SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 77
Baixar para ler offline
HISTÓRIA DA ARTE E DA
ARQUITETURA III
Profa. Ma. Ana Fehelberg
.....
UNIDADE II
ARTE CONTEMPORÂNEA
ARQUITETURA E URBANISMO
UNIDADE II
ARTE CONTEMPORÂNEA
2.1 Redefinição contemporânea do estatuto da obra da arte e a
proposição de novas formas de articulação
“O que é arte contemporânea?”
“O que é arte contemporânea?”
Vídeo: Museu em movimento - Arte Contemporânea: decifra-me ou devoro-te
Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HC5v4TiiRuM
Qual o papel do museu no mundo contemporâneo?
Vídeo: Museus Para Quê?
Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=cl9YGAdKL_0
Exercício
O que estão vendo? Isso é Arte contemporânea?
Por quê?
a) O que você está vendo? Descreva.
b) Qual a provável ideia que a artista quis passar?
c) Isso é Arte contemporânea? Por quê?
d) Você vê algum sentimento nessa obra? Qual(is)?
“Não dá para resumir a arte contemporânea numa só característica, pois a
pluralidade domina nosso tempo. Assim, podemos apreendê-la pela seguinte
série de qualidades:
– consciência da morte da autonomia da obra ou do campo de sentido da arte
em prol da contextualização.
– metalinguagem: reflexão sobre a própria arte.
– incorporação de matrizes populares na arte erudita.
– preocupação em instaurar um diálogo com o público e levá-lo a pensar.
– tendência ao comentário social.
– ‘interritorialidade’ das diversas linguagens.
– tecnologias digitais substituindo a vanguarda.”
-Ana Mae Barbosa (doutora em arte-educação e professora)
O QUE É ARTE CONTEMPORÂNEA?
ARTE CONCEITUAL
VIDEOARTE
ARTE PÚBLICA
MÚLTIPLAS LINGUAGENS
INSTALAÇÃO
PERFORMANCE
BODY ART
POP ART
OP ART
HIPER-REALISMO
HAPPENING
EXPRESSIONISMO ABSTRATO
ARTE CINÉTICA FLUXUS GRAFITE
ACTION PAITING
LAND ART
NEOCONCRETISMO MINIMALISMO
EXPOSIÇÕES E OBRAS CONTEMPORÂNEAS
REFLEXÕES
ARTE CONCEITUAL
https://www.youtube.com/watch?v=hMW2E1-5JB4
YOKO ONO
exposição O CÉU AINDA É AZUL, VOCÊ SABE...
https://www.youtube.com/watch?v=h3XgGC8LZWU
ROBERT SMITHSON SPIRAL JETTY 1970
gigantesco caracol de terra e pedras construído sobre
o Great Salt Lake, em Utah, Estados Unidos.
Surrounded Islands“, Miami, Biscayne Bay, Florida, 1983
Foto: Wolfgang Volz, © Christo, 1983
Wrapped Coast (Costa embrulhada), 1969
EM 1969, o primeiro
projeto em escala
colossal em paisagens
naturais, envolveu com
tecido e corda o sinuoso
litoral rochoso de Little
Bay, na costa australiana.
O trabalho levou apenas
um mês para ser
executado e contou com
a participação de mais de
100 pessoas, entre
engenheiros, alpinistas e
trabalhadores em geral.
Christo and Jeanne-Claude
Wrapped Coast, One Million
Square Feet, Little Bay, Sydney,
Australia, 1968-69
Wrapped Coast, One Million Square Feet, Little
Bay, Sydney, Australia, 1968
Wrapped Trees (Riehen, 1997 – 1998)
WRAPPED SYDNEY OPERA HOUSE, 1969
CHRISTO,MEIN KÖLNER
DOM WRAPPED (PROJECT
FOR THE COLOGNE-
GERMANY),Sotheby's
Ponte Sant Angelo,
Wrapped - Project for
Rome, Galerie
Hafenrichter
Christo and Jeanne-Claude. The Floating Piers
(Limited Edition)
'The Floating Piers': Christo faz andar sobre a água
The Floating Piers is a project of the Bulgarian artist Christo. It consists of a 3-
kilometer floating walkway on Lake Iseo, in Italy
A woman walks on the installation "The
Floating Piers" by Bulgarian-born artist
APRESENTAÇÃO DA OBRA
NO ESPAÇO TRADICIONAL
Christo with a drawing of
Wrapped Reichstag.
Entrevista Victor Vasarely - OP ART
https://www.youtube.com/watch?v=eD4WPyuz1uY
Victor Vasarely, Gestalt 4, 1970. Serigraph.
Victor Vasarely, Riu-Kiu-C, 1960
Victor
Vasarely
(1908-1997)
EXPRESSIONISMO ABSTRATO
Jackson Pollock
POP ART surge nos Estados Unidos e na Inglaterra em 1955 e se converte em estilo característico nos
anos 60. O termo Pop Art (abreviação das palavras em inglês Popular Art) foi utilizado pela primeira
vez em 1954, pelo crítico inglês Lawrence Alloway, para denominar a arte popular que estava sendo
criada em publicidade, no desenho industrial, nos cartazes e nas revistas ilustradas.
Elvis I e II, Andy Warhol, Galeria de Arte de Ontario, Toronto, Canadá.
POP ART
Andy Warhol
A Shot of Marilyn Monroe
Warhol mostrou sua concepção da produção mecânica da
imagem em substituição ao trabalho manual numa série de
retratos de ídolos da música popular e do cinema, como Elvis
Presley e Marilyn Monroe.
Warhol entendia as personalidades públicas como
figuras impessoais e vazias, apesar da ascensão
social e da celebridade. Da mesma forma, e
usando sobretudo a técnica de serigrafia, destacou
a impessoalidade do objeto produzido em massa
para o consumo, como garrafas de Coca-Cola, as
latas de sopa Campbell, automóveis, crucifixos e
dinheiro. Produziu filmes e discos de um grupo
musical, incentivou o trabalho de outros artistas e
uma revista mensal.
Lata de Sopa, Andy Warhol.
No Carro, 1963, magna sobre tela, Roy Lichtenstein, Scottish Gallery of Art, Edimburgo.
Roy Lichtenstein (1923-1997) norte-americano, e seu interesse pelas
histórias em quadrinhos como tema artístico.
Em seus quadros a óleo e tinta acrílica, ampliou
as características das histórias em quadrinhos e
dos anúncios comerciais, e reproduziu a mão,
com fidelidade, os procedimentos gráficos.
Empregou, por exemplo, uma técnica pontilista
para simular os pontos reticulados das
historietas. Cores brilhantes, planas e limitadas,
delineadas por um traço negro, contribuíam para
o intenso impacto visual.
Com essas obras, o artista pretendia oferecer
uma reflexão sobre a linguagem e as formas
artísticas. Seus quadros, desvinculados do
contexto de uma história, aparecem como
imagens frias, intelectuais, símbolos ambíguos do
mundo moderno. O resultado é a combinação de
arte comercial e abstração.
Ohhh... Alright... 1964 por Roy
Vik Muniz
Double Mona Lisa after Warhol
21,9 x152,4 cm, 1999
DESENHO
Regina Silveira
LUZ/ZUL
2002
INSTALAÇÃO
Mirror costume – Bohyun
“Orange Gardens” - Cris Bierrenbach
Inspirada no cotidiano da periferia das cidades, a artista constrói uma espécie de labirinto,
feito em tecido transparente e onde estão impressas imagens de paredes de tijolos. O
resultado é um espaço interativo, onde os visitantes podem caminhar e até se perder em
seu interior.
https://crisbierrenbach.com/pessoal/instalacao/orange-gardens-funarte-brasilia/
“Orange Gardens” -
Cris Bierrenbach
A arte é democratizada. Muitas obras Dependem da participação do público. A obra pode
estar em todos os lugares, no museu, na rua, na internet.
https://crisbierrenbach.com/pessoal/instalacao/orange-gardens-funarte-brasilia/
Sentir X Entender
“esta escultura está aberta a
uma riqueza de leituras diversas.
Seu realismo é o ponto de
partida para amplas avenidas de
significado simbólico e
psicológico.”
Trecho de publicação do Museu de Arte Moderna,
MoMA Destaques desde 1980 , Nova York: O
Museu de Arte Moderna, 2007, p. 95
Robert Gober, Untitled, 1991
Madeira, cera de abelha, couro, tecido
e cabelo humano
ARTE CONTEMPORÂNEA -> Valorização da ideia ARTE CONCEITUAL
Cildo Meireles
Inserções em Circuitos Ideológicos - 2.
Projeto Coca-Cola , 1971
inscrições em garrafas de vidro
Cildo Meireles
Inserções em Circuitos Ideológicos:
Projeto Cédula (Quem Matou Herzog?)
1970
Cildo Meireles
Babel (2001)
Instalação com rádios
A instalação Marulho
Cildo Meireles
Haunted Play House @ MOT by TORAFU ARCHITECTS.
the Attention-Sucking Power of Digital Technology Displayed
Through Photography by Antoine Gregor
Daniel Arsham.
Brian Dettmer
PERFORMANCE
Flávio de Carvalho,
Experiência nº 3, 1956
O artista percorreu o centro de
São Paulo lançando seu “New
Look”, o traje tropicalista para o
homem brasileiro, “um traje
executivo masculino, concebido
especificamente para as
condições climáticas,
econômicas e culturais do
homem urbano nos trópicos”.
Vik Muniz
Medusa Marinara
1997
Vik Muniz
Narcissus, after Caravaggio
Pictures of Junk series, 2005
PENETRÁVEIS HÉLIO OITICICA
https://www.youtube.com/watch?v=tA3UWxMgzLQ
A série Penetráveis é composta de obras criadas por Oiticica a partir de 1960. Trata-se de espaços em forma
de labirinto nos quais o espectador pode entrar e vivenciar experiências sensoriais relativas ao tato, ao olfato,
ao paladar, à visão e à audição.
série Penetráveis
série Penetráveis: Penetrável Filtro, 1972.
O observador de sua obra tinha total
autonomia para interpretá-la, para agir e
reagir a ela. Uma de suas maiores
influências foi o conceito de duração da
cor, por Henri Bergson.
A cor, e suas movimentações, é capaz de
definir o caráter da obra em questão,
enquanto sua interação com o
observador durar.
REFLEXAO 3_ARTE CIBERNÉTICA NO METRÔ
https://www.youtube.com/watch?v=GePoqS_XKEc
A obra, em exposição na estação Tiradentes, é de Raquel Kogan, 2005. Nesta instalação é projetada uma
imagem com várias sequências numéricas sobre uma parede dentro de uma sala escura. A imagem, por
sua vez, é refletida em um espelho dágua no chão. A obra é interativa, já que os visitantes podem
acionar um teclado que regula a rapidez dos movimentos da projeção. Cria-se, assim, um movimento
contínuo, mas nunca repetido, como se os números subissem de um espelho a outro, sucessivamente.
DESCENDO A ESCADA - ARTE CIBERNÉTICA NO METRÔ
https://www.youtube.com/watch?v=DIQOquHeYBc
PROJETO MARGEM - ERRANTE – TEASER
https://www.youtube.com/watch?v=epNLLsMSIss
Vídeo-teaser de "Errante", primeira obra do Margem, projeto Hector Zamora, que dialoga com temas
decisivos como urbanismo, meio ambiente e marginalização social.
LYGIA CLARK. BICHO, 1960.
https://www.youtube.com/watch?v=lfitsC4m_dY
Os Bichos inauguram um novo pensamento de interação entre obra de arte e espectador. Mais do que poder tocar,
devemos montá-los, mesmo que o material usado, alumínio e dobradiça, imponham limitações. Os Bichos rompem
com a ideia moderna de obrigar o espectador a adotar uma determinada postura diante da obra. Preste atenção
como, ao montar bicho, ele resiste a certas posições e exige que o corpo inteiro de quem o manipula esteja em
ação.
CIRCULAÇÃO E VIRTUALIDADE (2015)
https://www.youtube.com/watch?v=ACgbuQKtoCE
CILDO MEIRELES: Zero Cruzeiro, Zero Dollar e o Projeto Cédula,
nos quais notas falsas foram postas em circulação para
questionar o valor do dinheiro e promover intervenções
políticas. O polonês André Cadere também colocou em debate
o espaço de circulação da arte para além dos muros dos
museus com sua série de bastões inseridos clandestinamente
em espaços expositivos.
O que é Arte Contemporânea? O exemplo da Bienal 2014
https://www.youtube.com/watch?v=8-XltLNkOhs
INSTALAÇÃO ARTÍSTICA. Art installation.
https://www.youtube.com/watch?v=5bUv70EFnkU

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf

2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea 2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
ArtesElisa
 
PS1.MoMA-PS1. Mestrado - apresentacao. bx.res.
PS1.MoMA-PS1. Mestrado - apresentacao. bx.res.PS1.MoMA-PS1. Mestrado - apresentacao. bx.res.
PS1.MoMA-PS1. Mestrado - apresentacao. bx.res.
Wesley Macedo
 
Fluxus arte digital e arte eletronica
Fluxus arte digital e arte eletronicaFluxus arte digital e arte eletronica
Fluxus arte digital e arte eletronica
Rodrigo Leite
 
Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 Ensino Médio-   As muitas linguagens da arte contemporânea Ensino Médio-   As muitas linguagens da arte contemporânea
Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
ArtesElisa
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
resespress
 
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares (...
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares (...ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares (...
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares (...
LaudielPadilha
 
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares.ppt
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares.pptARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares.ppt
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares.ppt
LiaSilva99
 

Semelhante a HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf (20)

HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoHCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
 
2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea 2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
2- Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Arte Pública
Arte PúblicaArte Pública
Arte Pública
 
Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art
 
C&C 15dez09 Neobarrocoresumido
C&C 15dez09 NeobarrocoresumidoC&C 15dez09 Neobarrocoresumido
C&C 15dez09 Neobarrocoresumido
 
Doug aitken
Doug aitkenDoug aitken
Doug aitken
 
Arte x natureza
Arte x naturezaArte x natureza
Arte x natureza
 
PS1.MoMA-PS1. Mestrado - apresentacao. bx.res.
PS1.MoMA-PS1. Mestrado - apresentacao. bx.res.PS1.MoMA-PS1. Mestrado - apresentacao. bx.res.
PS1.MoMA-PS1. Mestrado - apresentacao. bx.res.
 
Fluxus arte digital e arte eletronica
Fluxus arte digital e arte eletronicaFluxus arte digital e arte eletronica
Fluxus arte digital e arte eletronica
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
Carmem
CarmemCarmem
Carmem
 
Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 Ensino Médio-   As muitas linguagens da arte contemporânea Ensino Médio-   As muitas linguagens da arte contemporânea
Ensino Médio- As muitas linguagens da arte contemporânea
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
fluxus
fluxusfluxus
fluxus
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Apresentação Silêncios
Apresentação SilênciosApresentação Silêncios
Apresentação Silêncios
 
Arte da segunda metade do século xx
Arte da segunda metade do século xxArte da segunda metade do século xx
Arte da segunda metade do século xx
 
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares (...
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares (...ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares (...
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares (...
 
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares.ppt
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares.pptARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares.ppt
ARTES VISUAIS - Diálogos entre arte e artistas de diversas épocas e lugares.ppt
 

HAA-III_ UNIDADE II - Arte Contemporânea.pdf

  • 1. HISTÓRIA DA ARTE E DA ARQUITETURA III Profa. Ma. Ana Fehelberg ..... UNIDADE II ARTE CONTEMPORÂNEA ARQUITETURA E URBANISMO
  • 2. UNIDADE II ARTE CONTEMPORÂNEA 2.1 Redefinição contemporânea do estatuto da obra da arte e a proposição de novas formas de articulação
  • 3. “O que é arte contemporânea?”
  • 4. “O que é arte contemporânea?”
  • 5. Vídeo: Museu em movimento - Arte Contemporânea: decifra-me ou devoro-te Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=HC5v4TiiRuM
  • 6. Qual o papel do museu no mundo contemporâneo?
  • 7. Vídeo: Museus Para Quê? Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=cl9YGAdKL_0
  • 8. Exercício O que estão vendo? Isso é Arte contemporânea? Por quê? a) O que você está vendo? Descreva. b) Qual a provável ideia que a artista quis passar? c) Isso é Arte contemporânea? Por quê? d) Você vê algum sentimento nessa obra? Qual(is)?
  • 9.
  • 10.
  • 11. “Não dá para resumir a arte contemporânea numa só característica, pois a pluralidade domina nosso tempo. Assim, podemos apreendê-la pela seguinte série de qualidades: – consciência da morte da autonomia da obra ou do campo de sentido da arte em prol da contextualização. – metalinguagem: reflexão sobre a própria arte. – incorporação de matrizes populares na arte erudita. – preocupação em instaurar um diálogo com o público e levá-lo a pensar. – tendência ao comentário social. – ‘interritorialidade’ das diversas linguagens. – tecnologias digitais substituindo a vanguarda.” -Ana Mae Barbosa (doutora em arte-educação e professora) O QUE É ARTE CONTEMPORÂNEA?
  • 12. ARTE CONCEITUAL VIDEOARTE ARTE PÚBLICA MÚLTIPLAS LINGUAGENS INSTALAÇÃO PERFORMANCE BODY ART POP ART OP ART HIPER-REALISMO HAPPENING EXPRESSIONISMO ABSTRATO ARTE CINÉTICA FLUXUS GRAFITE ACTION PAITING LAND ART NEOCONCRETISMO MINIMALISMO
  • 13. EXPOSIÇÕES E OBRAS CONTEMPORÂNEAS REFLEXÕES
  • 15. YOKO ONO exposição O CÉU AINDA É AZUL, VOCÊ SABE... https://www.youtube.com/watch?v=h3XgGC8LZWU
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. ROBERT SMITHSON SPIRAL JETTY 1970 gigantesco caracol de terra e pedras construído sobre o Great Salt Lake, em Utah, Estados Unidos.
  • 20. Surrounded Islands“, Miami, Biscayne Bay, Florida, 1983 Foto: Wolfgang Volz, © Christo, 1983
  • 21. Wrapped Coast (Costa embrulhada), 1969 EM 1969, o primeiro projeto em escala colossal em paisagens naturais, envolveu com tecido e corda o sinuoso litoral rochoso de Little Bay, na costa australiana. O trabalho levou apenas um mês para ser executado e contou com a participação de mais de 100 pessoas, entre engenheiros, alpinistas e trabalhadores em geral.
  • 22. Christo and Jeanne-Claude Wrapped Coast, One Million Square Feet, Little Bay, Sydney, Australia, 1968-69
  • 23. Wrapped Coast, One Million Square Feet, Little Bay, Sydney, Australia, 1968
  • 24.
  • 25. Wrapped Trees (Riehen, 1997 – 1998)
  • 26.
  • 27. WRAPPED SYDNEY OPERA HOUSE, 1969
  • 28. CHRISTO,MEIN KÖLNER DOM WRAPPED (PROJECT FOR THE COLOGNE- GERMANY),Sotheby's
  • 29. Ponte Sant Angelo, Wrapped - Project for Rome, Galerie Hafenrichter
  • 30.
  • 31. Christo and Jeanne-Claude. The Floating Piers (Limited Edition)
  • 32. 'The Floating Piers': Christo faz andar sobre a água
  • 33.
  • 34. The Floating Piers is a project of the Bulgarian artist Christo. It consists of a 3- kilometer floating walkway on Lake Iseo, in Italy
  • 35. A woman walks on the installation "The Floating Piers" by Bulgarian-born artist
  • 36.
  • 37. APRESENTAÇÃO DA OBRA NO ESPAÇO TRADICIONAL Christo with a drawing of Wrapped Reichstag.
  • 38. Entrevista Victor Vasarely - OP ART https://www.youtube.com/watch?v=eD4WPyuz1uY
  • 39. Victor Vasarely, Gestalt 4, 1970. Serigraph.
  • 42.
  • 43.
  • 45. POP ART surge nos Estados Unidos e na Inglaterra em 1955 e se converte em estilo característico nos anos 60. O termo Pop Art (abreviação das palavras em inglês Popular Art) foi utilizado pela primeira vez em 1954, pelo crítico inglês Lawrence Alloway, para denominar a arte popular que estava sendo criada em publicidade, no desenho industrial, nos cartazes e nas revistas ilustradas. Elvis I e II, Andy Warhol, Galeria de Arte de Ontario, Toronto, Canadá.
  • 46. POP ART Andy Warhol A Shot of Marilyn Monroe Warhol mostrou sua concepção da produção mecânica da imagem em substituição ao trabalho manual numa série de retratos de ídolos da música popular e do cinema, como Elvis Presley e Marilyn Monroe.
  • 47. Warhol entendia as personalidades públicas como figuras impessoais e vazias, apesar da ascensão social e da celebridade. Da mesma forma, e usando sobretudo a técnica de serigrafia, destacou a impessoalidade do objeto produzido em massa para o consumo, como garrafas de Coca-Cola, as latas de sopa Campbell, automóveis, crucifixos e dinheiro. Produziu filmes e discos de um grupo musical, incentivou o trabalho de outros artistas e uma revista mensal. Lata de Sopa, Andy Warhol.
  • 48. No Carro, 1963, magna sobre tela, Roy Lichtenstein, Scottish Gallery of Art, Edimburgo. Roy Lichtenstein (1923-1997) norte-americano, e seu interesse pelas histórias em quadrinhos como tema artístico.
  • 49. Em seus quadros a óleo e tinta acrílica, ampliou as características das histórias em quadrinhos e dos anúncios comerciais, e reproduziu a mão, com fidelidade, os procedimentos gráficos. Empregou, por exemplo, uma técnica pontilista para simular os pontos reticulados das historietas. Cores brilhantes, planas e limitadas, delineadas por um traço negro, contribuíam para o intenso impacto visual. Com essas obras, o artista pretendia oferecer uma reflexão sobre a linguagem e as formas artísticas. Seus quadros, desvinculados do contexto de uma história, aparecem como imagens frias, intelectuais, símbolos ambíguos do mundo moderno. O resultado é a combinação de arte comercial e abstração. Ohhh... Alright... 1964 por Roy
  • 50. Vik Muniz Double Mona Lisa after Warhol 21,9 x152,4 cm, 1999 DESENHO
  • 53. “Orange Gardens” - Cris Bierrenbach Inspirada no cotidiano da periferia das cidades, a artista constrói uma espécie de labirinto, feito em tecido transparente e onde estão impressas imagens de paredes de tijolos. O resultado é um espaço interativo, onde os visitantes podem caminhar e até se perder em seu interior. https://crisbierrenbach.com/pessoal/instalacao/orange-gardens-funarte-brasilia/
  • 54. “Orange Gardens” - Cris Bierrenbach A arte é democratizada. Muitas obras Dependem da participação do público. A obra pode estar em todos os lugares, no museu, na rua, na internet. https://crisbierrenbach.com/pessoal/instalacao/orange-gardens-funarte-brasilia/
  • 56. “esta escultura está aberta a uma riqueza de leituras diversas. Seu realismo é o ponto de partida para amplas avenidas de significado simbólico e psicológico.” Trecho de publicação do Museu de Arte Moderna, MoMA Destaques desde 1980 , Nova York: O Museu de Arte Moderna, 2007, p. 95 Robert Gober, Untitled, 1991 Madeira, cera de abelha, couro, tecido e cabelo humano
  • 57. ARTE CONTEMPORÂNEA -> Valorização da ideia ARTE CONCEITUAL Cildo Meireles Inserções em Circuitos Ideológicos - 2. Projeto Coca-Cola , 1971 inscrições em garrafas de vidro Cildo Meireles Inserções em Circuitos Ideológicos: Projeto Cédula (Quem Matou Herzog?) 1970
  • 60. Haunted Play House @ MOT by TORAFU ARCHITECTS.
  • 61. the Attention-Sucking Power of Digital Technology Displayed Through Photography by Antoine Gregor
  • 63. PERFORMANCE Flávio de Carvalho, Experiência nº 3, 1956 O artista percorreu o centro de São Paulo lançando seu “New Look”, o traje tropicalista para o homem brasileiro, “um traje executivo masculino, concebido especificamente para as condições climáticas, econômicas e culturais do homem urbano nos trópicos”.
  • 65. Vik Muniz Narcissus, after Caravaggio Pictures of Junk series, 2005
  • 66.
  • 67.
  • 68. PENETRÁVEIS HÉLIO OITICICA https://www.youtube.com/watch?v=tA3UWxMgzLQ A série Penetráveis é composta de obras criadas por Oiticica a partir de 1960. Trata-se de espaços em forma de labirinto nos quais o espectador pode entrar e vivenciar experiências sensoriais relativas ao tato, ao olfato, ao paladar, à visão e à audição.
  • 70. série Penetráveis: Penetrável Filtro, 1972. O observador de sua obra tinha total autonomia para interpretá-la, para agir e reagir a ela. Uma de suas maiores influências foi o conceito de duração da cor, por Henri Bergson. A cor, e suas movimentações, é capaz de definir o caráter da obra em questão, enquanto sua interação com o observador durar.
  • 71. REFLEXAO 3_ARTE CIBERNÉTICA NO METRÔ https://www.youtube.com/watch?v=GePoqS_XKEc A obra, em exposição na estação Tiradentes, é de Raquel Kogan, 2005. Nesta instalação é projetada uma imagem com várias sequências numéricas sobre uma parede dentro de uma sala escura. A imagem, por sua vez, é refletida em um espelho dágua no chão. A obra é interativa, já que os visitantes podem acionar um teclado que regula a rapidez dos movimentos da projeção. Cria-se, assim, um movimento contínuo, mas nunca repetido, como se os números subissem de um espelho a outro, sucessivamente.
  • 72. DESCENDO A ESCADA - ARTE CIBERNÉTICA NO METRÔ https://www.youtube.com/watch?v=DIQOquHeYBc
  • 73. PROJETO MARGEM - ERRANTE – TEASER https://www.youtube.com/watch?v=epNLLsMSIss Vídeo-teaser de "Errante", primeira obra do Margem, projeto Hector Zamora, que dialoga com temas decisivos como urbanismo, meio ambiente e marginalização social.
  • 74. LYGIA CLARK. BICHO, 1960. https://www.youtube.com/watch?v=lfitsC4m_dY Os Bichos inauguram um novo pensamento de interação entre obra de arte e espectador. Mais do que poder tocar, devemos montá-los, mesmo que o material usado, alumínio e dobradiça, imponham limitações. Os Bichos rompem com a ideia moderna de obrigar o espectador a adotar uma determinada postura diante da obra. Preste atenção como, ao montar bicho, ele resiste a certas posições e exige que o corpo inteiro de quem o manipula esteja em ação.
  • 75. CIRCULAÇÃO E VIRTUALIDADE (2015) https://www.youtube.com/watch?v=ACgbuQKtoCE CILDO MEIRELES: Zero Cruzeiro, Zero Dollar e o Projeto Cédula, nos quais notas falsas foram postas em circulação para questionar o valor do dinheiro e promover intervenções políticas. O polonês André Cadere também colocou em debate o espaço de circulação da arte para além dos muros dos museus com sua série de bastões inseridos clandestinamente em espaços expositivos.
  • 76. O que é Arte Contemporânea? O exemplo da Bienal 2014 https://www.youtube.com/watch?v=8-XltLNkOhs
  • 77. INSTALAÇÃO ARTÍSTICA. Art installation. https://www.youtube.com/watch?v=5bUv70EFnkU