SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Estadual de Itamarati
Professora: Nádia Alves Moreira Série: 5º ano
Nome: _______________________________ Data: ____/____/______
Crônica: Um jogo que é uma vergonha
Imagina um jogo deste jeito: o campo é de pedra bem pontuda e acontece num dia muito frio. Num
time, os jogadores têm tênis e camisa de manga comprida e, no outro, os caras jogam descalços e só de
calção.
O time que tem tênis e camisa ganha fácil, dá aquela goleada! O outro fica a maior parte do tempo
tomando cuidado pra não cortar os pés ou então esfregando o braço arrepiado de frio. Times iguais
Pra mim, a diferença da vida entre nós, que temos escola e casa e as crianças que não têm é um jogo
assim. Quem não tem, perde sempre.
Não acho que todo mundo que tem as coisas é culpado por causa dos outros que não têm, mas isso
não quer dizer que a gente não possa fazer nada. Porque pode.
Porque, se a gente quiser jogar um jogo justo, pode exigir que os dois times sejam iguais, para
começar. Casa e escola
Não acredito que as crianças de rua viveriam na rua se tivessem outro lugar melhor pra escolher. Se a
gente não exigir que todo mundo tenha casa e escola, vai sempre ficar jogando esse jogo besta.
Ganhando de dez a zero de um time tão fácil, mas tão fácil, que não vai mais ter o gosto da vitória,
vai ter só vergonha.
Fernando Bonassi
Fonte: (In Vida da gente – crônicas publicadas no Suplemento Folhinha de S. Paulo) - 07/02/97.
QUESTÕES
1. O texto “1 jogo que é uma vergonha” é uma crônica. Foi escrito a partir de uma situação da vida real, com
o objetivo de fazer uma crítica a essa situação. Se o autor teve esse objetivo ao escrever, que objetivo tem
em relação ao leitor?
a. ( ) que aceite suas idéias. b. ( ) que rejeite suas idéias.
c. ( ) que reflita sobre o assunto. d. ( ) que se divirta com o assunto.
2. O trecho: “Num time, os jogadores têm tênis e camisa de manga comprida” e, no outro, os caras
jogam descalços e só de calção”. significa que:
a. ( ) um time toma cuidado para não cortar os pés, o outro time sente muito calor.
b. ( ) um time têm tênis e o outro time tem camisa.
c. ( ) um time é formado por jogadores bem equipados, o outro time por jogadores mal equipados.
d. ( ) um time tem jogadores ganhadores, o outro têm jogadores que usam tênis e camisa comprida.
3. Esta crônica, de fato, compara:
a. ( ) a vida de pessoas que têm escola e casa com a vida de crianças que não têm escola e casa.
b. ( ) vida de crianças que têm casa com a vida de crianças que têm escola.
c. ( ) crianças que são culpadas com crianças que são inocentes.
d. ( ) crianças que podem fazer tudo com crianças que não fazem nada.
4. Quando o autor diz: “nós que temos escola e casa” e “isto não quer dizer que a gente não possa fazer
nada”, As palavras “nós” e “a gente” ocupam o lugar:
a. ( ) do autor e de todos os leitores. b. ( ) dos leitores que são conhecidos do autor.
c. ( ) dos ricos. d. ( ) do leitor.
5. De acordo com o autor da crônica, diante da situação que é discutida:
a. ( ) “a gente” não pode fazer nada. b. ( ) “a gente” pode fazer uma aposta.
c. ( ) “a gente” pode jogar. d. ( ) “a gente” pode jogar um jogo justo.
6. Quando o autor fala sobre “jogo justo”, ele quer dizer que:
a. ( ) as pessoas podem jogar mesmo sem saber.
b. ( ) as pessoas justas às vezes perdem.
c. ( ) as pessoas jogam um jogo besta.;
d. ( ) as pessoas podem ajudar a fazer justiça.
7. O tema central da crônica é:
a. ( ) desigualdade. b. ( ) miséria.
c. ( ) futebol. d. ( ) crianças de rua.
VAMOS REFLETIR PARA RESPONDER
1) Situação inicial: ___________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
2) Complicação: _____________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
3) Clímax:__________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
4) Desfecho:_________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
Escola Estadual de Itamarati
Professora: Nádia Alves Moreira Série: 5º ano
Nome: _______________________________ Data: ____/____/______
A VELHA CONTRABANDISTA
Stanislaw Ponte Preta
Diz que era uma velha que sabia andar de lambreta. Todo dia ela passava pela fronteira montada na
lambreta, com um bruto saco atrás da lambreta. O pessoal da Alfândega – tudo malandro velho – começou a
desconfiar da velhinha.
Um dia, quando ela vinha na lambreta com o saco atrás, o fiscal da Alfândega a mandou parar. A
velhinha parou e então o fiscal perguntou assim para ela:
- Escuta aqui, vovozinha, a senhora passa por aqui todo dia, com esse saco aí atrás. Que diabo a
senhora leva nesse saco?
A velhinha sorriu com os poucos dentes que lhe restavam e mais os outros, que ela adquirira no
dentista, e respondeu:
- É areia!
Aí quem sorriu foi o fiscal. Achou que não era areia nenhuma e mandou a velhinha saltar da lambreta
para examinar o saco. A velhinha saltou, o fiscal esvaziou o saco e dentro só tinha areia. Muito encabulado,
ordenou que a velhinha fosse em frente. Ela montou na lambreta e foi embora com o saco de areia atrás.
Mas o fiscal ficou desconfiado ainda. Talvez a velhinha passasse um dia com areia e no outro com
muamba, dentro daquele maldito saco. No dia seguinte, quando ela passou na lambreta com o saco atrás, o
fiscal mandou parar outra vez. Perguntou que é que ela levava no saco e ela respondeu que era areia, uai! O
fiscal examinou e era mesmo. Durante um mês seguido o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o
que ela levava no saco era areia.
Diz que foi aí que o fiscal se chateou:
- Olha vovozinha, eu sou fiscal da Alfândega com 40 anos de serviço. Manjo essa coisa de
contrabando pra burro. Ninguém me tira da cabeça que a senhora é contrabandista.
- Mas no saco só tem areia! – insistiu a velhinha. E já ia tocar a lambreta, quando o fiscal propôs:
- Eu prometo à senhora que deixo a senhora passar. Não vou dar parte, não apreendo não conto nada
a ninguém, mas a senhora vai me dizer: qual é o contrabando que a senhora está passando por aqui todos os
dias?
- O senhor promete que não “espaia”? – quis saber a velhinha.
- Juro – respondeu o fiscal.
- É lambreta.
Interpretação do texto
1) O que a velhinha carregava no saco, para despistar o guarda?
2) O que o autor quis dizer com a expressão “tudo malandro velho”?
3) Leia novamente o 4º parágrafo do texto e responda: Quando o narrador citou os dentes que “ela adquirira
no odontólogo”, a que tipo de dentes ele se referia?
4) Explique com suas palavras qual foi o truque da velhinha para enganar o fiscal.
5) Quando a velhinha decidiu contar a verdade?
6) Qual é a grande surpresa da história?
7) Copie as frases abaixo, colocando-as em ordem de acontecimentos.
- O fiscal verificou que só havia areia dentro do saco.
- O pessoal da alfândega começou a desconfiar da velhinha.
- Diante da promessa do fiscal, ela lhe contou a verdade: era contrabando de lambretas.
- Todo dia, a velhinha passava pela fronteira montada numa lambreta, com um saco no bagageiro.
- Mas, desconfiado, o fiscal passou a revistar a velhinha todos os dias.
- Durante um mês, o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco era areia.
- Então, ele prometeu que não contaria nada a ninguém, mas pediu à velhinha que lhe dissesse qual era o
contrabando que fazia.
1- Os fatos ocorrem:
a- ( ) Num posto de gasolina;
b- ( ) Numa estrada do interior;
c- ( ) Num posto de alfândega na fronteira;
d- ( ) Na fronteira do Brasil com o Paraguai.
2- No trecho !”O pessoal da alfândega- tudo malandro velho- começou a desconfiar da velhinha “, o autor
quis dizer que:
a- ( ) Os fiscais da alfândega eram antigos.
b- ( ) Os fiscais da alfândega também eram contrabandistas.
c- ( ) Os fiscais da alfândega não eram confiáveis.
d- ( ) Os fiscais da alfândega eram espertos e experientes.
3- Os fiscais da alfândega começaram a desconfiar da velhinha, porque:
a- ( ) Ela começou a passar diariamente pela fronteira, transportando um aço na lambreta.
b-( ) Ela foi denunciada.
c-( ) O fiscais da alfândega desconfiavam de todos que passavam por ali.
d-( ) A velhinha tinha cara de contrabandista.
4- No final do texto, as personagens fazem um acordo. Qual o acordo proposto pelo fiscal?
a- ( ) Que a velhinha se entregasse e tivesse a pena diminuída.
b- ( ) Que a velhinha dividisse o lucro do contrabando com eles.
c-( ) Que a velhinha pagasse suborno aos fiscais da alfândega.
d-( ) Que a velhinha contasse o que contrabandeava, em troca de sua liberdade.
5- Qual o truque utilizado pela velhinha para enganar os fiscais da alfândega?
a-( ) ela passava com o saco de areia para desviar a atenção dos fiscais e, com isso, eles não percebiam
o que ela contrabandeava.
b-( ) Ela se fazia e inocente os fiscais imaginavam que o saco de areia era uma mania que ela tinha.
c-( ) O saco e areia era um artifício para ganhar tempo e fugir com a lambreta.
d-( ) O saco de areia escondia a lambreta.
1. Esse texto é uma: a) ( ) narrativa b) ( ) poesia c) ( ) informação d) ( ) crônica
2. É um texto que transmite:
a) ( ) momentos de tensão b) ( ) comentários policiais
c) ( ) uma situação de humor d) ( ) uma situação triste
3. Que adjetivos (qualidades) você daria à velhinha:
a) ( ) ingênua b) ( ) esperta c) ( ) caduca d) ( ) cansada
e) ( ) otimista f ) ( ) pessimista g) ( ) boba h) ( ) inteligente
4. Que adjetivos (qualidades) você daria ao policial:
a) ( ) teimoso b) ( ) desconfiado c) ( ) educado d) ( ) ingênuo
e) ( ) compreensivo f) ( ) honesto g) ( ) observador h) ( ) tolo
5. O final do texto é surpreendente? Por quê?
6. Se você fosse o fiscal, teria percebido qual o contrabando? De que forma?
7. A escrita correta da palavra “espaia” é: a) ( ) espalia b) ( ) espalha c) ( ) espalhia
8. Na expressão: “Com um bruto saco atrás da lambreta”, a palavra grifada significa:
a) ( ) estúpido b) ( ) grande c) ( ) mal educado
9. Alfândega é o departamento onde:
a) ( ) Cobram-se impostos e taxas de produtos.
b) ( ) Compram-se produtos.
c) ( ) Vendem-se mercadorias proibidas.
10. No Brasil, muitas pessoas se vangloriam de burlar as leis. O que você acha dessa atitude?
VAMOS REFLETIR PARA RESPONDER
1) Situação inicial: ___________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
2) Complicação: _____________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
3) Clímax:__________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
4) Desfecho:_________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Silvânia Silveira
 
D12 (5º ano l.p.)
D12 (5º ano   l.p.)D12 (5º ano   l.p.)
D12 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
D13 (5º ano l.p.)
D13 (5º ano   l.p.)D13 (5º ano   l.p.)
D13 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Gênero textual - anúncio
Gênero textual - anúncio Gênero textual - anúncio
Gênero textual - anúncio
Mary Alvarenga
 
D5 (5º ano l.p.)
D5 (5º ano   l.p.)D5 (5º ano   l.p.)
D5 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
Neeilman Cassimiro
 
Problematizando com as quatro operações
Problematizando com as quatro operaçõesProblematizando com as quatro operações
Problematizando com as quatro operações
Mary Alvarenga
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
Mara Sueli
 
Interpretaçao de charges natal
Interpretaçao de charges natalInterpretaçao de charges natal
Interpretaçao de charges natal
Atividades Diversas Cláudia
 
Gênero textual: Cordel
Gênero textual: CordelGênero textual: Cordel
Gênero textual: Cordel
Mary Alvarenga
 
Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas
Mary Alvarenga
 
FIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEMFIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEM
Paula Meyer Piagentini
 
Trem bala de Ana Vilela - Análise e entendimento da música
Trem bala de Ana Vilela  - Análise e entendimento da músicaTrem bala de Ana Vilela  - Análise e entendimento da música
Trem bala de Ana Vilela - Análise e entendimento da música
Mary Alvarenga
 
Vamos construir de Sandy e Júnior - Análise e entendimento da música
Vamos construir  de  Sandy e Júnior  - Análise e entendimento da música Vamos construir  de  Sandy e Júnior  - Análise e entendimento da música
Vamos construir de Sandy e Júnior - Análise e entendimento da música
Mary Alvarenga
 
Interpretação de tirinha
Interpretação de tirinhaInterpretação de tirinha
Interpretação de tirinha
Paulo Alves de Araujo
 
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Raquel Becker
 
Simulado de Matemática 5º ano
Simulado de Matemática 5º anoSimulado de Matemática 5º ano
Simulado de Matemática 5º ano
Mary Alvarenga
 
Classes Gramaticais - Revisão
Classes Gramaticais - RevisãoClasses Gramaticais - Revisão
Classes Gramaticais - Revisão
Mary Alvarenga
 

Mais procurados (20)

Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
 
D12 (5º ano l.p.)
D12 (5º ano   l.p.)D12 (5º ano   l.p.)
D12 (5º ano l.p.)
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
 
D13 (5º ano l.p.)
D13 (5º ano   l.p.)D13 (5º ano   l.p.)
D13 (5º ano l.p.)
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
 
Gênero textual - anúncio
Gênero textual - anúncio Gênero textual - anúncio
Gênero textual - anúncio
 
D5 (5º ano l.p.)
D5 (5º ano   l.p.)D5 (5º ano   l.p.)
D5 (5º ano l.p.)
 
Discurso direto e indireto
Discurso direto e indiretoDiscurso direto e indireto
Discurso direto e indireto
 
Problematizando com as quatro operações
Problematizando com as quatro operaçõesProblematizando com as quatro operações
Problematizando com as quatro operações
 
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANOCOLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
COLETÂNEA DE ATIVIDADES DO 5º ANO
 
Interpretaçao de charges natal
Interpretaçao de charges natalInterpretaçao de charges natal
Interpretaçao de charges natal
 
Gênero textual: Cordel
Gênero textual: CordelGênero textual: Cordel
Gênero textual: Cordel
 
Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas
 
FIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEMFIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEM
 
Trem bala de Ana Vilela - Análise e entendimento da música
Trem bala de Ana Vilela  - Análise e entendimento da músicaTrem bala de Ana Vilela  - Análise e entendimento da música
Trem bala de Ana Vilela - Análise e entendimento da música
 
Vamos construir de Sandy e Júnior - Análise e entendimento da música
Vamos construir  de  Sandy e Júnior  - Análise e entendimento da música Vamos construir  de  Sandy e Júnior  - Análise e entendimento da música
Vamos construir de Sandy e Júnior - Análise e entendimento da música
 
Interpretação de tirinha
Interpretação de tirinhaInterpretação de tirinha
Interpretação de tirinha
 
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
Coletânea de ciências 4º ano do aluno anual 2015 (1)
 
Simulado de Matemática 5º ano
Simulado de Matemática 5º anoSimulado de Matemática 5º ano
Simulado de Matemática 5º ano
 
Classes Gramaticais - Revisão
Classes Gramaticais - RevisãoClasses Gramaticais - Revisão
Classes Gramaticais - Revisão
 

Semelhante a Crônicas para o 5º ano

A velha contrabandista
A velha contrabandistaA velha contrabandista
A velha contrabandista
Suzy Santana
 
SPAECEFLIX.pptx-COMPREENSAO SPAECE E SAEB
SPAECEFLIX.pptx-COMPREENSAO SPAECE E SAEBSPAECEFLIX.pptx-COMPREENSAO SPAECE E SAEB
SPAECEFLIX.pptx-COMPREENSAO SPAECE E SAEB
RosaMisticaCoelho2
 
Est port
Est portEst port
Eaof 2015 - simulado 2
Eaof 2015 - simulado 2Eaof 2015 - simulado 2
Eaof 2015 - simulado 2
jasonrplima
 
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPESimulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Marcia Oliveira
 
Avaliação de língua portuguesa
Avaliação de língua portuguesaAvaliação de língua portuguesa
Avaliação de língua portuguesa
Marcia Oliveira
 
Avaliação Semestral Unificada 6ºAno - 2º semestre 2016
Avaliação Semestral Unificada 6ºAno - 2º semestre 2016Avaliação Semestral Unificada 6ºAno - 2º semestre 2016
Avaliação Semestral Unificada 6ºAno - 2º semestre 2016
guilaboratorio
 
Provão 8° ano 1ºsem2016
Provão 8° ano 1ºsem2016Provão 8° ano 1ºsem2016
Provão 8° ano 1ºsem2016
EMEF Guilherme de Almeida
 
Teste ec ev digrafos
Teste ec ev digrafosTeste ec ev digrafos
Teste ec ev digrafos
Letícia Damião
 
Prova integrado 2004
Prova integrado 2004Prova integrado 2004
Prova integrado 2004
Leonardo Leo
 
a velha contrabandista-atividades
a velha contrabandista-atividadesa velha contrabandista-atividades
a velha contrabandista-atividades
mgmegrupodois
 
Conecta - Lingua Portuguesa
Conecta - Lingua PortuguesaConecta - Lingua Portuguesa
Conecta - Lingua Portuguesa
E. E. Luisa Vidal Borges Daniel
 
1º dia 1º ano E.M.
1º dia 1º ano E.M.1º dia 1º ano E.M.
1º dia 1º ano E.M.
patrick_matematica
 
600 testes língua portuguesa
600 testes língua portuguesa600 testes língua portuguesa
600 testes língua portuguesa
Vinicius Martins
 
Simulado 2 (port. 5º ano)
Simulado 2 (port. 5º ano)Simulado 2 (port. 5º ano)
Simulado 2 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
2ª p.d   2013 (port. 5º ano)2ª p.d   2013 (port. 5º ano)
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
2ª p.d   2013 (port. 5º ano)2ª p.d   2013 (port. 5º ano)
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 
Provaportuguesmatrizreferencia2
Provaportuguesmatrizreferencia2Provaportuguesmatrizreferencia2
Provaportuguesmatrizreferencia2
Atividades Diversas Cláudia
 
Simulado 5c2ba-ano-lp-2
Simulado 5c2ba-ano-lp-2Simulado 5c2ba-ano-lp-2
Simulado 5c2ba-ano-lp-2
Cidinha Paulo
 
Simulado 19 (port. 5º ano)
Simulado 19 (port. 5º ano)Simulado 19 (port. 5º ano)
Simulado 19 (port. 5º ano)
Cidinha Paulo
 

Semelhante a Crônicas para o 5º ano (20)

A velha contrabandista
A velha contrabandistaA velha contrabandista
A velha contrabandista
 
SPAECEFLIX.pptx-COMPREENSAO SPAECE E SAEB
SPAECEFLIX.pptx-COMPREENSAO SPAECE E SAEBSPAECEFLIX.pptx-COMPREENSAO SPAECE E SAEB
SPAECEFLIX.pptx-COMPREENSAO SPAECE E SAEB
 
Est port
Est portEst port
Est port
 
Eaof 2015 - simulado 2
Eaof 2015 - simulado 2Eaof 2015 - simulado 2
Eaof 2015 - simulado 2
 
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPESimulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
Simulado língua portuguesa 9º ano - SAEPE
 
Avaliação de língua portuguesa
Avaliação de língua portuguesaAvaliação de língua portuguesa
Avaliação de língua portuguesa
 
Avaliação Semestral Unificada 6ºAno - 2º semestre 2016
Avaliação Semestral Unificada 6ºAno - 2º semestre 2016Avaliação Semestral Unificada 6ºAno - 2º semestre 2016
Avaliação Semestral Unificada 6ºAno - 2º semestre 2016
 
Provão 8° ano 1ºsem2016
Provão 8° ano 1ºsem2016Provão 8° ano 1ºsem2016
Provão 8° ano 1ºsem2016
 
Teste ec ev digrafos
Teste ec ev digrafosTeste ec ev digrafos
Teste ec ev digrafos
 
Prova integrado 2004
Prova integrado 2004Prova integrado 2004
Prova integrado 2004
 
a velha contrabandista-atividades
a velha contrabandista-atividadesa velha contrabandista-atividades
a velha contrabandista-atividades
 
Conecta - Lingua Portuguesa
Conecta - Lingua PortuguesaConecta - Lingua Portuguesa
Conecta - Lingua Portuguesa
 
1º dia 1º ano E.M.
1º dia 1º ano E.M.1º dia 1º ano E.M.
1º dia 1º ano E.M.
 
600 testes língua portuguesa
600 testes língua portuguesa600 testes língua portuguesa
600 testes língua portuguesa
 
Simulado 2 (port. 5º ano)
Simulado 2 (port. 5º ano)Simulado 2 (port. 5º ano)
Simulado 2 (port. 5º ano)
 
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
2ª p.d   2013 (port. 5º ano)2ª p.d   2013 (port. 5º ano)
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
 
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
2ª p.d   2013 (port. 5º ano)2ª p.d   2013 (port. 5º ano)
2ª p.d 2013 (port. 5º ano)
 
Provaportuguesmatrizreferencia2
Provaportuguesmatrizreferencia2Provaportuguesmatrizreferencia2
Provaportuguesmatrizreferencia2
 
Simulado 5c2ba-ano-lp-2
Simulado 5c2ba-ano-lp-2Simulado 5c2ba-ano-lp-2
Simulado 5c2ba-ano-lp-2
 
Simulado 19 (port. 5º ano)
Simulado 19 (port. 5º ano)Simulado 19 (port. 5º ano)
Simulado 19 (port. 5º ano)
 

Mais de Uesb - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

-guia especialista vf.indd
-guia especialista vf.indd-guia especialista vf.indd
Documents.tips avaliacao do-4o-ano-de-ens-religioso
Documents.tips avaliacao do-4o-ano-de-ens-religiosoDocuments.tips avaliacao do-4o-ano-de-ens-religioso
Documents.tips avaliacao do-4o-ano-de-ens-religioso
Uesb - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
 
Prova de historia
Prova de historiaProva de historia
Geo.docx rev
Geo.docx revGeo.docx rev
Avaliacao de-matematica-1º-bimestre-5º-ano (1)
Avaliacao de-matematica-1º-bimestre-5º-ano (1)Avaliacao de-matematica-1º-bimestre-5º-ano (1)
Avaliacao de-matematica-1º-bimestre-5º-ano (1)
Uesb - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
 
Crônicas para o 5º ano
Crônicas para o 5º anoCrônicas para o 5º ano
Diagnóstico de. matemática
Diagnóstico de. matemáticaDiagnóstico de. matemática
Avaliacao de-portugues 5º-ano
Avaliacao de-portugues 5º-anoAvaliacao de-portugues 5º-ano
2 guia do_supervisor-02_3
2 guia do_supervisor-02_32 guia do_supervisor-02_3

Mais de Uesb - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (9)

-guia especialista vf.indd
-guia especialista vf.indd-guia especialista vf.indd
-guia especialista vf.indd
 
Documents.tips avaliacao do-4o-ano-de-ens-religioso
Documents.tips avaliacao do-4o-ano-de-ens-religiosoDocuments.tips avaliacao do-4o-ano-de-ens-religioso
Documents.tips avaliacao do-4o-ano-de-ens-religioso
 
Prova de historia
Prova de historiaProva de historia
Prova de historia
 
Geo.docx rev
Geo.docx revGeo.docx rev
Geo.docx rev
 
Avaliacao de-matematica-1º-bimestre-5º-ano (1)
Avaliacao de-matematica-1º-bimestre-5º-ano (1)Avaliacao de-matematica-1º-bimestre-5º-ano (1)
Avaliacao de-matematica-1º-bimestre-5º-ano (1)
 
Crônicas para o 5º ano
Crônicas para o 5º anoCrônicas para o 5º ano
Crônicas para o 5º ano
 
Diagnóstico de. matemática
Diagnóstico de. matemáticaDiagnóstico de. matemática
Diagnóstico de. matemática
 
Avaliacao de-portugues 5º-ano
Avaliacao de-portugues 5º-anoAvaliacao de-portugues 5º-ano
Avaliacao de-portugues 5º-ano
 
2 guia do_supervisor-02_3
2 guia do_supervisor-02_32 guia do_supervisor-02_3
2 guia do_supervisor-02_3
 

Último

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 

Último (20)

Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 

Crônicas para o 5º ano

  • 1. Escola Estadual de Itamarati Professora: Nádia Alves Moreira Série: 5º ano Nome: _______________________________ Data: ____/____/______ Crônica: Um jogo que é uma vergonha Imagina um jogo deste jeito: o campo é de pedra bem pontuda e acontece num dia muito frio. Num time, os jogadores têm tênis e camisa de manga comprida e, no outro, os caras jogam descalços e só de calção. O time que tem tênis e camisa ganha fácil, dá aquela goleada! O outro fica a maior parte do tempo tomando cuidado pra não cortar os pés ou então esfregando o braço arrepiado de frio. Times iguais Pra mim, a diferença da vida entre nós, que temos escola e casa e as crianças que não têm é um jogo assim. Quem não tem, perde sempre. Não acho que todo mundo que tem as coisas é culpado por causa dos outros que não têm, mas isso não quer dizer que a gente não possa fazer nada. Porque pode. Porque, se a gente quiser jogar um jogo justo, pode exigir que os dois times sejam iguais, para começar. Casa e escola Não acredito que as crianças de rua viveriam na rua se tivessem outro lugar melhor pra escolher. Se a gente não exigir que todo mundo tenha casa e escola, vai sempre ficar jogando esse jogo besta. Ganhando de dez a zero de um time tão fácil, mas tão fácil, que não vai mais ter o gosto da vitória, vai ter só vergonha. Fernando Bonassi Fonte: (In Vida da gente – crônicas publicadas no Suplemento Folhinha de S. Paulo) - 07/02/97. QUESTÕES 1. O texto “1 jogo que é uma vergonha” é uma crônica. Foi escrito a partir de uma situação da vida real, com o objetivo de fazer uma crítica a essa situação. Se o autor teve esse objetivo ao escrever, que objetivo tem em relação ao leitor? a. ( ) que aceite suas idéias. b. ( ) que rejeite suas idéias. c. ( ) que reflita sobre o assunto. d. ( ) que se divirta com o assunto. 2. O trecho: “Num time, os jogadores têm tênis e camisa de manga comprida” e, no outro, os caras jogam descalços e só de calção”. significa que: a. ( ) um time toma cuidado para não cortar os pés, o outro time sente muito calor. b. ( ) um time têm tênis e o outro time tem camisa. c. ( ) um time é formado por jogadores bem equipados, o outro time por jogadores mal equipados. d. ( ) um time tem jogadores ganhadores, o outro têm jogadores que usam tênis e camisa comprida.
  • 2. 3. Esta crônica, de fato, compara: a. ( ) a vida de pessoas que têm escola e casa com a vida de crianças que não têm escola e casa. b. ( ) vida de crianças que têm casa com a vida de crianças que têm escola. c. ( ) crianças que são culpadas com crianças que são inocentes. d. ( ) crianças que podem fazer tudo com crianças que não fazem nada. 4. Quando o autor diz: “nós que temos escola e casa” e “isto não quer dizer que a gente não possa fazer nada”, As palavras “nós” e “a gente” ocupam o lugar: a. ( ) do autor e de todos os leitores. b. ( ) dos leitores que são conhecidos do autor. c. ( ) dos ricos. d. ( ) do leitor. 5. De acordo com o autor da crônica, diante da situação que é discutida: a. ( ) “a gente” não pode fazer nada. b. ( ) “a gente” pode fazer uma aposta. c. ( ) “a gente” pode jogar. d. ( ) “a gente” pode jogar um jogo justo. 6. Quando o autor fala sobre “jogo justo”, ele quer dizer que: a. ( ) as pessoas podem jogar mesmo sem saber. b. ( ) as pessoas justas às vezes perdem. c. ( ) as pessoas jogam um jogo besta.; d. ( ) as pessoas podem ajudar a fazer justiça. 7. O tema central da crônica é: a. ( ) desigualdade. b. ( ) miséria. c. ( ) futebol. d. ( ) crianças de rua. VAMOS REFLETIR PARA RESPONDER 1) Situação inicial: ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ 2) Complicação: _____________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ 3) Clímax:__________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ 4) Desfecho:_________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________
  • 3. Escola Estadual de Itamarati Professora: Nádia Alves Moreira Série: 5º ano Nome: _______________________________ Data: ____/____/______ A VELHA CONTRABANDISTA Stanislaw Ponte Preta Diz que era uma velha que sabia andar de lambreta. Todo dia ela passava pela fronteira montada na lambreta, com um bruto saco atrás da lambreta. O pessoal da Alfândega – tudo malandro velho – começou a desconfiar da velhinha. Um dia, quando ela vinha na lambreta com o saco atrás, o fiscal da Alfândega a mandou parar. A velhinha parou e então o fiscal perguntou assim para ela: - Escuta aqui, vovozinha, a senhora passa por aqui todo dia, com esse saco aí atrás. Que diabo a senhora leva nesse saco? A velhinha sorriu com os poucos dentes que lhe restavam e mais os outros, que ela adquirira no dentista, e respondeu: - É areia! Aí quem sorriu foi o fiscal. Achou que não era areia nenhuma e mandou a velhinha saltar da lambreta para examinar o saco. A velhinha saltou, o fiscal esvaziou o saco e dentro só tinha areia. Muito encabulado, ordenou que a velhinha fosse em frente. Ela montou na lambreta e foi embora com o saco de areia atrás. Mas o fiscal ficou desconfiado ainda. Talvez a velhinha passasse um dia com areia e no outro com muamba, dentro daquele maldito saco. No dia seguinte, quando ela passou na lambreta com o saco atrás, o fiscal mandou parar outra vez. Perguntou que é que ela levava no saco e ela respondeu que era areia, uai! O fiscal examinou e era mesmo. Durante um mês seguido o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco era areia. Diz que foi aí que o fiscal se chateou: - Olha vovozinha, eu sou fiscal da Alfândega com 40 anos de serviço. Manjo essa coisa de contrabando pra burro. Ninguém me tira da cabeça que a senhora é contrabandista. - Mas no saco só tem areia! – insistiu a velhinha. E já ia tocar a lambreta, quando o fiscal propôs: - Eu prometo à senhora que deixo a senhora passar. Não vou dar parte, não apreendo não conto nada a ninguém, mas a senhora vai me dizer: qual é o contrabando que a senhora está passando por aqui todos os dias? - O senhor promete que não “espaia”? – quis saber a velhinha. - Juro – respondeu o fiscal. - É lambreta. Interpretação do texto 1) O que a velhinha carregava no saco, para despistar o guarda? 2) O que o autor quis dizer com a expressão “tudo malandro velho”? 3) Leia novamente o 4º parágrafo do texto e responda: Quando o narrador citou os dentes que “ela adquirira no odontólogo”, a que tipo de dentes ele se referia?
  • 4. 4) Explique com suas palavras qual foi o truque da velhinha para enganar o fiscal. 5) Quando a velhinha decidiu contar a verdade? 6) Qual é a grande surpresa da história? 7) Copie as frases abaixo, colocando-as em ordem de acontecimentos. - O fiscal verificou que só havia areia dentro do saco. - O pessoal da alfândega começou a desconfiar da velhinha. - Diante da promessa do fiscal, ela lhe contou a verdade: era contrabando de lambretas. - Todo dia, a velhinha passava pela fronteira montada numa lambreta, com um saco no bagageiro. - Mas, desconfiado, o fiscal passou a revistar a velhinha todos os dias. - Durante um mês, o fiscal interceptou a velhinha e, todas as vezes, o que ela levava no saco era areia. - Então, ele prometeu que não contaria nada a ninguém, mas pediu à velhinha que lhe dissesse qual era o contrabando que fazia. 1- Os fatos ocorrem: a- ( ) Num posto de gasolina; b- ( ) Numa estrada do interior; c- ( ) Num posto de alfândega na fronteira; d- ( ) Na fronteira do Brasil com o Paraguai. 2- No trecho !”O pessoal da alfândega- tudo malandro velho- começou a desconfiar da velhinha “, o autor quis dizer que: a- ( ) Os fiscais da alfândega eram antigos. b- ( ) Os fiscais da alfândega também eram contrabandistas. c- ( ) Os fiscais da alfândega não eram confiáveis. d- ( ) Os fiscais da alfândega eram espertos e experientes. 3- Os fiscais da alfândega começaram a desconfiar da velhinha, porque: a- ( ) Ela começou a passar diariamente pela fronteira, transportando um aço na lambreta. b-( ) Ela foi denunciada. c-( ) O fiscais da alfândega desconfiavam de todos que passavam por ali. d-( ) A velhinha tinha cara de contrabandista. 4- No final do texto, as personagens fazem um acordo. Qual o acordo proposto pelo fiscal? a- ( ) Que a velhinha se entregasse e tivesse a pena diminuída. b- ( ) Que a velhinha dividisse o lucro do contrabando com eles. c-( ) Que a velhinha pagasse suborno aos fiscais da alfândega. d-( ) Que a velhinha contasse o que contrabandeava, em troca de sua liberdade. 5- Qual o truque utilizado pela velhinha para enganar os fiscais da alfândega? a-( ) ela passava com o saco de areia para desviar a atenção dos fiscais e, com isso, eles não percebiam o que ela contrabandeava. b-( ) Ela se fazia e inocente os fiscais imaginavam que o saco de areia era uma mania que ela tinha. c-( ) O saco e areia era um artifício para ganhar tempo e fugir com a lambreta. d-( ) O saco de areia escondia a lambreta.
  • 5. 1. Esse texto é uma: a) ( ) narrativa b) ( ) poesia c) ( ) informação d) ( ) crônica 2. É um texto que transmite: a) ( ) momentos de tensão b) ( ) comentários policiais c) ( ) uma situação de humor d) ( ) uma situação triste 3. Que adjetivos (qualidades) você daria à velhinha: a) ( ) ingênua b) ( ) esperta c) ( ) caduca d) ( ) cansada e) ( ) otimista f ) ( ) pessimista g) ( ) boba h) ( ) inteligente 4. Que adjetivos (qualidades) você daria ao policial: a) ( ) teimoso b) ( ) desconfiado c) ( ) educado d) ( ) ingênuo e) ( ) compreensivo f) ( ) honesto g) ( ) observador h) ( ) tolo 5. O final do texto é surpreendente? Por quê? 6. Se você fosse o fiscal, teria percebido qual o contrabando? De que forma? 7. A escrita correta da palavra “espaia” é: a) ( ) espalia b) ( ) espalha c) ( ) espalhia 8. Na expressão: “Com um bruto saco atrás da lambreta”, a palavra grifada significa: a) ( ) estúpido b) ( ) grande c) ( ) mal educado 9. Alfândega é o departamento onde: a) ( ) Cobram-se impostos e taxas de produtos. b) ( ) Compram-se produtos. c) ( ) Vendem-se mercadorias proibidas. 10. No Brasil, muitas pessoas se vangloriam de burlar as leis. O que você acha dessa atitude? VAMOS REFLETIR PARA RESPONDER 1) Situação inicial: ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ 2) Complicação: _____________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ 3) Clímax:__________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________________ 4) Desfecho:_________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________