SlideShare uma empresa Scribd logo
Álvaro Gomes e Jorge Rolla
BRINCAR A SER
Expressão e Educação Dramática
n
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser2
ficha técnica
Título
Autores
Ilustração
Co-produção e design
ISBN
Impressão e acabamento
Co-produção e distribuição
Brincar a Ser
Expressão e Educação Dramática (1.° ciclo do Ensino Básico)
Álvaro Gomes e Jorge Rolla
Branco Duarte
© Edições Flumen
972-98859-3-1
Bloco Gráfico, Lda
2003 – Livro Auxiliar
n
Rua da Restauração, 365
4099-023 PORTO • PORTUGAL
Telefone (351) 22 608 83 00
Fax (351) 22 608 83 01
E-mail pe@portoeditora.pt
www.portoeditora.pt
Contribuinte n.° PT 500 221 103
Soc. quotas CRC Porto n.° 11254
Cap. Social EUR 1 400 000
3Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Caros colegas
Subjacente à ideia de educação está o conceito de Homem
que se pretende formar. Se entendermos, entre outros, como
objectivos da Escola a formação de indivíduos:
— que se sentem à vontade no seu próprio corpo;
— capazes de relatar, serena e desinibidamente, as suas
preocupações e os seus pontos de vista;
— capazes de participar, activamente, na vida cultural da
comunidade e não se limitar a simples consumidores;
— que sentem a criação e a vida artística ao alcance de todos
e não da exclusividade de um punhado de génios;
então, a Expressão Dramática assume um estatuto privilegiado ao
apostar, decididamente, nas componentes estimuladora e
socializadora da educação.
O “educador” do 1º ciclo do Ensino Básico tem um papel
determinante na formação global das crianças e é, em nosso
entender, mais um criador de situações de aprendizagem e de
desenvolvimento das capacidades de cada uma do que,
propriamente, um ministrador de conhecimentos.
Com tais pressupostos, esta obra propõe-se, num percurso
sistematizado sobre o programa em vigor, servir de referência aos
professores do 1º ciclo, num domínio onde a bibliografia disponível é
diminuta e a sua preparação, em muitos casos, meramente empírica.
Bom trabalho!
Saudações dos Autores
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser4
Índice
I. Jogos de exploração
A. Corpo
1. Movimentar-se de forma livre e pessoal (...), 10
2. Explorar as atitudes de: imobilidade-mobilidade, contracção-
-descontracção, tensão-relaxamento, 12
3. Explorar a respiração torácica e abdominal, 14
4. Explorar o movimento global do seu corpo (...), 15
5. Explorar os movimentos segmentares do corpo, 16
6. Explorar as diferentes possibilidades expressivas (...), 17
B. Voz
7. Experimentar maneiras diferentes de produzir sons, 22
8. Explorar sons orgânicos ligados a acções quotidianas, 23
9. Reproduzir sons do meio ambiente, 24
10. Aliar a emissão sonora a gestos/movimentos, 25
11. Explorar a emissão sonora fazendo variar (...), 26
12. Explorar diferentes maneiras de dizer vocábulos (dicção), 28
13. Explorar os efeitos de alternância, silêncio-emissão sonora, 29
C. Espaço
14. Explorar o espaço circundante, 32
15. Adaptar a diferentes espaços os movimentos e a voz, 33
16. Explorar deslocações simples seguindo trajectos diversos, 34
17. Explorar diferentes formas de se deslocar (...), 35
18. Orientar-se no espaço a partir de referências (...), 37
19. Deslocar-se em coordenação com um par, 39
20. Explorar diferentes níveis (baixo, médio, alto), 40
21. Explorar mudanças de nível (...), 41
D. Objectos
22. Explorar as qualidades físicas dos objectos, 46
23. Explorar as relações possíveis do corpo com os objectos, 47
24. Deslocar-se com o apoio de um objecto (...), 48
25. Explorar as transformações de objectos (...), 50
26. Utilizar objectos dando-lhes atributos imaginados
em situações de interacção (...), 52
27. Utilizar máscaras, fantoches, 54
28. Inventar e utilizar máscaras, fantoches, marionetas, 56
5Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
II. Jogos dramáticos
E. Linguagem não verbal
29. Utilizar espontaneamente atitudes, gestos, movimentos, 62
30. Reagir espontaneamente por gestos/movimentos a (...), 63
31. Reproduzir movimentos (...), 65
32. Improvisar individualmente atitudes, gestos, movimentos (...), 66
33. Mimar (a dois ou em pequenos grupos) atitudes, gestos, movimentos (...), 68
F. Linguagem verbal
34. Participar na elaboração oral de uma história, 72
35. Improvisar um diálogo ou uma pequena história (...), 73
36. Participar em jogos de associação de palavras por (...), 79
37. Experimentar diferentes maneiras de dizer um texto (...), 81
38. Inventar novas linguagens sonoras ou onomatopaicas, 83
G. Linguagem verbal e gestual
39. Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos ligados
a uma acção precisa (...), 86
40. Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos,
constituindo sequências de acções (...), 87
41. Improvisar situações usando diferentes tipos de máscaras, 92
42. Utilizar diversos tipos de sombras (chinesas...), 93
43. Inventar, construir e utilizar adereços e cenários, 94
44. Elaborar, previamente, em grupo, os vários momentos de
desenvolvimento de uma situação, 95
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser6
I — JOGOS DE EXPLORAÇÃO
7Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Os jogos de exploração (do corpo, da voz, do
espaço e dos objectos), de forma lúdica e natural,
propiciam um desenvolvimento das capacidades de
expressão e de comunicação.
“Brincando a Ser” em diferentes vivências, através
do imaginário, as crianças têm oportunidade de se
(re)conhecerem melhor e de melhor conhecerem o
“outro”.
Para este objectivo, contribuem várias acções,
desde as diferentes formas e atitudes corporais, ao
sentido da pessoalidade dos movimentos,
passando pela exploração das diferentes
possibilidades vocais, pela adaptação e utilização
dos espaços e pela transformação imaginária dos
objectos e o seu relacionamento com eles.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser8
A variedade e a riqueza de sugestões a nível do
imaginário devem ser características das situações
propostas para explorar as possibilidades expressivas
do corpo.
Através de jogos de imaginação, todos do agrado
das crianças, deverão ser vivenciadas diferentes formas
e atitudes corporais, assim como maneiras pessoais
de desenvolver um movimento.
in Programa Oficial, Ministério da Educação
A. Corpo
9Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
1 . Movimentar-se de forma livre e pessoal
— sozinho, 10
— aos pares, 11
2. Explorar as atitudes de: imobilidade-mobilidade,
contracção-descontracção, tensão-relaxamento, 12
3. Explorar a respiração torácica e abdominal, 14
4. Explorar o movimento global do seu corpo da menor à
maior amplitude, 15
5. Explorar os movimentos segmentares do corpo, 16
6. Explorar as diferentes possibilidades expressivas,
imaginando-se com outras características corporais:
— diferentes atitudes corporais, 17
— diferentes ritmos corporais
— diferentes formas, 18
— diferentes factores de movimento (firme/suave; súbito/
/sustentado; directo/flexível; controlado/livre), 19
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser10
Corpo
Movimentar-se de forma livre e pessoal: sozinho
Movimenta-te:
– caminhando apressado;
– saltando;
– rebolando;
– rastejando;
– ao pé-coxinho;
– em bicos de pés;
– de cócoras;
– andando para trás;
– com passos curtos e compridos ...
Sugestões de actividades
1
Tenta deslocar-te, de várias maneiras diferentes,
num espaço definido.
11Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Corpo
Movimentar-se de forma livre e pessoal: aos pares
Escolhe um companheiro e inventa, com ele, várias formas de,
em conjunto, se deslocarem pela sala.
Movimentem-se (tu e um colega):
– pegando um nos pés do
outro, como se fosse um
carrinho de mão;
– saltando de mãos dadas;
– com as costas juntas;
– caminhando ambos:
• sobre os calcanhares;
• sem desviarem o olhar;
• em bicos de pés ...
Sugestões de actividades
1
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser12
Corpo
Explorar as atitudes de imobilidade / mobilidade
Sugestões de actividades
2
— Representa a “estátua” de um ser vivo, à tua escolha. Após permaneceres algum
tempo nessa posição, mostra como esse ser vivo se movimenta:
— Imagina que estás a dormir e acordas, de repente, com o despertador.
– uma flor, um canguru, um pardal, um atleta, uma cobra, uma águia, etc. ...
Movimenta-te com os teus colegas, livremente, pela sala.
A um sinal combinado (palmas, apito, etc.), dado por um de vocês ou pelo
professor, todos ficam imobilizados. A um novo sinal, retomam o movimento.
E assim sucessivamente...
13Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Corpo
Explorar as atitudes de contracção / descontracção,
tensão / relaxamento
Imagina que:
– estás a ouvir um raspanete / uma história;
– estás a assistir a um filme emocionante / cómico;
– estás a caminhar contra o vento e com chuva / estás a passear com bom tempo; ...
Sugestões de actividades
2
Imagina que:
estás estendido na praia, ao Sol.
estás cheio de frio.
és um gatinho assustado por
causa de um cão.
és um gatinho descontraído, a
espreguiçar-se ao Sol.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser14
Corpo
Explorar a respiração torácica e abdominal
Respira, como se estivesses:
– muito cansado, depois de uma longa corrida (arfar);
– descontraído na tua cama, quase a adormecer (muito calmamente);
– ...
Sugestões de actividades
3
2. Agora, vais respirar só com a barriga. Neste tipo de respiração, repara que
consegues meter muito mais ar e controlar, completamente, a tua expiração.
(Podes, com o mesmo esforço, expirar rápida ou lentamente, e de forma seguida ou com pausas.)
3. Deitado no chão, com uma mão no teu peito e outra na barriga, respira,
alternadamente, ora com uma, ora com outra parte do teu corpo.
(As mãos servem para te certificares que só mexes a parte que pretendes.)
1. Respira várias vezes, profundamente,
como se fosses um culturista, enchendo
totalmente o teu peito de ar.
Corpo
Explorar o movimento global do seu corpo
da menor à maior amplitude
15Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Imagina que:
és um balão que se vai enchendo lentamente, à medida que se vai soprando, e que, quando
estás completamente cheio, és solto e te esvazias.
– manteiga a derreter;
– uma planta a nascer, a crescer e a murchar;
– ...
4
Imagina que és:
Sugestões de actividades
Corpo
Explorar os movimentos segmentares do corpo
16 Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Sentado no chão, executa vários movimentos com o tronco.
Em pé, executa movimentos de rotação com a cabeça.
Imagina que fazes girar um arco à volta da tua cinta.
Imagina que escreves no computador.
Imagina que estás a jogar matraquilhos.
Sugestões de actividades
1. Imagina que limpas uma janela.
3. Desenha, no ar
(ora com o direito, ora com o esquerdo)
um quadrado, com os cotovelos um círculo, com os pés
2. Deitado no chão, imagina
que andas de bicicleta.
5
17Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Corpo
Explorar as diferentes possibilidades expressivas
imaginando-se com outras características corporais
1. Imagina-te como se:
diferentes atitudes / ritmos corporais
2. Tenta reproduzir atitudes e ritmos de animais teus conhecidos.
Por exemplo: o gato.
– estivesses muito zangado– fosses um velhinho com muita idade
2. Imagina que te deslocas:
1. Imagina-te numa conversa, em que te mostras:
– contente, desconfiado, amistoso, nervoso, surpreendido, atento, apressado...
– em câmara lenta;
– pondo os pés para fora ou para dentro;
– com sapatos de tacão alto;
– apoiando-te só nos calcanhares;
– em bicos de pés;
– com os joelhos juntos...
Sugestões de actividades
6
BS1C-2
Com um colega (ou dois), que imaginas ser feito de barro ou plasticina, vais formar
(moldar) as letras do alfabeto. Por exemplo:
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser18
Corpo
Explorar as diferentes possibilidades expressivas
imaginando-se com outras características corporais
2. Tenta movimentar-te como
– um gnomo;
– um robô;
– um anão;
– um gigante;
– um espantalho;
– um dragão...
1. Experimenta tomar formas de animais teus conhecidos.
Sugestões de actividades
6
diferentes formas
19Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Corpo
Explorar as diferentes possibilidades expressivas
imaginando-se com outras características corporais
– a marchar / a pisar ovos;
– apressado / a passear (“fazer tempo”);
– a responder a um apelo (aflito) / pé ante pé (com medo);
– sobre uma pista de gelo / sobre um tapete de rede (circo)...
Sugestões de actividades
Movimenta-te, imaginando-te:
6
diferentes factores de movimento
Movimenta-te, imaginando que não podes:
– dobrar os joelhos.
– mexer o pescoço.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser20
B. Voz
Explorar as diferentes possibilidades da voz,
fazendo variar a emissão sonora e, progressivamente,
ir aliando ao som gestos e movimentos é desenvolver
factores sempre presentes num jogo dramático.
Os temas propostos deverão estar adequados à
idade e experiência das crianças, de molde a adquirirem
maior confiança e acuidade na utilização da voz como
instrumento essencial à expressão e comunicação.
in Programa Oficial, Ministério da Educação
21Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
7. Experimentar maneiras diferentes de produzir
sons, 22
8. Explorar sons orgânicos ligados a acções
quotidianas, 23
9. Reproduzir sons do meio ambiente, 24
10. Aliar a emissão sonora a gestos/movimentos, 25
11. Explorar a emissão sonora fazendo variar:
— a forma de respirar, 26
— a altura do som
— o volume da voz
— a velocidade, 27
— a entoação
12. Explorar diferentes maneiras de dizer vocábulos
(dicção), 28
13. Explorar os efeitos de alternância, silêncio-
-emissão sonora, 29
Voz
Experimentar maneiras diferentes de produzir sons.7
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser22
Sugestões de actividades
1. Produz vários sons, fechando ou abrindo mais a boca.
Imita os sons de alguns animais teus conhecidos:
– vaca;
– lobo;
– carneiro;
– porco;
– abelha;
– cão;
– gato;
– cavalo;
– grilo;
– papagaio;
– pomba / rola;
– rato;
– tigre / leão;
– passarinho;
– pato;
– galo;
– rã;
– burro;
– ...
2. Imita a voz de várias pessoas tuas conhecidas.
Por exemplo: dizendo as vogais
8Voz
Explorar sons orgânicos ligados a acções quotidianas
23Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Sugestões de actividades
Qual o som que produzes quando:
choras?ris?
te pregam
um grande
susto?
Tenta reproduzir os sons que produzes, quando:
– ressonas;
– espirras;
– suspiras;
– chamas alguém muito ao longe;
– enxotas um cão;
– estás a desconfiar;
– quando ficas aborrecido;
– chamas um gato;
– chamas as galinhas;
– ...
ficas muito
admirado?
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser24
Voz
Reproduzir sons do meio ambiente
Tenta reproduzir os sons de:
– uma cidade;
– uma fábrica;
– um comboio;
– um porto de mar;
– uma festa na aldeia;
– ...
Sugestões de actividades
9
1. Tenta reproduzir os sons que ouves, quando dás um passeio pelo campo.
Exemplos: pássaros, grilos, água de um riacho, vento, cães a ladrar, tiro de um
caçador, lenhador...
Voz
Aliar a emissão sonora a gestos / movimentos
25Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Sugestões de actividades
10
Repara nos gestos que fazes,
quando te ris de qualquer coisa muito cómica.
Como é que:
– mandas calar um colega?
– pedes para falar, na tua aula?
– protestas, quando te mandam para a cama e querias ver televisão?
– ...
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser26
Voz
Explorar a emissão sonora fazendo variar:
a forma de respirar, a altura do som, o volume da voz
Tenta falar, respirando entre cada palavra
que dizes.
Tenta imitar aquelas pessoas que falam de
uma forma muito “esganiçada”.
Mostra como:
– chamas alguém que está muito longe;
– conversas, tendo alguém a dormir ao lado;
– conversas com alguém numa feira ...
Sugestões de actividades
11
1. Lembra-te de como é que falas quando acabas uma corrida e ficas muito cansado.
2. Lembra-te de como falas com voz grossa (quando já não “estás para brincadeiras“)
e tentas imitar os adultos, quando ralham.
3. Mostra como dizes qualquer coisa a alguém, quando estás no cinema.
27Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Voz
Explorar a emissão sonora fazendo variar:
a velocidade, a entoação
1. Pega num texto escrito teu conhecido e lê-o:
2. Recita um poema teu conhecido.
• em voz alta;
• muito devagar;
• de uma forma muito rápida;
• acelerando ou retardando, ao teu gosto ...
Repete-o com uma entoação:
• triste;
• risonha;
• de quem está a pedir alguma coisa ...
Imagina como falas:
– quando chamas o 112 (para pedir socorro);
– com um estrangeiro, que percebe mal o Português;
– quando tens pouco tempo para dizer muita coisa;
– ...
Sugestões de actividades
11
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser28
Voz
Explorar diferentes maneiras de dizer vocábulos
(dicção)
Lê o mesmo texto, de seguida, exagerando a pronúncia das vogais e disfarçando as
consoantes.
Repete, agora “batendo” as consoantes, sem te preocupares com as vogais.
Sugestões de actividades
12
Pega num lápis de madeira.
Mete-o na boca, cerca de um centímetro e segura-o com a mão.
Lê um texto muito devagar, respirando (gastando todo o ar) entre cada sílaba.
Os dentes têm que segurar o lápis (não podes abrir a boca).
Se não gostares da forma como o som saiu, repetes o exercício até conseguires o som que
queres.
De seguida, lê o mesmo texto rapidamente.
Notaste que o leste de uma forma muito mais fácil e agradável.
Nota: O lápis de madeira justifica-se para o caso de, inicialmente, fazeres demasiada força com os dentes e não
ficares com dores nos maxilares.
29Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Voz
Explorar os efeitos de alternância, silêncio-emissão sonora
Lê um texto, esperando mais ou menos entre cada palavra um tempo idêntico ao que
demoras a dizê-la, como se estivesses a falar com alguém de uma língua esquisita e
tivesses que esperar que traduzissem o que vais dizendo.
Faz um “discurso” em que demores dois segundos entre cada palavra.
Lê um texto (ou conta uma história) como se sofresses de gaguez.
Sugestões de actividades
13
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser30
Para adquirir progressivamente o domínio do espaço,
a criança precisa de utilizar, adaptar e recriar.
A partir de uma história ou de uma personagem, os
jogos de orientação no espaço, utilizando diferentes
níveis e direcções, permitem explorar diferentes maneiras
de se deslocar e utilizar o espaço circundante.
in Programa Oficial, Ministério da Educação
C. Espaço
31Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
14. Explorar o espaço circundante, 32
15. Adaptar a diferentes espaços os movimentos e a voz,
33
16. Explorar deslocações simples seguindo trajectos
diversos, 34
17. Explorar diferentes formas de se deslocar: de
diferentes seres (reais ou imaginados) em locais com
diferentes características, 35
18. Orientar-se no espaço a partir de referências visuais,
auditivas, tácteis, 37
19. Deslocar-se em coordenação com um par, 39
20. Explorar diferentes níveis (baixo, médio, alto), 40
21. Explorar mudanças de nível:
— individualmente, 41
— aos pares, 42
— em pequenos grupos, 43
A tua sala de aula tem quatro paredes.
– observa-as atentamente. De seguida, sem olhares, tenta descrevê-las;
– na tua opinião, que modificações deveriam ser feitas para que a tua sala ficasse mais a teu gosto?
– ...
Sugestões de actividades
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser32
Espaço
Explorar o espaço circundante
14
Descreve, com o máximo pormenor, tudo o que consegues
observar através da janela da tua sala de aula.
33Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Espaço
Adaptar a diferentes espaços os movimentos e a voz
Imagina que estás com um amigo teu, numa feira.
Mostra como conversas, enquanto vais percorrendo aquele espaço barulhento.
Tenta reproduzir uma conversa com um amigo (ou amigos):
– num café, muito barulhento, cheio de gente;
– numa sala de estudo (ou numa biblioteca);
– numa piscina;
– ...
Sugestões de actividades
15
BS1C-3
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser34
Espaço
Explorar deslocações simples, seguindo trajectos diversos
Quantos percursos podes escolher para te deslocares da tua mesa à do teu professor?
No recreio, com os teus colegas, definam vários percursos para ir de uma ponta à outra,
através de objectos colocados para esse efeito.
Sugestões de actividades
16
Quantos caminhos podes usar, para vires
de casa para a escola?
35Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Espaço
Explorar diferentes formas de se deslocar
(diferentes seres, reais ou imaginados)
1. Experimenta deslocar-te como:
2. Imagina que és um ser que se desloca:
um gato
Inventa outras maneiras de te deslocares, mesmo que as características sejam de seres
desconhecidos.
Sugestões de actividades
17
uma pomba
uma pedra
uma onda do mar
com as duas mãos
no chão e um só pé
de lado
uma serpente
um robô
um pato
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser36
Espaço
Explorar diferentes formas de se deslocar
em locais com diferentes características
Imagina que andas:
– na areia escaldante;
– num pinhal com silvas;
– com água pelos joelhos;
– com água pelo pescoço ...
Sugestões de actividades
Se o chão da tua sala fosse diferente,
o teu andar também o seria.
17
1. Imagina que se transformava numa
pista de gelo. Como é que te
deslocavas para ires até à porta?
2. Se fosse de areia, como numa praia, já
terias outra maneira de andar, para
fazeres a mesma deslocação. Como
seria?
3. Se tivesses entornado um frasco de cola,
era difícil andar sobre ela, não te parece?
Mostra lá o que acontecia.
37Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Espaço
Orientar-se no espaço a partir de referências
visuais
Na sala ou no pátio, com os teus colegas, estabeleçam vários trajectos, que serão
percorridos por todos, utilizando sinais de trânsito conhecidos.
1. Um de vocês sai da sala; os outros definem um percurso, que tem de ser percorrido por
ele, através de sinais de trânsito.
2. Adapta a história da casinha de chocolate (deixar cair qualquer coisa para saber voltar ao
local de partida, pelo mesmo trajecto).
Sugestões de actividades
18
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser38
Espaço
Orientar-se no espaço, a partir de referências
auditivas e tácteis
18
1. Com os teus colegas, define um percurso simples, na sala ou no recreio.
Um de cada vez vai tentar percorrê-lo com os olhos vendados. Sempre que falhar, os outros
assinalam através de um código auditivo (palmas, assobio, castanholas, etc.).
2. Cada um escreve, num papel, o nome de um animal que escolheu para si, cuja “voz”
seja conhecida de todos.
Juntam todos os papelinhos num saco ou numa caixa. Um de vocês retira, dessa caixa, um dos
papéis. Começam, então, todos a emitir o som do seu animal, tendo o que retirou o papel que
descobrir a qual dos colegas corresponde.
3. Com os olhos vendados, vais buscar um livro à tua carteira e colocá-lo na
secretária do professor.
4. Com os teus colegas combinas o seguinte jogo.
Mantêm-se sentados, cada um na sua carteira. Um de vocês vai para junto da secretária do
professor e venda os olhos. Um dos outros coloca, por exemplo, um chapéu na cabeça. O que
tem os olhos vendados vai ter que percorrer os colegas até descobrir o do chapéu.
39Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Espaço
Deslocar-se em coordenação com um par
Escolhe um parceiro.
1. Desloquem-se livremente pela sala, sem
tirarem os olhos um do outro.
2. No pátio, um de vocês segue o outro a uma distância de uns três ou quatro passos.
Quando o da frente parar, acelerar ou atrasar o passo, o de trás faz o mesmo.
A seguir, trocam de posições.
19
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser40
Espaço
Explorar diferentes níveis (baixo, médio, alto)
Sugestões de actividades
20
Com os teus colegas, imaginem que são um conjunto de:
– cobras, lagartos, crocodilos...
– patos, cangurus...
– “cabeçudos” que se deslocam em “andas”...
Vamos imaginar que:
1. somos um grupo de bebezinhos, que só sabem gatinhar e brincar no chão.
2. somos um grupo de velhinhos, que têm dificuldade
em endireitar-se.
3. somos um grupo de girafas, à procura de comida, que está
no cimo de árvores muito altas.
41Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Corpo
Explorar o movimento global do seu corpo
da menor à maior amplitude
Sugestões de actividades
4Espaço
Explorar mudanças de nível: individualmente
Vais deslocar-te pela sala:
primeiro, imaginando que és um
bebezinho que só sabe gatinhar;
por fim, esse senhor fica velhinho e só
consegue andar muito curvado.
depois, este bebé cresce e torna-se
um homem muito alto, que anda
sempre muito direito;
Vais deslocar-te, imaginando:
– primeiro, que és um miúdo que passa o tempo a brincar com o cão, imitando-o;
– depois cresce e torna-se num homem que gosta de andar a cavalo;
– finalmente, já reformado, entretém-se a tirar ervas dos canteiros do seu jardim.
21
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser42
Espaço
Explorar mudanças de nível: aos pares21
1. Vamos jogar como se estivéssemos na “tábua” dos parques infantis.
Sabes como é? Escolhes um par. Quando um vem abaixo,
o outro vai acima, e assim sucessivamente.
2. Também com um par, vamos tentar seguir os seus movimentos.
Se ele se senta, nós sentamo-nos; se ele rasteja, nós
rastejamos também; se ele anda em bicos de pés,
nós imitamo-lo, e assim por diante.
43Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Espaço
Explorar mudanças de nível: em pequenos grupos
– Desloquem-se livremente pela sala e, de acordo com as indicações de um de vocês, que fica de
fora (ou do professor), tomem formas de diversos animais (p.ex.: rãs, cães, cavalos...).
– Repitam o jogo, mas com actividades (p. ex.: nadador, mecânico, telefonista, árbitro...).
Sugestões de actividades
21
Com a concordância e ajuda do nosso professor, vamos dispor os materiais da sala
(ou de outro espaço) para imaginarmos que somos assaltantes de um castelo.
Para lá entrarmos, precisamos de trepar
às muralhas, de passar por cima de
pontes, de atravessar grutas e passagens
subterrâneas que abrimos, etc..
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser44
A utilização e a transformação imaginária de um
objecto são estímulos à capacidade de recriar ou
inventar personagens e de desenvolver situações.
Na sala de aula deve existir material diversificado
para as crianças utilizarem livremente nas histórias
que vão inventando.
in Programa Oficial, Ministério da Educação
D. Objectos
45Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
22. Explorar as qualidades físicas dos objectos, 46
23. Explorar as relações possíveis do corpo com os objectos, 47
24. Deslocar-se com o apoio de um objecto:
— individualmente, 48
— em coordenação com um par, 49
25. Explorar as transformações de objectos:
— imaginando-os com outras características, 50
— utilizando-os em acções, 51
26. Utilizar objectos dando-lhes atributos imaginados em situações
de interacção
— a dois, 52
— em pequeno grupo, 53
27. Utilizar máscaras, fantoches, 54
28. Inventar e utilizar máscaras, fantoches, marionetas, 56
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser46
Objectos
Explorar as qualidades físicas dos objectos
De que material é feita?
É pesada?
Qual é a forma do tampo? De que cor é?
É alta ou baixa?
Como gostarias que fosse a tua mesa?
É mais quente ou mais
fria do que a cadeira?
Quantas pernas tem?
Faz o mesmo para:
– uma cadeira;
– a tua pasta;
– o teu caderno;
– a tua estante;
– um quadro;
– ...
Sugestões de actividades
Repara bem na tua mesa.
22
47Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Objectos
Explorar as relações possíveis do corpo com os objectos
Com gestos e atitudes, tenta responder à seguinte questão:
– O que é que podemos fazer com uma folha de papel? Exemplos:
escrever
um chapéu
pintar
um cartucho
um leque
colar
Faz o mesmo para:
– um lápis;
– uma corda;
– um lenço;
– uma bola de ping-pong;
– uma borracha;
– ...
Sugestões de actividades
23
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser48
Objectos
Deslocar-se com o apoio de um objecto:
individualmente
24
Imagina que:
1. estás doente e sem forças; para te
deslocares, precisas de te apoiar num
bastão;
2. estás a atravessar um ribeiro com uma
grande corrente; para conseguires vencer a
força da água, atiraram-te uma corda do
outro lado para, agarrado a ela,
conseguires lá chegar;
3. está escuro e não consegues ver; para te
deslocares, precisas da ajuda de uma vara,
para não chocares com os obstáculos.
49Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Objectos
Deslocar-se com o apoio de um objecto,
em coordenação com um par
Escolhe um parceiro.
1. Um de vocês venda os olhos. Cada
um pega numa das extremidades
de uma cana. O que não tem os
olhos vendados tem de, ser-
vindo-se da cana, conduzir
o outro por entre os
obstáculos.
2. Imagina que andas a passear com o teu parceiro. Um de vocês leva a cana. De repente, surge uma
grande ventania e chuva. A cana vai transformar-se no guarda-chuva que vos vai proteger.
24
BS1C-4
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser50
Objectos
Explorar as transformações de objectos,
imaginando-os com outras características
jogar râguebijogar futebol
representar o
mundo
jogar o berlindeprever o futuro
(bola de cristal)
jogar basquetebol
– um prego?
– um chapéu?
– um lápis?
– um sapato?
– uma folha de papel?
– uma cadeira? ...
Que aproveitamento podes dar a:
Sugestões de actividades
Em relação a qualquer objecto, podes dar-lhe um aproveitamento diferente daquele para
que foi construído. Por exemplo, uma bola pode servir para:
25
51Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Objectos
Explorar as transformações de objectos,
utilizando-os em acções
Cada objecto pode ter várias utilidades.
Um lenço, por exemplo, pode ser:
para a cabeça um cobertor um rato mágico
uma bandeira para uma magia um fantoche um pára-quedas
para o pescoço para o bolso uma boina
Inventa funções diferentes para objectos como:
– uma mesa;
– um guarda-chuva;
– um lápis;
– uma pasta;
– um caderno;
– uma folha de papel;
– uma toalha de praia;
– ...
Sugestões de actividades
25
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser52
Objectos
Utilizar objectos, dando-lhes atributos imaginados
em situações de interacção a dois
1. O teu lápis pode ser outras “coisas”, como, por exemplo, uma batuta de maestro,
uma palha de beber um sumo, uma flauta, uma escova de dentes, etc..
Com um parceiro, cada um com o seu lápis, executam o seguinte jogo: um começa, atribuindo ao
lápis um significado.
Vamos imaginar que começou a tocar flauta.
Então, o outro vai dar ao seu lápis um significado que se relacione com aquele (por exemplo, ser
o maestro, tocar bateria, viola, violino, harmónica, etc.)
E assim sucessivamente.
Em seguida, trocam de posição.
2. Repete o exercício, com outros objectos.
Exemplo: um livro, um chapéu, um guarda-chuva...
26
53Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Objectos
Utilizar objectos, dando-lhes atributos imaginados
em situações de interacção em pequeno grupo
1. Vamos definir um espaço, na sala, onde colocamos alguns objectos trazidos da “arca
das trapalhadas”.
Sentamo-nos em círculo à volta desse espaço.
Um inicia o jogo, indo ao centro e começando uma acção imaginada, com um dos objectos.
De seguida, um outro pega noutro objecto e tenta que a acção que desenvolve se relacione com
a do primeiro.
Segue-se um terceiro e, assim, sucessivamente, até que todos tenham entrado na acção.
2. Vamos, agora, introduzir uma diferença no jogo. O objecto escolhido, que colocamos
no centro do círculo, é o mesmo para todos; cada um, por sua vez, vai dar-lhe
funções diferentes.
Por exemplo, uma cana.
O primeiro dirige-se ao centro e age com a cana como se fosse uma vassoura (varrendo); quando
der por terminado o seu exercício, entrega a cana a um colega, que terá de desenvolver uma
acção diferente, como se a cana, por exemplo, se transformasse num cavalo, num telescópio,
numa espada, num remo, numa cana de pesca, numa bengala, etc..
26
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser54
Objectos
Utilizar máscaras, fantoches
1. Com máscaras, que tu e os teus colegas arranjaram ou construíram, e com a ajuda
do vosso professor vão tentar descobrir e discutir as características de cada uma.
2. Depois, cada um pode “brincar a ser” personagens com as características que
foram atribuídas a cada máscara.
27
55Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Objectos
Utilizar máscaras, fantoches
Depois de brincares livremente com fantoches que arranjaste ou que construíste,
utilizando material de desperdício (copos de iogurte, sacos de papel, caixas de ovos, mangas
de camisas velhas, etc.), tenta contar uma história com eles.
Quando quiseres parar, pede a um colega que continue a história.
Nota (para o professor)
Deve ser chamada a atenção para o seguinte:
– o fantoche deve ser mantido na perpendicular ao solo;
– só se deve mexer o fantoche quando fala ou se desloca, para se obter economia de gestos.
27
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser56
Objectos
Inventar e utilizar máscaras, fantoches, marionetas28
Aproveitando o que temos aprendido em Expressão Plástica, vamos inventar e
construir máscaras, fantoches e marionetas, para utilizarmos em muitas situações:
– nas aulas, para aprender outras matérias;
– nas festas (Natal, Fim de Ano...);
– para levarmos para casa e brincarmos...
57Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Objectos
Inventar e utilizar máscaras, fantoches, marionetas 28
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser58
II — JOGOS DRAMÁTICOS
59Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Após os jogos de exploração essencialmente voltados
para o controlo e o conhecimento do “eu”, aparecem,
complementarmente, os jogos de relação e
comunicação com o “outro”.
Nestes, a improvisação assume um papel privilegiado,
com recurso a fantoches, a marionetas ou a máscaras,
apoiada em “arcas das trapalhadas” ou mesmo sem
qualquer suporte.
De uma forma espontânea, todas as crianças se
servem, sobejamente, da linguagem dramática. Por
isso, neste domínio, é fundamental que essas
actividades se caracterizem como momentos de
desenvolvimento das suas capacidades pessoais e se
evite que resvalem para “representações”, mais ou
menos estereotipadas, destinadas a “espectadores”.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser60
Num jogo dramático, estão sempre presentes
os sinais exteriores do corpo no espaço, através
da mímica, dos gestos, das atitudes, dos
movimentos e da utilização de objectos.
As crianças, em interacção, irão explorando a
dimensão não verbal em improvisações que
poderão partir de histórias, contos ou situações
dramatizadas.
in Programa Oficial, Ministério da Educação
E. Linguagem não verbal
61Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
29. Utilizar espontaneamente atitudes, gestos, movimentos, 62
30. Reagir espontaneamente por gestos/movimentos a
— sons, 63
— palavras
— ilustrações, 64
— atitudes, gestos
31. Reproduzir movimentos:
— em espelho, 65
— por contraste
32. Improvisar individualmente atitudes, gestos, movimentos
a partir de diferentes estímulos:
— sonoros ou verbais, 66
— um objecto real ou imaginado, 67
— um tema
33. Mimar, a dois ou em pequenos grupos, atitudes, gestos,
movimentos ligados a:
— uma acção isolada, 68
— uma sequência de actos (situações recriadas ou imaginadas), 69
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser62
Linguagem não verbal
Utilizar espontaneamente atitudes, gestos, movimentos
Como é que farias para dizer aos outros que:
– tens fome;
– tens frio;
– gostavas de ir dar um passeio;
– não fizeste os deveres.
– és estrangeiro e tens que comunicar;
– falas com alguém, tendo o cuidado de não acordar outros que estão a dormir;
– estás a falar por detrás de uma janela e não podes ser ouvido ...
Conta aos teus colegas tudo o que fizeste ontem ou no fim-de-semana passado, mas sem
palavras nem sons. Só por gestos, atitudes ou movimentos.
Sugestões de actividades
1. Imagina que, de repente, perdeste a fala.
2. Tenta imaginar, agora, outras situações:
29
63Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem não verbal
Reagir espontaneamente por gestos/movimentos a
sons/palavras
1. Tenta lembrar-te como reages quando ouves:
2. Com um parceiro estabelece o seguinte jogo:
Um diz uma palavra (por exemplo, contente) e o outro reage como se estivesse muito contente.
A seguir, é a sua vez de dizer uma palavra (por exemplo, bola); tu tens de reagir como se
estivesses a jogar à bola.
E assim por diante...
3. Vamos fazer o mesmo jogo, agora com toda a turma.
Um, de cada vez, diz uma palavra e todos reagem.
Exemplos de algumas palavras: feira, circo, escola, praia, mercado...
– o barulho de um trovão;
– chamarem-te baixinho;
– um cão grande a rosnar;
– uma música suave;
– o giz a arranhar no quadro;
– um “ralho” do teu professor...
30
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser64
Linguagem não verbal
Reagir espontaneamente por gestos/movimentos a
ilustrações/atitudes/gestos
1. Com o teu parceiro fazes o seguinte:
Cada um arranja várias ilustrações (revistas, fotografias, quadros, etc.).
Um, de cada vez, mostra uma ilustração ao outro e este tem de reagir de acordo com ela*.
2. Vamos executar este jogo com toda a turma:
Com as ilustrações no centro, viradas ao contrário, sentamo-nos em círculo.
Sucessivamente, voltando uma de cada vez, todos reagem de acordo com cada imagem.
4. Vamos repetir o jogo, agora com todo o grupo:
Exemplos de atitudes e gestos: palhaço no circo, vendedor de mercado, espectador de futebol,
passageiro de autocarro...
* Se não concordaste com a forma como o teu parceiro reagiu a alguma ilustração, podes voltar a mostrar-lha, passado algum tempo.
3. Novamente com o teu parceiro:
Um coloca-se numa atitude, ou faz um gesto (por exemplo, pintar um quadro).
O outro observa-o bem e coloca-se numa posição que se relacione com a do primeiro
(por exemplo, a do modelo para a figura do quadro).
De seguida, é o outro a iniciar o jogo; e, assim, alternadamente.
30
65Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem não verbal
Reproduzir movimentos
em espelho, por contraste
2. Organizem-se numa fila, virada para a parede.
O último pensa numa sequência de gestos (exemplos: coçar a cabeça, levantar o dedo, piscar um olho...).
Em seguida, toca no ombro do penúltimo, que se volta para ele, a quem mostra os gestos em que
pensou.
Este, por sua vez, toca no ombro do seguinte, que se vira para ele, transmitindo-lhe os gestos que
acaba de ver ao colega anterior.
E assim, sucessivamente, até ao primeiro, que se vira e mostra os gestos a toda a turma.
1. Com um parceiro na tua frente,
sensivelmente à distância de um metro,
combinas o seguinte exercício:
um começa um dado movimento e o outro tenta
acompanhá-lo, como se fosse a sua imagem
num espelho.
Nota
Este exercício é difícil e, por isso, requer
um pouco de concentração, para se evitar que um
comece um movimento e, só bastante tempo depois, o outro o execute. Por outro lado, se os movimentos
forem bastante lentos e simples, de início, o exercício fica muito facilitado.
31
BS1C-5
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser66
Linguagem não verbal
Improvisar, individualmente, atitudes, gestos ou movimentos,
a partir de diferentes estímulos: sonoros ou verbais
Este exercício pode ser feito em grupo, usando:
– um disco ou cassete de sons da Natureza;
– uma canção conhecida por todos;
– uma história conhecida ou inventada.
Sugestões de actividades
32
Com o teu parceiro, combinas o seguinte:
um de cada vez emite sons, barulhos, palavras, frases, etc., enquanto o outro toma posições
ou executa movimentos que se relacionam com esses estímulos. Por exemplo:
barulho de passos
“Cuidado com o cão!”
“Que sono!”
Linguagem não verbal
Improvisar, individualmente, atitudes, gestos ou movimentos,
a partir de diferentes estímulos: um objecto (real ou imaginado) / um tema
67Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Com os teus colegas, combinas o seguinte:
Um diz o nome de um objecto (real ou imaginado) ou propõe um tema. Os outros vão
imaginando atitudes, gestos ou movimentos que tenham a ver com o que ele disse ou criam
situações ligadas a esse tema.
Por exemplo: “uma carta”: escrever, ler, meter no correio, dobrar e meter no envelope, entregar
(carteiro) e receber (destinatário) (Podem ser colocadas questões sobre as características dos objectos em jogo,
como suporte para que este não se esgote rapidamente.);
ou “Verão”:
Nota:
Os temas podem ser canções ou histórias, que podem ser alteradas durante o desenrolar do
exercício [só funcionam como tema].
32
piquenique
incêndio
sede
jogar à bola
remar
praia
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser68
Linguagem não verbal
Mimar, a dois ou em pequenos grupos, atitudes, gestos, movimentos
ligados a uma acção isolada
O mesmo exercício, em que cada um apresenta a sua “acção” (atitudes, gestos
e movimentos) a todo o grupo.
Sugestões de actividades
33
Com um parceiro, imaginem várias acções (por exemplo: pintar,
dizer um segredo, serrar uma tábua, cravar um prego, assobiar...)
que, alternadamente, vão apresentar um ao outro.
69Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem não verbal
Mimar, a dois ou em pequenos grupos, atitudes, gestos, movimentos
ligados a uma sequência de actos (situações recriadas ou imaginadas)
Organizem-se em duas rodas (uma interior, outra exterior), com seis a oito alunos cada
uma.
Cada aluno tem um parceiro virado para si, na outra roda.
Os da roda exterior vão mimar uma sequência de actos (por exemplo; o que fizeram quando
chegaram a casa no dia anterior ou no último fim de semana).
Os da roda interior observam, muito atentos, e tentam adivinhar tudo o que o outro fez.
Façam o mesmo exercício, cada um por sua vez, em frente de todo o grupo.
Sugestões de actividades
33
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser70
Em actividades colectivas ou de pequeno grupo,
as crianças vão-se sensibilizando à utilização de
sons, de silêncios e de palavras.
O professor e as crianças poderão propor
improvisações a partir de palavras, imagens, objectos
ou de um tema.
in Programa Oficial, Ministério da Educação
F. Linguagem Verbal
71Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
34. Participar na elaboração oral de uma história, 72
35. Improvisar um diálogo ou uma pequena história:
— a dois, ou em pequeno grupo, a partir de:
. uma ilustração, 73
. uma série de imagens, 74
. um som, 75
. uma sequência sonora, 76
. um objecto, 77
. um tema, 78
36. Participar em jogos de associação de palavras por:
— afinidades sonoras, 79
— afinidades semânticas, 80
37. Experimentar diferentes maneiras de dizer um texto:
— lendo, 81
— recitando, 82
38. Inventar novas linguagens sonoras ou onomato-
paicas, 83
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser72
Linguagem verbal
Participar na elaboração oral de uma história34
Com a tua turma, ou parte dela, sentam-se em círculo, ficando um de fora.
Um elemento do grupo começa a contar uma história, até que o que está de fora bata palmas.
Então, o seguinte continua, até que se voltem a ouvir as palmas e se passe para o terceiro.
E assim sucessivamente.
Nota
A mesma história pode dar várias voltas ao grupo.
73Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal
Improvisar um diálogo ou uma pequena história,
a dois ou em pequeno grupo, a partir de uma ilustração
1. Senta-te frente a frente com um parceiro e coloquem uma ilustração entre os dois.
Iniciem um diálogo baseado nessa ilustração onde, para além da opinião de cada um,
haja espaço para porem questões um ao outro.
2. Com o teu parceiro estabalece o seguinte jogo:
Sentam-se frente a frente com várias ilustrações viradas ao contrário, entre os dois.
Um de cada vez vira uma ilustração para si e conta ao outro uma história baseada no
que observa na figura.
35
Cada um de vocês vira de frente duas imagens.
De seguida, iniciam um diálogo sobre as relações possíveis entre as quatro figuras.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser74
Linguagem verbal
Improvisar um diálogo ou uma pequena história,
a dois ou em pequeno grupo, a partir de uma série de imagens
35
1. Com o teu parceiro, sentados frente a frente e com várias ilustrações viradas ao
contrário e colocadas entre os dois, estabelece o seguinte:
Um de cada vez vira cinco imagens, que coloca segundo a ordem que desejar e que vão
servir de suporte a uma história que vai contar.
2. Com o teu parceiro, também sentados frente a frente e com várias imagens entre
os dois:
75Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal
Improvisar um diálogo ou uma pequena história,
a dois ou em pequeno grupo, a partir de um som
Com o teu parceiro, colocam entre vocês vários instrumentos, musicais ou outros, que
produzam sons ou ruídos.
Um de cada vez produz um som, que vai servir de tema para o diálogo
que estabelecem.
35
estabeleçam um diálogo, baseado nos vários sons que vão produzindo
e que, depois, traduzem por palavras.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser76
Linguagem verbal
Improvisar um diálogo ou uma pequena história
a dois, ou em pequeno grupo, a partir de uma sequência sonora
Conta uma história à tua turma, baseada numa sequência de sons, que produzes.
Sugestões de actividades
35
Com um parceiro, a partir de vários instrumentos (musicais ou outros),
que produzam sons...
77Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal
Improvisar um diálogo ou uma pequena história,
a dois ou em pequeno grupo, a partir de um objecto
Novamente, com um parceiro e tendo perto de vocês a “arca das trapalhadas”,
façam o seguinte:
Um de cada vez vai à arca buscar um objecto, a partir do qual
estabelecem um diálogo.
Com o teu grupo, cada um de vocês, à vez, vai buscar um objecto à arca e conta uma
história baseada nesse objecto.
Sugestões de actividades
35
Nota
Não te esqueças de que podes pôr questões ao teu colega e vice-versa.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser78
Linguagem verbal
Improvisar um diálogo ou uma pequena história
a dois, ou em pequeno grupo, a partir de um tema
Do mesmo modo que fizeram no exercício acima, cada um, por sua vez, vai contar uma
história à turma, a partir do tema que está no papel que retira do saco.
Sugestões de actividades
35
Com um parceiro, escolhem vários temas que vão escrever, cada um em seu papel.
Viram os papéis ao contrário e baralham-nos (ou metem-nos num saco).
Viram um papel e iniciam um diálogo sobre esse tema.
Quando acharem que acabaram, viram outro papel e iniciam um novo diálogo.
79Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal
Participar em jogos de associação de palavras
por afinidades sonoras
Com um grupo de seis ou sete colegas, em roda, vamos fazer o seguinte jogo:
Um diz uma palavra e o seguinte tem de dizer uma outra com um som o mais parecido possível
com a anterior.
O terceiro diz outra palavra parecida com as anteriores, e assim sucessivamente.
Exemplos: bala, cala, fala, gala, mala, pala, rala, sala, tala, vala...
bato, cacto, cato, dato, fato, facto, gato, jacto, lato, mato, nato, pato, pacto, rato, tacto...
Com um parceiro, um diz uma palavra e o outro tem de responder com uma palavra parecida.
– colher (flores) / colher (de sopa);
– aço / asso ;
– cem / sem;
– cinto / sinto;
– acento / assento;
– aviação / viação;
– bem / vem;
– comprimento / cumprimento ...
Sugestões de actividades
36
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser80
Linguagem verbal
Participar em jogos de associação de palavras
por afinidades semânticas
Como “afinidade semântica” também pode dar-se por oposição:
– com um parceiro, um diz uma palavra e o outro tem de dizer outra, com um sentido oposto
(exemplos: acordar / adormecer; frio / quente; molhado / seco...)...
Sugestões de actividades
36
Com um grupo de seis ou sete colegas, em roda, vamos fazer o seguinte jogo:
Um diz uma palavra e o seguinte tem de dizer uma outra que tenha um sentido semelhante.
O terceiro diz outra palavra com um sentido idêntico, e assim sucessivamente.
Exemplos: grande, alto, elevado, crescido, espigado, desenvolvido, colossal, enorme, monumental...
educar, formar, instruir, cultivar, preparar, treinar, desenvolver, aprender, ensinar...
81Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal
Experimentar diferentes maneiras de dizer um texto:
– lendo
Pega no texto que estás a tratar na lição de Língua Materna e vais lê-lo de várias
maneiras:
– muito devagar, pronunciando muito bem;
– muito depressa, sem “comer” sílabas;
– abrindo exageradamente a boca;
– quase não mexendo os lábios;
– como se estivesses muito zangado;
– como se estivesses muito contente;
– como se estivesses muito triste;
– como se estivesses cheio de sono;
– como se estivesses com a boca cheia;
– como se tivesses três anos e pronunciasses mal e cheio de mimo;
– respirando entre cada palavra;
– dizendo o máximo de palavras seguidas, sem respirar;
– aumentando e baixando o volume de voz...
37
BS1C-6
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser82
Linguagem verbal
Experimentar diferentes maneiras de dizer um texto:
– recitando
37
Escolhe um poema, que conheças de cor.
Tenta dizê-lo como se:
– estivesses cheio de pressa;
– estivesses muito zangado;
– estivesses muito contente;
– estivesses muito triste;
– estivesses cheio de sono;
– estivesses com a boca cheia;
– estivesses a dizer um segredo;
– estivesses a falar para longe;
– tivesses três anos e pronunciasses mal e cheio de mimo;
– imitasses o teu professor a explicar a lição;
– desses uma ordem...
83Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal
Inventar novas linguagens sonoras ou onomatopaicas
1. Certamente já leste algumas bandas desenhadas que brincam com a linguagem.
Há uma série conhecida como “Os Estrumpfes”. Quase tudo o que dizem fazem-no a partir
do verbo “estrumpfar”.
2. Conheces a “linguagem dos pês”?
Cada sílaba tem uma espécie de eco começado por “p”.
Por exemplo, a palavra João deve dizer-se Jopoãopão; a palavra escola passa a ser
espescopolapa, etc..
Tenta estabelecer um diálogo com um colega teu, nesta linguagem.
Inventa, com os teus colegas, linguagens de animais vossos conhecidos ou imaginados e
estabeleçam conversas em que só se servem dessas linguagens.
Sugestões de actividades
38
Tenta inventar linguagens deste tipo para conversares com os teus amigos.
Peyo, O Estrumpfonauta
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser84
A utilização simultânea da dimensão verbal e
gestual ganha, aqui, o seu pleno significado.
Em interacção, as crianças irão desenvolvendo
pequenas improvisações explorando, globalmente,
as suas possibilidades expressivas e utilizando-as
para comunicar.
in Programa Oficial, Ministério da Educação
G. Linguagem Verbal e Gestual
85Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
39. Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos
ligados a uma acção precisa:
— em interacção com o outro, 86
— em pequeno grupo
40. Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos,
constituindo sequências de acções — situações recriadas
ou imaginadas, a partir de:
— objectos, 87
— um local, 88
— uma acção, 89
— personagens, 90
— um tema, 91
41. Improvisar situações usando diferentes tipos de máscaras, 92
42. Utilizar diversos tipos de sombras (chinesas...), 93
43. Inventar, construir e utilizar adereços e cenários, 94
44. Elaborar, previamente, em grupo, os vários momentos de
desenvolvimento de uma situação, 95
Um de vocês começa uma acção qualquer, sem explicar ao outro do que se trata.
Quando o segundo achar que entendeu, vai tentar entrar na acção, fazendo qualquer coisa
que tenha a ver com o que o primeiro iniciou.
Por exemplo: se um começou a vender sapatos, o outro pode ir comprar sapatos.
Nota:
Quer o diálogo, quer o final da acção são totalmente livres, só dependendo da vontade dos participantes.
O professor, inicialmente, pode coordenar estes exercícios, desenvolvendo reflexões sobre as várias acções
e as personagens envolvidas.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser86
Linguagem verbal e gestual
Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos
ligados a uma acção precisa
Fazes o mesmo, com todo o grupo.
À medida que vão entendendo o que o anterior faz, vão entrando no jogo.
Sugestões de actividades
39
Com um parceiro, estabelece o seguinte:
— em interacção com o outro / em pequeno grupo
87Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal e gestual
Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos
constituindo sequências de acções-situações
Com os teus companheiros, estabelece o seguinte jogo:
Sentam-se, em círculo, e um de vocês coloca no centro um objecto qualquer.
Um de cada vez dirige-se ao centro, pega no objecto e desenvolve uma acção com ele.
Quando este der por terminada a sua acção, é a vez do seguinte se dirigir ao objecto e
desenvolver também a sua.
E assim, sucessivamente, até que todos os elementos do grupo tenham participado.
40
recriadas ou imaginadas, a partir de objectos
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser88
Linguagem verbal e gestual
Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos
constituindo sequências de acções-situações
40
Tu e todos os teus colegas vão dispor-se à volta de um espaço que definiram para
a actividade.
recriadas ou imaginadas, a partir de um local
Um de vocês inicia uma acção, que tenha a ver com determinado local, conhecido de
todos.
Conforme os outros forem percebendo a acção que está a ser desenvolvida e, por
isso, reconhecendo o local, podem entrar, improvisando também palavras, sons,
atitudes, gestos e movimentos que tenham a ver com ele.
89Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal e gestual
Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos
constituindo sequências de acções-situações
Com todo o grupo reunido à volta do espaço que definiram para a actividade:
Um dá início a uma acção (por exemplo: apanhar uvas).
À medida que forem percebendo o que ele faz, os outros podem ir entrando, relacionando-se
com a acção do primeiro.
No exemplo dado poderia ser: transportar os cestos, despejar os cestos no lagar, pisar as uvas,
engarrafar o vinho, bebê-lo, etc..
40
recriadas ou imaginadas, a partir de uma acção
Disponham-se (todos os elementos da turma) à volta do espaço definido para a actividade.
Partindo de personagens de histórias conhecidas de todos, ou contadas pelo professor, um
dos elementos do grupo dá início ao jogo, “brincando a ser” uma dessas personagens.
O seguinte, quando achar que já percebeu de que se trata, pode entrar, “brincando a ser”
outra personagem, que se relacione com a primeira.
E assim sucessivamente.
Nota
O professor, inicialmente, pode coordenar estes exercícios, desenvolvendo reflexões sobre as
várias personagens envolvidas.
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser90
40
Linguagem verbal e gestual
Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos
constituindo sequências de acções-situações
recriadas ou imaginadas, a partir de personagens
91Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Todo o grupo se reúne à volta do espaço definido para a actividade.
Partindo de um tema conhecido de todos (ou proposto pelo professor), um dos elementos do
grupo dá início ao jogo, desenvolvendo uma actividade relacionada com esse tema.
O seguinte, quando achar que já percebeu do que se trata, pode entrar, desenvolvendo outra
actividade, que se relacione com a primeira.
E assim, sucessivamente...
Por exemplo:
– Férias (praia: apanhar sol, jogar, fazer castelos na areia, tomar banho...; etc. )
– Saúde (doente, recepcionista, sala de espera, médico, enfermeiro...)
40
Linguagem verbal e gestual
Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos
constituindo sequências de acções-situações
recriadas ou imaginadas, a partir de um tema
Vamos “brincar a ser” essas personagens, arranjando, para cada uma, um tipo de
voz, de andar, de gestos, de movimentos, etc..
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser92
Linguagem verbal e gestual
Improvisar situações, usando diferentes tipos de máscaras
41
1. Em grupo, um de cada vez vai fazer com a sua cara vários tipos de máscaras
(caretas).
Exemplos:
– rir;
– rir com a boca muito aberta;
– sorrir;
– chorar;
– olhar desconfiado;
– zangado;
– triste;
– com ar de quem vai pregar uma
partida a outro ...
Os outros vão ter de descobrir o que cada um vai fazendo.
2. Vamos “mascarar-nos” de personagens da nossa História. Por exemplo:
93Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal e gestual
Utilizar diversos tipos de sombras
1. Coloquem um foco luminoso — um projector de diapositivos, um retroprojector ou
uma simples lâmpada enfiada numa caixa — junto da parede e virado para vocês.
Entre o foco e os vossos lugares, pendurem um lençol branco.
Acendam o foco e, um de cada vez, executem movimentos livres, por detrás do pano
(podem utilizar objectos).
Podem usar objectos, recortes de cartolina ou de papel transparente colorido,
ou até todo o vosso corpo.
2. Em grupos de três, vão preparar e contar uma história ao resto da turma.
Nota
Reparem que, quanto mais próximo do pano estiver o corpo ou o objecto, mais nítida
se torna a imagem. À medida que se afasta, torna-se maior e mais difusa.
Nota
As figuras de cartolina podem ser penduradas por fios ou seguras por arames.
42
Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser94
Linguagem verbal e gestual
Inventar, construir e utilizar adereços e cenários
43
Vamos inventar uma situação (actividade dramática), para a qual vamos construir
os materiais necessários.
Fazemos (ou adaptamos) os fatos ou os outros adereços de que vamos precisar.
Desenhamos e pintamos, em papel-cenário, os ambientes (os sítios) em que essa acção
vai decorrer.
Por fim, vamos organizar o espaço em que a acção se desenvolve.
95Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser
Linguagem verbal e gestual
Elaborar, previamente, em grupo, os vários momentos
de desenvolvimento de uma situação
Vamos preparar uma dramatização.
Podemos reunir-nos em grupos pequenos (de quatro ou cinco elementos), para todos poderem
intervir mais facilmente na elaboração do plano.
Devemos pensar e tomar decisões em relação a vários aspectos importantes, para que tudo o
que vamos fazer seja possível e facilitado.
Assim:
– temos que escolher as personagens, com todas as suas características (bonacheirão, simpático,
risonho, violento, manhoso, desconfiado, avarento ...); é necessário que todos saibamos as reacções
de cada uma delas;
– temos que saber em que acções é que elas entram (no fundo, o que vão fazer);
– outro aspecto é o sítio onde tudo acontece; temos que saber e conhecer o espaço que está
reservado ao que se vai passar;
– o tempo em que essas acções decorrem também deve ser bem definido;
– não podemos deixar de tomar nota de todos os materiais ou objectos que vão ser
necessários para conseguirmos o que pretendemos.
44
Brincar a ser expressão dramática

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais Lengalengas
Luis Rolhas
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
Carla Ferreira
 
Conto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracacaConto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracaca
Cláudia Realista
 
Histórias para todas as letras
Histórias para todas as letrasHistórias para todas as letras
Histórias para todas as letras
Professora
 
Livro dos jogos tradicionais portugueses
Livro dos jogos tradicionais portuguesesLivro dos jogos tradicionais portugueses
Livro dos jogos tradicionais portugueses
marferreira1971
 
Os direitos das crianças
Os direitos das criançasOs direitos das crianças
Os direitos das crianças
Lino Barbosa
 
Manual de-movimento-musica-e-drama
Manual de-movimento-musica-e-dramaManual de-movimento-musica-e-drama
Manual de-movimento-musica-e-drama
Dinita Lemos
 
Poema livro
Poema   livroPoema   livro
Poema livro
tanialazera
 
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
SalaAmarela Enxara Do Bispo
 
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
Os direitos as crianças   luiísa ducla soaresOs direitos as crianças   luiísa ducla soares
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
Be Moinho Das Leituras
 
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
SalaAmarelaJIGradil
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
Vera Monteiro
 
A galinha que sabia ler
A galinha que sabia lerA galinha que sabia ler
A galinha que sabia ler
SABERES E FAZERES EM NOSSAS MÃOS
 
O monstro das cores pdf
O monstro das cores pdfO monstro das cores pdf
O monstro das cores pdf
Katia Soares
 
Regras da sala de aula: PowerPoint
Regras da sala de aula: PowerPointRegras da sala de aula: PowerPoint
Regras da sala de aula: PowerPoint
A. Simoes
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequim
casmaria
 
O palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoletoO palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoleto
Silvares
 
A LEBRE E A TARTARUGA
A LEBRE E A TARTARUGAA LEBRE E A TARTARUGA
A LEBRE E A TARTARUGA
Marisa Seara
 
O carnaval-na-floresta
O carnaval-na-florestaO carnaval-na-floresta
O carnaval-na-floresta
Guiomar Silva
 

Mais procurados (20)

Mais Lengalengas
Mais LengalengasMais Lengalengas
Mais Lengalengas
 
A magia da estrela do outono
A magia da estrela do outonoA magia da estrela do outono
A magia da estrela do outono
 
Conto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracacaConto couto viana-versos-de-caracaca
Conto couto viana-versos-de-caracaca
 
Histórias para todas as letras
Histórias para todas as letrasHistórias para todas as letras
Histórias para todas as letras
 
Livro dos jogos tradicionais portugueses
Livro dos jogos tradicionais portuguesesLivro dos jogos tradicionais portugueses
Livro dos jogos tradicionais portugueses
 
Os direitos das crianças
Os direitos das criançasOs direitos das crianças
Os direitos das crianças
 
Manual de-movimento-musica-e-drama
Manual de-movimento-musica-e-dramaManual de-movimento-musica-e-drama
Manual de-movimento-musica-e-drama
 
Poema livro
Poema   livroPoema   livro
Poema livro
 
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
Relatorio de Auto-avaliação Docente 2015
 
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
Os direitos as crianças   luiísa ducla soaresOs direitos as crianças   luiísa ducla soares
Os direitos as crianças luiísa ducla soares
 
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
 
A galinha que sabia ler
A galinha que sabia lerA galinha que sabia ler
A galinha que sabia ler
 
O monstro das cores pdf
O monstro das cores pdfO monstro das cores pdf
O monstro das cores pdf
 
Regras da sala de aula: PowerPoint
Regras da sala de aula: PowerPointRegras da sala de aula: PowerPoint
Regras da sala de aula: PowerPoint
 
A lenda de arlequim
A lenda de arlequimA lenda de arlequim
A lenda de arlequim
 
Pe de pai
Pe de paiPe de pai
Pe de pai
 
O palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoletoO palhaco-tristoleto
O palhaco-tristoleto
 
A LEBRE E A TARTARUGA
A LEBRE E A TARTARUGAA LEBRE E A TARTARUGA
A LEBRE E A TARTARUGA
 
O carnaval-na-floresta
O carnaval-na-florestaO carnaval-na-floresta
O carnaval-na-floresta
 

Semelhante a Brincar a ser expressão dramática

Idéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalIdéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternal
Liliane Corte
 
Apresentação curso de pedagogia
Apresentação curso de pedagogiaApresentação curso de pedagogia
Apresentação curso de pedagogia
Cris Cardoso
 
O Circo.pdf
O Circo.pdfO Circo.pdf
Esquema corporal
Esquema corporalEsquema corporal
Esquema corporal
Luzia Alves Medeiros
 
estrutura de projeto para educação infantil
estrutura de projeto para educação infantilestrutura de projeto para educação infantil
estrutura de projeto para educação infantil
Lucianaguimaraes18
 
Projeto Vamos Relaxar
Projeto Vamos Relaxar Projeto Vamos Relaxar
Projeto Vamos Relaxar
GesieleBatistadaSilv
 
Avaliação pedagógica
Avaliação pedagógicaAvaliação pedagógica
Avaliação pedagógica
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Plano de maio
Plano de maio Plano de maio
Plano de maio
SimoneHelenDrumond
 
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadeJogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
luana almeida
 
O FOLCLORE NAS OBRAS DE MONTEIRO LOBATO: LINGUAGENS, INTERAÇÕES, LETRAMENTO, ...
O FOLCLORE NAS OBRAS DE MONTEIRO LOBATO: LINGUAGENS, INTERAÇÕES, LETRAMENTO, ...O FOLCLORE NAS OBRAS DE MONTEIRO LOBATO: LINGUAGENS, INTERAÇÕES, LETRAMENTO, ...
O FOLCLORE NAS OBRAS DE MONTEIRO LOBATO: LINGUAGENS, INTERAÇÕES, LETRAMENTO, ...
SimoneHelenDrumond
 
Reduzido 10 escola presidente tancredo nesves 4
Reduzido 10 escola presidente tancredo nesves 4Reduzido 10 escola presidente tancredo nesves 4
Reduzido 10 escola presidente tancredo nesves 4
SimoneHelenDrumond
 
Decroly
DecrolyDecroly
Portfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenhoPortfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenho
Rose Silva
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
Rafael Almeida
 
Portfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenhoPortfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenho
Rose Silva
 
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadeJogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Priscilla Barbosa
 
Projeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de SalãoProjeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de Salão
EMEF JOÃO DA SILVA
 
Oficina de Jogos Teatrais.docx
Oficina de Jogos Teatrais.docxOficina de Jogos Teatrais.docx
Oficina de Jogos Teatrais.docx
LizSchuster2
 
5 anos - Março e Abril 2020 (2).docx
5 anos - Março e Abril 2020 (2).docx5 anos - Março e Abril 2020 (2).docx
5 anos - Março e Abril 2020 (2).docx
SilvanaSantos480041
 
PTD - Educação Infantil de 03/ 06 anos - Educação Especial
PTD - Educação Infantil de 03/ 06 anos - Educação EspecialPTD - Educação Infantil de 03/ 06 anos - Educação Especial
PTD - Educação Infantil de 03/ 06 anos - Educação Especial
Ivete Diniz
 

Semelhante a Brincar a ser expressão dramática (20)

Idéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalIdéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternal
 
Apresentação curso de pedagogia
Apresentação curso de pedagogiaApresentação curso de pedagogia
Apresentação curso de pedagogia
 
O Circo.pdf
O Circo.pdfO Circo.pdf
O Circo.pdf
 
Esquema corporal
Esquema corporalEsquema corporal
Esquema corporal
 
estrutura de projeto para educação infantil
estrutura de projeto para educação infantilestrutura de projeto para educação infantil
estrutura de projeto para educação infantil
 
Projeto Vamos Relaxar
Projeto Vamos Relaxar Projeto Vamos Relaxar
Projeto Vamos Relaxar
 
Avaliação pedagógica
Avaliação pedagógicaAvaliação pedagógica
Avaliação pedagógica
 
Plano de maio
Plano de maio Plano de maio
Plano de maio
 
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadeJogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
 
O FOLCLORE NAS OBRAS DE MONTEIRO LOBATO: LINGUAGENS, INTERAÇÕES, LETRAMENTO, ...
O FOLCLORE NAS OBRAS DE MONTEIRO LOBATO: LINGUAGENS, INTERAÇÕES, LETRAMENTO, ...O FOLCLORE NAS OBRAS DE MONTEIRO LOBATO: LINGUAGENS, INTERAÇÕES, LETRAMENTO, ...
O FOLCLORE NAS OBRAS DE MONTEIRO LOBATO: LINGUAGENS, INTERAÇÕES, LETRAMENTO, ...
 
Reduzido 10 escola presidente tancredo nesves 4
Reduzido 10 escola presidente tancredo nesves 4Reduzido 10 escola presidente tancredo nesves 4
Reduzido 10 escola presidente tancredo nesves 4
 
Decroly
DecrolyDecroly
Decroly
 
Portfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenhoPortfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenho
 
Linguagem
LinguagemLinguagem
Linguagem
 
Portfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenhoPortfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenho
 
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadeJogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
 
Projeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de SalãoProjeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de Salão
 
Oficina de Jogos Teatrais.docx
Oficina de Jogos Teatrais.docxOficina de Jogos Teatrais.docx
Oficina de Jogos Teatrais.docx
 
5 anos - Março e Abril 2020 (2).docx
5 anos - Março e Abril 2020 (2).docx5 anos - Março e Abril 2020 (2).docx
5 anos - Março e Abril 2020 (2).docx
 
PTD - Educação Infantil de 03/ 06 anos - Educação Especial
PTD - Educação Infantil de 03/ 06 anos - Educação EspecialPTD - Educação Infantil de 03/ 06 anos - Educação Especial
PTD - Educação Infantil de 03/ 06 anos - Educação Especial
 

Mais de Sónia Alves

Em sistemas revisões
Em  sistemas revisõesEm  sistemas revisões
Em sistemas revisões
Sónia Alves
 
Pedro Alecrim, de António Mota
Pedro Alecrim, de António MotaPedro Alecrim, de António Mota
Pedro Alecrim, de António Mota
Sónia Alves
 
Livro atividades pré-escolar
Livro atividades pré-escolarLivro atividades pré-escolar
Livro atividades pré-escolar
Sónia Alves
 
Marcador alunos 2
Marcador alunos 2Marcador alunos 2
Marcador alunos 2
Sónia Alves
 
Atalhos teclado
Atalhos tecladoAtalhos teclado
Atalhos teclado
Sónia Alves
 
Pacc c. comum_1000_02
Pacc c. comum_1000_02Pacc c. comum_1000_02
Pacc c. comum_1000_02
Sónia Alves
 
Pacc c. comum_1000_01
Pacc c. comum_1000_01Pacc c. comum_1000_01
Pacc c. comum_1000_01
Sónia Alves
 
Pacc cc c._comum
Pacc cc c._comumPacc cc c._comum
Pacc cc c._comum
Sónia Alves
 

Mais de Sónia Alves (8)

Em sistemas revisões
Em  sistemas revisõesEm  sistemas revisões
Em sistemas revisões
 
Pedro Alecrim, de António Mota
Pedro Alecrim, de António MotaPedro Alecrim, de António Mota
Pedro Alecrim, de António Mota
 
Livro atividades pré-escolar
Livro atividades pré-escolarLivro atividades pré-escolar
Livro atividades pré-escolar
 
Marcador alunos 2
Marcador alunos 2Marcador alunos 2
Marcador alunos 2
 
Atalhos teclado
Atalhos tecladoAtalhos teclado
Atalhos teclado
 
Pacc c. comum_1000_02
Pacc c. comum_1000_02Pacc c. comum_1000_02
Pacc c. comum_1000_02
 
Pacc c. comum_1000_01
Pacc c. comum_1000_01Pacc c. comum_1000_01
Pacc c. comum_1000_01
 
Pacc cc c._comum
Pacc cc c._comumPacc cc c._comum
Pacc cc c._comum
 

Último

Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Brincar a ser expressão dramática

  • 1. Álvaro Gomes e Jorge Rolla BRINCAR A SER Expressão e Educação Dramática n
  • 2. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser2 ficha técnica Título Autores Ilustração Co-produção e design ISBN Impressão e acabamento Co-produção e distribuição Brincar a Ser Expressão e Educação Dramática (1.° ciclo do Ensino Básico) Álvaro Gomes e Jorge Rolla Branco Duarte © Edições Flumen 972-98859-3-1 Bloco Gráfico, Lda 2003 – Livro Auxiliar n Rua da Restauração, 365 4099-023 PORTO • PORTUGAL Telefone (351) 22 608 83 00 Fax (351) 22 608 83 01 E-mail pe@portoeditora.pt www.portoeditora.pt Contribuinte n.° PT 500 221 103 Soc. quotas CRC Porto n.° 11254 Cap. Social EUR 1 400 000
  • 3. 3Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Caros colegas Subjacente à ideia de educação está o conceito de Homem que se pretende formar. Se entendermos, entre outros, como objectivos da Escola a formação de indivíduos: — que se sentem à vontade no seu próprio corpo; — capazes de relatar, serena e desinibidamente, as suas preocupações e os seus pontos de vista; — capazes de participar, activamente, na vida cultural da comunidade e não se limitar a simples consumidores; — que sentem a criação e a vida artística ao alcance de todos e não da exclusividade de um punhado de génios; então, a Expressão Dramática assume um estatuto privilegiado ao apostar, decididamente, nas componentes estimuladora e socializadora da educação. O “educador” do 1º ciclo do Ensino Básico tem um papel determinante na formação global das crianças e é, em nosso entender, mais um criador de situações de aprendizagem e de desenvolvimento das capacidades de cada uma do que, propriamente, um ministrador de conhecimentos. Com tais pressupostos, esta obra propõe-se, num percurso sistematizado sobre o programa em vigor, servir de referência aos professores do 1º ciclo, num domínio onde a bibliografia disponível é diminuta e a sua preparação, em muitos casos, meramente empírica. Bom trabalho! Saudações dos Autores
  • 4. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser4 Índice I. Jogos de exploração A. Corpo 1. Movimentar-se de forma livre e pessoal (...), 10 2. Explorar as atitudes de: imobilidade-mobilidade, contracção- -descontracção, tensão-relaxamento, 12 3. Explorar a respiração torácica e abdominal, 14 4. Explorar o movimento global do seu corpo (...), 15 5. Explorar os movimentos segmentares do corpo, 16 6. Explorar as diferentes possibilidades expressivas (...), 17 B. Voz 7. Experimentar maneiras diferentes de produzir sons, 22 8. Explorar sons orgânicos ligados a acções quotidianas, 23 9. Reproduzir sons do meio ambiente, 24 10. Aliar a emissão sonora a gestos/movimentos, 25 11. Explorar a emissão sonora fazendo variar (...), 26 12. Explorar diferentes maneiras de dizer vocábulos (dicção), 28 13. Explorar os efeitos de alternância, silêncio-emissão sonora, 29 C. Espaço 14. Explorar o espaço circundante, 32 15. Adaptar a diferentes espaços os movimentos e a voz, 33 16. Explorar deslocações simples seguindo trajectos diversos, 34 17. Explorar diferentes formas de se deslocar (...), 35 18. Orientar-se no espaço a partir de referências (...), 37 19. Deslocar-se em coordenação com um par, 39 20. Explorar diferentes níveis (baixo, médio, alto), 40 21. Explorar mudanças de nível (...), 41 D. Objectos 22. Explorar as qualidades físicas dos objectos, 46 23. Explorar as relações possíveis do corpo com os objectos, 47 24. Deslocar-se com o apoio de um objecto (...), 48 25. Explorar as transformações de objectos (...), 50 26. Utilizar objectos dando-lhes atributos imaginados em situações de interacção (...), 52 27. Utilizar máscaras, fantoches, 54 28. Inventar e utilizar máscaras, fantoches, marionetas, 56
  • 5. 5Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser II. Jogos dramáticos E. Linguagem não verbal 29. Utilizar espontaneamente atitudes, gestos, movimentos, 62 30. Reagir espontaneamente por gestos/movimentos a (...), 63 31. Reproduzir movimentos (...), 65 32. Improvisar individualmente atitudes, gestos, movimentos (...), 66 33. Mimar (a dois ou em pequenos grupos) atitudes, gestos, movimentos (...), 68 F. Linguagem verbal 34. Participar na elaboração oral de uma história, 72 35. Improvisar um diálogo ou uma pequena história (...), 73 36. Participar em jogos de associação de palavras por (...), 79 37. Experimentar diferentes maneiras de dizer um texto (...), 81 38. Inventar novas linguagens sonoras ou onomatopaicas, 83 G. Linguagem verbal e gestual 39. Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos ligados a uma acção precisa (...), 86 40. Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos, constituindo sequências de acções (...), 87 41. Improvisar situações usando diferentes tipos de máscaras, 92 42. Utilizar diversos tipos de sombras (chinesas...), 93 43. Inventar, construir e utilizar adereços e cenários, 94 44. Elaborar, previamente, em grupo, os vários momentos de desenvolvimento de uma situação, 95
  • 6. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser6 I — JOGOS DE EXPLORAÇÃO
  • 7. 7Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Os jogos de exploração (do corpo, da voz, do espaço e dos objectos), de forma lúdica e natural, propiciam um desenvolvimento das capacidades de expressão e de comunicação. “Brincando a Ser” em diferentes vivências, através do imaginário, as crianças têm oportunidade de se (re)conhecerem melhor e de melhor conhecerem o “outro”. Para este objectivo, contribuem várias acções, desde as diferentes formas e atitudes corporais, ao sentido da pessoalidade dos movimentos, passando pela exploração das diferentes possibilidades vocais, pela adaptação e utilização dos espaços e pela transformação imaginária dos objectos e o seu relacionamento com eles.
  • 8. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser8 A variedade e a riqueza de sugestões a nível do imaginário devem ser características das situações propostas para explorar as possibilidades expressivas do corpo. Através de jogos de imaginação, todos do agrado das crianças, deverão ser vivenciadas diferentes formas e atitudes corporais, assim como maneiras pessoais de desenvolver um movimento. in Programa Oficial, Ministério da Educação A. Corpo
  • 9. 9Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser 1 . Movimentar-se de forma livre e pessoal — sozinho, 10 — aos pares, 11 2. Explorar as atitudes de: imobilidade-mobilidade, contracção-descontracção, tensão-relaxamento, 12 3. Explorar a respiração torácica e abdominal, 14 4. Explorar o movimento global do seu corpo da menor à maior amplitude, 15 5. Explorar os movimentos segmentares do corpo, 16 6. Explorar as diferentes possibilidades expressivas, imaginando-se com outras características corporais: — diferentes atitudes corporais, 17 — diferentes ritmos corporais — diferentes formas, 18 — diferentes factores de movimento (firme/suave; súbito/ /sustentado; directo/flexível; controlado/livre), 19
  • 10. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser10 Corpo Movimentar-se de forma livre e pessoal: sozinho Movimenta-te: – caminhando apressado; – saltando; – rebolando; – rastejando; – ao pé-coxinho; – em bicos de pés; – de cócoras; – andando para trás; – com passos curtos e compridos ... Sugestões de actividades 1 Tenta deslocar-te, de várias maneiras diferentes, num espaço definido.
  • 11. 11Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Corpo Movimentar-se de forma livre e pessoal: aos pares Escolhe um companheiro e inventa, com ele, várias formas de, em conjunto, se deslocarem pela sala. Movimentem-se (tu e um colega): – pegando um nos pés do outro, como se fosse um carrinho de mão; – saltando de mãos dadas; – com as costas juntas; – caminhando ambos: • sobre os calcanhares; • sem desviarem o olhar; • em bicos de pés ... Sugestões de actividades 1
  • 12. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser12 Corpo Explorar as atitudes de imobilidade / mobilidade Sugestões de actividades 2 — Representa a “estátua” de um ser vivo, à tua escolha. Após permaneceres algum tempo nessa posição, mostra como esse ser vivo se movimenta: — Imagina que estás a dormir e acordas, de repente, com o despertador. – uma flor, um canguru, um pardal, um atleta, uma cobra, uma águia, etc. ... Movimenta-te com os teus colegas, livremente, pela sala. A um sinal combinado (palmas, apito, etc.), dado por um de vocês ou pelo professor, todos ficam imobilizados. A um novo sinal, retomam o movimento. E assim sucessivamente...
  • 13. 13Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Corpo Explorar as atitudes de contracção / descontracção, tensão / relaxamento Imagina que: – estás a ouvir um raspanete / uma história; – estás a assistir a um filme emocionante / cómico; – estás a caminhar contra o vento e com chuva / estás a passear com bom tempo; ... Sugestões de actividades 2 Imagina que: estás estendido na praia, ao Sol. estás cheio de frio. és um gatinho assustado por causa de um cão. és um gatinho descontraído, a espreguiçar-se ao Sol.
  • 14. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser14 Corpo Explorar a respiração torácica e abdominal Respira, como se estivesses: – muito cansado, depois de uma longa corrida (arfar); – descontraído na tua cama, quase a adormecer (muito calmamente); – ... Sugestões de actividades 3 2. Agora, vais respirar só com a barriga. Neste tipo de respiração, repara que consegues meter muito mais ar e controlar, completamente, a tua expiração. (Podes, com o mesmo esforço, expirar rápida ou lentamente, e de forma seguida ou com pausas.) 3. Deitado no chão, com uma mão no teu peito e outra na barriga, respira, alternadamente, ora com uma, ora com outra parte do teu corpo. (As mãos servem para te certificares que só mexes a parte que pretendes.) 1. Respira várias vezes, profundamente, como se fosses um culturista, enchendo totalmente o teu peito de ar.
  • 15. Corpo Explorar o movimento global do seu corpo da menor à maior amplitude 15Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Imagina que: és um balão que se vai enchendo lentamente, à medida que se vai soprando, e que, quando estás completamente cheio, és solto e te esvazias. – manteiga a derreter; – uma planta a nascer, a crescer e a murchar; – ... 4 Imagina que és: Sugestões de actividades
  • 16. Corpo Explorar os movimentos segmentares do corpo 16 Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Sentado no chão, executa vários movimentos com o tronco. Em pé, executa movimentos de rotação com a cabeça. Imagina que fazes girar um arco à volta da tua cinta. Imagina que escreves no computador. Imagina que estás a jogar matraquilhos. Sugestões de actividades 1. Imagina que limpas uma janela. 3. Desenha, no ar (ora com o direito, ora com o esquerdo) um quadrado, com os cotovelos um círculo, com os pés 2. Deitado no chão, imagina que andas de bicicleta. 5
  • 17. 17Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Corpo Explorar as diferentes possibilidades expressivas imaginando-se com outras características corporais 1. Imagina-te como se: diferentes atitudes / ritmos corporais 2. Tenta reproduzir atitudes e ritmos de animais teus conhecidos. Por exemplo: o gato. – estivesses muito zangado– fosses um velhinho com muita idade 2. Imagina que te deslocas: 1. Imagina-te numa conversa, em que te mostras: – contente, desconfiado, amistoso, nervoso, surpreendido, atento, apressado... – em câmara lenta; – pondo os pés para fora ou para dentro; – com sapatos de tacão alto; – apoiando-te só nos calcanhares; – em bicos de pés; – com os joelhos juntos... Sugestões de actividades 6 BS1C-2
  • 18. Com um colega (ou dois), que imaginas ser feito de barro ou plasticina, vais formar (moldar) as letras do alfabeto. Por exemplo: Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser18 Corpo Explorar as diferentes possibilidades expressivas imaginando-se com outras características corporais 2. Tenta movimentar-te como – um gnomo; – um robô; – um anão; – um gigante; – um espantalho; – um dragão... 1. Experimenta tomar formas de animais teus conhecidos. Sugestões de actividades 6 diferentes formas
  • 19. 19Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Corpo Explorar as diferentes possibilidades expressivas imaginando-se com outras características corporais – a marchar / a pisar ovos; – apressado / a passear (“fazer tempo”); – a responder a um apelo (aflito) / pé ante pé (com medo); – sobre uma pista de gelo / sobre um tapete de rede (circo)... Sugestões de actividades Movimenta-te, imaginando-te: 6 diferentes factores de movimento Movimenta-te, imaginando que não podes: – dobrar os joelhos. – mexer o pescoço.
  • 20. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser20 B. Voz Explorar as diferentes possibilidades da voz, fazendo variar a emissão sonora e, progressivamente, ir aliando ao som gestos e movimentos é desenvolver factores sempre presentes num jogo dramático. Os temas propostos deverão estar adequados à idade e experiência das crianças, de molde a adquirirem maior confiança e acuidade na utilização da voz como instrumento essencial à expressão e comunicação. in Programa Oficial, Ministério da Educação
  • 21. 21Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser 7. Experimentar maneiras diferentes de produzir sons, 22 8. Explorar sons orgânicos ligados a acções quotidianas, 23 9. Reproduzir sons do meio ambiente, 24 10. Aliar a emissão sonora a gestos/movimentos, 25 11. Explorar a emissão sonora fazendo variar: — a forma de respirar, 26 — a altura do som — o volume da voz — a velocidade, 27 — a entoação 12. Explorar diferentes maneiras de dizer vocábulos (dicção), 28 13. Explorar os efeitos de alternância, silêncio- -emissão sonora, 29
  • 22. Voz Experimentar maneiras diferentes de produzir sons.7 Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser22 Sugestões de actividades 1. Produz vários sons, fechando ou abrindo mais a boca. Imita os sons de alguns animais teus conhecidos: – vaca; – lobo; – carneiro; – porco; – abelha; – cão; – gato; – cavalo; – grilo; – papagaio; – pomba / rola; – rato; – tigre / leão; – passarinho; – pato; – galo; – rã; – burro; – ... 2. Imita a voz de várias pessoas tuas conhecidas. Por exemplo: dizendo as vogais
  • 23. 8Voz Explorar sons orgânicos ligados a acções quotidianas 23Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Sugestões de actividades Qual o som que produzes quando: choras?ris? te pregam um grande susto? Tenta reproduzir os sons que produzes, quando: – ressonas; – espirras; – suspiras; – chamas alguém muito ao longe; – enxotas um cão; – estás a desconfiar; – quando ficas aborrecido; – chamas um gato; – chamas as galinhas; – ... ficas muito admirado?
  • 24. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser24 Voz Reproduzir sons do meio ambiente Tenta reproduzir os sons de: – uma cidade; – uma fábrica; – um comboio; – um porto de mar; – uma festa na aldeia; – ... Sugestões de actividades 9 1. Tenta reproduzir os sons que ouves, quando dás um passeio pelo campo. Exemplos: pássaros, grilos, água de um riacho, vento, cães a ladrar, tiro de um caçador, lenhador...
  • 25. Voz Aliar a emissão sonora a gestos / movimentos 25Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Sugestões de actividades 10 Repara nos gestos que fazes, quando te ris de qualquer coisa muito cómica. Como é que: – mandas calar um colega? – pedes para falar, na tua aula? – protestas, quando te mandam para a cama e querias ver televisão? – ...
  • 26. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser26 Voz Explorar a emissão sonora fazendo variar: a forma de respirar, a altura do som, o volume da voz Tenta falar, respirando entre cada palavra que dizes. Tenta imitar aquelas pessoas que falam de uma forma muito “esganiçada”. Mostra como: – chamas alguém que está muito longe; – conversas, tendo alguém a dormir ao lado; – conversas com alguém numa feira ... Sugestões de actividades 11 1. Lembra-te de como é que falas quando acabas uma corrida e ficas muito cansado. 2. Lembra-te de como falas com voz grossa (quando já não “estás para brincadeiras“) e tentas imitar os adultos, quando ralham. 3. Mostra como dizes qualquer coisa a alguém, quando estás no cinema.
  • 27. 27Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Voz Explorar a emissão sonora fazendo variar: a velocidade, a entoação 1. Pega num texto escrito teu conhecido e lê-o: 2. Recita um poema teu conhecido. • em voz alta; • muito devagar; • de uma forma muito rápida; • acelerando ou retardando, ao teu gosto ... Repete-o com uma entoação: • triste; • risonha; • de quem está a pedir alguma coisa ... Imagina como falas: – quando chamas o 112 (para pedir socorro); – com um estrangeiro, que percebe mal o Português; – quando tens pouco tempo para dizer muita coisa; – ... Sugestões de actividades 11
  • 28. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser28 Voz Explorar diferentes maneiras de dizer vocábulos (dicção) Lê o mesmo texto, de seguida, exagerando a pronúncia das vogais e disfarçando as consoantes. Repete, agora “batendo” as consoantes, sem te preocupares com as vogais. Sugestões de actividades 12 Pega num lápis de madeira. Mete-o na boca, cerca de um centímetro e segura-o com a mão. Lê um texto muito devagar, respirando (gastando todo o ar) entre cada sílaba. Os dentes têm que segurar o lápis (não podes abrir a boca). Se não gostares da forma como o som saiu, repetes o exercício até conseguires o som que queres. De seguida, lê o mesmo texto rapidamente. Notaste que o leste de uma forma muito mais fácil e agradável. Nota: O lápis de madeira justifica-se para o caso de, inicialmente, fazeres demasiada força com os dentes e não ficares com dores nos maxilares.
  • 29. 29Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Voz Explorar os efeitos de alternância, silêncio-emissão sonora Lê um texto, esperando mais ou menos entre cada palavra um tempo idêntico ao que demoras a dizê-la, como se estivesses a falar com alguém de uma língua esquisita e tivesses que esperar que traduzissem o que vais dizendo. Faz um “discurso” em que demores dois segundos entre cada palavra. Lê um texto (ou conta uma história) como se sofresses de gaguez. Sugestões de actividades 13
  • 30. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser30 Para adquirir progressivamente o domínio do espaço, a criança precisa de utilizar, adaptar e recriar. A partir de uma história ou de uma personagem, os jogos de orientação no espaço, utilizando diferentes níveis e direcções, permitem explorar diferentes maneiras de se deslocar e utilizar o espaço circundante. in Programa Oficial, Ministério da Educação C. Espaço
  • 31. 31Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser 14. Explorar o espaço circundante, 32 15. Adaptar a diferentes espaços os movimentos e a voz, 33 16. Explorar deslocações simples seguindo trajectos diversos, 34 17. Explorar diferentes formas de se deslocar: de diferentes seres (reais ou imaginados) em locais com diferentes características, 35 18. Orientar-se no espaço a partir de referências visuais, auditivas, tácteis, 37 19. Deslocar-se em coordenação com um par, 39 20. Explorar diferentes níveis (baixo, médio, alto), 40 21. Explorar mudanças de nível: — individualmente, 41 — aos pares, 42 — em pequenos grupos, 43
  • 32. A tua sala de aula tem quatro paredes. – observa-as atentamente. De seguida, sem olhares, tenta descrevê-las; – na tua opinião, que modificações deveriam ser feitas para que a tua sala ficasse mais a teu gosto? – ... Sugestões de actividades Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser32 Espaço Explorar o espaço circundante 14 Descreve, com o máximo pormenor, tudo o que consegues observar através da janela da tua sala de aula.
  • 33. 33Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Espaço Adaptar a diferentes espaços os movimentos e a voz Imagina que estás com um amigo teu, numa feira. Mostra como conversas, enquanto vais percorrendo aquele espaço barulhento. Tenta reproduzir uma conversa com um amigo (ou amigos): – num café, muito barulhento, cheio de gente; – numa sala de estudo (ou numa biblioteca); – numa piscina; – ... Sugestões de actividades 15 BS1C-3
  • 34. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser34 Espaço Explorar deslocações simples, seguindo trajectos diversos Quantos percursos podes escolher para te deslocares da tua mesa à do teu professor? No recreio, com os teus colegas, definam vários percursos para ir de uma ponta à outra, através de objectos colocados para esse efeito. Sugestões de actividades 16 Quantos caminhos podes usar, para vires de casa para a escola?
  • 35. 35Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Espaço Explorar diferentes formas de se deslocar (diferentes seres, reais ou imaginados) 1. Experimenta deslocar-te como: 2. Imagina que és um ser que se desloca: um gato Inventa outras maneiras de te deslocares, mesmo que as características sejam de seres desconhecidos. Sugestões de actividades 17 uma pomba uma pedra uma onda do mar com as duas mãos no chão e um só pé de lado uma serpente um robô um pato
  • 36. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser36 Espaço Explorar diferentes formas de se deslocar em locais com diferentes características Imagina que andas: – na areia escaldante; – num pinhal com silvas; – com água pelos joelhos; – com água pelo pescoço ... Sugestões de actividades Se o chão da tua sala fosse diferente, o teu andar também o seria. 17 1. Imagina que se transformava numa pista de gelo. Como é que te deslocavas para ires até à porta? 2. Se fosse de areia, como numa praia, já terias outra maneira de andar, para fazeres a mesma deslocação. Como seria? 3. Se tivesses entornado um frasco de cola, era difícil andar sobre ela, não te parece? Mostra lá o que acontecia.
  • 37. 37Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Espaço Orientar-se no espaço a partir de referências visuais Na sala ou no pátio, com os teus colegas, estabeleçam vários trajectos, que serão percorridos por todos, utilizando sinais de trânsito conhecidos. 1. Um de vocês sai da sala; os outros definem um percurso, que tem de ser percorrido por ele, através de sinais de trânsito. 2. Adapta a história da casinha de chocolate (deixar cair qualquer coisa para saber voltar ao local de partida, pelo mesmo trajecto). Sugestões de actividades 18
  • 38. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser38 Espaço Orientar-se no espaço, a partir de referências auditivas e tácteis 18 1. Com os teus colegas, define um percurso simples, na sala ou no recreio. Um de cada vez vai tentar percorrê-lo com os olhos vendados. Sempre que falhar, os outros assinalam através de um código auditivo (palmas, assobio, castanholas, etc.). 2. Cada um escreve, num papel, o nome de um animal que escolheu para si, cuja “voz” seja conhecida de todos. Juntam todos os papelinhos num saco ou numa caixa. Um de vocês retira, dessa caixa, um dos papéis. Começam, então, todos a emitir o som do seu animal, tendo o que retirou o papel que descobrir a qual dos colegas corresponde. 3. Com os olhos vendados, vais buscar um livro à tua carteira e colocá-lo na secretária do professor. 4. Com os teus colegas combinas o seguinte jogo. Mantêm-se sentados, cada um na sua carteira. Um de vocês vai para junto da secretária do professor e venda os olhos. Um dos outros coloca, por exemplo, um chapéu na cabeça. O que tem os olhos vendados vai ter que percorrer os colegas até descobrir o do chapéu.
  • 39. 39Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Espaço Deslocar-se em coordenação com um par Escolhe um parceiro. 1. Desloquem-se livremente pela sala, sem tirarem os olhos um do outro. 2. No pátio, um de vocês segue o outro a uma distância de uns três ou quatro passos. Quando o da frente parar, acelerar ou atrasar o passo, o de trás faz o mesmo. A seguir, trocam de posições. 19
  • 40. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser40 Espaço Explorar diferentes níveis (baixo, médio, alto) Sugestões de actividades 20 Com os teus colegas, imaginem que são um conjunto de: – cobras, lagartos, crocodilos... – patos, cangurus... – “cabeçudos” que se deslocam em “andas”... Vamos imaginar que: 1. somos um grupo de bebezinhos, que só sabem gatinhar e brincar no chão. 2. somos um grupo de velhinhos, que têm dificuldade em endireitar-se. 3. somos um grupo de girafas, à procura de comida, que está no cimo de árvores muito altas.
  • 41. 41Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Corpo Explorar o movimento global do seu corpo da menor à maior amplitude Sugestões de actividades 4Espaço Explorar mudanças de nível: individualmente Vais deslocar-te pela sala: primeiro, imaginando que és um bebezinho que só sabe gatinhar; por fim, esse senhor fica velhinho e só consegue andar muito curvado. depois, este bebé cresce e torna-se um homem muito alto, que anda sempre muito direito; Vais deslocar-te, imaginando: – primeiro, que és um miúdo que passa o tempo a brincar com o cão, imitando-o; – depois cresce e torna-se num homem que gosta de andar a cavalo; – finalmente, já reformado, entretém-se a tirar ervas dos canteiros do seu jardim. 21
  • 42. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser42 Espaço Explorar mudanças de nível: aos pares21 1. Vamos jogar como se estivéssemos na “tábua” dos parques infantis. Sabes como é? Escolhes um par. Quando um vem abaixo, o outro vai acima, e assim sucessivamente. 2. Também com um par, vamos tentar seguir os seus movimentos. Se ele se senta, nós sentamo-nos; se ele rasteja, nós rastejamos também; se ele anda em bicos de pés, nós imitamo-lo, e assim por diante.
  • 43. 43Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Espaço Explorar mudanças de nível: em pequenos grupos – Desloquem-se livremente pela sala e, de acordo com as indicações de um de vocês, que fica de fora (ou do professor), tomem formas de diversos animais (p.ex.: rãs, cães, cavalos...). – Repitam o jogo, mas com actividades (p. ex.: nadador, mecânico, telefonista, árbitro...). Sugestões de actividades 21 Com a concordância e ajuda do nosso professor, vamos dispor os materiais da sala (ou de outro espaço) para imaginarmos que somos assaltantes de um castelo. Para lá entrarmos, precisamos de trepar às muralhas, de passar por cima de pontes, de atravessar grutas e passagens subterrâneas que abrimos, etc..
  • 44. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser44 A utilização e a transformação imaginária de um objecto são estímulos à capacidade de recriar ou inventar personagens e de desenvolver situações. Na sala de aula deve existir material diversificado para as crianças utilizarem livremente nas histórias que vão inventando. in Programa Oficial, Ministério da Educação D. Objectos
  • 45. 45Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser 22. Explorar as qualidades físicas dos objectos, 46 23. Explorar as relações possíveis do corpo com os objectos, 47 24. Deslocar-se com o apoio de um objecto: — individualmente, 48 — em coordenação com um par, 49 25. Explorar as transformações de objectos: — imaginando-os com outras características, 50 — utilizando-os em acções, 51 26. Utilizar objectos dando-lhes atributos imaginados em situações de interacção — a dois, 52 — em pequeno grupo, 53 27. Utilizar máscaras, fantoches, 54 28. Inventar e utilizar máscaras, fantoches, marionetas, 56
  • 46. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser46 Objectos Explorar as qualidades físicas dos objectos De que material é feita? É pesada? Qual é a forma do tampo? De que cor é? É alta ou baixa? Como gostarias que fosse a tua mesa? É mais quente ou mais fria do que a cadeira? Quantas pernas tem? Faz o mesmo para: – uma cadeira; – a tua pasta; – o teu caderno; – a tua estante; – um quadro; – ... Sugestões de actividades Repara bem na tua mesa. 22
  • 47. 47Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Objectos Explorar as relações possíveis do corpo com os objectos Com gestos e atitudes, tenta responder à seguinte questão: – O que é que podemos fazer com uma folha de papel? Exemplos: escrever um chapéu pintar um cartucho um leque colar Faz o mesmo para: – um lápis; – uma corda; – um lenço; – uma bola de ping-pong; – uma borracha; – ... Sugestões de actividades 23
  • 48. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser48 Objectos Deslocar-se com o apoio de um objecto: individualmente 24 Imagina que: 1. estás doente e sem forças; para te deslocares, precisas de te apoiar num bastão; 2. estás a atravessar um ribeiro com uma grande corrente; para conseguires vencer a força da água, atiraram-te uma corda do outro lado para, agarrado a ela, conseguires lá chegar; 3. está escuro e não consegues ver; para te deslocares, precisas da ajuda de uma vara, para não chocares com os obstáculos.
  • 49. 49Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Objectos Deslocar-se com o apoio de um objecto, em coordenação com um par Escolhe um parceiro. 1. Um de vocês venda os olhos. Cada um pega numa das extremidades de uma cana. O que não tem os olhos vendados tem de, ser- vindo-se da cana, conduzir o outro por entre os obstáculos. 2. Imagina que andas a passear com o teu parceiro. Um de vocês leva a cana. De repente, surge uma grande ventania e chuva. A cana vai transformar-se no guarda-chuva que vos vai proteger. 24 BS1C-4
  • 50. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser50 Objectos Explorar as transformações de objectos, imaginando-os com outras características jogar râguebijogar futebol representar o mundo jogar o berlindeprever o futuro (bola de cristal) jogar basquetebol – um prego? – um chapéu? – um lápis? – um sapato? – uma folha de papel? – uma cadeira? ... Que aproveitamento podes dar a: Sugestões de actividades Em relação a qualquer objecto, podes dar-lhe um aproveitamento diferente daquele para que foi construído. Por exemplo, uma bola pode servir para: 25
  • 51. 51Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Objectos Explorar as transformações de objectos, utilizando-os em acções Cada objecto pode ter várias utilidades. Um lenço, por exemplo, pode ser: para a cabeça um cobertor um rato mágico uma bandeira para uma magia um fantoche um pára-quedas para o pescoço para o bolso uma boina Inventa funções diferentes para objectos como: – uma mesa; – um guarda-chuva; – um lápis; – uma pasta; – um caderno; – uma folha de papel; – uma toalha de praia; – ... Sugestões de actividades 25
  • 52. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser52 Objectos Utilizar objectos, dando-lhes atributos imaginados em situações de interacção a dois 1. O teu lápis pode ser outras “coisas”, como, por exemplo, uma batuta de maestro, uma palha de beber um sumo, uma flauta, uma escova de dentes, etc.. Com um parceiro, cada um com o seu lápis, executam o seguinte jogo: um começa, atribuindo ao lápis um significado. Vamos imaginar que começou a tocar flauta. Então, o outro vai dar ao seu lápis um significado que se relacione com aquele (por exemplo, ser o maestro, tocar bateria, viola, violino, harmónica, etc.) E assim sucessivamente. Em seguida, trocam de posição. 2. Repete o exercício, com outros objectos. Exemplo: um livro, um chapéu, um guarda-chuva... 26
  • 53. 53Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Objectos Utilizar objectos, dando-lhes atributos imaginados em situações de interacção em pequeno grupo 1. Vamos definir um espaço, na sala, onde colocamos alguns objectos trazidos da “arca das trapalhadas”. Sentamo-nos em círculo à volta desse espaço. Um inicia o jogo, indo ao centro e começando uma acção imaginada, com um dos objectos. De seguida, um outro pega noutro objecto e tenta que a acção que desenvolve se relacione com a do primeiro. Segue-se um terceiro e, assim, sucessivamente, até que todos tenham entrado na acção. 2. Vamos, agora, introduzir uma diferença no jogo. O objecto escolhido, que colocamos no centro do círculo, é o mesmo para todos; cada um, por sua vez, vai dar-lhe funções diferentes. Por exemplo, uma cana. O primeiro dirige-se ao centro e age com a cana como se fosse uma vassoura (varrendo); quando der por terminado o seu exercício, entrega a cana a um colega, que terá de desenvolver uma acção diferente, como se a cana, por exemplo, se transformasse num cavalo, num telescópio, numa espada, num remo, numa cana de pesca, numa bengala, etc.. 26
  • 54. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser54 Objectos Utilizar máscaras, fantoches 1. Com máscaras, que tu e os teus colegas arranjaram ou construíram, e com a ajuda do vosso professor vão tentar descobrir e discutir as características de cada uma. 2. Depois, cada um pode “brincar a ser” personagens com as características que foram atribuídas a cada máscara. 27
  • 55. 55Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Objectos Utilizar máscaras, fantoches Depois de brincares livremente com fantoches que arranjaste ou que construíste, utilizando material de desperdício (copos de iogurte, sacos de papel, caixas de ovos, mangas de camisas velhas, etc.), tenta contar uma história com eles. Quando quiseres parar, pede a um colega que continue a história. Nota (para o professor) Deve ser chamada a atenção para o seguinte: – o fantoche deve ser mantido na perpendicular ao solo; – só se deve mexer o fantoche quando fala ou se desloca, para se obter economia de gestos. 27
  • 56. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser56 Objectos Inventar e utilizar máscaras, fantoches, marionetas28 Aproveitando o que temos aprendido em Expressão Plástica, vamos inventar e construir máscaras, fantoches e marionetas, para utilizarmos em muitas situações: – nas aulas, para aprender outras matérias; – nas festas (Natal, Fim de Ano...); – para levarmos para casa e brincarmos...
  • 57. 57Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Objectos Inventar e utilizar máscaras, fantoches, marionetas 28
  • 58. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser58 II — JOGOS DRAMÁTICOS
  • 59. 59Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Após os jogos de exploração essencialmente voltados para o controlo e o conhecimento do “eu”, aparecem, complementarmente, os jogos de relação e comunicação com o “outro”. Nestes, a improvisação assume um papel privilegiado, com recurso a fantoches, a marionetas ou a máscaras, apoiada em “arcas das trapalhadas” ou mesmo sem qualquer suporte. De uma forma espontânea, todas as crianças se servem, sobejamente, da linguagem dramática. Por isso, neste domínio, é fundamental que essas actividades se caracterizem como momentos de desenvolvimento das suas capacidades pessoais e se evite que resvalem para “representações”, mais ou menos estereotipadas, destinadas a “espectadores”.
  • 60. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser60 Num jogo dramático, estão sempre presentes os sinais exteriores do corpo no espaço, através da mímica, dos gestos, das atitudes, dos movimentos e da utilização de objectos. As crianças, em interacção, irão explorando a dimensão não verbal em improvisações que poderão partir de histórias, contos ou situações dramatizadas. in Programa Oficial, Ministério da Educação E. Linguagem não verbal
  • 61. 61Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser 29. Utilizar espontaneamente atitudes, gestos, movimentos, 62 30. Reagir espontaneamente por gestos/movimentos a — sons, 63 — palavras — ilustrações, 64 — atitudes, gestos 31. Reproduzir movimentos: — em espelho, 65 — por contraste 32. Improvisar individualmente atitudes, gestos, movimentos a partir de diferentes estímulos: — sonoros ou verbais, 66 — um objecto real ou imaginado, 67 — um tema 33. Mimar, a dois ou em pequenos grupos, atitudes, gestos, movimentos ligados a: — uma acção isolada, 68 — uma sequência de actos (situações recriadas ou imaginadas), 69
  • 62. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser62 Linguagem não verbal Utilizar espontaneamente atitudes, gestos, movimentos Como é que farias para dizer aos outros que: – tens fome; – tens frio; – gostavas de ir dar um passeio; – não fizeste os deveres. – és estrangeiro e tens que comunicar; – falas com alguém, tendo o cuidado de não acordar outros que estão a dormir; – estás a falar por detrás de uma janela e não podes ser ouvido ... Conta aos teus colegas tudo o que fizeste ontem ou no fim-de-semana passado, mas sem palavras nem sons. Só por gestos, atitudes ou movimentos. Sugestões de actividades 1. Imagina que, de repente, perdeste a fala. 2. Tenta imaginar, agora, outras situações: 29
  • 63. 63Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem não verbal Reagir espontaneamente por gestos/movimentos a sons/palavras 1. Tenta lembrar-te como reages quando ouves: 2. Com um parceiro estabelece o seguinte jogo: Um diz uma palavra (por exemplo, contente) e o outro reage como se estivesse muito contente. A seguir, é a sua vez de dizer uma palavra (por exemplo, bola); tu tens de reagir como se estivesses a jogar à bola. E assim por diante... 3. Vamos fazer o mesmo jogo, agora com toda a turma. Um, de cada vez, diz uma palavra e todos reagem. Exemplos de algumas palavras: feira, circo, escola, praia, mercado... – o barulho de um trovão; – chamarem-te baixinho; – um cão grande a rosnar; – uma música suave; – o giz a arranhar no quadro; – um “ralho” do teu professor... 30
  • 64. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser64 Linguagem não verbal Reagir espontaneamente por gestos/movimentos a ilustrações/atitudes/gestos 1. Com o teu parceiro fazes o seguinte: Cada um arranja várias ilustrações (revistas, fotografias, quadros, etc.). Um, de cada vez, mostra uma ilustração ao outro e este tem de reagir de acordo com ela*. 2. Vamos executar este jogo com toda a turma: Com as ilustrações no centro, viradas ao contrário, sentamo-nos em círculo. Sucessivamente, voltando uma de cada vez, todos reagem de acordo com cada imagem. 4. Vamos repetir o jogo, agora com todo o grupo: Exemplos de atitudes e gestos: palhaço no circo, vendedor de mercado, espectador de futebol, passageiro de autocarro... * Se não concordaste com a forma como o teu parceiro reagiu a alguma ilustração, podes voltar a mostrar-lha, passado algum tempo. 3. Novamente com o teu parceiro: Um coloca-se numa atitude, ou faz um gesto (por exemplo, pintar um quadro). O outro observa-o bem e coloca-se numa posição que se relacione com a do primeiro (por exemplo, a do modelo para a figura do quadro). De seguida, é o outro a iniciar o jogo; e, assim, alternadamente. 30
  • 65. 65Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem não verbal Reproduzir movimentos em espelho, por contraste 2. Organizem-se numa fila, virada para a parede. O último pensa numa sequência de gestos (exemplos: coçar a cabeça, levantar o dedo, piscar um olho...). Em seguida, toca no ombro do penúltimo, que se volta para ele, a quem mostra os gestos em que pensou. Este, por sua vez, toca no ombro do seguinte, que se vira para ele, transmitindo-lhe os gestos que acaba de ver ao colega anterior. E assim, sucessivamente, até ao primeiro, que se vira e mostra os gestos a toda a turma. 1. Com um parceiro na tua frente, sensivelmente à distância de um metro, combinas o seguinte exercício: um começa um dado movimento e o outro tenta acompanhá-lo, como se fosse a sua imagem num espelho. Nota Este exercício é difícil e, por isso, requer um pouco de concentração, para se evitar que um comece um movimento e, só bastante tempo depois, o outro o execute. Por outro lado, se os movimentos forem bastante lentos e simples, de início, o exercício fica muito facilitado. 31 BS1C-5
  • 66. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser66 Linguagem não verbal Improvisar, individualmente, atitudes, gestos ou movimentos, a partir de diferentes estímulos: sonoros ou verbais Este exercício pode ser feito em grupo, usando: – um disco ou cassete de sons da Natureza; – uma canção conhecida por todos; – uma história conhecida ou inventada. Sugestões de actividades 32 Com o teu parceiro, combinas o seguinte: um de cada vez emite sons, barulhos, palavras, frases, etc., enquanto o outro toma posições ou executa movimentos que se relacionam com esses estímulos. Por exemplo: barulho de passos “Cuidado com o cão!” “Que sono!”
  • 67. Linguagem não verbal Improvisar, individualmente, atitudes, gestos ou movimentos, a partir de diferentes estímulos: um objecto (real ou imaginado) / um tema 67Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Com os teus colegas, combinas o seguinte: Um diz o nome de um objecto (real ou imaginado) ou propõe um tema. Os outros vão imaginando atitudes, gestos ou movimentos que tenham a ver com o que ele disse ou criam situações ligadas a esse tema. Por exemplo: “uma carta”: escrever, ler, meter no correio, dobrar e meter no envelope, entregar (carteiro) e receber (destinatário) (Podem ser colocadas questões sobre as características dos objectos em jogo, como suporte para que este não se esgote rapidamente.); ou “Verão”: Nota: Os temas podem ser canções ou histórias, que podem ser alteradas durante o desenrolar do exercício [só funcionam como tema]. 32 piquenique incêndio sede jogar à bola remar praia
  • 68. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser68 Linguagem não verbal Mimar, a dois ou em pequenos grupos, atitudes, gestos, movimentos ligados a uma acção isolada O mesmo exercício, em que cada um apresenta a sua “acção” (atitudes, gestos e movimentos) a todo o grupo. Sugestões de actividades 33 Com um parceiro, imaginem várias acções (por exemplo: pintar, dizer um segredo, serrar uma tábua, cravar um prego, assobiar...) que, alternadamente, vão apresentar um ao outro.
  • 69. 69Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem não verbal Mimar, a dois ou em pequenos grupos, atitudes, gestos, movimentos ligados a uma sequência de actos (situações recriadas ou imaginadas) Organizem-se em duas rodas (uma interior, outra exterior), com seis a oito alunos cada uma. Cada aluno tem um parceiro virado para si, na outra roda. Os da roda exterior vão mimar uma sequência de actos (por exemplo; o que fizeram quando chegaram a casa no dia anterior ou no último fim de semana). Os da roda interior observam, muito atentos, e tentam adivinhar tudo o que o outro fez. Façam o mesmo exercício, cada um por sua vez, em frente de todo o grupo. Sugestões de actividades 33
  • 70. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser70 Em actividades colectivas ou de pequeno grupo, as crianças vão-se sensibilizando à utilização de sons, de silêncios e de palavras. O professor e as crianças poderão propor improvisações a partir de palavras, imagens, objectos ou de um tema. in Programa Oficial, Ministério da Educação F. Linguagem Verbal
  • 71. 71Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser 34. Participar na elaboração oral de uma história, 72 35. Improvisar um diálogo ou uma pequena história: — a dois, ou em pequeno grupo, a partir de: . uma ilustração, 73 . uma série de imagens, 74 . um som, 75 . uma sequência sonora, 76 . um objecto, 77 . um tema, 78 36. Participar em jogos de associação de palavras por: — afinidades sonoras, 79 — afinidades semânticas, 80 37. Experimentar diferentes maneiras de dizer um texto: — lendo, 81 — recitando, 82 38. Inventar novas linguagens sonoras ou onomato- paicas, 83
  • 72. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser72 Linguagem verbal Participar na elaboração oral de uma história34 Com a tua turma, ou parte dela, sentam-se em círculo, ficando um de fora. Um elemento do grupo começa a contar uma história, até que o que está de fora bata palmas. Então, o seguinte continua, até que se voltem a ouvir as palmas e se passe para o terceiro. E assim sucessivamente. Nota A mesma história pode dar várias voltas ao grupo.
  • 73. 73Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal Improvisar um diálogo ou uma pequena história, a dois ou em pequeno grupo, a partir de uma ilustração 1. Senta-te frente a frente com um parceiro e coloquem uma ilustração entre os dois. Iniciem um diálogo baseado nessa ilustração onde, para além da opinião de cada um, haja espaço para porem questões um ao outro. 2. Com o teu parceiro estabalece o seguinte jogo: Sentam-se frente a frente com várias ilustrações viradas ao contrário, entre os dois. Um de cada vez vira uma ilustração para si e conta ao outro uma história baseada no que observa na figura. 35
  • 74. Cada um de vocês vira de frente duas imagens. De seguida, iniciam um diálogo sobre as relações possíveis entre as quatro figuras. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser74 Linguagem verbal Improvisar um diálogo ou uma pequena história, a dois ou em pequeno grupo, a partir de uma série de imagens 35 1. Com o teu parceiro, sentados frente a frente e com várias ilustrações viradas ao contrário e colocadas entre os dois, estabelece o seguinte: Um de cada vez vira cinco imagens, que coloca segundo a ordem que desejar e que vão servir de suporte a uma história que vai contar. 2. Com o teu parceiro, também sentados frente a frente e com várias imagens entre os dois:
  • 75. 75Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal Improvisar um diálogo ou uma pequena história, a dois ou em pequeno grupo, a partir de um som Com o teu parceiro, colocam entre vocês vários instrumentos, musicais ou outros, que produzam sons ou ruídos. Um de cada vez produz um som, que vai servir de tema para o diálogo que estabelecem. 35
  • 76. estabeleçam um diálogo, baseado nos vários sons que vão produzindo e que, depois, traduzem por palavras. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser76 Linguagem verbal Improvisar um diálogo ou uma pequena história a dois, ou em pequeno grupo, a partir de uma sequência sonora Conta uma história à tua turma, baseada numa sequência de sons, que produzes. Sugestões de actividades 35 Com um parceiro, a partir de vários instrumentos (musicais ou outros), que produzam sons...
  • 77. 77Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal Improvisar um diálogo ou uma pequena história, a dois ou em pequeno grupo, a partir de um objecto Novamente, com um parceiro e tendo perto de vocês a “arca das trapalhadas”, façam o seguinte: Um de cada vez vai à arca buscar um objecto, a partir do qual estabelecem um diálogo. Com o teu grupo, cada um de vocês, à vez, vai buscar um objecto à arca e conta uma história baseada nesse objecto. Sugestões de actividades 35 Nota Não te esqueças de que podes pôr questões ao teu colega e vice-versa.
  • 78. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser78 Linguagem verbal Improvisar um diálogo ou uma pequena história a dois, ou em pequeno grupo, a partir de um tema Do mesmo modo que fizeram no exercício acima, cada um, por sua vez, vai contar uma história à turma, a partir do tema que está no papel que retira do saco. Sugestões de actividades 35 Com um parceiro, escolhem vários temas que vão escrever, cada um em seu papel. Viram os papéis ao contrário e baralham-nos (ou metem-nos num saco). Viram um papel e iniciam um diálogo sobre esse tema. Quando acharem que acabaram, viram outro papel e iniciam um novo diálogo.
  • 79. 79Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal Participar em jogos de associação de palavras por afinidades sonoras Com um grupo de seis ou sete colegas, em roda, vamos fazer o seguinte jogo: Um diz uma palavra e o seguinte tem de dizer uma outra com um som o mais parecido possível com a anterior. O terceiro diz outra palavra parecida com as anteriores, e assim sucessivamente. Exemplos: bala, cala, fala, gala, mala, pala, rala, sala, tala, vala... bato, cacto, cato, dato, fato, facto, gato, jacto, lato, mato, nato, pato, pacto, rato, tacto... Com um parceiro, um diz uma palavra e o outro tem de responder com uma palavra parecida. – colher (flores) / colher (de sopa); – aço / asso ; – cem / sem; – cinto / sinto; – acento / assento; – aviação / viação; – bem / vem; – comprimento / cumprimento ... Sugestões de actividades 36
  • 80. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser80 Linguagem verbal Participar em jogos de associação de palavras por afinidades semânticas Como “afinidade semântica” também pode dar-se por oposição: – com um parceiro, um diz uma palavra e o outro tem de dizer outra, com um sentido oposto (exemplos: acordar / adormecer; frio / quente; molhado / seco...)... Sugestões de actividades 36 Com um grupo de seis ou sete colegas, em roda, vamos fazer o seguinte jogo: Um diz uma palavra e o seguinte tem de dizer uma outra que tenha um sentido semelhante. O terceiro diz outra palavra com um sentido idêntico, e assim sucessivamente. Exemplos: grande, alto, elevado, crescido, espigado, desenvolvido, colossal, enorme, monumental... educar, formar, instruir, cultivar, preparar, treinar, desenvolver, aprender, ensinar...
  • 81. 81Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal Experimentar diferentes maneiras de dizer um texto: – lendo Pega no texto que estás a tratar na lição de Língua Materna e vais lê-lo de várias maneiras: – muito devagar, pronunciando muito bem; – muito depressa, sem “comer” sílabas; – abrindo exageradamente a boca; – quase não mexendo os lábios; – como se estivesses muito zangado; – como se estivesses muito contente; – como se estivesses muito triste; – como se estivesses cheio de sono; – como se estivesses com a boca cheia; – como se tivesses três anos e pronunciasses mal e cheio de mimo; – respirando entre cada palavra; – dizendo o máximo de palavras seguidas, sem respirar; – aumentando e baixando o volume de voz... 37 BS1C-6
  • 82. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser82 Linguagem verbal Experimentar diferentes maneiras de dizer um texto: – recitando 37 Escolhe um poema, que conheças de cor. Tenta dizê-lo como se: – estivesses cheio de pressa; – estivesses muito zangado; – estivesses muito contente; – estivesses muito triste; – estivesses cheio de sono; – estivesses com a boca cheia; – estivesses a dizer um segredo; – estivesses a falar para longe; – tivesses três anos e pronunciasses mal e cheio de mimo; – imitasses o teu professor a explicar a lição; – desses uma ordem...
  • 83. 83Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal Inventar novas linguagens sonoras ou onomatopaicas 1. Certamente já leste algumas bandas desenhadas que brincam com a linguagem. Há uma série conhecida como “Os Estrumpfes”. Quase tudo o que dizem fazem-no a partir do verbo “estrumpfar”. 2. Conheces a “linguagem dos pês”? Cada sílaba tem uma espécie de eco começado por “p”. Por exemplo, a palavra João deve dizer-se Jopoãopão; a palavra escola passa a ser espescopolapa, etc.. Tenta estabelecer um diálogo com um colega teu, nesta linguagem. Inventa, com os teus colegas, linguagens de animais vossos conhecidos ou imaginados e estabeleçam conversas em que só se servem dessas linguagens. Sugestões de actividades 38 Tenta inventar linguagens deste tipo para conversares com os teus amigos. Peyo, O Estrumpfonauta
  • 84. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser84 A utilização simultânea da dimensão verbal e gestual ganha, aqui, o seu pleno significado. Em interacção, as crianças irão desenvolvendo pequenas improvisações explorando, globalmente, as suas possibilidades expressivas e utilizando-as para comunicar. in Programa Oficial, Ministério da Educação G. Linguagem Verbal e Gestual
  • 85. 85Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser 39. Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos ligados a uma acção precisa: — em interacção com o outro, 86 — em pequeno grupo 40. Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos, constituindo sequências de acções — situações recriadas ou imaginadas, a partir de: — objectos, 87 — um local, 88 — uma acção, 89 — personagens, 90 — um tema, 91 41. Improvisar situações usando diferentes tipos de máscaras, 92 42. Utilizar diversos tipos de sombras (chinesas...), 93 43. Inventar, construir e utilizar adereços e cenários, 94 44. Elaborar, previamente, em grupo, os vários momentos de desenvolvimento de uma situação, 95
  • 86. Um de vocês começa uma acção qualquer, sem explicar ao outro do que se trata. Quando o segundo achar que entendeu, vai tentar entrar na acção, fazendo qualquer coisa que tenha a ver com o que o primeiro iniciou. Por exemplo: se um começou a vender sapatos, o outro pode ir comprar sapatos. Nota: Quer o diálogo, quer o final da acção são totalmente livres, só dependendo da vontade dos participantes. O professor, inicialmente, pode coordenar estes exercícios, desenvolvendo reflexões sobre as várias acções e as personagens envolvidas. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser86 Linguagem verbal e gestual Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos ligados a uma acção precisa Fazes o mesmo, com todo o grupo. À medida que vão entendendo o que o anterior faz, vão entrando no jogo. Sugestões de actividades 39 Com um parceiro, estabelece o seguinte: — em interacção com o outro / em pequeno grupo
  • 87. 87Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal e gestual Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos constituindo sequências de acções-situações Com os teus companheiros, estabelece o seguinte jogo: Sentam-se, em círculo, e um de vocês coloca no centro um objecto qualquer. Um de cada vez dirige-se ao centro, pega no objecto e desenvolve uma acção com ele. Quando este der por terminada a sua acção, é a vez do seguinte se dirigir ao objecto e desenvolver também a sua. E assim, sucessivamente, até que todos os elementos do grupo tenham participado. 40 recriadas ou imaginadas, a partir de objectos
  • 88. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser88 Linguagem verbal e gestual Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos constituindo sequências de acções-situações 40 Tu e todos os teus colegas vão dispor-se à volta de um espaço que definiram para a actividade. recriadas ou imaginadas, a partir de um local Um de vocês inicia uma acção, que tenha a ver com determinado local, conhecido de todos. Conforme os outros forem percebendo a acção que está a ser desenvolvida e, por isso, reconhecendo o local, podem entrar, improvisando também palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos que tenham a ver com ele.
  • 89. 89Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal e gestual Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos constituindo sequências de acções-situações Com todo o grupo reunido à volta do espaço que definiram para a actividade: Um dá início a uma acção (por exemplo: apanhar uvas). À medida que forem percebendo o que ele faz, os outros podem ir entrando, relacionando-se com a acção do primeiro. No exemplo dado poderia ser: transportar os cestos, despejar os cestos no lagar, pisar as uvas, engarrafar o vinho, bebê-lo, etc.. 40 recriadas ou imaginadas, a partir de uma acção
  • 90. Disponham-se (todos os elementos da turma) à volta do espaço definido para a actividade. Partindo de personagens de histórias conhecidas de todos, ou contadas pelo professor, um dos elementos do grupo dá início ao jogo, “brincando a ser” uma dessas personagens. O seguinte, quando achar que já percebeu de que se trata, pode entrar, “brincando a ser” outra personagem, que se relacione com a primeira. E assim sucessivamente. Nota O professor, inicialmente, pode coordenar estes exercícios, desenvolvendo reflexões sobre as várias personagens envolvidas. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser90 40 Linguagem verbal e gestual Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos constituindo sequências de acções-situações recriadas ou imaginadas, a partir de personagens
  • 91. 91Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Todo o grupo se reúne à volta do espaço definido para a actividade. Partindo de um tema conhecido de todos (ou proposto pelo professor), um dos elementos do grupo dá início ao jogo, desenvolvendo uma actividade relacionada com esse tema. O seguinte, quando achar que já percebeu do que se trata, pode entrar, desenvolvendo outra actividade, que se relacione com a primeira. E assim, sucessivamente... Por exemplo: – Férias (praia: apanhar sol, jogar, fazer castelos na areia, tomar banho...; etc. ) – Saúde (doente, recepcionista, sala de espera, médico, enfermeiro...) 40 Linguagem verbal e gestual Improvisar palavras, sons, atitudes, gestos e movimentos constituindo sequências de acções-situações recriadas ou imaginadas, a partir de um tema
  • 92. Vamos “brincar a ser” essas personagens, arranjando, para cada uma, um tipo de voz, de andar, de gestos, de movimentos, etc.. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser92 Linguagem verbal e gestual Improvisar situações, usando diferentes tipos de máscaras 41 1. Em grupo, um de cada vez vai fazer com a sua cara vários tipos de máscaras (caretas). Exemplos: – rir; – rir com a boca muito aberta; – sorrir; – chorar; – olhar desconfiado; – zangado; – triste; – com ar de quem vai pregar uma partida a outro ... Os outros vão ter de descobrir o que cada um vai fazendo. 2. Vamos “mascarar-nos” de personagens da nossa História. Por exemplo:
  • 93. 93Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal e gestual Utilizar diversos tipos de sombras 1. Coloquem um foco luminoso — um projector de diapositivos, um retroprojector ou uma simples lâmpada enfiada numa caixa — junto da parede e virado para vocês. Entre o foco e os vossos lugares, pendurem um lençol branco. Acendam o foco e, um de cada vez, executem movimentos livres, por detrás do pano (podem utilizar objectos). Podem usar objectos, recortes de cartolina ou de papel transparente colorido, ou até todo o vosso corpo. 2. Em grupos de três, vão preparar e contar uma história ao resto da turma. Nota Reparem que, quanto mais próximo do pano estiver o corpo ou o objecto, mais nítida se torna a imagem. À medida que se afasta, torna-se maior e mais difusa. Nota As figuras de cartolina podem ser penduradas por fios ou seguras por arames. 42
  • 94. Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser94 Linguagem verbal e gestual Inventar, construir e utilizar adereços e cenários 43 Vamos inventar uma situação (actividade dramática), para a qual vamos construir os materiais necessários. Fazemos (ou adaptamos) os fatos ou os outros adereços de que vamos precisar. Desenhamos e pintamos, em papel-cenário, os ambientes (os sítios) em que essa acção vai decorrer. Por fim, vamos organizar o espaço em que a acção se desenvolve.
  • 95. 95Álvaro Gomes e Jorge Rolla, Brincar a Ser Linguagem verbal e gestual Elaborar, previamente, em grupo, os vários momentos de desenvolvimento de uma situação Vamos preparar uma dramatização. Podemos reunir-nos em grupos pequenos (de quatro ou cinco elementos), para todos poderem intervir mais facilmente na elaboração do plano. Devemos pensar e tomar decisões em relação a vários aspectos importantes, para que tudo o que vamos fazer seja possível e facilitado. Assim: – temos que escolher as personagens, com todas as suas características (bonacheirão, simpático, risonho, violento, manhoso, desconfiado, avarento ...); é necessário que todos saibamos as reacções de cada uma delas; – temos que saber em que acções é que elas entram (no fundo, o que vão fazer); – outro aspecto é o sítio onde tudo acontece; temos que saber e conhecer o espaço que está reservado ao que se vai passar; – o tempo em que essas acções decorrem também deve ser bem definido; – não podemos deixar de tomar nota de todos os materiais ou objectos que vão ser necessários para conseguirmos o que pretendemos. 44