SlideShare uma empresa Scribd logo
72 O Instalador Jul'_Ago' 2018 www.oinstalador.com
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza,
Terra Viva
Ecosofia, Ecologia
Profunda e Ecologia Espiritual
perante a crise ambiental - Parte II
Textos e Fotos_Alcide Gonçalves [Arquiteta Paisagista] e Jorge Moreira [Ambientalista e Investigador]
Contribuiu ainda com fotos José Alex Gandum [Instalador]
Da Ciência Holística à
Espiritualidade
Um outro ponto largamente abordado foi
o contributo da ciência para a compreensão
dos fenómenos da vida. É o caso da Eco-
logia que nos mostra uma teia de vida que
tudo une, biota e abiota, patente no fluxo de
matéria e energia nos ecossistemas. Tam-
bém é verdade que a ciência cartesiana foi
co-responsável pelo paradigma insustentável
vigente. No entanto, tem surgido muitas evi-
dências científicas que dificilmente terão uma
apreensão total a partir do tradicional método
científico. Isto, por várias razões: 1. Temos
limitações cognitivas (baseadas nos sentidos
e na mente) e tecnológicas para “medir”
certos fenómenos; 2. Há uma influência entre
o observador e o objeto observado, pelo
que dificilmente conseguiremos a apreensão
espaço-temporal do objeto sem interferência
do observador; 3. Há propriedades emer-
gentes que só são detectadas no todo e
nunca nas partes constituintes isoladas; 4.
Existem estados amplamente alargados de
consciência, que dificilmente conseguem ser
transpostos para uma linguagem corrente ou
sequer provados. Mas isso não quer dizer
que não existam. Por exemplo estados mís-
ticos e holotrópicos - de plena compreensão
e comunhão com a vida. E já que falamos da
vida, existe um princípio intrínseco da vida,
que diferencia os seres “animados” da ma-
téria morta. Os constituintes de uma árvore
e da madeira são os mesmos, mas a árvore
tem algo que a “anima” e que é capaz de
se renovar. Esta vida não pode ser descrita
como algo meramente físico. No entanto,
essa vida “comanda” a matéria.
As teorias científicas mais abordadas
durante o colóquio foram os campos
morfogenéticos de Rupert Sheldrake – uma
espécie de memória coletiva, que está por
detrás das formas de todos os seres e tem
efeito organizativo sobre o seu comporta-
mento; a teoria Gaia de James Lovelock, em
que todo o planeta Terra se comporta como
um superorganismo, num complexo sistema
biogeoquímico que regula o clima e mantém
as condições homeostáticas indispensáveis
à vida; a teoria da ordem implícita de David
Bohm, uma teoria quântica que revela a
interconectividade de tudo o que existe e
que cada elemento individual pode revelar
informação sobre cada outro elemento no
universo. Foi, aliás, a Física quântica, que
teve maior debate nesta área. Bruno Antu-
nes descreveu o “enlace quântico” (quantum
entanglement), um fenómeno no qual dois
sistemas quânticos largamente afastados
no espaço partilham a mesma condição, de
forma que, dada qualquer alteração numa
das duas partículas, se deteta, direta e ime-
diatamente, uma repercussão na outra. A
partir daqui Antunes utilizou as palavras de
Albert Einstein a propósito deste fenómeno,
que descreveu como uma assombrosa
ação à distância. A adjetivação “assombro-
sa” (spooky) transpõe o discurso de uma
ciência “exata”, podendo levar à ideia de que
Einstein queria referir-se (também) a algo
“sobrenatural”. Já Isadora Migliori explicou
bem os mecanismos paradoxais da Física
Quântica, indo ao encontro do físico Amit
Goswami, que defende o princípio de que
é a consciência que cria a matéria, Por esse
motivo, temos dever acrescido com a forma
como a usamos (a nossa consciência) no
nosso quotidiano.
Quando observamos a estrutura do
cosmos revelada por supercomputadores,
verificamos que mesmo a nível macro existe
união da matéria visível pela influência da
matéria escura. Mas o que é isso de matéria e
energia escura? Algo que não conseguimos
apreender pelos nossos “instrumentos”,
mas existe e comanda o universo todo. Por
conseguinte, tudo se encontra ligado, enxa-
mes de galáxias por elos invisíveis. Trata-se
de uma Ecologia Cósmica e até hermética,
no sentido do que o está em cima é igual
ao que está em baixo. A consciência que
compreende e se liga à rede cósmica é uma
consciência espiritual, tal como diz Fritjof
Capra: a ecologia e a espiritualidade encon-
tram-se fundamentalmente ligadas porque
a consciência ecológica profunda é em
última análise uma consciência espiritual. Da
mesma forma disse Carl Sagan, a ciência
não é só compatível com a espiritualidade
mas também é uma fonte de espiritualidade
profunda. Mas o conceito de espiritualidade
é muito mal compreendido tanto no meio
académico como religioso. A espirituali-
dade não é nenhum dogma religioso ou
qualquer tipo de organização humana. O
seu conceito é inefável. Podemos contudo
identificar alguns aspetos intrínsecos, como
a capacidade do indivíduo penetrar nos
mistérios mais profundos do cosmos e des-
pertar para uma Realidade percecionada
unicamente na profundidade do seu interior
que vislumbra a unidade da vida, descrita
por místicos como a consciência divina e
por investigadores contemporâneos como
a consciência quântica não local. O contato
com esta Realidade interna é transformador
e transmuta toda a ação do indivíduo no
mundo. Ele passa progressivamente a ser
um agente criativo que labora em beleza,
harmonia e cooperação com a Natureza do
Logos (Jorge Moreira).
O Instalador Jul'_Ago' 2018 www.oinstalador.com 73
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
A Responsabilidade
A responsabilidade foi abordada sobre
diversos prismas. Alexandra Pinto apre-
sentou-nos o trabalho Ashes and Snow
do artista canadiano Gregory Colbert, que
retrata pessoas e povos que vivem em har-
monia com os animais “selvagens”. Uma
obra fotográfica e cinepoética em sépia e
terra, de um mundo ainda romântico e real
e, ao mesmo tempo, onírico e utópico, belo
e pacífico, ecológico e silencioso. O próprio
realizador entrou como actor em vários
takes e montou uma exposição itinerante
que tem percorrido o mundo, com um êxito
avassalador. Este trabalho teve um impacto
profundo por onde passou, levando as
pessoas a questionarem a sua perspetiva
em relação aos animais e a possibilidade
de todos podermos viver em harmonia na
Biosfera. Colbert utilizou a arte para criar
consciência ecológica e Pinto recordou
como o cinema pode ser utilizado como
propaganda, alertando para a responsa-
bilidade ecológica e social daquilo que
o artista faz. Nesta linha foi apresentado
pela organização do Colóquio a curta-me-
tragem Huni Kuin - Os Últimos Guardiões,
premiada internacionalmente. Foi filmado
numa aldeia da tribo Huni Kuin, Aldeia Novo
Segredo do Rio Envira, no Acre, em plena
selva amazónica, mostrando a luta dos
habitantes da floresta pela preservação da
mata que está sendo devastada e coloca
lado a lado o paradigma índio com o do
“homem branco”.
Já Migliori, na sua apresentação sofre
a Física Quântica alerta para o papel da
consciência na realidade. Assim, e como
a mente e as emoções se relacionam com
a consciência, não é de desconsiderar
que aquilo que pensamos e sentimos tem
também impacto no cosmos. Já sabíamos
que a meditação tinha a capacidade de
alterar a rede de conexões sinápticas no
cérebro e, com isso, a nossa forma de
ver o mundo. Agora podemos considerar
que a forma como vemos o mundo pode
influenciá-lo. Migliori acrescenta que os
paradigmas da Física Quântica conduzem
a uma reflexão profunda da dinâmica das
relações humanas em todos os níveis,
incluindo a Natureza. Por esse motivo têm
surgido movimentos muitos concretos
como o Ativismo Quântico que integra na
prática a visão holística.
Noutra vertente, a Área de Ciência das
Religiões da Universidade Lusófona, na
pessoa de Paulo Mendes Pinto, apresentou
o "Compromisso pela Casa Comum e pela
74 O Instalador Jul'_Ago' 2018 www.oinstalador.com
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
Ética do Cuidado". Partindo de um denomi-
nador comum, como a ideia de Criação e o
dever de respeitar o acto criador e daquilo
que dele resultou, passando a outra ideia, a
da Casa Comum, a morada que todos nos
acolhe, para re-ligar as várias correntes
religiosas à ecologia e à “salvação” do
mundo. Este compromisso cruza-se com a
já referida Laudato Si do Papa Francisco e
o Princípio da Responsabilidade de Hans
Jonas, que alarga o compromisso com as
gerações futuras.
Práticas Eco-espirituais
Uma das surpresas, que não estava
prevista no programa do Colóquio foi a
“cerimónia da água” preconizada por uma
jovem presente. No intervalo do almoço, do
segundo dia, a jovem convidou os presen-
tes a partilhar um momento ritualístico com
ela e uma taça de água perfumada com
flores. Sentados em posição de lótus ou
equivalente, os presentes acompanharam a
belíssima cerimónia, que incluía meditação,
mantras e uma espécie de cânticos xamâ-
nicos, que entoavam harmoniosamente
através da jovem. No final cada um tocou
naquela água “magnetizada” e voltaram
ao auditório ainda em plena vibração do
belo ritual. Este tipo de práticas criam laços
profundos entre os seres humanos e os
elementos naturais, uma espécie de reen-
contro entre a nossa alma e a Alma Mundi.
Por naturalidade, os elementos da Natureza
retomam o seu lugar sagrado no coração
dos seres humanos, a exploração cessa e a
harmonia surge tanto a nível interno, como
externo. É neste sentido que Maria Luísa
Francisco deu-nos a conhecer a ecoimi-
gração na Serra Algarvia, preconizada por
indivíduos normalmente com elevado nível
cultural, académico e económico, prove-
nientes de contextos urbanos do norte da
Europa e de outras partes do mundo, que
procuram espaços de significativo valor
ecológico, numa lógica de desenvolvimen-
to, espiritualidade e sustentabilidade, como
são os casos das comunidades do Centro
Karuna e Terra Amada. São Indivíduos que
procuram a qualidade de vida na simpli-
cidade e em comunhão profunda com a
Natureza. Francisco deu-nos a conhecer
uma comunidade de índios que vivem nas
montanhas algarvias, que decidiram mudar
as suas vidas após terem sido figurinos no
filme Danças com Lobos. Curiosamente ou
não, a relação de proximidade e o respeito
pela Natureza por parte destes indivíduos
permitiu que as populações portuguesas
autóctones passassem a valorizar aspectos
anteriormente descurados, bem como a
troca de conhecimentos e formas de estar
com respeito e cuidado com a Terra Mãe.
A ética do cuidado do outro e da Natureza,
a sacralidade dos elemento terra e água
levaram a novos estudos sobre a “fluviofeli-
cidade”, a partir da vivência de estrangeiros
em embarcações no Rio Guadiana. Este é
outro factor associado ao contacto com a
Natureza, um preenchimento interior tradu-
zido em felicidade, longe do cinzentismo
frenético da urbe.
Portugal é rico em ecoaldeias e muitas
delas utilizam materiais e técnicas de
arquitetura sustentáveis. Algumas dessas
técnicas têm eco na cidade, tal como nos
mostrou Alina Jerónimo. É possível requa-
lificar espaços com materiais ecológicos
e anexar tecnologias de autoprodução
energética. Outra característica que temos
assistido em espaços urbanos, e inspirado
em comunidades sustentáveis e com
características também políticas, segundo
José Pinheiro Neves e Paula Mascarenhas,
é a utilização de técnicas de agricultura
biológica, biodinâmica e permacultura,
como forma de alienação do atual sis-
tema económico/industrial. Para Neves,
estas práticas são como pequenas luzes
no meio da escuridão. Já o trabalho de
Mascarenhas apresenta a proliferação de
novas subjetividades alimentares envoltas
na perceção ecológica, que conduzem a
uma nova maneira interligada de pensar
a alimentação, incluindo a ecologia, a
saúde e a espiritualidade. Por esse motivo
temos assistido ao aumento do número de
pessoas que enveredam pela alimentação
vegetariana e vegana.
João Miguel Louro trouxe-nos a história
da permacultura e a sua visão holística da
Natureza, na abundância. O permacultor
liga-se à terra, estuda os ciclos e as carac-
terísticas do local. Adapta-se e adapta as
culturas ao meio. Apaixona-se por elas. Dá
exemplos em locais supostamente impos-
síveis de cultivar, como o projecto Greening
the Desert, na Jordânia, onde técnicas de
permacultura alimentam as populações
locais num ambiente de deserto. Louro re-
mata a sua intervenção citando Thich Nhat
Hanh: Somente quando realmente nos
apaixonarmos pela Terra as nossas ações
nascerão da reverência e da percepção
da nossa interconexão. Esta interconexão
também se encontra patente no Pedifesto
Eco-lógico de Pedro Cuiça, que traça três
actos para passar da teoria ecológica à
prática. A Eco-locação - integra as di-
mensões espaço-temporais do indivíduo,
levando-o a percorrer a história, o presente
e os cenários futuros; A Eco-lógica - integra
o pensamento holístico, sistémico e reve-
rêncial; e o Eco-activismo - uma prática
paradoxal de agir localmente, ancorada na
simplicidade, na humildade e até na renún-
cia, expressa através do amar/respeitar a
sacralidade de todos os seres ou cultivar
as andanças e o maravilhamento. Por
exemplo, o caminhante que ao caminhar
transforma-se no próprio caminho.
Conclusão
Jorge Leandro Rosa, fala-nos de um
grande silêncio. Silêncio este que é ex-
pressão de um rompimento com a vida e
que tem por base a destruição civilizada,
generalizada e quotidiana da vida. E, refere
que face a este silêncio, precisamos de
um pensamento que fala, que expõe e se
expõe. Que desloca a repartição entre o
dizível e o indizível, na medida em que o
impossível também se está a transformar
no possível. Este silêncio também pode ser
pressentimento de uma de duas situações:
1) a de um colapso da sociedade industrial,
que segundo Rosa seria necessário; 2) a
possibilidade do desaparecimento genera-
lizado de toda ou quase toda a vida, incluin-
do os humanos, perspectiva que atinge um
conjunto de fundamentos da repartição
dos papéis ontológicos e biológicos.
Mafalda Blanc, incorporando o pensa-
mento de Heidegger, diz-nos que o mundo
não tem origem humana, nem o próprio
Homem tem origem humana. Há uma
apropriação da realidade e do planeta pelo
O Instalador Jul'_Ago' 2018 www.oinstalador.com 75
Opinião
AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS
tecnocapitalismo, que utiliza a tecnologia
como fascínio e forma de poder sobre as
massas. A técnica é a única que não tem
mundo porque destrói o horizonte holístico
da Existência do Ente e Ser. Portanto a
manifestação/expressão desse mundo não
tem perspectiva. A ciência que se encontra
ancorada neste paradigma é, segundo
Blanc o tiro no coração da realidade e subs-
titui o papel da poesia natural pelo mercado.
A autora refere ainda que a Humanidade
encontra-se num impasse histórico, com a
perda dos valores e da própria humanidade.
Diz que precisamos de nos despojarmos de
nós próprios, de ir à fonte do humano, para
um novo recomeço, uma nova aparição do
ser, e assim, ressurgir o poeta, o guardião
e o pastor. Da mesma forma pensa Rui Lo-
melino de Freitas, ao dizer que precisamos
urgentemente de resultados, porque as
intenções não chegam para alterar o atual
paradigma. Mas esse resultados só deverão
ter o efeito ecológico necessário quando
alavancados por uma profunda transforma-
ção alquímica do ser humano. Esta trans-
formação precisa de ser massificada, como
refere Isabel Correia, inspirada no Trabalho
que Reconecta de Joanna Macy, para se
dar a Grande Mudança. Macy desenvolveu
instrumentos para nos apoiar a reconectar
as nossas vidas com o mundo, para que
possamos arranjar coragem e compromisso
para mudarmos o percurso das nossa vidas
e sintonizá-las com a Natureza. Varandas
evoca a (co)memoração para relembrar
que somos terra, a originária natureza
humana, despontando naturalmente acção
ecológica.
Durante o Colóquio, muitos oradores
apontaram a crise ecológica, como reflexo
da crise multidimensional da contempora-
neidade, que pode ter tido a sua origem
numa crise de percepção da interdepen-
dência e relação profunda que existe entre
tudo e todos. Como diz Paulo Borges,
numa distorção ou obscurecimento da
consciência, incapaz de ver a realidade.
Assim, a Ecologia Profunda, a Ecosofia e
a Ecologia Espiritual surgem para dar uma
resposta profunda à crise multidimensional
da contemporaneidade, como formas de
colmatar o déficit de perceção que está
na base dos egoísmos, especismos e
antropocentrismos, e os seus efeitos des-
trutivos, tanto para a Natureza, como para
a sociedade e cada indivíduo em particular.
Paralelamente, tratam-se de éticas práticas
de vida cuidadas e interconetadas.
Quando observamos a Terra de fora,
todos os indivíduos, todas as etnias hu-
manas, todas as espécies de seres vivos,
todas as serras, florestas, rios, lagos e
mares, todos os Reinos da Natureza não
têm fronteiras e são em conjunto a Terra.
Da mesma forma decorreu o Colóquio Vita
Contemplativa Mãe Natureza, Terra Viva.
Muitos contributos, de áreas tão distintas,
mas todas apontaram caminhos ecosófi-
cos idênticos.
O Colóquio encerrou com a apresentação
por parte dos autores Paulo Borges e
Daniela Velho do livro Os Animais, Nossos
Próximos. Antologia do amor humano
aos animais (da Antiguidade a Fernando
Pessoa). Trata-se de uma recolha de textos
que expressam o amor do ser humano
pelos outros seres, com especial enfoque
para os animais não-humanos.
Nota de Redacção:
Esta é a segunda e última parte do artigo publicado, inicialmente, na edição de Junho da nossa revista.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 primórdio..
02 primórdio..02 primórdio..
02 primórdio..
Micas Cullen
 
Palestra sobre Física Quântica, Filosofia e Inteligência Emocional - Conemb 2013
Palestra sobre Física Quântica, Filosofia e Inteligência Emocional - Conemb 2013Palestra sobre Física Quântica, Filosofia e Inteligência Emocional - Conemb 2013
Palestra sobre Física Quântica, Filosofia e Inteligência Emocional - Conemb 2013
Ana Paula Peixer
 
Mídias digitais e a preservação da natureza: o que nos ensinam dois filmes pu...
Mídias digitais e a preservação da natureza: o que nos ensinam dois filmes pu...Mídias digitais e a preservação da natureza: o que nos ensinam dois filmes pu...
Mídias digitais e a preservação da natureza: o que nos ensinam dois filmes pu...
Maria Inês Möllmann
 
119171435 1438.aula func_156
119171435 1438.aula func_156119171435 1438.aula func_156
119171435 1438.aula func_156
Pelo Siro
 
Leibniz contra o vazio
Leibniz contra o vazioLeibniz contra o vazio
Leibniz contra o vazio
Carlos Alberto Monteiro
 
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
Docência "in loco"
 
A Nova Aliança - resumo do livro
A Nova Aliança - resumo do livroA Nova Aliança - resumo do livro
A Nova Aliança - resumo do livro
Zara Hoffmann
 
Complexidade morin 2
Complexidade morin 2Complexidade morin 2
Complexidade morin 2
Maria de los Dolores J Peña
 

Mais procurados (8)

02 primórdio..
02 primórdio..02 primórdio..
02 primórdio..
 
Palestra sobre Física Quântica, Filosofia e Inteligência Emocional - Conemb 2013
Palestra sobre Física Quântica, Filosofia e Inteligência Emocional - Conemb 2013Palestra sobre Física Quântica, Filosofia e Inteligência Emocional - Conemb 2013
Palestra sobre Física Quântica, Filosofia e Inteligência Emocional - Conemb 2013
 
Mídias digitais e a preservação da natureza: o que nos ensinam dois filmes pu...
Mídias digitais e a preservação da natureza: o que nos ensinam dois filmes pu...Mídias digitais e a preservação da natureza: o que nos ensinam dois filmes pu...
Mídias digitais e a preservação da natureza: o que nos ensinam dois filmes pu...
 
119171435 1438.aula func_156
119171435 1438.aula func_156119171435 1438.aula func_156
119171435 1438.aula func_156
 
Leibniz contra o vazio
Leibniz contra o vazioLeibniz contra o vazio
Leibniz contra o vazio
 
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
4.arnoni papirus 2008_metodologia da mediação dialética
 
A Nova Aliança - resumo do livro
A Nova Aliança - resumo do livroA Nova Aliança - resumo do livro
A Nova Aliança - resumo do livro
 
Complexidade morin 2
Complexidade morin 2Complexidade morin 2
Complexidade morin 2
 

Semelhante a Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Profunda e Ecologia Espiritual perante a crise ambiental - Parte II

Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritualEcologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Jorge Moreira
 
Palestra ecologia à luz da doutrina espírita
Palestra   ecologia à luz da doutrina espíritaPalestra   ecologia à luz da doutrina espírita
Palestra ecologia à luz da doutrina espírita
wilmar santos
 
Ricklefs cap 1
Ricklefs cap 1Ricklefs cap 1
Ricklefs cap 1
CAMPUS XIX
 
a visão holistica de gregory bateson
a visão holistica de  gregory batesona visão holistica de  gregory bateson
a visão holistica de gregory bateson
FACULDADE ESPÍRITA
 
Novo paradigma ecocosmico e a teologia
Novo paradigma ecocosmico e a teologiaNovo paradigma ecocosmico e a teologia
Novo paradigma ecocosmico e a teologia
Afonso Murad (FAJE)
 
Primeira parte i ciências fundamentais - química
Primeira parte   i ciências fundamentais - químicaPrimeira parte   i ciências fundamentais - química
Primeira parte i ciências fundamentais - química
Fatoze
 
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Emergentism - portugese
Emergentism - portugeseEmergentism - portugese
Emergentism - portugese
cedric lemery
 
Vozes do cosmo marcelo barros
Vozes do cosmo   marcelo barrosVozes do cosmo   marcelo barros
Vozes do cosmo marcelo barros
gilbraz
 
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Marta Caregnato
 
Carlos Burke - ENSAIO SOBRE CONTRADIÇÃO. Civilização e Natureza: aquecimento ...
Carlos Burke - ENSAIO SOBRE CONTRADIÇÃO. Civilização e Natureza: aquecimento ...Carlos Burke - ENSAIO SOBRE CONTRADIÇÃO. Civilização e Natureza: aquecimento ...
Carlos Burke - ENSAIO SOBRE CONTRADIÇÃO. Civilização e Natureza: aquecimento ...
Carlos Burke
 
Bioagogia
BioagogiaBioagogia
Bioagogia
Falec
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Cynthia Castro
 
Ecologia profunda
Ecologia profundaEcologia profunda
Ecologia profunda
Bruno Silveira
 
TEXTO 1. Umwelt e Sobrevivência.pdf
TEXTO 1. Umwelt e Sobrevivência.pdfTEXTO 1. Umwelt e Sobrevivência.pdf
TEXTO 1. Umwelt e Sobrevivência.pdf
IvaMinLee
 
Perispírito e magnetismo
Perispírito e magnetismoPerispírito e magnetismo
Perispírito e magnetismo
Dalila Melo
 
Regressão através da manipulação da sua energia
Regressão através da manipulação da sua energiaRegressão através da manipulação da sua energia
Regressão através da manipulação da sua energia
GSArt Web Solutions
 
Midia, mente e natureza
Midia, mente e naturezaMidia, mente e natureza
Midia, mente e natureza
Atopos (eca-usp)
 
A fatalidade na visão espírita
A fatalidade na visão espíritaA fatalidade na visão espírita
A fatalidade na visão espírita
Adilson Gomes
 
Princípio biocêntrico e cultura biocêntrica
Princípio biocêntrico e cultura biocêntricaPrincípio biocêntrico e cultura biocêntrica
Princípio biocêntrico e cultura biocêntrica
biodanzasocialbiocentrica
 

Semelhante a Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Profunda e Ecologia Espiritual perante a crise ambiental - Parte II (20)

Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritualEcologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
Ecologia profunda como devir da esperança - A inevitável consciência espiritual
 
Palestra ecologia à luz da doutrina espírita
Palestra   ecologia à luz da doutrina espíritaPalestra   ecologia à luz da doutrina espírita
Palestra ecologia à luz da doutrina espírita
 
Ricklefs cap 1
Ricklefs cap 1Ricklefs cap 1
Ricklefs cap 1
 
a visão holistica de gregory bateson
a visão holistica de  gregory batesona visão holistica de  gregory bateson
a visão holistica de gregory bateson
 
Novo paradigma ecocosmico e a teologia
Novo paradigma ecocosmico e a teologiaNovo paradigma ecocosmico e a teologia
Novo paradigma ecocosmico e a teologia
 
Primeira parte i ciências fundamentais - química
Primeira parte   i ciências fundamentais - químicaPrimeira parte   i ciências fundamentais - química
Primeira parte i ciências fundamentais - química
 
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 
Emergentism - portugese
Emergentism - portugeseEmergentism - portugese
Emergentism - portugese
 
Vozes do cosmo marcelo barros
Vozes do cosmo   marcelo barrosVozes do cosmo   marcelo barros
Vozes do cosmo marcelo barros
 
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
Imaginário e ciênciaImaginário e ciência: novas perspectivas do conhecimento ...
 
Carlos Burke - ENSAIO SOBRE CONTRADIÇÃO. Civilização e Natureza: aquecimento ...
Carlos Burke - ENSAIO SOBRE CONTRADIÇÃO. Civilização e Natureza: aquecimento ...Carlos Burke - ENSAIO SOBRE CONTRADIÇÃO. Civilização e Natureza: aquecimento ...
Carlos Burke - ENSAIO SOBRE CONTRADIÇÃO. Civilização e Natureza: aquecimento ...
 
Bioagogia
BioagogiaBioagogia
Bioagogia
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
 
Ecologia profunda
Ecologia profundaEcologia profunda
Ecologia profunda
 
TEXTO 1. Umwelt e Sobrevivência.pdf
TEXTO 1. Umwelt e Sobrevivência.pdfTEXTO 1. Umwelt e Sobrevivência.pdf
TEXTO 1. Umwelt e Sobrevivência.pdf
 
Perispírito e magnetismo
Perispírito e magnetismoPerispírito e magnetismo
Perispírito e magnetismo
 
Regressão através da manipulação da sua energia
Regressão através da manipulação da sua energiaRegressão através da manipulação da sua energia
Regressão através da manipulação da sua energia
 
Midia, mente e natureza
Midia, mente e naturezaMidia, mente e natureza
Midia, mente e natureza
 
A fatalidade na visão espírita
A fatalidade na visão espíritaA fatalidade na visão espírita
A fatalidade na visão espírita
 
Princípio biocêntrico e cultura biocêntrica
Princípio biocêntrico e cultura biocêntricaPrincípio biocêntrico e cultura biocêntrica
Princípio biocêntrico e cultura biocêntrica
 

Mais de Jorge Moreira

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Jorge Moreira
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Jorge Moreira
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha
Jorge Moreira
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Jorge Moreira
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
Jorge Moreira
 
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Jorge Moreira
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta Thunberg
Jorge Moreira
 
Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I
Jorge Moreira
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279
Jorge Moreira
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
Jorge Moreira
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Jorge Moreira
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Jorge Moreira
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Jorge Moreira
 
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
Jorge Moreira
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Jorge Moreira
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
Jorge Moreira
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
Jorge Moreira
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Jorge Moreira
 
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Jorge Moreira
 
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demaisA Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
Jorge Moreira
 

Mais de Jorge Moreira (20)

Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOCDa cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
Da cidade distópica à utopia possível - Jorge Moreira - Prisma.SOC
 
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
Pensar a Humanidade e as Redes através da Teia da Vida, Revista Cescontexto 3...
 
Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha Pensar como uma Montanha
Pensar como uma Montanha
 
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne NaessTvergastein: A cabana de Arne Naess
Tvergastein: A cabana de Arne Naess
 
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta AutóctoneA «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
A «Floresta» em Portugal Porquê uma Aliança pela Floresta Autóctone
 
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
Estado do Ambiente - uma retrospetiva de 2019 - O Instalador 284
 
O Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta ThunbergO Sonho de Greta Thunberg
O Sonho de Greta Thunberg
 
Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I Educação para a emergência ecológica I
Educação para a emergência ecológica I
 
Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279Flores silvestres - O instalador 279
Flores silvestres - O instalador 279
 
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
A Ciência (que) Quer Salvar a Humanidade II - A Extinção em Massa, Jorge More...
 
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
Reutilização, Reparação e Reciclagem de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos,...
 
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
Resgatar a Humanidade, Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, março ...
 
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
Resíduos Urbanos: um problema com valor acrescentado, Alcide Gonçalves e Jorg...
 
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
A Vida no Centro do Universo, Revista o instalador 271
 
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
Decrescimento – Crescer no Essencial, Jorge Moreira, Revista O Instalador 270
 
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
O nosso dia de Alcide Gonçalves e Jorge Moreira, O Instalador, maio 2018
 
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
A Vida dos Rios da Vida, Jorge Moreira, Revista O Instalador, Abril 2018
 
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
Práticas sustentáveis e escolhas éticas, Jorge Moreira, Revista o Instalador ...
 
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
Floresta autoctone - A Natureza esta viva, Revista eco123, nº 20
 
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demaisA Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
A Ciência (que) quer salvar a Humanidade – porque em breve será tarde demais
 

Último

Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdfA Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
André Luiz Marques
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
JaquelineSantosBasto
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 

Último (14)

Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdfA Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
A Verdade Sôbre As Profecias Do Apocalipse.pdf
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 

Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Profunda e Ecologia Espiritual perante a crise ambiental - Parte II

  • 1. 72 O Instalador Jul'_Ago' 2018 www.oinstalador.com Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS Colóquio Vita Contemplativa - Mãe Natureza, Terra Viva Ecosofia, Ecologia Profunda e Ecologia Espiritual perante a crise ambiental - Parte II Textos e Fotos_Alcide Gonçalves [Arquiteta Paisagista] e Jorge Moreira [Ambientalista e Investigador] Contribuiu ainda com fotos José Alex Gandum [Instalador] Da Ciência Holística à Espiritualidade Um outro ponto largamente abordado foi o contributo da ciência para a compreensão dos fenómenos da vida. É o caso da Eco- logia que nos mostra uma teia de vida que tudo une, biota e abiota, patente no fluxo de matéria e energia nos ecossistemas. Tam- bém é verdade que a ciência cartesiana foi co-responsável pelo paradigma insustentável vigente. No entanto, tem surgido muitas evi- dências científicas que dificilmente terão uma apreensão total a partir do tradicional método científico. Isto, por várias razões: 1. Temos limitações cognitivas (baseadas nos sentidos e na mente) e tecnológicas para “medir” certos fenómenos; 2. Há uma influência entre o observador e o objeto observado, pelo que dificilmente conseguiremos a apreensão espaço-temporal do objeto sem interferência do observador; 3. Há propriedades emer- gentes que só são detectadas no todo e nunca nas partes constituintes isoladas; 4. Existem estados amplamente alargados de consciência, que dificilmente conseguem ser transpostos para uma linguagem corrente ou sequer provados. Mas isso não quer dizer que não existam. Por exemplo estados mís- ticos e holotrópicos - de plena compreensão e comunhão com a vida. E já que falamos da vida, existe um princípio intrínseco da vida, que diferencia os seres “animados” da ma- téria morta. Os constituintes de uma árvore e da madeira são os mesmos, mas a árvore tem algo que a “anima” e que é capaz de se renovar. Esta vida não pode ser descrita como algo meramente físico. No entanto, essa vida “comanda” a matéria. As teorias científicas mais abordadas durante o colóquio foram os campos morfogenéticos de Rupert Sheldrake – uma espécie de memória coletiva, que está por detrás das formas de todos os seres e tem efeito organizativo sobre o seu comporta- mento; a teoria Gaia de James Lovelock, em que todo o planeta Terra se comporta como um superorganismo, num complexo sistema biogeoquímico que regula o clima e mantém as condições homeostáticas indispensáveis à vida; a teoria da ordem implícita de David Bohm, uma teoria quântica que revela a interconectividade de tudo o que existe e que cada elemento individual pode revelar informação sobre cada outro elemento no universo. Foi, aliás, a Física quântica, que teve maior debate nesta área. Bruno Antu- nes descreveu o “enlace quântico” (quantum entanglement), um fenómeno no qual dois sistemas quânticos largamente afastados no espaço partilham a mesma condição, de forma que, dada qualquer alteração numa das duas partículas, se deteta, direta e ime- diatamente, uma repercussão na outra. A partir daqui Antunes utilizou as palavras de Albert Einstein a propósito deste fenómeno, que descreveu como uma assombrosa ação à distância. A adjetivação “assombro- sa” (spooky) transpõe o discurso de uma ciência “exata”, podendo levar à ideia de que Einstein queria referir-se (também) a algo “sobrenatural”. Já Isadora Migliori explicou bem os mecanismos paradoxais da Física Quântica, indo ao encontro do físico Amit Goswami, que defende o princípio de que é a consciência que cria a matéria, Por esse motivo, temos dever acrescido com a forma como a usamos (a nossa consciência) no nosso quotidiano. Quando observamos a estrutura do cosmos revelada por supercomputadores, verificamos que mesmo a nível macro existe união da matéria visível pela influência da matéria escura. Mas o que é isso de matéria e energia escura? Algo que não conseguimos apreender pelos nossos “instrumentos”, mas existe e comanda o universo todo. Por conseguinte, tudo se encontra ligado, enxa- mes de galáxias por elos invisíveis. Trata-se de uma Ecologia Cósmica e até hermética, no sentido do que o está em cima é igual ao que está em baixo. A consciência que compreende e se liga à rede cósmica é uma consciência espiritual, tal como diz Fritjof Capra: a ecologia e a espiritualidade encon- tram-se fundamentalmente ligadas porque a consciência ecológica profunda é em última análise uma consciência espiritual. Da mesma forma disse Carl Sagan, a ciência não é só compatível com a espiritualidade mas também é uma fonte de espiritualidade profunda. Mas o conceito de espiritualidade é muito mal compreendido tanto no meio académico como religioso. A espirituali- dade não é nenhum dogma religioso ou qualquer tipo de organização humana. O seu conceito é inefável. Podemos contudo identificar alguns aspetos intrínsecos, como a capacidade do indivíduo penetrar nos mistérios mais profundos do cosmos e des- pertar para uma Realidade percecionada unicamente na profundidade do seu interior que vislumbra a unidade da vida, descrita por místicos como a consciência divina e por investigadores contemporâneos como a consciência quântica não local. O contato com esta Realidade interna é transformador e transmuta toda a ação do indivíduo no mundo. Ele passa progressivamente a ser um agente criativo que labora em beleza, harmonia e cooperação com a Natureza do Logos (Jorge Moreira).
  • 2. O Instalador Jul'_Ago' 2018 www.oinstalador.com 73 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS A Responsabilidade A responsabilidade foi abordada sobre diversos prismas. Alexandra Pinto apre- sentou-nos o trabalho Ashes and Snow do artista canadiano Gregory Colbert, que retrata pessoas e povos que vivem em har- monia com os animais “selvagens”. Uma obra fotográfica e cinepoética em sépia e terra, de um mundo ainda romântico e real e, ao mesmo tempo, onírico e utópico, belo e pacífico, ecológico e silencioso. O próprio realizador entrou como actor em vários takes e montou uma exposição itinerante que tem percorrido o mundo, com um êxito avassalador. Este trabalho teve um impacto profundo por onde passou, levando as pessoas a questionarem a sua perspetiva em relação aos animais e a possibilidade de todos podermos viver em harmonia na Biosfera. Colbert utilizou a arte para criar consciência ecológica e Pinto recordou como o cinema pode ser utilizado como propaganda, alertando para a responsa- bilidade ecológica e social daquilo que o artista faz. Nesta linha foi apresentado pela organização do Colóquio a curta-me- tragem Huni Kuin - Os Últimos Guardiões, premiada internacionalmente. Foi filmado numa aldeia da tribo Huni Kuin, Aldeia Novo Segredo do Rio Envira, no Acre, em plena selva amazónica, mostrando a luta dos habitantes da floresta pela preservação da mata que está sendo devastada e coloca lado a lado o paradigma índio com o do “homem branco”. Já Migliori, na sua apresentação sofre a Física Quântica alerta para o papel da consciência na realidade. Assim, e como a mente e as emoções se relacionam com a consciência, não é de desconsiderar que aquilo que pensamos e sentimos tem também impacto no cosmos. Já sabíamos que a meditação tinha a capacidade de alterar a rede de conexões sinápticas no cérebro e, com isso, a nossa forma de ver o mundo. Agora podemos considerar que a forma como vemos o mundo pode influenciá-lo. Migliori acrescenta que os paradigmas da Física Quântica conduzem a uma reflexão profunda da dinâmica das relações humanas em todos os níveis, incluindo a Natureza. Por esse motivo têm surgido movimentos muitos concretos como o Ativismo Quântico que integra na prática a visão holística. Noutra vertente, a Área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona, na pessoa de Paulo Mendes Pinto, apresentou o "Compromisso pela Casa Comum e pela
  • 3. 74 O Instalador Jul'_Ago' 2018 www.oinstalador.com Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS Ética do Cuidado". Partindo de um denomi- nador comum, como a ideia de Criação e o dever de respeitar o acto criador e daquilo que dele resultou, passando a outra ideia, a da Casa Comum, a morada que todos nos acolhe, para re-ligar as várias correntes religiosas à ecologia e à “salvação” do mundo. Este compromisso cruza-se com a já referida Laudato Si do Papa Francisco e o Princípio da Responsabilidade de Hans Jonas, que alarga o compromisso com as gerações futuras. Práticas Eco-espirituais Uma das surpresas, que não estava prevista no programa do Colóquio foi a “cerimónia da água” preconizada por uma jovem presente. No intervalo do almoço, do segundo dia, a jovem convidou os presen- tes a partilhar um momento ritualístico com ela e uma taça de água perfumada com flores. Sentados em posição de lótus ou equivalente, os presentes acompanharam a belíssima cerimónia, que incluía meditação, mantras e uma espécie de cânticos xamâ- nicos, que entoavam harmoniosamente através da jovem. No final cada um tocou naquela água “magnetizada” e voltaram ao auditório ainda em plena vibração do belo ritual. Este tipo de práticas criam laços profundos entre os seres humanos e os elementos naturais, uma espécie de reen- contro entre a nossa alma e a Alma Mundi. Por naturalidade, os elementos da Natureza retomam o seu lugar sagrado no coração dos seres humanos, a exploração cessa e a harmonia surge tanto a nível interno, como externo. É neste sentido que Maria Luísa Francisco deu-nos a conhecer a ecoimi- gração na Serra Algarvia, preconizada por indivíduos normalmente com elevado nível cultural, académico e económico, prove- nientes de contextos urbanos do norte da Europa e de outras partes do mundo, que procuram espaços de significativo valor ecológico, numa lógica de desenvolvimen- to, espiritualidade e sustentabilidade, como são os casos das comunidades do Centro Karuna e Terra Amada. São Indivíduos que procuram a qualidade de vida na simpli- cidade e em comunhão profunda com a Natureza. Francisco deu-nos a conhecer uma comunidade de índios que vivem nas montanhas algarvias, que decidiram mudar as suas vidas após terem sido figurinos no filme Danças com Lobos. Curiosamente ou não, a relação de proximidade e o respeito pela Natureza por parte destes indivíduos permitiu que as populações portuguesas autóctones passassem a valorizar aspectos anteriormente descurados, bem como a troca de conhecimentos e formas de estar com respeito e cuidado com a Terra Mãe. A ética do cuidado do outro e da Natureza, a sacralidade dos elemento terra e água levaram a novos estudos sobre a “fluviofeli- cidade”, a partir da vivência de estrangeiros em embarcações no Rio Guadiana. Este é outro factor associado ao contacto com a Natureza, um preenchimento interior tradu- zido em felicidade, longe do cinzentismo frenético da urbe. Portugal é rico em ecoaldeias e muitas delas utilizam materiais e técnicas de arquitetura sustentáveis. Algumas dessas técnicas têm eco na cidade, tal como nos mostrou Alina Jerónimo. É possível requa- lificar espaços com materiais ecológicos e anexar tecnologias de autoprodução energética. Outra característica que temos assistido em espaços urbanos, e inspirado em comunidades sustentáveis e com características também políticas, segundo José Pinheiro Neves e Paula Mascarenhas, é a utilização de técnicas de agricultura biológica, biodinâmica e permacultura, como forma de alienação do atual sis- tema económico/industrial. Para Neves, estas práticas são como pequenas luzes no meio da escuridão. Já o trabalho de Mascarenhas apresenta a proliferação de novas subjetividades alimentares envoltas na perceção ecológica, que conduzem a uma nova maneira interligada de pensar a alimentação, incluindo a ecologia, a saúde e a espiritualidade. Por esse motivo temos assistido ao aumento do número de pessoas que enveredam pela alimentação vegetariana e vegana. João Miguel Louro trouxe-nos a história da permacultura e a sua visão holística da Natureza, na abundância. O permacultor liga-se à terra, estuda os ciclos e as carac- terísticas do local. Adapta-se e adapta as culturas ao meio. Apaixona-se por elas. Dá exemplos em locais supostamente impos- síveis de cultivar, como o projecto Greening the Desert, na Jordânia, onde técnicas de permacultura alimentam as populações locais num ambiente de deserto. Louro re- mata a sua intervenção citando Thich Nhat Hanh: Somente quando realmente nos apaixonarmos pela Terra as nossas ações nascerão da reverência e da percepção da nossa interconexão. Esta interconexão também se encontra patente no Pedifesto Eco-lógico de Pedro Cuiça, que traça três actos para passar da teoria ecológica à prática. A Eco-locação - integra as di- mensões espaço-temporais do indivíduo, levando-o a percorrer a história, o presente e os cenários futuros; A Eco-lógica - integra o pensamento holístico, sistémico e reve- rêncial; e o Eco-activismo - uma prática paradoxal de agir localmente, ancorada na simplicidade, na humildade e até na renún- cia, expressa através do amar/respeitar a sacralidade de todos os seres ou cultivar as andanças e o maravilhamento. Por exemplo, o caminhante que ao caminhar transforma-se no próprio caminho. Conclusão Jorge Leandro Rosa, fala-nos de um grande silêncio. Silêncio este que é ex- pressão de um rompimento com a vida e que tem por base a destruição civilizada, generalizada e quotidiana da vida. E, refere que face a este silêncio, precisamos de um pensamento que fala, que expõe e se expõe. Que desloca a repartição entre o dizível e o indizível, na medida em que o impossível também se está a transformar no possível. Este silêncio também pode ser pressentimento de uma de duas situações: 1) a de um colapso da sociedade industrial, que segundo Rosa seria necessário; 2) a possibilidade do desaparecimento genera- lizado de toda ou quase toda a vida, incluin- do os humanos, perspectiva que atinge um conjunto de fundamentos da repartição dos papéis ontológicos e biológicos. Mafalda Blanc, incorporando o pensa- mento de Heidegger, diz-nos que o mundo não tem origem humana, nem o próprio Homem tem origem humana. Há uma apropriação da realidade e do planeta pelo
  • 4. O Instalador Jul'_Ago' 2018 www.oinstalador.com 75 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS tecnocapitalismo, que utiliza a tecnologia como fascínio e forma de poder sobre as massas. A técnica é a única que não tem mundo porque destrói o horizonte holístico da Existência do Ente e Ser. Portanto a manifestação/expressão desse mundo não tem perspectiva. A ciência que se encontra ancorada neste paradigma é, segundo Blanc o tiro no coração da realidade e subs- titui o papel da poesia natural pelo mercado. A autora refere ainda que a Humanidade encontra-se num impasse histórico, com a perda dos valores e da própria humanidade. Diz que precisamos de nos despojarmos de nós próprios, de ir à fonte do humano, para um novo recomeço, uma nova aparição do ser, e assim, ressurgir o poeta, o guardião e o pastor. Da mesma forma pensa Rui Lo- melino de Freitas, ao dizer que precisamos urgentemente de resultados, porque as intenções não chegam para alterar o atual paradigma. Mas esse resultados só deverão ter o efeito ecológico necessário quando alavancados por uma profunda transforma- ção alquímica do ser humano. Esta trans- formação precisa de ser massificada, como refere Isabel Correia, inspirada no Trabalho que Reconecta de Joanna Macy, para se dar a Grande Mudança. Macy desenvolveu instrumentos para nos apoiar a reconectar as nossas vidas com o mundo, para que possamos arranjar coragem e compromisso para mudarmos o percurso das nossa vidas e sintonizá-las com a Natureza. Varandas evoca a (co)memoração para relembrar que somos terra, a originária natureza humana, despontando naturalmente acção ecológica. Durante o Colóquio, muitos oradores apontaram a crise ecológica, como reflexo da crise multidimensional da contempora- neidade, que pode ter tido a sua origem numa crise de percepção da interdepen- dência e relação profunda que existe entre tudo e todos. Como diz Paulo Borges, numa distorção ou obscurecimento da consciência, incapaz de ver a realidade. Assim, a Ecologia Profunda, a Ecosofia e a Ecologia Espiritual surgem para dar uma resposta profunda à crise multidimensional da contemporaneidade, como formas de colmatar o déficit de perceção que está na base dos egoísmos, especismos e antropocentrismos, e os seus efeitos des- trutivos, tanto para a Natureza, como para a sociedade e cada indivíduo em particular. Paralelamente, tratam-se de éticas práticas de vida cuidadas e interconetadas. Quando observamos a Terra de fora, todos os indivíduos, todas as etnias hu- manas, todas as espécies de seres vivos, todas as serras, florestas, rios, lagos e mares, todos os Reinos da Natureza não têm fronteiras e são em conjunto a Terra. Da mesma forma decorreu o Colóquio Vita Contemplativa Mãe Natureza, Terra Viva. Muitos contributos, de áreas tão distintas, mas todas apontaram caminhos ecosófi- cos idênticos. O Colóquio encerrou com a apresentação por parte dos autores Paulo Borges e Daniela Velho do livro Os Animais, Nossos Próximos. Antologia do amor humano aos animais (da Antiguidade a Fernando Pessoa). Trata-se de uma recolha de textos que expressam o amor do ser humano pelos outros seres, com especial enfoque para os animais não-humanos. Nota de Redacção: Esta é a segunda e última parte do artigo publicado, inicialmente, na edição de Junho da nossa revista.