SlideShare uma empresa Scribd logo
Programa Doutoral em Multimédia em EducaçãoDepartamento de EducaçãoDepartamento de Comunicação e ArteMetodologias de InvestigaçãoAnálise e Tratamento de DadosTrabalho realizado por: Carlota Lemos, Cláudia Cruz, Isabel Araújo, Luís Pereira eLurdes Martins16 de Abril de 2010
ÍndiceConceito de análise de dados1234567Modelo Positivista/ConstrutivistaAnálise quantitativaAnálise qualitativaAnálise MistaTriangulaçãoProposta de Actividade
Análise de dadosOQUE É ?
Análise de dadosA análise de dados pode ser encarada como "a processofinspecting, cleaning, transforming, andmodelingdata withthegoalofhighlightingusefulinformation, suggestingconclusions, andsupportingdecisionmaking. Data analysishasmultiplefacetsandapproaches, encompassingdiversetechniquesunder a varietyofnames, indifferentbusiness, science, and social sciencedomains.“WikipédiaA análise de dados é um “processo de busca e de organização sistemático de (…) materiais que foram sendo acumulados, com o objectivo de aumentar a sua própria compreensão”. Bogdan e Biklen (1991, p. 205)
Análise de dadosDependeObjectivos de investigação Problema Paradigma de investigação Modelos de  análise
Modelos dominantes de análise dos fenómenos sociaispositivista construtivista  positivistaconstrutivistabaseia-se em factos observáveis, factos e valores são independentes;
não existe interferência do investigador;
a generalização de tempo e contexto é possível, sendo possível formular leis gerais;
a argumentação vai do geral para o particular.
a realidade é múltipla e construída, factos e valores estão interligados;
a generalização de tempo e contexto é impossível;
a argumentação vai do particular para o geral.Teresa Duarte (2009)
Modelos dominantes de análise dos fenómenos sociaispositivista construtivista  Metodologia de investigação de vertente epistemológica positivista-metodologiaquantitativa
Metodologia de investigação de vertente epistemológica construtivista-metodologia qualitativaSegundo Reichardt e Cook (1986), citados por Carmo e Ferreira (1998)o paradigma qualitativo requer uma concepção global fenomenológica, indutiva, estruturalista, subjectiva que se orienta para o processo, sendo importante o contexto de acção.paradigma quantitativo é orientado por uma concepção global positivista, hipotético-dedutiva, particularista, orientando-se, essencialmente, para os resultados.
Análise quantitativaCarmo &Ferreira (1998)Ligação entre os Métodos Quantitativos e a investigação experimental ou quasi-experimental, o que pressupõe:Observação de fenómenos; Formulação de hipóteses explicativas desses fenómenos;Controlo de variáveis;Selecção aleatória dos sujeitos de investigação  (amostragem);Verificação ou rejeição das hipóteses mediante  recolha rigorosa de dados, sujeitos, depois, a uma análise estatística e uma utilização de modelos matemáticos para testar essas mesmas hipóteses.
Análise quantitativaa) elaborar um registo/diário completo de todos os sujeitos abordados para participar no estudo.Realiza-se através da utilização de programas de base de dados (Excel, Acess, SPSS) que permitam definir a gama, formatos e tipos de dados que podem ser aceites em determinados campos. - Seleccionar a relevância dos dados logo após a sua recolha antes do registo- Analisar as respostas;- Averiguar se se encontram dentro dos limites aceitáveis para o estudo; - Ver se as respostas são completas; - Verificar se toda a informação foi incluída.b) Acompanhamento, sistema para seguir os sujeitos e dar ao investigador informações actualizadas sobre o estado geral do estudo.5 - Transformar dados4 - Inserir dados3 - Construir uma base de dados2- Seleccionar dados1- Registar e seguir dadosa) Identificação e codificação de valores em falta - ignorar os casos de variáveis em falta e tratá-los como estando em branco;b) Computar totais e novas variáveis;c) Reverter itens de escalas;d) Recodificar variáveis – recodificar em categorias  pode facilitar a análise e interpretação de variáveis.De modo a dar uma descrição completa e clara das variáveis que vão ser incluídas na base de dados.
Análise quantitativa - estatística descritiva A estatística descritiva é utilizada quando se deseja apresentar as descrições dos dados observados.construção de tabelas, gráficos, análise das não respostas, identificação de observações aberrantesrecolha, classificação e organização de dadosContagem de frequênciacálculo de medidas de dispersão ou variabilidade: amplitude total, desvio médio ou desvio padrãocálculo de medidas de localização ou de tendência central: média, moda e mediana
Análise quantitativa - estatística inferencialA inferência estatística ultrapassa o nível de descrição, permite estimar as características desconhecidas de uma população, mesmo que a população não tenha sido analisada na totalidade, e testar se são plausíveis determinadas hipóteses formuladas sobre essas características. objectivofazer previsões a partir da parte para o todo, ou seja, com base na análise de um conjunto limitado de alguns dados recolhidos (amostra) junto de um conjunto total de indivíduos (população), pretende-se caracterizar a população.
Análise quantitativa - estatística inferencial Norton (2009) refere 3 testes: os testes para correlações, os testes de diferenças de média e os testes de ajustamento. Os testes podem-se dividir em paramétricos e não paramétricos. ParamétricosNãoparamétricos<-  os dados não têm um verdadeiro valor numérico (escalas de Likert) ;- a dispersão dos dados indica uma grande variabilidade;- o tamanho da amostra é pequeno ou desigual.- os dados têm um verdadeiro valor numérico;- os dados na amostra/s se encontram agrupados em torno da média ou de medidas de tendência central (homogeneidade);- os tamanhos das amostras são grandes e aproximadamente iguais.Os testes paramétricos são mais poderosos. Devem ser usados quando as distribuições são normais e os desvios-padrão das amostras semelhantes, senão utilizar testes não paramétricos.
Análise quantitativa - testes mais utilizadosCoeficiente de correlação de PearsonTestes de CorrelaçãoANOVAMANOVARó de SpearmanTestes de diferença de média para grupos independentesTeste de WilcoxonTestes de diferença  de médias para amostras emparelhadas (medidas repetidas)Teste tTeste deMann-WhitneyTeste T-StudentTeste do sinalTestes de ajustamentoTeste Qui-quadradoTeste de Fisher
Análise QualitativaAfonso (2005) “Processo muito mais ambíguo, moroso e reflexivo, que se concretiza numa lógica de crescimento e aperfeiçoamento”.Consubstancia –se em três fases:Descrição – recursoàs palavras para reproduzir uma imagem mental, experiência, emoção, situação, etc.Estruturação conceptual – estruturação dos dados em categorias específicas, organizadas em função das suas especificidades.Teorização – “a teorização não consiste só na produção e intuição de conceitos e sua formulação num esquema lógico, sistemático e explicativo. Inclui também as considerações das implicações desse esquema, a organização de trabalho empírico para atestar essas implicações, e o confronto entre os esquemas conceptuais que vão sendo elaborados e os novos dados que vão sendo recolhidos, com o objectivo de consolidar a teoria em construção” .
Análise QualitativaAfonso (2005) Alude ao plano apresentado por Marshall e Rossman (1999), concretizado em seis fases:
Análise QualitativaBogdan e Biklen (1991)Existem diversas formas de trabalhar os dados resultantes da investigação qualitativa.Dois tipos de abordagemAnálise concomitante com a recolha de dadosAnálise após a recolha de dados
Análise concomitante com a recolha de dadosBogdan e Biklen (1991)1Fazer escolhas que contribuam para afunilar o âmbito do estudo e recolher dados mais precisos e centrados num contexto ou sujeito(s) específico(s);Optar por um modelo investigativo;23Elaborar questões de natureza aberta e analítica, mais orientadas para processos e significados do que para aspectos como causas ou efeitos;Planificar as sessões de recolha de dados no sentido de dar resposta ao que aindanão se sabe e se pretende saber;45Registar notas / comentários e especular de modo a estimular o pensamento críticosobre o que observa;
Análise concomitante com a recolha de dadosBogdan e Biklen (1991)6Redacção periódica de memorandos, num estilo informal e livre, de modo aestabelecer ligações entre os dados que observou e as suas notas / comentários;Confrontar os sujeitos observados ou, segundo os autores, “informadores-chave”, com a informação recolhida, no sentido de estes validarem os dados;7Proceder à revisão da literatura paralelamente ao trabalho de campo;8Expandir os horizontes analíticos através da utilização de metáforas;9Utilizar auxiliares visuais como diagramas, tabelas e matrizes, que poderão facilitar o processo de análise.10
Análise após a recolha de dadosBogdan e Biklen (1991)Organizar a informação de acordo com um esquema que tem de ser desenvolvido, denominado por categorias de codificação, para tal  procede-se a:21Procura de regularidades, temas recorrentes, padrõesCriação de categorias de codificaçãoAnáliseapósaRecolha de dados3Organização da informação de acordo com as categorias de codificação
Análise QualitativaQuivy (2008) O objectivo de uma investigação é responder a um problema. Para tal, começa-se por formular hipóteses e efectuar observações inerentes a essas hipóteses.Neste sentido, distinguem-se:Análise  da  informaçãoOperações necessárias a essa análisePrincipais métodos de análise
Análise QualitativaQuivy (2008) Fase I: análise da informação:Verificação empírica de modo a verificar se os resultados obtidos correspondem aos resultados esperados pela hipótese. Interpretação de factos inesperados e rever ou afinar as hipóteses de modo a poderem tirar-se conclusões. 
Análise QualitativaQuivy (2008) Fase II: operações da análise das informação:Descrição e preparação dos dados necessários para testar as hipóteses com a ajuda de quadros,  gráficos e medidas descritivas (média, desvio padrão e mediana) com o  objectivo de evidenciar as características da distribuição da variável.Análise das relações entre variáveis consiste em  relacionar as variáveis correspondentes aos termos das  hipóteses (conceitos, dimensões, indicadores ou atributos).Comparação dos resultados observados com os resultados esperados a partir das hipóteses pois as conclusões tiram-se da comparação entre os resultados esperados a  partir da hipótese e os resultados observados que resultam  das  operações anteriores.
Análise QualitativaQuivy (2008) Fase III: principais métodos de análisea análise de conteúdo - permite tratar de forma  organizada informações e testemunhos que  apresentam um certo grau de  profundidade e complexidade (por exemplo, relatórios de entrevistas  pouco directivas).
Métodos de análise de conteúdo (categorias)Quivy (2008) análises temáticas    - a análise categorial - consiste em calcular e comparar as  frequências de certas características previamente agrupadas em  categorias significativas.    - análise da avaliação -recai sobre juízos expressos  pelo locutor, calculando-se a frequência dos diferentes juízos,assim   como a sua direcção (juízo positivo ou negativo) e a sua intensidade. análises formais     - a análise da expressão - forma da comunicação;     - análise da enunciação - recai sobre o discurso e na sua   própria dinâmica. análises estruturais    - a análise de co-ocorrências – estuda as associações de  temas informando acerca  de  estruturas mentais e ideológicas ou preocupações dissimuladas;     - a análise estrutural - estuda os princípios que  organizam os elementos do discurso.
Análise de conteúdoQuivy (2008) principais vantagens:- São  adequados a estudos onde se pretende analisar informação implícita;- Obrigam o investigador a afastar-se de interpretações instantâneas, - Permitem um controle posterior do trabalho, - Não prejudicam a profundidade e criatividade do investigador.limites e problemas- É difícil de generalizar;- Alguns métodos de análise de conteúdos são muito simplistas, como a análise categorial, onde muitas investigações não se adaptam, tendo-se que optar por outro método, ou utilizar vários.- A análise avaliativa é muito laboriosa e exige muito tempo e meios necessários para atingir os objectivos, pelo que se deve ponderar a sua escolha.- A análise de conteúdo tem muita aplicabilidade, no entanto não existe um, mas vários métodos de análise de conteúdos.
Análise de qualitativaCasos particularesInvestigação - acçãoEstudo de caso
Análise Qualitativa: investigação - acçãoStringer (2007)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
Tipos De Estudo
Tipos De EstudoTipos De Estudo
Tipos De Estudo
Eduardo Vilas Boas
 
Pesquisas qualitativa e quantitativa
Pesquisas qualitativa e quantitativaPesquisas qualitativa e quantitativa
Pesquisas qualitativa e quantitativa
Taïs Bressane
 
análise de conteudo
análise de conteudoanálise de conteudo
análise de conteudo
Albino Ferreira
 
Análise e interpratação dos dados
Análise e interpratação dos dadosAnálise e interpratação dos dados
Análise e interpratação dos dados
Adamo Cruz
 
Aula mestrado
Aula mestradoAula mestrado
Aula mestrado
Breno Cruz
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
Joao Balbi
 
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUAL...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUAL...DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUAL...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUAL...
Marcus Bizareli
 
Pesquisa com métodos quantitativos
Pesquisa com métodos quantitativosPesquisa com métodos quantitativos
Pesquisa com métodos quantitativos
Ivan Ricarte
 
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva MuñozTCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
Arlei Mosmann
 
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA  E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA  E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
Marcus Bizareli
 
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativosIntrodução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Leticia Strehl
 
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua PortuguesaMetodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Brunno Hofmann
 
Pesquisa metodologia 2
Pesquisa metodologia 2Pesquisa metodologia 2
Pesquisa metodologia 2
Moises Ribeiro
 
Analisando os dados coletados [modo de compatibilidade]
Analisando os dados coletados [modo de compatibilidade]Analisando os dados coletados [modo de compatibilidade]
Analisando os dados coletados [modo de compatibilidade]
PUC Minas - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
 
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de DadosAula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
Henrique Morais
 
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
Capítulo 5   instrumentos de pesquisaCapítulo 5   instrumentos de pesquisa
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
Sandra Pereira
 
Tipos de pesquisa
Tipos de pesquisaTipos de pesquisa
Tipos de pesquisa
Andreza Patrícia Martins
 

Mais procurados (19)

19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
Tipos De Estudo
Tipos De EstudoTipos De Estudo
Tipos De Estudo
 
Pesquisas qualitativa e quantitativa
Pesquisas qualitativa e quantitativaPesquisas qualitativa e quantitativa
Pesquisas qualitativa e quantitativa
 
análise de conteudo
análise de conteudoanálise de conteudo
análise de conteudo
 
Análise e interpratação dos dados
Análise e interpratação dos dadosAnálise e interpratação dos dados
Análise e interpratação dos dados
 
Aula mestrado
Aula mestradoAula mestrado
Aula mestrado
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUAL...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUAL...DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUAL...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUAL...
 
Pesquisa com métodos quantitativos
Pesquisa com métodos quantitativosPesquisa com métodos quantitativos
Pesquisa com métodos quantitativos
 
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva MuñozTCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
TCC: Métodos e Resultados - Profa. Rilva Muñoz
 
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
 
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA  E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA  E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
DA OBSERVAÇÃO À DECISÃO: MÉTODOS DE PESQUISA E DE ANÁLISE QUANTITATIVA E QUA...
 
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativosIntrodução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
Introdução aos métodos de pesquisa. 2, Métodos quaNTItativos
 
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua PortuguesaMetodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
Metodologia no Artigo Acadêmico - Seminário Língua Portuguesa
 
Pesquisa metodologia 2
Pesquisa metodologia 2Pesquisa metodologia 2
Pesquisa metodologia 2
 
Analisando os dados coletados [modo de compatibilidade]
Analisando os dados coletados [modo de compatibilidade]Analisando os dados coletados [modo de compatibilidade]
Analisando os dados coletados [modo de compatibilidade]
 
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de DadosAula 01 - Métodos de Análise de Dados
Aula 01 - Métodos de Análise de Dados
 
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
Capítulo 5   instrumentos de pesquisaCapítulo 5   instrumentos de pesquisa
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
 
Tipos de pesquisa
Tipos de pesquisaTipos de pesquisa
Tipos de pesquisa
 

Destaque

Seminário doutoral sobre ontologia_epistemologia_metodologia_Monteiro de Barr...
Seminário doutoral sobre ontologia_epistemologia_metodologia_Monteiro de Barr...Seminário doutoral sobre ontologia_epistemologia_metodologia_Monteiro de Barr...
Seminário doutoral sobre ontologia_epistemologia_metodologia_Monteiro de Barr...
Margarida Monteiro de Barros
 
6 Passos de uma análise quantitativa - Dados Demais
6 Passos de uma análise quantitativa - Dados Demais6 Passos de uma análise quantitativa - Dados Demais
6 Passos de uma análise quantitativa - Dados Demais
Laboratório de Políticas Públicas Participativas
 
Técnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dadosTécnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dados
Raquel Stela de Sá
 
1e2 ef mat_tarde
1e2 ef mat_tarde1e2 ef mat_tarde
1e2 ef mat_tarde
Carine Franco
 
Etapas do processo de investigação
Etapas do processo de investigaçãoEtapas do processo de investigação
Etapas do processo de investigação
Liliana
 
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
TheBreakingHell
 
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
Ana Isabel Falé
 
Fases processo investigacao
Fases processo investigacaoFases processo investigacao
Fases processo investigacao
isa
 
Trabalho grupo Metodologias de Investigação I.
Trabalho grupo Metodologias de Investigação I.Trabalho grupo Metodologias de Investigação I.
Trabalho grupo Metodologias de Investigação I.
Ricardo da Palma
 
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de SurtoApresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
Wanderson Oliveira
 
Observação
ObservaçãoObservação
O processo de recolha de dados - entrevista
O processo de recolha de dados - entrevistaO processo de recolha de dados - entrevista
O processo de recolha de dados - entrevista
Serafina Roque
 
Metodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoMetodologias de investigação
Metodologias de investigação
Luis Pedro
 
5º ano aval. diag. mat.
5º ano   aval. diag. mat.5º ano   aval. diag. mat.
5º ano aval. diag. mat.
Cida Carvalho
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativa
Fernando Dantas
 
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de CasoMétodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
João Uchôa
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
1721lab
 
Metodologias de Investigação
Metodologias de InvestigaçãoMetodologias de Investigação
Metodologias de Investigação
Luís Miguel Rodrigues
 

Destaque (18)

Seminário doutoral sobre ontologia_epistemologia_metodologia_Monteiro de Barr...
Seminário doutoral sobre ontologia_epistemologia_metodologia_Monteiro de Barr...Seminário doutoral sobre ontologia_epistemologia_metodologia_Monteiro de Barr...
Seminário doutoral sobre ontologia_epistemologia_metodologia_Monteiro de Barr...
 
6 Passos de uma análise quantitativa - Dados Demais
6 Passos de uma análise quantitativa - Dados Demais6 Passos de uma análise quantitativa - Dados Demais
6 Passos de uma análise quantitativa - Dados Demais
 
Técnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dadosTécnicas para a coleta de dados
Técnicas para a coleta de dados
 
1e2 ef mat_tarde
1e2 ef mat_tarde1e2 ef mat_tarde
1e2 ef mat_tarde
 
Etapas do processo de investigação
Etapas do processo de investigaçãoEtapas do processo de investigação
Etapas do processo de investigação
 
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
Natalidade e fecundidade - trabalho de sociologia - e1
 
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola   relat+¦rio fin...
An+ílise sociol+¦gica da indisciplina e viol+¬ncia na escola relat+¦rio fin...
 
Fases processo investigacao
Fases processo investigacaoFases processo investigacao
Fases processo investigacao
 
Trabalho grupo Metodologias de Investigação I.
Trabalho grupo Metodologias de Investigação I.Trabalho grupo Metodologias de Investigação I.
Trabalho grupo Metodologias de Investigação I.
 
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de SurtoApresentação: Etapas da Investigação de Surto
Apresentação: Etapas da Investigação de Surto
 
Observação
ObservaçãoObservação
Observação
 
O processo de recolha de dados - entrevista
O processo de recolha de dados - entrevistaO processo de recolha de dados - entrevista
O processo de recolha de dados - entrevista
 
Metodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoMetodologias de investigação
Metodologias de investigação
 
5º ano aval. diag. mat.
5º ano   aval. diag. mat.5º ano   aval. diag. mat.
5º ano aval. diag. mat.
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativa
 
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de CasoMétodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
Métodos e Técnicas de Pesquisa: O Estudo de Caso
 
Trabalho de estatística
Trabalho de estatísticaTrabalho de estatística
Trabalho de estatística
 
Metodologias de Investigação
Metodologias de InvestigaçãoMetodologias de Investigação
Metodologias de Investigação
 

Semelhante a Analise de dados ccill end

analise_e_coleta_dados.pptx
analise_e_coleta_dados.pptxanalise_e_coleta_dados.pptx
analise_e_coleta_dados.pptx
Agostinho9
 
Profsidineiindoleonardo 6m1
Profsidineiindoleonardo 6m1Profsidineiindoleonardo 6m1
Profsidineiindoleonardo 6m1
carolineborba
 
Pos aula - quantitativo xqualitativo
Pos aula - quantitativo xqualitativoPos aula - quantitativo xqualitativo
Pos aula - quantitativo xqualitativo
T Viana
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
Joao Balbi
 
51048512 aula-metodologia-1
51048512 aula-metodologia-151048512 aula-metodologia-1
51048512 aula-metodologia-1
Stella Maria Maffra
 
Metodologia Científica
Metodologia CientíficaMetodologia Científica
Metodologia Científica
CEPPAD/UFPR
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
Joao Mattar
 
Conceitos iniciais
Conceitos iniciaisConceitos iniciais
Conceitos iniciais
Taiane Baldin
 
Apresentacao quanti v4
Apresentacao quanti v4Apresentacao quanti v4
Apresentacao quanti v4
Procambiental
 
Aula de Estatística para 9º ano - Matemática
Aula de Estatística para 9º ano - MatemáticaAula de Estatística para 9º ano - Matemática
Aula de Estatística para 9º ano - Matemática
MarianaBarbosaDeOliv5
 
Métodos e técnicas em ciências sociais
Métodos e técnicas em ciências sociaisMétodos e técnicas em ciências sociais
Métodos e técnicas em ciências sociais
turma12c1617
 
Objeto de Aprendizagem
Objeto de AprendizagemObjeto de Aprendizagem
Objeto de Aprendizagem
Julianacaveari
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
EstatíStica Aula 00
EstatíStica Aula 00EstatíStica Aula 00
EstatíStica Aula 00
educacao f
 
Métodos de pesquisa: survey
Métodos de pesquisa: surveyMétodos de pesquisa: survey
Métodos de pesquisa: survey
Aristides Faria
 
Metanálise
MetanáliseMetanálise
Fase dmetodologia da monorafiaa metodologia da monorafia.pdf
Fase dmetodologia da monorafiaa metodologia da monorafia.pdfFase dmetodologia da monorafiaa metodologia da monorafia.pdf
Fase dmetodologia da monorafiaa metodologia da monorafia.pdf
mrhelioGuambe
 
Métodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoMétodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigação
Leonor Alves
 
Aula 01- Probabilidade e Estatística.pdf
Aula 01- Probabilidade e Estatística.pdfAula 01- Probabilidade e Estatística.pdf
Aula 01- Probabilidade e Estatística.pdf
SandroGomes81
 
Seminários integrados aula #1
Seminários integrados aula #1Seminários integrados aula #1
Seminários integrados aula #1
Caroline R. Cardoso
 

Semelhante a Analise de dados ccill end (20)

analise_e_coleta_dados.pptx
analise_e_coleta_dados.pptxanalise_e_coleta_dados.pptx
analise_e_coleta_dados.pptx
 
Profsidineiindoleonardo 6m1
Profsidineiindoleonardo 6m1Profsidineiindoleonardo 6m1
Profsidineiindoleonardo 6m1
 
Pos aula - quantitativo xqualitativo
Pos aula - quantitativo xqualitativoPos aula - quantitativo xqualitativo
Pos aula - quantitativo xqualitativo
 
19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia19 elaboração da metodologia
19 elaboração da metodologia
 
51048512 aula-metodologia-1
51048512 aula-metodologia-151048512 aula-metodologia-1
51048512 aula-metodologia-1
 
Metodologia Científica
Metodologia CientíficaMetodologia Científica
Metodologia Científica
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Conceitos iniciais
Conceitos iniciaisConceitos iniciais
Conceitos iniciais
 
Apresentacao quanti v4
Apresentacao quanti v4Apresentacao quanti v4
Apresentacao quanti v4
 
Aula de Estatística para 9º ano - Matemática
Aula de Estatística para 9º ano - MatemáticaAula de Estatística para 9º ano - Matemática
Aula de Estatística para 9º ano - Matemática
 
Métodos e técnicas em ciências sociais
Métodos e técnicas em ciências sociaisMétodos e técnicas em ciências sociais
Métodos e técnicas em ciências sociais
 
Objeto de Aprendizagem
Objeto de AprendizagemObjeto de Aprendizagem
Objeto de Aprendizagem
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
EstatíStica Aula 00
EstatíStica Aula 00EstatíStica Aula 00
EstatíStica Aula 00
 
Métodos de pesquisa: survey
Métodos de pesquisa: surveyMétodos de pesquisa: survey
Métodos de pesquisa: survey
 
Metanálise
MetanáliseMetanálise
Metanálise
 
Fase dmetodologia da monorafiaa metodologia da monorafia.pdf
Fase dmetodologia da monorafiaa metodologia da monorafia.pdfFase dmetodologia da monorafiaa metodologia da monorafia.pdf
Fase dmetodologia da monorafiaa metodologia da monorafia.pdf
 
Métodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoMétodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigação
 
Aula 01- Probabilidade e Estatística.pdf
Aula 01- Probabilidade e Estatística.pdfAula 01- Probabilidade e Estatística.pdf
Aula 01- Probabilidade e Estatística.pdf
 
Seminários integrados aula #1
Seminários integrados aula #1Seminários integrados aula #1
Seminários integrados aula #1
 

Mais de cruz ant

Cartazes alunos 8º ano
Cartazes alunos 8º anoCartazes alunos 8º ano
Cartazes alunos 8º ano
cruz ant
 
Pegada ecologica 2
Pegada ecologica 2Pegada ecologica 2
Pegada ecologica 2
cruz ant
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
cruz ant
 
Pegada ecologica 2
Pegada ecologica 2Pegada ecologica 2
Pegada ecologica 2
cruz ant
 
Floresta autóctone
Floresta autóctoneFloresta autóctone
Floresta autóctone
cruz ant
 
Apresentação de CILL
Apresentação de CILLApresentação de CILL
Apresentação de CILL
cruz ant
 

Mais de cruz ant (6)

Cartazes alunos 8º ano
Cartazes alunos 8º anoCartazes alunos 8º ano
Cartazes alunos 8º ano
 
Pegada ecologica 2
Pegada ecologica 2Pegada ecologica 2
Pegada ecologica 2
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Pegada ecologica 2
Pegada ecologica 2Pegada ecologica 2
Pegada ecologica 2
 
Floresta autóctone
Floresta autóctoneFloresta autóctone
Floresta autóctone
 
Apresentação de CILL
Apresentação de CILLApresentação de CILL
Apresentação de CILL
 

Analise de dados ccill end

  • 1. Programa Doutoral em Multimédia em EducaçãoDepartamento de EducaçãoDepartamento de Comunicação e ArteMetodologias de InvestigaçãoAnálise e Tratamento de DadosTrabalho realizado por: Carlota Lemos, Cláudia Cruz, Isabel Araújo, Luís Pereira eLurdes Martins16 de Abril de 2010
  • 2. ÍndiceConceito de análise de dados1234567Modelo Positivista/ConstrutivistaAnálise quantitativaAnálise qualitativaAnálise MistaTriangulaçãoProposta de Actividade
  • 4. Análise de dadosA análise de dados pode ser encarada como "a processofinspecting, cleaning, transforming, andmodelingdata withthegoalofhighlightingusefulinformation, suggestingconclusions, andsupportingdecisionmaking. Data analysishasmultiplefacetsandapproaches, encompassingdiversetechniquesunder a varietyofnames, indifferentbusiness, science, and social sciencedomains.“WikipédiaA análise de dados é um “processo de busca e de organização sistemático de (…) materiais que foram sendo acumulados, com o objectivo de aumentar a sua própria compreensão”. Bogdan e Biklen (1991, p. 205)
  • 5. Análise de dadosDependeObjectivos de investigação Problema Paradigma de investigação Modelos de análise
  • 6. Modelos dominantes de análise dos fenómenos sociaispositivista construtivista  positivistaconstrutivistabaseia-se em factos observáveis, factos e valores são independentes;
  • 7. não existe interferência do investigador;
  • 8. a generalização de tempo e contexto é possível, sendo possível formular leis gerais;
  • 9. a argumentação vai do geral para o particular.
  • 10. a realidade é múltipla e construída, factos e valores estão interligados;
  • 11. a generalização de tempo e contexto é impossível;
  • 12. a argumentação vai do particular para o geral.Teresa Duarte (2009)
  • 13. Modelos dominantes de análise dos fenómenos sociaispositivista construtivista  Metodologia de investigação de vertente epistemológica positivista-metodologiaquantitativa
  • 14. Metodologia de investigação de vertente epistemológica construtivista-metodologia qualitativaSegundo Reichardt e Cook (1986), citados por Carmo e Ferreira (1998)o paradigma qualitativo requer uma concepção global fenomenológica, indutiva, estruturalista, subjectiva que se orienta para o processo, sendo importante o contexto de acção.paradigma quantitativo é orientado por uma concepção global positivista, hipotético-dedutiva, particularista, orientando-se, essencialmente, para os resultados.
  • 15. Análise quantitativaCarmo &Ferreira (1998)Ligação entre os Métodos Quantitativos e a investigação experimental ou quasi-experimental, o que pressupõe:Observação de fenómenos; Formulação de hipóteses explicativas desses fenómenos;Controlo de variáveis;Selecção aleatória dos sujeitos de investigação (amostragem);Verificação ou rejeição das hipóteses mediante recolha rigorosa de dados, sujeitos, depois, a uma análise estatística e uma utilização de modelos matemáticos para testar essas mesmas hipóteses.
  • 16. Análise quantitativaa) elaborar um registo/diário completo de todos os sujeitos abordados para participar no estudo.Realiza-se através da utilização de programas de base de dados (Excel, Acess, SPSS) que permitam definir a gama, formatos e tipos de dados que podem ser aceites em determinados campos. - Seleccionar a relevância dos dados logo após a sua recolha antes do registo- Analisar as respostas;- Averiguar se se encontram dentro dos limites aceitáveis para o estudo; - Ver se as respostas são completas; - Verificar se toda a informação foi incluída.b) Acompanhamento, sistema para seguir os sujeitos e dar ao investigador informações actualizadas sobre o estado geral do estudo.5 - Transformar dados4 - Inserir dados3 - Construir uma base de dados2- Seleccionar dados1- Registar e seguir dadosa) Identificação e codificação de valores em falta - ignorar os casos de variáveis em falta e tratá-los como estando em branco;b) Computar totais e novas variáveis;c) Reverter itens de escalas;d) Recodificar variáveis – recodificar em categorias pode facilitar a análise e interpretação de variáveis.De modo a dar uma descrição completa e clara das variáveis que vão ser incluídas na base de dados.
  • 17. Análise quantitativa - estatística descritiva A estatística descritiva é utilizada quando se deseja apresentar as descrições dos dados observados.construção de tabelas, gráficos, análise das não respostas, identificação de observações aberrantesrecolha, classificação e organização de dadosContagem de frequênciacálculo de medidas de dispersão ou variabilidade: amplitude total, desvio médio ou desvio padrãocálculo de medidas de localização ou de tendência central: média, moda e mediana
  • 18. Análise quantitativa - estatística inferencialA inferência estatística ultrapassa o nível de descrição, permite estimar as características desconhecidas de uma população, mesmo que a população não tenha sido analisada na totalidade, e testar se são plausíveis determinadas hipóteses formuladas sobre essas características. objectivofazer previsões a partir da parte para o todo, ou seja, com base na análise de um conjunto limitado de alguns dados recolhidos (amostra) junto de um conjunto total de indivíduos (população), pretende-se caracterizar a população.
  • 19. Análise quantitativa - estatística inferencial Norton (2009) refere 3 testes: os testes para correlações, os testes de diferenças de média e os testes de ajustamento. Os testes podem-se dividir em paramétricos e não paramétricos. ParamétricosNãoparamétricos<- os dados não têm um verdadeiro valor numérico (escalas de Likert) ;- a dispersão dos dados indica uma grande variabilidade;- o tamanho da amostra é pequeno ou desigual.- os dados têm um verdadeiro valor numérico;- os dados na amostra/s se encontram agrupados em torno da média ou de medidas de tendência central (homogeneidade);- os tamanhos das amostras são grandes e aproximadamente iguais.Os testes paramétricos são mais poderosos. Devem ser usados quando as distribuições são normais e os desvios-padrão das amostras semelhantes, senão utilizar testes não paramétricos.
  • 20. Análise quantitativa - testes mais utilizadosCoeficiente de correlação de PearsonTestes de CorrelaçãoANOVAMANOVARó de SpearmanTestes de diferença de média para grupos independentesTeste de WilcoxonTestes de diferença de médias para amostras emparelhadas (medidas repetidas)Teste tTeste deMann-WhitneyTeste T-StudentTeste do sinalTestes de ajustamentoTeste Qui-quadradoTeste de Fisher
  • 21. Análise QualitativaAfonso (2005) “Processo muito mais ambíguo, moroso e reflexivo, que se concretiza numa lógica de crescimento e aperfeiçoamento”.Consubstancia –se em três fases:Descrição – recursoàs palavras para reproduzir uma imagem mental, experiência, emoção, situação, etc.Estruturação conceptual – estruturação dos dados em categorias específicas, organizadas em função das suas especificidades.Teorização – “a teorização não consiste só na produção e intuição de conceitos e sua formulação num esquema lógico, sistemático e explicativo. Inclui também as considerações das implicações desse esquema, a organização de trabalho empírico para atestar essas implicações, e o confronto entre os esquemas conceptuais que vão sendo elaborados e os novos dados que vão sendo recolhidos, com o objectivo de consolidar a teoria em construção” .
  • 22. Análise QualitativaAfonso (2005) Alude ao plano apresentado por Marshall e Rossman (1999), concretizado em seis fases:
  • 23. Análise QualitativaBogdan e Biklen (1991)Existem diversas formas de trabalhar os dados resultantes da investigação qualitativa.Dois tipos de abordagemAnálise concomitante com a recolha de dadosAnálise após a recolha de dados
  • 24. Análise concomitante com a recolha de dadosBogdan e Biklen (1991)1Fazer escolhas que contribuam para afunilar o âmbito do estudo e recolher dados mais precisos e centrados num contexto ou sujeito(s) específico(s);Optar por um modelo investigativo;23Elaborar questões de natureza aberta e analítica, mais orientadas para processos e significados do que para aspectos como causas ou efeitos;Planificar as sessões de recolha de dados no sentido de dar resposta ao que aindanão se sabe e se pretende saber;45Registar notas / comentários e especular de modo a estimular o pensamento críticosobre o que observa;
  • 25. Análise concomitante com a recolha de dadosBogdan e Biklen (1991)6Redacção periódica de memorandos, num estilo informal e livre, de modo aestabelecer ligações entre os dados que observou e as suas notas / comentários;Confrontar os sujeitos observados ou, segundo os autores, “informadores-chave”, com a informação recolhida, no sentido de estes validarem os dados;7Proceder à revisão da literatura paralelamente ao trabalho de campo;8Expandir os horizontes analíticos através da utilização de metáforas;9Utilizar auxiliares visuais como diagramas, tabelas e matrizes, que poderão facilitar o processo de análise.10
  • 26. Análise após a recolha de dadosBogdan e Biklen (1991)Organizar a informação de acordo com um esquema que tem de ser desenvolvido, denominado por categorias de codificação, para tal procede-se a:21Procura de regularidades, temas recorrentes, padrõesCriação de categorias de codificaçãoAnáliseapósaRecolha de dados3Organização da informação de acordo com as categorias de codificação
  • 27. Análise QualitativaQuivy (2008) O objectivo de uma investigação é responder a um problema. Para tal, começa-se por formular hipóteses e efectuar observações inerentes a essas hipóteses.Neste sentido, distinguem-se:Análise da informaçãoOperações necessárias a essa análisePrincipais métodos de análise
  • 28. Análise QualitativaQuivy (2008) Fase I: análise da informação:Verificação empírica de modo a verificar se os resultados obtidos correspondem aos resultados esperados pela hipótese. Interpretação de factos inesperados e rever ou afinar as hipóteses de modo a poderem tirar-se conclusões. 
  • 29. Análise QualitativaQuivy (2008) Fase II: operações da análise das informação:Descrição e preparação dos dados necessários para testar as hipóteses com a ajuda de quadros,  gráficos e medidas descritivas (média, desvio padrão e mediana) com o  objectivo de evidenciar as características da distribuição da variável.Análise das relações entre variáveis consiste em  relacionar as variáveis correspondentes aos termos das  hipóteses (conceitos, dimensões, indicadores ou atributos).Comparação dos resultados observados com os resultados esperados a partir das hipóteses pois as conclusões tiram-se da comparação entre os resultados esperados a  partir da hipótese e os resultados observados que resultam  das  operações anteriores.
  • 30. Análise QualitativaQuivy (2008) Fase III: principais métodos de análisea análise de conteúdo - permite tratar de forma  organizada informações e testemunhos que  apresentam um certo grau de  profundidade e complexidade (por exemplo, relatórios de entrevistas  pouco directivas).
  • 31. Métodos de análise de conteúdo (categorias)Quivy (2008) análises temáticas    - a análise categorial - consiste em calcular e comparar as  frequências de certas características previamente agrupadas em  categorias significativas.    - análise da avaliação -recai sobre juízos expressos  pelo locutor, calculando-se a frequência dos diferentes juízos,assim   como a sua direcção (juízo positivo ou negativo) e a sua intensidade. análises formais     - a análise da expressão - forma da comunicação;     - análise da enunciação - recai sobre o discurso e na sua   própria dinâmica. análises estruturais    - a análise de co-ocorrências – estuda as associações de  temas informando acerca  de  estruturas mentais e ideológicas ou preocupações dissimuladas;     - a análise estrutural - estuda os princípios que  organizam os elementos do discurso.
  • 32. Análise de conteúdoQuivy (2008) principais vantagens:- São  adequados a estudos onde se pretende analisar informação implícita;- Obrigam o investigador a afastar-se de interpretações instantâneas, - Permitem um controle posterior do trabalho, - Não prejudicam a profundidade e criatividade do investigador.limites e problemas- É difícil de generalizar;- Alguns métodos de análise de conteúdos são muito simplistas, como a análise categorial, onde muitas investigações não se adaptam, tendo-se que optar por outro método, ou utilizar vários.- A análise avaliativa é muito laboriosa e exige muito tempo e meios necessários para atingir os objectivos, pelo que se deve ponderar a sua escolha.- A análise de conteúdo tem muita aplicabilidade, no entanto não existe um, mas vários métodos de análise de conteúdos.
  • 33. Análise de qualitativaCasos particularesInvestigação - acçãoEstudo de caso
  • 34. Análise Qualitativa: investigação - acçãoStringer (2007)
  • 35. Análise Qualitativa: estudo de casoStake (2009)
  • 36. Análise MistaSandelowski(2000) sugere que o método misto, ou seja a combinação de amostragens, recolha e análise de dados de tipo qualitativo e de tipo quantitativo é uma opção a ter em conta se queremos expandir a abrangência do nosso estudo ou se queremos aumentar o seu poder analítico. Formas de combinar diferentes técnicas de análise de dados:1. Ligar/relacionar conjuntos de dados qualitativos e quantitativos;2. Transformar os dados para criar um único conjunto de dados:Processo de “Quantitização” (Quantitizing);
  • 37. Processo de “Qualitificação” (Qualitizing)ModalMédiaComparativoNormativoHolísticoTashakkoriandTeddlie (citados em Sandelowski, 2000)
  • 38. TriangulaçãoA triangulação tem sido referida por vários autores como uma forma de: 
  • 39. Triangulação: protocolos/categorias(Denzin, 1989)Triangulação  das fontes de dados:  permite verificar se o  que estamos a observar e a relatar se mantém inalterado em circunstâncias diferentes (tempos, espaços e indivíduos).Triangulação  do investigador:  consiste em outros  investigadores observarem o mesmo fenómeno proporcionando o debate. Triangulação  da teoria: consiste  na utilização de  múltiplas  perspectivas. Diferentes  interpretações e significados  alternativos podem ajudar os leitores a  compreender o caso.Triangulação metodológica: consiste em utilizar várias   abordagens, que permitem realçar ou invalidar algumas influências exteriores. 
  • 40. Proposta de actividade Elaboração de um mapa conceptualSistematização dos conteúdos da wiki de forma colaborativa                Relacionar conceitos e informação                Promover o pensamento crítico                Promover a metacogniçãoMapas conceptuais -  “integratededucationalexperience   and a meansbywhich to enhancemeaningfullearning” (Irvine, 1995)“externalizethinking processes" (FacioneandFacione, 1996)
  • 41. Resultados da actividadefarmschool 2.0 (2010)Critical MAC (2010)
  • 42. Avaliação da actividadeOs dois grupos atingiram o objectivo da actividade proposta.Grupo farmschool 2.0 - focalização na parte introdutória,modelos de investigação, provavelmente pela aproximação do tema, revelando um conhecimento sólido da temática. Contudo, uma maior profundidade na sistematização da análise de dados propriamente dita enriqueceria  o mapa.O grupo Critical MAC - demonstrou um profundo conhecimento das metodologias de tratamento e análise de dados, relacionando os conceitos e as diferentes metodologias de análise de dados, conseguindo, a nosso ver, retratar a totalidade da informação disponível na wiki.