SlideShare uma empresa Scribd logo
O REALISMO

1. As transformações na Europa do século XIX

     Por meados do século XIX, as profundas transformações operadas pelo motor a
vapor de água na produção industrial, nos transportes, na economia e nas relações
sociais tinham feito surgir problemas e maneiras colectivas de pensar e sentir, já
muito diferentes de tudo aquilo que estava na base do Iluminismo e da Revolução
Francesa. No terreno científico, as concepções mecanicistas foram ultrapassadas: a
termodinâmica mostrava a unidade e conversibilidade existente entre todas as
formas de energia; a química orgânica ligara os fenómenos físico-químicos aos
fisiológicos; as concepções transformistas generalizavam-se, verificando-se que
tudo no mundo tinha uma história, desde os corpos celestes até à crosta terrestre, às
espécies biológicas, às estruturas sociais, aos idiomas e aos princípios jurídicos. Esta
concepção de um mundo todo explicável cientificamente e em constante
transformação reflectiu-se no aparecimento da filosofia da história e afectou as
crenças religiosas muito mais profundamente do que o mecanicismo.
     A nova mentalidade científica e filosófica não podia deixar de reflectir-se no
modo de se encararem os problemas humanos que então se agravavam, com a
industrialização e com a redução de uma percentagem crescente de pessoas à
condição de assalariadas. Mas, além do surto de novas doutrinas históricas ou
sociológicas, tais problemas e tal mentalidade produzem também os seus efeitos na
arte literária. Como vimos, no Romantismo podem distinguir-se duas fases: a
primeira, predominantemente passadista, conservadora, embora adaptada a um novo
tipo de público; a segunda, desde cerca de 1830, em que os escritores entram a
preocupar-se com os problemas humanitários mais clamorosos: a escravatura, que
os mecanismos tornavam dispensável e que tolhia a mecanização; os horários
excessivos do trabalho operário; o sufrágio universal; o analfabetismo; a
delinquência causada pela miséria; a infância abandonada; etc. As consequências
morais e sociais da caça ao lucro foram postas em relevo pelo grande romancista
francês Balzac, na sua série de obras A Comédia Humana; a exploração da infância
e dos miseráveis, as brutalidades do regime prisional então vigente são denunciadas
por V. Hugo e C. Dickens; outros escritores muito populares ridicularizam o
“burguês” e exaltam o humanitarismo (os romancistas franceses Eugène Sue,
Georges Sand, Monnier; os ingleses Kingsley, Carlyle; o poeta Béranger).
     Esta mentalidade científica, esta tendência para retratar os males sociais na obra
literária, estreitamente relacionadas com as revoluções europeias de 1848 e o
aparecimento das primeiras ideologias socialistas, conduziram ao chamado
Realismo, escola de arte que procura esmerar-se na produção típica e desapaixonada
da realidade, especialmente a realidade social humana, e que reage contra o
devaneio individualista sentimental de quase todos os primeiros românticos. Os
mais típicos realistas foram Courbet na pintura e Flaubert no romance (Madame
Bovary).
                               Óscar Lopes e Júlio Martins, Manual Elementar de Literatura Portuguesa




                                                                                                   1
O Realismo surge em toda a Europa na sequência da Revolução Industrial.
Esta revolução favoreceu o desenvolvimento económico e político da burguesia
e a aparição de uma nova classe social: o proletariado.
    As transformações operadas na Europa, na segunda metade do século XIX, nos
aspectos político, social, científico e religioso, vão provocar nos artistas uma nova
atitude perante a literatura e as artes plásticas: o Realismo. Este movimento artístico
inspirar-se-á na vida real, nos factos do quotidiano, no ambiente da vida burguesa,
na miséria dos bairros populares, etc.
    A Espanha e, posteriormente, a França proclamam a República. Victor Manuel
destrói os Estados Pontifícios. Lamarck e Darwin defendem o evolucionismo.
Inventa-se o motor de explosão e o eléctrico. Os progressos tecnológicos aplicados à
indústria desencadeiam uma crise de desemprego. Surge a chamada Questão Social,
caracterizada por lutas reivindicativas e contra a miséria da nova classe nascida da
industrialização – o proletariado. Marx e Engels apontam o socialismo como
solução para as profundas desigualdades económicas e construção de uma sociedade
em que impere a justiça social. Mendel descobre as leis da hereditariedade. À
medida que todos os ramos da ciência punham de lado velhas teses, a literatura ia-se
também desprendendo de:
        • sentimentalismos doentios;
        • idealismos utópicos divorciados da realidade;
        • expressões hipócritas da paixão amorosa, etc.

   A nova mentalidade realista, consequência das circunstâncias sociais da
época: a fantasia e o subjectivismo românticos, assim como a expressão livre
dos sentimentos mais íntimos, são substituídos por tudo aquilo que rodeia o
homem.
   Procurava-se a realidade autêntica e não a deformada pelo mundo romântico. Ao
contrário do Romantismo, os artistas já não pensam em fugir do mundo real; pelo
contrário, a tendência é ater-se unicamente aos factos. Já não valorizam o
sentimento ou a maneira pessoal de ver as coisas, mas antes se voltam para uma
análise das realidades concretas do homem e sua vida quotidiana. É preciso
conhecer e descrever objectivamente a realidade, para depois a modificar.
   Os problemas sociais originados na Revolução Industrial provocaram uma
profunda mudança de mentalidade que se reflectiu na Literatura.
           Enquanto o Romantismo foi um movimento idealista, o Realismo
           interessou-se pela realidade imediata. Os realistas empreenderam a
           análise do meio envolvente partindo sempre da observação e da
           experimentação. O progresso técnico e científico foi um factor
           fundamental no desenvolvimento desta nova atitude.
           Enquanto o Romantismo proclamava a liberdade do indivíduo, o
           Realismo centrava a sua atenção na realidade social.

2. O contexto cultural do Realismo

       O positivismo (de Augusto Comte). Propõe a rigorosa observação e a
       experimentação como únicos métodos para chegar ao conhecimento da
       realidade.
       Para A. Comte, a ciência só deve operar com dados que possam ser
       comprovados experimentalmente. A função do cientista é classificar tais


                                                                                     2
dados e observar como se relacionam entre si, com o fim de chegar à
       formulação de leis.
       O evolucionismo de Darwin. Este cientista defende que todas as espécies
       vivas são o resultado de um processo evolutivo em que a selecção natural
       desempenhou um papel determinante. Só as espécies que evoluíram para
       adaptar-se ao seu meio sobreviveram.
       O marxismo, criado por Karl Marx, que despojou a filosofia de todo o
       sentido transcendente e reivindicou a melhoria das condições materiais de
       vida do ser humano. Marx considerava que as formas de trabalho, isto é, as
       relações de produção, são o verdadeiro motor da História. O marxismo
       propôs a transformação radical da sociedade capitalista mediante a
       organização do proletariado, a conquista revolucionária do Estado pelos
       trabalhadores e o estabelecimento da sociedade sem classes. Estas ideias
       influíram decisivamente no desenvolvimento do movimento operário na
       Europa.

3. Do Romantismo ao Realismo

    O Romantismo impõe-se oficialmente em Portugal com a publicação do poema
Camões de A. Garrett, em 1821. Surgindo como oposição ao neoclassicismo, afirma
a necessidade de terminar com todas as limitações à liberdade individual,
preconizando a abolição das tiranias políticas e artísticas. Este movimento literário
apontava para uma liberdade de sentir, de pensar e de escrever que punha em causa
o velho equilíbrio clássico. A arte não necessitava de génio, estudo, imitação.
    No entanto, como tudo na vida, se o Romantismo teve a sua época áurea, a partir
de determinado momento entra numa fase que poderemos designar de
“degenerescência”. O próprio A. Garrett já se refere a isso quando desmistifica nas
Viagens na Minha Terra os “clichés” batidos e convencionais, a imitação saloia, a
falta de maturidade e de gosto que enforma a literatura, sobretudo a poesia. Essa
degenerescência teve expressão no Ultra-Romantismo que foi o reflexo da paz podre
da “Regeneração”. O mau gosto, o convencionalismo, o vocabulário estereotipado, o
isolamento face à realidade não só nacional, como estrangeira, enformam a poesia
ultra-romântica.
    Os adeptos desta corrente literária – Mendes Leal, Tomás Ribeiro, Bulhão Pato,
Soares de Passos, João de Lemos – acolhem-se à sombra tutelar de Feliciano de
Castilho, habituando-se à crítica do elogio mútuo e repudiando outra crítica que os
pusesse em causa.
    Entretanto, começavam a chegar a Portugal todas as “novidades” decorrentes das
novas teorias filosóficas e das profundas transformações sociais, científicas e
tecnológicas vividas pelas sociedades do Centro da Europa. Estas “notícias” vão
gerar um espírito de rebelião nalguns estudantes de Coimbra, a partir de 1860.
Lutam contra o ensino ministrado na Universidade, manifestando nas suas ideias
uma inconformidade em relação aos valores oficiais da sociedade de então. Dado o
papel que desempenharam ao nível cultural e político, este conjunto de jovens
estudantes de Coimbra ficaram na história do nosso país como a “Geração de 70”.




                                                                                   3
4. A “Geração de 70” e a Questão Coimbrã

    Conceito de geração
    Se tentarmos definir a palavra “geração” na história da cultura de um país,
deparamos antes de mais com uma dificuldade de carácter prático: pertencem a uma
geração todos os que nascem e vivem numa mesma época, dentro de um período
breve (dez ou vinte anos), marcado por tendências comuns importantes, ou
pertencem a ela apenas alguns desses indivíduos que se destacam do conjunto e a
representam verdadeiramente?
    Parece justo aplicar o termo à criação comum de ideias e de obras num
determinado período decisivo da cultura e da literatura de um país. Todavia, essa
criação far-se-á (e permanecerá para o futuro) inevitavelmente a partir de um
número restrito de escritores e de pensadores que serão os verdadeiros iniciadores de
uma geração. Por isso é que o sentido meramente cronológico é, afinal, secundário,
sendo mais importante o puro sentido da criação das ideias em si.

    A “Geração de 70”
    Pode dizer-se que à chamada Geração de 70 pertencem aqueles escritores da
segunda metade do século XIX que a “geraram” no plano das ideias, estéticas ou
outras, e não aqueles que a ela aderiram, prolongando-a historicamente. São eles:
Antero de Quental (1842-1891), Eça de Queirós (1845-1900), Oliveira Martins
(1845-1894) e Ramalho Ortigão (1836-1915). Secundariamente, a ela pertencerão:
Teófilo Braga, Guerra Junqueiro, Jaime Batalha Reis, Guilherme de Azevedo,
Gomes Leal, Alberto Sampaio ou ainda Adolfo Coelho e Augusto Soromenho.

    Periodização da “Geração de 70”
    Ao nível histórico, a Geração de 70 situa-se no período que vai, grosso modo,
até à proclamação da República, em 1910. A Regeneração separa o período de
ideias revolucionárias do primeiro romantismo de Garrett e de Herculano, um
período em que predomina a instabilidade política, social e económica, da época que
se caracterizou essencialmente por uma estabilidade ligada ao pré-industrialismo de
António Maria Fontes Pereira de Melo.

    A reacção da “Geração de 70” à literatura
    Ao nível das teorias literárias, a Geração de 70 corresponde a um “terceiro
romantismo” (segundo o ensaísta António Sérgio), tendo-se formado no meio
académico de Coimbra e reagido contra o “segundo romantismo”, ou seja, o ultra-
romantismo académico de António Feliciano de Castilho (Questão Coimbrã, que
opõe Antero e Castilho, em 1865), retomando de certo modo, ao nível das ideias
políticas e culturais, o “primeiro romantismo” de Herculano e Garrett. No entanto,
os elementos de influência ideológica são outros: Hegel, Marx, Proudhon, Comte,
Michelet. Também os elementos estéticos de base implicam outras influências,
sobretudo as do romantismo alemão de Heine, do romantismo visionário de Victor
Hugo na sua última fase, do realismo e do naturalismo de Zola e de Flaubert e do
pré-simbolismo de Baudelaire.
    A capacidade crítica da Geração de 70 atinge o seu ponto culminante com a
realização das chamadas Conferências do Casino, de Maio a Junho de 1871. Nelas,
Antero expõe as suas ideias de socialismo utópico, Eça critica o romantismo
decadente e defende as teorias de Taine (para o qual a arte está sobretudo
dependente de factores rácicos, climáticos e sociais) e o realismo à Zola e à Flaubert

                                                                                    4
na arte e no romance. Com o mesmo objectivo doutrinário e crítico, mas ao nível da
crónica jornalística de tipo panfletário, surgem, também em 1871, As Farpas, uma
publicação mensal redigida inicialmente por Ramalho e por Eça.
    Por outro lado, ainda como geração eminentemente crítica, a Geração de 70
ataca a monarquia decadente, preparando a revolução republicana de 1910. Note-se,
no entanto, para lá do espírito crítico geral, a diferença entre socialismo e
republicanismo, verificada sobretudo a partir da polémica entre Antero e Teófilo
Braga a propósito da Teoria da História da Literatura Portuguesa, publicada por
Teófilo em 1872.

    A desistência dos intervenientes da “Geração de 70”
    Todavia, apesar de todo o seu espírito crítico, a Geração de 70, na sua fase final,
desiste de uma acção doutrinária e de uma intervenção histórica concreta, imediata,
transformando-se no Grupo dos Vencidos da Vida. Eça, que fala dos Vencidos da
Vida ironicamente como sendo apenas um “grupo jantante”, que todas as semanas
se reúne no Hotel Bragança “para destapar a terrina da sopa e trocar algumas
considerações amargas sobre o Colares”, acrescenta, num tom céptico e mesmo
derrotista: “para um homem, o ser vencido ou derrotado na vida depende não da
realidade aparente a que chegou – mas do ideal íntimo a que aspirava”. Dois anos
depois destas observações de Eça, Antero suicida-se, em 1891, marcando
tragicamente toda a Geração de 70. Assim, se o espírito crítico predomina nesta
geração, ele é mais ainda de autocrítica exigente e de cepticismo amargo do que de
crítica triunfante e espectacular.
                     “O Realismo em Portugal”, in Boletim Informativo da Fund. C. Gulbenkian,nº2, série V (1979)




Síntese do ideário da “Geração de 70”

   •   Inconformismo com a estagnação cultural a que se chegara.
   •   Rejeição do estilo melodramático e rebuscado do “ultra-romantismo”.
   •   Adesão aos “ventos” da industrialização e da modernidade europeia.
   •   Paixão pela luta contra os grandes problemas sociais.
   •   Reflexão sobre os conflitos políticos.
   •   Questionação da cultura portuguesa desde a sua origem.
   •   Preparação da revolução ideológica e política da sociedade portuguesa.
   •   Revalorização das tradições culturais.
   •   Recriação da língua e da linguagem para permitir a tradução de um mundo
       novo.




                                                                                                              5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
Juliana Lannes
 
Realismo
RealismoRealismo
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
blogdofernando
 
Realismogabriele
RealismogabrieleRealismogabriele
Realismogabriele
carolineborba
 
Naturalismo e Realismo
Naturalismo e RealismoNaturalismo e Realismo
Naturalismo e Realismo
_saramoitinho
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
Equipemundi2014
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
whybells
 
O realismo no Brasil
O realismo no BrasilO realismo no Brasil
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
martinsramon
 
Realismo no brasil 5
Realismo no brasil 5Realismo no brasil 5
Realismo no brasil 5
kingkaya
 
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Ruben Fonseca
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
profconrad
 
Realismo
RealismoRealismo
Naturalismo e Realismo
Naturalismo e RealismoNaturalismo e Realismo
Naturalismo e Realismo
Josy Cleyde
 
História da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismoHistória da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismo
Júnior Souza
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 
Movimento Literário Realismo no Brasil e em Portugal no seculo XIX
Movimento Literário Realismo no Brasil e em Portugal no seculo XIXMovimento Literário Realismo no Brasil e em Portugal no seculo XIX
Movimento Literário Realismo no Brasil e em Portugal no seculo XIX
Thales Rafael
 
Portal Prof. Jorge - Realismo brasileiro
Portal Prof. Jorge - Realismo brasileiroPortal Prof. Jorge - Realismo brasileiro
Portal Prof. Jorge - Realismo brasileiro
Jonathan Azevedo
 
Realismo na França
Realismo na FrançaRealismo na França
Realismo na França
Jucelaine Rodrigues
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
carolpixel
 

Mais procurados (20)

Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
 
Realismogabriele
RealismogabrieleRealismogabriele
Realismogabriele
 
Naturalismo e Realismo
Naturalismo e RealismoNaturalismo e Realismo
Naturalismo e Realismo
 
Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)Ppt realismo (2)
Ppt realismo (2)
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
 
O realismo no Brasil
O realismo no BrasilO realismo no Brasil
O realismo no Brasil
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo no brasil 5
Realismo no brasil 5Realismo no brasil 5
Realismo no brasil 5
 
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
Eça de Queirós - Contexto Histórico [Realismo/Naturalismo]
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Naturalismo e Realismo
Naturalismo e RealismoNaturalismo e Realismo
Naturalismo e Realismo
 
História da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismoHistória da literatura brasileira realismo
História da literatura brasileira realismo
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Movimento Literário Realismo no Brasil e em Portugal no seculo XIX
Movimento Literário Realismo no Brasil e em Portugal no seculo XIXMovimento Literário Realismo no Brasil e em Portugal no seculo XIX
Movimento Literário Realismo no Brasil e em Portugal no seculo XIX
 
Portal Prof. Jorge - Realismo brasileiro
Portal Prof. Jorge - Realismo brasileiroPortal Prof. Jorge - Realismo brasileiro
Portal Prof. Jorge - Realismo brasileiro
 
Realismo na França
Realismo na FrançaRealismo na França
Realismo na França
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 

Semelhante a Realismo

O Que é Sociologia
O Que é SociologiaO Que é Sociologia
O Que é Sociologia
Jorge Miklos
 
O realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literaturaO realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literatura
Universidad Nacional de Misiones
 
Entre o romantismo e as vanguardas
Entre o romantismo e as vanguardasEntre o romantismo e as vanguardas
Entre o romantismo e as vanguardas
Edenilson Morais
 
Entre o romantismo e as vanguardas
Entre o romantismo e as vanguardasEntre o romantismo e as vanguardas
Entre o romantismo e as vanguardas
Edenilson Morais
 
Socio reto conceitos
Socio reto conceitosSocio reto conceitos
Socio reto conceitos
Cidinha Pimentel
 
Resumo manifesto comunista
Resumo manifesto comunistaResumo manifesto comunista
Resumo manifesto comunista
Bota95
 
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Claudia Ribeiro
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Claudia Ribeiro
 
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lêninAs três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
UJS_Maringa
 
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Claudia Ribeiro
 
Capítulo 6 - Pensando a Sociedade
Capítulo 6 - Pensando a SociedadeCapítulo 6 - Pensando a Sociedade
Capítulo 6 - Pensando a Sociedade
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
As três fontes _Lenin
As três fontes _LeninAs três fontes _Lenin
As três fontes _Lenin
ujcpe
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
Daniel Gonçalves
 
Com geral 059
Com geral 059Com geral 059
Com geral 059
YedaCarla
 
Capitulo 9
Capitulo 9Capitulo 9
Capitulo 9
Marcelo Pontes
 
Resumo de o manifesto comunista karl marx
Resumo de o manifesto comunista   karl marxResumo de o manifesto comunista   karl marx
Resumo de o manifesto comunista karl marx
luizclete
 
Romantismo na filosofia e no positivismo
Romantismo na filosofia e no positivismoRomantismo na filosofia e no positivismo
Romantismo na filosofia e no positivismo
Alexandre Misturini
 
Sociologia Os clássicos da sociologia -Prof.Altair Aguilar.
 Sociologia Os clássicos da sociologia -Prof.Altair Aguilar. Sociologia Os clássicos da sociologia -Prof.Altair Aguilar.
Sociologia Os clássicos da sociologia -Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Linha do tempo ciencias
Linha do tempo cienciasLinha do tempo ciencias
Linha do tempo ciencias
thilipe
 
Linha do tempo ciencias nf6 a
Linha do tempo ciencias nf6 aLinha do tempo ciencias nf6 a
Linha do tempo ciencias nf6 a
thilipe
 

Semelhante a Realismo (20)

O Que é Sociologia
O Que é SociologiaO Que é Sociologia
O Que é Sociologia
 
O realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literaturaO realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literatura
 
Entre o romantismo e as vanguardas
Entre o romantismo e as vanguardasEntre o romantismo e as vanguardas
Entre o romantismo e as vanguardas
 
Entre o romantismo e as vanguardas
Entre o romantismo e as vanguardasEntre o romantismo e as vanguardas
Entre o romantismo e as vanguardas
 
Socio reto conceitos
Socio reto conceitosSocio reto conceitos
Socio reto conceitos
 
Resumo manifesto comunista
Resumo manifesto comunistaResumo manifesto comunista
Resumo manifesto comunista
 
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
 
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lêninAs três fontes e as três partes constitutivas do marxismo   lênin
As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo lênin
 
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
 
Capítulo 6 - Pensando a Sociedade
Capítulo 6 - Pensando a SociedadeCapítulo 6 - Pensando a Sociedade
Capítulo 6 - Pensando a Sociedade
 
As três fontes _Lenin
As três fontes _LeninAs três fontes _Lenin
As três fontes _Lenin
 
Realismo em Portugal
Realismo em Portugal Realismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
Com geral 059
Com geral 059Com geral 059
Com geral 059
 
Capitulo 9
Capitulo 9Capitulo 9
Capitulo 9
 
Resumo de o manifesto comunista karl marx
Resumo de o manifesto comunista   karl marxResumo de o manifesto comunista   karl marx
Resumo de o manifesto comunista karl marx
 
Romantismo na filosofia e no positivismo
Romantismo na filosofia e no positivismoRomantismo na filosofia e no positivismo
Romantismo na filosofia e no positivismo
 
Sociologia Os clássicos da sociologia -Prof.Altair Aguilar.
 Sociologia Os clássicos da sociologia -Prof.Altair Aguilar. Sociologia Os clássicos da sociologia -Prof.Altair Aguilar.
Sociologia Os clássicos da sociologia -Prof.Altair Aguilar.
 
Linha do tempo ciencias
Linha do tempo cienciasLinha do tempo ciencias
Linha do tempo ciencias
 
Linha do tempo ciencias nf6 a
Linha do tempo ciencias nf6 aLinha do tempo ciencias nf6 a
Linha do tempo ciencias nf6 a
 

Mais de complementoindirecto

Cavalo Lusitano
Cavalo LusitanoCavalo Lusitano
Cavalo Lusitano
complementoindirecto
 
O Estudante do Ensino Secundário
O Estudante do Ensino SecundárioO Estudante do Ensino Secundário
O Estudante do Ensino Secundário
complementoindirecto
 
O Espectador
O EspectadorO Espectador
O Espectador
complementoindirecto
 
O riso
O risoO riso
Cindy Sherman
Cindy ShermanCindy Sherman
Cindy Sherman
complementoindirecto
 
flávia
fláviaflávia
A Pantera Cor-de-Rosa
A Pantera Cor-de-RosaA Pantera Cor-de-Rosa
A Pantera Cor-de-Rosa
complementoindirecto
 
Árvore Prometeu
Árvore PrometeuÁrvore Prometeu
Árvore Prometeu
complementoindirecto
 
Robert Mapplethorpe
Robert MapplethorpeRobert Mapplethorpe
Robert Mapplethorpe
complementoindirecto
 
Pink Slime
Pink SlimePink Slime
BrickArt
BrickArtBrickArt
Big Brother
Big BrotherBig Brother
Testes em Animais
Testes em AnimaisTestes em Animais
Testes em Animais
complementoindirecto
 
Body Art
Body ArtBody Art
Charles Manson
Charles MansonCharles Manson
Charles Manson
complementoindirecto
 
12 k erica-
12 k erica-12 k erica-
Wearable Art
Wearable ArtWearable Art
Wearable Art
complementoindirecto
 
História da Tatuagem
História da Tatuagem História da Tatuagem
História da Tatuagem
complementoindirecto
 
Escova de dentes
Escova de dentesEscova de dentes
Escova de dentes
complementoindirecto
 
Aldous Huxley
Aldous HuxleyAldous Huxley
Aldous Huxley
complementoindirecto
 

Mais de complementoindirecto (20)

Cavalo Lusitano
Cavalo LusitanoCavalo Lusitano
Cavalo Lusitano
 
O Estudante do Ensino Secundário
O Estudante do Ensino SecundárioO Estudante do Ensino Secundário
O Estudante do Ensino Secundário
 
O Espectador
O EspectadorO Espectador
O Espectador
 
O riso
O risoO riso
O riso
 
Cindy Sherman
Cindy ShermanCindy Sherman
Cindy Sherman
 
flávia
fláviaflávia
flávia
 
A Pantera Cor-de-Rosa
A Pantera Cor-de-RosaA Pantera Cor-de-Rosa
A Pantera Cor-de-Rosa
 
Árvore Prometeu
Árvore PrometeuÁrvore Prometeu
Árvore Prometeu
 
Robert Mapplethorpe
Robert MapplethorpeRobert Mapplethorpe
Robert Mapplethorpe
 
Pink Slime
Pink SlimePink Slime
Pink Slime
 
BrickArt
BrickArtBrickArt
BrickArt
 
Big Brother
Big BrotherBig Brother
Big Brother
 
Testes em Animais
Testes em AnimaisTestes em Animais
Testes em Animais
 
Body Art
Body ArtBody Art
Body Art
 
Charles Manson
Charles MansonCharles Manson
Charles Manson
 
12 k erica-
12 k erica-12 k erica-
12 k erica-
 
Wearable Art
Wearable ArtWearable Art
Wearable Art
 
História da Tatuagem
História da Tatuagem História da Tatuagem
História da Tatuagem
 
Escova de dentes
Escova de dentesEscova de dentes
Escova de dentes
 
Aldous Huxley
Aldous HuxleyAldous Huxley
Aldous Huxley
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 

Realismo

  • 1. O REALISMO 1. As transformações na Europa do século XIX Por meados do século XIX, as profundas transformações operadas pelo motor a vapor de água na produção industrial, nos transportes, na economia e nas relações sociais tinham feito surgir problemas e maneiras colectivas de pensar e sentir, já muito diferentes de tudo aquilo que estava na base do Iluminismo e da Revolução Francesa. No terreno científico, as concepções mecanicistas foram ultrapassadas: a termodinâmica mostrava a unidade e conversibilidade existente entre todas as formas de energia; a química orgânica ligara os fenómenos físico-químicos aos fisiológicos; as concepções transformistas generalizavam-se, verificando-se que tudo no mundo tinha uma história, desde os corpos celestes até à crosta terrestre, às espécies biológicas, às estruturas sociais, aos idiomas e aos princípios jurídicos. Esta concepção de um mundo todo explicável cientificamente e em constante transformação reflectiu-se no aparecimento da filosofia da história e afectou as crenças religiosas muito mais profundamente do que o mecanicismo. A nova mentalidade científica e filosófica não podia deixar de reflectir-se no modo de se encararem os problemas humanos que então se agravavam, com a industrialização e com a redução de uma percentagem crescente de pessoas à condição de assalariadas. Mas, além do surto de novas doutrinas históricas ou sociológicas, tais problemas e tal mentalidade produzem também os seus efeitos na arte literária. Como vimos, no Romantismo podem distinguir-se duas fases: a primeira, predominantemente passadista, conservadora, embora adaptada a um novo tipo de público; a segunda, desde cerca de 1830, em que os escritores entram a preocupar-se com os problemas humanitários mais clamorosos: a escravatura, que os mecanismos tornavam dispensável e que tolhia a mecanização; os horários excessivos do trabalho operário; o sufrágio universal; o analfabetismo; a delinquência causada pela miséria; a infância abandonada; etc. As consequências morais e sociais da caça ao lucro foram postas em relevo pelo grande romancista francês Balzac, na sua série de obras A Comédia Humana; a exploração da infância e dos miseráveis, as brutalidades do regime prisional então vigente são denunciadas por V. Hugo e C. Dickens; outros escritores muito populares ridicularizam o “burguês” e exaltam o humanitarismo (os romancistas franceses Eugène Sue, Georges Sand, Monnier; os ingleses Kingsley, Carlyle; o poeta Béranger). Esta mentalidade científica, esta tendência para retratar os males sociais na obra literária, estreitamente relacionadas com as revoluções europeias de 1848 e o aparecimento das primeiras ideologias socialistas, conduziram ao chamado Realismo, escola de arte que procura esmerar-se na produção típica e desapaixonada da realidade, especialmente a realidade social humana, e que reage contra o devaneio individualista sentimental de quase todos os primeiros românticos. Os mais típicos realistas foram Courbet na pintura e Flaubert no romance (Madame Bovary). Óscar Lopes e Júlio Martins, Manual Elementar de Literatura Portuguesa 1
  • 2. O Realismo surge em toda a Europa na sequência da Revolução Industrial. Esta revolução favoreceu o desenvolvimento económico e político da burguesia e a aparição de uma nova classe social: o proletariado. As transformações operadas na Europa, na segunda metade do século XIX, nos aspectos político, social, científico e religioso, vão provocar nos artistas uma nova atitude perante a literatura e as artes plásticas: o Realismo. Este movimento artístico inspirar-se-á na vida real, nos factos do quotidiano, no ambiente da vida burguesa, na miséria dos bairros populares, etc. A Espanha e, posteriormente, a França proclamam a República. Victor Manuel destrói os Estados Pontifícios. Lamarck e Darwin defendem o evolucionismo. Inventa-se o motor de explosão e o eléctrico. Os progressos tecnológicos aplicados à indústria desencadeiam uma crise de desemprego. Surge a chamada Questão Social, caracterizada por lutas reivindicativas e contra a miséria da nova classe nascida da industrialização – o proletariado. Marx e Engels apontam o socialismo como solução para as profundas desigualdades económicas e construção de uma sociedade em que impere a justiça social. Mendel descobre as leis da hereditariedade. À medida que todos os ramos da ciência punham de lado velhas teses, a literatura ia-se também desprendendo de: • sentimentalismos doentios; • idealismos utópicos divorciados da realidade; • expressões hipócritas da paixão amorosa, etc. A nova mentalidade realista, consequência das circunstâncias sociais da época: a fantasia e o subjectivismo românticos, assim como a expressão livre dos sentimentos mais íntimos, são substituídos por tudo aquilo que rodeia o homem. Procurava-se a realidade autêntica e não a deformada pelo mundo romântico. Ao contrário do Romantismo, os artistas já não pensam em fugir do mundo real; pelo contrário, a tendência é ater-se unicamente aos factos. Já não valorizam o sentimento ou a maneira pessoal de ver as coisas, mas antes se voltam para uma análise das realidades concretas do homem e sua vida quotidiana. É preciso conhecer e descrever objectivamente a realidade, para depois a modificar. Os problemas sociais originados na Revolução Industrial provocaram uma profunda mudança de mentalidade que se reflectiu na Literatura. Enquanto o Romantismo foi um movimento idealista, o Realismo interessou-se pela realidade imediata. Os realistas empreenderam a análise do meio envolvente partindo sempre da observação e da experimentação. O progresso técnico e científico foi um factor fundamental no desenvolvimento desta nova atitude. Enquanto o Romantismo proclamava a liberdade do indivíduo, o Realismo centrava a sua atenção na realidade social. 2. O contexto cultural do Realismo O positivismo (de Augusto Comte). Propõe a rigorosa observação e a experimentação como únicos métodos para chegar ao conhecimento da realidade. Para A. Comte, a ciência só deve operar com dados que possam ser comprovados experimentalmente. A função do cientista é classificar tais 2
  • 3. dados e observar como se relacionam entre si, com o fim de chegar à formulação de leis. O evolucionismo de Darwin. Este cientista defende que todas as espécies vivas são o resultado de um processo evolutivo em que a selecção natural desempenhou um papel determinante. Só as espécies que evoluíram para adaptar-se ao seu meio sobreviveram. O marxismo, criado por Karl Marx, que despojou a filosofia de todo o sentido transcendente e reivindicou a melhoria das condições materiais de vida do ser humano. Marx considerava que as formas de trabalho, isto é, as relações de produção, são o verdadeiro motor da História. O marxismo propôs a transformação radical da sociedade capitalista mediante a organização do proletariado, a conquista revolucionária do Estado pelos trabalhadores e o estabelecimento da sociedade sem classes. Estas ideias influíram decisivamente no desenvolvimento do movimento operário na Europa. 3. Do Romantismo ao Realismo O Romantismo impõe-se oficialmente em Portugal com a publicação do poema Camões de A. Garrett, em 1821. Surgindo como oposição ao neoclassicismo, afirma a necessidade de terminar com todas as limitações à liberdade individual, preconizando a abolição das tiranias políticas e artísticas. Este movimento literário apontava para uma liberdade de sentir, de pensar e de escrever que punha em causa o velho equilíbrio clássico. A arte não necessitava de génio, estudo, imitação. No entanto, como tudo na vida, se o Romantismo teve a sua época áurea, a partir de determinado momento entra numa fase que poderemos designar de “degenerescência”. O próprio A. Garrett já se refere a isso quando desmistifica nas Viagens na Minha Terra os “clichés” batidos e convencionais, a imitação saloia, a falta de maturidade e de gosto que enforma a literatura, sobretudo a poesia. Essa degenerescência teve expressão no Ultra-Romantismo que foi o reflexo da paz podre da “Regeneração”. O mau gosto, o convencionalismo, o vocabulário estereotipado, o isolamento face à realidade não só nacional, como estrangeira, enformam a poesia ultra-romântica. Os adeptos desta corrente literária – Mendes Leal, Tomás Ribeiro, Bulhão Pato, Soares de Passos, João de Lemos – acolhem-se à sombra tutelar de Feliciano de Castilho, habituando-se à crítica do elogio mútuo e repudiando outra crítica que os pusesse em causa. Entretanto, começavam a chegar a Portugal todas as “novidades” decorrentes das novas teorias filosóficas e das profundas transformações sociais, científicas e tecnológicas vividas pelas sociedades do Centro da Europa. Estas “notícias” vão gerar um espírito de rebelião nalguns estudantes de Coimbra, a partir de 1860. Lutam contra o ensino ministrado na Universidade, manifestando nas suas ideias uma inconformidade em relação aos valores oficiais da sociedade de então. Dado o papel que desempenharam ao nível cultural e político, este conjunto de jovens estudantes de Coimbra ficaram na história do nosso país como a “Geração de 70”. 3
  • 4. 4. A “Geração de 70” e a Questão Coimbrã Conceito de geração Se tentarmos definir a palavra “geração” na história da cultura de um país, deparamos antes de mais com uma dificuldade de carácter prático: pertencem a uma geração todos os que nascem e vivem numa mesma época, dentro de um período breve (dez ou vinte anos), marcado por tendências comuns importantes, ou pertencem a ela apenas alguns desses indivíduos que se destacam do conjunto e a representam verdadeiramente? Parece justo aplicar o termo à criação comum de ideias e de obras num determinado período decisivo da cultura e da literatura de um país. Todavia, essa criação far-se-á (e permanecerá para o futuro) inevitavelmente a partir de um número restrito de escritores e de pensadores que serão os verdadeiros iniciadores de uma geração. Por isso é que o sentido meramente cronológico é, afinal, secundário, sendo mais importante o puro sentido da criação das ideias em si. A “Geração de 70” Pode dizer-se que à chamada Geração de 70 pertencem aqueles escritores da segunda metade do século XIX que a “geraram” no plano das ideias, estéticas ou outras, e não aqueles que a ela aderiram, prolongando-a historicamente. São eles: Antero de Quental (1842-1891), Eça de Queirós (1845-1900), Oliveira Martins (1845-1894) e Ramalho Ortigão (1836-1915). Secundariamente, a ela pertencerão: Teófilo Braga, Guerra Junqueiro, Jaime Batalha Reis, Guilherme de Azevedo, Gomes Leal, Alberto Sampaio ou ainda Adolfo Coelho e Augusto Soromenho. Periodização da “Geração de 70” Ao nível histórico, a Geração de 70 situa-se no período que vai, grosso modo, até à proclamação da República, em 1910. A Regeneração separa o período de ideias revolucionárias do primeiro romantismo de Garrett e de Herculano, um período em que predomina a instabilidade política, social e económica, da época que se caracterizou essencialmente por uma estabilidade ligada ao pré-industrialismo de António Maria Fontes Pereira de Melo. A reacção da “Geração de 70” à literatura Ao nível das teorias literárias, a Geração de 70 corresponde a um “terceiro romantismo” (segundo o ensaísta António Sérgio), tendo-se formado no meio académico de Coimbra e reagido contra o “segundo romantismo”, ou seja, o ultra- romantismo académico de António Feliciano de Castilho (Questão Coimbrã, que opõe Antero e Castilho, em 1865), retomando de certo modo, ao nível das ideias políticas e culturais, o “primeiro romantismo” de Herculano e Garrett. No entanto, os elementos de influência ideológica são outros: Hegel, Marx, Proudhon, Comte, Michelet. Também os elementos estéticos de base implicam outras influências, sobretudo as do romantismo alemão de Heine, do romantismo visionário de Victor Hugo na sua última fase, do realismo e do naturalismo de Zola e de Flaubert e do pré-simbolismo de Baudelaire. A capacidade crítica da Geração de 70 atinge o seu ponto culminante com a realização das chamadas Conferências do Casino, de Maio a Junho de 1871. Nelas, Antero expõe as suas ideias de socialismo utópico, Eça critica o romantismo decadente e defende as teorias de Taine (para o qual a arte está sobretudo dependente de factores rácicos, climáticos e sociais) e o realismo à Zola e à Flaubert 4
  • 5. na arte e no romance. Com o mesmo objectivo doutrinário e crítico, mas ao nível da crónica jornalística de tipo panfletário, surgem, também em 1871, As Farpas, uma publicação mensal redigida inicialmente por Ramalho e por Eça. Por outro lado, ainda como geração eminentemente crítica, a Geração de 70 ataca a monarquia decadente, preparando a revolução republicana de 1910. Note-se, no entanto, para lá do espírito crítico geral, a diferença entre socialismo e republicanismo, verificada sobretudo a partir da polémica entre Antero e Teófilo Braga a propósito da Teoria da História da Literatura Portuguesa, publicada por Teófilo em 1872. A desistência dos intervenientes da “Geração de 70” Todavia, apesar de todo o seu espírito crítico, a Geração de 70, na sua fase final, desiste de uma acção doutrinária e de uma intervenção histórica concreta, imediata, transformando-se no Grupo dos Vencidos da Vida. Eça, que fala dos Vencidos da Vida ironicamente como sendo apenas um “grupo jantante”, que todas as semanas se reúne no Hotel Bragança “para destapar a terrina da sopa e trocar algumas considerações amargas sobre o Colares”, acrescenta, num tom céptico e mesmo derrotista: “para um homem, o ser vencido ou derrotado na vida depende não da realidade aparente a que chegou – mas do ideal íntimo a que aspirava”. Dois anos depois destas observações de Eça, Antero suicida-se, em 1891, marcando tragicamente toda a Geração de 70. Assim, se o espírito crítico predomina nesta geração, ele é mais ainda de autocrítica exigente e de cepticismo amargo do que de crítica triunfante e espectacular. “O Realismo em Portugal”, in Boletim Informativo da Fund. C. Gulbenkian,nº2, série V (1979) Síntese do ideário da “Geração de 70” • Inconformismo com a estagnação cultural a que se chegara. • Rejeição do estilo melodramático e rebuscado do “ultra-romantismo”. • Adesão aos “ventos” da industrialização e da modernidade europeia. • Paixão pela luta contra os grandes problemas sociais. • Reflexão sobre os conflitos políticos. • Questionação da cultura portuguesa desde a sua origem. • Preparação da revolução ideológica e política da sociedade portuguesa. • Revalorização das tradições culturais. • Recriação da língua e da linguagem para permitir a tradução de um mundo novo. 5