SlideShare uma empresa Scribd logo
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
 Eventos que marcaram a desestruturação do
feudalismo e a transformação dessa
sociedade.
Crescimento Comercial
Cruzadas ( início séc. XI) Renascimento Urbano
Peste Negra
Guerra dos cem anos
 Já vimos que:
 As inovações tecnológicas que aconteceram a
partir do séc. X, ocasionaram mudanças na
vida das pessoas que moravam nos feudos.
(charrua, rotação de culturas, novas formas
de atrelar os animais).
 As novas técnicas possibilitaram o
crescimento da produção de
alimentos, gerando um excedente agrícola e
por conseqüência um aumento
populacional.
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
 Porém: essas inovações, reduziram a
necessidade de mão de obra no campo, e as
pessoas começaram a buscar novos meios de
sobrevivência nos centros urbanos ( os burgos).
 Muitos camponeses passaram a se dedicar a
outras atividades econômicas.
 Passaram então a se dedicar ao trabalho na
produção de artigos em oficinas artesanais, as
atividades comerciais, e o empréstimo de
dinheiro a juro.
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
 Trabalhadores/artesãos e comerciantes
formavam a população dos burgos.
 Mas também haviam pessoas muito pobres
que não tinham trabalho e eram obrigados a
mendigar.
 A produção artesanal era organizada
assim:
 Mestres de oficio: donos das oficinas e
dos instrumentos Aprendizes: jovens
que dependiam do mestre para aprender,
não recebiam salários apenas alojamento,
alimentação e vestuário.
jornaleiros:trabalhadores especializados
que recebiam por jornada trabalhada,
podendo com o tempo juntar dinheiro e
formar sua própria oficina.
 Corporações de oficio:
 Vários artesãos
 que desempenhavam uma mesma
atividade se reuniam e formavam as
corporações.
 Essas eram responsáveis por controlar a
qualidade dos produtos, os preços, e
proteger dos artesãos da concorrência.
 Do séc. XI em diante principalmente no XI e
XIII, as atividades comerciais tiveram grande
desenvolvimento no Ocidente europeu.
 Destacaram-se as feiras da região de
Champagne na França ( ficava entre o norte da
Península Itálica e a região de Flandres).
 O comércio internacional de mercadorias era o
que gerava mais lucros.
 A intensa atividade comercial , originou
condições para o surgimento de centros
urbanos com estruturas mercantis
permanentes.
 Foram expedições militares/religiosas
européias enviadas ao oriente a partir do final
do séc. XI
-Movimento religioso e militar para reconquistar a Terra
Santa, era uma luta contra os infiéis.
-No Inicio não eram chamadas de Cruzadas, eram chamadas
de peregrinações ou Guerra Santa.
- Um conjunto de circunstâncias levou a igreja a dar inicio as
Cruzadas.
-Que circunstâncias seriam estas?
Contexto social
-
-Crescimento demográfico
-Interesses comerciais.
-Ampliar as áreas de
comércio
- Falta de terras entre os
nobres
- Aumento na violência.
-Para os marginalizados: as
cruzadas representavam
oportunidades de melhorias
nas condições de vida.
- Interesses religiosos.
- Fé
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
- Apesar dos interesses políticos e econômicos que existiam por
traz das Cruzadas sua essência era Espiritual e de Fé.
-A igreja concedeu aos que participassem das Cruzadas a
indulgência plena, ou seja, o perdão de todos os pecados.
 Abertura e aceleração do comércio.
 Contato com outras culturas
 Outras transformações que culminam na crise
do feudalismo.
 Enfraquecimento do sistema feudal: os senhores
endividaram-se para montar seus exércitos, muitos
servos partiram para as Cruzadas e não voltaram.
 Terras do Norte da Europa ficaram despovoadas
em razão da partida de seus habitantes para a luta.
 O mar Mediterrâneo recuperou sua importância
econômica, muitas embarcações transitavam por
ele.
 Aumento do comércio entre o Ocidente e o Oriente.
 O contato com os muçulmanos, ampliou os
conhecimentos produzidos na Antiguidade e
preservados pelos muçulmanos, como a filosofia e
a matemática .
A Peste Negra assolou a Europa
ocidental em meados do século
XIV.
Na imagem a representação da
morte, triunfante.
“A Europa do séc. XIV foi
marcada por desgraças e
tragédias: a “grande fome”, a
“peste negra” e a multiplicação
das guerras entre nobre e
levantes camponeses. O
resultado maior foi a crise do
feudalismo e do regime
senhorial”. (Vainfas, p.
163, 2010)
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
PESTE NEGRA
 Meados do século XIV foi uma época marcada por muita dor, sofrimento
e mortes na Europa. A Peste Bubônica, que foi apelidada pelo povo de
Peste Negra, matou cerca de um terço da população europeia. Cerca de
20, 25 milhões de pessoas. A doença mortal não escolhia vítimas. Reis,
príncipes, senhores feudais, artesãos, servos, padres entre outros foram
pegos pela peste.
 A peste espalha a morte pela Europa
Nos porões dos navios de comércio, que vinham do Oriente, entre os
anos de 1346 e 1352, chegavam milhares de ratos. Estes roedores
encontraram nas cidades europeias um ambiente favorável, pois estas
possuíam condições precárias de higiene. O esgoto corria a céu aberto e
o lixo acumulava-se nas ruas. Rapidamente a população de ratos
aumentou significativamente.
Estes ratos estavam contaminados com a bactéria Yersinia Pestis. E as
pulgas destes roedores transmitiam a bactéria aos homens através da
picada. Os ratos também morriam da doença e, quando isto acontecia, as
pulgas passavam rapidamente para os humanos para obterem seu
alimento, o sangue.
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
-Um terço da população européia
morreu por causa da epidemia.
-Os conhecimentos médicos do
período não foram
suficientes, pois muitas vezes se
misturava o conhecimento
médico com superstições
religiosas.
- O vírus da epidemia pode ter
vindo com as Cruzadas.
- Explicação religiosa para a
epidemia, era a cólera de
Deus, ou seja, a ira, sobre a
humanidade por causa de seus
pecados.
 Após adquirir a doença, a pessoa começava a apresentar vários
sintomas: primeiro apareciam nas axilas, virilhas e pescoço vários
bulbos (bolhas) de pus e sangue. Em seguida, vinham os vômitos e
febre alta. Era questão de dias para os doentes morrerem, pois não
havia cura para a doença e a medicina era pouco desenvolvida.
 Vale lembrar que, para piorar a situação, a Igreja Católica opunha-
se ao desenvolvimento científico e farmacológico. Os poucos que
tentavam desenvolver remédios eram perseguidos e condenados à
morte, acusados de bruxaria.
Relatos da época mostram que a doença foi tão grave e fez tantas
vítimas que faltavam caixões e espaços nos cemitérios para
enterrar os mortos. Os mais pobres eram enterrados em valas
comuns, apenas enrolados em panos.
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
 As péssimas condições de higiene das cidades
contribuíram para a propagação da doença;
 Os centros urbanos mão possuíam redes de esgoto e
serviços de limpeza pública. As cidades viviam cobertas
de lama, cheias de lixo, isso possibilitou a proliferação da
doença. A população foi em busca de uma solução para
a doença

O preconceito com a doença era tão grande que os
doentes eram, muitas vezes, abandonados, pela própria
família, nas florestas ou em locais afastados. A doença
foi sendo controlada no final do século XIV, com a
adoção de medidas higiênicas nas cidades medievais.
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
 Entre 1315 e 1317 a produção agrícola caiu
vertiginosamente em função do
esgotamento do solo, fortes chuvas que
castigaram a Europa entre 1314 e 1325 e o
clima frio forma as razões das más colheitas.
 A crise atingiu todas a classes da sociedade
 Conseqüentemente houve um aumento dos
preços , o desabastecimento das cidades e o
aumento do banditismo. Os senhores feudais
passaram a explorar mais ainda os
camponeses.
 A peste e a fome
causaram um enorme
desequilíbrio social e
econômico.
 Promoveram a miséria
e muitas mortes.
 E também o
surgimento de
REVOLTAS
CAMPONESAS. ( séc.
XIV)
Baixa Idade Média: As cruzadas e a  Peste Negra
 Duas rebeliões
campesinas
causaram grande
impacto na
Europa: a
Jacquerie (França)
e Revolta de Walt
Tyler
(Inglaterra), essas
revoltas
contribuíram para
enfraquecer o
sistema feudal
 Revoltas Camponesas
Com a morte de boa parte dos servos, muitos senhores
feudais aumentaram as obrigações, fazendo os camponeses
trabalharem e pagarem impostos pelos que haviam morrido.
Como a exploração sobre os servos já era exagerada, em
muitos feudos, principalmente na França e Inglaterra,
ocorreram revoltas camponesas. Estes, chegaram a invadir e
saquear castelos, assassinando os senhores feudais e
outros nobres. Os senhores feudais que conseguiram
sobreviver não ficaram inertes aos movimentos de revolta.
Organizaram exércitos fortes e combateram com violência as
revoltas. Porém, em muitas regiões da Europa, os
camponeses obtiveram conquistas importantes, conseguindo
diminuir as obrigações servis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
Marilia Pimentel
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Janayna Lira
 
Introdução ao estudo de História
Introdução ao estudo de HistóriaIntrodução ao estudo de História
Introdução ao estudo de História
Alex Ferreira dos Santos
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Valéria Shoujofan
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
Edenilson Morais
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Edenilson Morais
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
Isabel Aguiar
 
Iluminismo e a indepedência dos eua
Iluminismo e a indepedência dos euaIluminismo e a indepedência dos eua
Iluminismo e a indepedência dos eua
Profdaltonjunior
 
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
Daniel Alves Bronstrup
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
Rogerio Alves
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
João Medeiros
 
A origem da humanidade
A origem da humanidadeA origem da humanidade
A origem da humanidade
RODRIGO Cicéro
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
edna2
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Edenilson Morais
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
Edenilson Morais
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
Patrícia Costa Grigório
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
Stefânia Balestero
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
isameucci
 

Mais procurados (20)

A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Introdução ao estudo de História
Introdução ao estudo de HistóriaIntrodução ao estudo de História
Introdução ao estudo de História
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 
Iluminismo e a indepedência dos eua
Iluminismo e a indepedência dos euaIluminismo e a indepedência dos eua
Iluminismo e a indepedência dos eua
 
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
 
A economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasilA economia açucareira no brasil
A economia açucareira no brasil
 
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015O Feudalismo Prof Medeiros 2015
O Feudalismo Prof Medeiros 2015
 
A origem da humanidade
A origem da humanidadeA origem da humanidade
A origem da humanidade
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
 
Revolução Inglesa
Revolução InglesaRevolução Inglesa
Revolução Inglesa
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 

Destaque

Cruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade médiaCruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade média
Deborah Xavier
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
cecilianoclaro
 
Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
joaopada
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
Lúcia Santana
 
A Peste Negra
A Peste NegraA Peste Negra
A Peste Negra
Ruben Coelho
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Carolina Medeiros
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
Claudenilson da Silva
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Baixa Idade Media - Prof Iair
Baixa Idade Media - Prof IairBaixa Idade Media - Prof Iair
Baixa Idade Media - Prof Iair
Tricia Carnevale
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
As Cruzadas
As CruzadasAs Cruzadas
As Cruzadas
João Medeiros
 
Slide cruzadas
Slide cruzadasSlide cruzadas
Slide cruzadas
Isabel Aguiar
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
marcos ursi
 
L3 CRM - Vendas Cruzadas
L3 CRM - Vendas CruzadasL3 CRM - Vendas Cruzadas
L3 CRM - Vendas Cruzadas
L3 CRM
 
Peste Negra do sec.XIV
Peste Negra do sec.XIVPeste Negra do sec.XIV
Peste Negra do sec.XIV
Vagner Lin
 
Baixa Idade Média
Baixa Idade MédiaBaixa Idade Média
Baixa Idade Média
eiprofessor
 
Cruzadas (História)
Cruzadas (História)Cruzadas (História)
Cruzadas (História)
Leticia Gabriele Saraiva
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Baixa idade media 7º anos
Baixa idade media   7º anosBaixa idade media   7º anos
Baixa idade media 7º anos
Íris Ferreira
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
cattonia
 

Destaque (20)

Cruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade médiaCruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade média
 
A peste negra
A peste negraA peste negra
A peste negra
 
Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
A Peste Negra
A Peste NegraA Peste Negra
A Peste Negra
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Resumo baixa idade media
Resumo baixa idade mediaResumo baixa idade media
Resumo baixa idade media
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Baixa Idade Media - Prof Iair
Baixa Idade Media - Prof IairBaixa Idade Media - Prof Iair
Baixa Idade Media - Prof Iair
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
As Cruzadas
As CruzadasAs Cruzadas
As Cruzadas
 
Slide cruzadas
Slide cruzadasSlide cruzadas
Slide cruzadas
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
L3 CRM - Vendas Cruzadas
L3 CRM - Vendas CruzadasL3 CRM - Vendas Cruzadas
L3 CRM - Vendas Cruzadas
 
Peste Negra do sec.XIV
Peste Negra do sec.XIVPeste Negra do sec.XIV
Peste Negra do sec.XIV
 
Baixa Idade Média
Baixa Idade MédiaBaixa Idade Média
Baixa Idade Média
 
Cruzadas (História)
Cruzadas (História)Cruzadas (História)
Cruzadas (História)
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Baixa idade media 7º anos
Baixa idade media   7º anosBaixa idade media   7º anos
Baixa idade media 7º anos
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 

Semelhante a Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra

CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O 7° ANO.pptx
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O  7° ANO.pptxCONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O  7° ANO.pptx
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O 7° ANO.pptx
Jéssica Frontelli
 
Resumão - Feudalismo, Crise do Feudalismo , Cruzadas, Inquisição e Renascimen...
Resumão - Feudalismo, Crise do Feudalismo , Cruzadas, Inquisição e Renascimen...Resumão - Feudalismo, Crise do Feudalismo , Cruzadas, Inquisição e Renascimen...
Resumão - Feudalismo, Crise do Feudalismo , Cruzadas, Inquisição e Renascimen...
Rivea Leal
 
O outono da Idade Média
O outono da Idade MédiaO outono da Idade Média
O outono da Idade Média
João Marcelo
 
Aula de historia
Aula de historiaAula de historia
Aula de historia
Rose chaves
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbano
Adriana Gomes Messias
 
a população na europa nos séculos XVIIe XVIII
 a população na europa nos séculos XVIIe XVIII a população na europa nos séculos XVIIe XVIII
a população na europa nos séculos XVIIe XVIII
Carla Teixeira
 
A população na europa nos séculos xvii e
A população na europa nos séculos xvii eA população na europa nos séculos xvii e
A população na europa nos séculos xvii e
Carla Teixeira
 
Feudalismo 7º ano
Feudalismo 7º anoFeudalismo 7º ano
Feudalismo 7º ano
Tânia Regina
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
Carla Cristina
 
O Shrek é bué nabo.
O Shrek é bué nabo. O Shrek é bué nabo.
O Shrek é bué nabo.
Pedro Miguel Valente
 
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
SandraDias655909
 
Historia
HistoriaHistoria
Crise dos séculos XIV e XV 2019
Crise dos séculos XIV e XV 2019Crise dos séculos XIV e XV 2019
Crise dos séculos XIV e XV 2019
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Renascimento comercial e_urbano
Renascimento comercial e_urbanoRenascimento comercial e_urbano
Renascimento comercial e_urbano
Adriana Gomes Messias
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
almirante2010
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
Marilia Pimentel
 
Historia tuberculose
Historia tuberculoseHistoria tuberculose
Historia tuberculose
Priscilla Renata
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
Nelia Salles Nantes
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
inessalgado
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Semelhante a Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra (20)

CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O 7° ANO.pptx
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O  7° ANO.pptxCONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O  7° ANO.pptx
CONTEÚDOS DA PROVA PARANÁ PARA O 7° ANO.pptx
 
Resumão - Feudalismo, Crise do Feudalismo , Cruzadas, Inquisição e Renascimen...
Resumão - Feudalismo, Crise do Feudalismo , Cruzadas, Inquisição e Renascimen...Resumão - Feudalismo, Crise do Feudalismo , Cruzadas, Inquisição e Renascimen...
Resumão - Feudalismo, Crise do Feudalismo , Cruzadas, Inquisição e Renascimen...
 
O outono da Idade Média
O outono da Idade MédiaO outono da Idade Média
O outono da Idade Média
 
Aula de historia
Aula de historiaAula de historia
Aula de historia
 
Renascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbanoRenascimento comercial e urbano
Renascimento comercial e urbano
 
a população na europa nos séculos XVIIe XVIII
 a população na europa nos séculos XVIIe XVIII a população na europa nos séculos XVIIe XVIII
a população na europa nos séculos XVIIe XVIII
 
A população na europa nos séculos xvii e
A população na europa nos séculos xvii eA população na europa nos séculos xvii e
A população na europa nos séculos xvii e
 
Feudalismo 7º ano
Feudalismo 7º anoFeudalismo 7º ano
Feudalismo 7º ano
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
 
O Shrek é bué nabo.
O Shrek é bué nabo. O Shrek é bué nabo.
O Shrek é bué nabo.
 
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
Mudanças no Feudalismo: 2º Bimestre - 2024
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
 
Crise dos séculos XIV e XV 2019
Crise dos séculos XIV e XV 2019Crise dos séculos XIV e XV 2019
Crise dos séculos XIV e XV 2019
 
Renascimento comercial e_urbano
Renascimento comercial e_urbanoRenascimento comercial e_urbano
Renascimento comercial e_urbano
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
 
Historia tuberculose
Historia tuberculoseHistoria tuberculose
Historia tuberculose
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
 
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
Crises e revolução no século XIV e expansionismo europeu
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 

Baixa Idade Média: As cruzadas e a Peste Negra

  • 2.  Eventos que marcaram a desestruturação do feudalismo e a transformação dessa sociedade. Crescimento Comercial Cruzadas ( início séc. XI) Renascimento Urbano Peste Negra Guerra dos cem anos
  • 3.  Já vimos que:  As inovações tecnológicas que aconteceram a partir do séc. X, ocasionaram mudanças na vida das pessoas que moravam nos feudos. (charrua, rotação de culturas, novas formas de atrelar os animais).  As novas técnicas possibilitaram o crescimento da produção de alimentos, gerando um excedente agrícola e por conseqüência um aumento populacional.
  • 5.  Porém: essas inovações, reduziram a necessidade de mão de obra no campo, e as pessoas começaram a buscar novos meios de sobrevivência nos centros urbanos ( os burgos).  Muitos camponeses passaram a se dedicar a outras atividades econômicas.  Passaram então a se dedicar ao trabalho na produção de artigos em oficinas artesanais, as atividades comerciais, e o empréstimo de dinheiro a juro.
  • 7.  Trabalhadores/artesãos e comerciantes formavam a população dos burgos.  Mas também haviam pessoas muito pobres que não tinham trabalho e eram obrigados a mendigar.
  • 8.  A produção artesanal era organizada assim:  Mestres de oficio: donos das oficinas e dos instrumentos Aprendizes: jovens que dependiam do mestre para aprender, não recebiam salários apenas alojamento, alimentação e vestuário. jornaleiros:trabalhadores especializados que recebiam por jornada trabalhada, podendo com o tempo juntar dinheiro e formar sua própria oficina.
  • 9.  Corporações de oficio:  Vários artesãos  que desempenhavam uma mesma atividade se reuniam e formavam as corporações.  Essas eram responsáveis por controlar a qualidade dos produtos, os preços, e proteger dos artesãos da concorrência.
  • 10.  Do séc. XI em diante principalmente no XI e XIII, as atividades comerciais tiveram grande desenvolvimento no Ocidente europeu.  Destacaram-se as feiras da região de Champagne na França ( ficava entre o norte da Península Itálica e a região de Flandres).  O comércio internacional de mercadorias era o que gerava mais lucros.  A intensa atividade comercial , originou condições para o surgimento de centros urbanos com estruturas mercantis permanentes.
  • 11.  Foram expedições militares/religiosas européias enviadas ao oriente a partir do final do séc. XI
  • 12. -Movimento religioso e militar para reconquistar a Terra Santa, era uma luta contra os infiéis. -No Inicio não eram chamadas de Cruzadas, eram chamadas de peregrinações ou Guerra Santa. - Um conjunto de circunstâncias levou a igreja a dar inicio as Cruzadas. -Que circunstâncias seriam estas?
  • 13. Contexto social - -Crescimento demográfico -Interesses comerciais. -Ampliar as áreas de comércio - Falta de terras entre os nobres - Aumento na violência. -Para os marginalizados: as cruzadas representavam oportunidades de melhorias nas condições de vida. - Interesses religiosos. - Fé
  • 15. - Apesar dos interesses políticos e econômicos que existiam por traz das Cruzadas sua essência era Espiritual e de Fé. -A igreja concedeu aos que participassem das Cruzadas a indulgência plena, ou seja, o perdão de todos os pecados.
  • 16.  Abertura e aceleração do comércio.  Contato com outras culturas  Outras transformações que culminam na crise do feudalismo.
  • 17.  Enfraquecimento do sistema feudal: os senhores endividaram-se para montar seus exércitos, muitos servos partiram para as Cruzadas e não voltaram.  Terras do Norte da Europa ficaram despovoadas em razão da partida de seus habitantes para a luta.  O mar Mediterrâneo recuperou sua importância econômica, muitas embarcações transitavam por ele.  Aumento do comércio entre o Ocidente e o Oriente.  O contato com os muçulmanos, ampliou os conhecimentos produzidos na Antiguidade e preservados pelos muçulmanos, como a filosofia e a matemática .
  • 18. A Peste Negra assolou a Europa ocidental em meados do século XIV. Na imagem a representação da morte, triunfante. “A Europa do séc. XIV foi marcada por desgraças e tragédias: a “grande fome”, a “peste negra” e a multiplicação das guerras entre nobre e levantes camponeses. O resultado maior foi a crise do feudalismo e do regime senhorial”. (Vainfas, p. 163, 2010)
  • 20. PESTE NEGRA  Meados do século XIV foi uma época marcada por muita dor, sofrimento e mortes na Europa. A Peste Bubônica, que foi apelidada pelo povo de Peste Negra, matou cerca de um terço da população europeia. Cerca de 20, 25 milhões de pessoas. A doença mortal não escolhia vítimas. Reis, príncipes, senhores feudais, artesãos, servos, padres entre outros foram pegos pela peste.  A peste espalha a morte pela Europa Nos porões dos navios de comércio, que vinham do Oriente, entre os anos de 1346 e 1352, chegavam milhares de ratos. Estes roedores encontraram nas cidades europeias um ambiente favorável, pois estas possuíam condições precárias de higiene. O esgoto corria a céu aberto e o lixo acumulava-se nas ruas. Rapidamente a população de ratos aumentou significativamente. Estes ratos estavam contaminados com a bactéria Yersinia Pestis. E as pulgas destes roedores transmitiam a bactéria aos homens através da picada. Os ratos também morriam da doença e, quando isto acontecia, as pulgas passavam rapidamente para os humanos para obterem seu alimento, o sangue.
  • 22. -Um terço da população européia morreu por causa da epidemia. -Os conhecimentos médicos do período não foram suficientes, pois muitas vezes se misturava o conhecimento médico com superstições religiosas. - O vírus da epidemia pode ter vindo com as Cruzadas. - Explicação religiosa para a epidemia, era a cólera de Deus, ou seja, a ira, sobre a humanidade por causa de seus pecados.
  • 23.  Após adquirir a doença, a pessoa começava a apresentar vários sintomas: primeiro apareciam nas axilas, virilhas e pescoço vários bulbos (bolhas) de pus e sangue. Em seguida, vinham os vômitos e febre alta. Era questão de dias para os doentes morrerem, pois não havia cura para a doença e a medicina era pouco desenvolvida.  Vale lembrar que, para piorar a situação, a Igreja Católica opunha- se ao desenvolvimento científico e farmacológico. Os poucos que tentavam desenvolver remédios eram perseguidos e condenados à morte, acusados de bruxaria. Relatos da época mostram que a doença foi tão grave e fez tantas vítimas que faltavam caixões e espaços nos cemitérios para enterrar os mortos. Os mais pobres eram enterrados em valas comuns, apenas enrolados em panos.
  • 25.  As péssimas condições de higiene das cidades contribuíram para a propagação da doença;  Os centros urbanos mão possuíam redes de esgoto e serviços de limpeza pública. As cidades viviam cobertas de lama, cheias de lixo, isso possibilitou a proliferação da doença. A população foi em busca de uma solução para a doença  O preconceito com a doença era tão grande que os doentes eram, muitas vezes, abandonados, pela própria família, nas florestas ou em locais afastados. A doença foi sendo controlada no final do século XIV, com a adoção de medidas higiênicas nas cidades medievais.
  • 27.  Entre 1315 e 1317 a produção agrícola caiu vertiginosamente em função do esgotamento do solo, fortes chuvas que castigaram a Europa entre 1314 e 1325 e o clima frio forma as razões das más colheitas.  A crise atingiu todas a classes da sociedade  Conseqüentemente houve um aumento dos preços , o desabastecimento das cidades e o aumento do banditismo. Os senhores feudais passaram a explorar mais ainda os camponeses.
  • 28.  A peste e a fome causaram um enorme desequilíbrio social e econômico.  Promoveram a miséria e muitas mortes.  E também o surgimento de REVOLTAS CAMPONESAS. ( séc. XIV)
  • 30.  Duas rebeliões campesinas causaram grande impacto na Europa: a Jacquerie (França) e Revolta de Walt Tyler (Inglaterra), essas revoltas contribuíram para enfraquecer o sistema feudal
  • 31.  Revoltas Camponesas Com a morte de boa parte dos servos, muitos senhores feudais aumentaram as obrigações, fazendo os camponeses trabalharem e pagarem impostos pelos que haviam morrido. Como a exploração sobre os servos já era exagerada, em muitos feudos, principalmente na França e Inglaterra, ocorreram revoltas camponesas. Estes, chegaram a invadir e saquear castelos, assassinando os senhores feudais e outros nobres. Os senhores feudais que conseguiram sobreviver não ficaram inertes aos movimentos de revolta. Organizaram exércitos fortes e combateram com violência as revoltas. Porém, em muitas regiões da Europa, os camponeses obtiveram conquistas importantes, conseguindo diminuir as obrigações servis