SlideShare uma empresa Scribd logo
Dark House
em
Frango de Corte
Acadêmico: Kassyano Cortes Ribeiro
Edgar Wend Corte Filgueira
Alex Menzel
Danilo
Dark house
SISTEMA DARK HOUSE
• Construção de aviários
totalmente fechados, com
ventilação tipo túnel e luz
artificial, objetivando
controlar todas as variáveis
ambientais dentro do galpão,
inclusive a iluminação.
SISTEMA DARK HOUSE
•
Com benefícios está relacionada com o menor gasto de energia
para a manutenção nas aves criadas no “Dark House”,
disponibilizando esta energia para crescimento. Leeson et al..
(1997),um estudo feito,demostrou a distribuição de nutrientes
para o crescimento versus manutenção.
SISTEMA DARK HOUSE
Proporção de nutrientes para crescimento versus manutenção (Leeson et al, 1997)
Semana Manutenção Crescimento
1
2
3
4
5
6
7
8
20%
30%
40%
50%
60%
70%
75%
80%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
25%
20%
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS
GALPÕES ESCUROS.
• Sistema de iluminação
• Se usa lâmpadas incandescentes de 60 watts,
pois permitem que seja regulada a intensidade
da luz. Já existem controladores de
intensidade de luz (dimmer) para lâmpadas
fluorescentes, mas a tecnologia ainda é
inviável por seu alto custo. Essa lâmpadas
deverão estar em linha reta.
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• A instalação de equipamento dimmer com potenciômetro que permite a regulagem
da intensidade luminosa, juntamente com o equipamento rampa de retardo
(instalado junto com o dimmer), com isso, evitamos um choque de
luminosidade sobre as aves. Deve-se observa os seguintes critérios:
• Características específicas ao tipo de criação;
• Controle de intensidade de acordo com a idade dos animais;
• Permitir trabalhar no manual e automático. Permitir a simulação do amanhecer
e anoitecer.
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Benefícios:
• Menor stress para as aves;
• Incremento de 4 a 5% na densidade das aves (a partir dos 35kg/carne/m²nos sistemas
atuais);
• Redução do % de riscados (DERMATOSE/DERMATITE);
• MELHORA SIGNIFICATIVA NOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Sempre fornecer bloco único de escuro.
• O uso de pelo menos três divisórias no galpão é muito
importante, elas evitam a migração das aves em função da
luminosidade e da procura por melhor ambiência causando
má distribuição das aves no galpão e perda de desempenho.
Dark house
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• O uso de gerador, corretamente dimensionado, nos galpões Dark House, é
fundamental. A falta de luz durante a criação de um lote pode ser trágica. Em casos
de falta de luz, não havendo gerador, alguns manejos devem ser adotados para
diminuição dos danos, como:
• Abrir 30 cm de uma das laterais do galpão.
• Abrir 30 cm da outra lateral do galpão.
• Abrir as portas do galpão.
• Abrir o restante das cortinas laterais de ambos os lados.
Dark house
Geradore
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Formas de Ventilação:
• Ventilação Inlets: Funciona, mas há passagem de luz;
• Próprio Exaustor: Funcional, mas precisa de um manejo muito bem ajustado para
garantir a troca da massa de ar uniforme;
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Ventilação Inlets:
• Trata-se de um sistema (tipo
janelas), com controle da
abertura automatizada, que
são instalados ao longo do
fechamento lateral dos
aviários, pouco abaixo da
forração , que possibilitam a
melhor eficiência no manejo
da ventilação mínima e de
transição
Dark house
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Sistema de ventilação em túnel
(pressão negativa).
• Os exaustores devem estar dispostos na
lateral do galpão, restringindo assim a área
afetada pela entrada de luz. Devem ser
dimensionados em quantidade suficiente
para fornecerem, se necessário, até 3
metros/segundo de velocidade ar em
momentos de picos de calor quando a
aves estiverem na idade adulta.
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• As entradas de ar devem ser
posicionadas nas laterais do
galpão, sempre do mesmo
tamanho, providas de painel
evaporativo, a fim de, abaixar a
temperatura do ar na entrada.
Estas devem estar dimensionadas
de acordo com a velocidade de ar
requerida no galpão para não
causar restrição de ventilação e
consequente aumento de pressão.
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• A vedação do galpão é parte fundamental para que o
sistema túnel funcione e que o aquecimento seja eficiente
e sem perdas. Para tanto, todas as entradas falsas devem
estar completamente fechadas e o ar somente deve entrar
pelo painel evaporativo. As cortinas e forração devem ser
laminadas.
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
Características a serem obtidas através do correto manejos da ventilação no galpão Dark
House:
•Ventilação mínima;
•Garantir qualidade de ar O2;
•Controlar a formação de gases nocivos (CO2, Amônia) e Poeira;
•Manter a cama em boas condições;
•Cuidados especiais em pinteiros;
•Controlar a Umidade Relativa interna;
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Devem conter no mínimo um canal de controle para cada exaustor,
permitindo, assim, um controle da temperatura mais preciso e com pequena
amplitude térmica. Controlar ventilação mínima por tempo; e corte por
temperatura e umidade. Trabalhar com curva de temperatura em função da
idade. Possuir controle da abertura e fechamento das cortinas laterais da
entrada de ar. Deve ter alarme sonoro por temperatura máxima/mínima; por
queda de energia; e por ausência de movimentação de ar.
Dark house
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Manejo de carregamento das aves
• Outra grande vantagem do sistema de criação em galpões Dark House é um
carregamento ou apanha das aves com muito mais eficiência e menores danos as aves.
Por possuírem controle da luminosidade do galpão, é possível que as aves sejam
carregadas praticamente no escuro, não causando amontoamento, arranhões e
mortalidade. Ainda, o sistema permite que seja mantido o controle de ambiência e
conforto térmico das aves, gerando menores perdas por estresse calórico.
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Para melhores resultados, deve-se iniciar o carregamento pelo acesso
condizente com a entrada de ar, para que não seja interrompido o sistema de
ventilação negativa. Apenas na última carga, devemos carregar pelo acesso da
saída de ar. Nunca se devem abrir as cortinas durante o carregamento das
aves.
CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS
FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO
DOS GALPÕES ESCUROS.
• Manejo de pesagem das aves
• A pesagem é realizada com aves muito mais calmas sem causar arranhões e dermatose.
O número de aves que podem ser pesadas é muito maior pelo fácil manejo que este
galpão oferece, gerando, assim, uma média de peso mais confiável.
Conclusão
• Neste sistema de criação de frangos de corte com iluminação mínima, o fator
que o torna tão vantajoso é a redução do estresse das aves, resultando em
maior bem estar animal, constituindo-se num ambiente em que a ave tem
fatores físicos e biológicos ideais para seu desenvolvimento pleno e saudável.
• Essa redução de estresse é responsável pelo melhor aproveitamento da ração,
pela queda da mortalidade e, principalmente, pelo aumento da imunidade da
ave. Porém, por ser altamente tecnificado, esse sistema, se não planejado,
montado e monitorado adequadamente pode trazer sérios prejuízos para a
atividade avícola como um todo.
Obrigado !!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
Jacqueline Gomes
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
Evaldo Potma
 
Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
Julihilda Araujo
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
Marília Gomes
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
Jadson Belem de Moura
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
MirianFernandes15
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
Natália A Koritiaki
 
Biodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinoculturaBiodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinocultura
Evangela Gielow
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique Reis
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Renata Lara
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
Layane Ribeiro Mascarenhas
 
Biosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesBiosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e aves
Marília Gomes
 
Aula 1 tratores agrícolas
Aula 1   tratores agrícolasAula 1   tratores agrícolas
Aula 1 tratores agrícolas
Paski333
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
Brenda Bueno
 
Bioclimatologia para criação de coelhos
Bioclimatologia para criação de coelhosBioclimatologia para criação de coelhos
Bioclimatologia para criação de coelhos
Evelyn Golin
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
Killer Max
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
Aurielle Medeiros
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
gepaunipampa
 

Mais procurados (20)

Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Avicultura de postura
Avicultura de posturaAvicultura de postura
Avicultura de postura
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
 
Forragicultura aula1
Forragicultura aula1Forragicultura aula1
Forragicultura aula1
 
Biodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinoculturaBiodigestor na suinocultura
Biodigestor na suinocultura
 
Rafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - FenaçãoRafael Henrique - Fenação
Rafael Henrique - Fenação
 
Instalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinosInstalações caprinos e ovinos
Instalações caprinos e ovinos
 
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e EquinosRaças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
Raças de Bovinos, Caprinos, Ovinos, Suínos e Equinos
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
 
Biosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e avesBiosseguridade em suínos e aves
Biosseguridade em suínos e aves
 
Aula 1 tratores agrícolas
Aula 1   tratores agrícolasAula 1   tratores agrícolas
Aula 1 tratores agrícolas
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
Bioclimatologia para criação de coelhos
Bioclimatologia para criação de coelhosBioclimatologia para criação de coelhos
Bioclimatologia para criação de coelhos
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 

Destaque

Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
claudioagroecologia
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
mvezzone
 
Visita aviário criações avicultura 2015
Visita aviário   criações avicultura 2015Visita aviário   criações avicultura 2015
Visita aviário criações avicultura 2015
Kelvin Brol
 
A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiê...
A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiê...A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiê...
A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiê...
Tecalvet Avicultura
 
Produção De Frangos
Produção De FrangosProdução De Frangos
Produção De Frangos
Felipe Tavares
 
Metodo dos lumens
Metodo dos lumensMetodo dos lumens
Metodo dos lumens
Carlos Elson Cunha
 
Apresentação aves (2)
Apresentação aves (2)Apresentação aves (2)
Apresentação aves (2)
SirJoão DeMolay
 
Atividade para 1º ano do Ens Fund: House
Atividade para 1º ano do Ens Fund:  HouseAtividade para 1º ano do Ens Fund:  House
Atividade para 1º ano do Ens Fund: House
Sílvia Lu
 
A minha casa de sonho
A minha casa de sonhoA minha casa de sonho
A minha casa de sonho
ruigalvao
 
II - Pedregulho (Reidy) e Box House (Yuri Vital)
II - Pedregulho (Reidy) e Box House (Yuri Vital)II - Pedregulho (Reidy) e Box House (Yuri Vital)
II - Pedregulho (Reidy) e Box House (Yuri Vital)
Ítalo Fernandes
 
A casa
A casaA casa
A casa
ameliamardm
 
CLC_6 - Casa de sonho
CLC_6 - Casa de sonhoCLC_6 - Casa de sonho
CLC_6 - Casa de sonho
Carlos Cebola
 
Planejamento De Projetos
Planejamento De ProjetosPlanejamento De Projetos
Planejamento De Projetos
Ricardo Martins Neves
 
Aula de construções
Aula de construçõesAula de construções
Aula de construções
Adalberto Junior
 
Fases de projeto segundo pmbok
Fases de projeto segundo pmbokFases de projeto segundo pmbok
Fases de projeto segundo pmbok
Carlos Binati
 
Efeito da alimentação de frangos de corte da linhagem Cobb 500 contendo promo...
Efeito da alimentação de frangos de corte da linhagem Cobb 500 contendo promo...Efeito da alimentação de frangos de corte da linhagem Cobb 500 contendo promo...
Efeito da alimentação de frangos de corte da linhagem Cobb 500 contendo promo...
ISPG-CHOKWE CRTT
 
05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
bluesky659
 

Destaque (17)

Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
 
Visita aviário criações avicultura 2015
Visita aviário   criações avicultura 2015Visita aviário   criações avicultura 2015
Visita aviário criações avicultura 2015
 
A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiê...
A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiê...A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiê...
A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiê...
 
Produção De Frangos
Produção De FrangosProdução De Frangos
Produção De Frangos
 
Metodo dos lumens
Metodo dos lumensMetodo dos lumens
Metodo dos lumens
 
Apresentação aves (2)
Apresentação aves (2)Apresentação aves (2)
Apresentação aves (2)
 
Atividade para 1º ano do Ens Fund: House
Atividade para 1º ano do Ens Fund:  HouseAtividade para 1º ano do Ens Fund:  House
Atividade para 1º ano do Ens Fund: House
 
A minha casa de sonho
A minha casa de sonhoA minha casa de sonho
A minha casa de sonho
 
II - Pedregulho (Reidy) e Box House (Yuri Vital)
II - Pedregulho (Reidy) e Box House (Yuri Vital)II - Pedregulho (Reidy) e Box House (Yuri Vital)
II - Pedregulho (Reidy) e Box House (Yuri Vital)
 
A casa
A casaA casa
A casa
 
CLC_6 - Casa de sonho
CLC_6 - Casa de sonhoCLC_6 - Casa de sonho
CLC_6 - Casa de sonho
 
Planejamento De Projetos
Planejamento De ProjetosPlanejamento De Projetos
Planejamento De Projetos
 
Aula de construções
Aula de construçõesAula de construções
Aula de construções
 
Fases de projeto segundo pmbok
Fases de projeto segundo pmbokFases de projeto segundo pmbok
Fases de projeto segundo pmbok
 
Efeito da alimentação de frangos de corte da linhagem Cobb 500 contendo promo...
Efeito da alimentação de frangos de corte da linhagem Cobb 500 contendo promo...Efeito da alimentação de frangos de corte da linhagem Cobb 500 contendo promo...
Efeito da alimentação de frangos de corte da linhagem Cobb 500 contendo promo...
 
05 noções de desenho técnico
05   noções de desenho técnico05   noções de desenho técnico
05 noções de desenho técnico
 

Semelhante a Dark house

Exaustores
Exaustores Exaustores
Exaustores
Elias Figueiredo
 
Apresentação do Sistema de Aspiração Central BEAM - Electrolux - Future Home ...
Apresentação do Sistema de Aspiração Central BEAM - Electrolux - Future Home ...Apresentação do Sistema de Aspiração Central BEAM - Electrolux - Future Home ...
Apresentação do Sistema de Aspiração Central BEAM - Electrolux - Future Home ...
Future Home Automação Residencial
 
Manual de Gerador de Calor para Sauna Seca Sodramar
Manual de Gerador de Calor para Sauna Seca SodramarManual de Gerador de Calor para Sauna Seca Sodramar
Manual de Gerador de Calor para Sauna Seca Sodramar
Cottage Casa E Lazer
 
Manual da Sauna a Vapor Impercap
Manual da Sauna a Vapor ImpercapManual da Sauna a Vapor Impercap
Manual da Sauna a Vapor Impercap
Cottage Casa E Lazer
 
Novo Manual da Sauna Seca Elétrica Sodramar
Novo Manual da Sauna Seca Elétrica SodramarNovo Manual da Sauna Seca Elétrica Sodramar
Novo Manual da Sauna Seca Elétrica Sodramar
Cottage Casa E Lazer
 
Indústria Centro-Oeste - Catalogo 2016
Indústria Centro-Oeste - Catalogo 2016Indústria Centro-Oeste - Catalogo 2016
Indústria Centro-Oeste - Catalogo 2016
independent
 
Barueri - Reserva do Alto
Barueri - Reserva do AltoBarueri - Reserva do Alto
Barueri - Reserva do Alto
corretor Nabio
 
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de PiscinasAquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Show de Piscinas
 

Semelhante a Dark house (8)

Exaustores
Exaustores Exaustores
Exaustores
 
Apresentação do Sistema de Aspiração Central BEAM - Electrolux - Future Home ...
Apresentação do Sistema de Aspiração Central BEAM - Electrolux - Future Home ...Apresentação do Sistema de Aspiração Central BEAM - Electrolux - Future Home ...
Apresentação do Sistema de Aspiração Central BEAM - Electrolux - Future Home ...
 
Manual de Gerador de Calor para Sauna Seca Sodramar
Manual de Gerador de Calor para Sauna Seca SodramarManual de Gerador de Calor para Sauna Seca Sodramar
Manual de Gerador de Calor para Sauna Seca Sodramar
 
Manual da Sauna a Vapor Impercap
Manual da Sauna a Vapor ImpercapManual da Sauna a Vapor Impercap
Manual da Sauna a Vapor Impercap
 
Novo Manual da Sauna Seca Elétrica Sodramar
Novo Manual da Sauna Seca Elétrica SodramarNovo Manual da Sauna Seca Elétrica Sodramar
Novo Manual da Sauna Seca Elétrica Sodramar
 
Indústria Centro-Oeste - Catalogo 2016
Indústria Centro-Oeste - Catalogo 2016Indústria Centro-Oeste - Catalogo 2016
Indústria Centro-Oeste - Catalogo 2016
 
Barueri - Reserva do Alto
Barueri - Reserva do AltoBarueri - Reserva do Alto
Barueri - Reserva do Alto
 
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de PiscinasAquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
 

Dark house

  • 1. Dark House em Frango de Corte Acadêmico: Kassyano Cortes Ribeiro Edgar Wend Corte Filgueira Alex Menzel Danilo
  • 3. SISTEMA DARK HOUSE • Construção de aviários totalmente fechados, com ventilação tipo túnel e luz artificial, objetivando controlar todas as variáveis ambientais dentro do galpão, inclusive a iluminação.
  • 4. SISTEMA DARK HOUSE • Com benefícios está relacionada com o menor gasto de energia para a manutenção nas aves criadas no “Dark House”, disponibilizando esta energia para crescimento. Leeson et al.. (1997),um estudo feito,demostrou a distribuição de nutrientes para o crescimento versus manutenção.
  • 5. SISTEMA DARK HOUSE Proporção de nutrientes para crescimento versus manutenção (Leeson et al, 1997) Semana Manutenção Crescimento 1 2 3 4 5 6 7 8 20% 30% 40% 50% 60% 70% 75% 80% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 25% 20%
  • 6. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Sistema de iluminação • Se usa lâmpadas incandescentes de 60 watts, pois permitem que seja regulada a intensidade da luz. Já existem controladores de intensidade de luz (dimmer) para lâmpadas fluorescentes, mas a tecnologia ainda é inviável por seu alto custo. Essa lâmpadas deverão estar em linha reta.
  • 7. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • A instalação de equipamento dimmer com potenciômetro que permite a regulagem da intensidade luminosa, juntamente com o equipamento rampa de retardo (instalado junto com o dimmer), com isso, evitamos um choque de luminosidade sobre as aves. Deve-se observa os seguintes critérios: • Características específicas ao tipo de criação; • Controle de intensidade de acordo com a idade dos animais; • Permitir trabalhar no manual e automático. Permitir a simulação do amanhecer e anoitecer.
  • 8. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Benefícios: • Menor stress para as aves; • Incremento de 4 a 5% na densidade das aves (a partir dos 35kg/carne/m²nos sistemas atuais); • Redução do % de riscados (DERMATOSE/DERMATITE); • MELHORA SIGNIFICATIVA NOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS
  • 9. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Sempre fornecer bloco único de escuro. • O uso de pelo menos três divisórias no galpão é muito importante, elas evitam a migração das aves em função da luminosidade e da procura por melhor ambiência causando má distribuição das aves no galpão e perda de desempenho.
  • 11. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • O uso de gerador, corretamente dimensionado, nos galpões Dark House, é fundamental. A falta de luz durante a criação de um lote pode ser trágica. Em casos de falta de luz, não havendo gerador, alguns manejos devem ser adotados para diminuição dos danos, como: • Abrir 30 cm de uma das laterais do galpão. • Abrir 30 cm da outra lateral do galpão. • Abrir as portas do galpão. • Abrir o restante das cortinas laterais de ambos os lados.
  • 14. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Formas de Ventilação: • Ventilação Inlets: Funciona, mas há passagem de luz; • Próprio Exaustor: Funcional, mas precisa de um manejo muito bem ajustado para garantir a troca da massa de ar uniforme;
  • 15. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Ventilação Inlets: • Trata-se de um sistema (tipo janelas), com controle da abertura automatizada, que são instalados ao longo do fechamento lateral dos aviários, pouco abaixo da forração , que possibilitam a melhor eficiência no manejo da ventilação mínima e de transição
  • 17. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Sistema de ventilação em túnel (pressão negativa). • Os exaustores devem estar dispostos na lateral do galpão, restringindo assim a área afetada pela entrada de luz. Devem ser dimensionados em quantidade suficiente para fornecerem, se necessário, até 3 metros/segundo de velocidade ar em momentos de picos de calor quando a aves estiverem na idade adulta.
  • 18. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • As entradas de ar devem ser posicionadas nas laterais do galpão, sempre do mesmo tamanho, providas de painel evaporativo, a fim de, abaixar a temperatura do ar na entrada. Estas devem estar dimensionadas de acordo com a velocidade de ar requerida no galpão para não causar restrição de ventilação e consequente aumento de pressão.
  • 19. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • A vedação do galpão é parte fundamental para que o sistema túnel funcione e que o aquecimento seja eficiente e sem perdas. Para tanto, todas as entradas falsas devem estar completamente fechadas e o ar somente deve entrar pelo painel evaporativo. As cortinas e forração devem ser laminadas.
  • 20. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. Características a serem obtidas através do correto manejos da ventilação no galpão Dark House: •Ventilação mínima; •Garantir qualidade de ar O2; •Controlar a formação de gases nocivos (CO2, Amônia) e Poeira; •Manter a cama em boas condições; •Cuidados especiais em pinteiros; •Controlar a Umidade Relativa interna;
  • 21. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Devem conter no mínimo um canal de controle para cada exaustor, permitindo, assim, um controle da temperatura mais preciso e com pequena amplitude térmica. Controlar ventilação mínima por tempo; e corte por temperatura e umidade. Trabalhar com curva de temperatura em função da idade. Possuir controle da abertura e fechamento das cortinas laterais da entrada de ar. Deve ter alarme sonoro por temperatura máxima/mínima; por queda de energia; e por ausência de movimentação de ar.
  • 23. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Manejo de carregamento das aves • Outra grande vantagem do sistema de criação em galpões Dark House é um carregamento ou apanha das aves com muito mais eficiência e menores danos as aves. Por possuírem controle da luminosidade do galpão, é possível que as aves sejam carregadas praticamente no escuro, não causando amontoamento, arranhões e mortalidade. Ainda, o sistema permite que seja mantido o controle de ambiência e conforto térmico das aves, gerando menores perdas por estresse calórico.
  • 24. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Para melhores resultados, deve-se iniciar o carregamento pelo acesso condizente com a entrada de ar, para que não seja interrompido o sistema de ventilação negativa. Apenas na última carga, devemos carregar pelo acesso da saída de ar. Nunca se devem abrir as cortinas durante o carregamento das aves.
  • 25. CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E MANEJOS FUNDAMENTAIS PARA UM BOM FUNCIONAMENTO DOS GALPÕES ESCUROS. • Manejo de pesagem das aves • A pesagem é realizada com aves muito mais calmas sem causar arranhões e dermatose. O número de aves que podem ser pesadas é muito maior pelo fácil manejo que este galpão oferece, gerando, assim, uma média de peso mais confiável.
  • 26. Conclusão • Neste sistema de criação de frangos de corte com iluminação mínima, o fator que o torna tão vantajoso é a redução do estresse das aves, resultando em maior bem estar animal, constituindo-se num ambiente em que a ave tem fatores físicos e biológicos ideais para seu desenvolvimento pleno e saudável. • Essa redução de estresse é responsável pelo melhor aproveitamento da ração, pela queda da mortalidade e, principalmente, pelo aumento da imunidade da ave. Porém, por ser altamente tecnificado, esse sistema, se não planejado, montado e monitorado adequadamente pode trazer sérios prejuízos para a atividade avícola como um todo.