SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnico em Informática 
Organização de Computadores 
Aula 5 – Modelo de Entidade e Relacionamento – MER 
Prof. Vitor Hugo Melo Araújo
MODELO DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO 
 É um modelo conceitual, de deve estar o mais próximo 
possível da visão que o usuário tem dos dados. 
 Objetivo é descrever quais dados deverão ser 
armazenados pela aplicação e como esses dados se 
relacionam. 
 Nele estão representadas todas as ENTIDADES de 
interesse do domínio da aplicação, com seus 
respectivos ATRIBUTOS e o RELACIONAMENTO 
existente entre as entidades. 
 É representado de forma gráfica pelo Diagrama de 
Entidade-Relacionamento (DER)
MODELO DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO 
 Ferramenta de auxílio para criação desse modelo ´e o 
BrModelo. 
 Ferramenta de código aberto extremamente 
compacta e leve, podendo rodar diretamente de 
pendrives. 
 Não é necessário instalar. 
 Site para download http://sis4.com/brmodelo
BRMODELO
ENTIDADES 
 Uma entidade representa um conjunto de objetos de 
um mesmo tipo do mundo real e sobre os quais se 
pretende armazenar dados. 
 São reconhecidas por serem substantivos e uma forma 
simples de identifica-las em um domínio de aplicação 
é fazer as seguintes perguntas: 
– Sobre que objetos ou coisas precisamos guardar 
informação? 
– Há mais de um objeto deste tipo? 
– Existe uma chave capaz de identificar cada um 
dos objetos unicamente?
ENTIDADES
ENTIDADES 
 A imagem anterior é uma nota de compra de uma 
empresa. 
 Para esta aplicação o pedido é uma provável entidade. 
 Vamos verificar se ele atende os requisitos para que 
seja uma entidade.
ENTIDADES 
 Verifique agora as perguntas para a QUANTIDADE da 
imagem.
EXEMPLO DE UM SISTEMA 
 Uma escola precisa de um sistema para guardar os 
registros de dados de alunos, professores, disciplinas e 
turmas. Nesse sistema é preciso saber do aluno: 
Matrícula, nome, data de nascimento; dos professores 
é importante guardar informações como: Matrícula, 
nome, CPF, telefone, endereço e data de nascimento. 
O professor pode possui telefone celular e residencial. 
Cada turma tem um nome e um código, assim como as 
disciplinas também tem nome e código. Um professor 
pode dar aula de várias disciplinas em várias turmas. 
Uma disciplina pode ser ministrada por mais de um 
professor. Um aluno só pode fazer parte de uma única 
turma.
EXEMPLO DE MER 
 Podemos citar então como entidades desse sistema: 
professor, aluno, disciplina, turma, curso. Cada uma 
dessas entidades armazenará um conjunto de objetos 
do mesmo tipo. Uma entidade é representada 
graficamente por um retângulo com o nome da 
entidade dentro do retângulo. Por exemplo:
ATRIBUTOS 
 Cada entidade possui algumas propriedades que 
definem suas características. 
 Essas características das entidades são chamadas de 
ATRIBUTOS. 
 Por exemplo, para a entidade “Professor”, é 
necessário armazenar dados como: CPF, nome, 
telefone, endereço, data de nascimento, matrícula. 
 Esses dados são atributos da entidade “Professor” e 
são eles que caracterizam um objeto do tipo professor.
ATRIBUTOS
ATRIBUTO 
 Um atributo pode ser representado graficamente por 
uma bolinha ligando a entidade com o nome do 
atributo ao lado. 
 Alguns atributos podem ser divididos em subpartes 
com significados independentes. 
 Por exemplo, o atributo “endereco_professor” da 
entidade “Professor”, pode ser dividido em: rua, 
numero, bairro, cidade, estado e CEP. 
 Um atributo que é composto de outros atributos mais 
básicos é chamado de ATRIBUTO COMPOSTO. 
 Já, atributos que não são divisíveis são chamados de 
ATRIBUTOS SIMPLES.
ATRIBUTO
ATRIBUTO 
 Muitos atributos tem apenas um único valor. 
 Esses atributos são chamados ATRIBUTOS 
MONOVALORADOS, por exemplo, o atributo 
“data_de_nasc_prof” da entidade “Professor”. 
 Em outro casos, um atributo pode ter um conjunto de 
valores, tais atributos são chamados de ATRIBUTOS 
MULTIVALORADOS, por exemplo, o professor pode 
possuir mais de um telefone, um residencial e um 
celular.
ATRIBUTO
ATRIBUTOS 
 Um ATRIBUTO DERIVADO é aquele cujo valor deriva de 
outro(s) atributo(s). 
 Por exemplo, podemos acrescentar ao professor do 
exemplo anterior, o atributo idade, que é calculado 
automaticamente a partir da data de nascimento e a 
data atual pela própria aplicação ou SGBD.
ATRIBUTOS 
 Um atributo tem um VALOR NULO quando uma 
entidade não possui um valor pra ele. 
 O valor nulo representa a inexistência de um valor, ou 
seja, significa que o usuário não precisa cadastrar um 
valor para o atributo e pode deixa-lo vazio. 
 Exemplo e-mail, nem todos tem e-mail
CHAVE PRIMÁRIA (PRIMARY KEY – PK) 
 Um conjunto de atributos que tem a propriedade de 
identificar UNIVOCAMENTE uma ocorrência (instância) 
de uma entidade é chamado de IDENTIFICADOR desta 
entidade. Toda entidade deve possuir um 
identificador. 
 O identificador também é conhecido como CHAVE 
PRIMÁRIA (PRIMARY KEY – PK). 
 Você deve ter reparado que na entidade “Professor”, o 
atributo “matricula_professor” é definido com uma 
bolinha pintada, esta é a forma de representar a chave 
primária da entidade professor.
CHAVE PRIMÁRIA
RELACIONAMENTO 
 Um relacionamento é uma associação entre as 
entidades. Como vimos, os dados devem ser 
armazenados e estarem relacionados na base de 
dados para que possamos utilizá-los eficientemente. 
 O relacionamento entre os dados é o que nos permite 
descobrir, dadas duas entidades como “Professor” e 
“Disciplina”, qual a disciplina que o professor leciona.
RELACIONAMENTO
RELACIONAMENTO 
 Um relacionamento é representado por um losango 
com o nome do relacionamento no centro. 
 O nome do relacionamento representa a relação que 
existe entre as entidades. 
 Esse nome pode ser um verbo, como por exemplo: 
pertence, leciona, estuda, possui, etc.. 
 Ou também pode ser uma composição dos nomes das 
entidades: “Aluno_turma” ao invés de pertence.
RELACIONAMENTO 
 Um relacionamento pode ter atributos. Esse atributos 
são denominados de atributos descritivos. 
 Imagine que seja necessário armazenar a ano em que 
um professor lecionou determinada disciplina. 
 O atributo ano, não pode pertencer nem a entidade 
“Professor” e nem a entidade “Disciplina”. 
 Esse atributo pertence ao relacionamento “leciona”, 
ou seja, é um atributo do relacionamento. 
 E ele só deve ser preenchido com um valor, quando for 
feita a relação entre professor e disciplina.
RELACIONAMENTO
EXERCÍCIO 
1. Para que serve o Diagrama Entidade 
Relacionamento? 
2. Defina o que é entidade e dê pelo menos três 
exemplos de entidades (diferente dos apresentados 
em aula). 
3. Defina atributo e cite 4 atributos para cada entidade 
que você citou na questão 2. 
4. Quais os tipos de atributos? Explique cada um deles. 
5. Explique o que é chave primária e para que ela serve. 
Apresente 3 exemplos de atributos que poderiam ser 
chave primária e explique o porque. 
6. Uma chave primária pode assumir valor NULO? 
Explique sua resposta
EXERCÍCIO 
7. Dado o DER abaixo, coloque os atributos para cada entidade 
e marque as chaves primárias para cada entidade. 
8. Dado diagrama abaixo, pode-se afirmar que a entidade 
“Endereço” possui três chaves primárias? Explique sua 
resposta.
Técnico em Informática 
Organização de Computadores 
Aula 5 – Modelo de Entidade e Relacionamento – MER 
Prof. Vitor Hugo Melo Araújo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a modelagem de dados - Banco de Dados
Introdução a modelagem de dados - Banco de DadosIntrodução a modelagem de dados - Banco de Dados
Introdução a modelagem de dados - Banco de Dados
info_cimol
 
Modelagem de dados
Modelagem de dadosModelagem de dados
Modelagem de dados
Fabrício Lopes Sanchez
 
Sistema de gerenciamento de banco de dados
Sistema de gerenciamento de banco de dadosSistema de gerenciamento de banco de dados
Sistema de gerenciamento de banco de dados
Juh Souza
 
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade RelacionamentoMer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Rademaker Siena
 
5- Modelo entidade Relacionamento - Cardinalidade - Profª Cristiane Fidelix
5- Modelo entidade Relacionamento - Cardinalidade - Profª Cristiane Fidelix5- Modelo entidade Relacionamento - Cardinalidade - Profª Cristiane Fidelix
5- Modelo entidade Relacionamento - Cardinalidade - Profª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Aula de SQL - Básico
Aula de SQL - BásicoAula de SQL - Básico
Aula de SQL - Básico
Airton Zanon
 
Modelação de Dados
Modelação de DadosModelação de Dados
Modelação de Dados
Alberto Simões
 
Modelagem de Sistema de Informação 02
Modelagem de Sistema de Informação 02Modelagem de Sistema de Informação 02
Modelagem de Sistema de Informação 02
Danielle Ballester, PMP,PSM,SFC,SDC,SMC,SPOC,SCT
 
Variáveis e portugol
Variáveis e portugolVariáveis e portugol
Variáveis e portugol
Carlos Wagner Costa
 
07 Modelagem de banco de dados: Modelo Físico
07 Modelagem de banco de dados: Modelo Físico07 Modelagem de banco de dados: Modelo Físico
07 Modelagem de banco de dados: Modelo Físico
Centro Paula Souza
 
Banco de Dados I Aula 06 - Generalização e Especialização
Banco de Dados I Aula 06 - Generalização e EspecializaçãoBanco de Dados I Aula 06 - Generalização e Especialização
Banco de Dados I Aula 06 - Generalização e Especialização
Leinylson Fontinele
 
UML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas EficientesUML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas Eficientes
Rodrigo Cascarrolho
 
Introdução à Computação - Aula Prática 3 - Banco de Dados (Conversão do model...
Introdução à Computação - Aula Prática 3 - Banco de Dados (Conversão do model...Introdução à Computação - Aula Prática 3 - Banco de Dados (Conversão do model...
Introdução à Computação - Aula Prática 3 - Banco de Dados (Conversão do model...
Leinylson Fontinele
 
Bancode dados modelagem conceitual
Bancode dados modelagem conceitualBancode dados modelagem conceitual
Bancode dados modelagem conceitual
Mario Sergio
 
Modelo entidade relacionamento
Modelo entidade relacionamentoModelo entidade relacionamento
Modelo entidade relacionamento
Carlos Melo
 
Algoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dadosAlgoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dados
Professor Samuel Ribeiro
 
Exercitando modelagem em UML
Exercitando modelagem em UMLExercitando modelagem em UML
Exercitando modelagem em UML
info_cimol
 
Bases De Dados
Bases De DadosBases De Dados
Bases De Dados
arturafonsosousa
 
A Linguagem sql
A Linguagem sqlA Linguagem sql
A Linguagem sql
Centro Paula Souza
 
1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados
vini_campos
 

Mais procurados (20)

Introdução a modelagem de dados - Banco de Dados
Introdução a modelagem de dados - Banco de DadosIntrodução a modelagem de dados - Banco de Dados
Introdução a modelagem de dados - Banco de Dados
 
Modelagem de dados
Modelagem de dadosModelagem de dados
Modelagem de dados
 
Sistema de gerenciamento de banco de dados
Sistema de gerenciamento de banco de dadosSistema de gerenciamento de banco de dados
Sistema de gerenciamento de banco de dados
 
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade RelacionamentoMer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
 
5- Modelo entidade Relacionamento - Cardinalidade - Profª Cristiane Fidelix
5- Modelo entidade Relacionamento - Cardinalidade - Profª Cristiane Fidelix5- Modelo entidade Relacionamento - Cardinalidade - Profª Cristiane Fidelix
5- Modelo entidade Relacionamento - Cardinalidade - Profª Cristiane Fidelix
 
Aula de SQL - Básico
Aula de SQL - BásicoAula de SQL - Básico
Aula de SQL - Básico
 
Modelação de Dados
Modelação de DadosModelação de Dados
Modelação de Dados
 
Modelagem de Sistema de Informação 02
Modelagem de Sistema de Informação 02Modelagem de Sistema de Informação 02
Modelagem de Sistema de Informação 02
 
Variáveis e portugol
Variáveis e portugolVariáveis e portugol
Variáveis e portugol
 
07 Modelagem de banco de dados: Modelo Físico
07 Modelagem de banco de dados: Modelo Físico07 Modelagem de banco de dados: Modelo Físico
07 Modelagem de banco de dados: Modelo Físico
 
Banco de Dados I Aula 06 - Generalização e Especialização
Banco de Dados I Aula 06 - Generalização e EspecializaçãoBanco de Dados I Aula 06 - Generalização e Especialização
Banco de Dados I Aula 06 - Generalização e Especialização
 
UML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas EficientesUML - Criando Diagramas Eficientes
UML - Criando Diagramas Eficientes
 
Introdução à Computação - Aula Prática 3 - Banco de Dados (Conversão do model...
Introdução à Computação - Aula Prática 3 - Banco de Dados (Conversão do model...Introdução à Computação - Aula Prática 3 - Banco de Dados (Conversão do model...
Introdução à Computação - Aula Prática 3 - Banco de Dados (Conversão do model...
 
Bancode dados modelagem conceitual
Bancode dados modelagem conceitualBancode dados modelagem conceitual
Bancode dados modelagem conceitual
 
Modelo entidade relacionamento
Modelo entidade relacionamentoModelo entidade relacionamento
Modelo entidade relacionamento
 
Algoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dadosAlgoritmo - tipos de dados
Algoritmo - tipos de dados
 
Exercitando modelagem em UML
Exercitando modelagem em UMLExercitando modelagem em UML
Exercitando modelagem em UML
 
Bases De Dados
Bases De DadosBases De Dados
Bases De Dados
 
A Linguagem sql
A Linguagem sqlA Linguagem sql
A Linguagem sql
 
1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados1.Introdução Banco de Dados
1.Introdução Banco de Dados
 

Destaque

Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de DadosAula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 11 – Informação e a sua Representação
Aula 11 – Informação e a sua RepresentaçãoAula 11 – Informação e a sua Representação
Aula 11 – Informação e a sua Representação
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicosAula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de DadosAula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 8 – Componentes de um computador
Aula 8 – Componentes de um computadorAula 8 – Componentes de um computador
Aula 8 – Componentes de um computador
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores IIIAula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Aula 2 - Noções Básicas de EletricidadeAula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Aula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 14 – Portas lógicas e suas funções
Aula 14 – Portas lógicas e suas funçõesAula 14 – Portas lógicas e suas funções
Aula 14 – Portas lógicas e suas funções
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 4 - História e evolução dos Computadores
Aula 4 - História e evolução dos ComputadoresAula 4 - História e evolução dos Computadores
Aula 4 - História e evolução dos Computadores
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Aula 3   sistema computacional (hardware e software)Aula 3   sistema computacional (hardware e software)
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de DadosAula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores IAula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Vitor Hugo Melo Araújo
 

Destaque (15)

Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de DadosAula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
 
Aula 11 – Informação e a sua Representação
Aula 11 – Informação e a sua RepresentaçãoAula 11 – Informação e a sua Representação
Aula 11 – Informação e a sua Representação
 
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicosAula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicos
 
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de DadosAula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
 
Aula 8 – Componentes de um computador
Aula 8 – Componentes de um computadorAula 8 – Componentes de um computador
Aula 8 – Componentes de um computador
 
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores IIIAula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
 
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
 
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
 
Aula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Aula 2 - Noções Básicas de EletricidadeAula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Aula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
 
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
 
Aula 14 – Portas lógicas e suas funções
Aula 14 – Portas lógicas e suas funçõesAula 14 – Portas lógicas e suas funções
Aula 14 – Portas lógicas e suas funções
 
Aula 4 - História e evolução dos Computadores
Aula 4 - História e evolução dos ComputadoresAula 4 - História e evolução dos Computadores
Aula 4 - História e evolução dos Computadores
 
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Aula 3   sistema computacional (hardware e software)Aula 3   sistema computacional (hardware e software)
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
 
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de DadosAula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
 
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores IAula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
 

Semelhante a Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER

Aula 6 banco de dados
Aula 6   banco de dadosAula 6   banco de dados
Aula 6 banco de dados
Jorge Ávila Miranda
 
Aula 5 banco de dados
Aula 5   banco de dadosAula 5   banco de dados
Aula 5 banco de dados
Jorge Ávila Miranda
 
Banco de Dados
Banco de DadosBanco de Dados
Banco de Dados
Fabio Abel
 
Aula 3-IDB - Modelo Conceptual-2.pdf
Aula 3-IDB - Modelo Conceptual-2.pdfAula 3-IDB - Modelo Conceptual-2.pdf
Aula 3-IDB - Modelo Conceptual-2.pdf
Celestino24
 
Paradigma Orientado a Objetos
Paradigma Orientado a ObjetosParadigma Orientado a Objetos
Paradigma Orientado a Objetos
Álvaro Farias Pinheiro
 
Aula sobre Diagrama Classe para a modelagem de requisitos.pptx
Aula sobre Diagrama Classe para a modelagem de requisitos.pptxAula sobre Diagrama Classe para a modelagem de requisitos.pptx
Aula sobre Diagrama Classe para a modelagem de requisitos.pptx
Carlos Albuquerque
 
Modelo de Entidades e Relacionamentos
Modelo de Entidades e RelacionamentosModelo de Entidades e Relacionamentos
Modelo de Entidades e Relacionamentos
Robson Silva Espig
 
Aula 02 mer
Aula 02   merAula 02   mer
Aula 02 mer
Roitier Gonçalves
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
prsimon
 
Aula 03 generalização e especialização
Aula 03   generalização e especializaçãoAula 03   generalização e especialização
Aula 03 generalização e especialização
Roitier Gonçalves
 
ATRIBUTOS.pptx
ATRIBUTOS.pptxATRIBUTOS.pptx
ATRIBUTOS.pptx
fabio20718
 
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Miguel Aquino
 
Sistema acadêmico
Sistema acadêmicoSistema acadêmico
Sistema acadêmico
Leinylson Fontinele
 
Aula bd i 05 04-21
Aula bd i 05 04-21Aula bd i 05 04-21
Aula bd i 05 04-21
Nilson Augustini
 
Si modelação dados
Si   modelação dadosSi   modelação dados
Si modelação dados
Andreia Gonçalves
 
Si modelação dados
Si   modelação dadosSi   modelação dados
Si modelação dados
Andreia Gonçalves
 
diagrama-classes definição para curso professional
diagrama-classes definição para curso professionaldiagrama-classes definição para curso professional
diagrama-classes definição para curso professional
Joaquina30
 
Introducao Base Dados Ii
Introducao Base Dados IiIntroducao Base Dados Ii
Introducao Base Dados Ii
guest3118b2
 
Introducao Base Dados Ii
Introducao Base Dados IiIntroducao Base Dados Ii
Introducao Base Dados Ii
guest3118b2
 
Materia sobre Microsoft excel
Materia sobre Microsoft excelMateria sobre Microsoft excel
Materia sobre Microsoft excel
Tudosbinformatica .blogspot.com
 

Semelhante a Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER (20)

Aula 6 banco de dados
Aula 6   banco de dadosAula 6   banco de dados
Aula 6 banco de dados
 
Aula 5 banco de dados
Aula 5   banco de dadosAula 5   banco de dados
Aula 5 banco de dados
 
Banco de Dados
Banco de DadosBanco de Dados
Banco de Dados
 
Aula 3-IDB - Modelo Conceptual-2.pdf
Aula 3-IDB - Modelo Conceptual-2.pdfAula 3-IDB - Modelo Conceptual-2.pdf
Aula 3-IDB - Modelo Conceptual-2.pdf
 
Paradigma Orientado a Objetos
Paradigma Orientado a ObjetosParadigma Orientado a Objetos
Paradigma Orientado a Objetos
 
Aula sobre Diagrama Classe para a modelagem de requisitos.pptx
Aula sobre Diagrama Classe para a modelagem de requisitos.pptxAula sobre Diagrama Classe para a modelagem de requisitos.pptx
Aula sobre Diagrama Classe para a modelagem de requisitos.pptx
 
Modelo de Entidades e Relacionamentos
Modelo de Entidades e RelacionamentosModelo de Entidades e Relacionamentos
Modelo de Entidades e Relacionamentos
 
Aula 02 mer
Aula 02   merAula 02   mer
Aula 02 mer
 
Modelagem
ModelagemModelagem
Modelagem
 
Aula 03 generalização e especialização
Aula 03   generalização e especializaçãoAula 03   generalização e especialização
Aula 03 generalização e especialização
 
ATRIBUTOS.pptx
ATRIBUTOS.pptxATRIBUTOS.pptx
ATRIBUTOS.pptx
 
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
 
Sistema acadêmico
Sistema acadêmicoSistema acadêmico
Sistema acadêmico
 
Aula bd i 05 04-21
Aula bd i 05 04-21Aula bd i 05 04-21
Aula bd i 05 04-21
 
Si modelação dados
Si   modelação dadosSi   modelação dados
Si modelação dados
 
Si modelação dados
Si   modelação dadosSi   modelação dados
Si modelação dados
 
diagrama-classes definição para curso professional
diagrama-classes definição para curso professionaldiagrama-classes definição para curso professional
diagrama-classes definição para curso professional
 
Introducao Base Dados Ii
Introducao Base Dados IiIntroducao Base Dados Ii
Introducao Base Dados Ii
 
Introducao Base Dados Ii
Introducao Base Dados IiIntroducao Base Dados Ii
Introducao Base Dados Ii
 
Materia sobre Microsoft excel
Materia sobre Microsoft excelMateria sobre Microsoft excel
Materia sobre Microsoft excel
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER

  • 1. Técnico em Informática Organização de Computadores Aula 5 – Modelo de Entidade e Relacionamento – MER Prof. Vitor Hugo Melo Araújo
  • 2. MODELO DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO  É um modelo conceitual, de deve estar o mais próximo possível da visão que o usuário tem dos dados.  Objetivo é descrever quais dados deverão ser armazenados pela aplicação e como esses dados se relacionam.  Nele estão representadas todas as ENTIDADES de interesse do domínio da aplicação, com seus respectivos ATRIBUTOS e o RELACIONAMENTO existente entre as entidades.  É representado de forma gráfica pelo Diagrama de Entidade-Relacionamento (DER)
  • 3. MODELO DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO  Ferramenta de auxílio para criação desse modelo ´e o BrModelo.  Ferramenta de código aberto extremamente compacta e leve, podendo rodar diretamente de pendrives.  Não é necessário instalar.  Site para download http://sis4.com/brmodelo
  • 5. ENTIDADES  Uma entidade representa um conjunto de objetos de um mesmo tipo do mundo real e sobre os quais se pretende armazenar dados.  São reconhecidas por serem substantivos e uma forma simples de identifica-las em um domínio de aplicação é fazer as seguintes perguntas: – Sobre que objetos ou coisas precisamos guardar informação? – Há mais de um objeto deste tipo? – Existe uma chave capaz de identificar cada um dos objetos unicamente?
  • 7. ENTIDADES  A imagem anterior é uma nota de compra de uma empresa.  Para esta aplicação o pedido é uma provável entidade.  Vamos verificar se ele atende os requisitos para que seja uma entidade.
  • 8. ENTIDADES  Verifique agora as perguntas para a QUANTIDADE da imagem.
  • 9. EXEMPLO DE UM SISTEMA  Uma escola precisa de um sistema para guardar os registros de dados de alunos, professores, disciplinas e turmas. Nesse sistema é preciso saber do aluno: Matrícula, nome, data de nascimento; dos professores é importante guardar informações como: Matrícula, nome, CPF, telefone, endereço e data de nascimento. O professor pode possui telefone celular e residencial. Cada turma tem um nome e um código, assim como as disciplinas também tem nome e código. Um professor pode dar aula de várias disciplinas em várias turmas. Uma disciplina pode ser ministrada por mais de um professor. Um aluno só pode fazer parte de uma única turma.
  • 10. EXEMPLO DE MER  Podemos citar então como entidades desse sistema: professor, aluno, disciplina, turma, curso. Cada uma dessas entidades armazenará um conjunto de objetos do mesmo tipo. Uma entidade é representada graficamente por um retângulo com o nome da entidade dentro do retângulo. Por exemplo:
  • 11. ATRIBUTOS  Cada entidade possui algumas propriedades que definem suas características.  Essas características das entidades são chamadas de ATRIBUTOS.  Por exemplo, para a entidade “Professor”, é necessário armazenar dados como: CPF, nome, telefone, endereço, data de nascimento, matrícula.  Esses dados são atributos da entidade “Professor” e são eles que caracterizam um objeto do tipo professor.
  • 13. ATRIBUTO  Um atributo pode ser representado graficamente por uma bolinha ligando a entidade com o nome do atributo ao lado.  Alguns atributos podem ser divididos em subpartes com significados independentes.  Por exemplo, o atributo “endereco_professor” da entidade “Professor”, pode ser dividido em: rua, numero, bairro, cidade, estado e CEP.  Um atributo que é composto de outros atributos mais básicos é chamado de ATRIBUTO COMPOSTO.  Já, atributos que não são divisíveis são chamados de ATRIBUTOS SIMPLES.
  • 15. ATRIBUTO  Muitos atributos tem apenas um único valor.  Esses atributos são chamados ATRIBUTOS MONOVALORADOS, por exemplo, o atributo “data_de_nasc_prof” da entidade “Professor”.  Em outro casos, um atributo pode ter um conjunto de valores, tais atributos são chamados de ATRIBUTOS MULTIVALORADOS, por exemplo, o professor pode possuir mais de um telefone, um residencial e um celular.
  • 17. ATRIBUTOS  Um ATRIBUTO DERIVADO é aquele cujo valor deriva de outro(s) atributo(s).  Por exemplo, podemos acrescentar ao professor do exemplo anterior, o atributo idade, que é calculado automaticamente a partir da data de nascimento e a data atual pela própria aplicação ou SGBD.
  • 18. ATRIBUTOS  Um atributo tem um VALOR NULO quando uma entidade não possui um valor pra ele.  O valor nulo representa a inexistência de um valor, ou seja, significa que o usuário não precisa cadastrar um valor para o atributo e pode deixa-lo vazio.  Exemplo e-mail, nem todos tem e-mail
  • 19. CHAVE PRIMÁRIA (PRIMARY KEY – PK)  Um conjunto de atributos que tem a propriedade de identificar UNIVOCAMENTE uma ocorrência (instância) de uma entidade é chamado de IDENTIFICADOR desta entidade. Toda entidade deve possuir um identificador.  O identificador também é conhecido como CHAVE PRIMÁRIA (PRIMARY KEY – PK).  Você deve ter reparado que na entidade “Professor”, o atributo “matricula_professor” é definido com uma bolinha pintada, esta é a forma de representar a chave primária da entidade professor.
  • 21. RELACIONAMENTO  Um relacionamento é uma associação entre as entidades. Como vimos, os dados devem ser armazenados e estarem relacionados na base de dados para que possamos utilizá-los eficientemente.  O relacionamento entre os dados é o que nos permite descobrir, dadas duas entidades como “Professor” e “Disciplina”, qual a disciplina que o professor leciona.
  • 23. RELACIONAMENTO  Um relacionamento é representado por um losango com o nome do relacionamento no centro.  O nome do relacionamento representa a relação que existe entre as entidades.  Esse nome pode ser um verbo, como por exemplo: pertence, leciona, estuda, possui, etc..  Ou também pode ser uma composição dos nomes das entidades: “Aluno_turma” ao invés de pertence.
  • 24. RELACIONAMENTO  Um relacionamento pode ter atributos. Esse atributos são denominados de atributos descritivos.  Imagine que seja necessário armazenar a ano em que um professor lecionou determinada disciplina.  O atributo ano, não pode pertencer nem a entidade “Professor” e nem a entidade “Disciplina”.  Esse atributo pertence ao relacionamento “leciona”, ou seja, é um atributo do relacionamento.  E ele só deve ser preenchido com um valor, quando for feita a relação entre professor e disciplina.
  • 26. EXERCÍCIO 1. Para que serve o Diagrama Entidade Relacionamento? 2. Defina o que é entidade e dê pelo menos três exemplos de entidades (diferente dos apresentados em aula). 3. Defina atributo e cite 4 atributos para cada entidade que você citou na questão 2. 4. Quais os tipos de atributos? Explique cada um deles. 5. Explique o que é chave primária e para que ela serve. Apresente 3 exemplos de atributos que poderiam ser chave primária e explique o porque. 6. Uma chave primária pode assumir valor NULO? Explique sua resposta
  • 27. EXERCÍCIO 7. Dado o DER abaixo, coloque os atributos para cada entidade e marque as chaves primárias para cada entidade. 8. Dado diagrama abaixo, pode-se afirmar que a entidade “Endereço” possui três chaves primárias? Explique sua resposta.
  • 28. Técnico em Informática Organização de Computadores Aula 5 – Modelo de Entidade e Relacionamento – MER Prof. Vitor Hugo Melo Araújo