SlideShare uma empresa Scribd logo
Arte Cinética Pierre Souza Fonseca 2006002389
Desde os tempos mais antigos os artistas interessaram-se em descrever o  movimento, pássaros em vôo atletas correndo,cavalos galopando.  Mas o artista cinético não se preocupa em representar o movimento: Ele está interessado no  próprio  movimento da obra. Arte cinética significa arte que envolve o movimento
Tudo começou no futurismo “ n ão podemos esquecer  ...que a fúria de um volante ou a turbina  de um motor são elementos plásticos e pictóricos que um futurista deve levar em conta em escultura” Umberto Boccione manifesto técnico da escultura futurista  1912 Os manifestos futuristas continham o  germe da idéia de arte cinética:
Arte cinética em fase experimental Balla e Boccioni apresentam-nos um certo   numero de fases de um objeto em movimento tal com poderiam aparecer, se sobrepostas em uma única chapa fotográfica. No sentido   técnico as obras não são artes cinéticas Giacomo Balla Cão na coleira 1912 Umberto Boccioni Dinamismo de um ciclista
Após o fim da primeira guerra mundial a idéia de arte cinética se concretiza pela primeira vez . Em 1920 na Rússia e lançado o manifesto realístico por essa turma ai em cima, no decorrer do manifesto eles criticam o futurismo pelas suas deficiências em se relacionar com a velocidade e com o movimento, para eles tomadas momentâneas de um movimento suspenso não  recria o próprio movimento . Depois em uma linguagem não muito diferente da dos manifestos futuristas eles denunciaram a arte do passado e proclamaram uma nova e dinâmica, a arte dos ‘’ritmos cinéticos’’ Rodchenko  Pevsner  Tatlin Gabo
Construção cinética de Gabo,1920 A mais antiga obra a preencher esses requisitos foi a construção cinética de gabo em 1920. Consiste em uma vara metálica vibrátil, acionada por um motor.Quando a vara vibra forma-se uma simples onda.É esguia e translúcida como um vaso etéreo e frágil. Naum Gabo
Laszló Moholy-Nagy S ó quase uma década depois é que foi produzida uma obra cinética quase tão importante quanto a de Gabo.Foi o  modulador luz espaço. A luz desempenhou um papel importante na produção do efeito escultural. Era o reflexo da luz proveniente da superfície metálica que criava a impressão de solidez.
Contribuição teórica “  Diante de uma obra de arte cinética, o espectador deixa de ser um observador passivo ou receptivo: torna-se um parceiro ativo, com forças que desenvolvem por iniciativa própria. Na arte cinética a composição não se mostra toda de imediato. O espectador tem recompor e construir a obra por si mesmo”. Moholy Nagy prenunciou alguns dos desenvolvimentos mais recentes, previu um tempo em que o espectador participaria na formação da própria obra. Moholy Nagy manifesto em 1922
O  movimento da arte cinética, conforme hoje e conhecida pode ser considera como não datando de Gabo ou de Moholy-Nagy, mas de  Alexander Calder  este último resolveu o problema da força motriz de um modo que era simultaneamente simples, elegante e obvio: Calder usou o movimento do ar. Assim não tinha necessidade de esconder sua  fonte de energia ou de tentar fazer dela uma parte integrante da obra. Alexander Calder
Alexander Calder Móbiles
Móbiles   1931
 
“ M óbiles mais leves do que flores,agitam-se ao menor sopro em movimentos infinitos e param no silencio, lenta e indefinidamente”. Roland Barthe
Jean  Paul  Sartre  Deslumbramento e surpresa diante de  uma obra de Calder Certo dia eu conversava com Calder em deu ateliê quando um móbile, que ate então estava parado, arremessou se em minha direção numa violenta agitação, dei um passo para traz, me colocando fora de seu alcance. Mas, der repente, assim que essa agitação passou, e ele parecia novamente morto sua longa calda majestosa, que não tinha se mexido, se pos em movimento, devagar,como num lamento,e voltanteando pelos ares passou pelo meu nariz .
 
Grande móbile branco “ E a sublimação de uma arvore ao vento” Marcel Duchamp
“ Se uma pessoa não consegue imaginar coisas  Não as consegue fazer. Qualquer coisa que se imagine e real” Alexander Calder
 
Le mouvement E m 30 de abril de 1955  e realizada na galeria Denise René a exposição le mouvement onde e cunhada pela primeira vez a expressão “ arte   cinética ”. A coesão do trabalho cinético apresenta uma preocupação central no trabalho de diversos artistas, concientes do papel do movimento na redefinição e concepção do objeto artístico. O rganizada por Victor Vasarely a exposição contou com nomes de artistas de diferentes gerações como: Marcel Duchamp, Alexander Calder,jesus rafael Soto, Jean Tinguely,Yaacov Agam Pol Bury,entre outros.
Obras que se movimentam S ão obras que realmente se movimentam e podem ser distinguidas entre si pela força motriz empregada  Kenneth martim  Georg rickey Ambos assim como calder se utilizam do vento como força motriz
U ma queixada descarnada de um hipopótamo presa por parafusos,sucatas,latas,arame ferro,engrenagens.Uma roda com correia atrelada a um motor elétrico que, acionado,faz da escultura uma geringonça viva Jean Tinguely 1925-1991 Érico santos
Homenagem a Nova York: Obra que se auto constrói e se auto destrói.1960
 
T inguely situa- se mais na tradição dadaísta, zombando da era da maquina e da própria arte.Ele construiu máquinas auto destrutivas e, embora tivesse realizado um certo numero de composições satisfatórias,elas se movimentam em um plano único do espaço.
Estudo do fim do mundo
 
 
 
 
 
 
 
T inguely criou obras inusitadas,máquinas auto propulsoras, musicais e até comestíveis.
 
Rotanza
P odemos apontar Tiguely como um dos artistas que explorou sem limites o significado da maquina,buscando a essência da maquina sem utilidade, desafiando seus perigos e aludindo a sua estética da era mecânica.
 
 
O  uso da cibernética, da eletrônica e da tecnologia avançada para a criação de obras interativas. Nicholas shoffer 1912-1922
Cysp1 (1956) e considerada a primeira escultura cibernética e contém , sistemas eletrônicos desenvolvidos pela Phillips
 
 
 
 
Artista radicado na França, nascido na Hungria Considerado o pai da arte cibernética Propósito de dinamismo na arte Influenciado pelo dinamismo dos cubistas, futuristas e o construtivismo russo Passagem da terceira dimensão estática para a quarta dimensão de tempo e movimento Teorias cibernéticas de sistema de resposta e interação Pensava na organização do sistema de manifestação artística. Nicolas Schöffer SCAM1  Première sculpture-automobile,  créée en 1973
 
Julio Le Park A  luz surgiu em minhas obras para solucionar problemas, e não e um apelo a tecnologia,mas o que me interessa e o processo.
Três coisa são utilizadas para definir áreas no espaço: Fonte luminosa O feixe de luz E as superfícies iluminadas que podem incluir partes da obra ou se tratar de um espaço fechado
Imagens projectées 1962 E sse uso da luz tem o efeito de atrair o espectador para a órbita da própria  da obra
 
 
 
O espectador ingressa na propria obra, esta cerca-o. Sua atenção esta totalmente concentrada na escuridão circundante, e a luz assalta-lhe os sentidos
“ A  vida não e classificavel só a arte” Le Parc
http://www.youtube.com/watch?v=MbkuSrSH2gg http://www.youtube.com/watch?v=WcR7U2tuNoY http://www.youtube.com/watch?v=jo5mH9yx3So http://www.youtube.com/watch?v=fnesU2eambw http://www.youtube.com/watch?v=1L7tZ- MTkPs http://www.youtube.com/watch?v=HsOYRM8g5OM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte cinética artes trabalho
Arte cinética artes trabalhoArte cinética artes trabalho
Arte cinética artes trabalho
Thiago Andrade Silva
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
Jucielly Vasconcellos
 
Op art
Op artOp art
Op art
Mirna Muniz
 
Surrealismo.
Surrealismo.Surrealismo.
Surrealismo.
Amanda Patricia
 
Performance art
Performance artPerformance art
Performance art
bahuam
 
movimentos de vanguarda
movimentos de vanguardamovimentos de vanguarda
movimentos de vanguarda
elenir duarte dias
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
infoeducp2
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
2011saletekm
 
Imagens das obras de rubem valentim
Imagens das obras de rubem valentimImagens das obras de rubem valentim
Imagens das obras de rubem valentim
Nancihorta
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Paulo Fonseca
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
Cristiane Seibt
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinema
sergioborgato
 
A HistóRia Da Fotografia
A HistóRia Da FotografiaA HistóRia Da Fotografia
A HistóRia Da Fotografia
Victor Marinho
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Michele Pó
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
Ana Barreiros
 
Ensino Médio- A arte do cubismo
Ensino Médio- A arte do cubismoEnsino Médio- A arte do cubismo
Ensino Médio- A arte do cubismo
ArtesElisa
 
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMOABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
Cristiane Seibt
 
Enem 2013, artes
Enem 2013, artesEnem 2013, artes
Enem 2013, artes
ma.no.el.ne.ves
 
Artes no enem 2011
Artes no enem 2011Artes no enem 2011
Artes no enem 2011
ma.no.el.ne.ves
 
Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picasso
eloisecris
 

Mais procurados (20)

Arte cinética artes trabalho
Arte cinética artes trabalhoArte cinética artes trabalho
Arte cinética artes trabalho
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Op art
Op artOp art
Op art
 
Surrealismo.
Surrealismo.Surrealismo.
Surrealismo.
 
Performance art
Performance artPerformance art
Performance art
 
movimentos de vanguarda
movimentos de vanguardamovimentos de vanguarda
movimentos de vanguarda
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
 
Imagens das obras de rubem valentim
Imagens das obras de rubem valentimImagens das obras de rubem valentim
Imagens das obras de rubem valentim
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
 
Art história do cinema
Art   história do cinemaArt   história do cinema
Art história do cinema
 
A HistóRia Da Fotografia
A HistóRia Da FotografiaA HistóRia Da Fotografia
A HistóRia Da Fotografia
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
 
Ensino Médio- A arte do cubismo
Ensino Médio- A arte do cubismoEnsino Médio- A arte do cubismo
Ensino Médio- A arte do cubismo
 
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMOABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
 
Enem 2013, artes
Enem 2013, artesEnem 2013, artes
Enem 2013, artes
 
Artes no enem 2011
Artes no enem 2011Artes no enem 2011
Artes no enem 2011
 
Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picasso
 

Destaque

Arte cinetico
Arte  cineticoArte  cinetico
Arte cinetico
IndieLiz
 
Arte cinetico
Arte cineticoArte cinetico
Arte cinetico
HalilCy
 
Arte cinético
Arte cinéticoArte cinético
Arte cinético
Valentin Navas
 
Calder
CalderCalder
Arte cinético
Arte cinético Arte cinético
Arte cinético
Belen Lopez Romero
 
Op-Art y Cinetismo
Op-Art y CinetismoOp-Art y Cinetismo
Op-Art y Cinetismo
Patricia Quijada
 
Arte optico y cinético
Arte optico y cinéticoArte optico y cinético
Arte optico y cinético
Silvia Garavaglia
 
Dramaturgia
DramaturgiaDramaturgia
Dramaturgia
Lucas Fernando
 
Ensino Médio- Arte conceitual no Brasil
Ensino Médio- Arte conceitual no BrasilEnsino Médio- Arte conceitual no Brasil
Ensino Médio- Arte conceitual no Brasil
ArtesElisa
 
Aula arte cinética proposta produção
Aula arte cinética   proposta produçãoAula arte cinética   proposta produção
Aula arte cinética proposta produção
Venise Melo
 
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Rita Godinho
 
Avaliação para o 9ºano
Avaliação para o 9ºanoAvaliação para o 9ºano
Avaliação para o 9ºano
Andreza Andrade
 
Atividade artes 6° ou 7° ano
Atividade artes 6° ou 7° anoAtividade artes 6° ou 7° ano
Atividade artes 6° ou 7° ano
Geo Honório
 
Pop art
Pop artPop art
Pop art
Denise Lima
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Avaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º anoAvaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º ano
Andreza Andrade
 
Projeto amigo oculto
Projeto amigo ocultoProjeto amigo oculto
Projeto amigo oculto
Fabiola Oliveira
 
Prova arte 2013
Prova arte 2013 Prova arte 2013
Prova arte 2013
Ernando Ramos
 
MúSica
MúSicaMúSica
MúSica
martinsramon
 
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e PlanoConceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Débora Cseri
 

Destaque (20)

Arte cinetico
Arte  cineticoArte  cinetico
Arte cinetico
 
Arte cinetico
Arte cineticoArte cinetico
Arte cinetico
 
Arte cinético
Arte cinéticoArte cinético
Arte cinético
 
Calder
CalderCalder
Calder
 
Arte cinético
Arte cinético Arte cinético
Arte cinético
 
Op-Art y Cinetismo
Op-Art y CinetismoOp-Art y Cinetismo
Op-Art y Cinetismo
 
Arte optico y cinético
Arte optico y cinéticoArte optico y cinético
Arte optico y cinético
 
Dramaturgia
DramaturgiaDramaturgia
Dramaturgia
 
Ensino Médio- Arte conceitual no Brasil
Ensino Médio- Arte conceitual no BrasilEnsino Médio- Arte conceitual no Brasil
Ensino Médio- Arte conceitual no Brasil
 
Aula arte cinética proposta produção
Aula arte cinética   proposta produçãoAula arte cinética   proposta produção
Aula arte cinética proposta produção
 
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
 
Avaliação para o 9ºano
Avaliação para o 9ºanoAvaliação para o 9ºano
Avaliação para o 9ºano
 
Atividade artes 6° ou 7° ano
Atividade artes 6° ou 7° anoAtividade artes 6° ou 7° ano
Atividade artes 6° ou 7° ano
 
Pop art
Pop artPop art
Pop art
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Avaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º anoAvaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º ano
 
Projeto amigo oculto
Projeto amigo ocultoProjeto amigo oculto
Projeto amigo oculto
 
Prova arte 2013
Prova arte 2013 Prova arte 2013
Prova arte 2013
 
MúSica
MúSicaMúSica
MúSica
 
Conceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e PlanoConceito de Ponto, Linha e Plano
Conceito de Ponto, Linha e Plano
 

Semelhante a Escultura Cinética

NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro
Andrea Dressler
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
Viviane Marques
 
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao SurrealismoHistória da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
Raphael Lanzillotte
 
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Viviane Marques
 
Pós Modernismo
Pós ModernismoPós Modernismo
Pós Modernismo
Bruno Conti
 
Futurismoo
FuturismooFuturismoo
Futurismoo
Lyssa Martins
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
Ellen_A
 
Arte no século xx
Arte no século xxArte no século xx
Arte no século xx
School
 
Op Art & Pop Art
Op Art & Pop ArtOp Art & Pop Art
Op Art & Pop Art
Marcia Alvares
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
Michele Pó
 
Arte , Ambiente E Sustentabilidade
Arte , Ambiente E SustentabilidadeArte , Ambiente E Sustentabilidade
Arte , Ambiente E Sustentabilidade
paivanuno
 
As vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
As vanguardas europeias / Cursinho Ave PalavraAs vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
As vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte
ArteArte
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 
20231hsi9_inovacao_e_rutura_na_arte.pptx
20231hsi9_inovacao_e_rutura_na_arte.pptx20231hsi9_inovacao_e_rutura_na_arte.pptx
20231hsi9_inovacao_e_rutura_na_arte.pptx
LeonorMendes19
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
António Silva
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Andrea Dressler
 
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTECOLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
Renato Garcia
 
vanguardas
vanguardasvanguardas
vanguardas
gofontoura
 
Futurismo Italiano
Futurismo ItalianoFuturismo Italiano
Futurismo Italiano
Ellen_Assad
 

Semelhante a Escultura Cinética (20)

NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro
 
Construtivismo russo
Construtivismo russoConstrutivismo russo
Construtivismo russo
 
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao SurrealismoHistória da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
 
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
Arte contemporânea [modo de compatibilidade]
 
Pós Modernismo
Pós ModernismoPós Modernismo
Pós Modernismo
 
Futurismoo
FuturismooFuturismoo
Futurismoo
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
 
Arte no século xx
Arte no século xxArte no século xx
Arte no século xx
 
Op Art & Pop Art
Op Art & Pop ArtOp Art & Pop Art
Op Art & Pop Art
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Arte , Ambiente E Sustentabilidade
Arte , Ambiente E SustentabilidadeArte , Ambiente E Sustentabilidade
Arte , Ambiente E Sustentabilidade
 
As vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
As vanguardas europeias / Cursinho Ave PalavraAs vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
As vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
20231hsi9_inovacao_e_rutura_na_arte.pptx
20231hsi9_inovacao_e_rutura_na_arte.pptx20231hsi9_inovacao_e_rutura_na_arte.pptx
20231hsi9_inovacao_e_rutura_na_arte.pptx
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTECOLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
COLAGEM E APROPRIAÇÕES NA ARTE
 
vanguardas
vanguardasvanguardas
vanguardas
 
Futurismo Italiano
Futurismo ItalianoFuturismo Italiano
Futurismo Italiano
 

Último

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 

Último (20)

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 

Escultura Cinética

  • 1. Arte Cinética Pierre Souza Fonseca 2006002389
  • 2. Desde os tempos mais antigos os artistas interessaram-se em descrever o movimento, pássaros em vôo atletas correndo,cavalos galopando. Mas o artista cinético não se preocupa em representar o movimento: Ele está interessado no próprio movimento da obra. Arte cinética significa arte que envolve o movimento
  • 3. Tudo começou no futurismo “ n ão podemos esquecer ...que a fúria de um volante ou a turbina de um motor são elementos plásticos e pictóricos que um futurista deve levar em conta em escultura” Umberto Boccione manifesto técnico da escultura futurista 1912 Os manifestos futuristas continham o germe da idéia de arte cinética:
  • 4. Arte cinética em fase experimental Balla e Boccioni apresentam-nos um certo numero de fases de um objeto em movimento tal com poderiam aparecer, se sobrepostas em uma única chapa fotográfica. No sentido técnico as obras não são artes cinéticas Giacomo Balla Cão na coleira 1912 Umberto Boccioni Dinamismo de um ciclista
  • 5. Após o fim da primeira guerra mundial a idéia de arte cinética se concretiza pela primeira vez . Em 1920 na Rússia e lançado o manifesto realístico por essa turma ai em cima, no decorrer do manifesto eles criticam o futurismo pelas suas deficiências em se relacionar com a velocidade e com o movimento, para eles tomadas momentâneas de um movimento suspenso não recria o próprio movimento . Depois em uma linguagem não muito diferente da dos manifestos futuristas eles denunciaram a arte do passado e proclamaram uma nova e dinâmica, a arte dos ‘’ritmos cinéticos’’ Rodchenko Pevsner Tatlin Gabo
  • 6. Construção cinética de Gabo,1920 A mais antiga obra a preencher esses requisitos foi a construção cinética de gabo em 1920. Consiste em uma vara metálica vibrátil, acionada por um motor.Quando a vara vibra forma-se uma simples onda.É esguia e translúcida como um vaso etéreo e frágil. Naum Gabo
  • 7. Laszló Moholy-Nagy S ó quase uma década depois é que foi produzida uma obra cinética quase tão importante quanto a de Gabo.Foi o modulador luz espaço. A luz desempenhou um papel importante na produção do efeito escultural. Era o reflexo da luz proveniente da superfície metálica que criava a impressão de solidez.
  • 8. Contribuição teórica “ Diante de uma obra de arte cinética, o espectador deixa de ser um observador passivo ou receptivo: torna-se um parceiro ativo, com forças que desenvolvem por iniciativa própria. Na arte cinética a composição não se mostra toda de imediato. O espectador tem recompor e construir a obra por si mesmo”. Moholy Nagy prenunciou alguns dos desenvolvimentos mais recentes, previu um tempo em que o espectador participaria na formação da própria obra. Moholy Nagy manifesto em 1922
  • 9. O movimento da arte cinética, conforme hoje e conhecida pode ser considera como não datando de Gabo ou de Moholy-Nagy, mas de Alexander Calder este último resolveu o problema da força motriz de um modo que era simultaneamente simples, elegante e obvio: Calder usou o movimento do ar. Assim não tinha necessidade de esconder sua fonte de energia ou de tentar fazer dela uma parte integrante da obra. Alexander Calder
  • 11. Móbiles 1931
  • 12.  
  • 13. “ M óbiles mais leves do que flores,agitam-se ao menor sopro em movimentos infinitos e param no silencio, lenta e indefinidamente”. Roland Barthe
  • 14. Jean Paul Sartre Deslumbramento e surpresa diante de uma obra de Calder Certo dia eu conversava com Calder em deu ateliê quando um móbile, que ate então estava parado, arremessou se em minha direção numa violenta agitação, dei um passo para traz, me colocando fora de seu alcance. Mas, der repente, assim que essa agitação passou, e ele parecia novamente morto sua longa calda majestosa, que não tinha se mexido, se pos em movimento, devagar,como num lamento,e voltanteando pelos ares passou pelo meu nariz .
  • 15.  
  • 16. Grande móbile branco “ E a sublimação de uma arvore ao vento” Marcel Duchamp
  • 17. “ Se uma pessoa não consegue imaginar coisas Não as consegue fazer. Qualquer coisa que se imagine e real” Alexander Calder
  • 18.  
  • 19. Le mouvement E m 30 de abril de 1955 e realizada na galeria Denise René a exposição le mouvement onde e cunhada pela primeira vez a expressão “ arte cinética ”. A coesão do trabalho cinético apresenta uma preocupação central no trabalho de diversos artistas, concientes do papel do movimento na redefinição e concepção do objeto artístico. O rganizada por Victor Vasarely a exposição contou com nomes de artistas de diferentes gerações como: Marcel Duchamp, Alexander Calder,jesus rafael Soto, Jean Tinguely,Yaacov Agam Pol Bury,entre outros.
  • 20. Obras que se movimentam S ão obras que realmente se movimentam e podem ser distinguidas entre si pela força motriz empregada Kenneth martim Georg rickey Ambos assim como calder se utilizam do vento como força motriz
  • 21. U ma queixada descarnada de um hipopótamo presa por parafusos,sucatas,latas,arame ferro,engrenagens.Uma roda com correia atrelada a um motor elétrico que, acionado,faz da escultura uma geringonça viva Jean Tinguely 1925-1991 Érico santos
  • 22. Homenagem a Nova York: Obra que se auto constrói e se auto destrói.1960
  • 23.  
  • 24. T inguely situa- se mais na tradição dadaísta, zombando da era da maquina e da própria arte.Ele construiu máquinas auto destrutivas e, embora tivesse realizado um certo numero de composições satisfatórias,elas se movimentam em um plano único do espaço.
  • 25. Estudo do fim do mundo
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.  
  • 31.  
  • 32.  
  • 33. T inguely criou obras inusitadas,máquinas auto propulsoras, musicais e até comestíveis.
  • 34.  
  • 36. P odemos apontar Tiguely como um dos artistas que explorou sem limites o significado da maquina,buscando a essência da maquina sem utilidade, desafiando seus perigos e aludindo a sua estética da era mecânica.
  • 37.  
  • 38.  
  • 39. O uso da cibernética, da eletrônica e da tecnologia avançada para a criação de obras interativas. Nicholas shoffer 1912-1922
  • 40. Cysp1 (1956) e considerada a primeira escultura cibernética e contém , sistemas eletrônicos desenvolvidos pela Phillips
  • 41.  
  • 42.  
  • 43.  
  • 44.  
  • 45. Artista radicado na França, nascido na Hungria Considerado o pai da arte cibernética Propósito de dinamismo na arte Influenciado pelo dinamismo dos cubistas, futuristas e o construtivismo russo Passagem da terceira dimensão estática para a quarta dimensão de tempo e movimento Teorias cibernéticas de sistema de resposta e interação Pensava na organização do sistema de manifestação artística. Nicolas Schöffer SCAM1 Première sculpture-automobile, créée en 1973
  • 46.  
  • 47. Julio Le Park A luz surgiu em minhas obras para solucionar problemas, e não e um apelo a tecnologia,mas o que me interessa e o processo.
  • 48. Três coisa são utilizadas para definir áreas no espaço: Fonte luminosa O feixe de luz E as superfícies iluminadas que podem incluir partes da obra ou se tratar de um espaço fechado
  • 49. Imagens projectées 1962 E sse uso da luz tem o efeito de atrair o espectador para a órbita da própria da obra
  • 50.  
  • 51.  
  • 52.  
  • 53. O espectador ingressa na propria obra, esta cerca-o. Sua atenção esta totalmente concentrada na escuridão circundante, e a luz assalta-lhe os sentidos
  • 54. “ A vida não e classificavel só a arte” Le Parc
  • 55. http://www.youtube.com/watch?v=MbkuSrSH2gg http://www.youtube.com/watch?v=WcR7U2tuNoY http://www.youtube.com/watch?v=jo5mH9yx3So http://www.youtube.com/watch?v=fnesU2eambw http://www.youtube.com/watch?v=1L7tZ- MTkPs http://www.youtube.com/watch?v=HsOYRM8g5OM