SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
Newton Kara Junior
Objetivo: documento com informações sufucientes
para permitir que leitores:
- Acessar as observações que você fez
- Repetir o experimento
- Determinar se as conclusões são justificadas
pelos dados
- Introdução: que pergunta foi feita?
- Métodos: como ela foi estudada?
- Resultados: o que foi achado?
- Discussão: o que estes achados significam?
- Curta e transmitir claramente a pergunta que
você tentará responder com o estudo (porque
você decidiu fazer este estudo)
- Para que o leitor entenda a relevância de sua
dúvida  breve revisão da literatura (não é
revisão da literatura, apenas citar as referencias
necessárias para justificar seu estudo)  partir
do que já se sabe para justificar onde que
chegar
 * Planejamento do estudo
Manter-se no objetivo inicial (questão a ser respondida)
Pode ser escrita antes de se começar o estudo
Editores não querem publicar (e leitores não querem ler)
estudos que simplesmente repitam o que já foi feito
inúmeras vezes antes.
 Acrescentar informação importante ao que já foi feito (se
ancorar em estudos anteriores)
 Revisão sistemática de tudo o que já foi
publicado antes e demonstrar que um novo
estudo é necessário
 Achar uma “brecha” na literatura  mostrar
 Convencer que é melhor que os anteriores
 Revisão Sistemática: autor propõe uma
pergunta clara, coleta toda informação
relevante, descarta o que for cientificamente
fraco, sintetisa a informação remanescente e
elabora uma conclusão
 Elaborar um trabalho: pergunta  revisão da
literatura  se a pergunta não puder ser
respondida e seu estudo contribuir para a
solução realizar o estudo
 Referências
 Evitar falar sobre o que o leitor já sabe
 Explicar o que o leitor não sabe
 Conhecer o públuco alvo para seu estudo
(revista)
 Breve design do estudo
- Conhecer sua audiência
- Curta
- Justificar o porque do estudo
- Explicar o motivo de ser importante
- Convencer que é melhor que os anteriores
- Prender o leitor, desde a primeira linha
 Bases de dados eletrônicas (internet) 
revolucionou a revisão bibliográfica
 Ferramentas para pesquisa  habilidades
 Curso: Principais bases de dados, ferramentas
para pesquisa
 Citações dos artigos publicados no periódico
 Função: quantificar o valor do periódico e
indiretamente dos artigos lá publicados
 Fator de impacto do nível do periódico
desejado
 Tecnologia, novidade, dados epidemiológicos
que podem ser extrapolados universalmente,
pesquisa básica.
 Se a metodologia utilizada para responder a
pergunta do estudo é fraca e falha  o estudo não
tem como ser consertado
 Planejamento do estudo
 Descrever e defender o desenho do estudo
 Referências  métodos padrões
 Descrever detalhadamente  novos  reprodução
1) Desenho:
- grupos independentes, paralelos, pareados
- randomização
- mascarado?
- nomear as partes
- diagrama
2) Como foi conduzido:
- Seleção da amostra
- Critérios de esxclusão
- Ética
- Descrição precisa dos materiais utilizados
- Dosagem exata das drogas
- Descrição exata do tratamento
3) Análise dos dados
- valor-p (p<0.05 = 1/20)
- Teste estatístico utilizado
 O texto descreveu que questão estava sendo
respondida, o que estava sendo testado e quão
precisos foram os testes?
 As medidas foram realizadas, analisadas e
interpretadas corretamente?
 O experimento pode ser repetido por outro
pesquisador?
 Oque?
 Como?
 Porque?
 Quando?
 Onde?
 Resultados
 Discussão
 Título, Resumo, Autores
 Referências
 Responder à pergunta: “o que foi achado?”
 Reportar os resultados da investigação descrita no MM
 Não conter: interpretação/opinião
 Palavras  contar estória
 Tabelas  resumir evidências
 Ilustração  enfatizar achados principais
 Estatística  suporte às afirmações
 Caracterizar a amostra e os grupos  Amostra
representativa? / grupos comparáveis e homogênios?
(randomização)
 Evitar: “os resultados estão apresentados nas tabelas 1-
3”  escrever o significado primeiro
 Dados (números) ≠ Resultados (signficado dos números)
 escrever os resultados e colocar dados na Tabela 
iniciar o parágrafo descrevendo os resultado e depois
referir à Tabela (indicar o que procurar na Tabela)
 Evitar: qualitativos (grande, somente) 
subjetivo
 Apenas quantitativos (%)
 Tabelas  informativas, fácil de compreender,
autossuficientes
 Estatística  leitor acreditar em você
 Correlacionar seus achados com os dados
descritos na literatura e interpretar o
significado
 Curta e relevante

 Não precisa analisar toda a literatura
 Na dúvida: retire do texto
 Estrutura
 Resumo dos principais achados
 Discussão de possíveis problemas de metodologia
 Comparar seus resultados com estudos prévios
 Discussão das implicações clínicas de seus achados
 Sugestão de trabalhos futuros
 Suscinta conclusão
 Principais erros:
 Repetir dados já expostos nos Resultados
 Acreditar que a MM está imune à críticas
 Citar preferencialmente estudos prévios na
conclusão
 Principais achados:
 Relembrar o leitor dos achados “chaves”
 Iniciar com 2 ou 3 sentenças que resumem o
estudo  mensagem
 Comentar todos os dados descritos nos
Resultados. Apenas discutir dados que estão
nos Resultados
 MM:
 * problema: tamanho da amostra (clinical trial na
área X estudo piloto (preliminar) que permitirá
que outros autores desenvolvam estudo
semelhante com um poder de investigação correto.
 Expliar porque escolheu este desenho de trabalho,
se possível, citando estudos com MM semelhante
(se adiantar às criticas)
 Enfatizar pontos fortes do MM (criticar estudos
prévios?)
 Estudos prévios:
 Citar apenas estudos relevantes (confirmatórios
e contraditórios)
 Implicações clínicas:
 Caso seus achados mudem a prática clínica 
discutir isso  Não exagerar na definição da
importância do estudo (em geral o assunto
ainda não terá sido completamente estudado)
 pequena contribuição para uma limitada
área do conhecimento
 Estudos futuros:
 Sugerir estudos adicionais na área
 Conclusões
 Terminar a discussão com um pequena resumo
dos principais achados e suas implicacões
 Muitos lerão o Título, alguns o Resumo e poucos o
Texto.
 Despertar interesse em ler o resto
 Deixar claro o objetivo do estudo
 Escrever pensando no leitor  fazer sua
mensagem atingir o maior número de pessoas
 Deixar claro sua mensagem
 Título: conciso (preciso) e descritivo
(informativo)
 Linguagem simples
 Distribuição gratuita
 Estruturado (IMRD)
 Presença ou não de intervenção
 Experimentais X Observacionais
 Experimentais: houve intervenção do
investigador
 Uso ou não de Randomização
 Estudos Controlados Randomizados
 Controlado = grupo controle
 Observacionais:
 Analíticos (coorte, caso controle e transversais)  a
partir de análise dos dados colhidos, inferir
determinadas conclusões  comparação entre
grupos
 Descritivos (relato de casos)  não há análise
 Estudo de Coorte
 Exposição  Desfecho
 Estudo de Caso Controle
 Desfecho  Exposição
 Estudo de Coorte
 São acompanhados dois grupos de pacientes que diferem
entre si quanto à presença ou não de uma exposição
(vacina, estilo de vida, agente ambiental, etc)
 Detectar a frequencia de ocorrência de determinado
desfecho clínico (* doenças)
 Prospectivos ou retrospectivos, mas sempre partem da
exposição e verificam a ocorrência ou não do desfecho em
avaliação
 Estudo de Caso Controle
 * Retrospectivos  pessoas com determinadas
doenças (casos) são comparadas com outras sem a
doença (controles), em relação à determinada
exposição
 Presente  Passado
  Avaliar Prognóstico de uma doença
 Coorte:
 Vantagens:
 Permitem aferir a incidência (novos casos)
 Determinação do risco relativo  diferença de
ocorrência do desfecho analisado entre expostos e não-
expostos
 Desvantagens:
 Demorados e $
 Desfechos raros  X
 Perda de aconpanhamento?
 Caso Controle:
 Vantagens:
 Desfechos raros  OK
 Curta duração e Baixo custo
 Amostra pequena
 Estimativa de risco (razão de chances – odds ratio)  chance
da doença se desenvolver nos expostos dividida pela chance
dela se desenvolver nos não-expostos
 Desvantagens:
 * vieses (* viés de seleção: inclusão de controles inadequados;
viés de lembrança)
 Estudos Transversais
 Semelhante ao coorte , porém realizando-se todas as
medições em um determinado momento (não existe
período de acompanhamento)
  Existência de fatores de risco e a prevelência
(casos existentes) de doenças no local naquele
período
  Validar um teste diagnóstico
 Estudos Controlados Randomizados (prospectivos)
 A amostra é selecionada de uma população, com uma
característica peculiar presente (uma única variável), sendo,
posteriormente dividida em grupos controle e de
intervenção  comparar os desfechos de ambos os grupos
 Randomização: assegura que cada paciente do estudo tenha
a mesma chance de ser incluido em ambos os grupos
  Eficácia do tratamento
 Custo, Ética, N
  Meta-Análise
 Revisões Sistemáticas da Literatura / Meta-Análises
  responder a uma pergunta específica
 Análise estatística (Meta-Análise)
 Levantamento bibliográfico  avaliação crítica 
interpretação dos dados
 Seleção dos estudos:
 Terapeutica  ECR
 FR  Caso Controle ou Coorte
“A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu
tamanho original”
 Exercício da medicina  manter-se o mais atualizado
possível (livros X artigos) + saber reconhecer as
melhores evidências e interpretá-las com visão crítica
 Artigos: relevância / rigor metodológico  resposta
adequada e confiável ao questionamento clínico?
 Medicina Baseada em Evidência
 Uso consciente, explícito e criterioso da melhor
evidência disponível na literatura para se identificar
que tratamentos e opções devem ser oferecidos e
discutidos com os pacientes.
 Uso consciente, explícito e criterioso da melhor
evidência disponível na literatura para se identificar
que tratamentos e opções devem ser oferecidos e
discutidos com os pacientes.
  Pesquisas clínicas, com metodologia adequadas,
em que foram abordadas questões relevantes na
prática médica, como a acurácia e a precisão de testes
diagnósticos, ou a eficácia e segurança de
intervenções terapeuticas e preventivas.
Como aplicar:
 Fazer um questionamento clínico (dúvida)
 Busca na literatura por artigos relevantes que possam
responder a esse questionamento
 Avaliação crítica das evidências disponíveis nos artigos
encontrados
 Implementar as melhores eviências na prática clínica
 Avaliação crítica da literatura: avaliar a literatura
quanto a sua utilidade e aplicabilidade.
 Verificar se os resultados do estudo são válidos, e o
quanto são significativos.
Evoluir de um observador passivo  leitor ativo e
crítico das evidências  reconhec er pontos fortes e
fracos dos artigos
Os resultados do estudo são válidos?

Os resultados do estudo são válidos?
 Questionamento bem estruturado? (população;
intervenção; comparação; desfecho)
 Uso consciente, explícito e criterioso da melhor
evidência disponível na literatura para se identificar
que tratamentos e opções devem ser oferecidos e
discutidos com os pacientes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativajlpaesjr
 
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologiaAula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologiabioalvarenga
 
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)Dionísio Carmo-Neto
 
Construção do modelo teórico
Construção do modelo teóricoConstrução do modelo teórico
Construção do modelo teóricoSandra Pereira
 
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua PortuguesaMetodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua PortuguesaBrunno Hofmann
 
Analise de dados ccill end
Analise de dados ccill endAnalise de dados ccill end
Analise de dados ccill endcruz ant
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisaJoao Balbi
 
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMEProblema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Leonardo Poth
 
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaIntrodução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaFernando Kenji Kamei
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisamarildabacana
 
Instrumentos para Pesquisa
Instrumentos para PesquisaInstrumentos para Pesquisa
Instrumentos para PesquisaHilma Khoury
 
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdfAlexiaSilva23
 
01 técnica qualitativa - estudo de caso
01   técnica qualitativa - estudo de caso01   técnica qualitativa - estudo de caso
01 técnica qualitativa - estudo de casoFabio Lima
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisaJoao Balbi
 

Mais procurados (19)

Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
 
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologiaAula 3 revisão de literatura e metodologia
Aula 3 revisão de literatura e metodologia
 
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
Escrever artigo revisao da literatura (como fazer)
 
Construção do modelo teórico
Construção do modelo teóricoConstrução do modelo teórico
Construção do modelo teórico
 
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua PortuguesaMetodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
 
Analise de dados ccill end
Analise de dados ccill endAnalise de dados ccill end
Analise de dados ccill end
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESMEProblema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
Problema de Pesquisa e Hipóteses Científicas - Profa.Rilva - GESME
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3
 
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaIntrodução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
 
Lista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisaLista de verbos para projeto de pesquisa
Lista de verbos para projeto de pesquisa
 
Instrumentos para Pesquisa
Instrumentos para PesquisaInstrumentos para Pesquisa
Instrumentos para Pesquisa
 
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf
3 - As Etapas da Pesquisa cientifica.pdf
 
01 técnica qualitativa - estudo de caso
01   técnica qualitativa - estudo de caso01   técnica qualitativa - estudo de caso
01 técnica qualitativa - estudo de caso
 
Capítulo 10 de Creswell
Capítulo 10 de CreswellCapítulo 10 de Creswell
Capítulo 10 de Creswell
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
 
Manual revisao
Manual revisaoManual revisao
Manual revisao
 
Pesquisa De Campo
Pesquisa De CampoPesquisa De Campo
Pesquisa De Campo
 
Estudo de Caso
Estudo de CasoEstudo de Caso
Estudo de Caso
 

Destaque

Abc da bauhaus
Abc da bauhausAbc da bauhaus
Abc da bauhausedisolange
 
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestreApresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestreSandra Guerra
 
Balanço espiritual do estudo de tema 05.01.15
Balanço espiritual do estudo de tema   05.01.15Balanço espiritual do estudo de tema   05.01.15
Balanço espiritual do estudo de tema 05.01.15MOSFET1
 
Curso Águas e Urbanismo - Palestra do Engenheiro Roberto Massaru Watanabe re...
Curso Águas e Urbanismo - Palestra do Engenheiro Roberto Massaru Watanabe  re...Curso Águas e Urbanismo - Palestra do Engenheiro Roberto Massaru Watanabe  re...
Curso Águas e Urbanismo - Palestra do Engenheiro Roberto Massaru Watanabe re...artneteventos
 
Alguns pontos turísticos de porto alegre
Alguns pontos turísticos de porto alegreAlguns pontos turísticos de porto alegre
Alguns pontos turísticos de porto alegreBruna-23
 
Apresentação CFO SAB - Setembro 2015 - Wagner
Apresentação CFO SAB - Setembro 2015 - WagnerApresentação CFO SAB - Setembro 2015 - Wagner
Apresentação CFO SAB - Setembro 2015 - WagnerWagner S. de Moraes
 
PROCESO TECNOLOGICO: COMPUTADOR
PROCESO TECNOLOGICO: COMPUTADORPROCESO TECNOLOGICO: COMPUTADOR
PROCESO TECNOLOGICO: COMPUTADORmateo453
 
A Beleza dos Números
A Beleza dos NúmerosA Beleza dos Números
A Beleza dos NúmerosLivreParaVoar
 

Destaque (20)

Indústria e espaço geográfico
Indústria e espaço geográficoIndústria e espaço geográfico
Indústria e espaço geográfico
 
Pesquisar na Net
Pesquisar na NetPesquisar na Net
Pesquisar na Net
 
Impeachment
ImpeachmentImpeachment
Impeachment
 
Los angulos
Los angulosLos angulos
Los angulos
 
Presentación1 w
Presentación1 wPresentación1 w
Presentación1 w
 
Tema 1
Tema 1Tema 1
Tema 1
 
Projetoeusoumais (1)
Projetoeusoumais (1)Projetoeusoumais (1)
Projetoeusoumais (1)
 
Hormigas
HormigasHormigas
Hormigas
 
Abc da bauhaus
Abc da bauhausAbc da bauhaus
Abc da bauhaus
 
Primeiros passos com dropbox
Primeiros passos com dropboxPrimeiros passos com dropbox
Primeiros passos com dropbox
 
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestreApresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
 
Operador de pregão
Operador de pregãoOperador de pregão
Operador de pregão
 
Balanço espiritual do estudo de tema 05.01.15
Balanço espiritual do estudo de tema   05.01.15Balanço espiritual do estudo de tema   05.01.15
Balanço espiritual do estudo de tema 05.01.15
 
Curso Águas e Urbanismo - Palestra do Engenheiro Roberto Massaru Watanabe re...
Curso Águas e Urbanismo - Palestra do Engenheiro Roberto Massaru Watanabe  re...Curso Águas e Urbanismo - Palestra do Engenheiro Roberto Massaru Watanabe  re...
Curso Águas e Urbanismo - Palestra do Engenheiro Roberto Massaru Watanabe re...
 
Alguns pontos turísticos de porto alegre
Alguns pontos turísticos de porto alegreAlguns pontos turísticos de porto alegre
Alguns pontos turísticos de porto alegre
 
Apresentação CFO SAB - Setembro 2015 - Wagner
Apresentação CFO SAB - Setembro 2015 - WagnerApresentação CFO SAB - Setembro 2015 - Wagner
Apresentação CFO SAB - Setembro 2015 - Wagner
 
Trava língua
Trava línguaTrava língua
Trava língua
 
Web ika 8.8
Web  ika 8.8Web  ika 8.8
Web ika 8.8
 
PROCESO TECNOLOGICO: COMPUTADOR
PROCESO TECNOLOGICO: COMPUTADORPROCESO TECNOLOGICO: COMPUTADOR
PROCESO TECNOLOGICO: COMPUTADOR
 
A Beleza dos Números
A Beleza dos NúmerosA Beleza dos Números
A Beleza dos Números
 

Semelhante a Como escrever um trabalho científico

2008 volpato - dicas para redação
2008   volpato - dicas para redação2008   volpato - dicas para redação
2008 volpato - dicas para redaçãoAilton Barcelos
 
Como ler e redigir relatos de pesquisa / A Receita da Replicação
Como ler e redigir relatos de pesquisa / A Receita da ReplicaçãoComo ler e redigir relatos de pesquisa / A Receita da Replicação
Como ler e redigir relatos de pesquisa / A Receita da ReplicaçãoCaio Maximino
 
Projeto de Pesquisa - Metodologia
Projeto de Pesquisa - MetodologiaProjeto de Pesquisa - Metodologia
Projeto de Pesquisa - MetodologiaKarlos Aires
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisaKarlos Aires
 
Metodologia Científica
Metodologia CientíficaMetodologia Científica
Metodologia CientíficaCEPPAD/UFPR
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisaJoao Balbi
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisaJoao Balbi
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisaJoao Balbi
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisaJoao Balbi
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisaJoao Balbi
 
Metodologia de Pesquisa: Estudo de Caso para Yin e para STAKE (comparativo)
Metodologia de Pesquisa: Estudo de Caso para Yin e para STAKE (comparativo)Metodologia de Pesquisa: Estudo de Caso para Yin e para STAKE (comparativo)
Metodologia de Pesquisa: Estudo de Caso para Yin e para STAKE (comparativo)Nayara Duarte
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidênciasRicardo Alexandre
 
Elaboracao de trabalho cientifico 2004
Elaboracao de trabalho cientifico   2004Elaboracao de trabalho cientifico   2004
Elaboracao de trabalho cientifico 2004gisa_legal
 
Elaboracao de trabalho cientifico 2004
Elaboracao de trabalho cientifico   2004Elaboracao de trabalho cientifico   2004
Elaboracao de trabalho cientifico 2004gisa_legal
 
Elaboração de trabalho científico 2004
Elaboração de trabalho científico   2004Elaboração de trabalho científico   2004
Elaboração de trabalho científico 2004gisa_legal
 
Execucao da pesquisa
Execucao da pesquisaExecucao da pesquisa
Execucao da pesquisaMaysa Caldas
 

Semelhante a Como escrever um trabalho científico (20)

Metanálise
MetanáliseMetanálise
Metanálise
 
Etapas de pesquisa
Etapas de pesquisaEtapas de pesquisa
Etapas de pesquisa
 
2008 volpato - dicas para redação
2008   volpato - dicas para redação2008   volpato - dicas para redação
2008 volpato - dicas para redação
 
Como ler e redigir relatos de pesquisa / A Receita da Replicação
Como ler e redigir relatos de pesquisa / A Receita da ReplicaçãoComo ler e redigir relatos de pesquisa / A Receita da Replicação
Como ler e redigir relatos de pesquisa / A Receita da Replicação
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Projeto de Pesquisa - Metodologia
Projeto de Pesquisa - MetodologiaProjeto de Pesquisa - Metodologia
Projeto de Pesquisa - Metodologia
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Pesq. CientíFica Plano Geral
Pesq. CientíFica   Plano GeralPesq. CientíFica   Plano Geral
Pesq. CientíFica Plano Geral
 
Metodologia Científica
Metodologia CientíficaMetodologia Científica
Metodologia Científica
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
 
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
24 procedimentos didáticos e ténicas de pesquisa
 
Metodologia de Pesquisa: Estudo de Caso para Yin e para STAKE (comparativo)
Metodologia de Pesquisa: Estudo de Caso para Yin e para STAKE (comparativo)Metodologia de Pesquisa: Estudo de Caso para Yin e para STAKE (comparativo)
Metodologia de Pesquisa: Estudo de Caso para Yin e para STAKE (comparativo)
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidências
 
Elaboracao de trabalho cientifico 2004
Elaboracao de trabalho cientifico   2004Elaboracao de trabalho cientifico   2004
Elaboracao de trabalho cientifico 2004
 
Elaboracao de trabalho cientifico 2004
Elaboracao de trabalho cientifico   2004Elaboracao de trabalho cientifico   2004
Elaboracao de trabalho cientifico 2004
 
Elaboração de trabalho científico 2004
Elaboração de trabalho científico   2004Elaboração de trabalho científico   2004
Elaboração de trabalho científico 2004
 
Execucao da pesquisa
Execucao da pesquisaExecucao da pesquisa
Execucao da pesquisa
 

Último

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 

Último (20)

Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 

Como escrever um trabalho científico

  • 2. Objetivo: documento com informações sufucientes para permitir que leitores: - Acessar as observações que você fez - Repetir o experimento - Determinar se as conclusões são justificadas pelos dados
  • 3. - Introdução: que pergunta foi feita? - Métodos: como ela foi estudada? - Resultados: o que foi achado? - Discussão: o que estes achados significam?
  • 4. - Curta e transmitir claramente a pergunta que você tentará responder com o estudo (porque você decidiu fazer este estudo) - Para que o leitor entenda a relevância de sua dúvida  breve revisão da literatura (não é revisão da literatura, apenas citar as referencias necessárias para justificar seu estudo)  partir do que já se sabe para justificar onde que chegar
  • 5.  * Planejamento do estudo Manter-se no objetivo inicial (questão a ser respondida) Pode ser escrita antes de se começar o estudo Editores não querem publicar (e leitores não querem ler) estudos que simplesmente repitam o que já foi feito inúmeras vezes antes.  Acrescentar informação importante ao que já foi feito (se ancorar em estudos anteriores)
  • 6.  Revisão sistemática de tudo o que já foi publicado antes e demonstrar que um novo estudo é necessário  Achar uma “brecha” na literatura  mostrar  Convencer que é melhor que os anteriores
  • 7.  Revisão Sistemática: autor propõe uma pergunta clara, coleta toda informação relevante, descarta o que for cientificamente fraco, sintetisa a informação remanescente e elabora uma conclusão  Elaborar um trabalho: pergunta  revisão da literatura  se a pergunta não puder ser respondida e seu estudo contribuir para a solução realizar o estudo
  • 8.  Referências  Evitar falar sobre o que o leitor já sabe  Explicar o que o leitor não sabe  Conhecer o públuco alvo para seu estudo (revista)  Breve design do estudo
  • 9. - Conhecer sua audiência - Curta - Justificar o porque do estudo - Explicar o motivo de ser importante - Convencer que é melhor que os anteriores - Prender o leitor, desde a primeira linha
  • 10.  Bases de dados eletrônicas (internet)  revolucionou a revisão bibliográfica  Ferramentas para pesquisa  habilidades  Curso: Principais bases de dados, ferramentas para pesquisa
  • 11.  Citações dos artigos publicados no periódico  Função: quantificar o valor do periódico e indiretamente dos artigos lá publicados
  • 12.  Fator de impacto do nível do periódico desejado  Tecnologia, novidade, dados epidemiológicos que podem ser extrapolados universalmente, pesquisa básica.
  • 13.  Se a metodologia utilizada para responder a pergunta do estudo é fraca e falha  o estudo não tem como ser consertado  Planejamento do estudo  Descrever e defender o desenho do estudo  Referências  métodos padrões  Descrever detalhadamente  novos  reprodução
  • 14. 1) Desenho: - grupos independentes, paralelos, pareados - randomização - mascarado? - nomear as partes - diagrama
  • 15. 2) Como foi conduzido: - Seleção da amostra - Critérios de esxclusão - Ética - Descrição precisa dos materiais utilizados - Dosagem exata das drogas - Descrição exata do tratamento
  • 16. 3) Análise dos dados - valor-p (p<0.05 = 1/20) - Teste estatístico utilizado
  • 17.  O texto descreveu que questão estava sendo respondida, o que estava sendo testado e quão precisos foram os testes?  As medidas foram realizadas, analisadas e interpretadas corretamente?  O experimento pode ser repetido por outro pesquisador?
  • 18.  Oque?  Como?  Porque?  Quando?  Onde?
  • 19.  Resultados  Discussão  Título, Resumo, Autores  Referências
  • 20.  Responder à pergunta: “o que foi achado?”  Reportar os resultados da investigação descrita no MM  Não conter: interpretação/opinião  Palavras  contar estória  Tabelas  resumir evidências  Ilustração  enfatizar achados principais  Estatística  suporte às afirmações
  • 21.  Caracterizar a amostra e os grupos  Amostra representativa? / grupos comparáveis e homogênios? (randomização)  Evitar: “os resultados estão apresentados nas tabelas 1- 3”  escrever o significado primeiro  Dados (números) ≠ Resultados (signficado dos números)  escrever os resultados e colocar dados na Tabela  iniciar o parágrafo descrevendo os resultado e depois referir à Tabela (indicar o que procurar na Tabela)
  • 22.  Evitar: qualitativos (grande, somente)  subjetivo  Apenas quantitativos (%)
  • 23.  Tabelas  informativas, fácil de compreender, autossuficientes  Estatística  leitor acreditar em você
  • 24.  Correlacionar seus achados com os dados descritos na literatura e interpretar o significado  Curta e relevante   Não precisa analisar toda a literatura  Na dúvida: retire do texto
  • 25.  Estrutura  Resumo dos principais achados  Discussão de possíveis problemas de metodologia  Comparar seus resultados com estudos prévios  Discussão das implicações clínicas de seus achados  Sugestão de trabalhos futuros  Suscinta conclusão
  • 26.  Principais erros:  Repetir dados já expostos nos Resultados  Acreditar que a MM está imune à críticas  Citar preferencialmente estudos prévios na conclusão
  • 27.  Principais achados:  Relembrar o leitor dos achados “chaves”  Iniciar com 2 ou 3 sentenças que resumem o estudo  mensagem  Comentar todos os dados descritos nos Resultados. Apenas discutir dados que estão nos Resultados
  • 28.  MM:  * problema: tamanho da amostra (clinical trial na área X estudo piloto (preliminar) que permitirá que outros autores desenvolvam estudo semelhante com um poder de investigação correto.  Expliar porque escolheu este desenho de trabalho, se possível, citando estudos com MM semelhante (se adiantar às criticas)  Enfatizar pontos fortes do MM (criticar estudos prévios?)
  • 29.  Estudos prévios:  Citar apenas estudos relevantes (confirmatórios e contraditórios)
  • 30.  Implicações clínicas:  Caso seus achados mudem a prática clínica  discutir isso  Não exagerar na definição da importância do estudo (em geral o assunto ainda não terá sido completamente estudado)  pequena contribuição para uma limitada área do conhecimento
  • 31.  Estudos futuros:  Sugerir estudos adicionais na área
  • 32.  Conclusões  Terminar a discussão com um pequena resumo dos principais achados e suas implicacões
  • 33.  Muitos lerão o Título, alguns o Resumo e poucos o Texto.  Despertar interesse em ler o resto  Deixar claro o objetivo do estudo  Escrever pensando no leitor  fazer sua mensagem atingir o maior número de pessoas  Deixar claro sua mensagem
  • 34.  Título: conciso (preciso) e descritivo (informativo)  Linguagem simples
  • 35.  Distribuição gratuita  Estruturado (IMRD)
  • 36.  Presença ou não de intervenção  Experimentais X Observacionais
  • 37.  Experimentais: houve intervenção do investigador  Uso ou não de Randomização  Estudos Controlados Randomizados  Controlado = grupo controle
  • 38.  Observacionais:  Analíticos (coorte, caso controle e transversais)  a partir de análise dos dados colhidos, inferir determinadas conclusões  comparação entre grupos  Descritivos (relato de casos)  não há análise
  • 39.  Estudo de Coorte  Exposição  Desfecho  Estudo de Caso Controle  Desfecho  Exposição
  • 40.  Estudo de Coorte  São acompanhados dois grupos de pacientes que diferem entre si quanto à presença ou não de uma exposição (vacina, estilo de vida, agente ambiental, etc)  Detectar a frequencia de ocorrência de determinado desfecho clínico (* doenças)  Prospectivos ou retrospectivos, mas sempre partem da exposição e verificam a ocorrência ou não do desfecho em avaliação
  • 41.  Estudo de Caso Controle  * Retrospectivos  pessoas com determinadas doenças (casos) são comparadas com outras sem a doença (controles), em relação à determinada exposição  Presente  Passado   Avaliar Prognóstico de uma doença
  • 42.  Coorte:  Vantagens:  Permitem aferir a incidência (novos casos)  Determinação do risco relativo  diferença de ocorrência do desfecho analisado entre expostos e não- expostos  Desvantagens:  Demorados e $  Desfechos raros  X  Perda de aconpanhamento?
  • 43.  Caso Controle:  Vantagens:  Desfechos raros  OK  Curta duração e Baixo custo  Amostra pequena  Estimativa de risco (razão de chances – odds ratio)  chance da doença se desenvolver nos expostos dividida pela chance dela se desenvolver nos não-expostos  Desvantagens:  * vieses (* viés de seleção: inclusão de controles inadequados; viés de lembrança)
  • 44.  Estudos Transversais  Semelhante ao coorte , porém realizando-se todas as medições em um determinado momento (não existe período de acompanhamento)   Existência de fatores de risco e a prevelência (casos existentes) de doenças no local naquele período   Validar um teste diagnóstico
  • 45.  Estudos Controlados Randomizados (prospectivos)  A amostra é selecionada de uma população, com uma característica peculiar presente (uma única variável), sendo, posteriormente dividida em grupos controle e de intervenção  comparar os desfechos de ambos os grupos  Randomização: assegura que cada paciente do estudo tenha a mesma chance de ser incluido em ambos os grupos   Eficácia do tratamento  Custo, Ética, N   Meta-Análise
  • 46.  Revisões Sistemáticas da Literatura / Meta-Análises   responder a uma pergunta específica  Análise estatística (Meta-Análise)  Levantamento bibliográfico  avaliação crítica  interpretação dos dados  Seleção dos estudos:  Terapeutica  ECR  FR  Caso Controle ou Coorte
  • 47. “A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original”
  • 48.  Exercício da medicina  manter-se o mais atualizado possível (livros X artigos) + saber reconhecer as melhores evidências e interpretá-las com visão crítica  Artigos: relevância / rigor metodológico  resposta adequada e confiável ao questionamento clínico?  Medicina Baseada em Evidência
  • 49.  Uso consciente, explícito e criterioso da melhor evidência disponível na literatura para se identificar que tratamentos e opções devem ser oferecidos e discutidos com os pacientes.
  • 50.  Uso consciente, explícito e criterioso da melhor evidência disponível na literatura para se identificar que tratamentos e opções devem ser oferecidos e discutidos com os pacientes.   Pesquisas clínicas, com metodologia adequadas, em que foram abordadas questões relevantes na prática médica, como a acurácia e a precisão de testes diagnósticos, ou a eficácia e segurança de intervenções terapeuticas e preventivas.
  • 51. Como aplicar:  Fazer um questionamento clínico (dúvida)  Busca na literatura por artigos relevantes que possam responder a esse questionamento  Avaliação crítica das evidências disponíveis nos artigos encontrados  Implementar as melhores eviências na prática clínica
  • 52.  Avaliação crítica da literatura: avaliar a literatura quanto a sua utilidade e aplicabilidade.  Verificar se os resultados do estudo são válidos, e o quanto são significativos. Evoluir de um observador passivo  leitor ativo e crítico das evidências  reconhec er pontos fortes e fracos dos artigos
  • 53. Os resultados do estudo são válidos? 
  • 54. Os resultados do estudo são válidos?  Questionamento bem estruturado? (população; intervenção; comparação; desfecho)
  • 55.  Uso consciente, explícito e criterioso da melhor evidência disponível na literatura para se identificar que tratamentos e opções devem ser oferecidos e discutidos com os pacientes.