SlideShare uma empresa Scribd logo
Camilla Bringel Rêgo
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
 O conjunto esmalte/dentina é a estrutura responsável pela
proteção biológica da polpa.
Ao mesmo tempo estes tecidos se protegem mutuamente.
 O esmalte é um tecido duro
- 12% de água + comp. Orgânicos
- 88% de hidroxidohapatita
 A dentina é um tecido
Resistente ao desgaste
Impermeável
Bom isolante térmico
Permeável
Pouco resistente ao desgaste
Boa condutora de eletricidade
ESMALTE/DENTINA
S
E
P
R
O
T
G
E
M
Extremamente friável
Possui resiliência
- 25% de água
- 30% fibras
- 45% de hidroxihapatita
DENTINA
DENTINA PRIMÁRIA
• Mais superficial
• Produzida: Por odontoblastos primários antes da apicogênese
• Túbulos Bem organizados
Regulares
Paralelos entre si
• Bem mais permeável
DENTINA SECUNDÁRIA
• Produzida Por odontoblastos primários após a apicogênese
Durante toda vida útil do dente
Responsável pela diminuição da câmera pulpar
• Túbulos
Mais tortuosos que a primária
Densidade por área é menor que a primária
ESTÍMULO
FISIOLÓGICO
-alimentação
-mudanças de
temperatura,
etc.
DENTINA TERCIÁRIA
• Estímulos Patológicos
• Produzida: Por odontoblastos secundários
- Só se produz diante de uma agressão RÁPIDA= REPARADORA
LENTA= REACIONAL
• É menos mineralizada e extremamente porosa
• Pode apresentar células e vasos incluídos em sua matriz
• Túbulos
Poucos
Mais tortuosos
Mais desorganizados
Densidade por área bem maior que na dentina secundária
DENTINA ESCLEROSADA
• Associada ao envelhecimento
• Deposição peritubular Vedamento dos túbulos dentinários
Diminuindo a luz do túbulo
• Proteção natural da polpa
Alto teor mineral
Menos permeável
• Ocorre lesão e degeneração dos processos odontoblásticoos
Teoria Hidrodinâmica - movimentação do fluido dentinário pressiona
as terminações nervosas causando a sensação dolorosa.
DENTINA
•Tecido conjuntivo
Características
REAÇÃO DEFENSIVSA
TECIDO PULPAR
- Diferenciado
- Ricamente inervado
- Vascularizado
Produção e nutrição de dentina
Alertar qualquer injúria ao elemento dentário DOR
- Responsável pela vitalidade do dente
INJÚRIA MENOR = formação dentina reacional
INJÚRIA MAIOR = reação inflamatória
Sempre que um dente tenha necessidade de ser
restaurado é necessário que a vitalidade pulpar seja
preservada por meio de adequada proteção e
cuidados relativos aos procedimentos clínicos.
ASPECTOS IMPORTANTES
 Idade do paciente;
 Condição pulpar;
 Volume da câmara pulpar;
 Profundidade da cavidade;
 Dentina secundária e esclerótica;
 Diâmetro dos túbulos;
 Características/ sintomatologia;
 Tipo de Injúria.
VOLUME DA CÂMARA PULPAR
POLPA -JOVEM POLPA-ADULTO
MELHOR RESPOSTA
(+ cautela na remoção da cárie)
POLPA MAIS LONGE
(- risco de exposição acidental)
Cárie
- Origem Bacteriana
Trauma
- Origem Mecânica
Preparo cavitário
- Origem Física
Materiais
- Origem Química
FATORES DETERMINANTES
A INJÚRIA PULPAR
 CUIDADOS RELACIONADO AOS
PROCEDIMENTOS CLÍNICOS;
 ADEQUADA LIMPEZA E PROTEÇÃO DO
PREPARO CAVITÁRIO DE ACORDO COM
SUA PROFUNDIDADE.
DEVE-SE RESPEITAR:
RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS
PREPARO CAVITÁRIO
- Condicionamento ácido e secagem;
- Qualidade das brocas;
- Refrigeração das Turbinas;
- Vibração.
RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS
LIMPEZA CAVITÁRIA
RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS
SECAGEM DA CAVIDADE
Bolinhas de
algodão ou curtos
jatos de ar, o uso
de ar por 10s ou
mais causam
desorganização
da camada
odontoblástica
Superfície de brocas confeccionadas
por dois sistemas distintos
Brocas desgastas
após o uso
Qualidade das brocas
Refrigeração das Turbinas
 Vibração
• AGENTES DESMINERALIZANTES
-Ácido fosfórico
-Ácido poliacrílico e EDTA
• AGENTES NÃO-DESMINERALIZANTES
-Clorexidina a 2%
-Solução de Hidróxido de calcio (PA) + Agua destilada
-Fluor fostato acidulado
AGENTES DE LIMPEZA CAVITÁRIA
• Aplicados após preparo cavitário;
• Reduz número de bactérias na dentina;
• Promove adequada limpeza do preparo cavitário.
Um material protetor ideal se tiver as seguintes características:
 Ser um bom isolante térmico e elétrico;
 Ser bactericida e bacteriostático;
 Ter adesão à estrutura dentária;
 Estimular a formação de dentina reparadora;
 Biocompatível;
AGENTES PROTETORES
- Vernizes
- Cimentos de Hidróxido de Cálcio
- Cimento de Ionômero de Vidro
- Cimento de Óxido de Zinco e Eugenol
- Fluor Fosfato Acidulado
- Adesivos Dentinários
SÃO ELES:
PROTEÇÃO COMPLEXO DENTINO-PULPAR
• São compostos à base de resina dissolvida em clorofórmio, éter ou acetona;
• O solvente evapora-se rapidamente, deixando uma película forradora que
veda com eficiência a superfície dentinária;
• Inibem a penetração de Íons metálicos;
• Evitam a infiltração marginal.
• Hidroxiapatita sintética
 INDICAÇÃO:
-Restauração com Amálgama
EX:.Verniz Caulk (Dentsply).
Vernizes Cavitários
 Produtos a base de Hidróxido de Cálcio
 Bastante difundidos e muito utilizados.
 Possui Ph alcalino, solúvel, biocompatível e bacteriostático.
 Neutralizam os ácidos- migram para a polpa
 Induz a formação de dentina reparadora
INDICAÇÃO:
• Área de exposição pulpar (Hidróxido de Cálcio-PA);
• Usado muito próximo da polpa (Hidróxido de Cálcio- Pasta);
APRESENTAÇÃO:
• Solução: limpeza e hemostasia
• Suspensão: Forramento
• Pó: Capeamento Direto
• Cimento: Capeamento Indireto
Hidróxido de Cálcio
 Possuem as mais diferentes composições e comportamentos físicos e
biológicos.
# Os mais utilizados em forramentos e proteção são:
 Cimentos Dentários
Óxido de zinco e eugenol (OZE)
Apresenta efeito terapêutico sobre a polpa.
Baixa resistência mecânica.
Péssima adesividade à estrutura dental.
Inibe a polimerização das resinas compostas e adesivos dentinários.
Ionômero de vidro (CIV)
Promove a remineralização pela liberação de flúor.
Coeficiente de expansão térmica-linear próximo ao da dentina.
Biocompatível.
Excelente resistência como protetor e/ou forrador.
ÓXIDO DE ZINCO
E EUGNOL
CIMENTO DE
IONÔMERO DE
VIDRO
(FORRADOR)
 Cavidades Rasas
-Cavidades em esmalte ou ultrapassando 0,5 a 1,0 mm da junção
amelodentinária;
 Cavidades Médias
-Cavidades com 1mm ou mais de dentina remanescente entre o assoalho e a
polpa;
 Cavidades Profundas
- Cavidades com até 0,5mm de dentina remanescente entre o assoalho e a
polpa;
 Cavidades Muito Profundas
- Cavidades com até 0,5mm ou menos de dentina remanescente entre o
assoalho e a polpa.
PROFUNDIDADE DAS CAVIDADES
PROFUNDIDADE DAS CAVIDADES
PROFUNDIDADE DA
CAVIDADE
AGENTE DE LIMPEZA PROTEÇÃO
INTERMEDIÁRIA
RASA/ MÉDIA
- Solução de Hidróxido
de cálcio
- Flúor
Flúor
PROFUNDA
- Solução de Hidróxido
de cálcio
- Flúor
Cimento de Ionômero
de vidro
MUITO PROFUNDA
- Solução de Hidróxido
de cálcio
- Flúor
Hidróxido de Cálcio
+ CIV
RESTAURAÇÃO /AMÁLGAMA
INDICADORES DOS AGENTES PROTETORES
Irá determinar qual o tipo de proteção que deverá ser utilizado.
PROFUNDIDADE DA
CAVIDADE
AGENTE DE LIMPEZA PROTEÇÃO
INTERMEDIÁRIA
RASA/ MÉDIA
Condicionamento
ácido + Clorexidina 2% Sistema Adesivo
PROFUNDA Clorexidina 2% CIV + Sist. Adesivo
MUITO PROFUNDA Clorexidina 2%
POLPA JOVEM
Hid.Cálcio + CIV.+ Sist.
Adesivo
POLPA ENVELHECIDA
CIV + Sist. Adesivo
RESTAURAÇÃO/RESINA COMPOSTA
INDICADORES DOS AGENTES PROTETORES
HIDRÓXIDO DE CÁLCIO
RELAÇÃO
CIV
Solúvel;
Aplicação somente no
ponto mais fundo da
cavidade.
Protege o Hid. De Cálcio;
Adesão a estrutura dental na
parede pulpar e circundantes.
Tratamento expectante Capeamento pulpar indireto
Capeamento pulpar direto
Curetagem pulpar
Pulpotomia
TRATAMENTO CONSERVADOR DA POLPA
Capeamento
pulpar
indireto
Evitar exposição pulpar
durante preparos em cavidades
profundas.
REMOÇÃO PARCIAL DO
TECIDO CARIADO
INDUÇÃO DE DENTINA
REPARADORA
Remover dentina superficial;
Deixar dentina infctada nas paredes circundantes;
Hidróxido de cálcio (PA)
Pasta de Hidróxido de Cálcio +
Pasta de óxido de zinco e eugenol
APÓS 45
DIAS
Realizar teste de vitalidade pulpar;
Remoção total do tecido cariado;
Restaurar como cavidade muito profunda.
TRATAMENTO EXPECTANTE:
Capeamento Pulpar Indireto
TRATAMENTO EXPECTANTE: Capeamento Pulpar Indireto
RESULTADO RADIOGRÁFICO
Tem sangramento
trauma
Pequena exposição
acidental durante
preparo cavitário
Polpa coronária clnicamente vital e reversível
Exposição por trauma: Maximo 24 horas.
Capeamento
pulpar direto
Capeamento pulpar direto
• Anestesia
• Isolamento
• Remoção do tecido cariado
• Preparo e exposição acidental
• Lavagem da cavidade Soro fisiológico
• Hemostasia e secagem da cavidade
• Aplicação de corticosteróides OTOSPORIN (5 min.)
• Hidróxido de Cálcio-PA (pó)
• Cimento Hidróxido de Cálcio
• Remoção dos excessos das paredes laterais
• Restauração
• Teste de vitalidade (Na segunda visita do paciente)
• Proservação de 6 em 6 meses
• Prognóstico Duvidoso
Bolinha de
algodão
Provisória > CIV
Imediata > Resina/Amálgama
PULPOTOMIACURETAGEM
PULPAR
MAIOR EXPOSIÇÃO ACIDENTAL DA POLPA
REMOÇÃO
PARCIAL DA
POLPA
CORONÁRIA
REMOÇÃO
TOTAL DA
POLPA
CORONÁRIA
 vermelho vivo
 resistente ao corte
 abundante
Extensão do processo
inflamatório
DIAGNÓSTICO
 Sangramento
 Consistência
Abertura:
Anestesia;
Isolamento absoluto ;
 Excisão de toda polpa coronária;
 Lavagem com soro fisiólógico;
Hemostasia e secagem da cavidade;
Apicação de corticosteroide
(OTOSPORIN- 10 a 15 min.)
PULPOTOMIA
- Remoção total do tecido cariado;
- Remoção do teto da câmara pulpar;
Aplicação do Hidróxido de cálcio PA sobre o remanescente pulpar;
Aplicação do Cimento de Ca(OH)2 ;
 Remoção dos excessos das paredes laterais;
Restauração imediata ou provisória;
RESULTADO RADIOGRÁFICO
PROSERVAÇÃO
Em torno de 94% dos casos
 Ausência de sintomatologia
 Normalidade dos tecidos perapicais
 Barreira mineralizada
 Vitalidade pulpar
 Presença de coágulos extra pulpares
 Presença de fragmentos de dentina na polpa radicular
 Aplicação inadequada do hidróxido de cálcio
 Selamento provisório por tempo prolongado
Causas de insucessos
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
profguilhermeterra
 
Materiais dentários
Materiais dentáriosMateriais dentários
Materiais dentários
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
Camilla Bringel
 
Materiais Dentários
Materiais DentáriosMateriais Dentários
Materiais Dentários
Flavio Salomao-Miranda
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Guilherme Terra
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
Ines Jacyntho Inojosa
 
Traumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em OdontopediatriaTraumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em Odontopediatria
Flavio Salomao-Miranda
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
Dr.João Calais.:
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
profguilhermeterra
 
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
Valdemir Junior
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
profguilhermeterra
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
Rayssa Mendonça
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
Camilla Bringel
 
Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
Adriana Mércia
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
Rayssa Mendonça
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
Flavio Salomao-Miranda
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
Rayssa Mendonça
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
Oyara Mello
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
profguilhermeterra
 
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSDENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
Camilla Bringel
 

Mais procurados (20)

Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Materiais dentários
Materiais dentáriosMateriais dentários
Materiais dentários
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
Materiais Dentários
Materiais DentáriosMateriais Dentários
Materiais Dentários
 
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
Técnicas anestésicas e soluções anestésicas 2013
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 
Traumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em OdontopediatriaTraumatismo dental em Odontopediatria
Traumatismo dental em Odontopediatria
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
 
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
1 aula - Moldagem, Molde e Modelo
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
 
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOSDENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
DENTES INCLUSOS E IMPACTADOS
 

Semelhante a Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel

Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Guilherme Terra
 
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptx
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptxMateriais Odontológicos aula 03.09.pptx
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptx
AnnaFlaviaDantas
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
Leidy Any
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
profguilhermeterra
 
Cárie dentária 2012 1
Cárie dentária 2012 1Cárie dentária 2012 1
Cárie dentária 2012 1
Guilherme Terra
 
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduoEndodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Cristhiane Amaral
 
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Elizangela Zago
 
APOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA IIAPOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA II
Rayssa Mendonça
 
Trauma dental
Trauma dentalTrauma dental
Trauma dental
Rayssa Mendonça
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Rayssa Mendonça
 
paaguda.ppt
paaguda.pptpaaguda.ppt
paaguda.ppt
MauricioSchneider7
 
Tec mat endo aula acidentes(blog)
Tec mat endo   aula acidentes(blog)Tec mat endo   aula acidentes(blog)
Tec mat endo aula acidentes(blog)
Charles Pereira
 
Histologia Oral
Histologia Oral Histologia Oral
Histologia Oral
MarianaKurodaPazGona
 
4 - materiais de moldagem
 4 - materiais de moldagem 4 - materiais de moldagem
4 - materiais de moldagem
Euber E Silmara
 
Apostila de endodontia - unesa - karoline sias
Apostila de endodontia  - unesa - karoline siasApostila de endodontia  - unesa - karoline sias
Apostila de endodontia - unesa - karoline sias
Karol Sias
 
Importancia do preparo apical
Importancia do preparo apicalImportancia do preparo apical
Importancia do preparo apical
Nadia Morais Tonussi
 
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em CriançasA Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
DidaticaMPCO
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
Guilherme Terra
 
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoTrabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Bruno Sequeira
 
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Daniel Ferro
 

Semelhante a Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel (20)

Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptx
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptxMateriais Odontológicos aula 03.09.pptx
Materiais Odontológicos aula 03.09.pptx
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
Cárie dentária 2012 1
Cárie dentária 2012 1Cárie dentária 2012 1
Cárie dentária 2012 1
 
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduoEndodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
 
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
 
APOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA IIAPOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA II
 
Trauma dental
Trauma dentalTrauma dental
Trauma dental
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
 
paaguda.ppt
paaguda.pptpaaguda.ppt
paaguda.ppt
 
Tec mat endo aula acidentes(blog)
Tec mat endo   aula acidentes(blog)Tec mat endo   aula acidentes(blog)
Tec mat endo aula acidentes(blog)
 
Histologia Oral
Histologia Oral Histologia Oral
Histologia Oral
 
4 - materiais de moldagem
 4 - materiais de moldagem 4 - materiais de moldagem
4 - materiais de moldagem
 
Apostila de endodontia - unesa - karoline sias
Apostila de endodontia  - unesa - karoline siasApostila de endodontia  - unesa - karoline sias
Apostila de endodontia - unesa - karoline sias
 
Importancia do preparo apical
Importancia do preparo apicalImportancia do preparo apical
Importancia do preparo apical
 
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em CriançasA Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
 
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoTrabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
 
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
 

Mais de Camilla Bringel

c
cc
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
Camilla Bringel
 
6398.pdf
6398.pdf6398.pdf
6398.pdf
Camilla Bringel
 
3.pdf
3.pdf3.pdf
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
Camilla Bringel
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
Camilla Bringel
 
Pinos anatômicos
Pinos anatômicos Pinos anatômicos
Pinos anatômicos
Camilla Bringel
 
Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontia
Camilla Bringel
 
Biomateriais em Implantodontia
Biomateriais em ImplantodontiaBiomateriais em Implantodontia
Biomateriais em Implantodontia
Camilla Bringel
 
Clareamento Dental Interno
Clareamento Dental InternoClareamento Dental Interno
Clareamento Dental Interno
Camilla Bringel
 
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM'sEtiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
Camilla Bringel
 
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
Camilla Bringel
 
óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringelóXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel
Camilla Bringel
 

Mais de Camilla Bringel (13)

c
cc
c
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
6398.pdf
6398.pdf6398.pdf
6398.pdf
 
3.pdf
3.pdf3.pdf
3.pdf
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
ODONTOLOGIA
ODONTOLOGIAODONTOLOGIA
ODONTOLOGIA
 
Pinos anatômicos
Pinos anatômicos Pinos anatômicos
Pinos anatômicos
 
Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontia
 
Biomateriais em Implantodontia
Biomateriais em ImplantodontiaBiomateriais em Implantodontia
Biomateriais em Implantodontia
 
Clareamento Dental Interno
Clareamento Dental InternoClareamento Dental Interno
Clareamento Dental Interno
 
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM'sEtiologia, sinais e sintomas das DTM's
Etiologia, sinais e sintomas das DTM's
 
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
 
óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringelóXido de zinco e eugenol para moldagem  camilla bringel
óXido de zinco e eugenol para moldagem camilla bringel
 

Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel

  • 4.  O conjunto esmalte/dentina é a estrutura responsável pela proteção biológica da polpa. Ao mesmo tempo estes tecidos se protegem mutuamente.  O esmalte é um tecido duro - 12% de água + comp. Orgânicos - 88% de hidroxidohapatita  A dentina é um tecido Resistente ao desgaste Impermeável Bom isolante térmico Permeável Pouco resistente ao desgaste Boa condutora de eletricidade ESMALTE/DENTINA S E P R O T G E M Extremamente friável Possui resiliência - 25% de água - 30% fibras - 45% de hidroxihapatita
  • 5. DENTINA DENTINA PRIMÁRIA • Mais superficial • Produzida: Por odontoblastos primários antes da apicogênese • Túbulos Bem organizados Regulares Paralelos entre si • Bem mais permeável DENTINA SECUNDÁRIA • Produzida Por odontoblastos primários após a apicogênese Durante toda vida útil do dente Responsável pela diminuição da câmera pulpar • Túbulos Mais tortuosos que a primária Densidade por área é menor que a primária ESTÍMULO FISIOLÓGICO -alimentação -mudanças de temperatura, etc.
  • 6. DENTINA TERCIÁRIA • Estímulos Patológicos • Produzida: Por odontoblastos secundários - Só se produz diante de uma agressão RÁPIDA= REPARADORA LENTA= REACIONAL • É menos mineralizada e extremamente porosa • Pode apresentar células e vasos incluídos em sua matriz • Túbulos Poucos Mais tortuosos Mais desorganizados Densidade por área bem maior que na dentina secundária
  • 7. DENTINA ESCLEROSADA • Associada ao envelhecimento • Deposição peritubular Vedamento dos túbulos dentinários Diminuindo a luz do túbulo • Proteção natural da polpa Alto teor mineral Menos permeável • Ocorre lesão e degeneração dos processos odontoblásticoos
  • 8. Teoria Hidrodinâmica - movimentação do fluido dentinário pressiona as terminações nervosas causando a sensação dolorosa. DENTINA
  • 9. •Tecido conjuntivo Características REAÇÃO DEFENSIVSA TECIDO PULPAR - Diferenciado - Ricamente inervado - Vascularizado Produção e nutrição de dentina Alertar qualquer injúria ao elemento dentário DOR - Responsável pela vitalidade do dente INJÚRIA MENOR = formação dentina reacional INJÚRIA MAIOR = reação inflamatória
  • 10. Sempre que um dente tenha necessidade de ser restaurado é necessário que a vitalidade pulpar seja preservada por meio de adequada proteção e cuidados relativos aos procedimentos clínicos.
  • 11. ASPECTOS IMPORTANTES  Idade do paciente;  Condição pulpar;  Volume da câmara pulpar;  Profundidade da cavidade;  Dentina secundária e esclerótica;  Diâmetro dos túbulos;  Características/ sintomatologia;  Tipo de Injúria.
  • 12. VOLUME DA CÂMARA PULPAR POLPA -JOVEM POLPA-ADULTO MELHOR RESPOSTA (+ cautela na remoção da cárie) POLPA MAIS LONGE (- risco de exposição acidental)
  • 13. Cárie - Origem Bacteriana Trauma - Origem Mecânica Preparo cavitário - Origem Física Materiais - Origem Química FATORES DETERMINANTES A INJÚRIA PULPAR
  • 14.  CUIDADOS RELACIONADO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS;  ADEQUADA LIMPEZA E PROTEÇÃO DO PREPARO CAVITÁRIO DE ACORDO COM SUA PROFUNDIDADE. DEVE-SE RESPEITAR:
  • 15. RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS PREPARO CAVITÁRIO - Condicionamento ácido e secagem; - Qualidade das brocas; - Refrigeração das Turbinas; - Vibração.
  • 16. RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS LIMPEZA CAVITÁRIA
  • 17. RELATIVO AOS PROCEDIMENTOS CLÍNICOS SECAGEM DA CAVIDADE Bolinhas de algodão ou curtos jatos de ar, o uso de ar por 10s ou mais causam desorganização da camada odontoblástica
  • 18. Superfície de brocas confeccionadas por dois sistemas distintos Brocas desgastas após o uso Qualidade das brocas
  • 21. • AGENTES DESMINERALIZANTES -Ácido fosfórico -Ácido poliacrílico e EDTA • AGENTES NÃO-DESMINERALIZANTES -Clorexidina a 2% -Solução de Hidróxido de calcio (PA) + Agua destilada -Fluor fostato acidulado AGENTES DE LIMPEZA CAVITÁRIA • Aplicados após preparo cavitário; • Reduz número de bactérias na dentina; • Promove adequada limpeza do preparo cavitário.
  • 22. Um material protetor ideal se tiver as seguintes características:  Ser um bom isolante térmico e elétrico;  Ser bactericida e bacteriostático;  Ter adesão à estrutura dentária;  Estimular a formação de dentina reparadora;  Biocompatível; AGENTES PROTETORES - Vernizes - Cimentos de Hidróxido de Cálcio - Cimento de Ionômero de Vidro - Cimento de Óxido de Zinco e Eugenol - Fluor Fosfato Acidulado - Adesivos Dentinários SÃO ELES: PROTEÇÃO COMPLEXO DENTINO-PULPAR
  • 23. • São compostos à base de resina dissolvida em clorofórmio, éter ou acetona; • O solvente evapora-se rapidamente, deixando uma película forradora que veda com eficiência a superfície dentinária; • Inibem a penetração de Íons metálicos; • Evitam a infiltração marginal. • Hidroxiapatita sintética  INDICAÇÃO: -Restauração com Amálgama EX:.Verniz Caulk (Dentsply). Vernizes Cavitários
  • 24.  Produtos a base de Hidróxido de Cálcio  Bastante difundidos e muito utilizados.  Possui Ph alcalino, solúvel, biocompatível e bacteriostático.  Neutralizam os ácidos- migram para a polpa  Induz a formação de dentina reparadora INDICAÇÃO: • Área de exposição pulpar (Hidróxido de Cálcio-PA); • Usado muito próximo da polpa (Hidróxido de Cálcio- Pasta); APRESENTAÇÃO: • Solução: limpeza e hemostasia • Suspensão: Forramento • Pó: Capeamento Direto • Cimento: Capeamento Indireto
  • 26.  Possuem as mais diferentes composições e comportamentos físicos e biológicos. # Os mais utilizados em forramentos e proteção são:  Cimentos Dentários Óxido de zinco e eugenol (OZE) Apresenta efeito terapêutico sobre a polpa. Baixa resistência mecânica. Péssima adesividade à estrutura dental. Inibe a polimerização das resinas compostas e adesivos dentinários. Ionômero de vidro (CIV) Promove a remineralização pela liberação de flúor. Coeficiente de expansão térmica-linear próximo ao da dentina. Biocompatível. Excelente resistência como protetor e/ou forrador.
  • 27. ÓXIDO DE ZINCO E EUGNOL CIMENTO DE IONÔMERO DE VIDRO (FORRADOR)
  • 28.  Cavidades Rasas -Cavidades em esmalte ou ultrapassando 0,5 a 1,0 mm da junção amelodentinária;  Cavidades Médias -Cavidades com 1mm ou mais de dentina remanescente entre o assoalho e a polpa;  Cavidades Profundas - Cavidades com até 0,5mm de dentina remanescente entre o assoalho e a polpa;  Cavidades Muito Profundas - Cavidades com até 0,5mm ou menos de dentina remanescente entre o assoalho e a polpa. PROFUNDIDADE DAS CAVIDADES
  • 30. PROFUNDIDADE DA CAVIDADE AGENTE DE LIMPEZA PROTEÇÃO INTERMEDIÁRIA RASA/ MÉDIA - Solução de Hidróxido de cálcio - Flúor Flúor PROFUNDA - Solução de Hidróxido de cálcio - Flúor Cimento de Ionômero de vidro MUITO PROFUNDA - Solução de Hidróxido de cálcio - Flúor Hidróxido de Cálcio + CIV RESTAURAÇÃO /AMÁLGAMA INDICADORES DOS AGENTES PROTETORES Irá determinar qual o tipo de proteção que deverá ser utilizado.
  • 31. PROFUNDIDADE DA CAVIDADE AGENTE DE LIMPEZA PROTEÇÃO INTERMEDIÁRIA RASA/ MÉDIA Condicionamento ácido + Clorexidina 2% Sistema Adesivo PROFUNDA Clorexidina 2% CIV + Sist. Adesivo MUITO PROFUNDA Clorexidina 2% POLPA JOVEM Hid.Cálcio + CIV.+ Sist. Adesivo POLPA ENVELHECIDA CIV + Sist. Adesivo RESTAURAÇÃO/RESINA COMPOSTA INDICADORES DOS AGENTES PROTETORES
  • 32. HIDRÓXIDO DE CÁLCIO RELAÇÃO CIV Solúvel; Aplicação somente no ponto mais fundo da cavidade. Protege o Hid. De Cálcio; Adesão a estrutura dental na parede pulpar e circundantes.
  • 33. Tratamento expectante Capeamento pulpar indireto Capeamento pulpar direto Curetagem pulpar Pulpotomia TRATAMENTO CONSERVADOR DA POLPA
  • 34. Capeamento pulpar indireto Evitar exposição pulpar durante preparos em cavidades profundas. REMOÇÃO PARCIAL DO TECIDO CARIADO INDUÇÃO DE DENTINA REPARADORA
  • 35. Remover dentina superficial; Deixar dentina infctada nas paredes circundantes; Hidróxido de cálcio (PA) Pasta de Hidróxido de Cálcio + Pasta de óxido de zinco e eugenol APÓS 45 DIAS Realizar teste de vitalidade pulpar; Remoção total do tecido cariado; Restaurar como cavidade muito profunda. TRATAMENTO EXPECTANTE: Capeamento Pulpar Indireto
  • 36. TRATAMENTO EXPECTANTE: Capeamento Pulpar Indireto RESULTADO RADIOGRÁFICO
  • 37. Tem sangramento trauma Pequena exposição acidental durante preparo cavitário Polpa coronária clnicamente vital e reversível Exposição por trauma: Maximo 24 horas. Capeamento pulpar direto
  • 38. Capeamento pulpar direto • Anestesia • Isolamento • Remoção do tecido cariado • Preparo e exposição acidental • Lavagem da cavidade Soro fisiológico • Hemostasia e secagem da cavidade • Aplicação de corticosteróides OTOSPORIN (5 min.) • Hidróxido de Cálcio-PA (pó) • Cimento Hidróxido de Cálcio • Remoção dos excessos das paredes laterais • Restauração • Teste de vitalidade (Na segunda visita do paciente) • Proservação de 6 em 6 meses • Prognóstico Duvidoso Bolinha de algodão Provisória > CIV Imediata > Resina/Amálgama
  • 39. PULPOTOMIACURETAGEM PULPAR MAIOR EXPOSIÇÃO ACIDENTAL DA POLPA REMOÇÃO PARCIAL DA POLPA CORONÁRIA REMOÇÃO TOTAL DA POLPA CORONÁRIA
  • 40.  vermelho vivo  resistente ao corte  abundante Extensão do processo inflamatório DIAGNÓSTICO  Sangramento  Consistência
  • 41. Abertura: Anestesia; Isolamento absoluto ;  Excisão de toda polpa coronária;  Lavagem com soro fisiólógico; Hemostasia e secagem da cavidade; Apicação de corticosteroide (OTOSPORIN- 10 a 15 min.) PULPOTOMIA - Remoção total do tecido cariado; - Remoção do teto da câmara pulpar;
  • 42. Aplicação do Hidróxido de cálcio PA sobre o remanescente pulpar; Aplicação do Cimento de Ca(OH)2 ;  Remoção dos excessos das paredes laterais; Restauração imediata ou provisória;
  • 44. PROSERVAÇÃO Em torno de 94% dos casos  Ausência de sintomatologia  Normalidade dos tecidos perapicais  Barreira mineralizada  Vitalidade pulpar  Presença de coágulos extra pulpares  Presença de fragmentos de dentina na polpa radicular  Aplicação inadequada do hidróxido de cálcio  Selamento provisório por tempo prolongado Causas de insucessos