SlideShare uma empresa Scribd logo
DISCIPLINA DE MECANOTERAPIA 2014/2
BEM VINDOS!
Professora: Mestranda Lisiane Lisboa Carvalho
e-mail: lisianecarvalho@unisc.br
Código de Conduta
Estacionamento (dúvidas)
Expectativas sobre a disciplina
Plano de ensino
PLANO DE ENSINO
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
DISCIPLINA: MECANOTERAPIA CÓDIGO: 6997
DEPARTAMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE
I – DADOS DE IDENTIFICAÇÃO
1. Universidade de Santa Cruz do Sul
2. Endereço: Av. Independência, 2293 – Santa Cruz do Sul
3. Curso(s) onde é ofertada: 218 FISIOTERAPIA
4. Nº de créditos: 4.0 Carga Horária: 60.0 h
5. Tipo de oferta da disciplina: ( X ) Presencial ( ) Semipresencial – 100%
6. Professora: LISIANE LISBOA CARVALHO
7. Semestre / Ano: 2014/2
8. Laboratório(s): ( )Não ( X)Sim
Qual(is)? LAB 3422
Nº máximo de alunos: 20
II – EMENTA
DISPOSITIVOS INSTRUMENTAIS DE NATUREZA MECÂNICA APLICADO AO
MOVIMENTO MÚSCULO-ARTICULAR PARA TERAPÊUTICA E PREVENÇÃO DE
ACOMETIMENTOS FÍSICOS FUNCIONAIS. CONSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS
ALTERNATIVOS. PROPRIOCEPÇÃO E SUA RELAÇÃO COM OS DISPOSITIVOS
MECÂNICOS.
III – OBJETIVOS
Estimular e proporcionar ao estudante o desenvolvimento de técnicas de
abordagem ao paciente, atenção à saúde, e criatividade nos atendimentos
fisioterapêuticos com a utilização da mecanoterapia.
Propor o acompanhamento dos estudantes durante atendimentos fisioterapêuticos
na clinica Escola, para estimular a articulação teórica e prática.
Sugerir a confecção de dispositivos ou adaptação dos existentes para o
desenvolvimento da criatividade e redução de custos aos pacientes.
Estimular o raciocínio para o tratamento fisioterapêutico através de estudos de
casos.
Executar em aula a prescrição de exercícios com e sem dispositivos aplicados na
presença de pacientes para relatar a realidade nos atendimentos.
Estimular à leitura de artigos científicos com intuito de incentivar o estudante a
produção científica.
IV – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
1. Dispositivos mecânicos:
1.1 caracterização.
1.2 definição.
1.3 classificação dos dispositivos mecânicos.
2. Tipos de dispositivos aplicados aos exercícios de força, potência e
resistência à fadiga.
3. Tipos de propriocepção e sua relação com os dispositivos
mecânicos.
4. Construção e/ou adaptação de dispositivos mecanoterapêuticos.
5. Noções de pilates solo.
V – PROGRAMAÇÃO
Data/Tempo previsto Conteúdo
04/08/2014 Apresentação/distribuição dos grupos e conteúdos;
Considerações iniciais, definições e reconhecimento dos
dispositivos.
11/08/2014 Princípios; resistências; classificação dos aparelhos e dispositivos.
18/08/2014 Dispositivos de Membros superiores/ Prática; estudo dirigido sobre a
temática.
25/08/2014 Grupo 01 apresentação: estudo de caso de membros superiores- 2,0
(1,0 conteúdo + 1,0 apresentação individual).
01/09/2014 Dispositivos de Membros Inferiores/ Prática; estudo dirigido sobre a
temática.
08/09/2014 Grupo 02 apresentação: estudo de caso de membros inferiores- 2,0
(1,0 conteúdo + 1,0 apresentação individual).
15/09/2014 Dispositivos de equilíbrio/Cama ortostática - estudo dirigido sobre a
temática
22/09/2014 Dispositivos mecanoterapêuticos para coluna: Tração; cervical e
lombar.
29/09/2014 Grupo 03 apresentação: estudo de caso de tração- 2,0 (1,0
conteúdo + 1,0 apresentação individual).
06/10/2014 Grupo 4 apresentação: estudo de caso sobre lesões do trabalho e o
uso da mecanoterapia- 2,0 (escrita 1,0 + 1,0 apresentação).
20/10/2014 Prova teórica: 2,5
27/10/2014 Oficina do mecanoplus e bola suiça: Cada grupo irá apresentar uma
série de 4 exercícios para cada equipamento seguindo o que estudou
no estudo de caso.
03/11/2014 Saída de Campo (studio de pilates). Demonstração de uma aula
experimental de pilates completo.
10/11/2014 Prescrição de exercícios terapêuticos com exemplos práticos em aula
a partir de artigos e estudos de casos.
17/11/2014 Discussão em aula sobre artigos científicos que utilizam a
mecanoterapia em suas diferentes áreas de atuação.
24/11/2014 Prova prática - estudo de casos (3,0)
01/12/2014 Oficina sobre elaboração de atestado, relatórios, encaminhamentos.
Após socialização dos grupos (teatro).
08/12/2014 Entrega do dispositivo e ou adaptação (1,5). Entrega do Relatório
observacional de um dispositivo mecânico (1,0).
Encerramento da disciplina com discussão e avaliação coletiva.
15/12/2014 EXAME
V – METODOLOGIA
TÉCNICAS
RECURSOS
AUDIOVISUAIS
Aulas teórico práticas
Estudos de casos
Prova teórica individual
Prova prática em dupla
Confecção/adaptação de dispositivos
Multimídia
VI- AVALIAÇÕES
• Estudo de caso em grupo (1,0 conteúdo + 1,0
apresentação de cada integrante) = 2.0
• Prova teórica: 2,5
• Prova prática em dupla: 3,0
• Relatório observacional de um dispositivo mecânico na
clínica FisioUnisc: 1,0
• Confecção/adaptação dispositivo: 1,5
Divisão dos grupos:
1
2
3
4
Estudos de caso em grupo:
 Criar um caso com uma patologia direcionada ao segmento
corporal já definido;
 Apresentar a terapêutica e os recursos fisioterapêuticos
adequados, incluindo a MECANOTERAPIA.
 Contextualizar a patologia com conceito, sinais e sintomas,
atenção e cuidados fisioterápicos adequados.
 Preparar uma aula prática para que todos executem as
atividades apresentadas e propostas.
 Providenciar material impresso para professora.
 Valor: 2,0 (1,0 escrita + 1,0 apresentação) cada acadêmico
receberá a nota de apresentação individual.
Observação Individual:
 O aluno deverá marcar a data de sua observação com à
secretária da Clínica FisioUnisc.
 No relatório deve constar: Patologia do paciente,
métodos/objetivos utilizados pelo estagiário de fisioterapia
durante a observação;
 Nome do dispositivo, princípios e classificação dos
dispositivos de mecanoterapia.
 Relatório observacional de um dispositivo mecânico na clínica
FisioUnisc: 1,0.
IV – REFERÊNCIAS BÁSICAS Nº ex.
ACHOUR JÚNIOR, Abdallah. Exercícios de alongamento: anatomia e
fisiologia. 1. ed. São Paulo: Manole, 2002. 550 p.
17
BANDY, William D.; SANDERS, Barbara. Exercício terapêutico: técnicas
para intervenção. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. 361 p.
5
MUNIZ, José Wagner Cavalcante; TEIXEIRA, Renato da Costa.
Fundamentos de administração em fisioterapia. Barueri: Manole, 2003.
179 p.
8
O'SULLIVAN, Susan B.; SCHMITZ, Thomas J. Fisioterapia: avaliação e
tratamento. 4. ed. São Paulo: Manole, 2004. 1152 p.
6
PRENTICE, William E.; QUILLEN, William S.; UNDERWOOD, Frank B.
Modalidades terapêuticas para fisioterapeutas. 2. ed. Porto Alegre:
Artmed, 2004. 472 p.
10
SHANKAR, Kamala. Prescrição de exercícios. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2002. 358 p.
9
V – REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES Nº ex.
GROSS, Jeffrey; FETTO, Joseph; ROSEN, Elaine. Exame
musculoesquelético. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. 470 p.
13
KISNER, Carolyn; COLBY, Lynn Allen. Exercícios terapêuticos:
fundamentos e técnicas. 5. ed. São Paulo: Manole, 2009. 972 p. ISBN 978-
85-204-2726-2
23
SOUZA, Angélica de. Propriocepção. Rio de Janeiro: MEDSI, 2004.
198p.
10
“é um dos recursos fisioterápicos, que associado à
cinesioterapia se utiliza de aparelhos (dispositivos) na execução
das atividades terapêuticas que visam melhorar a funcionalidade
de segmentos corporais, podendo ou não usar resistência
associada.
CONCEITO DE MECANOTERAPIA:
(Silva, A. C. F. 2006)
É qualquer forma de exercício em que a resistência é aplicada por
meio de algum tipo de equipamento.
O exercício com resistência mecânica é um componente integral da
reabilitação e dos programas de condicionamento para pessoas de
todas as idades.
EXERCÍCIOS COM RESISTÊNCIA MECÂNICA
(Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
OBJETIVOS:
(Gradiner, 1995; Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
Exercício Resistido:
Melhorar a função;
Aumentar a resistência muscular à fadiga;
Aumentar a força;
Aumentar a potência muscular.
OBJETIVOS:
(Gradiner, 1995; Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
Mecanoterapia:
 Desenvolver e aprimorar movimentos;
 Estabelecer o equilíbrio do segmento corpóreo através do
exercício com ajuda do dispositivo mecânico;
 Tracionar segmentos corpóreos com ajuda de algum dispositivo;
 Estimular a manutenção e o aumento da amplitude de
movimento;
 Interage especialmente com a cinesioterapia e a hidroterapia;
 Proporciona desafio aos pacientes e terapeutas;
 Condiciona o paciente a querer sempre “o a mais”
 Desenvolve a capacidade criativa do FISIOTERAPEUTA.
INDICAÇÕES
(Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
Mecanoterapia:
 Sempre que houver possibilidade;
 Poderão ser realizados exercícios ativos/ativos-assistidos/ativos-
resistidos;
 Para incrementar o atendimento e possibilitar a motivação para
alcançar dos objetivos propostos;
 Sempre que o paciente apresentar condições físicas compatíveis;
 Para ganho resistência à fadiga muscular , de força e da potência.
Exercício Resistido:
 Aumentar a resistência muscular à fadiga;
 Aumentar a força;
 Aumentar a potência muscular.
CONTRA-INDICAÇÕES:
Dor:
O paciente não pode referir dor durante a atividade ou após 24hs, Caso
aconteça a terapêutica deverá ser reavaliada. Porque a dor é um sinal
NEGATIVO importante nas atividades físicas e deve ser constantemente
avaliada e respeitada.
(Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
Processos inflamatórios:
O exercício resistido não é indicado quando o músculo ou a articulação
apresentarem-se inflamados e/ou edemaciados porque haverá um aumento
deste edema, do calor e consequentemente a piora da lesão.
 Pacientes clinicamente muito debilitados E/OU intolerantes a carga
ou atividade física ativa (doença cardiopulmonar grave);
 Patologias que poderão ter efeito contrário ao solicitado ( pós-
cirúrgico imediato).
CONTRA-INDICAÇÕES:
CLASSIFICAÇÃO DOS APARELHOS-
DISPOSITIVOS
Podem ser:
• Móveis: podem ser colocados em
qualquer lugar;
• Semimóveis: alguns aspectos mudam de
lugar ou parte do dispositivo
• Fixos: não podem mudar de lugar ou não
há alteração em sua configuração
São eles:
• Aparelhos facilitadores
• Aparelhos que proporcionam resistência
ao movimento
• Treino de marcha
• Aparelhos de Tração
• Dispositivos de equilíbrio
Facilitadores
• São aqueles que auxiliam, ajudam na
execução do movimento – não apresentam
nenhum tipo de resistência...
• Barra de ling; Prancha ortostática; Tábua de
quadríceps; Exercitador de ombro; Skate
abdução; Flap; Exercitador de tornozelo livre,
etc.
Resistência ao movimento
• São aqueles que ao mesmo tempo que
auxiliam o movimento proporcionam
resistência ao longo de sua execução -
apresentam algum tipo de resistência.
Exemplos
• Flexor de dedos; Rolo de punho ;Prono-
supinador; Mesa de Kanavel; Polia de
teto; Roda de ombro; Escada de dedos;
Duplex; Halteres; Bota de delorme; Mesa
(tábua) de quadríceps ;Mesa de Bonet;
Exercitador de tornozelo c/mola; Bicicleta
estacionária Vertical e Horizontal; Esteira
mecânica e elétrica; Proprioceptor; Cama
elástica; ...
Aparelhos de tração
• São aqueles que tracionam o segmento corporal.
Esta tração poderá ocorrer através de vários
princípios de tracionamento(pneumático, mecânico,
manual, elétrico
As trações a serem estudadas
• Tração cervical mecânica ou elétrica (fixa)
• Tração lombar mecânica ou elétrica (semimóvel)
• Tração cervical pneumática
Aparelhos para treino de marcha
• Barras paralelas
• Treino móvel com cinta de
sustentação(acima das paralelas)
• Escada de canto
• Escada-rampa
• Rampa
• Tábua de inversão-eversão
Vamos reconhecer os dispositivos
mecânicos!!!
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Nadjane Barros Costa
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
Brasil Telecom/OI
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
AmericanFisio
 
Cinesioterapia Classica e suas ações nas disfunções motoras
Cinesioterapia Classica e suas ações nas disfunções motorasCinesioterapia Classica e suas ações nas disfunções motoras
Cinesioterapia Classica e suas ações nas disfunções motoras
Edesio Clasen Willemann
 
1ª aula história da fisioterapia-1
         1ª aula   história da fisioterapia-1         1ª aula   história da fisioterapia-1
1ª aula história da fisioterapia-1
Alexander Da Silva Pereira
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
FUAD HAZIME
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Thalita Tassiani
 
Cinesio unidade 1 1-conceitos e principios do movimento humano
Cinesio   unidade 1 1-conceitos e principios do movimento humanoCinesio   unidade 1 1-conceitos e principios do movimento humano
Cinesio unidade 1 1-conceitos e principios do movimento humano
Guilherme Weiss Freccia
 
Alongamento muscular
Alongamento  muscularAlongamento  muscular
Alongamento muscular
lcinfo
 
Kabat aula pratica
Kabat   aula praticaKabat   aula pratica
Kabat aula pratica
Natha Fisioterapia
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Secretaria Municipal da Cidade do Rio de Janeiro
 
Slides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
Slides dos Curso de Avaliação em FisioterapiaSlides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
Slides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
phpalacio
 
Reabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesReabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marques
Debora_Marques
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Cleanto Santos Vieira
 
Fundamentos de fisioterapia - introducão - capítulo 1
Fundamentos de fisioterapia - introducão - capítulo 1Fundamentos de fisioterapia - introducão - capítulo 1
Fundamentos de fisioterapia - introducão - capítulo 1
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
Cleanto Santos Vieira
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
Nuno Amaro
 
Fisioterapia aquática traumatologia
Fisioterapia aquática   traumatologiaFisioterapia aquática   traumatologia
Fisioterapia aquática traumatologia
Priscila Freitas
 
Tônus muscular
Tônus muscularTônus muscular
Tônus muscular
Psicomotricidade
 

Mais procurados (20)

Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica Fisioterapia traumato ortopédica
Fisioterapia traumato ortopédica
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
 
Cinesioterapia Classica e suas ações nas disfunções motoras
Cinesioterapia Classica e suas ações nas disfunções motorasCinesioterapia Classica e suas ações nas disfunções motoras
Cinesioterapia Classica e suas ações nas disfunções motoras
 
1ª aula história da fisioterapia-1
         1ª aula   história da fisioterapia-1         1ª aula   história da fisioterapia-1
1ª aula história da fisioterapia-1
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Cinesio unidade 1 1-conceitos e principios do movimento humano
Cinesio   unidade 1 1-conceitos e principios do movimento humanoCinesio   unidade 1 1-conceitos e principios do movimento humano
Cinesio unidade 1 1-conceitos e principios do movimento humano
 
Alongamento muscular
Alongamento  muscularAlongamento  muscular
Alongamento muscular
 
Kabat aula pratica
Kabat   aula praticaKabat   aula pratica
Kabat aula pratica
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
 
Slides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
Slides dos Curso de Avaliação em FisioterapiaSlides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
Slides dos Curso de Avaliação em Fisioterapia
 
Reabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marquesReabilitação aquática débora marques
Reabilitação aquática débora marques
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
 
Fundamentos de fisioterapia - introducão - capítulo 1
Fundamentos de fisioterapia - introducão - capítulo 1Fundamentos de fisioterapia - introducão - capítulo 1
Fundamentos de fisioterapia - introducão - capítulo 1
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
 
Fisioterapia aquática traumatologia
Fisioterapia aquática   traumatologiaFisioterapia aquática   traumatologia
Fisioterapia aquática traumatologia
 
Tônus muscular
Tônus muscularTônus muscular
Tônus muscular
 

Semelhante a Aula introdução à disciplina de mecanoterapia

75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
HelenKatharine
 
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9rilEnfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
mujaci
 
01 historia do treinamento força.pptx (3).pdf
01 historia do treinamento  força.pptx (3).pdf01 historia do treinamento  força.pptx (3).pdf
01 historia do treinamento força.pptx (3).pdf
johnjesus8
 
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Charles Pereira
 
2014 1º bimestre
2014 1º bimestre2014 1º bimestre
2014 1º bimestre
pauloalambert
 
Programa 1º semestre de 2014-Parcial
Programa 1º semestre de 2014-ParcialPrograma 1º semestre de 2014-Parcial
Programa 1º semestre de 2014-Parcial
pauloalambert
 
apres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.pptapres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.ppt
ZedequiaSilva
 
Plano de aula piq
Plano de aula piqPlano de aula piq
Plano de aula piq
Albertina Sousa
 
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoAvaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Avaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o PilatesAvaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o Pilates
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Programa da Disciplina de Reumatologia
Programa da Disciplina de ReumatologiaPrograma da Disciplina de Reumatologia
Programa da Disciplina de Reumatologia
pauloalambert
 
Plano clinica integral ii 2011.2
Plano clinica integral ii 2011.2Plano clinica integral ii 2011.2
Plano clinica integral ii 2011.2
Charles Pereira
 
Plano clinica integral II 2011.2
Plano clinica integral II 2011.2Plano clinica integral II 2011.2
Plano clinica integral II 2011.2
Charles Pereira
 
Cronograma 2010 2
Cronograma 2010 2Cronograma 2010 2
Cronograma 2010 2
fernando
 
Curso Online de Fisioterapia Pélvica 2014
Curso Online de Fisioterapia Pélvica 2014Curso Online de Fisioterapia Pélvica 2014
Curso Online de Fisioterapia Pélvica 2014
claudiahacad
 
Plano de ensino_waldney_roberto
Plano de ensino_waldney_robertoPlano de ensino_waldney_roberto
Plano de ensino_waldney_roberto
Walds
 
Disciplina de propedeutica 16 a
Disciplina de propedeutica 16 aDisciplina de propedeutica 16 a
Disciplina de propedeutica 16 a
Paulo Alambert
 
Midias virtuais na educação
Midias virtuais na educaçãoMidias virtuais na educação
Midias virtuais na educação
lidianeccorreia
 
Treinamento funcional Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Treinamento funcional  Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdfTreinamento funcional  Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Treinamento funcional Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Leonardo dos santos macedo
 
Plano de curso promoção da saúde
Plano de curso promoção da saúdePlano de curso promoção da saúde
Plano de curso promoção da saúde
Fabiana Santana
 

Semelhante a Aula introdução à disciplina de mecanoterapia (20)

75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
 
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9rilEnfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
 
01 historia do treinamento força.pptx (3).pdf
01 historia do treinamento  força.pptx (3).pdf01 historia do treinamento  força.pptx (3).pdf
01 historia do treinamento força.pptx (3).pdf
 
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
Plano clinica integral ii (blog) 2011.1
 
2014 1º bimestre
2014 1º bimestre2014 1º bimestre
2014 1º bimestre
 
Programa 1º semestre de 2014-Parcial
Programa 1º semestre de 2014-ParcialPrograma 1º semestre de 2014-Parcial
Programa 1º semestre de 2014-Parcial
 
apres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.pptapres_fisioterapia.ppt
apres_fisioterapia.ppt
 
Plano de aula piq
Plano de aula piqPlano de aula piq
Plano de aula piq
 
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoAvaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
 
Avaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o PilatesAvaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o Pilates
 
Programa da Disciplina de Reumatologia
Programa da Disciplina de ReumatologiaPrograma da Disciplina de Reumatologia
Programa da Disciplina de Reumatologia
 
Plano clinica integral ii 2011.2
Plano clinica integral ii 2011.2Plano clinica integral ii 2011.2
Plano clinica integral ii 2011.2
 
Plano clinica integral II 2011.2
Plano clinica integral II 2011.2Plano clinica integral II 2011.2
Plano clinica integral II 2011.2
 
Cronograma 2010 2
Cronograma 2010 2Cronograma 2010 2
Cronograma 2010 2
 
Curso Online de Fisioterapia Pélvica 2014
Curso Online de Fisioterapia Pélvica 2014Curso Online de Fisioterapia Pélvica 2014
Curso Online de Fisioterapia Pélvica 2014
 
Plano de ensino_waldney_roberto
Plano de ensino_waldney_robertoPlano de ensino_waldney_roberto
Plano de ensino_waldney_roberto
 
Disciplina de propedeutica 16 a
Disciplina de propedeutica 16 aDisciplina de propedeutica 16 a
Disciplina de propedeutica 16 a
 
Midias virtuais na educação
Midias virtuais na educaçãoMidias virtuais na educação
Midias virtuais na educação
 
Treinamento funcional Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Treinamento funcional  Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdfTreinamento funcional  Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
Treinamento funcional Uma aboragem pratica 3ed - Artur Guerrini Monteiro.pdf
 
Plano de curso promoção da saúde
Plano de curso promoção da saúdePlano de curso promoção da saúde
Plano de curso promoção da saúde
 

Último

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 

Último (20)

000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 

Aula introdução à disciplina de mecanoterapia

  • 1. DISCIPLINA DE MECANOTERAPIA 2014/2 BEM VINDOS! Professora: Mestranda Lisiane Lisboa Carvalho e-mail: lisianecarvalho@unisc.br
  • 2. Código de Conduta Estacionamento (dúvidas) Expectativas sobre a disciplina
  • 4. PLANO DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DISCIPLINA: MECANOTERAPIA CÓDIGO: 6997 DEPARTAMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE I – DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade de Santa Cruz do Sul 2. Endereço: Av. Independência, 2293 – Santa Cruz do Sul 3. Curso(s) onde é ofertada: 218 FISIOTERAPIA 4. Nº de créditos: 4.0 Carga Horária: 60.0 h 5. Tipo de oferta da disciplina: ( X ) Presencial ( ) Semipresencial – 100% 6. Professora: LISIANE LISBOA CARVALHO 7. Semestre / Ano: 2014/2 8. Laboratório(s): ( )Não ( X)Sim Qual(is)? LAB 3422 Nº máximo de alunos: 20
  • 5. II – EMENTA DISPOSITIVOS INSTRUMENTAIS DE NATUREZA MECÂNICA APLICADO AO MOVIMENTO MÚSCULO-ARTICULAR PARA TERAPÊUTICA E PREVENÇÃO DE ACOMETIMENTOS FÍSICOS FUNCIONAIS. CONSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS ALTERNATIVOS. PROPRIOCEPÇÃO E SUA RELAÇÃO COM OS DISPOSITIVOS MECÂNICOS. III – OBJETIVOS Estimular e proporcionar ao estudante o desenvolvimento de técnicas de abordagem ao paciente, atenção à saúde, e criatividade nos atendimentos fisioterapêuticos com a utilização da mecanoterapia. Propor o acompanhamento dos estudantes durante atendimentos fisioterapêuticos na clinica Escola, para estimular a articulação teórica e prática. Sugerir a confecção de dispositivos ou adaptação dos existentes para o desenvolvimento da criatividade e redução de custos aos pacientes. Estimular o raciocínio para o tratamento fisioterapêutico através de estudos de casos. Executar em aula a prescrição de exercícios com e sem dispositivos aplicados na presença de pacientes para relatar a realidade nos atendimentos. Estimular à leitura de artigos científicos com intuito de incentivar o estudante a produção científica.
  • 6. IV – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Dispositivos mecânicos: 1.1 caracterização. 1.2 definição. 1.3 classificação dos dispositivos mecânicos. 2. Tipos de dispositivos aplicados aos exercícios de força, potência e resistência à fadiga. 3. Tipos de propriocepção e sua relação com os dispositivos mecânicos. 4. Construção e/ou adaptação de dispositivos mecanoterapêuticos. 5. Noções de pilates solo.
  • 7. V – PROGRAMAÇÃO Data/Tempo previsto Conteúdo 04/08/2014 Apresentação/distribuição dos grupos e conteúdos; Considerações iniciais, definições e reconhecimento dos dispositivos. 11/08/2014 Princípios; resistências; classificação dos aparelhos e dispositivos. 18/08/2014 Dispositivos de Membros superiores/ Prática; estudo dirigido sobre a temática. 25/08/2014 Grupo 01 apresentação: estudo de caso de membros superiores- 2,0 (1,0 conteúdo + 1,0 apresentação individual). 01/09/2014 Dispositivos de Membros Inferiores/ Prática; estudo dirigido sobre a temática. 08/09/2014 Grupo 02 apresentação: estudo de caso de membros inferiores- 2,0 (1,0 conteúdo + 1,0 apresentação individual). 15/09/2014 Dispositivos de equilíbrio/Cama ortostática - estudo dirigido sobre a temática 22/09/2014 Dispositivos mecanoterapêuticos para coluna: Tração; cervical e lombar. 29/09/2014 Grupo 03 apresentação: estudo de caso de tração- 2,0 (1,0 conteúdo + 1,0 apresentação individual).
  • 8. 06/10/2014 Grupo 4 apresentação: estudo de caso sobre lesões do trabalho e o uso da mecanoterapia- 2,0 (escrita 1,0 + 1,0 apresentação). 20/10/2014 Prova teórica: 2,5 27/10/2014 Oficina do mecanoplus e bola suiça: Cada grupo irá apresentar uma série de 4 exercícios para cada equipamento seguindo o que estudou no estudo de caso. 03/11/2014 Saída de Campo (studio de pilates). Demonstração de uma aula experimental de pilates completo. 10/11/2014 Prescrição de exercícios terapêuticos com exemplos práticos em aula a partir de artigos e estudos de casos. 17/11/2014 Discussão em aula sobre artigos científicos que utilizam a mecanoterapia em suas diferentes áreas de atuação. 24/11/2014 Prova prática - estudo de casos (3,0) 01/12/2014 Oficina sobre elaboração de atestado, relatórios, encaminhamentos. Após socialização dos grupos (teatro). 08/12/2014 Entrega do dispositivo e ou adaptação (1,5). Entrega do Relatório observacional de um dispositivo mecânico (1,0). Encerramento da disciplina com discussão e avaliação coletiva. 15/12/2014 EXAME
  • 9. V – METODOLOGIA TÉCNICAS RECURSOS AUDIOVISUAIS Aulas teórico práticas Estudos de casos Prova teórica individual Prova prática em dupla Confecção/adaptação de dispositivos Multimídia
  • 10. VI- AVALIAÇÕES • Estudo de caso em grupo (1,0 conteúdo + 1,0 apresentação de cada integrante) = 2.0 • Prova teórica: 2,5 • Prova prática em dupla: 3,0 • Relatório observacional de um dispositivo mecânico na clínica FisioUnisc: 1,0 • Confecção/adaptação dispositivo: 1,5
  • 12. Estudos de caso em grupo:  Criar um caso com uma patologia direcionada ao segmento corporal já definido;  Apresentar a terapêutica e os recursos fisioterapêuticos adequados, incluindo a MECANOTERAPIA.  Contextualizar a patologia com conceito, sinais e sintomas, atenção e cuidados fisioterápicos adequados.  Preparar uma aula prática para que todos executem as atividades apresentadas e propostas.  Providenciar material impresso para professora.  Valor: 2,0 (1,0 escrita + 1,0 apresentação) cada acadêmico receberá a nota de apresentação individual.
  • 13. Observação Individual:  O aluno deverá marcar a data de sua observação com à secretária da Clínica FisioUnisc.  No relatório deve constar: Patologia do paciente, métodos/objetivos utilizados pelo estagiário de fisioterapia durante a observação;  Nome do dispositivo, princípios e classificação dos dispositivos de mecanoterapia.  Relatório observacional de um dispositivo mecânico na clínica FisioUnisc: 1,0.
  • 14. IV – REFERÊNCIAS BÁSICAS Nº ex. ACHOUR JÚNIOR, Abdallah. Exercícios de alongamento: anatomia e fisiologia. 1. ed. São Paulo: Manole, 2002. 550 p. 17 BANDY, William D.; SANDERS, Barbara. Exercício terapêutico: técnicas para intervenção. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. 361 p. 5 MUNIZ, José Wagner Cavalcante; TEIXEIRA, Renato da Costa. Fundamentos de administração em fisioterapia. Barueri: Manole, 2003. 179 p. 8 O'SULLIVAN, Susan B.; SCHMITZ, Thomas J. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 4. ed. São Paulo: Manole, 2004. 1152 p. 6 PRENTICE, William E.; QUILLEN, William S.; UNDERWOOD, Frank B. Modalidades terapêuticas para fisioterapeutas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 472 p. 10 SHANKAR, Kamala. Prescrição de exercícios. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 358 p. 9 V – REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES Nº ex. GROSS, Jeffrey; FETTO, Joseph; ROSEN, Elaine. Exame musculoesquelético. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. 470 p. 13 KISNER, Carolyn; COLBY, Lynn Allen. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 5. ed. São Paulo: Manole, 2009. 972 p. ISBN 978- 85-204-2726-2 23 SOUZA, Angélica de. Propriocepção. Rio de Janeiro: MEDSI, 2004. 198p. 10
  • 15. “é um dos recursos fisioterápicos, que associado à cinesioterapia se utiliza de aparelhos (dispositivos) na execução das atividades terapêuticas que visam melhorar a funcionalidade de segmentos corporais, podendo ou não usar resistência associada. CONCEITO DE MECANOTERAPIA: (Silva, A. C. F. 2006)
  • 16. É qualquer forma de exercício em que a resistência é aplicada por meio de algum tipo de equipamento. O exercício com resistência mecânica é um componente integral da reabilitação e dos programas de condicionamento para pessoas de todas as idades. EXERCÍCIOS COM RESISTÊNCIA MECÂNICA (Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
  • 17. OBJETIVOS: (Gradiner, 1995; Kisner, C; Colby, L. A. 2009) Exercício Resistido: Melhorar a função; Aumentar a resistência muscular à fadiga; Aumentar a força; Aumentar a potência muscular.
  • 18. OBJETIVOS: (Gradiner, 1995; Kisner, C; Colby, L. A. 2009) Mecanoterapia:  Desenvolver e aprimorar movimentos;  Estabelecer o equilíbrio do segmento corpóreo através do exercício com ajuda do dispositivo mecânico;  Tracionar segmentos corpóreos com ajuda de algum dispositivo;  Estimular a manutenção e o aumento da amplitude de movimento;  Interage especialmente com a cinesioterapia e a hidroterapia;  Proporciona desafio aos pacientes e terapeutas;  Condiciona o paciente a querer sempre “o a mais”  Desenvolve a capacidade criativa do FISIOTERAPEUTA.
  • 19. INDICAÇÕES (Kisner, C; Colby, L. A. 2009) Mecanoterapia:  Sempre que houver possibilidade;  Poderão ser realizados exercícios ativos/ativos-assistidos/ativos- resistidos;  Para incrementar o atendimento e possibilitar a motivação para alcançar dos objetivos propostos;  Sempre que o paciente apresentar condições físicas compatíveis;  Para ganho resistência à fadiga muscular , de força e da potência. Exercício Resistido:  Aumentar a resistência muscular à fadiga;  Aumentar a força;  Aumentar a potência muscular.
  • 20. CONTRA-INDICAÇÕES: Dor: O paciente não pode referir dor durante a atividade ou após 24hs, Caso aconteça a terapêutica deverá ser reavaliada. Porque a dor é um sinal NEGATIVO importante nas atividades físicas e deve ser constantemente avaliada e respeitada. (Kisner, C; Colby, L. A. 2009) Processos inflamatórios: O exercício resistido não é indicado quando o músculo ou a articulação apresentarem-se inflamados e/ou edemaciados porque haverá um aumento deste edema, do calor e consequentemente a piora da lesão.
  • 21.  Pacientes clinicamente muito debilitados E/OU intolerantes a carga ou atividade física ativa (doença cardiopulmonar grave);  Patologias que poderão ter efeito contrário ao solicitado ( pós- cirúrgico imediato). CONTRA-INDICAÇÕES:
  • 23. Podem ser: • Móveis: podem ser colocados em qualquer lugar; • Semimóveis: alguns aspectos mudam de lugar ou parte do dispositivo • Fixos: não podem mudar de lugar ou não há alteração em sua configuração
  • 24. São eles: • Aparelhos facilitadores • Aparelhos que proporcionam resistência ao movimento • Treino de marcha • Aparelhos de Tração • Dispositivos de equilíbrio
  • 25. Facilitadores • São aqueles que auxiliam, ajudam na execução do movimento – não apresentam nenhum tipo de resistência... • Barra de ling; Prancha ortostática; Tábua de quadríceps; Exercitador de ombro; Skate abdução; Flap; Exercitador de tornozelo livre, etc.
  • 26. Resistência ao movimento • São aqueles que ao mesmo tempo que auxiliam o movimento proporcionam resistência ao longo de sua execução - apresentam algum tipo de resistência.
  • 27. Exemplos • Flexor de dedos; Rolo de punho ;Prono- supinador; Mesa de Kanavel; Polia de teto; Roda de ombro; Escada de dedos; Duplex; Halteres; Bota de delorme; Mesa (tábua) de quadríceps ;Mesa de Bonet; Exercitador de tornozelo c/mola; Bicicleta estacionária Vertical e Horizontal; Esteira mecânica e elétrica; Proprioceptor; Cama elástica; ...
  • 28. Aparelhos de tração • São aqueles que tracionam o segmento corporal. Esta tração poderá ocorrer através de vários princípios de tracionamento(pneumático, mecânico, manual, elétrico As trações a serem estudadas • Tração cervical mecânica ou elétrica (fixa) • Tração lombar mecânica ou elétrica (semimóvel) • Tração cervical pneumática
  • 29. Aparelhos para treino de marcha • Barras paralelas • Treino móvel com cinta de sustentação(acima das paralelas) • Escada de canto • Escada-rampa • Rampa • Tábua de inversão-eversão
  • 30. Vamos reconhecer os dispositivos mecânicos!!!