SlideShare uma empresa Scribd logo
  Junho	
  |	
  2014	
  
	
  
	
   1	
  
	
  
Boletim	
  Informativo	
  
Empresarial	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  2	
  
O	
  empresário	
  deve	
  
antecipar,	
  o	
  máximo	
  
possível,	
  os	
  riscos,	
  dentre	
  
os	
  quais	
  encontram-­‐se	
  os	
  	
  
LEGAIS	
  
	
  
PPD	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  3	
  
A	
  regularização	
  do	
  
pagamento	
  de	
  débitos	
  
tributados	
  e	
  não-­‐
tributados	
  inscritos	
  em	
  
Dívida	
  Ativa	
  em	
  SP	
  
Dano	
  Moral	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  4	
  
Aumenta	
  número	
  de	
  ações	
  
contra	
  empresas	
  que	
  
prejudicam	
  a	
  vida	
  pessoal	
  
do	
  funcionário	
  
A	
  Copa	
  e	
  as	
  alterações	
  e	
  adaptações	
  nas	
  
rotinas	
  de	
  trabalhos.	
  E	
  seus	
  impactos.	
  
A	
  despeito	
  de	
  toda	
  ânsia	
  e	
  torcida	
  para	
  assistir	
  aos	
  jogos	
  da	
  
Copa,	
  o	
  trabalho	
  continua	
  e	
  alterar	
  esta	
  rotina	
  pode	
  trazer	
  
consequências.	
  
1
A	
  Lei	
  no	
  12.663/2012	
  (“Lei	
  da	
  Copa”),	
  em	
  seu	
  
artigo	
  56,	
  determina	
  que	
  a	
  União	
  poderá	
  
declarar	
  feriados	
  nos	
  dias	
  em	
  que	
  houver	
  jogos	
  
da	
  Seleção	
  Brasileira,	
  sendo	
  certo	
  ainda,que,	
  
os	
  Estados,	
  o	
  Distrito	
  Federal	
  e	
  os	
  Municípios	
  
que	
  sediarão	
  o	
  evento	
  poderão	
  decretar	
  
feriado	
  ou	
  ponto	
  facultativo	
  nos	
  dias	
  de	
  
ocorrência	
  dos	
  jogos	
  nas	
  respectivas	
  
localidades.	
  
	
  
Até	
  o	
  momento	
  muitos	
  são	
  os	
  desencontros,	
  já	
  
que	
  os	
  Estados	
  divergem	
  sobre	
  a	
  decretação	
  
de	
  feriados	
  parciais	
  ou	
  não,	
  pontos	
  
facultativos,	
  jornadas	
  extendidas,	
  
compensação	
  de	
  horas,	
  e	
  assim	
  vai.	
  
	
  
Os	
  acordos	
  podem	
  partir	
  das	
  prerrogativas	
  e	
  
conveniência	
  	
  dos	
  empregadores,	
  ou	
  de	
  
acordos	
  coletivos,	
  ou	
  de	
  convenções	
  coletivas	
  
2
de	
  trabalho,	
  mas	
  o	
  fato	
  é	
  que,	
  se	
  as	
  atividades	
  
não	
  puderem	
  parar	
  há	
  que	
  se	
  pensar	
  em	
  um	
  
esquema	
  de	
  revezamento,	
  porque	
  a	
  rotina	
  de	
  
trabalho	
  de	
  todos	
  nós	
  já	
  está	
  bastante	
  afetada	
  
pelo	
  evento	
  em	
  si,	
  e	
  não	
  há,	
  na	
  legislação	
  
trabalhista,	
  nada	
  que	
  assegure	
  aos	
  
colaboradores	
  a	
  paralização	
  de	
  suas	
  atividades	
  
em	
  função	
  dos	
  jogos.	
  
Seja	
  qual	
  for	
  a	
  decisão,	
  o	
  fato	
  é	
  que	
  algumas	
  
ocorrências	
  destacam-­‐se	
  neste	
  tipo	
  de	
  evento,	
  
como:	
  
_	
  Abstenção	
  injustificada,	
  que	
  implica	
  no	
  
desconto	
  no	
  salário	
  além	
  da	
  perda	
  do	
  DSR;	
  
_	
  Apresentação	
  de	
  atestado	
  medico	
  falso,	
  que	
  
se	
  comprovada	
  fraude,	
  pode	
  levar	
  à	
  justa	
  
causa;	
  
Mas	
  há	
  também	
  o	
  outro	
  lado,	
  as	
  
manifestações	
  contrárias	
  às	
  alterações	
  e	
  
3
compensações	
  na	
  jornada	
  de	
  trabalho,	
  em	
  
especial	
  por	
  aqueles	
  que	
  não	
  acompanham	
  
práticas	
  desportivas.	
  
A	
  verdade	
  é	
  que	
  precisaremos	
  agradar	
  a	
  
gregos	
  e	
  troianos	
  afim	
  de	
  evitar	
  o	
  risco	
  da	
  
alegação	
  de	
  discriminação.	
  	
  
Neste	
  sentido,	
  o	
  mais	
  indicado	
  seria,	
  sempre	
  
que	
  possível,	
  manter	
  	
  algumas	
  opções	
  para	
  
todos	
  os	
  colaboradores,	
  de	
  maneira	
  que	
  
ninguém	
  saia	
  prejudicado	
  –	
  nem	
  empresa,	
  
nem	
  colaboradores.	
  
	
  
Como,	
  é	
  uma	
  decisão	
  que	
  compete	
  ao	
  
empregador,	
  mas	
  é	
  imprescindível	
  que,	
  
qualquer	
  que	
  seja,	
  a	
  decisão	
  deverá	
  ser	
  
tomada	
  antes	
  e	
  amplamente	
  divulgada	
  a	
  todos	
  
os	
  colaboradores.	
  
	
  
Boa	
  sorte,	
  Brasil!	
  
  Junho	
  |	
  2014	
  
	
  
	
  2	
  
Na	
  atual	
  conjuntura	
  econômica	
  o	
  crescimento	
  
de	
  uma	
  empresa,	
  ao	
  menos	
  no	
  que	
  se	
  refere	
  à	
  
sua	
  administração,	
  condiciona-­‐se	
  à	
  
observância	
  de	
  um	
  ideal:	
  PLANEJAMENTO.	
  O	
  
empresário	
  moderno	
  só	
  consegue	
  desenvolver	
  
sua	
  empresa	
  se	
  toma	
  suas	
  decisões	
  
antecipadamente	
  sobre	
  o	
  que	
  deve	
  ser	
  feito,	
  
ou	
  seja,	
  antecipa	
  os	
  riscos	
  para	
  equalizar	
  a	
  
melhor	
  decisão	
  a	
  ser	
  tomada.	
  
De	
  fato,	
  em	
  virtude	
  da	
  dinâmica	
  alcançada	
  
pela	
  globalização,	
  o	
  mercado	
  atual	
  não	
  perdoa	
  
os	
  empresários	
  que	
  não	
  anteveem	
  os	
  riscos	
  de	
  
sua	
  atividade	
  econômica	
  para	
  tomarem	
  as	
  
decisões	
  mais	
  adequadas	
  ao	
  desenvolvimento	
  
da	
  empresa.	
  
	
  
Essa	
  é	
  a	
  real	
  importância	
  da	
  Assessoria	
  
Jurídica:	
  auxiliar	
  na	
  antecipação	
  dos	
  riscos	
  e,	
  
por	
  via	
  de	
  consequência,	
  no	
  planejamento	
  
empresarial.	
  
O	
  modelo	
  econômico	
  adotado	
  pelo	
  Brasil,	
  
caracterizado	
  pelas	
  incontáveis	
  edições	
  de	
  leis	
  
que	
  “regulam”	
  a	
  iniciativa	
  privada,	
  repercute	
  
diretamente	
  na	
  esfera	
  pessoal	
  do	
  empresário	
  
que,	
  diariamente,	
  é	
  submetido	
  a	
  uma	
  nova	
  
obrigação	
  jurídica.	
  Leis	
  trabalhistas	
  (como	
  a	
  
recente	
  adoção	
  do	
  eSocial),	
  leis	
  tributárias	
  
(criação	
  e	
  majoração	
  de	
  tributos	
  e	
  de	
  
fiscalização	
  tributária	
  mais	
  rígida,	
  
parcelamentos,	
  SPED	
  Fiscal),	
  leis	
  
previdenciárias,	
  ambientais,	
  urbanísticas	
  e	
  
outras.	
  Cada	
  uma	
  delas	
  representa	
  acréscimo	
  
de	
  custos	
  para	
  a	
  empresa.	
  
Em	
  sendo	
  assim,	
  quando	
  o	
  empresário	
  faz	
  o	
  
cálculo	
  empresarial	
  (“definição	
  da	
  margem”),	
  
sopesando	
  o	
  preço	
  dos	
  insumos,	
  o	
  	
  
	
  
o	
  percentual	
  de	
  furto	
  e	
  a	
  perda	
  de	
  produtos,	
  
além	
  da	
  margem	
  de	
  lucro	
  esperada,	
  deve,	
  ainda,	
  
considerar	
  todas	
  as	
  obrigações	
  que	
  as	
  leis	
  lhe	
  
impõem,	
  sob	
  pena	
  de	
  comprometer	
  sua	
  
lucratividade	
  ou,	
  em	
  situações	
  mais	
  extremas,	
  
levá-­‐lo	
  à	
  falência.	
  	
  
	
  
Dentre	
  os	
  riscos	
  da	
  atividade	
  encontram-­‐se	
  os	
  
legais,	
  assim	
  entendidos	
  aqueles	
  que	
  podem	
  ser	
  
antevistos	
  pela	
  assessoria	
  jurídica	
  da	
  
empresa.	
  Esses	
  podem	
  advir	
  ou	
  não	
  de	
  
demandas	
  judiciais.	
  A	
  compreensão	
  da	
  frase	
  em	
  
destaque	
  é	
  crucial	
  para	
  o	
  entendimento	
  da	
  
grande	
  valia	
  de	
  uma	
  assessoria	
  jurídica	
  à	
  
empresa	
  e	
  para	
  a	
  constatação	
  da	
  vantagem	
  que	
  
as	
  empresas	
  assessoradas	
  têm	
  sobre	
  as	
  demais.	
  
Entendamos.	
  
A	
  cultura	
  jurídico	
  empresarial	
  brasileira	
  
encontra-­‐se	
  enraizada	
  em	
  patente	
  retrocesso.	
  Só	
  
se	
  procuram	
  advogados	
  após	
  ter	
  uma	
  demanda	
  
em	
  tramitação	
  no	
  Poder	
  Judiciário	
  (advocacia	
  
contenciosa).	
  O	
  que	
  impossibilita	
  a	
  antecipação	
  
dos	
  riscos.	
  Note-­‐se.	
  
Após	
  instaurada	
  uma	
  ação	
  judicial,	
  um	
  advogado	
  
tributarista	
  cobra,	
  em	
  média,	
  30%	
  do	
  valor	
  do	
  
auto	
  de	
  infração	
  para	
  fazer	
  uma	
  defesa	
  
tributária.	
  O	
  trabalhista,	
  por	
  sua	
  vez,	
  cobra	
  25%	
  
das	
  verbas	
  pleiteadas.	
  Esses	
  montantes,	
  
colocados	
  em	
  cifras,	
  giram	
  em	
  torno	
  dos	
  
milhões,	
  a	
  depender	
  do	
  valor	
  da	
  ação.	
  
Como	
  poderá	
  o	
  empresário	
  antever	
  quando	
  será	
  
demandado	
  na	
  Justiça?	
  Aliás,	
  quando	
  o	
  for,	
  
certamente,	
  não	
  conseguirá	
  se	
  planejar	
  para	
  
tanto.	
  
	
  
Caso	
  contasse	
  com	
  uma	
  assessoria	
  jurídica	
  já	
  
saberia,	
  de	
  antemão,	
  que	
  pagaria	
  o	
  valor	
  
mensal	
  pactuado	
  acrescido,	
  quando	
  muito,	
  de	
  
um	
  percentual	
  mínimo	
  em	
  caso	
  de	
  êxito.	
  	
  
O	
  contrato	
  de	
  assessoria	
  teria	
  funcionado,	
  
assim,	
  como	
  uma	
  espécie	
  de	
  contrato	
  de	
  
seguro,	
  podendo	
  o	
  empresário	
  antecipar	
  
mensalmente	
  os	
  custos	
  dessa	
  assessoria,	
  e	
  
não	
  sendo	
  obrigado	
  a	
  desembolsar	
  um	
  
montante	
  que	
  prejudicaria	
  o	
  capital	
  de	
  giro	
  de	
  
sua	
  empresa.	
  
	
  
Ainda	
  com	
  relação	
  às	
  demandas	
  judiciais,	
  os	
  
escritórios	
  de	
  advocacia	
  responsáveis	
  pela	
  
assessoria	
  elaboram,	
  ou	
  ao	
  menos	
  deveriam	
  
elaborar,	
  uma	
  planilha	
  com	
  todas	
  as	
  
demandas	
  ativas	
  em	
  que	
  seja	
  parte	
  a	
  
empresa,	
  constando	
  a	
  data	
  provável	
  do	
  
término	
  da	
  ação,	
  a	
  probabilidade	
  de	
  êxito	
  e	
  a	
  
antecipação	
  dos	
  gastos	
  com	
  a	
  demanda.	
  Tudo	
  
para	
  facilitar	
  o	
  PLANEJAMENTO	
  do	
  
empresário	
  para	
  arcar	
  com	
  eventuais	
  
condenações,	
  caso	
  irreversíveis.	
  
Pois	
  bem.	
  Essa	
  repetida	
  ideia	
  de	
  
PLANEJAMENTO	
  está	
  relacionada	
  a	
  outra,	
  
muito	
  importante:	
  a	
  de	
  SEGURANÇA	
  
JURÍDICA.	
  
	
  
A	
  assessoria	
  jurídica	
  aufere,	
  
indiscutivelmente,	
  maior	
  retorno	
  aos	
  negócios	
  
praticados	
  pela	
  empresa	
  de	
  forma	
  preventiva,	
  
fazendo	
  com	
  que	
  sejam	
  praticados	
  de	
  modo	
  a	
  
não	
  acarretar	
  penalidades	
  pelo	
  Poder	
  Público	
  
e	
  prejuízos	
  frente	
  a	
  terceiros.	
  	
  
Assessoria	
  
Jurídica.	
  
Por	
  que	
  
contratá-­‐la?	
  
O	
  empresário	
  moderno	
  só	
  
consegue	
  desenvolver	
  sua	
  
empresa	
  se	
  toma	
  suas	
  decisões	
  
antecipadamente	
  sobre	
  o	
  que	
  deve	
  
ser	
  feito.	
  	
  
Mas	
  para	
  isso	
  precisa	
  conhecer	
  os	
  
riscos	
  do	
  negócio.	
  
  Junho	
  |	
  2014	
  
	
  
	
   3	
  
	
  Programa	
  de	
  Parcelamento	
  de	
  
Débitos	
  (PPD)	
  
1
	
  Sancionada	
  medida	
  que	
  estabelece	
  um	
  Programa	
  de	
  
Parcelamento	
  de	
  Débitos	
  (PPD)	
  no	
  Estado	
  de	
  São	
  Paulo.	
  	
  
	
  
	
  
A	
  Lei	
  15.387,	
  publicada	
  no	
  Diário	
  Oficial,	
  permite	
  aos	
  
contribuintes	
  paulistas	
  regularizar	
  o	
  pagamento	
  de	
  débitos	
  
tributários	
  e	
  não-­‐tributários	
  inscritos	
  em	
  Dívida	
  Ativa	
  de	
  maneira	
  
similar	
  ao	
  que	
  foi	
  realizado	
  por	
  meio	
  Programa	
  Especial	
  de	
  
Parcelamento	
  do	
  ICMS	
  (PEP)	
  no	
  ano	
  passado.	
  
	
  
O	
  PPD	
  prevê	
  a	
  redução	
  dos	
  valores	
  dos	
  juros	
  e	
  das	
  multas	
  para	
  a	
  
quitação	
  de	
  débitos	
  de	
  Imposto	
  sobre	
  Propriedade	
  de	
  Veículos	
  
Automotores	
  (IPVA),	
  Imposto	
  sobre	
  a	
  Transmissão	
  “Causa	
  
Mortis”	
  e	
  Doação	
  de	
  Quaisquer	
  Bens	
  e	
  Direitos	
  (ITCMD),	
  taxas	
  de	
  
qualquer	
  espécie	
  e	
  origem,	
  taxa	
  judiciária,	
  multas	
  administrativas	
  
de	
  natureza	
  não-­‐tributária,	
  multas	
  contratuais,	
  multas	
  penais,	
  
reposição	
  de	
  vencimentos	
  de	
  servidores	
  de	
  qualquer	
  categoria	
  
funcional	
  e	
  	
  ressarcimentos	
  ou	
  restituições.	
  
	
  
Poderão	
  ser	
  inscritos	
  no	
  âmbito	
  do	
  PPD	
  débitos	
  tributários	
  
decorrentes	
  de	
  fatos	
  geradores	
  ocorridos	
  até	
  30	
  de	
  novembro	
  de	
  
2013	
  e	
  não-­‐tributários	
  vencidos	
  até	
  30	
  de	
  novembro	
  de	
  2013.	
  
2
O	
  contribuinte	
  que	
  aderir	
  ao	
  programa	
  poderá	
  recolher	
  seus	
  
débitos	
  com	
  redução	
  das	
  multas	
  e	
  juros	
  em	
  uma	
  única	
  vez,	
  
à	
  vista,	
  ou	
  em	
  até	
  24	
  parcelas,	
  com	
  acréscimo	
  financeiro	
  de	
  
0,64%	
  ao	
  mês.	
  A	
  nova	
  lei	
  permite	
  ao	
  contribuinte	
  incluir	
  no	
  
programa	
  o	
  saldo	
  de	
  parcelamento	
  anterior	
  rompido	
  ou	
  o	
  
saldo	
  de	
  parcelamento	
  em	
  andamento.	
  	
  
	
  
A	
  lei	
  sancionada	
  pelo	
  governador	
  Alckmin	
  prevê	
  que,	
  no	
  
caso	
  do	
  pagamento	
  parcelado,	
  o	
  valor	
  de	
  cada	
  parcela	
  não	
  
poderá	
  ser	
  inferior	
  R$	
  200,00	
  para	
  pessoas	
  físicas	
  e	
  R$	
  
500,00	
  para	
  pessoas	
  jurídicas.	
  No	
  caso	
  do	
  pagamento	
  de	
  
débitos	
  de	
  IPVA,	
  o	
  Poder	
  Executivo	
  estabelecerá	
  disciplina	
  
específica	
  sobre	
  a	
  transferência	
  dos	
  valores	
  arrecadados	
  
para	
  as	
  administrações	
  municipais,	
  uma	
  vez	
  que	
  a	
  receita	
  
desse	
  imposto	
  é	
  repartida	
  50%	
  para	
  o	
  Estado	
  e	
  50%	
  para	
  o	
  
município	
  de	
  registro	
  do	
  veículo.	
  
	
  
O	
  PPD	
  ainda	
  depende	
  de	
  regulamentação	
  que	
  será	
  realizada	
  
por	
  meio	
  da	
  edição	
  de	
  decreto,	
  que	
  definirá	
  a	
  forma	
  e	
  os	
  
prazos	
  para	
  adesão	
  ao	
  programa.	
  
	
  
  Junho	
  |	
  2014	
  
	
  
	
  4	
  
	
  
	
  
	
  
Dano	
  existencial:	
  um	
  tipo	
  de	
  dano	
  moral	
  que	
  
ocorre	
  quando	
  a	
  empresa	
  fere	
  a	
  dignidade	
  do	
  
trabalhador	
  ou	
  o	
  trabalho	
  tem	
  impacto	
  
negativo	
  sobre	
  seu	
  projeto	
  de	
  vida.	
  Como	
  
consequência,	
  o	
  empregado	
  deixa	
  de	
  se	
  
relacionar	
  e	
  de	
  conviver	
  com	
  familiares	
  e	
  
amigos,	
  seja	
  por	
  meio	
  de	
  atividades	
  
recreativas,	
  afetivas,	
  culturais,	
  sociais	
  e	
  de	
  
descanso.	
  Mais,	
  o	
  trabalhador	
  pode	
  também	
  
ser	
  impedido	
  de	
  executar	
  e	
  prosseguir	
  seus	
  
projetos	
  de	
  vida,	
  que	
  levam	
  à	
  realização	
  	
  
pessoal	
  e	
  profissional.	
  
	
  
Exemplo?	
  
O	
  TST	
  condenou	
  um	
  grande	
  varejista	
  a	
  pagar	
  
indenização	
  por	
  dano	
  moral	
  e	
  existencial	
  no	
  
valor	
  de	
  R$	
  8,5	
  mil	
  a	
  um	
  empregado	
  que	
  fez	
  
horas	
  extras	
  além	
  do	
  permitido	
  por	
  lei.	
  O	
  
funcionário	
  trabalhava	
  13	
  horas	
  por	
  dia	
  
durante	
  todo	
  o	
  tempo	
  no	
  qual	
  foi	
  registrado	
  
na	
  empresa.	
  O	
  TST	
  também	
  negou	
  recurso	
  à	
  
uma	
  associação	
  de	
  Mato	
  Grosso	
  do	
  Sul	
  e	
  
manteve	
  a	
  indenização	
  por	
  dano	
  existencial	
  de	
  
R$	
  25	
  mil	
  a	
  uma	
  economista	
  que	
  ficou	
  nove	
  
anos	
  sem	
  férias.	
  
	
  
	
  
Em	
  um	
  levantamento	
  já	
  feito,	
  o	
  TRT	
  da	
  4ª	
  	
  
Região,	
  no	
  RS,	
  teve	
  80	
  decisões	
  sobre	
  o	
  tema	
  
em	
  2013,	
  e	
  15	
  este	
  ano.	
  	
  
Em	
  outros	
  tribunais,	
  as	
  decisões	
  sobre	
  o	
  
assunto	
  ainda	
  não	
  ganharam	
  relevância.	
  
	
  
Mesmo	
  conhecendo	
  estes	
  dados,	
  esse	
  tipo	
  de	
  
dano	
  moral	
  não	
  está	
  previsto	
  com	
  clareza	
  na	
  
legislação,	
  e	
  depende	
  da	
  interpretação	
  de	
  
determinadas	
  normas	
  jurídicas,	
  além	
  	
  de	
  
provas	
  robustas	
  e	
  registro	
  da	
  prática	
  por	
  
longos	
  períodos	
  para	
  se	
  pensar	
  em	
  ganhar	
  este	
  
tipo	
  de	
  ação.	
  
O	
  fato	
  é	
  que	
  o	
  número	
  de	
  ações	
  vêm	
  
aumentando,	
  e	
  não	
  com	
  o	
  objetivo	
  de	
  punir,	
  
mas	
  de	
  alertar	
  as	
  empresas	
  que,	
  negligenciar	
  o	
  
ser	
  humano	
  que	
  existe	
  além	
  do	
  trabalhador	
  
traz	
  inúmeras	
  consequências,	
  físicas	
  e	
  
emocionais,	
  que	
  afetam	
  a	
  vida	
  como	
  um	
  todo.	
  
Tanto	
  do	
  empregado	
  como	
  do	
  empregador.	
  
	
  
O	
  cenário	
  do	
  mercado	
  de	
  trabalho	
  atual	
  é	
  mais	
  
que	
  propício	
  para	
  que	
  ações	
  deste	
  tipo	
  
comecem	
  a	
  se	
  multiplicar	
  de	
  maneira	
  muito	
  
mais	
  rápida.	
  
De	
  um	
  lado	
  a	
  tecnologia	
  colabora	
  para	
  uma	
  
jornada	
  de	
  trabalho	
  mais	
  extensa,	
  com	
  
ligações	
  e	
  conexões	
  a	
  qualquer	
  hora	
  e	
  em	
  
qualquer	
  lugar,	
  De	
  outro,	
  a	
  pressão	
  por	
  
resultados	
  que	
  parte	
  dos	
  acionistas,	
  acabam	
  
resultando	
  na	
  redução	
  do	
  quadro	
  de	
  
funcionários,	
  maior	
  carga	
  de	
  trabalho	
  e	
  
sobreposição	
  de	
  funções…	
  
	
  
	
  
Mas…	
  Não	
  é	
  apenas	
  nestes	
  pontos	
  que	
  os	
  
problemas	
  residem.	
  Em	
  alguns	
  setores,	
  como	
  o	
  
Varejo,	
  é	
  praxe	
  pedir	
  horas	
  extras	
  por	
  longos	
  
períodos	
  para	
  funcionários	
  que	
  ganahm	
  pouco	
  
mais	
  de	
  2	
  salários	
  mínimos	
  e	
  são	
  registrados	
  
como	
  supervisores	
  de	
  setor	
  para	
  que	
  a	
  jornada	
  
extensa	
  possa	
  ser	
  exigida	
  –	
  e	
  justificada.	
  
	
  
E	
  é	
  aí	
  que	
  começam	
  os	
  diversos	
  problemas.	
  	
  
O	
  funcionário	
  aceita	
  as	
  condições	
  de	
  trabalho	
  
em	
  função	
  da	
  relação	
  de	
  poder	
  existente	
  ,	
  a	
  
partir	
  daí,	
  qualquer	
  mudança	
  para	
  as	
  
condições	
  previstas	
  em	
  lei	
  poderá	
  fazê-­‐lo	
  
sentir-­‐se	
  constrangido,	
  e	
  com	
  a	
  repetição	
  do	
  	
  
ciclo	
  por	
  longos	
  períodos,	
  desenvolvem-­‐se	
  as	
  
condição	
  que	
  caracterizam	
  o	
  dolo	
  e	
  geram	
  a	
  
indenização.	
  
Fique	
  atento!	
  
“Duas	
  decisões	
  	
  do	
  Tribunal	
  
Superior	
  do	
  Trabalho	
  
incentivaram	
  decisões	
  
relacionadas	
  à	
  ações	
  que	
  buscam	
  
indenização	
  por	
  dano	
  existencial	
  
na	
  Justiça,	
  um	
  tipo	
  de	
  dano	
  moral	
  
que	
  ocorre	
  quando	
  a	
  empresa	
  fere	
  
a	
  dignidade	
  do	
  trabalhador	
  ou	
  o	
  
trabalho	
  tem	
  impacto	
  negativo	
  
sobre	
  seu	
  projeto	
  de	
  vida.	
  ”	
  
Vida	
  pessoal	
  x	
  condições	
  de	
  trabalho.	
  
Crescem	
  as	
  ações	
  contra	
  empresas	
  que	
  negligenciam	
  o	
  ser	
  humano	
  
Dano	
  Existencial	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aporte de Capital - Capital de Risco
Aporte de Capital - Capital de RiscoAporte de Capital - Capital de Risco
Aporte de Capital - Capital de Risco
MARCOS ANTONIO SILVA
 
Representantes
RepresentantesRepresentantes
Representantes
InformaGroup
 
INSTITUTOS TRABALHISTA PARA ATENUAR A CRISE - CORONAVÍRUS - BRACKS ADVOGADOS
INSTITUTOS TRABALHISTA PARA ATENUAR A CRISE - CORONAVÍRUS - BRACKS ADVOGADOSINSTITUTOS TRABALHISTA PARA ATENUAR A CRISE - CORONAVÍRUS - BRACKS ADVOGADOS
INSTITUTOS TRABALHISTA PARA ATENUAR A CRISE - CORONAVÍRUS - BRACKS ADVOGADOS
carolinamcsilveira
 
Legislacao tributaria comercial aula 12
Legislacao tributaria comercial    aula 12Legislacao tributaria comercial    aula 12
Legislacao tributaria comercial aula 12
custos contabil
 
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevençãoReforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
Universidade Corporativa do Transporte
 
Mb sociedade em conta de participação
Mb sociedade em conta de participaçãoMb sociedade em conta de participação
Mb sociedade em conta de participação
Liong Khoe
 
Contribuições Previdenciárias: Pontos Controversos
Contribuições Previdenciárias: Pontos Controversos Contribuições Previdenciárias: Pontos Controversos
Contribuições Previdenciárias: Pontos Controversos
Sacha Calmon Misabel Derzi - Consultores e Advogados
 
Por quanto tempo meu nome pode ficar negativado
Por quanto tempo meu nome  pode ficar negativadoPor quanto tempo meu nome  pode ficar negativado
Por quanto tempo meu nome pode ficar negativado
Leonardo Costa
 
Direito empresarial aula 3 teoria geral das sociedades classificações
Direito empresarial aula 3  teoria geral das sociedades classificaçõesDireito empresarial aula 3  teoria geral das sociedades classificações
Direito empresarial aula 3 teoria geral das sociedades classificações
Fabrício jonathas
 
Mega aula-estatuto
Mega aula-estatutoMega aula-estatuto
Mega aula-estatuto
Tiago Zanolla
 
SOCIEDADE DE PROPOSITO ESPECIFICO-SPR & SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO-SCP
SOCIEDADE DE PROPOSITO ESPECIFICO-SPR & SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO-SCPSOCIEDADE DE PROPOSITO ESPECIFICO-SPR & SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO-SCP
SOCIEDADE DE PROPOSITO ESPECIFICO-SPR & SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO-SCP
Fatima Garcia
 
Contrato Sociadade Em Conta De Participacao
Contrato Sociadade Em Conta De ParticipacaoContrato Sociadade Em Conta De Participacao
Contrato Sociadade Em Conta De Participacao
Rodolfo Rodrigo Acosta
 
Spe enafit iii
Spe enafit iiiSpe enafit iii
Spe enafit iii
Ronaldslides
 
Tipos Jurídicos de Sociedades
Tipos Jurídicos de SociedadesTipos Jurídicos de Sociedades
Tipos Jurídicos de Sociedades
Mari Lopes
 
Abertura empresa
Abertura empresaAbertura empresa
Abertura empresa
Paulo Ramos
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
Wandick Rocha de Aquino
 
Uma Visão Jurídica sobre Megaeventos Esportivos
Uma Visão Jurídica sobre Megaeventos EsportivosUma Visão Jurídica sobre Megaeventos Esportivos
Uma Visão Jurídica sobre Megaeventos Esportivos
Dannielle Maciel
 
CLT esquematizada - parte 01
CLT esquematizada - parte 01CLT esquematizada - parte 01
CLT esquematizada - parte 01
Prof. Antonio Daud Jr
 
Dia - Reforma trabalhista 02 B - Direito Individual - Responsabilidade trabal...
Dia - Reforma trabalhista 02 B - Direito Individual - Responsabilidade trabal...Dia - Reforma trabalhista 02 B - Direito Individual - Responsabilidade trabal...
Dia - Reforma trabalhista 02 B - Direito Individual - Responsabilidade trabal...
Gaudio de Paula
 

Mais procurados (19)

Aporte de Capital - Capital de Risco
Aporte de Capital - Capital de RiscoAporte de Capital - Capital de Risco
Aporte de Capital - Capital de Risco
 
Representantes
RepresentantesRepresentantes
Representantes
 
INSTITUTOS TRABALHISTA PARA ATENUAR A CRISE - CORONAVÍRUS - BRACKS ADVOGADOS
INSTITUTOS TRABALHISTA PARA ATENUAR A CRISE - CORONAVÍRUS - BRACKS ADVOGADOSINSTITUTOS TRABALHISTA PARA ATENUAR A CRISE - CORONAVÍRUS - BRACKS ADVOGADOS
INSTITUTOS TRABALHISTA PARA ATENUAR A CRISE - CORONAVÍRUS - BRACKS ADVOGADOS
 
Legislacao tributaria comercial aula 12
Legislacao tributaria comercial    aula 12Legislacao tributaria comercial    aula 12
Legislacao tributaria comercial aula 12
 
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevençãoReforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
Reforma Trabalhista: principais mudanças e necessidades de prevenção
 
Mb sociedade em conta de participação
Mb sociedade em conta de participaçãoMb sociedade em conta de participação
Mb sociedade em conta de participação
 
Contribuições Previdenciárias: Pontos Controversos
Contribuições Previdenciárias: Pontos Controversos Contribuições Previdenciárias: Pontos Controversos
Contribuições Previdenciárias: Pontos Controversos
 
Por quanto tempo meu nome pode ficar negativado
Por quanto tempo meu nome  pode ficar negativadoPor quanto tempo meu nome  pode ficar negativado
Por quanto tempo meu nome pode ficar negativado
 
Direito empresarial aula 3 teoria geral das sociedades classificações
Direito empresarial aula 3  teoria geral das sociedades classificaçõesDireito empresarial aula 3  teoria geral das sociedades classificações
Direito empresarial aula 3 teoria geral das sociedades classificações
 
Mega aula-estatuto
Mega aula-estatutoMega aula-estatuto
Mega aula-estatuto
 
SOCIEDADE DE PROPOSITO ESPECIFICO-SPR & SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO-SCP
SOCIEDADE DE PROPOSITO ESPECIFICO-SPR & SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO-SCPSOCIEDADE DE PROPOSITO ESPECIFICO-SPR & SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO-SCP
SOCIEDADE DE PROPOSITO ESPECIFICO-SPR & SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO-SCP
 
Contrato Sociadade Em Conta De Participacao
Contrato Sociadade Em Conta De ParticipacaoContrato Sociadade Em Conta De Participacao
Contrato Sociadade Em Conta De Participacao
 
Spe enafit iii
Spe enafit iiiSpe enafit iii
Spe enafit iii
 
Tipos Jurídicos de Sociedades
Tipos Jurídicos de SociedadesTipos Jurídicos de Sociedades
Tipos Jurídicos de Sociedades
 
Abertura empresa
Abertura empresaAbertura empresa
Abertura empresa
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
 
Uma Visão Jurídica sobre Megaeventos Esportivos
Uma Visão Jurídica sobre Megaeventos EsportivosUma Visão Jurídica sobre Megaeventos Esportivos
Uma Visão Jurídica sobre Megaeventos Esportivos
 
CLT esquematizada - parte 01
CLT esquematizada - parte 01CLT esquematizada - parte 01
CLT esquematizada - parte 01
 
Dia - Reforma trabalhista 02 B - Direito Individual - Responsabilidade trabal...
Dia - Reforma trabalhista 02 B - Direito Individual - Responsabilidade trabal...Dia - Reforma trabalhista 02 B - Direito Individual - Responsabilidade trabal...
Dia - Reforma trabalhista 02 B - Direito Individual - Responsabilidade trabal...
 

Semelhante a Boletim informativo jun14

Artigo diagnóstico trabalhista previdenciário recuperação
Artigo diagnóstico trabalhista  previdenciário   recuperaçãoArtigo diagnóstico trabalhista  previdenciário   recuperação
Artigo diagnóstico trabalhista previdenciário recuperação
Prof Hamilton Marin
 
A globalização e o papel do setor jurídico
A globalização e o papel do setor jurídicoA globalização e o papel do setor jurídico
A globalização e o papel do setor jurídico
Roberto Goldstajn
 
Artigo 07
Artigo 07Artigo 07
Artigo 07
Montacon
 
RI 161 - Os impactos de uma boa gestão jurídica nos negócios
RI 161 - Os impactos de uma boa gestão jurídica nos negóciosRI 161 - Os impactos de uma boa gestão jurídica nos negócios
RI 161 - Os impactos de uma boa gestão jurídica nos negócios
Roberto Goldstajn
 
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Editora Roncarati
 
Mei microempreendedor individual
Mei   microempreendedor individualMei   microempreendedor individual
Mei microempreendedor individual
Diego Alexandre da Silva
 
Desafio parte um (1) em andamento
Desafio parte um (1) em   andamentoDesafio parte um (1) em   andamento
Desafio parte um (1) em andamento
Tamires Moreira
 
Bachega sociedade de advogados
Bachega sociedade de advogadosBachega sociedade de advogados
Bachega sociedade de advogados
Bachega Sociedade de Advogados
 
Planos e Pacotes Jurídicos Cardoso Siqueira Linhares Advogados
Planos e Pacotes Jurídicos Cardoso Siqueira Linhares AdvogadosPlanos e Pacotes Jurídicos Cardoso Siqueira Linhares Advogados
Planos e Pacotes Jurídicos Cardoso Siqueira Linhares Advogados
Ivan Siqueira
 
Direito trabalhista
Direito trabalhistaDireito trabalhista
Direito trabalhista
profissional liberal
 
Aula 3 – teoria geral do direito empresarial
Aula 3 – teoria geral do direito empresarialAula 3 – teoria geral do direito empresarial
Aula 3 – teoria geral do direito empresarial
Sidney Rego
 
Diferença entre RECURSOS HUMANOS & DP.pptx
Diferença entre RECURSOS HUMANOS & DP.pptxDiferença entre RECURSOS HUMANOS & DP.pptx
Diferença entre RECURSOS HUMANOS & DP.pptx
Guilherme354900
 
Aspectos jurídicos na abertura de empresas
Aspectos jurídicos na abertura de empresasAspectos jurídicos na abertura de empresas
Aspectos jurídicos na abertura de empresas
Marcio Hilgemberg
 
Escritório via mar e social
Escritório via mar   e socialEscritório via mar   e social
Escritório via mar e social
Marcio Pastor
 
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
Vanessa Ferras
 
banco de horas clt.pdf
banco de horas clt.pdfbanco de horas clt.pdf
banco de horas clt.pdf
Caroline Augusta
 
Regulamento Interno e Plano de Participação nos Lucros e Resultados - Crie re...
Regulamento Interno e Plano de Participação nos Lucros e Resultados - Crie re...Regulamento Interno e Plano de Participação nos Lucros e Resultados - Crie re...
Regulamento Interno e Plano de Participação nos Lucros e Resultados - Crie re...
Cra-es Conselho
 
Classificação e administraçao das empresas e outros temas relacionados
Classificação e administraçao das empresas e outros temas relacionadosClassificação e administraçao das empresas e outros temas relacionados
Classificação e administraçao das empresas e outros temas relacionados
R Gómez
 
Guia para o novo empresário
Guia para o novo empresárioGuia para o novo empresário
Guia para o novo empresário
razonetecontabil
 
Montarempresa
MontarempresaMontarempresa
Montarempresa
Penttágono
 

Semelhante a Boletim informativo jun14 (20)

Artigo diagnóstico trabalhista previdenciário recuperação
Artigo diagnóstico trabalhista  previdenciário   recuperaçãoArtigo diagnóstico trabalhista  previdenciário   recuperação
Artigo diagnóstico trabalhista previdenciário recuperação
 
A globalização e o papel do setor jurídico
A globalização e o papel do setor jurídicoA globalização e o papel do setor jurídico
A globalização e o papel do setor jurídico
 
Artigo 07
Artigo 07Artigo 07
Artigo 07
 
RI 161 - Os impactos de uma boa gestão jurídica nos negócios
RI 161 - Os impactos de uma boa gestão jurídica nos negóciosRI 161 - Os impactos de uma boa gestão jurídica nos negócios
RI 161 - Os impactos de uma boa gestão jurídica nos negócios
 
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
Revista Opinião.Seg - Edição 2 - Dez. de 2009
 
Mei microempreendedor individual
Mei   microempreendedor individualMei   microempreendedor individual
Mei microempreendedor individual
 
Desafio parte um (1) em andamento
Desafio parte um (1) em   andamentoDesafio parte um (1) em   andamento
Desafio parte um (1) em andamento
 
Bachega sociedade de advogados
Bachega sociedade de advogadosBachega sociedade de advogados
Bachega sociedade de advogados
 
Planos e Pacotes Jurídicos Cardoso Siqueira Linhares Advogados
Planos e Pacotes Jurídicos Cardoso Siqueira Linhares AdvogadosPlanos e Pacotes Jurídicos Cardoso Siqueira Linhares Advogados
Planos e Pacotes Jurídicos Cardoso Siqueira Linhares Advogados
 
Direito trabalhista
Direito trabalhistaDireito trabalhista
Direito trabalhista
 
Aula 3 – teoria geral do direito empresarial
Aula 3 – teoria geral do direito empresarialAula 3 – teoria geral do direito empresarial
Aula 3 – teoria geral do direito empresarial
 
Diferença entre RECURSOS HUMANOS & DP.pptx
Diferença entre RECURSOS HUMANOS & DP.pptxDiferença entre RECURSOS HUMANOS & DP.pptx
Diferença entre RECURSOS HUMANOS & DP.pptx
 
Aspectos jurídicos na abertura de empresas
Aspectos jurídicos na abertura de empresasAspectos jurídicos na abertura de empresas
Aspectos jurídicos na abertura de empresas
 
Escritório via mar e social
Escritório via mar   e socialEscritório via mar   e social
Escritório via mar e social
 
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
O planejamento tributário e a rentabilidade para empresas movimentadas pelo l...
 
banco de horas clt.pdf
banco de horas clt.pdfbanco de horas clt.pdf
banco de horas clt.pdf
 
Regulamento Interno e Plano de Participação nos Lucros e Resultados - Crie re...
Regulamento Interno e Plano de Participação nos Lucros e Resultados - Crie re...Regulamento Interno e Plano de Participação nos Lucros e Resultados - Crie re...
Regulamento Interno e Plano de Participação nos Lucros e Resultados - Crie re...
 
Classificação e administraçao das empresas e outros temas relacionados
Classificação e administraçao das empresas e outros temas relacionadosClassificação e administraçao das empresas e outros temas relacionados
Classificação e administraçao das empresas e outros temas relacionados
 
Guia para o novo empresário
Guia para o novo empresárioGuia para o novo empresário
Guia para o novo empresário
 
Montarempresa
MontarempresaMontarempresa
Montarempresa
 

Mais de Priscila Novacek Biagini

Boletim informativo | Fevereiro 2015
Boletim informativo | Fevereiro 2015Boletim informativo | Fevereiro 2015
Boletim informativo | Fevereiro 2015
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Dez | 2014
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Dez | 2014Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Dez | 2014
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Dez | 2014
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Novembro 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Novembro 2014Boletim informativo | Biagini Advogados _ Novembro 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Novembro 2014
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim Informativo Biagini Advogados | Out14
Boletim Informativo Biagini Advogados | Out14Boletim Informativo Biagini Advogados | Out14
Boletim Informativo Biagini Advogados | Out14
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim informativo set14
Boletim informativo set14Boletim informativo set14
Boletim informativo set14
Priscila Novacek Biagini
 
Biagini Advogados Boletim Informativo | Ago14
Biagini Advogados Boletim Informativo | Ago14Biagini Advogados Boletim Informativo | Ago14
Biagini Advogados Boletim Informativo | Ago14
Priscila Novacek Biagini
 
Biagini Advogados _ Presentation
Biagini Advogados _ PresentationBiagini Advogados _ Presentation
Biagini Advogados _ Presentation
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim Informativo | Biagini Advogados _ março|2014
Boletim Informativo | Biagini Advogados _ março|2014Boletim Informativo | Biagini Advogados _ março|2014
Boletim Informativo | Biagini Advogados _ março|2014
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim biagini fevereiro|2014
Boletim biagini   fevereiro|2014Boletim biagini   fevereiro|2014
Boletim biagini fevereiro|2014
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim biagini janeiro|2014
Boletim biagini   janeiro|2014Boletim biagini   janeiro|2014
Boletim biagini janeiro|2014
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim Informativo _ Biagini Advogados_Janeiro|2014
Boletim Informativo _ Biagini Advogados_Janeiro|2014Boletim Informativo _ Biagini Advogados_Janeiro|2014
Boletim Informativo _ Biagini Advogados_Janeiro|2014
Priscila Novacek Biagini
 
Manual de Rotinas trabalhistas_2014
Manual de Rotinas trabalhistas_2014Manual de Rotinas trabalhistas_2014
Manual de Rotinas trabalhistas_2014
Priscila Novacek Biagini
 
Rotinas trabalhistas 2014
Rotinas trabalhistas 2014Rotinas trabalhistas 2014
Rotinas trabalhistas 2014
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim Biagini _ Dez13
Boletim Biagini _ Dez13Boletim Biagini _ Dez13
Boletim Biagini _ Dez13
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim Informativo Biagini Advogados | Nov13
Boletim Informativo Biagini Advogados | Nov13Boletim Informativo Biagini Advogados | Nov13
Boletim Informativo Biagini Advogados | Nov13
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Novembro/13
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Novembro/13Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Novembro/13
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Novembro/13
Priscila Novacek Biagini
 
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Out13
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Out13Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Out13
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Out13
Priscila Novacek Biagini
 

Mais de Priscila Novacek Biagini (20)

Boletim informativo | Fevereiro 2015
Boletim informativo | Fevereiro 2015Boletim informativo | Fevereiro 2015
Boletim informativo | Fevereiro 2015
 
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
Boletim informativo | Biagini Advogados | Janeiro 2015
 
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Dez | 2014
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Dez | 2014Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Dez | 2014
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Dez | 2014
 
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Novembro 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Novembro 2014Boletim informativo | Biagini Advogados _ Novembro 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Novembro 2014
 
Boletim Informativo Biagini Advogados | Out14
Boletim Informativo Biagini Advogados | Out14Boletim Informativo Biagini Advogados | Out14
Boletim Informativo Biagini Advogados | Out14
 
Boletim informativo set14
Boletim informativo set14Boletim informativo set14
Boletim informativo set14
 
Biagini Advogados Boletim Informativo | Ago14
Biagini Advogados Boletim Informativo | Ago14Biagini Advogados Boletim Informativo | Ago14
Biagini Advogados Boletim Informativo | Ago14
 
Biagini Advogados _ Presentation
Biagini Advogados _ PresentationBiagini Advogados _ Presentation
Biagini Advogados _ Presentation
 
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
Boletim informativo | Biagini Advogados _ Maio 2014
 
Boletim Informativo | Biagini Advogados _ março|2014
Boletim Informativo | Biagini Advogados _ março|2014Boletim Informativo | Biagini Advogados _ março|2014
Boletim Informativo | Biagini Advogados _ março|2014
 
Boletim biagini fevereiro|2014
Boletim biagini   fevereiro|2014Boletim biagini   fevereiro|2014
Boletim biagini fevereiro|2014
 
Boletim biagini janeiro|2014
Boletim biagini   janeiro|2014Boletim biagini   janeiro|2014
Boletim biagini janeiro|2014
 
Boletim Informativo _ Biagini Advogados_Janeiro|2014
Boletim Informativo _ Biagini Advogados_Janeiro|2014Boletim Informativo _ Biagini Advogados_Janeiro|2014
Boletim Informativo _ Biagini Advogados_Janeiro|2014
 
Manual de Rotinas trabalhistas_2014
Manual de Rotinas trabalhistas_2014Manual de Rotinas trabalhistas_2014
Manual de Rotinas trabalhistas_2014
 
Rotinas trabalhistas 2014
Rotinas trabalhistas 2014Rotinas trabalhistas 2014
Rotinas trabalhistas 2014
 
Feliz 2014!
Feliz 2014!Feliz 2014!
Feliz 2014!
 
Boletim Biagini _ Dez13
Boletim Biagini _ Dez13Boletim Biagini _ Dez13
Boletim Biagini _ Dez13
 
Boletim Informativo Biagini Advogados | Nov13
Boletim Informativo Biagini Advogados | Nov13Boletim Informativo Biagini Advogados | Nov13
Boletim Informativo Biagini Advogados | Nov13
 
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Novembro/13
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Novembro/13Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Novembro/13
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Novembro/13
 
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Out13
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Out13Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Out13
Boletim Informativo _ Biagini Advogados _ Out13
 

Boletim informativo jun14

  • 1.   Junho  |  2014       1     Boletim  Informativo   Empresarial              2   O  empresário  deve   antecipar,  o  máximo   possível,  os  riscos,  dentre   os  quais  encontram-­‐se  os     LEGAIS     PPD                                          3   A  regularização  do   pagamento  de  débitos   tributados  e  não-­‐ tributados  inscritos  em   Dívida  Ativa  em  SP   Dano  Moral              4   Aumenta  número  de  ações   contra  empresas  que   prejudicam  a  vida  pessoal   do  funcionário   A  Copa  e  as  alterações  e  adaptações  nas   rotinas  de  trabalhos.  E  seus  impactos.   A  despeito  de  toda  ânsia  e  torcida  para  assistir  aos  jogos  da   Copa,  o  trabalho  continua  e  alterar  esta  rotina  pode  trazer   consequências.   1 A  Lei  no  12.663/2012  (“Lei  da  Copa”),  em  seu   artigo  56,  determina  que  a  União  poderá   declarar  feriados  nos  dias  em  que  houver  jogos   da  Seleção  Brasileira,  sendo  certo  ainda,que,   os  Estados,  o  Distrito  Federal  e  os  Municípios   que  sediarão  o  evento  poderão  decretar   feriado  ou  ponto  facultativo  nos  dias  de   ocorrência  dos  jogos  nas  respectivas   localidades.     Até  o  momento  muitos  são  os  desencontros,  já   que  os  Estados  divergem  sobre  a  decretação   de  feriados  parciais  ou  não,  pontos   facultativos,  jornadas  extendidas,   compensação  de  horas,  e  assim  vai.     Os  acordos  podem  partir  das  prerrogativas  e   conveniência    dos  empregadores,  ou  de   acordos  coletivos,  ou  de  convenções  coletivas   2 de  trabalho,  mas  o  fato  é  que,  se  as  atividades   não  puderem  parar  há  que  se  pensar  em  um   esquema  de  revezamento,  porque  a  rotina  de   trabalho  de  todos  nós  já  está  bastante  afetada   pelo  evento  em  si,  e  não  há,  na  legislação   trabalhista,  nada  que  assegure  aos   colaboradores  a  paralização  de  suas  atividades   em  função  dos  jogos.   Seja  qual  for  a  decisão,  o  fato  é  que  algumas   ocorrências  destacam-­‐se  neste  tipo  de  evento,   como:   _  Abstenção  injustificada,  que  implica  no   desconto  no  salário  além  da  perda  do  DSR;   _  Apresentação  de  atestado  medico  falso,  que   se  comprovada  fraude,  pode  levar  à  justa   causa;   Mas  há  também  o  outro  lado,  as   manifestações  contrárias  às  alterações  e   3 compensações  na  jornada  de  trabalho,  em   especial  por  aqueles  que  não  acompanham   práticas  desportivas.   A  verdade  é  que  precisaremos  agradar  a   gregos  e  troianos  afim  de  evitar  o  risco  da   alegação  de  discriminação.     Neste  sentido,  o  mais  indicado  seria,  sempre   que  possível,  manter    algumas  opções  para   todos  os  colaboradores,  de  maneira  que   ninguém  saia  prejudicado  –  nem  empresa,   nem  colaboradores.     Como,  é  uma  decisão  que  compete  ao   empregador,  mas  é  imprescindível  que,   qualquer  que  seja,  a  decisão  deverá  ser   tomada  antes  e  amplamente  divulgada  a  todos   os  colaboradores.     Boa  sorte,  Brasil!  
  • 2.   Junho  |  2014      2   Na  atual  conjuntura  econômica  o  crescimento   de  uma  empresa,  ao  menos  no  que  se  refere  à   sua  administração,  condiciona-­‐se  à   observância  de  um  ideal:  PLANEJAMENTO.  O   empresário  moderno  só  consegue  desenvolver   sua  empresa  se  toma  suas  decisões   antecipadamente  sobre  o  que  deve  ser  feito,   ou  seja,  antecipa  os  riscos  para  equalizar  a   melhor  decisão  a  ser  tomada.   De  fato,  em  virtude  da  dinâmica  alcançada   pela  globalização,  o  mercado  atual  não  perdoa   os  empresários  que  não  anteveem  os  riscos  de   sua  atividade  econômica  para  tomarem  as   decisões  mais  adequadas  ao  desenvolvimento   da  empresa.     Essa  é  a  real  importância  da  Assessoria   Jurídica:  auxiliar  na  antecipação  dos  riscos  e,   por  via  de  consequência,  no  planejamento   empresarial.   O  modelo  econômico  adotado  pelo  Brasil,   caracterizado  pelas  incontáveis  edições  de  leis   que  “regulam”  a  iniciativa  privada,  repercute   diretamente  na  esfera  pessoal  do  empresário   que,  diariamente,  é  submetido  a  uma  nova   obrigação  jurídica.  Leis  trabalhistas  (como  a   recente  adoção  do  eSocial),  leis  tributárias   (criação  e  majoração  de  tributos  e  de   fiscalização  tributária  mais  rígida,   parcelamentos,  SPED  Fiscal),  leis   previdenciárias,  ambientais,  urbanísticas  e   outras.  Cada  uma  delas  representa  acréscimo   de  custos  para  a  empresa.   Em  sendo  assim,  quando  o  empresário  faz  o   cálculo  empresarial  (“definição  da  margem”),   sopesando  o  preço  dos  insumos,  o       o  percentual  de  furto  e  a  perda  de  produtos,   além  da  margem  de  lucro  esperada,  deve,  ainda,   considerar  todas  as  obrigações  que  as  leis  lhe   impõem,  sob  pena  de  comprometer  sua   lucratividade  ou,  em  situações  mais  extremas,   levá-­‐lo  à  falência.       Dentre  os  riscos  da  atividade  encontram-­‐se  os   legais,  assim  entendidos  aqueles  que  podem  ser   antevistos  pela  assessoria  jurídica  da   empresa.  Esses  podem  advir  ou  não  de   demandas  judiciais.  A  compreensão  da  frase  em   destaque  é  crucial  para  o  entendimento  da   grande  valia  de  uma  assessoria  jurídica  à   empresa  e  para  a  constatação  da  vantagem  que   as  empresas  assessoradas  têm  sobre  as  demais.   Entendamos.   A  cultura  jurídico  empresarial  brasileira   encontra-­‐se  enraizada  em  patente  retrocesso.  Só   se  procuram  advogados  após  ter  uma  demanda   em  tramitação  no  Poder  Judiciário  (advocacia   contenciosa).  O  que  impossibilita  a  antecipação   dos  riscos.  Note-­‐se.   Após  instaurada  uma  ação  judicial,  um  advogado   tributarista  cobra,  em  média,  30%  do  valor  do   auto  de  infração  para  fazer  uma  defesa   tributária.  O  trabalhista,  por  sua  vez,  cobra  25%   das  verbas  pleiteadas.  Esses  montantes,   colocados  em  cifras,  giram  em  torno  dos   milhões,  a  depender  do  valor  da  ação.   Como  poderá  o  empresário  antever  quando  será   demandado  na  Justiça?  Aliás,  quando  o  for,   certamente,  não  conseguirá  se  planejar  para   tanto.     Caso  contasse  com  uma  assessoria  jurídica  já   saberia,  de  antemão,  que  pagaria  o  valor   mensal  pactuado  acrescido,  quando  muito,  de   um  percentual  mínimo  em  caso  de  êxito.     O  contrato  de  assessoria  teria  funcionado,   assim,  como  uma  espécie  de  contrato  de   seguro,  podendo  o  empresário  antecipar   mensalmente  os  custos  dessa  assessoria,  e   não  sendo  obrigado  a  desembolsar  um   montante  que  prejudicaria  o  capital  de  giro  de   sua  empresa.     Ainda  com  relação  às  demandas  judiciais,  os   escritórios  de  advocacia  responsáveis  pela   assessoria  elaboram,  ou  ao  menos  deveriam   elaborar,  uma  planilha  com  todas  as   demandas  ativas  em  que  seja  parte  a   empresa,  constando  a  data  provável  do   término  da  ação,  a  probabilidade  de  êxito  e  a   antecipação  dos  gastos  com  a  demanda.  Tudo   para  facilitar  o  PLANEJAMENTO  do   empresário  para  arcar  com  eventuais   condenações,  caso  irreversíveis.   Pois  bem.  Essa  repetida  ideia  de   PLANEJAMENTO  está  relacionada  a  outra,   muito  importante:  a  de  SEGURANÇA   JURÍDICA.     A  assessoria  jurídica  aufere,   indiscutivelmente,  maior  retorno  aos  negócios   praticados  pela  empresa  de  forma  preventiva,   fazendo  com  que  sejam  praticados  de  modo  a   não  acarretar  penalidades  pelo  Poder  Público   e  prejuízos  frente  a  terceiros.     Assessoria   Jurídica.   Por  que   contratá-­‐la?   O  empresário  moderno  só   consegue  desenvolver  sua   empresa  se  toma  suas  decisões   antecipadamente  sobre  o  que  deve   ser  feito.     Mas  para  isso  precisa  conhecer  os   riscos  do  negócio.  
  • 3.   Junho  |  2014       3    Programa  de  Parcelamento  de   Débitos  (PPD)   1  Sancionada  medida  que  estabelece  um  Programa  de   Parcelamento  de  Débitos  (PPD)  no  Estado  de  São  Paulo.         A  Lei  15.387,  publicada  no  Diário  Oficial,  permite  aos   contribuintes  paulistas  regularizar  o  pagamento  de  débitos   tributários  e  não-­‐tributários  inscritos  em  Dívida  Ativa  de  maneira   similar  ao  que  foi  realizado  por  meio  Programa  Especial  de   Parcelamento  do  ICMS  (PEP)  no  ano  passado.     O  PPD  prevê  a  redução  dos  valores  dos  juros  e  das  multas  para  a   quitação  de  débitos  de  Imposto  sobre  Propriedade  de  Veículos   Automotores  (IPVA),  Imposto  sobre  a  Transmissão  “Causa   Mortis”  e  Doação  de  Quaisquer  Bens  e  Direitos  (ITCMD),  taxas  de   qualquer  espécie  e  origem,  taxa  judiciária,  multas  administrativas   de  natureza  não-­‐tributária,  multas  contratuais,  multas  penais,   reposição  de  vencimentos  de  servidores  de  qualquer  categoria   funcional  e    ressarcimentos  ou  restituições.     Poderão  ser  inscritos  no  âmbito  do  PPD  débitos  tributários   decorrentes  de  fatos  geradores  ocorridos  até  30  de  novembro  de   2013  e  não-­‐tributários  vencidos  até  30  de  novembro  de  2013.   2 O  contribuinte  que  aderir  ao  programa  poderá  recolher  seus   débitos  com  redução  das  multas  e  juros  em  uma  única  vez,   à  vista,  ou  em  até  24  parcelas,  com  acréscimo  financeiro  de   0,64%  ao  mês.  A  nova  lei  permite  ao  contribuinte  incluir  no   programa  o  saldo  de  parcelamento  anterior  rompido  ou  o   saldo  de  parcelamento  em  andamento.       A  lei  sancionada  pelo  governador  Alckmin  prevê  que,  no   caso  do  pagamento  parcelado,  o  valor  de  cada  parcela  não   poderá  ser  inferior  R$  200,00  para  pessoas  físicas  e  R$   500,00  para  pessoas  jurídicas.  No  caso  do  pagamento  de   débitos  de  IPVA,  o  Poder  Executivo  estabelecerá  disciplina   específica  sobre  a  transferência  dos  valores  arrecadados   para  as  administrações  municipais,  uma  vez  que  a  receita   desse  imposto  é  repartida  50%  para  o  Estado  e  50%  para  o   município  de  registro  do  veículo.     O  PPD  ainda  depende  de  regulamentação  que  será  realizada   por  meio  da  edição  de  decreto,  que  definirá  a  forma  e  os   prazos  para  adesão  ao  programa.    
  • 4.   Junho  |  2014      4         Dano  existencial:  um  tipo  de  dano  moral  que   ocorre  quando  a  empresa  fere  a  dignidade  do   trabalhador  ou  o  trabalho  tem  impacto   negativo  sobre  seu  projeto  de  vida.  Como   consequência,  o  empregado  deixa  de  se   relacionar  e  de  conviver  com  familiares  e   amigos,  seja  por  meio  de  atividades   recreativas,  afetivas,  culturais,  sociais  e  de   descanso.  Mais,  o  trabalhador  pode  também   ser  impedido  de  executar  e  prosseguir  seus   projetos  de  vida,  que  levam  à  realização     pessoal  e  profissional.     Exemplo?   O  TST  condenou  um  grande  varejista  a  pagar   indenização  por  dano  moral  e  existencial  no   valor  de  R$  8,5  mil  a  um  empregado  que  fez   horas  extras  além  do  permitido  por  lei.  O   funcionário  trabalhava  13  horas  por  dia   durante  todo  o  tempo  no  qual  foi  registrado   na  empresa.  O  TST  também  negou  recurso  à   uma  associação  de  Mato  Grosso  do  Sul  e   manteve  a  indenização  por  dano  existencial  de   R$  25  mil  a  uma  economista  que  ficou  nove   anos  sem  férias.       Em  um  levantamento  já  feito,  o  TRT  da  4ª     Região,  no  RS,  teve  80  decisões  sobre  o  tema   em  2013,  e  15  este  ano.     Em  outros  tribunais,  as  decisões  sobre  o   assunto  ainda  não  ganharam  relevância.     Mesmo  conhecendo  estes  dados,  esse  tipo  de   dano  moral  não  está  previsto  com  clareza  na   legislação,  e  depende  da  interpretação  de   determinadas  normas  jurídicas,  além    de   provas  robustas  e  registro  da  prática  por   longos  períodos  para  se  pensar  em  ganhar  este   tipo  de  ação.   O  fato  é  que  o  número  de  ações  vêm   aumentando,  e  não  com  o  objetivo  de  punir,   mas  de  alertar  as  empresas  que,  negligenciar  o   ser  humano  que  existe  além  do  trabalhador   traz  inúmeras  consequências,  físicas  e   emocionais,  que  afetam  a  vida  como  um  todo.   Tanto  do  empregado  como  do  empregador.     O  cenário  do  mercado  de  trabalho  atual  é  mais   que  propício  para  que  ações  deste  tipo   comecem  a  se  multiplicar  de  maneira  muito   mais  rápida.   De  um  lado  a  tecnologia  colabora  para  uma   jornada  de  trabalho  mais  extensa,  com   ligações  e  conexões  a  qualquer  hora  e  em   qualquer  lugar,  De  outro,  a  pressão  por   resultados  que  parte  dos  acionistas,  acabam   resultando  na  redução  do  quadro  de   funcionários,  maior  carga  de  trabalho  e   sobreposição  de  funções…       Mas…  Não  é  apenas  nestes  pontos  que  os   problemas  residem.  Em  alguns  setores,  como  o   Varejo,  é  praxe  pedir  horas  extras  por  longos   períodos  para  funcionários  que  ganahm  pouco   mais  de  2  salários  mínimos  e  são  registrados   como  supervisores  de  setor  para  que  a  jornada   extensa  possa  ser  exigida  –  e  justificada.     E  é  aí  que  começam  os  diversos  problemas.     O  funcionário  aceita  as  condições  de  trabalho   em  função  da  relação  de  poder  existente  ,  a   partir  daí,  qualquer  mudança  para  as   condições  previstas  em  lei  poderá  fazê-­‐lo   sentir-­‐se  constrangido,  e  com  a  repetição  do     ciclo  por  longos  períodos,  desenvolvem-­‐se  as   condição  que  caracterizam  o  dolo  e  geram  a   indenização.   Fique  atento!   “Duas  decisões    do  Tribunal   Superior  do  Trabalho   incentivaram  decisões   relacionadas  à  ações  que  buscam   indenização  por  dano  existencial   na  Justiça,  um  tipo  de  dano  moral   que  ocorre  quando  a  empresa  fere   a  dignidade  do  trabalhador  ou  o   trabalho  tem  impacto  negativo   sobre  seu  projeto  de  vida.  ”   Vida  pessoal  x  condições  de  trabalho.   Crescem  as  ações  contra  empresas  que  negligenciam  o  ser  humano   Dano  Existencial