SlideShare uma empresa Scribd logo
UBCs do Estado de São Paulo:UBCs do Estado de São Paulo:
aplicação para análise do perigo deaplicação para análise do perigo de
deslizamentos e inundaçõesdeslizamentos e inundações
Cláudio José Ferreira
cferreira@igeologico.sp.gov.br
VI SEMINÁRIO ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO DE RISCOS E DESASTRES DE
EVENTOS GEODINÂMICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
São Paulo, 08 de dezembro de 2014
O que são as Unidades Básicas de Compartimentação
Fisiográfica (UBCs)?
Instrumento de
análises espaciais
Instrumento de
análises espaciais
Unidades homogêneas do
substrato geológico-
geomorfológico-pedológico
Unidades homogêneas do
substrato geológico-
geomorfológico-pedológico
Vedovello (2000)
Abordagens similares
Unidade Administrativa Unidade Bacia
Hidrográfica
Fonte:http://geoconceicao.blogspot.com.brFonte Emplasa: http://www.uitgeo.sp.gov.br/
As UBCs são um produto intermediário!
Análise do Território
UBC - Substrato
Análise do
Território
UBC - Substrato
UHCT - Uso e
cobertura da terra
UTB - Unidade
Territorial Básica
+
Em breve lançamento das UTBs
Três características fundamentais
Produto simples,
aberto e flexível –
um arquivo
formato shape
Abrangência
estadual –
homogeneidade
na análise regional
Abordagem
numérica –
variação contínua
de índices
Produto simples, aberto e flexível – um arquivo
formato shape
Elementos
gráficos:
24.221
polígonos
Tabela de
atributos
●Recorte para área de
interesse;
●Inclusão de atributos
raster por operações
zonais;
●Demanda por
aprendizagem de SIG.
Abrangência estadual – homogeneidade na análise
regional (resolução 30m, escala 1:50.000 – 1:70.000)
●Planos de Bacias-UGRHIs;
●ZEEs;
●Planos Diretores Municipais;
●Gerenciamento de Risco;
●Aptidão expansão urbana.
●Mesmos métodos e
critérios;
●Homogeneidade nas
análises
Aplicações
Abordagem numérica – variação contínua de índices
●Flexibilidade na escolha do número e métodos de definição dos intervalos de
classe;
●Possibilidade de utilizar diferentes intervalos de dados para diferentes áreas de
interesse (por ex., municípios, sub-bacias)
Como foi feito? Definição de Níveis Hierárquicos com
base no Mapa Geomorfológico de Ross & Moroz 1997
Morfoestruturas Morfoesculturas Localização Geográfica UBC
Coberturas Sedimentares-
Pleistoceno e Holoceno
Planícies Fluviais;
Planícies Litorâneas;
Depósitos coluvionares
e de tálus
1 Paraná, 2 Paraíba do Sul,
Ribeira, 3 Tietê etc
Ubc1,2
, etc
Bacias Sedimentares do
Mioceno e Paleógeno
Planaltos;
serras/escarpas;
morros isolados
1 Planalto de São Paulo, 2
Depressão Médio Paraíba etc
Bacia Vulcano- Sedimentar
do Paraná - Depressão
Periférica
1 Depressão Moji-Guaçu, 2
Depressão Médio Tietê etc
Bacia Vulcano- Sedimentar
do Paraná - Planalto
Ocidental Paulista
1 Planalto Centro Ocidental, 2
Planalto em Patamares
Estruturais de Ribeirão Preto,
3 Planalto Residual de Marília
etc
Cinturão Orogênico do
Atlântico
1 Planalto da Mantiqueira, 2
Planalto da Bocaina etc
Corpos D'Água
Exemplos de delimitação das UBCs
Aplicação ao mapeamento de perigos de deslizamentos
e inundação
ISDR-ONU1 PERIGO VULNERABILIDADE EXPOSIÇÃO
POLÍTICA NACIONAL2 Ameaça Vulnerabilidade Dano, Perda, Prejuízo
ISO-31.0003 Fatores de risco Controle Consequências
IPCC4 Eventos Climáticos Vulnerabilidade Exposição
CPRM/IPT Suscetibilidade
Modelo de
Gerenciamento de Risco
Componentes da Análise de Risco
R = f (Perigo * Vulnerabilidade * Exposição)
Atributos selecionados para cálculo do perigo de
deslizamentos e inundação
ATRIBUTO DESCRIÇÃO
FORMA DE
OBTENÇÃO
Amplitude
Representa o desnível entre o topo e a base da encosta, indicando a
quantidade de solo na encosta. Quanto maior a amplitude maior a
probabilidade de ocorrência do processo. Fonte: Topodata (Valeriano,
2008). Unidade: metros.
Raster 30x30m;
cálculo de média
zonal.
Declividade
Média
Expressa a inclinação das vertentes. Quanto maior a declividade, maior
a probabilidade de ocorrência do processo. Fonte: Topodata (Valeriano,
2008). Unidade: graus.
Raster 30x30m;
cálculo de média
zonal.
Densidade de
Drenagem
Expressa a permeabilidade e grau de fraturamento do terreno. Quanto
maior a densidade de drenagem, maior a probabilidade de ocorrência
do processo. Fonte: drenagem automática CPLA. Unidade: metros/m2..
Raster 90x90m;
cálculo de média
zonal.
Índice de
estruturação
da rocha
(intensidade
de foliação)
Expressa o grau de estruturação do terreno. Quanto maior a
intensidade de foliação, maior a probabilidade de ocorrência do
processo. Fonte: reclassificação das unidades geológicas. Unidade:
adimensional.
Reclassificação e
ponderação das
unidades
geológicas.
Excedente
Hídrico
Expressa a quantidade de chuva. Quanto maior o excedente hídrico,
maior a probabilidade de ocorrência do processo. Fator condicionante
da variável perigo. Fonte: Armani (inédito). Unidade: milímetros.
Raster
200x200m;
cálculo de média
zonal.
Cálculo do perigo de deslizamentos e inundação
Atributo normalizado = ((Vn-Vmin)/(Vmax-Vmin)) [1],
Para Perigo de Deslizamentos
Cenário 1- Declividade entre 0-6°, aplicação da fórmula:
P_ESC=0,8*DE + 0,05*AM + 0,05*DD + 0,05*EH + 0,05*IF [2];
Cenário 2- Declividade entre 6-12°, aplicação da fórmula:
P_ESC=0,5*DE + 0,125*AM + 0,125*DD + 0,125*EH + 0,125*IF [3];
Cenário 3- Declividade entre 12-18°, aplicação da fórmula:
P_ESC=0,2*DE + 0,2*AM + 0,2*DD + 0,2*EH + 0,2*IF [4];
Cenário 4- Declividade entre 18-24°, aplicação da fórmula:
P_ESC=0,5*DE + 0,125*AM + 0,125*DD + 0,125*EH + 0,125*IF [5];
Cenário 5- Declividade maior que 24°, aplicação da fórmula:
P_ESC=0,8*DE + 0,05*AM + 0,05*DD + 0,05*EH + 0,05*IF [6];
Para Perigo de Inundação:
P_INU=0,2*DE + 0,2*AM + 0,2*DD + 0,2*EH [7];
Classes do mapa de perigo de deslizamentos e
inundação
P0 – Perigo Nulo a Quase Nulo
Para definição
dos limites das
classes de P1 a
P5 foi utilizado
o método das
Quebras
Naturais de
Jenks
P1 – Perigo Muito Baixo
P2 – Perigo Baixo
P3 – Perigo Médio
P4 – Perigo Alto
P5 – Perigo Muito Alto
Para planícies: deslizamentos
= P0
Para encostas: inundação = P0
Mapa de perigo de deslizamentos
Mapa de perigo de inundação
10 municípios com maiores índices médios de perigo de
escorregamento
Muito Obrigado!
Claudio José Ferreira
cferreira@igeologico.sp.gov.br
GrupodePesquisa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ASSINATURA ISOTÓPICA DAS ÁGUAS PLUVIAIS E SUBTERRÂNEAS NA BACIA HIDROGRÁFICA ...
ASSINATURA ISOTÓPICA DAS ÁGUAS PLUVIAIS E SUBTERRÂNEAS NA BACIA HIDROGRÁFICA ...ASSINATURA ISOTÓPICA DAS ÁGUAS PLUVIAIS E SUBTERRÂNEAS NA BACIA HIDROGRÁFICA ...
ASSINATURA ISOTÓPICA DAS ÁGUAS PLUVIAIS E SUBTERRÂNEAS NA BACIA HIDROGRÁFICA ...
Gabriella Ribeiro
 
7ºano ficha5
7ºano ficha57ºano ficha5
7ºano ficha5
Geografias Geo
 
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalizaçãoBiomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
CBH Rio das Velhas
 
Impactos no Uso de Recursos Hídricos no Entorno do PNSD, Rodrigues Alves-Acre
Impactos no Uso de Recursos Hídricos no Entorno do PNSD, Rodrigues Alves-AcreImpactos no Uso de Recursos Hídricos no Entorno do PNSD, Rodrigues Alves-Acre
Impactos no Uso de Recursos Hídricos no Entorno do PNSD, Rodrigues Alves-Acre
Augusto Rocha
 
PCFernandes
PCFernandesPCFernandes
PCFernandes
Maria José Brollo
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
Gabriella Ribeiro
 
Estudo hidrogeologico da aba oeste do Sinclinal Moeda - Metodologias e avalia...
Estudo hidrogeologico da aba oeste do Sinclinal Moeda - Metodologias e avalia...Estudo hidrogeologico da aba oeste do Sinclinal Moeda - Metodologias e avalia...
Estudo hidrogeologico da aba oeste do Sinclinal Moeda - Metodologias e avalia...
CBH Rio das Velhas
 
Hidroquímica das águas subterrâneas e superficiais na área de proteção ambien...
Hidroquímica das águas subterrâneas e superficiais na área de proteção ambien...Hidroquímica das águas subterrâneas e superficiais na área de proteção ambien...
Hidroquímica das águas subterrâneas e superficiais na área de proteção ambien...
Gabriella Ribeiro
 
Parecer Scheibe
Parecer ScheibeParecer Scheibe
Parecer Scheibe
Ecotv Strallos
 
3561-18152-1-PB.pdf
3561-18152-1-PB.pdf3561-18152-1-PB.pdf
3561-18152-1-PB.pdf
PatriciaFerreiradaSi9
 
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde MedeirosVazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
CBH Rio das Velhas
 
download.pdf
download.pdfdownload.pdf
download.pdf
PatriciaFerreiradaSi9
 
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
Gabriella Ribeiro
 
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto CarneiroWORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
portodeaveiro
 
Artigo_Santoro et al
Artigo_Santoro et alArtigo_Santoro et al
Artigo_Santoro et al
Maria José Brollo
 
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
Gabriella Ribeiro
 
Cjferreira encontro vulnerabilidade_risco_unesp_rio_claro10_11dez2014_vs_11dez14
Cjferreira encontro vulnerabilidade_risco_unesp_rio_claro10_11dez2014_vs_11dez14Cjferreira encontro vulnerabilidade_risco_unesp_rio_claro10_11dez2014_vs_11dez14
Cjferreira encontro vulnerabilidade_risco_unesp_rio_claro10_11dez2014_vs_11dez14
Claudio Ferreira
 
Conjuntura2010 cnrh mar2010
Conjuntura2010 cnrh mar2010Conjuntura2010 cnrh mar2010
Conjuntura2010 cnrh mar2010
jorge ricardo
 
Clima factores clima_ficinfor_intro
Clima factores clima_ficinfor_introClima factores clima_ficinfor_intro
Clima factores clima_ficinfor_intro
Geografias Geo
 
8ºano ficha1
8ºano ficha18ºano ficha1
8ºano ficha1
Geografias Geo
 

Mais procurados (20)

ASSINATURA ISOTÓPICA DAS ÁGUAS PLUVIAIS E SUBTERRÂNEAS NA BACIA HIDROGRÁFICA ...
ASSINATURA ISOTÓPICA DAS ÁGUAS PLUVIAIS E SUBTERRÂNEAS NA BACIA HIDROGRÁFICA ...ASSINATURA ISOTÓPICA DAS ÁGUAS PLUVIAIS E SUBTERRÂNEAS NA BACIA HIDROGRÁFICA ...
ASSINATURA ISOTÓPICA DAS ÁGUAS PLUVIAIS E SUBTERRÂNEAS NA BACIA HIDROGRÁFICA ...
 
7ºano ficha5
7ºano ficha57ºano ficha5
7ºano ficha5
 
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalizaçãoBiomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
Biomonitoramento como ferramenta de avaliação da revitalização
 
Impactos no Uso de Recursos Hídricos no Entorno do PNSD, Rodrigues Alves-Acre
Impactos no Uso de Recursos Hídricos no Entorno do PNSD, Rodrigues Alves-AcreImpactos no Uso de Recursos Hídricos no Entorno do PNSD, Rodrigues Alves-Acre
Impactos no Uso de Recursos Hídricos no Entorno do PNSD, Rodrigues Alves-Acre
 
PCFernandes
PCFernandesPCFernandes
PCFernandes
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
 
Estudo hidrogeologico da aba oeste do Sinclinal Moeda - Metodologias e avalia...
Estudo hidrogeologico da aba oeste do Sinclinal Moeda - Metodologias e avalia...Estudo hidrogeologico da aba oeste do Sinclinal Moeda - Metodologias e avalia...
Estudo hidrogeologico da aba oeste do Sinclinal Moeda - Metodologias e avalia...
 
Hidroquímica das águas subterrâneas e superficiais na área de proteção ambien...
Hidroquímica das águas subterrâneas e superficiais na área de proteção ambien...Hidroquímica das águas subterrâneas e superficiais na área de proteção ambien...
Hidroquímica das águas subterrâneas e superficiais na área de proteção ambien...
 
Parecer Scheibe
Parecer ScheibeParecer Scheibe
Parecer Scheibe
 
3561-18152-1-PB.pdf
3561-18152-1-PB.pdf3561-18152-1-PB.pdf
3561-18152-1-PB.pdf
 
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde MedeirosVazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
Vazão Ecologica - Yvonilde Medeiros
 
download.pdf
download.pdfdownload.pdf
download.pdf
 
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
ANÁLISE PRELIMINAR DAS CARACTERÍSTICAS HIDROGEOQUÍMICAS DO SISTEMA AQUÍFERO G...
 
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto CarneiroWORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Ernesto Carneiro
 
Artigo_Santoro et al
Artigo_Santoro et alArtigo_Santoro et al
Artigo_Santoro et al
 
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
GÊNESE, OCORRÊNCIA E TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO PARA O EXCESSO DE FLÚOR NA ÁGU...
 
Cjferreira encontro vulnerabilidade_risco_unesp_rio_claro10_11dez2014_vs_11dez14
Cjferreira encontro vulnerabilidade_risco_unesp_rio_claro10_11dez2014_vs_11dez14Cjferreira encontro vulnerabilidade_risco_unesp_rio_claro10_11dez2014_vs_11dez14
Cjferreira encontro vulnerabilidade_risco_unesp_rio_claro10_11dez2014_vs_11dez14
 
Conjuntura2010 cnrh mar2010
Conjuntura2010 cnrh mar2010Conjuntura2010 cnrh mar2010
Conjuntura2010 cnrh mar2010
 
Clima factores clima_ficinfor_intro
Clima factores clima_ficinfor_introClima factores clima_ficinfor_intro
Clima factores clima_ficinfor_intro
 
8ºano ficha1
8ºano ficha18ºano ficha1
8ºano ficha1
 

Semelhante a UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamentos e inundações

Palestra mauá instituto geológico
Palestra mauá instituto geológicoPalestra mauá instituto geológico
Palestra mauá instituto geológico
benedecti
 
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Maria José Brollo
 
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Claudio Ferreira
 
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Rafael Galdino Siqueira Nunes
 
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Claudio Ferreira
 
Gt5 parte i
Gt5   parte iGt5   parte i
Gt5 parte i
Procambiental
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
Maria José Brollo
 
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticasApêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardoVariabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
deborahfss
 
Relatorioivai
RelatorioivaiRelatorioivai
Relatorioivai
Victor Ha-Kã Azevedo
 
Santoro et al 13 cbge
Santoro et al 13 cbgeSantoro et al 13 cbge
Santoro et al 13 cbge
Maria José Brollo
 
Reconhecendo o Risco
Reconhecendo o Risco Reconhecendo o Risco
Reconhecendo o Risco
Cepam
 
AMARAL et al - 13cbge
AMARAL et al - 13cbgeAMARAL et al - 13cbge
AMARAL et al - 13cbge
Maria José Brollo
 
1º EMET - UNESP Bauru
1º EMET - UNESP Bauru1º EMET - UNESP Bauru
1º EMET - UNESP Bauru
Jéssica Soares
 
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
AUSTRAL GROUP CONSULTORES CAS
 
Proposta fabiana
Proposta fabianaProposta fabiana
Proposta fabiana
Giovanni Landa
 
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São PauloMapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Instituto de Pesquisas Ambientais
 
Reunião Mapeamento de Riscos
Reunião Mapeamento de RiscosReunião Mapeamento de Riscos
Reunião Mapeamento de Riscos
AsscomDF
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Universidade Federal Fluminense
 

Semelhante a UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamentos e inundações (20)

Palestra mauá instituto geológico
Palestra mauá instituto geológicoPalestra mauá instituto geológico
Palestra mauá instituto geológico
 
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
Prevenção de Desastres Naturais no Estado de São Paulo. Atuação do Instituto ...
 
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
Atuação do Instituto Geológico, SP no gerenciamento de riscos de desastres – ...
 
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
Cadastro de desastres e eventos geodinâmicos no estado de são paulo no períod...
 
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
Riscos geológicos nos desastres naturais: cinco pontos-chave para melhoria da...
 
Gt5 parte i
Gt5   parte iGt5   parte i
Gt5 parte i
 
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
PERIGOS E RISCOS GEOLÓGICOS EM CAMPOS DO JORDÃO (SP) : DIAGNÓSTICO EM 2014
 
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticasApêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
Apêndice 2 - Vulnerabilidades da zona costeira brasileira às mudanças climáticas
 
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardoVariabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
Variabilidade espacial e temporal da chuva na unidade de gerenciamento do pardo
 
Relatorioivai
RelatorioivaiRelatorioivai
Relatorioivai
 
Santoro et al 13 cbge
Santoro et al 13 cbgeSantoro et al 13 cbge
Santoro et al 13 cbge
 
Reconhecendo o Risco
Reconhecendo o Risco Reconhecendo o Risco
Reconhecendo o Risco
 
AMARAL et al - 13cbge
AMARAL et al - 13cbgeAMARAL et al - 13cbge
AMARAL et al - 13cbge
 
1º EMET - UNESP Bauru
1º EMET - UNESP Bauru1º EMET - UNESP Bauru
1º EMET - UNESP Bauru
 
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
Identificación y análisis de los niveles de riesgo en zonas vulnerables a inu...
 
Proposta fabiana
Proposta fabianaProposta fabiana
Proposta fabiana
 
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São PauloMapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
Mapeamento de áreas de risco a inundação no Estado de São Paulo
 
Reunião Mapeamento de Riscos
Reunião Mapeamento de RiscosReunião Mapeamento de Riscos
Reunião Mapeamento de Riscos
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
Alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas, ... a mãe natureza volta ...
 

Mais de Claudio Ferreira

Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IGPainel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Claudio Ferreira
 
Abordagem territorial: bases para análises ambientais
Abordagem territorial: bases para análises ambientaisAbordagem territorial: bases para análises ambientais
Abordagem territorial: bases para análises ambientais
Claudio Ferreira
 
O papel da ciência e da academia na redução de risco de desastres - a visão d...
O papel da ciência e da academia na redução de risco de desastres - a visão d...O papel da ciência e da academia na redução de risco de desastres - a visão d...
O papel da ciência e da academia na redução de risco de desastres - a visão d...
Claudio Ferreira
 
Compartimentação fisiográfica do Estado de São Paulo: base para análises ambi...
Compartimentação fisiográfica do Estado de São Paulo: base para análises ambi...Compartimentação fisiográfica do Estado de São Paulo: base para análises ambi...
Compartimentação fisiográfica do Estado de São Paulo: base para análises ambi...
Claudio Ferreira
 
Quantificação da degradação e risco em áreas mineradas do Litoral Norte, SP
Quantificação da degradação e risco em áreas mineradas do Litoral Norte, SPQuantificação da degradação e risco em áreas mineradas do Litoral Norte, SP
Quantificação da degradação e risco em áreas mineradas do Litoral Norte, SP
Claudio Ferreira
 
Experiências e aplicações da cartografia geotécnica na gestão urbana: quatro ...
Experiências e aplicações da cartografia geotécnica na gestão urbana: quatro ...Experiências e aplicações da cartografia geotécnica na gestão urbana: quatro ...
Experiências e aplicações da cartografia geotécnica na gestão urbana: quatro ...
Claudio Ferreira
 
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Claudio Ferreira
 
Política Pública na Prevenção de Desastres Naturais
Política Pública na Prevenção de Desastres NaturaisPolítica Pública na Prevenção de Desastres Naturais
Política Pública na Prevenção de Desastres Naturais
Claudio Ferreira
 
O Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais: método de mapeament...
O Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais: método de mapeament...O Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais: método de mapeament...
O Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais: método de mapeament...
Claudio Ferreira
 
Eventos naturais de risco - desastes humanos
Eventos naturais de risco - desastes humanosEventos naturais de risco - desastes humanos
Eventos naturais de risco - desastes humanos
Claudio Ferreira
 
Geotecnologias na cartografias de riscos - Instituto Geológico
Geotecnologias na cartografias de riscos - Instituto GeológicoGeotecnologias na cartografias de riscos - Instituto Geológico
Geotecnologias na cartografias de riscos - Instituto Geológico
Claudio Ferreira
 
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturaisGestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Claudio Ferreira
 
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicosO uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
Claudio Ferreira
 
Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010
Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010
Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010
Claudio Ferreira
 
O Pré-sal: oportunidades para o Brasil
O Pré-sal: oportunidades para o BrasilO Pré-sal: oportunidades para o Brasil
O Pré-sal: oportunidades para o Brasil
Claudio Ferreira
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
Claudio Ferreira
 
Risk Analysis of Geological Hazards and Disaster Management
Risk Analysis of Geological Hazards and Disaster ManagementRisk Analysis of Geological Hazards and Disaster Management
Risk Analysis of Geological Hazards and Disaster Management
Claudio Ferreira
 
Plano Diretor Geoprocessamento Fortaleza
Plano Diretor Geoprocessamento FortalezaPlano Diretor Geoprocessamento Fortaleza
Plano Diretor Geoprocessamento Fortaleza
Claudio Ferreira
 
App Restingas
App RestingasApp Restingas
App Restingas
Claudio Ferreira
 
Valor Paisagístico Dos Ecossistemas Costeiros
Valor Paisagístico Dos Ecossistemas CosteirosValor Paisagístico Dos Ecossistemas Costeiros
Valor Paisagístico Dos Ecossistemas Costeiros
Claudio Ferreira
 

Mais de Claudio Ferreira (20)

Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IGPainel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
Painel Terra - Diálogos Ambientais CBH-LN - Claudio _IG
 
Abordagem territorial: bases para análises ambientais
Abordagem territorial: bases para análises ambientaisAbordagem territorial: bases para análises ambientais
Abordagem territorial: bases para análises ambientais
 
O papel da ciência e da academia na redução de risco de desastres - a visão d...
O papel da ciência e da academia na redução de risco de desastres - a visão d...O papel da ciência e da academia na redução de risco de desastres - a visão d...
O papel da ciência e da academia na redução de risco de desastres - a visão d...
 
Compartimentação fisiográfica do Estado de São Paulo: base para análises ambi...
Compartimentação fisiográfica do Estado de São Paulo: base para análises ambi...Compartimentação fisiográfica do Estado de São Paulo: base para análises ambi...
Compartimentação fisiográfica do Estado de São Paulo: base para análises ambi...
 
Quantificação da degradação e risco em áreas mineradas do Litoral Norte, SP
Quantificação da degradação e risco em áreas mineradas do Litoral Norte, SPQuantificação da degradação e risco em áreas mineradas do Litoral Norte, SP
Quantificação da degradação e risco em áreas mineradas do Litoral Norte, SP
 
Experiências e aplicações da cartografia geotécnica na gestão urbana: quatro ...
Experiências e aplicações da cartografia geotécnica na gestão urbana: quatro ...Experiências e aplicações da cartografia geotécnica na gestão urbana: quatro ...
Experiências e aplicações da cartografia geotécnica na gestão urbana: quatro ...
 
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
Escorregamentos em Meio Urbano e Gestão de Risco de Desastres - palestra mini...
 
Política Pública na Prevenção de Desastres Naturais
Política Pública na Prevenção de Desastres NaturaisPolítica Pública na Prevenção de Desastres Naturais
Política Pública na Prevenção de Desastres Naturais
 
O Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais: método de mapeament...
O Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais: método de mapeament...O Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais: método de mapeament...
O Instituto Geológico na prevenção de desastres naturais: método de mapeament...
 
Eventos naturais de risco - desastes humanos
Eventos naturais de risco - desastes humanosEventos naturais de risco - desastes humanos
Eventos naturais de risco - desastes humanos
 
Geotecnologias na cartografias de riscos - Instituto Geológico
Geotecnologias na cartografias de riscos - Instituto GeológicoGeotecnologias na cartografias de riscos - Instituto Geológico
Geotecnologias na cartografias de riscos - Instituto Geológico
 
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturaisGestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
Gestão de riscos e desastres (relacionados a perigos) naturais
 
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicosO uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
O uso de múltiplas escalas no mapeamento de risco a eventos geodinâmicos
 
Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010
Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010
Participação IAEG 2010 palestra IG 8 outubro 2010
 
O Pré-sal: oportunidades para o Brasil
O Pré-sal: oportunidades para o BrasilO Pré-sal: oportunidades para o Brasil
O Pré-sal: oportunidades para o Brasil
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
Risk Analysis of Geological Hazards and Disaster Management
Risk Analysis of Geological Hazards and Disaster ManagementRisk Analysis of Geological Hazards and Disaster Management
Risk Analysis of Geological Hazards and Disaster Management
 
Plano Diretor Geoprocessamento Fortaleza
Plano Diretor Geoprocessamento FortalezaPlano Diretor Geoprocessamento Fortaleza
Plano Diretor Geoprocessamento Fortaleza
 
App Restingas
App RestingasApp Restingas
App Restingas
 
Valor Paisagístico Dos Ecossistemas Costeiros
Valor Paisagístico Dos Ecossistemas CosteirosValor Paisagístico Dos Ecossistemas Costeiros
Valor Paisagístico Dos Ecossistemas Costeiros
 

UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo de deslizamentos e inundações

  • 1. UBCs do Estado de São Paulo:UBCs do Estado de São Paulo: aplicação para análise do perigo deaplicação para análise do perigo de deslizamentos e inundaçõesdeslizamentos e inundações Cláudio José Ferreira cferreira@igeologico.sp.gov.br VI SEMINÁRIO ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO DE RISCOS E DESASTRES DE EVENTOS GEODINÂMICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo, 08 de dezembro de 2014
  • 2. O que são as Unidades Básicas de Compartimentação Fisiográfica (UBCs)? Instrumento de análises espaciais Instrumento de análises espaciais Unidades homogêneas do substrato geológico- geomorfológico-pedológico Unidades homogêneas do substrato geológico- geomorfológico-pedológico Vedovello (2000)
  • 3. Abordagens similares Unidade Administrativa Unidade Bacia Hidrográfica Fonte:http://geoconceicao.blogspot.com.brFonte Emplasa: http://www.uitgeo.sp.gov.br/
  • 4. As UBCs são um produto intermediário! Análise do Território UBC - Substrato
  • 5. Análise do Território UBC - Substrato UHCT - Uso e cobertura da terra UTB - Unidade Territorial Básica + Em breve lançamento das UTBs
  • 6. Três características fundamentais Produto simples, aberto e flexível – um arquivo formato shape Abrangência estadual – homogeneidade na análise regional Abordagem numérica – variação contínua de índices
  • 7. Produto simples, aberto e flexível – um arquivo formato shape Elementos gráficos: 24.221 polígonos Tabela de atributos ●Recorte para área de interesse; ●Inclusão de atributos raster por operações zonais; ●Demanda por aprendizagem de SIG.
  • 8. Abrangência estadual – homogeneidade na análise regional (resolução 30m, escala 1:50.000 – 1:70.000) ●Planos de Bacias-UGRHIs; ●ZEEs; ●Planos Diretores Municipais; ●Gerenciamento de Risco; ●Aptidão expansão urbana. ●Mesmos métodos e critérios; ●Homogeneidade nas análises Aplicações
  • 9. Abordagem numérica – variação contínua de índices ●Flexibilidade na escolha do número e métodos de definição dos intervalos de classe; ●Possibilidade de utilizar diferentes intervalos de dados para diferentes áreas de interesse (por ex., municípios, sub-bacias)
  • 10. Como foi feito? Definição de Níveis Hierárquicos com base no Mapa Geomorfológico de Ross & Moroz 1997 Morfoestruturas Morfoesculturas Localização Geográfica UBC Coberturas Sedimentares- Pleistoceno e Holoceno Planícies Fluviais; Planícies Litorâneas; Depósitos coluvionares e de tálus 1 Paraná, 2 Paraíba do Sul, Ribeira, 3 Tietê etc Ubc1,2 , etc Bacias Sedimentares do Mioceno e Paleógeno Planaltos; serras/escarpas; morros isolados 1 Planalto de São Paulo, 2 Depressão Médio Paraíba etc Bacia Vulcano- Sedimentar do Paraná - Depressão Periférica 1 Depressão Moji-Guaçu, 2 Depressão Médio Tietê etc Bacia Vulcano- Sedimentar do Paraná - Planalto Ocidental Paulista 1 Planalto Centro Ocidental, 2 Planalto em Patamares Estruturais de Ribeirão Preto, 3 Planalto Residual de Marília etc Cinturão Orogênico do Atlântico 1 Planalto da Mantiqueira, 2 Planalto da Bocaina etc Corpos D'Água
  • 12. Aplicação ao mapeamento de perigos de deslizamentos e inundação ISDR-ONU1 PERIGO VULNERABILIDADE EXPOSIÇÃO POLÍTICA NACIONAL2 Ameaça Vulnerabilidade Dano, Perda, Prejuízo ISO-31.0003 Fatores de risco Controle Consequências IPCC4 Eventos Climáticos Vulnerabilidade Exposição CPRM/IPT Suscetibilidade Modelo de Gerenciamento de Risco Componentes da Análise de Risco R = f (Perigo * Vulnerabilidade * Exposição)
  • 13. Atributos selecionados para cálculo do perigo de deslizamentos e inundação ATRIBUTO DESCRIÇÃO FORMA DE OBTENÇÃO Amplitude Representa o desnível entre o topo e a base da encosta, indicando a quantidade de solo na encosta. Quanto maior a amplitude maior a probabilidade de ocorrência do processo. Fonte: Topodata (Valeriano, 2008). Unidade: metros. Raster 30x30m; cálculo de média zonal. Declividade Média Expressa a inclinação das vertentes. Quanto maior a declividade, maior a probabilidade de ocorrência do processo. Fonte: Topodata (Valeriano, 2008). Unidade: graus. Raster 30x30m; cálculo de média zonal. Densidade de Drenagem Expressa a permeabilidade e grau de fraturamento do terreno. Quanto maior a densidade de drenagem, maior a probabilidade de ocorrência do processo. Fonte: drenagem automática CPLA. Unidade: metros/m2.. Raster 90x90m; cálculo de média zonal. Índice de estruturação da rocha (intensidade de foliação) Expressa o grau de estruturação do terreno. Quanto maior a intensidade de foliação, maior a probabilidade de ocorrência do processo. Fonte: reclassificação das unidades geológicas. Unidade: adimensional. Reclassificação e ponderação das unidades geológicas. Excedente Hídrico Expressa a quantidade de chuva. Quanto maior o excedente hídrico, maior a probabilidade de ocorrência do processo. Fator condicionante da variável perigo. Fonte: Armani (inédito). Unidade: milímetros. Raster 200x200m; cálculo de média zonal.
  • 14. Cálculo do perigo de deslizamentos e inundação Atributo normalizado = ((Vn-Vmin)/(Vmax-Vmin)) [1], Para Perigo de Deslizamentos Cenário 1- Declividade entre 0-6°, aplicação da fórmula: P_ESC=0,8*DE + 0,05*AM + 0,05*DD + 0,05*EH + 0,05*IF [2]; Cenário 2- Declividade entre 6-12°, aplicação da fórmula: P_ESC=0,5*DE + 0,125*AM + 0,125*DD + 0,125*EH + 0,125*IF [3]; Cenário 3- Declividade entre 12-18°, aplicação da fórmula: P_ESC=0,2*DE + 0,2*AM + 0,2*DD + 0,2*EH + 0,2*IF [4]; Cenário 4- Declividade entre 18-24°, aplicação da fórmula: P_ESC=0,5*DE + 0,125*AM + 0,125*DD + 0,125*EH + 0,125*IF [5]; Cenário 5- Declividade maior que 24°, aplicação da fórmula: P_ESC=0,8*DE + 0,05*AM + 0,05*DD + 0,05*EH + 0,05*IF [6]; Para Perigo de Inundação: P_INU=0,2*DE + 0,2*AM + 0,2*DD + 0,2*EH [7];
  • 15. Classes do mapa de perigo de deslizamentos e inundação P0 – Perigo Nulo a Quase Nulo Para definição dos limites das classes de P1 a P5 foi utilizado o método das Quebras Naturais de Jenks P1 – Perigo Muito Baixo P2 – Perigo Baixo P3 – Perigo Médio P4 – Perigo Alto P5 – Perigo Muito Alto Para planícies: deslizamentos = P0 Para encostas: inundação = P0
  • 16. Mapa de perigo de deslizamentos
  • 17. Mapa de perigo de inundação
  • 18. 10 municípios com maiores índices médios de perigo de escorregamento
  • 19. Muito Obrigado! Claudio José Ferreira cferreira@igeologico.sp.gov.br GrupodePesquisa