SlideShare uma empresa Scribd logo
“ MÍDIA E
TERRITÓRIO ”
WALTER BENJAMIN
“A obra de arte, por princípio, foi
sempre suscetível de reprodução”
Fundição.
Cunhagem
Fotografia e
Cinema
O incremento da
reprodução técnica
faz com que a
captação da
realidade se
dê, não mais pelas
mãos dos
artistas, mas pelos
olhos, pela objetiva.
Hic et nunc
É a autenticidade do original.
Trata-se da unidade de
presença, no lugar em que se
encontra a obra de arte
A reprodução manual
preserva o hic et nunc do
original, a reprodução
técnica, não
“Pode ser que as novas condições assim criadas pelas
tecnicas de reprodução, em paralelo, deixem intacto o
conteudo da obra de arte; mas de qualquer maneira
desvalorizam seu hic et nunc.”
As novas tecnologias
criam independência
do original. Na arte
ou na natureza as
imagens e os sons
podem ser
reproduzidos
independentemente
da presença do
original. Podem ser
captados de
maneiras impossíveis
sem os
equipamentos.
Aura
“Única aparição de uma realidade longínqua, por mais aproximada que esteja“
A técnica ataca
diretamente a aura.
Tudo está mais
próximo, mundano.
Deprecia-se aqui
que pode ser
tomado uma só vez.
Objetos de Culto X Objetos de Valor
Devoção e necessidade do belo, que
fala à alma dos homens
Quadro: La Madonna di San Sisto 
feito para o funeral do Papa Sisto 
valor de exposição  proibição e
exílio em província afastada 
diminuição do valor comercial
Bela arte nasce na Igreja
Início da produção artística: culto às
imagens
Alce pendurado na parede: instrumento mágico
destinado aos olhos e espírito de outros
homens
Valor de culto impele a manter a obra em
segredo: Virgens cobertas durante quase o
ano todo
Emancipação do uso ritual: aumento de
exposição  visibilidade
Exposição confere função artística:
fotografia e cinema
Fotografia: aumenta valor de
exibição e diminui valor de culto
Resistência do valor de culto  última trincheira:
rosto humano
Homem ausente da foto: declínio do valor de culto
Eugene Atget, Ruas vazias de Paris, século
XIX
Inquietante a quem olha  necessidade de
seguir um caminho
Com esse gênero de fotos, a legenda se fez
necessária
Imagem orientando texto
Filme  não se pode isolar uma
imagem, sem levar em conta as imagens
sucessoras
Polêmica entre pintores e fotógrafos 
valor?
Perturbação de significado histórico na
estrutura do Universo
Reprodução  arte perde aspecto de
independência
Críticas ao cinema  tentativas de torná-lo
digno de ser arte  introdução de caráter
cultural
Franz Werfel afirma que o cinema não entendeu seu papel ainda, de
persuasivo e sobrenatural  erro: cópia estéreo do mundo exterior 
impedimento de ascender ao nível de arte
X
Cena de teatro e cena de cinema
Atos grandiosos x apoio do ator a uma gama de
mecanismos (série de testes óticos)
Diferença de performance  cinema: impossibilidade de se
adaptar a reação do público
Críticade Pirandello
- o afastamento da auraartística
imposta pela tecnologia do
Cinema
- a crise do ator: tornar-se um acessório
”
Cinema
- desafio: as necessidades tecnológicas para
transformar a lente da câmera no olhar do
espectador
“...penetrar de modo intensivo no coração da
realidade...”
- significação social da arte  divórcio crescente:
espírito critico e sentimento de fruição
- obra de arte se endereçar às massas
A percepção do homem modificada
conforme a mediação da técnica, variando
conforme contextos
arte como ponto de inquietação para refletir tal questão e como a chegada
das mídias de massa (avanço tecnológico acelerado) alteram as formas
como a arte (ou o que “restou” da concepção do que é arte nessa verdadeira
sociedade de movimentos de massa) passa a ser percebida pelos homens
percepção
PINTURA TEATRO CINEMA
Permite uma forma de
levantamento da realidade
mais “precisa”. Capaz de
separar muitos elementos
(planos/ângulos/foco...)
Torna possível que se
reconheça o aspecto
artístico e o uso científico
da Fotografia.
O olho não se fixa – sucessão
rápida de muitas imagens -
ao contrário da contemplação
de uma pintura!
“
[a câmera] nos abre pela 1ª vez a experiência do
inconsciente visual, assim como a psicanálise
nos abre a experiência do inconsciente instintivo
[p.23]
”
benjamin-midiaeterritorio.pdf
Bárbara Marciano
Bruna Vieira
Carolina Vasconcellos
Gustavo Sarti
Teoria da Opinião Pública

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a benjamin-midiaeterritorio.pdf

Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica
Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnicaWalter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica
Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica
Priscila Souza
 
8.cap3 newmedia bioart
8.cap3 newmedia bioart8.cap3 newmedia bioart
8.cap3 newmedia bioart
histoartetatiana
 
Aula 02 videoarte
Aula 02 videoarteAula 02 videoarte
Aula 02 videoarte
Venise Melo
 
10.cap3 inter acao_graffiti
10.cap3 inter acao_graffiti10.cap3 inter acao_graffiti
10.cap3 inter acao_graffiti
histoartetatiana
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
gabiimedeiros
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Através da Imagem - Fotografia e História
Através da Imagem - Fotografia e HistóriaAtravés da Imagem - Fotografia e História
Através da Imagem - Fotografia e História
Fantoches de Luz
 
HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf
HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdfHAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf
HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf
ssuser90b57a
 
André Bazin, O Mito do Cinema Total‏
André Bazin, O Mito do Cinema Total‏André Bazin, O Mito do Cinema Total‏
André Bazin, O Mito do Cinema Total‏
Arquivo Coletivo
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
Ellen_A
 
A obra-de-arte-na-era-de-sua-reprodutibilidade-tecnica
A obra-de-arte-na-era-de-sua-reprodutibilidade-tecnicaA obra-de-arte-na-era-de-sua-reprodutibilidade-tecnica
A obra-de-arte-na-era-de-sua-reprodutibilidade-tecnica
FLAVIO DIUNIZIO
 
Seminário de Pós-Graduação UFMG 2010
Seminário de Pós-Graduação UFMG 2010Seminário de Pós-Graduação UFMG 2010
Seminário de Pós-Graduação UFMG 2010
Claudio Vitor Vaz
 
Banksy
BanksyBanksy
Banksy
vitor2santos
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
Ana Beatriz Cargnin
 
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2   linguagem audiovisualAulas 1 e 2   linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
Tatiana Carvalho Costa
 
Fotografia e historia
Fotografia e historiaFotografia e historia
Fotografia e historia
Fantoches de Luz
 
Pós Modernismo
Pós ModernismoPós Modernismo
Pós Modernismo
Bruno Conti
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
JulianoFonseca17
 
Vertov, Dziga - O ideograma do girassol
Vertov, Dziga - O ideograma do girassolVertov, Dziga - O ideograma do girassol
Vertov, Dziga - O ideograma do girassol
Antropologiavisualuff
 
A recepção coletiva e suas transformações: Da participação afetiva em salas d...
A recepção coletiva e suas transformações: Da participação afetiva em salas d...A recepção coletiva e suas transformações: Da participação afetiva em salas d...
A recepção coletiva e suas transformações: Da participação afetiva em salas d...
Fernanda Gomes
 

Semelhante a benjamin-midiaeterritorio.pdf (20)

Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica
Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnicaWalter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica
Walter Benjamin: A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica
 
8.cap3 newmedia bioart
8.cap3 newmedia bioart8.cap3 newmedia bioart
8.cap3 newmedia bioart
 
Aula 02 videoarte
Aula 02 videoarteAula 02 videoarte
Aula 02 videoarte
 
10.cap3 inter acao_graffiti
10.cap3 inter acao_graffiti10.cap3 inter acao_graffiti
10.cap3 inter acao_graffiti
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Eav aula 2 c
 
Através da Imagem - Fotografia e História
Através da Imagem - Fotografia e HistóriaAtravés da Imagem - Fotografia e História
Através da Imagem - Fotografia e História
 
HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf
HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdfHAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf
HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf
 
André Bazin, O Mito do Cinema Total‏
André Bazin, O Mito do Cinema Total‏André Bazin, O Mito do Cinema Total‏
André Bazin, O Mito do Cinema Total‏
 
Introdução à arte
Introdução à arteIntrodução à arte
Introdução à arte
 
A obra-de-arte-na-era-de-sua-reprodutibilidade-tecnica
A obra-de-arte-na-era-de-sua-reprodutibilidade-tecnicaA obra-de-arte-na-era-de-sua-reprodutibilidade-tecnica
A obra-de-arte-na-era-de-sua-reprodutibilidade-tecnica
 
Seminário de Pós-Graduação UFMG 2010
Seminário de Pós-Graduação UFMG 2010Seminário de Pós-Graduação UFMG 2010
Seminário de Pós-Graduação UFMG 2010
 
Banksy
BanksyBanksy
Banksy
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
 
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2   linguagem audiovisualAulas 1 e 2   linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
 
Fotografia e historia
Fotografia e historiaFotografia e historia
Fotografia e historia
 
Pós Modernismo
Pós ModernismoPós Modernismo
Pós Modernismo
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
Vertov, Dziga - O ideograma do girassol
Vertov, Dziga - O ideograma do girassolVertov, Dziga - O ideograma do girassol
Vertov, Dziga - O ideograma do girassol
 
A recepção coletiva e suas transformações: Da participação afetiva em salas d...
A recepção coletiva e suas transformações: Da participação afetiva em salas d...A recepção coletiva e suas transformações: Da participação afetiva em salas d...
A recepção coletiva e suas transformações: Da participação afetiva em salas d...
 

Mais de JoaoLucasDeCastroBra

Estatística na saúde pública e meio ambiente (1).pptx
Estatística na saúde pública e meio ambiente (1).pptxEstatística na saúde pública e meio ambiente (1).pptx
Estatística na saúde pública e meio ambiente (1).pptx
JoaoLucasDeCastroBra
 
OSÉIAS.pptx
OSÉIAS.pptxOSÉIAS.pptx
OSÉIAS.pptx
JoaoLucasDeCastroBra
 
MARIANE-ok.pptx
MARIANE-ok.pptxMARIANE-ok.pptx
MARIANE-ok.pptx
JoaoLucasDeCastroBra
 
A concepção antropológica de Agostinho e Tomás.ppt
A concepção antropológica de Agostinho e Tomás.pptA concepção antropológica de Agostinho e Tomás.ppt
A concepção antropológica de Agostinho e Tomás.ppt
JoaoLucasDeCastroBra
 
FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO PENSAMENTO TEOLÓGICO.pptx
FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO PENSAMENTO TEOLÓGICO.pptxFUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO PENSAMENTO TEOLÓGICO.pptx
FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO PENSAMENTO TEOLÓGICO.pptx
JoaoLucasDeCastroBra
 
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdfesteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
JoaoLucasDeCastroBra
 
O Credo de Calcedônia.pptx
O Credo de Calcedônia.pptxO Credo de Calcedônia.pptx
O Credo de Calcedônia.pptx
JoaoLucasDeCastroBra
 

Mais de JoaoLucasDeCastroBra (7)

Estatística na saúde pública e meio ambiente (1).pptx
Estatística na saúde pública e meio ambiente (1).pptxEstatística na saúde pública e meio ambiente (1).pptx
Estatística na saúde pública e meio ambiente (1).pptx
 
OSÉIAS.pptx
OSÉIAS.pptxOSÉIAS.pptx
OSÉIAS.pptx
 
MARIANE-ok.pptx
MARIANE-ok.pptxMARIANE-ok.pptx
MARIANE-ok.pptx
 
A concepção antropológica de Agostinho e Tomás.ppt
A concepção antropológica de Agostinho e Tomás.pptA concepção antropológica de Agostinho e Tomás.ppt
A concepção antropológica de Agostinho e Tomás.ppt
 
FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO PENSAMENTO TEOLÓGICO.pptx
FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO PENSAMENTO TEOLÓGICO.pptxFUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO PENSAMENTO TEOLÓGICO.pptx
FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO PENSAMENTO TEOLÓGICO.pptx
 
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdfesteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
esteticaarte-140522223049-phpapp02.pdf
 
O Credo de Calcedônia.pptx
O Credo de Calcedônia.pptxO Credo de Calcedônia.pptx
O Credo de Calcedônia.pptx
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 

benjamin-midiaeterritorio.pdf

  • 1. “ MÍDIA E TERRITÓRIO ” WALTER BENJAMIN
  • 2. “A obra de arte, por princípio, foi sempre suscetível de reprodução” Fundição. Cunhagem
  • 3. Fotografia e Cinema O incremento da reprodução técnica faz com que a captação da realidade se dê, não mais pelas mãos dos artistas, mas pelos olhos, pela objetiva.
  • 4. Hic et nunc É a autenticidade do original. Trata-se da unidade de presença, no lugar em que se encontra a obra de arte A reprodução manual preserva o hic et nunc do original, a reprodução técnica, não
  • 5. “Pode ser que as novas condições assim criadas pelas tecnicas de reprodução, em paralelo, deixem intacto o conteudo da obra de arte; mas de qualquer maneira desvalorizam seu hic et nunc.” As novas tecnologias criam independência do original. Na arte ou na natureza as imagens e os sons podem ser reproduzidos independentemente da presença do original. Podem ser captados de maneiras impossíveis sem os equipamentos.
  • 6. Aura “Única aparição de uma realidade longínqua, por mais aproximada que esteja“ A técnica ataca diretamente a aura. Tudo está mais próximo, mundano. Deprecia-se aqui que pode ser tomado uma só vez.
  • 7. Objetos de Culto X Objetos de Valor Devoção e necessidade do belo, que fala à alma dos homens Quadro: La Madonna di San Sisto  feito para o funeral do Papa Sisto  valor de exposição  proibição e exílio em província afastada  diminuição do valor comercial Bela arte nasce na Igreja Início da produção artística: culto às imagens
  • 8. Alce pendurado na parede: instrumento mágico destinado aos olhos e espírito de outros homens Valor de culto impele a manter a obra em segredo: Virgens cobertas durante quase o ano todo Emancipação do uso ritual: aumento de exposição  visibilidade Exposição confere função artística: fotografia e cinema
  • 9. Fotografia: aumenta valor de exibição e diminui valor de culto Resistência do valor de culto  última trincheira: rosto humano Homem ausente da foto: declínio do valor de culto Eugene Atget, Ruas vazias de Paris, século XIX Inquietante a quem olha  necessidade de seguir um caminho Com esse gênero de fotos, a legenda se fez necessária Imagem orientando texto Filme  não se pode isolar uma imagem, sem levar em conta as imagens sucessoras
  • 10. Polêmica entre pintores e fotógrafos  valor? Perturbação de significado histórico na estrutura do Universo Reprodução  arte perde aspecto de independência Críticas ao cinema  tentativas de torná-lo digno de ser arte  introdução de caráter cultural Franz Werfel afirma que o cinema não entendeu seu papel ainda, de persuasivo e sobrenatural  erro: cópia estéreo do mundo exterior  impedimento de ascender ao nível de arte
  • 11. X Cena de teatro e cena de cinema Atos grandiosos x apoio do ator a uma gama de mecanismos (série de testes óticos) Diferença de performance  cinema: impossibilidade de se adaptar a reação do público
  • 12. Críticade Pirandello - o afastamento da auraartística imposta pela tecnologia do Cinema - a crise do ator: tornar-se um acessório ”
  • 13. Cinema - desafio: as necessidades tecnológicas para transformar a lente da câmera no olhar do espectador “...penetrar de modo intensivo no coração da realidade...” - significação social da arte  divórcio crescente: espírito critico e sentimento de fruição - obra de arte se endereçar às massas
  • 14. A percepção do homem modificada conforme a mediação da técnica, variando conforme contextos arte como ponto de inquietação para refletir tal questão e como a chegada das mídias de massa (avanço tecnológico acelerado) alteram as formas como a arte (ou o que “restou” da concepção do que é arte nessa verdadeira sociedade de movimentos de massa) passa a ser percebida pelos homens
  • 15. percepção PINTURA TEATRO CINEMA Permite uma forma de levantamento da realidade mais “precisa”. Capaz de separar muitos elementos (planos/ângulos/foco...) Torna possível que se reconheça o aspecto artístico e o uso científico da Fotografia. O olho não se fixa – sucessão rápida de muitas imagens - ao contrário da contemplação de uma pintura!
  • 16. “ [a câmera] nos abre pela 1ª vez a experiência do inconsciente visual, assim como a psicanálise nos abre a experiência do inconsciente instintivo [p.23] ”
  • 18. Bárbara Marciano Bruna Vieira Carolina Vasconcellos Gustavo Sarti Teoria da Opinião Pública