SlideShare uma empresa Scribd logo
ESPAÇOS CONFINADOS – LIVRETO DO TRABALHADOR
NR 33 – Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados
Presidente da República
Luiz Inácio Lula da Silva
Ministro de Trabalho e Emprego
Carlos Lupi
FUNDACENTRO
Presidente
Remígio Todeschini
Diretor Executivo
Osvaldo da Silva Bezerra
Diretor Técnico
Carlos Sérgio da Silva
Diretora de Administração e Finanças
Renata Maria Celeguim
ESPAÇOS CONFINADOS – LIVRETO DO TRABALHADOR
NR 33 – Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados
FUNDACENTRO
Francisco Kulcsar Neto
José Possebon
Norma Conceição do Amaral
São Paulo
2007
 ESPAÇO CONFINADO É QUALQUER
ÁREA OU AMBIENTE NÃO PROJETADO
PARA OCUPAÇÃO HUMANA CONTÍNUA;
 POSSUI MEIOS LIMITADOS DE
ENTRADA E SAÍDA;
 A VENTILAÇÃO EXISTENTE É
INSUFICIENTE PARA REMOVER
CONTAMINANTES OU ONDE POSSA
EXISTIR A DEFICIÊNCIA OU
ENRIQUECIMENTO DE OXIGÊNIO
O QUE É ESPAÇO CONFINADO?
01
ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?
 INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE.
 INDÚSTRIA GRÁFICA.
 INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA.
 INDÚSTRIA DA BORRACHA,
DO COURO E TÊXTIL.
 INDÚSTRIA NAVAL E
OPERAÇÕES MARÍTIMAS.
 INDÚSTRIAS QUÍMICAS E PETROQUÍMICAS.
Tanques de armazenamento
Tubulações
Fonte: Petit & Linn, 1987 02
ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?
 SERVIÇOS DE GÁS.
 SERVIÇOS DE ÁGUAS E ESGOTO.
 SERVIÇOS DE ELETRICIDADE.
 SERVIÇOS DE TELEFONIA.
 CONSTRUÇÃO CIVIL.
 BENEFICIAMENTO DE MINÉRIOS.
 SIDERÚRGICAS E METALÚRGICAS.
 AGRICULTURA.
 AGRO-INDÚSTRIA.
Galerias
Silos
Biodigestor
Fonte: Petit & Linn, 1987
03
 OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL.
TIPOS DE TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS:
 MANUTENÇÃO, REPAROS, LIMPEZA
OU INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS
OU RESERVATÓRIOS.
 OPERAÇÕES DE SALVAMENTO E
RESGATE.
04
RISCOS QUANDO SE TRABALHA EM ESPAÇOS CONFINADOS:
 FALTA OU EXCESSO DE OXIGÊNIO.
 INCÊNDIO OU EXPLOSÃO, PELA PRESENÇA
DE VAPORES E GASES INFLAMÁVEIS.
 INTOXICAÇÕES POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS.
 INFECÇÕES POR AGENTES BIOLÓGICOS.
 AFOGAMENTOS.
 SOTERRAMENTOS.
 QUEDAS.
 CHOQUES ELÉTRICOS.
TODOS ESTES RISCOS PODEM LEVAR A
MORTES OU DOENÇAS.
05
COMO EVITAR ACIDENTES EM ESPAÇOS CONFINADOS?
 CERTIFICANDO-SE QUE A SUA EMPRESA:
SEGUE A
 NBR 14.787 – “ESPAÇOS CONFINADOS –
PREVENÇÃO DE ACIDENTES,
PROCEDIMENTOS E MEDIDAS DE PROTEÇÃO”.
E ATENDE A
 NORMA REGULAMENTADORA n.º 33
SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM
ESPAÇOS CONFINADOS
ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS
NBR – NORMA BRASILEIRA
MTE – MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO
NR – NORMA REGULAMENTADORA
06
QUANDO VOCÊ PODE ENTRAR EM UM ESPAÇO CONFINADO?
 SOMENTE QUANDO SUA EMPRESA FORNECER A
AUTORIZAÇÃO NA PERMISSÃO DE ENTRADA EAUTORIZAÇÃO NA PERMISSÃO DE ENTRADA E
TRABALHO - PETTRABALHO - PET,,
 ESSA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO -
PET É EXIGIDA POR LEI E É EXECUTADA
PELO SUPERVISOR DE ENTRADA.
 O SERVIÇO A SER EXECUTADO DEVE SEMPRE
SER ACOMPANHADO POR UM VIGIA.
07
A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:
 TREINAMENTO A TODOS OS TRABALHADORES.  INSPEÇÃO PRÉVIA NO LOCAL
 ELABORAÇÃO DA APR – ANÁLISE
PRELIMINAR DE RISCO.
08
A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:
 EXAMES MÉDICOS.  PERMISSÃO DE ENTRADA E
TRABALHO - PET.
09
A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:
 SUPERVISOR DE ENTRADA E VIGIA.
 SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO
DA ÁREA.
10
A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:
 EQUIPAMENTOS DE VENTILAÇÃO.
 EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE OXIGÊNIO,
GASES E VAPORES TÓXICOS E INFLAMÁVEIS.
11
A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:
 EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÃO,
ILUMINAÇÃO.
 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL.
 EQUIPAMENTOS
DE RESGATE.
12
13
DIREITOS DO TRABALHADOR – ENTRADA SEGURA
 ENTRAR EM ESPAÇO
CONFINADO SOMENTE
APÓS O SUPERVISOR
DE ENTRADA REALIZAR
TODOS OS TESTES E
ADOTAR AS MEDIDAS DE
CONTROLE
NECESSÁRIAS.
DIREITOS DO TRABALHADOR – ENTRADA SEGURA
 33.5.1 O empregador deve
garantir que os trabalhadores
possam interromper suas
atividades e abandonar o local
de trabalho, sempre que
suspeitarem da existência de
risco grave e iminente para sua
segurança e saúde ou a de
terceiros.
14
33.5 Disposições Gerais
DIREITOS DO TRABALHADOR - TREINAMENTO
 CONHECER OS PROCEDIMENTOS
E EQUIPAMENTOS DE RESGATE
E PRIMEIROS SOCORROS.
 RECEBER TODOS OS EQUIPAMENTOS
DE SEGURANÇA NECESSÁRIOS PARA
EXECUÇÃO DOS TRABALHOS.
 CONHECER O TRABALHO A SER EXECUTADO.
 CONHECER OS
PROCEDIMENTOS
E EQUIPAMENTOS
DE SEGURANÇA
PARA EXECUTAR
O TRABALHO
 CONHECER OS RISCOS DO
TRABALHO A SER EXECUTADO.
15
DEVERES DO TRABALHADOR:
 PARTICIPAR DOS TREINAMENTOS E
SEGUIR AS INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA.
 USAR OS EQUIPAMENTOS
DE PROTEÇÃO
FORNECIDOS.
 COMUNICAR RISCOS.
 EXAMES MÉDICOS.
16
MEDIDAS DE SEGURANÇA – FOLHA DE PERMISSÃO DE ENTRADA
 A PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO
- PET CONTÉM PROCEDIMENTOS
ESCRITOS DE SEGURANÇA E
EMERGÊNCIA.
 VERIFICAR SE AS MEDIDAS DE
SEGURANÇA FORAM IMPLANTADAS
E SE A PERMISSÃO DE ENTRADA E
TRABALHO – PET ESTÁ ASSINADA PELO
SUPERVISOR DE ENTRADA.
 O TRABALHADOR DEVE ENTRAR NO
ESPAÇO CONFINADO COM UMA CÓPIA
DA PERMISSÃO DE ENTRADA E
TRABALHO.
17
MEDIDAS DE SEGURANÇA – SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA
33.3.3 Medidas administrativas:
c) manter sinalização permanente
junto à entrada do espaço confinado,
conforme o Anexo I da presente
norma;
 A SINALIZAÇÃO É IMPORTANTE PARA
INFORMAÇÃO E ALERTA QUANTO AOS
RISCOS EM ESPAÇOS CONFINADOS.
 O ISOLAMENTO É NECESSÁRIO PARA
EVITAR QUE PESSOAS NÃO
AUTORIZADAS
SE APROXIMEM DO ESPAÇO CONFINADO.
18
MEDIDAS DE SEGURANÇA – SUPERVISOR DE ENTRADA
O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE:
 a) emitir a Permissão de Entrada e Trabalho
- PET antes do início das atividades;
b) executar os testes, conferir os
equipamentos e os procedimentos contidos na
Permissão de Entrada e Trabalho - PET;
c) assegurar que os serviços de emergência
e salvamento estejam disponíveis e que os
meios para acioná-los estejam operantes;
d) cancelar os procedimentos de entrada e
trabalho quando necessário; e
e) encerrar a Permissão de Entrada e
Trabalho PET - após o término dos serviços.
19
MEDIDAS DE SEGURANÇA –
DESLIGAMENTO DE ENERGIA, TRAVA E SINALIZAÇÃO
O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE:
 DESLIGAR A ENERGIA ELÉTRICA,
TRANCAR COM CHAVE OU CADEADO E
SINALIZAR QUADROS ELÉTRICOS PARA
EVITAR MOVIMENTAÇÃO ACIDENTAL DE
MÁQUINAS OU CHOQUES ELÉTRICOS
QUANDO O TRABALHADOR
AUTORIZADO ESTIVER NO INTERIOR
DO ESPAÇO CONFINADO.
20
MEDIDAS DE SEGURANÇA – VIGIA
O VIGIA DEVE:
 a) manter continuamente a contagem precisa do número de
trabalhadores autorizados no espaço confinado e assegurar que todos
saiam ao término da atividade;
b) permanecer fora do espaço confinado, junto à entrada, em contato
permanente com os trabalhadores autorizados;
c) adotar os procedimentos de emergência, acionando a equipe de
salvamento, pública ou privada, quando necessário;
d) operar os movimentadores de pessoas; e
e) ordenar o abandono do espaço confinado sempre que reconhecer
algum sinal de alarme, perigo, sintoma, queixa, condição proibida,
acidente, situação não prevista ou quando não puder desempenhar
efetivamente suas tarefas, nem ser substituído por outro Vigia.
21
MEDIDAS DE SEGURANÇA – TESTES DO AR
 OS TESTES DO AR INTERNO SÃO MEDIÇÕES
PARA VERIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE OXIGÊNIO,
GASES E VAPORES TÓXICOS E INFLAMÁVEIS.
 ANTES QUE O TRABALHADOR ENTRE EM UM
ESPAÇO CONFINADO, O SUPERVISOR DE
ENTRADA DEVE REALIZAR TESTES INICIAIS DO
AR INTERNO.
 DURANTE AS MEDIÇÕES, O SUPERVISOR DE
ENTRADA DEVE ESTAR FORA DO ESPAÇO
CONFINADO.
22
MEDIDAS DE SEGURANÇA – TESTES DO AR
 AS MEDIÇÕES SÃO NECESSÁRIAS PARA QUE NÃO OCORRAM ACIDENTES
POR ASFIXIA, INTOXICAÇÃO, INCÊNDIO OU EXPLOSÃO.
23
MEDIDAS DE SEGURANÇA – VENTILAÇÃO
 O USO DE OXIGÊNIO PARA VENTILAÇÃO DE LOCAL CONFINADO
AUMENTA O RISCO DE INCÊNDIO E EXPLOSÃO.
NÃO VENTILAR
ESPAÇOS CONFINADOS COM
OXIGÊNIO
24
MEDIDAS DE SEGURANÇA – VENTILAÇÃO
 DURANTE TODO
O TRABALHO NO
ESPAÇO CONFINADO
DEVE SER UTILIZADA
VENTILAÇÃO
ADEQUADA
PARA GARANTIR A
RENOVAÇÃO CONTÍNUA
DO AR.
25
 O TRABALHADOR
DEVE SER
TREINADO
QUANTO AO USO
ADEQUADO DO
EPI.
MEDIDAS DE SEGURANÇA - EPI
 OS EQUIPAMENTOS
DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL – EPIs
DEVEM SER
FORNECIDOS
GRATUITAMENTE.
 DEVEM SER
UTILIZADOS EPIs
ADEQUADOS PARA
CADA SITUAÇÃO DE
RISCO EXISTENTE.
26
MEDIDAS DE SEGURANÇA - OBJETOS PROIBIDOS
 CIGARROS
NUNCA FUME NO ESPAÇO CONFINADO!
 TELEFONE CELULAR
NÃO DEVE SER UTILIZADO COMO
APARELHO DE COMUNICAÇÃO EM
ESPAÇO CONFINADO.
 VELAS – FÓSFOROS - ISQUEIROS
NÃO DEVEM SER UTILIZADOS.
 OBJETOS NECESSÁRIOS À
EXECUÇÃO DO TRABALHO QUE
PRODUZAM CALOR, CHAMAS OU
FAÍSCAS, DEVEM SER PREVISTOS NA
PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO.
27
33.3.2.4 Adotar medidas para eliminar ou
controlar os riscos de incêndio ou explosão em
trabalhos a quente, tais como solda, aquecimento,
esmerilhamento, corte ou outros que liberem
chama aberta, faíscas ou calor.
MEDIDAS DE SEGURANÇA - EQUIPAMENTOS ESPECIAIS
 DEVEM SER FORNECIDOS EQUIPAMENTOS ESPECIAIS PARA TRABALHOS
EM ESPAÇOS CONFINADOS COMO:
 LANTERNAS.
 RÁDIOS DE
COMUNICAÇÃO.
 DETECTORES DE GASES,
À PROVA DE EXPLOSÃO.
28
MEDIDAS DE EMERGÊNCIA E RESGATE
 O EMPREGADOR DEVE ELABORAR
E IMPLANTAR PROCEDIMENTOS
DE EMERGÊNCIA E RESGATE
ADEQUADOS AO ESPAÇO
CONFINADO.
 O EMPREGADOR DEVE FORNECER
EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS
QUE POSSIBILITEM MEIOS
SEGUROS DE RESGATE.
 OS TRABALHADORES DEVEM SER
TREINADOS PARA SITUAÇÕES DE
EMERGÊNCIA E RESGATE.
29
 SITUAÇÃO DE TREINAMENTO COM SIMULAÇÃO DE
OPERAÇÃO DE SALVAMENTO E RESGATE.
LEMBRE-SE SEMPRE
 GARANTA SUA VIDA
E A DE SEUS COMPANHEIROS
CONHECENDO E EXIGINDO
TRABALHOS SEGUROS EM
ESPAÇOS CONFINADOS.
 VOLTAR PARA CASA
COM SAÚDE
É UM DIREITO DE TODOS
OS TRABALHADORES.
30
REFERÊNCIAS
1. ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR nº 14.787 Espaço Confinado – Prevenção de
acidentes,
procedimentos e medidas de proteção. São Paulo: ABNT. 2001.
2. BRASIL. Norma Regulamentadora. NR nº 33 – Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços
Confinados – Brasília:
Ministério do Trabalho. 1978.
3. BRASIL. Portaria. Portaria nº 3214 de 08.06.78. Brasília: Ministério do Trabalho. 1978.
4. ILO. International Labour Organization. Encyclopaedia of Occupational Health and Safety. Geneva: ILO.
1971/72.
5. MINISTÉRIO DE TRABAJO Y ASSUNTOS SOCIALES. Trabajos em Espacios Confinados. Madrid: Instituto
Nacional de Seguridad e Higiene em El Trabajo. 2005.
6. PETIT, T; LINN, H. A Guide to Safety in Confined Spaces. Washington: NIOSH. Government Printing Office.
1987.
7. REKUS, JF. Complete Confined Spaces Handbook. Maryland: CRC/Lewis Publishers. 1984.
8. U.S. Department of Labor Occupational Safety & Health Administration. Confined Spaces. Washington: OSHA.
2005.
9. U.S. Department of Labor Occupational Safety & Health Administration. Regulations (Standards – 29 CFR)
31
Digitação e montagem
Norma C. do Amaral
Adequação didática
Alice Santi
Maria Cristina B. G. C. Carneiro
Maria Inês Franco Motti
Desenhos
Perkins T. Moreira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nr 12
Nr 12Nr 12
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
MarceloRodriguesdaLu2
 
Apostila requisitante pt
Apostila requisitante ptApostila requisitante pt
Apostila requisitante pt
Wellington Gomes
 
38[1]isolamento de areas
38[1]isolamento de areas38[1]isolamento de areas
38[1]isolamento de areas
Robson Peixoto
 
Nr 33 16h completo
Nr 33 16h completoNr 33 16h completo
Nr 33 16h completo
Cristiano Mendes
 
Trabalho em altura treinamento
Trabalho em altura treinamentoTrabalho em altura treinamento
Trabalho em altura treinamento
Rodrigo Cezar Silva
 
CERTIFICADO NR 18 verso.pptx
CERTIFICADO NR 18  verso.pptxCERTIFICADO NR 18  verso.pptx
CERTIFICADO NR 18 verso.pptx
Ivson Barbosa
 
Treinamento em campo
Treinamento em campoTreinamento em campo
Treinamento em campo
Aerbras
 
APOSTILA NR 35 2022.pdf
APOSTILA NR 35 2022.pdfAPOSTILA NR 35 2022.pdf
APOSTILA NR 35 2022.pdf
Kaymir Freitas
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
Fabio Sousa
 
TRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
TRABALHO EM ALTURA - GianfrancoTRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
TRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
Alex Souza
 
Nr 33
Nr 33Nr 33
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IINR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
emanueltstegeon
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
RogrioTorresTorres
 
Máquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentosMáquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentos
Mauricio Cesar Soares
 
Uso correto dos EPIs Sidinei
Uso correto dos EPIs   SidineiUso correto dos EPIs   Sidinei
Uso correto dos EPIs Sidinei
Sidiseguranca
 
COMPLETO_NR-12-MAQ E EQUIPAMENTOS.pptx
COMPLETO_NR-12-MAQ E EQUIPAMENTOS.pptxCOMPLETO_NR-12-MAQ E EQUIPAMENTOS.pptx
COMPLETO_NR-12-MAQ E EQUIPAMENTOS.pptx
KatashiKhayn
 
Avaliação nr33
Avaliação nr33Avaliação nr33
Avaliação nr33
Brasilio da Silva
 
Nr33
Nr33Nr33
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptx
breno90
 

Mais procurados (20)

Nr 12
Nr 12Nr 12
Nr 12
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
 
Apostila requisitante pt
Apostila requisitante ptApostila requisitante pt
Apostila requisitante pt
 
38[1]isolamento de areas
38[1]isolamento de areas38[1]isolamento de areas
38[1]isolamento de areas
 
Nr 33 16h completo
Nr 33 16h completoNr 33 16h completo
Nr 33 16h completo
 
Trabalho em altura treinamento
Trabalho em altura treinamentoTrabalho em altura treinamento
Trabalho em altura treinamento
 
CERTIFICADO NR 18 verso.pptx
CERTIFICADO NR 18  verso.pptxCERTIFICADO NR 18  verso.pptx
CERTIFICADO NR 18 verso.pptx
 
Treinamento em campo
Treinamento em campoTreinamento em campo
Treinamento em campo
 
APOSTILA NR 35 2022.pdf
APOSTILA NR 35 2022.pdfAPOSTILA NR 35 2022.pdf
APOSTILA NR 35 2022.pdf
 
TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06TREINAMENTO DE EPI NR 06
TREINAMENTO DE EPI NR 06
 
TRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
TRABALHO EM ALTURA - GianfrancoTRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
TRABALHO EM ALTURA - Gianfranco
 
Nr 33
Nr 33Nr 33
Nr 33
 
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo IINR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
NR-33 - Espaço Confinado - Modulo II
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 
Máquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentosMáquinas e equipamentos
Máquinas e equipamentos
 
Uso correto dos EPIs Sidinei
Uso correto dos EPIs   SidineiUso correto dos EPIs   Sidinei
Uso correto dos EPIs Sidinei
 
COMPLETO_NR-12-MAQ E EQUIPAMENTOS.pptx
COMPLETO_NR-12-MAQ E EQUIPAMENTOS.pptxCOMPLETO_NR-12-MAQ E EQUIPAMENTOS.pptx
COMPLETO_NR-12-MAQ E EQUIPAMENTOS.pptx
 
Avaliação nr33
Avaliação nr33Avaliação nr33
Avaliação nr33
 
Nr33
Nr33Nr33
Nr33
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptx
 

Destaque

Segurança e saúde no trabalho para auditores
Segurança e saúde no trabalho para auditoresSegurança e saúde no trabalho para auditores
Segurança e saúde no trabalho para auditores
Sergio Roberto Silva
 
Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestores
Sergio Roberto Silva
 
Segurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSegurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicos
Sergio Roberto Silva
 
Curso de CIPA Mash 2016
Curso de CIPA Mash 2016Curso de CIPA Mash 2016
Curso de CIPA Mash 2016
Sérgio Roberto Silva
 
Curso NR20 Intermediário
Curso NR20 IntermediárioCurso NR20 Intermediário
Curso NR20 Intermediário
Sérgio Roberto Silva
 
Curso nr20 curso avançado
Curso nr20   curso avançadoCurso nr20   curso avançado
Curso nr20 curso avançado
Sergio Roberto Silva
 
Pen drive SEGURANÇA DO TRABALHO
Pen drive SEGURANÇA DO TRABALHOPen drive SEGURANÇA DO TRABALHO
Pen drive SEGURANÇA DO TRABALHO
Mauricio Zago
 
Segurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeiraSegurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeira
Sergio Roberto Silva
 
Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Treinamento de Brigada de Emergência 2011Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Sergio Silva
 
Curso nr10 básico
Curso nr10 básicoCurso nr10 básico
Curso nr10 básico
Sergio Roberto Silva
 
Curso direção defensiva nr11
Curso direção defensiva   nr11Curso direção defensiva   nr11
Curso direção defensiva nr11
Sergio Roberto Silva
 

Destaque (11)

Segurança e saúde no trabalho para auditores
Segurança e saúde no trabalho para auditoresSegurança e saúde no trabalho para auditores
Segurança e saúde no trabalho para auditores
 
Segurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestoresSegurança no trabalho para gestores
Segurança no trabalho para gestores
 
Segurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicosSegurança no manuseio de produtos quimicos
Segurança no manuseio de produtos quimicos
 
Curso de CIPA Mash 2016
Curso de CIPA Mash 2016Curso de CIPA Mash 2016
Curso de CIPA Mash 2016
 
Curso NR20 Intermediário
Curso NR20 IntermediárioCurso NR20 Intermediário
Curso NR20 Intermediário
 
Curso nr20 curso avançado
Curso nr20   curso avançadoCurso nr20   curso avançado
Curso nr20 curso avançado
 
Pen drive SEGURANÇA DO TRABALHO
Pen drive SEGURANÇA DO TRABALHOPen drive SEGURANÇA DO TRABALHO
Pen drive SEGURANÇA DO TRABALHO
 
Segurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeiraSegurança na operação da empilhadeira
Segurança na operação da empilhadeira
 
Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Treinamento de Brigada de Emergência 2011Treinamento de Brigada de Emergência 2011
Treinamento de Brigada de Emergência 2011
 
Curso nr10 básico
Curso nr10 básicoCurso nr10 básico
Curso nr10 básico
 
Curso direção defensiva nr11
Curso direção defensiva   nr11Curso direção defensiva   nr11
Curso direção defensiva nr11
 

Semelhante a Espaco confinado- NR33 -guia-trabalhador

EspacosConfinadosLivretoTrabalhadorNR33[1].ppt
EspacosConfinadosLivretoTrabalhadorNR33[1].pptEspacosConfinadosLivretoTrabalhadorNR33[1].ppt
EspacosConfinadosLivretoTrabalhadorNR33[1].ppt
Gabrielcarvalhodasil
 
1-EspacosConfinados LivretoTrabalhadorNR33 - Copia.ppt
1-EspacosConfinados LivretoTrabalhadorNR33 - Copia.ppt1-EspacosConfinados LivretoTrabalhadorNR33 - Copia.ppt
1-EspacosConfinados LivretoTrabalhadorNR33 - Copia.ppt
FelipeErig
 
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
William Breternitz
 
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdf
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdfApresentação do PowerPoint NR 33.pdf
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdf
ELTONARAUJORAMOS2
 
Espacosconfinadoslivretotrabalhador nr33
Espacosconfinadoslivretotrabalhador nr33Espacosconfinadoslivretotrabalhador nr33
Espacosconfinadoslivretotrabalhador nr33
SARAJAQUELINEAIRESCA
 
Livreto fundacentro
Livreto fundacentroLivreto fundacentro
Livreto fundacentro
Adriano Mascarello
 
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
prevencaonline
 
Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33
prevencaonline
 
Livreto_do_trabalhador.pdf
Livreto_do_trabalhador.pdfLivreto_do_trabalhador.pdf
Livreto_do_trabalhador.pdf
Gustavo Nolla
 
05 aulas espaço confinado
05 aulas espaço confinado05 aulas espaço confinado
05 aulas espaço confinado
Homero Alves de Lima
 
APOSTILA NR-33.pdf
APOSTILA NR-33.pdfAPOSTILA NR-33.pdf
APOSTILA NR-33.pdf
ssuser22319e
 
Espaço confinado aps segurança
Espaço confinado aps segurançaEspaço confinado aps segurança
Espaço confinado aps segurança
Cleber Adriano da Silva
 
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptxTREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
JoyceMarina2
 
Espacos_Confinados_Livreto_do_Trabalhador.pdf
Espacos_Confinados_Livreto_do_Trabalhador.pdfEspacos_Confinados_Livreto_do_Trabalhador.pdf
Espacos_Confinados_Livreto_do_Trabalhador.pdf
ssuser22319e
 
NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
Ana Paula Santos de Jesus Souza
 
espacosconfinadostrabalhadorvigianr331-131108160648-phpapp02.pdf
espacosconfinadostrabalhadorvigianr331-131108160648-phpapp02.pdfespacosconfinadostrabalhadorvigianr331-131108160648-phpapp02.pdf
espacosconfinadostrabalhadorvigianr331-131108160648-phpapp02.pdf
AndreLavor1
 
7aaa[1][1]. aula de qsms espaço confinado
7aaa[1][1]. aula de qsms   espaço confinado7aaa[1][1]. aula de qsms   espaço confinado
7aaa[1][1]. aula de qsms espaço confinado
geevanny
 
Treinamento da Norma Regulamentadora 33.pdf
Treinamento da Norma Regulamentadora 33.pdfTreinamento da Norma Regulamentadora 33.pdf
Treinamento da Norma Regulamentadora 33.pdf
Jefferson489134
 
NR 33 EM POWER POINT PARA BAIXAR GRATUITO, EXPLICATIVO E BASTANTE EFICIETE, D...
NR 33 EM POWER POINT PARA BAIXAR GRATUITO, EXPLICATIVO E BASTANTE EFICIETE, D...NR 33 EM POWER POINT PARA BAIXAR GRATUITO, EXPLICATIVO E BASTANTE EFICIETE, D...
NR 33 EM POWER POINT PARA BAIXAR GRATUITO, EXPLICATIVO E BASTANTE EFICIETE, D...
SeguranaTARKAT
 
Espaço Confinado
Espaço ConfinadoEspaço Confinado
Espaço Confinado
Eliane Damião Alves
 

Semelhante a Espaco confinado- NR33 -guia-trabalhador (20)

EspacosConfinadosLivretoTrabalhadorNR33[1].ppt
EspacosConfinadosLivretoTrabalhadorNR33[1].pptEspacosConfinadosLivretoTrabalhadorNR33[1].ppt
EspacosConfinadosLivretoTrabalhadorNR33[1].ppt
 
1-EspacosConfinados LivretoTrabalhadorNR33 - Copia.ppt
1-EspacosConfinados LivretoTrabalhadorNR33 - Copia.ppt1-EspacosConfinados LivretoTrabalhadorNR33 - Copia.ppt
1-EspacosConfinados LivretoTrabalhadorNR33 - Copia.ppt
 
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
 
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdf
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdfApresentação do PowerPoint NR 33.pdf
Apresentação do PowerPoint NR 33.pdf
 
Espacosconfinadoslivretotrabalhador nr33
Espacosconfinadoslivretotrabalhador nr33Espacosconfinadoslivretotrabalhador nr33
Espacosconfinadoslivretotrabalhador nr33
 
Livreto fundacentro
Livreto fundacentroLivreto fundacentro
Livreto fundacentro
 
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
Espacos confinadoslivretotrabalhadornr33
 
Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33Espacos confinados Livreto NR33
Espacos confinados Livreto NR33
 
Livreto_do_trabalhador.pdf
Livreto_do_trabalhador.pdfLivreto_do_trabalhador.pdf
Livreto_do_trabalhador.pdf
 
05 aulas espaço confinado
05 aulas espaço confinado05 aulas espaço confinado
05 aulas espaço confinado
 
APOSTILA NR-33.pdf
APOSTILA NR-33.pdfAPOSTILA NR-33.pdf
APOSTILA NR-33.pdf
 
Espaço confinado aps segurança
Espaço confinado aps segurançaEspaço confinado aps segurança
Espaço confinado aps segurança
 
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptxTREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
TREINAMENTO NR-33 ESPACO CONFINADO.pptx
 
Espacos_Confinados_Livreto_do_Trabalhador.pdf
Espacos_Confinados_Livreto_do_Trabalhador.pdfEspacos_Confinados_Livreto_do_Trabalhador.pdf
Espacos_Confinados_Livreto_do_Trabalhador.pdf
 
NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
NR 33 Espaços Confinados Trabalhador vigia
 
espacosconfinadostrabalhadorvigianr331-131108160648-phpapp02.pdf
espacosconfinadostrabalhadorvigianr331-131108160648-phpapp02.pdfespacosconfinadostrabalhadorvigianr331-131108160648-phpapp02.pdf
espacosconfinadostrabalhadorvigianr331-131108160648-phpapp02.pdf
 
7aaa[1][1]. aula de qsms espaço confinado
7aaa[1][1]. aula de qsms   espaço confinado7aaa[1][1]. aula de qsms   espaço confinado
7aaa[1][1]. aula de qsms espaço confinado
 
Treinamento da Norma Regulamentadora 33.pdf
Treinamento da Norma Regulamentadora 33.pdfTreinamento da Norma Regulamentadora 33.pdf
Treinamento da Norma Regulamentadora 33.pdf
 
NR 33 EM POWER POINT PARA BAIXAR GRATUITO, EXPLICATIVO E BASTANTE EFICIETE, D...
NR 33 EM POWER POINT PARA BAIXAR GRATUITO, EXPLICATIVO E BASTANTE EFICIETE, D...NR 33 EM POWER POINT PARA BAIXAR GRATUITO, EXPLICATIVO E BASTANTE EFICIETE, D...
NR 33 EM POWER POINT PARA BAIXAR GRATUITO, EXPLICATIVO E BASTANTE EFICIETE, D...
 
Espaço Confinado
Espaço ConfinadoEspaço Confinado
Espaço Confinado
 

Mais de Sergio Roberto Silva

Modelo de PCMAT
Modelo de PCMATModelo de PCMAT
Modelo de PCMAT
Sergio Roberto Silva
 
Análise ergonômica do trabalho
Análise ergonômica do trabalhoAnálise ergonômica do trabalho
Análise ergonômica do trabalho
Sergio Roberto Silva
 
Cracha de operador de empilhadeira
Cracha de operador de empilhadeiraCracha de operador de empilhadeira
Cracha de operador de empilhadeira
Sergio Roberto Silva
 
Protuario das instalações eletricas
Protuario das instalações eletricasProtuario das instalações eletricas
Protuario das instalações eletricas
Sergio Roberto Silva
 
Modelo PPRA
Modelo PPRAModelo PPRA
Modelo PCMSO
Modelo PCMSOModelo PCMSO
Modelo PCMSO
Sergio Roberto Silva
 
Curso da CIPA
Curso da CIPACurso da CIPA
Curso da CIPA
Sergio Roberto Silva
 
Registro do SESMT
Registro do SESMTRegistro do SESMT
Registro do SESMT
Sergio Roberto Silva
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
Sergio Roberto Silva
 
O.S Ordem de Serviço - NR1
O.S   Ordem de Serviço - NR1O.S   Ordem de Serviço - NR1
O.S Ordem de Serviço - NR1
Sergio Roberto Silva
 
CIPA - Saiba o que fazer
CIPA - Saiba o que fazerCIPA - Saiba o que fazer
CIPA - Saiba o que fazer
Sergio Roberto Silva
 
Relatório do mapa de riscos
Relatório do mapa de riscosRelatório do mapa de riscos
Relatório do mapa de riscos
Sergio Roberto Silva
 
Curso trabalho em altura nr35
Curso trabalho em altura   nr35Curso trabalho em altura   nr35
Curso trabalho em altura nr35
Sergio Roberto Silva
 

Mais de Sergio Roberto Silva (13)

Modelo de PCMAT
Modelo de PCMATModelo de PCMAT
Modelo de PCMAT
 
Análise ergonômica do trabalho
Análise ergonômica do trabalhoAnálise ergonômica do trabalho
Análise ergonômica do trabalho
 
Cracha de operador de empilhadeira
Cracha de operador de empilhadeiraCracha de operador de empilhadeira
Cracha de operador de empilhadeira
 
Protuario das instalações eletricas
Protuario das instalações eletricasProtuario das instalações eletricas
Protuario das instalações eletricas
 
Modelo PPRA
Modelo PPRAModelo PPRA
Modelo PPRA
 
Modelo PCMSO
Modelo PCMSOModelo PCMSO
Modelo PCMSO
 
Curso da CIPA
Curso da CIPACurso da CIPA
Curso da CIPA
 
Registro do SESMT
Registro do SESMTRegistro do SESMT
Registro do SESMT
 
Integração de Segurança
Integração de SegurançaIntegração de Segurança
Integração de Segurança
 
O.S Ordem de Serviço - NR1
O.S   Ordem de Serviço - NR1O.S   Ordem de Serviço - NR1
O.S Ordem de Serviço - NR1
 
CIPA - Saiba o que fazer
CIPA - Saiba o que fazerCIPA - Saiba o que fazer
CIPA - Saiba o que fazer
 
Relatório do mapa de riscos
Relatório do mapa de riscosRelatório do mapa de riscos
Relatório do mapa de riscos
 
Curso trabalho em altura nr35
Curso trabalho em altura   nr35Curso trabalho em altura   nr35
Curso trabalho em altura nr35
 

Último

28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 

Espaco confinado- NR33 -guia-trabalhador

  • 1. ESPAÇOS CONFINADOS – LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 – Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados
  • 2. Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Trabalho e Emprego Carlos Lupi FUNDACENTRO Presidente Remígio Todeschini Diretor Executivo Osvaldo da Silva Bezerra Diretor Técnico Carlos Sérgio da Silva Diretora de Administração e Finanças Renata Maria Celeguim
  • 3. ESPAÇOS CONFINADOS – LIVRETO DO TRABALHADOR NR 33 – Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados FUNDACENTRO Francisco Kulcsar Neto José Possebon Norma Conceição do Amaral São Paulo 2007
  • 4.  ESPAÇO CONFINADO É QUALQUER ÁREA OU AMBIENTE NÃO PROJETADO PARA OCUPAÇÃO HUMANA CONTÍNUA;  POSSUI MEIOS LIMITADOS DE ENTRADA E SAÍDA;  A VENTILAÇÃO EXISTENTE É INSUFICIENTE PARA REMOVER CONTAMINANTES OU ONDE POSSA EXISTIR A DEFICIÊNCIA OU ENRIQUECIMENTO DE OXIGÊNIO O QUE É ESPAÇO CONFINADO? 01
  • 5. ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?  INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE.  INDÚSTRIA GRÁFICA.  INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA.  INDÚSTRIA DA BORRACHA, DO COURO E TÊXTIL.  INDÚSTRIA NAVAL E OPERAÇÕES MARÍTIMAS.  INDÚSTRIAS QUÍMICAS E PETROQUÍMICAS. Tanques de armazenamento Tubulações Fonte: Petit & Linn, 1987 02
  • 6. ONDE É ENCONTRADO O ESPAÇO CONFINADO?  SERVIÇOS DE GÁS.  SERVIÇOS DE ÁGUAS E ESGOTO.  SERVIÇOS DE ELETRICIDADE.  SERVIÇOS DE TELEFONIA.  CONSTRUÇÃO CIVIL.  BENEFICIAMENTO DE MINÉRIOS.  SIDERÚRGICAS E METALÚRGICAS.  AGRICULTURA.  AGRO-INDÚSTRIA. Galerias Silos Biodigestor Fonte: Petit & Linn, 1987 03
  • 7.  OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. TIPOS DE TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS:  MANUTENÇÃO, REPAROS, LIMPEZA OU INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS OU RESERVATÓRIOS.  OPERAÇÕES DE SALVAMENTO E RESGATE. 04
  • 8. RISCOS QUANDO SE TRABALHA EM ESPAÇOS CONFINADOS:  FALTA OU EXCESSO DE OXIGÊNIO.  INCÊNDIO OU EXPLOSÃO, PELA PRESENÇA DE VAPORES E GASES INFLAMÁVEIS.  INTOXICAÇÕES POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS.  INFECÇÕES POR AGENTES BIOLÓGICOS.  AFOGAMENTOS.  SOTERRAMENTOS.  QUEDAS.  CHOQUES ELÉTRICOS. TODOS ESTES RISCOS PODEM LEVAR A MORTES OU DOENÇAS. 05
  • 9. COMO EVITAR ACIDENTES EM ESPAÇOS CONFINADOS?  CERTIFICANDO-SE QUE A SUA EMPRESA: SEGUE A  NBR 14.787 – “ESPAÇOS CONFINADOS – PREVENÇÃO DE ACIDENTES, PROCEDIMENTOS E MEDIDAS DE PROTEÇÃO”. E ATENDE A  NORMA REGULAMENTADORA n.º 33 SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR – NORMA BRASILEIRA MTE – MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR – NORMA REGULAMENTADORA 06
  • 10. QUANDO VOCÊ PODE ENTRAR EM UM ESPAÇO CONFINADO?  SOMENTE QUANDO SUA EMPRESA FORNECER A AUTORIZAÇÃO NA PERMISSÃO DE ENTRADA EAUTORIZAÇÃO NA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PETTRABALHO - PET,,  ESSA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET É EXIGIDA POR LEI E É EXECUTADA PELO SUPERVISOR DE ENTRADA.  O SERVIÇO A SER EXECUTADO DEVE SEMPRE SER ACOMPANHADO POR UM VIGIA. 07
  • 11. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  TREINAMENTO A TODOS OS TRABALHADORES.  INSPEÇÃO PRÉVIA NO LOCAL  ELABORAÇÃO DA APR – ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO. 08
  • 12. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  EXAMES MÉDICOS.  PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET. 09
  • 13. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  SUPERVISOR DE ENTRADA E VIGIA.  SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA. 10
  • 14. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  EQUIPAMENTOS DE VENTILAÇÃO.  EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE OXIGÊNIO, GASES E VAPORES TÓXICOS E INFLAMÁVEIS. 11
  • 15. A EMPRESA DEVE PROVIDENCIAR:  EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÃO, ILUMINAÇÃO.  EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL.  EQUIPAMENTOS DE RESGATE. 12
  • 16. 13 DIREITOS DO TRABALHADOR – ENTRADA SEGURA  ENTRAR EM ESPAÇO CONFINADO SOMENTE APÓS O SUPERVISOR DE ENTRADA REALIZAR TODOS OS TESTES E ADOTAR AS MEDIDAS DE CONTROLE NECESSÁRIAS.
  • 17. DIREITOS DO TRABALHADOR – ENTRADA SEGURA  33.5.1 O empregador deve garantir que os trabalhadores possam interromper suas atividades e abandonar o local de trabalho, sempre que suspeitarem da existência de risco grave e iminente para sua segurança e saúde ou a de terceiros. 14 33.5 Disposições Gerais
  • 18. DIREITOS DO TRABALHADOR - TREINAMENTO  CONHECER OS PROCEDIMENTOS E EQUIPAMENTOS DE RESGATE E PRIMEIROS SOCORROS.  RECEBER TODOS OS EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NECESSÁRIOS PARA EXECUÇÃO DOS TRABALHOS.  CONHECER O TRABALHO A SER EXECUTADO.  CONHECER OS PROCEDIMENTOS E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA PARA EXECUTAR O TRABALHO  CONHECER OS RISCOS DO TRABALHO A SER EXECUTADO. 15
  • 19. DEVERES DO TRABALHADOR:  PARTICIPAR DOS TREINAMENTOS E SEGUIR AS INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA.  USAR OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO FORNECIDOS.  COMUNICAR RISCOS.  EXAMES MÉDICOS. 16
  • 20. MEDIDAS DE SEGURANÇA – FOLHA DE PERMISSÃO DE ENTRADA  A PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO - PET CONTÉM PROCEDIMENTOS ESCRITOS DE SEGURANÇA E EMERGÊNCIA.  VERIFICAR SE AS MEDIDAS DE SEGURANÇA FORAM IMPLANTADAS E SE A PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO – PET ESTÁ ASSINADA PELO SUPERVISOR DE ENTRADA.  O TRABALHADOR DEVE ENTRAR NO ESPAÇO CONFINADO COM UMA CÓPIA DA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO. 17
  • 21. MEDIDAS DE SEGURANÇA – SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA 33.3.3 Medidas administrativas: c) manter sinalização permanente junto à entrada do espaço confinado, conforme o Anexo I da presente norma;  A SINALIZAÇÃO É IMPORTANTE PARA INFORMAÇÃO E ALERTA QUANTO AOS RISCOS EM ESPAÇOS CONFINADOS.  O ISOLAMENTO É NECESSÁRIO PARA EVITAR QUE PESSOAS NÃO AUTORIZADAS SE APROXIMEM DO ESPAÇO CONFINADO. 18
  • 22. MEDIDAS DE SEGURANÇA – SUPERVISOR DE ENTRADA O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE:  a) emitir a Permissão de Entrada e Trabalho - PET antes do início das atividades; b) executar os testes, conferir os equipamentos e os procedimentos contidos na Permissão de Entrada e Trabalho - PET; c) assegurar que os serviços de emergência e salvamento estejam disponíveis e que os meios para acioná-los estejam operantes; d) cancelar os procedimentos de entrada e trabalho quando necessário; e e) encerrar a Permissão de Entrada e Trabalho PET - após o término dos serviços. 19
  • 23. MEDIDAS DE SEGURANÇA – DESLIGAMENTO DE ENERGIA, TRAVA E SINALIZAÇÃO O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE:  DESLIGAR A ENERGIA ELÉTRICA, TRANCAR COM CHAVE OU CADEADO E SINALIZAR QUADROS ELÉTRICOS PARA EVITAR MOVIMENTAÇÃO ACIDENTAL DE MÁQUINAS OU CHOQUES ELÉTRICOS QUANDO O TRABALHADOR AUTORIZADO ESTIVER NO INTERIOR DO ESPAÇO CONFINADO. 20
  • 24. MEDIDAS DE SEGURANÇA – VIGIA O VIGIA DEVE:  a) manter continuamente a contagem precisa do número de trabalhadores autorizados no espaço confinado e assegurar que todos saiam ao término da atividade; b) permanecer fora do espaço confinado, junto à entrada, em contato permanente com os trabalhadores autorizados; c) adotar os procedimentos de emergência, acionando a equipe de salvamento, pública ou privada, quando necessário; d) operar os movimentadores de pessoas; e e) ordenar o abandono do espaço confinado sempre que reconhecer algum sinal de alarme, perigo, sintoma, queixa, condição proibida, acidente, situação não prevista ou quando não puder desempenhar efetivamente suas tarefas, nem ser substituído por outro Vigia. 21
  • 25. MEDIDAS DE SEGURANÇA – TESTES DO AR  OS TESTES DO AR INTERNO SÃO MEDIÇÕES PARA VERIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE OXIGÊNIO, GASES E VAPORES TÓXICOS E INFLAMÁVEIS.  ANTES QUE O TRABALHADOR ENTRE EM UM ESPAÇO CONFINADO, O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE REALIZAR TESTES INICIAIS DO AR INTERNO.  DURANTE AS MEDIÇÕES, O SUPERVISOR DE ENTRADA DEVE ESTAR FORA DO ESPAÇO CONFINADO. 22
  • 26. MEDIDAS DE SEGURANÇA – TESTES DO AR  AS MEDIÇÕES SÃO NECESSÁRIAS PARA QUE NÃO OCORRAM ACIDENTES POR ASFIXIA, INTOXICAÇÃO, INCÊNDIO OU EXPLOSÃO. 23
  • 27. MEDIDAS DE SEGURANÇA – VENTILAÇÃO  O USO DE OXIGÊNIO PARA VENTILAÇÃO DE LOCAL CONFINADO AUMENTA O RISCO DE INCÊNDIO E EXPLOSÃO. NÃO VENTILAR ESPAÇOS CONFINADOS COM OXIGÊNIO 24
  • 28. MEDIDAS DE SEGURANÇA – VENTILAÇÃO  DURANTE TODO O TRABALHO NO ESPAÇO CONFINADO DEVE SER UTILIZADA VENTILAÇÃO ADEQUADA PARA GARANTIR A RENOVAÇÃO CONTÍNUA DO AR. 25
  • 29.  O TRABALHADOR DEVE SER TREINADO QUANTO AO USO ADEQUADO DO EPI. MEDIDAS DE SEGURANÇA - EPI  OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPIs DEVEM SER FORNECIDOS GRATUITAMENTE.  DEVEM SER UTILIZADOS EPIs ADEQUADOS PARA CADA SITUAÇÃO DE RISCO EXISTENTE. 26
  • 30. MEDIDAS DE SEGURANÇA - OBJETOS PROIBIDOS  CIGARROS NUNCA FUME NO ESPAÇO CONFINADO!  TELEFONE CELULAR NÃO DEVE SER UTILIZADO COMO APARELHO DE COMUNICAÇÃO EM ESPAÇO CONFINADO.  VELAS – FÓSFOROS - ISQUEIROS NÃO DEVEM SER UTILIZADOS.  OBJETOS NECESSÁRIOS À EXECUÇÃO DO TRABALHO QUE PRODUZAM CALOR, CHAMAS OU FAÍSCAS, DEVEM SER PREVISTOS NA PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO. 27 33.3.2.4 Adotar medidas para eliminar ou controlar os riscos de incêndio ou explosão em trabalhos a quente, tais como solda, aquecimento, esmerilhamento, corte ou outros que liberem chama aberta, faíscas ou calor.
  • 31. MEDIDAS DE SEGURANÇA - EQUIPAMENTOS ESPECIAIS  DEVEM SER FORNECIDOS EQUIPAMENTOS ESPECIAIS PARA TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS COMO:  LANTERNAS.  RÁDIOS DE COMUNICAÇÃO.  DETECTORES DE GASES, À PROVA DE EXPLOSÃO. 28
  • 32. MEDIDAS DE EMERGÊNCIA E RESGATE  O EMPREGADOR DEVE ELABORAR E IMPLANTAR PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA E RESGATE ADEQUADOS AO ESPAÇO CONFINADO.  O EMPREGADOR DEVE FORNECER EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS QUE POSSIBILITEM MEIOS SEGUROS DE RESGATE.  OS TRABALHADORES DEVEM SER TREINADOS PARA SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA E RESGATE. 29  SITUAÇÃO DE TREINAMENTO COM SIMULAÇÃO DE OPERAÇÃO DE SALVAMENTO E RESGATE.
  • 33. LEMBRE-SE SEMPRE  GARANTA SUA VIDA E A DE SEUS COMPANHEIROS CONHECENDO E EXIGINDO TRABALHOS SEGUROS EM ESPAÇOS CONFINADOS.  VOLTAR PARA CASA COM SAÚDE É UM DIREITO DE TODOS OS TRABALHADORES. 30
  • 34. REFERÊNCIAS 1. ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR nº 14.787 Espaço Confinado – Prevenção de acidentes, procedimentos e medidas de proteção. São Paulo: ABNT. 2001. 2. BRASIL. Norma Regulamentadora. NR nº 33 – Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados – Brasília: Ministério do Trabalho. 1978. 3. BRASIL. Portaria. Portaria nº 3214 de 08.06.78. Brasília: Ministério do Trabalho. 1978. 4. ILO. International Labour Organization. Encyclopaedia of Occupational Health and Safety. Geneva: ILO. 1971/72. 5. MINISTÉRIO DE TRABAJO Y ASSUNTOS SOCIALES. Trabajos em Espacios Confinados. Madrid: Instituto Nacional de Seguridad e Higiene em El Trabajo. 2005. 6. PETIT, T; LINN, H. A Guide to Safety in Confined Spaces. Washington: NIOSH. Government Printing Office. 1987. 7. REKUS, JF. Complete Confined Spaces Handbook. Maryland: CRC/Lewis Publishers. 1984. 8. U.S. Department of Labor Occupational Safety & Health Administration. Confined Spaces. Washington: OSHA. 2005. 9. U.S. Department of Labor Occupational Safety & Health Administration. Regulations (Standards – 29 CFR) 31
  • 35. Digitação e montagem Norma C. do Amaral Adequação didática Alice Santi Maria Cristina B. G. C. Carneiro Maria Inês Franco Motti Desenhos Perkins T. Moreira