SlideShare uma empresa Scribd logo
Elementos Fundamentais da
    Linguagem Visual
É só Olhar e Apreciar a Arte.

A arte figurativa e a arte não figurativa ou abstrata.
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Arte Figurativa pode ser:


Naturalista              Estilizada
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
Leitura Complementar
A arte se comunica, basicamente sob duas maneiras
paradigmáticas e distinta: figuração e não-figuração. A
primeira carrega a imagem do mundo, em que o produto é
o reconhecimento. A segunda dispensa a imagem do
mundo e, quando totalmente não-figurativa, é chamada
também arte abstrata.

Elas tem valores diferentes, são submetidas a leituras
diferentes e alteram vínculos emocionais antagônicos.

A Arte Figurativa comunica a recuperação da realidade
exterior (também chamada realidade fenomênica, matérica
ou física), que está no espaço, em tridimensionalidade,
para o plano (bidimensionalidade) com a técnica da
perspectiva ou escorço. Os artistas da Renascença
(clássicos do século XVI) tiveram domínio pleno e absoluto
dessa técnica que proporciona à tela uma ilusão de
realidade, também chamada de tromp l’oeil.
A Figuração absoluta de uma arte é chamada de mimética (mímesis
do grego, imitação). É a representação do “de fora” (vida, realidade)
“para dentro” (a obra, tela, suporte).

O receptor da arte figurativa “entende” o que vê na tela porque a
obra inspira sempre uma leitura clara e objetiva do mundo
“conhecido”.

Essa forma de comunicar contempla as evidências, enquanto a arte
não-figurativa ou abstrata comunica a matéria simbiotizada nela
mesma, sobre o suporte, sem evidências do mundo reconhecível.

A Arte Não-figurativa ou Abstrata não expressa o mundo, expressa a
cor, o metal, o material utilizado, estabelecendo uma comunicação
especial.

Entre a Arte Figurativa Absoluta (perto da fotografia) e a Arte Não-
figurativa Absoluta (Abstrata), existem as chamadas Artes
Degeneradas.
As Artes Degeneradas comunicam a leitura do mundo por objetos
reconhecíveis, mas de forma desconcertada, alterada
formalmente, ou seja, no Impressionismo é “vaporizada”, no
Expressionismo é tortuosa, exagerada e dolosa; no Cubismo é
geometrizada

As Artes Degeneradas intermediam a Figuração e a Não-
figuração absolutas.

A Arte Não-figurativa apresenta uma grande dependência da
matéria, mas também emblematiza a forma mais absoluta de
democratização na arte, pois, fomenta o artista a necessidade de
permanecer no estado de constante experimentação e, ao mesmo
tempo, produção de conhecimento.

.As Artes Figurativas e Não-figurativas estão extremamente
ligadas aos meios de comunicação, aos meios de publicidade,
aos processos dinâmicos de informação.
Plurais, intensas, ricas em simbolismos e conceitualismos, ambas as
formas de arte fazem-se Ler, principalmente as abstratas, muito mais
pelo que há por trás delas do que pela expressão visível em si
mesma.
 O artista da Arte Figurativa materializa a representação e o da Arte
 Abstrata materializa a presentação. Há espaços, dimensões,
 movimentos, temporalidades, volumes, fusões óptico-sensoriais entre
 o real e o ilusório no cerne dessas artes.

A Arte Não-figurativa é uma forma de comunicação visual peculiar:
comunica através dos sentidos, de um mental diferente, de uma
maneira de ver a própria arte tendo os reconhecimentos da realidade
como inexistentes e inessenciais. É um meio de expressão e
comunicação que se pode considerar exótico. Através dela,
penetramos no sentido das coisas, numa comunicação plural. Pois,
os recursos icônicos da Arte Não-figurativa absoluta ou Abstrata
tendem a ser subversivos, com a extirpação da realidade fenomênica
e reconhecível. Por sua própria natureza, procura caminhos de
inconformidade e ruptura.
As Artes Figurativas e Não-figurativas existiram desde os homens da
Idade da Pedra. Nas paredes de Altamira e Lascaux, na França,
tem-se Figuração e Abstração, ainda que de forma precária, prosaica
e arcaica. Foram os século XIX e XX que legitimaram a Arte
Abstrata.
 A Pintura Abstrata é o sintoma de um momento histórico
 surpreendente para o homem moderno, pois foi num momento de
 mudança histórica, pós-revolução industrial e suas conseqüências
 que surgiu a Arte Abstrata.

O que comunica e educa na Arte Abstrata é uma ordem lógica.
Precisamos ter um repertório para compreendermos e
interpretarmos essa ordem lógica.

Na Arte Abstrata nada é fortuito, nada é aleatório, nada é arbitrário,
embora pareça. As linhas, as formas, as cores e outros elementos
visuais tem lugar determinado na composição. A alteração desses
elementos implica também numa alteração de valor.
Dizer que os valores são sempre iguais em toda e qualquer Arte
Abstrata é um grande engodo.
Muitas vezes a comunicação na Arte Abstrata degenera-se por
incompetência do próprio receptor que a vê com preconceito e
pressupostos adquiridos, emitindo manifestações como: “isto é
qualquer coisa”, “não entendo”, “até meu filho de três anos faz”, “é
um borrão só”, “não é arte” e outros despautérios afins.

Isso prova uma carência no instrumental do receptor para a correta
leitura da Arte Abstrata.

A Arte Abstrata goza de uma comunicação específica porque sua
nova codificação não é factível com os parâmetros cognitivos,
lingüisticos e racionais do senso comum.

Cria-se com a Abstração, uma nova ideologia, uma outra razão
estética, uma filosofia nas artes que tem nos acompanhado até
hoje e acaba se transformando na mais difundida das artes visuais.
A Pintura Abstrata advém de um padrão mental inerente ao homem
de todos os tempos, ao qual se atribui o nome de Abstração. Como
capacidade inata, a Abstração é uma atividade mental de seleção e
síntese. Homens de muitas tribos primitivas antiquíssimas, em
muitos de seus desenhos não faziam referência à realidade exterior,
mas, sim, à própria composição em si.

A Arte Abstrata, sendo uma forma de comunicar e um princípio
diferente de educar, não procura reproduzir as formas e as cores
naturais, pois, ambiciona-se por criar formas puras e soltas,
construídas com os elementos mesmos da pintura. Os arranjos
livres ou controlados em estados de tensão, ou seja, a composição
é que constrói a coluna vertebral da pintura abstrata.

Na Arte Não-figurativa não há recuperação da realidade exterior
porque na Abstração não é mais essa realidade que tem
importância e sim a matéria que o artista usa, cria e recria nela
mesma. O Artista abstrato não copia nada da realidade exterior,
somente trabalha com o material: cores que se fundem (pintura) ou
ferros que se misturam (escultura).
Na abstração a arte perde a ilusão da vida, mesmo porque não há
vida a recuperar; não há mímesis, porque não há imitação; não há
representação e sim presentação: o material está presente nele
mesmo.

Em termos comunicacionais e educacionais, a Arte Abstrata convida
o observador/ fruidor a participar mais ativa e convenientemente com
o criador na feitura da obra.

O autor da Arte Abstrata permite múltiplas interpretações para a sua
criação, tendo no apreciador um co-participante, um reelaborador, um
reexecutor e um “realimentador” de ilusões”. Ilusões que estão no
receptor não na obra.

A Arte Abstrata, contestando os valores clássicos do acabado,
definido, perfeito e inequívoco, propõe uma obra indefinida e
plurívoca, aberta, que se vem configurando como um feixe de
possibilidades móveis e intercambiáveis mais adaptadas às
condições nas quais o homem moderno desenvolve suas ações.
A Arte Abstrata encharca os olhos de seu receptor com uma
multplicidades de imagens sujeitas a decodificações.

O receptor da Arte Abstrata não está decodificando imagens
“conhecidas”, mas pontos, linhas, contornos, direções, tons, cores,
texturas, escalas, dimensões, movimentos e ritmos.

Entender a Arte Abstrata é entender o tralho que o artista desenvolve
com esses elementos, em tensões diversificadas e múltiplas, através
da composição ou arranjo na superfície plana da tela ou outro
suporte.

A Arte Não-figurativa ou Abstrata transmite conteúdos peculiares que
não são os da Arte Figurativa, mas que visam ensinar novas formas
de visão das coisas, das cores, da própria arte e da vida.

Saber Ler a Arte Abstrata é saber Ler mais longe. A Arte Abstrata
informa, forma e educa o olhar.
A Arte Abstrata reeduca o sujeito para uma decodificação
inovadora. A Arte Abstrata comunica, no sentido de levar o a seu
receptor a educar-se para construir julgamentos ou juízos de valor
sobre ela.

.Na Figuração ainda há um conceito hegemônico a ser seguido,
indicado pela própria figura. Na Arte Não-figurativa ou Abstrata, o
conceito é diverso, diretrizado pela pulsão e fusão das cores, e
ainda, pela coexistência de diferentes códigos, propondo uma
comunicação peculiar, paradigmática e diferente da clássica
concepção Renascentista de mímesis e representação.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisArtes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuais
Claudio Bastos
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
Mary Lopes
 
A representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuaisA representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuais
Fernanda Bastos
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
Renata_Vasconcelos
 
Elementos básicos do desenho
Elementos básicos do desenhoElementos básicos do desenho
Elementos básicos do desenho
Sandro Bottene
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
2011saletekm
 
Arte e corpo
Arte e corpoArte e corpo
Arte e corpo
gєαทє ℓiмα
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
Rodolfo Ferreira de Oliveira
 
Arte ambiental
Arte ambientalArte ambiental
Arte ambiental
Cristiane Seibt
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
Aclecio Dantas
 
leitura de uma obra
leitura de uma obraleitura de uma obra
leitura de uma obra
Daiana Holz
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte Africana
Arte Africana Arte Africana
Arte Africana
Joemille Leal
 
Arte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino MédioArte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino Médio
Itamir Beserra
 
Elementos da Linguagem Visual: Teoria das cores
Elementos da Linguagem Visual: Teoria das coresElementos da Linguagem Visual: Teoria das cores
Elementos da Linguagem Visual: Teoria das cores
Raphael Lanzillotte
 
Aula 05 linguagem visual
Aula 05   linguagem visualAula 05   linguagem visual
Aula 05 linguagem visual
Elizeu Nascimento Silva
 
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Elizandra Raquel Azeveo Velho
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Texturas naturais e artificiais
Texturas naturais e artificiaisTexturas naturais e artificiais
Texturas naturais e artificiais
claudiafarias
 

Mais procurados (20)

Artes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuaisArtes visuais e seus elementos visuais
Artes visuais e seus elementos visuais
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
A representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuaisA representação da figura humana nas artes visuais
A representação da figura humana nas artes visuais
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
 
Elementos básicos do desenho
Elementos básicos do desenhoElementos básicos do desenho
Elementos básicos do desenho
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
 
A função da arte slide
A função da arte   slideA função da arte   slide
A função da arte slide
 
Arte e corpo
Arte e corpoArte e corpo
Arte e corpo
 
A linguagem visual
A linguagem visualA linguagem visual
A linguagem visual
 
Arte ambiental
Arte ambientalArte ambiental
Arte ambiental
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
leitura de uma obra
leitura de uma obraleitura de uma obra
leitura de uma obra
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Arte Africana
Arte Africana Arte Africana
Arte Africana
 
Arte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino MédioArte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino Médio
 
Elementos da Linguagem Visual: Teoria das cores
Elementos da Linguagem Visual: Teoria das coresElementos da Linguagem Visual: Teoria das cores
Elementos da Linguagem Visual: Teoria das cores
 
Aula 05 linguagem visual
Aula 05   linguagem visualAula 05   linguagem visual
Aula 05 linguagem visual
 
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
Artes visuais-e-histc3b3ria-da-arte-ensino-mc3a9dio (2)
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
 
Texturas naturais e artificiais
Texturas naturais e artificiaisTexturas naturais e artificiais
Texturas naturais e artificiais
 

Destaque

Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
Viviane Marques
 
Elementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º anoElementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º ano
GeovanaPorto
 
Artes atividades
Artes   atividadesArtes   atividades
Artes atividades
Ronaldo Russou
 
elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
guest1c7f7f
 
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
Linguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Linguagem Visual - Fundamentos CompositivosLinguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Apostila cor 6o ano 2014
Apostila cor 6o ano 2014Apostila cor 6o ano 2014
Apostila cor 6o ano 2014
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Mauricio Mallet Duprat
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
Elementos básicos da comunicação visual para crianças
Elementos básicos da comunicação visual para criançasElementos básicos da comunicação visual para crianças
Elementos básicos da comunicação visual para crianças
Ipsun
 
Elementos básicos da comunicação visual para crianças
Elementos básicos da comunicação visual para criançasElementos básicos da comunicação visual para crianças
Elementos básicos da comunicação visual para crianças
Ipsun
 
Apostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucileneApostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucilene
lucileneaa
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
Andresavaz
 
Ponto, linha e cor
Ponto, linha e corPonto, linha e cor
Ponto, linha e cor
Arq. Alberto Costa-Macedo
 
Palestra joinville
Palestra joinvillePalestra joinville
Palestra joinville
renatamruiz
 
Aula 1 espaço slides
Aula 1 espaço slidesAula 1 espaço slides
Aula 1 espaço slides
Valmir Luis Saldanha
 
Teoria Das Cores
Teoria Das  CoresTeoria Das  Cores
Teoria Das Cores
renatamruiz
 
Elementos Formais e composiçao
Elementos Formais e composiçaoElementos Formais e composiçao
Elementos Formais e composiçao
Ipsun
 

Destaque (20)

Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
 
Elementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º anoElementos visuais - Artes 1º ano
Elementos visuais - Artes 1º ano
 
Artes atividades
Artes   atividadesArtes   atividades
Artes atividades
 
elementos da linguagem visual
elementos da linguagem visualelementos da linguagem visual
elementos da linguagem visual
 
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO VISUAL
 
Linguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Linguagem Visual - Fundamentos CompositivosLinguagem Visual - Fundamentos Compositivos
Linguagem Visual - Fundamentos Compositivos
 
Apostila cor 6o ano 2014
Apostila cor 6o ano 2014Apostila cor 6o ano 2014
Apostila cor 6o ano 2014
 
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
Teoria de Desenho (Ponto e Linha)
 
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUALLINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
LINGUAGEM VISUAL | ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO VISUAL
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
 
Elementos básicos da comunicação visual para crianças
Elementos básicos da comunicação visual para criançasElementos básicos da comunicação visual para crianças
Elementos básicos da comunicação visual para crianças
 
Elementos básicos da comunicação visual para crianças
Elementos básicos da comunicação visual para criançasElementos básicos da comunicação visual para crianças
Elementos básicos da comunicação visual para crianças
 
Apostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucileneApostila linguagem visual.lucilene
Apostila linguagem visual.lucilene
 
A arte egípcia
A arte egípciaA arte egípcia
A arte egípcia
 
Ponto, linha e cor
Ponto, linha e corPonto, linha e cor
Ponto, linha e cor
 
Palestra joinville
Palestra joinvillePalestra joinville
Palestra joinville
 
Aula 1 espaço slides
Aula 1 espaço slidesAula 1 espaço slides
Aula 1 espaço slides
 
Teoria Das Cores
Teoria Das  CoresTeoria Das  Cores
Teoria Das Cores
 
Elementos Formais e composiçao
Elementos Formais e composiçaoElementos Formais e composiçao
Elementos Formais e composiçao
 
Textura
TexturaTextura
Textura
 

Semelhante a Elementos fundamentais da linguagem visual

Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.pptArte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
fabricioaugusto24
 
Power Point Pintura Modernista
Power Point Pintura ModernistaPower Point Pintura Modernista
Power Point Pintura Modernista
guestbdd8c1f
 
1o termos at_abstracionismo
1o termos at_abstracionismo1o termos at_abstracionismo
1o termos at_abstracionismo
antoniofabiogomes
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Andrea Garcia
 
Arte Abstracta
Arte AbstractaArte Abstracta
Arte Abstracta
Michele Pó
 
Arte Abstracta
Arte AbstractaArte Abstracta
Arte Abstracta
Michele Pó
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Jomara Lopes
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
Odair Tuono
 
A arte no dia a dia
A arte no dia a diaA arte no dia a dia
A arte no dia a dia
Augusto Pinto
 
Design gráfico e pos modernidade
Design gráfico e pos modernidadeDesign gráfico e pos modernidade
Design gráfico e pos modernidade
Venise Melo
 
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANASARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
HisrelBlog
 
Comunicologia
ComunicologiaComunicologia
Comunicologia
Ana Beatriz Barroso
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
JulianoFonseca17
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
Miguel Duarte
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
IsabelaCristina419992
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
revoultion
 
A arte do século xx 4º termo
A arte do século xx  4º termoA arte do século xx  4º termo
A arte do século xx 4º termo
Simone Mello
 

Semelhante a Elementos fundamentais da linguagem visual (20)

Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.pptArte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
Arte_123ano_HistoriaArteCultura_Vanguardas_Roberto.ppt
 
Power Point Pintura Modernista
Power Point Pintura ModernistaPower Point Pintura Modernista
Power Point Pintura Modernista
 
1o termos at_abstracionismo
1o termos at_abstracionismo1o termos at_abstracionismo
1o termos at_abstracionismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Arte Abstracta
Arte AbstractaArte Abstracta
Arte Abstracta
 
Arte Abstracta
Arte AbstractaArte Abstracta
Arte Abstracta
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
 
A arte no dia a dia
A arte no dia a diaA arte no dia a dia
A arte no dia a dia
 
Design gráfico e pos modernidade
Design gráfico e pos modernidadeDesign gráfico e pos modernidade
Design gráfico e pos modernidade
 
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANASARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
 
Comunicologia
ComunicologiaComunicologia
Comunicologia
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
A arte do século xx 4º termo
A arte do século xx  4º termoA arte do século xx  4º termo
A arte do século xx 4º termo
 

Mais de William Marques

Arte ameríndia
Arte ameríndiaArte ameríndia
Arte ameríndia
William Marques
 
Paleolticoeneoltico 091102170333-phpapp02
Paleolticoeneoltico 091102170333-phpapp02Paleolticoeneoltico 091102170333-phpapp02
Paleolticoeneoltico 091102170333-phpapp02
William Marques
 
Neoclassicismo 120625125140-phpapp02
Neoclassicismo 120625125140-phpapp02Neoclassicismo 120625125140-phpapp02
Neoclassicismo 120625125140-phpapp02
William Marques
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
William Marques
 
Naturalismo e realismo
Naturalismo e realismoNaturalismo e realismo
Naturalismo e realismo
William Marques
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
William Marques
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
William Marques
 
Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03
William Marques
 
Tipos de palco
Tipos de palcoTipos de palco
Tipos de palco
William Marques
 
Teatro oriental
Teatro  orientalTeatro  oriental
Teatro oriental
William Marques
 
Cubismo fovismo
Cubismo   fovismoCubismo   fovismo
Cubismo fovismo
William Marques
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
William Marques
 
Cor
CorCor
Barroco nos países baixos --
Barroco nos países baixos --Barroco nos países baixos --
Barroco nos países baixos --
William Marques
 
Pós impressionismo
Pós impressionismo Pós impressionismo
Pós impressionismo
William Marques
 

Mais de William Marques (15)

Arte ameríndia
Arte ameríndiaArte ameríndia
Arte ameríndia
 
Paleolticoeneoltico 091102170333-phpapp02
Paleolticoeneoltico 091102170333-phpapp02Paleolticoeneoltico 091102170333-phpapp02
Paleolticoeneoltico 091102170333-phpapp02
 
Neoclassicismo 120625125140-phpapp02
Neoclassicismo 120625125140-phpapp02Neoclassicismo 120625125140-phpapp02
Neoclassicismo 120625125140-phpapp02
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Naturalismo e realismo
Naturalismo e realismoNaturalismo e realismo
Naturalismo e realismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
 
Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03
 
Tipos de palco
Tipos de palcoTipos de palco
Tipos de palco
 
Teatro oriental
Teatro  orientalTeatro  oriental
Teatro oriental
 
Cubismo fovismo
Cubismo   fovismoCubismo   fovismo
Cubismo fovismo
 
Elementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visualElementos fundamentais da linguagem visual
Elementos fundamentais da linguagem visual
 
Cor
CorCor
Cor
 
Barroco nos países baixos --
Barroco nos países baixos --Barroco nos países baixos --
Barroco nos países baixos --
 
Pós impressionismo
Pós impressionismo Pós impressionismo
Pós impressionismo
 

Elementos fundamentais da linguagem visual

  • 1. Elementos Fundamentais da Linguagem Visual
  • 2. É só Olhar e Apreciar a Arte. A arte figurativa e a arte não figurativa ou abstrata.
  • 5. Arte Figurativa pode ser: Naturalista Estilizada
  • 23. A arte se comunica, basicamente sob duas maneiras paradigmáticas e distinta: figuração e não-figuração. A primeira carrega a imagem do mundo, em que o produto é o reconhecimento. A segunda dispensa a imagem do mundo e, quando totalmente não-figurativa, é chamada também arte abstrata. Elas tem valores diferentes, são submetidas a leituras diferentes e alteram vínculos emocionais antagônicos. A Arte Figurativa comunica a recuperação da realidade exterior (também chamada realidade fenomênica, matérica ou física), que está no espaço, em tridimensionalidade, para o plano (bidimensionalidade) com a técnica da perspectiva ou escorço. Os artistas da Renascença (clássicos do século XVI) tiveram domínio pleno e absoluto dessa técnica que proporciona à tela uma ilusão de realidade, também chamada de tromp l’oeil.
  • 24. A Figuração absoluta de uma arte é chamada de mimética (mímesis do grego, imitação). É a representação do “de fora” (vida, realidade) “para dentro” (a obra, tela, suporte). O receptor da arte figurativa “entende” o que vê na tela porque a obra inspira sempre uma leitura clara e objetiva do mundo “conhecido”. Essa forma de comunicar contempla as evidências, enquanto a arte não-figurativa ou abstrata comunica a matéria simbiotizada nela mesma, sobre o suporte, sem evidências do mundo reconhecível. A Arte Não-figurativa ou Abstrata não expressa o mundo, expressa a cor, o metal, o material utilizado, estabelecendo uma comunicação especial. Entre a Arte Figurativa Absoluta (perto da fotografia) e a Arte Não- figurativa Absoluta (Abstrata), existem as chamadas Artes Degeneradas.
  • 25. As Artes Degeneradas comunicam a leitura do mundo por objetos reconhecíveis, mas de forma desconcertada, alterada formalmente, ou seja, no Impressionismo é “vaporizada”, no Expressionismo é tortuosa, exagerada e dolosa; no Cubismo é geometrizada As Artes Degeneradas intermediam a Figuração e a Não- figuração absolutas. A Arte Não-figurativa apresenta uma grande dependência da matéria, mas também emblematiza a forma mais absoluta de democratização na arte, pois, fomenta o artista a necessidade de permanecer no estado de constante experimentação e, ao mesmo tempo, produção de conhecimento. .As Artes Figurativas e Não-figurativas estão extremamente ligadas aos meios de comunicação, aos meios de publicidade, aos processos dinâmicos de informação.
  • 26. Plurais, intensas, ricas em simbolismos e conceitualismos, ambas as formas de arte fazem-se Ler, principalmente as abstratas, muito mais pelo que há por trás delas do que pela expressão visível em si mesma. O artista da Arte Figurativa materializa a representação e o da Arte Abstrata materializa a presentação. Há espaços, dimensões, movimentos, temporalidades, volumes, fusões óptico-sensoriais entre o real e o ilusório no cerne dessas artes. A Arte Não-figurativa é uma forma de comunicação visual peculiar: comunica através dos sentidos, de um mental diferente, de uma maneira de ver a própria arte tendo os reconhecimentos da realidade como inexistentes e inessenciais. É um meio de expressão e comunicação que se pode considerar exótico. Através dela, penetramos no sentido das coisas, numa comunicação plural. Pois, os recursos icônicos da Arte Não-figurativa absoluta ou Abstrata tendem a ser subversivos, com a extirpação da realidade fenomênica e reconhecível. Por sua própria natureza, procura caminhos de inconformidade e ruptura.
  • 27. As Artes Figurativas e Não-figurativas existiram desde os homens da Idade da Pedra. Nas paredes de Altamira e Lascaux, na França, tem-se Figuração e Abstração, ainda que de forma precária, prosaica e arcaica. Foram os século XIX e XX que legitimaram a Arte Abstrata. A Pintura Abstrata é o sintoma de um momento histórico surpreendente para o homem moderno, pois foi num momento de mudança histórica, pós-revolução industrial e suas conseqüências que surgiu a Arte Abstrata. O que comunica e educa na Arte Abstrata é uma ordem lógica. Precisamos ter um repertório para compreendermos e interpretarmos essa ordem lógica. Na Arte Abstrata nada é fortuito, nada é aleatório, nada é arbitrário, embora pareça. As linhas, as formas, as cores e outros elementos visuais tem lugar determinado na composição. A alteração desses elementos implica também numa alteração de valor.
  • 28. Dizer que os valores são sempre iguais em toda e qualquer Arte Abstrata é um grande engodo. Muitas vezes a comunicação na Arte Abstrata degenera-se por incompetência do próprio receptor que a vê com preconceito e pressupostos adquiridos, emitindo manifestações como: “isto é qualquer coisa”, “não entendo”, “até meu filho de três anos faz”, “é um borrão só”, “não é arte” e outros despautérios afins. Isso prova uma carência no instrumental do receptor para a correta leitura da Arte Abstrata. A Arte Abstrata goza de uma comunicação específica porque sua nova codificação não é factível com os parâmetros cognitivos, lingüisticos e racionais do senso comum. Cria-se com a Abstração, uma nova ideologia, uma outra razão estética, uma filosofia nas artes que tem nos acompanhado até hoje e acaba se transformando na mais difundida das artes visuais.
  • 29. A Pintura Abstrata advém de um padrão mental inerente ao homem de todos os tempos, ao qual se atribui o nome de Abstração. Como capacidade inata, a Abstração é uma atividade mental de seleção e síntese. Homens de muitas tribos primitivas antiquíssimas, em muitos de seus desenhos não faziam referência à realidade exterior, mas, sim, à própria composição em si. A Arte Abstrata, sendo uma forma de comunicar e um princípio diferente de educar, não procura reproduzir as formas e as cores naturais, pois, ambiciona-se por criar formas puras e soltas, construídas com os elementos mesmos da pintura. Os arranjos livres ou controlados em estados de tensão, ou seja, a composição é que constrói a coluna vertebral da pintura abstrata. Na Arte Não-figurativa não há recuperação da realidade exterior porque na Abstração não é mais essa realidade que tem importância e sim a matéria que o artista usa, cria e recria nela mesma. O Artista abstrato não copia nada da realidade exterior, somente trabalha com o material: cores que se fundem (pintura) ou ferros que se misturam (escultura).
  • 30. Na abstração a arte perde a ilusão da vida, mesmo porque não há vida a recuperar; não há mímesis, porque não há imitação; não há representação e sim presentação: o material está presente nele mesmo. Em termos comunicacionais e educacionais, a Arte Abstrata convida o observador/ fruidor a participar mais ativa e convenientemente com o criador na feitura da obra. O autor da Arte Abstrata permite múltiplas interpretações para a sua criação, tendo no apreciador um co-participante, um reelaborador, um reexecutor e um “realimentador” de ilusões”. Ilusões que estão no receptor não na obra. A Arte Abstrata, contestando os valores clássicos do acabado, definido, perfeito e inequívoco, propõe uma obra indefinida e plurívoca, aberta, que se vem configurando como um feixe de possibilidades móveis e intercambiáveis mais adaptadas às condições nas quais o homem moderno desenvolve suas ações.
  • 31. A Arte Abstrata encharca os olhos de seu receptor com uma multplicidades de imagens sujeitas a decodificações. O receptor da Arte Abstrata não está decodificando imagens “conhecidas”, mas pontos, linhas, contornos, direções, tons, cores, texturas, escalas, dimensões, movimentos e ritmos. Entender a Arte Abstrata é entender o tralho que o artista desenvolve com esses elementos, em tensões diversificadas e múltiplas, através da composição ou arranjo na superfície plana da tela ou outro suporte. A Arte Não-figurativa ou Abstrata transmite conteúdos peculiares que não são os da Arte Figurativa, mas que visam ensinar novas formas de visão das coisas, das cores, da própria arte e da vida. Saber Ler a Arte Abstrata é saber Ler mais longe. A Arte Abstrata informa, forma e educa o olhar.
  • 32. A Arte Abstrata reeduca o sujeito para uma decodificação inovadora. A Arte Abstrata comunica, no sentido de levar o a seu receptor a educar-se para construir julgamentos ou juízos de valor sobre ela. .Na Figuração ainda há um conceito hegemônico a ser seguido, indicado pela própria figura. Na Arte Não-figurativa ou Abstrata, o conceito é diverso, diretrizado pela pulsão e fusão das cores, e ainda, pela coexistência de diferentes códigos, propondo uma comunicação peculiar, paradigmática e diferente da clássica concepção Renascentista de mímesis e representação.
  • 33. FIM