ‘não há verdade abstrata, que a verdade é sempre concreta’...” (p. 82).


       Estamos nos aproximando do assunto que nos interessa, que é o entendimento da
função das experiências científicas para a evolução do conhecimento. Vale lembrar que, para
o materialista dialético, as leis da natureza são perfeitamente cognoscíveis, embora nenhum
conhecimento seja definitivo.


                         Não conhecemos as leis necessárias da natureza nos fenómenos meteorológicos, e é
                         por isso que somos inevitavelmente escravos do tempo que faz. Mas não
                         conhecendo esta necessidade, sabemos que existe. De onde vem esse conhecimento?
                         Vem justamente de onde nos vem o conhecimento das coisas existentes fora da
                         nossa consciência e independentemente desta, por outras palavras: da evolução dos
                         nossos conhecimentos, que mostrou milhões de vezes a qualquer homem que a
                         ignorância dá lugar ao saber quando o objeto actua sobre os nossos órgãos dos
sentidos, e inversamente: uma vez afastada a possibilidade desta ação, a ciência
                       torna-se ignorância (LÉNINE, 1975, p. 169, grifos do autor).


       Achei indispensável a transcrição do fragmento acima para que explorarmos
atentamente uma certa questão, que é a possibilidade de uma confusão do materialismo
dialético com o empirismo positivista. Lênin coloca como condição fundamental do
conhecimento a ação da matéria sobre nossos sentidos. Entre os pesquisadores do ensino de
ciências, percebo certa aversão a este tipo de pensamento, por associarem-no com o
positivismo. Ora, isto é uma completa ignorância da teoria marxista! O materialismo dialético
não afirma a identidade entre o conhecimento e o mundo sensível, que seria uma das
consequências da filosofia de Comte. O mundo objetivo existe no pensamento – sendo, então
conhecido – não como cópia, mas como reflexo (e como disse Lênin, um reflexo
aproximadamente exato, no melhor dos casos). Mas se a relação entre a realidade e o
pensamento, por um lado, não é de identidade, por outro, é de inseparabilidade:


                       O sensorial e o racional não são dois degraus do conhecimento mas dois momentos
                       que o penetram em todas as formas e em todas as etapas de desenvolvimento. O
                       próprio pensamento nunca pode carecer do sensorial quer na sua origem, quer na
                       forma de existência; ele sempre se baseia no sistema de sinais sensorialmente
                       perceptíveis (KOPNIN, 1978, p. 150).


       Assim, o temor de que a atividade experimental redunde na aceitação do positivismo,
caso se enfatize o caráter empírico dos fenômenos em estudo, é infundado. Insisti nesta
demonstração por acreditar que esta postura é que pode levar a prejuízos, na medida em que
conduz muitos educadores a aderir a um racionalismo idealista. Como já disse anteriormente,
no limite, este tipo de concepção pode resultar na própria negação do ato de conhecer.
       Também não defendo um meio-termo entre estas duas posições, mas sim advogo por
uma postura superadora de ambas, no sentido dialético. Em outras palavras,


                       é estranho ao marxismo tanto o empirismo unilateral, rasteiro, que desdenha das
                       abstrações como a teorização vazia, desvinculada dos fatos e fenômenos da
                       realidade. As abstrações são boas quando têm a tarefa de desvendar as leis reais da
                       natureza e da sociedade, quando armam o homem com o conhecimento dos
                       processos profundos, inacessíveis à contemplação imediata, sensorial. Mas se o
                       pensamento se encerra em abstrações, deixa de ser meio de conhecimento da
                       realidade, transformando-se em instrumento para distanciar-se dela. Só a correta
                       combinação do conhecimento experimental com o pensamento teórico assegura a
                       obtenção da verdade objetiva (ibidem, p. 160).
3 CONCEPÇÃO HISTÓRICO-CRÍTICA DA ATIVIDADE EXPERIMENTAL NO
ENSINO DE CIÊNCIAS


           Na seção anterior, caracterizei brevemente a atividade experimental conforme uma
visão histórica, crítica, dialética. Determinemos agora como esta atividade servirá ao ensino
do conhecimento científico, de acordo com a mesma visão; explicitemos a especificidade
didática dos experimentos científicos.
           Antes, apresento outras sínteses nesta direção. A bem da verdade, recorrerei apenas a
dois autores, que julguei como os que têm melhor contribuído substancialmente para as
aproximações entre a Pedagogia Histórico-Crítica e alguns dos referenciais para o ensino de
ciências.
           O primeiro deles é Paulo M. M. Teixeira, que vem investigando os paralelos entre as
pedagogias críticas e o movimento Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS), deixando
transparecer certa preferência pela Pedagogia Histórico-Crítica, objeto de consideração de um
de seus artigos (TEIXEIRA, 2003). Nele, elencam-se pontos de intersecção entre a obra de
Saviani e o movimento CTS, donde extraímos o seguinte fragmento, que trata da questão das
metodologias de ensino:


                           As observações relativas às questões de metodologia colocadas pela Pedagogia
                           Histórico-Crítica atentam para a busca de métodos que sejam compatíveis com os
                           interesses e necessidades dos aprendizes, respeitando seus respectivos ritmos de
                           aprendizagem e desenvolvimento cognitivo, sem abandonar os aspectos conceituais
                           e estruturais de cada setor de conhecimento.
                           [Estas] orientações [...] são claras ao apontar a necessidade de superação das
                           metodologias arcaicas, baseadas apenas no processo de transmissão-recepção de
                           informações veiculadas por aulas predominantemente expositivas. Portanto, busca-
                           se dinamizar o processo de ensino-aprendizagem como forma de permitir uma
                           aprendizagem significativa e vinculada aos acontecimentos do mundo e da
                           sociedade em geral (p. 185).



           Apesar deste valioso esforço inicial por aproximar o ensino de ciências de referenciais
críticos, o segundo autor que apresento parece avançar mais neste sentido, já explicitando a
especificidade do experimento enquanto estratégia de ensino, conforme a orientação histórico-
crítica.
           Trata-se de César Sátiro dos Santos, autor do livro Ensino de ciências: abordagem
histórico-crítica (SANTOS, 2005). Na obra, Santos inicia uma seção dedicada à atividade
experimental com as seguintes palavras:
O ensino por meio da experimentação é quase uma necessidade no âmbito das
                       ciências naturais. Ocorre que podemos perder o sentido da construção científica se
                       não relacionarmos experimentação, construção de teorias e realidade
                       socioeconômica e se não valorizarmos a relação entre teoria e experimentação, pois
                       ela é o próprio cerne do processo científico (p. 61).


E entre uma e outra transcrição literal de Sobre a prática, de Mao Tsé-Tung, são apresentadas
as sínteses:


                       A prática científica é parte da prática social global do homem. [...]
                       O conhecimento estabelecido pode ser testado. A ciência elabora teorias que
                       respondem às demandas da prática. Não se pode falar de ciência essencialmente
                       teórica ou prática. O saber científico é a relação dialética entre teoria e prática. [...]
                       O laboratório, sem teoria, é prática vazia e sem sentido. A teoria, sem prática que a
                       confirme, é indiferenciável do conhecimento filosófico, religioso ou artístico. Não
                       existe ciência sem ressonância prática, mas nem toda prática deriva para a ciência.
                       Faz parte da especificidade científica sua natureza prática, bem como seu aspecto
                       quantitativo. [...]
                       A prática confirma a teoria, mas também é o ponto de partida para sua superação (p.
                       61-62).


       Portanto, Santos ressalta a unidade dialética entre teoria e prática, afirmando a
necessidade do laboratório escolar contribuir para a explicitação desta relação. Ao mesmo
tempo, convida o saber científico a se imiscuir na prática, tomando a inseparabilidade entre
teoria e prática como qualidade específica deste saber.

4 NOVAS CONTRIBUIÇÕES PARA ESTA CONCEPÇÃO


       Saviani entende por práxis este


                       conceito sintético que articula teoria e prática. Em outros termos, [vê] a práxis como
                       uma prática fundamentada teoricamente. Se a teoria desvinculada da prática se
                       configura como contemplação, a prática desvinculada da teoria é puro
                       espontaneísmo (2008, p. 141).


       Conforme esta posição, o conhecimento se faz pela “passagem do empírico ao
concreto, pela mediação do abstrato [ou] da síncrese à síntese, pela mediação da análise”. O
método pedagógico baseado nestes pressupostos tomará, então, “a prática como ponto de
partida e ponto de chegada” (ibidem, p. 142).
       Se a experimentação para o ensino de ciências serve a essa passagem do empírico ao
concreto, então ela é um método admitido pela Pedagogia Histórico-Crítica. Mas não se pode
perder de vista sua especificidade, proporcionar a apropriação, pelos homens, da cultura
elaborada coletiva e historicamente. E é a partir daí que retomo minha crítica ao
construtivismo.
       Conforme afirmei, os educadores construtivistas se entusiasmam com a possibilidade
do laboratório se converter num espaço para o exercício da autonomia dos estudantes. Não
estou destituindo a importância disto. Mas o modo como este discurso vem se apresentando
leva-me a crer que os educadores estariam secundarizando especificidade da educação,
propondo o primado de seu aspecto político. Tomando as onze teses sobre educação e política
de Saviani (SAVIANI, 1993), diz a tese 11: A função política da educação se cumpre na
medida em que se realiza enquanto prática especificamente pedagógica. E observa ele que


                       Esta tese afirma a autonomia relativa da educação em face da política como
                       condição mesma da realização de sua contribuição política. Isto é óbvio uma vez
                       que, se a educação for dissolvida na política, já não cabe mais falar de prática
                       pedagógica restando apenas a prática política. Desaparecendo a educação, como
                       falar de sua função política? (ibidem, p. 100).


       Por fim, agrego contribuições da Psicologia Histórico-Cultural. Para isso, considerarei
o laboratório didático científico e seus instrumentos como ferramentas, isto é, construções
que atendem a certas necessidades impostas pela prática, dirigidas à satisfação destas
necessidades.
       Inicio lembrando que as ferramentas, para esta psicologia, são fundamentais para a
gênese das chamadas funções psicológicas superiores, que diferenciam os homens dos outros
animais. Enquanto os instrumentos de trabalho são ferramentas orientadas para o mundo
exterior, existem também aquelas que se orientam para o interior do homem: os signos,
materializados na linguagem.


                       não podemos explicar satisfatoriamente o trabalho como atividade humana voltada
                       para um fim, afirmando que ele é desencadeado por objetivos, por tarefas que se
                       encontram diante do homem; devemos explicá-lo com o auxílio do emprego de
                       ferramentas, de aplicação de meios originais sem os quais o trabalho não poderia
                       surgir; de igual maneira, para a explicação de todas as formas superiores de
                       comportamento humano, a questão central é a dos meios através dos quais o homem
                       domina o processo do próprio comportamento.
                       [...] todas as funções psíquicas superiores têm como traço comum o fato de serem
                       processos mediatos, [...] de incorporarem à sua estrutura, como parte central de todo
                       o processo, o emprego de signos como meio fundamental de orientação e domínio
                       nos processos psíquicos (VIGOTSKI, 2001, p. 161).


       A obra citada acima apresenta diversos estudos sobre a formação do pensamento
infantil. Não conseguirei, nos limites impostos a este texto, deter-me nestes aspectos e
articulá-los para uma visão crítico-dialética da atividade experimental no ensino de ciências.
Mas será possível iniciar um trabalho nessa direção aproveitnado conceitos e passagens
expostos por Leontiev, colaborador de Vigotski, na obra O desenvolvimento do psiquismo
(LEONTIEV, 1978).
       Analisando, neste livro, a produção e a utilização de instrumentos no trabalho,
Leontiev afirma que


                       [isto] só é possível em ligação com a consciência do fim da ação de trabalho. Mas a
                       utilização de um instrumento acarreta que se tenha consciência do objeto da ação
                       nas suas propriedades objetivas. O uso do machado, por exemplo, não responde ao
                       único fim de uma ação concreta; ele reflete objetivamente as propriedades do objeto
                       de trabalho para o qual se orienta a ação. O golpe do machado submete as
                       propriedades do material de que é feito este objeto a uma prova infalível; assim se
                       realiza uma análise prática e uma generalização das propriedades objetivas dos
                       objetos segundo um índice determinado, objetivado no próprio instrumento. Assim é
                       o instrumento que é de certa maneira portador da primeira verdadeira abstração
                       consciente e racional, da primeira generalização consciente e racional (p. 82).


Adiante, há diversas passagens relevantes para o tema desta seção, que transcrevo (e que
serão suficientes para minha argumentação):

                       A questão do desenvolvimento do homem, considerado em ligação com o
                       desenvolvimento da cultura e da sociedade [...] leva a perguntar-se em que consiste e
                       como se desenrola o processo [...] de apropriação pelos indivíduos das aquisições do
                       desenvolvimento histórico da sociedade [...], que é ao mesmo tempo o processo de
                       formação de suas faculdades específicas do homem? [...]
                       O instrumento é o produto da cultura material que leva em si, da maneira mais
                       evidente e mais material, os traços característicos da criação humana. [...] O
                       instrumento é ao mesmo tempo um objeto social no qual estão incorporadas e
                       fixadas as operações de trabalho historicamente elaboradas. [...]
                       A apropriação dos instrumentos implica, portanto, uma reorganização dos
                       movimentos naturais instintivos do homem e a formação de faculdades motoras
                       superiores.
                       A aquisição do instrumento consiste, portanto, para o homem, em se apropriar das
                       operações motoras que nele estão incorporadas. É ao mesmo tempo um processo de
                       formação activa de aptidões novas, de funções superiores, “psicomotoras”, que
                       “hominizam” a sua esfera motriz (p. 268-270, grifos meus).


       Considerando que as ferramentas cristalizam ou materializam determinadas operações
motoras de trabalho historicamente elaboradas, reside aí a importância de estarem disponíveis
aos estudantes em seu processo formal de aprendizagem, quando estas operações aparecem
em vinculação com os conteúdos curriculares. Possibilitados de um contato com estas
ferramentas, os educandos poderão se apropriar das atividades encarnadas nelas que,
posteriormente, se interiorizarão em sua estrutura psíquica, conforme a teoria do reflexo.
       Por exemplo, o instrumento de laboratório conhecido como bureta encarna em si
certas operações químicas, sendo a principal a de titulação. O manuseio correto e orientado
desta ferramenta deverá permitir a interiorização não apenas da operação motora de titular
uma amostra, mas também dos conceitos que esta operação carrega em sua significação
social, por exemplo, os conceitos químicos de ácido e base e do funcionamento dos
indicadores químicos.
       Veja que esta teoria se apresenta como uma tentativa de extrair da Psicologia
Histórico-Cultural elementos para a compreensão da importância do laboratório de ciências na
educação formal. Apresentei-a tomando como referência os instrumentos de laboratório, mas
considero-a válida para o laboratório como um todo. Este espaço, em sua singularidade e
especificidade para o ensino de ciências, objetiva todo um conjunto de atividades, ações e
operações práticas, desenvolvidas historicamente, e acessíveis para a incorporação na
estrutura psíquica dos indivíduos que ali desenvolvam novas atividades. A formação das
funções psíquicas superiores estará assim recebendo um incremento. Além disso, entendo que
este movimento de apropriação de objetivações históricas gera no homem “novas
necessidades e [conduz] a novas formas de ação, num constante movimento de superação por
incorporação” (DUARTE, 2007, p. 23).
       Espero ter adicionado, senão novos desenvolvimentos, pelo menos algumas polêmicas
para um entendimento crítico-dialético da importância do laboratório escolar. Percebo, no
entanto, que há ainda muito trabalho a ser investido nesta direção, tendo minhas colocações
um caráter tentativo, que se somam às investigações dos autores que apresentei na seção 2.


5 REFERÊNCIAS


DUARTE, N. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. 4. ed. Campinas:
Autores Associados, 2007.
KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira 1978
KRASILCHICK, M. O professor e o currículo de Ciências. São Paulo: EPU/EDUSP, 1987.
LÉNINE, V. I. Materialismo e empiriocriticismo: novas críticas sobre uma filosofia
reaccionária. 2. ed. Lisboa: Estampa, 1975.
LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.
PINHO ALVES, J. Atividades experimentais: do método à prática construtivista. 2000. Tese
(Doutorado em Educação)-Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa
Catarina, Florianópolis, 2000.
SANTOS, C. S. Ensino de ciências: abordagem histórico-crítica. Campinas: Armazém do Ipê
(Autores Associados), 2005.
SAVIANI, D. Escola e democracia. 27. ed. Campinas: Autores Associados, 1993.
TEIXEIRA, P. M. M. A educação científica na perspectiva da pedagogia histórico-crítica e do
movimento CTS no ensino de ciências. Ciência & Educação, Bauru,v. 9, n. 2, p. 177-190,
2003.
VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes,
2001.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fichamento do texto 2 sandra
Fichamento do texto 2 sandraFichamento do texto 2 sandra
Fichamento do texto 2 sandra
pibidsociais
 
Ciência segundo ander egg
Ciência segundo ander eggCiência segundo ander egg
Ciência segundo ander egg
conceicao1
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
teoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientificateoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientifica
Ana Tereza Padua Oliveira
 
A eletrostática como exemplo de transposição didática
A eletrostática como exemplo de transposição didáticaA eletrostática como exemplo de transposição didática
A eletrostática como exemplo de transposição didática
LUZIANDERSON RAMOS
 
Slides do texto teoria e pratica ciêntifica 14 09 2011
Slides do texto teoria e pratica ciêntifica 14 09 2011Slides do texto teoria e pratica ciêntifica 14 09 2011
Slides do texto teoria e pratica ciêntifica 14 09 2011
marcocarnaz
 
Teoria e prática científica - Capítulo III
Teoria e prática científica - Capítulo IIITeoria e prática científica - Capítulo III
Teoria e prática científica - Capítulo III
Marcos Teruo Ouchi
 
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilMetodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Gisele Finatti Baraglio
 
MTC_ProfLuciana
MTC_ProfLucianaMTC_ProfLuciana
MTC_ProfLuciana
Paulo Silva
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
Elis Gabriela
 
Metodologia do trabalho inicio
Metodologia do trabalho  inicioMetodologia do trabalho  inicio
Metodologia do trabalho inicio
WaleskaSampaio
 
Filosofia da educacao
Filosofia da educacaoFilosofia da educacao
Filosofia da educacao
Marco Alcântara
 
Fichamento sobre Metodologia Científica
Fichamento sobre Metodologia CientíficaFichamento sobre Metodologia Científica
Fichamento sobre Metodologia Científica
Bruno Gomes Dias
 
Fichamento do texto - cildete
Fichamento do texto  - cildete Fichamento do texto  - cildete
Fichamento do texto - cildete
pibidsociais
 
Texto 2
Texto 2Texto 2
Texto 2
Edson Demarch
 
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio SeverinoCap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Nayara Gaban
 
Teoria e Prática Científica ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III elidmar d...
Teoria e Prática Científica  ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III  elidmar d...Teoria e Prática Científica  ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III  elidmar d...
Teoria e Prática Científica ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III elidmar d...
ElidmarDuarte
 
Ciencia e epistemologia: reflexões necessárias à Pesquisa Educacional - Revi...
Ciencia e epistemologia: reflexões necessárias à Pesquisa Educacional  - Revi...Ciencia e epistemologia: reflexões necessárias à Pesquisa Educacional  - Revi...
Ciencia e epistemologia: reflexões necessárias à Pesquisa Educacional - Revi...
Paulo Lima
 
O método das ciências da natureza
O método das ciências da naturezaO método das ciências da natureza
O método das ciências da natureza
Lauriane Carvalho
 

Mais procurados (19)

Fichamento do texto 2 sandra
Fichamento do texto 2 sandraFichamento do texto 2 sandra
Fichamento do texto 2 sandra
 
Ciência segundo ander egg
Ciência segundo ander eggCiência segundo ander egg
Ciência segundo ander egg
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
teoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientificateoria e pratica cientifica
teoria e pratica cientifica
 
A eletrostática como exemplo de transposição didática
A eletrostática como exemplo de transposição didáticaA eletrostática como exemplo de transposição didática
A eletrostática como exemplo de transposição didática
 
Slides do texto teoria e pratica ciêntifica 14 09 2011
Slides do texto teoria e pratica ciêntifica 14 09 2011Slides do texto teoria e pratica ciêntifica 14 09 2011
Slides do texto teoria e pratica ciêntifica 14 09 2011
 
Teoria e prática científica - Capítulo III
Teoria e prática científica - Capítulo IIITeoria e prática científica - Capítulo III
Teoria e prática científica - Capítulo III
 
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no BrasilMetodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
Metodologia Científica na Publicação de Artigos no Brasil
 
MTC_ProfLuciana
MTC_ProfLucianaMTC_ProfLuciana
MTC_ProfLuciana
 
Metodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científicoMetodologia do trabalho científico
Metodologia do trabalho científico
 
Metodologia do trabalho inicio
Metodologia do trabalho  inicioMetodologia do trabalho  inicio
Metodologia do trabalho inicio
 
Filosofia da educacao
Filosofia da educacaoFilosofia da educacao
Filosofia da educacao
 
Fichamento sobre Metodologia Científica
Fichamento sobre Metodologia CientíficaFichamento sobre Metodologia Científica
Fichamento sobre Metodologia Científica
 
Fichamento do texto - cildete
Fichamento do texto  - cildete Fichamento do texto  - cildete
Fichamento do texto - cildete
 
Texto 2
Texto 2Texto 2
Texto 2
 
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio SeverinoCap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino
 
Teoria e Prática Científica ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III elidmar d...
Teoria e Prática Científica  ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III  elidmar d...Teoria e Prática Científica  ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III  elidmar d...
Teoria e Prática Científica ANTÔNIO JOAQUIM SEVERINO_Capítulo III elidmar d...
 
Ciencia e epistemologia: reflexões necessárias à Pesquisa Educacional - Revi...
Ciencia e epistemologia: reflexões necessárias à Pesquisa Educacional  - Revi...Ciencia e epistemologia: reflexões necessárias à Pesquisa Educacional  - Revi...
Ciencia e epistemologia: reflexões necessárias à Pesquisa Educacional - Revi...
 
O método das ciências da natureza
O método das ciências da naturezaO método das ciências da natureza
O método das ciências da natureza
 

Destaque

Caminho metodológico experimentação
Caminho metodológico experimentaçãoCaminho metodológico experimentação
Caminho metodológico experimentação
Valmir Heckler
 
Papel da experimentação no ensino de ciencias
Papel da experimentação no ensino de cienciasPapel da experimentação no ensino de ciencias
Papel da experimentação no ensino de ciencias
Marcos Vinícius Ferreira Vilela
 
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciênciasI uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
Gilvandenys Leite Sales
 
EXPERIMENTAÇÃO EM CIÊNCIAS NA EAD: indagação online com os professores em AVA
EXPERIMENTAÇÃO EM CIÊNCIAS NA EAD: indagação online com os professores em AVAEXPERIMENTAÇÃO EM CIÊNCIAS NA EAD: indagação online com os professores em AVA
EXPERIMENTAÇÃO EM CIÊNCIAS NA EAD: indagação online com os professores em AVA
Valmir Heckler
 
Tendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciênciasTendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciências
Binatto
 
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hojeA aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
Evelyn Fernandes
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
Renato De Souza Abelha
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
Mario Amorim
 

Destaque (8)

Caminho metodológico experimentação
Caminho metodológico experimentaçãoCaminho metodológico experimentação
Caminho metodológico experimentação
 
Papel da experimentação no ensino de ciencias
Papel da experimentação no ensino de cienciasPapel da experimentação no ensino de ciencias
Papel da experimentação no ensino de ciencias
 
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciênciasI uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
 
EXPERIMENTAÇÃO EM CIÊNCIAS NA EAD: indagação online com os professores em AVA
EXPERIMENTAÇÃO EM CIÊNCIAS NA EAD: indagação online com os professores em AVAEXPERIMENTAÇÃO EM CIÊNCIAS NA EAD: indagação online com os professores em AVA
EXPERIMENTAÇÃO EM CIÊNCIAS NA EAD: indagação online com os professores em AVA
 
Tendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciênciasTendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciências
 
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hojeA aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
A aprendizagem significativa e o ensino das ciências hoje
 
O ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológiasO ensino de ciências e suas metodológias
O ensino de ciências e suas metodológias
 
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e BiologiaPCN de Ciencias Naturais e Biologia
PCN de Ciencias Naturais e Biologia
 

Semelhante a EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

O estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagemO estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagem
QuitriaSilva2
 
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Marta Caregnato
 
Caso 1 - Aprendizagem
Caso 1 - AprendizagemCaso 1 - Aprendizagem
Caso 1 - Aprendizagem
Julio Mendes
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
Camila Brito
 
Plano de-curso-bimestral-turmas-do-ensino-fundamental-i
Plano de-curso-bimestral-turmas-do-ensino-fundamental-iPlano de-curso-bimestral-turmas-do-ensino-fundamental-i
Plano de-curso-bimestral-turmas-do-ensino-fundamental-i
Joelson Nascimento
 
Introdução a Metafísica
Introdução a MetafísicaIntrodução a Metafísica
Introdução a Metafísica
CursoDeFerias
 
feyerabend ciencia um monstro episte.ppt
feyerabend ciencia um monstro episte.pptfeyerabend ciencia um monstro episte.ppt
feyerabend ciencia um monstro episte.ppt
ingrid985017
 
7322083 ciencias-humanas-e-filosofia-goldmann
7322083 ciencias-humanas-e-filosofia-goldmann7322083 ciencias-humanas-e-filosofia-goldmann
7322083 ciencias-humanas-e-filosofia-goldmann
Tereza Oliveira Liveira
 
Ciencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundoCiencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundo
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Ciencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundoCiencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundo
Carlos Alberto Monteiro
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Andre Neves Neves
 
Ciência,epistemologia e pesquisa educacional
Ciência,epistemologia e pesquisa educacionalCiência,epistemologia e pesquisa educacional
Ciência,epistemologia e pesquisa educacional
Thiago De Melo Martins
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Joana Darc
 
O Tempo e o Lugar das Ciências da Educação. Prof. Albano Estrela
O Tempo e o Lugar das Ciências da Educação. Prof. Albano EstrelaO Tempo e o Lugar das Ciências da Educação. Prof. Albano Estrela
O Tempo e o Lugar das Ciências da Educação. Prof. Albano Estrela
Jorge Borges
 
A educação científica e os processos cognitivos: reflexões sobre a sua evoluç...
A educação científica e os processos cognitivos: reflexões sobre a sua evoluç...A educação científica e os processos cognitivos: reflexões sobre a sua evoluç...
A educação científica e os processos cognitivos: reflexões sobre a sua evoluç...
Hebert Balieiro
 
MIC-Métodos-2021.pptx
MIC-Métodos-2021.pptxMIC-Métodos-2021.pptx
MIC-Métodos-2021.pptx
VenncioCorreia
 
Metodocientifico
MetodocientificoMetodocientifico
Metodocientifico
Maicon Luiz
 
02. Apresentação.pptx
02. Apresentação.pptx02. Apresentação.pptx
02. Apresentação.pptx
RonaldoAlves153492
 
Tópicos capítulo 6
Tópicos capítulo 6  Tópicos capítulo 6
Tópicos capítulo 6
Sandra Pereira
 
Ciência com consciência
 Ciência com consciência Ciência com consciência
Ciência com consciência
Marlene Macario
 

Semelhante a EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS (20)

O estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagemO estudo cientifico da aprendizagem
O estudo cientifico da aprendizagem
 
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
 
Caso 1 - Aprendizagem
Caso 1 - AprendizagemCaso 1 - Aprendizagem
Caso 1 - Aprendizagem
 
Filosofia resumo
Filosofia resumoFilosofia resumo
Filosofia resumo
 
Plano de-curso-bimestral-turmas-do-ensino-fundamental-i
Plano de-curso-bimestral-turmas-do-ensino-fundamental-iPlano de-curso-bimestral-turmas-do-ensino-fundamental-i
Plano de-curso-bimestral-turmas-do-ensino-fundamental-i
 
Introdução a Metafísica
Introdução a MetafísicaIntrodução a Metafísica
Introdução a Metafísica
 
feyerabend ciencia um monstro episte.ppt
feyerabend ciencia um monstro episte.pptfeyerabend ciencia um monstro episte.ppt
feyerabend ciencia um monstro episte.ppt
 
7322083 ciencias-humanas-e-filosofia-goldmann
7322083 ciencias-humanas-e-filosofia-goldmann7322083 ciencias-humanas-e-filosofia-goldmann
7322083 ciencias-humanas-e-filosofia-goldmann
 
Ciencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundoCiencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundo
 
Ciencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundoCiencia como concepção de mundo
Ciencia como concepção de mundo
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Ciência,epistemologia e pesquisa educacional
Ciência,epistemologia e pesquisa educacionalCiência,epistemologia e pesquisa educacional
Ciência,epistemologia e pesquisa educacional
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
O Tempo e o Lugar das Ciências da Educação. Prof. Albano Estrela
O Tempo e o Lugar das Ciências da Educação. Prof. Albano EstrelaO Tempo e o Lugar das Ciências da Educação. Prof. Albano Estrela
O Tempo e o Lugar das Ciências da Educação. Prof. Albano Estrela
 
A educação científica e os processos cognitivos: reflexões sobre a sua evoluç...
A educação científica e os processos cognitivos: reflexões sobre a sua evoluç...A educação científica e os processos cognitivos: reflexões sobre a sua evoluç...
A educação científica e os processos cognitivos: reflexões sobre a sua evoluç...
 
MIC-Métodos-2021.pptx
MIC-Métodos-2021.pptxMIC-Métodos-2021.pptx
MIC-Métodos-2021.pptx
 
Metodocientifico
MetodocientificoMetodocientifico
Metodocientifico
 
02. Apresentação.pptx
02. Apresentação.pptx02. Apresentação.pptx
02. Apresentação.pptx
 
Tópicos capítulo 6
Tópicos capítulo 6  Tópicos capítulo 6
Tópicos capítulo 6
 
Ciência com consciência
 Ciência com consciência Ciência com consciência
Ciência com consciência
 

Mais de ryanfilho

Artigo cientifico
Artigo cientificoArtigo cientifico
Artigo cientifico
ryanfilho
 
Pratica e ensino de ciencia marandino
Pratica e ensino de ciencia   marandinoPratica e ensino de ciencia   marandino
Pratica e ensino de ciencia marandino
ryanfilho
 
Educ cientifica gasparin
Educ cientifica   gasparinEduc cientifica   gasparin
Educ cientifica gasparin
ryanfilho
 
Educ cientifica gasparin
Educ cientifica   gasparinEduc cientifica   gasparin
Educ cientifica gasparin
ryanfilho
 
O ens ciencias krasilchik
O ens ciencias   krasilchikO ens ciencias   krasilchik
O ens ciencias krasilchik
ryanfilho
 
Ens ciencias seculo xxi
Ens ciencias seculo xxiEns ciencias seculo xxi
Ens ciencias seculo xxi
ryanfilho
 
Metodol ens ciencias ataide
Metodol ens ciencias   ataideMetodol ens ciencias   ataide
Metodol ens ciencias ataide
ryanfilho
 
Hist e ens ciencia pereira e silva
Hist e ens ciencia   pereira e silvaHist e ens ciencia   pereira e silva
Hist e ens ciencia pereira e silva
ryanfilho
 

Mais de ryanfilho (8)

Artigo cientifico
Artigo cientificoArtigo cientifico
Artigo cientifico
 
Pratica e ensino de ciencia marandino
Pratica e ensino de ciencia   marandinoPratica e ensino de ciencia   marandino
Pratica e ensino de ciencia marandino
 
Educ cientifica gasparin
Educ cientifica   gasparinEduc cientifica   gasparin
Educ cientifica gasparin
 
Educ cientifica gasparin
Educ cientifica   gasparinEduc cientifica   gasparin
Educ cientifica gasparin
 
O ens ciencias krasilchik
O ens ciencias   krasilchikO ens ciencias   krasilchik
O ens ciencias krasilchik
 
Ens ciencias seculo xxi
Ens ciencias seculo xxiEns ciencias seculo xxi
Ens ciencias seculo xxi
 
Metodol ens ciencias ataide
Metodol ens ciencias   ataideMetodol ens ciencias   ataide
Metodol ens ciencias ataide
 
Hist e ens ciencia pereira e silva
Hist e ens ciencia   pereira e silvaHist e ens ciencia   pereira e silva
Hist e ens ciencia pereira e silva
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 

EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

  • 1. VII COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UMA VISÃO CRÍTICO-DIALÉTICA Rafael Cava Mori Doutorando em Química – Instituto de Química de São Carlos/Universidade de São Paulo Resumo: Este trabalho apresenta uma visão crítico-dialética da experimentação, enquanto estratégia para o ensino de ciências. Primeiro, são expostos os fundamentos de uma teoria marxista do conhecimento. A seguir, articulo elementos da Pedagogia Histórico-Crítica para caracterizar a especificidade didática das atividades experimentais. Por fim, extraio alguns elementos da Psicologia Histórico-Cultural para desenvolver alguns novos entendimentos sobre a atividade experimental para o ensino de ciências. Palavras-chaves: experimentação no ensino de ciências. Pedagogia-Histórico-Crítica. Psicologia Histórico-Cultural. 1 INTRODUÇÃO A experimentação, como estratégia para o ensino dos conteúdos de ciências, já serviu a diversos interesses pedagógicos, na história da educação científica e tecnológica1. Até a renovação do ensino de ciências, a partir da década de 1950, pode-se afirmar que os experimentos eram recursos de caráter retórico, sendo sua função sustentar o discurso dos mestres. A verdade das afirmações teóricas era confirmada com demonstrações experimentais. Não era necessário que os estudantes realizassem eles mesmos os experimentos; quando isto acontecia, era numa perspectiva verificacionista, ou seja, seguidas instruções precisas, um resultado esperado, que confirmaria a teoria, seria obtido ao final. Com esta renovação da educação científica e tecnológica, liderada pelos Estados Unidos e pela Inglaterra, os currículos sofreram grandes alterações, assim como as estratégias de ensino. A necessidade de formar quadros para o exercício das profissões científicas e tecnológicas, palavra de ordem para estas nações em disputa científico-tecnológica contra os soviéticos (refiro-me à Guerra Fria), ganhou terreno nas salas de aula, com o incentivo à opção por estas carreiras já desde a tenra idade dos educandos. Apareceram então as atividades experimentais de redescoberta, em que a coleta de dados em sala de aula levaria, 1 Para tratar rapidamente desta história, apoio-me principalmente no livro O professor e o currículo de ciências, da Prof. Myriam Krasilchik (1987), e na tese de doutorado de Pinho Alves (2000).
  • 2. por indução, a que os estudantes, eles mesmos, alcançassem as generalizações da ciência. Então o laboratório escolar estruturava-se como espaço central do ensino e celeiro de novos talentos para o mundo da pesquisa e da tecnologia. Com a aproximação dos anos de 1970, crises econômicas e ambientais forçaram a uma revisão deste ideário. Até então, o desenvolvimento científico do século XX permitia se atribuir à ciência a capacidade de lidar com todas as consequências do desenvolvimento humano. Mas agora ela será cada vez mais analisada e/ou criticada em seus fundamentos filosóficos, e este movimento repercutirá na própria educação científica. Formar cientistas já não será prioridade, e as perspectivas mais empiristas da aprendizagem escolar (muito inspiradas no comportamentalismo) darão lugar às aplicações da psicologia cognitivista, em que se destacará o nome de Jean Piaget. Estamos nos anos de 1980, firmando-se o “paradigma” construtivista na educação. O ensino de ciências, nesta perspectiva, procura rejeitar as visões positivistas do processo de ensino e aprendizagem e da história e natureza da ciência. O laboratório de ciências perde sua centralidade, visto que a experimentação passa a conviver com outras estratégias de ensino, como jogos e simulações. A partir daí, o laboratório didático será encarado pelos educadores conforme posições nem sempre bem definidas, num discurso ambíguo, misto de entusiasmo e ceticismo. Entusiasmo, pois a pressão do construtivismo em direção a um ensino que relegue maior autonomia aos estudantes irá ao encontro da concepção de um laboratório aberto, pouco estruturado, sem o uso de roteiros fixos e experimentos do tipo “receita”. Ceticismo, por outro lado, pela preocupação de que a experimentação apenas reforce visões positivistas – empiristas, indutivistas – da natureza da ciência, pelos estudantes. Neste texto, tentarei mostrar que nenhuma destas visões é essencialmente correta, e que estas preocupações dos profissionais da educação não têm motivos para se somar aos problemas que estes trabalhadores já enfrentam. Para isso, recorrerei à Pedagogia Histórico- Crítica e chamarei alguns autores da Psicologia Histórico-Cultural, partindo dos fundamentos marxistas destas teorias. 2 A CONCEPÇÃO MARXISTA DO CONHECIMENTO A teoria do conhecimento inspirada no marxismo deve necessariamente partir de pressupostos materialistas. Transcrevo uma conceituação de Lênin sobre esta filosofia:
  • 3. O materialismo admite de uma maneira geral que o ser real objectivo (a matéria) é independente da consciência, das sensações, da experiência humana. O materialismo histórico admite que a existência social é independente da consciência social da humanidade. A consciência é só, aqui e ali, o reflexo do ser, no melhor dos casos um reflexo aproximadamente exacto (adequado, de uma precisão ideal). Não se pode suprimir nenhum princípio fundamental, nenhuma parte essencial desta filosofia do marxismo fundida num só bloco de aço, sem se afastar da verdade objectiva, sem cair na mentira burguesa reacionária (LÉNINE, 1975, p. 294). Lênin, em outros momentos desta obra, chega a se referir a esta concepção como uma ingenuidade, uma espécie de senso comum. Não obstante, é justamente esta concepção ingênua, espontânea, que deve constituir a base das ciências naturais, que não poderão se desenvolver completamente se condicionadas a uma filosofia idealista, que tome o ser como decorrente da consciência. Do contrário, há o perigo de se cair na “absolutização de aspectos isolados do mundo objetivo” (KOPNIN, 1978, p. 56), ou no agnosticismo, a impossibilidade ontológica do conhecimento. Mesmo assim, é preciso dar consistência teórica, elaborar em termos precisos e tornar frutífera esta concepção ingênua, o que levará à elaboração de uma teoria do conhecimento coincidente com a lógica e a dialética. Kopnin, na obra citada, recorre novamente a Lênin para caracterizar esta teoria: Lênin formulou da seguinte maneira as exigências básicas da lógica dialética: “Para conhecer realmente o objeto, é preciso abrangê-lo, estudar todos os seus aspectos, todas as relações e ‘mediações’. Nunca conseguiremos isto plenamente, mas a exigência de multilateralidade nos prevenirá contra erros e necrose. Isto em primeiro lugar. Em segundo, a lógica dialética exige que se tome o objeto em seu desenvolvimento, ‘automovimento’ (como Hegel às vezes dizia), em mudança... Em terceiro lugar, toda a prática humana deve incorporar-se à plena ‘definição’ do objeto quer como critério da verdade, quer como determinante prático da relação entre o objeto e aquilo de que o homem necessita. Em quarto lugar, a lógica dialética ensina que ‘não há verdade abstrata, que a verdade é sempre concreta’...” (p. 82). Estamos nos aproximando do assunto que nos interessa, que é o entendimento da função das experiências científicas para a evolução do conhecimento. Vale lembrar que, para o materialista dialético, as leis da natureza são perfeitamente cognoscíveis, embora nenhum conhecimento seja definitivo. Não conhecemos as leis necessárias da natureza nos fenómenos meteorológicos, e é por isso que somos inevitavelmente escravos do tempo que faz. Mas não conhecendo esta necessidade, sabemos que existe. De onde vem esse conhecimento? Vem justamente de onde nos vem o conhecimento das coisas existentes fora da nossa consciência e independentemente desta, por outras palavras: da evolução dos nossos conhecimentos, que mostrou milhões de vezes a qualquer homem que a ignorância dá lugar ao saber quando o objeto actua sobre os nossos órgãos dos
  • 4. sentidos, e inversamente: uma vez afastada a possibilidade desta ação, a ciência torna-se ignorância (LÉNINE, 1975, p. 169, grifos do autor). Achei indispensável a transcrição do fragmento acima para que explorarmos atentamente uma certa questão, que é a possibilidade de uma confusão do materialismo dialético com o empirismo positivista. Lênin coloca como condição fundamental do conhecimento a ação da matéria sobre nossos sentidos. Entre os pesquisadores do ensino de ciências, percebo certa aversão a este tipo de pensamento, por associarem-no com o positivismo. Ora, isto é uma completa ignorância da teoria marxista! O materialismo dialético não afirma a identidade entre o conhecimento e o mundo sensível, que seria uma das consequências da filosofia de Comte. O mundo objetivo existe no pensamento – sendo, então conhecido – não como cópia, mas como reflexo (e como disse Lênin, um reflexo aproximadamente exato, no melhor dos casos). Mas se a relação entre a realidade e o pensamento, por um lado, não é de identidade, por outro, é de inseparabilidade: O sensorial e o racional não são dois degraus do conhecimento mas dois momentos que o penetram em todas as formas e em todas as etapas de desenvolvimento. O próprio pensamento nunca pode carecer do sensorial quer na sua origem, quer na forma de existência; ele sempre se baseia no sistema de sinais sensorialmente perceptíveis (KOPNIN, 1978, p. 150). Assim, o temor de que a atividade experimental redunde na aceitação do positivismo, caso se enfatize o caráter empírico dos fenômenos em estudo, é infundado. Insisti nesta demonstração por acreditar que esta postura é que pode levar a prejuízos, na medida em que conduz muitos educadores a aderir a um racionalismo idealista. Como já disse anteriormente, no limite, este tipo de concepção pode resultar na própria negação do ato de conhecer. Também não defendo um meio-termo entre estas duas posições, mas sim advogo por uma postura superadora de ambas, no sentido dialético. Em outras palavras, é estranho ao marxismo tanto o empirismo unilateral, rasteiro, que desdenha das abstrações como a teorização vazia, desvinculada dos fatos e fenômenos da realidade. As abstrações são boas quando têm a tarefa de desvendar as leis reais da natureza e da sociedade, quando armam o homem com o conhecimento dos processos profundos, inacessíveis à contemplação imediata, sensorial. Mas se o pensamento se encerra em abstrações, deixa de ser meio de conhecimento da realidade, transformando-se em instrumento para distanciar-se dela. Só a correta combinação do conhecimento experimental com o pensamento teórico assegura a obtenção da verdade objetiva (ibidem, p. 160).
  • 5. 3 CONCEPÇÃO HISTÓRICO-CRÍTICA DA ATIVIDADE EXPERIMENTAL NO ENSINO DE CIÊNCIAS Na seção anterior, caracterizei brevemente a atividade experimental conforme uma visão histórica, crítica, dialética. Determinemos agora como esta atividade servirá ao ensino do conhecimento científico, de acordo com a mesma visão; explicitemos a especificidade didática dos experimentos científicos. Antes, apresento outras sínteses nesta direção. A bem da verdade, recorrerei apenas a dois autores, que julguei como os que têm melhor contribuído substancialmente para as aproximações entre a Pedagogia Histórico-Crítica e alguns dos referenciais para o ensino de ciências. O primeiro deles é Paulo M. M. Teixeira, que vem investigando os paralelos entre as pedagogias críticas e o movimento Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS), deixando transparecer certa preferência pela Pedagogia Histórico-Crítica, objeto de consideração de um de seus artigos (TEIXEIRA, 2003). Nele, elencam-se pontos de intersecção entre a obra de Saviani e o movimento CTS, donde extraímos o seguinte fragmento, que trata da questão das metodologias de ensino: As observações relativas às questões de metodologia colocadas pela Pedagogia Histórico-Crítica atentam para a busca de métodos que sejam compatíveis com os interesses e necessidades dos aprendizes, respeitando seus respectivos ritmos de aprendizagem e desenvolvimento cognitivo, sem abandonar os aspectos conceituais e estruturais de cada setor de conhecimento. [Estas] orientações [...] são claras ao apontar a necessidade de superação das metodologias arcaicas, baseadas apenas no processo de transmissão-recepção de informações veiculadas por aulas predominantemente expositivas. Portanto, busca- se dinamizar o processo de ensino-aprendizagem como forma de permitir uma aprendizagem significativa e vinculada aos acontecimentos do mundo e da sociedade em geral (p. 185). Apesar deste valioso esforço inicial por aproximar o ensino de ciências de referenciais críticos, o segundo autor que apresento parece avançar mais neste sentido, já explicitando a especificidade do experimento enquanto estratégia de ensino, conforme a orientação histórico- crítica. Trata-se de César Sátiro dos Santos, autor do livro Ensino de ciências: abordagem histórico-crítica (SANTOS, 2005). Na obra, Santos inicia uma seção dedicada à atividade experimental com as seguintes palavras:
  • 6. O ensino por meio da experimentação é quase uma necessidade no âmbito das ciências naturais. Ocorre que podemos perder o sentido da construção científica se não relacionarmos experimentação, construção de teorias e realidade socioeconômica e se não valorizarmos a relação entre teoria e experimentação, pois ela é o próprio cerne do processo científico (p. 61). E entre uma e outra transcrição literal de Sobre a prática, de Mao Tsé-Tung, são apresentadas as sínteses: A prática científica é parte da prática social global do homem. [...] O conhecimento estabelecido pode ser testado. A ciência elabora teorias que respondem às demandas da prática. Não se pode falar de ciência essencialmente teórica ou prática. O saber científico é a relação dialética entre teoria e prática. [...] O laboratório, sem teoria, é prática vazia e sem sentido. A teoria, sem prática que a confirme, é indiferenciável do conhecimento filosófico, religioso ou artístico. Não existe ciência sem ressonância prática, mas nem toda prática deriva para a ciência. Faz parte da especificidade científica sua natureza prática, bem como seu aspecto quantitativo. [...] A prática confirma a teoria, mas também é o ponto de partida para sua superação (p. 61-62). Portanto, Santos ressalta a unidade dialética entre teoria e prática, afirmando a necessidade do laboratório escolar contribuir para a explicitação desta relação. Ao mesmo tempo, convida o saber científico a se imiscuir na prática, tomando a inseparabilidade entre teoria e prática como qualidade específica deste saber. 4 NOVAS CONTRIBUIÇÕES PARA ESTA CONCEPÇÃO Saviani entende por práxis este conceito sintético que articula teoria e prática. Em outros termos, [vê] a práxis como uma prática fundamentada teoricamente. Se a teoria desvinculada da prática se configura como contemplação, a prática desvinculada da teoria é puro espontaneísmo (2008, p. 141). Conforme esta posição, o conhecimento se faz pela “passagem do empírico ao concreto, pela mediação do abstrato [ou] da síncrese à síntese, pela mediação da análise”. O método pedagógico baseado nestes pressupostos tomará, então, “a prática como ponto de partida e ponto de chegada” (ibidem, p. 142). Se a experimentação para o ensino de ciências serve a essa passagem do empírico ao concreto, então ela é um método admitido pela Pedagogia Histórico-Crítica. Mas não se pode perder de vista sua especificidade, proporcionar a apropriação, pelos homens, da cultura
  • 7. elaborada coletiva e historicamente. E é a partir daí que retomo minha crítica ao construtivismo. Conforme afirmei, os educadores construtivistas se entusiasmam com a possibilidade do laboratório se converter num espaço para o exercício da autonomia dos estudantes. Não estou destituindo a importância disto. Mas o modo como este discurso vem se apresentando leva-me a crer que os educadores estariam secundarizando especificidade da educação, propondo o primado de seu aspecto político. Tomando as onze teses sobre educação e política de Saviani (SAVIANI, 1993), diz a tese 11: A função política da educação se cumpre na medida em que se realiza enquanto prática especificamente pedagógica. E observa ele que Esta tese afirma a autonomia relativa da educação em face da política como condição mesma da realização de sua contribuição política. Isto é óbvio uma vez que, se a educação for dissolvida na política, já não cabe mais falar de prática pedagógica restando apenas a prática política. Desaparecendo a educação, como falar de sua função política? (ibidem, p. 100). Por fim, agrego contribuições da Psicologia Histórico-Cultural. Para isso, considerarei o laboratório didático científico e seus instrumentos como ferramentas, isto é, construções que atendem a certas necessidades impostas pela prática, dirigidas à satisfação destas necessidades. Inicio lembrando que as ferramentas, para esta psicologia, são fundamentais para a gênese das chamadas funções psicológicas superiores, que diferenciam os homens dos outros animais. Enquanto os instrumentos de trabalho são ferramentas orientadas para o mundo exterior, existem também aquelas que se orientam para o interior do homem: os signos, materializados na linguagem. não podemos explicar satisfatoriamente o trabalho como atividade humana voltada para um fim, afirmando que ele é desencadeado por objetivos, por tarefas que se encontram diante do homem; devemos explicá-lo com o auxílio do emprego de ferramentas, de aplicação de meios originais sem os quais o trabalho não poderia surgir; de igual maneira, para a explicação de todas as formas superiores de comportamento humano, a questão central é a dos meios através dos quais o homem domina o processo do próprio comportamento. [...] todas as funções psíquicas superiores têm como traço comum o fato de serem processos mediatos, [...] de incorporarem à sua estrutura, como parte central de todo o processo, o emprego de signos como meio fundamental de orientação e domínio nos processos psíquicos (VIGOTSKI, 2001, p. 161). A obra citada acima apresenta diversos estudos sobre a formação do pensamento infantil. Não conseguirei, nos limites impostos a este texto, deter-me nestes aspectos e articulá-los para uma visão crítico-dialética da atividade experimental no ensino de ciências.
  • 8. Mas será possível iniciar um trabalho nessa direção aproveitnado conceitos e passagens expostos por Leontiev, colaborador de Vigotski, na obra O desenvolvimento do psiquismo (LEONTIEV, 1978). Analisando, neste livro, a produção e a utilização de instrumentos no trabalho, Leontiev afirma que [isto] só é possível em ligação com a consciência do fim da ação de trabalho. Mas a utilização de um instrumento acarreta que se tenha consciência do objeto da ação nas suas propriedades objetivas. O uso do machado, por exemplo, não responde ao único fim de uma ação concreta; ele reflete objetivamente as propriedades do objeto de trabalho para o qual se orienta a ação. O golpe do machado submete as propriedades do material de que é feito este objeto a uma prova infalível; assim se realiza uma análise prática e uma generalização das propriedades objetivas dos objetos segundo um índice determinado, objetivado no próprio instrumento. Assim é o instrumento que é de certa maneira portador da primeira verdadeira abstração consciente e racional, da primeira generalização consciente e racional (p. 82). Adiante, há diversas passagens relevantes para o tema desta seção, que transcrevo (e que serão suficientes para minha argumentação): A questão do desenvolvimento do homem, considerado em ligação com o desenvolvimento da cultura e da sociedade [...] leva a perguntar-se em que consiste e como se desenrola o processo [...] de apropriação pelos indivíduos das aquisições do desenvolvimento histórico da sociedade [...], que é ao mesmo tempo o processo de formação de suas faculdades específicas do homem? [...] O instrumento é o produto da cultura material que leva em si, da maneira mais evidente e mais material, os traços característicos da criação humana. [...] O instrumento é ao mesmo tempo um objeto social no qual estão incorporadas e fixadas as operações de trabalho historicamente elaboradas. [...] A apropriação dos instrumentos implica, portanto, uma reorganização dos movimentos naturais instintivos do homem e a formação de faculdades motoras superiores. A aquisição do instrumento consiste, portanto, para o homem, em se apropriar das operações motoras que nele estão incorporadas. É ao mesmo tempo um processo de formação activa de aptidões novas, de funções superiores, “psicomotoras”, que “hominizam” a sua esfera motriz (p. 268-270, grifos meus). Considerando que as ferramentas cristalizam ou materializam determinadas operações motoras de trabalho historicamente elaboradas, reside aí a importância de estarem disponíveis aos estudantes em seu processo formal de aprendizagem, quando estas operações aparecem em vinculação com os conteúdos curriculares. Possibilitados de um contato com estas ferramentas, os educandos poderão se apropriar das atividades encarnadas nelas que, posteriormente, se interiorizarão em sua estrutura psíquica, conforme a teoria do reflexo. Por exemplo, o instrumento de laboratório conhecido como bureta encarna em si certas operações químicas, sendo a principal a de titulação. O manuseio correto e orientado desta ferramenta deverá permitir a interiorização não apenas da operação motora de titular
  • 9. uma amostra, mas também dos conceitos que esta operação carrega em sua significação social, por exemplo, os conceitos químicos de ácido e base e do funcionamento dos indicadores químicos. Veja que esta teoria se apresenta como uma tentativa de extrair da Psicologia Histórico-Cultural elementos para a compreensão da importância do laboratório de ciências na educação formal. Apresentei-a tomando como referência os instrumentos de laboratório, mas considero-a válida para o laboratório como um todo. Este espaço, em sua singularidade e especificidade para o ensino de ciências, objetiva todo um conjunto de atividades, ações e operações práticas, desenvolvidas historicamente, e acessíveis para a incorporação na estrutura psíquica dos indivíduos que ali desenvolvam novas atividades. A formação das funções psíquicas superiores estará assim recebendo um incremento. Além disso, entendo que este movimento de apropriação de objetivações históricas gera no homem “novas necessidades e [conduz] a novas formas de ação, num constante movimento de superação por incorporação” (DUARTE, 2007, p. 23). Espero ter adicionado, senão novos desenvolvimentos, pelo menos algumas polêmicas para um entendimento crítico-dialético da importância do laboratório escolar. Percebo, no entanto, que há ainda muito trabalho a ser investido nesta direção, tendo minhas colocações um caráter tentativo, que se somam às investigações dos autores que apresentei na seção 2. 5 REFERÊNCIAS DUARTE, N. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2007. KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira 1978 KRASILCHICK, M. O professor e o currículo de Ciências. São Paulo: EPU/EDUSP, 1987. LÉNINE, V. I. Materialismo e empiriocriticismo: novas críticas sobre uma filosofia reaccionária. 2. ed. Lisboa: Estampa, 1975. LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário, 1978. PINHO ALVES, J. Atividades experimentais: do método à prática construtivista. 2000. Tese (Doutorado em Educação)-Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000. SANTOS, C. S. Ensino de ciências: abordagem histórico-crítica. Campinas: Armazém do Ipê (Autores Associados), 2005. SAVIANI, D. Escola e democracia. 27. ed. Campinas: Autores Associados, 1993. TEIXEIRA, P. M. M. A educação científica na perspectiva da pedagogia histórico-crítica e do movimento CTS no ensino de ciências. Ciência & Educação, Bauru,v. 9, n. 2, p. 177-190, 2003. VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.