SlideShare uma empresa Scribd logo
Profª Nilza M. P. Alonso
A atividade industrial faz parte do SETOR SECUNDÁRIO DE PRODUÇÃO.

 Ela está ligada à TRANSFORMAÇÃO de matérias primas diversas em
 diferentes tipos de produtos.

 Sua dinâmica relaciona-se às CONSTANTES
 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS.




A produção do açúcar e sua
cadeia produtiva, no séc.XVI
           e hoje
Objetos de cerâmica
                           (argila), alimentos
                       (farinha), tecidos, armas
                             e jóias, já eram
                         produzidos desde as
                       mais antigas civilizações:
                          são produtos cujas
                         técnicas de produção
                       antecedem a Revolução
                           Industrial – e são
                           classificadas como
                       artesanato e manufatura.

A transformação de produtos sempre existiu e se
relaciona à própria evolução da humanidade.

Tecidos, roupas, alimentos, jóias, armas,
ferramentas de trabalho são encontradas nas
mais diferentes civilizações.

Artesanato, manufatura e maquinofatura foram
as formas de transformação que antecederam a
      chamada REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
PRODUÇÃO ARTESANAL E
         MANUFATUREIRA
•A produção artesanal se caracteriza pelo
trabalho solitário do artesão – no máximo
com ajudante ou aprendiz – que realiza
todas as etapas de produção, apenas com
ferramentas simples. O artesanato,
bastante difundido na Europa e em muitas
colônias até o século XVII, tem sua
produção voltada para mercados restritos
e foi perdendo espaço como atividade
econômica na medida em que as
máquinas foram sendo aperfeiçoadas,
embora        não    tenha      desaparecido
totalmente.
•A produção manufatureira surgiu no
século XVII e pode ser considerada uma
etapa intermediária entre o artesanato e a
indústria, na qual já se utilizavam
máquinas muito simples, mas o trabalho
manual ainda era o fator principal da
produção.       Nessa       etapa     muitos
trabalhadores eram reunidos em grandes
oficinas, o trabalho era dividido e a mão de
obra assalariada
As sucessivas INOVAÇÕES
TECNOLÓGICAS geraram inúmeras
  transformações e estão na base
             de funcionamento do
         SISTEMA CAPITALISTA DE
  PRODUÇÃO, que desde o século
          XVI, tem sido o principal
   responsável pelos processos de
           organização do espaço.
Cada etapa da evolução
humana          permitiu        o
DESENVOLVIMENTO DE NOVAS
TECNOLOGIAS e de novas
formas de se “domar” a natureza
e transformá-la para criar bens,
mercadorias, produtos e serviços.
        Tudo isso só se tornou
possível   com     o    uso   de
MATÉRIAS–PRIMAS e ENERGIA...
buscadas em qualquer parte do
planeta    para    atender     as
demandas cada vez maiores das
sociedades humanas.
        Mas é com a estruturação
e    expansão     do     SISTEMA
CAPITALISTA MUNDIAL, a partir
do    século    XVI,    que    as
transformações e os processos
ligados à PRODUÇÃO e ao
CONSUMO atingiram níveis cada
vez maiores.
F
E
U
D
A
L
I
S
M
O
    A cada etapa de evolução capitalista ocorrem mudanças nas
    relações econômicas, políticas e socioculturais, que se estabelecem
    entre os países capitalistas centrais e suas periferias, responsáveis
    pela organização dos espaços nacionais e mundial.
G
                                                                  L
                                                                  O
                                                                  B
                                                                  A
                                                                  L
                                                                  I
                                                                  Z
                                                                  A
                                                                  Ç
                                                                  Ã
                                                                  O


O mundo em que vivemos e todas as características associadas a ele,
foram estruturadas a partir do final da Segunda Guerra Mundial (1939-
1945). Esse conjunto de transformações desembocam no que é
chamado, hoje, de GLOBALIZAÇÃO.
Cada etapa de evolução
     capitalista privilegiou
          uma determinada
     atividade econômica :
       O comércio, na fase
 MERCANTILISTA criou as
          pré-condições de
  acumulação primitiva de
 capitais e a ascensão de
 potências europeias, que
       organizam o espaço
  mundial à sua imagem e
               semelhança.
         Mas, as principais
    transformações foram
      desencadeadas pela
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
                 e o rápido
      desenvolvimento dos
sistemas de transportes e
        comunicações, que
  “encolheu” os espaços e
          acelerou o tempo
A INDÚSTRIA
É O SETOR MAIS DINÂMICO DA ECONOMIA. ELA
    AFETA TODOS OS DEMAIS SETORES DE
PRODUÇÃO E É CONSIDERADA COMO FATOR DE          SETORES
            DESENVOLVIMENTO                  QUATERNÁRIO E
                                               QUINÁRIO
           SETOR
          PRIMÁRIO                            CAPITAIS
   MATÉRIAS-PRIMAS                          (FINANCEIRO
     ALIMENTOS
  RECURSOS MINERAIS                        TECNOLÓGICO
                                           IMOBILIZADO)
    SETOR
  TERCIÁRIO              INDÚSTRIA
  INFRAESTRUTURA
    TRANSPORTE
      ENERGIA                                      RELAÇÕES DE
 COMÉRCIO E SEVIÇOS                                PRODUÇÃO
                            MÃO-DE-OBRA
                                                   &CONSUMO
                         MERCADO CONSUMIDOR
A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL que se inicia no final do
século XVIII é responsável por um conjunto de
transformações entre o homem e a natureza; entre o
homem e as relações de trabalho. As máquinas mudaram
as formas de trabalho e os processos produtivos. As
fábricas passam a se concentrar em regiões próximas às
fontes de matérias-primas e grandes portos, ocasionando as
grandes    concentrações     urbano-industriais.    Muitos
operários vinham das áreas rurais e cumpriam jornadas
de 12 a 14 horas em condições adversas. A legislação só
surgiu muito lentamente ao longo do século XIX e a
diminuição da jornada só se concretiza no início do século
XX.
CADA ETAPA DE
EVOLUÇÃO
CAPITALISTA MARCA
AS RELAÇÕES
POLÍTICAS E
ECONÔMICAS ENTRE
OS PAÍSES
CAPITALISTAS
CENTRAIS E OS
PAÍSES
PERIFÉRICOS. É A
CHAMADA DIVISÃO
INTERNACIONAL DO
TRABALHO (DIT).
NO MUNDO ATUAL A
DIT É ESTABELECIDA
EM FUNÇÃO DOS
FLUXOS DE
CAPITAIS.
A atividade
industrial
apresenta-se
CONCENTRAD
A.

Essa
concentração
depende da
existência de
condições
favoráveis à
sua
implantação:
são os
chamados
FATORES
LOCACIONAIS
FATORES LOCACIONAIS
Disponibilidade de capitais (financeiro e
tecnológico)
Infraestrutura de transportes e
comunicações
Fontes de energia
Incentivos governamentais
Infraestrutura de transportes e
comunicações
Disponibilidade de água e matérias
primas
Mercado consumidor
ETAPAS DE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL
                                                           PRINCIPAIS           DIT
                                MATÉRIAS-     TIPO DE
                                                             ÁREAS            (divisão
PERÍODO      MATRIZ ENERGÉTICA PRIMAS MAIS   INDÚSTRIA
                               VALORIZADAS PREDOMINANTE     URBANO-      internacional do
                                                          INDUSTRIAIS        trabalho)
                                CARVÃO,    SIDERURGIA,       PAÍSES         CLÁSSICA
                                 FERRO,   METALÚRGICA      CENTRAIS           PAÍSES
    1ª                         MANGANÊS     , MECÂNICA, Grã-Bretanha, INDUSTRIALI
             CARVÃO MINERAL
Revolução                           ,      MATERIAL DE       França,         ZADOS X
               (MÁQUINAS A
Industrial                       FIBRAS   TRANSPORTES      Alemanha,          PAÍSES
                 VAPOR)
séc XVIII                       TÊXTEIS    (FERROVIAS,       Estados      PRODUTORES
                               (ALGODÃO    IND. NAVAL),      Unidos,     DE MATÉRIAS-
                                    )         TÊXTEIS        Rússia.         PRIMAS
                                                         principalment
                                                         e nos PAÍSES CLÁSSICA
              PETRÓLEO                    QUÍMICA        CENTRAIS        iniciam-se
    2ª     HIDROELETRICIDA                PETROQUÍMIC       inicia-se    transformaçõe
                           PETRÓLEO
Revolução        DE                       A              o PROCESSO s em função
                           MATÉRIAS-
Industrial                                MATERIAL       DE              da    expansão
                             PRIMAS
 final do                                 DE             SUBSTITUIÇÃ de
                             diversas
 séc XIX                                  TRANSPORTES O             DAS investimentos
                               que
  até 2ª                                  (VEÍCULOS      IMPORTAÇÕE dos           países
                           atendem às
 Guerra                                   AUTOMOTORE S               em centrais para
                            indústrias
 Mundial                                  S, MATERIAL determinados os          NIC’s,  e
                           de bens de
                                          ELÉTRICO,      países          novas formas
                           produção e
                                          INDÚSTRIAS     periféricos     de relações de
                                de
                                          DE BENS de (custo           de trocas
                             consumo
                                          PRODUÇÃO E produção          e internacionais
                                          CONSUMO        crises      nas (capitais     X
                                          (duráveis    e economias       empréstimos,
                                          não-duráveis), centrais)       juros)
ETAPAS DE EVOLUÇÂO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL (continuação)

                                  MATÉRIAS-
                                   PRIMAS        TIPO DE       PRINCIPAIS
 PERÍODO    MATRIZ ENERGÉTICA       MAIS        INDÚSTRIA    ÁREAS URBANO-          DIT
                                  VALORIZAD   PREDOMINANTE    INDUSTRIAIS
                                     AS
                                                              transferência   Nova    divisão
            mantêm-se o uso                  BÉLICA           das unidades    internacional
            do          carvão,              AEROESPACIA       de produção    do trabalho:
            petróleo          e              L                   para os      PAÍSES
    3ª      hidroelétricas                   INFORMÁTICA         PAÍSES       CENTRAIS são
Revolução ENERGIA                            ROBÓTICA         PERIFÉRICOS     fornecedores
Industrial NUCLEAR                amplia-se TELECOMUNIC             os        de capitais e
a partir da FONTES                o leque de AÇÕES               PAÍSES       tecnologias
2ª Guerra ALTERNATIVAS DE         opções:    BIOTECNOLOG        CENTRAIS      PAÍSES
 Mundial    ENERGIA               novos      IA                permanecem     PERIFÉRICOS
            (Biocombustíveis)     materiais (ligadas       à como centros     (NIC’s)
                                  com        chamada                de        receptores de
                                  destaque revolução          investimento,   investimentos
                                  para o uso técnico-            gestão,      e    empresas,
                                  do silício científica         controle e    exportam,
                                  novas      informacional) planejamento      além         de
                                  ligas                      das atividades   produtos,
                                  metálicas                    econômicas.    também
                                                                Atuam em      capitais.
                                                             todo o planeta
                                                                através de
                                                                empresas
                                                                  multi e
                                                             transnacionais
A atividade
      industrial cria
 diferentes FLUXOS
 e PROCESSOS que
       dinamizam os
           setores de
           produção,
         integram os
             espaços
       geográficos e
         explicam as
             relações
  socioeconômicas,
políticas e culturais
      dos diferentes
              países.
COMO SE REALIZA A PRODUÇÃO


                               FINANCEIRO
                 CAPITAIS
                               TECNOLÓGICO

                MÃO DE OBRA     TRABALHO


                     CONSUMO      LUCRO




  TODA E QUALQUER MERCADORIA, BEM OU
    SERVIÇO É FRUTO DA RELAÇÃO ENTRE
  NATUREZA E INVESTIMENTOS DE CAPITAL
MEDIADAS PELO TRABALHO E A PARTIR DELAS
 FORMAM-SE CADEIAS PRODUTIVAS CADA VEZ
             MAIS COMPLEXAS
CADEIA PRODUTIVA




    A PRODUÇÃO INDUSTRIAL DINAMIZA TODOS OS
    SETORES DE PRODUÇÃO .
Em função do volume de
capitais necessários. da
quantidade de mão de obra
utilizada, e do tipo de
mercado consumidor a que
se destina, as indústrias são
classificadas em três tipos
principais:

        BENS DE
EQUIPAMENTO E PRODUÇÃO
(também chamadas de
indústrias de base)

      BENS DE CAPITAL E
INTERMEDIÁRIAS

      BENS DE CONSUMO
(DURÁVEIS E NÃO-DURÁVEIS)
O caráter
concentrador
da atividade
industrial explica
as desigualdades
socioeconomicas
mundias e
caracteriza as
relações CENTRO
PERIFERIA ,
baseadas na
DIVISÃO
INTERNACIONAL
DO TRABALHO.
BERÇO DA PRIMEIRA
REVOLUÇÃO
INDUSTRIAL, OS PAÍSES
EUROPEUS – GRÃ
BRETANHA (Inglaterra),
FRANÇA, ALEMANHA E
ITÁLIA APRESENTAM
ÁREAS DE GRANDE
DESENVOLVIMENTO
URBANO INDUSTRIAL.


 Junto com os Estados
    Unidos - Canadá e
   Japão, compõem o
conjunto das principais
 economias mundiais e
dominam as relações de
  produção e consumo
que se disseminam por
     todo o planeta.
Os Estados Unidos
  apresentam as           Líder do G7, grupo dos países mais ricos e
 principais áreas             desenvolvidos do mundo, os EUA são
    URBANO             considerados como a maior potência mundial.
INDUSTRIAIS do
     planeta.

Lá se encontram
mais da metade das
200 maiores
empresas do
planeta, que
possuem filiais em
outros países, entre
eles o Brasil.

 Suas principais
  concentrações
    formam o
MANUFACTORING
 BELT e o SUN
      BELT.
O Vale do
      Silício é a
  principal área
               de
 concentração
  de indústrias
          de alta
tecnologia que
               se
desenvolveram
      a partir da
  Guerra Fria e
          são as
      principais
representantes
            da 3ª
     Revolução
       Industrial
O Japão é, HOJE, a
terceira maior potência
industrial do planeta.
(perdeu a posição de 2ª
potência para a China)

Seu desenvolvimento se
acelerou no pós Segunda
Guerra Mundial,
principalmente graças às
inovações tecnológicas,
entre elas a
miniaturização e a
robótica.
 Investimentos maciços
em TECNOLOGIA DE
PONTA que permitiram
“driblar” sua carência em
matérias primas e a falta
de combustíveis fósseis.
A rússia, como país líder da antiga urss, era considerada
 como a 2ª grande potência mundial, durante o período da
                        guerra fria.
 a crise do socialismo (1991) fez com que país despencasse
para a 70ª posição. Sua recuperação o coloca, hoje, como
    país emergente, que é considerado parte dos brics.
A partir dos anos de 1950 o processo industrial se dissemina
       em direção aos países periféricos. É a chamada
           SUBSTITUIÇÃO DAS IMPORTAÇÕES
  Graças à abundância de matérias primas, mão de obra mais
 barata e incentivos governamentais formam-se áreas urbano
 industriais, onde se instalam FILIAIS de grandes empresas,
      diretamente vinculadas aos países capitalistas centrais.
    É a DESCONCENTRAÇÃO CONCENTRADA, que irá
reproduzir nos países periféricos as etapas que marcaram a
  industrialização dos países centrais, caracterizando sua
              INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA.
     É em função desse processo que surgem os PAÍSES
EMERGENTES: China, Índia, Brasil (junto com a Rússia) e a
  República Sul Africana, que formam os BRIC, que são os
principais NOVOS PAÍSES INDUSTRIALIZADOS (ou NIC’s, a
              sigla em inglês que os identifica)
   Além deles, há cerca de 20 outros países emergentes, cuja
     industrialização recente os coloca no grupo de países de
        desenvolvimento intermediário, que formam o G20.
OS GRUPOS: G7, G8, BRIC, G20
ESTADOS UNIDOS, JAPÃO,
FRANÇA, ITÁLIA E ALEMANHA
SÃO OS PRINCIPAIS PAÍSES
INDUSTRIAIS DO MUNDO.

Suas empresas tem filiais por todo
o mundo : são as MULTI e
TRANSNACIONAIS.
OS NICs - Novos Países
Industrializados - são áreas de
expansão urbano - industriais que se
desenvolveram no pós Segunda
Guerra Mundial, através da
descentralização industrial
empreendida pelos países
capitalistas centrais. Entre eles
destacam-se a china e os tigres
asiáticos
A partir do final do
século XIX, o Brasil
inicia seu processo
de industrialização.
 Ele é considerado
  como um típico
   PROCESSO DE
  SUBSTITUIÇÃO
         DAS
  IMPORTAÇÕES,
 que ganha força a
 partir da Segunda
  Guerra Mundial.
A atividade industrial é um
fenômeno tipicamente urbano.

Ela se apresenta altamente
concentrada em função do
conjunto de FATORES
LOCACIONAIS (capitais, mão
de obra, mercado consumidor
e infraestrutura).

No Brasil, a concentração
ocorre especialmente no
CENTRO SUL onde se
destacam as duas metrópoles
nacionais: São Paulo e Rio de
Janeiro, responsáveis pela
organização e pela produção
do espaço nacional e que
funcionam como elos de
ligação com os centros
capitalistas mundiais.
No brasil o
processo
Urbano
industrial
consolida
o eixo Rio - São
Paulo
 como o centro
 dinâmico
da economia
nacional .
Os modernos
sistemas de
comunicação e
transportes
permitem
“fragmentar” a
produção em
várias unidades de
produção
“especializadas”,
distribuídas por
diferentes países.
As grandes
empresas, cujas
sedes se mantêm
nos países
capitalistas
centrais planejam
e gerenciam todo
esse processo.
As inovações tecnológicas e a
necessidade de estimular o
consumo geram novos produtos
que     tornam       rapidamente
obsoletos     e    ultrapassados
produtos pré existentes.

     É a OBSOLESCÊNCIA
         PLANEJADA.

Como tudo o que é produzido
contêm
         INVESTIMENTO
           TRABALHO
                E
           NATUREZA
a sociedade contemporânea
caracteriza-se por provocar
grandes impactos ambientais e
ser grande produtora de lixo.
Países de
                                         industrialização
                                             recente




As relações de produção consumo integram todas as
áreas do planeta sob o controle dos países capitalistas
centrais, caracterizando a chamada GLOBALIZAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Localização do território brasileiro
Localização do território brasileiroLocalização do território brasileiro
Localização do território brasileiro
Gabrielly Peixoto
 
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
Geografia -  Continente Europeu: População e EconomiaGeografia -  Continente Europeu: População e Economia
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
André Luiz Marques
 
Os fluxos, redes, cidades globais e megacidades no espaço geografico
Os fluxos, redes, cidades globais e megacidades no espaço geograficoOs fluxos, redes, cidades globais e megacidades no espaço geografico
Os fluxos, redes, cidades globais e megacidades no espaço geografico
Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
André Luiz Marques
 
Unidade 9 6º ano
Unidade 9   6º anoUnidade 9   6º ano
Unidade 9 6º ano
Christie Freitas
 
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileiraIECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
profrodrigoribeiro
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
Camila Brito
 
Europa LocalizaçãO
Europa   LocalizaçãOEuropa   LocalizaçãO
Europa LocalizaçãO
Luciano Pessanha
 
Europa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturaisEuropa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturais
Professor
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Deto - Geografia
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
Professor
 
Rede e hierarquia urbana
Rede e hierarquia urbanaRede e hierarquia urbana
Rede e hierarquia urbana
Suely Takahashi
 
Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.
Douglas Gregorio
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
André Luiz Marques
 
O continente americano
O continente americanoO continente americano
O continente americano
Uilson Pereira da Silva
 
Espaço agrário
Espaço agrárioEspaço agrário
Espaço agrário
Almir
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
Cleber Reis
 
9º Ano - Módulo 02 - Globalização e o Espaço Geográfico
9º Ano - Módulo 02 - Globalização e o Espaço Geográfico9º Ano - Módulo 02 - Globalização e o Espaço Geográfico
9º Ano - Módulo 02 - Globalização e o Espaço Geográfico
Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
Uilson Pereira da Silva
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Professor
 

Mais procurados (20)

Localização do território brasileiro
Localização do território brasileiroLocalização do território brasileiro
Localização do território brasileiro
 
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
Geografia -  Continente Europeu: População e EconomiaGeografia -  Continente Europeu: População e Economia
Geografia - Continente Europeu: População e Economia
 
Os fluxos, redes, cidades globais e megacidades no espaço geografico
Os fluxos, redes, cidades globais e megacidades no espaço geograficoOs fluxos, redes, cidades globais e megacidades no espaço geografico
Os fluxos, redes, cidades globais e megacidades no espaço geografico
 
Continente asiático
Continente asiáticoContinente asiático
Continente asiático
 
Unidade 9 6º ano
Unidade 9   6º anoUnidade 9   6º ano
Unidade 9 6º ano
 
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileiraIECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
IECJ - Cap. 7 - A urbanização brasileira
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
Europa LocalizaçãO
Europa   LocalizaçãOEuropa   LocalizaçãO
Europa LocalizaçãO
 
Europa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturaisEuropa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturais
 
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios MorfoclimáticosProf Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
Prof Demétrio Melo - Brasil: Domínios Morfoclimáticos
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
 
Rede e hierarquia urbana
Rede e hierarquia urbanaRede e hierarquia urbana
Rede e hierarquia urbana
 
Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
O continente americano
O continente americanoO continente americano
O continente americano
 
Espaço agrário
Espaço agrárioEspaço agrário
Espaço agrário
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
9º Ano - Módulo 02 - Globalização e o Espaço Geográfico
9º Ano - Módulo 02 - Globalização e o Espaço Geográfico9º Ano - Módulo 02 - Globalização e o Espaço Geográfico
9º Ano - Módulo 02 - Globalização e o Espaço Geográfico
 
População mundial
População mundialPopulação mundial
População mundial
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
 

Destaque

O novo espaço industrial
O novo espaço industrialO novo espaço industrial
O novo espaço industrial
Rodrigo Costa
 
Espaço Industrial
Espaço IndustrialEspaço Industrial
Espaço Industrial
Almir
 
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Edu Gonzaga
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Jeferson Pereira
 
Industrializacao mundo
Industrializacao mundoIndustrializacao mundo
Industrializacao mundo
Ademir Aquino
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
Evandro Santos
 
Processo da industrialização no mundo
Processo da industrialização no mundoProcesso da industrialização no mundo
Processo da industrialização no mundo
Erika Renata
 
Industrialização no mundo
Industrialização no mundoIndustrialização no mundo
Industrialização no mundo
williandadalto
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
karolpoa
 
7 erros alimentos
7 erros alimentos7 erros alimentos
7 erros alimentos
Grazieli Marques
 
O espaço industrial
O espaço industrialO espaço industrial
O espaço industrial
Antonio Carlos da Silva
 
Expansão Industrial
Expansão IndustrialExpansão Industrial
Expansão Industrial
makuta94
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
Artur Lara
 
Na europa arrasada, nasce a guerra fria
Na europa arrasada, nasce a guerra friaNa europa arrasada, nasce a guerra fria
Na europa arrasada, nasce a guerra fria
trabalhotrab
 
Caça palavras - Segunda Guerra Mundial
Caça palavras - Segunda Guerra MundialCaça palavras - Segunda Guerra Mundial
Caça palavras - Segunda Guerra Mundial
Martileny Vieira
 
1 guerra mundial atividades
1 guerra mundial atividades1 guerra mundial atividades
1 guerra mundial atividades
Atividades Diversas Cláudia
 
Caça-palavras classes de palavras resp
Caça-palavras classes de palavras respCaça-palavras classes de palavras resp
Caça-palavras classes de palavras resp
Dilmara Faria
 
Globalização aula 3 significados basicos
Globalização aula 3 significados basicosGlobalização aula 3 significados basicos
Globalização aula 3 significados basicos
Matias Silva
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
Portal do Vestibulando
 
Caca palavras nova ortografia
Caca palavras nova ortografiaCaca palavras nova ortografia
Caca palavras nova ortografia
Vinicius O Resiliente
 

Destaque (20)

O novo espaço industrial
O novo espaço industrialO novo espaço industrial
O novo espaço industrial
 
Espaço Industrial
Espaço IndustrialEspaço Industrial
Espaço Industrial
 
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
Industrias Professor Edu Gonzaga 2015.
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Industrializacao mundo
Industrializacao mundoIndustrializacao mundo
Industrializacao mundo
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
 
Processo da industrialização no mundo
Processo da industrialização no mundoProcesso da industrialização no mundo
Processo da industrialização no mundo
 
Industrialização no mundo
Industrialização no mundoIndustrialização no mundo
Industrialização no mundo
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
7 erros alimentos
7 erros alimentos7 erros alimentos
7 erros alimentos
 
O espaço industrial
O espaço industrialO espaço industrial
O espaço industrial
 
Expansão Industrial
Expansão IndustrialExpansão Industrial
Expansão Industrial
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
 
Na europa arrasada, nasce a guerra fria
Na europa arrasada, nasce a guerra friaNa europa arrasada, nasce a guerra fria
Na europa arrasada, nasce a guerra fria
 
Caça palavras - Segunda Guerra Mundial
Caça palavras - Segunda Guerra MundialCaça palavras - Segunda Guerra Mundial
Caça palavras - Segunda Guerra Mundial
 
1 guerra mundial atividades
1 guerra mundial atividades1 guerra mundial atividades
1 guerra mundial atividades
 
Caça-palavras classes de palavras resp
Caça-palavras classes de palavras respCaça-palavras classes de palavras resp
Caça-palavras classes de palavras resp
 
Globalização aula 3 significados basicos
Globalização aula 3 significados basicosGlobalização aula 3 significados basicos
Globalização aula 3 significados basicos
 
Industrialização mundial
Industrialização mundialIndustrialização mundial
Industrialização mundial
 
Caca palavras nova ortografia
Caca palavras nova ortografiaCaca palavras nova ortografia
Caca palavras nova ortografia
 

Semelhante a Espaço industrial novo

Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
IndústriaIndústria
Industria
IndustriaIndustria
Industria
Débora Sales
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
Débora Sales
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
Débora Sales
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
Marcio Cicchelli
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
AlfredoFilho18
 
At recup 3º-4º bim 3ª ri
At recup 3º-4º bim 3ª riAt recup 3º-4º bim 3ª ri
At recup 3º-4º bim 3ª ri
Péricles Penuel
 
Produção do espaço e capitalismo
Produção do espaço e capitalismoProdução do espaço e capitalismo
Produção do espaço e capitalismo
Maria Gomes
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
Débora Sales
 
Esp industrial
Esp industrialEsp industrial
Esp industrial
Péricles Penuel
 
Revolução industrial 2011
Revolução industrial 2011Revolução industrial 2011
Revolução industrial 2011
alfredo1ssa
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Luiz Carvalheira Junior
 
Cap.13 - Revolução Industrial
Cap.13 - Revolução IndustrialCap.13 - Revolução Industrial
Cap.13 - Revolução Industrial
vbrizante
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
karolpoa
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientifica
Alan
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Ana Carolina Martins
 
Aula 1 Industria CURSINHO AZ
Aula 1 Industria CURSINHO AZAula 1 Industria CURSINHO AZ
Aula 1 Industria CURSINHO AZ
CADUCOC1
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
ProfMario De Mori
 
Midiasnosec Xxi
Midiasnosec XxiMidiasnosec Xxi
Midiasnosec Xxi
Israel Degasperi
 

Semelhante a Espaço industrial novo (20)

Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.docA INDÚSTRIA NO ESPAÇO  GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
A INDÚSTRIA NO ESPAÇO GEOGRÁFICO MUNDIAL.doc
 
At recup 3º-4º bim 3ª ri
At recup 3º-4º bim 3ª riAt recup 3º-4º bim 3ª ri
At recup 3º-4º bim 3ª ri
 
Produção do espaço e capitalismo
Produção do espaço e capitalismoProdução do espaço e capitalismo
Produção do espaço e capitalismo
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
 
Esp industrial
Esp industrialEsp industrial
Esp industrial
 
Revolução industrial 2011
Revolução industrial 2011Revolução industrial 2011
Revolução industrial 2011
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Cap.13 - Revolução Industrial
Cap.13 - Revolução IndustrialCap.13 - Revolução Industrial
Cap.13 - Revolução Industrial
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
 
Globalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientificaGlobalização e revolução cientifica
Globalização e revolução cientifica
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Aula 1 Industria CURSINHO AZ
Aula 1 Industria CURSINHO AZAula 1 Industria CURSINHO AZ
Aula 1 Industria CURSINHO AZ
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
 
Midiasnosec Xxi
Midiasnosec XxiMidiasnosec Xxi
Midiasnosec Xxi
 

Mais de Péricles Penuel

Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
Péricles Penuel
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
Péricles Penuel
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
Péricles Penuel
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Péricles Penuel
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
Péricles Penuel
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
Péricles Penuel
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
Péricles Penuel
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
Péricles Penuel
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
Péricles Penuel
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
Péricles Penuel
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Péricles Penuel
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
Péricles Penuel
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
Péricles Penuel
 

Mais de Péricles Penuel (20)

Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
 

Espaço industrial novo

  • 1. Profª Nilza M. P. Alonso
  • 2. A atividade industrial faz parte do SETOR SECUNDÁRIO DE PRODUÇÃO. Ela está ligada à TRANSFORMAÇÃO de matérias primas diversas em diferentes tipos de produtos. Sua dinâmica relaciona-se às CONSTANTES INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS. A produção do açúcar e sua cadeia produtiva, no séc.XVI e hoje
  • 3. Objetos de cerâmica (argila), alimentos (farinha), tecidos, armas e jóias, já eram produzidos desde as mais antigas civilizações: são produtos cujas técnicas de produção antecedem a Revolução Industrial – e são classificadas como artesanato e manufatura. A transformação de produtos sempre existiu e se relaciona à própria evolução da humanidade. Tecidos, roupas, alimentos, jóias, armas, ferramentas de trabalho são encontradas nas mais diferentes civilizações. Artesanato, manufatura e maquinofatura foram as formas de transformação que antecederam a chamada REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
  • 4. PRODUÇÃO ARTESANAL E MANUFATUREIRA •A produção artesanal se caracteriza pelo trabalho solitário do artesão – no máximo com ajudante ou aprendiz – que realiza todas as etapas de produção, apenas com ferramentas simples. O artesanato, bastante difundido na Europa e em muitas colônias até o século XVII, tem sua produção voltada para mercados restritos e foi perdendo espaço como atividade econômica na medida em que as máquinas foram sendo aperfeiçoadas, embora não tenha desaparecido totalmente. •A produção manufatureira surgiu no século XVII e pode ser considerada uma etapa intermediária entre o artesanato e a indústria, na qual já se utilizavam máquinas muito simples, mas o trabalho manual ainda era o fator principal da produção. Nessa etapa muitos trabalhadores eram reunidos em grandes oficinas, o trabalho era dividido e a mão de obra assalariada
  • 5. As sucessivas INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS geraram inúmeras transformações e estão na base de funcionamento do SISTEMA CAPITALISTA DE PRODUÇÃO, que desde o século XVI, tem sido o principal responsável pelos processos de organização do espaço.
  • 6. Cada etapa da evolução humana permitiu o DESENVOLVIMENTO DE NOVAS TECNOLOGIAS e de novas formas de se “domar” a natureza e transformá-la para criar bens, mercadorias, produtos e serviços. Tudo isso só se tornou possível com o uso de MATÉRIAS–PRIMAS e ENERGIA... buscadas em qualquer parte do planeta para atender as demandas cada vez maiores das sociedades humanas. Mas é com a estruturação e expansão do SISTEMA CAPITALISTA MUNDIAL, a partir do século XVI, que as transformações e os processos ligados à PRODUÇÃO e ao CONSUMO atingiram níveis cada vez maiores.
  • 7. F E U D A L I S M O A cada etapa de evolução capitalista ocorrem mudanças nas relações econômicas, políticas e socioculturais, que se estabelecem entre os países capitalistas centrais e suas periferias, responsáveis pela organização dos espaços nacionais e mundial.
  • 8. G L O B A L I Z A Ç Ã O O mundo em que vivemos e todas as características associadas a ele, foram estruturadas a partir do final da Segunda Guerra Mundial (1939- 1945). Esse conjunto de transformações desembocam no que é chamado, hoje, de GLOBALIZAÇÃO.
  • 9. Cada etapa de evolução capitalista privilegiou uma determinada atividade econômica : O comércio, na fase MERCANTILISTA criou as pré-condições de acumulação primitiva de capitais e a ascensão de potências europeias, que organizam o espaço mundial à sua imagem e semelhança. Mas, as principais transformações foram desencadeadas pela REVOLUÇÃO INDUSTRIAL e o rápido desenvolvimento dos sistemas de transportes e comunicações, que “encolheu” os espaços e acelerou o tempo
  • 10. A INDÚSTRIA É O SETOR MAIS DINÂMICO DA ECONOMIA. ELA AFETA TODOS OS DEMAIS SETORES DE PRODUÇÃO E É CONSIDERADA COMO FATOR DE SETORES DESENVOLVIMENTO QUATERNÁRIO E QUINÁRIO SETOR PRIMÁRIO CAPITAIS MATÉRIAS-PRIMAS (FINANCEIRO ALIMENTOS RECURSOS MINERAIS TECNOLÓGICO IMOBILIZADO) SETOR TERCIÁRIO INDÚSTRIA INFRAESTRUTURA TRANSPORTE ENERGIA RELAÇÕES DE COMÉRCIO E SEVIÇOS PRODUÇÃO MÃO-DE-OBRA &CONSUMO MERCADO CONSUMIDOR
  • 11. A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL que se inicia no final do século XVIII é responsável por um conjunto de transformações entre o homem e a natureza; entre o homem e as relações de trabalho. As máquinas mudaram as formas de trabalho e os processos produtivos. As fábricas passam a se concentrar em regiões próximas às fontes de matérias-primas e grandes portos, ocasionando as grandes concentrações urbano-industriais. Muitos operários vinham das áreas rurais e cumpriam jornadas de 12 a 14 horas em condições adversas. A legislação só surgiu muito lentamente ao longo do século XIX e a diminuição da jornada só se concretiza no início do século XX.
  • 12. CADA ETAPA DE EVOLUÇÃO CAPITALISTA MARCA AS RELAÇÕES POLÍTICAS E ECONÔMICAS ENTRE OS PAÍSES CAPITALISTAS CENTRAIS E OS PAÍSES PERIFÉRICOS. É A CHAMADA DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT). NO MUNDO ATUAL A DIT É ESTABELECIDA EM FUNÇÃO DOS FLUXOS DE CAPITAIS.
  • 13. A atividade industrial apresenta-se CONCENTRAD A. Essa concentração depende da existência de condições favoráveis à sua implantação: são os chamados FATORES LOCACIONAIS
  • 14. FATORES LOCACIONAIS Disponibilidade de capitais (financeiro e tecnológico) Infraestrutura de transportes e comunicações Fontes de energia Incentivos governamentais Infraestrutura de transportes e comunicações Disponibilidade de água e matérias primas Mercado consumidor
  • 15. ETAPAS DE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL PRINCIPAIS DIT MATÉRIAS- TIPO DE ÁREAS (divisão PERÍODO MATRIZ ENERGÉTICA PRIMAS MAIS INDÚSTRIA VALORIZADAS PREDOMINANTE URBANO- internacional do INDUSTRIAIS trabalho) CARVÃO, SIDERURGIA, PAÍSES CLÁSSICA FERRO, METALÚRGICA CENTRAIS PAÍSES 1ª MANGANÊS , MECÂNICA, Grã-Bretanha, INDUSTRIALI CARVÃO MINERAL Revolução , MATERIAL DE França, ZADOS X (MÁQUINAS A Industrial FIBRAS TRANSPORTES Alemanha, PAÍSES VAPOR) séc XVIII TÊXTEIS (FERROVIAS, Estados PRODUTORES (ALGODÃO IND. NAVAL), Unidos, DE MATÉRIAS- ) TÊXTEIS Rússia. PRIMAS principalment e nos PAÍSES CLÁSSICA PETRÓLEO QUÍMICA CENTRAIS iniciam-se 2ª HIDROELETRICIDA PETROQUÍMIC inicia-se transformaçõe PETRÓLEO Revolução DE A o PROCESSO s em função MATÉRIAS- Industrial MATERIAL DE da expansão PRIMAS final do DE SUBSTITUIÇÃ de diversas séc XIX TRANSPORTES O DAS investimentos que até 2ª (VEÍCULOS IMPORTAÇÕE dos países atendem às Guerra AUTOMOTORE S em centrais para indústrias Mundial S, MATERIAL determinados os NIC’s, e de bens de ELÉTRICO, países novas formas produção e INDÚSTRIAS periféricos de relações de de DE BENS de (custo de trocas consumo PRODUÇÃO E produção e internacionais CONSUMO crises nas (capitais X (duráveis e economias empréstimos, não-duráveis), centrais) juros)
  • 16. ETAPAS DE EVOLUÇÂO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL (continuação) MATÉRIAS- PRIMAS TIPO DE PRINCIPAIS PERÍODO MATRIZ ENERGÉTICA MAIS INDÚSTRIA ÁREAS URBANO- DIT VALORIZAD PREDOMINANTE INDUSTRIAIS AS transferência Nova divisão mantêm-se o uso BÉLICA das unidades internacional do carvão, AEROESPACIA de produção do trabalho: petróleo e L para os PAÍSES 3ª hidroelétricas INFORMÁTICA PAÍSES CENTRAIS são Revolução ENERGIA ROBÓTICA PERIFÉRICOS fornecedores Industrial NUCLEAR amplia-se TELECOMUNIC os de capitais e a partir da FONTES o leque de AÇÕES PAÍSES tecnologias 2ª Guerra ALTERNATIVAS DE opções: BIOTECNOLOG CENTRAIS PAÍSES Mundial ENERGIA novos IA permanecem PERIFÉRICOS (Biocombustíveis) materiais (ligadas à como centros (NIC’s) com chamada de receptores de destaque revolução investimento, investimentos para o uso técnico- gestão, e empresas, do silício científica controle e exportam, novas informacional) planejamento além de ligas das atividades produtos, metálicas econômicas. também Atuam em capitais. todo o planeta através de empresas multi e transnacionais
  • 17. A atividade industrial cria diferentes FLUXOS e PROCESSOS que dinamizam os setores de produção, integram os espaços geográficos e explicam as relações socioeconômicas, políticas e culturais dos diferentes países.
  • 18. COMO SE REALIZA A PRODUÇÃO FINANCEIRO CAPITAIS TECNOLÓGICO MÃO DE OBRA TRABALHO CONSUMO LUCRO TODA E QUALQUER MERCADORIA, BEM OU SERVIÇO É FRUTO DA RELAÇÃO ENTRE NATUREZA E INVESTIMENTOS DE CAPITAL MEDIADAS PELO TRABALHO E A PARTIR DELAS FORMAM-SE CADEIAS PRODUTIVAS CADA VEZ MAIS COMPLEXAS
  • 19. CADEIA PRODUTIVA A PRODUÇÃO INDUSTRIAL DINAMIZA TODOS OS SETORES DE PRODUÇÃO .
  • 20. Em função do volume de capitais necessários. da quantidade de mão de obra utilizada, e do tipo de mercado consumidor a que se destina, as indústrias são classificadas em três tipos principais: BENS DE EQUIPAMENTO E PRODUÇÃO (também chamadas de indústrias de base) BENS DE CAPITAL E INTERMEDIÁRIAS BENS DE CONSUMO (DURÁVEIS E NÃO-DURÁVEIS)
  • 21. O caráter concentrador da atividade industrial explica as desigualdades socioeconomicas mundias e caracteriza as relações CENTRO PERIFERIA , baseadas na DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO.
  • 22. BERÇO DA PRIMEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, OS PAÍSES EUROPEUS – GRÃ BRETANHA (Inglaterra), FRANÇA, ALEMANHA E ITÁLIA APRESENTAM ÁREAS DE GRANDE DESENVOLVIMENTO URBANO INDUSTRIAL. Junto com os Estados Unidos - Canadá e Japão, compõem o conjunto das principais economias mundiais e dominam as relações de produção e consumo que se disseminam por todo o planeta.
  • 23. Os Estados Unidos apresentam as Líder do G7, grupo dos países mais ricos e principais áreas desenvolvidos do mundo, os EUA são URBANO considerados como a maior potência mundial. INDUSTRIAIS do planeta. Lá se encontram mais da metade das 200 maiores empresas do planeta, que possuem filiais em outros países, entre eles o Brasil. Suas principais concentrações formam o MANUFACTORING BELT e o SUN BELT.
  • 24. O Vale do Silício é a principal área de concentração de indústrias de alta tecnologia que se desenvolveram a partir da Guerra Fria e são as principais representantes da 3ª Revolução Industrial
  • 25. O Japão é, HOJE, a terceira maior potência industrial do planeta. (perdeu a posição de 2ª potência para a China) Seu desenvolvimento se acelerou no pós Segunda Guerra Mundial, principalmente graças às inovações tecnológicas, entre elas a miniaturização e a robótica. Investimentos maciços em TECNOLOGIA DE PONTA que permitiram “driblar” sua carência em matérias primas e a falta de combustíveis fósseis.
  • 26. A rússia, como país líder da antiga urss, era considerada como a 2ª grande potência mundial, durante o período da guerra fria. a crise do socialismo (1991) fez com que país despencasse para a 70ª posição. Sua recuperação o coloca, hoje, como país emergente, que é considerado parte dos brics.
  • 27. A partir dos anos de 1950 o processo industrial se dissemina em direção aos países periféricos. É a chamada SUBSTITUIÇÃO DAS IMPORTAÇÕES Graças à abundância de matérias primas, mão de obra mais barata e incentivos governamentais formam-se áreas urbano industriais, onde se instalam FILIAIS de grandes empresas, diretamente vinculadas aos países capitalistas centrais. É a DESCONCENTRAÇÃO CONCENTRADA, que irá reproduzir nos países periféricos as etapas que marcaram a industrialização dos países centrais, caracterizando sua INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA. É em função desse processo que surgem os PAÍSES EMERGENTES: China, Índia, Brasil (junto com a Rússia) e a República Sul Africana, que formam os BRIC, que são os principais NOVOS PAÍSES INDUSTRIALIZADOS (ou NIC’s, a sigla em inglês que os identifica) Além deles, há cerca de 20 outros países emergentes, cuja industrialização recente os coloca no grupo de países de desenvolvimento intermediário, que formam o G20.
  • 28. OS GRUPOS: G7, G8, BRIC, G20
  • 29. ESTADOS UNIDOS, JAPÃO, FRANÇA, ITÁLIA E ALEMANHA SÃO OS PRINCIPAIS PAÍSES INDUSTRIAIS DO MUNDO. Suas empresas tem filiais por todo o mundo : são as MULTI e TRANSNACIONAIS.
  • 30. OS NICs - Novos Países Industrializados - são áreas de expansão urbano - industriais que se desenvolveram no pós Segunda Guerra Mundial, através da descentralização industrial empreendida pelos países capitalistas centrais. Entre eles destacam-se a china e os tigres asiáticos
  • 31. A partir do final do século XIX, o Brasil inicia seu processo de industrialização. Ele é considerado como um típico PROCESSO DE SUBSTITUIÇÃO DAS IMPORTAÇÕES, que ganha força a partir da Segunda Guerra Mundial.
  • 32. A atividade industrial é um fenômeno tipicamente urbano. Ela se apresenta altamente concentrada em função do conjunto de FATORES LOCACIONAIS (capitais, mão de obra, mercado consumidor e infraestrutura). No Brasil, a concentração ocorre especialmente no CENTRO SUL onde se destacam as duas metrópoles nacionais: São Paulo e Rio de Janeiro, responsáveis pela organização e pela produção do espaço nacional e que funcionam como elos de ligação com os centros capitalistas mundiais.
  • 33. No brasil o processo Urbano industrial consolida o eixo Rio - São Paulo como o centro dinâmico da economia nacional .
  • 34. Os modernos sistemas de comunicação e transportes permitem “fragmentar” a produção em várias unidades de produção “especializadas”, distribuídas por diferentes países. As grandes empresas, cujas sedes se mantêm nos países capitalistas centrais planejam e gerenciam todo esse processo.
  • 35. As inovações tecnológicas e a necessidade de estimular o consumo geram novos produtos que tornam rapidamente obsoletos e ultrapassados produtos pré existentes. É a OBSOLESCÊNCIA PLANEJADA. Como tudo o que é produzido contêm INVESTIMENTO TRABALHO E NATUREZA a sociedade contemporânea caracteriza-se por provocar grandes impactos ambientais e ser grande produtora de lixo.
  • 36. Países de industrialização recente As relações de produção consumo integram todas as áreas do planeta sob o controle dos países capitalistas centrais, caracterizando a chamada GLOBALIZAÇÃO