SlideShare uma empresa Scribd logo
CASE	
  TRIBUNAL	
  DE	
  JUSTIÇA	
  
DE	
  ESTADO	
  
Boas	
  prá7cas	
  para	
  gestão	
  
|	
  2	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
PROJETO	
  BANCO	
  MUNDIAL	
  –	
  AMPLIAR	
  O	
  ACESSO	
  À	
  JUSTIÇA	
  
ETAPA 01
Diagnóstico Quantitativo
Abril a Junho de 2013
Construir	
  colabora.vamente	
  um	
  modelo	
  de	
  alocação	
  de	
  recursos	
  humanos	
  e	
  orçamentários	
  
para	
  os	
  Tribunais	
  de	
  Jus.ça	
  dos	
  Estados,	
  melhorando	
  a	
  gestão	
  desses	
  recursos	
  e	
  ampliando	
  o	
  
acesso	
  à	
  jus.ça.	
  
ETAPA 02
Elaboração do Modelo
Junho de 2013 a Março de 2014
ETAPA 03
Implantação do Modelo
Março de 2014 a Março de 2015
1ª	
  OFICINA	
  	
  
Par$cipação	
  dos	
  27	
  TJs,	
  
cada	
  um	
  com	
  2	
  
representantes	
  das	
  áreas	
  
de	
  RH	
  e	
  Orçamento/	
  
Planejamento	
  para	
  a	
  
coleta	
  de	
  Boas	
  Prá$cas	
  
ANÁLISE	
  
QUANTITATIVA	
  
Análise	
  de	
  informações	
  
de	
  custo	
  e	
  pessoal	
  dos	
  
anos	
  de	
  2009	
  a	
  2011	
  do	
  
Jus$ça	
  em	
  Números	
  e	
  da	
  
Resolução	
  102	
  do	
  CNJ.	
  
2ª	
  OFICINA	
  
Par$cipação	
  dos	
  10	
  
TJs	
  selecionados,	
  para	
  
discussão	
  do	
  modelo	
  
de	
  alocação	
  de	
  
recursos	
  
VISITAS	
  AOS	
  10	
  TJs	
  
Os	
  10	
  TJs	
  selecionados	
  
foram	
  visitados	
  para	
  
coleta	
  e	
  disseminação	
  de	
  
experiências	
  de	
  gestão	
  
da	
  alocação	
  de	
  recursos	
  
CONSOLIDAÇÃO	
  
DO	
  MODELO	
  
	
  
Implantação	
  em	
  3	
  
Tribunais	
  (TJTO,	
  
TJMG,	
  e	
  TJMT)	
  
|	
  3	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
O	
  NOSSO	
  TRABALHO	
  EM	
  CONJUNTO	
  RESULTOU	
  EM…	
  
Agrupamento das principais
boas práticas e experiências
dos tribunais em alocação de
recursos.
|	
  4	
  ©EloGroup|	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
NOSSOS	
  MODELOS	
  PROPOEM	
  
MELHORAR	
  O	
  DESEMPENHO	
  DE	
  UMA	
  
UNIDADE	
  JUDICIÁRIA,	
  AVALIANDO	
  
ESSENCIALMENTE	
  DOIS	
  PONTOS:	
  	
  
|	
  5	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Devemos	
  avaliar	
  a	
  razão	
  entre	
  a	
  taxa	
  de	
  entrega	
  de	
  jus7ça	
  com	
  a	
  taxa	
  
de	
  demanda	
  da	
  sociedade...	
  
UNIDADEJUDICIÁRIA
PROCESSO DE TRABALHO
PESSOAS
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
E INFRAESTRUTURA
JURISDICIONADO
PROCESSO JUDICIAL
JUSTIÇAENTREGUE
DEMANDA DA SOCIEDADE
|	
  6	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
...	
  para	
  atuar	
  na	
  redução	
  da	
  taxa	
  de	
  conges7onamento!!!	
  UNIDADEJUDICIÁRIA
PROCESSO DE TRABALHO
PESSOAS
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
E INFRAESTRUTURA
JURISDICIONADO
PROCESSO JUDICIAL
JUSTIÇAENTREGUE
DEMANDA DA SOCIEDADE
TAXA DE
CONGESTIO-
NAMENTO
|	
  7	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Em	
  segundo	
  lugar,	
  podemos	
  avaliar	
  a	
  razão	
  entre	
  a	
  “quan7dade”	
  de	
  
jus7ça	
  entregue	
  e	
  o	
  custo	
  jus7ça	
  para	
  viabilizá-­‐la....	
  
UNIDADEJUDICIÁRIA
PROCESSO DE TRABALHO
PESSOAS
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
E INFRAESTRUTURA
JURISDICIONADO
PROCESSO JUDICIAL
JUSTIÇAENTREGUE
JUSTIÇA ENTREGUE
CUSTOJUSTIÇA
|	
  8	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
para	
  melhorar	
  a	
  eficiência	
  da	
  vara	
  no	
  uso	
  de	
  recursos	
  humanos	
  e	
  
orçamentários...	
  
UNIDADEJUDICIÁRIA
PROCESSO DE TRABALHO
PESSOAS
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
E INFRAESTRUTURA
JURISDICIONADO
PROCESSO JUDICIAL
JUSTIÇA ENTREGUE
CUSTOJUSTIÇA
TAXA DE
EFICIÊNCIA
QUAIS	
  SÃO	
  OS	
  
PRINCÍPIOS	
  DO	
  
MODELO	
  DE	
  
ALOCAÇÃO	
  DE	
  
PESSOAS	
  
|	
  10	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
PRINCÍPIO	
  1:	
  COMPARAR	
  É	
  ALGO	
  POSITIVO,	
  	
  
CONTUDO,	
  SÓ	
  COMPARE	
  UNIDADES	
  DE	
  NATUREZAS	
  E	
  
DESEMPENHOS	
  SEMELHANTES	
  
	
  
	
  
|	
  11	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
UJ
H
UJ
I
UJ
F
UJ
E
UJ
J
UJ
A
UJ
D
UJ
M
UJ
B UJ
K
UJ
G
UJ
C
UJ
L
Iden7ficar	
  as	
  diversidades	
  existentes	
  entre	
  os	
  diferentes	
  7pos	
  de	
  
varas	
  
UJ
A
UJ
D
UJ
M
UJ
H
UJ
B UJ
K
UJ
I
UJ
C
UJ
E
UJ
L
UJ
J UJ
G
UJ
F
|	
  12	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
UJ	
  
J	
  
Agregar	
  as	
  varas	
  por	
  semelhança	
  de	
  naturezas,	
  competência	
  e...	
  
UJ	
  
A	
  
CÍVEL	
  
(piloto	
  capital)	
  
JUIZADO	
   CRIMINAL	
   MISTA	
  
UJ	
  
D	
  
UJ	
  
M	
  
UJ	
  
H	
  
UJ	
  
B	
   UJ	
  
K	
  
UJ	
  
I	
  
UJ	
  
G	
  
UJ	
  
F	
  
UJ	
  
C	
  
UJ	
  
L	
  
UJ	
  
E	
  
|	
  13	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
...	
  Volume	
  de	
  casos	
  novos	
  
UJ
A
CÍVEL	
  
(piloto	
  capital)	
  
1	
   2	
   3	
   4	
   5	
   6	
  
7	
   8	
   9	
   10	
   11	
   12	
  
Até	
  1.000	
  
processos	
  
Entre	
  1.000	
  e	
  2.500	
  
processos	
  
Acima	
  de	
  2.500	
  
processos	
  
Agrupamento	
  por	
  faixa	
  de	
  casos	
  novos	
  
UJ
D
UJ
M
UJ
H
PRINCÍPIO	
  2:	
  SEPARAR	
  AS	
  UNIDADES	
  JUDICIÁRIAS	
  POR	
  ESTÁGIOS	
  DE	
  
DESEMPENHO	
  E	
  CALCULAR	
  PRODUTIVIDADE	
  E	
  LOTAÇÃO	
  DAS	
  
UNIDADES	
  JUDICIÁRIAS	
  DO	
  GRUPO	
  
	
  
|	
  15	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Entender	
  o	
  nível	
  produ7vidade	
  e	
  conges7onamento	
  de	
  cada	
  
vara	
  do	
  mesmo	
  grupo	
  
ORGANIZAÇÃO
PARCEIROS	
  
PESSOAS	
  
ESTRUTURA	
  
ORGANIZACIONAL	
  
TECNOLOGIA	
  
INFRAESTRUTURA	
  
INFORMAÇÃO	
  
PROCESSOS	
  E	
  REGRAS	
  DE	
  NEGÓCIO	
  
JORNADA	
  DA	
  SOCIEDADE	
  /	
  CLIENTE	
  
CLIENTE
PRODUTIVDADE
CONGESTIONAMENTO
|	
  16	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
0,0	
  
50,0	
  
100,0	
  
150,0	
  
200,0	
  
250,0	
  
300,0	
  
350,0	
  
0%	
   5%	
   10%	
   15%	
   20%	
   25%	
   30%	
   35%	
   40%	
   45%	
   50%	
  
146	
  
23%	
  
Inverso	
  do	
  conges$onamento	
  
Produ$vidade	
  (IPS)	
  
Comparar	
  e	
  analisar	
  o	
  desempenho	
  entre	
  estas	
  varas	
  
|	
  17	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
160,4	
  
165,3	
  
331,1	
  
64,6	
  
0,0	
  
50,0	
  
100,0	
  
150,0	
  
200,0	
  
250,0	
  
300,0	
  
350,0	
  
0%	
   5%	
   10%	
   15%	
   20%	
   25%	
   30%	
   35%	
   40%	
   45%	
   50%	
  
4	
  FAIXAS	
  PRETA	
  
5	
  FAIXAS	
  VERDE	
  
4	
  FAIXAS	
  
BRANCA	
  
Inverso	
  do	
  conges.onamento	
  
Produ.vidade	
  (IPS)	
  
FAIXA VERDE
alta produtividade e
alto congestionamento
FAIXA PRETA
alta produtividade e
baixo congestionamento
Classificar	
  cada	
  vara	
  conforme:	
  Faixa	
  Branca,	
  Verde	
  e	
  Preta	
  
FAIXA BRANCA
baixa produtividade e
alto congestionamento
|	
  18	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
As	
  principais	
  caracterís7cas	
  de	
  cada	
  estágio..	
  
FAIXA	
  PRETA	
   FAIXA	
  VERDE	
   FAIXA	
  BRANCA	
  
Baixo	
  estoque*	
   Alto	
  estoque*	
   Alto	
  estoque*	
  
Alta	
  produ7vidade*	
  
Processos	
  baixados	
  por	
  
servidor	
  
Alta	
  produ7vidade	
  *	
  
Processos	
  baixados	
  por	
  
servidor	
  
Baixa	
  produ7vidade*	
  
Processos	
  baixados	
  por	
  
servidor	
  
Baixo	
  conhecimento	
  em	
  
prá7cas	
  de	
  gestão	
  
Dificuldades	
  de	
  
gerenciamento	
  de	
  trabalho,	
  
pessoas	
  e	
  etc	
  
Conhecimento	
  em	
  prá7cas	
  
de	
  gestão	
  
Procura	
  melhorar	
  as	
  prá.cas	
  de	
  
gerenciamento	
  de	
  trabalho,	
  
pessoas	
  e	
  etc,	
  pode	
  até	
  ser	
  
referência	
  em	
  prá.cas	
  
Referência	
  em	
  prá7cas	
  
de	
  gestão	
  
Detém	
  boas	
  prá.cas	
  que	
  
geram	
  resultados	
  a	
  par.r	
  do	
  
gerenciamento	
  de	
  trabalho,	
  
pessoas	
  e	
  etc	
  
Alta	
  vazão*	
  
Processos	
  Baixados	
  por	
  Casos	
  
Novos	
  
Alta	
  vazão*	
  
Processos	
  Baixados	
  por	
  
Casos	
  Novos	
  
Baixa	
  vazão*	
  
Processos	
  Baixados	
  por	
  
Casos	
  Novos	
  
|	
  19	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
XUJ
X
UJ
XUJ
X
UJ
X
UJ
X
Diferentes	
  níveis	
  de	
  desempenho	
  implicam...	
  
CÍVEL	
  -­‐	
  CAPITAL	
  
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
Faixa	
  Preta	
  Faixa	
  Verde	
  Faixa	
  Branca	
  
|	
  20	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
UJ
X
Faixa	
  Preta	
  Faixa	
  Verde	
  Faixa	
  Branca	
  
CÍVEL	
  -­‐	
  CAPITAL	
  
...	
  Em	
  diferentes	
  estratégias	
  para	
  o7mização	
  de	
  desempenho!	
  
|	
  21	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Calcular	
  a	
  produ7vidade	
  paradigma	
  de	
  cada	
  estágio…	
  
A	
  média	
  das	
  unidades	
  
judiciárias	
  faixa	
  preta	
  do	
  
3º	
  quar.l	
  de	
  IPS	
  
PRODUTIVIDADE	
  
PARADIGMA	
  
Unidade	
  
Judiciária	
  
Processos	
  
baixados	
  (PB)	
  
Servidores	
  	
  
Atuais	
  (Serv)	
  
IPS	
  (PB	
  /	
  
Serv)	
  
Tx.	
  
Congest.	
  
Vara	
  7	
   1.350	
   6	
   225,00	
   64%	
  
Vara	
  9	
   1.491	
   6	
   248,50	
   81%	
  
Vara	
  10	
   1.657	
   7	
   236,71	
   70%	
  
Vara	
  2	
   1.507	
   7	
   215,29	
   73%	
  
Vara	
  4	
   2.153	
   10	
   215,30	
   66%	
  
Vara	
  5	
   1.736	
   8	
   217,00	
   64%	
  
242,61	
  
Média	
  das	
  unidades	
  
do	
  3º	
  quar$l	
  
A	
  PRODUTIVIDADE	
  PARADIGMA	
  
somente	
  será	
  aplicada	
  para	
  
“unidades	
  faixa	
  preta”	
  
|	
  22	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Para	
  es7mar	
  o	
  quadro	
  ideal	
  de	
  servidores…	
  
40	
  44	
  
PRODUTIVIDADE	
  
PARADIGMA	
   242,61	
  
Unidade	
  
Judiciária	
  
Casos	
  Novos	
  
2013	
  
Servidores	
  
Atuais	
  
Servidores	
  
calculados	
  
GAP	
  
Vara	
  7	
   1.397	
   6	
   6	
   0	
  
Vara	
  9	
   1.761	
   6	
   7	
   +1	
  
Vara	
  10	
   1.783	
   7	
   7	
   0	
  
Vara	
  2	
   1.592	
   7	
   7	
   0	
  
Vara	
  4	
   1.755	
   10	
   7	
   -­‐3	
  
Vara	
  5	
   1.448	
   8	
   6	
   -­‐2	
  
CASOS	
  NOVOS	
  ano	
  anterior	
  
Produ^vidade	
  PARADIGMA	
  
A	
  fórmula	
  para	
  a	
  definição	
  do	
  quadro	
  
de	
  pessoal	
  observa	
  o	
  volume	
  de	
  
demanda	
  (casos	
  novos)	
  sobre	
  o	
  nível	
  
de	
  produ.vidade	
  esperado	
  
(produ.vidade	
  paradigma)	
  
QUADRO	
  DE	
  PESSOAL	
  CALCULADO	
  
PRINCÍPIO	
  3:	
  VISITAR	
  AS	
  UNIDADES	
  JUDICIÁRIAS	
  DE	
  REFERÊNCIA	
  
E	
  PROMOVER	
  MELHORIAS	
  PARA	
  CADA	
  ESTÁGIO	
  
|	
  24	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Entendendo	
  as	
  causas	
  por	
  meio	
  de	
  visitas	
  
Horário	
  de	
  
trabalho	
  do	
  
magistrado	
  
Figura	
  de	
  um	
  
gestor	
  na	
  Vara	
  
Metodologia	
  de	
  
trabalho	
  	
  
Infraestrutura	
  	
  
Integração	
  entre	
  
gabinete	
  e	
  
secretária	
  
VARAS	
  FAIXA	
  PRETA	
   VARAS	
  FAIXA	
  VERDE	
   VARAS	
  FAIXA	
  BRANCA	
  
Realizar	
  visitas	
  para	
  iden7ficar	
  as	
  principais	
  diferenças	
  de	
  
desempenho	
  entre	
  faixas	
  pretas,	
  verdes	
  e	
  brancas	
  
|	
  25	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
PROPOSTAS	
  
•  Treinamento dos profissionais
•  Acompanhamento do tribunal nas unidades
interessadas em mudar de comportamento
•  Padronização dos processos e boas práticas
•  Celebração dos primeiros resultados!
•  Equipes móveis temporárias
•  Estratégias para baixa de estoque
•  Disseminação de boas práticas
•  Reconhecimento das unidades mais esforçadas
•  Celebrar e recompensar resultados
•  Reconhecimento como unidade de referência na
entrega de justiça
•  Disseminar boas práticas para os demais
Definir	
  estratégia	
  para	
  o7mizar	
  o	
  desempenho	
  de	
  cada	
  faixa	
  
PRINCÍPIO	
  4:	
  PROMOVER	
  MELHORIAS	
  ESTRUTURANTES	
  NO	
  
TRIBUNAL	
  
|	
  27	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Definir	
  estratégias	
  de	
  transformação	
  do	
  tribunal	
  
REDISTRIBUIÇÃO	
  DE	
  
UNIDADES	
  
-­‐  Desa^vação	
  	
  
-­‐  Expansão	
  	
  
-­‐  Especialização	
  
-­‐  Criação	
  
-­‐  ...	
  
CENTRAIS	
  
ESPECIALIZADAS	
  
-­‐  Centrais	
  de	
  mandados	
  
-­‐  Centrais	
  de	
  atendimento	
  
ao	
  púbico	
  
-­‐  Centrais	
  eletrônicas	
  
-­‐  ...	
  
PREVENÇÃO	
  E	
  SOLUÇÃO	
  
DE	
  LITÍGIOS	
  
-­‐  Conciliação	
  
-­‐  Jus^ça	
  Comunitária	
  
-­‐  Juiz	
  Leigo	
  
-­‐  .Parceria	
  com	
  
universidades	
  
-­‐  ...	
  
|	
  28	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Definir	
  estratégias	
  de	
  transformação	
  do	
  tribunal	
  
DESENVOLVIMENTO	
  DE	
  
PESSOAS	
  
-­‐  Treinamentos	
  
-­‐  Terceirização	
  
-­‐  Plano	
  de	
  carreira	
  
-­‐  Recompensas	
  por	
  
a^ngimento	
  de	
  metas	
  
ADOÇÃO	
  DE	
  
TECNOLOGIA	
  
-­‐  Automação	
  do	
  
processo	
  judicial	
  
-­‐  Virtualização	
  do	
  
processo	
  judicial	
  
PRINCÍPIO	
  5:	
  GESTÃO	
  DA	
  ALOCAÇÃO	
  DE	
  RECURSOS	
  
|	
  30	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Disciplina	
  de	
  Gestão	
  
PAINEL DE BORDO
com controles periódicos
VARA A
Meta
Produção
Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 ...
VARA C
Meta
Produção
Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 ...
VARA B
Meta
Produção
Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 ...
VARA D
MetaProdução
Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 ...
A	
  MESMA	
  LÓGICA	
  
PODE	
  SER	
  APLICADA	
  A	
  
ECONOMICIDADE	
  DO	
  
SERVIÇO	
  PÚBLICO:	
  
GERENCIAMENTO	
  
MATRICIAL	
  DE	
  
DESPESAS	
  
|	
  32	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
O	
  modelo	
  de	
  Orçamento	
  foi	
  construído	
  com	
  base	
  em	
  diversas	
  leis	
  
brasileiras	
  e	
  abordagens	
  tradicionais	
  da	
  gestão	
  orçamentária	
  no	
  
setor	
  público,	
  mas	
  adotou	
  também	
  uma	
  prá7ca	
  que	
  não	
  é	
  tão	
  
difundida	
  no	
  Judiciário	
  Brasileiro,	
  o	
  Orçamento	
  Matricial...	
  
O	
  orçamento	
  matricial	
  tem	
  como	
  foco	
  a	
  melhoria	
  do	
  resultado	
  
econômico	
  e	
  sua	
  operacionalização	
  apoia-­‐se	
  em	
  três	
  ferramentas	
  
matriciais	
  com	
  abrangência	
  complementares:	
  Gerenciamento	
  
Matricial	
  de	
  Despesas	
  (GMD),	
  Diagnós^co	
  de	
  Desempenho	
  
Operacional	
  (DDO)	
  e	
  Gerenciamento	
  Matricial	
  de	
  Receitas	
  (GMR).	
  
Dentro	
  do	
  método	
  desenvolvido	
  para	
  os	
  Tribunais	
  o	
  GMD	
  
ganhou	
  destaque	
  pela	
  grande	
  possibilidade	
  de	
  ganho	
  
vislumbrada.	
  	
  
|	
  33	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
PRINCÍPIO	
  1:	
  CONTROLE	
  CRUZADO	
  
|	
  34	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
	
  
	
  Significa	
  que	
  todas	
  as	
  despesas	
  orçadas	
  devem	
  ser	
  acompanhadas	
  por	
  duas	
  
pessoas!	
  
	
  
CC	
  CC	
   CC	
   CC	
  CC	
   CC	
  
Gestor	
  X	
  
Gestor	
  Y	
  
Gestor	
  Z	
  
Gestor	
  do	
  
Foro	
  2	
  
Gestor	
  do	
  
Foro	
  3	
  
Gestor	
  do	
  Foro	
  
4	
  
Gestor	
  do	
  
Foro	
  1	
  
CC	
   CC	
  
Pacote	
  de	
  Despesas	
  
de	
  Vendas	
  
Pacote	
  de	
  Despesas	
  
de	
  Viagens	
  
Pacote	
  de	
  Despesas	
  
de	
  Infraestutura	
  
Gestores	
  de	
  en7dade	
  
Responsáveis	
  pelas	
  
despesas	
  que	
  
ocorrem	
  em	
  seus	
  
centros	
  de	
  custos.	
  
Gestores	
  de	
  pacote:	
  	
  
Responsáveis	
  pelas	
  
despesas	
  transversais	
  
a	
  todo	
  o	
  tribunal	
  	
  
Controle	
  cruzado	
  
|	
  35	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Comparação	
  das	
  en7dades	
  similares	
  
Energia	
  Elétrica	
  
Telefonia	
  
Água	
  e	
  esgoto	
  
Correios	
  
Parâmetro	
  de	
  
Eficiência	
  
FAIXA PRETA
alta produtividade e
baixo congestionamento
FAIXA PRETA
alta produtividade e
baixo congestionamento
FAIXA PRETA
alta produtividade e
baixo congestionamento
FAIXA VERDE
alta produtividade e
alto congestionamento
FAIXA BRANCA
baixa produtividade e
alto congestionamento
FAIXA VERDE
alta produtividade e
alto congestionamento
FAIXA VERDE
alta produtividade e
alto congestionamento
FAIXA BRANCA
baixa produtividade e
alto congestionamento
FAIXA PRETA
alta produtividade e
baixo congestionamento
FAIXA VERDE
alta produtividade e
alto congestionamento
FAIXA VERDE
alta produtividade e
alto congestionamento
FAIXA VERDE
alta produtividade e
alto congestionamento
R$/m2	
  
R$/servidor	
  
R$/m2	
  
	
  
R$/processo	
  
Comarca	
  1	
   Comarca	
  2	
   Comarca	
  3	
  
O	
  obje^vo	
  desta	
  análise	
  é	
  iden^ficar	
  os	
  centros	
  de	
  custos	
  dentro	
  de	
  um	
  grupo	
  que	
  
geram	
  as	
  menores	
  despesas,	
  para	
  assim,	
  levantar	
  suas	
  boas	
  prá^cas	
  que	
  podem	
  ser	
  
replicáveis	
  aos	
  demais	
  e	
  também	
  iden^ficar	
  os	
  problemas	
  que	
  ocasionaram	
  os	
  altos	
  
valores	
  de	
  despesas.	
  
	
  	
  
	
  	
  
|	
  36	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
PRINCÍPIO	
  2:	
  DESDOBRAMENTO	
  DOS	
  GASTOS	
  
|	
  37	
  ©EloGroup|	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Desdobramento	
  de	
  gastos	
  
Implica	
  que,	
  para	
  a	
  definição	
  das	
  metas,	
  todas	
  as	
  despesas	
  devem	
  ser	
  
detalhadas	
  até	
  o	
  nível	
  de	
  Comarca	
  
	
  
DESPESA	
  DE	
  ÁGUA	
  E	
  ESGOTO	
  (M2)	
  
|	
  38	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Definição	
  de	
  metas	
  para	
  cada	
  comarca…	
  
Nesta	
  sub	
  etapa	
  todas	
  as	
  en^dades	
  têm	
  suas	
  metas	
  definidas	
  de	
  acordo	
  com	
  o	
  seu	
  
potencial	
  e	
  capacidade	
  de	
  economia,	
  é	
  a	
  ideia	
  de	
  metas	
  compavveis	
  com	
  o	
  potencial	
  
de	
  ganho	
  de	
  cada	
  comarca.	
  
	
  	
  
|	
  39	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
PRINCÍPIO	
  3:	
  ACOMPANHAMENTO	
  SISTEMÁTICO	
  DAS	
  DESPESAS	
  
|	
  40	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Acompanhamento	
  dos	
  resultados	
  gerados	
  
O	
  úl^mo	
  princípio	
  do	
  método	
  aborda	
  a	
  estruturação	
  de	
  uma	
  equipe	
  mul7disciplinar	
  
para	
  monitorar	
  os	
  resultados	
  do	
  trabalho.	
  Esta	
  equipe	
  tem	
  como	
  funções	
  a	
  análise	
  
dados,	
  criação	
  e	
  validação	
  de	
  metas,	
  acompanhamento	
  da	
  evolução	
  dos	
  indicadores	
  e	
  
cobrança	
  de	
  ações	
  corre^vas	
  junto	
  aos	
  gestores	
  de	
  pacotes	
  e	
  de	
  en^dades,	
  bem	
  como	
  
divulgação	
  das	
  boas	
  prá^cas	
  para	
  toda	
  o	
  Tribunal.	
  
Monitorar	
  desempenho,	
  riscos	
  e	
  
conformidade	
  
Realizar	
  análise	
  cri~ca	
   Executar	
  plano	
  de	
  ação	
  
Despesas	
  mensais	
  
	
  (orçado	
  x	
  realizado)	
  
Status	
  dos	
  planos	
  de	
  ação	
  
(orçado	
  x	
  realizado)	
  
Planos	
  de	
  correção	
  
de	
  desvios	
  
Ritual	
  de	
  gestão	
  orçamentária	
  
|	
  41	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Reunião	
  de	
  análise	
  crí7ca	
  baseada	
  no	
  bole7m	
  da	
  despesa	
  
O	
  Bole^m	
  da	
  Despesa	
  é	
  u^lizado	
  para	
  as	
  reuniões	
  de	
  análise	
  crí7ca.	
  Nesta	
  reunião,	
  é	
  
avaliado	
  o	
  a^ngimento	
  da	
  meta	
  e,	
  em	
  casos	
  de	
  não	
  a^ngimento,	
  são	
  iden^ficadas	
  as	
  
causas	
  e	
  as	
  ideias	
  para	
  solucioná-­‐las.	
  
|	
  42	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Elaboração	
  do	
  plano	
  de	
  correção	
  de	
  desvios	
  
Para	
   cada	
   ideia	
   priorizada	
   na	
   reunião	
   de	
   análise	
   crí^ca,	
   é	
   elaborado	
   um	
   Plano	
   de	
  
Correção	
  de	
  Desvios,	
  com	
  responsáveis	
  e	
  prazos	
  para	
  implementação.	
  
|	
  43	
  ©EloGroup|	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
RESULTADOS	
  ALCANÇADOS	
  
ATÉ	
  O	
  MOMENTO	
  
|	
  44	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Resultados	
  do	
  Gerenciamento	
  Matricial	
  de	
  Despesas	
  -­‐	
  Água	
  
A	
  metodologia	
  de	
  orçamento	
  ainda	
  está	
  em	
  fase	
  de	
  implantação	
  no	
  Tribunal	
  I,	
  mas	
  resultados	
  
significa^vos	
   já	
   foram	
   notados	
   no	
   início	
   de	
   2015.	
   Durante	
   a	
   implantação	
   do	
   piloto	
   foram	
  
monitorados	
  os	
  seguintes	
  pacotes	
  de	
  despesas:	
  água,	
  telefonia	
  e	
  correios,	
  nas	
  296	
  comarcas	
  do	
  
Estado.	
  
Redução:
Fev-mar15 x Fev-mar14
20%
Fev-­‐Mar/14	
  
Fev-­‐Mar/15	
  
R$	
  106	
  mil	
  
Em fevereiro de 2015, o Tribunal alcançou economia de
aproximadamente R$ 76 mil no consumo de água, o que
representa redução de cerca de 20% em relação ao
mesmo mês do ano anterior.
Em março de 2015, a economia foi de aproximadamente
R$ 30 mil, sendo 15% inferior ao ano anterior.
|	
  45	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Resultados	
  do	
  Gerenciamento	
  Matricial	
  de	
  Despesas	
  -­‐	
  Telefonia	
  
O	
   acompanhamento	
   mensal	
   das	
   despesas	
   com	
   telefonia,	
   por	
   meio	
   da	
   análise	
   das	
   contas	
  
telefônicas,	
  é	
  uma	
  ação	
  ro^neira	
  do	
  Departamento	
  de	
  despesas.	
  Além	
  disso,	
  o	
  setor	
  iden^fica	
  
discrepâncias	
   nas	
   diversas	
   faturas	
   e	
   encaminha	
   relatórios	
   para	
   as	
   comarcas,	
   para	
   análise,	
  
providências	
  e	
  ressarcimentos,	
  quando	
  necessário.	
  
Redução:
Fev-mar15 x Fev-mar14
18%
Fev-­‐mar/14	
  
Fev-­‐mar/15	
  
R$	
  49	
  mil	
  
Em fevereiro de 2015, o Tribunal alcançou economia de
aproximadamente R$ 33 mil no consumo de telefone, o que
representa redução de cerca de 18% em relação ao
mesmo mês do ano anterior.
Em março de 2015, a economia foi de aproximadamente R$
13 mil, sendo 11% inferior ao ano anterior.
|	
  46	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Resultados	
  do	
  Gerenciamento	
  Matricial	
  de	
  Despesas	
  -­‐	
  Correios	
  
	
  Para	
  conter	
  as	
  despesas	
  com	
  serviços	
  postais,	
  a	
  coordenação	
  de	
  redução	
  de	
  despesas,	
  adotou,	
  
no	
  primeiro	
  trimestre	
  de	
  2015,	
  diversas	
  ações,	
  entre	
  as	
  quais	
  se	
  destacam	
  o	
  acompanhamento	
  
diário	
  das	
  postagens	
  e	
  contato	
  imediato	
  com	
  as	
  comarcas,	
  em	
  caso	
  de	
  irregularidades,	
  e	
  a	
  
subs^tuição	
  do	
  serviço	
  de	
  remessa	
  de	
  correspondência	
  acima	
  de	
  500	
  gramas.	
  	
  
141	
  Comarcas	
  apresentaram	
  redução	
  em	
  suas	
  despesas	
  postais	
  
1ºT 2015
1ºT 2014
A	
  economia	
  foi	
  de	
  
aproximadamente	
  
R$	
  205	
  mil	
  
Redução:
1ºT15 x 1ºT14
14%
|	
  47	
  ©EloGroup	
  |	
  Todos	
  os	
  direitos	
  reservados	
  2015	
  
Resultados	
  do	
  Gerenciamento	
  Matricial	
  de	
  Despesas	
  –	
  Banco	
  de	
  
boas	
  prá7cas	
  
•  Novas	
  regras	
  de	
  u^lização	
  do	
  cartão	
  de	
  correios,	
  disponibilizadas	
  em	
  uma	
  car^lha,	
  
especificando	
  quando	
  usar	
  cada	
  modalidade,	
  AR,	
  Malotes,	
  etc;	
  
•  Emissão	
  de	
  senhas	
  individuais,	
  obje^vando	
  a	
  restrição	
  do	
  uso	
  indiscriminado	
  do	
  
telefone;	
  
•  Implementação	
  do	
  Sistema	
  de	
  Telefonia	
  VoIP,	
  que	
  permi^rá	
  aos	
  usuários	
  realizarem	
  
ligações	
  telefônicas	
  por	
  meio	
  da	
  internet,	
  gerando	
  grande	
  economia	
  financeira	
  	
  
•  Celebração	
  de	
  novos	
  contratos	
  de	
  telefonia	
  fixa,	
  móvel	
  e	
  DDD,	
  com	
  tarifas	
  
diferenciadas	
  em	
  relação	
  aos	
  valores	
  pra^cados	
  no	
  mercado	
  
•  Iden^ficação	
  de	
  vazamentos	
  e	
  subs^tuição	
  de	
  torneiras;	
  
•  Definição	
  de	
  um	
  programa	
  de	
  conscien^zação	
  do	
  uso	
  de	
  água	
  que	
  esta	
  sendo	
  feito	
  
quase	
  que	
  “corpo	
  a	
  corpo”;	
  
•  Instalação	
  de	
  sensores	
  de	
  presença,	
  para	
  redução	
  de	
  gastos	
  com	
  energia,	
  dentre	
  
outros	
  
	
  
www.elogroup.com.br	
  
Obrigada!	
  
Lays	
  Lobato	
  
+55	
  31	
  9208-­‐5335	
  
lays.lobato@elogroup.com.br	
  

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Caso do Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
EloGroup
 
Como Prospectar e Priorizar uma Estratégia para Resolução das Lacunas de Valo...
Como Prospectar e Priorizar uma Estratégia para Resolução das Lacunas de Valo...Como Prospectar e Priorizar uma Estratégia para Resolução das Lacunas de Valo...
Como Prospectar e Priorizar uma Estratégia para Resolução das Lacunas de Valo...
Lecom Tecnologia
 
Café com bpm fortaleza introdução - ricardo avila - público
Café com bpm fortaleza   introdução - ricardo avila - públicoCafé com bpm fortaleza   introdução - ricardo avila - público
Café com bpm fortaleza introdução - ricardo avila - público
EloGroup
 
Redução de Custos e Desperdícios em Processos
Redução de Custos e Desperdícios em ProcessosRedução de Custos e Desperdícios em Processos
Redução de Custos e Desperdícios em Processos
EloGroup
 
Desperdicios case perdas
Desperdicios case perdas Desperdicios case perdas
Desperdicios case perdas
EloGroup
 
[BPM Global Trends 2014] Janaina Penalva (CNJ) – Indicadores de Produtividade...
[BPM Global Trends 2014] Janaina Penalva (CNJ) – Indicadores de Produtividade...[BPM Global Trends 2014] Janaina Penalva (CNJ) – Indicadores de Produtividade...
[BPM Global Trends 2014] Janaina Penalva (CNJ) – Indicadores de Produtividade...
EloGroup
 
Como prospectar e priorizar uma estratégia para resolução das lacunas valor p...
Como prospectar e priorizar uma estratégia para resolução das lacunas valor p...Como prospectar e priorizar uma estratégia para resolução das lacunas valor p...
Como prospectar e priorizar uma estratégia para resolução das lacunas valor p...
EloGroup
 
Aliz - INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA:
Aliz - INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA:Aliz - INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA:
Aliz - INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA:
timealiz
 
eSocial: sua empresa está preparada?
eSocial: sua empresa está preparada?eSocial: sua empresa está preparada?
eSocial: sua empresa está preparada?
Universidade Corporativa do Transporte
 
Franquia Studio E-Fiscal
Franquia Studio E-Fiscal Franquia Studio E-Fiscal
Franquia Studio E-Fiscal
José Carlos Braga Monteiro
 
Redução de Custos e Desperdícios em Processos
Redução de Custos e Desperdícios em Processos Redução de Custos e Desperdícios em Processos
Redução de Custos e Desperdícios em Processos
EloGroup
 
Insights e lições aprendidas em projetos de transformação de processos
Insights e lições aprendidas em projetos de transformação de processosInsights e lições aprendidas em projetos de transformação de processos
Insights e lições aprendidas em projetos de transformação de processos
EloGroup
 
Insights e lições aprendidas
Insights e lições aprendidasInsights e lições aprendidas
Insights e lições aprendidas
EloGroup
 
Avaliação de 10 anos de operação de escritórios de processos no Brasil
Avaliação de 10 anos de operação de escritórios de processos no BrasilAvaliação de 10 anos de operação de escritórios de processos no Brasil
Avaliação de 10 anos de operação de escritórios de processos no Brasil
EloGroup
 
Redução de desperdicios e aumento de produtividade em processos
Redução de desperdicios e aumento de produtividade em processosRedução de desperdicios e aumento de produtividade em processos
Redução de desperdicios e aumento de produtividade em processos
EloGroup
 
ERP Embracing Change 2011
ERP Embracing Change 2011ERP Embracing Change 2011
ERP Embracing Change 2011
UNIT4
 
Insights e lições aprendidas
Insights e lições aprendidas Insights e lições aprendidas
Insights e lições aprendidas
EloGroup
 
TOTVS ECM ByYou - Gestão Integrada da Qualidade - Gestão de Ocorrências
TOTVS ECM ByYou - Gestão Integrada da Qualidade - Gestão de OcorrênciasTOTVS ECM ByYou - Gestão Integrada da Qualidade - Gestão de Ocorrências
TOTVS ECM ByYou - Gestão Integrada da Qualidade - Gestão de Ocorrências
Caribe Tecnologia
 
A validação tributária eletrônica como aliada do seu negócio!
A validação tributária eletrônica como aliada do seu negócio!A validação tributária eletrônica como aliada do seu negócio!
A validação tributária eletrônica como aliada do seu negócio!
Gabriela Bornhausen Branco
 
Apresentação institucional celpa 2014 geral equatorial day site
Apresentação institucional celpa 2014  geral   equatorial day siteApresentação institucional celpa 2014  geral   equatorial day site
Apresentação institucional celpa 2014 geral equatorial day site
EquatorialRI
 

Semelhante a Caso do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (20)

Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
Da Melhoria Contínua para Grandes Transformações (Ricardo Ávila – EloGroup)
 
Como Prospectar e Priorizar uma Estratégia para Resolução das Lacunas de Valo...
Como Prospectar e Priorizar uma Estratégia para Resolução das Lacunas de Valo...Como Prospectar e Priorizar uma Estratégia para Resolução das Lacunas de Valo...
Como Prospectar e Priorizar uma Estratégia para Resolução das Lacunas de Valo...
 
Café com bpm fortaleza introdução - ricardo avila - público
Café com bpm fortaleza   introdução - ricardo avila - públicoCafé com bpm fortaleza   introdução - ricardo avila - público
Café com bpm fortaleza introdução - ricardo avila - público
 
Redução de Custos e Desperdícios em Processos
Redução de Custos e Desperdícios em ProcessosRedução de Custos e Desperdícios em Processos
Redução de Custos e Desperdícios em Processos
 
Desperdicios case perdas
Desperdicios case perdas Desperdicios case perdas
Desperdicios case perdas
 
[BPM Global Trends 2014] Janaina Penalva (CNJ) – Indicadores de Produtividade...
[BPM Global Trends 2014] Janaina Penalva (CNJ) – Indicadores de Produtividade...[BPM Global Trends 2014] Janaina Penalva (CNJ) – Indicadores de Produtividade...
[BPM Global Trends 2014] Janaina Penalva (CNJ) – Indicadores de Produtividade...
 
Como prospectar e priorizar uma estratégia para resolução das lacunas valor p...
Como prospectar e priorizar uma estratégia para resolução das lacunas valor p...Como prospectar e priorizar uma estratégia para resolução das lacunas valor p...
Como prospectar e priorizar uma estratégia para resolução das lacunas valor p...
 
Aliz - INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA:
Aliz - INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA:Aliz - INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA:
Aliz - INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA:
 
eSocial: sua empresa está preparada?
eSocial: sua empresa está preparada?eSocial: sua empresa está preparada?
eSocial: sua empresa está preparada?
 
Franquia Studio E-Fiscal
Franquia Studio E-Fiscal Franquia Studio E-Fiscal
Franquia Studio E-Fiscal
 
Redução de Custos e Desperdícios em Processos
Redução de Custos e Desperdícios em Processos Redução de Custos e Desperdícios em Processos
Redução de Custos e Desperdícios em Processos
 
Insights e lições aprendidas em projetos de transformação de processos
Insights e lições aprendidas em projetos de transformação de processosInsights e lições aprendidas em projetos de transformação de processos
Insights e lições aprendidas em projetos de transformação de processos
 
Insights e lições aprendidas
Insights e lições aprendidasInsights e lições aprendidas
Insights e lições aprendidas
 
Avaliação de 10 anos de operação de escritórios de processos no Brasil
Avaliação de 10 anos de operação de escritórios de processos no BrasilAvaliação de 10 anos de operação de escritórios de processos no Brasil
Avaliação de 10 anos de operação de escritórios de processos no Brasil
 
Redução de desperdicios e aumento de produtividade em processos
Redução de desperdicios e aumento de produtividade em processosRedução de desperdicios e aumento de produtividade em processos
Redução de desperdicios e aumento de produtividade em processos
 
ERP Embracing Change 2011
ERP Embracing Change 2011ERP Embracing Change 2011
ERP Embracing Change 2011
 
Insights e lições aprendidas
Insights e lições aprendidas Insights e lições aprendidas
Insights e lições aprendidas
 
TOTVS ECM ByYou - Gestão Integrada da Qualidade - Gestão de Ocorrências
TOTVS ECM ByYou - Gestão Integrada da Qualidade - Gestão de OcorrênciasTOTVS ECM ByYou - Gestão Integrada da Qualidade - Gestão de Ocorrências
TOTVS ECM ByYou - Gestão Integrada da Qualidade - Gestão de Ocorrências
 
A validação tributária eletrônica como aliada do seu negócio!
A validação tributária eletrônica como aliada do seu negócio!A validação tributária eletrônica como aliada do seu negócio!
A validação tributária eletrônica como aliada do seu negócio!
 
Apresentação institucional celpa 2014 geral equatorial day site
Apresentação institucional celpa 2014  geral   equatorial day siteApresentação institucional celpa 2014  geral   equatorial day site
Apresentação institucional celpa 2014 geral equatorial day site
 

Mais de Gestão Pública: Pensando Diferente

Mec Planejamento Estratégico
Mec Planejamento Estratégico Mec Planejamento Estratégico
Mec Planejamento Estratégico
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Gestão como uma visão de resultados da Receita Federal
Gestão como uma visão de resultados da Receita FederalGestão como uma visão de resultados da Receita Federal
Gestão como uma visão de resultados da Receita Federal
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Redesenho de Serviços
Redesenho de ServiçosRedesenho de Serviços
Redesenho de Serviços
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Inovação em Governo
Inovação em GovernoInovação em Governo
Grupo de Gestão em Organizações Públicas de Belo Horizonte
Grupo de Gestão em Organizações Públicas de Belo HorizonteGrupo de Gestão em Organizações Públicas de Belo Horizonte
Grupo de Gestão em Organizações Públicas de Belo Horizonte
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
PASSAPORTE - Melhoria de Serviços para a Sociedade
PASSAPORTE - Melhoria de Serviços para a SociedadePASSAPORTE - Melhoria de Serviços para a Sociedade
PASSAPORTE - Melhoria de Serviços para a Sociedade
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Grupo de Gestão em Organizações Públicas do Rio de Janeiro
Grupo de Gestão em Organizações Públicas do Rio de JaneiroGrupo de Gestão em Organizações Públicas do Rio de Janeiro
Grupo de Gestão em Organizações Públicas do Rio de Janeiro
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
1º Fórum de Gestão Pública
1º Fórum de Gestão Pública1º Fórum de Gestão Pública
1º Fórum de Gestão Pública
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
A melhoria e implantação dos processos de atendimento ao aluno na UNIRIO
A melhoria e implantação dos processos de atendimento ao aluno na UNIRIOA melhoria e implantação dos processos de atendimento ao aluno na UNIRIO
A melhoria e implantação dos processos de atendimento ao aluno na UNIRIO
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Gestão de processos integrando as diferentes dimensões da Dataprev
Gestão de processos integrando as diferentes dimensões da DataprevGestão de processos integrando as diferentes dimensões da Dataprev
Gestão de processos integrando as diferentes dimensões da Dataprev
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações) sob a perspectiva de...
A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações) sob a perspectiva de...A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações) sob a perspectiva de...
A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações) sob a perspectiva de...
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Governança de processos para melhoria da Gestão Pública a experiência do TCE/PE
Governança de processos para melhoria da Gestão Pública a experiência do TCE/PEGovernança de processos para melhoria da Gestão Pública a experiência do TCE/PE
Governança de processos para melhoria da Gestão Pública a experiência do TCE/PE
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Como qualificar a gestão de portfólio a partir de um novo modelo de tomada de...
Como qualificar a gestão de portfólio a partir de um novo modelo de tomada de...Como qualificar a gestão de portfólio a partir de um novo modelo de tomada de...
Como qualificar a gestão de portfólio a partir de um novo modelo de tomada de...
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
O desenvolvimento da central eletrônica de serviço no Senado
O desenvolvimento da central eletrônica de serviço no SenadoO desenvolvimento da central eletrônica de serviço no Senado
O desenvolvimento da central eletrônica de serviço no Senado
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Reestruturação organizacional do Cebraspe
Reestruturação organizacional do CebraspeReestruturação organizacional do Cebraspe
Reestruturação organizacional do Cebraspe
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Santos – Prefeitura digital
Santos – Prefeitura digitalSantos – Prefeitura digital
Santos – Prefeitura digital
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Avaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiência
Avaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiênciaAvaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiência
Avaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiência
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Inovação aberta na administração pública - O desafio da sustentabilidade no MEC
Inovação aberta na administração pública - O desafio da sustentabilidade no MECInovação aberta na administração pública - O desafio da sustentabilidade no MEC
Inovação aberta na administração pública - O desafio da sustentabilidade no MEC
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
5 anos a 180 dias como a gestão de processos transformou a certificação de en...
5 anos a 180 dias como a gestão de processos transformou a certificação de en...5 anos a 180 dias como a gestão de processos transformou a certificação de en...
5 anos a 180 dias como a gestão de processos transformou a certificação de en...
Gestão Pública: Pensando Diferente
 
Redesenho dos serviços do Programa Negócio a Negócio do SEBRAE/RS
Redesenho dos serviços do Programa Negócio a Negócio do SEBRAE/RSRedesenho dos serviços do Programa Negócio a Negócio do SEBRAE/RS
Redesenho dos serviços do Programa Negócio a Negócio do SEBRAE/RS
Gestão Pública: Pensando Diferente
 

Mais de Gestão Pública: Pensando Diferente (20)

Mec Planejamento Estratégico
Mec Planejamento Estratégico Mec Planejamento Estratégico
Mec Planejamento Estratégico
 
Gestão como uma visão de resultados da Receita Federal
Gestão como uma visão de resultados da Receita FederalGestão como uma visão de resultados da Receita Federal
Gestão como uma visão de resultados da Receita Federal
 
Redesenho de Serviços
Redesenho de ServiçosRedesenho de Serviços
Redesenho de Serviços
 
Inovação em Governo
Inovação em GovernoInovação em Governo
Inovação em Governo
 
Grupo de Gestão em Organizações Públicas de Belo Horizonte
Grupo de Gestão em Organizações Públicas de Belo HorizonteGrupo de Gestão em Organizações Públicas de Belo Horizonte
Grupo de Gestão em Organizações Públicas de Belo Horizonte
 
PASSAPORTE - Melhoria de Serviços para a Sociedade
PASSAPORTE - Melhoria de Serviços para a SociedadePASSAPORTE - Melhoria de Serviços para a Sociedade
PASSAPORTE - Melhoria de Serviços para a Sociedade
 
Grupo de Gestão em Organizações Públicas do Rio de Janeiro
Grupo de Gestão em Organizações Públicas do Rio de JaneiroGrupo de Gestão em Organizações Públicas do Rio de Janeiro
Grupo de Gestão em Organizações Públicas do Rio de Janeiro
 
1º Fórum de Gestão Pública
1º Fórum de Gestão Pública1º Fórum de Gestão Pública
1º Fórum de Gestão Pública
 
A melhoria e implantação dos processos de atendimento ao aluno na UNIRIO
A melhoria e implantação dos processos de atendimento ao aluno na UNIRIOA melhoria e implantação dos processos de atendimento ao aluno na UNIRIO
A melhoria e implantação dos processos de atendimento ao aluno na UNIRIO
 
Gestão de processos integrando as diferentes dimensões da Dataprev
Gestão de processos integrando as diferentes dimensões da DataprevGestão de processos integrando as diferentes dimensões da Dataprev
Gestão de processos integrando as diferentes dimensões da Dataprev
 
A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações) sob a perspectiva de...
A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações) sob a perspectiva de...A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações) sob a perspectiva de...
A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informações) sob a perspectiva de...
 
Governança de processos para melhoria da Gestão Pública a experiência do TCE/PE
Governança de processos para melhoria da Gestão Pública a experiência do TCE/PEGovernança de processos para melhoria da Gestão Pública a experiência do TCE/PE
Governança de processos para melhoria da Gestão Pública a experiência do TCE/PE
 
Como qualificar a gestão de portfólio a partir de um novo modelo de tomada de...
Como qualificar a gestão de portfólio a partir de um novo modelo de tomada de...Como qualificar a gestão de portfólio a partir de um novo modelo de tomada de...
Como qualificar a gestão de portfólio a partir de um novo modelo de tomada de...
 
O desenvolvimento da central eletrônica de serviço no Senado
O desenvolvimento da central eletrônica de serviço no SenadoO desenvolvimento da central eletrônica de serviço no Senado
O desenvolvimento da central eletrônica de serviço no Senado
 
Reestruturação organizacional do Cebraspe
Reestruturação organizacional do CebraspeReestruturação organizacional do Cebraspe
Reestruturação organizacional do Cebraspe
 
Santos – Prefeitura digital
Santos – Prefeitura digitalSantos – Prefeitura digital
Santos – Prefeitura digital
 
Avaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiência
Avaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiênciaAvaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiência
Avaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiência
 
Inovação aberta na administração pública - O desafio da sustentabilidade no MEC
Inovação aberta na administração pública - O desafio da sustentabilidade no MECInovação aberta na administração pública - O desafio da sustentabilidade no MEC
Inovação aberta na administração pública - O desafio da sustentabilidade no MEC
 
5 anos a 180 dias como a gestão de processos transformou a certificação de en...
5 anos a 180 dias como a gestão de processos transformou a certificação de en...5 anos a 180 dias como a gestão de processos transformou a certificação de en...
5 anos a 180 dias como a gestão de processos transformou a certificação de en...
 
Redesenho dos serviços do Programa Negócio a Negócio do SEBRAE/RS
Redesenho dos serviços do Programa Negócio a Negócio do SEBRAE/RSRedesenho dos serviços do Programa Negócio a Negócio do SEBRAE/RS
Redesenho dos serviços do Programa Negócio a Negócio do SEBRAE/RS
 

Caso do Tribunal de Justiça de Minas Gerais

  • 1. CASE  TRIBUNAL  DE  JUSTIÇA   DE  ESTADO   Boas  prá7cas  para  gestão  
  • 2. |  2  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   PROJETO  BANCO  MUNDIAL  –  AMPLIAR  O  ACESSO  À  JUSTIÇA   ETAPA 01 Diagnóstico Quantitativo Abril a Junho de 2013 Construir  colabora.vamente  um  modelo  de  alocação  de  recursos  humanos  e  orçamentários   para  os  Tribunais  de  Jus.ça  dos  Estados,  melhorando  a  gestão  desses  recursos  e  ampliando  o   acesso  à  jus.ça.   ETAPA 02 Elaboração do Modelo Junho de 2013 a Março de 2014 ETAPA 03 Implantação do Modelo Março de 2014 a Março de 2015 1ª  OFICINA     Par$cipação  dos  27  TJs,   cada  um  com  2   representantes  das  áreas   de  RH  e  Orçamento/   Planejamento  para  a   coleta  de  Boas  Prá$cas   ANÁLISE   QUANTITATIVA   Análise  de  informações   de  custo  e  pessoal  dos   anos  de  2009  a  2011  do   Jus$ça  em  Números  e  da   Resolução  102  do  CNJ.   2ª  OFICINA   Par$cipação  dos  10   TJs  selecionados,  para   discussão  do  modelo   de  alocação  de   recursos   VISITAS  AOS  10  TJs   Os  10  TJs  selecionados   foram  visitados  para   coleta  e  disseminação  de   experiências  de  gestão   da  alocação  de  recursos   CONSOLIDAÇÃO   DO  MODELO     Implantação  em  3   Tribunais  (TJTO,   TJMG,  e  TJMT)  
  • 3. |  3  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   O  NOSSO  TRABALHO  EM  CONJUNTO  RESULTOU  EM…   Agrupamento das principais boas práticas e experiências dos tribunais em alocação de recursos.
  • 4. |  4  ©EloGroup|  Todos  os  direitos  reservados  2015   NOSSOS  MODELOS  PROPOEM   MELHORAR  O  DESEMPENHO  DE  UMA   UNIDADE  JUDICIÁRIA,  AVALIANDO   ESSENCIALMENTE  DOIS  PONTOS:    
  • 5. |  5  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Devemos  avaliar  a  razão  entre  a  taxa  de  entrega  de  jus7ça  com  a  taxa   de  demanda  da  sociedade...   UNIDADEJUDICIÁRIA PROCESSO DE TRABALHO PESSOAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E INFRAESTRUTURA JURISDICIONADO PROCESSO JUDICIAL JUSTIÇAENTREGUE DEMANDA DA SOCIEDADE
  • 6. |  6  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   ...  para  atuar  na  redução  da  taxa  de  conges7onamento!!!  UNIDADEJUDICIÁRIA PROCESSO DE TRABALHO PESSOAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E INFRAESTRUTURA JURISDICIONADO PROCESSO JUDICIAL JUSTIÇAENTREGUE DEMANDA DA SOCIEDADE TAXA DE CONGESTIO- NAMENTO
  • 7. |  7  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Em  segundo  lugar,  podemos  avaliar  a  razão  entre  a  “quan7dade”  de   jus7ça  entregue  e  o  custo  jus7ça  para  viabilizá-­‐la....   UNIDADEJUDICIÁRIA PROCESSO DE TRABALHO PESSOAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E INFRAESTRUTURA JURISDICIONADO PROCESSO JUDICIAL JUSTIÇAENTREGUE JUSTIÇA ENTREGUE CUSTOJUSTIÇA
  • 8. |  8  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   para  melhorar  a  eficiência  da  vara  no  uso  de  recursos  humanos  e   orçamentários...   UNIDADEJUDICIÁRIA PROCESSO DE TRABALHO PESSOAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E INFRAESTRUTURA JURISDICIONADO PROCESSO JUDICIAL JUSTIÇA ENTREGUE CUSTOJUSTIÇA TAXA DE EFICIÊNCIA
  • 9. QUAIS  SÃO  OS   PRINCÍPIOS  DO   MODELO  DE   ALOCAÇÃO  DE   PESSOAS  
  • 10. |  10  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   PRINCÍPIO  1:  COMPARAR  É  ALGO  POSITIVO,     CONTUDO,  SÓ  COMPARE  UNIDADES  DE  NATUREZAS  E   DESEMPENHOS  SEMELHANTES      
  • 11. |  11  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   UJ H UJ I UJ F UJ E UJ J UJ A UJ D UJ M UJ B UJ K UJ G UJ C UJ L Iden7ficar  as  diversidades  existentes  entre  os  diferentes  7pos  de   varas   UJ A UJ D UJ M UJ H UJ B UJ K UJ I UJ C UJ E UJ L UJ J UJ G UJ F
  • 12. |  12  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   UJ   J   Agregar  as  varas  por  semelhança  de  naturezas,  competência  e...   UJ   A   CÍVEL   (piloto  capital)   JUIZADO   CRIMINAL   MISTA   UJ   D   UJ   M   UJ   H   UJ   B   UJ   K   UJ   I   UJ   G   UJ   F   UJ   C   UJ   L   UJ   E  
  • 13. |  13  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   ...  Volume  de  casos  novos   UJ A CÍVEL   (piloto  capital)   1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   Até  1.000   processos   Entre  1.000  e  2.500   processos   Acima  de  2.500   processos   Agrupamento  por  faixa  de  casos  novos   UJ D UJ M UJ H
  • 14. PRINCÍPIO  2:  SEPARAR  AS  UNIDADES  JUDICIÁRIAS  POR  ESTÁGIOS  DE   DESEMPENHO  E  CALCULAR  PRODUTIVIDADE  E  LOTAÇÃO  DAS   UNIDADES  JUDICIÁRIAS  DO  GRUPO    
  • 15. |  15  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Entender  o  nível  produ7vidade  e  conges7onamento  de  cada   vara  do  mesmo  grupo   ORGANIZAÇÃO PARCEIROS   PESSOAS   ESTRUTURA   ORGANIZACIONAL   TECNOLOGIA   INFRAESTRUTURA   INFORMAÇÃO   PROCESSOS  E  REGRAS  DE  NEGÓCIO   JORNADA  DA  SOCIEDADE  /  CLIENTE   CLIENTE PRODUTIVDADE CONGESTIONAMENTO
  • 16. |  16  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   0,0   50,0   100,0   150,0   200,0   250,0   300,0   350,0   0%   5%   10%   15%   20%   25%   30%   35%   40%   45%   50%   146   23%   Inverso  do  conges$onamento   Produ$vidade  (IPS)   Comparar  e  analisar  o  desempenho  entre  estas  varas  
  • 17. |  17  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   160,4   165,3   331,1   64,6   0,0   50,0   100,0   150,0   200,0   250,0   300,0   350,0   0%   5%   10%   15%   20%   25%   30%   35%   40%   45%   50%   4  FAIXAS  PRETA   5  FAIXAS  VERDE   4  FAIXAS   BRANCA   Inverso  do  conges.onamento   Produ.vidade  (IPS)   FAIXA VERDE alta produtividade e alto congestionamento FAIXA PRETA alta produtividade e baixo congestionamento Classificar  cada  vara  conforme:  Faixa  Branca,  Verde  e  Preta   FAIXA BRANCA baixa produtividade e alto congestionamento
  • 18. |  18  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   As  principais  caracterís7cas  de  cada  estágio..   FAIXA  PRETA   FAIXA  VERDE   FAIXA  BRANCA   Baixo  estoque*   Alto  estoque*   Alto  estoque*   Alta  produ7vidade*   Processos  baixados  por   servidor   Alta  produ7vidade  *   Processos  baixados  por   servidor   Baixa  produ7vidade*   Processos  baixados  por   servidor   Baixo  conhecimento  em   prá7cas  de  gestão   Dificuldades  de   gerenciamento  de  trabalho,   pessoas  e  etc   Conhecimento  em  prá7cas   de  gestão   Procura  melhorar  as  prá.cas  de   gerenciamento  de  trabalho,   pessoas  e  etc,  pode  até  ser   referência  em  prá.cas   Referência  em  prá7cas   de  gestão   Detém  boas  prá.cas  que   geram  resultados  a  par.r  do   gerenciamento  de  trabalho,   pessoas  e  etc   Alta  vazão*   Processos  Baixados  por  Casos   Novos   Alta  vazão*   Processos  Baixados  por   Casos  Novos   Baixa  vazão*   Processos  Baixados  por   Casos  Novos  
  • 19. |  19  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ XUJ X UJ XUJ X UJ X UJ X Diferentes  níveis  de  desempenho  implicam...   CÍVEL  -­‐  CAPITAL   UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X Faixa  Preta  Faixa  Verde  Faixa  Branca  
  • 20. |  20  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X UJ X Faixa  Preta  Faixa  Verde  Faixa  Branca   CÍVEL  -­‐  CAPITAL   ...  Em  diferentes  estratégias  para  o7mização  de  desempenho!  
  • 21. |  21  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Calcular  a  produ7vidade  paradigma  de  cada  estágio…   A  média  das  unidades   judiciárias  faixa  preta  do   3º  quar.l  de  IPS   PRODUTIVIDADE   PARADIGMA   Unidade   Judiciária   Processos   baixados  (PB)   Servidores     Atuais  (Serv)   IPS  (PB  /   Serv)   Tx.   Congest.   Vara  7   1.350   6   225,00   64%   Vara  9   1.491   6   248,50   81%   Vara  10   1.657   7   236,71   70%   Vara  2   1.507   7   215,29   73%   Vara  4   2.153   10   215,30   66%   Vara  5   1.736   8   217,00   64%   242,61   Média  das  unidades   do  3º  quar$l   A  PRODUTIVIDADE  PARADIGMA   somente  será  aplicada  para   “unidades  faixa  preta”  
  • 22. |  22  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Para  es7mar  o  quadro  ideal  de  servidores…   40  44   PRODUTIVIDADE   PARADIGMA   242,61   Unidade   Judiciária   Casos  Novos   2013   Servidores   Atuais   Servidores   calculados   GAP   Vara  7   1.397   6   6   0   Vara  9   1.761   6   7   +1   Vara  10   1.783   7   7   0   Vara  2   1.592   7   7   0   Vara  4   1.755   10   7   -­‐3   Vara  5   1.448   8   6   -­‐2   CASOS  NOVOS  ano  anterior   Produ^vidade  PARADIGMA   A  fórmula  para  a  definição  do  quadro   de  pessoal  observa  o  volume  de   demanda  (casos  novos)  sobre  o  nível   de  produ.vidade  esperado   (produ.vidade  paradigma)   QUADRO  DE  PESSOAL  CALCULADO  
  • 23. PRINCÍPIO  3:  VISITAR  AS  UNIDADES  JUDICIÁRIAS  DE  REFERÊNCIA   E  PROMOVER  MELHORIAS  PARA  CADA  ESTÁGIO  
  • 24. |  24  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Entendendo  as  causas  por  meio  de  visitas   Horário  de   trabalho  do   magistrado   Figura  de  um   gestor  na  Vara   Metodologia  de   trabalho     Infraestrutura     Integração  entre   gabinete  e   secretária   VARAS  FAIXA  PRETA   VARAS  FAIXA  VERDE   VARAS  FAIXA  BRANCA   Realizar  visitas  para  iden7ficar  as  principais  diferenças  de   desempenho  entre  faixas  pretas,  verdes  e  brancas  
  • 25. |  25  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   PROPOSTAS   •  Treinamento dos profissionais •  Acompanhamento do tribunal nas unidades interessadas em mudar de comportamento •  Padronização dos processos e boas práticas •  Celebração dos primeiros resultados! •  Equipes móveis temporárias •  Estratégias para baixa de estoque •  Disseminação de boas práticas •  Reconhecimento das unidades mais esforçadas •  Celebrar e recompensar resultados •  Reconhecimento como unidade de referência na entrega de justiça •  Disseminar boas práticas para os demais Definir  estratégia  para  o7mizar  o  desempenho  de  cada  faixa  
  • 26. PRINCÍPIO  4:  PROMOVER  MELHORIAS  ESTRUTURANTES  NO   TRIBUNAL  
  • 27. |  27  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Definir  estratégias  de  transformação  do  tribunal   REDISTRIBUIÇÃO  DE   UNIDADES   -­‐  Desa^vação     -­‐  Expansão     -­‐  Especialização   -­‐  Criação   -­‐  ...   CENTRAIS   ESPECIALIZADAS   -­‐  Centrais  de  mandados   -­‐  Centrais  de  atendimento   ao  púbico   -­‐  Centrais  eletrônicas   -­‐  ...   PREVENÇÃO  E  SOLUÇÃO   DE  LITÍGIOS   -­‐  Conciliação   -­‐  Jus^ça  Comunitária   -­‐  Juiz  Leigo   -­‐  .Parceria  com   universidades   -­‐  ...  
  • 28. |  28  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Definir  estratégias  de  transformação  do  tribunal   DESENVOLVIMENTO  DE   PESSOAS   -­‐  Treinamentos   -­‐  Terceirização   -­‐  Plano  de  carreira   -­‐  Recompensas  por   a^ngimento  de  metas   ADOÇÃO  DE   TECNOLOGIA   -­‐  Automação  do   processo  judicial   -­‐  Virtualização  do   processo  judicial  
  • 29. PRINCÍPIO  5:  GESTÃO  DA  ALOCAÇÃO  DE  RECURSOS  
  • 30. |  30  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Disciplina  de  Gestão   PAINEL DE BORDO com controles periódicos VARA A Meta Produção Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 ... VARA C Meta Produção Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 ... VARA B Meta Produção Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 ... VARA D MetaProdução Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 ...
  • 31. A  MESMA  LÓGICA   PODE  SER  APLICADA  A   ECONOMICIDADE  DO   SERVIÇO  PÚBLICO:   GERENCIAMENTO   MATRICIAL  DE   DESPESAS  
  • 32. |  32  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   O  modelo  de  Orçamento  foi  construído  com  base  em  diversas  leis   brasileiras  e  abordagens  tradicionais  da  gestão  orçamentária  no   setor  público,  mas  adotou  também  uma  prá7ca  que  não  é  tão   difundida  no  Judiciário  Brasileiro,  o  Orçamento  Matricial...   O  orçamento  matricial  tem  como  foco  a  melhoria  do  resultado   econômico  e  sua  operacionalização  apoia-­‐se  em  três  ferramentas   matriciais  com  abrangência  complementares:  Gerenciamento   Matricial  de  Despesas  (GMD),  Diagnós^co  de  Desempenho   Operacional  (DDO)  e  Gerenciamento  Matricial  de  Receitas  (GMR).   Dentro  do  método  desenvolvido  para  os  Tribunais  o  GMD   ganhou  destaque  pela  grande  possibilidade  de  ganho   vislumbrada.    
  • 33. |  33  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   PRINCÍPIO  1:  CONTROLE  CRUZADO  
  • 34. |  34  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015      Significa  que  todas  as  despesas  orçadas  devem  ser  acompanhadas  por  duas   pessoas!     CC  CC   CC   CC  CC   CC   Gestor  X   Gestor  Y   Gestor  Z   Gestor  do   Foro  2   Gestor  do   Foro  3   Gestor  do  Foro   4   Gestor  do   Foro  1   CC   CC   Pacote  de  Despesas   de  Vendas   Pacote  de  Despesas   de  Viagens   Pacote  de  Despesas   de  Infraestutura   Gestores  de  en7dade   Responsáveis  pelas   despesas  que   ocorrem  em  seus   centros  de  custos.   Gestores  de  pacote:     Responsáveis  pelas   despesas  transversais   a  todo  o  tribunal     Controle  cruzado  
  • 35. |  35  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Comparação  das  en7dades  similares   Energia  Elétrica   Telefonia   Água  e  esgoto   Correios   Parâmetro  de   Eficiência   FAIXA PRETA alta produtividade e baixo congestionamento FAIXA PRETA alta produtividade e baixo congestionamento FAIXA PRETA alta produtividade e baixo congestionamento FAIXA VERDE alta produtividade e alto congestionamento FAIXA BRANCA baixa produtividade e alto congestionamento FAIXA VERDE alta produtividade e alto congestionamento FAIXA VERDE alta produtividade e alto congestionamento FAIXA BRANCA baixa produtividade e alto congestionamento FAIXA PRETA alta produtividade e baixo congestionamento FAIXA VERDE alta produtividade e alto congestionamento FAIXA VERDE alta produtividade e alto congestionamento FAIXA VERDE alta produtividade e alto congestionamento R$/m2   R$/servidor   R$/m2     R$/processo   Comarca  1   Comarca  2   Comarca  3   O  obje^vo  desta  análise  é  iden^ficar  os  centros  de  custos  dentro  de  um  grupo  que   geram  as  menores  despesas,  para  assim,  levantar  suas  boas  prá^cas  que  podem  ser   replicáveis  aos  demais  e  também  iden^ficar  os  problemas  que  ocasionaram  os  altos   valores  de  despesas.          
  • 36. |  36  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   PRINCÍPIO  2:  DESDOBRAMENTO  DOS  GASTOS  
  • 37. |  37  ©EloGroup|  Todos  os  direitos  reservados  2015   Desdobramento  de  gastos   Implica  que,  para  a  definição  das  metas,  todas  as  despesas  devem  ser   detalhadas  até  o  nível  de  Comarca     DESPESA  DE  ÁGUA  E  ESGOTO  (M2)  
  • 38. |  38  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Definição  de  metas  para  cada  comarca…   Nesta  sub  etapa  todas  as  en^dades  têm  suas  metas  definidas  de  acordo  com  o  seu   potencial  e  capacidade  de  economia,  é  a  ideia  de  metas  compavveis  com  o  potencial   de  ganho  de  cada  comarca.      
  • 39. |  39  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   PRINCÍPIO  3:  ACOMPANHAMENTO  SISTEMÁTICO  DAS  DESPESAS  
  • 40. |  40  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Acompanhamento  dos  resultados  gerados   O  úl^mo  princípio  do  método  aborda  a  estruturação  de  uma  equipe  mul7disciplinar   para  monitorar  os  resultados  do  trabalho.  Esta  equipe  tem  como  funções  a  análise   dados,  criação  e  validação  de  metas,  acompanhamento  da  evolução  dos  indicadores  e   cobrança  de  ações  corre^vas  junto  aos  gestores  de  pacotes  e  de  en^dades,  bem  como   divulgação  das  boas  prá^cas  para  toda  o  Tribunal.   Monitorar  desempenho,  riscos  e   conformidade   Realizar  análise  cri~ca   Executar  plano  de  ação   Despesas  mensais    (orçado  x  realizado)   Status  dos  planos  de  ação   (orçado  x  realizado)   Planos  de  correção   de  desvios   Ritual  de  gestão  orçamentária  
  • 41. |  41  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Reunião  de  análise  crí7ca  baseada  no  bole7m  da  despesa   O  Bole^m  da  Despesa  é  u^lizado  para  as  reuniões  de  análise  crí7ca.  Nesta  reunião,  é   avaliado  o  a^ngimento  da  meta  e,  em  casos  de  não  a^ngimento,  são  iden^ficadas  as   causas  e  as  ideias  para  solucioná-­‐las.  
  • 42. |  42  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Elaboração  do  plano  de  correção  de  desvios   Para   cada   ideia   priorizada   na   reunião   de   análise   crí^ca,   é   elaborado   um   Plano   de   Correção  de  Desvios,  com  responsáveis  e  prazos  para  implementação.  
  • 43. |  43  ©EloGroup|  Todos  os  direitos  reservados  2015   RESULTADOS  ALCANÇADOS   ATÉ  O  MOMENTO  
  • 44. |  44  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Resultados  do  Gerenciamento  Matricial  de  Despesas  -­‐  Água   A  metodologia  de  orçamento  ainda  está  em  fase  de  implantação  no  Tribunal  I,  mas  resultados   significa^vos   já   foram   notados   no   início   de   2015.   Durante   a   implantação   do   piloto   foram   monitorados  os  seguintes  pacotes  de  despesas:  água,  telefonia  e  correios,  nas  296  comarcas  do   Estado.   Redução: Fev-mar15 x Fev-mar14 20% Fev-­‐Mar/14   Fev-­‐Mar/15   R$  106  mil   Em fevereiro de 2015, o Tribunal alcançou economia de aproximadamente R$ 76 mil no consumo de água, o que representa redução de cerca de 20% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Em março de 2015, a economia foi de aproximadamente R$ 30 mil, sendo 15% inferior ao ano anterior.
  • 45. |  45  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Resultados  do  Gerenciamento  Matricial  de  Despesas  -­‐  Telefonia   O   acompanhamento   mensal   das   despesas   com   telefonia,   por   meio   da   análise   das   contas   telefônicas,  é  uma  ação  ro^neira  do  Departamento  de  despesas.  Além  disso,  o  setor  iden^fica   discrepâncias   nas   diversas   faturas   e   encaminha   relatórios   para   as   comarcas,   para   análise,   providências  e  ressarcimentos,  quando  necessário.   Redução: Fev-mar15 x Fev-mar14 18% Fev-­‐mar/14   Fev-­‐mar/15   R$  49  mil   Em fevereiro de 2015, o Tribunal alcançou economia de aproximadamente R$ 33 mil no consumo de telefone, o que representa redução de cerca de 18% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Em março de 2015, a economia foi de aproximadamente R$ 13 mil, sendo 11% inferior ao ano anterior.
  • 46. |  46  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Resultados  do  Gerenciamento  Matricial  de  Despesas  -­‐  Correios    Para  conter  as  despesas  com  serviços  postais,  a  coordenação  de  redução  de  despesas,  adotou,   no  primeiro  trimestre  de  2015,  diversas  ações,  entre  as  quais  se  destacam  o  acompanhamento   diário  das  postagens  e  contato  imediato  com  as  comarcas,  em  caso  de  irregularidades,  e  a   subs^tuição  do  serviço  de  remessa  de  correspondência  acima  de  500  gramas.     141  Comarcas  apresentaram  redução  em  suas  despesas  postais   1ºT 2015 1ºT 2014 A  economia  foi  de   aproximadamente   R$  205  mil   Redução: 1ºT15 x 1ºT14 14%
  • 47. |  47  ©EloGroup  |  Todos  os  direitos  reservados  2015   Resultados  do  Gerenciamento  Matricial  de  Despesas  –  Banco  de   boas  prá7cas   •  Novas  regras  de  u^lização  do  cartão  de  correios,  disponibilizadas  em  uma  car^lha,   especificando  quando  usar  cada  modalidade,  AR,  Malotes,  etc;   •  Emissão  de  senhas  individuais,  obje^vando  a  restrição  do  uso  indiscriminado  do   telefone;   •  Implementação  do  Sistema  de  Telefonia  VoIP,  que  permi^rá  aos  usuários  realizarem   ligações  telefônicas  por  meio  da  internet,  gerando  grande  economia  financeira     •  Celebração  de  novos  contratos  de  telefonia  fixa,  móvel  e  DDD,  com  tarifas   diferenciadas  em  relação  aos  valores  pra^cados  no  mercado   •  Iden^ficação  de  vazamentos  e  subs^tuição  de  torneiras;   •  Definição  de  um  programa  de  conscien^zação  do  uso  de  água  que  esta  sendo  feito   quase  que  “corpo  a  corpo”;   •  Instalação  de  sensores  de  presença,  para  redução  de  gastos  com  energia,  dentre   outros    
  • 48. www.elogroup.com.br   Obrigada!   Lays  Lobato   +55  31  9208-­‐5335   lays.lobato@elogroup.com.br