SlideShare uma empresa Scribd logo
EVOLUÇÃO DA
RADIOLOGIA
THYAGO SOARES
TECNÓLOGO EM
RADIOLOGIA
PROFESSOR DE BIOLOGIA
Evolução Radiologia
RADIOLOGIA
 1. Ciência que estuda os raios X e outros
fluxos radioativos, e a sua aplicação para
obtenção de radiografias, tratamentos
médicos etc.; RADIOGRAFIA
 2. Especialidade médica relacionada a
essas atividades.
 [F.: radi(o)-1 + -logia.]
RADIOLOGIA
 Área da medicina que usa radiação para
fins médicos.
 SUBDIVISÃO:
-RADIODIAGNÓSTICO
-RADIOTERAPIA
-MEDICINA NUCLEAR
-RADIOISOTOPIA
-RADIOLOGIA INDUSTRIAL
RADIODIAGNÓSTICO
SUBDIVISÃO:
-RADIOGRAFIA SIMPLES
-RADIOGRAFIA CONTRASTADA
-HEMODINÂMICA
-MAMOGRAFIA
-DENSIOTOMETRIA ÓSSEA
-TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA
-RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
-RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA
-ULTRASSONOGRAFIA
Evolução Radiologia
RAIOS X
 Descoberto em 08 de
novembro de 1895, pelo
físico Wilhelm Conrad
Roentgen.
 Radiação eletromagnética
do tipo ionizante com
poder de penetração em
objetos biológicos.
 Utilização na medicina e
indústria.
 Marketing, mídia e
demonstração as pessoas.
O PÚBLICO ESTAVA FASCINADO
COM OS RAIOS X
 Causam movimento de outros elétrons
(gases), dando como resultado
partículas eletricamente carregadas –
EFEITO IONIZANTE
 Causam mudança nas células dos tecidos
dos seres vivos, os que podem sofrer
mutação, inflamação ou morte – EFEITO
BIOLÓGICO
 Se deslocam, como a luz, sempre em
linha reta
 Na prática, não sofrem reflexão, refração
ou difração
 Desequilíbrio nuclear: relação entre a quantidade de
prótons e nêutrons->Nuclídeos.
 Eliminação de uma partícula e/ou energia em forma de
radiação-desintegração radioativa.
 Átomo radioativo->Radioisótopo
 Alcance do equilíbrio
 A radioatividade pode ser definida como a emissão de
partículas e energia por um núcleo para que ele alcance
a estabilidade
 Não produzida ou modificada pelo homem.
 É responsável por mais da metade da exposição
a que uma pessoa está sujeita.
 No Brasil, há cidades como Araxá, Guarapari e
Poços de Caldas que apresentam um alto índice
de radioatividade natural.
Evolução Radiologia
 Em 1967, iniciaram-se as 11 pesquisas sobre
reconhecimento de imagens e técnicas de
armazenamento de dados em um computador.
 Em 1971 foi realizado o primeiro teste de um
“SCANNER” do crânio, num hospital de Londres.
 O scanner foi apresentado oficialmente em 1972.
 A.M Comark (Físico norte americano) e Geoffrey
Hounsfield (engenheiro inglês).
 EMI primeira empresa a fabricar o scanner.
Gravadora de discos (Beatles).
 Reconhecidos como TOMÓGRAFOS
COMPUTADORIZADOS.
 Em 1979, estes dois cientistas receberam o
prêmio Nobel.
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR
RM, RMN, IRM.
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Em 1977 Damadian e sua equipe produziram
com sucesso o primeiro aparelho de RM, do
corpo humano
PREÇO
INSTALAÇÃO
TREINAMENTO
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
 APARELHOS MAIS
POTENTES
 COMUNICAÇÃO E
COMANDOS POR
TELEPATIA
 PET-RM
RADIOLOGIA INDUSTRIAL
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
CONSEQUÊNCIAS
EFEITOS BIOLÓGICOS
ALTA EXPOSIÇÃO
DESCOBERTA DOS RAIOS X
Evolução Radiologia
MÉTODOS DE PROTEÇÃO
 DISTÂNCIA
 TEMPO
 BLINDAGEM
46
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
 São originadas por cargas elétricas oscilantes.
Propagam-se no vácuo.
 Exemplos:
-Ondas de rádio
-Raios-X
-Ondas luminosas
NÍVEIS DE ENERGIA
 Emissões de partículas
 Partículas Alfa (α), Beta (β)
e Gama (γ).
 Nuclear: Alfa e Beta
(corpusculares).
 Não-nuclear: Gama
(eletromagnética).
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
 QUANTIDADE DE ENERGIA DEPOSITADA OU
TRANSFERIDA POR UNIDADE DE
COMPRIMENTO EM UM MATERIAL
ABSORVEDOR.
 DIFERENCIA RADIAÇÃO IONIZANTE DE NÃO-
IONIZANTE.
Imediatos
Tardios
Estocásticos
Determinísticos
Genéticos
Somáticos
 ESTOCÁTICOS: NÃO POSSUI LIMIAR DE
DOSE. PROPORCIONAL À DOSE DE
RADIAÇÃO RECEBIDA. CÂNCER
 DETERMINÍSTICOS: POSSUEM LIMIAR DE
DOSE. ERITEMAS E QUEIMADURAS.
Evolução Radiologia
 Consideram-se agentes de risco físico as
diversas formas de energia a que possam
estar expostos os trabalhadores, tais como:
• Ruído
• Calor
• Frio
• Pressão
• Umidade
• radiações ionizantes e não-ionizantes
• vibração
RISCOS FÍSICOS
 RUÍDO
• O ruído é definido como um som indesejável, produto das
atividades diárias da comunidade. O som representa as
vibrações mecânicas da matéria através do qual ocorre o fluxo
de energia na forma de ondas sonoras.
• Causa cansaço, irritação, dores de cabeça, diminuição da
audição, problemas do aparelho digestivo, taquicardia, perigo
de infarto.
RISCOS FÍSICOS
 RADIAÇÕES IONIZANTES
• Radiação Ionizante: partícula ou onda
eletromagnética que ao interagir com a matéria,
ioniza direta ou indiretamente seus átomos ou
moléculas
• Alterações na células, câncer, fadiga, problemas
visuais, acidente do trabalho.
RISCOS FÍSICOS
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
Evolução Radiologia
 RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES
• Ao contrário da anterior, não tem poder de
ionização. Apenas podem ativar todo o conjunto de
átomos que recebem esta carga de energia. São
classificadas pelo comprimento de onda de
nanômetros a quilômetros.
• Queimaduras, lesões nos olhos, na pele e em outros
órgãos.
RISCOS FÍSICOS
Magnetofosfeno
Temperatura
Níveis de ruído
Gravidez
Evolução Radiologia
Proteção
Radiológica
Otimização
Justificação
Limitação
de dose
Cirurgião tem dedos da mão amputados em função de
sucessivos procedimentos de fluoroscopia sem observar
procedimentos de proteção radiológica (SZEJNFELD,
2012).
Distância
Tempo
Blindagem
NORMAS E REGULAMENTOS
O PAPEL DA LEGISLAÇÃO
Imposição de Regras  Benefício referente à prática de
determinada atividade.
Preocupação com valores humanos;
Qualidade de vida no trabalho;
Meio ambiente e preservação à natureza
 IAEA – Agência Internacional de Energia Atômica  Uso
pacífico da tecnologia nuclear.
 ICRP – Comissão Internacional de Proteção Radiológica
 Recomendações de radioproteção.
 UNSCEAR – Comitê Científico das Nações Unidas sobre
os Efeitos da Radiação Atômica  Riscos de radiação
artificial e natural.
 BEIR – Comitê de Efeitos Biológicos das Radiações
Ionizantes  Advertência contra possíveis acidentes
radiológicos.
 CNEN – Comissão Nacional de Energia Nuclear 
Licenciamento, fiscalização e regulamentação de
atividades ligadas à energia nuclear no país.
Institutos especializados: IRD, IPEN, IEN e CDTN.
 ÓRGÃOS DE SAÚDE: Ministério, Secretarias Estaduais
e Municipais  Vigilância Sanitária
*MTE – Ministério do Trabalho e Emprego  Normas
Regulamentadoras.
“O mais importante de tudo é nunca deixar
de se perguntar. A curiosidade tem sua
própria razão de existir.”
Albert Einstein

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
Magno Cavalheiro
 
História da radiologia aula
História da radiologia aulaHistória da radiologia aula
História da radiologia aula
Douglas Henrique
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentosTomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
welberrj
 
História da radiologia no mundo Aula 1
História da radiologia no mundo   Aula 1História da radiologia no mundo   Aula 1
História da radiologia no mundo Aula 1
Magno Cavalheiro Faria
 
História da radiologia
História da radiologiaHistória da radiologia
História da radiologia
Douglas Henrique
 
Exames Radiológicos - Aula.
Exames  Radiológicos -  Aula.Exames  Radiológicos -  Aula.
Exames Radiológicos - Aula.
Valdetrudes Júnior
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
Kery Albuquerque
 
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNSFILMES E ECRÁNS
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Paulo Fonseca
 
Historia da radiologia dr. biasoli
Historia da radiologia dr. biasoliHistoria da radiologia dr. biasoli
Historia da radiologia dr. biasoli
Leonardo Flor
 
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIARFÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
CURSO TÉCNICO CEPRAMED
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
História da radiologia no brasil aula 2
História da radiologia no brasil aula 2História da radiologia no brasil aula 2
História da radiologia no brasil aula 2
Magno Cavalheiro
 
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por RadiaçõesRadioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Fernando Belome Feltrin
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
Nathanael Melchisedeck Brancaglione
 
Aula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologiaAula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologia
radiomed
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Pedro Antonio
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Heraldo Silva
 

Mais procurados (20)

AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
História da radiologia aula
História da radiologia aulaHistória da radiologia aula
História da radiologia aula
 
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIAINTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
INTRODUÇÃO A RADIOLOGIA
 
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentosTomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
Tomografia computadorizada tecnologia_e_funcionamento_equipamentos
 
História da radiologia no mundo Aula 1
História da radiologia no mundo   Aula 1História da radiologia no mundo   Aula 1
História da radiologia no mundo Aula 1
 
História da radiologia
História da radiologiaHistória da radiologia
História da radiologia
 
Exames Radiológicos - Aula.
Exames  Radiológicos -  Aula.Exames  Radiológicos -  Aula.
Exames Radiológicos - Aula.
 
Medicina nuclear
Medicina nuclearMedicina nuclear
Medicina nuclear
 
FILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNSFILMES E ECRÁNS
FILMES E ECRÁNS
 
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios XFormação das imagens convencionais e digitais: raios X
Formação das imagens convencionais e digitais: raios X
 
Historia da radiologia dr. biasoli
Historia da radiologia dr. biasoliHistoria da radiologia dr. biasoli
Historia da radiologia dr. biasoli
 
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIARFÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
FÍSICA RADIOLÓGICA 2016- GRUPO IRRADIAR
 
Principios da radiologia
Principios da radiologiaPrincipios da radiologia
Principios da radiologia
 
História da radiologia no brasil aula 2
História da radiologia no brasil aula 2História da radiologia no brasil aula 2
História da radiologia no brasil aula 2
 
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por RadiaçõesRadioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
Radioterapia - Tratamento de Câncer por Radiações
 
Proteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das RadiaçõesProteção e Higiene das Radiações
Proteção e Higiene das Radiações
 
Aula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologiaAula 1 imaginologia
Aula 1 imaginologia
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITAL
 
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicosAula 1 - histórico e aspectos físicos
Aula 1 - histórico e aspectos físicos
 
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologiaEquipamentos e Acessórios em radioimaginologia
Equipamentos e Acessórios em radioimaginologia
 

Destaque

Aula de Radiologia
Aula de RadiologiaAula de Radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologiaApresentação trabalho de introdução a radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologia
juscelino Alves
 
A história da radiologia no brasil
A história da radiologia no brasilA história da radiologia no brasil
A história da radiologia no brasil
Gabriel da Cruz
 
Trabalho de radiologia
Trabalho de radiologiaTrabalho de radiologia
Trabalho de radiologia
Cristiane Dias
 
Artigo legislação radiologia
Artigo legislação radiologiaArtigo legislação radiologia
Artigo legislação radiologia
Adriano Silva
 
A descoberta do Raio-x
A descoberta do Raio-xA descoberta do Raio-x
A descoberta do Raio-x
Nikadotamo Katalukudo
 
Aula filmes radiográficos
Aula   filmes radiográficosAula   filmes radiográficos
Aula filmes radiográficos
Lucas Pereira
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
Cristiane Dias
 
Rádio ontem e hoje
Rádio ontem e hojeRádio ontem e hoje
Rádio ontem e hoje
Rita Rocha
 
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIAPROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Mercado de trabalho e perspectiva da Radiologia
Mercado de trabalho e perspectiva da RadiologiaMercado de trabalho e perspectiva da Radiologia
Mercado de trabalho e perspectiva da Radiologia
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
Luanapqt
 
Cronologia
CronologiaCronologia
Camaraescura radiologia
Camaraescura radiologiaCamaraescura radiologia
Camaraescura radiologia
Élcio Medeiros
 
Qualidade de imagens em radiografia industrial
Qualidade de imagens em radiografia industrialQualidade de imagens em radiografia industrial
Qualidade de imagens em radiografia industrial
Walmor Godoi
 
Filmes e processamento aula 1
Filmes e processamento   aula 1Filmes e processamento   aula 1
Filmes e processamento aula 1
Magno Cavalheiro
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia final
Gerciane Neves
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
Bruna Silva
 
Ensaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosEnsaios não destrutivos
Ensaios não destrutivos
Raquel Marra
 
Qualificação em radiologia industrial
Qualificação em radiologia industrialQualificação em radiologia industrial
Qualificação em radiologia industrial
jamaelblima
 

Destaque (20)

Aula de Radiologia
Aula de RadiologiaAula de Radiologia
Aula de Radiologia
 
Apresentação trabalho de introdução a radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologiaApresentação trabalho de introdução a radiologia
Apresentação trabalho de introdução a radiologia
 
A história da radiologia no brasil
A história da radiologia no brasilA história da radiologia no brasil
A história da radiologia no brasil
 
Trabalho de radiologia
Trabalho de radiologiaTrabalho de radiologia
Trabalho de radiologia
 
Artigo legislação radiologia
Artigo legislação radiologiaArtigo legislação radiologia
Artigo legislação radiologia
 
A descoberta do Raio-x
A descoberta do Raio-xA descoberta do Raio-x
A descoberta do Raio-x
 
Aula filmes radiográficos
Aula   filmes radiográficosAula   filmes radiográficos
Aula filmes radiográficos
 
Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)Apostila posicionamento (completa)
Apostila posicionamento (completa)
 
Rádio ontem e hoje
Rádio ontem e hojeRádio ontem e hoje
Rádio ontem e hoje
 
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIAPROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
PROFISSÃO: TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA
 
Mercado de trabalho e perspectiva da Radiologia
Mercado de trabalho e perspectiva da RadiologiaMercado de trabalho e perspectiva da Radiologia
Mercado de trabalho e perspectiva da Radiologia
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
 
Cronologia
CronologiaCronologia
Cronologia
 
Camaraescura radiologia
Camaraescura radiologiaCamaraescura radiologia
Camaraescura radiologia
 
Qualidade de imagens em radiografia industrial
Qualidade de imagens em radiografia industrialQualidade de imagens em radiografia industrial
Qualidade de imagens em radiografia industrial
 
Filmes e processamento aula 1
Filmes e processamento   aula 1Filmes e processamento   aula 1
Filmes e processamento aula 1
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia final
 
Apostila de radiologia
Apostila de radiologiaApostila de radiologia
Apostila de radiologia
 
Ensaios não destrutivos
Ensaios não destrutivosEnsaios não destrutivos
Ensaios não destrutivos
 
Qualificação em radiologia industrial
Qualificação em radiologia industrialQualificação em radiologia industrial
Qualificação em radiologia industrial
 

Semelhante a Evolução Radiologia

radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf
radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdfradiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf
radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf
alessandraoliveira324
 
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Lucas Senna
 
Exercicio de radiologia
Exercicio de radiologiaExercicio de radiologia
Exercicio de radiologia
Grazi Pull
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
Herculys Douglas Clímaco Marques
 
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptxRADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
MeryslandeMoreira1
 
introdução a proteção radiológica radiologia
introdução a proteção radiológica radiologiaintrodução a proteção radiológica radiologia
introdução a proteção radiológica radiologia
PalomaCssiaVasconcel
 
Radiacao ionizante
Radiacao ionizanteRadiacao ionizante
Radiacao ionizante
Denise Leite Batalha
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Noara Thomaz
 
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdfAULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
JosivaldoSilva32
 
A RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na MedicinaA RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na Medicina
guest573ee4
 
Curso radiologia odontológica
Curso radiologia odontológica Curso radiologia odontológica
Curso radiologia odontológica
Alex Moreira
 
Trabalho de radioproteção (1)
Trabalho de radioproteção (1)Trabalho de radioproteção (1)
Trabalho de radioproteção (1)
Sandro Cabral
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
marioaraujorosas1
 
Radioproteção__radiologia__tecnologo.pdf
Radioproteção__radiologia__tecnologo.pdfRadioproteção__radiologia__tecnologo.pdf
Radioproteção__radiologia__tecnologo.pdf
PatriciaFarias81
 
HO aulas - NR – 15 - ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES.pptx
HO aulas - NR – 15 - ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES.pptxHO aulas - NR – 15 - ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES.pptx
HO aulas - NR – 15 - ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES.pptx
EdnaldoVianaDosSanto1
 
Imagenologia
ImagenologiaImagenologia
Imagenologia
Biomedicina
 
aula anatomia radiologica
aula anatomia radiologicaaula anatomia radiologica
aula anatomia radiologica
FRANKLINSILVASOUZALE
 
Ressonância magnética
Ressonância magnéticaRessonância magnética
Ressonância magnética
Douglas Henrique
 
Estudo sobre a portaria 453 na área de radiologia
Estudo sobre a portaria 453 na área de radiologiaEstudo sobre a portaria 453 na área de radiologia
Estudo sobre a portaria 453 na área de radiologia
daniloferreira176136
 
Estudo Complementar de Radiologia
Estudo Complementar de RadiologiaEstudo Complementar de Radiologia
Estudo Complementar de Radiologia
Dr Renato Soares de Melo
 

Semelhante a Evolução Radiologia (20)

radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf
radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdfradiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf
radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf radiação.pdf
 
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
 
Exercicio de radiologia
Exercicio de radiologiaExercicio de radiologia
Exercicio de radiologia
 
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICALEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
LEGISLAÇÃO RADIOLÓGICA
 
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptxRADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
RADIOPROTEÇÃO APLICADA A RADIOTERAPIA CECAPTEC.pptx
 
introdução a proteção radiológica radiologia
introdução a proteção radiológica radiologiaintrodução a proteção radiológica radiologia
introdução a proteção radiológica radiologia
 
Radiacao ionizante
Radiacao ionizanteRadiacao ionizante
Radiacao ionizante
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia Digital
 
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdfAULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
AULA 1 - RADIOTERAPIA INTRODUÇÃO E HISTÓRIA.pdf.pdf
 
A RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na MedicinaA RadiaçãO Na Medicina
A RadiaçãO Na Medicina
 
Curso radiologia odontológica
Curso radiologia odontológica Curso radiologia odontológica
Curso radiologia odontológica
 
Trabalho de radioproteção (1)
Trabalho de radioproteção (1)Trabalho de radioproteção (1)
Trabalho de radioproteção (1)
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
 
Radioproteção__radiologia__tecnologo.pdf
Radioproteção__radiologia__tecnologo.pdfRadioproteção__radiologia__tecnologo.pdf
Radioproteção__radiologia__tecnologo.pdf
 
HO aulas - NR – 15 - ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES.pptx
HO aulas - NR – 15 - ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES.pptxHO aulas - NR – 15 - ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES.pptx
HO aulas - NR – 15 - ANEXO N.º 5 RADIAÇÕES IONIZANTES.pptx
 
Imagenologia
ImagenologiaImagenologia
Imagenologia
 
aula anatomia radiologica
aula anatomia radiologicaaula anatomia radiologica
aula anatomia radiologica
 
Ressonância magnética
Ressonância magnéticaRessonância magnética
Ressonância magnética
 
Estudo sobre a portaria 453 na área de radiologia
Estudo sobre a portaria 453 na área de radiologiaEstudo sobre a portaria 453 na área de radiologia
Estudo sobre a portaria 453 na área de radiologia
 
Estudo Complementar de Radiologia
Estudo Complementar de RadiologiaEstudo Complementar de Radiologia
Estudo Complementar de Radiologia
 

Último

Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídiaDivulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
N G
 
FRATURAS DE PUNHO E ANTEBRAÇO NA CRIANÇA E EPIFISIÓLISE.pptx
FRATURAS DE PUNHO E ANTEBRAÇO NA CRIANÇA E EPIFISIÓLISE.pptxFRATURAS DE PUNHO E ANTEBRAÇO NA CRIANÇA E EPIFISIÓLISE.pptx
FRATURAS DE PUNHO E ANTEBRAÇO NA CRIANÇA E EPIFISIÓLISE.pptx
consultarapidakmorai
 
Cromatografia Gasosa - 1.ppt_Histórico e aplicabilidade.
Cromatografia Gasosa - 1.ppt_Histórico e aplicabilidade.Cromatografia Gasosa - 1.ppt_Histórico e aplicabilidade.
Cromatografia Gasosa - 1.ppt_Histórico e aplicabilidade.
Alexandre Isaac Bueno
 
Divulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídiaDivulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídia
N G
 
MANUAL DE TAROT 2 manual de tarot 2 manual de tarot 2
MANUAL DE TAROT 2 manual de tarot 2 manual de tarot 2MANUAL DE TAROT 2 manual de tarot 2 manual de tarot 2
MANUAL DE TAROT 2 manual de tarot 2 manual de tarot 2
supremusmaster1
 
GEOGRAFIA DO BRASIL para estudo de concurso
GEOGRAFIA DO BRASIL para estudo de concursoGEOGRAFIA DO BRASIL para estudo de concurso
GEOGRAFIA DO BRASIL para estudo de concurso
IagoSoares13
 

Último (6)

Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídiaDivulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
Divulgação científica: o jornalista, o cientista e a mídia
 
FRATURAS DE PUNHO E ANTEBRAÇO NA CRIANÇA E EPIFISIÓLISE.pptx
FRATURAS DE PUNHO E ANTEBRAÇO NA CRIANÇA E EPIFISIÓLISE.pptxFRATURAS DE PUNHO E ANTEBRAÇO NA CRIANÇA E EPIFISIÓLISE.pptx
FRATURAS DE PUNHO E ANTEBRAÇO NA CRIANÇA E EPIFISIÓLISE.pptx
 
Cromatografia Gasosa - 1.ppt_Histórico e aplicabilidade.
Cromatografia Gasosa - 1.ppt_Histórico e aplicabilidade.Cromatografia Gasosa - 1.ppt_Histórico e aplicabilidade.
Cromatografia Gasosa - 1.ppt_Histórico e aplicabilidade.
 
Divulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídiaDivulgação científica: o cientista e a mídia
Divulgação científica: o cientista e a mídia
 
MANUAL DE TAROT 2 manual de tarot 2 manual de tarot 2
MANUAL DE TAROT 2 manual de tarot 2 manual de tarot 2MANUAL DE TAROT 2 manual de tarot 2 manual de tarot 2
MANUAL DE TAROT 2 manual de tarot 2 manual de tarot 2
 
GEOGRAFIA DO BRASIL para estudo de concurso
GEOGRAFIA DO BRASIL para estudo de concursoGEOGRAFIA DO BRASIL para estudo de concurso
GEOGRAFIA DO BRASIL para estudo de concurso
 

Evolução Radiologia

  • 1. EVOLUÇÃO DA RADIOLOGIA THYAGO SOARES TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PROFESSOR DE BIOLOGIA
  • 3. RADIOLOGIA  1. Ciência que estuda os raios X e outros fluxos radioativos, e a sua aplicação para obtenção de radiografias, tratamentos médicos etc.; RADIOGRAFIA  2. Especialidade médica relacionada a essas atividades.  [F.: radi(o)-1 + -logia.]
  • 4. RADIOLOGIA  Área da medicina que usa radiação para fins médicos.  SUBDIVISÃO: -RADIODIAGNÓSTICO -RADIOTERAPIA -MEDICINA NUCLEAR -RADIOISOTOPIA -RADIOLOGIA INDUSTRIAL
  • 5. RADIODIAGNÓSTICO SUBDIVISÃO: -RADIOGRAFIA SIMPLES -RADIOGRAFIA CONTRASTADA -HEMODINÂMICA -MAMOGRAFIA -DENSIOTOMETRIA ÓSSEA -TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA -RESSONÂNCIA MAGNÉTICA -RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA -ULTRASSONOGRAFIA
  • 7. RAIOS X  Descoberto em 08 de novembro de 1895, pelo físico Wilhelm Conrad Roentgen.  Radiação eletromagnética do tipo ionizante com poder de penetração em objetos biológicos.  Utilização na medicina e indústria.  Marketing, mídia e demonstração as pessoas.
  • 8. O PÚBLICO ESTAVA FASCINADO COM OS RAIOS X
  • 9.  Causam movimento de outros elétrons (gases), dando como resultado partículas eletricamente carregadas – EFEITO IONIZANTE  Causam mudança nas células dos tecidos dos seres vivos, os que podem sofrer mutação, inflamação ou morte – EFEITO BIOLÓGICO  Se deslocam, como a luz, sempre em linha reta  Na prática, não sofrem reflexão, refração ou difração
  • 10.  Desequilíbrio nuclear: relação entre a quantidade de prótons e nêutrons->Nuclídeos.  Eliminação de uma partícula e/ou energia em forma de radiação-desintegração radioativa.  Átomo radioativo->Radioisótopo  Alcance do equilíbrio  A radioatividade pode ser definida como a emissão de partículas e energia por um núcleo para que ele alcance a estabilidade
  • 11.  Não produzida ou modificada pelo homem.  É responsável por mais da metade da exposição a que uma pessoa está sujeita.  No Brasil, há cidades como Araxá, Guarapari e Poços de Caldas que apresentam um alto índice de radioatividade natural.
  • 13.  Em 1967, iniciaram-se as 11 pesquisas sobre reconhecimento de imagens e técnicas de armazenamento de dados em um computador.  Em 1971 foi realizado o primeiro teste de um “SCANNER” do crânio, num hospital de Londres.  O scanner foi apresentado oficialmente em 1972.  A.M Comark (Físico norte americano) e Geoffrey Hounsfield (engenheiro inglês).
  • 14.  EMI primeira empresa a fabricar o scanner. Gravadora de discos (Beatles).  Reconhecidos como TOMÓGRAFOS COMPUTADORIZADOS.  Em 1979, estes dois cientistas receberam o prêmio Nobel.
  • 33. Em 1977 Damadian e sua equipe produziram com sucesso o primeiro aparelho de RM, do corpo humano
  • 37.  APARELHOS MAIS POTENTES  COMUNICAÇÃO E COMANDOS POR TELEPATIA  PET-RM
  • 45. MÉTODOS DE PROTEÇÃO  DISTÂNCIA  TEMPO  BLINDAGEM
  • 46. 46
  • 49.  São originadas por cargas elétricas oscilantes. Propagam-se no vácuo.  Exemplos: -Ondas de rádio -Raios-X -Ondas luminosas
  • 51.  Emissões de partículas  Partículas Alfa (α), Beta (β) e Gama (γ).  Nuclear: Alfa e Beta (corpusculares).  Não-nuclear: Gama (eletromagnética).
  • 56.  QUANTIDADE DE ENERGIA DEPOSITADA OU TRANSFERIDA POR UNIDADE DE COMPRIMENTO EM UM MATERIAL ABSORVEDOR.  DIFERENCIA RADIAÇÃO IONIZANTE DE NÃO- IONIZANTE.
  • 58.  ESTOCÁTICOS: NÃO POSSUI LIMIAR DE DOSE. PROPORCIONAL À DOSE DE RADIAÇÃO RECEBIDA. CÂNCER  DETERMINÍSTICOS: POSSUEM LIMIAR DE DOSE. ERITEMAS E QUEIMADURAS.
  • 60.  Consideram-se agentes de risco físico as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como: • Ruído • Calor • Frio • Pressão • Umidade • radiações ionizantes e não-ionizantes • vibração RISCOS FÍSICOS
  • 61.  RUÍDO • O ruído é definido como um som indesejável, produto das atividades diárias da comunidade. O som representa as vibrações mecânicas da matéria através do qual ocorre o fluxo de energia na forma de ondas sonoras. • Causa cansaço, irritação, dores de cabeça, diminuição da audição, problemas do aparelho digestivo, taquicardia, perigo de infarto. RISCOS FÍSICOS
  • 62.  RADIAÇÕES IONIZANTES • Radiação Ionizante: partícula ou onda eletromagnética que ao interagir com a matéria, ioniza direta ou indiretamente seus átomos ou moléculas • Alterações na células, câncer, fadiga, problemas visuais, acidente do trabalho. RISCOS FÍSICOS
  • 66.  RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES • Ao contrário da anterior, não tem poder de ionização. Apenas podem ativar todo o conjunto de átomos que recebem esta carga de energia. São classificadas pelo comprimento de onda de nanômetros a quilômetros. • Queimaduras, lesões nos olhos, na pele e em outros órgãos. RISCOS FÍSICOS
  • 70. Cirurgião tem dedos da mão amputados em função de sucessivos procedimentos de fluoroscopia sem observar procedimentos de proteção radiológica (SZEJNFELD, 2012).
  • 72. NORMAS E REGULAMENTOS O PAPEL DA LEGISLAÇÃO Imposição de Regras  Benefício referente à prática de determinada atividade. Preocupação com valores humanos; Qualidade de vida no trabalho; Meio ambiente e preservação à natureza
  • 73.  IAEA – Agência Internacional de Energia Atômica  Uso pacífico da tecnologia nuclear.  ICRP – Comissão Internacional de Proteção Radiológica  Recomendações de radioproteção.  UNSCEAR – Comitê Científico das Nações Unidas sobre os Efeitos da Radiação Atômica  Riscos de radiação artificial e natural.  BEIR – Comitê de Efeitos Biológicos das Radiações Ionizantes  Advertência contra possíveis acidentes radiológicos.
  • 74.  CNEN – Comissão Nacional de Energia Nuclear  Licenciamento, fiscalização e regulamentação de atividades ligadas à energia nuclear no país. Institutos especializados: IRD, IPEN, IEN e CDTN.  ÓRGÃOS DE SAÚDE: Ministério, Secretarias Estaduais e Municipais  Vigilância Sanitária *MTE – Ministério do Trabalho e Emprego  Normas Regulamentadoras.
  • 75. “O mais importante de tudo é nunca deixar de se perguntar. A curiosidade tem sua própria razão de existir.” Albert Einstein