SlideShare uma empresa Scribd logo
ICPG                   Instituto Catarinense de Pós-Graduação – www.icpg.com.br              1




 A RELEVÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO
                 INFANTIL

                               Magrit Froehlich Krueger
                  Associação Educacional Leonardo da Vinci – ASSELVI
                       Curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia
                         Orientadora: Prof ª. Dr ª. Anamaria Kovács

Resumo

A escola, por ser o primeiro agente socializador fora do círculo familiar da criança, torna-se
a base da aprendizagem se oferecer todas as condições necessárias para que ela se sinta
segura e protegida. Assim, para que a criança tenha um desenvolvimento saudável e
adequado dentro do ambiente escolar, e conseqüentemente no social, é necessário que haja
um estabelecimento de relações interpessoais positivas, como aceitação e apoio,
possibilitando assim o sucesso dos objetivos educativos.

Palavras-chave: afetividade, aprendizagem, relações interpessoais, desenvolvimento.




1 INTRODUÇÃO


                                           “As escolas deveriam entender mais de seres
                                           humanos e de amor do que de conteúdos e técnicas
                                           educativas. Elas têm contribuído em demasia para a
                                           construção de neuróticos por não entenderem de
                                           amor, de sonhos, de fantasias, de símbolos e de
                                           dores”.
                                                                                  Cláudio Saltini




         A criança deseja e necessita ser amada, aceita, acolhida e ouvida para que possa
despertar para a vida da curiosidade e do aprendizado. E o professor é quem prepara e
organiza o microuniverso da busca e do interesse das crianças. A postura desse profissional
se manifesta na percepção e na sensibilidade aos interesses das crianças que, em cada idade,
diferem em seu pensamento e modo de sentir o mundo.

         No presente artigo pretende-se fazer uma abordagem sobre o tema da
AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL, destacando alguns conceitos, teorias e
enfatizando sua importância no processo de ensino e aprendizagem. Para tanto, na primeira
2



parte, apresentar-se-á uma breve abordagem das teorias da Psicologia do Desenvolvimento,
baseada principalmente em Piaget, dada a sua importância em relação ao tema.                       Num
segundo momento, serão dados alguns conceitos sobre afetividade. Por fim, entraremos no
tema da afetividade na educação infantil, que é o cerne do presente artigo.




2     ALGUMAS          CONSIDERAÇÕES                 SOBRE           A      PSICOLOGIA              DO
     DESENVOLVIMENTO



        Para que se possa compreender de forma mais ampla o tema da afetividade na
educação infantil, entendemos que primeiramente faz-se necessário tratar rapidamente da
Psicologia do Desenvolvimento Infantil, especialmente o desenvolvimento cognitivo
estudado por Jean Piaget.

        A infância é uma etapa biologicamente útil, que se caracteriza como sendo o período
de adaptação progressiva ao meio físico e social. A adaptação, aqui, é “equilíbrio”, cuja
conquista dura toda a infância e adolescência e define a estruturação própria destes períodos
existenciais. E, conforme ensina o psicólogo Jean Piaget (1985), “educar é adaptar o
indivíduo ao meio social ambiente”.

        Quando, então, se trata de educação infantil no contexto da educação moderna é
preciso considerar quatro pontos fundamentais: a significação da infância, a estrutura do
pensamento da criança, as leis de desenvolvimento e o mecanismo da vida social infantil.

        Entra neste ponto o papel da psicologia na educação. Piaget afirma que:

                       [...] a pedagogia moderna não saiu de forma alguma da psicologia da criança, da
                       mesma maneira que os progressos da técnica industrial surgiram, passo a passo, das
                       descobertas das ciências exatas. Foram muito mais o espírito geral das pesquisas
                       psicológicas e, muitas vezes também, os próprios métodos de observação que,
                       passando do campo da ciência pura ao da experimentação, vivificaram a pedagogia
                       (PIAGET, 1985, p. 148).



        Piaget foi um dos grandes estudiosos da Psicologia do Desenvolvimento; dedicou-se
exclusivamente ao estudo do desenvolvimento cognitivo, quer dizer, à gênese da inteligência
e da lógica. Ele concluiu pela existência de quatro estágios ou fases do desenvolvimento da
3



inteligência. Em cada estágio há um estilo característico através do qual a criança constrói
seu conhecimento. Vejamos:

            • Primeiro estágio     Sensório motor (ou prático) 0 – 2 anos: trabalho mental:
   estabelecer relações entre as ações e as modificações que elas provocam no ambiente
   físico; exercício dos reflexos; manipulação do mundo por meio da ação. Ao final,
   constância/permanência do objeto.

            • Segundo estágio      Pré-operatório (ou intuitivo) 2 – 6 anos: desenvolvimento
   da capacidade simbólica (símbolos mentais: imagens e palavras que representam objetos
   ausentes); explosão lingüística; características do pensamento (egocentrismo, intuição,
   variância); pensamento dependente das ações externas.

            • Terceiro estágio      Operatório-concreto – 7 – 11 anos: capacidade de ação
   interna: operação. Características da operação: reversibilidade/invariância – conservação
   (quantidade, constância, peso, volume); descentração/capacidade de seriação/capacidade
   de classificação.

            • Quarto estágio      Operacional-formal (abstrato) – 11 anos... A operação se
   realiza através da linguagem (conceitos). O raciocínio é hipotético-dedutivo
   (levantamento de hipóteses; realização de deduções). Essa capacidade de sair-se bem com
   as palavras e essa independência em relação ao recurso concreto permite: ganho de
   tempo; aprofundamento do conhecimento; domínio da ciência da filosofia.

        Quanto à afetividade, o psicanalista Sigmund Freud afirmava que os dados
fornecidos pela psicanálise têm conseqüências importantes para a compreensão das relações
inter-humanas, principalmente ao mostrar que o objeto de relação é um objeto individual
construído pelo mundo interno fantástico (de fantasia) variando com nossos investimentos e
em função de nossa história e de nossos estados afetivos (apud GOLSE, 1998).

        Pode-se ainda destacar os estudos realizados por Henry Wallon, o qual não separou
o aspecto cognitivo do afetivo. Seus trabalhos dedicam um grande espaço às emoções como
formação intermediária entre o corpo, sua fisiologia, seus reflexos e as condutas psíquicas de
adaptação. A atuação está estritamente ligada ao movimento, e as posturas são as primeiras
figuras de expressão e comunicação que servirão de base ao pensamento concebido, antes de
tudo, como uma das formas de ação. Segundo Wallon, o movimento é a base do pensamento.
É a primeira forma de integração com o exterior.
4



3 AFETIVIDADE: ALGUNS CONCEITOS



         No Dicionário Aurélio (1994), o verbete afetividade está definido da seguinte forma:
“Psicol. Conjunto de fenômenos psíquicos que se manifestam sob a forma de emoções,
sentimentos e paixões, acompanhados sempre da impressão de dor ou prazer, de satisfação ou
insatisfação, de agrado ou desagrado, de alegria ou tristeza.”

         Portanto,   a   afetividade   exerce   um    papel      fundamental   nas   correlações
psicossomáticas básicas, além de influenciar decisivamente a percepção, a memória, o
pensamento, a vontade e as ações, e ser, assim, um componente essencial da harmonia e do
equilíbrio da personalidade humana.

         Aliás, existe acentuada confusão terminológica em relação à afetividade e ao grande
número de vocábulos associados ao seu conceito. Os estados afetivos fundamentais são as
emoções, os sentimentos, as inclinações e as paixões. A palavra emoção vem do latim
movere, mover-se para fora, externalizar-se. É a intensidade máxima do afeto.

         A emoção é definida assim, pelo Dicionário Aurélio: “Psicol. Reação intensa e breve
do organismo a um lance inesperado, a qual se acompanha dum estado afetivo de conotação
penosa ou agradável”.




4 A AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL



         Na teoria de Jean Piaget, o desenvolvimento intelectual é considerando como tendo
dois componentes: o cognitivo e o afetivo. Paralelo ao desenvolvimento cognitivo está o
desenvolvimento afetivo. Afeto inclui sentimentos, interesses, desejos, tendências, valores e
emoções em geral.

         Já Vygotsky (apud LA TAILLE, 1992, p. 11), propôs a construção de uma nova
psicologia, fundamentada no materialismo histórico e dialético. Aprofundou seus estudos
sobre o funcionamento dos aspectos cognitivos, mais precisamente as funções mentais e a
consciência. Vygotsky usa o termo função mental para referir-se a processos como
5



pensamento, memória, percepção e atenção. A organização dinâmica da consciência aplica-se
ao afeto e ao intelecto.

         Conforme La Taille (1992, p. 76), Vygotsky explica que o pensamento tem sua
origem na esfera da motivação, a qual inclui inclinações, necessidades, interesses, impulsos,
afeto e emoção. Nesta esfera estaria a razão última do pensamento e, assim, uma
compreensão completa do pensamento humano só é possível quando se compreende sua base
afetivo-volitiva. Apesar de a questão da afetividade não receber aprofundamento em sua
teoria, Vygotsky evidencia a importância das conexões entre as dimensões cognitiva e afetiva
do funcionamento psicológico humano, propondo uma abordagem unificadora das referidas
dimensões.

         Por sua vez, na psicogenética de Henry Wallon, a dimensão afetiva ocupa lugar
central, tanto do ponto de vista da construção da pessoa quanto do conhecimento (LA
TAILLE, 1992, p. 85). Para este pensador, a emoção ocupa o papel de mediadora. O processo
de desenvolvimento infantil se realiza nas interações, que objetivam não só a satisfação das
necessidades básicas, como também a construção de novas relações sociais, com o
predomínio da emoção sobre as demais atividades. As interações emocionais devem se pautar
pela qualidade, a fim de ampliar o horizonte da criança e levá-la a transcender sua
subjetividade e inserir-se no social. Na concepção walloniana, tanto a emoção quanto a
inteligência são importantes no processo de desenvolvimento da criança, de forma que o
professor deve aprender a lidar com o estado emotivo da criança para melhor poder estimular
seu crescimento individual.

         No âmbito da educação infantil, a interrelação da professora com o grupo de alunos
e com cada um em particular é constante, dá-se o tempo todo, na sala, no pátio ou nos
passeios, e é em função dessa proximidade afetiva que se dá a interação com os objetos e a
construção de um conhecimento altamente envolvente.

         Como afirma Saltini (1997, p. 89), “essa interrelação é o fio condutor, o suporte
afetivo do conhecimento”.

         Complementa o referido autor:

                           Neste caso, o educador serve de continente para a criança. Poderíamos dizer,
                           portanto, que o continente é o espaço onde podemos depositar nossas pequenas
                           construções e onde elas tomam um sentido, um peso e um respeito, enfim, onde elas
                           são acolhidas e valorizadas, tal qual um útero acolhe um embrião (SALTINI, 1997,
                           p. 89).
6



         A escola, por ser o primeiro agente socializador fora do círculo familiar da criança,
torna-se a base da aprendizagem se oferecer todas as condições necessárias para que ela se
sinta segura e protegida. Portanto, não nos restam dúvidas de que se torna imprescindível a
presença de um educador que tenha consciência de sua importância não apenas como um
mero reprodutor da realidade vigente, mas sim como um agente transformador, com uma
visão sócio-crítica da realidade.

         A criança, segundo Marly Santos Mutschele (1994), ao entrar na escola pela
primeira vez, precisa ser muito bem recebida, porque nessa ocasião dá-se um rompimento de
sua vida familiar para iniciar-se uma nova experiência, e esta deverá ser agradável, para que
haja um reforço da situação.

         Assim, quando a criança nota que a professora gosta dela, e que a professora
apresenta certas qualidades como paciência, dedicação, vontade de ajudar e atitude
democrática, a aprendizagem torna-se mais facilitada; ao perceber os gostos da criança, o
professor deve aproveitar ao máximo suas aptidões e estimulá-la para o ensino. Ao contrário,
o autoritarismo, inimizade e desinteresse podem levar o aluno a perder a motivação e o
interesse por aprender, já que estes sentimentos são conseqüentes da antipatia por parte dos
alunos, que por fim associarão o professor à disciplina, e reagirão negativamente a ambos.

         Num apropriado comentário de Chardelli (2002):

                                         A todo momento, a escola recebe crianças com auto estima
                                         baixa, tristeza, dificuldades em aprender ou em se entrosar
                                         com os coleguinhas e as rotulamos de complicadas, sem
                                         limites ou sem educação e não nos colocamos diante delas a
                                         seu favor, não compactuamos e nem nos aliamos a elas, não as
                                         tocamos e muito menos conseguimos entender o verdadeiro
                                         motivo que as deixou assim.
                                         A escola facilita o papel da educação nos tempos atuais, que
                                         seria construir pessoas plenas, priorizando o ser e não o ter,
                                         levando o aluno a ser crítico e construir seu caminho.


         Crianças pequenas (período sensório-motor), por exemplo, querem interagir com os
objetos manipulando-os com todo o seu corpo, não só com as mãos, pois esta é uma
necessidade natural do seu desenvolvimento, conforme Saltini (1997, p. 91).

         É preciso que se esteja atento, também, que na idade pré-escolar, assim como na
primeira infância, os sentimentos imperam em todos os aspectos da vida da criança, dando
cor e expressividade a essa vida. A criança não sabe dominar suas paixões, portanto a
exteriorização dos sentimentos é muito mais impetuosa, sincera e involuntária do que no
7



adulto, como afirma Mukhina (1998, p. 209): “Os sentimentos da criança brotam com força e
brilho, para se apagarem em seguida; a alegria impetuosa é muitas vezes sucedida pelo
choro.”

          Ainda conforme este autor, a criança extrai suas vivências principalmente do contato
com outras pessoas, adultos ou crianças. Se os que a rodeiam a tratam com carinho,
reconhecem seus direitos e se mostram atenciosos, a criança experimenta um bem-estar
emocional, um sentimento de segurança, de estar protegida. E, conforme Mukhina (1995, p.
210), “o bem estar emocional ajuda o desenvolvimento normal da personalidade da criança e
a formação de qualidades que a tornam positiva, fazendo-a mostrar-se benevolente com
outras pessoas”.

          Saltini também se refere à questão da manutenção da serenidade por parte da
professora e da criança. Como explica o autor,


                        A serenidade e a paciência do educador, mesmo em situações difíceis faz parte da
                        paz que a criança necessita. Observar a ansiedade, a perda de controle e a
                        instabilidade de humor, vai assegurar à criança ser o continente de seus próprios
                        conflitos e raivas, sem explodir, elaborando-os sozinha ou em conjunto com o
                        educador. A serenidade faz parte do conjunto de sensações e percepções que
                        garantem a elaboração de nossas raivas e conflitos. Ela conduz ao conhecimento do
                        si-mesmo, tanto do educador quando da criança (SALTINI, 1997, p. 91).


          Outrossim, também no entender de Saltini (1997, p. 90), é preciso


                        [...] encorajar a criança a descobrir e inventar, sem ensinar ou dar conceitos prontos.
                        A resposta pronta só deve ser dada quando a pergunta da criança focaliza um ato
                        social arbitrário (funções do objeto cotidiano). Manter-se atento à série de
                        descobertas que as crianças vão fazendo, dando-lhes o máximo de possibilidades
                        para isso. Dar atenção a cada uma delas, encorajando-as a construir e a se conhecer.
                        Dar maior incentivo à pergunta que à resposta. Sempre buscando no grupo a
                        resposta o professor procurará sistematizar e coordenar as idéias emergentes.
                        A relação que se estabelece com o grupo como um todo e a pessoal com cada
                        criança é diferenciada em todos os seus aspectos quantitativos e cognitivos
                        respeitando-se a maturidade de seu pensamento e a individualidade. [...]


          Quando ocorrem explosões de raiva, o professor precisa ter muita habilidade. Para
tanto, faz-se necessário manter um diálogo com a criança, em que se possa perceber o que
está acontecendo, usando tanto o silêncio quanto o corpo, abraçando-a quando ela assim o
permitir; compartilhar com os demais da classe os sentimentos que estão sendo evidenciados
nesse instante é um trabalho quase terapêutico, conforme recomenda Saltini (1997, p. 91).
8



        Também o tratamento equânime para com todos os alunos precisa ser sempre
mantido e explicitado, e nenhuma criança deve ter a percepção de ser perseguida ou amada
em demasia. É preciso observar, neste sentido, que a opinião de cada criança tem o mesmo
respeito e valor, sem ressaltar o feito de alguma criança ou compará-la com outra, nem
salientar diferenças entre meninos e meninas em brincadeiras e jogos, pois isto seria
prejudicial ao desenvolvimento afetivo sadio.

        E, finalmente, como também sugere Saltini (1997, p. 92), “o interesse da criança é
que programa o dia e não vice-versa, visando assim o entusiasmo do grupo e energizando o
conhecimento”.




5 CONSIDERAÇÕES FINAIS



        Desde o jardim de infância, a escola torna-se o centro da vida extra-familiar,
ocupando a maior parte do período de vigília. Os professores que a criança tem, os métodos
de ensino e os tipos de livros-textos aos quais é exposta, terão efeitos importantes não apenas
para o processo acadêmico, como também na capacidade geral para encarar a vida, dominar
problemas e desafios novos, levando o educando à auto-confiança e auto-estima.

        Assim, para que a criança tenha um desenvolvimento saudável e adequado dentro do
ambiente escolar, e conseqüentemente no social, é necessário que haja um estabelecimento de
relações interpessoais positivas, como aceitação e apoio, possibilitando assim o sucesso dos
objetivos educativos.

        Na condição de educadores, precisamos estar atentos ao fato de que, enquanto não
dermos atenção ao fator afetivo na relação educador-educando, corremos o risco de estarmos
só trabalhando com a construção do real, do conhecimento, deixando de lado o trabalho da
constituição do próprio sujeito – que envolve valores e o próprio caráter – necessário para o
seu desenvolvimento integral.

        Vale destacarmos aqui uma afirmação feita pelo cientista político Armando Moreira
(apud MOREIRA, 2002), quando diz que a afetividade deve prevalecer nas relações humanas
de modo geral e na escola em particular:
9



                       Isso porque é um lugar onde a criança deposita confiança quanto à pertinência e o
                       conteúdo de seu aprendizado. Se não houver afetividade na transmissão de
                       conhecimentos, a criança não se sentirá valorizada e respeitada, e a tendência é que
                       desdenhe das lições que lhe serão passadas.



        Obviamente isso não significa fazer “vistas grossas” com relação aos erros da
criança, pois a advertência segura e equilibrada é justamente uma manifestação das mais
importantes da afetividade.

        Está, portanto, mais do que evidenciada por estudiosos, pesquisadores e
especialistas, a necessidade de se cuidar do aspecto afetivo no processo ensino-
aprendizagem, levando em conta que a criança é diferente, cognitiva e afetivamente falando,
em cada fase do seu desenvolvimento.




6 REFERÊNCIAS



CHARDELLI, Rita de Cássia Rocha.                Brincar e ser feliz. Endereço eletrônico: <
     http://7mares.terravista.pt/forumeducacao/Textos/textobrincareserfeliz.htm>.

DICIONÁRIO AURÉLIO. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Editora Nova Fronteira.
1 cd-rom. 1994.

ENDERLE, Carmen. Psicologia do desenvolvimento : o processo evolutivo da criança.
Porto Alegre : Artes Médicas, 1985.

GOLSE, B. O desenvolvimento afetivo e intelectual da criança. 3. ed. Porto Alegre:
Artmed, 1998.

LA TAILLE, Yves de et al. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão.
São Paulo: Summus, 1992.

MOREIRA,          Maria       Teresa       Marques.          Afetividade.          Disponível         em:
<http://www.bolsademulher.com.br>. Acessado em: 22 dez. 2002.

MUKHINA, Valéria. Psicologia da idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
10



MUTSCHELE, Marly Santos. Problemas de aprendizagem da criança : causas físicas,
sensoriais, neurológicas, emocionais, sociais e ambientais. 3. ed. São Paulo : Loyola, 1994.
111 p.

PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro : Forense Universitária, 1985.

SALTINI, Cláudio J. P. Afetividade & inteligência. Rio de Janeiro: DPA, 1997.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
Secretaria Municipal de Educação de Goiânia
 
Teorias pedagógicas de ensino aprendizagem
Teorias pedagógicas de ensino aprendizagemTeorias pedagógicas de ensino aprendizagem
Teorias pedagógicas de ensino aprendizagem
CDIM Daniel
 
Atividade 1 teorias de aprendizagem - puc-rs - PowerPoint
Atividade 1   teorias de aprendizagem - puc-rs - PowerPointAtividade 1   teorias de aprendizagem - puc-rs - PowerPoint
Atividade 1 teorias de aprendizagem - puc-rs - PowerPoint
Márcio Emílio
 
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagemTeorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Carlos Caldas
 
Teorias de Ensino
Teorias de EnsinoTeorias de Ensino
Teorias de Ensino
Adriana Clementino
 
Psicologia ( unidades com objectivos)
Psicologia ( unidades com objectivos)Psicologia ( unidades com objectivos)
Psicologia ( unidades com objectivos)
joseantoniosebastiao
 
Aula sobre wallon
Aula sobre wallonAula sobre wallon
Aula sobre wallon
Diego Alvarez
 
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
vera lúcia
 
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educaçãoPiaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Atividades para Educação Infantil
 
Teorias de aprendizagem trabalho
Teorias de aprendizagem trabalhoTeorias de aprendizagem trabalho
Teorias de aprendizagem trabalho
Roseli2012
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
Carlos Tesch
 
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mentalHenri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Hannah Dantas
 
Teorias da Aprendizagen
Teorias da AprendizagenTeorias da Aprendizagen
Teorias da Aprendizagen
UFC
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
rosariasperotto
 
Slides da aula 2 Fundamentos da psicologia - Professora Léia Lídice
Slides da aula 2   Fundamentos da psicologia - Professora Léia LídiceSlides da aula 2   Fundamentos da psicologia - Professora Léia Lídice
Slides da aula 2 Fundamentos da psicologia - Professora Léia Lídice
Léia Lídice
 
Desenvolvimento psicogenético e diálogo tônico em henri wallon
Desenvolvimento psicogenético e diálogo tônico em henri wallonDesenvolvimento psicogenético e diálogo tônico em henri wallon
Desenvolvimento psicogenético e diálogo tônico em henri wallon
Claudio Santos
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
Carlos Caldas
 
Teoria de desenvolvimento de henri wallon
Teoria de desenvolvimento de henri wallonTeoria de desenvolvimento de henri wallon
Teoria de desenvolvimento de henri wallon
maelyramos
 
Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
drycaaa
 
Jean piaget 1
Jean piaget  1Jean piaget  1
Jean piaget 1
Felipe Mago
 

Mais procurados (20)

A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallonA teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
A teoria do desenvolvimento humano de henri wallon
 
Teorias pedagógicas de ensino aprendizagem
Teorias pedagógicas de ensino aprendizagemTeorias pedagógicas de ensino aprendizagem
Teorias pedagógicas de ensino aprendizagem
 
Atividade 1 teorias de aprendizagem - puc-rs - PowerPoint
Atividade 1   teorias de aprendizagem - puc-rs - PowerPointAtividade 1   teorias de aprendizagem - puc-rs - PowerPoint
Atividade 1 teorias de aprendizagem - puc-rs - PowerPoint
 
Teorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagemTeorias contemporâneas da aprendizagem
Teorias contemporâneas da aprendizagem
 
Teorias de Ensino
Teorias de EnsinoTeorias de Ensino
Teorias de Ensino
 
Psicologia ( unidades com objectivos)
Psicologia ( unidades com objectivos)Psicologia ( unidades com objectivos)
Psicologia ( unidades com objectivos)
 
Aula sobre wallon
Aula sobre wallonAula sobre wallon
Aula sobre wallon
 
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
Contribuições de piaget e vygotski para a educação 2012
 
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educaçãoPiaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
 
Teorias de aprendizagem trabalho
Teorias de aprendizagem trabalhoTeorias de aprendizagem trabalho
Teorias de aprendizagem trabalho
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
 
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mentalHenri Wallon - Do ato motor ao ato mental
Henri Wallon - Do ato motor ao ato mental
 
Teorias da Aprendizagen
Teorias da AprendizagenTeorias da Aprendizagen
Teorias da Aprendizagen
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
 
Slides da aula 2 Fundamentos da psicologia - Professora Léia Lídice
Slides da aula 2   Fundamentos da psicologia - Professora Léia LídiceSlides da aula 2   Fundamentos da psicologia - Professora Léia Lídice
Slides da aula 2 Fundamentos da psicologia - Professora Léia Lídice
 
Desenvolvimento psicogenético e diálogo tônico em henri wallon
Desenvolvimento psicogenético e diálogo tônico em henri wallonDesenvolvimento psicogenético e diálogo tônico em henri wallon
Desenvolvimento psicogenético e diálogo tônico em henri wallon
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Teoria de desenvolvimento de henri wallon
Teoria de desenvolvimento de henri wallonTeoria de desenvolvimento de henri wallon
Teoria de desenvolvimento de henri wallon
 
Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
 
Jean piaget 1
Jean piaget  1Jean piaget  1
Jean piaget 1
 

Destaque

O que é o fundeb
O que é o fundebO que é o fundeb
O que é o fundeb
Francisco Lacerda
 
Cartilhafundeb
CartilhafundebCartilhafundeb
Cartilhafundeb
Francisco Lacerda
 
3883 a852 e760-fc9f-57158b8065d42b0e
3883 a852 e760-fc9f-57158b8065d42b0e3883 a852 e760-fc9f-57158b8065d42b0e
3883 a852 e760-fc9f-57158b8065d42b0e
Heles Souza
 
COMO DESENHAR ANIMAIS
COMO DESENHAR ANIMAISCOMO DESENHAR ANIMAIS
COMO DESENHAR ANIMAIS
Francisco Lacerda
 
Calendário Escolar 2012 - Juazeiro do Norte
Calendário Escolar 2012 - Juazeiro do NorteCalendário Escolar 2012 - Juazeiro do Norte
Calendário Escolar 2012 - Juazeiro do Norte
Francisco Lacerda
 
Cartilhafundeb
CartilhafundebCartilhafundeb
Cartilhafundeb
Francisco Lacerda
 
DESENHOS PARA COLORIR - FESTAS JUNINAS
DESENHOS PARA COLORIR - FESTAS JUNINASDESENHOS PARA COLORIR - FESTAS JUNINAS
DESENHOS PARA COLORIR - FESTAS JUNINAS
Francisco Lacerda
 
A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTILA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Francisco Lacerda
 

Destaque (8)

O que é o fundeb
O que é o fundebO que é o fundeb
O que é o fundeb
 
Cartilhafundeb
CartilhafundebCartilhafundeb
Cartilhafundeb
 
3883 a852 e760-fc9f-57158b8065d42b0e
3883 a852 e760-fc9f-57158b8065d42b0e3883 a852 e760-fc9f-57158b8065d42b0e
3883 a852 e760-fc9f-57158b8065d42b0e
 
COMO DESENHAR ANIMAIS
COMO DESENHAR ANIMAISCOMO DESENHAR ANIMAIS
COMO DESENHAR ANIMAIS
 
Calendário Escolar 2012 - Juazeiro do Norte
Calendário Escolar 2012 - Juazeiro do NorteCalendário Escolar 2012 - Juazeiro do Norte
Calendário Escolar 2012 - Juazeiro do Norte
 
Cartilhafundeb
CartilhafundebCartilhafundeb
Cartilhafundeb
 
DESENHOS PARA COLORIR - FESTAS JUNINAS
DESENHOS PARA COLORIR - FESTAS JUNINASDESENHOS PARA COLORIR - FESTAS JUNINAS
DESENHOS PARA COLORIR - FESTAS JUNINAS
 
A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTILA MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Semelhante a Rev03 04

Afetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilAfetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantil
Pessoal
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Leila Bezerra
 
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
simone andrea sousa
 
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptxSLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
TharykBatatinha
 
Psicologia
Psicologia Psicologia
Psicologia
Alelis Gomes
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
SimoneHelenDrumond
 
Aula 2 - Psicologia da Educação.pdf
Aula 2 - Psicologia da Educação.pdfAula 2 - Psicologia da Educação.pdf
Aula 2 - Psicologia da Educação.pdf
JoversinaMartinsdeSo
 
40.resumo para concurso professor henri wallon.docx
40.resumo para concurso professor   henri wallon.docx40.resumo para concurso professor   henri wallon.docx
40.resumo para concurso professor henri wallon.docx
AlineMelo123
 
Psicologias[1]
Psicologias[1]Psicologias[1]
Psicologias[1]
Rildo45
 
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil finalAfetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Isa Silveira
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11
Ana Lucia Gouveia
 
Apostila de psicologia da educaã‡ãƒo (1)
Apostila de psicologia da educaã‡ãƒo (1)Apostila de psicologia da educaã‡ãƒo (1)
Apostila de psicologia da educaã‡ãƒo (1)
William Silva
 
Piaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallonPiaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallon
Luciana Almeida
 
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicosApostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
SILVAJAILSON
 
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicosApostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
EDILENE CABRAL
 
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicosApostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
Aline Aarão aarao
 
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdfColorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
LeilaLessa
 
Referencial teorico -_wallon
Referencial teorico -_wallonReferencial teorico -_wallon
Referencial teorico -_wallon
angelafreire
 
A Psicologia Escolar (Conceitos, Desenvolvimento e Desafios)
A Psicologia Escolar (Conceitos, Desenvolvimento e Desafios)A Psicologia Escolar (Conceitos, Desenvolvimento e Desafios)
A Psicologia Escolar (Conceitos, Desenvolvimento e Desafios)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 

Semelhante a Rev03 04 (20)

Afetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantilAfetividade na educação infantil
Afetividade na educação infantil
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
Afetividadenaeducaoinfantil 130207130005-phpapp01
 
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptxSLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
SLIDES PSICOLOGIA (1).pptx
 
Psicologia
Psicologia Psicologia
Psicologia
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Aula 2 - Psicologia da Educação.pdf
Aula 2 - Psicologia da Educação.pdfAula 2 - Psicologia da Educação.pdf
Aula 2 - Psicologia da Educação.pdf
 
40.resumo para concurso professor henri wallon.docx
40.resumo para concurso professor   henri wallon.docx40.resumo para concurso professor   henri wallon.docx
40.resumo para concurso professor henri wallon.docx
 
Psicologias[1]
Psicologias[1]Psicologias[1]
Psicologias[1]
 
Afetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil finalAfetividade no desenvolvimento infantil final
Afetividade no desenvolvimento infantil final
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11
 
Apostila de psicologia da educaã‡ãƒo (1)
Apostila de psicologia da educaã‡ãƒo (1)Apostila de psicologia da educaã‡ãƒo (1)
Apostila de psicologia da educaã‡ãƒo (1)
 
Piaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallonPiaget,vygotsky e wallon
Piaget,vygotsky e wallon
 
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicosApostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
 
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicosApostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
 
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicosApostila de-conhecimentos-pedagógicos
Apostila de-conhecimentos-pedagógicos
 
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdfColorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
Colorful Childish Handmade Scheme Concept Mind Map Graph.pdf
 
Referencial teorico -_wallon
Referencial teorico -_wallonReferencial teorico -_wallon
Referencial teorico -_wallon
 
A Psicologia Escolar (Conceitos, Desenvolvimento e Desafios)
A Psicologia Escolar (Conceitos, Desenvolvimento e Desafios)A Psicologia Escolar (Conceitos, Desenvolvimento e Desafios)
A Psicologia Escolar (Conceitos, Desenvolvimento e Desafios)
 
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumondArtigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
Artigo o desenvolvimento infantil simone helen drumond
 

Rev03 04

  • 1. ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação – www.icpg.com.br 1 A RELEVÂNCIA DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Magrit Froehlich Krueger Associação Educacional Leonardo da Vinci – ASSELVI Curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia Orientadora: Prof ª. Dr ª. Anamaria Kovács Resumo A escola, por ser o primeiro agente socializador fora do círculo familiar da criança, torna-se a base da aprendizagem se oferecer todas as condições necessárias para que ela se sinta segura e protegida. Assim, para que a criança tenha um desenvolvimento saudável e adequado dentro do ambiente escolar, e conseqüentemente no social, é necessário que haja um estabelecimento de relações interpessoais positivas, como aceitação e apoio, possibilitando assim o sucesso dos objetivos educativos. Palavras-chave: afetividade, aprendizagem, relações interpessoais, desenvolvimento. 1 INTRODUÇÃO “As escolas deveriam entender mais de seres humanos e de amor do que de conteúdos e técnicas educativas. Elas têm contribuído em demasia para a construção de neuróticos por não entenderem de amor, de sonhos, de fantasias, de símbolos e de dores”. Cláudio Saltini A criança deseja e necessita ser amada, aceita, acolhida e ouvida para que possa despertar para a vida da curiosidade e do aprendizado. E o professor é quem prepara e organiza o microuniverso da busca e do interesse das crianças. A postura desse profissional se manifesta na percepção e na sensibilidade aos interesses das crianças que, em cada idade, diferem em seu pensamento e modo de sentir o mundo. No presente artigo pretende-se fazer uma abordagem sobre o tema da AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL, destacando alguns conceitos, teorias e enfatizando sua importância no processo de ensino e aprendizagem. Para tanto, na primeira
  • 2. 2 parte, apresentar-se-á uma breve abordagem das teorias da Psicologia do Desenvolvimento, baseada principalmente em Piaget, dada a sua importância em relação ao tema. Num segundo momento, serão dados alguns conceitos sobre afetividade. Por fim, entraremos no tema da afetividade na educação infantil, que é o cerne do presente artigo. 2 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Para que se possa compreender de forma mais ampla o tema da afetividade na educação infantil, entendemos que primeiramente faz-se necessário tratar rapidamente da Psicologia do Desenvolvimento Infantil, especialmente o desenvolvimento cognitivo estudado por Jean Piaget. A infância é uma etapa biologicamente útil, que se caracteriza como sendo o período de adaptação progressiva ao meio físico e social. A adaptação, aqui, é “equilíbrio”, cuja conquista dura toda a infância e adolescência e define a estruturação própria destes períodos existenciais. E, conforme ensina o psicólogo Jean Piaget (1985), “educar é adaptar o indivíduo ao meio social ambiente”. Quando, então, se trata de educação infantil no contexto da educação moderna é preciso considerar quatro pontos fundamentais: a significação da infância, a estrutura do pensamento da criança, as leis de desenvolvimento e o mecanismo da vida social infantil. Entra neste ponto o papel da psicologia na educação. Piaget afirma que: [...] a pedagogia moderna não saiu de forma alguma da psicologia da criança, da mesma maneira que os progressos da técnica industrial surgiram, passo a passo, das descobertas das ciências exatas. Foram muito mais o espírito geral das pesquisas psicológicas e, muitas vezes também, os próprios métodos de observação que, passando do campo da ciência pura ao da experimentação, vivificaram a pedagogia (PIAGET, 1985, p. 148). Piaget foi um dos grandes estudiosos da Psicologia do Desenvolvimento; dedicou-se exclusivamente ao estudo do desenvolvimento cognitivo, quer dizer, à gênese da inteligência e da lógica. Ele concluiu pela existência de quatro estágios ou fases do desenvolvimento da
  • 3. 3 inteligência. Em cada estágio há um estilo característico através do qual a criança constrói seu conhecimento. Vejamos: • Primeiro estágio Sensório motor (ou prático) 0 – 2 anos: trabalho mental: estabelecer relações entre as ações e as modificações que elas provocam no ambiente físico; exercício dos reflexos; manipulação do mundo por meio da ação. Ao final, constância/permanência do objeto. • Segundo estágio Pré-operatório (ou intuitivo) 2 – 6 anos: desenvolvimento da capacidade simbólica (símbolos mentais: imagens e palavras que representam objetos ausentes); explosão lingüística; características do pensamento (egocentrismo, intuição, variância); pensamento dependente das ações externas. • Terceiro estágio Operatório-concreto – 7 – 11 anos: capacidade de ação interna: operação. Características da operação: reversibilidade/invariância – conservação (quantidade, constância, peso, volume); descentração/capacidade de seriação/capacidade de classificação. • Quarto estágio Operacional-formal (abstrato) – 11 anos... A operação se realiza através da linguagem (conceitos). O raciocínio é hipotético-dedutivo (levantamento de hipóteses; realização de deduções). Essa capacidade de sair-se bem com as palavras e essa independência em relação ao recurso concreto permite: ganho de tempo; aprofundamento do conhecimento; domínio da ciência da filosofia. Quanto à afetividade, o psicanalista Sigmund Freud afirmava que os dados fornecidos pela psicanálise têm conseqüências importantes para a compreensão das relações inter-humanas, principalmente ao mostrar que o objeto de relação é um objeto individual construído pelo mundo interno fantástico (de fantasia) variando com nossos investimentos e em função de nossa história e de nossos estados afetivos (apud GOLSE, 1998). Pode-se ainda destacar os estudos realizados por Henry Wallon, o qual não separou o aspecto cognitivo do afetivo. Seus trabalhos dedicam um grande espaço às emoções como formação intermediária entre o corpo, sua fisiologia, seus reflexos e as condutas psíquicas de adaptação. A atuação está estritamente ligada ao movimento, e as posturas são as primeiras figuras de expressão e comunicação que servirão de base ao pensamento concebido, antes de tudo, como uma das formas de ação. Segundo Wallon, o movimento é a base do pensamento. É a primeira forma de integração com o exterior.
  • 4. 4 3 AFETIVIDADE: ALGUNS CONCEITOS No Dicionário Aurélio (1994), o verbete afetividade está definido da seguinte forma: “Psicol. Conjunto de fenômenos psíquicos que se manifestam sob a forma de emoções, sentimentos e paixões, acompanhados sempre da impressão de dor ou prazer, de satisfação ou insatisfação, de agrado ou desagrado, de alegria ou tristeza.” Portanto, a afetividade exerce um papel fundamental nas correlações psicossomáticas básicas, além de influenciar decisivamente a percepção, a memória, o pensamento, a vontade e as ações, e ser, assim, um componente essencial da harmonia e do equilíbrio da personalidade humana. Aliás, existe acentuada confusão terminológica em relação à afetividade e ao grande número de vocábulos associados ao seu conceito. Os estados afetivos fundamentais são as emoções, os sentimentos, as inclinações e as paixões. A palavra emoção vem do latim movere, mover-se para fora, externalizar-se. É a intensidade máxima do afeto. A emoção é definida assim, pelo Dicionário Aurélio: “Psicol. Reação intensa e breve do organismo a um lance inesperado, a qual se acompanha dum estado afetivo de conotação penosa ou agradável”. 4 A AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Na teoria de Jean Piaget, o desenvolvimento intelectual é considerando como tendo dois componentes: o cognitivo e o afetivo. Paralelo ao desenvolvimento cognitivo está o desenvolvimento afetivo. Afeto inclui sentimentos, interesses, desejos, tendências, valores e emoções em geral. Já Vygotsky (apud LA TAILLE, 1992, p. 11), propôs a construção de uma nova psicologia, fundamentada no materialismo histórico e dialético. Aprofundou seus estudos sobre o funcionamento dos aspectos cognitivos, mais precisamente as funções mentais e a consciência. Vygotsky usa o termo função mental para referir-se a processos como
  • 5. 5 pensamento, memória, percepção e atenção. A organização dinâmica da consciência aplica-se ao afeto e ao intelecto. Conforme La Taille (1992, p. 76), Vygotsky explica que o pensamento tem sua origem na esfera da motivação, a qual inclui inclinações, necessidades, interesses, impulsos, afeto e emoção. Nesta esfera estaria a razão última do pensamento e, assim, uma compreensão completa do pensamento humano só é possível quando se compreende sua base afetivo-volitiva. Apesar de a questão da afetividade não receber aprofundamento em sua teoria, Vygotsky evidencia a importância das conexões entre as dimensões cognitiva e afetiva do funcionamento psicológico humano, propondo uma abordagem unificadora das referidas dimensões. Por sua vez, na psicogenética de Henry Wallon, a dimensão afetiva ocupa lugar central, tanto do ponto de vista da construção da pessoa quanto do conhecimento (LA TAILLE, 1992, p. 85). Para este pensador, a emoção ocupa o papel de mediadora. O processo de desenvolvimento infantil se realiza nas interações, que objetivam não só a satisfação das necessidades básicas, como também a construção de novas relações sociais, com o predomínio da emoção sobre as demais atividades. As interações emocionais devem se pautar pela qualidade, a fim de ampliar o horizonte da criança e levá-la a transcender sua subjetividade e inserir-se no social. Na concepção walloniana, tanto a emoção quanto a inteligência são importantes no processo de desenvolvimento da criança, de forma que o professor deve aprender a lidar com o estado emotivo da criança para melhor poder estimular seu crescimento individual. No âmbito da educação infantil, a interrelação da professora com o grupo de alunos e com cada um em particular é constante, dá-se o tempo todo, na sala, no pátio ou nos passeios, e é em função dessa proximidade afetiva que se dá a interação com os objetos e a construção de um conhecimento altamente envolvente. Como afirma Saltini (1997, p. 89), “essa interrelação é o fio condutor, o suporte afetivo do conhecimento”. Complementa o referido autor: Neste caso, o educador serve de continente para a criança. Poderíamos dizer, portanto, que o continente é o espaço onde podemos depositar nossas pequenas construções e onde elas tomam um sentido, um peso e um respeito, enfim, onde elas são acolhidas e valorizadas, tal qual um útero acolhe um embrião (SALTINI, 1997, p. 89).
  • 6. 6 A escola, por ser o primeiro agente socializador fora do círculo familiar da criança, torna-se a base da aprendizagem se oferecer todas as condições necessárias para que ela se sinta segura e protegida. Portanto, não nos restam dúvidas de que se torna imprescindível a presença de um educador que tenha consciência de sua importância não apenas como um mero reprodutor da realidade vigente, mas sim como um agente transformador, com uma visão sócio-crítica da realidade. A criança, segundo Marly Santos Mutschele (1994), ao entrar na escola pela primeira vez, precisa ser muito bem recebida, porque nessa ocasião dá-se um rompimento de sua vida familiar para iniciar-se uma nova experiência, e esta deverá ser agradável, para que haja um reforço da situação. Assim, quando a criança nota que a professora gosta dela, e que a professora apresenta certas qualidades como paciência, dedicação, vontade de ajudar e atitude democrática, a aprendizagem torna-se mais facilitada; ao perceber os gostos da criança, o professor deve aproveitar ao máximo suas aptidões e estimulá-la para o ensino. Ao contrário, o autoritarismo, inimizade e desinteresse podem levar o aluno a perder a motivação e o interesse por aprender, já que estes sentimentos são conseqüentes da antipatia por parte dos alunos, que por fim associarão o professor à disciplina, e reagirão negativamente a ambos. Num apropriado comentário de Chardelli (2002): A todo momento, a escola recebe crianças com auto estima baixa, tristeza, dificuldades em aprender ou em se entrosar com os coleguinhas e as rotulamos de complicadas, sem limites ou sem educação e não nos colocamos diante delas a seu favor, não compactuamos e nem nos aliamos a elas, não as tocamos e muito menos conseguimos entender o verdadeiro motivo que as deixou assim. A escola facilita o papel da educação nos tempos atuais, que seria construir pessoas plenas, priorizando o ser e não o ter, levando o aluno a ser crítico e construir seu caminho. Crianças pequenas (período sensório-motor), por exemplo, querem interagir com os objetos manipulando-os com todo o seu corpo, não só com as mãos, pois esta é uma necessidade natural do seu desenvolvimento, conforme Saltini (1997, p. 91). É preciso que se esteja atento, também, que na idade pré-escolar, assim como na primeira infância, os sentimentos imperam em todos os aspectos da vida da criança, dando cor e expressividade a essa vida. A criança não sabe dominar suas paixões, portanto a exteriorização dos sentimentos é muito mais impetuosa, sincera e involuntária do que no
  • 7. 7 adulto, como afirma Mukhina (1998, p. 209): “Os sentimentos da criança brotam com força e brilho, para se apagarem em seguida; a alegria impetuosa é muitas vezes sucedida pelo choro.” Ainda conforme este autor, a criança extrai suas vivências principalmente do contato com outras pessoas, adultos ou crianças. Se os que a rodeiam a tratam com carinho, reconhecem seus direitos e se mostram atenciosos, a criança experimenta um bem-estar emocional, um sentimento de segurança, de estar protegida. E, conforme Mukhina (1995, p. 210), “o bem estar emocional ajuda o desenvolvimento normal da personalidade da criança e a formação de qualidades que a tornam positiva, fazendo-a mostrar-se benevolente com outras pessoas”. Saltini também se refere à questão da manutenção da serenidade por parte da professora e da criança. Como explica o autor, A serenidade e a paciência do educador, mesmo em situações difíceis faz parte da paz que a criança necessita. Observar a ansiedade, a perda de controle e a instabilidade de humor, vai assegurar à criança ser o continente de seus próprios conflitos e raivas, sem explodir, elaborando-os sozinha ou em conjunto com o educador. A serenidade faz parte do conjunto de sensações e percepções que garantem a elaboração de nossas raivas e conflitos. Ela conduz ao conhecimento do si-mesmo, tanto do educador quando da criança (SALTINI, 1997, p. 91). Outrossim, também no entender de Saltini (1997, p. 90), é preciso [...] encorajar a criança a descobrir e inventar, sem ensinar ou dar conceitos prontos. A resposta pronta só deve ser dada quando a pergunta da criança focaliza um ato social arbitrário (funções do objeto cotidiano). Manter-se atento à série de descobertas que as crianças vão fazendo, dando-lhes o máximo de possibilidades para isso. Dar atenção a cada uma delas, encorajando-as a construir e a se conhecer. Dar maior incentivo à pergunta que à resposta. Sempre buscando no grupo a resposta o professor procurará sistematizar e coordenar as idéias emergentes. A relação que se estabelece com o grupo como um todo e a pessoal com cada criança é diferenciada em todos os seus aspectos quantitativos e cognitivos respeitando-se a maturidade de seu pensamento e a individualidade. [...] Quando ocorrem explosões de raiva, o professor precisa ter muita habilidade. Para tanto, faz-se necessário manter um diálogo com a criança, em que se possa perceber o que está acontecendo, usando tanto o silêncio quanto o corpo, abraçando-a quando ela assim o permitir; compartilhar com os demais da classe os sentimentos que estão sendo evidenciados nesse instante é um trabalho quase terapêutico, conforme recomenda Saltini (1997, p. 91).
  • 8. 8 Também o tratamento equânime para com todos os alunos precisa ser sempre mantido e explicitado, e nenhuma criança deve ter a percepção de ser perseguida ou amada em demasia. É preciso observar, neste sentido, que a opinião de cada criança tem o mesmo respeito e valor, sem ressaltar o feito de alguma criança ou compará-la com outra, nem salientar diferenças entre meninos e meninas em brincadeiras e jogos, pois isto seria prejudicial ao desenvolvimento afetivo sadio. E, finalmente, como também sugere Saltini (1997, p. 92), “o interesse da criança é que programa o dia e não vice-versa, visando assim o entusiasmo do grupo e energizando o conhecimento”. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Desde o jardim de infância, a escola torna-se o centro da vida extra-familiar, ocupando a maior parte do período de vigília. Os professores que a criança tem, os métodos de ensino e os tipos de livros-textos aos quais é exposta, terão efeitos importantes não apenas para o processo acadêmico, como também na capacidade geral para encarar a vida, dominar problemas e desafios novos, levando o educando à auto-confiança e auto-estima. Assim, para que a criança tenha um desenvolvimento saudável e adequado dentro do ambiente escolar, e conseqüentemente no social, é necessário que haja um estabelecimento de relações interpessoais positivas, como aceitação e apoio, possibilitando assim o sucesso dos objetivos educativos. Na condição de educadores, precisamos estar atentos ao fato de que, enquanto não dermos atenção ao fator afetivo na relação educador-educando, corremos o risco de estarmos só trabalhando com a construção do real, do conhecimento, deixando de lado o trabalho da constituição do próprio sujeito – que envolve valores e o próprio caráter – necessário para o seu desenvolvimento integral. Vale destacarmos aqui uma afirmação feita pelo cientista político Armando Moreira (apud MOREIRA, 2002), quando diz que a afetividade deve prevalecer nas relações humanas de modo geral e na escola em particular:
  • 9. 9 Isso porque é um lugar onde a criança deposita confiança quanto à pertinência e o conteúdo de seu aprendizado. Se não houver afetividade na transmissão de conhecimentos, a criança não se sentirá valorizada e respeitada, e a tendência é que desdenhe das lições que lhe serão passadas. Obviamente isso não significa fazer “vistas grossas” com relação aos erros da criança, pois a advertência segura e equilibrada é justamente uma manifestação das mais importantes da afetividade. Está, portanto, mais do que evidenciada por estudiosos, pesquisadores e especialistas, a necessidade de se cuidar do aspecto afetivo no processo ensino- aprendizagem, levando em conta que a criança é diferente, cognitiva e afetivamente falando, em cada fase do seu desenvolvimento. 6 REFERÊNCIAS CHARDELLI, Rita de Cássia Rocha. Brincar e ser feliz. Endereço eletrônico: < http://7mares.terravista.pt/forumeducacao/Textos/textobrincareserfeliz.htm>. DICIONÁRIO AURÉLIO. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Editora Nova Fronteira. 1 cd-rom. 1994. ENDERLE, Carmen. Psicologia do desenvolvimento : o processo evolutivo da criança. Porto Alegre : Artes Médicas, 1985. GOLSE, B. O desenvolvimento afetivo e intelectual da criança. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998. LA TAILLE, Yves de et al. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992. MOREIRA, Maria Teresa Marques. Afetividade. Disponível em: <http://www.bolsademulher.com.br>. Acessado em: 22 dez. 2002. MUKHINA, Valéria. Psicologia da idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
  • 10. 10 MUTSCHELE, Marly Santos. Problemas de aprendizagem da criança : causas físicas, sensoriais, neurológicas, emocionais, sociais e ambientais. 3. ed. São Paulo : Loyola, 1994. 111 p. PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro : Forense Universitária, 1985. SALTINI, Cláudio J. P. Afetividade & inteligência. Rio de Janeiro: DPA, 1997.