SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
08/09/2012

Energia e Meio Ambiente

Prof. Eng. Antonio Fernando Navarro, M.Sc.
afnavarro@terra.com.br
2007

Questão para discussão
O novo cenário da energia e eficiência
energética no Brasil e aspectos de gestão
e financeiros para implementação de
projetos de energia.
O novo cenário é compatível com a
preocupação pela conservação do meio
ambiente?
O Brasil precisa investir em novas
tecnologias?

Sistema energético
O sistema energético compreende as
atividades de extração, processamento,
distribuição e uso de energia e é
responsável pelos principais impactos
ambientais da sociedade industrial.

1
08/09/2012

Impactos globais
Os impactos globais mais significativos
são:
Alterações climáticas devidas ao acúmulo
de gases na atmosfera (efeito estufa);
Depleção da camada de ozônio devido ao
emprego de CFCs.

Poluição atmosférica
O setor energético é responsável por:
75% do CO2 lançado na atmosfera;
85% das emissões de enxofre;
76% dos óxidos de nitrogênio.

Poluição cumulativa
A constante deposição de compostos
ácidos em rios e lagos afeta a vida
aquática e ameaça toda a cadeia
alimentar de ecossistemas.
No solo, a acidez das chuvas reduz a
presença de nutrientes.

2
08/09/2012

Fontes alternativas de energia
As chamadas fontes alternativas de
energia, como: solar, eólica e biomassa,
não estão totalmente isentas de impactos
ambientais, embora possam ser
relativamente menores do que as demais
fontes.

Novos desafios
Os desafios para se continuar a expandir
as necessidades energéticas da
sociedade com menores efeitos
ambientais são enormes. O trabalho dos
cientistas é o de oferecer alternativas de
escolhas para a sociedade que sejam
adaptáveis às necessidades locais sem
agredir ao meio ambiente.

Efeito Estufa
Os mais complexos e maiores efeitos das
emissões do setor energético são os problemas
globais relacionados com as mudanças
climáticas. O acúmulo de gases, como o CO2 na
atmosfera, acentua o efeito estufa, a ponto de
romper os padrões de clima que condicionaram
a vida humana, de animais e a vegetação. É
cada vez mais evidente a constatação de
crescentes concentrações de CO2 na atmosfera
e o aumento de temperaturas médias.

3
08/09/2012

Termoelétricas
A produção de eletricidade através de termoelétricas
representa, em escala mundial, cerca de 1/3 do total das
emissões antropogênicas de CO2, sendo seguida pelas
emissões geradas pelo setor de transporte e pelo setor
industrial.
É importante notar que houve bastante progresso com
relação ao aumento da eficiência de usinas
termoelétricas, através da introdução de novas
tecnologias de co-geração e turbinas a gás. As
possibilidades de gaseificação de carvão, madeira e
bagaço, oferecem novas oportunidades de usinas mais
eficientes e com menores impactos do que as
convencionais.

Hidroelétricas
As usinas de geração de eletricidade através da
força das águas apresenta impactos ao meio
ambiente, especialmente em função da
formação dos grandes reservatórios. Itaipú,
como por exemplo, causou mudanças na
temperatura e na umidade das regiões no seu
entorno. Balbina (AM) provocou a inundação de
partes da floresta nativa, ocasionando
alterações na composição e na acidez da água.
As turbinas sofrem grandemente com problemas
de corrosão em função do aumento da acidez
da água.

Usinas nucleares
A energia nuclear é talvez aquela que mais tem
chamado a atenção quanto aos seus impactos
ambientais e à saúde humana, em função de:
Manipulação de material radioativo;
Desvios clandestinos de material nuclear;
Armazenamento de rejeitos radioativos;
Riscos de contaminação radioativa por
acidentes operacionais ou estruturais.

4
08/09/2012

O novo cenário da energia e
eficiência energética no Brasil
A matriz energética implantada hoje no Brasil
depende grandemente da geração por hidroeletricidade. Um dos problemas encontrados é
o da necessidade de grandes áreas para
represamento de água e da existência de
desníveis nos rios que possam vir a ser
aproveitados. Essas condições hoje não são
mais encontradas com muita facilidade.
Outro problema é o da transmissão da energia
desde o local de sua geração até os grandes
centros consumidores.

Novo cenário
Escolha de fontes de geração de energia
confiáveis, limpas e que demandem
menos custos para a entrega aos
consumidores.
Desenvolvimento de bens que sejam
menos consumidores de energia.
Conscientização dos consumidores
quanto à conservação racional de
energia.

Aspectos de gestão para a
implementação de projetos de energia
Incentivos à pesquisa e desenvolvimento
de novos bens que demandem menor
consumo de energia.
Conscientização dos consumidores para
a escolha de bens com baixo consumo
de energia.
Criação de mecanismos de controle do
desperdício de energia

5
08/09/2012

Aspectos financeiros para a implementação
de projetos de energia
Incentivos financeiros/fiscais e linhas de
crédito para investimento em fontes
alternativas de energia.
Incentivo à prática da comercialização
dos excedentes de energia dos
pequenos produtores.
Incentivo para que os grandes
consumidores sejam parceiros na
geração de energia.

6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho 2 (1).docxddd
Trabalho 2 (1).docxdddTrabalho 2 (1).docxddd
Trabalho 2 (1).docxdddfernandavf
 
Como realizar a terceira revolução energética no mundo
Como realizar a terceira revolução energética no mundoComo realizar a terceira revolução energética no mundo
Como realizar a terceira revolução energética no mundoFernando Alcoforado
 
Rodrigo simoes city_
Rodrigo simoes city_Rodrigo simoes city_
Rodrigo simoes city_lalopes_
 
A poluicao atmosferica
A poluicao atmosfericaA poluicao atmosferica
A poluicao atmosfericafda
 
Guia de eficiência energética em vieira do minho
Guia de eficiência energética em vieira do minhoGuia de eficiência energética em vieira do minho
Guia de eficiência energética em vieira do minhoMicael Gonçalves
 
Aulão prevupe geografia.
Aulão prevupe   geografia.Aulão prevupe   geografia.
Aulão prevupe geografia.Ajudar Pessoas
 
Painel IV - A água e a energia: Água: desafios para a sustentabilidade energé...
Painel IV - A água e a energia: Água: desafios para a sustentabilidade energé...Painel IV - A água e a energia: Água: desafios para a sustentabilidade energé...
Painel IV - A água e a energia: Água: desafios para a sustentabilidade energé...CIDAADS
 
8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro
8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro
8º Encontro de Resseguro do Rio de JaneiroCNseg
 
Tecnologia versus Humanidade
Tecnologia versus HumanidadeTecnologia versus Humanidade
Tecnologia versus Humanidadejpeg_productions
 
Seminário Capital Natural: A Nova Revolução Económica
Seminário Capital Natural: A Nova Revolução EconómicaSeminário Capital Natural: A Nova Revolução Económica
Seminário Capital Natural: A Nova Revolução EconómicaEmpresas e Biodiversidade
 
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos SustentáveisEmpreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos SustentáveisJim Naturesa
 

Mais procurados (20)

Trabalho 2 (1).docxddd
Trabalho 2 (1).docxdddTrabalho 2 (1).docxddd
Trabalho 2 (1).docxddd
 
Economia de energia(e)
Economia de energia(e)Economia de energia(e)
Economia de energia(e)
 
Apres UNESP SEMEAR
Apres UNESP SEMEARApres UNESP SEMEAR
Apres UNESP SEMEAR
 
Como realizar a terceira revolução energética no mundo
Como realizar a terceira revolução energética no mundoComo realizar a terceira revolução energética no mundo
Como realizar a terceira revolução energética no mundo
 
Rodrigo simoes city_
Rodrigo simoes city_Rodrigo simoes city_
Rodrigo simoes city_
 
A poluicao atmosferica
A poluicao atmosfericaA poluicao atmosferica
A poluicao atmosferica
 
Grupo 05
Grupo 05Grupo 05
Grupo 05
 
Engenharia Ambiental
Engenharia AmbientalEngenharia Ambiental
Engenharia Ambiental
 
Matriz de energia
Matriz de energiaMatriz de energia
Matriz de energia
 
Guia de eficiência energética em vieira do minho
Guia de eficiência energética em vieira do minhoGuia de eficiência energética em vieira do minho
Guia de eficiência energética em vieira do minho
 
Fontes de energia1111
Fontes de energia1111Fontes de energia1111
Fontes de energia1111
 
Artigo final
Artigo finalArtigo final
Artigo final
 
Aulão prevupe geografia.
Aulão prevupe   geografia.Aulão prevupe   geografia.
Aulão prevupe geografia.
 
Dez razões para apostar na hidreletricidade
Dez razões para apostar na hidreletricidadeDez razões para apostar na hidreletricidade
Dez razões para apostar na hidreletricidade
 
Painel IV - A água e a energia: Água: desafios para a sustentabilidade energé...
Painel IV - A água e a energia: Água: desafios para a sustentabilidade energé...Painel IV - A água e a energia: Água: desafios para a sustentabilidade energé...
Painel IV - A água e a energia: Água: desafios para a sustentabilidade energé...
 
8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro
8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro
8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro
 
Tecnologia versus Humanidade
Tecnologia versus HumanidadeTecnologia versus Humanidade
Tecnologia versus Humanidade
 
Seminário Capital Natural: A Nova Revolução Económica
Seminário Capital Natural: A Nova Revolução EconómicaSeminário Capital Natural: A Nova Revolução Económica
Seminário Capital Natural: A Nova Revolução Económica
 
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos SustentáveisEmpreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
 
Engenheiro ambiental
Engenheiro ambientalEngenheiro ambiental
Engenheiro ambiental
 

Semelhante a Energia e meio ambiente

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1marade
 
Seminário os dilemas da energia e do desenvolvimento
Seminário os dilemas da energia e do desenvolvimentoSeminário os dilemas da energia e do desenvolvimento
Seminário os dilemas da energia e do desenvolvimentoFernando Alcoforado
 
Apresentação2 informaticaaplicada
Apresentação2 informaticaaplicadaApresentação2 informaticaaplicada
Apresentação2 informaticaaplicadaDjenne Silva
 
Questões ambientais globais
Questões ambientais globaisQuestões ambientais globais
Questões ambientais globaisEdenilson Morais
 
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3Fernando Alcoforado
 
fontesalternativasdeenergia-150415091846-conversion-gate01.pdf
fontesalternativasdeenergia-150415091846-conversion-gate01.pdffontesalternativasdeenergia-150415091846-conversion-gate01.pdf
fontesalternativasdeenergia-150415091846-conversion-gate01.pdfFoxHunter8
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaSinara Lustosa
 
Problemas ambientais vs Energia
Problemas ambientais vs EnergiaProblemas ambientais vs Energia
Problemas ambientais vs EnergiaLuisjoaquim
 
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e TendênciasSustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e TendênciasTânnia Grigorieff
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfromuloswati
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfromuloswati
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfromuloswati
 
Apresentação da amareleja
Apresentação da amarelejaApresentação da amareleja
Apresentação da amarelejaAna Lu Ribeiro
 
Gestão ambiental Unidade III
Gestão ambiental Unidade IIIGestão ambiental Unidade III
Gestão ambiental Unidade IIIHarutchy
 
Siderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambienteSiderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambienteIzaura Nogueira
 

Semelhante a Energia e meio ambiente (20)

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Seminário os dilemas da energia e do desenvolvimento
Seminário os dilemas da energia e do desenvolvimentoSeminário os dilemas da energia e do desenvolvimento
Seminário os dilemas da energia e do desenvolvimento
 
Apresentação2 informaticaaplicada
Apresentação2 informaticaaplicadaApresentação2 informaticaaplicada
Apresentação2 informaticaaplicada
 
Economia de energia
Economia de energiaEconomia de energia
Economia de energia
 
Aula 04
Aula 04Aula 04
Aula 04
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
 
Questões ambientais globais
Questões ambientais globaisQuestões ambientais globais
Questões ambientais globais
 
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
Os impactos ambientais nos setores produtivos e nas cidades e como mitigá los 3
 
fontesalternativasdeenergia-150415091846-conversion-gate01.pdf
fontesalternativasdeenergia-150415091846-conversion-gate01.pdffontesalternativasdeenergia-150415091846-conversion-gate01.pdf
fontesalternativasdeenergia-150415091846-conversion-gate01.pdf
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
 
Problemas ambientais vs Energia
Problemas ambientais vs EnergiaProblemas ambientais vs Energia
Problemas ambientais vs Energia
 
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e TendênciasSustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
 
Aula01 novo modelo
Aula01 novo modeloAula01 novo modelo
Aula01 novo modelo
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
 
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdfMAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
MAPA - INTRODUÇÃO A ENGENHARIA.pdf
 
Apresentação da amareleja
Apresentação da amarelejaApresentação da amareleja
Apresentação da amareleja
 
Gestão ambiental Unidade III
Gestão ambiental Unidade IIIGestão ambiental Unidade III
Gestão ambiental Unidade III
 
Energia conservacao
Energia conservacao   Energia conservacao
Energia conservacao
 
Siderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambienteSiderurgia e meio-ambiente
Siderurgia e meio-ambiente
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Universidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...Universidade Federal Fluminense
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoUniversidade Federal Fluminense
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...Universidade Federal Fluminense
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...Universidade Federal Fluminense
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Universidade Federal Fluminense
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Universidade Federal Fluminense
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Universidade Federal Fluminense
 
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...Universidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisUniversidade Federal Fluminense
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Universidade Federal Fluminense
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisUniversidade Federal Fluminense
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...Universidade Federal Fluminense
 

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
Associating technical methodologies of “multi scenario” risk analysis to supo...
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo CronológicoA evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
A evolução do mercado de seguros no Brasil e no Mundo: Estudo Cronológico
 
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais  ...
Precificação de riscos segurados e constituição de reservas técnicas legais ...
 
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
Programas de gerenciamento de riscos - notas de aula Curso de Ciências Atuari...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...Os desmandos públicos em vários momentos:  a atuação do tribunal de contas da...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do tribunal de contas da...
 
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
Os desmandos públicos em vários momentos: a atuação do Tribunal de Contas da ...
 
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
Obras completas de Rui Barbosa - discursos parlamentares - a falta de justiça...
 
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
Os impactos nos programas de gestão de riscos: avaliação de uma pesquisa rand...
 
The five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniquesThe five structural columns of risk analysis techniques
The five structural columns of risk analysis techniques
 
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos   aplicação da metodolo...
Transporte de cargas especiais e os riscos envolvidos aplicação da metodolo...
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
Modelo de mensuração de riscos e vulnerabilidade social a desastres de popula...
 
Metodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscosMetodologias de mensuração de riscos
Metodologias de mensuração de riscos
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriaisCenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
Cenários críticos na implantação de empreendimentos industriais
 
Os seguros e os riscos como compreendê-los
Os seguros e os riscos   como compreendê-losOs seguros e os riscos   como compreendê-los
Os seguros e os riscos como compreendê-los
 
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civilEstruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
Estruturando uma matriz de decisão para uma obra civil
 
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações   apl...
Os métodos de prospecção de cenários e sua importância nas organizações apl...
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 

Energia e meio ambiente

  • 1. 08/09/2012 Energia e Meio Ambiente Prof. Eng. Antonio Fernando Navarro, M.Sc. afnavarro@terra.com.br 2007 Questão para discussão O novo cenário da energia e eficiência energética no Brasil e aspectos de gestão e financeiros para implementação de projetos de energia. O novo cenário é compatível com a preocupação pela conservação do meio ambiente? O Brasil precisa investir em novas tecnologias? Sistema energético O sistema energético compreende as atividades de extração, processamento, distribuição e uso de energia e é responsável pelos principais impactos ambientais da sociedade industrial. 1
  • 2. 08/09/2012 Impactos globais Os impactos globais mais significativos são: Alterações climáticas devidas ao acúmulo de gases na atmosfera (efeito estufa); Depleção da camada de ozônio devido ao emprego de CFCs. Poluição atmosférica O setor energético é responsável por: 75% do CO2 lançado na atmosfera; 85% das emissões de enxofre; 76% dos óxidos de nitrogênio. Poluição cumulativa A constante deposição de compostos ácidos em rios e lagos afeta a vida aquática e ameaça toda a cadeia alimentar de ecossistemas. No solo, a acidez das chuvas reduz a presença de nutrientes. 2
  • 3. 08/09/2012 Fontes alternativas de energia As chamadas fontes alternativas de energia, como: solar, eólica e biomassa, não estão totalmente isentas de impactos ambientais, embora possam ser relativamente menores do que as demais fontes. Novos desafios Os desafios para se continuar a expandir as necessidades energéticas da sociedade com menores efeitos ambientais são enormes. O trabalho dos cientistas é o de oferecer alternativas de escolhas para a sociedade que sejam adaptáveis às necessidades locais sem agredir ao meio ambiente. Efeito Estufa Os mais complexos e maiores efeitos das emissões do setor energético são os problemas globais relacionados com as mudanças climáticas. O acúmulo de gases, como o CO2 na atmosfera, acentua o efeito estufa, a ponto de romper os padrões de clima que condicionaram a vida humana, de animais e a vegetação. É cada vez mais evidente a constatação de crescentes concentrações de CO2 na atmosfera e o aumento de temperaturas médias. 3
  • 4. 08/09/2012 Termoelétricas A produção de eletricidade através de termoelétricas representa, em escala mundial, cerca de 1/3 do total das emissões antropogênicas de CO2, sendo seguida pelas emissões geradas pelo setor de transporte e pelo setor industrial. É importante notar que houve bastante progresso com relação ao aumento da eficiência de usinas termoelétricas, através da introdução de novas tecnologias de co-geração e turbinas a gás. As possibilidades de gaseificação de carvão, madeira e bagaço, oferecem novas oportunidades de usinas mais eficientes e com menores impactos do que as convencionais. Hidroelétricas As usinas de geração de eletricidade através da força das águas apresenta impactos ao meio ambiente, especialmente em função da formação dos grandes reservatórios. Itaipú, como por exemplo, causou mudanças na temperatura e na umidade das regiões no seu entorno. Balbina (AM) provocou a inundação de partes da floresta nativa, ocasionando alterações na composição e na acidez da água. As turbinas sofrem grandemente com problemas de corrosão em função do aumento da acidez da água. Usinas nucleares A energia nuclear é talvez aquela que mais tem chamado a atenção quanto aos seus impactos ambientais e à saúde humana, em função de: Manipulação de material radioativo; Desvios clandestinos de material nuclear; Armazenamento de rejeitos radioativos; Riscos de contaminação radioativa por acidentes operacionais ou estruturais. 4
  • 5. 08/09/2012 O novo cenário da energia e eficiência energética no Brasil A matriz energética implantada hoje no Brasil depende grandemente da geração por hidroeletricidade. Um dos problemas encontrados é o da necessidade de grandes áreas para represamento de água e da existência de desníveis nos rios que possam vir a ser aproveitados. Essas condições hoje não são mais encontradas com muita facilidade. Outro problema é o da transmissão da energia desde o local de sua geração até os grandes centros consumidores. Novo cenário Escolha de fontes de geração de energia confiáveis, limpas e que demandem menos custos para a entrega aos consumidores. Desenvolvimento de bens que sejam menos consumidores de energia. Conscientização dos consumidores quanto à conservação racional de energia. Aspectos de gestão para a implementação de projetos de energia Incentivos à pesquisa e desenvolvimento de novos bens que demandem menor consumo de energia. Conscientização dos consumidores para a escolha de bens com baixo consumo de energia. Criação de mecanismos de controle do desperdício de energia 5
  • 6. 08/09/2012 Aspectos financeiros para a implementação de projetos de energia Incentivos financeiros/fiscais e linhas de crédito para investimento em fontes alternativas de energia. Incentivo à prática da comercialização dos excedentes de energia dos pequenos produtores. Incentivo para que os grandes consumidores sejam parceiros na geração de energia. 6