SlideShare uma empresa Scribd logo
EDUCAÇÃO DA CRIANÇA SURDA
A educação é fulcral no crescimento da pessoa. A educação da criança surda é um
direito, faz parte da sua condição como ser humano e o dever de educar é uma exigência do
adulto, do pai e do educador.
Para a criança surda, tal como para a criança ouvinte, o pleno desenvolvimento das
suas capacidades linguísticas, emocionais e sociais é uma condição imprescindível para o seu
desenvolvimento como pessoa.
A linguagem é essencial à vida em comunidade, pois é através dela que
partilhamos ideias, emoções, experiências. Sem a linguagem as nossas potencialidades como
ser humano ficam muitíssimo reduzidas.
No caso dos surdos oralizados, a escolarização envolve também sessões com
fonoaudiólogos, leitura labial, uso de equipamentos para facilitar a comunicação e a
participação ativa dos pais.
Mas o mesmo não acontece com uma porcentagem dos surdos cuja principal língua
utilizada é a língua gestual, logo, para eles o conhecimento da escrita implica a aprendizagem
de uma nova língua. Surgem então dois desafios:
 Criação de condições que permitam o pleno desenvolvimento da criança;
 Criação de condições que permitam a sua aptidão para interagir em diversos sistemas
sociais e linguísticos: na comunidade de surdos e na comunidade ouvinte.
O sucesso escolar depende, em grande parte, do domínio da língua de escolarização.
Além disso, a linguagem escrita é a modalidade de comunicação mais facilmente partilhável
por surdos e ouvintes.
Como ensinar o surdo sinalizado a ler? A criança com bom domínio da língua gestual tem
vantagem, quando chega à escola.
Há três tipos de ambientes de aprendizagem:
 Centrada no aluno - experiência linguística, hábitos literários da família, atitudes e
valores;
 Ancorada na avaliação - progresso do aluno, comparação com pares;
 Referenciada ao conhecimento - autonomia e fluência da leitura; desenvoltura e correção
no uso multi funcional da escrita; conhecimento da estrutura da Língua Portuguesa.
A leitura é uma atividade cognitiva, o seu alvo é a obtenção de significado. Na Língua
Portuguesa, as aprendizagens diagramáticas são difíceis para qualquer aluno que esteja a
aprender uma segunda língua, para o aluno surdo também, especialmente frases na voz
passiva, o complemento indireto, as orações relativas, as conjunções, artigos e
os pronomes(para além de existir também dificuldades inerentes com o vocabulário).
A estrutura dos textos, qualquer que seja o seu objetivo (informar, divertir, persuadir o
leitor), tem que ver com a forma como as ideias se organizam, com vista à clareza da
exposição do conteúdo. Por isso, para diferentes tipos de texto, serão necessárias diferentes
abordagens.
Perante os textos informativos é necessário que a criança aprenda deste modo a:
1. Tomar atenção aos sinais de aproximação ao conteúdo, tais como o título, fotografias,
imagens, entre outros;
2. Identificar o tema da informação;
3. Identificar a ideia principal.
Podem ser usadas algumas ajudas, como estratégias para o treinamento da compreensão
deste tipo de textos, como por exemplo, o questionamento do texto (O que sugere o título? O
que o autor nos quer transmitir? Será que poderia existir um final diferente?), também a
interpretação do texto para a língua gestual (com especial atenção às palavras-chave do texto,
à qual devem sempre ser associados sinónimos, para uma melhor compreensão por parte do
surdo).
Intérprete
Perante os textos narrativos, os objetivos a serem alcançados pelo surdo são:
1. Recorrer a imagens, esquemas e ilustrações como complemento da informação textual;
2. Identificar as etapas do processo temporal;
3. Identificar e compreender os verbos da ação;
4. Recorrer à consulta do texto sempre que a tarefa o requerer.
Para este tipo de texto podem ser utilizados os seguintes tópicos de ajuda: a elaboração
do esquema da história, o reconto e revisão da história em língua gestual, a ilustração, e a
tradução e revisão da história em texto escrito.
Existem, no entanto, contextos educativos que podem influenciar a compreensão da
leitura, são eles: o contexto psicológico (tem que ver com a intenção da leitura), o contexto
social (engloba as intervenções de professores e de colegas do meio escolar) e o contexto
físico (inclui todas as condições materiais em que se desenrola a leitura).
Desenvolvimento social e emocional da criança surda
É por meio dos relacionamentos sociais que descobrimos o que é necessário para viver
na sociedade. O primeiro contato social da criança é no meio familiar. Segundo Santana e
Bergamo (2005) , os surdos foram durante muito tempo condenados por sua condição,
considerados doentes, pela falta da comunicação oral e escondidos da sociedade pela sua
família. A língua de sinais era proibida. Recentemente, a Língua Brasileira de Sinais (Libras)
foi reconhecida como língua materna dos surdos, através da Lei Nº 10.436 de 24 de abril de
2002, o que proporcionou aos mesmos um reconhecimento perante a sociedade. A
aprendizagem social ou educacional, precisa de contribuições desde o nascimento da criança.
A criança surda precisa ser compreendida pelas suas características e o relacionamento
interpessoal familiar faz diferença no modo como essa criança irá se identificar enquanto
parte das relações sociais. É importante para os surdos que as pessoas consigam comunicar-se
com eles através da Libras, para que haja a inclusão social. Serviços básicos como saúde,
educação e comércio em geral muitas vezes não possuem pessoas qualificadas para o
atendimento ao surdo, fazendo com que ele se sinta ainda mais excluído. Portanto, a inclusão
da Libras no cotidiano da sociedade seria indispensável para o desenvolvimento social do
surdo.
Referências
1. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 91, p. 565-582, Maio/Ago. 2005

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bilinguismo
BilinguismoBilinguismo
Bilinguismo
mdseducopedia
 
Linguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e EscritaLinguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e Escrita
Anderson Cruz
 
Libras
LibrasLibras
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
FernandoFernochio
 
Aula de imersão linguagem, língua e fala
Aula  de  imersão  linguagem, língua e falaAula  de  imersão  linguagem, língua e fala
Aula de imersão linguagem, língua e fala
Renato Oliveira
 
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdoPráticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Sensibilização multimédia
Sensibilização multimédiaSensibilização multimédia
Sensibilização multimédia
hipopotama
 
Inovação, teoria e prática no ensino bilingue trab. ind.
Inovação, teoria e prática no ensino bilingue trab. ind.Inovação, teoria e prática no ensino bilingue trab. ind.
Inovação, teoria e prática no ensino bilingue trab. ind.
hipopotama
 
Apresentação educação bilingue criança surda mjfreire_julho_2015
Apresentação educação bilingue criança  surda mjfreire_julho_2015Apresentação educação bilingue criança  surda mjfreire_julho_2015
Apresentação educação bilingue criança surda mjfreire_julho_2015
Maria Freire
 
MODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTAL
MODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTALMODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTAL
MODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTAL
Juciara Brito
 
15 nov lgp
15 nov lgp15 nov lgp
15 nov lgp
BESL
 
Fundament..[1] Iiieencontro
Fundament..[1] IiieencontroFundament..[1] Iiieencontro
Fundament..[1] Iiieencontro
jany clea
 
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamentalTeoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Fatinha Bretas
 
Alfabetização dos surdo
Alfabetização dos surdoAlfabetização dos surdo
Alfabetização dos surdo
Priscila Macedo
 
Ouvir no Silêncio
Ouvir no SilêncioOuvir no Silêncio
Ouvir no Silêncio
latife
 
Linguagem conceito
Linguagem   conceitoLinguagem   conceito
Linguagem conceito
rosangelajoao
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
jayarruda
 
Língua gestual portuguesa
Língua gestual portuguesaLíngua gestual portuguesa
Língua gestual portuguesa
becastanheiradepera
 
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
Ana Lúcia Lemes Nunes Silva
 

Mais procurados (19)

Bilinguismo
BilinguismoBilinguismo
Bilinguismo
 
Linguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e EscritaLinguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e Escrita
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
 
Aula de imersão linguagem, língua e fala
Aula  de  imersão  linguagem, língua e falaAula  de  imersão  linguagem, língua e fala
Aula de imersão linguagem, língua e fala
 
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdoPráticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
 
Sensibilização multimédia
Sensibilização multimédiaSensibilização multimédia
Sensibilização multimédia
 
Inovação, teoria e prática no ensino bilingue trab. ind.
Inovação, teoria e prática no ensino bilingue trab. ind.Inovação, teoria e prática no ensino bilingue trab. ind.
Inovação, teoria e prática no ensino bilingue trab. ind.
 
Apresentação educação bilingue criança surda mjfreire_julho_2015
Apresentação educação bilingue criança  surda mjfreire_julho_2015Apresentação educação bilingue criança  surda mjfreire_julho_2015
Apresentação educação bilingue criança surda mjfreire_julho_2015
 
MODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTAL
MODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTALMODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTAL
MODELOS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS - COMUNICAÇÃO TOTAL
 
15 nov lgp
15 nov lgp15 nov lgp
15 nov lgp
 
Fundament..[1] Iiieencontro
Fundament..[1] IiieencontroFundament..[1] Iiieencontro
Fundament..[1] Iiieencontro
 
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamentalTeoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
 
Alfabetização dos surdo
Alfabetização dos surdoAlfabetização dos surdo
Alfabetização dos surdo
 
Ouvir no Silêncio
Ouvir no SilêncioOuvir no Silêncio
Ouvir no Silêncio
 
Linguagem conceito
Linguagem   conceitoLinguagem   conceito
Linguagem conceito
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Língua gestual portuguesa
Língua gestual portuguesaLíngua gestual portuguesa
Língua gestual portuguesa
 
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
 

Semelhante a Educação da criança surda

A importância do letramento
A importância do letramentoA importância do letramento
A importância do letramento
Cristina Rigolo
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Jomari
 
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professoresAlfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Micheli Rader
 
Apts
AptsApts
Apts
maraieva
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
dicasdubr
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
Andrea491870
 
Da fala a_escrita
Da fala a_escritaDa fala a_escrita
Da fala a_escrita
Allewerton Silveira
 
Da fala a_escrita
Da fala a_escritaDa fala a_escrita
Da fala a_escrita
Allewerton Silveira
 
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA LINGUAS DE SINAIS.docx
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA  LINGUAS DE SINAIS.docxAVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA  LINGUAS DE SINAIS.docx
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA LINGUAS DE SINAIS.docx
Tatylieber
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
José Antonio Ferreira da Silva
 
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguisticaA formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
Fernanda Moliterno
 
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Valéria Maciel
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatec
telecomsenai
 
Habilidades Preditoras à Alfabetização.pptx
Habilidades Preditoras à Alfabetização.pptxHabilidades Preditoras à Alfabetização.pptx
Habilidades Preditoras à Alfabetização.pptx
ZelliFonseca
 
Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita  Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita
angelafreire
 
L livro maria josé
L livro  maria joséL livro  maria josé
L livro maria josé
Cristiane Trindade
 
L livro maria josé
L livro  maria joséL livro  maria josé
L livro maria josé
Cristiane Trindade
 
Ens Fund Jorn Alf Joselaine
Ens Fund Jorn Alf JoselaineEns Fund Jorn Alf Joselaine
Ens Fund Jorn Alf Joselaine
Meri RochaLeite
 
Professor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaProfessor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a Línguistica
Fernanda Moliterno
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
emilenemd
 

Semelhante a Educação da criança surda (20)

A importância do letramento
A importância do letramentoA importância do letramento
A importância do letramento
 
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escritaAlfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
Alfabetização, letramento, variedade linguística, leitura, escrita
 
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professoresAlfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
Alfabetização e Letramento _apresentação 1 - formação de professores
 
Apts
AptsApts
Apts
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
 
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdfALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pdf
 
Da fala a_escrita
Da fala a_escritaDa fala a_escrita
Da fala a_escrita
 
Da fala a_escrita
Da fala a_escritaDa fala a_escrita
Da fala a_escrita
 
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA LINGUAS DE SINAIS.docx
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA  LINGUAS DE SINAIS.docxAVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA  LINGUAS DE SINAIS.docx
AVALIAÇÃO 2-TRABALHO DA DISCIPLINA LINGUAS DE SINAIS.docx
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguisticaA formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
 
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetizaçãoDireitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
Direitos de aprendizagens do ciclo de alfabetização
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatec
 
Habilidades Preditoras à Alfabetização.pptx
Habilidades Preditoras à Alfabetização.pptxHabilidades Preditoras à Alfabetização.pptx
Habilidades Preditoras à Alfabetização.pptx
 
Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita  Aprendizagem da leitura e da escrita
Aprendizagem da leitura e da escrita
 
L livro maria josé
L livro  maria joséL livro  maria josé
L livro maria josé
 
L livro maria josé
L livro  maria joséL livro  maria josé
L livro maria josé
 
Ens Fund Jorn Alf Joselaine
Ens Fund Jorn Alf JoselaineEns Fund Jorn Alf Joselaine
Ens Fund Jorn Alf Joselaine
 
Professor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a LínguisticaProfessor alfabetizador e a Línguistica
Professor alfabetizador e a Línguistica
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Educação da criança surda

  • 1. EDUCAÇÃO DA CRIANÇA SURDA A educação é fulcral no crescimento da pessoa. A educação da criança surda é um direito, faz parte da sua condição como ser humano e o dever de educar é uma exigência do adulto, do pai e do educador. Para a criança surda, tal como para a criança ouvinte, o pleno desenvolvimento das suas capacidades linguísticas, emocionais e sociais é uma condição imprescindível para o seu desenvolvimento como pessoa. A linguagem é essencial à vida em comunidade, pois é através dela que partilhamos ideias, emoções, experiências. Sem a linguagem as nossas potencialidades como ser humano ficam muitíssimo reduzidas. No caso dos surdos oralizados, a escolarização envolve também sessões com fonoaudiólogos, leitura labial, uso de equipamentos para facilitar a comunicação e a participação ativa dos pais. Mas o mesmo não acontece com uma porcentagem dos surdos cuja principal língua utilizada é a língua gestual, logo, para eles o conhecimento da escrita implica a aprendizagem de uma nova língua. Surgem então dois desafios:  Criação de condições que permitam o pleno desenvolvimento da criança;  Criação de condições que permitam a sua aptidão para interagir em diversos sistemas sociais e linguísticos: na comunidade de surdos e na comunidade ouvinte. O sucesso escolar depende, em grande parte, do domínio da língua de escolarização. Além disso, a linguagem escrita é a modalidade de comunicação mais facilmente partilhável por surdos e ouvintes. Como ensinar o surdo sinalizado a ler? A criança com bom domínio da língua gestual tem vantagem, quando chega à escola. Há três tipos de ambientes de aprendizagem:  Centrada no aluno - experiência linguística, hábitos literários da família, atitudes e valores;  Ancorada na avaliação - progresso do aluno, comparação com pares;  Referenciada ao conhecimento - autonomia e fluência da leitura; desenvoltura e correção no uso multi funcional da escrita; conhecimento da estrutura da Língua Portuguesa. A leitura é uma atividade cognitiva, o seu alvo é a obtenção de significado. Na Língua Portuguesa, as aprendizagens diagramáticas são difíceis para qualquer aluno que esteja a aprender uma segunda língua, para o aluno surdo também, especialmente frases na voz
  • 2. passiva, o complemento indireto, as orações relativas, as conjunções, artigos e os pronomes(para além de existir também dificuldades inerentes com o vocabulário). A estrutura dos textos, qualquer que seja o seu objetivo (informar, divertir, persuadir o leitor), tem que ver com a forma como as ideias se organizam, com vista à clareza da exposição do conteúdo. Por isso, para diferentes tipos de texto, serão necessárias diferentes abordagens. Perante os textos informativos é necessário que a criança aprenda deste modo a: 1. Tomar atenção aos sinais de aproximação ao conteúdo, tais como o título, fotografias, imagens, entre outros; 2. Identificar o tema da informação; 3. Identificar a ideia principal. Podem ser usadas algumas ajudas, como estratégias para o treinamento da compreensão deste tipo de textos, como por exemplo, o questionamento do texto (O que sugere o título? O que o autor nos quer transmitir? Será que poderia existir um final diferente?), também a interpretação do texto para a língua gestual (com especial atenção às palavras-chave do texto, à qual devem sempre ser associados sinónimos, para uma melhor compreensão por parte do surdo). Intérprete Perante os textos narrativos, os objetivos a serem alcançados pelo surdo são: 1. Recorrer a imagens, esquemas e ilustrações como complemento da informação textual; 2. Identificar as etapas do processo temporal; 3. Identificar e compreender os verbos da ação; 4. Recorrer à consulta do texto sempre que a tarefa o requerer.
  • 3. Para este tipo de texto podem ser utilizados os seguintes tópicos de ajuda: a elaboração do esquema da história, o reconto e revisão da história em língua gestual, a ilustração, e a tradução e revisão da história em texto escrito. Existem, no entanto, contextos educativos que podem influenciar a compreensão da leitura, são eles: o contexto psicológico (tem que ver com a intenção da leitura), o contexto social (engloba as intervenções de professores e de colegas do meio escolar) e o contexto físico (inclui todas as condições materiais em que se desenrola a leitura). Desenvolvimento social e emocional da criança surda É por meio dos relacionamentos sociais que descobrimos o que é necessário para viver na sociedade. O primeiro contato social da criança é no meio familiar. Segundo Santana e Bergamo (2005) , os surdos foram durante muito tempo condenados por sua condição, considerados doentes, pela falta da comunicação oral e escondidos da sociedade pela sua família. A língua de sinais era proibida. Recentemente, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) foi reconhecida como língua materna dos surdos, através da Lei Nº 10.436 de 24 de abril de 2002, o que proporcionou aos mesmos um reconhecimento perante a sociedade. A aprendizagem social ou educacional, precisa de contribuições desde o nascimento da criança. A criança surda precisa ser compreendida pelas suas características e o relacionamento interpessoal familiar faz diferença no modo como essa criança irá se identificar enquanto parte das relações sociais. É importante para os surdos que as pessoas consigam comunicar-se com eles através da Libras, para que haja a inclusão social. Serviços básicos como saúde, educação e comércio em geral muitas vezes não possuem pessoas qualificadas para o atendimento ao surdo, fazendo com que ele se sinta ainda mais excluído. Portanto, a inclusão da Libras no cotidiano da sociedade seria indispensável para o desenvolvimento social do surdo. Referências 1. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 91, p. 565-582, Maio/Ago. 2005